Aspectos Mais Relevantes em Desenho de Aprendizagem e de Atividades On Line

  • 928 views
Uploaded on

Trabalho realizado por Luciana Grof, como parte integrante da UC Processos Pedagógicos em ELearning, pertencente ao curso de Mestrado em Pedagogia do ELearning.

Trabalho realizado por Luciana Grof, como parte integrante da UC Processos Pedagógicos em ELearning, pertencente ao curso de Mestrado em Pedagogia do ELearning.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
928
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
12

Actions

Shares
Downloads
10
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Trabalho elaborado por Luciana GrofDesenho de Aprendizagem e de Unidade CurricularAtividades On Line Processos Pedagógicos em Elearning Docente Prof. José Mota Universidade Aberta de Portugal
  • 2. Deve ocorrer através da ação intencional e sistemáticade ensino que envolve o planejamento, o desenvolvimentoe a aplicação de métodos, técnicas , atividades, materiais,eventos e produtos educacionais em situações didáticasEspecíficas , a fim de promover, a partir dos princípios deaprendizagem e instruções conhecidos a aprendizagemhumana.
  • 3. O processo mais largamente aceito é o ISD (InstructionalSystem Design – design de sistemas instrucionais), cuja aidéia central é dividir o desenvolvimento das açõeseducacionais em pequenas fases com a seguintesequência:  1 – Analisar a necessidade;  2 – Projetar a solução;  3 – Desenvolver a solução;  4 – Implementar a solução;  5 - Avaliar a solução.
  • 4. Planejamento e  Conduzir um levantamento deAnálise necessidade;  Planejar um currículo ou programa;  Selecionar e usar uma variedade de técnicas para definir o conteúdo instrucional;  Identificar e descrever as características do público-alvo;  Analisar as características do ambiente de aprendizagem;  Analisar as características do ambiente de aprendizagem;  Analisar as características de tecnologias existentes e emergentes e seus usos em um ambiente instrucional;  Refletir sobre os elementos de uma situação antes de finalizar as decisões
  • 5. Design e  Selecionar, modificar ou criar um modeloDesenvolvimento apropriado de design e desenvolvimento para determinado projeto;  Selecionar e usar uma variedade de técnicas para definir e encadear o conteúdo e as estratégias de aprendizagem;  Selecionar ou modificar materiais de aprendizagem/instrucionais existentes;  Desenvolver materiais instrucionais;  Projetar uma solução educacional que se adapte a diversos perfis de alunos ou grupos de alunos;  Avaliar a instrução e seu impacto.
  • 6. Implementação e  Planejar e gerenciar os projetos;Gestão  Promover colaboração, parcerias e relacionamentos entre os participantes de um projeto de design;  Aplicar habilidades de gestão de projetos ao desenho de aprendizagem e atividades on line;  Projetar sistemas de gestão da aprendizagem;  Implementar eficazmente produtos e programas.
  • 7. Ao realizar o desenho de aprendizagem e de atividades online o tutor, e-formador ou professor deve considerar queabordagens pedagógicas diferentes atendem anecessidades de aprendizagem também diferenciadas.Para selecionar a abordagem deve-se analisar primeiramente os objetivos de aprendizagem
  • 8. Estratégias Perfil do Aluno MotivoMais Formalmente Alunos que estão Permitem ao alunoEstruturadas iniciando a formar conceitos aprendizagem de que lhes servirão algum tema e têm de referência em pouco futuras conhecimento explorações.Contextos de Alunos que têm Convidam osAprendizagem contexto de alunos a tomarmais autênticos. aprendizagem decisões complexos. inteligentes,Desenvolvimento combinando ação ede competências reflexão.especializadas.
  • 9. • É de suma importância haver o conhecimento os diferentes níveis do contexto que determinam necessidades ou problemas de aprendizagem.• Estes contextos podem ser didáticos em si, e de pré ou pós-aprendizagem, nas dimensões individual, imediata e institucional.
