• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 

Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica

on

  • 6,088 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,088
Views on SlideShare
6,088
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
46
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica Presentation Transcript

    • Os movimentos urbanos O movimento operário11:32 1
    • 3º ANO “A”11:32 2
    • Foto de bonde tombado na praça da República, no Rio deJaneiro, em 1904, por populares em manifestação contra arevolta da Vacina.11:32 3
    • 1. Os movimentos urbanos A aceleração do desenvolvimento industrial foi acompanhada pelo processo de crescimento das cidades, principalmente no Sul e Sudeste. A população carioca quase triplicou entre 1900 e 1920, chegando a mais de 1,4 milhão de habitantes. São Paulo passou de 40 mil para 889 mil e Porto Alegre de 74 mil para 256 mil habitantes no mesmo período. Belém, Recife e Salvador também apresentaram crescimento expressivo.11:32 4
    • As cidades brasileiras possuíam uma composição social bastante diversificada, com operários, burguesia industrial, mercantil e financeira, camadas médias (professores, médicos, advogados, engenheiros), funcionários públicos, intelectuais, setores populares e segmentos marginalizados, como os moradores de rua. A modernização difundida entre o fim do século XIX e início do século XX nos grandes centros urbanos não contemplou todas as regiões e camadas sociais da mesma maneira.11:32 5
    • Ao contrário, muitos indivíduos pobres viram-se desalojados de suas habitações, pressionados pelo desemprego, pelas péssimas condições de vida e pelos baixos salários. Foi nesse contexto que parte da população urbana menos privilegiada demonstrou sua insatisfação por meio dos movimentos sociais que ocorreram durante a Primeira República.11:32 6
    • Em 1890, São Paulo tinha65 mil habitantes e era aquinta cidade do Brasil(atrás do Rio, Salvador,Recife e Belém). Dez anosdepois, já tinha 240 milhabitantes e era segundacidade do país (a maiorcontinuava sendo o Rio deJaneiro, com 690 mil). Ariqueza do café tinhaatraído muitos imigrantespara a capital paulista(50% dos que vieram parao Brasil). 11:32 7
    • Os diversos movimentos que marcaram o período da República Oligárquica podem ser interpretados como respostas populares à exclusão sociopolítica a que estava submetida a maioria da população pelo regime elitista e antidemocrático então vigente no país. Recorrendo aos meios diversos, a população marcava oposição às arbitrariedades governamentais e às estruturas de privilégios e de dominação. Tais revoltas, no entanto, não propunham uma completa reformulação do Estado ou uma revolução social. Pretendiam resolver, sobretudo, as dificuldades imediatas da população mais pobre. Acabaram assim, invariavelmente, vencidas pelos poderosos de então, que faziam uso da força policial ou militar para garantir a ordem instituída.11:32 8
    • 1.1 A Revolta da Vacina (1904) A exaltação da modernidade, inspirada nas ideias gerais do positivismo, fazia enorme sucesso entre as elites brasileiras. Uma das consequências deste novo modo de pensar foi o prestígio que os médicos e engenheiros (os científicos) ganharam junto aos governantes, papel que até então era quase privilégio dos advogados. Pois foram esses ideais que levaram o prefeito do Rio a iniciar a reforma urbana na capital da República, baseada no que havia sido feito em Paris, a referência de progresso e bom gosto para as classes abastadas brasileiras.11:32 9
    • Durante o governo de Rodrigues Alves (1902-1906), o saneamento e a modernização do Rio de Janeiro tornaram-se prioridades. Nessa época, os serviços públicos urbanos eram muitos precários. A falta de tratamento de água e esgoto, principalmente nos arredores das cidades e nos cortiços, agrava a falta de higiene. Tais condições contribuíram para a disseminação de doenças e epidemias – sarampo, febre tifoide, tuberculose, varíola – que vitimavam milhares de pessoas. As benfeitorias eram necessárias até mesmo para melhorar a imagem da capital federal no exterior. Para efetivá-las, o presidente recorreu a empréstimos estrangeiros.11:32 10
