Fisiopatologia das infecções de micoses profundas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Fisiopatologia das infecções de micoses profundas

on

  • 9,014 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,014
Views on SlideShare
9,014
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
121
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Fisiopatologia das infecções de micoses profundas Fisiopatologia das infecções de micoses profundas Presentation Transcript

  • Safia Naser.Ana Claudia Leandro da SilvaElaine Dantas FerreiraMarcelo de Jesus dos Santos  
  • São infecções causadas por fungos capazes decomprometer não somente a unidade dermo-epidermica,mas também o tecido celular subcutâneo eoutros órgãos extracutâneos (possiveis causadores dedoenças).
  • As micoses sistêmicas (MS) apresentam diversascaracterísticas em comum, entre elas: Distribuição geográfica limitada, com principal ocorrência nas Américas; Os agentes etiológicos estão presentes no solo,em dejetos animais;A principal porta de entrada são as vias aéreas superiores;
  •  “A incidência de infecções fúngicas sistêmicas em pacientes saudáveis e imunocomprometidos tem crescido mundialmente nos últimos anos, tornando os fungos patogênicos um importante campo de pesquisa médica” (TAVARES,2005).
  •  Micoses profundas ou sistêmicas o Paracoccidiodomicose • Paracoccidiodes brasiliensis. o Histoplasmose • Histoplasma capsulatum. o Blastomicose • Blastomyces dermatidis. o Coccidiodomicose. • Coccidiodis immitis
  • Paracoccidiodomicose Paracoccidiodes brasiliensis  
  •  Infecção granulomatosa de evolução crônica com grande polimorfismo clínico. Via de introdução mais frequente da P.brasiliensisé a árvore respiratória, por meio dainalação de conídios brasiliensis. Fig.1. - Conídios de Aspergillus agrupados em forma de cabeça, ao redor de uma vesícula.
  •  Fungo dimórfico Cresce na forma de bolor no meio ambiente e como levedura em gemulação em tecido infectado. Transição do estado bolor para levedura de 25 a 37 .
  • Fase filamentosa Fase Leveduriforme Dimorfismo Térmico
  • Inalação - Conídeos12hs alveolite - Leveduras Disseminação hematogênica, 20ª semana: mucosas, linfonodos, fígado, baço, supra-renais, ossos. neutrófilos, linfomono, macrófagos, linfócitos T 6ª semana granulomas epitelióides disseminação linfática
  •  Restrita nas América Central e do Sul, apresentando elevada incidência no Brasil, Venezuela, e Colômbia. Cultivado em solos de áreas endêmicas, os fungos residem em ambiente com elevada umidade. Atinge indivíduos do sexo masc.30 a 40 anos.
  •  Em 1964 Grose e Tamsitt,afirmam ter encontrado o P.brasiliensis em morcegos. Foi isolado também três vezes nos intestinos de tatus naturalmente infectados.
  • È dividida nas formas aguda e crônica, de acordo com aidade, duração e manifestações clínicas. Tipo Juvenil. Tipo Adulto.
  •  Responsável por 3 a 5% dos casos. Manifestação em 4 a 12 semanas. Letalidade -11%
  • Efeitos: Adenomegalia de linfonodos superficiais; Comprometimento abdominal ou aparelho digestivo; Comprometimento ósseo; Outras manifestações clinicas;
  • Pode acometer todos os órgãos citados, inclusive oSNC.Pode ser:a) forma leve;b) forma moderada;c) forma grave.
  • Comprometimento de : Tecidos pulmonares; Mucosas; • Fígado Sistema Fagócitico mononuclear • Baço • Adrenais • Demais Orgãos
  • Manifestações ClínicasFigura 2 . Lesão infiltrada, centro Figura 3.Lesão ulcerada, fundo comulcerado, localizada na perna. secreção sero-purulenta, bordasParacoccidioidomicose &SIDA. infiltradas, localizada no braço. Paracoccidioidomicose & SIDA.
