NETWEAVING 2009

  • 2,462 views
Uploaded on

Por que falamos tanto de redes sociais …

Por que falamos tanto de redes sociais
e temos tanta dificuldade de articulá-las. Augusto de Franco - 2009. http://escoladeredes.ning.com/

More in: Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • UMA NOVA VISÃO SOBRE AS REDES SOCIAIS - EXPLORAÇÕES DO ESPAÇO-TEMPO DOS FLUXOS - 75º Fórum do Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz - UNESCO / Palas Athena - Em complemento a apresentação acima, aí vai o endereço para download do arquivo de áudio com a palestra completa do Augusto de Franco. Realizada no Auditório do MASP, em 15 de setembro de 2009. http://bit.ly/tchQO (duração: 2h27; tamanho do arquivo: 33,7 Mb)
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
2,462
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
18

Actions

Shares
Downloads
118
Comments
1
Likes
11

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Netweaving AUGUSTO DE FRANCO Inverno de 2009 Trabalho entregue ao Domínio Público
  • 2. Netweaving Por que falamos tanto de redes sociais e temos tanta dificuldade de articulá-las Rembrandt Tecelões de Amsterdam
  • 3. Por que? Por que falamos tanto de redes sociais e temos tanta dificuldade de articulá-las
  • 4. Três respostas possíveis Porque não sabemos o que são redes. Porque, mesmo quando compreendemos o que são redes sociais, não conseguimos vivenciá- las. Porque não fazemos netweaving.
  • 5. Sobre a palavra netweaving Não sabemos sua origem Evoca a “arte de tecer redes” Significa articulação e animação de redes É melhor que networking Networking não é netloving. Netweaving pode ser.
  • 6. Rede = Fluição Fluxos “luminosos” e intermitentes...
  • 7. Redes: Nodos e Conexões Grafo: representação estática
  • 8. Redes: o grafo não é a rede Espalhamento de partículas
  • 9. Exemplos de redes: Neural Rede neural
  • 10. Exemplos de redes: Urbana Rede urbana
  • 11. Exemplos de redes: Social Rede social
  • 12. O que são redes sociais Redes sociais são pessoas interagindo segundo um padrão de organização de rede distribuída.
  • 13. Topologias de rede Diagramas de Paul Baran (1964)
  • 14. Três “sociedades” diferentes? Os nodos são os mesmos, mas os entes são diferentes...
  • 15. Rede e Hierarquia Mundo de 2 elementos Rede = Hierarquia
  • 16. Rede e Hierarquia Mundo de 3 elementos Hierarquia = caminho único Rede = Múltiplos caminhos
  • 17. Rede e Hierarquia Hierarquia = caminho único Rede = Múltiplos caminhos Mundo de 5 elementos
  • 18. O que são redes distribuidas Redes distribuídas são redes mais distribuídas do que centralizadas. Redes mais centralizadas do que distribuídas são hierarquias. É uma convenção (razoável).
  • 19. Índice de Distribuição de Rede I = (C – D).C/E C = Número de conexões D = Número de nodos desconectados com a eliminação do nodo mais conectado E = Número de conexões eliminadas com a eliminação do nodo mais conectado
  • 20. Imin Imax I = Imin = 0 => rede totalmente centralizada (100% de centralização = 0% de distribuição) I = Imax => rede totalmente distribuída (100% de distribuição = 0% de centralização) Imax Cmax (número máximo de conexões)
  • 21. Número máximo de conexões Cmax = (N – 1). N/2 N = número de nodos
  • 22. Rede centralizada I=0 (rede totalmente centralizada, correspondendo a 0% de distribuição)
  • 23. Rede descentralizada - I=3 (rede com 25% de distribuição) Mais centralizada do que distribuída
  • 24. Rede descentralizada - I=4 (rede com 33% de distribuição) Mais centralizada do que distribuída
  • 25. Rede descentralizada + I=8 (rede com 67% de distribuição) Mais distribuída do que centralizada
  • 26. Rede descentralizada + I = 8,3 (rede com 69% de distribuição) Mais distribuída do que centralizada
  • 27. Rede distribuída I = 12 (rede com 100% de distribuição; ou seja, rede totalmente distribuída)
