Ppp 2012 2013

2,148 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,148
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
197
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ppp 2012 2013

  1. 1. E.E. Dec. N.º Av. Belo Horizonte - MG Cep.PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Revisado em 2012 Belo Horizonte, dezembro de 2012.
  2. 2. IDENTIDADE DA ESCOLANome da Instituição:Endereço:CEP: – Telefone: – e-mail:CGC:Diretora:Vice-diretores:Especialistas:Entidade Mantenedora: Secretaria de Estado de Educação de Minas GeraisDecreto de Criação:Data de Fundação:Fundador ou Grupo Fundador:Sede da Instituição: Estadual.Segundo Paulo Freire: “Escola é o lugar onde se faz amigos não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos. [...] Escola é sobretudo gente que trabalha, que estuda, que se alegra, se conhece, se estima. O diretor é gente, o coordenador é gente, o professor é gente, o aluno é gente, cada funcionário é gente. E a escola será cada vez melhor na medida em que cada um se comporte como colega, amigo, irmão. Nada de “ilha cercada de gente por todos os lados”. Nada de conviver com as pessoas e depois descobrir que não tem amizade a ninguém, nada de ser como tijolo que forma a parede, indiferente, frio, só. Importante na escola não é só estudar, não é só trabalhar, é também criar laços de amizade, criar ambiente de camaradagem, conviver, é se “amarrar nela!” Ora, é lógico [...] numa escola assim vai ser fácil estudar, trabalhar, crescer, fazer amigos, educar-se, ser feliz”. FREIRE, 1970.2
  3. 3. APRESENTAÇÃOA proposta Político Pedagógica é a tradução dos anseios de toda comunidade escolar.A participação de pais, alunos, professores e funcionários para sua construção foimuito importante.Através de leituras, discussão, trabalho participativo, reflexões, questionamos asociedade e a escola que temos e o que queremos daqui pra frente.A busca por objetivos para nosso trabalho nos permitiu que juntos fôssemosaprendendo, dialogando e trabalhando de forma coletiva para construir novas práticas.Através da fundamentação teórica estabelecemos princípios que orientarão e darãocoerência as nossas ações.HISTÓRICO / ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA DA ESCOLAFundada em 27 de março de 1969 pelo Governador do Estado de Minas Gerais, Dr.Israel Pinheiro da Silva e pelo Secretário da Educação Dr. José Maria Alkimim. Oterreno que pertencia ao Banco Mercantil e foi doado para que se construísse areferida Escola. A obra iniciou em janeiro e finalizou em setembro de 1968.A E. E. ... , é uma instituição declarada de utilidade pública estadual. E está voltada aatender principalmente a uma população em situação de vulnerabilidade social, debaixo poder aquisitivo e de classe média, ao longo destes anos passou por 7administrações, sendo que até 1991 as direções da escola eram nomeadas pelaSecretaria de Estado da Educação e a partir daí, as candidatas passaram a sersubmetidas ao processo de escolha de direção por esta Secretaria.Atualmente tem sua organização e funcionamento de ensino voltado para a EducaçãoBásica compreendendo o Ensino Fundamental de 1º ao 5º ano e o Ensino Médio.Fundamenta-se no princípio da gestão democrática e na observância das normaslegais.Quanto ao quadro curricular do Ensino Fundamental, está organizada em ciclos deestudo, dentro das normas da Secretaria de Estado de Educação, considerando odisposto no Decreto Nº ... .Já o Ensino Médio é ministrado com a duração mínima de três anos em regimeseriado com progressão regular e parcial, devendo ser adotados como parte daestrutura dos currículos do Ensino Médio, princípios pedagógicos de: identidade,diversidade, autonomia, interdisciplinaridade e contextualização.A avaliação de desempenho escolar dá-se através da avaliação contínua do processoensino/aprendizagem com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativose dos resultados obtidos.Na avaliação de ensino/aprendizagem no Ensino Fundamental serão usadosinstrumentos diversos para verificação do rendimento escolar, tais como:  Trabalhos em classe;3
  4. 4.  Atividade extraclasse;  Pesquisas;  Observações e relatos de experiências;  Provas;  Observações diretas de desempenho do aluno.Os resultados das avaliações serão expressos através de conceitos:A – quando o aluno alcançou suficientemente os objetivos de estudos;B – quando o aluno alcançou parcialmente os objetivos de estudos;C – quando o aluno necessita de mais empenho, para atingir os objetivos de estudos.Os registros serão feitos em fichas individuais indicadoras do desenvolvimento edificuldades do aluno.Já no Ensino Médio serão adotados sistemas de pontos cumulativos, em númerosinteiros de 0 a 100, distribuídos em quatro bimestres:  1ª Bimestre: 20 pontos (fevereiro/março/abril)  2ª Bimestre: 20 pontos (maio/junho/julho)  3ª Bimestre: 20 pontos (agosto/setembro)  4ª Bimestre: 40 pontos (outubro/novembro/dezembro)A distribuição de pontos no decorrer da etapa acontecerá da seguinte forma: 40%trabalhos, pesquisas, participação em sala e 60% restante numa prova envolvendoquestões de todas as disciplinas.Para aprovação, será exigida do aluno a frequência mínima de 75% (setenta e cincopor cento) do total de horas oferecidas no ano letivo, tanto para aprovação naorganização em séries como para a mudança de fase na organização em ciclos, bemcomo um aproveitamento de 60% (sessenta por cento) em cada componentecurricular.Os estudos de recuperação constituem-se em uma estratégia de construçãodeliberada no processo educativo, quando as dificuldades são diagnosticadas,promovendo nova oportunidade aos alunos para atingirem os objetivos propostos.No Ensino Fundamental, a recuperação será realizada de forma contínua e paralela,procurando atender às dificuldades de aprendizado mediante a utilização de materiaisdidáticos – pedagógicos suplementares e assistência individualizada no PIP – Planode Intervenção Pedagógica, sob orientação do (a) Especialista de Educação Básica doturno, com auxílio da professora eventual, estagiários e funcionários em ajustamento4