  •  Na PCM como outras infecções granulomatosas crônicas, a resposta imune celular é o principal mecanismo de defesa. Pacientes portadores de doenças que possuem imunodepressão são os mais afetados por micoses sistêmicas, principalmente portadores do vírus da síndrome da imunodeficiência adquirida (HIV/AIDS),
  •  Com relação entre a imunidade celular do indivíduo com a infecção pelo fungo, há intima relação, tendo em vista que a pessoa com baixa imunidade fica mais propícia não só ao acometimento da contaminação, mas também a manifestação da moléstia. Na infecção por paracoccidioidomicose,a resposta imune do hospedeiro ao agente infectante se dá com um processo inflamatório granulomatoso crônico, ocasionando fibrose.
  •  No ápice da resposta inflamatória ocorre grande aumento de citocinas que induzem a formação de colágeno, dentre as citocinas produzidas, destaque para o fator de necrose tumoral (TNF-α) e fator de crescimento transformador (TGF-β). Com o acúmulo de colágeno e formação de fibrose podem levar a alterações anatômicas e funcionais dos órgãos acometidos, em particular os pulmões. Lesões no sistema nervoso central e adrenal são acometidos pelo fungo, decorrente do processo de formação de fibrose.
  •  Infecção: estágios assintomáticos e subclínicos.Contatos com o fungo sem desenvolver sintomas.Testes intradermico positivos. Doença clínica sintomática
  •  Febre Tosse Sudorese Formação de granulomas ocasionando a úlceras vermelhasna pela e mucosas (boca e nariz). Neuroparacoccidioidomicose, caracterizada por comprometimento do parênquimae dos folhetos que revestem o sistema nervoso central. As formas pulmonares podem evoluir para insuficiência respiratória crônica.
  •  Exame direto: Material da lesão ou escarro com KOH.São encontradas formas características de leveduras com parededupla e múltiplos brotamentos (em roda de leme). Em pus: Células arredondadas (na sua maioria), ovaladas, comparede grossa bem refringente. Tamanho variável. Formação debrotos únicos, duplos ou múltiplos (em roda de leme). Disposiçãocatenulada ou aglomerada. Pequenos vacúolos aparecem nocitoplasma.
  • Figura 4.P.brasiliensis no escarro
  •  Em material corado pela hematoxilina-eosina:Apresenta-se como formas arredondadas, de 1 a 20 mm, comparede grossa e refringente, isoladas ou agrupadas, combrotamento único ou múltiplo (em roda de leme). A coloração docitoplasma varia de levemente azulada e levementeavermelhada, podendo ser incolor.
  • Figura 5.Cultura: Cultivo em agar Sabouraud e agar Mycosel a 25oC. Após 20-30 dias,crescimento de colônias brancas que à análise micromorfológica apresentam clamidósporosintercalados ou terminais nas hifas. O diagnóstico pode ser feito se observado a conversão daforma micelial para leveduriforme cultivando-se a 37
  • Esfregaços de secreções biológicas e cortes histológicos. Apresenta-se como células arredondadas, de dupla parede,birrefrigente,com ou se gemulação.Provas sorológicas. Reação de Fixação do Complemento, Imunodifusão, ELISA, Western Blot
  • Figura 6.Corte Histológico do P.brasiliensis
  • Paracoccidioides brasiliensis
  • Figura 7.Coloração pela prata – GMS -
  • HistoplasmoseHistoplasma capsulatum  
  •  É uma doença granulomatosa, tendo como agente etiológico o fungo Histoplasma capsulatum, que apresenta especial afinidade pelo sistema retículo endotelial, produzindo diversas manifestações clínicas. Figura 8. Histoplasma capsulatum
  • Ciclo Biológico
  • Esquema de infecção do fungo no Homem
  • Disseminação do fungo no organismo
  • A Histoplasmose Capsulam e amplamente distribuída em todas as zonas tropicais, subtropicais e temperadas.
