Your SlideShare is downloading. ×
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Midnight sun pt
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Midnight sun pt

1,001

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,001
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. º Capitulo - À Primeira VistaEsta era a hora do dia em que eu desejava conseguir dormir. Liceu.Ou será que a palavra certa era purgatório? Se houvesse uma maneira de compensar osmeus pecados, isto devia contar de alguma forma. O tédio não era uma coisa com a qualeu me tenha habituado. Cada dia parecia mais impossivelmente monótono do que oúltimo.Suponho que esta era a minha forma de dormir - se dormir era definido como umestado inerte entre períodos activos.Olhei para as falhas no gesso do tecto do canto mais distante do refeitório, imaginandopadrões dentro deles que não existiam. Era a única maneira de desligar as vozes quetagarelavam como a corrente de um rio dentro da minha cabeça.Várias centenas de vozes que eu ignorava por puro aborrecimento.Quando se tratava da mente humana, eu já tinha ouvido tudo e mais um pouco. Hoje,todos os pensamentos estavam a ser consumidos com o drama comum de uma novaadição ao pequeno corpo estudantil daqui. Não levou muito tempo para ouvir todos.Tinha visto o rosto a repetir-se de pensamento em pensamento sob todos os ângulos.Só uma rapariga humana normal. A excitação pela chegada dela era cansativamenteprevisível - como um objecto brilhante para uma criança. Metade do corpo estudantilmasculino já se estava a imaginar apaixonado por ela, só porque ela era algo de novopara se olhar. Tentei desligá-los ainda mais.Só existiam quatro vozes que eu bloqueava mais por cortesia do que por desgosto: aminha família, os meus dois irmãos e duas irmãs, que já estavam tão habituados à faltade privacidade quando estavam ao pé de mim que já nem pensavam nisso. Eu dava-lhestoda a privacidade que conseguia. Se pudesse evitar, não os ouvia.Eu tentava, mas ainda assim… eu sabia.A Rosalie estava a pensar, como sempre, nela mesma. Tinha visto o reflexo do seuperfil no copo de alguém, e estava a meditar sobre a sua própria perfeição. A mente de
  • 2. Rosalie era uma piscina superficial com poucas surpresas.O Emmett estava furioso por causa de uma luta que tinha perdido contra Jasper nanoite passada. Ia usar toda a sua limitada paciência para chegar até o fim do dia deaulas e planear uma vingança. Nunca me senti muito intrusivo a ouvir os pensamentos deEmmett, porque ele nunca pensava em alguma coisa que não dissesse em voz alta oufizesse. Talvez só me sentisse culpado a ler as mentes dos outros porque sabia quehavia coisas que eles não iriam querer que eu soubesse.Se a mente de Rosalie era uma piscina superficial, então a de Emmett era uma lagoasem sombras, clara como cristal.E Jasper estava… a sofrer. Segurei um suspiro.Edward. Alice chamou-me na sua cabeça, e teve a minha atenção imediatamente. Eraexactamente como se ela me estivesse a chamar em voz alta. Eu estava feliz que onome que me foi dado tinha saído um bocado de moda ultimamente. Seria enervante,sempre que alguém pensasse num Edward qualquer, a minha cabeça virar-se-iaautomaticamente…A minha cabeça não se virou desta vez. A Alice e eu éramos bons nestas conversasprivadas. Era raro quando alguém nos apanhava. Eu mantive os meus olhos nas linhas dogesso do tecto.Como é que ele se está a aguentar? - Perguntou-me.Eu fiz uma careta só com um pequeno movimento da minha boca. Nada que pudessealertar os outros. Eu podia estar facilmente a fazer uma careta de aborrecimento.O tom mental de Alice estava alarmado agora, eu vi na mente dela que ela estava aobservar o Jasper com a sua visão periférica. Há algum perigo? Ela procurou, no futuroimediato, vasculhando por visões de monotonia para a fonte da minha careta. Eu virei aminha cabeça lentamente para a esquerda, como se estivesse a olhar para os tijolos naparede, suspirei, e depois para a direita, de volta para as falhas no teto. Só a Alicesabia que eu estava a abanar a minha cabeça.Ela relaxou. Avisa-me se piorar.
