Nbr 13531 elaboração de projetos de edificações - 1995

9,087 views
8,658 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,087
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
441
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Nbr 13531 elaboração de projetos de edificações - 1995

  1. 1. Cópia não autorizada NOV 1995 NBR 13531 Elaboração de projetos de edificações - Atividades técnicasABNT-AssociaçãoBrasileira deNormas TécnicasSede:Rio de JaneiroAv. Treze de Maio, 13 - 28º andarCEP 20003-900 - Caixa Postal 1680Rio de Janeiro - RJTel.: PABX (021) 210 -3122Telex: (021) 34333 ABNT - BREndereço Telegráfico:NORMATÉCNICA Procedimento Origem: Projeto 02:002.42-001/1994 CB-02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil CE-02:002.42 - Comissão de Estudo de Elaboração de Projetos de Arquitetura NBR 13531 - Technical activities - Elaboration of projects for buildings - Procedure Descriptors: Building. ArchitectureCopyright © 1995, Esta Norma cancela e substitui a NBR 5679/1977ABNT–Associação Brasileirade Normas Técnicas Válida a partir de 29.12.1995Printed in Brazil/Impresso no Brasil Palavras-chave: Edificação. Arquitetura. Obra de engenharia 10 páginasTodos os direitos reservados SUMÁRIO a) edificações novas: 1 Objetivo 2 Definições - construção; 3 Condições gerais 4 Condições específicas - pré-fabricação, pré-moldagem; 5 Aceitação e rejeição ANEXO A - Exemplo de fluxograma de blocos para projetos - montagem; de edificação - Arquitetura ANEXO B - Exemplo de cronograma físico-financeiro de b) edificações existentes: barras para projeto de edificação - Arquitetura - ampliação; 1 Objetivo - redução; 1.1 Esta Norma fixa as atividades técnicas de projeto de - modificação: arquitetura e de engenharia exigíveis para a construção de edificações. . remanejamento; 1.2 Esta Norma é aplicável a todas as classes (ou categorias) . revitalização; tipológicas funcionais das edificações (ou de quaisquer am- bientes construídos ou artificiais). Exemplos: habitacional, . reciclagem; educacional, cultural, religiosa, comercial, industrial, adminis- trativa, esportiva, de saúde, de lazer, de comunicação, de . reconversão; transporte, de abastecimento e de segurança. - recuperação: 1.3 Esta Norma é aplicável a todas as classes (ou catego- . reforma; rias) tipológicas formais das edificações (ou de quaisquer ambientes construídos ou artificiais). Exemplos: isoladas, . preservação; geminadas, superpostas, torres, pavilhões, cobertas, desco- bertas. . conservação; 1.4 Esta Norma é aplicável aos serviços técnicos de obras, . reparação; conforme as classes (ou categorias) de intervenções corren- tes para: . restauração.
  2. 2. Cópia não autorizada2 NBR 13531/1995 1.5 Esta Norma é geral e aplicável em conjunto com as nor- e técnicas específicos da arquitetura e da engenharia para, mas especiais instituídas para as atividades de projeto de: ao integrar a edificação, desempenhar determinadas funções em níveis adequados. Exemplos: fundações, estruturas, a) arquitetura; coberturas, vedos verticais (paredes, esquadrias), revesti- mentos e acabamentos. b) estruturas; 2.1.4 Instalação predial c) instalações hidráulicas; Produto constituído por conjunto de componentes constru- d) instalações elétricas; tivos definidos e articulados em conformidade com princípios e técnicas específicos da arquitetura e da engenharia para, e) instalações mecânicas; ao integrar a edificação, desempenhar, em níveis adequados, determinadas funções (ou serviços) de condução de ener- f) luminotécnica; gia, gases, líquidos e sólidos. Exemplos: instalações hidráu- licas (água fria, água quente, águas pluviais, esgotos), insta- g) comunicação visual; lações elétricas (iluminação, energia) e instalações mecâni- cas (elevadores, ar-condicionado, coleta e tratamento de h) paisagismo; lixo). i) impermeabilização; 2.1.5 Componente construtivo j) outras. Produto constituído por materiais definidos e processados em conformidade com princípios e técnicas específicos pa- 2 Definições ra, ao integrar elementos ou instalações prediais da edifica- ção, desempenhar determinadas funções em níveis ade- Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de quados. Exemplos: portas, janelas, tijolos, blocos, painéis, 2.1 a 2.4. colunas, vigas, luminárias, interruptores, tubos, registros, torneiras, ralos, pias e lavabos. 