• Save
Pesquisas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Pesquisas

  • 867 views
Uploaded on

bom

bom

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
867
On Slideshare
867
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 8ª/SÉRIE – GEOGRAFIA – II-BIMESTRE.A População EuropéiaA população européia pode ser dividida em 3 grupos, são eles:- GERMÂNICOS: ocupam principalmente a parte central e norte da Europa.Entre eles estão os alemães, austríacos, holandeses, suecos, noruegueses, britânicos.- ESLAVOS: habitam predominantemente a Europa oriental (leste). São osrusso, poloneses, ucranianos, eslovacos, sérvios.- LATINOS: habitam predominantemente a Europa mediterrânea. São osportugueses espanhóis, italianos, franceses, e romenos, que não são sulistas, mas sãolatinos.Existem também os finlandeses, húngaros e gragos. Alguns grupos lutam paraformar países independentes, como os bascos na Espanha (ETA) e na França. Com arevolução industrial, no século XVIII, a população européia aumentou, pois, aurbanização, a melhoria das condições de higiena, o avanço da medicina fizeram comque as taxas de mortalidade baixassem, o que fez com que houvesse um crescimentopopulacional. Com o neocolonialismo, um grande número de pessoas emigrou para ascolônias. A natalidade baixou, devido aos avanços e a informação. O que iniciou achamada transição demográfica, ou seja diminuição do crescimento populacional, quehoje causa outro problema para a população européia, o envelhecimento da população.No século XX o acesso a informação, métodos anticoncepcionais, mulher no mercadode trabalho, educação fizeram com que as taxas de natalidade baixassem ainda mais.Depois da primeira guerra mundial, quase todos os países europeusdesenvolveram uma política anti-natalista, com a propagação das idéias de ThomasRobert Malthus, que pregava que o aumento populacional seria inferior ao crescimentoda produção de alimentos, o que geraria uma crise mundial, porém o que ocorreu em1929, foi uma crise de abundância. Com o declínio populacional, a Europa vive umnovo problema, o envelhecimento da população, e a diminuição da populaçãoeconomicamente ativa (PEA). Uma outra tendência é o alto custo de um idoso para asociedade, em termos de saúde, higiene e cuidados. Esse problema está sendo revertidocom o incentivo a imigração providos ex-países socialistas do leste europeu, o quemuitas vezes causa conflitos sociais e étnicos.Os europeus afirmam que os países subdesenvolvidos devem controlar anatalidade. Eles temem que com uma explosão demográfica, os subdesenvolvidospossam invadir o território desenvolvido. Hoje, a população européia jovem tende aseguir os padrões de educação, conhecimento e qualificação que hoje existe, fazendo daEuropa o grande centro mundial. Muitos países para controlar o déficit na previdência,adotam medidas de aumentar a idade mínima para a aposentadoria.OS NÚMEROS POPULACIONAISPOPULAÇÃO ABSOLUTA: 715 milhões de habitantes (menor apenas do que a Ásia)POPULAÇÃO RELATIVA: 69 habitantes por quilômetro quadradoMAIORES DENSIDADES DEMOGRÁFICAS: Mônaco (15.370 h/km2) - Malta (1.176h/km2)ÁREAS MENOS POVOADAS OU DESPOVOADAS:• Norte da Noruega (muito frio)• Leste, nas vizinhanças do mar negro (aridez)• Altas montanhas ex: Urais (altitude, temperatura, neve)A população européia é predominantemente urbana, em decorrência do históricoe amplo desenvolvimento industrial e comercial (principalmente a partir da revoluçãoindustrial). A indústria concentra população devido a necessidade de mão de obra. A
  • 2. Bélgica é o país com maior porcentagem de população urbana da Europa. Outros comoPortugal e Albânia são rurais, esses tem respectivamente 34 e 39% de populaçãourbana.Com o neocolonialismo, muitas pessoas saíram da Europa, em direção as áreascolonizadas. A emigração aumentou com a devastação nas duas guerras. Após asegunda guerra, a Europa passou a ser um espaço de imigração (chegada de pessoas),atraídas pelas boas condições de vida.Com o plano Marshall, a necessidade de mão de obra fez com que os europeusestimulassem a imigração para a Europa. Os imigrantes faziam os trabalhos que o povoeuropeu não se prestava a fazer (trabalho braçais e considerados humilhantes para oseuropeus) e recebiam baixos salários. Com um mundo globalizado e informatizado, aEuropa prefere comprar de outros países produtos de menor tecnologia, sendo assim,com a menor necessidade de mão de obra, o trabalhador estrangeiro é tido como umconcorrente com os trabalhadores europeus no mercado de trabalho da Europa. Gerandoassim, uma espécie de xenofobia (aversão aos estrangeiros imigrantes).A partir da década de 1950, na Europa, inicio-se um processo de migraçãointerna, onde os habitantes de países mais pobres migram para outros mais ricos. Antesde crise do sistema socialista no leste europeu, essa região era alvo de imigrações vindasdo terceiro mundo. Porém, depois da crise socialista e da desfrangmentação da uniãosoviética (1991) fugiram para países da Europa ocidental (França, Bélgica, reino unido,etc). em 1993, a União européia foi implantada e facilitou a circulação de mão de obranos países europeus e dificultou ainda mais o ingresso de não europeus.As migrações também geram conflitos étnicos pela ocupação de território e aprática de racismo em relação às etnias e/ou raças, que estão ligadas ao nacionalismo eaa xenofobia (rejeição aos estrangeiros).
  • 3. Economia da EuropaOrigem: Wikipédia, a enciclopédia livre.A multiplicidade de nações adjacentes fez da Economia da Europa uma dasmais complexas do planeta.Durante séculos a Europa foi o centro econômico do planeta. Entre as causas,podemos citar como a principal sua condição geográfica. A localização entre a África ea Ásia, fez da região europeia um ponto de passagem obrigatório, e facilitou de formasubstancial a absorção e irradiação dos conhecimentos, tecnologia e comércio de amboscontinentes. Esta condição perdurou até ao século XX. No século XX, a Europa viu seupredomínio declinar em relação aos Estados Unidos, o Japão e, na fase final, a China. APrimeira e Segunda guerra mundial, travadas em seu território, a carência de energia, depetróleo, além de uma intensa rivalidade entre seus povos, representaram para ocontinente a perda de sua liderança econômica.A Europa não tem auto-suficiência na produção de energia, exigindo aimportação de muito petróleo. Este produto só é extraído em quantidades consideráveisna Rússia e no Mar do Norte. O gás natural, outro produto bastante usado na geração eprodução de energia é muito abundante na Rússia, Romênia, Países Baixos e no ReinoUnido. Outro recurso energético que teve grande importância nas fases iniciais darevolução industrial foi o carvão mineral, muito abundante, sobretudo na Alemanha,Polônia, Rússia, Reino Unido. Todas estas fontes energéticas são extremamentepoluidoras e causam grandes impactos ambientais em todo o planeta. No caso daenergia limpa, ou seja, não poluidora, podem ser citadas a energia hidráulica, energiaeólica, e energia solar, de baixa produção e utilização da Europa, devido às suascondições geográficas. A produção de energia nuclear na Europa é muito importante, e,a exemplo dos Estados Unidos, gera imensas quantidades de lixo atômico, cujo fim,desde o início de sua utilização, é muito nebuloso e nunca divulgado na mídia mundial.ComércioO comércio na Europa, ainda apresenta uma certa polarização. Na regiãoocidental o movimento de capital e transações comerciais ocupam lugares proeminentesnas trocas internacionais. Os principais parceiros da região são os Estados Unidos, oCanadá, o Japão e os países do Oriente Médio.No caso da Europa oriental, o volume de transações comerciais é bem menor,isto ocorre devido aos traumas ainda da divisão do continente em dois blocos, ocidentale oriental, e ao resultado dos múltiplos embargos e manipulações mercadológicasocorridas durante a guerra fria.Basicamente a Europa importa matérias-primas, minerais, produtos tropicais,borracha e madeira (material|madeira). Manufaturados de alta tecnologia procedentesdos Estados Unidos e do Japão. A exportação predominante é de manufaturados,automóveis,navios, produtos químicos, produtos ópticos e calçados. As Economias DaEuropa Ocidental O comércio intra-europeu ocorre da mesma forma que em outrasregiões do Planeta. Para favorecer ao comércio local foi criada uma legislaçãoespecífica e acordos comerciais que se materializaram em organizações como aAssociação Européia de Livre Comércio e a Comunidade Econômica Européia.Na área centro-ocidental européia, onde o comércio é intenso, e a rederodoviária e ferroviária terrestre mais densa do planeta. As trocas e o comércio se dãode forma muito rápida e dinâmica. Nas demais regiões embora não possuam uma redeviária tão densa, ainda é bem acima da média do resto do mundo, pois, nenhumhabitante de uma região medianamente importante deixa de contar com ferrovia ourodovia próxima de si.Devido ao seu perfil acidentado, do ponto de vista geográfico, o ContinenteEuropeu possui muitas baías e portos naturais. Este particular permitiu historicamente odesenvolvimento da vocação marítima dos habitantes do litoral.
