• Save
Turismo nos Açores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Turismo nos Açores

on

  • 2,990 views

Estudo acerca da evolução do TURISMO nos Açores

Estudo acerca da evolução do TURISMO nos Açores

Statistics

Views

Total Views
2,990
Views on SlideShare
2,990
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • gostava de imprimir esse trablho .. mas nao consigo nem fazer download .. como posso fazer para tê lo no meu computador?
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Turismo nos Açores Turismo nos Açores Document Transcript

  • Turismo nos AÇORES (1990-2000) Perspectivas de evolução (2001-2004)
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) O mercado é constituído pelo número de pessoas que visitam uma ou as múltiplas ilhas que integram o arquipélago dos Açores quer seja em férias (férias principais ou secundárias, “short breaks”, férias activas, etc...) quer seja em negócios ou por motivos profissionais. Esse número de pessoas tem vindo a aumentar ao longo dos últimos 10 anos. No ano de 1990, visitaram o arquipélago 127.220 pessoas, tendo a sua estadia, em média, a duração de 2,82 dias. No ano de 2000, visitaram o arquipélago 232.818 pessoas, tendo a sua estadia, em média, a duração de 2,94 dias. A taxa de crescimento não foi constante ao longo dos últimos 10 anos, tendo-se inclusivamente verificado crescimentos negativos em alguns anos. (Quadro 1 em anexo) É de referir que a taxa de crescimento no ano de 1993 foi negativa (-15,6%). Apesar das taxas de crescimento nos anos de 1994 e 1995 terem sido positivas, só no ano de 1995 é que o número de hóspedes que visitou os Açores igualou os valores registados em 1993. 2 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) Número de turistas Nos anos 1996 e 1997 verificou-se uma certa estabilização do número de turistas que visitaram as ilhas crescendo o seu número em 1996 e diminuindo no ano de 1997. Pode-se dizer que, nos anos de 1992 a 1997 o número de turistas que visitou as ilhas que integram o arquipélago apresentou uma certa tendência para a estabilização. Nos anos de 1998 e 1999 registou-se um forte crescimento no número de turistas que visitaram as ilhas, com especial referência para o ano de 1999 em que a taxa de crescimento se situou nos 37,1%. No ano de 2000 registou-se um crescimento de 2% no número de turistas que visitaram as ilhas. Como referido, o número médio de dias de estadia em 1990 era de 2,82 ao passo que, em 2000 se situou nos 2,94 dias, representando um crescimento de 4,26% nos últimos 10 anos. (Quadro 2 em anexo) O número de turistas que visitaram as diferentes ilhas em 1990 e 2000 foi respectivamente de: ILHAS Turistas 1990 Turistas 2000 Santa Maria 4.510 4.419 São Miguel 60.186 119.483 Terceira 28.462 39.900 Graciosa 2.161 3.543 S. Jorge 4.174 8.372 Pico 9.299 18.137 Faial 17.091 34.588 Flores 1.337 4.032 Corvo - 344 A observação dos dados constantes na tabela permite-nos concluir que: • S. Miguel foi a ilha mais visitada, e que apresentou uma forte tendência de crescimento (98,52%) comparativamente a 1990. • A Terceira, apesar de ter sido a segunda ilha mais visitada apresentou uma tendência de crescimento mais moderada, ou seja, 40,19% comparativamente a 1990. É de referir que no ano de 2000, comparativamente a 1999, esta ilha apresentou um crescimento negativo ( –23,3%). • O Faial foi a terceira ilha mais visitada, apresentando uma forte tendência de crescimento (102,38%) comparativamente a 1990. 3 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor. View slide
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) • O Pico foi a quarta ilha mais visitada, apresentando uma forte tendência de crescimento (95,04%) comparativamente a 1990. • São Jorge foi a quinta ilha mais visitada, apresentando uma forte tendência de crescimento (100,57%) comparativamente a 1990. O índice de visitação das diferentes ilhas em 1990 e 2000 foi respectivamente de (Quadro 3 em anexo): ILHAS Índice de Índice de visitação 1990 visitação 2000 Santa Maria 3,5% 1,9% São Miguel 47,3% 51,3% Terceira 22,4% 17,1% Graciosa 1,7% 1,5% S. Jorge 3,3% 3,6% Pico 7,3% 7,8% Faial 13,4% 14,9% Flores 1,1% 1,7% Corvo 0% 0,1% A observação dos dados constantes na tabela permite-nos concluir que: • No ano de 2000, 94,7% do total das visitas às ilhas pelos turistas estavam concentradas em São Miguel, Terceira, Faial, Pico e São Jorge. • Com excepção da ilha Terceira, as restantes ilhas supracitadas mantêm ou aumentaram a sua importância relativa no que se refere às visitas pelos turistas. • No ano de 2000, S. Miguel foi a ilha mais visitada com 51,3% do total das visitas às ilhas pelos turistas. Número de dormidas A análise com base no número de dormidas permite-nos concluir (Quadro 4 em anexo): • Em 1990 o número de dormidas nas diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores foi de 359.290 ao passo que em 2000 foi de 683.485, verificando-se um aumento de 90,23%. • Com excepção dos anos de 1993 (-11,6%) e 1997 (-2,7%), esse número tem vindo a aumentar ao longo dos anos. 4 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor. View slide
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) • O número de dormidas nas diferentes ilhas em 1990 e 2000 foi respectivamente de: ILHAS Turistas 1990 Turistas 2000 Santa Maria 11.203 10.122 São Miguel 191.724 394.952 Terceira 64.409 88.460 Graciosa 5.824 9.387 S. Jorge 11.992 20.294 Pico 27.345 52.628 Faial 41.544 89.957 Flores 15.294 16.232 Corvo 0 823 A observação dos dados constantes na tabela permite-nos concluir que: • S. Miguel foi a ilha que registou o maior número de dormidas apresentando uma forte tendência de crescimento (106%) comparativamente a 1990. • O Faial foi a segunda ilha que registou o maior número de dormidas apresentando uma forte tendência de crescimento (116,53%) comparativamente a 1990. • A Terceira foi a terceira ilha que registou o maior número de dormidas, e apresentou uma tendência de crescimento mais moderada, ou seja, 37,34% comparativamente a 1990. É de referir que no ano de 2000, comparativamente a 1999, esta ilha apresentou um crescimento negativo ( –12,8%). • O Pico foi a quarta ilha que registou o maior número de dormidas, apresentando uma forte tendência de crescimento (92,46%) comparativamente a 1990. • São Jorge foi a quinta ilha que registou o maior número de dormidas, apresentando uma tendência de crescimento abaixo da média (74,48%) comparativamente a 1990. É de referir que no ano de 2000, comparativamente a 1999, esta ilha apresentou um crescimento negativo ( –2,6%). 5 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) O índice de dormidas nas diferentes ilhas em 1990 e 2000 foi respectivamente de (Quadro 5 em anexo): ILHAS Índice de Índice de visitação 1990 visitação 2000 Santa Maria 3,1% 1,5% São Miguel 53,4% 57,8% Terceira 17,9% 12,9% Graciosa 1,6% 1,4% S. Jorge 3,3% 3,1% Pico 7,6% 7,7% Faial 11,6% 13,2% Flores 1,5% 2,4% Corvo 0% 0,1% A observação dos dados constantes na tabela permite-nos concluir que: • No ano de 2000, 94,70% do total de dormidas estavam concentradas em São Miguel, Terceira, Faial, Pico e São Jorge. • Com excepção da ilha Terceira, as restantes ilhas supracitadas mantêm ou aumentaram a sua importância relativa no que se refere às dormidas. • S. Miguel foi a ilha onde se registou o maior número de dormidas, com 57,8% do total de dormidas no arquipélago dos Açores. Receitas As receitas da hotelaria, a preços correntes, aumentaram 136,61% nos últimos 10 anos. (Quadro 6 em anexo). Em 1990 o valor das receitas situou-se em Esc: 2.365.816.000 e, no ano 2000, este valor foi de Esc: 5.597.678.000. As receitas só com o aposento, a preços correntes, aumentaram 188,55% nos últimos 10 anos. Em 1990 o valor das receitas com o aposento era de Esc: 1.415.480.000 e, no ano de 2000, este valor foi de Esc: 4.084.429.000. As restantes receitas da hotelaria, a preços correntes, aumentaram 59,23% nos últimos 10 anos. Em 1990 o valor das restantes receitas era de Esc: 950.338.000 e, no ano de 2000, este valor foi de Esc: 1.513.249.000. 6 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) Receitas médias por turista (hóspede) As receitas médias por turista (hóspede) em 1990 eram de Esc: 18.596 e, no ano de 2000, foram de Esc: 24.043. Registou-se um aumento de 29,29% nos últimos 10 anos. (Quadro 7 em anexo). Em 1990 as receitas médias por turista (hóspede) só com o aposento eram de Esc: 11.126 e, no ano de 2000, foram de Esc: 17.543. O aumento das receitas médias por turista (hóspede) só com o aposento foi de 57,68% nos últimos 10 anos. Em 1990 as restantes receitas médias por turista (hóspede) eram de Esc: 7.470 e, no ano de 2000, foram de Esc: 6.500. O aumento das restantes receitas médias por turista (hóspede) foi de – 12,99%. Em 1990 a importância relativa das receitas médias por turista (hóspede) com o alojamento foi de 59,83% ao passo que em 2000 se situou em 72,97%. Receitas médias por dormida As receitas médias por dormida em 1990 eram de Esc: 6.585 e, em 2000, foram de 8.190. Registou-se um aumento de 24,37% nos últimos 10 anos. (Quadro 8 em anexo) Em 1990 as receitas médias por dormida só com o aposento eram de Esc: 3.940 e, no ano de 2000, foram de Esc: 5.976. O aumento das receitas médias por dormida só com o aposento foi de 51,68% nos últimos 10 anos. Em 1990 as restantes receitas médias por dormida eram de Esc: 2.645 e, no ano de 2000, foram de Esc: 2.214. O aumento das restantes receitas médias por dormida foi de – 16,29%. Em 1990 a importância relativa das receitas médias por dormida com o alojamento foi de 59,83% ao passo que em 2000 se situou em 72,97%. Países de origem dos turistas A importância relativa dos Portugueses no número de visitantes aos Açores oscilou ao longo dos últimos 10 anos, tendo atingido o seu máximo nos anos de 1992 a 1996, respectivamente com 77,69%, 77,04%, 77,82%, 76,06% e 76,61%. No ano de 1990, 71,99% dos turistas e/ou visitantes das diferentes ilhas que integram o Arquipélago dos Açores no ano de 2000, foram Portugueses, residentes em Portugal Continental, na Região Autónoma dos Açores, Região Autónoma da Madeira, Canadá e/ou Estados Unidos da América ao passo que, no ano 2000 esse número se situou nos 72,31%. No ano de 1990 os Portugueses, Alemães, Americanos, Ingleses, Franceses e Canadianos representavam 91,30% dos turistas que escolhiam os Açores como destino. (Quadros 9 e 10 em anexo). Em 2000 os Portugueses, Alemães, Americanos, Ingleses, Franceses e Canadianos representavam 87,78%% dos turistas que escolhiam os Açores como destino. 7 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) As principais diferenças resultam da importância relativa dos Alemães (8,18% em 1990 e 5,35% em 2000) e dos Nórdigos (1,38% em 1990 e 5,45% em 2000) nos turistas que escolhiam os Açores como destino. Ano de 2000 (Quadros 11 a 36 em anexo) A análise dos dados disponíveis do ano de 2000, para além das preferências dos turistas no que respeita às ilhas de destino (anteriormente analisado) permite-nos concluir que: • Existe uma certa sazonalidade no fluxo de turistas (hóspedes), dormidas e de receitas com o turismo. • Cerca de 77% destes fluxos estão concentrados em 7 meses do ano: de Abril a Outubro. • Os meses que apresentam maior fluxo de turistas (hóspedes), dormidas e de receitas (cerca de 52%) foram: • Agosto com 17,41% (hóspedes), 16,99% (dormidas) e 15,9%(receitas) • Julho com 14,23% (hóspedes), 13,26% (dormidas) e 13,6% (receitas) • Setembro com 11,6% (hóspedes), 11,14% (dormidas) e 12,5% (receitas) • Junho com 9,88% (hóspedes), 9,57% (dormidas) e 10,0% (receitas) • 2,94 dias foi o número médio de dias de estadia. Esse número variou ao longo dos diferentes meses do ano, situando-se acima da média anual nos meses de Março, Abril, Outubro, Novembro e Dezembro. • Os gastos médios por hóspede durante o ano situaram-se em 24.043$00. Variaram ao longo do ano 2000 situando-se acima da média anual nos meses de Maio, Junho, Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro. • Os gastos médios por dormida durante o ano situaram-se em 8.190$00. Esse número variou ao longo do ano situando-se acima da média anual nos meses de Fevereiro, Maio, Junho, Julho, Setembro e Dezembro. • As receitas com o alojamento atingiram no ano 72,98% do total de receitas anuais. Assumiram uma importância relativa superior à média anual nos meses de Abril, Maio, Junho, Julho e Agosto. • S. Miguel, Terceira, Faial e Pico em conjunto receberam 94,70% dos hóspedes onde dormiram 94,65% das noites e geraram 96,39% das receitas. • S. Miguel recebeu 51,32% dos hóspedes onde dormiram 57,79% das noites e geraram 61,6% das receitas. • Nos meses de Outubro, Novembro e Dezembro, S. Miguel recebeu 58,28%, 56,97% dos 60,75% hóspedes onde dormiram 68,03%, 68,85% e 69,14% das noites gerando 71,2%, 72,2% e 65,44% de receitas. Este fenómeno pode ser atribuído a um recente acordo celebrado entre o Governo Regional e um Operador Turístico para o mercado Sueco. 