Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
Workshop Dar Lugar aos Afectos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Workshop Dar Lugar aos Afectos

  • 4,369 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
4,369
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
11

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. WORKSHOP “DAR LUGAR AOS AFECTOS” 28 de Março, HUB Porto
  • 2. Fotografia: Sonja Valentina
  • 3. Afinal, o que é a sexualidade?
  • 4. O QUE É A SEXUALIDADE?
    • A sexualidade não pode ser definida a partir de um único ponto de vista, uma só ciência ou umas quantas palavras.
    • O que hoje sabemos sobre sexualidade é o resultado de múltiplas aproximações feitas a partir de diferentes ciências.
    • Por isso, a sexologia é, provavelmente, mais do que nenhuma outra, uma ciência, interdisciplinar.
    • López, F. e Fuertes, A. (1999)
  • 5. O QUE É A SEXUALIDADE?
    • A sexualidade é uma energia que nos motiva a procurar amor,
    • contacto, ternura, intimidade; que se integra no modo como nos
    • sentimos, movemos, tocamos e somos tocados;
    • é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual;
    • ela influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por
    • isso, influencia também a nossa saúde física e mental.
    • Organização Mundial de Saúde
  • 6. O QUE É A SEXUALIDADE?
    • “ A sexualidade é
    • todo o nosso ser”
    • (Merleau Ponty, 1975)
  • 7. EDUCAÇÃO SEXUAL?
  • 8. EDUCAÇÃO SEXUAL INFORMAL
    • Assenta na vivência ao longo do desenvolvimento do indivíduo
    • Acontece nos diversos contextos de vida
    • Decorre das experiências do quotidiano
    • Espontânea
    • Apela essencialmente a aspectos emocionais
    • Relação com pais, pares e media
    • Vaz, J. M. (1996)
  • 9. “ A” CONVERSA… OS MEDOS… O DESAFIO…
  • 10. EDUCAÇÃO SEXUAL FORMAL
    • É um processo intencional e programado através do currículo
    • Os conteúdos são seleccionados, sequenciados e desenvolvidos de acordo com os objectivos estabelecidos
    • São previstas actividades integradas por níveis de conhecimento, competências e valores/atitudes de acordo com a fase de desenvolvimento
    • Implica a adequação de metodologias
    • Vaz, J. M. (1996)
  • 11. AFINAL, O QUE É A EDUCAÇÃO SEXUAL?...
  • 12. ENQUADRAMENTO LEGAL
    • Lei n.º 60/2009, de 6 de Agosto
    • Estabelece o regime de aplicação da educação sexual na escola
    • Portaria n.º 196-A/2010, de 9 de Abril
    • Regulamenta a Lei n.º 60/2009
  • 13. ENQUADRAMENTO LEGAL
    • Lei n.º 60/2009, de 6 de Agosto
      • Inclusão obrigatória no PE
      • Projecto de ES e ES
      • Importância da transversalidade
      • Professor Coordenador da ES e da ES
      • Equipa interdisciplinar de ES e ES
      • Gabinete de Informação e Apoio aos Alunos
      • Participação/ informação dos EE
  • 14.
      • Enquanto persistir uma visão que separa a natural ligação entre corpo e mente, quer dizer, enquanto se debaterem medidas de intervenção nas vivências da sexualidade de forma desintegrada do espaço afectivo, é impossível ir muito longe.
      • Strecht, P. (2005)
  • 15. E OS MEUS MEDOS?...
  • 16. UM DESAFIO PEDAGÓGICO…
    • Questionamento dos nossos próprios valores, atitudes e tabus
    • Variedade ou falta de experiências pessoais
    • O sexo pode ser constrangedor ou um mistério
    • Receio de não estar de acordo com a moral dominante ou com a dos colegas
    • Preocupação com o uso de linguagem apropriada…
  • 17. PERFIL DO PROFESSOR
    • Aceitação confortável da sua sexualidade e da dos outros;
    • Respeito pelas opiniões das outras pessoas;
    • Atitude favorável ao envolvimento dos pais;
    • Confidencialidade sobre informações pessoais;
    • Capacidade para reconhecer situações que requeiram outros técnicos para além do professor;
    • Ser tão neutro quanto possível;
    • Controlar a emissão de juízos de valor;
    • Demonstrar disponibilidade e confiança…
    • Went, D. (1985)
  • 18. PERFIL DO PROFESSOR
    • O grande desafio, que é simultaneamente a maior dificuldade, é atingir o coração destes miúdos, e sempre que se fala de sexo, falar-se de amor.
