Your SlideShare is downloading. ×
0
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
conflitos NO SECULO XXI
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

conflitos NO SECULO XXI

11,386

Published on

ásia E india

ásia E india

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
11,386
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
134
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. Fátima do Sul - MS
  2.  
  3. <ul><li>Interesse de potências (agravante da Guerra Fria); </li></ul><ul><li>Embates entre as diferentes etnias; </li></ul><ul><li>Localização estratégica do território; </li></ul><ul><li>Disputas internas por poder; </li></ul><ul><li>Conflitos religiosos; </li></ul><ul><li>Más condições de vida da </li></ul><ul><li>maioria da população; </li></ul><ul><li>Disputas territoriais ( criação do Estado de Israel em 1948). </li></ul>
  4. <ul><li>Desencadeiam ondas de intolerância e massacres : </li></ul><ul><li>Nacionalismos exacerbados </li></ul><ul><li>Embates entre diferentes etnias </li></ul><ul><li>Influência religiosa, entre outras . </li></ul>
  5. <ul><li>Afeganistão; </li></ul><ul><li>Oriente Médio (Israel, Palestina, Jordânia, Líbano e Síria.) </li></ul><ul><li>Irã x Iraque </li></ul><ul><li>Índia x Palestina </li></ul>
  6. <ul><li>O Afeganistão é formado por muitas etnias que mantêm rivalidades entre si: </li></ul><ul><li>50% da população é constituída pelos patãs, </li></ul><ul><li>30% são tadjiques, </li></ul><ul><li>Além dos usbeques, turcomanos e beluques. </li></ul><ul><li>Em termos religiosos, o islamismo se dividiu em xiitas e sunitas. 90% são muçulmanos sunitas e 9%, xiitas. </li></ul><ul><li>A população, de maneira geral, é resistente aos invasores, e guerrilhas atuam, há muito tempo no país, recebendo ajuda financeira externa. </li></ul><ul><li>Com uma expectativa de vida de 44,5 anos, e a segunda pior taxa de mortalidade infantil do mundo e o maior índice de refugiados, os afegãos enfrentam grandes desafios futuros - entre eles o de colocar um fim à guerra atual. </li></ul>
  7. <ul><li>Com a decadência da URSS e a saída dos soviéticos em 1989, o governo do presidente afegão Mohammad Najibullah herdou uma crise política e foi derrubado em 1992. </li></ul><ul><li>No sul do Afeganistão, surgiu um outro grupo militante, liderado por Mullah Mohammed Oma,: O Talibã que dominou a capital, Cabul, em 1996, e assumiu o poder de importantes partes do país. Além de dar abrigo e proteção à rede terrorista da al-Qaeda, eles baniram as mulheres da maioria das atividades fora de casa e proibiram muitas manifestações culturais. </li></ul>Em 1978, um golpe levou ao poder no Afeganistão um governo comunista apoiado pela União Soviética (URSS), mas que sofreu bastante resistência interna. Guerrilheiros religiosos, os mujahideen, financiados pelos EUA e pela Arábia Saudita, formaram a principal resistência, usando a 'guerra santa muçulmana ( jihad) como grande causa. Entre esses guerrilheiros, estava o futuro líder da rede al-Qaeda, Osama Bin Laden .
  8. <ul><li>No dia 11 de setembro de 2001 um atentado terrorista derrubou as torres gêmeas do complexo do World Trade Center, em Nova York , matando mais de 3000 pessoa. Depois dos atentados os americanos exigiram que o Talibã entregasse o chefe da rede al-Qaeda, que havia assumido a autoria dos ataques. Com a recusa do grupo, os EUA invadiram o Afeganistão, dando início à chamada Operação Liberdade Duradoura, aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU, para derrubar o Talibã. </li></ul><ul><li>Com ajuda americana, a Aliança do Norte (grupo de tadjiques, uzbeques e hazaras que lutavam contra o Talibã desde a década de 1990) tomou a cidade de Mazar-e-Sharif e depois Cabul.  </li></ul><ul><li>Em 2004 ocorreram as primeira eleições presidenciais do Afeganistão, e Hamid Karzai, representante dos pashtuns, foi eleito, e foi reeleito em 2009 com suspeitas de fraudes nas eleições, forças internacionais permanecetram na região para combater as milicias. </li></ul><ul><li>A no entanto, não acabou com os ataques dos militantes talibãs. Nove anos depois ainda tentam tomar o poder. A maioria cruzou a fronteira com o Paquistão e organiza de lá a insurgência, com ataques mais complexos. </li></ul>
  9.  
  10. <ul><li>A Palestina era parte da Síria, insalubre, miserável, relegada e abandonada, sua colonização ocorreu após a primeira guerra sob o comando Inglês. Foi formada força policial e juntamente com o progresso, chegavam também judeus de todas as partes do mundo. </li></ul><ul><li>Neste momento existia já uma população árabe e poucos judeus, mas a imigração de judeus era cada vez maior e isso começa a modificar hábitos e estilos da vida na região. </li></ul><ul><li>A Inglaterra na intenção de ajudar também os árabes apoiou em uma miserável região da Jordânia a província da Transjordânia, criando uma região muçulmana e outra judia. Por volta de 1920 foram iniciados conflitos armados ainda em pequena escala, com agressividade de ambos os lados . </li></ul>