  • 3. Mexi apenas os meus olhos, para cima em direcção do tecto, e para baixo outra vez.Obrigada por estares a fazer isto.Eu estava feliz por não ter de lhe responder em voz alta. O que é que ia dizer? ‘Oprazer é meu’? Dificilmente era isso. Eu não gostava de ouvir as lutas do Jasper. Eramesmo necessário fazer experiências como estas? Será que o caminho mais seguro nãoseria admitir que ele nunca seria capaz de lidar com a sede da mesma maneira que nósconseguíamos, e não forçar os seus limites? Para quê brincar com o desastre?Já passaram duas semanas desde a nossa última caçada. Isso não era imensamentedifícil para o resto de nós. Ocasionalmente era um bocado desconfortável - se umhumano se aproximasse demais, se o vento soprasse na direcção errada. Mas oshumanos raramente se aproximavam demais. Os instintos deles diziam-lhes o que assuas mentes conscientes nunca iriam entender: nós éramos perigosos.Jasper era muito perigoso neste momento.Nesse momento, uma rapariga pequena parou na ponta da mesa mais próxima da nossa,parando para falar com uma amiga. Alisou o cabelo curto, cor de areia, passando osdedos por ele. Os aquecedores mandaram o cheiro para a nossa direcção. Eu já estavahabituado à maneira como esse cheiro me fazia sentir - a dor seca na minha garganta, ogrito vazio no meu estômago, a contracção automática dos meus músculos, o excesso dofluxo de veneno na minha boca…Tudo isto era muito normal, geralmente fácil de ignorar. Só que era mais difícil agora,com esses sentimentos mais fortes, duplicados, enquanto acompanhava a reacção deJasper. Era uma sede gémea, e não apenas a minha.O Jasper estava a deixar que a sua imaginação divagasse. Estava a imaginar. Aimaginar-se a levantar do seu lugar ao lado de Alice e sentar-se ao lado da rapariga.Estava a pensar em inclinar-se para baixo e para a frente, como se fosse falar ao seuouvido, e os seus lábios a tocarem o arco da garganta dela. Estava a imaginar comoseria a sensação de sentir o fluxo quente do pulso dela por baixo de sua pele fina naboca dele…
  • 4. Dei um pontapé na cadeira dele.Ele encontrou o meu olhar por um minuto e depois olhou para baixo. Eu conseguia ouvira vergonha e a rebeldia a lutar na cabeça dele.- Desculpa - Jasper murmurou.Levantei os ombros.- Não ias fazer nada - Alice murmurou-lhe, acalmando o seu desapontamento. - Eu viisso.Lutei contra a careta que teria denunciado a mentira dela. Nós tínhamos quepermanecer juntos, a Alice e eu. Não era fácil ouvir vozes ou ter visões do futuro. Duasaberrações no meio daqueles que já eram aberrações. Protegíamos os segredos um dooutro.- Ajuda um bocado se pensares neles como seres humanos - a Alice sugeriu, a sua vozalta, musical, era demasiado rápida para os ouvidos humanos entenderem, se algumdeles estivesse perto o suficiente para ouvir. - O nome dela é Whitney. Tem umairmãzinha que adora. A mãe dela convidou a Esme para aquela festa de jardim, lembras-te?- Eu sei quem ela é - Jasper disse curtamente. Virou-se para olhar por uma daspequenas janelas que eram colocadas bem em baixo das vigas à volta da grande sala. Otom dele acabou com a conversa.Ele tinha que caçar hoje à noite. Era ridículo arriscar-se desta maneira, a tentar testara sua força, a tentar construir a sua resistência. O Jasper devia simplesmente aceitaras suas limitações e lidar com elas. Os seus hábitos antigos não condiziam com oshábitos que nós escolhemos; ele não devia exigir tanto de si mesmo desta maneira.Alice suspirou baixinho e levantou-se, levando o seu tabuleiro de comida - o seuadereço, isso é que era - com ela e deixando-o sozinho. Ela sabia quando ele já estavafarto dos encorajamentos dela. Apesar de Rosalie e Emmett serem mais abertos emrelação ao seu relacionamento, eram Alice e Jasper que conheciam cada traço de humordo outro como o seu próprio. Como se conseguissem ler mentes também - só que só um