  5. 5. funcional, sendo estes últimos liberados pelo serviço médico para atuarem com alunosem sala de aula.No Ensino Médio, a recuperação acontecerá também de forma contínua e paralela.Para os alunos que não adquirirem as habilidades básicas, com os métodos adotadosno decorrer da etapa, o professor deverá organizar grupos de alunos, a partir dodiagnóstico realizado no processo de avaliação, para receberem o acompanhamentoadequado. O atendimento se fará mediante organização dos estudos, em que oprofessor, as vistas das dificuldades apresentadas pelo aluno, deve monitorar oprocesso de ensino / aprendizagem, através de estudos dirigidos, trabalhos, pesquisase outras atividades realizadas dentro do espaço escolar.Após a realização da última avaliação do ano letivo, aos alunos que alcançarem amédia mínima exigida para aprovação, será concedida uma nova oportunidade, sobforma de estudos orientados, dentro do período compreendido entre o término do anoletivo e o encerramento do ano escolar.Quando as novas oportunidades para a superação de dificuldades, oferecidas duranteo processo de aprendizagem e através de estudos presenciais não forem suficientespara o desenvolvimento do aluno, deverão ser oferecidos os estudos independentes, aserem realizados no período de férias escolares. Os professores deverão elaborar umplano de estudo abordando conteúdos significativos, que permitam sanar asdificuldades apresentadas. Será feita na semana que antecede o início do ano letivo,uma nova verificação de aprendizagem.A progressão parcial permite ao aluno que não apresentar o desempenho mínimoesperado em até duas disciplinas, matricular-se na serie seguinte.O aluno que não apresentar o desempenho mínimo esperado em até três disciplinasficará retido na serie em curso, não podendo assim ficar em dependência. No computodas disciplinas, para definição de retenção do aluno, cada disciplina será consideradasomente uma vez, independente da serie em que incidir, vale considerar que serãotrabalhadas nesta nova oportunidade a aprendizagem fundamental de cada área e asnecessidades básicas de desenvolvimento do aluno.A escola deverá utilizar todos os recursos pedagógicos possíveis, mobilizando pais eeducadores, para que em um trabalho articulado e intensivo sejam oferecidos aosalunos do 3º ano do Ensino Médio, condições para que sejam vencidas as possíveisdificuldades ainda existentes ao longo da trajetória escolar, considerando que asnormas do sistema estadual estabelecem que o aluno só concluirá o nível de ensinoquando tiver obtido aprovação nas disciplinas em que se encontra em progressãoparcial.Constará nos registros escolares a maior nota adquirida entre as notas anuais e asnotas da nova oportunidade de estudo.O Calendário Escolar é elaborado coletivamente em reunião com o quadro docente,direção e especialistas, resguardando os dias letivos e escolares, de acordo com alegislação vigente.5
  6. 6. A organização do trabalho escolar se efetivará nas reuniões pedagógicas, soborientação dos Especialistas de Educação Básica. Os projetos de trabalho sãoelaborados de forma coletiva, envolvendo toda comunidade escolar.Para interagir com a comunidade, serão promovidas: reuniões de pais, feiras deculturas, ciências e artes, festa da família e outros.Os pais de nossos alunos são informados sobre o rendimento escolar dos mesmos acada final de etapa, através de boletins escolares. Os alunos que apresentarem índicemuito baixo de desenvolvimento, são encaminhados aos serviços de coordenaçãopedagógica, que em parceria com as famílias, a escola buscará ajuda para solução doproblema indicando instituições especializadas. Em caso de omissão por parte dafamília, o conselho tutelar será acionado.No final de cada etapa, os professores se reúnem com a coordenação pedagógicapara fazer uma avaliação da mesma.A escola atualmente está com 13 salas de aula, 01 sala de aula para o PIP, 01gabinete de diretoria, 01 sala de secretaria, 01 biblioteca, 01 sala de informática, 01sala de professores, em frente esta 01 lavabo e 02 instalações sanitárias (masculino efeminino), 01 sala pequena para a coordenação pedagógica, 04 instalações sanitáriascom lavabo para alunos, 01 instalação sanitária com lavabo para a diretoria esecretaria, 01 cantina, 01 banheiro com lavabo para os demais funcionários, 01dispensa.Conta com a colaboração de __ funcionários incluindo profissionais da parteadministrativa, professores e serviços gerais.A Escola Estadual ... , busca através da elaboração deste Projeto Político Pedagógico,traçar uma linha efetiva de atuação da Instituição para a Educação no Ciclo deAlfabetização, Complementar e Ensino Médio.DIAGNÓSTICOÉ uma Instituição que no momento tem sua linha de atuação, organização efuncionamento de ensino voltado para e Educação Básica, compreendendo o EnsinoFundamental de 1º ao 5º ano, Ensino Médio e Normal Médio.A Escola atende atualmente mais ou menos 700 alunos de 1º ao 5º ano nos turnos damanhã e da tarde e, aproximadamente 400 alunos no Ensino Médio Regular e NormalMédio no turno da noite. Seu funcionamento é de 07:00 às 22:30 horas.Ela sobrevive de orçamento que provém do Estado cujos recursos ainda sãoinsuficientes para a melhoria da qualidade de ensino e elaboração de novos projetos emelhoria do ensino.  Funcionários da Escola  1 – Diretora;  3 – Vice-Diretores;6
  7. 7.  3 – Especialistas;  5 – ATB Auxiliares de secretaria;  23 – Docentes;  14 – ASB Auxiliares de serviço.Demonstra ser muito carente em relação aos recursos humanos e materiais para arealização das atividades, o que dificulta a possibilidade de ações em novas propostase ou projetos pedagógicos para a melhoria no desempenho do aluno.É possível perceber que a mesma possui um déficit no desenvolvimento de suasatividades, pois percebemos muitos profissionais responsáveis pela parteadministrativa desempenhando papel que não é atribuído ao seu cargo específico.Motivo pelo qual se verifica a dificuldade no planejamento de projetos, de atualizaçãodo regimento, do PPP e de avaliação contínua.A Instituição possui ainda alguns agravantes que prejudicam seu desenvolvimento,como a falta de recursos financeiros. Alguns alunos que apresentam dificuldades deaprendizagem ficam prejudicados, pois a escola não pode dá suporte necessário paraque haja um desenvolvimento por parte destes em consequência da ausência derespaldo financeiro por parte do Estado, pois os recursos para ministrar aulas de queos professores dispõem são básicos e não condizem com a realidade de nossasociedade contemporânea.Compreendemos que a escola em si não tem culpa por sua situação financeira e devedesenvolver suas atividades de acordo com o calendário e dentro de suaspossibilidades, mas é dever do Estado de Minas Gerais e Secretaria de Estado deEducação proporcionar o mínimo de condições para que a Escola José HeilbuthGonçalves realize de forma segura e enriquecedora para as crianças, adolescentes,jovens e adultos uma Educação de Qualidade.  DA SITUAÇÃO ATUAL GERALEm razão das obras públicas para a realização da copa do mundo de 2014, a cidadeesta passando por várias construções.Como a escola esta localizada em local estratégico a mesma perdeu espaço físicodevido sua localização na Avenida Pedro I, houve um aumento excessivo da poluiçãosonora prejudicando a concentração e consequentemente o bom desempenho dosalunos.Esta situação tem exigido esforço, desgaste físico e emocional para odesenvolvimento do trabalho de todos os envolvidos no processo educativo.Atualmente, a escola encontra-se bastante depreciada, o acesso da quadra para assalas de aula não possui cobertura apropriada expondo alunos e funcionáriodiretamente a chuva.7
