Your SlideShare is downloading. ×
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Revolução liberal portuguesa - História 8ºano

4,825
views

Published on

Este é o 1º trabalho que ponho no Slideshare Este é um trabalho que eu fiz para história sobre a revolução liberal portuguesa. Este trabalho teve 5/5. Deve ser acompanhado por música da época. Espero …

Este é o 1º trabalho que ponho no Slideshare Este é um trabalho que eu fiz para história sobre a revolução liberal portuguesa. Este trabalho teve 5/5. Deve ser acompanhado por música da época. Espero que vos seja útil e por favor comentem.

Published in: Education

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,825
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
117
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  Revolução Liberal Portuguesa:•Bloqueio Continental;•Fuga da família real;•Invasões francesas;•Revolução de 1820;•Cortes Constituintes;•Diferenças entre Monarquia Absoluta e Liberal;•Independência do Brasil;•Guerra civil;•Resumindo….
  • 2. Em 1806, Napoleão decretou aospaíses europeus o BloqueioContinental, com o objectivo deenfraquecer economicamente aInglaterra. Portugal não aderiu deimediato, pelo facto de manteruma velha aliança com Inglaterrae por ser com este país queestabelecia a maioria das suasrelações comerciais. Face a estaatitude portuguesa, as tropas deNapoleão atacaram Portugal.
  • 3. Com medo de serem capturados e mortos pelos Franceses, o príncipe regente D. Joãoe toda a corte fugiram para o Brasil a 29 de Novembro de 1807. O tempo que ficaramlá ficou para lá do necessário, o que irritou a população. Isto ficou caracterizado pelacobardia do rei. Assim o governo de Portugal foi entrgue a uma Regência de 5governadores nomeados por D.João.“Como uma rainha louca,um príncipe medroso e umacorte corruptaenganaram Napoleão emudaram a História dePortugal e do Brasil”
  • 4. Portugal sofreu 3 invasões francesas resistindo sempre àpressão.1.ª Invasão – 1807-1808 – Comandada por Junot2.ª Invasão – 1809 – Comandada por Soult3.ª Invasão – 1810-1811 – Comandada por MassenaPrincipais batalhas:• Roliça – 17 Agosto de 1808• Vimeiro – 21 de Agosto de 1808• Buçaco – 27 de Setembro de 1810• Redinha – 12 de Março de 1811Genral Junot General Soult General Massena
  • 5. Estas invasões trouxeram :• Perda da exclusividade do comércio com o Brasil;• Abandono dos campos;• Pobreza e dezorganização do reino;• Ocupação de cargos administrativos e controlo parcial do comércio com oBrasil, prejudicando os comerciantes portugueses por parte dos Ingleses.Recriação Das InvasõesBatalha de Roliça Batalha do Vimeiro Batalha do Buçaco
  • 6. Em 1818 formou-se uma sociedade secreta chamada Sinédrio que tinha como objectivopreparar uma revolução para expulsar os ingleses de Portugal.A 24 de Agosto de 1820, os conspiradores fizeram rebentar uma revolução no Porto,um pronunciamento militar de carácter liberal, em que participou um significativonúmero de negociantes e magistrados tendo toda região do Norte aderido. Depois, a1 de Outubro, Lisboa também se revoltou unindo-se aos revolucionários do Portotriunfando a Revolução Liberal. De seguida, os Ingleses foram afastados dos seus cargos eformou-se uma Junta Provisional que organizou as eleições para as Cortes Constituintes.
  • 7. Assembleia formada por deputados eleitos com o objectivo de elaborar uma Constituição(lei fundamental do país).Medidas tomadas pelas Cortes Constituintes:¥ Exigiram o regresso de D.João VI;¥ Propuseram medidas para acabarem com o Antigo Regime;¥ Aboliram os privilégios e direitos senhoriais;¥Acabaram com a censura e a Inquisição.A primeira Constituição Portuguesa foi elaborada pelosdeputados e aprovada em 1822: ficou conhecida pelaConstituição de 1822. Baseava-se nas ideias liberais:•Liberdade e igualdade dos cidadãos•Leis iguais para todos, qualquer que fosse a sua origemou riqueza;•Consagrava a soberania da Nação : a escolha dosdeputados e dos governos era feita através de eleições.O rei jurou cumprir a Constituição e a Monarquia Absolutafoi substituída pela Monarquia Constitucional ou Liberal.
