Figuras de linguagem

3,178 views
2,936 views

Published on

Bons Estudo.

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,178
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
28
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Figuras de linguagem

  1. 1. DA OBSERVAÇÃO (Mário Quintana) Não te irrites, por mais que te fizerem... Estuda, a frio, o coração alheio. Farás, assim, do mal que eles te querem, Teu mais amável e sutil recreio...www.literapiaui.com.br
  2. 2. 1. Assonância: repetição de sons vocálicos.Ex.: “Sou Ana, da cama / da cana, fulana, bacana / Sou Ana deAmsterdam” (Chico Buarque)2. Aliteração: repetição de sons consonantais.Ex.: “Brancas Bacantes bêbadas o beijam” (Cruz e Sousa)Ex.:”Três tigres tristes para três pratos de trigo / Três pratos de trigo para três tigres tristes”.Balalaica CajuínaBalalaica Existirmos, a que será que se destina?[como um balido abala Pois quando tu me deste a rosa pequeninaa balada do baile vi que és um homem lindo e que se acaso a sinade gala] do menino infeliz não se nos iluminacom um balido abala Tampouco turva-se a lágrima nordestinaabala com balido Apenas a matéria-vida era tão fina[a gala do baile] e éramos olharmo-nos intacta a retinalouca a bala A Cajuína, cristalina em Teresina.laica.
  3. 3. 3. Anáfora: repetição de um termo ou palavra no início dafrase ou verso. Ex.: “Se você gritasse Se você sentisse Se você tocasse o meu coração.”4. Epístrofe: repetição de um termo ou palavra no final dafrase ou verso. Ex.: “Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada.” (Álvaro de Campos – Fernando Pessoa)5. Diácope: consiste no emprego repetido de uma ou maispalavras, intercaladas por outras. Ex.: “Tu, só tu, puro Amor com força crua” – (Camões) Ex.: “Amor, meu grande Amor...” Ex.: “há entretanto um verbo, um verbo sempre,” (Mário Faustino)
  4. 4. 6. Epizeuxe: consiste na duplicação de uma palavra(repetição em seguida). Ex.: “Seus olhos verdes, verdes.” Ex.: “talvez interjetivo, verso, verso,” (Mário Faustino)7. Quiasmo: inversão de termos iguais nos versos emforma de X. Ex.: “Ele corava e tremia Tremia e corava eu. Ex.: No meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho” (Carlos Drummond de Andrade)
  5. 5. 8. Antítese: aproximação de palavras que se opõem pelo sentido(oposição).Ex.: “Desculpem-me por ter sido longo porque não tive tempo de ser breve”.Ex.: “De repente do riso fez-se o pranto.” (Vinícius de Moraes)Ex.: “Depois da luz se segue a noite escura” (Gregório de Matos)9. Oxímoro: contraste de palavras numa frase ou verso.Ex.: “Velha infância”/Ex.: “Suave veneno”/ Ex.: “Mentiras Sinceras”.Ex.: “Crimes suaves, que ajudam a viver” (Drummond)Ex.: “Com seu povo feliz, que ri das próprias mágoas,” (Da Costa e Silva)10. Paradoxo: uma contradição – opinião contrária ao sensocomum. Consiste numa afirmação seguida de uma negação. Ex.: “Tenho tudo nas mãos (1) , mas não tenho nada (2)” Ex.: “O mito é o nada (1) que é tudo (2)”. (Fernando Pessoa) Ex.: “E cada vez que eu fujo (1) eu me aproximo mais (2)” (Ana Carolina) Ex.: “Somos suspeitos de um crime perfeito (1), mas crimes perfeitos não deixam suspeitos (2)”. (Humberto Gessinger)
  6. 6. 11. Antonomásia: substituição do nome / personagem /personalidade por uma marca (apelido) ou característicamarcante. Ex.: “O Poeta dos Escravos” (Castro Alves) Ex.: “O Rei do futebol” (Pelé) Ex.: “O patrono do Exército brasileiro” (Duque de Caxias)12. Perífrase: trata-se de substituir o nome de umacidade/estado/país/região por uma característica marcante. Ex.: “A capital da República está em festa” (Brasília) Ex.: “A terra do sol nascente é cheia de boas surpresas” (Japão)13. Catacrese: na falta de um termo específico paradesignar um conceito, usa-se outro por “empréstimo”; trata-se de uma metáfora desgastada. Ex.: “Você quebrou o pé da mesa!”; Ex.: “Eles votaram o teto salarial do Judiciário”
  7. 7. 14. Hipérbato: inversão da ordem direta dos termos daoração. Ex.: “Somos do mundo a esperança”. Ex.: “Passeiam, à tarde, as belas na Avenida”. Ex.: “Dança, à noite, o casal de apaixonados no clube”.15. Zeugma: trata-se de uma elipse (omissão de termos)especial, onde ocorre a omissão de um termo que já citadoanteriormente.Ex.: “O galo come milho / O urubu, esterco” (Millor Fernandes) –percebe-se a omissão do verbo come no 2º verso.Ex.: “Nossos bosques têm mais vida / Nossa vida mais amores” (G.Dias) – ocorreu a omissão do verbo têm no 2º verso.Ex.: Ele prefere cinema; eu, teatro. (omissão de prefiro)
  8. 8. 16. Metonímia: apresenta um termo em lugar de outro, combase numa relação de dependência de ambos; é umacomplementação de sentidos. Ex.: “O professor Ismar Tavares já completou 55 carnavais” Ex.: “O meu irmãozinho adora danone ”. Ex.: “Ele adora ler Fernando Pessoa” Ex.: “Não tinha teto em que se abrigasse ”17. Paronomásia: é o uso de sons semelhantes empalavras próximas. Ex.: “... do povo nas vilas, nas favelas, nas filas...” Ex.: “Sou mulato lato no sentido lato” Para a tropa do trapo vazo a tripa, E mais não digo, porque a musa topa. Em apa, epa, ipa, opa, upa.
  9. 9. 18. Prosopopéia ou Personificação: atribuição decaracterísticas humanas a plantas, animais ou seresinanimados.Ex.: “Meu cachorro me sorriu latindo” (Roberto Carlos)Ex.: “O peixinho(...) silencioso e levemente melancólico”. (Mário Quintana)Ex.: “Um frio inteligente (...) percorria o jardim...”(Clarice Lispector).19. Sinestesia: refere-se às sensações que percebemos pormeio do cruzamento de diferentes órgãos dos sentidos.Ex.: “O grito escuro da meia – noite” / “Uma palavra branca e fria”Ex.: "O delicioso aroma do amor" / “Um áspero sabor de indiferença”.20. Anacoluto: consiste em deixar um termo solto na frase.Normalmente, isso ocorre porque se inicia uma determinadaconstrução sintática e depois se opta por outra.Ex.: “A vida, não sei realmente se ela vale alguma coisa”.Ex.: “Ele, nada podia assustá-lo”.
  10. 10. A vós correndo vou, braços sagrados, Pleonasmo Nessa cruz sacrossanta descobertos Aliteração A vós, divinos olhos, eclipsadosApóstrofe Metáfora De tanto sangue e lágrimas abertos, Hipérbole
  11. 11. Pois para perdoar-me, estais despertos, AntíteseE, por não condenar-me, estais fechados. A vós, pregados pés, por não deixar-me,Anáfora A vós, sangue vertido, para ungir-me, Epístrofe A vós, cabeça baixa, pra chamar-me.A vós, cravos preciosos, quero atar-me, Eufemismo braços olhosPara ficar unido, atado e firme. sangue Metonímia Pés cabeça Zeugma Gradação

×