  • 4. Os portos mais movimentados são: Roterdã, Antuérpia, Le Havre, Marselha,Londres, Lisboa e Gênova. Os aeroportos mais movimentados da Europa são o deMoscou, Londres, Paris e Frankfurt, todos entre os mais movimentados do mundo.O fluxo turístico em direção à região do Mar Mediterrâneo, faz da aviaçãocomercial da região a mais movimentada do mundo, sendo imensa a quantidade deturistas que transitam em vários dos aeroportos europeus.O continente europeu, berço da Revolução Industrial, é formado por alguns dospaíses mais desenvolvidos do globo. Segundo o Development Programme Report dasNações Unidas elaborado em 2006, com dados relativos a 2004, entre os dez maisdesenvolvidos países do mundo, seis eram europeus.A agropecuária, a mineração e os transportes são os fatores que maisinfluenciam na economia européia.Os grandes grupos industriais europeus e mundiais fazem investimentoselevados em pesquisa e tecnologia, criando e desenvolvendo novos produtos,modernizando e automatizando suas fábricas para alcançar um menor custo de produçãoe melhorar a sua competitividade global.Os parques industriais dos países da Europa Ocidental são bastantediversificados, destacando-se os ramos de produtos eletrônicos para consumo,telecomunicações, veículos aeroespaciais, aviões, produtos farmacêuticos, construçãonaval, energia nuclear, siderurgia e automobilística.Na Europa Oriental, após a Segunda Guerra Mundial, a atividade industrialdesenvolveu-se com base no planejamento estatal, destacando-se a República Checa naindústria metalúrgica e a Polônia também na metalurgia e na construção naval. Com osurgimento do novo modelo industrial baseado nas novas tecnologias, o parqueindustrial dos antigos países socialistas encontrava-se com grande defasagemtecnológica. A transição para a economia de mercado a partir do início dos anos 1990promoveu uma autêntica reestruturação industrial com a abertura de mercados, os cortesde subsídio às empresas estatais, a liberalização dos preços e um surto inflacionário.Muitas dessas empresas faliram e os países sofreram queda de produção e dos níveis deempregos. Nos últimos anos, aqueles países de maior tradição industrial, como aRepública Checa, a Polônia e a Hungria, iniciaram uma recuperação econômica com oaumento dos investimentos estrangeiros e a instalação de várias empresasmultinacionais.Com o avanço do capitalismo na Europa Oriental, esses países estão se tornaramárea de influência da União Européia, principalmente através das relações comerciais edos investimentos que a Alemanha passou a fazer na região.A União Européia concentra algumas das maiores áreas industriais do mundo evem sendo considerada um dos pólos da chamada tríade, um conjunto que concentrariqueza, poder e tecnologia. Os outros dois países que formam essa tríade são osEstados Unidos e o Japão.A energia da França também foi baseada em varios aspectos históricos eeconômicos, tanto é que a França já foi uma potência, só que agora nós temos comopotência os EUAAgropecuáriaA Europa apresenta uma importante e diversificada produção agrícola, comgrande aproveitamento dos seus solos, geralmente férteis. O uso do solo está sujeito àtécnicas adequadas e modernas, com elevada produtividade.A cultura de cereais é predominante, destacando-se o "trigo", produto maisimportante. Sua principal área produtora é a região de solos negros da Ucrânia(tchernoziom). O outros países que se destacam na produção de trigo são Itália, França,Alemanha e Rússia. Outros cereais cultivados são o centeio, a aveia e a cevada,importantes produtos agrícolas das áreas temperadas.O centeio substitui o trigo em áreas de clima mais frio e é importante nafabricação do pão. A aveia é produzida principalmente para a alimentação do gado,recebendo, por isso, o nome de forrageira. A cevada é uma matéria-prima básica àfabricação da cerveja, produto de destaque em vários países europeus. Os maiores
