CCAS. Agenda lotadae dezenas de artigospublicados em 2012.    https://www.facebook.com/pages/CCAS/269355233194146
CARTA AO LEITORO tempo passa muito rápido e nem nos damos conta de tudo aquilo que conseguimos realizar. 2012 foi um ano m...
SOBRE O CCASO Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 d...
CONSELHEIROS              Aluízio Borém de Oliveira                Angelo Zanaga Trapé              Antônio Roque Dechen  ...
ÍNDICEJANEIRO OS RESULTADOS DO PARA E SEGURANÇA ALIMENTAR: CONTRIBUIÇÃO DA CIÊNCIA E DA TOXICOLOGIA PARA SUA INTERPRETAÇÃO...
CALOR INSUPORTÁVEL E FOME....................................................................................................
OS GASES DO BOI: QUANTA BOBAGEM!.............................................................................................
NOVEMBRO MONITORAMENTO DA SAÚDE DE AGRICULTORES E TRABALHADORES AGRÍCOLAS PONTECIALMENTE EXPOSTOS A AGROQUÍMICOS – UM DESA...
JANEIRO     OS RESULTADOS DO PARA E SEGURANÇA ALIMENTAR:     CONTRIBUIÇÃO DA CIÊNCIA E DA TOXICOLOGIA PARA SUA     INTERPR...
OS RESULTADOS DO PARA E SEGURANÇA ALIMENTAR:       CONTRIBUIÇÃO DA CIÊNCIA E DA TOXICOLOGIA PARA SUA                INTERP...
ANVISA para que uma amostra seja “satisfatória” ou “insatisfatória” deve ser o limite máximo de resíduos de ingredientes a...
ALIMENTOS SEGUROSPor Décio Luiz Gazzoni, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Engenheiro Ag...
50% de probabilidade de ser afetado pelo agrotóxico. Outro aspecto muito importante a ressaltar é o contínuo aprimoramento...
A SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE GRÃOS   Por Dirceu N. Gassen, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável...
conhecimento, atitudes e parcerias para atender as demandas do mercado. O perfil do agricultor pro- prietário da terra e c...
SAIBA MAIS SOBRE O PROGRAMA PAULISTA DE AGRICULTURA DE        INTERESSE SOCIAL REGULAMENTADO ONTEM      Sustentabilidade s...
PRODUZIMOS ALIMENTOS SAUDÁVEIS Por José Otavio Menten, Presidente do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCA...
estabelecido é extremamente seguro, mesmo as amostras com resíduos acima do limite estabelecido,por apresentarem valores m...
OS SETE DESAFIOS DO AGRIBUSINESS – A JORNADA DOS                       PRÓXIMOS 10 ANOS Por José Luiz Tejon Megido, Direto...
safio para a gestão de toda a cadeia de valor, desde o antes, passando pelo dentro e pelo pós-porteiradas fazendas.O quint...
FEVEREIRO             QUEM VIVER VERÁ             TEMPESTADE EM COPO DE LARANJA FEVEREIRO22
QUEM VIVER VERÁPor Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor do Núcl...
Naturalmente, vamos encontrar opiniões de que o Código deveria ser mais restritivo do que a forma que tomou após a epopeia...
TEMPESTADE EM COPO DE LARANJAPor José Luiz Tejon Megido, Diretor Vice Presidente de Comunicação do Conselho Cientifico par...
manda, terminariam por paralisar a indústria daquele pais. Com certeza, trata-se de mais um tema onde a razão e o bom sens...
MARÇO  SACOLINHA: SER OU NÃO SERMARÇO                              27
SACOLINHA: SER OU NÃO SER Por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Profes...
Como se vê, muito da percepção de impacto ambiental das sacolinhas vem do desperdício, do des-carte incorreto e até de asp...
Nessa perspectiva, é imperativo mudar,edificar uma nova cultura e preparar um mundo novo. Assim contextualizado, o caso da...
ABRILAGRICULTURA SUSTENTÁVEL E AS TECNOLOGIASABRILCÓDIGO FLORESTAL: METAS E MÉTODOSDE SANTO A PECADOR, O MORANGO ÀS VEZES ...
AGRICULTURA SUSTENTÁVEL E AS TECNOLOGIAS                Por Aluízio Borém, membro do Conselho Científico para Agricultura ...
Uma outra tecnologia que muito tem contribuído para a sustentabilidade na agricultura é o Melhora-mento Genético. O Melhor...
CÓDIGO FLORESTAL: METAS E MÉTODOS Por Ciro AntonioRosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCA...
contínuos e corredores ecológicos é muito mais efetiva que fragmentos florestais deixados sem uso,muitas vezes em áreas se...
DE SANTO A PECADOR, O MORANGO ÀS VEZES GERA DÚVIDA NA                     CABEÇA DO CONSUMIDOR Por Luiz Carlos Bhering Nas...
MAIO  PROJETO CULTIVIDA: UM PROJETO DE SAÚDE PARA A POPULAÇÃO  RURAL BRASILEIRA  CALOR INSUPORTÁVEL E FOMEMAIO  SISTEMAS D...
PROJETO CULTIVIDA: UM PROJETO DE SAÚDE PARA A                  POPULAÇÃO RURAL BRASILEIRA Um Programa de Monitoramento da ...
As estatísticas oficiais apresentam um quadro que pode ter outra expressão que só é possível identifi-car na medida em que...
CALOR INSUPORTÁVEL E FOME Por Ciro Antonio Rosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e pr...
de futebol) pode fixar em torno de 1 tonelada de carbono por ano na região sul do Brasil, se o solofor bem manejado, se fo...
SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA:                           OBSTÁCULOS A SEREM VENCIDOS Por Ciro AntonioRosolem, membro do Co...
importante para se tentar melhorá-lo. Ainda, seria interessante que se viabilizasse o uso de mais legu-minosas no sistema,...
BOAS PRÁTICAS AGRONÔMICAS E AMBIENTAIS E OS                       PROFISSIONAIS NA AGRICULTURA     PorClaudio A. Spadotto,...
CÓDIGO FLORESTALPor José Luiz Tejon Megido, Diretor Vice Presidente de Comunicação do Conselho Cientifico para a Agricultu...
O SOLO É A PÁTRIA, CULTIVÁ-LO É ENGRANDECÊ-LA! Dia 15 de abril, dia nacional da conservação do solo. Por Antonio Roque Dec...
Maio/2012JUNHO   AGRICULTURA E BIODIVERSIDADE   DE QUEM É O AMBIENTE?   O CANARINHO VOLTOU   GESTÃO TERRITORIAL ESTRATÉGIC...
AGRICULTURA E BIODIVERSIDADE Por Ciro Antonio Rosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e...
tabelecido nestas áreas nos últimos séculos, com a reimplantação de florestas. Ou seja, qual o realbenefício desse enorme ...
DE QUEM É O AMBIENTE? Por Ciro Antonio Rosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e profes...
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Ccas anuario 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Ccas anuario 2012

1,655

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,655
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ccas anuario 2012

  1. 1. CCAS. Agenda lotadae dezenas de artigospublicados em 2012. https://www.facebook.com/pages/CCAS/269355233194146
  2. 2. CARTA AO LEITORO tempo passa muito rápido e nem nos damos conta de tudo aquilo que conseguimos realizar. 2012 foi um ano muitoimportante para o CCAS, pois conseguimos fazer muitas coisas importantes a favor da agricultura sustentável – razão precípuada existência de nosso conselho.Nossos conselheiros – empenhados, competentes e que tem muito a contribuir para a agricultura sustentável – estiverampresentes em vários eventos realizados em 2012 e redigiram muitos artigos ao longo do ano. Para tangibilizar nossa afirmaçãoorganizamos esta publicação: um relato com a participação em eventos e com dezenas de artigos publicados.Entre os diversos temas abordados por nossos articulistas estão: tecnologias e seus benefícios; produtos seguros e segurançana agricultura; slow food; boas práticas agrícolas; gestão territorial; biodiversidade; código florestal; etc.Desejamos uma leitura útil e prazerosa.Dezembro 2012.José Otávio MentenPresidente do Conselho Científico para Agricultura Sustentável
  3. 3. SOBRE O CCASO Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de2011,com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados asustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara,sobre o assunto.O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade,ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada,que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacampor suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas,para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem emconstrução, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores,pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação dasociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa sejam colocadosa disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.VISÃOValorizar e promover junto a sociedade a agricultura sustentávelMISSÃOPromover e difundir a agricultura sustentável em todas as etapas de seu processo produtivo.Zelar pela imagem do produtor rural brasileiro e de seus produtos derivados da agricultura sustentável, bem como pela: segu-rança alimentar, educação no campo, meio ambiente, cidadania e qualidade de vida da população brasileira.Promover e incentivar a educação, o uso de tecnologias que incrementem a produção agrícola e qualidade dos alimentos,fibras e energia produzidas de forma sustentável.VALORESO CCAS pautará suas ações dentro dos mais elevados níveis de: ética, transparência, integridade, respeito a diversidade,credibilidade e imparcialidade.Valorizar os profissionais e demais agentes que atuem em benefício e defesa da agricultura sustentável.