    • Strecht, P. (2005)
  • 19. SÍNTESE
    • Quando falamos de educação sexual, estamos a utilizar um conceito global e abrangente de sexualidade que inclui a identidade sexual, o corpo, as expressões da sexualidade, os afectos, a reprodução e a promoção da saúde sexual e reprodutiva.
    • Assim, o objectivo principal será o de contribuir (ainda que parcialmente) para uma vivência mais informada, mais gratificante e mais autónoma, logo, mais responsável, da sexualidade.
  • 20. A SEXUALIDADE AO LONGO DA VIDA
    • A sexualidade manifesta-se desde o início da vida e acompanha o desenvolvimento geral do indivíduo
    • No entanto, vivemos a sexualidade de formas bastante diferentes em cada etapa da vida
    • A forma como a criança, o adolescente,
    • o jovem, o adulto e o idoso vivem
    • a sexualidade é diferente
  • 21. AINDA NO ÚTERO…
    • O sistema de resposta sexual começa-se a desenvolver nos fetos do sexo masculino em meados do período de gestação;
    • A resposta eréctil começa a aparecer mais ou menos às 16 semanas;
    • Pensa-se que a capacidade de lubrificação nos fetos do sexo feminino se inicia também nesta altura (embora não seja imediatamente observável).
  • 22. DO NASCIMENTO AO 2.º ANO
    • Importância das figuras de apego nos processos de vinculação;
    • Actividades rítmicas de satisfação oral – mamar, chupar no dedo – que podem ser entendidas como actividades eróticas não genitais;
    • Reconhecimento dos papéis sexuais, estabelecendo a diferença dos papéis atribuídos a um ou ao outro sexo.
  • 23. DOS 2 AOS 6 ANOS
    • Entre os 2 e os 4 anos – controlo esfincteriano;
    • Mostram o corpo e encaram o corpo do outro de forma espontânea;
    • Curiosidade pelo corpo da mãe e do pai e pelas diferenças anatómicas entre os dois sexos;
    • É a fase dos “porquês”;
    • Por volta dos 6 anos inicia-se o processo natural de construção do pudor.
  • 24. DOS 6 AOS 12 ANOS
    • Jogos sexuais infantis – exploração do corpo;
    • Jogo do “faz-de-conta” – continua a fazer a exploração sexual;
    • Mantém-se a curiosidade;
    • Constitui grupos do mesmo sexo;
    • Inicia a selecção de amizades;
    • Utiliza palavras relativas à sexualidade, mesmo sem lhes conhecer o sentido.
  • 25. A SEXUALIDADE DA CRIANÇA
  • 26. ADOLESCÊNCIA
    • Alterações pubertárias;
    • O grupo assume um lugar privilegiado;
    • Identidade, autonomia pessoal;
    • Fantasias eróticas;
    • Descoberta do próprio corpo – masturbação;
    • Petting ;
    • Início da actividade sexual.
  • 27. QUE VALORES HOJE?
  • 28. DESENHAR SENTIMENTOS
  • 29. Grata pela vossa atenção! [email_address]
  • 30. BIBLIOGRAFIA
    • Assembleia da República. (2009). Lei n.º 60/2009 de 6 de Agosto , Diário da República, 1.ª série — N.º 151 — 6 de Agosto de 2009 – 5097
    • Frade, A. et al. (2001 ). Educação Sexual na Escola . Lisboa: Texto Editora.
    • López, Félix e Antonio Fuertes. (1999). Para Compreender a Sexualidade . Lisboa: APF.
    • Marques, M.M., et al. (2002). Educação Sexual no 1º Ciclo . Lisboa: Texto Editora.
    • Pereira, M.M. e Freitas, F. (2001). Educação sexual – Contextos de sexualidade e adolescência . Porto: Edições ASA.
    • Sanders, P. e Swinder, L. (1995). Para me conhecer. Para te conhecer… - Estratégias de Educação Sexual para o 1º e 2º ciclos do Ensino Básico . Lisboa: APF.
    • Strecht, P. (2005 ). Vontade de Ser – Textos sobre Adolescência . Lisboa: Assírio & Alvim.
    • Vaz, J. (1996). Educação Sexual na Escola . Lisboa: Universidade Aberta.