8 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) • Como referido,72,31% dos turistas e/ou visitantes das diferentes ilhas que integram o Arquipélago dos Açores foram Portugueses, residentes em Portugal Continental, na Região Autónoma dos Açores, Região Autónoma da Madeira, Canadá e/ou Estados Unidos da América . • Os Nórdigos com especial referência para os Suecos tiveram um peso importante na escolha dos Açores como destino turístico, assumindo uma importância relativa de 5,45%. • Em 2000 os Portugueses, Alemães, Americanos, Ingleses, Canadianos e Suecos representavam 90,77% dos turistas que escolhiam os Açores como destino turístico. • Os Portugueses permaneceram em média nos Açores 2,72 dias ao passo que, os estrangeiros permaneceram em média 3,5 dias. • As preferências dos turistas (hóspedes) no que se refere aos diferentes tipos de estabelecimento foi: Tipo de estabelecimento % de hóspedes Hotelaria tradicional 86,62 Turismo em Espaço Rural 1,79 Colónias de Férias 3,40 Parques de Campismo 3,37 Casas de Hóspedes 2,20 Alojamentos Particulares 2,63 • A importância relativa dos diferentes tipos de estabelecimento no total de dormidas foi: Tipo de estabelecimento % de hóspedes Hotelaria tradicional 84,75 Turismo em Espaço Rural 1,40 Colónias de Férias 3,02 Parques de Campismo 3,96 Casas de Hóspedes 2,78 Alojamentos Particulares 4,09 9 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) Ano de 2001 (Quadros 37 a 45 em anexo) A análise dos dados disponíveis do ano de 2001 (primeiros 4 meses do ano), permite-nos concluir que: • O número de turistas (hóspedes) aumentou em 21,77% comparativamente a igual período de 2000. • Esse aumento do número de turistas deve-se sobretudo aos estrangeiros, com particular referência para os Suecos. O número de turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) aumentou 8,98% comparativamente a igual período de 2000 ao passo que o número de estrangeiros aumentou em 86,14%. • O número de dormidas aumentou 24,93% comparativamente a igual período de 2000. • Esse aumento do número de dormidas deve-se aos estrangeiros. O número de dormidas dos turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) aumentou 1,47% comparativamente a igual período de 2000 ao passo que o número de dormidas dos turistas estrangeiros aumentou em 114,1%. • O número médio de dias de estadia aumentou 2,6% comparativamente a igual período de 2000. • Os turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) permaneceram, em média, menor número de dias (2,84 dias em média no ano de 2000 e 2,64 dias em média no ano de 2001). Essa redução foi de 6,89%. • Os turistas estrangeiros permaneceram, em média maior número de dias (3,74 dias em média no ano de 2000 e 4,3 dias em média no ano de 2001). Esse aumento foi de 15,02%. • As receitas médias por hóspede aumentaram 11,2% comparativamente a igual período de 2000. • As receitas médias por dormida aumentaram 8,39% comparativamente a igual período de 2000. • As receitas médias por hóspede só com o alojamento aumentaram 3,81% comparativamente a igual período de 2000. • As receitas médias por dormida só com o alojamento aumentaram 1,18% comparativamente a igual período de 2000. • A importância relativa do alojamento no total de receitas diminuiu no ano de 2001 comparativamente a igual período de 2000. 10 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) • Em 2001 a importância relativa do alojamento no total de despesas foi de 66,1% ao passo que, em igual período de 2000 era de 70,80%. • As receitas, número de hóspedes e dormidas variaram muito nos três tipos de alojamento analisados. • Aumentaram na Hotelaria Tradicional 35,41%(receitas), 29% (número de hóspedes) e 23,27% (número de dormidas) respectivamente. • Diminuíram no Turismo em Espaço Rural –23,25%(receitas), -22,07%(número de hóspedes) e –41,96%(número de dormidas). • Diminuíram Casas de Hóspedes –10,27% (receitas), -0,21% (número de hóspedes) e – 5,44%(número de dormidas). S. Miguel A análise dos dados disponíveis para S. Miguel no ano de 2001 (primeiros 4 meses do ano), permite-nos concluir que: • O número de turistas (hóspedes) aumentou em 20,73% comparativamente a igual período de 2000. • Esse aumento do número de turistas deve-se sobretudo aos estrangeiros, com particular referência para os Suecos. O número de turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) diminuiu 2,2% comparativamente a igual período de 2000 ao passo que o número de estrangeiros aumentou em 105,01%. • O número de dormidas aumentou 31,37% comparativamente a igual período de 2000. • Esse aumento do número de dormidas deve-se aos estrangeiros. O número de dormidas dos turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) diminuiu 9,42% comparativamente a igual período de 2000 ao passo que o número de dormidas dos turistas estrangeiros aumentou em 129,8%. • O número médio de dias de estadia aumentou 8,81% comparativamente a igual período de 2000. • Os turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) permaneceram, em média, menor número de dias (2,79 dias em média no ano de 2000 e 2,58 dias em média no ano de 2001). Essa redução foi de 7,38%. • Os turistas estrangeiros permaneceram, em média maior número de dias (4,25 dias em média no ano de 2000 e 4,76 dias em média no ano de 2001). Esse aumento foi de 12,09%. • As receitas médias por hóspede aumentaram 11,52% comparativamente a igual período de 2000. 11 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) • As receitas médias por hóspede só com o alojamento aumentaram 1,24% comparativamente a igual período de 2000. • As receitas médias por dormida aumentaram 2,48% comparativamente a igual período de 2000. • As receitas médias por dormida só com o alojamento diminuíram 6,96% comparativamente a igual período de 2000. • A importância relativa do alojamento no total de receitas diminuiu no ano de 2001 comparativamente a igual período de 2000. • Em 2001 a importância relativa do alojamento no total de despesas foi de 67% ao passo que, em igual período de 2000 era de 60,83%. Faial A análise dos dados disponíveis para o Faial no ano de 2001 (primeiros 4 meses do ano), permite-nos concluir que: • O número de turistas (hóspedes) aumentou em 25,2% comparativamente a igual período de 2000. • Esse aumento do número de turistas deve-se quer aos portugueses quer aos estrangeiros. O número de turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) aumentou 23,39% comparativamente a igual período de 2000 ao passo que o número de estrangeiros aumentou em 37,98%. • O número de dormidas aumentou 42,45% comparativamente a igual período de 2000. • Esse aumento do número de dormidas deve-se aos estrangeiros. O número de dormidas dos turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) aumentou 33,82% comparativamente a igual período de 2000 ao passo que o número de dormidas dos turistas estrangeiros aumentou em 115,16%. • O número médio de dias de estadia aumentou 13,77% comparativamente a igual período de 2000. • Os turistas portugueses (residentes no arquipélago, no continente e/ou em outros países) permaneceram, em média, maior de dias (3,07 dias em média no ano de 2000 e 3,33 dias em média no ano de 2001). Este aumento foi de 8,45%. • Os turistas estrangeiros permaneceram, em média maior número de dias (2,57 dias em média no ano de 2000 e 4,01 dias em média no ano de 2001). Esse aumento foi de 55,93%. • As receitas médias por hóspede aumentaram 13,65% comparativamente a igual período de 2000. • As receitas médias por hóspede só com o alojamento aumentaram 5,83% comparativamente a igual período de 2000. 12 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Breve caracterização do mercado) • As receitas médias por dormida diminuíram 0,11% comparativamente a igual período de 2000. • As receitas médias por dormida só com o alojamento diminuíram 6,98% comparativamente a igual período de 2000. • A importância relativa do alojamento no total de receitas diminuiu no ano de 2001 comparativamente a igual período de 2000. • Em 2001 a importância relativa do alojamento no total de despesas foi de 73,59% ao passo que, em igual período de 2000 era de 68,52%. 13 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Foram usadas quatro metodologias para determinar a provável evolução do mercado (procura) nos próximos 3 anos (Quadros 46 a 64 em anexo): • Por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos onze anos. • Por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos cinco anos. • Tendo por base a evolução do mercado nos primeiros 4 meses do ano de 2001, os acordos estabelecidos e para os anos seguintes crescimentos semelhantes aos determinados por regressão linear obtida a partir da evolução do mercado nos últimos onze anos. • Tendo por base a evolução do mercado nos primeiros 4 meses do ano de 2001, os acordos estabelecidos e para os anos seguintes crescimentos semelhantes aos determinados por regressão linear obtida a partir da evolução do mercado nos últimos cinco anos. Essas metodologias foram aplicadas não só para as receitas como para o número de turistas e número de dormidas, permitindo criar vários cenários de e evolução. Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 11 anos 2000 2001 2002 2003 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 232.818 217.816 226.642 235.469 244.295 Nº Hóspedes 232.818 252.666 262.905 273.144 283.382 Nº Dormidas 683.485 604.042 630.755 657.468 684.182 Nº Dormidas 683.485 724.850 756.906 788.962 821.018 Receitas 5.279.848.000 5.453.697.090 5.751.760.190 6.049.823.300 6.347.885.440 Receitas 5.279.848.000 5.617.308.000 5.924.313.000 6.231.318.000 6.538.322.000 Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 5 anos 2000 2001 2002 2003 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 232.818 252.372 273.075 293.779 314.482 Nº Hóspedes 232.818 280.133 303.113 326.095 349.075 Nº Dormidas 683.485 738.895 811.321 883.748 957.177 Nº Dormidas 683.485 805.396 884.340 963.286 1.043.323 Receitas 5.279.848.000 5.993.710.890 6.478.633.660 6.963.558.420 7.448.480.200 Receitas 5.279.848.000 6.053.548.000 6.543.420.000 7.033.194.000 7.522.965.000 14 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Primeiros meses de 2001, acordos existentes e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 11 anos 2000 2001 2002 2003 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 232.818 253.093 263.343 273.587 283.847 Nº Dormidas 683.485 797.519 832.876 868.079 903.323 Receitas 5.279.848.000 7.960.839.634 8.396.297.562 8.831.225.776 9.266.605.206 Receitas 5.279.848.000 7.181.663.084 7.574.500.055 7.966.859.158 8.359.625.314 Primeiros meses de 2001, acordos existentes e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 5 anos 2000 2001 2002 2003 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 232.818 253.093 273.874 294.604 315.374 Nº Dormidas 683.485 797.519 875.676 953.873 1.033.141 Receitas 5.279.848.000 7.960.839.634 8.604.871.560 9.248.515.953 9.892.212.663 Receitas 5.279.848.000 7.181.663.084 7.762.659.627 8.343.306.568 8.924.000.705 A análise das diferentes possibilidades para a evolução da procura permitiu a selecção de dois cenários de evolução do mercado do turismo nos Açores, abaixo apresentados: (cenário pessimista e cenário realista) Cenário 1: Pessimista Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 232.818 8,71% 253.093 4,05% 263.343 3,89% 273.587 3,75% 283.847 Nº Dormidas 683.485 15,68% 797.519 4,42% 832.769 4,24% 868.079 4,06% 903.323 Receitas 5.279.848.000 36,02% 7.181.663.084 5,47% 7.574.500.055 5,18% 7.966.859.158 4,93% 8.359.625.314 A observação deste cenário permite-nos constatar: • O número de turistas que visitam os Açores cresce de forma moderada, aumentando em 21,92% entre 2000 e 2004. • O número de dormidas nos Açores cresce de forma moderada, aumentando 32,16% entre 2000 e 2004. Esse número aumenta a um ritmo superior ao do número de turistas na sequência do aumento do número médio de dias de estadia. 