  11. <ul><li>Em 1945 um congresso Sionista pede o acolhimento de um milhão de judeus na região e torna-se imperativo a criação do estado de Israel. </li></ul><ul><li>Neste momento recrudescem os conflitos sociais e ar m ados entre os povos judeus e árabes. O Sionismo tem um viés radical forte e é movimento político Judeu. </li></ul><ul><li>Em 29 de novembro de 1947, uma assembléia da ONU, presidida pelo brasileiro Osvaldo Aranha aprova a divisão da Palestina Inglesa em duas regiões.Os sionistas gostaram da iniciativa, o mundo árabe não. Os conflitos pequenos se tornam uma guerrilha de maior intensidade com ataques de ambos os lados. </li></ul><ul><li>Em 14 de maio de 1948 é declarada a independência do Estado de Israel pelo então primeiro ministro David Ben-Gurion, um sionista socialista. </li></ul><ul><li>Israel começa uma ampliação não oficial de suas fronteiras estabelecidas e os conflitos se exacerbam. Em abril de 1949, em torno de 700 mil palestinos viviam em campos de refugiados dentro de sua própria terra. </li></ul><ul><li>Em 1967 o eficiente serviço secreto de Israel detecta uma união do mundo árabe, quatro combatentes e quatro apoiadores, para uma provável invasão. Israel ataca sem piedade em 05 de Junho de 1967 na  Guerra dos Seis Dias , vencida por Israel, as perdas foram desproporcionais para as árabes. O domínio judeu acaba por tomar territórios diversos na fronteira com mais expansão de sua área e mostrar a hegemonia militar de Israel na região. </li></ul>
  12. <ul><li>Em 15 de Novembro de 1988 surge o  Estado Palestino . A OLP (Organização de Libertação da Palestina) um grupo até então terrorista, assume uma roupagem de partido político. Na liderança de  Yasser Arafat . Diversos processos de negociação com Israel são conduzidos, na verdade iniciados nos Estaos Unidos pelo presidente Carter em 1977 no famoso encontro de Camp Davis. </li></ul><ul><li>Algumas situações que seguiram: </li></ul><ul><li>Mesmo antes da autonomia política, o povo palestino é usurpado por suas lideranças com a corrupção e desmandos. As condições sociais são péssimas, a pobreza e o analfabetismo são alarmantes, quando comparados as condições de Israel, assustadoras criando condições para surgimento de outros grupos radicais como o Hamas, Hezbolah, Fath, </li></ul><ul><li>Israel sempre participa de esforços de negociação de paz e tentativas de reorganização na região. Com efeito, deve ter todo interesse em desenvolver a região para que o radicalismo religioso e político sejam renegados pelo povo palestino. O problema é que Israel como no mundo árabe tem radicais, sionistas e direitistas que não têm interesse na paz e equilíbrio da região. </li></ul>
  13. <ul><li>O poder no Líbano era repartido com base no critério religioso, mas esse equilíbrio foi quebrado com o aumento dos palestinos refugiados no país aumentando a quantidade de mulçumanos no Líbano, assim os cristãos maronitas passaram a exigir a saída deles do país, e os guerrilheiros da OLP passaram a agir independentemente. </li></ul><ul><li>Embora a ONU tenha proposto um governo composto por líderes de vários grupos religiosos , em 1975 ocorre uma guerra entre as diversas facções religiosas do Líbano. </li></ul>
  14. <ul><li>Em 1982 o presidente libanês Bashir Gemayel é assassinado e Israel permite entrada de milicianos da Falange nos campos de refugiados palestinos ( em Sabra e Chatila regiões ocupada por Israel) em busca de terroristas que estivessem envolvidos com a morte do presidente libanês, mas cerca de 2000 palestinos foram mortos na operação entre eles idosos mulheres e crianças. </li></ul><ul><li>Em 1990 como fim da Guerra civil iniciou-se um processo de reconstrução do Líbano. </li></ul><ul><li>No fim do ano 2000 Israel retirou os soldados do sul do Líbano.Em 2005 soldados Sírios que estavam a 29 anos no Líbano também são retirados. </li></ul>
  15. <ul><li>Mas na fronteira com Israel, estão as bases do mais importante grupo religioso do país: o Hezbollah, formado por Mulçumanos xiitas, que atua principalmente no sul do Líbano, apoiado pela comunidade árabe pobre da região, pois garante o funcionamento de escolas e hospitais, possui o objetivo de destruir o estado de Israel para construir um Estado paleslino no lugar, assim desde sua criação no Irã em 1982 o Hezbollah ataca a Israel. </li></ul><ul><li>Em 2006 militantes do Hezbollah sequestraram dois soldados israelenses pedindo em troca a libertação de alguns de seus menbros prisioneiros em Israel. </li></ul><ul><li>Preocupado com o crescimento do Hezbollah Israeol iniciou uma guerra contra o Líbano, atacando- o por terra mar e ar, para supostamente destruir as bases xiitas, mas também atingiu os civis libaneses matando muitos inocentes. </li></ul><ul><li>Israel e o Hezbollah aceitaram um acordo de cessar fogo a aprtir das propostas de Segurança da ONU, que ocupou a região do sul do Líbano na fronteira com Israel. </li></ul>