  8. 8. As salas de aula são mal iluminadas, causando reflexo no quadro, portas quebradas esem fechaduras, paredes sujas e encardidas, caindo reboco e trincadas.A quadra necessita de pintura, troca do alambrado, reforma das traves.O pátio encontra-se esburacado, cheio de entulho e sucatas que no servem para nada(armários, carteiras, cadeiras quebradas, pedaços de ferro e madeiras), tambémvemos a necessidade de calçadas e manutenção das árvores.A sala dos professores necessita de equipamentos de informática com acesso ainternet, mesas e cadeiras.O laboratório de informática encontra-se em situação de uso, porém as cadeiras estãoestragadas, quebradas, carece de um professor na área para auxiliar aos professorese alunos.A biblioteca necessita de uma reforma geral, inclusive atualização do acervo literário ede pesquisa, falta mesas redondas, computadores com acesso a internet, prateleirasadequadas.A sala de coordenação pedagógica não existe. Os Especialistas (supervisores) fazematendimento em um cubículo sem qualquer Infraestrutura necessária para atendimentoa aluno, pais e professores.Na área destinada ao refeitório faltam mesas e bancos de alvenaria, pia higiênica eparedes azulejadas.A sala de direção falta espaço, armários e computadores adequados.  DO SETOR ADMINISTRATIVO – SECRETARIA  Necessitamos que a localização das salas de benefícios e financeiros seja em local mais reservado, sem acesso de alunos, inspetores, funcionários e professores se movimentam a secretaria a toda hora;  Falta de computadores;  Falta de impressoras;  Falta de cortinas na sala de atendimento;  Falta de mesas e cadeiras apropriadas para uso dos funcionários cadeiras quebradas e mesas sem gavetas;  Faltam de armários, os escaninhos estão quebrados e destruídos;  Ao Marcar datas para entrega de boletins, realização de matriculas em datas diferenciadas, mais privacidade na secretaria fará com não ocorra tanto tumulto na mesma;  Ter horário de atendimento;8
  9. 9.  Ter local para arquivo inativo.  PONTOS POSITIVOS  Relacionamento dos funcionários com a direção, sempre disponível a nos atender;  Materiais de escritório disponíveis ao servidor para a realização do trabalho;  Merenda de qualidade e diversificadas aos alunos;  Professores, funcionários e direção comprometidos com a qualidade do ensino, do relacionamento interpessoal, buscando aprimoramento profissional;  Interação de toda a equipe na organização das atividades propostas pela escola proporcionando a participação da comunidade escolar;  Preocupação, análise e atitudes com a finalidade de promover bons resultados nas avaliações internas e externas, além de preocupar com integração do aluno em seu meio social.  REFEITORIO E SERVIÇOS BÁSICOS Pontos positivos  Qualidade da merenda;  Relacionamento interpessoal. Pontos Negativos  Alunos nos corredores fora do horário, enchendo garrafas de água, manutenção, equipamentos para execução das tarefas;  Comunicação da direção, reunião uma vez por mês, informes os direitos e deveres;  Cobrar dos servidores tarefas que já lhes foram dadas;  Encontrar tarefas não executadas por turnos anteriores;  Cardápio antecipados com ingredientes para o preparo da merenda sem avisar antes – principalmente quando trabalhamos aos Sábados;  Uma única pessoa responsável pela compra da merenda.  PONTOS NEGATIVOS RELACIONADOS AO PEDAGÓGICO  Ausência de profissional especifico na escola, para o PIP nos dois turnos – manhã e tarde;  Apoio e orientação da equipe do PIP pela metropolitana C;9
  10. 10.  Dificuldade de muitos professores em lidar com problemas de disciplina;  Falta de tempo dos professores para planejar suas aulas, devido ao baixo salário a maioria tem uma jornada de 9 horas diárias;  O não cumprimento da lei Federal que resguarda que 1/3 da jornada de trabalho seriam destinadas ao planejamento das aulas;  O estado não cumpre as leis Federais que beneficiem o ensino de qualidade;  Demanda de trabalho na escola é extensa e exaustiva, sobrecarregando a supervisão, prejudicando o atendimento aos professores;  Falta de comprometimento das famílias na educação de berço e na vida escolar de seus filhos;  Os profissionais da educação têm sofrido pressões psicológicas por parte da metropolitana C, representada pela inspetora, não podendo mais cuidar da saúde física, mental, bucal e outros problemas que afetam o seu bom desempenho profissional;  A SEE e a Metropolitana C não dão respaldo necessário para o desenvolvimento do PIP e outros projetos pedagógicos que poderiam auxiliar o professor nem seu trabalho. Só enviam a escola grande quantidade de texto para xerox, o que nos faz lembrar a educação bancária tão falada por Paulo Freire.  ASPECTOS RELACIONADOS À MATERIALIDADE  Armários para sala de aula;  Cortinas em todas as salas;  Ventiladores quebrados ou inexistentes;  Troca dos murais de feltro;  Som portátil para as salas;  Troca do quadro de giz por quadro branco;  Máquina de xerox que atenda a demanda com quotas suficientes para todas as turmas;  Dois computadores na sala dos professores com impressora;  Computador na sala da biblioteca;  Geladeira e micro-onda na sala dos professores.10
  11. 11. JUSTIFICATIVAEsta Proposta Político Pedagógica tem por objetivo buscar uma escola que construaconhecimento, que seja baseada na integração e reflexão de sujeitos que aprendem eensinam.Uma escola que ofereça um espaço de construção e vivência de um currículo comideias de ética, justiça, respeito, amor. Um currículo de lutas pelo direito a uma vidadigna em que todos possam questionar e superar a exclusão social e toda a forma depreconceito e violência.Uma escola onde educadores (as) e discentes construam a esperança num projeto devida, em que a alegria seja a tônica do viver.A proposta político pedagógica de uma escola é apenas um ponto de partida para queaconteçam novas reflexões, tomada de consciência dos principais problemas daescola, das possibilidades de solução e definição das responsabilidades coletivas epessoais para eliminar ou atenuar as falhas detectadas. É muito importante que seprivilegie a liberdade de expressão, a igualdade e trabalho participativo. Isso gerasatisfação e constantes melhorias no trabalho.O envolvimento de toda comunidade escolar é essencial para que sejam atingidos osobjetivos propostos, é necessário o engajamento para que haja qualidade.Pretendemos que este projeto estabeleça, com clareza, as diretrizes filosóficas quenortearão o processo ensino – aprendizagem na Escola.OBJETIVOS  Objetivo Geral da PropostaValorizar a educação como um instrumento de humanização e de interação social,proporcionando uma educação de qualidade através de um trabalho de parceria entrepais, alunos e profissionais da educação, num processo cooperativo de formação deindivíduos plenos e aptos a construir a sua própria autonomia e cidadania,reconhecendo-se, como ser único, mas também coletivo.  Objetivos Específicos  Valorizar as múltiplas inteligências, dando oportunidades ao educador desenvolver suas potencialidades;  Desenvolver conteúdos derivados do cotidiano do educando, utilizando situações que apareçam em sala de aula, discutindo e informando através dos temas transversais;  Desenvolver princípios de valores e ética, propiciando o respeito mútuo e a solidariedade, dentro de um ambiente de interação;  Resgatar a unidade do saber e do fazer através de uma prática interdisciplinar que percorra um caminho oposto à fragmentação do conhecimento;11