15 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) • As receitas crescem de forma moderado/forte, aumentando 58,33% entre 2000 e 2004. Esse valor aumenta a um ritmo superior ao do número de turistas e ao número médio de dias de estadia na sequência do aumento das despesas por turista aquando da sua estadia nos Açores. • As receitas médias por turista e as receitas médias por dormida aumentam ao longo dos anos em análise. Cenário Pessimista: Evolução do número médio de dias de estadia, receitas médias por hóspede e receitas médias por dia de estadia 2000 2001 2002 2003 2004 Nº médio dias estadia 2,94 3,15 3,16 3,17 3,18 Receitas médias por hóspede 22.678 28.376 28.763 29.120 29.451 Receitas médias por dormida 7.725 9.005 9.096 9.178 9.254 Cenário 2: Realista Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 232.818 8,71% 253.093 8,20% 273.847 7,58% 294.604 7,05% 315.374 Nº Dormidas 683.485 16,68% 797.519 9,80% 875.676 8,93% 953.874 8,31% 1.033.141 Receitas 5.279.848.000 36,02% 7.181.663.084 8,09% 7.762.659.627 7,48% 8.343.306.568 6,96% 8.924.000.705 A observação deste cenário permite-nos constatar: • O número de turistas que visitam os Açores cresce de forma moderada, aumentando em 35,46% entre 2000 e 2004. • O número de dormidas nos Açores cresce de forma moderada/forte, aumentando 51,16% entre 2000 e 2004. Esse número aumenta a um ritmo superior ao do número de turistas na sequência do aumento do número médio do número de dias de estadia. • As receitas crescem de forma moderado/forte, aumentando 69,02% entre 2000 e 2004. Esse valor aumenta a um ritmo superior ao do número de turistas e ao número médio de dias de estadia no ano de 2001 na sequência do aumento das despesas por turista aquando da sua estadia nos Açores. • O valor das receitas aumenta a um ritmo inferior ao do número de turistas e ao número médio de dias de estadia nos restantes anos na sequência da diminuição das despesas por turista aquando da sua estadia nos Açores. 16 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) • As receitas médias por turista e as receitas médias por dormida aumentam no ano de 2001 vindo a degradar-se ao longo dos restantes anos em análise. Cenário Realista: Evolução do número médio de dias de estadia, receitas médias por hóspede e receitas médias por dia de estadia 2000 2001 2002 2003 2004 Nº médio dias estadia 2,59 3,15 3,20 3,24 3,28 Receitas médias por hóspede 22.678 28.376 28.347 28.320 28.297 Receitas médias por dormida 8.741 9.005 8.865 8.747 8.638 Este cenário á baseado no pressuposto que o número de turistas, o número de dormidas e as receitas com o turismo aumentam a um ritmo duas vezes superior ao ritmo de crescimento apresentado no cenário realista. Cenário 3: Optimista Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 232.818 8,71% 253.093 16,20% 294.094 15,16% 338.679 14,10% 386.432 Nº Dormidas 683.485 16,68% 797.519 19,60% 953.833 17,86% 1.124.187 16,62% 1.311.027 Receitas 5.279.848.000 36,02% 7.181.663.084 16,18% 8.343.656.171 14,96% 9.591.867.134 13,92% 10.927.055.039 A observação deste cenário permite-nos constatar: • O número de turistas que visitam os Açores cresce de forma moderada/forte, aumentando em 66,0% entre 2000 e 2004. • O número de dormidas nos Açores é fortemente crescente, aumentando 91,82% entre 2000 e 2004. Esse número aumenta a um ritmo superior ao do número de turistas na sequência do aumento do número médio de dias de estadia. • As receitas crescem fortemente, aumentando 106,96% entre 2000 e 2004. Esse valor aumenta a um ritmo superior ao do número de turistas e ao número médio de dias de estadia no ano de 2001 e aumentam a um ritmo inferior ao número médio de turistas nos anos seguintes na sequência da diminuição das despesas por turista aquando da sua estadia nos Açores a partir do ano de 2002.. • As receitas médias por turista e as receitas médias por dormida aumentam no ano de 2001 diminuem ao longo dos diferentes anos em análise. 17 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Cenário Optimista: Evolução do número médio de dias de estadia, receitas médias por hóspede e receitas médias por dia de estadia 2000 2001 2002 2003 2004 Nº médio dias estadia 2,94 3,15 3,24 3,32 3,39 Receitas médias por hóspede 22.678 28.376 28.371 28.321 28.277 Receitas médias por dormida 7.725 9.005 8.748 8.532 8.335 S. Miguel Também se procedeu à reflexão acerca da provável evolução do turismo em S. Miguel, usando as mesmas metodologias: • Projecção dos resultados através de regressão linear tendo por base os últimos 11 anos • Projecção dos resultados através de regressão linear tendo por base os últimos 5 anos • Evolução do turismo a partir dos resultados dos primeiros meses do ano de 2001, acordos existentes e taxas de crescimento para os restantes anos determinadas a partir das taxas de crescimento obtidas por regressão linear com base na evolução do turismo nos últimos 11 e 5 anos. Regressão linear tendo por base a evolução do mercado em S. Miguel nos últimos 11 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 119.483 -12,02% 105.123 4,37% 109.719 4,19% 114.315 4,02% 118.911 119.483 1,18% 120.891 4,37% 126.177 4,19% 131.462 4,02% 136.748 Nº Dormidas 394.952 -14,57% 337.425 4,64% 353.090 4,44% 368.755 4,25% 384.420 394.952 -0,04% 394.787 4,64% 413.115 4,44% 431.443 4,25% 449.771 Receitas 3.234.620 -5,95% 3.042.049 5,63% 3.213.282 5,33% 3.384.515 5,06% 3.555.747 3.234.620 -2,19% 3.163.731 5,63% 3.341.813 5,33% 3.519.895 5,06% 3.697.977 Regressão linear tendo por base a evolução do mercado em S. Miguel nos últimos 5 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 119.483 5,74% 126.346 9,37% 138.182 8,56% 150.017 7,89% 161.853 119.483 11,03% 132.664 9,37% 145.091 8,56% 157.518 7,89% 169.946 Nº Dormidas 394.952 4,41% 412.384 9,98% 453.554 9,08% 494.724 8,32% 535.893 394.952 11,72% 441.251 9,98% 485.303 9,08% 529.354 8,32% 573.406 Receitas 3.234.620 3,62% 3.351.829 8,28% 3.629.525 7,65% 3.907.221 7,11% 4.184.918 3.234.620 8,80% 3.519.420 8,28% 3.811.001 7,65% 4.102.582 7,11% 4.394.276 18 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Primeiros meses de 2001, acordos existentes e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado em S. Miguel nos últimos 11 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 119.483 16,91% 139.686 4,37% 145.790 4,19% 151.899 4,02% 158.005 Nº Dormidas 394.952 32,48% 523.233 4,64% 547.511 4,44% 571.821 4,25% 596.123 Receitas 3.234.620 45,67% 4.711.713 5,63% 4.976.982 5,33% 5.242.256 5,06% 5.507.514 3.234.620 61,47% 5.222.912 5,63% 5.516.962 5,33% 5.811.016 5,06% 6.105.053 Primeiros meses de 2001, acordos existentes e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado em S. Miguel nos últimos 5 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 119.483 16,91% 139.686 9,37% 152.775 8,56% 165.852 7,89% 178.938 Nº Dormidas 394.952 32,48% 523.233 9,98% 575.452 9,08% 627.703 8,32% 679.928 Receitas 3.234.620 45,67% 4.711.713 8,28% 5.101.843 7,65% 5.492.134 7,11% 5.882.625 3.234.620 61,47% 5.222.912 8,28% 5.655.369 7,65% 6.088.005 7,11% 6.520.862 Faial Também se procedeu à reflexão acerca da provável evolução do turismo no Faial, usando as mesmas metodologias: • Projecção dos resultados através de regressão linear tendo por base os últimos 11 anos • Projecção dos resultados através de regressão linear tendo por base os últimos 5 anos • Evolução do turismo a partir dos resultados dos primeiros meses do ano de 2001, acordos existentes e taxas de crescimento para os restantes anos determinadas a partir das taxas de crescimento obtidas por regressão linear com base na evolução do turismo nos últimos 11 e 5 anos. Regressão linear tendo por base a evolução do mercado no Faial nos últimos 11 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 34.588 -14,18% 29.683 4,48% 31.013 4,29% 32.343 4,11% 33.673 34.588 -58,09% 37.697 4,48% 39.386 4,29% 41.075 4,11% 42.765 Nº Dormidas 89.957 -14,52% 76.896 4,91% 80.670 4,68% 84.445 4,47% 88.220 89.957 8,56% 97.658 4,91% 102.451 4,68% 107.246 4,47% 112.039 Receitas 736.739 -6,87% 686.120 5,89% 726.516 5,56% 766.911 5,27% 807.307 736.739 2,44% 754.733 5,89% 799.168 5,56% 843.602 5,27% 888.037 19 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Regressão linear tendo por base a evolução do mercado no Faial nos últimos 5 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 34.588 11,53% 38.576 11,65% 43.072 10,44% 47.568 9,45% 52.064 34.588 -52,40% 42.819 11,66% 47.810 10,44% 52.800 9,45% 57.791 Nº Dormidas 89.957 15,38% 103.790 12,76% 117.033 11,32% 130.276 10,17% 143.520 89.957 25,76% 113.131 12,76% 127.566 11,32% 142.006 10,17% 156.449 Receitas 736.739 14,30% 842.113 11,42% 938.323 10,25% 1.034.533 9,30% 1.130.742 736.739 16,59% 858.956 11,42% 957.090 10,25% 1.055.224 9,30% 1.153.357 Primeiros meses de 2001 e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado no Faial nos últimos 11 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 34.588 25,02% 43.242 4,48% 45.179 4,29% 47.117 4,21% 49.101 Nº Dormidas 89.957 42,45% 128.144 4,91% 134.436 4,68% 140.727 4,47% 147.018 Receitas 736.739 32,50% 976.180 5,89% 1.033.677 5,56% 1.091.149 5,27% 1.148.653 Primeiros meses de 2001 e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado no Faial nos últimos 5 anos 2000 Incremento 2001 Incremento 2002 Incremento 2003 Incremento 2004 Total Total Total Total Total Nº Hóspedes 34.588 25,02% 43.242 11,65% 48.280 10,44% 53.320 9,45% 58.359 Nº Dormidas 89.957 42,45% 128.144 12,76% 144.495 11,32% 160.852 10,17% 177.210 Receitas 736.739 32,50% 976.180 11,42% 1.087.659 10,25% 1.199.144 9,30% 1.310.665 20 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Açores e S. Miguel A análise comparativa entre a provável evolução do mercado nos Açores e em S. Miguel é apresentada nos quadros abaixo: Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores e em S. Miguel nos últimos 11 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 217.816 226.642 235.469 244.295 232.818 252.666 262.905 273.144 283.382 Nº Dormidas 683.485 604.042 630.755 657.468 684.182 683.485 724.850 756.906 788.962 821.018 Receitas 5.279.848 5.453.697 5.751.760 6.049.823 6.347.885 5.279.848 5.617.308 5.924.313 6.231.318 6.538.322 S.MIGUEL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 119.483 105.123 109719 114315 118911 119.483 120.891 126177 131462 136748 Nº Dormidas 394.952 337.425 353090 368755 384420 394.952 394.787 413115 431443 449771 Receitas 3.234.620 3.042.049 3213282 3384515 3555747 3.234.620 3.163.731 3341813 3519895 3697977 Importância relativa de S. Miguel nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 11 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 51,32% 48,26% 48,41% 48,55% 48,68% 51,32% 47,85% 47,99% 48,13% 48,26% Nº Dormidas 57,79% 55,86% 55,98% 56,09% 56,19% 57,79% 54,46% 54,58% 54,68% 54,78% Receitas 61,26% 55,78% 55,87% 55,94% 56,01% 61,26% 56,32% 56,41% 56,49% 56,56% Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores e em S. Miguel nos últimos 5 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 252.372 273.075 293.779 314.482 232.818 280.133 303.113 326.095 349.075 Nº Dormidas 683.485 738.895 811.321 883.748 957.177 683.485 805.396 884.340 963.286 1.043.323 Receitas 5.279.848 5.993.711 6.478.634 6.963.558 7.448.480 5.279.848 6.053.548 6.543.420 7.033.194 7.522.965 S.MIGUEL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 119.483 126.346 138.182 150.017 161.853 119.483 132.664 145.091 157.518 169.946 Nº Dormidas 394.952 412.384 453.554 494.724 535.893 394.952 441.251 485.303 529.354 573.406 Receitas 3.234.620 3.351.829 3.629.525 3.907.221 4.184.918 3.234.620 3.519.420 3.811.001 4.102.582 4.081.963 21 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Importância relativa de S. Miguel nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 5 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 