  • 10. Em termos temporais , os contextos e dimensões doprocesso de aprendizagem podem ser divididos em 3tipos: Contexto de orientação  anterior à aprendizagem, influencia a motivação futura do aluno e o prepara cognitivamente para aprender. Contexto de aprendizagem  em geral determinado temporalmente pela situação didática em si (curso, programa, aula), envolve as pessoas e os recursos físicos, sociais e simbólicos reunidos em um dado momento com o objetivo de aprender. Contexto de transferência  posterior à aprendizagem, engloba basicamente o ambiente ou a situação em que a aprendizagem é aplicada.
  • 11. Como regra o processo envolve as seguintes etapas: 1- Identificar o problema de aprendizagem, os resultados esperados, as características dos alunos, os recursos disponíveis e as limitações técnicas, orçamentárias e administrativas. 2- Identificar os fatores contextuais de orientação, instrução e transferência que tenha relevância para o projeto. 3 – Listar os dados que devem ser coletados, bem como as fontes digitais e os documentos que precisam ser estudados, as pessoas que devem ser consultadas ou observadas, as ferramentas que precisam ser analisadas e assim por diante. 4 – Selecionar o(s) método(s) mais adequado(s) aos objetivos e às restrições do projeto. 5 – Localizar, construir ou modificar ferramentas e técnicas para a análise contextual do projeto em questão.
  • 12. É o produto final da análise contextual e deve serestruturado e apresentado , com as seguintes informações: 1- Necessidade de aprendizagem. 2- Caracterização dos alunos. 3 – Levantamento de Restrições. 4 – Encaminhamento a soluções.Sendo:
  • 13. Necessidade de AprendizagemTem como objetivo levantar as demandas por educaçãodentro de uma instituição, de um grupo de trabalho ou deindivíduos.Esta necessidade pode surgir da avaliação de problemaseducacionais já existentes, que demandam revisão,atualização ou desmembramento em novas ações. Muitasvezes esta necessidade já é encaminhada aotutor/formador/professor através de um briefing, que podeter sua idéia geral refinada que, após o problemadetectado, analisa as várias perspectivas envolvidas.
  • 14. Necessidade de AprendizagemA condução da análise das necessidades consiste emrealizar uma análise dos objetivos, partindo dapressuposição de que existe uma necessidade e de queuma ação educacional é a solução mais adequada paraatendê-la.Para realizar análise dos objetivos existe uma sequênciabastante simples que é:  1- Identificar objetivos;  2- Refinar objetivos;  3 – Ordenar objetivos.
  • 15. Necessidade de AprendizagemA mesma sequência pode ser aplicada para a análise dedesempenho, bastando substituir os “objetivos” pelas“habilidades” necessárias ao desempenho de uma tarefa.Através da sequência informada, são identificados osobjetivos gerais da ação de aprendizagem. Os objetivosespecíficos, relacionados a unidades de aprendizagemdeterminadas, são definidos na fase de design, após aconclusão da análise contextual , que envolve, também acaracterização dos alunos e o levantamento de restrições.
  • 16. Caracterização dos AlunosPara a realização da caracterização dos alunos énecessário responder às seguintes perguntas: • Quais são seus conhecimentos a respeito do problema educacional em questão? • Quais são os estilos de aprendizagem e, nesse sentido, como foram suas experiências educacionais anteriores? • O que eles já sabem e o que precisam/querem saber? • Em que ambiente e situação eles aplicarão os conhecimentos, as habilidades e as atitudes que aprenderão?
  • 17. Caracterização dos AlunosObviamente para a realização de um curso on line éimprescindível que os alunos tenham acesso á internet,preferencialmente banda larga, computadores e softwaresatualizados.Além disso é importantíssimos saber o idade, sexo, etnia,experiência profissional e formação educacional, além demotivação e expectativas com relação ao programa(geralmente obtidos com o preenchimento de formuláriosno ato da inscrição/matrícula). Pois são através destesdados que os alunos fornecem indicações para a seleçãode atividades de aprendizagem, de mídias e do estilo delinguagem escrita e visual que deve ser utilizado.