2.1 Objetos de projeto 2.1.6 Material para construção Aqueles a seguir classificados, segundo critérios de com- plexidade, na ordem decrescente: Produto constituído por substâncias, ligas, complexos e/ou compostos definidos e beneficiados em conformidade com a) urbanização; princípios e técnicas específicos para, ao integrar compo- nentes construtivos, desempenhar determinadas funções b) edificação; em níveis adequados. Exemplos: água, areia, rocha, cimen- to, madeira, concreto, aço, mástique, cola e tinta. c) elemento (da edificação); 2.2 Elaboração de projeto d) instalação (predial); Determinação e representação prévias do objeto (urbani- e) componente (construtivo); zação, edificação, elemento da edificação, instalação predial, componente construtivo, material para construção) mediante f) material (para construção). o concurso dos princípios e das técnicas próprias da arquite- tura e da engenharia. 2.1.1 Urbanização 2.2.1 De urbanização Produto constituído por conjunto de edificações (incluindo as de infra-estrutura e de serviços) definidas e articuladas Determinação e representação prévias dos atributos funcio- em conformidade com os princípios e as técnicas do urba- nais, formais e técnicos da urbanização. nismo para, ao integrar a microrregião, desempenhar deter- 2.2.2 De edificação minadas funções ambientais em níveis adequados. Exem- plos: cidades, aldeias, bairros, vilas, loteamentos, desmem- Determinação e representação prévias dos atributos funcio- bramentos e remembramentos. nais, formais e técnicos de elementos de edificação a cons- truir, a pré-fabricar, a montar, a ampliar, a reduzir, a modificar 2.1.2 Edificação ou a recuperar, abrangendo os ambientes exteriores e inte- riores e os projetos de elementos da edificação e das instala- Produto constituído por conjunto de elementos definidos e ções prediais. articulados em conformidade com os princípios e as técnicas da arquitetura e da engenharia para, ao integrar a urbaniza- 2.2.3 De elementos da edificação ção, desempenhar determinadas funções ambientais em níveis adequados. Exemplos: casas, hospitais, teatros, es- Determinação e representação prévias dos atributos funcio- tações rodoviárias, ferroviárias, aeroportuárias, armazéns, nais, formais e técnicos de elementos da edificação seguin- estádios, ruas, avenidas, parques e monumentos. tes (incluindo, se necessário, projetos dos materiais para construção): 2.1.3 Elemento da edificação a) fundações; Produto constituído por conjunto de componentes constru- tivos definidos e articulados em conformidade com princípios b) estruturas;
  3. 3. Cópia não autorizadaNBR 13531/1995 3 c) coberturas; c) instalações hidráulicas e sanitárias: d) forros; - água fria; e) vedos verticais; - água quente; f) revestimentos e acabamentos; - esgotos sanitários, industriais; g) impermeabilização; - captação e escoamento de águas pluviais; h) equipamentos para comunicação visual; - gás combustível; i) equipamentos: - prevenção e combate a incêndio; - mobiliário; - outras; - incorporados; d) equipamentos para iluminação; j) jardins, parques; e) equipamentos sanitários; k) outros. f) outras. 2.2.4 De instalações prediais 2.2.5 De componentes construtivos Determinação e representação prévias dos atributos funcio- Determinação e representação prévias dos atributos, fun- nais, formais e técnicos das instalações prediais da edifica- cionais, formais técnicos dos componentes dos elementos ção seguintes (incluindo, se necessário, projetos dos mate- e das instalações prediais da edificação e incluindo, se ne- riais para construção): cessário, projetos de materiais para construção. a) instalações elétricas: 2.2.6 De materiais para construção - energia; Determinação e representação prévias dos atributos funcio- nais, formais e técnicos de materiais de construção. - iluminação; 2.3 Atividades técnicas do projeto de edificação e de, - telefonia; seus elementos, instalações e componentes - sinalização; 2.3.1 São consideradas as seguintes atividades técnicas para elaboração do projeto de edificação e de seus elemen- - sonorização; tos, instalações e componentes (incluídas as siglas): - alarmes; a) topografia (TOP); - proteção contra descargas atmosféricas; b) sondagens de reconhecimento do solo (SDG); - automação predial; c) arquitetura (ARQ); - outras; d) fundações e estruturas (EST); b) instalações mecânicas: e) instalações elétricas (ELE); - elevadores, montacargas; f) instalações mecânicas (MEC); - escadas e tapetes rolantes; g) instalações hidráulicas e sanitárias (HID); - ventilação e condicionamento de ar; h) luminotécnica (LMT); - bombas de sucção e de recalque de água; i) comunicação visual (CMV); - coleta e tratamento de lixo; j) paisagismo (PSG); - ar comprimido, vácuo, oxigênio, etc.; k) arquitetura de interiores (decoração) (INT); - refrigeração; l) impermeabilização (IMP); - outras; m)outros.