  4. 4. CONSELHEIROS Aluízio Borém de Oliveira Angelo Zanaga Trapé Antônio Roque Dechen Claudio A. Spadotto Ciro AntonioRosolem Coriolano Xavier Décio Luiz Gazzoni Dirceu N. Gassen Eduardo Peixoto Elbio Senna José Otavio Menten José Luiz TejonMegido Luiz Antonio Pinazza Luiz Carlos BheringNasser Luiz Carlos Corrêa Carvalho Luiz Madi Rumy Goto ASSESSORIA DE IMPRENSA Alfapress ComunicaçõesTatiana Barro de Freitas – Consultora de Comunicação tatiana.freitas@alfapress.com.br Julia Teixeira – Coordenadora de Comunicação julia.teixeira@alfapress.combr Alex Mattiuzzo – Gerente de Operações alex.mattiuzzo@alfapress.com.br Cid Luis – Diretor cid.luis@alfapress.com.br
  5. 5. ÍNDICEJANEIRO OS RESULTADOS DO PARA E SEGURANÇA ALIMENTAR: CONTRIBUIÇÃO DA CIÊNCIA E DA TOXICOLOGIA PARA SUA INTERPRETAÇÃO E COMPREENSÃO..............................................................11 ALIMENTOS SEGUROS................................................................................................................................13 A SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE GRÃOS......................................................................................15 SAIBA MAIS SOBRE O PROGRAMA PAULISTA DE AGRICULTURA DE INTERESSE SOCIAL REGULAMENTADO ONTEM............................................................................................................17 PRODUZIMOS ALIMENTOS SAUDÁVEIS.......................................................................................................18 OS SETE DESAFIOS DO AGRIBUSINESS – A JORNADA DOS PRÓXIMOS 10 ANOS.....................................20FEVEREIRO QUEM VIVER VERÁ......................................................................................................................................23 TEMPESTADE EM COPO DE LARANJA........................................................................................................25MARÇO SACOLINHA: SER OU NÃO SER...................................................................................................................28ABRIL AGRICULTURA SUSTENTÁVEL E AS TECNOLOGIAS.....................................................................................32 CÓDIGO FLORESTAL: METAS E MÉTODOS..................................................................................................34 DE SANTO A PECADOR, O MORANGO ÀS VEZES GERA DÚVIDA NA CABEÇA DO CONSUMIDOR...............36MAIO PROJETO CULTIVIDA: UM PROJETO DE SAÚDE PARA A POPULAÇÃO RURAL BRASILEIRA.........................38
  6. 6. CALOR INSUPORTÁVEL E FOME..................................................................................................................40 SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA: OBSTÁCULOS A SEREM VENCIDOS................................................42 BOAS PRÁTICAS AGRONÔMICAS E AMBIENTAIS E OS PROFISSIONAIS NA AGRICULTURA.........................44 CÓDIGO FLORESTAL...................................................................................................................................45 O SOLO É A PÁTRIA, CULTIVÁ-LO É ENGRANDECÊ-LA!...............................................................................46JUNHO AGRICULTURA E BIODIVERSIDADE..............................................................................................................48 DE QUEM É O AMBIENTE?..........................................................................................................................50 O CANARINHO VOLTOU...............................................................................................................................52 GESTÃO TERRITORIAL ESTRATÉGICA PARA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL.................................................54 A 150 KM POR HORA.................................................................................................................................56 A EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA BRASILEIRA E A RIO+20..........................................................................58 SEGURANÇA ALIMENTAR E AMBIENTAL NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA...........................................................60 FUNDAÇÃO AGRISUS COMPELTA 11 ANOS DE APOIO A AGRICULTURA SUSTENTÁVEL..............................62JULHO ESQUENTA OU NÃO ESQUENTA? E O QUE A AGRICULTURA TEM COM ISSO? ............................................65 TODOS OS OVOS NUMA CESTA SÓ............................................................................................................66 QUANDO O CARNAVAL CHEGAR.................................................................................................................67 SEGURANÇA NUTRICIONAL: A LIÇÃO COMPLETA.......................................................................................69 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS...................................................................................................................71AGOSTO O JECA INFORMATIZADO............................................................................................................................74
  7. 7. OS GASES DO BOI: QUANTA BOBAGEM!.....................................................................................................76 ONDE ATUAR PARA AUMENTAR A PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA?.................................................................78 A ARTE DO ENCANTAMENTO......................................................................................................................79 BRASIL, MAIOR PRODUTOR DE SOJA?.......................................................................................................81 BENEFÍCIOS DAS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA.................83 MANEJO DA FERRUGEM DA SOJA: CONTRUBUIÇÃO À SUSTENTABILIDADE DA PRODUÇÃO.....................85 SUSTENTABILIDADE: COBERTURA VERDE PARA REDUÇÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA........................88SETEMBRO 165 BILHÕES DE DÓLARES NO LIXO..........................................................................................................90 SEGURANÇA NUTRICIONAL E CAPITAL HUMANO.......................................................................................92 MOFO-BRANCO: IMPORTÂNCIA, DISSEMINAÇÃO E MANEJO DA DOENÇA EM LAVOURAS NO BRASIL......94OUTUBRO BIODIESEL DE ALGAS – O QUÊ, PORQUÊ E PARA QUEM? ..........................................................................97 O VELHO ARROZ COM FEIJÃO..................................................................................................................100 OS OBSTÁCULOS A SEREM SUPERADOS PELO AGRO..............................................................................102 QUANTO VALE O AMBIENTE?....................................................................................................................103 SACOLINHA: VOTO E ATITUDE...................................................................................................................105 SONHO, URGÊNCIA E ECONOMIA VERDE..................................................................................................107 INTEGRAÇÃO LAVOURA E PECUÁRIA – ILP...............................................................................................109 CÓDIGO FLORESTAL – CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.....................................110 NÃO TEM SEGREDO, O MILHO VAI EXPLODIR!..........................................................................................112 ENGENHEIRO AGRÔNOMO: AGRO SUSTENTÁVEL.....................................................................................114 CERRADOS: UM BIOMA QUE PRECISA SER PRESERVADO........................................................................116
  8. 8. NOVEMBRO MONITORAMENTO DA SAÚDE DE AGRICULTORES E TRABALHADORES AGRÍCOLAS PONTECIALMENTE EXPOSTOS A AGROQUÍMICOS – UM DESAFIO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO .......118 O BOI BANDIDO OU MOCINHO?................................................................................................................120 MAIS LEI, MENOS EMPREGO, MENOS TÉCNICA, MENOR SUSTENTABILIDADE.........................................123 COISAS DO SÉCULO XXI............................................................................................................................125 PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO NOS PRÓXIMOS 10 ANOS.........................................................................................................................127 SLOW FOOD: UM MOVIMENTO PELO ALIMENTO BOM, LIMPO E JUSTO..................................................129DEZEMBRO INTEGRAÇÃO, LAVOURA-PECUÁRIA, FLORESTA?.....................................................................................132 COORDENAÇÃO, LIDERANÇA E AMBIÇÃO................................................................................................134 FILMES DE PVC, PROTEÇÃO E RISCO ......................................................................................................136PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS EVENTO DE DIA DE CAMPO PROPÕE AÇÕES SUSTENTÁVEIS AOS...........................................................139 CCAS PROMOVE EVENTO PARA PROMOTORES DE MATO GROSSO........................................................139 CCAS PARTICIPA DO 1º ENCONTRO DO TRABALHADOR RURAL DE ARARAQUARA E REGIÃO.................140 CCAS PARTICIPA DA 3ª EDIÇÃO DO CROP WORLD SOUTH AMERICA 2012.............................................140 CCAS PARTICIPA DO ENCONTRO INTERNACIONAL DE MOFO BRANCO...................................................141 CCAS PARTICIPA DO CONGRESSO BRASILEIRO DE FITOPATOLOGIA........................................................141 CCAS PARTICIPA DO 3º SIMPÓSIO SOBRE RESISTÊNCIA A PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS......................142 CCAS DEBATE SOBRE OS DESAFIOS DA SOJA EM PASSO FUNDO/RS.....................................................142 CCAS PARTICIPA DE DEBATE SOBRE ALIMENTAÇÃO MUNDIAL EM BRASÍLIA/DF.....................................143
  9. 9. JANEIRO OS RESULTADOS DO PARA E SEGURANÇA ALIMENTAR: CONTRIBUIÇÃO DA CIÊNCIA E DA TOXICOLOGIA PARA SUA INTERPRETAÇÃO E COMPREENSÃO ALIMENTOS SEGUROS A SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE GRÃOS SAIBA MAIS SOBRE O PROGRAMA PAULISTA DE AGRICULTURA DE INTERESSE SOCIAL REGULAMENTADO ONTEM PRODUZIMOS ALIMENTOS SAUDÁVEIS OS SETE DESAFIOS DO AGRIBUSINESS – A JORNADA DOS PRÓXIMOS 10 ANOS10
  10. 10. OS RESULTADOS DO PARA E SEGURANÇA ALIMENTAR: CONTRIBUIÇÃO DA CIÊNCIA E DA TOXICOLOGIA PARA SUA INTERPRETAÇÃO E COMPREENSÃO Por Prof. Dr. Angelo Zanaga Trapé; membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Coordenador da Área de Saúde Ambiental, Coordenador do Programa de Monitoramento de Populações Expostas a Agrotóxicos, Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Ciências Médicas-Unicamp.Em Dezembro de 2011 a ANVISA, divulgou os resultados do PARA, Programa de Análise de Resíduosde Agrotóxicos em Alimentos Na divulgação feita em rede nacional pela mídia a ANVISA informou queforam realizadas análises em 2488 amostras de diversos produtos da hortifruticultura para variadosingredientes ativos (i.as.) que compõem os agrotóxicos.Do total das amostras analisadas segundo a ANVISA, 28% ou seja, 694 apresentaram-se insatisfatóriassendo que o pimentão foi o principal alimento com maior índice de amostras insatisfatórias, perto de91%.Para entendermos o significado do parâmetro “insatisfatório” da agência e podermos interpretar osresultados de maneira científica é preciso que a base da avaliação seja a metodologia científica em Toxi-cologia (disciplina da Ciência que estuda os efeitos dos agentes químicos em geral nos seres vivos).A metodologia em Toxicologia tem como princípio básico para qualquer substância química (medica-mentos, produtos industriais, metais pesados, agrotóxicos), a relação DOSE=RESPOSTA, ou seja,para haver uma resposta nos organismos vivos seja ela benéfica ou não é necessário haver a absorçãode uma dose capaz de determinar alguma alteração do organismo boa ou ruim.A Toxicologia moderna ainda mantém o ensinamento de Paracelsus, médico belga que iniciou osconhecimentos científicos nessa disciplina há mais de 500anos: “A dose faz o remédio, a dose faz oveneno”. Portanto não é qualquer dose ou resíduo de uma substância química, no caso os agrotóxicos,que pode ser capaz de determinar alterações prejudiciais nos seres humanos seja de curto, médio oulongo prazo. A Clínica e a Epidemiologia em Toxicologia nos ensinam isto.No caso dos alimentos, as agências internacionais que regulam níveis de resíduos de substânciasquímicas em alimentos ingeridos “In natura” ou processados estabelecem há muitas décadas valores,níveis aceitáveis dessas substâncias (conservantes, corantes, realçadores de sabor, agrotóxicos) semcausar danos à saúde humana pelo consumo cotidiano desses alimentos durante a vida.Para os alimentos analisados pelo PARA, o parâmetro que deve ser respeitado pela agência reguladora 11