  12. 12.  Proporcionar condições favoráveis para a construção consciente de valores cívicos e sociais;  Oportunizar a liberdade de expressão garantindo a autonomia com responsabilidade diante dos fatos cotidianos com sabedoria e comprometimento;  Tornar o educando consciente, participativo e condutor de ideias capazes de surtir um efeito prático diante do desenvolvimento sustentável.PRESSUPOSTOS FILOSÓFICOSO momento histórico vivenciado, no contexto educativo escolar, aponta para umaFilosofia de Educação que possa contemplar as múltiplas dimensões do homem,enquanto sujeito inserido em um determinado contexto. A escola busca salientar opapel do professor e do aluno na consolidação do conhecimento, dentro de umaconcepção sócio interacionista, trabalhando a interdisciplinaridade e transversalidade.A escola hoje é conhecida como parte inseparável da totalidade social, buscando oconhecimento do mundo, construindo este conhecimento, partilhando ideias, tomandoconsciência de vivência, cidadania, buscando a construção de um universo maisharmonioso, garantindo, no que preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente, asconcepções primordiais ligadas ao saber e ao desenvolvimento psicointelectual.Todavia, o currículo escolar, bem como os programas e os planos de ensino, serãoconsiderados como ponto de partida de criação, apropriação, sistematização,produção e recriação do saber.CONCEPÇÕES  De Ser HumanoSer provido de qualidades físicas e psíquicas move e remove situações de acordo comsua vivência. Dotado de grande bagagem cultural e sentimentos enraizados desde suaorigem. Agente transformador, criativo e capaz de solucionar problemas.Ser diferenciado pelas suas ideias, que, cumulativas, formam a sociedade na qualvivemos. De acordo com as necessidades impostas pelo meio, o homem pode epoderá modificar a realidade em prol de uma vida mais harmoniosa. Cabe a cada sermanter o equilíbrio emocional, para que o seu próprio mundo seja preservado e suaespécie não seja extinta.  De MundoO mundo é um grande laboratório capaz de proporcionar infinitas descobertas quepodem contribuir de maneira significativa para o desenvolvimento das nossaspotencialidades.Quanto mais pudermos trazer este laboratório para a sala de aula, tanto maispoderemos estar em sintonia com tudo o que nos cerca. Mais importante que pôr12
  13. 13. escolas no mundo é saber pôr o mundo dentro das escolas. Portanto, é fundamentalreconhecê-lo como laboratório onde o que conta é o descobrir e o descobrir-se nele.  De SociedadePensar sociedade é estabelecer que o homem demanda uma convivência em grupo,convivência que é permeada por um senso comum, regras comuns, intenções colhidaspor um todo que servem a um único propósito, a sobrevivência do homem.As regras, os preceitos que emanam de pensar coletivo, são postas para o surgimentode uma cultura única, que determina a solidificação no momento em que o grupo aelege como tal.O ser social é regido pelos seus próprios dogmas, preceitos e interdições, por estamanifestação ele se estrutura como particular e cria sua identidade.Desde o milagre de seu nascimento o indivíduo percebe o seu funcionamento eprocedimento, o qual direciona sua convivência em sociedade.  De ProfessorAs diferenças entre o professor e o aluno se dão numa relação em que a liberdade doaluno não é proibida de exercer-se. Essa opção não é, na verdade, pedagógica, maspolítica, o que faz do Professor um político e um artista e não uma pessoa neutra.O "modelo" de Professor que hoje se aplica na escola faz parte de toda umaindumentária passada, interagindo com todo o conhecimento pedagógico, científico epsíquico que o professor tem hoje em referência a seus alunos, vendo-o como umtodo e atuante no processo de Ensino - Aprendizagem.Neste processo, alunos e professores estão abertos a aprender. O professor passa aser um instrumento "pronto" para ser usado, lapidado, melhorado e, acima de tudo,agindo como uma ponte para o conhecimento. Sua paixão pelo ensino é que tornaráconcreta essa ponte de transparência, que deixa seu aluno caminhar por ela, dando-lhe oportunidade de ter uma visão do todo que está à sua volta.Na verdade, não ensinamos nada a ninguém, os alunos aprendem se tiverem suamente e seu coração abertos.Educar é mais do que simplesmente passar o conhecimento; educar é um ato deamor.O professor é um canal de comunicação através do qual vai fluir conhecimento. Apostura do Professor para tanto, é muito importante.Que valores podem ensinar aos nossos alunos? Nas mãos do professor, muitasvezes, encontra-se a decisão que um aluno pode tomar que venha a modificar toda asua vida.13
  14. 14. O verdadeiro professor é aquele que desenvolve cuidadosamente os elementospositivos que se encontram nos alunos, harmonizando-os com os negativos econstruindo assim a maravilha da individualidade do humano integrado ao todo.  De AlunoÉ o sujeito ativo no processo de ensino - aprendizagem. Sujeito que inova quetransforma e que adquira meios através da educação para refazer o que já está feito,de forma mais ampla e útil.O aluno deve ser um questionador do mundo, do homem, da sociedade e de simesmo, com o objetivo de compreender, trabalhar e perpetuar a cultura a qual estáinserido. É um ser em formação que está buscando seu espaço na sociedade eprecisa de mediação e auxílio para a construção de seus conhecimentos.O aluno apropria-se de conhecimentos científicos, interpreta-os à sua realidade edesenvolve seu senso crítico através das relações professor/aluno e aluno/professor.É o agente modificador da trajetória da educação e do mundo. Cultivador de meiosque levam a um progresso ativo, dinâmico e sustentador da vida humana.  De EscolaÉ o local de estímulo e construção do saber, seja ele o saber técnico, que capacita oindivíduo para o mercado de trabalho, seja o saber racional, vivência que prepara oindivíduo a interagir com o meio em que vive.A Escola não se limita somente ao espaço físico, mas age e transforma em conjuntocom a família e as instituições sociais que colaboram na construção do saber,integrando-os, da origem do próprio saber à sua elaboração.É através da Escola que se envolve e estimula a educação transformadora, através deseu dinamismo em renovar, inovar e experimentar o saber, que não deve ser estático,pronto e acabado.O papel da Escola como agente de transformação é ampliar a liberdade e acompreensão do mundo de cada cidadão.Cabe à Escola proporcionar o questionamento de seu papel em conscientizar e libertarsuas ações nas relações da tríade Escola - Sociedade - Família, oferecendo condiçõespara que haja a exploração do ambiente, inventando, descobrindo e direcionando oser humano às finalidades de caráter social e renovador.  De EducaçãoA Educação é o meio que permite ao homem formar-se e construir-se num ser digno econsciente de suas ações. É através da Educação que ele constrói a sua cidadania einterage com o meio, com o outro, e, poderá ou não, transformar a sua vida esociedade.14