  • 8. Monarquia absolutaO rei tinha todos ospoderes•Fazia as leis•Mandava-as cumprir•Era o juiz supremoMonarquia liberalOs poderes são divididos em:Legislativo:Pertencia àsCortes•Os deputadoseleitos faziamas leisExecutivoPertencia aogoverno•O rei e osseus ministrosfaziam cumpriras leisJudicial:Pertencia aostribunais•Os juízesjulgavam quemnão cumpria asleisLegislativa Executiva Judicial
  • 9. O Brasil era a mais próspera colóniaportuguesa e cada vez mais populaçãoeuropeia nascia lá e com ela nascia cadavez mais o desejo de emancipação.A mudança da corte de Lisboa para o Riode Janeiro veio favorecer em muito oBrasil, pois foram abertos os portos aocomércio estrangeiro, a indústriadesenvolveu-se, começaram a publicar-se jornais e foram edificadosestabelecimentos de ensino superior.Quando o rei voltou a Portugal, o seufilho D. Pedro ficou como regente doBrasil.D. Pedro
  • 10. A partir daí começou a falar-se muito na independênciaem relação a Portugal. Em finais de 1821 as Cortesordenaram a D. Pedro que regressasse a Portugal, ao querespondeu “Fico!”. Aderindo ao desejo do povo, D.Pedro, concedeu a independência ao Brasil, sendo poucotempo depois aclamado imperador. A declaração oficialde independência do Brasil é denominada de “Grito doIpiranga”: “Independência ou Morte!”.Grito do Ipiranga
  • 11. Com a morte de D.João VI, gerou-se umproblema de sucessão. D.Pedro, agoraimperador do Brasi, era o herdeiro legítimoda Coroa mas a constituição do Brasil nãopermitia que ele reinasse os dois países,portanto abdicou da Coroa para a sua filhaMaria da Glória. Ficou acordado que, o seuirmão, D.Miguel ficaria como regente até queMaria da Glória tivesse idade suficiente parareinar, casando depois com ele. Para istoD.Miguel tinha de governar de acordo com aCarta Constitucional que D.Pedro concedeu.Carta Constitucional
  • 12. D. Miguel voltou do exílio e assumiu a regência em nome da sobrinha e em 23 de Junho de 1828,covocou as Cortes que o aclamaram como rei absoluto de Portugal, considerando-o legitimo herdeiro dotrono e ilegítimos todos os actos praticados por D. Pedro em relação a Portugal após a declaração daindependência do Brasil. A base para esta decisão foram as Leis Fundamentais do Reino, à luz dasquais D. Pedro e os seus descendentes tinham perdido o direito à Coroa. Com isto pessoas que tinhamideias liberais e que apoiavam a Carta, foram perseguidos, presos e outros exilaram-se na Terceira. A1831, D.Pedro abdica do trono no Brasil para assumir a regência de Portugal. No mesmo ano organizouum exército liberal nos Açores, tornando-o a base de operações.Só no ano seguinte, em 1832,desembarcou no Porto, mas o exército migulista cercou a cidade.Caricatura dos irmãos D.Pedro e D.MiguelMapa interactivo da guerra civil:http://www.infopedia.pt/$a-guerra-civil-de-1832-34-(mapa-interactivo)Depois de muitas batalhas, em 1834, foiassinada a Concessão de Évora-Monte,acabando com a guerra civil e impondoque D.Miguel fosse novamente exilado.Era o triunfo do Liberalismo!
  • 13. REVOLUÇÃO LIBERALInvasões FrancesasProblemasEconómicosArruinaram a gricultura e a indústriaPolíticosFuga da Família RealApoio MilitarExército InglêsPresença excessivaPrincípiosLiberdadeIgualdadeFraternidadeInfluenciaramDescontentamento da PopulaçãoOriginouREVOLUÇÃO LIBERAL DE 1820
  • 14. REVOLUÇÃO LIBERAL DE 1820Constituição de 1822Reacção absolutistaliderada por D.MiguelD.Miguel assume opoder (1826)Liberais, lideradospor D.Pedro IV,assumiram o poderD.Pedro abdica afavor de D.MariaGuerra Civil (1832/34) entre D.Pedro e D.MiguelCONVENÇÃO DE ÉVORAMONTETriunfo definitivo dos liberaiselaboroulevou amotivou
  • 15. FIM

×