  • 5. produtores desses cereais são: Alemanha, França, Espanha, Polônia e Reino Unido. Abatata é outro produto importante da agricultura da Europa. Os principais produtores debatata são: Alemanha, França, Países Baixos, Reino Unido e Rússia. Nas regiõeseuropéias de clima mediterrâneo, sobressai o cultivo da oliveira, destina à produção deazeitonas e de azeite. Portugal, Espanha, França e Itália destacam-se como maioresprodutores mundiais e seus produtos são reconhecidos como os de melhor qualidadeinternacional.Outro destaque especial é o cultivo da videira, destinada à produção de vinhos.Alguns tipos de vinho e de azeite só podem ser produzidos nesses países, devido àscondições especiais do solo e do clima. Esses aspectos geográficos atribuem aos paísesda Europa Mediterrânea condições especiais de mercado, devido à impossibilidade deprodução, em outros países do mundo, de mercadorias com características similares.O volume de colheitas da Europa é muito inferior relativamente à América doNorte, Ásia e América do Sul. As culturas da região incluem cereais, sobretudo o trigo,cevada, o centeio cultivado em alternância com a batata. A produção de milho, arroz eaveia é deficiente. A produção frutícola, bastante diversa, varia de região para região.Exemplos são a pêra e a maçã produzidas nas zonas temperadas e úmidas. Podemosainda citar as frutas cítricas do Mediterrâneo, e as videiras que devido às condições desolo e climáticas produzem grande quantidade de uva, e dão aos vinhos qualidadeexcepcional. Outro produto mediterrâneo, é a azeitona, apreciada e exportada para omundo todo.Muitos dos problemas agrícolas da Europa decorrem da falta de autonomia docontinente no tocante aos cereais para forragem, às gorduras vegetais e aos produtostropicais. Não tendo condições climáticas nem geográficas para concorrer com os outroscontinentes nessa área, os governos dos países europeus subvencionam o cultivo decertos produtos, causando imensos desequilíbrios sociais nos países produtores,sobretudo nos de economia emergente e de terceiro mundo. A subvenção é uma maneiraartificial de evitar a ruína dos agricultores europeus, além disso, serve para forçar omercado internacional a flutuar de acordo com as aspirações de lucratividade dosgrandes grupos econômicos.PecuáriaComo a agricultura, a pecuária na Europa fornece uma grande variedade deprodutos, desde a carne até o queijo e a manteiga. A pecuária é praticada principalmentede forma intensiva, com o gado recebendo cuidados técnicos, que proporcionam maisrendimentos.O rebanho mais numeroso é o de bovinos, criado principalmente na Rússia, naUcrânia, na Alemanha, na França, na Grã-Bretanha e na Polônia. Apesar de não possuirum rebanho numeroso, a criação de gado leiteiro tem destaque na Dinamarca, Suíça ePaíses Baixos. Nos Países Baixos, por exemplo, a produtividade do rebanho é superior a5 mil litros de leite por vaca ao ano, sendo cerca de 75% da produção deindustrializados no país.A título de comparação, enquanto o consumo de leite na União Européia, noinício da década de 1990, era de 810 litros por habitante, no Brasil era deaproximadamente 90 litros por habitante.Além dos bovinos, destacam-se no continente europeu os rebanhos de suínos ede ovinos. Na suinocultura, a Alemanha sobressai como principal criador. Nesse país,cria-se principalmente o suíno destinado ao fornecimento de carne para atender ao altoconsumo não só da Alemanha, mas também de toda a Europa. No entanto, a produção éinsuficiente para abastecer todo o continente, sendo necessário importar carne suína. Osovinos, utilizados para a obtenção de lã, são criados sobretudo nas ilhas Britânicas, naRomênia e na Espanha. Uma outra característica importante da agropecuária,principalmente nos países que fazem parte da União Européia, são os subsídiosconcedidos pelos governos aos agricultores, como empréstimos a juros baixos epagamentos a longo prazo.A criação em 1962 da PAC (Política Agrícola Comum) foi uma forma de osgovernos europeus protegerem seus agricultores da concorrência externa, visando a