  15. 15. É o instrumento mediador entre o senso comum e o conhecimento científico, maisatuante também no sentido de despertar a sensibilidade e a criatividade a fim deconstruir um ser completo, crítico e pensante, possibilitando um crescimento individuale coletivo.Não podemos ter uma consciência ingênua de que a educação está desprovida de umcaráter ideológico.A ideologia encontra-se presente no meio educacional, referendando valores da classedirigente.Durante o período colonizador prevaleceu a concepção educacional, dos jesuítas queimpunham as "verdades" do cristianismo.Nas fases ditatoriais da história, como durante o governo de Getúlio Vargas,predominou um culto a um nacionalismo exacerbado.No momento em que se implantou o regime militar, com toda uma carga ideológicavoltada para a segurança nacional, a educação voltou-se para o tecnicismo,estimulando um conhecimento fragmentado e acrítico.No momento, com a busca da qualidade total na educação, temos que ter consciênciado caráter empresarial que aí se encontra presente.Cabe aos educadores, neste momento, buscar novos caminhos para a educação,desmistificando e desvendando a ideologia presente para torná-la um instrumento realde construção e transformação do indivíduo e da sociedade.  De Tendências pedagógicasLevando em conta que a educação é ao mesmo tempo um processo individual e umprocesso social que acontece através das inter-relações, a Escola Estadual ... buscareferências em algumas tendências existentes no sistema pedagógico.Objetivando suscitar no educando a consciência de si e do mundo, a escola busca napedagogia progressista - baseada nos estudos de Paulo Freire, a teoria dialética doconhecimento, refletindo a prática e retornando a ela para transformá-la. Educador eEducando aprendem juntos numa relação dinâmica na qual a prática, orientada pelateoria, reorienta esta teoria, num processo de constante aperfeiçoamento. Para Paulo Freire: [...] "o homem é o sujeito da educação e, apesar de uma grande ênfase no sujeito, evidencia-se uma tendência interacionista, já que a interação homem - mundo, sujeito - objeto é imprescindível para que o ser humano se desenvolva e se torne sujeito de sua práxis". FREIRE, 1970.É refletindo sobre seu ambiente concreto que o homem chegará a ser sujeito.Quanto mais ele reflete sobre a realidade, sobre sua própria situação concreta, maisse torna progressivo e gradualmente consciente, comprometido a intervir na realidadepara mudá-la (MIZUKAMI: 86, 1986).15
  16. 16. Em muitas atividades a Escola propõe, ao educando, o desenvolvimento daconsciência de si mesmo, do ambiente social em que está inserido e do senso crítico,possibilitando que se torne um agente de transformação social.Outra tendência pedagógica da Escola é o construtivismo, que se refere ao processopelo qual o indivíduo desenvolve sua própria inteligência adaptativa e seu próprioconhecimento.Para Piaget a noção de desenvolvimento do ser humano se dá por fases que serelacionam e se sucedem, até que se atinjam estágios da inteligência caracterizadospor maior mobilidade e estabilidade (MIZUKAMI: 60,1986). "O ser humano constrói oseu conhecimento interagindo com o meio, desenvolvendo suas estruturas cognitivasaté atingir um nível de maturidade que permita elaborar o aprendido e novamenterecomeçar o processo."Para dar condições ao educando de construir seu próprio conhecimento a Escolaconfere especial destaque à pesquisa espontânea da criança e do adolescente,proporcionando condições para que toda verdade a ser adquirida seja reinventadapelo aluno, ou, pelo menos, reconstruída e não simplesmente transmitida.A Escola proporciona situações de exploração, por parte do aluno, de diferentessuportes portadores da escrita, tais como, revistas, jornais, dicionários, livros dehistórias, poesias, bilhetes, receitas, propagandas, etc.Desenvolver nos alunos a capacidade de produzir ou de criar, e não apenas de repetir,é uma forte tendência da escola. Por fim, sabendo que a aprendizagem é um processosocial e não só individual a escola busca nos estudos de Vygotsky embasamentoteórico para sua prática pedagógica.Para Vygotsky a interação com o meio e com o outro acontece nas relações cotidianase histórico - sociais onde "o homem é um ser essencialmente social e histórico que, narelação com o outro, em uma atividade prática comum intermediada pela linguagem,se constitui e se desenvolve enquanto sujeito. Um caminho em que o homem, àmedida que constrói sua singularidade, atua sobre as condições objetivas dasociedade, transformando-as." (FREITAS: 41, 1995)A escola entende que a criança aprende com maior facilidade se for ajudada por umcolega que adquiriu antes dela a compreensão de determinado conhecimento.Enfim a tendência pedagógica da Escola Estadual José Heilbuth Gonçalves é aconstante busca de um ensino de qualidade, que estimule e desafie o aluno, partindode sua inteligência, que se confronte com o que a humanidade produz e que propicie oespírito crítico, crie situações para que os alunos aprendam igualmente, cada um deacordo com seu talento e com seu potencial.CONHECENDO A REALIDADEO que a comunidade sabe sobre a história do bairro?16