  4. 4. Cópia não autorizada4 NBR 13531/1995 2.3.2 É ainda exigido o concurso das seguintes atividades e) econômicos; técnicas complementares: f) financeiros; a) conforto térmico; g) outros. b) conforto acústico; 2.4.2 Programa de necessidades (PN) c) higiene; Etapa destinada à determinação das exigências de caráter d) segurança contra incêndios; prescritivo ou de desempenho (necessidades e expectativas dos usuários) a serem satisfeitas pela edificação a ser con- e) segurança contra intrusão e vandalismo; cebida. f) ergonomia; 2.4.3 Estudo de viabilidade (EV) g) informática e automação predial; Etapa destinada à elaboração de análise e avaliações para seleção e recomendação de alternativas para a concepção h) outras. da edificação e de seus elementos, instalações e compo- nentes. 2.4 Etapas das atividades técnicas do projeto de edificação e de seus elementos, instalações e 2.4.4 Estudo preliminar (EP) componentes Etapa destinada à concepção e à representação do conjunto Partes sucessivas em que pode ser dividido o processo de de informações técnicas iniciais e aproximadas, necessários desenvolvimento das atividades técnicas do projeto de edifi- à compreensão da configuração da edificação, podendo in- cação e de seus elementos, instalações e componentes cluir soluções alternativas. (incluídas as siglas): 2.4.5 Anteprojeto (AP) e/ou pré-execução (PR) a) levantamento (LV); Etapa destinada à concepção e à representação das infor- b) programa de necessidades (PN); mações técnicas provisórias de detalhamento da edificação e de seus elementos, instalações e componentes, necessá- c) estudo de viabilidade (EV); rias ao inter-relacionamento das atividades técnicas de pro- jeto e suficientes à elaboração de estimativas aproximadas d) estudo preliminar (EP); de custos e de prazos dos serviços de obra implicados; e) anteprojeto (AP) e/ou pré-execução (PR); Nota: Quando estas informações forem consideradas na seqüência das atividades técnicas das duas etapas do projeto (de an- f) projeto legal (PL); teprojeto e de pré-execução), elas devem ser claramente re- definidas nos documentos contratuais e representadas no g) projeto básico (PB); fluxograma e no cronograma físico-financeiro. h) projeto para execução (PE). 2.4.6 Projeto legal (PL) 2.4.1 Levantamento (LV) Etapa destinada à representação das informações técnicas necessárias à análise e aprovação, pelas autoridades com- Etapa destinada à coleta das informações de referência petentes, da concepção da edificação e de seus elementos que representem as condições preexistentes, de interesse e instalações, com base nas exigências legais (municipal, para instruir a elaboração do projeto, podendo incluir os se- estadual, federal), e à obtenção do alvará ou das licenças e guintes tipos de dados: demais documentos indispensáveis para as atividades de construção. a) físicos: 2.4.7 Projeto básico (PB) (opcional) - planialtimétricos; Etapa opcional destinada à concepção e à representação - cadastrais (edificações, redes, etc.); das informações técnicas da edificação e de seus elementos, instalações e componentes, ainda não completas ou definiti- - geológicos, hídricos; vas, mas consideradas compatíveis com os projetos básicos das atividades técnicas necessárias e suficientes à licitação - ambientais, climáticos, ecológicos; (contratação) dos serviços de obra correspondentes. - outros; 2.4.8 Projeto para execução (PE) b) técnicos; Etapa destinada à concepção e à representação final das informações técnicas da edificação e de seus elementos, c) legais e jurídicos; instalações e componentes, completas, definitivas, necessá- rias e suficientes à licitação (contratação) e à execução d) sociais; dos serviços de obra correspondentes.