  • 6. manutenção da renda e do emprego agrícola e a obtenção de uma estabilidade nospreços dos alimentos. Esse apoio dado à agropecuária desde a década de 1960 levou aEuropa praticamente a se tornar auto-suficiente nos principais produtos alimentares,mas não resolveu problemas como as disparidades entre países e regiões do continente.Nos anos 1990, esse programa começou a ser questionado no interior da UniãoEuropéia por aqueles que consideravam os custos muito elevados (45000 milhões dedólares anuais). A PAC também é motivo de críticas internacionais, principalmente porparte das instituições como a OMC (Organização Mundial do Comércio) e dos paísescomo os EUA, que estão pressionando cada vez mais a redução do protecionismoagrícola, pois ele bloqueia a entrada de produtos de outros países no mercado europeu.A perspectiva da diminuição dos subsídios agrícolas tem sido objeto de protesto emvários países europeus, especialmente na França, maior produtor agrícola da EuropaOcidental e onde existe o maior número de agricultores beneficiados com os subsídios.Os países nórdicos têm tradição milenar na pecuária, em função disto, é muitodesenvolvida e de alta qualidade. A produção na Europa de leite, queijo e manteigasupera o seu consumo, transformando-se em produtos de exportação. A avicultura nãopossui excedentes de produção, porém abastece o mercado de ovos e de carne de formapraticamente auto suficiente.PescaNa Europa, a pesca é uma atividade econômica bastante desenvolvida, sobretudonos países setentrionais, destacando-se a Noruega, a Finlândia, a Suécia e a Islândia,que utilizam modernos equipamentos pesqueiros. As principais espécies são o bacalhau,o arenque e o salmão. A pesca nessa região é favorecida pela presença da corrente doGolfo (Gulf Stream), que carrega uma grande quantidade de plânctons, responsáveispela formação de cardumes.Na Europa, a pesca tem grande importância em Portugal, na Noruega, naIslândia, na Rússia, na Dinamarca e na Espanha. As espécies mais comuns são o atum,bacalhau, a sardinha, a cavala, o arenque, e os crustáceos e moluscos.Recursos Minerais e TransportesOs recursos minerais mais importantes do continente europeu são: petróleo,carvão, ferro e manganês. O país que mais possui recursos minerais é a Rússia. Opetróleo é explorado no continente e no oceano. Além da Rússia (parte na Europa) e doAzerbaijão, outro local rico em petróleo é o mar do Norte, onde a exploração pertence àGrã-Bretanha e à Noruega. Sua importação pesa na balança comercial. O carvão éextraído em maior quantidade na Ucrânia, na Grã-Bretanha, na Alemanha e na Polônia.A descoberta de sua utilidade como combustível e como componente para a produçãode aço permitiu, no século XVIII, o desenvolvimento da atividade industrial.O ferro é explorado principalmente na Rússia (grande produtor mundial), naFrança e na Suécia.O manganês tem como principais produtores a Rússia e a Ucrânia, além daRomênia e da Hungria.Na Estônia há importantes reservas de xisto betuminoso, bastante aproveitadopara a geração de energia após ser transformado em óleo de xisto.Devido ao elevado grau de industrialização e às características geológicas doterritório, os países europeus são dependentes de uma série de minerais básicos àatividade industrial. A maior parte dos países importa minerais metálicos (ferro,manganês, bauxite e estanho), fundamentais às atividades metalúrgicas e siderúrgicas e,conseqüentemente, a uma série de mercadorias de bens de consumo duráveis, máquinase equipamentos industriais.A Europa é o continente que possui a melhor rede de transportes do mundo.Suas ferrovias possuem bitola padronizada, o que possibilita o tráfego dos trens portodos os países (Eurotrem), que investem maciçamente nesse setor.O transporte hidroviário é altamente utilizado, movimentado por uma enormequantidade de cargas anualmente.