  17. 17. Pareceu-nos curioso, o fato da comunidade desconhecer fatos relevantes da históriado bairro.Originário de parte das terras que pertenciam à Família do ex-prefeito Américo RenéeGianetti, o bairro Santa Branca, localizado na região da Pampulha, teve sua ocupaçãoiniciada em 1950, mas só em 1972 recebeu o nome atual.Marcado por residências familiares e pela tranquilidade em ruas arborizadas, o bairrotem boa infraestrutura e serviços comparáveis aos melhores bairros de Belo Horizonte.  Desenvolvimento / Infra - EstruturaPerto da Lagoa da Pampulha, o bairro desfruta do privilégio de ter à vista um dos maisbelos cartões postais da cidade.O crescimento demográfico verificado na década de 70 viabilizou a implantação debancos, redes de supermercados, comércios diversificados e grandes madeireiras nolocal.Mas só recentemente o bairro passou a ser visto como um centro de oportunidades,com grande potencial imobiliário.Acrescente-se a isso as perspectivas de desenvolvimento que inevitavelmente virãocom a construção da LINHA VERDE, com a duplicação da Avenida Antônio Carlos,Dom Pedro I e com a interligação das avenidas Montese e Anuar Menhen.Esta última perspectiva criará novas opções de acesso à orla da Lagoa, à AvenidaPedro I e ao vizinho bairro Santa Amélia.Apesar de a escola ter sofrido uma perda considerada em espaço físico logo em suaentrada principal e ficar muito prejudicada com o barulho proporcionado por estaduplicação, a construção da estação de integração BH BUS PAMPULHA, cujo projetoencontra-se em fase de implantação, beneficiará mais de 55 mil passageiros por dia. Aestação será construída num terreno público, no cruzamento das avenidas Pedro I ePortugal.As ofertas de lazer no bairro são restritas, considerando que possui apenas umapraça, a da Saudade, e 2 clubes. Mas ninguém se queixa desse detalhe, até porque oSanta Branca está a cerca de 300 metros do complexo da Pampulha – incluindo oMineirão, Mineirinho, Zoológico e outras opções de lazer.MISSÃOA Missão da escola é formar cidadãos críticos e participativos, atuantes na sociedade,que cumpram com consciência os direitos e deveres perante a escola e o meio social.MARCO SITUACIONAL  A Escola que Buscamos17
  18. 18. A escola como polo irradiador de cultura baseia-se em princípios de construção deuma cidadania. Desencadeadora de valores que operacionaliza através de projetossocializantes, promovendo desafios para efetiva participação e engajamento de todosenvolvidos com o processo de aprendizagem para seu fim único, a valorizaçãopessoal.  A Busca de uma Escola Ideal Implica  Vivência de valores permanentes;  Formação de um novo homem, com novos valores;  Acompanhamento do desenvolvimento científico e tecnológico;  Aliada à pedagogia de projetos;  Valorizadora de habilidades científicas;  Integradora, participativa e ética;  Preparadora para encaminhar os alunos para os desafios do mundo;  Consciente da responsabilidade de preparar para o mercado de trabalho;  Relacionada com a prática de princípios cidadãos;  De ações participativas e autônomas com criatividade;  De sujeitos autônomos e críticos.  O Aluno que Queremos para uma Nova Escola  O aluno contemporâneo, inserido num contexto de múltiplas e constantes mudanças, deve ser preparado com uma visão de perfil que implica:  Ser agente construtor do conhecimento em perfeita harmonia com seus semelhantes;  Ser livre e autônomo para criar e recriar os projetos de vida que realmente contemplam a sua expectativa;  Ser participante, ativo de um processo de aprendizagem com valores emancipatórios;  Ser consciente dos princípios e relações norteadoras da formação de performances definidas por habilidades e competências adequadas ao mundo globalizado.MARCO OPERACIONALA partir dos conceitos de Sociedade, Escola e Homem, expressos no marcosituacional e doutrinal, propomos:18
  19. 19.  Metas;  Operacionalização;  Promover a interdisciplinaridade;  Realizar reuniões dos professores, definindo objetivos, metas e estratégias de ação, para serem trabalhadas nas diversas disciplinas e séries;  Vivenciar valores;  Organizar e realizar palestras, painéis e projetos com a participação dos pais, alunos, professores e comunidade;  Incentivar constantes atualizações e Formação de professores;  Participar em eventos educativos com estudos e operacionalização dos referencias de educação;  Compatibilizar teoria e prática;  Operacionalizar as diversas teorias de aprendizagem em forma de oficinas e produções;  Desenvolver uma proposta educacional de qualidade;  Construir de forma participativa o conhecimento, visando qualidade de ensino para os alunos;  Educação de Jovens e Adultos e ensino noturno de qualidade;  Superar o analfabetismo, proporcionando condições para que os alunos aprendam a ler e escrever;  Aumentar o nível de escolaridade dos alunos, proporcionando condições para que concluam o ensino fundamental e médio.MARCO DOUTRINALA sociedade desejada pela comunidade escolar é aquela onde haja uma EducaçãoHumana, que trabalhe valores como ética, liberdade, solidariedade, justiça e que façacom que os alunos se apropriarem deles no dia a dia.Busca-se a formação de um sujeito crítico e responsável, sujeito de sua história. Umser humano participativo, honesto e comprometido com a comunidade, que a valorizee a si como integrante desta.A escola que queremos deve ser democrática, aberta e participativa, onde todostenham participação nas construções e decisões e onde haja espaço para odesenvolvimento de uma consciência comunitária. Para atingir esses ideais,precisamos de uma escola que se abra para uma nova visão de mundo, que atenda asnecessidades e diferenças de seus alunos, que respeite o ser humano como sujeito19
  20. 20. fundamental no processo de construção da sociedade. Se a escola for um espaço dediscussão e busca de soluções, com um professor comprometido com o seu trabalho,voltado para o aluno e suas necessidades, ela estará atendendo o principal objetivo daescola: construir conhecimento.Neste sentido precisa-se de metodologia construtiva, voltada à realidade do aluno, queprepare para a vida e para o trabalho. Isto também requer uma avaliação contínua ecumulativa que valorize a construção do conhecimento por parte do aluno e no grupo.Procura-se o desenvolvimento das potencialidades físicas, mentais e sociais de modointegrado, para que se atinja o “todo” do aluno, buscando o auxílio da família e todosos segmentos da comunidade.A integração de todos os setores da escola influi muito para atingir esses objetivos, aconstrução coletiva, as decisões quando tomadas por todo grupo geram um maiorcomprometimento e tornam a escola mais democrática e dessa maneira está-seincentivando a solidariedade e construindo a auto estima de todo o grupo. A propostapedagógica da escola visa buscar novas alternativas de aprender, de conseguir aparticipação de toda a comunidade escolar em todos os momentos do planejamentoescolar.CARACTERIZAÇÃO DA REALIDADE  Das NecessidadesNossa escola atende a uma clientela diversificada. Muitos dos nossos alunospertencem à classe menos favorecida da sociedade, por isso possui pouco acesso àsatividades esportivas, artísticas, culturais e de lazer.Muitas vezes, os alunos desenvolvem seu trabalho extraclasse sem nenhum recursoou até mesmo deixam de fazê-lo por razões diversas: falta de incentivo, dificuldadesmateriais, ausência dos pais ou responsáveis para orientá-los.A Escola é, portanto, um espaço privilegiado nesta comunidade por contar comambientes e recursos destinados especificamente a determinados fins pedagógicos,tais como:  Uso da biblioteca;  Quadra para a prática de esporte;  Laboratório de informática;  Atividades artísticas com destaque para a música;  Educação ambiental e sexual;  Atividade extraclasse: olimpíadas, feira de cultura, festa junina, excursões, etc.  Recursos Humanos20