  5. 5. Cópia não autorizadaNBR 13531/1995 5 3 Condições gerais f) características de superfície: acabamento, aparência (textura, cor, padrão, opacidade, brilho); 3.1 Informações do projeto de edificação g) odor; As informações do projeto devem registrar, quando couber, para a caracterização de cada produto ou objeto (edificação, h) paladar. elemento da edificação, instalação predial, componente cons- trutivo, e material para construção), os atributos funcionais, 3.1.3 Condições climáticas, de localização e de utilização: formais e técnicos considerados, contendo as seguintes exigências prescritivas e de desempenho: a) clima: ar (umidade, névoa, condensação, poluição), precipitação (chuva, granizo, neve), vento (velocida- a) identificação; de, direção e sentido), insolação (orientação Norte- Sul, radiações), temperatura; ruídos (externos e in- b) descrição; ternos); c) condições climáticas, de localização e de utilização; b) localização: topografia, subsolo, vibrações (incluindo as sísmicas), nível d’água; d) exigências e características relativas ao desempe- c) recomendação para utilização: uso (educacional, nho no uso; residencial, industrial), usuários (número, idade, ativi- dades). e) aplicações; 3.1.4 Exigências e caraterísticas relativas ao desempenho f) canteiro de obra; no uso: g) uso: operação e manutenção; a) exigências do usuário: h) condições de venda ou de aquisição; - segurança estrutural; i) suprimento; - segurança ao fogo; j) serviços técnicos; - segurança em uso; l) referências. - estanqueidade; 3.1.1 Identificação: - conforto higrotérmico; a) nome (genérico e comercial) do objeto do projeto ou - pureza do ar; produto (edificação, elemento da edificação, instala- ção predial, componente construtivo, material para - conforto acústico; construção); - conforto visual; b) localização; - conforto tátil; c) tipo, modelo, categoria, qualidade; - ergonomia; d) código; fornecedor ou produtor (fabricante, constru- - higiene; tor); - adequação espacial; e) descrição sucinta do objeto (aplicações e limitações); - durabilidade; f) certificado de conformidade ou homologação; - economia; g) normas e documentação relacionada. b) características: 3.1.2 Descrição: - ativas: capacidade, rendimento e consumo; a) constituintes do produto (partes, composição); - estruturais e mecânicas: esforços, deformações, b) processos (de fabricação, construtivo, de montagem resistência das superfícies; e/ou de instalação e conexão); - fogo: resistência, ignição, combustibilidade, propa- c) complementos e acessórios; gação, produtos da combustão, explosões; d) forma, dimensões, peso, densidade; - agentes gasosos: permeabilidade, circulação, tipo e qualidade, alterações físicas e/ou químicas devi- e) revestimento; das ao contato ou à absorção;
  6. 6. Cópia não autorizada6 NBR 13531/1995 - agentes líquidos (água): conteúdo, absorção, per- g) limpeza do local; meabilidade ou vazamento, capilaridade, secagem (evaporação), solubilidade, miscibilidade, altera- h) controle da qualidade in situ, testes e ensaios; ções físicas e/ou químicas devidas ao contato ou i) segurança, higiene e conforto públicos durante a à absorção; construção ou montagem. - agentes sólidos: penetração, alterações físicas e/ 3.1.7 Uso - operação e manutenção: ou químicas