  11. 11. ANVISA para que uma amostra seja “satisfatória” ou “insatisfatória” deve ser o limite máximo de resíduos de ingredientes ativos (i. as.) em um determinado alimento, os chamados LMRs, abaixo dos quais não há preocupação em termos de saúde pública. Voltando aos resultados do PARA de 2010, temos que 28% das amostras, ou seja, 694 foram consid- eradas “insatisfatórias” pela agência, porém quando analisamos cientificamente os dados vemos que deste total, somente 42 ou 1,7% das 2488 amostras tinham algum resíduo acima do parâmetro aceito internacionalmente, o limite máximo de resíduo, LMR. A maior parte 605 amostras ou 24,3% eram detecções de i.as. não registrados para aquela cultura, mas com registro para outras culturas no país. Avaliando os alimentos realçados pela agência e pela mídia, como os mais “contaminados”, temos o seguinte: 1º) Pimentão- segundo ANVISA, 91% de 146 amostras “insatisfatórias”, porém 84,9% com detecção de i.as. não registrados para a cultura, mas abaixo dos LMRs quando comparadas com os valores estabelecidos para culturas semelhantes. Amostras com detecção acima do LMR-0,00% segundo o relatório da ANVISA. 2º) Morango- segundo ANVISA, 64,3% de 112 amostras “insatisfatórias”, porém 51,8% com detecção de i.As. não registrados para a cultura, mas abaixo dos LMRs quando comparadas com os valores estabelecidos para culturas semelhantes. Amostras com detecção acima do LMR- 3 ou 2,7% segundo o relatório da ANVISA. 3º) Pepino- segundo a ANVISA, 57,4% de 136 amostras “insatisfatórias”, porém 55,9% com detecção de i.as. não registrados para a cultura, mas abaixo dos LMRs quando comparadas com os valores estabelecidos para culturas semelhantes. Amostras com detecção acima dos LMRs - 2 ou 1,5%. 4º) Alface- segundo a ANVISA, 54,2% de 131 amostras “insatisfatórias, porém 51,9% com detecção de i.as. não registrados para a cultura, mas baixo dos LMRs quando comparadas com os valores estabe- lecidos para culturas semelhantes. Amostras com detecção acima dos LMRs- 0,00%. 5º) Cenoura- segundo a ANVISA, 49,6% de 141 amostras “insatisfatórias”, porém 48,9% com de- tecção de i.as. não registrados para a cultura, mas abaixo dos LMRs quando comparadas com os valores estabelecidos para culturas semelhantes. Amostras com detecção acima dos LMRs- 0,00%. Este problema é fitossanitário, de extensão de uso de um agrotóxico de uma cultura para outra(s) e não de saúde pública, pois o parâmetro que deveria ser respeitado pelo órgão regulador, o LMR não foi ultrapassado. Mesmo nos casos de culturas onde ocorreu detecção de resíduos acima dos LMRs pelo relatório, os valores são muito baixos e tem como unidades de valor miligramas do i.a., por Kilo do ali- mento. Do ponto de vista de saúde à luz do método em Toxicologia, principalmente DOSE=RESPOSTA, os valores são muito baixos não indicando riscos para a população consumidora desses alimentos em curto, médio ou longo prazo. Como conclusão, fazendo uma leitura dos resultados do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóx- icos em Alimentos-PARA da ANVISA, com base na metodologia científica que deve sustentar qualquer estudo, relatório, norma ou portaria, principalmente de uma agência reguladora nacional, podemos dizer que os alimentos analisados em 2010 mostraram uma adequada segurança química, indicando à população brasileira tranquilidade para o consumo desses alimentos. Janeiro/201212
  12. 12. ALIMENTOS SEGUROSPor Décio Luiz Gazzoni, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Engenheiro Agrônomo, pes- quisador da Embrapa Soja.Em meados de dezembro de 2011, a ANVISA liberou o resultado das análises de 2.488 amostras deagrotóxicos em frutas e hortaliças, coletadas em pontos de comercialização, como parte do Programade Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA). Os resultados mostraram quão segurossão os alimentos consumidos pelos brasileiros, pois apenas 5 amostras (0,2%) apresentavam limitesde resíduos acima do permitido. O leitor deve pensar que eu estou confundindo as coisas pois, nadivulgação efetuada pela mídia, 91% das análises de pimentão; 64% dos morangos; 57% do pepino;54% da alface e 49% da cenoura foram consideradas “insatisfatórias” pela ANVISA.Aí está o cerne da questão. Em Ciência não existe “insatisfatória”. Os três parâmetros da Ciência daToxicologia, que se aplicam ao caso são: 1) Dose Letal 50 (LD50) – é a dose que mata 50% das co-baias em testes científicos; 2) Limite máximo de resíduos (LMR) - quantidade máxima de agrotóxicolegalmente aceito no alimento,em decorrência da aplicação adequada de uma substância química (se-guindo todas as Boas Práticas Agronômicas), desde sua produção até o consumo; 3) Ingestão DiáriaAceitável (IDA) – quantidade máxima do agrotóxico que, ingerida diariamentedurante toda a vida, nãooferece risco à saúde, à luz dos conhecimentos científicos atuais. No caso do PARA, apenas 0,2% dasamostras ultrapassaram o LMR, estabelecido pela própria ANVISA.Como se estabelece o LMR? É o valor máximo de resíduo de agrotóxico admitido legalmente em umalimento que, levando em consideração a Ingestão Diária Aceitável (IDA), não oferece risco à saúde, àluz dos conhecimentos atuais, mesmo se ingerido por toda a vida.Como se estabelece a IDA? Em testes científicos, considera-se a maior dose que não causou alter-ações metabólicas perceptíveis, nos organismos em teste. Estabelecida esta dose, ela é dividida pelofator 100, ou seja, a IDA representa apenas 1% da dose que não causou qualquer problema de saúdeem cobaias, nos experimentos científicos.Vamos a um exemplo prático: Imaginando que um agrotóxico aplicado em maçã tenha LD50 muito alta(seja altamente tóxico), equivalente a 500mg/kg de peso vivo e que o limite máximo de resíduo (LMR)seja de 0,05mg/kg de maçã. Para atingir 50% de probabilidade de intoxicação de uma população depeso médio de 70kg, seria necessário ingerir 35.000mg/pessoa. Como o resíduo é de 0,05mg/kg demaçã, esta pessoa deverá consumir 700 toneladas de maçã. Se ela ingerir apenas maçãs, à razão de2kg/dia, seriam necessários quase 1.000 anos para atingir a dose que, teoricamente, poderia conferir 13
  13. 13. 50% de probabilidade de ser afetado pelo agrotóxico. Outro aspecto muito importante a ressaltar é o contínuo aprimoramento dos métodos de análise e dos equipamentos de detecção de resíduos, que permitem identificar substâncias na ordem de uma parte por trilhão (1ppt). Fazendo uma analogia, 1pptseria o equivalente a identificar a presença de uma determinada substância química, em que apenas uma gota dela foi lançada em uma piscina cheia de água, tendo esta piscina dimensões de 1.000 m de comprimento por 1.000 m de largura e com profundidade de 50 metros. Ou seja, quanto mais precisos forem os métodos de análise e detecção de resíduos de substâncias químicas, mais amostras serão consideradas “insatisfatórias”, o que não é um conceito científico, e não guarda qualquer correlação com impacto benéfico ou adverso desta sub- stância, sobre um organismo vivo. Dito de outra forma, esta classificação (satisfatória ou insatisfatória) é inútil, e não tem qualquer significado científico ou prático. Como conclusão, fazendo uma leitura dos resultados do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóx- icos em Alimentos-PARA da ANVISA, com base na metodologia científica que deve sustentar qualquer estudo, relatório, norma ou portaria, principalmente de uma agência reguladora nacional, podemos dizer que os alimentos analisados em 2011 mostraram uma adequada segurança química, indicando à população brasileira tranquilidade para o consumo desses alimentos. Janeiro/201214
  14. 14. A SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE GRÃOS Por Dirceu N. Gassen, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Engenheiro Agrônomo.A evolução e as mudanças na agricultura dos últimos 20 anos, com o plantio direto, a biotecnologia, aautomatização de equipamentos, a agricultura de precisão e eficiência nos processos para o aumentona produção, resultaram em avanços tão importantes quanto os que ocorreram em vários séculos,incluindo o trator e a revolução verde.Além da evolução na tecnologia, podem ser citadas as significativas mudanças políticas. No passado,as nações controlavam a produção e os estoques, com o pensamento na subsistência familiar e nagarantia de disponibilidade de alimentos. As mudanças com a perestróica e o glasnost (reestruturaçãoe transparência), a abertura de mercados, a livre competição e a queda de tensões de guerras entre asgrandes potências, aceleraram as mudanças na agricultura.A necessidade de evoluir e adaptar-se às demandas do mercado, com maior eficiência nos processosde produção, resultaram em inovações tecnológicas e, em um novo perfil de agricultor e de negóciosna agricultura. A lógica predominante é a competição com os melhores em qualquer parte do mundo.A agricultura deixa de ser um negócio de proprietários, protegida pelo Estado, para ser parte de umacadeia de produção de alimentos regida pelo mercado, pela qualidade dos produtos, com base naadoção de boas práticas agrícolas. E o modelo preconizado é o da sustentabilidade com a rastreabi-lidade.A sustentabilidade objetiva a qualidade de vida, sem esgotamento de recursos naturais e sem gerarcontaminantes não assimiláveis pela natureza, reconhecendo a coexistência das gerações futuras.A partir dos anos 90, a agricultura passou a ser um “livro aberto”, envolvendo a eficiência na produção,menor impacto sobre o ambiente, padrões na qualidade dos produtos, comprometimentos sociais e acertificação como estratégica de controle do consumidor.A produção com base em boas práticas agrícolas preconizadas e padronizadas pela FAO é definidacomo o núcleo da agricultura moderna, integrando num só conceito as exigências agronômicas e asde mercado. Tem como objetivo obter produtos saudáveis, livres de contaminações químicas, físicasou biológicas, orientadas por diretrizes documentadas (certificáveis) e recomendações de caráter geralcontemplando todas as atividades e insumos relacionados aos sistemas de produção. Ou seja, fazeras coisas bem e dar garantias disso.A sustentabilidade na produção de grãos tem a sua base na rentabilidade e nos impactos sobre re-cursos naturais e consequências sociais. O agricultor tem a propriedade da terra, porémdepende de 15
  15. 15. conhecimento, atitudes e parcerias para atender as demandas do mercado. O perfil do agricultor pro- prietário da terra e com o domínio dos seus recursos naturais mudou para um gestor da produção de alimentos e guardião da natureza. Hoje o agricultor deve ser um profissional habilitado para a gestão com apoio de especialistas comprometidos com a sustentabilidade na cadeia de produção de alimen- tos. Daí a evidência de que a rentabilidade em agricultura é resultado da aplicação de conhecimento por hectare. Envolvendo aspectos técnicos com metas no aumento da produção por unidade de área e na eficiência de uso dos recursos naturais. Janeiro/201216