  • 5. do outro.Edward Cullen.Reacção de reflexo. Virei-me com o som do meu nome a ser chamado, apesar de nãoestar a ser chamado, só pensado.Os meus olhos prenderam-se por uma pequena fracção de segundo com um grande parde olhos humanos, cor de chocolate num rosto pálido, com formato de coração. Eu jáconhecia o rosto, apesar de nunca o ter visto até este momento. Ele esteve em quasetodas as cabeças humanas hoje. A nova estudante, Isabella Swan. Filha do chefe depolícia da cidade, trazida para viver aqui por uma nova situação de custódia. Bella. Elacorrigia toda a gente que usava o seu nome inteiro…Desviei o olhar, aborrecido. Levei um segundo para perceber que não tinha sido elaquem pensou no meu nome.É claro que ela já se está a apaixonar pelos Cullen, ouvi o primeiro pensamentocontinuar.Agora eu reconhecia a “voz”. Jessica Stanley - já há algum tempo que não meincomodava com as suas tagarelices internas. Foi um alívio quando ela se curou da suapaixão deslocada. Era quase impossível escapar dos seus constantes, ridículos sonhosdiurnos. Desejei, naquela altura, poder explicar exactamente o que teria acontecido seos meus lábios, e os dentes atrás deles, se chegassem de alguma maneira perto dela.Isso teria silenciado aquelas fantasias incómodas. Pensar na reacção dela quase me fezsorrir.Ela nem sequer é bonita. Não sei por que é que o Eric está a olhar tanto para ela… ou oMike. Suspirou mentalmente no último nome. A nova paixão dela, o genericamentepopular Mike Newton, era completamente indiferente a ela. Aparentemente, não eratão indiferente sobre a rapariga nova. Como uma criança com um objecto brilhanteoutra vez.Isso colocou uma pontada maligna nos pensamentos de Jessica, apesar de serexternamente cordial com a recém-chegada enquanto explicava os conhecimentos
  • 6. comuns sobre a minha família. A nova estudante devia ter perguntado sobre nós.Hoje estão todos a olhar para mim também, a Jessica pensou presumidamente numaparte. É uma sorte que Bella vá ter duas aulas comigo… aposto que Mike vai perguntaro que ela…Tentei bloquear os pensamentos antes que a mesquinharia e a insignificância medeixassem louco.- A Jessica Stanley está a dar à nova rapariga Swan todos os podres do clã Cullen-murmurei para o Emmett como distracção. Ele gargalhou por debaixo do fôlego.Espero que esteja a fazer isso bem, pensou.- Na verdade, é muito pouco criativo. Só uma pequena ponta de escândalo. Nenhummexerico horroroso. Estou um bocado desapontado.E a rapariga nova? Também está desapontada com os mexericos?Tentei ouvir o que essa rapariga nova, Bella, estava a pensar das histórias de Jessica.O que é que ela via quando olhava para a estranha família de pele pálida que erauniversalmente evitada?Era mais ou menos a minha obrigação saber a reacção dela. Eu era como um espião, porfalta de uma palavra melhor, para a minha família. Para nos proteger. Se alguémcomeçasse a suspeitar, eu podia dar-nos a oportunidade de ter um aviso prévio para nosretirarmos facilmente. Isso acontecia ocasionalmente - algum humano com uma menteactiva via-nos como personagens de um livro ou um filme. Geralmente entendiam tudomal, mas era melhor mudarmo-nos para algum sítio novo do que arriscarmos oescrutínio. Muito, muito raramente, alguém adivinhava correctamente.Nós não lhes dávamos oportunidade de testar as suas hipóteses. Simplesmentedesaparecíamos, para nos tornarmos nada mais do que uma memória assustadora…Não ouvi nada, apesar de conseguir ouvir onde a tagarelice frívola de Jessicacontinuava ali perto. Era como se não houvesse ninguém sentado ao lado dela. Queestranho, será que a rapariga nova tinha ido embora? Não parecia provável, já queJessica continuava a mexericar com ela. Olhei para cima para verificar, sentindo-me
