Fund.filosofia e sociologia

1,619 views
1,441 views

Published on

t

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,619
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fund.filosofia e sociologia

  1. 1. FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIAA perspectiva sociológica
  2. 2. 1.O QUE É SOCIOLOGIA? Podemos estabelecer, com bastante tranqüilidade o surgimento dasociologia no século XIX, como decorrência da necessidade dos homens decompreender os inúmeros problemas sociais que estavam aparecendo, emproporções nunca vistas devido à industrialização iniciada no século XVIII. Oestudo da sociologia também pode ser compreendido como estudo científicoda sociedade e sua influência com o comportamento humano. Para este estudo os sociólogos utilizam métodos científicos na abordagemdos diversos fenômenos sociais existentes nas diferentes sociedadeshumanas. Dentro desta perspectiva, um dos principais objetivos é identificaraquilo que não está evidente, que não parece claro, e quais os padrões e asinfluências do comportamento social ativo. Para aquele que apresenta umpensar sociológico e uma análise do fenômeno social.
  3. 3. Conceitos dos seguintes tópicos para um melhor entendimento da sociologia:interação social;estrutura social;grupos e subgrupos sociais; status e papel;mobilidade social, trabalho e desigualdade.
  4. 4. INTERAÇÃO SOCIALAspecto mais importante da interação social é que ela provoca uma modificação de comportamento nosindivíduos envolvidos, como resultado do contato e da comunicação que se estabelece entre eles. Dessemodo, fica claro que o simples contato físico não é suficiente para que haja interação social. Porexemplo, se alguém se senta ao lado de outra pessoa num ônibus, mas ambos não conversam, não estáhavendo interação social (embora a presença de uma das pessoas influencie, as vezes, um pouco ocomportamento da outra).Os contatos sociais e a interação, constituem, portanto, condições indispensáveis a associação humana.Os indivíduos se socializam através dos contatos e da interação social.A interação social pode ocorrer entre uma pessoa e outra, entre uma pessoa e um grupo ou entre umgrupo e outro:pessoa ↔ pessoapessoa ↔ grupoGrupo ↔ grupoA interação assume formas diferentes. A forma que a interação social assume chama-se relação social.Um professor dando aula tem um tipo de relação social com seus alunos, a relação pedagógica. Damesma forma, uma pessoa comprando e outro vendendo, estabelecem uma relação econômica. Alémdessas, as relações sociais podem ser políticas, religiosas, culturais, familiares e etc.A forma mais típica de interação social, é aquela em que há influência recíproca entre os participantes.Mas alguns autores falam de interação social quando apenas um dos elementos influência o outro. Issoacontece quando um dos polos de interação está representado por um meio de comunicação apenasfísico, como a televisão ou o livro. Ocorre, nesse caso, uma interação não recíproca. Neste tipo deinteração, apenas um dos lados influência o outro.
  5. 5. ESTRUTURA SOCIALPartindo da constatação de que os membros e os grupos de umasociedade e praticados entre si, a estrutura social refere-se à colocação eà posição de indivíduos e de grupos dentro desse sistema. Em outraspalavras, o agrupamento de indivíduos, de acordo com as posições queresultam dos padrões essenciais de relações de obrigação, constitui aestrutura social de uma sociedade (Cf. Brown e Barnett).A realidade social revela padrões, ou estruturas, que dá a cada um de nós,um sentido para o lugar ao qual pertencemos, o que se espera quefaçamos, e como nós devemos pensar e agir. Embora a realidade socialnão tenha a organização de uma colmeia, ela não deixa de ser organizada;se não o fosse, não saberíamos como agir, e constantemente ficaríamosincertos às prováveis reações dos outros. Sem estrutura, o mundo social éo caos. Desde que os homens deixaram a caça e a colheita como modo desubsistência, eles nunca mais alcançaram o mesmo equilíbrio entre aliberdade e a autonomia, por um lado, e a ordem e a estabilidade por outrolado. A vida social é um constante cabo de guerra entre o nosso desejo deser livre e a nossa necessidade de ser parte da estrutura social. Estruturasocial é, definitivamente, composta de status, que é o lugar que ocupamos,em um sistema de posições interligadas.