  16. 16. SAIBA MAIS SOBRE O PROGRAMA PAULISTA DE AGRICULTURA DE INTERESSE SOCIAL REGULAMENTADO ONTEM Sustentabilidade social no agro: acesso aos mercadosPor José Otavio Menten, Presidente do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Eng. Agrônomo, Mestre e Doutor em Agronomia, Pós-Doutorados em Manejo de Pragas e Biotecnologia, Professor Associado da USP/ESALQ.A sustentabilidade é fator essencial no sucesso de qualquer empreendimento, inclusive no agro. Comooutras atividades profissionais, o lucro é necessário para que se tenha vida longa. Necessário, mas nãosuficiente. Aspectos ambientais são, reconhecidamente, fundamentais.A sustentabilidade social acaba de se expressar na criação do Programa Paulista da Agricultura deInteresse Social, que foi regulamentado em solenidade realizada em 24 de janeiro (ontem), no Paláciodos Bandeirantes, em São Paulo.Os pequenos agricultores são os responsáveis por 70% da produção de alimentos no Brasil. São mil-hões de agricultores que sabem produzir, mas tem dificuldades em comercializar a produção e auferirlucros. A iniciativa do Governo do Estado de São Paulo de facilitar a aquisição de alimentos produzidospelos pequenos agricultores, para atender a demanda de instituições públicas, é um marco.Hospitais, escolas, presídios, etc. têm que comprar alimentos diariamente, seguindo a legislação.Através da Lei 14.591/20011 é possível comprar dos pequenos produtores sem licitação. Isto é umagarantia de mercado. Todo agricultor, inclusive os pequenos, sabem que a primeira etapa para defini-rem o que vão plantar, é saber se há procura pelo produto. Agora, sabendo que tem um mercadoseguro, podem planejar a produção.Certamente será necessário aprimorar a assistência técnica. O produtor tem que se responsabilizar ementregar para seus consumidores de acordo com a necessidade. Isto exige tecnologia e capacitação.Agora, a assistência técnica tem que melhorar.Janeiro/2012 17
  17. 17. PRODUZIMOS ALIMENTOS SAUDÁVEIS Por José Otavio Menten, Presidente do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Eng. Agrônomo, Mestre e Doutor em Agronomia, Pós-Doutorados em Manejo de Pragas e Biotecnologia, Professor Associado da USP/ESALQ. A principal necessidade básica da humanidade é o alimento. Por esta razão, a SEGURANCA ALIMEN- TAR sempre foi prioridade. Todas as nações, povos e indivíduos se preocupam com a quantidade de alimento produzido e disponibilizado para o consumo. Entretanto, cada vez mais, também há preocu- pação com a qualidade do alimento consumido. Qualidade envolve tanto as características nutricionais como a sanidade dos alimentos. Por isso, ALIMENTO SEGURO também passou a ser prioridade. É possível promover a saúde aprimo- rando a alimentação. Este é um dos fatores responsáveis pela vida mais longa e saudável das pessoas. A dieta balanceada e constituída de alimentos adequados é cada vez mais assimilada. No Brasil há necessidade, por exemplo, de aumentar o consumo de frutas e hortaliças. Entretanto, notícias como a que foi divulgada recentemente no Jornal Nacional e no Fantástico sobre a qualidade dos alimentos, prejudica o consumo de hortifruti. A notícia foi baseada em Relatório da ANVISA/Ministério da Saúde. Ficou a imagem que as frutas e hortaliças disponibilizadas a população brasileira estão contaminadas por agrotóxicos e que são prejudiciais a saúde. É importante realizar o monitoramento de resíduos de defensivos agrícolas em alimentos. Mas é funda- mental interpretar os dados obtidos cientificamente e divulgar para a sociedade de forma conveniente. O que interessa para o consumidor é se os alimentos são saudáveis. Do ponto de vista toxicológico, preocupação deve existir apenas quando o resíduo estiver acima do limite estabelecido cientificamente. Existe ciência envolvida em todo o processo, desde o desenvolvimento dos defensivos agrícolas, pas- sando por rigorosos estudos sobre seus efeitos no homem, até sua aprovação pelo governo. Defensi- vos aprovados são seguros e, utilizados por agricultores bem preparados, contribuem para a produção de alimentos saudáveis. É isto que o monitoramento vem demonstrando e, infelizmente, foi distorcido. Apenas 3,6% das amostras analisadas no Brasil em 2010 estão com resíduos de defensivos acima do limite estabe- lecido. Estamos em condições semelhantes a da Europa, América do Norte e Ásia. Como o limite18
  18. 18. estabelecido é extremamente seguro, mesmo as amostras com resíduos acima do limite estabelecido,por apresentarem valores muito baixos, não oferecem risco para a população.Sob o ponto de vista químico, as frutas e hortaliças produzidas no Brasil são saudáveis. As notíciasveiculadas não devem interferir no consumo, assim como não devem servir de barreiras a exportação,que deve se ampliar com a conquista de novos mercados.Sob o ponto de vista agronômico, fica claro que devemos continuar aprimorando processos deprodução, incluindo mais assistência técnica, visando a incorporação de todas as boas práticas agrí-colas geradas pela pesquisa brasileira e mundial.Janeiro/2012 19
  19. 19. OS SETE DESAFIOS DO AGRIBUSINESS – A JORNADA DOS PRÓXIMOS 10 ANOS Por José Luiz Tejon Megido, Diretor Vice Presidente de Comunicação do Conselho Cientifico para a Agricultura Sustentável (CCAS), Dirige o núcleo de agronegócio da ESPM, Comentarista da Rede Estadão-ESPN. Com muito mais sensores sendo inventados e usados no mundo, passamos a auscultar, medir e sa- ber coisas que ignorávamos. Mais rastreabilidade, mais análise sensorial, lá vamos no agrobusiness com um dos desafios entre os sete, de significativa importância e predominância: o reino de avatar. Uma geração de clientes e consumidores cada vez mais sensíveis e sensibilizados pelas informações da sustentabilidade em todos os níveis. A Coca-Cola manda analisar os lotes de suco de laranja que recebe para processar seus refrigerantes e detecta resíduos de Carbendazin, por exemplo. Esse defensivo é usado para o controle da pinta preta na laranja. Ela fica antiestética, porém o aspecto de saudabilidade passa a contar. E se tem algo que a Coca-Cola e todos os processadores e redes de varejo do mundo não querem, é ter problemas com reclamações e riscos de saúde dos seus clientes. Portanto, estabelece-se a discussão: os técnicos vão debater se 0,03 ppm na laranja são nocivas ou não, por que o Japão aceita 3 ppm e a Europa 0,2 ppm e o que vão fazer com os Estados Unidos por ter na sua regra zero ou 0,01 ppm, o que é praticamente zero? Um desafio crescente é exatamente esse dos sensores e ampliação da sensibilidade e de baixíssimos limiares à questão da saúde humana e do planeta. O segundo desafio é sobre as terras agricultáveis. O mundo precisará dobrar sua oferta de alimentos e de energia renovável. Os dados da FAO dizem que 70% desse aumento virá da tecnologia, 10% da intensidade de ciclos agrícolas na mesma área e os restantes 20%, esses sim advindos de novas áreas agrícolas. Quer dizer, terra passou a valer ouro. A expansão de novas fronteiras ficou limitada e a relação de posse das terras agricultáveis muda de figura, sendo um dos ativos que mais valorizaram no mundo nos últimos cinco anos. O Brasil ao lado do Sudão, na África, são as duas reservas maiores do planeta, nesse quesito. O terceiro desafio é o da população: gente. Crescemos à proporção de quatro novos nascimentos por segundo. Seremos 9 bilhões, já somos 7 bilhões. E esse novo habitante está completamente conectado e interligado. A internet amplia a ética situacional do passado e, além das conexões via celular, computador, televisores, ela vem aí agora na nova internet das coisas. Quer dizer, no chuveiro, no micro-ondas, no fogão, no carro, etc. O quarto desafio é não só a produção alimentar, que deve dobrar, mas a qualidade da mesma. Matérias-primas produzidas a partir do campo passam a importar cada vez mais na análise percebida das marcas dos processadores e distribuidores de alimentos, fibras, energia, proteínas e demais derivados do agronegócio. Alimento e energia, sua produção, distribuição e percepção pelos mercados interconectados se transformam em um novo de-20
  20. 20. safio para a gestão de toda a cadeia de valor, desde o antes, passando pelo dentro e pelo pós-porteiradas fazendas.O quinto desafio é a inovação, a adoção, a gestão da tecnologia e seu ciclo de vida. O problema não émais contar com uma tecnologia avançada, a necessidade é que precisamos contar com mais do queuma. Essa diversidade tecnológica de ponta vai exigir de agricultores, da indústria química, mecânica,da genética e dos processadores um nível de diálogo on-line. A área acadêmica, a escola e a pes-quisa pública não resistirão à ausência de velocidade, bem como a governança do agronegócio serácada vez mais fundamentada nos conselhos setoriais. Na tecnologia, as reservas dos germoplasmaslocais serão fator de gestão de risco e de segurança ambiental, político e de interesse nacional. Osexto desafio é a questão: quem será o produtor rural em 2022? Daqui a 10 anos, quem será, comoserão, quantos existirão? Quais os segmentos, os nichos? Quais as competências desse novo quadrohumano de produtores para os próximos 10 anos? O presente passou a ser o resultado do futuro.O que já temos agora, quais os sinais que já captamos neste instante que nos revelam a jornada e ajanela do amanhã? Antever os movimentos é um desafio essencial para todos os agentes envolvidosno agrobusiness e que será fundamental para a construção de brands que resistam ao tempo. Produtoé o que fazemos na indústria ou no campo, marca é aquilo que construímos na mente apaixonada dosseres humanos. E se o produtor é esse universo a ser revisto, incluindo a imprevisibilidade cíclica domundo, no qual numa crise europeia, por exemplo, começamos a assistir a um êxodo ao contrário:urbanos abandonam as cidades e iniciam novos negócios no campo; as velhas “quintas” passam aser vistas como fontes de qualidade de vida e também de empreendedorismo; se isso tudo configurauma das questões que mais intrigam os atuais executivos gestores do agronegócio, entra aqui o sétimodesafio: marketing. O velho e bom marketing: agronegócio sem marketing é só agro, sem negócio -que significa colocar a mente humana de todos os stakeholders no centro das mesas de decisões dosnegócios e do agronegócio. O quanto sabemos desse exército de novos clientes oriundos da baseda pirâmide planetária? Desses atuais 7 bilhões, praticamente a metade é de novos entrantes. Se omacarrão, por exemplo, tem penetração e capilaridade em 100% das residências do Brasil e somoso terceiro maior mercado do mundo nas massas é agora com a ascensão da classe C, quase 100milhões de consumidores ávidos pela vontade consumista, que começou ver a penetração das novasmassas recheadas. Do espaguete ao canelone é a jornada que já está em veloz penetração. E, damesma forma, nas carnes, leite, hortifruti, fibras, cana, cacau, arroz ou seringueiras.Terra, pessoas, alimento e energia, o reino de avatar, tecnologia, o produtor do futuro e o marketing.A síntese dos sete desafios do agrobusiness. Como será 2022? Dez anos à frente do nosso tempo?O diálogo com a sociedade é fator sine qua non por parte de todos os agentes envolvidos no agronegó-cio, e construir empresas com uma nova inteligência pedagógica passa a ser vital. Na educação antigaéramos levados a primeiro pensar, depois fazer e, se desse um dia na vida, sentir. A expressão lúdica,moderna, começa pela arte do fazer; ao fazer, sentimos e, ao sentir, pensamos. Essa prudência é sa-grada para não cairmos nos grandes erros das decisões de líderes bem-intencionados, mas que caemno pecado das distrações. A velocidade mudou, é quase instantânea. E todos esses sete macro-desafios do agrobusiness precisam estar embalados pela altíssima velocidade de um novo híbrido: faz,sente e pensa.Janeiro/2012 21
  21. 21. FEVEREIRO QUEM VIVER VERÁ TEMPESTADE EM COPO DE LARANJA FEVEREIRO22
  22. 22. QUEM VIVER VERÁPor Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing.A epopéia do Código Florestal (PL 1876/99) parece estar chegando ao fim, depois de incendiar de-bates em plenários, no campo e na mídia. Neste momento, vivemos a expectativa da sua votaçãofinal. Depois de muita polêmica, o texto revisado pelos senadores (dezembro de 2011) saiu com váriasmodificações, entre elas aspectos como: detalhamento sobre a recuperação das margens dos rios,agora com faixas fixadas de 30 a 100 m para rios com mais de 10m de largura; fixação de APPs empropriedades maiores (entre 30 e 100m); legislação específica para a agricultura familiar (com apoiotécnico e incentivo financeiro para preservar/recuperar a vegetação nativa).O CCAS – Conselho Científico de Agricultura Sustentável foi ouvir as pessoas, tanto entre seus mem-bros, como entre gestores do agronegócio, para sentir a percepção que ficou da nova Lei. Ouviraminformalmente produtores, executivos, pesquisadores, agrônomos -- e o balanço é mais ou menos oseguinte: para o pequeno produtor, o Código representa a resolução de um passivo ambiental quevem de anos (gerado em outro contexto econômico e legal) e que poderia, em tese, até inviabilizar suaatividade, dependendo o alcance do rigor protecionista da lei. Entre os médios e grandes produtoreshaverá a necessidade de se ajustar a uma legislação mais rigorosa, que se alinha a uma nova tendên-cia de sustentabilidade -- bem mais ampla do que o simples preservacionismo de hoje e envolvendoquestões sociais, ambientais e econômicas. Ou seja, passamos a ter uma política bem mais clara comrelação à interação entre meio ambiente e agronegócio, sinalizando para a sociedade a busca por umposicionamento de equilíbrio e responsabilidade ambiental na produção de alimentos, na perspectivade uma agricultura mais sustentável. Agora vem a pergunta: e se a lei não for aprovada?Dar sobrevida à lei antiga é ficar com uma base legal ultrapassada, com gargalos de funcionalidadejurídica e prática. Pode trazer a ideia de que há um vazio legal e os espertalhões de plantão podem seaproveitar e ampliar a razia florestal -- como, aliás, já aconteceu antes, sem fiscalização eficiente ou comfiscalização marcada por fins políticos ou mecanismos de troca de interesses. Tem mais: para os agri-cultores com a cabeça no século XXI, que sabem do valor da proteção ambiental para a sobrevivênciado negócio, pode significar o fantasma de uma legislação tecnicamente incoerente, não isenta e nãoobedecida por muitos. Um risco de descrédito legal, que pode inclusive inibir a exploração de novasáreas (cerrado/pastagem). 23