    • O prefeito do Rio, Pereira Passos, mandou derrubar casebres e cortiços para abrir avenidas, expulsando parte da população, que se mudou para os morros. O centro velho foi demolido para a abertura da avenida central (hoje, Avenida Rio Branco), onde ficaria o teatro da ópera, o museu de belas-artes, a biblioteca nacional, as sedes das empresas, as lojas e os cafés elegantes. O problema é que, em nome da “saúde pública e social”, os funcionários do governo não tinham dó em subir o morro da favela (onde moravam os mais pobres) e derrubar os barracos. Em nome da modernidade, cortiços do centro e barracos do morro derrubados.11:32 11
    • O combate as epidemias foi entregue ao médico sanitarista Oswaldo Cruz, que passou a implementar uma série de medidas de higiene pública com o objetivo de combater a febre amarela, a peste bubônica e a varíola. Os mata-mosquitos, homens encarregados de eliminar os vetores das principais doenças – ratos e mosquitos -, tinham autorização para invadir as residências, fato que desagradava a população em geral, que consideravam esse ato uma grave violação dos costumes.11:32 12
    • Praças, cemitérios e canais de drenagem foram reformados, proibiu-se a circulação de mendigos e animais e foram instituídas visitas domiciliares de agentes sanitaristas para remover tudo que fosse considerado prejudicial à higiene. A população se revoltava com as vistorias nas casas feitas sem nenhum esclarecimento. A tensão social cresceu.11:32 13
    • Charge de 1904 satirizandoo Dr. Oswaldo Cruz. Repareque na mão esquerda elesegura uma enorme seringae do lado direito há umaratazana que o ignora.11:32 14
    • No Congresso e na imprensa surgiram manifestações contrárias ao “despotismo sanitário” de Oswaldo Cruz. E em 1904, a aprovação do projeto de vacinação obrigatória contra a varíola para os brasileiros com mais de seis meses de idade acendeu o estopim da revolta popular, que culminou em novembro com a Revolta da Vacina. Naquela época nem os intelectuais sabiam direito o que era uma vacina (a explicação científica, devido a Pasteur, era relativamente recente). Os positivistas ortodoxos (que seguiam, ao pé da letra, Comte e os discípulos), por exemplo, negavam-se a acreditar que a vacina atacasse micróbios. Havia liberais que afirmavam que o Estado não tinha o direito de impor a vacinação. O governo não se importou em esclarecer.11:32 15
    • Os governantes eram donos da verdade científica e isso bastava. Agora, ponha-se no lugar do pai que vê seu filho ter o braço perfurado por uma agulha de um homem do governo. Um governo que nunca se mostrou muito preocupado com os pobres. Você deixaria? Em seguida, espalhou-se que o local da aplicação seria a virilha. Boato falso, mas que teve efeito porque as pessoas acreditaram nele. E não aceitavam que os homens do governo apalpassem um local tão íntimo do corpo! Afirmavam também que era falta de respeito obrigar as mulheres a descobrirem o braço para serem vacinadas.11:32 16
    • Resultado: no dia marcado, quase ninguém se apresentou para ser vacinado. Qual foi atitude das autoridades? Em vez de fazer uma campanha de esclarecimento, avisou que a vacina seria obrigatória. Quem não se deixasse espetar poderia ir pra cadeia. A resposta popular foi a rebelião. Trilhos de bondes foram arrancados e as ruas do Rio de Janeiro ocupadas pelo povo, protegido por barricadas. Alguns líderes populares eram famosos capoeiristas. Os militares florianistas e os positivistas aproveitaram para atacar o presidente Rodrigues Alves. A Escola Militar aderiu aos protestos.11:32 17
    • A repressão agiu com eficácia. O Exército matou gente do mesmo jeito como se matam mosquitos. Numa entrevista ao jornal da época, um dos participantes esclareceu a ampla dimensão política da revolta: “[Era para] não andarem dizendo que o povo é carneiro. De vez em quando é bom a negrada mostrar que sabe morrer como homem! [O mais importante era] mostrar ao governo que ele não põe o pé no pescoço do povo”. Durante mais de uma semana a população enfrentou a polícia nas ruas, organizando barricadas, lutas corporais e quebradeiras. Depois de retomar o controle da cidade, o governo prendeu mais de mil pessoas e as deportou para o território do Acre.11:32 18
    • Para a mentalidade positivista, os problemas da cidade deveriam ser resolvidos de maneira “científica”: com engenheiros (abrindo ruas) e médicos (vacinando). Os que “sabem” resolvem por conta própria, e os pobres se revoltaram porque eram “ignorantes”, concluíram os sociólogos positivistas. Na verdade, não era somente contra a vacina que a população se rebelava. Ela se manifestava contrária a toda conjuntura de dificuldades econômicas, desemprego e falta de segurança. A remodelação e o saneamento da cidade foi, ainda, outro complicador. A obrigatoriedade da vacina serviu, assim, como pretexto para a população expressar seu descontentamento com as ações do governo.11:32 19