  • 7. meio estranho. Verificar o que os meus “ouvidos” extras me podiam dizer não era umacoisa que eu tinha que fazer.Outra vez, os meus olhos prenderam-se naqueles mesmos grandes olhos castanhos.Ela estava sentada exactamente como antes, olhando para nós, uma coisa natural afazer-se, acho, já que a Jessica ainda estava a espalhar as fofocas locais sobre osCullen.Pensar em nós também seria natural.Mas eu não ouvia nem sequer um sussurro. Um quente e convidativo vermelho deu cor àssuas bochechas quando ela olhou para baixo, desviando o olhar da embaraçosa situaçãode ser apanhada a encarar um estranho. Era bom que Jasper ainda estivesse a olharpara a janela. Eu não gostava de imaginar o que aquele simples agrupamento de sanguefaria com o seu controle.As emoções estavam tão claras como se tivessem sido escritas na testa dela: surpresa,enquanto ela, sem saber, absorvia as diferenças entre a espécie dela e a minha;curiosidade, enquanto ouvia as explicações de Jessica; e algo mais… fascínio? Não seriaa primeira vez. Nós éramos lindos para eles, a nossa presa.E depois, finalmente, vergonha, quando a apanhei a olhar para mim.E, mesmo assim, apesar de os seus pensamentos serem tão claros através dos seusolhos estranhos - estranhos por causa da profundidade deles; os olhos castanhosnormalmente pareciam vazios na sua escuridão - não conseguia ouvir nada além dosilêncio vindo do lugar onde ela estava sentada. Absolutamente nada.Senti um momento desconfortável.Isto não era uma coisa pela qual eu já tinha passado antes. Havia algo de erradocomigo? Sentia-me exactamente da mesma maneira que me sentia sempre. Preocupado,tentei ouvir melhor.Todas as vozes que estive a bloquear, passaram a gritar na minha cabeça de repente.…pergunto-me de que música é que ela gosta… talvez eu possa mencionar aquele CDnovo…, Mike Newton estava a pensar, a duas mesas de distância - fixado em Bella Swan.
  • 8. Vejam-no só a olhar para ela! Será que já não é suficiente que tenha metade das miúdasda escola caídas por ele? Eric Yorkie estava a ter pensamentos de mágoa, tambémgirando à volta da rapariga.…tão nojento. Quase que dava para pensar que ela é famosa ou alguma coisa assim… Atéo Edward CULLEN está a olhar! A Lauren Mallory estava com tantos ciúmes que a caradela devia estar com uma cor verde como a de jade. E Jessica, a ostentar a sua novamelhor amiga. Que piada…, a rapariga continuou a soltar veneno com os pensamentos.…Aposto que toda a gente já deve ter-lhe perguntado isso. Mas eu gostava de falar comela. Vou pensar numa uma pergunta mais original…, Ashley Dowling meditou.…Talvez esteja na minha aula de Espanhol…, June Richardson desejou.…Tenho toneladas de coisas para fazer essa noite! Trigonometria e o teste de inglês.Espero que a minha mãe… Angela Weber, uma rapariga tímida, cujos pensamentos eramanormalmente gentis, era a única na mesa que não estava obcecada com aquela Bella.Conseguia ouvi-los a todos, ouvir cada coisinha insignificante que eles pensavamenquanto os pensamentos passavam nas suas mentes. Mas absolutamente nada vinha danova estudante com olhos enganosamente comunicativos.E, é claro, eu conseguia ouvir o que a rapariga dizia quando falava com Jessica. Eu nãoprecisava ouvir os pensamentos para ouvir sua voz baixa, clara, no outro lado da sala.- Qual deles é o rapaz com cabelo castanho arruivado? – Ouvi-a a perguntar, enquantodava uma olhadela pelo canto dos olhos, mas desviou rapidamente quando viu que euainda estava a olhar para ela.Se eu tivesse que esperar que o som da voz dela me pudesse ajudar a conectar aos seuspensamentos, que estavam perdidos em algum lugar onde eu não podia chegar, ficariainstantaneamente desapontado. Geralmente, os pensamentos das pessoas vinhamacompanhados por um grupo de frases que diziam completamente o contrário nas suasvozes físicas. Mas aquela voz baixa, tímida, não era familiar, não era nenhuma dascentenas de vozes que rodeavam a sala, eu tinha a certeza disso. Ela era inteiramentenova.