  • 7. Os portos fluviais europeus estão entre os mais importantes do globo. Quantoaos portos marítimos, o mais importante é o de Roterdão, que se destaca mundialmente.Outros ainda de intenso movimento são: o de Londres, na Inglaterra; o de Antuérpia, naBélgica; o de São Petersburgo, na Rússia; o de Lisboa, em Portugal; o de Hamburgo, naAlemanha; e o de Gdansk, na Polônia.As rodovias da Europa, juntamente com as dos Estados Unidos, sãoconsideradas as mais modernas do mundo, com destaque para as auto-estradas etc...EURO, A MOEDA COMUM.Devido à integração econômica e da grande quantidade de capital circulante naregião, houve a necessidade da criação de uma moeda comum. Os países que adotaramesta moeda são Alemanha; Áustria; Bélgica; Chipre; Eslováquia; Eslovénia; Estónia;Espanha; Finlândia; França; Grécia; Irlanda; Itália; Luxemburgo; Países Baixos;Portugal e Malta.Está prevista a circulação do euro como papel moeda de algumas das nações daUnião Européia. Esta previsão é devida à expansão do próprio bloco econômico.Andorra; Mônaco; San Marino; Vaticano e Sérvia e Montenegro, países que nãotinham moeda própria, adotaram o Euro como moeda comum.O controle de emissão e a política cambial da União Europeia são feitas atravésBanco Central Europeu. Sua sede é em Frankfurt, Alemanha. A divisão da moeda parafacilitar sua circulação física, é em cêntimos, ou seja, um euro é igual a cem cêntimos.O dinheiro tem a constituição de notas de 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500 euros e moedasde 1, 2, 5, 10, 20 e 50 cêntimos e de 1 e 2 euros.
  • 8. Comunidade dos Estados IndependentesOrigem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Comunidade dos Estados (CEI) (em russo: Содружество Независимых Государств (СНГ),Sodruzhestvo Nezavisimykh Gosudarstv) é uma organização supranacional envolvendo 11repúblicas que pertenciam à antiga União Soviética (Armênia, Azerbaijão, Bielorrússia,Cazaquistão, Quirguistão, Moldávia, Rússia, Tajiquistão, Turcomenistão, Ucrânia eUzbequistão) fundada em 8 de dezembro de 1991. Este novo acordo de união política teve comoprincipal impulsionador o presidente russo Boris Ieltsin e marcou a dissolução da UniãoSoviética. Desde 26 de agosto de 2005, o Turquimenistão não é mais membro permanente daentidade, atuando apenas como membro do sexo associado. As três repúblicas fundadoras daCEI concordaram num certo número de pontos fundamentais, nomeadamente nos seguintes:cada estado-membro mantinha a sua independência; as outras repúblicas da antiga UniãoSoviética seriam bem-vindas como novos membros da Comunidade; qualquer república serialivre de abandonar a CEI após ter anunciado essa intenção com um ano de antecedência; osmembros deveriam trabalhar em conjunto para o estabelecimento de economias de mercado; oantigo rublo soviético é a moeda comum dos estados-membros; a Comunidade fica sediada emMinsk, Alma-Ata e São Petesburgo. Os países bálticos: Lituânia, Estônia e Letônia nuncafizeram parte do grupo.A Geórgia se integrou ao Grupo em 1994, mas o seu Parlamento aprovou por unanimidade em14 de agosto de 2008 a saída do país da Comunidade dos Estados Independentes, devido aoapoio russo às causas de independência da Abecásia e da Ossétia do Sul.Como a Francofonia ou a Commonwealth, porém não caracterizada por uma língua oficial, esim pelo passado soviético. Todas as antigas Repúblicas da ex-União Soviética podem sermembros. Não há horizonte de União Monetária, só existindo entre Rússia e Bielorrússia, tendoo rublo como moeda nacional. Não existem relações de comercialização, relações