    • A vacina simbolizava o autoritarismo da República, feria os princípios morais e ideológicos, atingia a soberania individual. Por isso, foi amplamente rechaçada como atitude autoritária dos representantes do poder político. As autoridades, por sua vez, não explicaram claramente a necessidade da vacina.11:32 20
    • As charges publicadasnos jornais, revistas ealmanaques do iníciodo século retratavamcom humor e ironia asituação social epolítica da nação nasprimeiras décadas daRepública.Essa, por exemplo, retrata os distúrbios no largo doRocio, no Rio de Janeiro, durante a Revolta da Vacina. Àesquerda, Zé Povo resiste à vacinação obrigatória, porOswaldo Cruz, o ministro da Justiça, J. J. Sealma, o chefe dapolícia, Cardoso de Castro, e o presidente daRepública, Rodrigues Alves. 11:32 21
    • 1.2 A Revolta da Chibata (1910) No início do século XX, os marinheiros de baixa patente levavam uma vida de parcos salários, exaustiva jornada de trabalho e castigos corporais por desobediência ao regulamento da Marinha – uma penalidade abolida desde a proclamação da República, mas que, na prática, continuava a vigorar na frota de guerra brasileira: “Para as faltas leves, prisão e ferro na solitária, a pão e água; faltas leves repetidas, idem por seis dias; faltas graves, 25 chibatadas”. A ordem de punição vinha de oficiais, que eram brancos, geralmente filhos de fazendeiros. Era como se, simbolicamente, a escravidão no Brasil ainda existisse num único lugar: na Marinha de Guerra!11:32 22
    • Os marinheiros eram na maioria negros e mestiços, geralmente recrutados à força e pressionados pela família a ingressar nas Forças Armadas. O governo resolveu então modernizar a marinha. Nós já vimos que, para a mentalidade positivista dominante, modernizar não significa modificar as relações políticas (isso seria a “desordem”). Modernizar, para eles, era comprar navios de guerras novos da Inglaterra, da mais alta tecnologia que a ciência poderia oferecer. E manter, no Brasil, os castigos corporais... Mas os navios sofisticados exigiam que os oficiais e até os marinheiros recebessem treinamento especial.11:32 23
    • Alguns marinheiros eram enviados para a Inglaterra para receber instruções. Foi então que eles tomaram contato com o movimento sindical europeu. Descobriram que na Inglaterra, os operários sabiam que o principal direito era o direito de lutar por seus direitos. A marinha inglesa lembrava que os castigos corporais tinham terminado desde o motim no navio Bounty, ainda no século XVIII. Quando os cruzadores chegaram na Baía de Guanabara, sua tripulação não estava mais disposta a aceitar humilhações. O estopim foi um castigo físico (250 chicotadas diante da tripulação e ao som de tambores) dado ao marujo Marcelino Rodrigues Menezes, no dia 22 de novembro de 1910, por ter ferido um cabo com uma navalha.11:32 24
    • Em 1910, os marinheiros dos encouraçados Minas Gerais e São Paulo revoltaram-se no Rio de Janeiro, chefiados pelo gaúcho João Cândido Felisberto, apelidado Almirante Negro, e reivindicavam o fim dos castigos corporais, folgas semanais e melhores salários. Os rebeldes enviaram um telegrama ao presidente da República, Hermes da Fonseca (1910-1914), comunicando a decisão de bombardear a cidade do Rio de Janeiro caso não fossem atendidas suas solicitações.11:32 25
    • “Nós queríamos combater os maus-tratos, a má alimentação na Marinha. E acabar definitivamente com a chibata, o causo era só esse.” (João Cândido, o Almirante Negro)11:32 26
    • O presidente estava no teatro, deliciando-se com a ópera Tannhäuser, de Richard Wagner, quando recebeu a notícia de que os marinheiros haviam tomado conta dos navios e expulsado os oficiais para terra. E que faziam exigências às autoridades. Para o espanto das elites, os marinheiros, liderados pelo semianalfabeto João Cândido, o Almirante Negro manobrava espetacularmente os navios. Falavam sério. Cada encouraçado levava cerca de mil tripulantes e estava carregado com uma artilharia capaz de varrer o Rio de Janeiro do mapa. A histeria tomou conta da cidade. Uma multidão de famílias dos bairros elegantes fugiu para Petrópolis. No Senado, o opositor Rui Barbosa lembrava que o governo não tinha capacidade de reprimir a revolta (e não tinha mesmo), então deveria negociar.11:32 27