devidas ao contato com sólidos; a) requisitos de espaço, instalações, materiais e de - agentes biológicos: mamíferos, pássaros e insetos, mão-de-obra, métodos de operação e controle; fungos, musgos, líquens, mofo, bactérias; b) limpeza e manutenção, incluindo inspeção, reparos e reposição; - agentes térmicos: condutibilidade, capacidade, temperaturas de superfícies e do ar interno, absor- c) medidas de proteção, segurança, higiene e conforto ção, radiação, alterações físicas e/ou químicas de- no trabalho; vidas à mudança de temperatura; d) segurança, higiene e conforto públicos durante os - agentes ópticos: luz do dia, artificial e combinação, serviços de manutenção (reparos, conservação e transmissão, reflexão, refração, alterações físicas limpeza). e/ou químicas devidas à ação da luz; 3.1.8 Condições de venda ou de aquisição: - agentes acústicos: efeitos dos ruídos provenientes a) preço de aquisição; das fontes externas ou internas, qualidade acústi- ca, transmissão, reflexão e absorção do som; eletri- b) condições contratuais, de venda e garantias; cidade: estática, radiação eletromagnética, magne- tismo; radioatividade; c) condições de pagamento. 3.1.9 Suprimento: - energia: dados mecânicos, capacidade, fluxo, con- sumo, consumo de materiais auxiliares, rendimento, a) fontes e capacidade de suprimento, incluindo reser- eficiência, controle; efeitos colaterais; compatibili- vas, prazo de entrega ou de construção; dade; confiabilidade; durabilidade; alterações: na composição, construção e estrutura, na forma, di- b) embalagem, diretrizes para sistematização e orga- mensões e peso, nas características das superfí- nização; cies, incluindo a cor, nas características de opera- c) condições de entrega. ção durante o uso; 3.1.10 Serviços técnicos: - características operacionais e de manutenção. a) organização dos serviços e das instalações de apoio; 3.1.5 Aplicações: b) serviços de consultoria técnica. a) viabilidade funcional; 3.1.11 Referências: b) viabilidade legal; a) localização de exemplos existentes; c) viabilidade de reposição; b) literatura técnica disponível. 3.2 Coordenação das atividades técnicas do projeto de d) detalhes; edificação e de seus elementos, instalações e componentes e) cláusulas e especificações; 3.2.1 A coordenação geral das atividades técnicas de projeto f) erros de aplicação. de edificação deve ser feita em função das determinações do projeto de arquitetura. 3.1.6 Canteiro de obra: 3.2.2 A coordenação específica de cada uma das atividades a) mão-de-obra, instalações e espaço necessário; técnicas do projeto de edificação e de seus elementos e componentes deve ser atribuída aos profissionais responsá- b) planejamento da obra; veis pela sua concepção e detalhamento. 3.3 Programação das etapas das atividades técnicas do c) trabalhos fora do canteiro; projeto de edificação d) transporte, manipulação e estocagem; 3.3.1 A seqüência das atividades técnicas do projeto de edi- ficação deve ser programada cronologicamente, segundo e) preparação e trabalho no canteiro, elevação, monta- critérios de coordenação e subordinação, de modo que a gem, acabamento; produção das informações possa ser acumulada, detalhada e articulada progressivamente, até a conclusão dos projetos f) medidas de proteção; para execução.