econômicas,união alfandegária e a antiga Assistência Mútua dos soviéticos.HistóriaJá em 1991, a dissolução da União Soviética era algo inevitável, apesar dos Referendosrealizados na maioria das repúblicas, que mostravam um claro apoio à manutenção daconstitucionalidade e institucionalidade da união. Em 8 de dezembro, os líderes da Rússia,Bielorrússia e Ucrânia se reuniram na reserva natural de Belovezhskaya Pushcha, 50 km aonorte da cidade de Brest, Bielorrússia. Assim nasceu a ideia da Comunidade dos EstadosIndependentes, ao mesmo tempo em que foi anunciado que a nova confederação estaria aberta atodas as repúblicas da União Soviética, assim como a todas aquelas que compartilhassem dosmesmos objetivos.1O então Presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachev, descreveu a reunião como algo"ilegal e perigoso" e "um golpe constitucional" na nação. Mas prontamente ficou claro quepouco ou nada havia por fazer. Em 21 de dezembro, os líderes de onze das quinze ex-repúblicassoviéticas se reuniram em Alma-Ata, Cazaquistão e assinaram o tratado. Desta maneira, a CEIfoi ratificada e a União Soviética oficialmente extinta.2Em 25 de dezembro, Gorbachev renunciou como presidente de um país que já não existia defacto. Os três estados bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia) não assinaram o tratado, assim comoa Geórgia – os quatro países argumentaram que haviam sido incorporados à União Soviética àforça.Os 11 estados originais foram Armênia, Azerbaijão, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão,Moldova, Federação Russa, Tadjiquistão, Turcomenistão, Uzbequistão e Ucrânia. Em dezembrode 1993, a Geórgia finalmente aderiu à CEI em circunstâncias controversas, após uma guerracivil na qual tropas russas intervieram a favor do governo pró-Moscou de Eduard Shevardnadze;em 26 de agosto de 2005, o Turcomenistão abandonou o organismo para tornar-se um membroassociado. Em agosto de 2008 a Geórgia anunciou que se retiraria da CEI depois da Guerra daOssétia3e deixou de ser membro formal em agosto de 2009.
  • 9. MembrosHá 10 Estados-membros na Comunidade de Estados Independentes.O Acordo de Criação foi o documento principal constituinte da CEI até janeiro de 1993, quandoa Carta da CEI foi adotada.4A carta formalizou o conceito de filiação: um país membro édefinido como um país que ratifique a Carta da CEI (seção 2, art. 7). O Turcomenistão nãoratificou a Carta e mudou sua posição na CEI para membro associado em 26 de agosto de 2005,para ser consistente com o seu estatuto de neutralidade na Organização das Nações UnidasONU, reconhecido internacional.5 6Embora a Ucrânia tenha sido um dos três países fundadorese tenha ratificado o Acordo de Criação em dezembro de 1991, o país optou por não ratificar aCarta da CEI e, portanto, não se considera um membro da CIS.7 8País Assinatura RatificaçãoCartaratificadaStatusArménia21 de dezembro de19911992-02-181994-03-16 membro oficialAzerbaijão21 de dezembro de19911993-09-241993-12-14 membro oficialBielorrússia8 de dezembro de19911991-12-101994-01-18 membro oficialCazaquistão21 de dezembro de19911991-12-231994-04-20 membro oficialQuirguistão21 de dezembro de19911992-03-061994-04-12 membro oficialMoldávia21 de dezembro de19911994-04-081994-06-27 membro oficialRússia8 de dezembro de19911991-12-121993-07-20 membro oficialTadjiquistão21 de dezembro de19911993-06-261993-08-04 membro oficialTurquemenistão21 de dezembro de19911991-12-26Não ratificoumembro associadonão-oficialUcrânia8 de dezembro de19911991-12-10Não ratificouparticipante defacto; oficialmentenão é um membroUzbequistão21 de dezembro de19911992-04-011994-02-09 membro oficial1. ↑ Comunidade dos Estados Independentes (CEI) (em português). infoescola. Páginavisitada em 13/01/2012.2. ↑ Alma-Ata Declaration: 11 países aderem à CEI, 21 de de dezembro de 1991 (traduçãoem inglês). Original em russo em www.cis.minsk.by/main.aspx?uid=178