  23. 23. Naturalmente, vamos encontrar opiniões de que o Código deveria ser mais restritivo do que a forma que tomou após a epopeia dos debates na sociedade e nas casas legislativas federais. Uma lei com menos ranço de “plantation” e de “neocolonialismo”, como advogam seus opositores mais combativos – tanto cidadãos como organizações da sociedade civil. Provavelmente, o tempo vai pedir um debate com maior profundidade no Brasil. Quem viver verá. Fevereiro/201224
  24. 24. TEMPESTADE EM COPO DE LARANJAPor José Luiz Tejon Megido, Diretor Vice Presidente de Comunicação do Conselho Cientifico para a Agricultura Sustentável (CCAS), Dirige o núcleo de agronegócio da ESPM, Comentarista da Rede Estadão-ESPN.Começamos o ano com a ameaça de termos parte da produção do suco cítrico brasileiro proibido deingressar nos Estados Unidos. Trata-se, neste caso, de uma “tempestade em copo de laranja”. Primeiroque os Estados Unidos, representa 15% do consumo brasileiro. 85% da nossa produção vai para outrosmercados. Do ponto de vista da segurança alimentar, a produção brasileira segue os rígidos padrões inter-nacionais e atuamos dentro da lei. Tanto internacional, como local. O fungicida Carbendazin atua contra apinta preta, que deixa a laranja não estética. O “codex alimentar” aceita universalmente em torno de 1.000partes por bilhão dos resíduos desse químico. Exportamos para a Europa que tolera 200 partes; o Canadá1.000. O Ministério da Agricultura do Brasil determina até 5.000 partes por bilhão e o Japão aceita até3.000. Os Estados Unidos aceitavam da mesma forma até 2009, quando numa intervenção da EPA, aagência ambiental, definiram tolerância zero nesse item.Porém, continuaram recebendo as produções brasileiras, que apresentam em média indicadores em tornode 30 partes por bilhão. A pulverização do Carbendazin foi proibida nos Estados Unidos, mas o tema nãofoi incluído nos registros do Safety Concern, tanto é que o produto continua sendo usado pelos americanosna produção de maçã, pêssego, morango e outros. A proibição foi exclusiva para a citricultura americana.O assunto atual é que uma companhia processadora levantou a questão para o FDA, que lendo a novaregra, informou que a tolerância era zero. Essa nota foi levantada e a indústria brasileira já esteve em reuniãocom os técnicos americanos, para condução da questão em vias racionais. Isso quer dizer, aceitar dentrodas faixas atuais em torno de 30 partes por bilhão.O mais grave da história, não é o aspecto técnico do assunto é o problema do ponto de vista de marketing.O suco de laranja vem caindo á média de 1,6 % seu consumo nos últimos anos, e na década passadacaiu 25% nos Estados Unidos, o maior mercado consumidor do mundo, representando isoladamente 40%do globo.Claro que uma noticia dessas, correndo o mundo e envolvendo o público leigo sobre o assunto, só iráferir ainda mais as ações de retomada de mercado que o ramo já realiza agora junto aos consumidores.Inclusive a CitrusBr que age com uma campanha de comunicação na Europa, sendo bem recebida: “I feelorange”.Sobre a possibilidade de não vendermos para os Estados Unidos, considero impossível, pois 80% do sucoamericano é “blindado“ com a produção brasileira. A curto prazo haveria estoque para a oferta americanacontinuar, mas a médio e longo prazo os efeitos de alta nos preços e a escassez da oferta versus a de- 25
  25. 25. manda, terminariam por paralisar a indústria daquele pais. Com certeza, trata-se de mais um tema onde a razão e o bom senso irão prevalecer. O que vale para a indústria citrícola é criar de fato o CONSENCITRUS, colocando seus agentes todos em harmonia, e con- tinuar vendendo mais, como o ocorrido em 2011, com negócios de cerca de US$ 2.200 bilhões, o recorde nos últimos 10 anos. Além disso, é vital aproximar o setor da ciência e da pesquisa brasileira objetivando sustentabilidade real e factível; continuar com maior ênfase fazendo marketing e melhorando o seu nível de diálogo com a sociedade, caso contrário sempre haverá o risco de “tempestades em copos de laranja“, terem a possibilidade de serem transformados em tsunamis na indústria. Fevereiro/201226
  26. 26. MARÇO SACOLINHA: SER OU NÃO SERMARÇO 27
  27. 27. SACOLINHA: SER OU NÃO SER Por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing. Outro dia fui comprar chocolate no supermercado, como faço habitualmente.Daí veio a surpresa na velha rotina: “não temos sacolinha”, disse a jovem do checkout, escudada na lei que alvejou as sacolas plásticas descartáveisnesse comércio. O que se seguiu foi um desajeitado manejo das guloseimas durante o trânsito e outros afazeres, até chegarem ao destino – em estado de razoável viscosidade. Apesar do desconforto, e mesmo sendo defensor do arbítrio do consumidor, não vou aqui defender o direito das pessoas à conveniência absoluta, pois o mundo mudou e precisamos, todos, rever con- ceitos. A poluição está aumentando? Sim. A temperatura da terra está aumentando? Sim.Então, não há porque dinamitar atitudes de mudança contributivas, mesmo que tenham um balanço de eco-eficiência mais modesto. Se a margem de contribuição é positiva, ponto. O caso das sacolinhas plásticas dos supermercados é um ícone dessa questão. Primeiro a constitucio- nalidade da lei foi questionada, daí ela virou acordo setorial e depois ganhou uma espécie de moratória de dois meses, até o “dia D” da proscrição das sacolinhas. Enquanto acontecia tudo isso, o que mais se discutiu foi como serão as compras agora, ou se vai ter sacola biodegradável para todo mundo, se é pertinente cobrar por ela, qual seria o valor, ou como ficam as sacolas retornáveis. Muito pouco se debateu sobre o suposto ganho ambiental da medida. Ganho ambiental Calcula-se que em São Paulo são usadas mais de 600 milhões de sacolas descartáveis por mês. No Estado, estima-se um volume mensal de 2,5 a 3 bilhões de sacolas. Há quem fale em números meno- res, mais próximos à metade disso, mas não deixa de ser uma coisa simples que assume proporções gigantescas. Retirar esse volume de circulação representa ganhos ambientais? Aparentemente sim, principalmente pensando-se nas grandes metrópoles: redução do impacto das sacolas nas enchentes das cidades; redução da sua destinação inadequada para rios, lagos, mar e outros locais onde prejudique a fauna; e contribuição para a equação do aquecimento global, já que é um subproduto do petróleo – um dos causadores do aquecimento.28
  28. 28. Como se vê, muito da percepção de impacto ambiental das sacolinhas vem do desperdício, do des-carte incorreto e até de aspectos estruturais, como a inexistência de sistemas eficazes de coleta sele-tiva de lixo.Mas como é sempre mais fácil rotular um vilão do que olhar sistemicamente para o problema, a sacolinhapaga o pato (ela tem sim, a sua culpabilidade) e não se encaminham soluções mais abrangentes eprofundas para o meio ambiente, simplesmente porque não se pensa nelas.Olhar sistêmicoIsso tudo vai custar alguma coisa para o consumidor? Provavelmente sim, pois ele pode ter algumadespesa com sacolas retornáveis, ou na compra de sacos de lixo, ou na adoção de outras formas detransporte dos gêneros que comprar. Contudo, não vamos esquecer que as tradicionais sacolinhastinham um custo de R$ 0,15 a 0,20 para o comércio e isso era naturalmente repassado aos consumi-dores.De outro lado, jáforam feitos estudos sobre o ciclo de vida e emissão de CO2 de sacolas de algodão,ecobags, sacos de papel, papelão, sacolas plásticas tradicionais ou biodegradáveis e as opções dematerial plástico não foram as de pior desempenho em consumo de matéria-prima e pegada de car-bono.Contudo, em eco-eficiência não é somente o olhar intrínseco ao produto que conta, mas sim uma visãosistêmica que o analise em todas as suas interfaces na sociedade – da sua funcionalidade especificaa extensões de uso e manejos de descarte.A tecnologia pode fazer alguma coisa?Ainda não, mas que ninguém duvide do poder da ciência.O poliuretano(plástico) é um dos materiaismais versáteis e resistentes, desenvolvidos pelo homem. Hoje, ele está presente em tudo. Mas, porseus aspectos de degradabilidade, de recurso festejado transformou-se em preocupação ambiental,sem solução realista à vista.Recentemente, uma expedição de estudantes de Yale, pesquisando plantas nas florestas tropicais doEquador, sob a liderança do Prof. Scott Strobel, descobriu um fungo que tem a surpreendente capaci-dade de digerir plásticos e sobrevive em ambientes anaeróbios (sem oxigênio).O fungo recebeu o nome de PestalotiopsisMicrosporae a pesquisa sobre o processo de decom-posição do plástico que ele induz já foi publicada pelos alunos da expedição. Talvez, um dia esse fungopossa ser aplicado nas profundezas de aterros sanitários e neutralizar milhões de toneladas de plástico.Mas, por enquanto, isso é apenas uma promessa; talvez um sonho.Novos paradigmasE assim voltamos ao nosso mundo da sacolinha. Chegamos a um ponto em que tudo o que representeganho ambiental tem que ser feito, tem que ser tentado, sem paixões e com a racionalidade da tec-nologia. Nosso horizonte não é hoje, ou o ano que vem, mas sim os 9 bilhões de seres humanos quehabitarão o planeta, em cerca de 30 anos.E isso não tem negociação, é direito à vida. 29
  29. 29. Nessa perspectiva, é imperativo mudar,edificar uma nova cultura e preparar um mundo novo. Assim contextualizado, o caso das sacolinhas torna-se emblemático e por isso digo: abaixo a sacolinha! Mas tem que fazer isso com transparência, democratização da informação, consciência e educação social. Sem isso não criaremos novos paradigmas e é disso que estamos precisando na questão ambiental. Março/201230
  30. 30. ABRILAGRICULTURA SUSTENTÁVEL E AS TECNOLOGIASABRILCÓDIGO FLORESTAL: METAS E MÉTODOSDE SANTO A PECADOR, O MORANGO ÀS VEZES GERA DÚVIDA NACABEÇA DO CONSUMIDOR 31
  31. 31. AGRICULTURA SUSTENTÁVEL E AS TECNOLOGIAS Por Aluízio Borém, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS). É perturbador saber que cerca de 900 milhões de pessoas se encontram famintas ou subnutridas. São também impressionantes os fatos de que a população mundial de 7,1 bilhões alcançará 9,1 bilhões no ano de 2050, correspondendo a um aumento de 43% em 42 anos, e que a oferta de alimentos vai ter que atingir quantidades bem superiores às atuais para atender a essa demanda. Diante desse quadro, a pressão sobre a agricultura para se produzir mais alimentos e de forma sustentável é enorme. A fome não é fato novo na história mundial. O risco de o crescimento populacional não ser acompan- hado pelo aumento da produção de alimentos foi estudado pelo economista inglês Thomas Robert Malthus (1768-1834) há aproximadamente 200 anos. As ousadas previsões de Malthus não se con- cretizaram até o presente comente em virtude do surgimento de novas fronteiras agrícolas e da inclusão de novas tecnologias ao sistema produtivo. Neste terceiro milênio, mais uma vez faz-se necessário o desenvolvimento de novas tecnologias para ajudar a agricultura a produzir alimentos de forma susten- tável e socialmente responsável. Um exemplo disso é a prática da Agricultura de Precisão, caracterizada pela aplicação de forma variada de fertilizantes, defensivos agrícolas e outros insumos, conforme as necessidades das diversas áreas da uma mesma lavoura. A Agricultura de Precisão se refere ao gerenciamento localizado de culturas e foi introduzida como prática em prol da produtividade. A tecnologia surgiu da observação de que os requisitos para aplicação de calcário variavam bastante para um mesmo talhão e que seria importante a aplicação diferenciada no campo, de forma que o calcário pudesse satisfazer a necessidade de cada local. Este conceito, embora tenha sido utilizado por algum tempo, foi abandonado quando os equipamentos de tração mecânica passaram a predominar na agricultura. Hoje com a disponibilidade de microcom- putadores, sensores e sistemas de rastreamento terrestres ou via satélites, a Agricultura de Precisão passou a ser comum em muitas lavouras, contribuindo para a sustentabilidade da agricultura. Com o aparecimento de sistemas de informações geográficas e de rastreamento via satélite, o conceito de gerenciamento localizado de culturas pode ser estendido para o monitoramento de outras opera- ções que não necessariamente aquelas de aplicações localizadas de insumos, mas também para o levantamento de mapas de fertilidade de solos, o monitoramento de colheitas, ou de outras operações mecanizadas. Hoje pode-se definir a Agricultura de Precisão como um conjunto de técnicas que per- mitem o gerenciamento localizado de culturas.32