  • Principais síndromes clínicas associadas aoH.capsulatum são: Doença respiratória ligeira Histoplasmose Pulmonar aguda Histoplasmose Disseminada Histoplasmose Crônica Coomplicações :Pericardite e fibrose mediastica
  •  Assintomática: Indivíduos que entram em contato com o fungo mais não desenvolvem sintomas. Algumas vezes podem aparecer sintomas que se assemelham desde uma tuberculose a um resfriado. Os glânglios mediastinais podem estar envolvidos. Quando não ocorre a cura espontânea, evolui para a forma generalizada.
  •  Histoplasma capsulatum var. capsulatum Histoplasma capsulatum var. duboisii,Ambos apresentam especial afinidade pelo sistemaretículo endotelial, produzindo diversas manifestaçõesclínicas.Em indivíduos imunocompetentes, estefungo, usualmente, causa infecção autolimitada oulocalizada.
  •  AssintomáticaIndivíduos que entram em contato com o fungo, mas nãodesenvolvem sintomas. Algumas vezes, podem aparecer sintomasque se assemelham com tuberculose ou resfriado. GeneralizadaSintomas de acordo com o órgão afetado. Principalmente, os quefazem parte do sistema retículo endotelial como fígado, baço elinfonodos.
  •  Evidências sorológicas. Exame histopatológico com o tecido infectado. Cultura do agente etiológico.O diagnostico rápido da doença é possível peladetecção direta dos antígenos H.capsulatum.
  • Exame direto: Material biológico com KOH – as formas deleveduras dificilmente são encontradas por este método.Em corte de tecido corado pela H.E.: Células parasitárias arredondadas,aparecendo como elementos intracelulares, de parede grossa e citoplasma retraído. Observa-se uma zona clara entre a parede e o citoplasma, o que simula uma cápsulas
  • Histoplasmose à histoplasma capsulatum chez un Haïtien immunodéprimé
  •  Os microrganismos demoram 2 semanas para crescer em cultura, em seguida analisa-se as características morfológicas presença de hifas septadas e delgadas com macroconídios tuberculados.
  •  Anfotericina B (padrão para Histoplasmose disseminada e outras formas mais graves da doença). Os pacientes com SIDA existe uma provável recaída após o fim do tratamento.
  • BlastomicoseBlastomyces dermatidis  
  • Blastomyces Dermatitidis A blastomicose é uma infecção causada pelo fungo Blastomyces dermatitidis que é dismórfico e cresce em tecidos de mamíferos na forma de célula em brotamento. Infecção Pulmonar, podendo disseminar-se através da corrente sanguínea. Inalação dos conídios. Infecções pulmonares primárias frequentemente inaparentes e de difícil observação
  • Microorganismo Inalado A fase respiratória da doença tem semelhanças com a tuberculose,coccidioidomicose, Infecção Respiratória paracoccidioidomicose e crônica ou branda histoplasmose..A distinção deve ser cuidadosamente feita por cultura e por métodos histológicos.
  • A B.dermatitidis encontra-se muito próximo do ponto de vista bioquímico e sorológico do H.capsulatum,sendo que ambas as fases sexuais se encontram classificadas no mesmo gênero ajellomyces.
  •  Era considerada uma doença norte-americana sobretudo no sudeste do vale do rio Mississipi.No entanto,foram documentados casos no Canadá,Àmerica Latina,na África. Não se conhece o reservatório natural do agente da blastomicose,não sendo encontrado frequentemente no solo.
  •  Comprometimento da mucosa oral e nasal Sudorese,Calafrios,Febre Dor torácica e dificuldade respiratória. Tosse (com ou sem expectoração). Dor no peito e dificuldade em respirar. Apesar de, em regra, a infecção pulmonar piorar lentamente, por vezes melhora sem tratamento. Lesões ósseas produzem dor e disfunsão;as vertebras e as costelas são as mais afetadas.