    • Grupo de marinheiros que tomou parte da Revolta da Chibata, no Cruzador Barroso, 1910.11:32 28
    • A revolta recebeu o apoio de deputados de oposição, que pressionaram o governo federal a ceder às exigências dos marinheiros. De mão atadas, o governo teve de se curvar. Principalmente, porque os operários começaram a entrar em greve de solidariedade aos amotinados. Os marinheiros passaram a receber um soldo pouquinho melhor e o trabalho duro foi aliviado. O Congresso votou o fim dos castigos corporais na Marinha e anistiou os participantes da revolta.11:32 29
    • Entretanto, o decreto de anistia foi descumprido e o governo passou a perseguir e prender os marujos. Na calada, esperaram tudo voltar ao normal e pegaram os marinheiros desprevenidos e desarmados. Uma suposta revolta também integrada por marinheiros na Ilha das Cobras foi o fato culminante para a perseguição e prisão dos rebeldes. O governo ordenou que o Exército atacasse a ilha e derrotasse seus opositores. Dezesseis marinheiros morreram na cela subterrânea do presídio. Os poucos sobreviventes foram deportados para a Amazônia, para trabalhos forçados nos seringais. Nove foram fuzilados durante a viagem. O Almirante Negro foi julgado em 1912 e inocentado. Trabalhou na marinha mercante, mas foi perseguido e terminou os dias como pescador em 1969. Morreu, quase esquecido, em São João de Meriti, cidade pobre da baixada fluminense (RJ). Em 1912 todos os revoltosos foram absolvidos.11:32 30
    • Charge de Loureiro publicada em O Malho, 1910. Revolta da Chibata: diante da ameaça de bombardeio do Rio de Janeiro, o governo concedeu anistia aos revoltosos, mas retrocedeu posteriormente.11:32 31
    • João Cândido, o Almirante Negro11:32 32
    • 2. O movimento operário A Constituição de 1891 pouco se preocupava com questões sociais. Por isso, as relações de trabalho nas cidades eram definidas pela emergente burguesia industrial, mercantil e financeira. O operariado brasileiro foi formado basicamente pelos imigrantes, somados a trabalhadores provenientes de regiões mais pobres do Brasil.11:32 33
    • 11:32 34
    • Entre 1894 e 1903,entraram no Brasil mais de1 milhão e 500 milimigrantes. Em algumascidades, como São Paulo, apopulação estrangeira eramaior do que a debrasileiros. Na imagem,fotografia do passaporte deuma família de imigrantesitalianos. 11:32 35
    • Os italianos constituíram a maioria dos imigrantes. Os portugueses e espanhóis chegaram em grande quantidade após 1905.11:32 36
    • Era o patrão que determinava as relações de trabalho, como quantas horas o operário deveria trabalhar. Desse modo, as jornadas de trabalho das mulheres e crianças era frequente, inclusive à noite. Havia até crianças de 5 anos de idade trabalhando nas fábricas. Muitas das crianças acabavam com membros mutilados pelas máquinas e, assim como os demais trabalhadores, não tinham direito a tratamento médico, seguro por acidente de trabalho, etc.11:32 37
    • Cena comum na República Velha: criança operária11:32 38
    • Num primeiro momento, surgiram as ligas operárias e as sociedades de resistência. De modo geral, reivindicavam melhores salários, menor jornada de trabalho, assistência ao trabalhador doente ou acidentado e regulamentação do trabalho feminino e infantil. Logo em seguida começaram a ser organizados sindicatos, primeiro por ofício e depois por uma mesma atividade econômica, que atuaram por meio de greves e manifestações de caráter acentuadamente reivindicatório. À frente dessas mobilizações, militantes anarquistas e socialistas desenvolviam um importante trabalho de conscientização política.11:32 39
    • Fotografia dos operários dafábrica de tecidos Bangu,no Rio de Janeiro. Até oinício do século XX, o Riode Janeiro era o principalcentro industrial do país.Nas décadas seguintesseria ultrapassado por SãoPaulo. 11:32 40
    • A maior greve desse período realizou-se em julho de 1917, em São Paulo. Começou numa tecelagem e estendeu-se por todo o estado. Durante três dias, o Comitê de Defesa Proletária, que liderava a greve, dominou São Paulo. A principal reivindicação era o aumento de salários. Os patrões perceberam que não tinha saída a não ser atender à reivindicação operária. Concederam 20% de aumento e a greve acabou.11:32 41
    • A imprensa era o principalveículo de divulgação ideaisoperários, trazidos daEuropa sobretudo pelosimigrantes italianos. Váriosintelectuais da época, comoEuclides da Cunha e LimaBarreto, escreviam nosjornais e revistas dostrabalhadores.11:32 42