51,32% 50,06% 50,60% 51,06% 51,47% 51,32% 47,36% 47,87% 48,30% 48,68% Nº Dormidas 57,79% 55,81% 55,90% 55,98% 55,99% 57,79% 54,79% 54,88% 54,95% 54,96% Receitas 61,26% 55,92% 56,02% 56,11% 56,18% 61,26% 58,14% 58,24% 58,33% 54,26% Primeiros meses de 2001, acordos existentes e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores e em S. Miguel nos últimos 11 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 253.093 263.343 273.587 283.847 Nº Dormidas 683.485 797.519 832.876 868.079 903.323 Receitas 5.279.848 7.960.840 8.396.298 8.831.226 9.266.605 5.279.848 7.181.663 7.574.500 7.966.859 8.359.625 S.MIGUEL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 119.483 139.686 145.790 151.899 158.005 Nº Dormidas 394.952 523.233 547.511 571.821 596.123 Receitas 3.234.620 5.222.912 5.516.962 5.811.016 6.105.053 3.234.620 4.711.713 4.976.982 5.242.256 5.507.514 Importância relativa de S. Miguel nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Primeiros meses do ano, acordos e regressão linear 11 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 51,32% 55,19% 55,36% 55,52% 55,67% Nº Dormidas 57,79% 65,61% 65,74% 65,87% 65,99% Receitas 61,26% 59,19% 59,28% 59,36% 59,43% 61,26% 72,73% 72,84% 72,94% 73,03% Primeiros meses de 2001, acordos existentes e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores e em S. Miguel nos últimos 5 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 253.093 273.874 294.604 315.374 Nº Dormidas 683.485 797.519 875.676 953.873 1.033.141 Receitas 5.279.848 7.960.840 8.604.872 9.248.516 9.892.213 5.279.848 7.181.663 7.762.660 8.343.307 8.924.001 S.MIGUEL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 119.483 139.686 152.775 165.852 178.938 Nº Dormidas 394.952 523.233 575.452 627.703 679.928 Receitas 3.234.620 5.222.912 5.655.369 6.088.005 6.520.862 3.234.620 4.711.713 5.101.843 5.492.134 5.882.625 22 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Importância relativa de S. Miguel nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Primeiros meses do ano, acordos e regressão linear 5 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 51,32% 55,19% 55,78% 56,30% 56,74% Nº Dormidas 57,79% 65,61% 65,72% 65,81% 65,81% Receitas 61,26% 59,19% 59,29% 59,38% 59,47% 61,26% 72,73% 72,85% 72,97% 73,07% Da análise dos quadros (provável evolução do mercado) pode-se concluir: • S. Miguel perde importância relativa no número de turistas, dormidas e receitas quando a previsão é feita por regressão linear a partir dos resultados obtidos dos últimos 11anos • S. Miguel perde importância relativo no número de turistas, dormidas e receitas quando a previsão é feita por regressão linear a partir dos resultados obtidos dos últimos 5 anos. • S. Miguel ganha importância relativa no número de turistas, dormidas e receitas quando a previsão é feita tendo em consideração os primeiros meses do ano de 2001, os acordos existentes e os restantes anos são projectados tendo em consideração as percentagens obtidas para a provável evolução do mercado por regressão linear a partir dos resultados obtidos dos últimos 11 anos • S. Miguel ganha importância relativa no número de turistas, dormidas e receitas quando a previsão é feita tendo em consideração os primeiros meses do ano de 2001, os acordos existentes e os restantes anos são projectados tendo em consideração as percentagens obtidas para a provável evolução do mercado por regressão linear a partir dos resultados obtidos a partir dos últimos 5 anos. • Estas duas últimas situações são as seleccionadas como prováveis cenários de evolução do turismo nos Açores: cenário pessimista e cenário realista. 23 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Açores e Faial A análise comparativa entre a provável evolução do mercado nos Açores e no Faial é apresentada nos quadros abaixo: Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores no Faial nos últimos 11 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 217.816 226.642 235.469 244.295 232.818 252.666 262.905 273.144 283.382 Nº Dormidas 683.485 604.042 630.755 657.468 684.182 683.485 724.850 756.906 788.962 821.018 Receitas 5.279.848 5.453.697 5.751.760 6.049.823 6.347.885 5.279.848 5.617.308 5.924.313 6.231.318 6.538.322 FAIAL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 34.588 29.683 31.013 32.343 33.673 34.588 37.697 39.386 41.075 42.765 Nº Dormidas 89.957 76.896 80.670 84.445 88.220 89.957 97.658 102.451 107.246 112.039 Receitas 736.739 686.120 726.516 766.911 807.307 736.739 754.733 799.168 843.602 888.037 Importância relativa do Faial nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 11 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 14,86% 13,63% 13,68% 13,74% 13,78% 14,86% 14,92% 14,98% 15,04% 15,09% Nº Dormidas 13,16% 12,73% 12,79% 12,84% 12,89% 13,16% 13,47% 13,54% 13,59% 13,65% Receitas 13,95% 12,58% 12,63% 12,68% 12,72% 13,95% 13,44% 13,49% 13,54% 13,58% Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores e no Faial nos últimos 5 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 252.372 273.075 293.779 314.482 232.818 280.133 303.113 326.095 349.075 Nº Dormidas 683.485 738.895 811.321 883.748 957.177 683.485 805.396 884.340 963.286 1.043.323 Receitas 5.279.848 5.993.711 6.478.634 6.963.558 7.448.480 5.279.848 6.053.548 6.543.420 7.033.194 7.522.965 FAIAL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 34.588 38.576 43.072 47.568 52.064 34.588 42.819 47.810 52.800 57.791 Nº Dormidas 89.957 103.790 117.033 130.276 143.520 89.957 113.131 127.566 142.000 156.437 Receitas 736.739 842.113 938.323 1.034.533 1.130.742 24 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • 736.739 858.956 957.090 1.055.224 1.153.357 Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Importância relativa do Faial nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos últimos 5 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 14,86% 15,29% 15,77% 16,19% 16,56% 14,86% 15,29% 15,77% 16,19% 16,56% Nº Dormidas 13,16% 14,05% 14,42% 14,74% 14,99% 13,16% 14,05% 14,42% 14,74% 14,99% Receitas 13,95% 14,05% 14,48% 14,86% 15,18% 13,95% 14,19% 14,63% 15,00% 15,33% Primeiros meses de 2001 e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores e no Faial nos últimos 11 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 253.093 263.343 273.587 283.847 Nº Dormidas 683.485 797.519 832.876 868.079 903.323 Receitas 5.279.848 7.960.840 8.396.298 8.831.226 9.266.605 5.279.848 7.181.663 7.574.500 7.966.859 8.359.625 FAIAL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 34.588 43.242 45.179 47.117 49.101 Nº Dormidas 89.957 128.144 134.436 140.727 147.018 Receitas 736.739 976.180 1.033.677 1.091.149 1.148.653 Importância relativa do Faial nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Primeiros meses do ano e regressão linear 11 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 14,86% 17,09% 17,16% 17,22% 17,30% Nº Dormidas 13,16% 16,07% 16,14% 16,21% 16,28% Receitas 13,95% 12,26% 12,31% 12,36% 12,40% 13,95% 13,59% 13,65% 13,70% 13,74% Primeiros meses de 2001 e crescimento determinado por regressão linear tendo por base a evolução do mercado nos Açores e no Faial nos últimos 5 anos AÇORES 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 232.818 253.093 273.874 294.604 315.374 Nº Dormidas 683.485 797.519 875.676 953.873 1.033.141 Receitas 5.279.848 7.960.840 8.604.872 9.248.516 9.892.213 5.279.848 7.181.663 7.762.660 8.343.307 8.924.001 FAIAL 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 34.588 25,02% 43.242 11,65% 48.280 Nº Dormidas 89.957 42,45% 128.144 12,76% 144.495 Receitas 736.739 32,50% 976.180 11,42% 1.087.659 25 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Importância relativa do Faial nos hóspedes, dormidas e receitas dos Açores (Primeiros meses do ano e regressão linear 5 anos) 2000 2001 2002 2003 2004 Nº Hóspedes 14,86% 17,09% 17,63% 18,10% 18,50% Nº Dormidas 13,16% 16,07% 16,50% 16,86% 17,15% Receitas 13,95% 12,26% 12,64% 12,97% 13,25% 13,95% 13,59% 14,01% 14,37% 14,69% Da análise dos quadros (provável evolução do mercado) pode-se concluir: • O Faial pode perder ou ganhar importância relativa no número de turistas, dormidas e perder importância relativa nas receitas quando a previsão é feita por regressão linear a partir dos resultados obtidos dos últimos 11anos. • O Faial ganha importância relativo no número de turistas, dormidas e receitas quando a previsão é feita por regressão linear a partir dos resultados obtidos dos últimos 5 anos. • O Faial ganha importância relativa no número de turistas, dormidas e perde importância relativa nas receitas quando a previsão é feita tendo em consideração os primeiros meses do ano de 2001 e os restantes anos são projectados tendo em consideração as percentagens obtidas para a provável evolução do mercado por regressão linear a partir dos resultados obtidos dos últimos 11 anos • O Faial ganha importância relativa no número de turistas, dormidas e pode perder ou ganhar importância relativa nas receitas quando a previsão é feita tendo em consideração os primeiros meses do ano de 2001 e os restantes anos são projectados tendo em consideração as percentagens obtidas para a provável evolução do mercado por regressão linear a partir dos resultados obtidos a partir dos últimos 5 anos. • Estas duas últimas situações são as seleccionadas como prováveis cenários de evolução do turismo nos Açores: cenário pessimista e cenário realista. 26 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) A análise das diferentes possibilidades para a evolução da procura permitiu a selecção de dois cenários de evolução do mercado do turismo nos Açores, em S. Miguel e no Faial abaixo apresentados: (cenário pessimista e cenário realista) Cenário 1: Pessimista Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de AÇORES 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 232.818 8,71% 253.093 4,05% 263.343 3,89% 273.587 3,75% 283.847 Nº Dormidas 683.485 15,68% 797.519 4,42% 832.769 4,24% 868.079 4,06% 903.323 Receitas 5.279.848 36,02% 7.181.663 5,47% 7.574.500 5,18% 7.966.859 4,93% 8.359.625 Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de S. MIGUEL 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 119.483 16,91% 139.686 4,37% 145.790 4,19% 151.899 4,02% 158.005 Nº Dormidas 394.952 32,48% 523.233 4,64% 547.511 4,44% 571.821 4,25% 596.123 Receitas 3.234.620 45,67% 4.711.713 5,63% 4.976.982 5,33% 5.242.256 5,06% 5.507.514 Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de FAIAL 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 34.588 25,02% 43.242 4,48% 45.179 4,29% 47.117 4,21% 49.101 Nº Dormidas 89.957 42,45% 128.144 4,91% 134.436 4,68% 140.727 4,47% 147.018 Receitas 736.739 32,50% 976.180 5,89% 1.033.677 5,56% 1.091.149 5,27% 1.148.653 Cenário 2: Realista Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de AÇORES 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 232.818 8,71% 253.093 8,20% 273.847 7,58% 294.604 7,05% 315.374 Nº Dormidas 683.485 16,68% 797.519 9,80% 875.676 8,93% 953.874 8,31% 1.033.141 Receitas 5.279.848 36,02% 7.181.663 8,09% 7.762.659 7,48% 8.343.306 6,96% 8.924.000 Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de S. MIGUEL 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 119.483 16,91% 139.686 9,37% 152.775 8,56% 165.852 7,89% 178.938 Nº Dormidas 394.952 32,48% 523.233 9,98% 575.452 9,08% 627.703 8,32% 679.928 Receitas 3.234.620 45,67% 4.711.713 8,28% 5.101.843 7,65% 5.492.134 7,11% 5.882.625 Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de FAIAL 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 34.588 25,02% 43.242 11,65% 48.280 10,44% 53.320 9,45% 58.359 Nº Dormidas 89.957 42,45% 128.144 12,76% 144.495 11,32% 160.852 10,17% 177.210 Receitas 736.739 32,50% 976.180 11,42% 1.087.659 10,25% 1.199.144 9,30% 1.310.665 27 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução do mercado: análise prospectiva) Este cenário á baseado no pressuposto que o número de turistas, o número de dormidas e as receitas com o turismo aumentam a um ritmo duas vezes superior ao ritmo de crescimento apresentado no cenário realista para os Açores, para S. Miguel e para o Faial. Cenário 3: Optimista Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de AÇORES 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 232.818 8,71% 253.093 16,20% 294.094 15,16% 338.679 14,10% 386.432 Nº Dormidas 683.485 16,68% 797.519 19,60% 953.833 17,86% 1.124.187 16,62% 1.311.027 Receitas 5.279.848 36,02% 7.181.663 16,18% 8.343.656 14,96% 9.591.867 13,92% 10.927.055 Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de S. MIGUEL 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 119.483 139.686 165.863 194.259 224.913 119.483 139.686 165.863 194.259 Nº Dormidas 394.952 523.233 627.670 741.655 865.067 394.952 523.233 627.670 741.655 5.222.91 7.019.26 3.234.62 6.087.82 Receitas 3.234.620 2 6.087.826 4 8.017.403 0 5.222.912 6 7.019.264 Taxa de Taxa de Taxa de Taxa de FAIAL 2000 variação 2001 variação 2002 variação 2003 variação 2004 Nº Hóspedes 34.588 25,02% 43.242 23,30% 53.317 20,88% 64.450 18,90% 76.631 Nº Dormidas 89.957 42,45% 128.144 25,52% 160.846 22,64% 197.262 20,34% 237.385 Receitas 736.739 32,50% 976.180 22,84% 1.199.139 20,50% 1.444.963 18,60% 1.713.726 28 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) Está prevista a duplicação de camas, oferecidas pela hotelaria tradicional em todo o arquipélago dos Açores até ao final de 2003. O ano de base de desenvolvimento é 2000, com um número de camas de 4.319, sendo 3.783 destas camas oferecidas pela hotelaria tradicional. 