  21. 21. Direção, especialistas, corpo docente, funcionários, alunos e elementos dacomunidade.  Recursos Materiais  Copiadora  Televisões  Aparelhos de DVD’s  Máquinas fotográficas  Aparelhos de CD`s  Livros informativos, recreativos e didáticos  Jogos interativos para computador  Mapas históricos e geográficos  Atlas  CD’s de vídeo  Computadores  Impressoras  Retro projetor  Recursos FinanceirosDe acordo com a necessidade e na medida em que se fizerem necessários, osrecursos financeiros serão provenientes de:  Verbas repassadas pela mantenedora;  Arrecadações através de eventos;  Doações de empresas locais;  Doações de grupos como Rotary Club, Lions Club, entre outros.CONSIDERAÇÕESSegundo GADOTTI: “Todo projeto supõe ruptura com o presente e promessas para o futuro. Projetar significa tentar quebrar um estado confortável para ariscar-se, atravessar um período de instabilidade e buscar uma estabilidade em função de promessa que cada projeto contém de estado melhor do que o presente. Um projeto educativo pode ser tomado como promessa frente determinadas rupturas. As promessas21
  22. 22. tornam visíveis os campos de ação possível, comprometendo seus atores e autores.” GADOTTI, 1995.O Projeto Político-pedagógico da Escola Estadual ... , pretende estabelecer umnorteamento para os trabalhos pedagógicos que se desenvolverão na Escola. Noentanto, é mister ressaltar que o mesmo não pode servir como camisa de força,impedindo o desenvolvimento da criatividade do corpo docente e também do corpodiscente, deverá apenas direcionar a tematização dos projetos de intervençãopedagógica a serem desenvolvidos em cada ano de formação, e em conformidadecom as possibilidades e necessidades do seu contexto de ação prática.BIBLIOGRAFIA  AQUINO, Júlio, Groppa. Erro e Fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. S.P Summus, 1997.  BRASIL, Constituição. Constituição da Republica Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 16 ed São Paulo: Saraiva 1997  BRASIL, MEC/SEF Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, Outubro 1997  BRASIL Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n 9394 de 20 de dezembro de 1996.  BRASIL, Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal n 806990  FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo, Paz e Terra, 1970.  GADOTTI, Moacir. Pensamento Pedagógico Brasileiro, São Paulo, Ática,1995.  GANDIN, Danilo. A Pratica do planejamento. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1994.  HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mito & Desafio. Uma perspectiva construtiva. Porto Alegre, Mediação, 1995.  MELCHIOR, Maria Celina. Avaliação Pedagógica - Função e Necessidade. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1994.  MORETTO, Vasco. Repensando a prática pedagógica. Ed. Gráfica Opet Ltda.  PAIN, Sara. Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem. Porto Alegre. Artes Médicas 1985.  SAVIANI, Dimerval. Educação: do senso comum à consciência filosófica.  SUKIENNIK Paulo Berél. O Aluno Problema: Transtornos emocionais de crianças e adolescentes. Porto Alegre: Mercado Aberto,1996.  WEISS, M. L Psicopedagogia Clinica: Uma visão Diagnostica. Porto Alegre. Artes Médicas 1992.22
  23. 23.  VEIGA, I. P.ª (org). Projeto Político Pedagógico da Escola: uma construção possível. Campinas: Papirus, 1995. ANEXOS PIP – PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA / 2013 O QUÊ? COMO? META % DURAÇÃO RESPONSÁVEISIdentificação Estratégias de O que e quanto Período de Nome das pessoasdo Problema Intervenção realizaçãoAlunos do 3º e Assistência Conseguir que De março a Professora eventual 5º ano sem individualizada, 100% desses dezembro do turno da manhã domínio da diariamente, fora alunos estejam (Considerando leitura. da sala de aula, motivados e com que este Professora eventual trabalhando com as mínimas trabalhando já do turno da manhã as sequências condições de vem sendo feito didáticas realizarem as desde abril de oferecidas pela avaliações do 2012). SRE e outras PROEB, mesmo atividades que não estejam contextualizada perfeitamente com o alfabetizados. planejamento das professoras. Mínimo de duas Metas da Acompanhament vezes por Especialistas Escola: o do trabalho fora semana de de sala de aula fevereiro a PROALFA 2013 com avaliação dezembro. mensal da Os resultados aprendizagem PROEB serão Matemática: dos alunos. devidamente registrados e PROEB Língua divulgados. Portuguesa: Os alunos, as famílias e as professoras envolvidas 23
  24. 24. serão comunicados pelo(a) supervisor(a) de forma bem clara para a reorganização dos planejamentos, bem como p/acompanham ento dos pais. Alunos do 4º Avaliação mensal que do supervisor. Conseguir que De março a Professora eventual conseguem 100% desses dezembro do turno da manhã ler, mas com alunos melhorem (Considerando Professora eventualcomprometime o domínio da que este do turno da tarde nto no ritmo, leitura para trabalhando já fluência e ganhar mais vem sendo feito Professora entonação autonomia na desde abril Biblioteca do turno dificultando realização das de2012). da manhã e tarde.significativame atividades. Mesmo Especialistas nte a processo dos compreensão alunos do 5ºa partir de sua ano. própria leitura.Alunos do 3º Assistência Capacitar todos De março a Professora ano sem individualizada de os alunos do 3º dezembro Biblioteca do turno domínio da leitura, fora da ano para realizar quando será da manhã e tardeleitura para a sala de aula, 3 o PROALFA de realizado orealização do vezes por modo que a PROALFA. PROALFA / semana escola mantenha 2013. Leitura oral na o resultado de De março a Professoras Alunos que sala de aula 0% de alunos do dezembro regentes da turma não leem; determinando o nível baixo, quando seráAlunos do 3º padrão esperado dando realizado o ano com observando a oportunidades a PROALFA. domínio fluência, ritmo e todos de parcial da entonação. consolidarem, leitura. Uso de recursos pelo menos, as diversificados capacidades como: microfone, iniciais do quadro de processo de registro das alfabetização. melhores leituras com valorização das primeiras colocações; auditório para a 24