  • Aspectos Microscópicos: pelo método de retalhamento dascolônias desenvolvidas em temperatura ambiente (fasebolor)observa-se: Conídios solitários, redondos ou ovais, com paredes lisas, nas extremidades de conidióforos curtos, ou diretamente sobre hifas. A levedura a 37 aparece como células redondas, com paredes espessas, em brotamento solitários, com istmo largo no local onde a célula filha se liga a célula mãe
  • Fase Bolor Fase de levedura
  •  Anfotericina B Itraconazol Fluconazol pode ser uma alternativa àqueles pacientes incapazes de tolerar o itraconazol.
  • Coccidiodomicose Coccidiodis immitis  
  •  O agente etiológico dessa doença é o Coccidioides immitis, um fungo saprófita do solo, que sobrevive em áreas desérticas e semidesérticas. A infecção se dá pela inalação de artroconídios, os quais são facilmente transportados pelo ar e altamente resistentes às condições ambientais. ***Importante considerar a presença de cálcio,cloreto de sódio, e sulfatos que favorece o C.immitis e inibem outros microrganismos.
  • Após entrar pela via respiratório os artroconídios Artroconídios sofrem modificação para asão levados por fase leveduriforme do C.correntes de ar immitis (esférula) causando contaminando lesão pulmonar e em outrosassim o homem órgãos e animais Solo salino de clima seco é o ambiente propício para o desenvolvimento de C. immitis na fase filamentosa
  •  A coccidiodomicose é endêmica em áreas desérticas da América do Norte, América Central e América do Sul, com casos esporádicos no Brasil. A maior incidência é em trabalhadores rurais, horticultores e vaqueiros. Em periodos de chuvas as hifas crescem e sofrem maturação,após isso em tempo seco,as hifas morrem e dão origem as artroconídias (ou esporos), que são dispersadas pelo ar, podendo ser inaladas pelos seres humanos.
  •  60% dos indivíduos apresentam  Artralgia infecção primária inaparente. Comprometimento respiratório baixo  Anorexia Febre  Eritema nodose Sudorese Noturna  Reações de exantemáticas Dor pleural Dispeneia Tosse produtiva
  • Multifocal hepatic granulomas causedby disseminated C. immitis infection(same alpaca as Figure 3). (© NoahsArkive, University of Georgia
  •  Avaliação da resposta à coccidioidina, da detecção de anticorpos, e da inoculação da forma micelial em camundongos. Em meios enriquecidos a 37°C há encontro de esférulas e hifas; em cultivos a 24-28°C surgem colônias brancas algodonosas a castanho-amareladas, ricas em artroconídios. Esférulas são encontradas em cortes teciduais.
  • Aparência microscópica: O tratamento de colônia pelo método de retalhamento revela ramificações híficas em ângulos de 90 e muitos artroconídios de paredes espessas, com forma de barril ou retangulares que se alternam com células disjuntoras vazias.Observação direta da Amostra: Esférulas redondas, com paredes espessas, cheias de endósporos pequenos.
  • C.Immitis no escarroNumerosos endósporos.A ruptura das esférulas libra osendósporos, que desenvolvem novas esférulas, continuandoo ciclo parasitário.
  • C.Immitis no tecido
  •  Anfotericina B; Miconazol, Cetoconazol, Itraconazol Outros derivados imidazólicos apresentam resultados limitados.
  •  Em áreas endêmicas implementar atividades educativas acerca do risco de infecção e formas de proteção. Medidas alternativas, tais como umedecer solos secos e campos de pouso, bem como o uso de máscaras e, se possível a utilização de veículos com ar refrigerado, são também utilizadas em situações específicas. Os profissionais de saúde devem seguir estritas normas de biossegurança ao manejar pacientes ou manipular amostras em laboratório.