  • 9. Oh, boa sorte, idiota! A Jessica pensou antes de responder à pergunta dela.- É o Edward. É lindo, como é evidente, mas não percas tempo. Ele não sai comraparigas. Pelos vistos, nenhuma das raparigas daqui é suficientemente atraente paraele – Torceu o nariz como se a fungar.Virei a minha cabeça para esconder um sorriso. A Jessica e as suas amigas não tinham amínima ideia da sorte que tinham por nenhuma delas ser particularmente apelativa paramim.Por baixo do humor passageiro, senti um estranho impulso, um que não entendiaclaramente. Tinha alguma coisa a ver com os pensamentos maldosos de Jessica, dosquais a rapariga nova não fazia ideia… Senti uma estranha urgência de me meter entreelas, para proteger aquela Bella Swan dos trabalhos obscuros da mente de Jessica. Quecoisa estranha para se sentir. A tentar entender as motivações por trás desse impulso,examinei a rapariga nova mais uma vez. Talvez fosse algum instinto de protecção queestava há muito tempo enterrado - o mais forte pelo mais fraco. Esta rapariga pareciamais frágil do que as suas novas colegas de turma. A pele dela era tão translúcida queera difícil de acreditar que ela oferecia tanta resistência ao mundo exterior. Conseguiaver o ritmo da pulsação do sangue através das veias dela, debaixo da sua membranaclara, pálida…Mas não me ia concentrar nisso. Eu era bom nesta vida que tinhaescolhido, mas eu estava com tanta sede quanto o Jasper, e era melhor não convidar atentação.Havia uma fraca linha de preocupação entre as suas sobrancelhas da qual ela nãoparecia aperceber-se.Isto era inacreditavelmente frustrante! Eu conseguia ver claramente que ela estavatensa por ter que se sentar ali, ter que conversar com estranhos, ser o centro dasatenções.Conseguia sentir a sua timidez pela maneira como segurava os seus ombros deaparência frágil, levemente encolhidos, como se estivesse à espera de ser empurrada aqualquer momento. E, mesmo assim, eu só podia sentir, só podia ver, só podia imaginar.
  • 10. Não havia nada sem ser silêncio vindo daquela rapariga humana muito normal.Eu não conseguia ouvir nada. Porquê?- Vamos? - A Rosalie murmurou, interrompendo a minha concentração. Desviei o olharda rapariga com uma sensação de alívio. Não queria continuar a falhar naquilo - issoirritava-me. Eu não queria desenvolver nenhuma espécie de interesse especial pelosseus pensamentos simplesmente porque estavam escondidos de mim. Sem dúvida,quando eu conseguisse decifrar os seus pensamentos - e eu ia encontrar uma forma defazer isso - eles iam ser exactamente tão insignificantes e banais quanto ospensamentos de qualquer humano. Não iam valer o esforço que eu faria para osalcançar.- Então, a novata já está com medo de nós? - O Emmett perguntou, ainda à espera daresposta à pergunta anterior.Encolhi os ombros. Ele não estava interessado o suficiente para me pressionar por maisinformações. E eu também não devia estar interessado.Levantámo-nos da mesa e saímos do refeitório.Emmett, Rosalie e Jasper estavam a fingir estar no último ano; foram para as aulasdeles. Eu estava a fingir ser mais novo que eles. Fui para a minha aula de Biologia donível médio, preparando a minha mente para o tédio. Era pouco provável que o Sr.Banner, um homem com uma inteligência não mais que comum, pudesse dizer na sua aulaalguma coisa que pudesse surpreender alguém que já tinha dois níveis de graduação emmedicina.Na sala de aula, sentei-me na minha cadeira e deixei os livros - adereços de novo; elesnão tinham nada que eu já não soubesse - espalhados pela mesa. Eu era o único alunoque tinha uma mesa só para si. Os humanos não eram espertos o suficiente para saberque tinham medo de mim, mas os seus instintos de sobrevivência eram suficientes paramantê-los afastados de mim.A sala foi-se enchendo lentamente enquanto eles voltavam do almoço. Inclinei-me naminha cadeira e esperei que o tempo passasse. Outra vez, desejei ser capaz de dormir.