  32. 32. Uma outra tecnologia que muito tem contribuído para a sustentabilidade na agricultura é o Melhora-mento Genético. O Melhoramento é a arte, ciência e negócio de alteração genética das plantas parabenefício do homem. Esta tecnologia tem desenvolvido variedades mais tolerantes aos diferentesestresses bióticos que afetam as lavouras como pragas, doenças, secas, elevados níveis de alumíniotoxico no solo, dentre outras, que exigem menor aplicação de insumos. As variedades melhoradasmais produtivas também tem sido apontadas como fator de sustentabilidade da agricultura, pois per-mitem que uma mesma produção seja obtida em menor área, reduzindo a pressão pela adição denovas áreas ao sistema de produção agrícola.Outras tecnologias estão sendo aprimoradas e a expectativa é que elas terão cada vez maior relevânciana agricultura. Dentre estas pode-se citar a nanotecnologia, biotecnologia entre várias outras. Emboraos desafios para se alimentar o mundo sejam enormes, as perspectivas são ainda maiores, pois játemos tecnologias para assegurar uma agricultura eficiente e ecologicamente responsável.Abril/2012 33
  33. 33. CÓDIGO FLORESTAL: METAS E MÉTODOS Por Ciro AntonioRosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e professor titular da Facul- dade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu). Toda a discussão sobre modificações no Código Florestal Brasileiro tem gerado mais calor que luz. A discussão tem sido, por vezes, parcial e superficial, sem refletir a realidade e a necessidade de nosso país e de nosso planeta.Afinal, qual o objetivo de um Código Florestal? Proteger o quê e para quem? Proteger de quem? Entendo que se procura preservar a água, o clima e, consequentemente, as es- pécies existentes e a biodiversidade. No entanto, o estabelecimento arbitrário de larguras para a mata ciliar e frações de propriedades agrícolas como previsto pode realmente ajudar na realização destes objetivos? É extremamente simplista dizer que problemas pontuais da agricultura poderiam ser acomodados, as- sim como não se pode dizer que os produtores de arroz e uva do Rio Grande do Sul, os produtores de maçã de Santa Catarina, os produtores de leite e café de Minas Gerais, entre outros, se constituem numa minoria cujos interesses seriam atendidos pela mudança no atual Código Florestal.Por outrolado, levantar a bandeira da impunidade para justificar a manutenção do atual código é, no mínimo, irrespon- sável, uma vez que a legislação brasileira permitiu e mesmo incentivou o desmatamento nestas áreas. Ora, de um lado temos que o próprio aquecimento atmosférico levará a perdas de 20 % ou mais na produtividade agrícola brasileira, dependendo da espécie, com aumento do risco e custos, além do deslocamento da produção para o Sul do País. Assim, dizer que é possível aumentar a produção brasileira de alimentos sem grandes esforços e sem aumento da área cultivada não passa de falácia. O aquecimento global não afetará apenas a agricultura. Afetará todas as espécies à medida que será modificada, além da temperatura, a distribuição de chuvas. Assim, como é possível discutir o código florestal sem incluir medidas de mitigação do efeito estufa? A modificação do manejo do solo para siste- mas em semeadura direta pode contribuir sobremaneira nesse sentido, uma vez que pode seqüestrar mais de uma tonelada de carbono por ano em um hectare. No Brasil isso passa de 50 milhões de toneladas de carbono por ano. Não é desprezível. A simples recomposição de uma mata, ciliar ou não, poderia fazer tanto? Isso tudo sem diminuir a área de produção de alimentos e sem expulsar pequenos agricultores de seu trabalho. Para a adequada conservação de áreas e espécies é necessário o levantamento de áreas representa- tivas, tendo em conta sua vocação e capacidade de suporte, através de um zoneamento agro-ecológi- co. E então sim, preservá-las. Do ponto de vista de preservação das espécies, a existência de parques34
  34. 34. contínuos e corredores ecológicos é muito mais efetiva que fragmentos florestais deixados sem uso,muitas vezes em áreas sem água disponível. Os parques podem ser mantidos pela sociedade ou ser-em auto-financiados, como ocorre em outros países. Assim, a conta não cairia em apenas uma parcelada sociedade, como no caso, absurdo, do atual Código Florestal. As reservas florestais, no momento,não levam em conta a vocação da terra. Existe no Brasil zoneamento agro-ecológico para quase todasas espécies, levando em conta a capacidade de uso da terra, um parâmetro técnico, objetivo, que, noentanto, não vem sendo considerado nas discussões do novo Código.Por exemplo, as matas ciliares, margeando os cursos d’água, vêm sendo exaustivamente discutidas.Qual sua largura? Os valores existentes são completamente arbitrários, assim como os que vêm sendopropostos. Independentemente de seu tamanho, a mata ciliar terá sua eficiência na proteção da águamuito afetada pela atividade praticada em seu entorno, seja urbana, seja agrícola. No caso da agricul-tura, simplesmente não se leva em conta a atividade executada no entorno da mata ciliar. Por exemplo,a extensão da mata ciliar poderia ser condicionada não à largura do curso d’água, mas sim ao tipo deconservação do solo que se pratica no entorno. Essa sugestão pode acomodar os objetivos de preser-vação e produção de alimentos, fibras e energia. Porque não vem sendo discutida?Abril/2012 35
  35. 35. DE SANTO A PECADOR, O MORANGO ÀS VEZES GERA DÚVIDA NA CABEÇA DO CONSUMIDOR Por Luiz Carlos Bhering Nasser, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS); Pós-Doutor em Biolo- gia Ambiental e Professor do UniCEUB. O médico, neurocientista franco-canadense Dr. David Servan– Schreiber, que resistiu por décadas ao câncer no cérebro, confirmou e subscreveu as suas teses no que diz respeito ao benefício da nutrição e atividade psíquica na prevenção e acompanhamento dos tratamentos convencionais de câncer. Em seu livro “Anticâncer”, publicado em 2007 e traduzido para 40 línguas, relata que “frutas vermelhas como o morango, framboesa, mirtilo, amora e airela, contém ácido elágico (abundantes em morango e framboesa) e múltiplos polifenois. Eles estimulam os mecanismos de eliminação dos cancerígenos e inibem a an- giogênese (formação de vasos sanguíneos capilares). As antiocianinas e proantocianidinas que facilitam também a apoptose (suicídio celular) das células cancerosas. E cita ainda que o consumo destas frutas, mesmo congeladas, elas conservam as moléculas anticâncer”. É recomendado por órgãos responsáveis da área alimentar e nutricional a ingestão de 400 gramas de frutas e hortaliças por dia, podendo ser divididas em até cinco porções diárias- uma porção refere-se ao con- sumo de 10 moranguinhos. Apesar dessa recomendação e da disponibilidade do morango no mercado, o consumo do morango ainda é temido no Brasil. Isso se dá devido a algumas notícias que o denigrem, as- sim como outras hortaliças e frutas, quanto à possibilidade de contaminação biológica (cepas de bactérias patogênicas) ou química (resíduos químicos tóxicos) ao ser humano que o consome. Esses medos são gerados muitas vezes pela falta de esclarecimento ao consumidor. A maioria da produção de morangos nacional é proveniente dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Rio de Janeiro,Goiás e Distrito Federal por agricultores altamente treinados por instituições de pesquisas e extensão dos estados em sistemas de produção seguros como, por exemplo, a Produção Integrada de Morango-PIMO, cujo modo de produzir garante a qualidade do produto, contribui para o desenvolvimento humano, considerando: segurança do trabalhador, legislação trabalhista,qualidade de vida dos produtores/comunidades e a conservação do meio ambiente. A PIMO alcançou recentemente esse sucesso e pode ser certificado por empresas técnicas credenciadas pelo INMETRO. Nesse processo de elaboração, à luz da ciência, atestam-se as normas previamente elaboradas com o produtor para o cultivo seguro do morango. Esse trabalho técnico de fomento à produção de alimentos seguros e certificados conta com a participação ativa das universidades brasileiras,empresas de pesquisa dos Estados/unidades, da Embrapa e é custeado e coordenado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento em parceria com o CNPq desde 2001. Abril/201236
  36. 36. MAIO PROJETO CULTIVIDA: UM PROJETO DE SAÚDE PARA A POPULAÇÃO RURAL BRASILEIRA CALOR INSUPORTÁVEL E FOMEMAIO SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA: OBSTÁCULOS A SEREM VENCIDOS BOAS PRÁTICAS AGRONÔMICAS E AMBIENTAIS E OS PROFISSIONAIS NA AGRICULTURA CÓDIGO FLORESTAL O SOLO É A PÁTRIA, CULTIVÁ-LO É ENGRANDECÊ-LA! 37
  37. 37. PROJETO CULTIVIDA: UM PROJETO DE SAÚDE PARA A POPULAÇÃO RURAL BRASILEIRA Um Programa de Monitoramento da Saúde de agricultores e família com exposição aos Defensivos Agrícolas Por Prof. Dr. Angelo Zanaga Trapé, Membro do conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS). Em março de 2012 foi lançado o Projeto Cultivida, de inciativa espontânea da empresa Iharaque ape- sar de não ter registros de impactos na saúde humana(intoxicações) por produtos registrados por ela no país, tomou essa iniciativa de organizar este projeto com o envolvimento de profissionais de várias áreas do conhecimento científico, tendo como objetivo a redução e eliminação dos casos de intoxica- ção por defensivos agrícolas em todo o país. Este projeto de abrangência nacional e com duração de no mínimo cinco anos, teve sua primeira etapa desenvolvida no município de Guaraciaba do Norte na região da Serra de Ibiapaba no final do mês de Março e irá percorrer 12 regiões por ano de vários estados brasileiros do Nordeste, Sul, Sudoeste e Centro Oeste. Prevê diversas ações com foco em três áreas de atuação: - Foco no bem estar e na saúde do trabalhador e sua família com investimentos em conscientização e orientações sobre diferentes problemas que afetam esta população tais como saúde da mulher e da criança através de especialistas da área médica e de atividades culturais. - Foco na atividade agrícola com aumento da rentabilidade por meio da aplicação das Boas Práticas Agrícolas. - Foco no treinamento e capacitação dos profissionais de saúde dos níveis local, regional e estadual do Sistema Único de Saúde(SUS) para a implantação de Programa de Monitoramento da Saúde de Populações Expostas a Defensivos Agrícolas realizado por profissionais de saúde com experiência em Toxicologia Clínica e Analítica. O objeto deste artigo é apresentar o escopo desta atividade de saúde relacionada a exposição popu- lacional aos defensivos agrícolas. O uso de defensivos na agricultura é intensivo e várias publicações têm apontado as intoxicações como um dos principais problemas de saúde, especialmente entre trabalhadores rurais.38