  • 10. ÁsiaInformações e dados sobre a Ásia, economia, relevo, geografia, países, mapa,rios, vegetação, religiõesIntroduçãoA Ásia é um continente cujas terras estão localizadas, em maior parte, no hemisférionorte (oriental e setentrional). Ao norte, a Ásia é banhada pelo Oceano Ártico; ao sulpelo Oceano Índico; ao leste pelo Oceano Pacífico e a oeste faz fronteira com a Europae África.Informações importantes sobre a Ásia:- A área do continente asiático é de 44.482.000 km². É o maior continente do mundocom 29,4% das terras emersas.- É também o continente mais populoso do mundo com 3,95 bilhões de habitantes(pouco mais de 60% da população mundial).O clima da Ásia pode ser dividido em quatro regiões climáticas:- Clima Siberiano (extremo norte da Ásia): temperatura baixíssimas, presença de tundraao norte, taiga no centro e estepes ao sul.- Clima Mediterrâneo (Ásia Menor): verões quentes e secos e invernos com muitachuva.- Clima Desértico (Síria, Arábia, Índia e Irã): regiões com temperaturas elevadasdurante o dia e frias à noite. Regiões áridas com baixo índice pluviométrico (chuvas).- Clima de Monções (Ásia Oriental e Meridional): inverno seco e verão extremamentechuvoso.- No campo econômico destaca-se o Japão (economia forte e industrializada desde ofim da Segunda Guerra Mundial), a Índia e a China. Estes últimos países vêmapresentando forte crescimento econômico desde a década de 90. O PIB (ProdutoInterno Bruto) da China, por exemplo, apresenta crescimento, em média, de 10% aoano (nos últimos anos). O Bloco econômico mais importante na Ásia é a APEC (Asia-Pacific Economic Cooperation, traduzido, Cooperação Econômica da Ásia e doPacífico). Atualmente, fazem parte 20 países e uma região administrativa especial daChina (Hong Kong), sendo que a maioria é de países asiáticos (Austrália, Brunei, Chile,Canadá, China, Indonésia, Japão, Coreia do Sul, México, Malásia, Nova Zelândia,Papua-Nova Guiné, Filipinas, Rússia, Peru, Cingapura; Taiwan, Tailândia, EstadosUnidos e Vietnã).- As principais religiões seguidas no continente são: islamismo, hinduísmo e budismo.- O analfabetismo vem diminuindo no continente, atingindo, aproximadamente, 23 %da população.
  • 11. - As cidades mais populosas da Ásia são: Mumbai ou Bombaim na Índia (18,3milhões), Calcutá na Índia (14,7 milhões) e Xangai na China (17,1 milhões) e Tóquiono Japão (12,3 milhões de habitantes).- Países que fazem parte da Ásia: Afeganistão, Arábia Saudita, Azerbaijão, Bahrein,Bangladesh, Brunei, Butão, Camboja, Cazaquistão, República Popular da China,Cingapura, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Emirados Árabes Unidos, Filipinas, Iêmen,Índia, Indonésia, Irã, Iraque, Israel, Japão, Jordânia, Kuwait, Laos, Líbano, Maldivas,Malásia, Mongólia, Mianmar, Nepal, Omã, Paquistão, Qatar, Quirguistão, Rússia, Síria,Sri Lanka, Tadjiquistão, Tailândia, Taiwan, Timor-Leste, Turcomenistão, Turquia,Uzbequistão e Vietnã.- Territórios asiáticos: Cisjordânia, Chagos, Cocos, Faixa de Gaza, Macau, Hong Kong,e Ilhas Christimas.- Principais rios da Ásia: Yangtze, Ienissei, Huang He, Amur, Lena, Mekong, Volga,Eufrates e Indo.- Principais ilhas da Ásia: Grande Comore, ilhas Agalega, Sumatra, Honshu, Sulawesi,Java e Bornéu.