2% 3% 5% 14 % 14% 10% 50% 2% 87,59% do total das camas nos Açores são oferecidas pela hotelaria tradicional. É a partir deste ano que se vai verificar a duplicação da oferta de alojamento até ao final do ano de 2003. 29 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) A distribuição geográfica do número de camas existentes no ano de 2000 é a seguinte: Ilha do arquipélago Nº Camas Stª Maria 103 Hotelaria tradicional 90 Outras 13 S. Miguel 1.976 Hotelaria tradicional 1.895 Outras 81 Terceira 638 Hotelaria tradicional 519 Outras 119 Graciosa 85 Hotelaria tradicional 85 Outras 0 S. Jorge 215 Hotelaria tradicional 163 Outras 52 Pico 469 Hotelaria tradicional 388 Outras 81 Faial 587 Hotelaria tradicional 525 Outras 62 Flores 246 Hotelaria tradicional 118 Outras 128 Corvo 14 Hotelaria tradicional 0 Outras 14 Total: 4319 30 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) A distribuição geográfica do número de camas existentes, oferecidas pela hotelaria tradicional no ano de 2000 é, a seguinte: • 50,09% da oferta concentrada em S. Miguel • 13,88% da oferta concentrada no Faial • 13,72% da oferta concentrada na Terceira • 10,26% da oferta concentrada no Pico • 4,31% da oferta concentrada em S. Jorge • 3,12% da oferta concentrada nas Flores • 2,37% da oferta concentrada em Stª Maria • 2,25% da oferta concentrada na Graciosa • 0% da oferta concentrada no Corvo Como se pode observar, a partir da importância relativa da oferta em hotelaria tradicional nas diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores: • 52,46% da oferta está concentrada em S. Miguel e em Stª Maria • 44,42% da oferta está concentrada na Terceira, Graciosa, S. Jorge, Pico e Faial • 3,12% da oferta está concentrada nas Flores e no Corvo 2001 Para o final do ano de 2001 estão previstas a existência de cerca de 5.068 camas na hotelaria tradicional, mais 1.285 que no ano anterior. O acréscimo da oferta vai localizar-se em: • S. Miguel (+ 865 camas) • Stª Maria (+ 208 camas) • Faial (+ 34 camas) • Pico (+ 88 camas) • Terceira (+90 camas) 31 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) A oferta de alojamento no arquipélago dos Açores, no ano de 2001 ficará distribuída de seguinte forma: Distribuição da oferta em 2001 na hotelaria tradicional das diferentes ilhas dos Açores e importância relativa de cada ilha na oferta total Ilha do arquipélago Nº Camas Stª Maria 298 S. Miguel 2.760 Terceira 609 Graciosa 85 S. Jorge 163 Pico 476 Faial 559 Flores 118 Corvo 0 Total: 5.068 A distribuição geográfica do número de camas existentes, oferecidas pela hotelaria tradicional no ano de 2001 será, a seguinte: • 54,46% da oferta concentrada em S. Miguel • 12,02% da oferta concentrada na Terceira • 11,03% da oferta concentrada no Faial • 9,39% da oferta concentrada no Pico • 5,88% da oferta concentrada em Stª Maria • 3,22% da oferta concentrada em S. Jorge • 2,33% da oferta concentrada nas Flores • 1,67% da oferta concentrada na Graciosa • 0% da oferta concentrada no Corvo Como se pode observar, a partir da importância relativa da oferta em hotelaria tradicional nas diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores: • 60,34% da oferta estará concentrada em S. Miguel e em Stª Maria • 37,33% da oferta estará concentrada na Terceira, Graciosa, S. Jorge, Pico e Faial • 2,33% da oferta estará concentrada nas Flores e no Corvo 32 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) 2002 Para o final do ano de 2002 estão previstas a existência de cerca de 6.608 camas na hotelaria tradicional, mais 1.540 que no ano anterior. O acréscimo da oferta vai localizar-se em: • S. Miguel (+ 860 camas) • Stª Maria (+ 98 camas) • Faial (+ 44 camas) • Terceira (+538 camas) A oferta de alojamento no arquipélago dos Açores, no ano de 2002 ficará distribuída de seguinte forma: Ilha do arquipélago Nº Camas Stª Maria 396 S. Miguel 3.620 Terceira 1.147 Graciosa 85 S. Jorge 163 Pico 476 Faial 603 Flores 118 Corvo 0 Total: 6.608 A distribuição geográfica do número de camas existentes, oferecidas pela hotelaria tradicional no ano de 2002 será, a seguinte: • 54,78% da oferta concentrada em S. Miguel • 17,36% da oferta concentrada na Terceira • 9,13% da oferta concentrada no Faial • 7,20% da oferta concentrada no Pico • 5,98% da oferta concentrada em Stª Maria • 2,47% da oferta concentrada em S. Jorge • 1,79% da oferta concentrada nas Flores • 1,29% da oferta concentrada na Graciosa • 0% da oferta concentrada no Corvo 33 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) Como se pode observar, a partir da importância relativa da oferta em hotelaria tradicional nas diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores: • 60,76% da oferta estará concentrada em S. Miguel e em Stª Maria • 37,45% da oferta estará concentrada na Terceira, Graciosa, S. Jorge, Pico e Faial • 1,79% da oferta estará concentrada nas Flores e no Corvo 2003 Para o final do ano de 2003 estão previstas a existência de cerca de 7.704 camas na hotelaria tradicional, mais 1.096 que no ano anterior. 1% 1% 2% 15% 11% 59% 6% 5% O acréscimo da oferta vai localizar-se em: • S. Miguel (+ 890 camas) • Faial (+ 206 camas) 34 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) A oferta de alojamento no arquipélago dos Açores, no ano de 2003 ficará distribuída de seguinte forma: Ilha do arquipélago Nº Camas Stª Maria 396 S. Miguel 4.510 Terceira 1.147 Graciosa 85 S. Jorge 163 Pico 476 Faial 809 Flores 118 Corvo 0 Total: 7.704 A distribuição geográfica do número de camas existentes, oferecidas pela hotelaria tradicional no ano de 2003 será, a seguinte: 58,54% da oferta concentrada em S. Miguel 14,89% da oferta concentrada na Terceira 10,5% da oferta concentrada no Faial 6,18% da oferta concentrada no Pico 5,14% da oferta concentrada em Stª Maria 2,12% da oferta concentrada em S. Jorge 1,53% da oferta concentrada nas Flores 1,10% da oferta concentrada na Graciosa 0% da oferta concentrada no Corvo Como se pode observar, a partir da importância relativa da oferta em hotelaria tradicional nas diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores: 63,68% da oferta estará concentrada em S. Miguel e em Stª Maria 37,79% da oferta estará concentrada na Terceira, Graciosa, S. Jorge, Pico e Faial 1,53% da oferta estará concentrada nas Flores e no Corvo 35 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da oferta: análise prospectiva) 2004 Os valores apresentados para a evolução da oferta no período compreendido entre 2000 e 2003 correspondem aos projectos licenciados ou em vias de licenciamento pela Secretaria Regional da Economia (Direcção Regional do Turismo). É difícil prever o aumento da oferta para o ano de 2004. 36 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da procura versus evolução da oferta) AÇORES No sentido de determinar as taxas de ocupação da hotelaria tradicional procedeu-se ao cruzamento entre a procura previsional, (cenários pessimista, realista e optimista) e a oferta, ambas quantificadas sob a forma do número de dormidas. Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (Açores): Cenário pessimista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 683.485*0,8651= 797.519* 0,8844= 832.769*0,8893= 868.079+0,8938= 591.304 705.338 740.588 775.889 Oferta previsional 1.380.795 1.849.820 2.411.920 2.811.960 Taxa ocupação hotelaria 42,82% 38,13% 30,71% 27,59% Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (Açores): Cenário realista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 683.485*0,8651= 797.519* 0,8844= 857.676*0,8925= 953.874*0,9034= 591.304 705.338 765.495 861.693 Oferta previsional 1.380.795 1.849.820 2.411.920 2.811.960 Taxa ocupação hotelaria 42,82% 38,13% 31,74% 30,64% Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (Açores): Cenário optimista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 683.485*0,8651= 797.519* 0,8844= 953.833*0,9034= 1.124.187*0,9180= 591.304 705.338 861.652 1.032.006 Oferta previsional 1.380.795 1.849.820 2.411.920 2.811.960 Taxa ocupação hotelaria 42,82% 38,13% 35,72% 36,70% S.MIGUEL Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (S. Miguel): Cenário pessimista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 394.952*0,9106= 523.233*0,9325= 547.511*0,9355= 571.821*0,9383= 359.648 487.915 512.197 536.540 Oferta previsional 691.675 1.007.400 1.321.300 1.514.750 Taxa ocupação hotelaria 52,00% 48,43% 38,76% 35,42% 37 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Evolução da procura versus evolução da oferta) Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (S. Miguel): Cenário realista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 394.952*0,9106= 523.233*0,9325= 575.452*0,9386= 627.703*0,9438= 359.648 487.915 540.148 592.399 Oferta previsional 691.675 1.007.400 1.321.300 1.514.750 Taxa ocupação hotelaria 52,00% 48,43% 40,88% 39,11% Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (S. Miguel): Cenário optimista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 394.952*0,9106= 523.233*0,9325= 627.670*0,9438= 741.655*0,9524= 359.648 487.915 592.366 706.351 Oferta previsional 691.675 1.007.400 1.321.300 1.514.750 Taxa ocupação hotelaria 52,00% 48,43% 44,83% 46,63% FAIAL Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (Faial): Cenário pessimista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 89.957*0,7213= 128.144*0,78= 134.436*0,80= 140.727*0,82= 64.890 99.952 107.548 115.396 Oferta previsional 191.605 204.035 220.095 295.285 Taxa ocupação hotelaria 33,87% 48,99% 48,86% 39,08% Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (Faial): Cenário realista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 89.957*0,7213= 128.144*0,78= 144.495*0,80= 160.852*0,82= 64.890 99.952 115.596 131.898 Oferta previsional 191.605 204.035 220.095 295.285 Taxa ocupação hotelaria 33,87% 48,99% 52,52% 44,67% Taxa de ocupação previsional para a hotelaria (Faial): Cenário optimista 2000 2001 2002 2003 Procura previsional 89.957*0,7213= 128.144*0,78= 160.846*0,80= 197.262*0,82= 64.890 99.952 128.677 161.755 Oferta previsional 191.605 204.035 220.095 295.285 38 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Taxa ocupação hotelaria 33,87% 48,99% 58,46% 54,78% Análise de situação (Evolução da procura versus evolução da oferta) No pressuposto de não serem construídos mais hotéis durante o ano de 2004, as taxas de ocupação serão: AÇORES Cenário pessimista Cenário realista Cenário optimista Procura previsional 903.323*0,8980= 1.033.141*0,9108= 1.311.027*0,9297= 811.142 940.960 1.218.846 Oferta previsional 2.811.960 2.811.960 2.811.960 Taxa ocupação hotelaria 28,85%% 33,46% 43,35% S. MIGUEL Cenário pessimista Cenário realista Cenário optimista Procura previsional 594.808*0,9406= 679.928*0,9481= 865.067*0,9592= 559.504 644.623 829.763 Oferta previsional 1.514.750 1.514.750 1.514.750 Taxa ocupação hotelaria 36,94% 42,56% 54,78% FAIAL Cenário pessimista Cenário realista Cenário optimista Procura previsional 147.017* 0,84= 177.210*0,84= 237.385*0,84= 123.495 148.856 199.403 Oferta previsional 295.285 295.285 295.285 Taxa ocupação hotelaria 41,82% 50,41% 67,53% 39 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Segmentação do mercado: critérios utilizados) São sempre questionáveis os critérios utilizados para segmentar um mercado pois, poder- se-ão considerar que as metodologias clássicas nem sempre traduzem a realidade do sector ou do universo em estudo. Serão usados como critérios de segmentação: Geográficos e Sócio – Demográficos. Critérios de segmentação geográficos: • Origem dos hóspedes (nacionalidade) • Destino dos hóspedes (diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores) Critérios de segmentação sócio-demográficos: • Motivações de deslocação: • Férias principais • Férias secundárias • “Short breaks” • Férias activas • Negócios • Profissionais • Doença • Preferências no tipo de alojamento seleccionado: • Hotelaria • Turismo em Espaço Rural • Colónias de Férias • Parques de Campismo • Casas de Hóspedes • Alojamentos particulares 40 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Por não estarem disponíveis dados acerca das motivações de deslocação, a caracterização dos diferentes segmentos reduzir-se-á ao quadro de referência dos “Critérios Geográficos” (Origem e Destino dos Hóspedes) e “Preferências no Tipo de Alojamento Seleccionado”. ORIGEM DOS TURISTAS (HÓSPEDES): Os “Portugueses” 72,31% dos turistas Em 1990 os “portugueses” (residentes no Arquipélago, no Continente e emigrantes nos Estados Unidos e Canadá) representavam 71,99% dos turistas (91.419) e em 2000 representavam 72,31% dos turistas (168.352). 