  38. 38. As estatísticas oficiais apresentam um quadro que pode ter outra expressão que só é possível identifi-car na medida em que tenhamos um setor de saúde pública com profissionais capacitados para o at-endimento de uma pessoa exposta aos defensivos agrícolas e com instrumental diagnóstico adequadopara a definição do caso suspeito confirmando como intoxicado ou somente como exposto.A Área de Saúde Ambiental da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp vem desenvolvendo umPrograma de Monitoramento da Saúde de Populações Expostas a Defensivos Agrícolas há mais deduas décadas em toda a região metropolitana de Campinas com 42 municípios de também em 9 mu-nicípios do sul de Minas Gerais.A estrutura operacional e hierárquica deste Programa institucional, que tem se mostrado bastante efici-ente e eficaz para ser reproduzido em outras regiões de outros estados do país, servirá de modelo paraa sua reprodução e implantação nas regiões de atuação do Projeto Cultivida.O treinamento e capacitação orientam os distintos profissionais no encaminhamento de agricultores(as)e familiares a realizarem pelo menos uma vez ao ano ou sempre que necessário uma triagem nosProgramas da Saúde da Família (PSFs) mediante uma ficha clínico epidemiológica, além de coleta desangue para dosagem das colinesterases, enzimas que podem se alterar na exposição aos inseticidasorganofosforados e/ou carbamatos. Esta análise laboratorial é realizada pelo nível regional de saúde.Caso nesta triagem nos PSFs ou caso o exame laboratorial se apresentar alterado, o indivíduo éencaminhado para uma consulta médica na qual faz-se uma avaliação rigorosa com outros examescomplementares laboratoriais para a confirmação ou não do caso suspeito e reencaminhamento parao município de origem para acompanhamento e monitoramento.Na primeira etapa ocorrida em Guaraciaba do Norte, CE foram capacitadas as agentes comunitáriasde saúde e técnicos do Programa da Saúde da Família(PSF) do município(nível local) e profissionais doCentro de Referência da Saúde do Trabalhador (CEREST), incluindo um profissional médico, além deprofissionais do laboratório todos do município de Tianguá (nível regional) que serão referência para omunicípio de Guaraciaba do Norte como para outros 8 municípios que compõem a denominada cha-pada da Serra de Ibiapaba.Em todas as etapas do projeto o roteiro será sempre este, buscando articular todos os segmentosdo setor público de saúde das regiões, hierarquizando responsabilidades e funções e deixando aperspectiva de continuidade de um Programa que esteja capacitado ao atendimento das pessoasexpostas aos defensivos atuando de maneira ativa, identificando precocemente qualquer sinal e/ousintoma que a pessoa exposta possa apresentar, além de apoiar e colaborar no monitoramento sobreo uso seguro e correto dos defensivos agrícolas elemento fundamental na linha do cuidado integral àsaúde das populações expostas.Se a exposição individual torna-se menor com procedimentos de proteção e segurança respeitados,os riscos desses indivíduos ficam bastante reduzidos o que deve ser aliado a outras orientações técni-cas no âmbito das Boas Práticas Agrícolas.A implantação desta atividade programática contínua por parte dos municípios inseridos no projetoCultivida, permitirá a geração de dados fidedignos de saúde possibilitando um entendimento de qualé o real impacto desta tecnologia na saúde da população exposta aos defensivos agrícolas em nívelnacional orientando ações de prevenção para alcançar o objetivo maior do Projeto de eliminar as intoxi-cações por defensivos agrícolas na população rural brasileira.Maio/2012 39
  39. 39. CALOR INSUPORTÁVEL E FOME Por Ciro Antonio Rosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e professor titular da Facul- dade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu). O que temas aparentemente tão diferentes como aquecimento global e produção de alimentos podem ter em comum? Há algo que possa ser feito que resulte em melhorias nesses dois aspectos? Sugiro pensarmos em como a agricultura – uma das atividades econômicas mais importantes no Brasil - pode e deve contribuir para a solução desses dois problemas. Segurança alimentar, mais do que socorro emergencial às populações com deficiência nutricional, im- plica em se praticar uma agricultura que seja, ao mesmo tempo, econômica, competitiva e sustentável. Econômica porque é necessário assegurar renda aos que a praticam. Competitiva porque há que se produzir alimentos cada vez mais baratos, mais acessíveis às camadas mais carentes da população e, além disso, produzir os dólares imprescindíveis à economia brasileira. Sustentável porque é funda- mental que se pratique agricultura indefinidamente na mesma área, evitando o desmatamento desne- cessário. E somente se consegue isso praticando uma agricultura que não cause danos permanentes ao ambiente. De acordo com estimativas da FAO, nos próximos 20 anos será necessário dobrar a atual produção de alimentos, além da necessidade de se produzir agroenergia. Essa meta somente pode ser atingida por dois caminhos: aumentar a área cultivada ou aumentar a produtividade das terras já em cultivo. O aumento da área cultivada é praticamente impossível na maior parte do mundo, princi- palmente na Ásia, área mais populosa do planeta, pois todas as regiões agricultáveis já estão em uso. Pior, boa parte delas se encontra em risco de degradação. O Brasil é um dos poucos países do mundo onde existe área a ser ocupada, com regime de chuvas e temperaturas adequadas à agricultura. Mas o aumento da área cultivada implicaria em desmatamento, uma vez que a agricultura ocuparia terras atu- almente sob vegetação natural, o que, certamente, encontra restrições nos anseios dos ambientalistas. O segundo caminho é o aumento da produtividade, através do uso de variedades geneticamente mel- horadas, mais produtivas e através do melhor manejo do solo e dos cultivos, o que tornaria a agricultura competitiva, sustentável e econômica, ajudando a se satisfazer a crescente demanda por alimentos, tanto em quantidade como em qualidade, a demanda por matérias primas e por agroenergia. O aquecimento global tem como uma de suas causas a emissão atmosférica de gases, entre eles o CO2. A principal emissão desse gás vem da queima de combustíveis fósseis, como o petróleo e o carvão, nos países mais desenvolvidos, mas a queima de vegetação e a agricultura tradicional também contribuem para o problema. Entretanto, o manejo do solo sem aração, sem revolvimento, ou seja, o sistema de manejo conhecido como semeadura direta fixa o carbono atmosférico na matéria orgânica do solo, pelo menos temporariamente. Estima-se que um hectare (área correspondente a um campo40
  40. 40. de futebol) pode fixar em torno de 1 tonelada de carbono por ano na região sul do Brasil, se o solofor bem manejado, se for praticada uma agricultura moderna, econômica, competitiva e sustentável.Sim, porque o aumento da matéria orgânica do solo melhora suas propriedades, conservando melhora água e os nutrientes. Não é uma boa idéia transformar o carbono, que aqueceria o ambiente, emalimentos, matérias primas e energia, contribuindo para a segurança alimentar, para a resolução doproblema da fome e de energia do planeta Terra?Maio/2012 41
  41. 41. SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA: OBSTÁCULOS A SEREM VENCIDOS Por Ciro AntonioRosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e professor titular da Facul- dade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu). Um sistema de produção agrícola deve ser sustentável. Antes de mais nada deve ter: sustentabilidade econômica, o que permitirá, como consequência, investimentos para se conseguir sustentabilidade social e ambiental. Sistemas de produção com Integração Lavoura-Pecuária, ou mesmo Integração Lavoura-Pecuária-Floresta representam a evolução mais recente da agricultura. Embora muitos aspec- tos estejam ainda para serem descobertos, aprendidos, entendidos para a melhoria do sistema, muito já se fez. Nos primeiros tempos se utilizava como forrageira, principal produtora de palhas, quase unica- mente espécies de braquiárias. Atualmente se encontra uma variedade maior de espécies cultivadas, o que é positivo, já que trabalhar com apenas uma espécie acarreta maiores riscos a todo o sistema, tornando-o mais vulnerável. Embora a utilização de maior número de espécies se constitua numa evolução do sistema de produção em relação ao uso exclusivo da braquiária, com a diversificação, em geral, há necessidade de melhor qualidade de gerenciamento que os sistemas mais simples. Algumas vezes, a não adoção de algumas técnicas ou espécies em rotação se deve mais à deficiência de ger- enciamento e/ou máquinas do que ao clima, por exemplo. Um problema adicional é a instabilidade dos mercados e a falta de gerenciamento da comercialização a longo prazo. Desta forma, ou o agricultor se prende ao seu sistema de rotação, saindo do ótimo econômico, ou obedece ao mercado, saindo do ótimo gerenciamento do sistema. A falta de pessoas capacitadas para um bom gerenciamento do sistema tem sido um dos entraves ao seu desenvolvimento. Aliás, a falta de gente qualificada tem sido um obstáculo ao crescimento de diversas áreas de atividade no Brasil. Há necessidade de se con- vencer as Universidades brasileiras, principalmente as com vocação agrícola, a envolver mais gente e mais recursos na formação de pessoal qualificado no desenvolvimento e gerenciamento de sistemas de produção agrícola. Um entrave observado na maioria das propriedades que desenvolvem sistemas de produção agrícola com rotação de culturas e algum tipo de integração com a pecuária, é a dependência do uso de adubo nitrogenado para o sucesso do sistema. Na maior parte das propriedades pode se observar carência de nitrogênio no sistema. Mesmo com custos maiores, o resultado econômico do uso de maiores doses de nitrogênio pode ser vantajoso, afinal a integração nada mais é do que um melhor aproveita- mento dos recursos que estão disponíveis. Normalmente, uma propriedade que utilizaria num sistema convencional entre 60 a 80% dos seus recursos, passa a utilizar cerca de 90% a 95% de seus recursos num sistema integrado. Desta forma, um melhor entendimento da dinâmica do N nos sistemas seria42
  42. 42. importante para se tentar melhorá-lo. Ainda, seria interessante que se viabilizasse o uso de mais legu-minosas no sistema, procurando-se diminuir o custo e melhorar a sustentabilidade.Cabe destacar que apesar de se classificar os sistemas de produção como Integração Lavoura-Pecuária, os estabelecimentos agrícolas apresentam grandes diferenças nas espécies empregadas enas formas de manejo. De forma geral, é interessante o uso de uma espécie de alto valor agregado nosistema, tais como algodão ou feijão. O problema é que a introdução destas espécies torna o sistemamais complexo e de gestão mais difícil, além de se diminuir, por um ciclo, o aporte de palha.Em muitas propriedades, mesmo conduzidas em alto nível tecnológico, muitas vezes contando comassessorias específicas, ainda persistem procedimentos em que o mais básico da ciência agronômicaé, até certo ponto, negligenciado. Por exemplo, apesar do volume de resultados mostrando a falta deresposta aos micronutrientes em diversas situações, o uso de zinco, manganês, boro, e por vezes out-ros micronutrientes, ainda é generalizado. A análise de solo para fins de fertilidade nem sempre é feitatodos os anos, e raramente se encontra um resultado na profundidade de 20 a40 cm - o que ajudariano diagnóstico de, por exemplo, falta de enxofre. Mais, a quantidade de fertilizantes utilizada nem sem-pre leva em conta o resultado da análise de terra.Assim, embora não existam mais dúvidas quanto à necessidade, utilidade e benefícios da adoção desistemas de produção agrícola com rotação de culturas, se possível em semeadura direta e integraçãocom pecuária e/ou florestas, sua adoção mais generalizada ainda depende muito da pesquisa e doensino nesta área.Maio/2012 43