  6. 6. GRUPOS E SUBGRUPOS SOCIAISA interdependência humana significa basicamente o inter-relacionamento dosindivíduos por meio de suas ações sociais. Existe organização social namedida em que essa ações sejam orientadas por normas, que os indivíduospodem seguir ou desrespeitar. Na primeira hipótese, contribuem para mantera ordem social; na segunda, provocam a desordem.”O último aspecto da interdependência diz respeito ao conceito de gruposocial.O que é um grupo social? Para ser um grupo tem que:1. POSSUIR RELAÇÕES ESTÁVEIS E DURADOURAS.2. DEVEM TER EM CERTO GRAU RELAÇÕES DE COOPERAÇÃO. Podehaver situações de conflito mas é preciso ter um mínimo de cooperação emvistas a certos objetivos. Ex: os detentos podem viver em situação de conflitomas devem manter o mínimo de cooperação para suportar aquela situação.3. A cooperação diz respeito a existência de normas que orientem as açõesdos indivíduos.4. DISTINGUIR OS QUE FAZEM PARTE DELE, DAQUELES QUE NÃOFAZEM PARTE DELE.
  7. 7. STATOS E PAPEL SOCIALApesar de semelhantes, os conceitos de status e papel social definem duas coisas distintas nocampo de estudos da Sociologia. Por isso, precisamos saber qual a utilidade de cada um dessesconceitos e que tipo de informação eles nos repassam. Em primeiro lugar, é de suma importânciaapontar que tais conceitos são necessários para uma análise um tanto mais profunda da pirâmidesocial que organiza algumas coletividades.A ideia de status social está ligada às diferentes funções que um sujeito pode ocupar no interior dasociedade em que vive. Se o compreendermos como um sujeito oriundo das classes médias, porexemplo, podemos enxergar quais hábitos, vínculos e funções que podem definir seu status no meioem que vive. Para tanto, avaliamos qual tipo de posto de trabalho ocupado, os locais de lazerfrequentados, o partido político ao qual está filiado e sua posição no núcleo familiar.Para se estabelecer uma definição mais bem acabada sobre os diferentes tipos de status que umapessoa pode ter, os estudos sociológicos costumam grifar a existência de dois tipos de status: ostatus atribuído, em que alguém ocupa determinada posição independente de suas próprias ações(como “irmão mais velho” ou “filho de empresário”); e o status adquirido, situação em que a pessoaage em favor de certa condição (como “especialista” ou “criminoso”).Nesse momento, o conceito de papel social aparece justamente para explicar quais seriam osdireitos e deveres que uma pessoa tem ao ocupar um determinado status social. Dessa forma,vemos que o papel social envolve todo o tipo de ação que a própria sociedade espera no momentoem que um de seus integrantes ocupa certo status. Exemplificando de forma simples, podemos dizerque o médico deve salvar vidas, a mãe cuidar de seus filhos e o professor repassar conhecimentopara os alunos.
  8. 8. Na compreensão de algumas culturas, a relação entre o status e o papel social pode nosmostrar algumas diferenças bastante interessantes. Realizando um contraponto entre duassociedades, é possível analisar que indivíduos com status sociais semelhantes são levados a desempenhar diferentes funções. Um exemplo disso pode ser notado quando pensamos emum curandeiro de uma tribo indígena e o médico de alguma sociedade capitalista.Enquanto o primeiro vive em contato com a comunidade e se utiliza de rituais religiosos paracumprir a função de curar pessoas, esperamos que um médico esteja em um consultório e quedomine o uso de uma série de procedimentos científicos para realizar essa mesma tarefa.Assim, vemos que status e papel social são ferramentas teóricas de suma importância para odesenvolvimento de vasto leque de temas e objetos da Sociologia.Na compreensão de algumas culturas, a relação entre o status e o papel social pode nosmostrar algumas diferenças bastante interessantes. Realizando um contraponto entre duassociedades, é possível analisar que indivíduos com status sociais semelhantes são levados adesempenhar diferentes funções. Um exemplo disso pode ser notado quando pensamos em umcurandeiro de uma tribo indígena e o médico de alguma sociedade capitalista.Enquanto o primeiro vive em contato com a comunidade e se utiliza de rituais religiosos paracumprir a função de curar pessoas, esperamos que um médico esteja em um consultório e quedomine o uso de uma série de procedimentos científicos para realizar essa mesma tarefa.Assim, vemos que status e papel social são ferramentas teóricas de suma importância para odesenvolvimento de vasto leque de temas e objetos da Sociologia.