  • 11. Como eu estava a pensar nela, quando Angela Weber acompanhou a rapariga nova pelaporta, o nome dela chamou a minha atenção.A Bella parece ser tão tímida quanto eu. Aposto que hoje foi muito difícil para ela. Euqueria poder dizer alguma coisa… Mas provavelmente só ia parecer uma estúpida…Boa! Mike Newton virou-se na sua cadeira para observar a entrada da rapariga.Ainda, do lugar onde Bella estava, nada. O espaço vazio onde os pensamentos deladeviam estar deixou-me irritado e enervado.Ela aproximou-se, passando pelo corredor ao meu lado para chegar à mesa doprofessor.Pobre rapariga; o lugar ao meu lado era o único que estava vazio.Automaticamente, limpei aquele que seria o lado dela da mesa, colocando os meus livrosnuma pilha. Duvidava que ela se fosse sentir muito confortável aqui. Ia ter que aguentarum longo período - nesta aula, pelo menos. Talvez, no entanto, se ela se sentasse ao meulado, eu fosse capaz de desvendar os seus segredos… não que alguma vez tivesseprecisado de tanta proximidade… não que eu fosse encontrar alguma coisa que valesse apena ouvir…Bella Swan caminhou para o fluxo do ar aquecido que soprava na minha direcção doaquecedor.O cheiro dela atingiu-me como uma bola, como um bastão de basebol. Não existenenhuma imagem violenta o suficiente para explicar a força do que aconteceu comigonaquele momento.Naquele instante, eu não era nada nem perto do humano que um dia fui, nenhum traçoda humanidade na qual eu me tentei esconder.Eu era um predador. E ela era a minha presa. Não havia mais nada neste mundo sem seressa verdade.Não havia uma sala cheia de testemunhas - na minha cabeça eles já eram danoscolaterais. Já tinha passado o mistério dos pensamentos dela. Os pensamentos dela nãosignificavam nada, ela não ia passar muito mais tempo a pensar.
  • 12. Eu era um vampiro e ela tinha o sangue mais doce que eu já tinha cheirado em oitentaanos.Nunca imaginei que um cheiro assim pudesse existir. Se eu soubesse que existia, játinha saído à procura há muito tempo. Eu teria vasculhado o planeta por ela. Conseguiaimaginar o sabor…A sede queimou-me garganta como fogo. A minha boca estava torrada e desidratada. Ofluxo fresco de veneno não fez nada para afastar essa sensação. O meu estômagorevirou-se com fome que era um eco da sede. Os meus músculos contraíram-se paraatacar.Nem tinha passado um segundo. Ela ainda estava no mesmo passo que a tinha colocadono vento na minha direcção.Enquanto os pés dela tocavam o chão, os seus olhos deslizaram na minha direcção. Ummovimento que ela claramente estava à espera que fosse rápido. O olhar dela encontrouo meu, e eu vi-me reflectido no grande espelho dos seus olhos.O choque do rosto que eu vi salvou-lhe a vida por alguns momentos. Ela não facilitou ascoisas. Quando viu a minha expressão, o sangue apareceu-lhe nas bochechas de novo,deixando a pele dela com a cor mais deliciosa que eu já tinha visto. O cheiro era umgrosso nevoeiro no meu cérebro. Eu mal conseguia pensar através dele.Os meus pensamentos enfureceram-se, resistindo ao controle, incoerentes.Agora ela caminhava mais depressa, como se tivesse percebido que precisava deescapar. A pressa dela deixou-a desastrada - tropeçou e inclinou-se para a frente,caindo quase em cima da rapariga que se sentava à minha frente. Vulnerável, fraca. Atémais que o normal para um humano.Tentei-me concentrar no rosto que tinha visto nos olhos dela, um rosto que eureconhecia com nojo. O rosto do monstro em mim - o rosto que eu tinha afastado comdécadas de esforço e disciplina inflexível. Como ele tinha voltado à superfície comtanta facilidade agora!O cheiro invadiu-me novamente, ferindo-me os pensamentos e quase me fez saltar do