  • 28. Redes ≠ Hierarquias Redes sociais são padrões de organização em que há abundância de caminhos. Hierarquias são o oposto: um campo onde se gerou (artificialmente) escassez de caminhos. ≠
  • 29. Múltiplos caminhos
  • 30. Interação ≠ Participação Redes sociais são ambientes de interação, não de participação. ≠
  • 31. Social ≠ Digital ou Virtual Redes sociais não são sites de relacionamento. Como o nome está dizendo, elas são sociais mesmo, não digitais ou virtuais.
  • 32. Redes sociais ≠ Ferramentas Blogs nada têm a ver com redes. Já a blogosfera, sim, pode ser um bom exemplo de rede distribuída. Mas também não é uma rede social. Redes sociais são pessoas interagindo, não ferramentas de publicação ou de interação.
  • 33. Blogosfera
  • 34. Redes ≠ Plataformas interativas Mas plataformas interativas podem ser boas ferramentas de articulação e animação de redes.
  • 35. Redes = Redes de pessoas Redes sociais são sempre redes de pessoas. Redes de instituições hierárquicas não podem ser redes distribuídas. ≠
  • 36. Pessoa ≠ Indivíduo Fractal: pessoa já é rede! (Ou, como captou Novalis, em 1789: “Cada ser humano é uma pequena sociedade”)
  • 37. Controle Hierarquia Uma imagem aterrorizante?
  • 38. Zigurat Marduk Organizações hierárquicas de seres humanos geram seres não-humanos. Zigurat Marduk
  • 39. Marduk “Marduk” Marduk “Marduk”
  • 40. Repressão ao caos Controle Marduk mata Tiamat “Marduk” (Vader) controla tudo
  • 41. Rede = Fluição A rede – tal como a fonte daquele heraclítico Goethe – só existe enquanto flui.
  • 42. Fenomenologia das redes Os fenômenos que ocorrem nas redes independem do conteúdo do que flui. Esses fenômenos – como o clustering, o swarming e o crunching – dependem dos graus de distribuição e conectividade da rede em questão.
  • 43. Clustering A tendência que têm dois conhecidos comuns a um terceiro de conhecer-se entre si
  • 44. Clusters Clusters centralizados e descentralizados
  • 45. Aglomeramento Tudo clusteriza: a tendência ao aglomeramento é função da distributividade e da conectividade da rede
  • 46. Swarming Insetos enxameando
  • 47. Enxameamento Nuvem de insetos
  • 48. Cupins enxameando Cupinzeiro africano
  • 49. Swarming civil ou societário Distintos grupos e tendências, não coordenados explicitamente entre si, vão aumentando o alcance e a virulências de suas ações... Exemplo: 11 a 13 de março de 2004 na Espanha (papel do SMS = celular)
  • 50. 11-M España en la calle
  • 51. Crunching Redução do tamanho (social) do mundo
  • 52. Amassamento A redução do tamanho social do mundo é função da distributividade e da conectividade da rede social
  • 53. Experimento de Stanley Milgran Milgram-Travers (1967): 5,5 graus de separação: Milgram: 160 pessoas que moravam em Omaha tentaram enviar cartas para um corretor de valores que trabalhava em Boston utilizando apenas intermediários que se conhecessem pelo nome de batismo.
  • 54. Experimento de Duncan Watts Duncan Watts et all. (2002): 6 graus de separação. Watts: 60 mil usuários de e-mail tentaram se comunicar com uma de dezoito pessoas-alvo em 13 países, encaminhando mensagens a alguém conhecido.
  • 55. Mundo pequeno Small is powerfull Quanto menor o tamanho do mundo mais empoderante é o campo social
  • 56. Desconstituição de hierarquia Tal como a democracia é um movimento de desconstituição de autocracia, as redes devem ser vistas como movimentos de desconstituição de hierarquia. Torre de Babel Agora ateniense
  • 57. Distribuição Democratização A uma “estrutura” distribuída corresponde um “metabolismo” democrático: o grau de distribuição acompanha o grau de democratização.
  • 58. +Democracia = Pluriarquia Em redes altamente distribuídas e conectadas a democracia passa a ser pluriarquia.