  7. 7. Cópia não autorizadaNBR 13531/1995 7 3.3.2 Em função das características ou da complexidade da c) as etapas e os prazos previstos: edificação, dos elementos, dos componentes e/ou dos mate- riais a projetar, e a critério dos profissionais responsáveis, - fluxograma de atividades; podem ser adotadas as seguintes opções alternativas para cada atividade técnica (a explicitar claramente nos do- - cronograma físico-financeiro. cumentos contratuais): 4 Condições específicas a) adoção das etapas previstas nesta Norma para cada 4.1 A aplicabilidade integral ou parcial das condições exi- atividade técnica; gíveis expressas nesta Norma deve ser previamente es- tabelecida em contrato para cada projeto específico, com b) supressão de etapas previstas nesta Norma; base nas características e complexidade da edificação, dos elementos da edificação, das instalações prediais, dos com- c) inclusão de etapas adicionais, com desdobramento ponentes construtivos e/ou dos materiais para construção, das recomendadas ou não previstas nesta Norma. assim como na disponibilidade dos recursos humanos, téc- nicos e materiais necessários à sua produção. 3.3.3 As informações produzidas em cada uma das etapas das atividades técnicas de projeto devem complementar e 4.2 As condições exigíveis para cada atividade técnica de detalhar as produzidas nas etapas imediatamente anteriores. elaboração do projeto de edificação são as fixadas nas nor- mas de procedimento específicas. 3.3.4 As informações produzidas em cada uma das etapas das atividades técnicas de projeto devem ser utilizadas co- 5 Aceitação e rejeição mo referência para a execução das atividades nas etapas imediatamente posteriores. 5.1 Avaliações técnicas 3.3.5 As seqüências das etapas das atividades técnicas e 5.1.1 Os documentos técnicos (desenhos, textos) produzidos dos eventos de elaboração do projeto devem ser predeter- em cada etapa de elaboração dos projetos da edificação, minadas e representadas graficamente, em fluxograma (dia- de seus elementos, instalações e componentes construti- grama, rede) que registre as suas interdependências, atri- vos, devem ser submetidos à avaliação do contratante dos butos físicos (custos, recursos) e de duração (datas, tem- serviços nas ocasiões preestabelecidas contratualmente pos). na programação específica de cada caso, conforme fluxo- grama e cronograma físico-financeiro recomendados nesta Nota: O exemplo de fluxograma de blocos é dado no Anexo A. Norma. 5.1.2 As avaliações do contratante devem ser feitas em 3.3.6 As atividades técnicas de projeto devem ser apresen- conformidade com as condições exigíveis estabelecidas tadas em cronograma físico-financeiro que informe os pra- previamente em contrato específico, na legislação pertinente, zos necessários, as datas dos eventos e os seus custos. nas normas técnicas brasileiras e nos documentos técnicos Nota: O exemplo de cronograma físico e financeiro é dado no aceitos nas etapas anteriores do projeto. Anexo B. 5.1.3 Os documentos técnicos (desenhos, textos) que forem rejeitados parcial ou totalmente devem ser revistos ou alte- 3.4 Contratos de prestação de serviços técnicos rados apenas pelo seu autor e submetidos a nova avaliação. especializados de projeto 5.1.4 A aceitação, pelo contratante, dos documentos técnicos As cláusulas contratuais para a prestação de serviços es- (desenhos, textos) produzidos em cada etapa da elaboração pecializados de projeto devem definir, entre outros, os se- dos projetos de edificação, elementos, instalações e com- guintes aspectos técnicos: ponentes, dentro de prazo razoável, é condição indispen- sável para que seja iniciada a elaboração dos referentes à a) o objeto: caracterização da edificação e de seus etapa subseqüente. elementos, instalações e componentes; 5.1.5 O contratante deve formalizar a aceitação dos do- b) as atividades técnicas envolvidas, incluindo: cumentos técnicos (desenhos, textos) correspondentes a cada etapa dos projetos. - informações de referência a utilizar; 5.1.6 A aceitação dos documentos técnicos (desenhos, - informações técnicas a produzir; textos) produzidos em cada atividade técnica específica do projeto não deve depender da avaliação das demais ativi- - documentos técnicos a apresentar; dades. /ANEXO A
  8. 8. Cópia não autorizada8 NBR 13531/1995