  • 18. Caracterização dos AlunosNo desenho de atividades e de aprendizagem tambémdeve ser considerado o estilo de aprendizagem doscursistas, derivada da Teoria das Inteligências Múltiplas deHoward Gardner (inteligência linguística, musical, lógicomatemática, espacial, cinestésica, interpessoal eintrapessoal), neste sentido, como o público tende a ter umestilo de aprendizagem heterogêneo é bastanteinteressante é que estes estilos sejam combinados comestratégias instrucionais, ou seja, de aprendizagem,também heterogêneas , para beneficiar a aprendizagem detodo o grupo.
  • 19. Levantamento de RestriçõesAs restrições podem ser relacionadas a questões técnicas,disponibilidade de profissionais e prazos, bem como decontexto imediato, pedagógico e institucional, mais amplo.Podem haver limitações técnicas , de infra-estruturatecnológica por parte da Instituição, que dificultam aadoção de modelos de aprendizagem mais abertos.Questões culturais, experiências institucionais anteriores epremissas cristalizadas sobre o que significa aprender eensinar também devem ser consideradas.
  • 20. Encaminhamento a SoluçõesA análise contextual bem realizada ajuda oformador/tutor/professor a encontrar soluções para osproblemas identificados.Em alguns casos, pode-se, após concluir a análisecontextual, concluir que um problema educacional não é amelhor ou única solução ao problema detectado. Quandoisso ocorre, deve haver a recomendação de açõesparalelas para o enfrentamento da questão.Caso a solução projetada seja aprovada, parte-se para aelaboração das atividades.
  • 21. • É uma unidade atômica ou elementar que contém os elementos necessários ao processo de ensino aprendizagem, desde de um curso de graduação, com quatro anos de duração, até uma simples atividade de aprendizagem de 15 minutos.O desenho das unidades de aprendizagem se dá combase nas seguintes premissas, como: qual ou quaisobjetivos de aprendizagem, quais os papéis que aspessoas assumem no processo de ensino eaprendizagem, quais os fluxos das atividades (duração eperíodo), em quais conteúdos e ferramentas serãoapoiadas, a avaliação verifica se os objetivos da unidadede aprendizagem foram alcançados.
  • 22. • Descrevem o resultado pretendido e exprimem o que o aluno fará quando tiver dominado.• São compostos por um verbo que indica ação e um componente de conteúdo que aponta para uma mudança de comportamento observável.• Há uma série de taxonomias – esquemas que organizam o conhecimento de forma hierárquica – para a definição de objetivos de aprendizagem. A mais conhecida é a Taxonomia de Bloom, que trabalha com três grandes domínios de aprendizagem: afetivo, psicomotor e cognitivo.
  • 23. • Aborda o modo de lidar emocionalmente com sentimentos, valores, entusiasmo, motivação e atitude.• As habilidades desenvolvidas são apreciação estética, compromisso, responsabilidade e consciência (autoconsciência, consciência de fatores externos, consciência ética e consciência moral).• Podem ser expressos por verbos como: Apreciar, comprometer-se, conscientizar-se, influenciar e compartilhar.
  • 24. • Trata da movimentação física, da coordenação e do uso de habilidades motoras, desenvolvidas pela prática e avaliadas em termos de velocidade , precisão, distância, procedimentos ou técnicas de execução. Aborda o modo de lidar emocionalmente com sentimentos, valores, entusiasmo, motivação e atitude.• Podem ser expressos por verbos como: Desenhar, executar, fazer, desempenhar, montar, construir, calibrar, modificar, limpar, conectar, compor, criar, esboçar, projetar, instalar, desinstalar, inserir, remover, manipular, consertar, reparar, pintar e fixar.
  • 25. • Trata da recuperação do conhecimento e do desenvolvimento de habilidades intelectuais e, em geral, é o mais trabalhado nas ações educacionais.• Envolve diferentes níveis de competências intelectuais.