  • 59. Redes Cooperação Redes sociais distribuídas são sempre redes de cooperação: tal como a liberdade, a cooperação é um atributo do modo como os seres humanos se organizam e nada mais.
  • 60. Verdade nas redes sociais Na democracia vale um conceito político de verdade: verdade é tudo que nos faz mais livres. Analogamente, nas redes, verdade é tudo que nos faz mais cooperativos.
  • 61. A “rede-mãe” Se existe sociedade, então existe uma “rede-mãe”, independentemente de nossos esforços conectivos. Dependendo do grau de distribuição e conectividade que conseguirem alcançar, redes sociais voluntariamente construídas podem ser interfaces para “conversar” com essa “rede-mãe”.
  • 62. A “rede-mãe”: uma imagem As redes que articulamos voluntariamente são como interfaces para “conversar” com a “rede-mãe”!
  • 63. Intermitência Como na concepção hindu do universo, as redes que existem independentemente de nossos esforços conectivos renascem a cada momento.
  • 64. Dificuldades de entender redes Falamos, falamos, falamos sobre redes, mas – naquilo que julgamos fundamental para nossa sobrevivência e para nossa carreira – ainda nos organizamos hierarquicamente.
  • 65. Comando-e-controle
  • 66. Por que não entendemos? Estudar as redes, investigá-las, escrever sobre elas ou tentar usá-las para obter algum resultado adianta muito pouco se continuarmos nos organizando hierarquicamente.
  • 67. Não é falta de informação Ninguém pode ter um entendimento do que são as redes sociais enquanto não for capaz de experimentá-las. Ninguém pode experimentar redes sociais enquanto se relacionar em organizações hierárquicas ou do tipo “cada um no seu quadrado”. O reizinho no seu quadradinho
  • 68. Ado, a-ado, cada um no seu...
  • 69. Desconfiança das redes Desconfie dos que desconfiam das redes. São, quase sempre, hierarcas.
  • 70. Quem não gosta de redes? Seis tipos de gente que costumam não gostar de redes: colecionadores de diplomas, vendedores de ilusões, aprisionadores de corpos, construtores de pirâmides, fabricantes de guerras e condutores de rebanhos.
  • 71. O indivíduo perdido?
  • 72. Novas igrejas? Esoterismo digital, elitismo free software e pedantismo hacker não nos aproximam – antes nos afastam – do entendimento das redes sociais.
  • 73. Os novos papéis sociais Na sociedade em rede os indicadores de sucesso não serão mais a acumulação de riqueza, de poder e de conhecimento atestado por títulos. Estão emergindo novos papéis sociais: Hubs Inovadores Netweavers
  • 74. Modelos mentais são sociais
  • 75. Ah!... O insight fundamental A rede não é um instrumento para fazer a mudança: ela já é a mudança.
  • 76. Pessoas, sempre pessoas Nas redes, as pessoas são muito mais importantes do que as instituições. 4 bilhões de anos de evolução X 20 ou 30 anos (?) de organização
  • 77. Semente de rede é rede Não adianta tentar fazer netweaving a partir de organizações hierárquicas. Somente redes podem gerar redes.
  • 78. TAZ Redes distribuídas funcionam, em relação aos ambientes hierárquicos, como aquelas Zonas Autônomas Temporárias (as famosas TAZ, de que falava Hakim Bey).
  • 79. Não reunir Nas redes, “não reunir é a derradeira ordenação” (Frank Herbert: 1969).
  • 80. Não fazer igrejinhas “Fazer redes” (netweaving) é, de certo modo, abrir mão de ter sua própria turma, sua patota, sua igrejinha.
  • 81. Compartilhar agendas Redes extensas só conseguem permanecer com alto grau de distribuição e conectividade a partir da clusterização em torno de agendas compartilhadas.
  • 82. A arte da política Netweaving não é uma ciência: é uma arte. Por incrível que pareça, é a arte da política.
  • 83. Netweaving Por que falamos tanto de redes sociais e temos tanta dificuldade de articulá-las Augusto de Franco (09/2009) Netweaver da Escola-de-Redes http://escoladeredes.ning.com