  25. 25. apreciação da escola; jornal simulado com leitura de pequenas notícias... Garantir um Avaliação Especialistas Alunos do 3º Além das resultado no semanal de abril e professoras com a estratégias PROALFA com a a setembro, eventuaisaprendizagem anteriores, incluir maior sendo que será ainda em para todos, a concentração de iniciada comdesenvolvimen avaliação de alunos no nível esses alunos, to, se leitura na sala de recomendável. mas ouvir encontrando supervisão com o também outros no nível objetivo de que estão com intermediário. valorizar ainda boa fluência na Alunos sem mais a leitura com o fluência ideal aprendizagem objetivo de na leitura. dos alunos. estimular as Para essa turmas em avaliação serão geral. usados pequenos textos das avaliações simuladas. Aplicar Aplicar uma Professoras avaliações avaliação regentes das simuladas ao simulada toda turmas. PROALFA e terça-feira de trabalhar cada março a item observando dezembro. Especialistas os erros e fazendo deles o fio condutor Quem assumirá a buscando novas turma será a estratégias de professora Eventual ensino das que apresenta um capacidades ótimo perfil para o avaliadas. Última semana trabalho e que Corrigir as letiva de julho ofereceu a sua avaliações e até a realização ajuda. divulgar os do PROALFA. resultados nas turmas. Realizar um remanejamento temporário de professoras para atender melhor a turma onde está a maior concentração dos 25
  26. 26. alunos com dificuldades. Alunos do 2º O trabalho de Conseguir que O trabalho foi Professora regente ano que intervenção está 65% desses iniciado em com apresentam sendo realizado alunos março e terá acompanhamento atrasos no seguindo as consolidem o duração até sistemático do processo de orientações das domínio da leitura dezembro. serviço dealfabetização. sequências e da escrita até Período supervisão do turnoSão 20 alunos didáticas: A dezembro de da tarde. que já estão Menina Bonita do 2013, para que recebendo laço de fita, não levem intervenção Fábulas e dificuldades para Serviço de com a Receita Culinária o 3º ano. supervisão do turno professora e outras que da tarde. regente. virão; e através de pequenos projetos interdisciplinares. Avaliação diagnóstica da aprendizagem ao final de cada sequência didática ou dos pequenos projetos; para reorganização dos planejamentos. Alunos do 1º Acompanhament Garantir que 80% Agosto a Professorasano que ainda o do serviço de dos alunos do 1º Dezembro. regentes do 1º ano se encontram supervisão ano vença todas Período de e serviço de sem domínio através de as capacidades 05/08/2013 a supervisão do turno do alfabeto; avaliações referentes a este 13/12/2013. da tarde, com diagnósticas dos ano, estando em juntamente com adificuldades na P.I.P. das profª condições professora diferenciação regentes, favoráveis para o eventual. entre letras e observando planejamento do outros minuciosamente ano seguinte. símbolos o comportamento gráficos; e na dos alunos em segmentação cada item e orientações avaliado para da escrita. redirecionar o planejamentoDificuldades Trabalho na Conseguir que Agosto a Vice-diretoraextremas nas Mesa Alfabeto. pelo menos 50% dezembro.capacidades desses alunos Período de Professora eventual iniciais do Trabalho com consigam 01/08/2013 a 26
  27. 27. processo de jogos avanços 14/12/2013.alfabetização. pedagógicos fora significativos no da sala de aula. domínio dessas capacidades. Resultado Envolver os pais Elevar a Toda segunda- Diretorainsatisfatório ainda mais na aprendizagem feira durantesno PROEB 5º aprendizagem dos alunos do 5º os 30 primeiros Vice diretores ano / 2011. dos filhos, ano para que a minutos do Língua observando que escola cumpra Módulo II. Especialistas Portuguesa: os alunos de suas metas para De agosto à baixo 2013 com a primeira Professoras - Baixo desempenho são tolerância semana de eventuais- Intermediário os que mais estipulada de dezembro 2013. - faltam às aulas e apenas 4% dosRecomendável os seus pais nos alunos no nível encontros na baixo. escola. Marcar encontros semanais com os pais para valorizar os avanços, discutir possíveis causas de insucessos, tratar de faltas desnecessárias. Será ainda muito importante valorizar as contribuições das famílias, mesmo Esta equipe deverá que sejam bem coordenar o pequenas, a trabalho de cada iniciar pela Pastoral. presença no Serão 05 pastorais, encontro. uma para cada ano de escolaridade. Esta ação será nomeada de Pastoral da Aprendizagem e será desenvolvida em todas as turmas de 1º ao 5º ano. 27
  28. 28. Resultado de Selecionar os Manter a Agosto a Serviço deMatemática no alunos com proficiência da Outubro. supervisão comPROEB 5º ano dificuldades escola no nível Período de parceria da / 2011. nessa disciplina recomendável 05/08/2013 a professora eventual Matemática: usando a garantindo a 25/10/2013. que apresenta Provinha Brasil e aprendizagem de muitas habilidades - Baixo: outras formas de todos os alunos. com esta disciplina.- Intermediário avaliação - diagnóstica.Recomendável Iniciar este diagnóstico de forma regressiva em relação ao ano de escolaridade: do 5º ao 1º ano. Alunos de P.I.P. de sala de Garantir que Esta ação já Professoras Baixo aula. Cada nenhum aluno vem sendo regentes com Desempenho professora fique no Baixo realizada desde acompanhamentonas avaliações deverá ter o seu desempenho no o início do ano e do serviço deexternas e/ou para sanar as PROALFA e que terá supervisão e internas. dificuldades dos as metas da continuidade até apreciação da Alunos alunos em sala escola para o o último dia direção da escola. selecionados de aula, sendo PROEB sejam letivo de 2013. em cada que as ações cumpridas em turma, pela devem ser 2013. professora acompanhadas e regente e avaliadas pelo serviço de serviço de supervisão. supervisão da escola. CALENDÁRIO / 2013 28
  29. 29. CALENDÁRIO 2013 ENSINO FUNDAMENTAL DIURNO E MÉDIO REGULAR NOTURNO JANEIRO FEVEREIRO 14 dias MARÇO 19 dias D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 1 2 1 2 6 7 8 9 10 11 12 3 4 5 6 7 8 9 3 4 5 6 7 8 9 13 14 15 16 17 18 19 10 11 12 13 14 15 16 10 11 12 13 14 15 16 20 21 22 23 24 25 26 17 18 19 20 21 22 23 17 18 19 20 21 22 23 27 28 29 30 31 24 25 26 27 28 24 25 26 27 28 29 30 31 ABRIL 22 dias MAIO 20 dias JUNHO 17 dias D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 6 1 2 3 4 1 7 8 9 10 11 12 13 5 6 7 8 9 10 11 2 3 4 5 6 7 8 14 15 16 17 18 19 20 12 13 14 15 16 17 18 9 10 11 12 13 14 15 21 22 23 24 25 26 27 19 20 21 22 23 24 25 16 17 18 19 20 21 22 28 29 30 26 27 28 29 30 31 23 24 25 26 27 28 29 30 JULHO 16 dias AGOSTO 20 dias SETEMBRO 22 dias D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 6 1 2 3 1 2 3 4 5 6 7 7 8 9 10 11 12 13 4 5 6 7 8 9 10 8 9 10 11 12 13 14 14 15 16 17 18 19 20 11 12 13 14 15 16 17 15 16 17 18 19 20 21 21 22 23 24 25 26 27 18 19 20 21 22 23 24 22 23 24 25 26 27 28 28 29 30 31 25 26 27 28 29 30 31 29 30 OUTUBRO 18 dias NOVEMBRO 20 dias DEZEMBRO 12 dias D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 1 2 1 2 3 4 5 6 7 6 7 8 9 10 11 12 3 4 5 6 7 8 9 8 9 10 11 12 13 14 13 14 15 16 17 18 19 10 11 12 13 14 15 16 15 16 17 18 19 20 21 20 21 22 23 24 25 26 17 18 19 20 21 22 23 22 23 24 25 26 27 28 27 28 29 30 31 24 25 26 27 28 29 30 29 30 31 LEGENDA Início e término do ano escolar Início e término do Ano Letivo Feriados Recessos Planejamento Dia D Módulo II Sábado letivo Jogos da copa das confederações Total de dias letivos: 200Revisão: Luiz Henrique da Silva29

×