  9. 9. Mobilidade SocialA mobilidade social é um campo de estudo da sociologia bastante usado para acompreensão das formas pelas quais os diferentes grupos humanos diferenciam osintegrantes de uma mesma cultura. De forma mais específica, a mobilidade tem aimportante função de pensar as vias e possibilidades de troca, ascensão ou rebaixamentoque um determinado indivíduo possui no meio em que estabelece suas relações.Em algumas sociedades a questão da mobilidade é tida como inexistente, principalmentenaqueles casos em que a posição de um indivíduo é preservada ao longo de toda a suaexistência. Na ausência de mobilidade, alguns estudiosos costumam classificar umasociedade como estratificada. Um dos mais reconhecidos exemplos utilizados para essetipo de situação é observado no interior da sociedade feudal, onde clérigos, nobres eservos dispunham de uma mesma posição ao longo da existência.DESIGUALDADE SOCIALA chamada classe social nada mais é que a divisão depessoas feita a partir do seu status social e de outrosfatores ligados a ele. É resultado da forma com que aspessoas viviam desde o período da Idade Média quandohavia os estamentos, formação de camadas sociais,onde os senhores feudais e o clero eram “os indivíduosda classe alta", os servos “os indivíduos da classebaixa”, porém adaptadas à situação do seu momentohistórico.
  10. 10. Sociologia da Educação Ana Maria F. Almeida; Heloísa Helena T. de Souza MartinsA sociologia da educação é uma disciplina que estuda os processos sociais do ensino eda aprendizagem. Tanto os processos institucionais e organizacionais nos quais asociedade se baseia para prover educação a seus integrantes, como as relações sociaisque marcam o desenvolvimento dos indivíduos neste processo são analisados por estadisciplina.A Sociologia da Educação é a vertente da sociologia que estuda a realidadesocioeducacional e os processos educacionais de socialização. Tem como fundadoresÉMILLE DURKHEIM, KARL MARX e MAX WEBER. Durkheim é o primeiro a ter umaSociologia da Educação sistematizada em obras como Educação e Sociologia, A EvoluçãoPedagógica na França e Educação Moral.A Sociologia da Educação oportuniza aos seus pesquisadores e estudiosos compreenderque a educação se dá no contexto de uma sociedade que, por sua vez, é tambémresultante da educação. Também oportuniza compreender e caracterizar a inter-relaçãoser humano/sociedade/educação à luz de diferentes teorias sociológicas.A Associação Internacional de Sociologia possui o Comitê de Pesquisas em Sociologia deEducação desde 1971.No Brasil, um dos pioneiros na Sociologia da Educação foi Fernando Azevedo, signatáriodo Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova em 1932, responsável pela Reforma do Ensinono então Distrito Federal (1927). Foi ainda um dos intelectuais responsáveis pela fundaçãoda Universidade de São Paulo - USP em 1934.
  11. 11. O estudo de sociedades culturalmente diferentes oferece ferramentas importantes nestaanálise. O conhecimento de como diferentes culturas se reproduzem e educam seusindivíduos permite uma aproximação dos processos mais estruturais que compõem aeducação de uma forma mais ampla. A sociologia da educação é a extensão da sociologiaque estuda a realidade socioeducacional. Oportuniza aos pesquisadores compreender quea educação se dá no contexto da sociedade, e não apenas na sala de aula, caracterizandoa relação que há entre ser humano, sociedade e educação através de diferentes teoriassociológicas.Segundo Durkheim, a sociologia da educação serveria para os futuros professores parauma nova moral laica e racionalista, sem influência religiosa.A sociologia da educação começou a se consolidar por Marx e Engels, como o pensamentosobre as sociedades de seu tempo, criando uma relação de educação e produção. Asconcepções deles têm como início a revolução industrial, criando a educação politécnica,que combina a instituição escolar com o trabalho produtivo, acreditando que dessa relaçãonasceria um dos mais poderosos meios de transformação social.Em suma, a sociologia foi criada pela necessidade do sistema capitalista, fazendo a junçãodo conhecimento ao trabalho para assim ter uma obtenção maior de lucro no trabalho e naprodução.A importância da Sociologia para os futuros docentes está,especialmente, emfornecer-lhes instrumentos para a análise da sociedade, ajudá-los a pensar o lugar daeducação na ordem social e a compreender as vinculações da educação com outrasinstituições (família, comunidade, igrejas, dentre outras). Isso significa tornar mais claros oshorizontes de sua prática profissional e sua relação com a sociedade histórica econtemporânea.

×