  43. 43. BOAS PRÁTICAS AGRONÔMICAS E AMBIENTAIS E OS PROFISSIONAIS NA AGRICULTURA PorClaudio A. Spadotto, diretor do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial. Desenvolvimento responsável e na medida certa para o meio ambiente e para a sociedade são os grandes temas da atualidade. Nesse cenário, a atuação dos profissionais na agricultura torna-se priori- tariamente voltada para a interface entre as demandas das atividades produtivas, sejam elas agrícolas, pecuárias, florestais ou agroindustriais,e as necessidades de conservação dos recursos naturais mobi- lizados para a produção e as exigências de preservação dos ecossistemas e da qualidade ambiental. O grande desafio dos profissionais do setor nos próximos anos é conciliar a produção e sua rentabili- dade com os preceitos de responsabilidade social e ambiental. E, assim fazendo, colaborar na busca da sustentabilidade da agricultura brasileira. Para isso, além da qualificação técnica, outras competências ou habilidades são desejáveis nos profis- sionais, como as qualidades pessoais que levam à rapidez e flexibilidade na busca de resultados, a visão interdisciplinar integradora das especialidades e a capacidade de se comunicar. A relação agricultura e meio ambiente é tão próxima que para solucionar a grande maioria dos prob- lemas ambientais na agropecuária é necessário entender como funcionam os sistemas de produção. Como exemplos temos que as práticas de conservação de solo na área cultivada mantêm a sua porção mais fértil, além de reduzir a perda de água, evitando o assoreamento e a contaminação de lagos, açudes, riachos e rios. O manejo integrado de pragas leva ao uso mais racional dos defensivos agrícolas e o uso adequado desses produtos minimiza os problemas ambientais e de saúde ocupa- cional e pública. O aumento de produtividade nas atividades agrícolas, pecuárias e de reflorestamento homogêneo, com a adoção de boas práticas e sua integração, faz diminuir a pressão por abertura de novas áreas com desmatamento, contribuindo, assim, para a preservação dos ecossistemas. Maio/201244
  44. 44. CÓDIGO FLORESTALPor José Luiz Tejon Megido, Diretor Vice Presidente de Comunicação do Conselho Cientifico para a Agricultura Sustentável (CCAS), Dirige o núcleo de agronegócio da ESPM, Comentarista da Rede Estadão-ESPN.Chega de debate sobre o código florestal. Bom senso é concentrar o melhor das energias e do conhe-cimento agrotropical brasileiro no pós-sancionamento da lei aprovada na câmara federal.Os agricultores que plantaram dentro da lei e das orientações agronômicas de suas épocas não podemser chamados de desmatadores, e nem, de torturadores com a alcunha de “anistiados”! O agronegóciocomercial brasileiro é como regra preocupado com os aspectos ambientais e sociais, pois estão sub-metidos às leis de mercado. E não são os supermercados e as agroindústrias processadoras de ma-térias primas vegetais ou animais, que irão correr riscos de terem suas marcas prejudicadas, ou suasvendas cortadas por estarem usando grãos, carnes, fibras ou energia oriunda de práticas predadoras.Isso existe? Sim, mas não é mais a regra. Onde, porém, existe a fraude, o crime, o desmatamento ilícitoe o predadorismo, não empreendedorismo, mas o predadorismo contumaz?Como regra isso tem a concentração de ocorrências nas terras ilegais, na grilagem, e nos que fazemmau uso dos assentamentos e terras devolutas. Para a ilegalidade existe polícia e a mão pesada dalei e da justiça. Para policiar precisa investir em maior vigilância, tecnologia, fiscalização e velocidadenos processos, julgamento, combate à corrupção, e aplicação da lei. E, é exatamente ai, onde hádécadas reside o problema, que é histórico na realidade brasileira. Não é o gaúcho que abriu o cerradoenfrentando, inclusive a ilegalidade, o crime e ainda hoje convivendo com a falta de estrutura fora dasporteiras das fazendas que está o inimigo do ambientalismo.Presidenta Dilma, tire da frente essa quizumba dualista de conflito de egos, entre o time dos ambien-talistas versus a galera dos ruralistas, e mande os órgãos colocarem a mão na massa. E essa mãona massa significa dizer: “Ih agora, como é que nós vamos fazer para definir as normas gerais dosprogramas de regularização ambiental PRA, previstos nos textos da lei, adequando regionalmente aaplicação do código conforme as realidades locais do Brasil? Isso sim representa colocar foco no queinteressa, promover a agricultura de baixo carbono e a integração pecuária, lavoura e floresta, a defesada pesquisa genética tropical, e não àquilo que distrai a atenção do que é verdadeiramente a causa es-tratégica do país. Não corrigimos o presente consertando o passado, e muito menos faremos o futuronos distraindo com as ilusões do presente.Maio/2012 45
  45. 45. O SOLO É A PÁTRIA, CULTIVÁ-LO É ENGRANDECÊ-LA! Dia 15 de abril, dia nacional da conservação do solo. Por Antonio Roque Dechen, membro do Conselho Cientifico para Agricultura Sustentável (CCAS), En- genheiro Agrônomo, Vice-Reitor Executivo de Administação da USP e Professor da ESALQ,e Presi- dente da Fundação Agrisus. A revista O Solo, editada pelo Centro Acadêmico Luiz de Queiroz, de 1909 a 1995, tinha como lema a frase “O Solo é a Pátria, cultivá-lo é engrandecê-la!”. Ao buscar a origem desta frase encontramos a referência no discurso de formatura da turma de 1910 daentão Escola Agrícola Prática de Piracicaba proferido por Arthur Torres Filho e publicado na Revista O Solo número 8, ano 1910. Ao ler e reler o substanciosodiscurso proferido para uma turma com 14 formandos com essa turma a Escola Prática Agrícola de Piracicaba completava o número de 74 Engenheiros Agrônomos formados no Estado de São Paulo destacam-se as referências à qualidade dos solos, sustentabilidade e quali- dade de vida. Hoje,passados 100 anos, a sustentabilidade com o foco ampliado para a temática ambiental, social e econômica continua presente no cotidiano da sociedade. Nas últimas décadas tivemos a oportunidade de vivenciar e acompanhar eventos nacionais e interna- cionais que possibilitaram a mudança do cenário da agricultura brasileira e principalmente inseriram o Brasil como player mundial na produção de alimentos. Assistimos a Revolução Verde de Norman Borlaug nos anos 70, a segunda revolução verde que foi a conquista do cerrado, graças à transferência dos resultados de pesquisa, o estabelecimento com sucesso da integração Floresta x Lavoura x Pecuária, e adoção do sistema de semeadura direta, a agricultura com ar e água limpos. Hoje, a sustentabilidade da produção agrícola e a adequação ambiental são indissociáveis, grandes avanços estão ocorrendo na agropecuária brasileira e para continuarmos crescendo e nos firmarmos nas posições de liderança da produção, o Brasil precisa também posicionar-se na liderança da implan- tação de ações de sustentabilidade e, para tanto, retomamos a frase do inicio deste texto: O Solo é a Pátria, cultivá-lo é engrandecê-la, porém nos ajustamos às demandas da sustentabilidade, devemos empenhar todos os nossos esforços para que possamos dizer com orgulho que: “O Solo é a Pátria, cultivá-lo e conservá-lo é engrandecê-la e garante a sustentabilidade e a vida”.46
  46. 46. Maio/2012JUNHO AGRICULTURA E BIODIVERSIDADE DE QUEM É O AMBIENTE? O CANARINHO VOLTOU GESTÃO TERRITORIAL ESTRATÉGICA PARA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL A 150 KM POR HORA A EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA BRASILEIRA E A RIO+20 SEGURANÇAJUNHO ALIMENTAR E AMBIENTAL NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA FUNDAÇÃO AGRISUS COMPELTA 11 ANOS DE APOIO A AGRICULTURA SUSTENTÁVEL 47
  47. 47. AGRICULTURA E BIODIVERSIDADE Por Ciro Antonio Rosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e professor titular da Facul- dade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu). Quando se discute biodiversidade, Amazônia, pecuária e agricultura são temas normalmente recor- rentes. A noção que se alardeia é a de que o desenvolvimento da agricultura e da pecuária ameaça a Amazônia, a biodiversidade do Brasil e a vida no mundo como conhecemos. Será? Pesquisa publicada recentemente na revista científica Nature estudou a cadeia produtiva de 15 mil produtos e procurou determinar como o consumo em um país afeta a biodiversidade em cada local, mundialmente. Concluiu-se que aproximadamente 30% das ameaças à biodiversidade na Terra vem do comércio internacional. Neste ranking, o Brasil aparece como importador líquido de biodiversidade, ou seja, 76 espécies são impactadas pelos produtos importados pelo Brasil, enquanto que nossa produção para exportação impacta 35 espécies. O que isso significa? O Brasil é um grande exportador de commodities - produtos não industrializados ou semi-industrializados, como, por exemplo, os agrí- colas. Então, toda nossa agricultura pode impactar menos a biodiversidade do que nosso consumo. Em outras palavras: as cidades, onde se consome, podem impactar mais a biodiversidade do que o campo propriamente, onde se produz. O trabalho é muito oportuno no momento em que se discute os vetos ao texto do Código Florestal Brasileiro, que certamente afetarão a produção de alimentos, a estrutura agrária e a renda, principal- mente de pequenos e médios produtores do Sul e Sudeste. Até que ponto vale pagar esse pesado preço social e econômico, uma vez que os hábitos de consumo da população podem ter maior im- pacto na biodiversidade? Até que ponto proibir os agricultores de produzir em suas áreas mais fér- teis, recuperando matas legalmente eliminadas, vai melhorar a biodiversidade do planeta? Perguntas para as quais não há resposta correta no momento. Mas há, sim, indicativos de que o impacto seria pequeno, se houver. Muito mais importantes seriam as mudanças nas cidades e no consumo, como mostra o estudo. Passou da hora de se buscar diagnósticos melhores e, assim, desenvolver ferramentas adequadas para garantir a sustentabilidade da vida. Palpites e ideologias não podem gerar e nutrir leis que preju- diquem nossa renda, nossa economia, nossa sociedade. Alguém poderia, com segurança, apontar quantas e quais espécies foram extintas no Sul e Sudeste do Brasil em função da ocupação dos espaços pela agricultura? Mais importante no momento é saber como será afetado o equilíbrio es-48
  48. 48. tabelecido nestas áreas nos últimos séculos, com a reimplantação de florestas. Ou seja, qual o realbenefício desse enorme sacrifício? Nova intervenção em áreas consolidadas não poderia gerar novosproblemas? É fundamental lembrar que a recomposição florestal, além de cara, exige o uso de insumosmodernos como fertilizantes e defensivos. O desenvolvimento agrícola, utilizando técnicas adequadasem áreas já em uso, pode contribuir mais para manter a biodiversidade, uma vez que os alimentos,matérias primas e agroenergia terão que ser produzidos em áreas já desmatadas ou não. O melhorcaminho é o aumento na produtividade com tecnologia, usando mais adequadamente as áreas agrí-colas já consolidadas.Junho/2012 49
  49. 49. DE QUEM É O AMBIENTE? Por Ciro Antonio Rosolem, membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e professor titular da Facul- dade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu). É definida na Constituição Federal a função social da terra, que é cumprida quando os seguintes req- uisitos são atendidos: a) aproveitamento racional e adequado; b) utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente; c) observância das disposições que regulam as relações de trabalho e d) exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores. A produção de matérias primas, alimentos e agroenergia, segundo técnicas agronômicas adequadas, cumpre a função social da terra, pois produz bens fundamentais à sociedade, respeita o ambiente e gera empregos e renda aos trabalhadores e agricultores. Isso vem ocorrendo, inclusive, em áreas des- matadas legalmente nos últimos séculos. Com o que se propõe na nova legislação, essas áreas deverão ter a floresta recomposta. Segundo consta, os agricultores deverão arcar com o custo do reflorestamento. Consequentemente, não haverá mais produção de outros bens nessas áreas, postos de trabalho desaparecerão e a renda do agricultor diminuirá. Como fica então a função social da terra, uma vez que será diminuído em diversos graus o bem-estar dos proprietários e trabalhadores? Atualmente, os bens produzidos nessas áreas são consumidos ou comercializados, gerando trabalho e renda. Quem paga pelos bens é a sociedade, os cidadãos que consomem alimentos, fibras e energia. Nada mais justo, pois são eles que usufruem. Se eu necessito de arroz, compro arroz, se necessito de carro, compro carro, se vou abastecer o carro com álcool, compro álcool. Assim funciona a sociedade e a economia. Os bens têm um valor, segundo sua disponibilidade e necessidade, ou segundo a oferta e a demanda. Aí vem a questão: quem usufrui do ambiente? Ora, todos nós respiramos, sentimos frio, calor, depen- demos da biodiversidade para sustentar nossa vida no planeta Terra. Assim, como todos os cidadãos usufruem do ambiente, a sociedade usufrui dele. Do mesmo modo que o faz com outros bens. Seria então correto dizer que o ambiente pertence à sociedade? Talvez. Mas, neste caso, quem cuida dele? Se precisarmos de um serviço, normalmente ele é contratado e pago, como tantos outros bens. Agora vamos considerar que as áreas desmatadas nos últimos séculos, mesmo que legalmente, sejam reflorestadas, como indica a legislação proposta. Já vimos que a função social da terra nessas áreas50

×