41 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Países de origem dos turistas 1990 e 2000 PAÍSES DE ORIGEM 1990 2000 Portugal 91.419 168.352 Países Nórdigos 1.754 12.677 Alemanha 10.385 12.452 Estados Unidos 6.477 8.304 França 2.268 7.021 Reino Unido 2.710 5.913 Itália 0 3.254 Espanha 2.027 2.865 Suíça 1.869 2.536 Canadá 2.690 2.335 Outros Países 5.396 7.019 TOTAL 126.995 232.818 Os “portugueses” tiveram maior importância relativa nos turistas que visitam os Açores nos anos de: • 1992 em que representavam 77,69% do total dos turistas • 1993 em que representavam 77,04% do total dos turistas • 1994 em que representavam 77,82% do total dos turistas • 1995 em que representavam 76,06% do total dos turistas • 1996 em que representavam 76,61% do total dos turistas O número de turistas portugueses aumentou 84,15% no período compreendido entre 1990 e 2000. Este aumento não foi constante ao longo dos anos tendo mesmo atingido crescimentos negativos nos anos de 1993 (-19,4%), 1997 (-5,8%) e 2000 (-1,3%). É o segmento com maior importância no turismo dos Açores. Qualquer alteração no seu comportamento afecta o turismo nos Açores. 42 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Importância relativa dos diferentes países nos turistas que visitam os Açores PAÍSES DE ORIGEM 1990 2000 Portugal 71,99% 72,31% Países Nórdigos 1,38% 5,45% Alemanha 8,18% 5,35% Estados Unidos 5,10% 3,57% França 1,79% 3,02% Reino Unido 2,13% 2,54% Itália 0,00% 1,40% Espanha 1,60% 1,23% Suíça 1,47% 1,09% Canadá 2,12% 1,00% Outros Países 4,25% 3,01% TOTAL 100,00% 100,00% Os “Estrangeiros” Em 1990 os “estrangeiros” representavam 29,01% dos turistas (35.576) e em 2000 representavam 27,69% dos turistas (64.466). Os “estrangeiros” tiveram maior importância relativa nos turistas que visitam os Açores nos anos de: • 1990 em que representavam 28,01% do total dos turistas • 1991 em que representavam 25,70% do total dos turistas • 1997 em que representavam 26,68% do total dos turistas • 1998 em que representavam 26,92% do total dos turistas • 1999 em que representavam 25,31% do total dos turistas • 2000 em que representavam 27,69% do total dos turistas O número de turistas estrangeiros aumentou 81,21% no período compreendido entre 1990 e 2000. Este aumento não foi constante ao longo dos anos tendo mesmo atingido crescimentos negativos nos anos de 1992 (-3,8%) e 1993 (-15%). É um segmento que assume particular importância no turismo dos Açores. 43 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) De entre os “estrangeiros” podem-se destacar: os turistas provenientes da Alemanha, França, Reino Unido, Países Nórdigos, Canadá e Estados Unidos, que, no ano de 2000 representaram 75,55% dos “estrangeiros” (48.702). No ano 2000 os turistas provenientes da Alemanha, França, Reino Unido, Países Nórdigos Canadá e Estados Unidos, em conjunto com os “portugueses”, representaram 93,23% do total dos turistas que visitaram os Açores no período. Os “Alemães” 5,35% dos turistas Em 1990 os “alemães” representavam 8,18% dos turistas (10.385) e em 2000 representavam 5,35% dos turistas (12.452). 44 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • O número de turistas alemães aumentou 19,9% no período compreendido entre 1990 e 2000. A sua taxa de crescimento é muito inferior à taxa de crescimento do número de turistas que visitaram os Açores no período. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) É um segmento cujo comportamento não é constante ao longo dos anos. Apesar de ter tido uma taxa de crescimento positiva no período considerado, anos houve que a sua taxa de crescimento foi negativa: 1992 (–1,8%), 1993 (–22,1%), 1996 (–19,7%). 1997 (–10,2%) e 2000 (–6,3%). É um segmento que vem perdendo importância relativa nos turistas que visitam os Açores. Os “Franceses” 3,02% dos turistas Em 1990 os “franceses” representavam 1,79% dos turistas (2.268) e em 2000 representavam 3,02% dos turistas (7.021). O número de turistas franceses aumentou 219,57% no período compreendido entre 1990 e 2000. É um segmento cujo comportamento não é constante ao longo dos anos, apesar da sua taxa de crescimento ser muito superior à taxa de crescimento do número de turistas que visitaram os Açores no período. 45 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Aumentou muito nos anos de 1991 (26,1%), 1995 (23,4%), 1996 (23,5%) 1999 (38,2%) e 2000 (21,7%). Diminuiu nos anos 1992 (–41,8%), 1993 (–12,5%), 1997 (–2,9%) e 1998 (–0,9%). É um segmento que vem ganhando importância relativa nos turistas que visitam os Açores. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Os “Ingleses” 2,54% dos turistas Em 1990 os “ingleses” representavam 2,13% dos turistas (2.710) e em 2000 representavam 2,54% dos turistas (5.913). O número de turistas ingleses aumentou 118,19% no período compreendido entre 1990 e 2000. É um segmento cujo crescimento se pode considerar mais ou menos constante ao longo dos anos, apesar da sua taxa de crescimento ser muito inferior à taxa de crescimento do número de turistas que visitaram os Açores no período. 46 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Com excepção dos anos de 1993 em que diminuiu 18,2% e 2000 que diminui –0,4% tem vindo a crescer ao longo dos anos. É um segmento que vem ganhando importância relativa nos turistas que visitam os Açores. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Os “Nórdigos” 5,45% dos turistas Em 1990 os “nórdigos” representavam 1,38% dos turistas (1.754) e em 2000 representavam 5,45% dos turistas (12.677). O número de turistas nórdigos aumentou 622,65% no período compreendido entre 1990 e 2000. É um segmento cuja taxa de crescimento foi muito superior à taxa de crescimento do número de turistas que visitaram os Açores no período. Apesar disso, neste segmento, verificaram-se crescimentos negativos em 1991 (-0,7%), 1992 (-4,9%), 1993 (-8,8%) e 1994 (-33,7%). A partir de 1995 a taxa de crescimento tem sido positiva, com especial referência para o ano de 2000 em que o crescimento foi de 62,2%. 47 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • É um segmento que vem ganhando importância relativa nos turistas que visitam os Açores. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Os “Americanos” 3,57% dos turistas Em 1990 os “americanos” representavam 5,1% dos turistas (6.477) e em 2000 representavam 3,57% dos turistas (8.304). O número de turistas americanos aumentou 28,21% no período compreendido entre 1990 e 2000. É um segmento cuja taxa de crescimento foi muito inferior à taxa de crescimento do número de turistas que visitaram os Açores no período. É um segmento cujo comportamento não é constante ao longo dos anos. As taxas de crescimento não foram constantes ao longo dos anos tendo mesmo atingido crescimentos negativos em 1991 (–17,1%), 1993 (–3,8%), 1994 (–8,1%), 1996 (–17,5%) e 2000 (–8,5%). É um segmento que vem perdendo importância relativa nos turistas que visitam os Açores. Os “Canadianos” Em 1990 os “canadianos” representavam 2,12% dos turistas (2.690) e em 2000 representavam 1,0% dos turistas (2.335). 48 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • O número de turistas americanos diminuiu 13,2% no período compreendido entre 1990 e 2000. Apesar de estar em declínio, este segmento nem sempre teve o mesmo comportamento. Decresceu nos anos: 1991 (–34,6%), 1993 (–3,3%), 1993 (–21,9%), 1994 (–15,1%), 1995 (–12,9%), 1998 (–26,8%) e 2000 (–38,2%). No ano de 1999 o número de turistas canadianos que visitaram os Açores foi de 3.227 atingindo uma importância relativa de 1,41% no número nesse ano. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) 1% dos turistas Dos restantes “estrangeiros” podem ainda destacar-se os turistas provenientes da Espanha de Itália e da Suíça. No ano de 2000 assumiram, respectivamente as seguintes importâncias relativas: Os “italianos”1,4%, os “espanhóis” 1,23% e os “suíços” 1,09%. 49 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) ORIGEM DOS TURISTAS (HÓSPEDES) E ILHAS DE DESTINO: Só é possível cruzar os países de origem dos turistas com as ilhas de destino dos Açores no ano de 2000. Turistas Número de turistas visitaram os Açores, Países de origem e Ilhas de destino País de Portugal Países Alemanha E.U.A. França Inglaterra Itália Outros TOTAL origem Nórdigos Ilha de destino Stª Maria 3.295 29 194 318 50 95 28 410 4.419 S. Miguel 81.117 10.359 6.655 4.643 3.661 2.384 1.602 9.062 119.493 Terceira 33.879 453 954 1.306 471 1.219 441 1.177 39.900 Graciosa 3.242 17 64 79 14 0 28 99 3.543 S. Jorge 6.011 94 583 214 420 436 98 516 8.372 Pico 12.382 393 1.628 657 944 536 334 1.263 18.137 Faial 25.478 1.254 1.883 944 1.335 1.136 582 1.976 34.588 Flores 2.621 77 481 143 124 107 141 338 4.032 Corvo 327 1 10 0 2 0 0 4 344 Importância relativa dos diferentes países de origem no total de visitas às Ilhas País de Portugal Países Alemanha E.U.A. França Inglaterra Itália Outros TOTAL origem Nórdigos Ilha de destino Stª Maria 74,56% 0,66% 4,39% 7,20% 1,13% 2,15% 0,63% 9,28% 100,00% S. Miguel 67,89% 8,67% 5,57% 3,89% 3,06% 2,00% 1,34% 7,58% 100,00% Terceira 84,91% 1,14% 2,39% 3,27% 1,18% 3,06% 1,11% 2,95% 100,00% Graciosa 91,50% 0,48% 1,81% 2,23% 0,40% 0,00% 0,79% 2,79% 100,00% S. Jorge 71,80% 1,12% 6,96% 2,56% 5,02% 5,21% 1,17% 6,16% 100,00% Pico 68,27% 2,17% 8,98% 3,62% 5,20% 2,96% 1,84% 6,96% 100,00% 50 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Faial 73,66% 3,63% 5,44% 2,73% 3,86% 3,28% 1,68% 5,71% 100,00% Flores 65,00% 1,91% 11,93% 3,55% 3,08% 2,65% 3,50% 8,38% 100,00% Corvo 95,06% 0,29% 2,91% 0,00% 0,58% 0,00% 0,00% 1,16% 100,00% Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Como se pode observar no quadro acima: 88,3% dos turistas que visitam a ilha de Stª Maria estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 74,56% são “portugueses” • 7,2% são “americanos” • 4,39% são “alemães” • 2,15% são “ingleses” 92,42% dos turistas que visitam a ilha de S. Miguel estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 67,89% são “portugueses” • 8,67% são “nórdigos” • 5,57% são “alemães” • 3,89% são “americanos” • 3,06% são “franceses” • 2,00% são “ingleses” • 1,34% são “italianos” 93,63% dos turistas que visitam a ilha da Terceira estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 84,91% são “portugueses” • 2,39% são “alemães” • 3,27% são “americanos” • 3,06% são “ingleses” 93,73% dos turistas que visitam a ilha da Graciosa estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 91,5% são “portugueses” • 2,23% são “americanos” 51 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • 91,54% dos turistas que visitam a ilha de S. Jorge estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 71,8% são “portugueses” • 6,96% são “alemães” • 2,56% são “americanos” • 5,02% são “franceses” • 5,21% são “ingleses” Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) 93,04% dos turistas que visitam a ilha do Pico estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 68,27% são “portugueses” • 2,17% são “nórdigos” • 8,98% são “alemães” • 3,62% são “americanos” • 5,20% são “franceses” • 2,96% são “ingleses” 92,60% dos turistas que visitam a ilha do Faial estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 73,66% são “portugueses” • 3,63% são “nórdigos” • 5,44% são “alemães” • 2,73% são “americanos” • 3,86% são “franceses” • 3,28% são “ingleses” 89,71% dos turistas que visitam a ilha das Flores estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 65,00% são “portugueses” • 11,93% são “alemães” • 3,55% são “americanos” • 3,08% são “franceses” • 2,65% são “ingleses” • 3,5% são “italianos” 97,97% dos turistas que visitam a ilha do Corvo estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 95,06% são “portugueses” 52 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • • 2,91% são “alemães” Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Importância relativa das diferentes ilhas no total dos turistas por País de origem País de Portugal Países Alemanha E.U.A. França Inglaterra Itália Outros origem Nórdigos Ilha de destino Stª Maria 1,96% 0,23% 1,56% 3,83% 0,71% 1,61% 0,86% 2,76% S. Miguel 48,18% 81,71% 53,45% 55,91% 52,14% 40,32% 49,23% 61,04% Terceira 20,12% 3,57% 7,66% 15,73% 6,71% 20,62% 13,55% 7,93% Graciosa 1,93% 0,13% 0,51% 0,95% 0,20% 0,00% 0,86% 0,67% S. Jorge 3,57% 0,74% 4,68% 2,58% 5,98% 7,37% 3,01% 3,48% Pico 7,35% 3,10% 13,07% 7,91% 13,45% 9,06% 10,26% 8,51% Faial 15,13% 9,89% 15,12% 11,37% 19,01% 19,21% 17,89% 13,31% Flores 1,56% 0,61% 3,86% 1,72% 1,77% 1,81% 4,33% 2,28% Corvo 0,19% 0,01% 0,08% 0,00% 0,03% 0,00% 0,00% 0,03% TOTAL 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% Como se pode observar no quadro acima: 94,67% das visitas dos “portugueses” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 48,18% das visitas • Terceira com 20,12% das visitas • Faial com 15,13% das visitas • Pico com 7,35% das visitas • S. Jorge com 3,57% das visitas 98,28% das visitas dos “nórdigos” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 81,71% das visitas • Terceira com 3,57% das visitas • Faial com 9,89% das visitas 53 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • 97,85% das visitas dos “alemães” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 53,45% das visitas • Terceira com 7,66% das visitas • Faial com 15,12% das visitas • Pico com 13,07% das visitas • S. Jorge com 4,68% das visitas • Flores com 3,86% das visitas Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) 97,33% das visitas dos “americanos” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • Stª Maria com 3,83% das visitas • S. Miguel com 55,91% das visitas • Terceira com 15,73% das visitas • Faial com 11,37% das visitas • Pico com 7,91% das visitas • S. Jorge com 2,58% das visitas 97,29% das visitas dos “franceses” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 52,14% das visitas • Terceira com 6,71% das visitas • Faial com 19,01% das visitas • Pico com 13,45% das visitas • S. Jorge com 5,98% das visitas 96,58% das visitas dos “ingleses” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 40,32% das visitas • Terceira com 20,62% das visitas • Faial com 19,21% das visitas • Pico com 9,06% das visitas • S. Jorge com 7,37% das visitas 98,28% das visitas dos “italianos” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 49,23% das visitas • Terceira com 13,55% das visitas • Faial com 17,89% das visitas • Pico com 10,26% das visitas • S. Jorge com 3,01% das visitas • Flores com 4,33% das visitas 54 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Dormidas Número dormidas dos turistas que visitaram os Açores, Países de origem e Ilhas de destino País de Portugal Países Alemanha E.U.A. França Inglaterra Itália Outros TOTAL origem Nórdigos Ilha de destino Stª Maria 7.601 74 605 726 97 154 69 796 10.122 S. Miguel 236.980 53.122 26.041 18.885 12.438 11.496 5.214 30.776 394.952 Terceira 73.824 1022 2.887 3.836 1072 1.987 1116 2.716 88.460 Graciosa 8.493 51 239 249 50 0 74 231 9.387 S. Jorge 15.181 218 1.384 596 822 1.153 223 1.347 20.924 Pico 36.448 984 5.592 1.602 2.081 1.946 348 3.627 52.628 Faial 67.329 3.029 4.666 2.640 3.031 3.000 1.302 4.960 89.957 Flores 11.506 228 1.752 347 368 334 482 1.215 16.232 Corvo 773 4 29 0 3 0 0 14 823 Importância relativa dos diferentes países de origem no total de visitas às Ilhas País de Portugal Países Alemanha E.U.A. França Inglaterra Itália Outros TOTAL origem Nórdigos Ilha de destino Stª Maria 75,09% 0,73% 5,98% 7,17% 0,96% 1,52% 0,68% 7,86% 100,00% S. Miguel 60,00% 13,45% 6,59% 4,78% 3,15% 2,91% 1,32% 7,79% 100,00% Terceira 83,45% 1,16% 3,26% 4,34% 1,21% 2,25% 1,26% 3,07% 100,00% Graciosa 90,48% 0,54% 2,55% 2,65% 0,53% 0,00% 0,79% 2,46% 100,00% S. Jorge 72,55% 1,04% 6,61% 2,85% 3,93% 5,51% 1,07% 6,44% 100,00% Pico 69,26% 1,87% 10,63% 3,04% 3,95% 3,70% 0,66% 6,89% 100,00% Faial 74,85% 3,37% 5,19% 2,93% 3,37% 3,33% 1,45% 5,51% 100,00% 55 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Flores 70,88% 1,40% 10,79% 2,14% 2,27% 2,06% 2,97% 7,49% 100,00% Corvo 93,92% 0,49% 3,52% 0,00% 0,36% 0,00% 0,00% 1,70% 100,00% Como se pode observar no quadro acima: 89,76% das dormidas na ilha de Stª Maria estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 74,09% são “portugueses” • 7,17% são “americanos” • 5,98% são “alemães” • 1,52% são “ingleses” Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) 92,21% das dormidas na ilha de S. Miguel estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 60,00% são “portugueses” • 13,45% são “nórdigos” • 6,59% são “alemães” • 4,78% são “americanos” • 3,15% são “franceses” • 2,91% são “ingleses” • 1,32% são “italianos” 93,30% das dormidas na ilha da Terceira estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 83,45% são “portugueses” • 3,26% são “alemães” • 4,34% são “americanos” • 2,25% são “ingleses” 95,67% das dormidas na ilha da Graciosa estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 90,48% são “portugueses” • 2,55% são “alemães” • 2,65% são “americanos” 91,45% das dormidas na ilha de S. Jorge estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 72,55% são “portugueses” • 6,61% são “alemães” • 2,85% são “americanos” • 3,93% são “franceses” 56 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • • 5,51% são “ingleses” 92,45% das dormidas na ilha do Pico estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 69,26% são “portugueses” • 1,87% são “nórdigos” • 10,63% são “alemães” • 3,04% são “americanos” • 3,70% são “franceses” • 3,95% são “ingleses” Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) 93,04% das dormidas na ilha do Faial estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 74,85% são “portugueses” • 3,37% são “nórdigos” • 5,19% são “alemães” • 2,93% são “americanos” • 3,37% são “franceses” • 3,33% são “ingleses” 91,11% das dormidas na ilha das Flores estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 70,88% são “portugueses” • 10,79% são “alemães” • 2,14% são “americanos” • 2,27% são “franceses” • 2,06% são “ingleses” • 2,97% são “italianos” 97,45% das dormidas na ilha do Corvo estão distribuídos pelos seguintes Países de origem: • 93,92% são “portugueses” • 3,52% são “alemães” Importância relativa das diferentes ilhas no total das dormidas por País de origem País de Portugal Países Alemanha E.U.A. França Inglaterra Itália Outros origem Nórdigos Ilha de destino Stª Maria 1,66% 0,13% 1,40% 2,51% 0,49% 0,77% 0,78% 1,74% S. Miguel 51,73% 90,45% 60,29% 65,39% 62,31% 57,28% 59,06% 67,37% 57 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Terceira 16,11% 1,74% 6,68% 13,28% 5,37% 9,90% 12,64% 5,95% Graciosa 1,85% 0,09% 0,55% 0,86% 0,25% 0,00% 0,84% 0,51% S. Jorge 3,31% 0,37% 3,20% 2,06% 4,12% 5,74% 2,53% 2,95% Pico 7,96% 1,68% 12,95% 5,55% 10,42% 9,70% 3,94% 7,94% Faial 14,70% 5,16% 10,80% 9,14% 15,18% 14,95% 14,75% 10,86% Flores 2,51% 0,39% 4,06% 1,20% 1,84% 1,66% 5,46% 2,66% Corvo 0,17% 0,01% 0,07% 0,00% 0,02% 0,00% 0,00% 0,03% TOTAL 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Como se pode observar no quadro acima: 93,62% das dormidas dos “portugueses” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 51,73% das dormidas • Terceira com 16,11% das dormidas • Faial com 14,70% das dormidas • Pico com 7,96% das dormidas • S. Jorge com 3,31% das dormidas • Flores com 2,51% das dormidas 99,02% das dormidas dos “nórdigos” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 90,45% das dormidas • Terceira com 1,74% das dormidas • Faial com 5,16% das dormidas • Pico com 1,68% das dormidas 97,98% das dormidas dos “alemães” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 60,29% das dormidas • Terceira com 6,68% das dormidas • Faial com 10,80% das dormidas • Pico com 12,95% das dormidas • S. Jorge com 3,20% das dormidas • Flores com 4,06% das dormidas 97,94% das dormidas dos “americanos” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • Stª Maria com 2,51% das dormidas • S. Miguel com 65,39% das dormidas • Terceira com 13,28% das dormidas • Faial com 9,14% das dormidas • Pico com 5,55% das dormidas 58 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • • S. Jorge com 2,06% das dormidas 99,25% das dormidas dos “franceses” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 62,31% das dormidas • Terceira com 5,37% das dormidas • Faial com 15,18% das dormidas • Pico com 10,42% das dormidas • S. Jorge com 4,12% das dormidas • Flores com 1,84% das dormidas Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) 99,23% das dormidas dos “ingleses” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 57,28% das dormidas • Terceira com 9,90% das dormidas • Faial com 14,95% das dormidas • Pico com 9,70% das dormidas • S. Jorge com 5,74% das dormidas • Flores com 1,66% das dormidas 98,38% das dormidas dos “italianos” estão distribuídas pelas seguintes ilhas: • S. Miguel com 59,06% das dormidas • Terceira com 12,64% das dormidas • Faial com 14,75% das dormidas • Pico com 3,94% das dormidas • S. Jorge com 2,53% das dormidas • Flores com 5,46% das dormidas Número médio de dias de estadia Número médio de dias de estadia por País de origem País de Portugal Países Alemanha E.U.A. França Inglaterra Itália Outros origem Nórdigos Ilha de destino Stª Maria 2,31 2,55 3,12 2,28 1,94 1,62 2,46 1,94 S. Miguel 2,92 5,13 3,91 4,07 3,40 4,82 3,25 3,40 Terceira 2,18 2,26 3,03 2,94 2,28 1,63 2,53 2,31 Graciosa 2,62 3,00 3,73 3,15 3,57 0,00 2,64 2,33 S. Jorge 2,53 2,32 2,37 2,79 1,96 2,64 2,28 2,61 Pico 2,94 2,50 3,43 2,44 2,20 3,63 1,04 2,87 Faial 2,64 2,42 2,48 2,80 2,27 2,64 2,24 2,51 59 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Flores 4,39 2,96 3,64 2,43 2,97 3,12 3,42 3,59 Corvo 2,36 4,00 2,90 0,00 1,50 0,00 0,00 3,50 Nº Médio dias estadia 2,72 4,63 3,47 3,48 2,84 3,39 2,71 3,08 No ano 2001 (primeiros 4 meses do ano) os turistas provenientes de Portugal representaram 74,59% do total de turistas que escolheram os Açores como destino. Os turistas provenientes da Alemanha, França, Reino Unido, Países Nórdigos Itália, Espanha, Canadá e Estados Unidos representaram 22,66% do total de turistas que escolheram os Açores como destino. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Os “alemães”, “franceses”, “ingleses”, “nórdigos”, “italianos”, “espanhóis”, “canadianos” e “americanos” em conjunto com os “portugueses” representaram 97,24% do total de turistas que escolheram os Açores como destino turístico. É de assinalar ainda : • A importância relativa que assumem, em 2001, os turistas provenientes dos Países Nórdigos (14,1%). • A perca de importância relativa, no ano de 2001, dos turistas provenientes da Alemanha (1,93%), da França (1,38%), da Inglaterra (1,72%) e dos Estados Unidos (2,19%). PREFERÊNCIAS NO TIPO DE ALOJAMENTO SELECCIONADO Só é possível analisar as opções dos turistas no que respeita ao tipo de alojamento no ano de 2000. Número de Hóspedes e Dormidas nos Açores em função do Tipo de Alojamento Tipo de alojamento Nº de Hóspedes Nº de Dormidas Hotelaria tradicional 201.534 591.304 Turismo em Espaço Rural 4162 9.770 Colónias de Férias 7.916 21.057 Parques de Campismo 7.876 27.620 Casas de Hóspedes 4.889 19.396 Alojamentos Particulares 6.441 28.533 TOTAL 232.818 683.485 Importância relativa dos diferentes Tipos de Alojamento na escolha dos Turistas nos Açores Tipo de alojamento Nº de Hóspedes Nº de Dormidas Hotelaria tradicional 86,56% 84,72% Turismo em Espaço Rural 1,79% 1,40% Colónias de Férias 3,40% 3,05% 60 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Parques de Campismo 3,38% 4,02% Casas de Hóspedes 2,10% 2,76% Alojamentos Particulares 2,77% 4,05% TOTAL 100,00% 100,00% Como se pode observar, 86,56% dos turistas optaram por ficar alojados na “hotelaria tradicional”, 3,40% nas “colónias de férias”, 3,38% nos “parques de campismo”, 2,77% em “alojamentos particulares”, 2,10% nas “casas de hóspedes” e 1,79% no “turismo em espaço rural”. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Com o aumento do número de camas oferecidas pela “hotelaria tradicional” é muito provável que outros dois tipos de estabelecimento supracitados venham a perder importância relativa. Procedeu-se, posteriormente, ao cruzamento entre as diferentes ilhas de destino dos Açores e o tipo de alojamento seleccionado no ano de 2000. Número de Turistas por Ilha e por Tipo de Alojamento Hotelaria Turismo em Colónias de Parques de Casas de Alojamentos TOTAL tradicional Espaço Rural Férias Campismo Hóspedes Particulares Stª Maria 3.954 0 0 0 358 107 4.419 S. Miguel 108.684 891 5.598 2.975 83 1.252 119.483 Terceira 32.455 2.790 2.318 842 1.087 408 39.900 Graciosa 3.543 0 0 0 0 0 3.543 S. Jorge 6.349 0 0 1.090 933 0 8.372 Pico 15.300 11 0 1.280 1.110 436 18.137 Faial 28.393 470 0 1.689 269 3.767 34.588 Flores 2.856 0 0 0 981 195 4.032 Corvo 0 0 0 68 276 0 344 TOTAL 201.534 4.162 7.916 7.944 5.097 6.165 232.818 Importância relativa dos diferentes Tipos de Alojamento no total de Turistas por Ilha Hotelaria Turismo em Colónias de Parques de Casas de Alojamentos TOTAL tradicional Espaço Rural Férias Campismo Hóspedes Particulares Stª Maria 89,48% 0,00% 0,00% 0,00% 8,10% 2,42% 100,00% S. Miguel 90,96% 0,75% 4,69% 2,49% 0,07% 1,05% 100,00% Terceira 81,34% 6,99% 5,81% 2,11% 2,72% 1,02% 100,00% Graciosa 100,00% 0 0 0 0 0 100,00% S. Jorge 75,84% 0,00% 0,00% 13,02% 11,14% 0,00% 100,00% Pico 84,36% 0,06% 0,00% 7,06% 6,12% 2,40% 100,00% Faial 82,09% 1,36% 0,00% 4,88% 0,78% 10,89% 100,00% Flores 70,83% 0,00% 0,00% 0,00% 24,33% 4,84% 100,00% Corvo 0,00% 0,00% 0,00% 19,77% 80,23% 0,00% 100,00% 61 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • A selecção do “Tipo de Alojamento” pelos turistas variou muito em função das diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores. Do total de turistas que se deslocou: • A Stª Maria, 89,49% alojou-se na “Hotelaria Tradicional”, 8,10% nas “Casas de Hóspedes” e 2,42% em “Alojamentos Particulares” • A S. Miguel, 90,96% alojou-se na “Hotelaria Tradicional”, 0,75% no “Turismo em Espaço Rural”, 4,69% em “Colónias de Férias”, 2,49% em “Parques de Campismo”, 0,07% nas “Casas de Hóspedes” e 1,05% em “Alojamentos Particulares” Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) • À Terceira, 81,34% alojou-se na “Hotelaria Tradicional”, 6,99% no “Turismo em Espaço Rural”, 5,81% em “Colónias de Férias”, 2,11% em “Parques de Campismo”, 2,72% nas “Casas de Hóspedes” e 1,02% em “Alojamentos Particulares” • À Graciosa, 100% alojou-se na “Hotelaria Tradicional” • A S. Jorge, 75,84% alojou-se na “Hotelaria Tradicional”, 13,02% em “Parques de Campismo” e 11,14% nas “Casas de Hóspedes” • Ao Pico, 84,36% alojou-se na “Hotelaria Tradicional”, 0,06% no “Turismo em Espaço Rural”, 7,06% em “Parques de Campismo”, 6,12% nas “Casas de Hóspedes” e 2,4% em “Alojamentos Particulares” • Ao Faial, 82,09% alojou-se na “Hotelaria Tradicional”, 1,36% no “Turismo em Espaço Rural”, 4,88% em “Parques de Campismo”, 0,78% nas “Casas de Hóspedes” e 10,89% em “Alojamentos Particulares” • Às Flores, 70,83% alojou-se na “Hotelaria Tradicional”, 24,33% nas “Casas de Hóspedes” e 4,84% em “Alojamentos Particulares” • Ao Corvo, 19,77% alojou-se nos ”Parques de Campismo” e 80,23% em “Casas de Hóspedes” Importância relativa das diferentes Ilhas no total de Turistas por Tipo de Alojamento Hotelaria Turismo em Colónias de Parques de Casas de Alojamentos tradicional Espaço Rural Férias Campismo Hóspedes Particulares Stª Maria 1,96% 0,00% 0,00% 0,00% 7,02% 1,74% S. Miguel 53,93% 21,41% 70,72% 37,45% 1,63% 20,31% Terceira 16,10% 67,04% 29,28% 10,60% 21,33% 6,62% Graciosa 1,76% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% S. Jorge 3,15% 0,00% 0,00% 13,72% 18,30% 0,00% Pico 7,59% 0,26% 0,00% 16,11% 21,78% 7,07% Faial 14,09% 11,29% 0,00% 21,26% 5,28% 61,10% Flores 1,42% 0,00% 0,00% 0,00% 19,25% 3,16% Corvo 0,00% 0,00% 0,00% 0,86% 5,41% 0,00% TOTAL 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% Do total de turistas que optou: 62 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • • Pela “Hotelaria Tradicional”, 53,93% fê-lo em S. Miguel, 16,10 % na Terceira, 14,09% no Faial, 7,59% no Pico, 3,15% em S. Jorge, 1,96% em Stª Maria, 1,76% na Graciosa e 1,42% nas Flores • Pelo “Turismo em Espaço Rural”, 67,04% fê-lo na Terceira, 21,41% em S. Miguel, 11,29% no Faial, e 0,26% no Pico • Pelas “Colónias de Férias”, 70,72% fê-lo em S. Miguel e 29,28% na Terceira • Pelos “Parques de Campismo”, 37,45% fê-lo em S. Miguel, 21,26% no Faial, 16,11% no Pico, 13,72% em S. Jorge e 10,60% na Terceira e 0,86% no Corvo • Pelas “Casas de Hóspedes”, 21,78% fê-lo no Pico, 21,33% fê-lo na Terceira, 19,25% nas Flores, 18,3% em S. Jorge, 7,02% em Stª Maria, 5,41% no Corvo, 5,28% no Faial e 1,63% em S. Miguel Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) • Pelos “Alojamentos Particulares”, 61,1% fê-lo no Faial, 20,31% em S. Miguel, 7,07% no Pico, 6,62% na Terceira, 3,16% nas Flores e 1,74% em Stª Maria. Número de dormidas por Ilha e por Tipo de Alojamento Hotelaria Turismo em Colónias de Parques de Casas de Alojamentos TOTAL tradicional Espaço Rural Férias Campismo Hóspedes Particulares Stª Maria 9.001 0 0 0 896 225 10.122 S. Miguel 359.648 2.254 14.975 13.193 110 4.772 394.952 Terceira 67.379 5.814 5.865 3.431 2.798 3.173 88.460 Graciosa 9.387 0 0 0 0 0 9.387 S. Jorge 14.865 0 0 2.164 3.895 20.924 Pico 42.696 45 0 4.522 4.230 1.135 52.628 Faial 64.890 1.460 0 3.980 2.124 17.503 89.957 Flores 11.195 0 0 0 4.171 866 16.232 Corvo 0 0 0 162 661 0 823 TOTAL 579.061 9.573 20.840 27.452 18.885 27.674 683.485 Importância relativa dos diferentes Tipos de Alojamento no total de dormidas por Ilha Hotelaria Turismo em Colónias de Parques de Casas de Alojamentos TOTAL tradicional Espaço Rural Férias Campismo Hóspedes Particulares Stª Maria 88,93% 0,00% 0,00% 0,00% 8,85% 2,22% 100,00% S. Miguel 91,06% 0,57% 3,79% 3,34% 0,03% 1,21% 100,00% Terceira 76,17% 6,57% 6,63% 3,88% 3,16% 3,59% 100,00% Graciosa 100,00% 0 0 0 0 0 100,00% S. Jorge 71,04% 0,00% 0,00% 10,34% 18,61% 0,00% 100,00% Pico 81,13% 0,09% 0,00% 8,59% 8,04% 2,16% 100,00% Faial 72,13% 1,62% 0,00% 4,42% 2,36% 19,46% 100,00% Flores 68,97% 0,00% 0,00% 0,00% 25,70% 5,34% 100,00% Corvo 0,00% 0,00% 0,00% 19,68% 80,32% 0,00% 100,00% 63 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • A selecção do “Tipo de Alojamento” pelos turistas para dormirem variou muito em função das diferentes ilhas que integram o arquipélago dos Açores. Do total de dormidas em: • Stª Maria, 88,93% realizaram-se na “Hotelaria Tradicional”, 8,85% nas “Casas de Hóspedes” e 2,22% em “Alojamentos Particulares” • S. Miguel, 91,06% realizaram-se na “Hotelaria Tradicional”, 0,57% no “Turismo em Espaço Rural”, 3,79% em “Colónias de Férias”, 3,34% em “Parques de Campismo”, 0,03% nas “Casas de Hóspedes” e 1,21% em “Alojamentos Particulares” • Terceira, 76,17% realizaram-se na “Hotelaria Tradicional”, 6,57% no “Turismo em Espaço Rural”, 6,63% em “Colónias de Férias”, 3,88% em “Parques de Campismo”, 3,16% nas “Casas de Hóspedes” e 3,59% em “Alojamentos Particulares” • À Graciosa, 100% realizaram-se na “Hotelaria Tradicional” Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) • A S. Jorge, 71,04% realizaram-se na “Hotelaria Tradicional”, 10,34% em “Parques de Campismo” e 18,61% nas “Casas de Hóspedes” • Ao Pico, 81,13% realizaram-se na “Hotelaria Tradicional”, 0,09% no “Turismo em Espaço Rural”, 8,59% em “Parques de Campismo”, 8,04% nas “Casas de Hóspedes” e 2,16% em “Alojamentos Particulares” • Ao Faial, 72,13 realizaram-se na “Hotelaria Tradicional”, 1,62% no “Turismo em Espaço Rural”, 4,42% em “Parques de Campismo”, 2,36% nas “Casas de Hóspedes” e 19,46% em “Alojamentos Particulares” • Às Flores, 68,97% realizaram-se na “Hotelaria Tradicional”, 25,7% nas “Casas de Hóspedes” e 5,34% em “Alojamentos Particulares” • Ao Corvo, 19,68% realizaram-se nos ”Parques de Campismo” e 80,32% em “Casas de Hóspedes” Importância relativa das diferentes Ilhas no total de dormidas por Tipo de Alojamento Hotelaria Turismo em Colónias de Parques de Casas de Alojamentos tradicional Espaço Rural Férias Campismo Hóspedes Particulares Stª Maria 1,55% 0,00% 0,00% 0,00% 4,74% 0,81% S. Miguel 62,11% 23,55% 71,86% 48,06% 0,58% 17,24% Terceira 11,64% 60,73% 28,14% 12,50% 14,82% 11,47% Graciosa 1,62% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% S. Jorge 2,57% 0,00% 0,00% 7,88% 20,62% 0,00% Pico 7,37% 0,47% 0,00% 16,47% 22,40% 4,10% Faial 11,21% 15,25% 0,00% 14,50% 11,25% 63,25% Flores 1,93% 0,00% 0,00% 0,00% 22,09% 3,13% Corvo 0,00% 0,00% 0,00% 0,59% 3,50% 0,00% TOTAL 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% Do total de dormidas realizadas na: 64 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • • “Hotelaria Tradicional”, 62,11% foram em S. Miguel, 11,64 % na Terceira, 11,21% no Faial, 7,37% no Pico, 2,57% em S. Jorge, 1,93% nas Flores, 1,62% na Graciosa e 1,55% em Stª Maria • “Turismo em Espaço Rural”, 60,73% foram na Terceira, 23,55% em S. Miguel, 15,25% no Faial, e 0,47% no Pico • “Colónias de Férias”, 71,86% foram em S. Miguel e 28,14% na Terceira • “Parques de Campismo”, 48,06% foram em S. Miguel, 16,47% no Pico, 14,50% no Faial, 12,5% na Terceira ,7,88% em S. Jorge, e 0,59% no Corvo • “Casas de Hóspedes”, 22,40% foram no Pico, 22,09% nas Flores, 20,62% em S. Jorge, 14,82% na Terceira, 11,25% no Faial, 4,74% em Stª Maria, 3,50% no Corvo e 0,58% em S. Miguel • “Alojamentos Particulares”, 63,25% foram no Faial, 17,24% em S. Miguel, 11,47% na Terceira, 4,1% no Pico, 3,13% nas Flores e 0,81% em Stª Maria. Análise de situação (Caracterização dos diferentes segmentos do mercado) Número médio de dias de estadia por Ilha e por Tipo de Alojamento Hotelaria Turismo em Colónias de Parques de Casas de Alojamentos tradicional Espaço Rural Férias Campismo Hóspedes Particulares Stª Maria 2,28 2,50 2,10 S. Miguel 3,31 2,53 2,68 4,43 1,33 3,81 Terceira 2,08 2,08 2,53 4,07 2,57 7,78 Graciosa 2,65 S. Jorge 2,34 1,99 4,17 Pico 2,79 4,09 3,53 3,81 2,60 Faial 2,29 3,11 2,36 7,90 4,65 Flores 3,92 4,25 4,44 Corvo 2,38 2,39 No ano de 2001 (primeiros 4 meses), 88,71% dos turistas optaram por ficar alojados na “hotelaria tradicional”, 6,12% nas “colónias de férias”, 2,05% nas “casas de hóspedes”, 1,81% em “alojamentos particulares”, 1,12% no “turismo em espaço rural” e 0,20% nos “parques de campismo”. Número de Hóspedes e Dormidas nos Açores em função do Tipo de Alojamento Tipo de alojamento Nº de Hóspedes Nº de Dormidas Hotelaria tradicional 54.871 167889 Turismo em Espaço Rural 693 1.780 Colónias de Férias 3.783 7.094 Parques de Campismo 121 517 Casas de Hóspedes 1.270 5.336 Alojamentos Particulares 1.117 6.911 TOTAL 61.885 189.537 65 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.
  • Importância relativa dos diferentes Tipos de Alojamento na escolha dos Turistas nos Açores Tipo de alojamento Nº de Hóspedes Nº de Dormidas Hotelaria tradicional 88,71% 88,58% Turismo em Espaço Rural 1,12% 0,94% Colónias de Férias 6,12% 3,74% Parques de Campismo 0,20% 0,27% Casas de Hóspedes 2,05% 2,82% Alojamentos Particulares 1,81% 3,65% TOTAL 100,00% 100,00% ANEXOS: Dados estatísticos Açores 1990-2000 66 AUTOR: LUIS F. ABREU BRANCO Este documento não poderá ser utilizado ou reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização expressa do autor.