  • 13. meu lugar.Não.A minha mão agarrou-se à borda da mesa enquanto eu me tentava segurar à cadeira.A madeira não estava à altura disso. A minha mão partiu-a e afastou-se cheia de restosde fuligem, deixando a marca dos meus dedos cravadas na madeira que restou.Destruir as provas. Essa era a regra fundamental.Rapidamente pulverizei os limites da mesa com as pontas dos dedos, sem deixar nadaalém de um buraco e uma pilha de fuligem no chão, que limpei com o meu pé.Destruir as provas. Estragos colaterais…Eu sabia o que tinha que acontecer agora. A rapariga ia ter que se vir se sentar ao meulado, e eu ia ter que matá-la.Os inocentes espectadores na sala, outras dezoito crianças e um homem, já não podiamter permissão para sair daquela sala, assim que vissem o que iam ver em breve.Fiquei rígido com o pensamento do que planeava fazer. Mesmo nos meus piores dias,nunca tinha cometido este tipo de atrocidade. Nunca matei inocentes em nenhumadestas oito décadas. E agora planeava matar vinte de uma só vez.O rosto do monstro no espelho gozou comigo.Mesmo que uma parte de mim se afastasse desse monstro, a outra parte estava a fazerplanos.Se eu matasse a rapariga primeiro, só teria uns quinze ou vinte segundos com ela antesque os outros humanos na sala começassem a reagir. Talvez um pouco mais de tempo, seeles não percebessem logo no início o que eu estava a fazer. Ela não teria tempo degritar ou de sentir dor; eu não ia matá-la cruelmente. Pelo menos podia dar-lhe isso.Uma morte rápida àquela estranha com sangue horrivelmente desejável.Mas depois eu iria ter que impedi-los de fugir. Não ia precisar de me preocupar com asjanelas, elas eram altas e demasiado pequenas para servir como escapatória paraalguém. Só a porta – bloqueio-a e eles ficarão presos.Ia ser mais lento e difícil se tentasse matá-los a todos quando estivessem em pânico e
  • 14. a misturarem-se, movimentarem-se no caos. Nada impossível, mas iria haver muito maisbarulho. Ia dar tempo para muitos gritos. Alguém poderia ouvir… e eu seria obrigado amatar ainda mais inocentes naquela hora negra.E o sangue dela iria arrefecer enquanto eu estivesse a assassinar os outros.O cheiro castigou-me, fechando a minha garganta com uma dor seca…Então seriam as testemunhas primeiro.Planeei tudo na minha cabeça. Estaria no meio da sala, na fila mais afastada do fundo.Ia tratar do lado direito primeiro. Podia morder quatro ou cinco pescoços por segundo,fiz uma estimativa. Não seria barulhento. O lado direito seria o lado de sorte; eles nãome iam ver a chegar. Levar-me-ia, no máximo, cinco segundos a acabar com todas asvidas nesta sala.Tempo o suficiente para Bella Swan ver, num instante, o que se estava a preparar paraela. Tempo o suficiente para ela sentir medo. Tempo suficiente, talvez, se o choque nãoa congelasse no lugar, para ela tentar gritar. O gritinho suave não faria ninguémaparecer a correr.Respirei fundo, e o cheiro era como um fogo a correr nas minhas veias secas,queimando por dentro do meu peito para consumir qualquer impulso de bondade do qualeu ainda fosse capaz.Ela estava a virar-se agora. Dentro de alguns segundos, ela ia sentar-se a apenas algunscentímetros de mim.O monstro na minha cabeça sorriu com a antecipação.Alguém fechou uma pasta ao meu lado. Eu não me virei para ver qual dos humanospredestinados tinha feito isso, mas o movimento mandou uma onda de vento sem cheirona minha direcção.Por um curto segundo, fui capaz de pensar com clareza. Naquele precioso segundo, eu vidois rostos na minha cabeça, lado a lado.Um era o meu, ou o que foi um dia: o monstro de olhos vermelhos que já tinha mortotantas pessoas que já tinha parado de contar o número. Assassinatos racionalizados,