  • 26. • Na aprendizagem on line temos basicamente dois tipos de papel: os de aprendizagem e os de apoio.• Os de aprendizagem são desempenhados pelo aluno e os de apoio são desempenhados pelo tutor/formador/professor.• Entretanto algumas figuras podem enriquecer esta relação básica como um monitor auxiliar para o desempenho do trabalho docente, um especialista convidado para participar de uma entrevista via chat, ou um coordenador de curso para interagir com os estudantes em um determinado momento.• Ao mesmo tempo, pode-se refinar os papéis em atividades mais complexas, por exemplo, em uma determinada atividade um aluno pode ser o moderador e o outro pode ser um relator.
  • 27. • Envolvem um conjunto de ações que os alunos realizarão para chegar aos objetivos.• É importante notar que as diferentes teorias de aprendizagem dão conotações diferentes ao conceito de atividade. Por exemplo, a abordagem comportamentalista vê a atividade do aluno como uma forma de apreensão do conhecimento. Já para a abordagem cognitivista a atividade de aprendizagem se relaciona a operações mentais . E na socioconstrutivista, a atividade somente pode ser descrita como uma interação do entre o sujeito e o ambiente social.• Destas diferentes teorias, portanto, derivam-se estratégias e atividades que têm por propósito apoiar os processos de aprendizagem.
  • 28. • A duração define a carga horária necessária para a realização de uma ou mais atividades.• O período indica o espaço de tempo no calendário em que o ambiente ficará disponível para a realização da atividade.• A correta mensuração destas informações é primordial para a implementação do curso ou atividade.
  • 29. • Incluem serviços ou funcionalidades de comunicação (como email, fórum, chat), aplicativos para edição de textos, apresentação de slides e manipulação de planilhas eletrônicas e mecanismos de busca e organização do conhecimento, além de recursos de monitoramento e avaliação.• Explicitar as ferramentas no desenho da atividade é importante porque não deve-se propor atividades dependentes de instrumentos que impliquem competências ou custos e não informar isso antecipadamente ao aluno.
  • 30. • Tem como finalidade verificar se os objetivos de aprendizagem firmados para a atividade/curso foram alcançados.• Pode ocorrer por meio de verificação dos processos (por exemplo, discussões em fóruns e chats, comentários publicados em blogs ou enviados por email) ou dos produtos resultantes desses processos (por exemplo, a solução para um problema, o relatório de um projeto, uma síntese escrita ou oral).• Quanto à finalidade a avaliação da aprendizagem pode ser formativa ou somativa.
  • 31. • Tem o objetivo de verificar se os alunos possuem determinados conhecimentos, habilidades e atitudes com vistas a agrupa´-los de acordo com as características comuns e/ou formar percursos alternativos de estudo.• O seu principal propósito é servir como retorno sobre o desempenho dos alunos.• Por esta razão, os dados devem ser documentados e analisados continuamente para identificar as fontes de sucesso e de problemas, a fim de prover subsídios para melhorias durante a execução do curso e/ou em edições futuras.
  • 32. • É realizada na conclusão de uma atividade/unidade/curso para fins de classificação, com a atribuição de conceitos ou notas.• O seu principal propósito é comparar resultados obtidos por diferentes alunos, métodos e materiais de ensino. Além disso, quando aplicada periodicamente, essa avaliação incentiva a revisão dos conteúdos pelos alunos e possibilita a elaboração de sínteses provisórias.
  • 33. • FILATRO, A. As teorias pedagógicas fundamentais em EaD. In: LITTO, F.; FORMIGA, M. Educação à distância: o estado da arte. São Paulo: ABED; Prentice Hall, 2008.• FILATRO, A. Design Instrucional na Prática. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.• MATTAR, J. Tutoria e Interação em Educação a Distância. São Paulo: Cengage Learning, 2012.• Site da WEB 2.0 ao eLearning 2.0: Aprender na Rede.. Conectivismo: Uma Teoria deAprendizagem. Disponível em: http://orfeu.org/weblearning20/4_2_conectivismo. Acesso em 03 de fevereiro de 2013.