  9. 9. Cópia não autorizada NBR 13531/1995 ANEXO A - Exemplo de fluxograma de blocos para projeto de edificação - Arquitetura Fluxograma do projeto de edificação - Arquitetura Autor do projeto: Obra: Local: Data: Nota: Simbologia: Legendas: Atividades técnicas do projeto Etapas do projeto: Este fluxograma representa, a título de exemplo, a Início ou término do projeto de edificação TOP Topografia EQP Equipamentos incorporados à construção LV Levantamentos seqüência de atividades técnicas necessárias à SDG Sondagem PSG Paisagismo PN Programa de necessidades Atividade técnica do projeto elaboração de um determinado projeto de edificação. ARQ Arquitetura CMV Comunicação visual EV Estudo de viabilidade A especificidade das condições construtivas, tecnológicas Avaliação contratante EST Estrutura INT Arquitetura de interiores EP Estudo preliminar e econômicas de cada edificação e projeto irá impor a S = Aceitação/sim ELE Instalações elétricas AUT Automação predial AP Anteprojeto N = Rejeição/não inclusão, exclusão, deslocamento, agrupamento ou LMT Luminotécnica ORÇ Orçamento da obra PL Projeto legal desmembramento de etapas e/ou atividades técnicas MEC Instalações mecânicas CRO Cronograma da obra PB Projeto básico do projeto. Avaliação do poder público HID Instalações hidráulicas e sanitárias PE Projeto para execução /ANEXO B 9
  10. 10. Cópia não autorizada 10 ANEXO B - Exemplo de cronograma físico-financeiro de barras para projeto de edificação - Arquitetura Cronograma físico-financeiro de projeto de edificação - Arquitetura Autor do projeto: Início: Conclusão: Obra: Local: Prazo: Valor do contrato do projeto de arquitetura, 100% = Item/ Atividades técnicas Etapas Valor das Tempo transcorrido subitem do projeto do etapas projeto em % do contrato 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 01 Topografia LV - TOP 02 Sondagem LV - SDG 03 .1 Arquitetura LV - ARQ 5% 5 .2 PN - ARQ .3 EV - ARQ 5% 5 .4 EP - ARQ 5% 5 .5 AP - ARQ 20% 20 .6 PL - ARQ 5% 5 .7 PB - ARQ 30% 30 .8 PE - ARQ 30% 30 04 .1 Estrutura LV - EST .2 PN - EST .3 AP - EST .4 PR - EST .5 PE - EST 05 .1 Instalações LV - ELE .2 Elétricas PN - ELE .3 AP - ELE .4 PB - ELE .5 PE - ELE 06 .1 Luminotécnica LV - LMT .2 PN - LMT Período de interrupção para aprovação do projeto legal .3 AP - LMT .4 PB - LMT .5 PE - LMT 07 .1 Instalações LV - MEC .2 mecânicas PN - MEC .3 AP - MEC .4 PB - MEC .5 PE - MEC 08 .1 Instalações LV - HID .2 hidráulicas e PN - HID .3 sanitárias AP - HID .4 PB - HID .5 PE - HID 09 .1 Equipamentos LV - EQP .2 incorporados PN - EQP .3 à construção AP - EQP .4 PB - EQP .5 PE - EQP 10 .1 Paisagismo LV - PSG .2 PN - PSG .3 AP - PSG .4 PB - PSG .5 PE - PSG 11 .1 Comunicação LV - CMV .2 visual PN - CMV .3 AP - CMV .4 PB - CMV .5 PE - CMV 12 .1 Arquitetura LV - INT .2 de interiores PN - INT .3 AP - INT .4 PB - INT .5 PE - INT 13 .1 Automação LV - AUT .2 predial PN - AUT .3 AP - AUT NBR 13531/1995 .4 PB - AUT .5 PE - AUT 14 Orçamento obra PE - ORC 15 Cronograma obra PE - CRO 16 Licitação Notas Legendas: Atividades técnicas do projeto Etapas do projeto 1. Este cronograma representa graficamente, a título de exemplo, a previsão para elaboração do projeto de edificação, Percentual da etapa TOP Topografia EQP Equipamentos incorporados à construção LV Levantamentos previamente definido em fluxograma (ver Anexo A). Tempo efetivo (posição indica data SDG Sondagem PSG Paisagismo PN Programa de necessidades 2. Os prazos e os custos variam em função das características de cada atividade técnica e das etapas do projeto (vermelho) prevista) ARQ Arquitetura CMV Comunicação visual EV Estudo de viabilidade programadas. EST Estrutura INT Arquitetura de interiores EP Estudo preliminar 3. São exemplificados apenas os valores das etapas do projeto de arquitetura, em percentuais sobre o valor do ELE Instalações elétricas AUT Automação predial AP Anteprojeto contrato desse projeto. 20 LMT Luminotécnica ORÇ Orçamento da obra PL Projeto legal 4. O acompanhamento do tempo efetivo (real) pode ser acrescentado na linha de cada etapa de projeto, por uma barra Prazo programado Avaliação contratante MEC Instalações mecânicas CRO Cronograma da obra PB Projeto básico (preto) (contorno) HID Instalações hidráulicas e sanitárias PE Projeto para execução

×