  16. Lilian <ul><li>O Irã deixava de ser uma monarquia alinhada ao Ocidente para se tornar uma brutal ditadura fundamentalista islâmica . </li></ul><ul><li>Khomeini defendia a expansão da revolução, o que criando atritos com outras nações do Oriente Médio, e criticava abertamente os EUA, acusando-os de corromper os valores islâmicos. </li></ul><ul><li>Como conseqüência foi o rompimento do Irã com os Estados Unidos. Os americanos se viram sem um de seus maiores aliados fornecedor de petróleo. Para compensar a perda do Irã, os EUA se aproximaram do país vizinho, o Iraque, onde o jovem vice-presidente Saddam Hussein.  havia tomado o poder recentemente por meio de um golpe de estado. </li></ul>
  17. <ul><li>A guerra começou em 1980 quando Saddam Hussein reivindicou o controle total do estreito  do Chatt-el-Arab, um canal que liga o Iraque ao Golfo Pérsico, por meio do qual é escoada a produção petrolífera do país. . Diante da recusa iraniana em ceder seu território, tropas de Saddam invadiram o Irã e destruíram o que era então a maior refinaria de petróleo do mundo, em Abadã. </li></ul><ul><li>O Iraque sofreu um pesado contra-ataque iraniano em 1982 e apesar do Iraque ser apoiado pelos Estados Unidos e outras nações do oriente Médio como a Arábia Saudita o Irã resistiu por oito anos. </li></ul><ul><li>Um acordo de paz proposto pela ONU em 1988, deu fim a guerra que terminou sem alterações territoriais ou vencedores e com mais de um milhão de mortos e deixando a economia dos dois países devastada. </li></ul>
  18. <ul><li>Guerra do Golfo: em agosto de 1990, após as tropas iraquianas terem invadido o Kuwait acusango-o de uma política de superextração de petróleo causando uma queda nos preços e prejudicando a economia iraquiana. Saddam também ressuscitou problemas antigos e exigiu indenização. Como o Kuwait não aceitou foi invadido por tropas iraquianas. </li></ul><ul><li>A ONU condenou a invasão e emitiu um documento exigindo a retirada imediata das tropas iraquianas do Kuwait. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos deslocaram tropas e aviões para a Arábia Saudita, preparando-se para uma ação militar.  Como o Iraque não retirou seu exército do Kuwait, a ONU autorizou a invasão militar por um grupo de países (Inglaterra, França, Egito, Síria, Arábia Saudita) </li></ul><ul><li>O ataque ao Iraque teve inicio em janeiro de 1991 e durou um mês e meio. O Iraque foi derrotado (o cessar fogo foi aceito em abril de 1991) e teve que retirar suas tropas do vizinho Kuwait, além de sofrer com o embargo econômico imposto pela  ONU .  </li></ul><ul><li>Milhares de soldados e civis morreram ou ficaram mutilados nesta guerra e os prejuízos econômicos também foram gigantescos . Porém, Saddam Hussein continuou no poder do Iraque e reorganizou, com o passar dos anos, a economia e o exército iraquiano . </li></ul>
  19. <ul><li>A disputa pela região da Caxemira vem ocorrendo desde a independência do subcontinente indiano do domínio britânico desde 1947 ano em que tanto a Índia quanto o Paquistão foram criados. </li></ul><ul><li>Enquanto o Paquistão se formou por uma maioria mulçumana, a índia permaneceu dominada pelos Hindus </li></ul><ul><li>A Caxemira era dominada por um marajá hindu que resolveu incorporá-la a Índia.Entre 1946 e 1947 ocorreram os primeiros conflitos na disputa pela região </li></ul>
  20. <ul><li>Em 1949 a Caxemira foi divida pela ONU, ficando assim uma parte para o Paquistão e outra para a Índia </li></ul><ul><li>No inicio de 1960 a China ocupou uma parte ao leste da Caxemina indiana, reclamada pela índia até hoje. </li></ul><ul><li>Na década de 1980 o crescimento do fundamentalista mulçumano fortaleceu o movimento separatista na Caxemira indiana, que passou a contar com o apoio do Paquistão, pois o movimento separatista quer sua anexação ao Paquistão. </li></ul><ul><li>Os confrontos se intensificaram em 1990, motivado pelo radicalismo dos guerrilheiros paquistaneses, e pelo acirramento da repressão militar indiana e seu fundamentalismo hindu. </li></ul>
  21. <ul><li>A tensão na Caxemira serviu de pretexto para que ambos os paises militarizassem suas fronteiras, gastando fotunas com a tecnologia bélica mesmo possuindo enormes taxas de pobreza. </li></ul><ul><li>O conflito está londge de terminar uma vez que as motivações não são apenas territoriais, mas diferenças religiosas </li></ul>
  22. Obrigada Pela Atenção

×