  • 15. justificados. Um assassino de assassinos, um assassino de outros monstros, menospoderosos. Era um complexo de ser Deus, eu sabia disso - decidir quem merecia umasentença de morte. Era um compromisso comigo mesmo. Eu tinha-me alimentado desangue humano, mas apenas humanos na sua definição mais fraca. As minhas vítimaseram, nos seus violentos dias negros, tão humanos quanto eu era.O outro rosto era o de Carlisle.Não havia nenhuma semelhança entre os dois rostos.Eles eram como o dia mais claro e a noite mais escura. Não havia motivo para quehouvesse uma semelhança. Carlisle não era meu pai no sentido biológico básico. Nós nãotínhamos feições semelhantes. A similaridade na nossa cor era apenas por causa do queéramos; todos os vampiros tinham a mesma cor pálida como gelo. A similaridade da cordos nossos olhos era outra coisa - uma reflexão da nossa escolha mútua.E, mesmo assim, apesar de não haver bases para uma semelhança, eu tinha imaginadoque o meu rosto tinha começado a reflectir o dele, até um certo ponto, nos últimosestranhos setenta anos em que eu abracei a escolha dele e segui os seus passos. O meurosto não tinha mudado, mas para mim parecia que alguma da sabedoria dela haviamarcado a minha expressão, que um pouco da compaixão dele podia ser traçada noscontornos da minha boca, e que as suas sugestões de paciência estavam evidentes nasminhas sobrancelhas.Todas essas pequenas melhorias estavam escondidas no rosto do monstro. Daqui aalguns instantes, não ia haver mais nada que pudesse reflectir os anos que eu tinhapassado com o meu criador, o meu mentor, o meu pai em todas as formas que se podiacontar.Os meus olhos iam ficar a brilhar vermelhos como os do diabo; todas as semelhançasestariam perdidas para sempre.Na minha cabeça, os olhos bondosos de Carlisle não me julgavam. Eu sabia que ele meperdoaria por este terrível acto que eu ia cometer. Porque ele me amava. Porque elepensava que eu era melhor do que eu era na verdade. E ele ia continuar a amar-me,
  • 16. mesmo agora, quando eu provasse que ele estava errado.Bella Swan sentou-se ao meu lado, os seus movimentos eram rígidos e estranhos - commedo? -, E o cheiro do sangue dela criou uma inexorável nuvem ao meu redor.Eu ia provar que meu pai estava errado sobre mim. A tristeza desse facto doía quasetanto como o fogo na minha garganta.Eu afastei-me dela com repulsa - revoltado com o monstro a implorar para atacá-la.Por que é que ela tinha que vir para aqui? Por que é que ela tinha que existir?Por que é que ela tinha que acabar com o pouco de paz que eu tinha nesta minha nãovida? Por que esta humana tinha que ter nascido? Ela ia arruinar-me.Desviei a minha cara para longe dela, enquanto uma súbita fúria, um aborrecimentoirracional passou por mim.Quem é que era esta criatura? Porquê eu, porquê agora? Por que é que eu tinha queperder tudo só porque ela escolheu aparecer nesta cidade improvável?Por que é que ela tinha que vir para cá?!Eu não queria ser o monstro! Eu não queria matar esta sala cheia de crianças indefesas!Eu não queria perder tudo o que tinha conseguido com uma vida inteira de sacrifícios enegações!Eu não ia fazer isso. Ela não me ia obrigar.O cheiro era o problema, o cheiro odiosamente apelativo do sangue dela. Se houvessealguma forma de resistir… se apenas um sopro de ar fresco pudesse limpar a minhacabeça.A Bella Swan balançou os seus longos, grossos cabelos castanhos na minha direcção.Ela era louca?! Era como se estivesse a encorajar o monstro! Incentivando-o.Não havia nenhuma brisa amigável para afastar o cheiro de mim agora. Ia estar tudoperdido em breve.Não, não havia nenhuma brisa amigável. Mas eu não precisava de respirar. Parei o fluxode ar para os meus pulmões; o alívio foi instantâneo, mas incompleto.Eu ainda tinha na memória o cheiro, o gosto no fundo da minha língua. Não ia ser capaz
  • 17. de resistir por muito mais tempo. Mas talvez conseguisse resistir por uma hora. Umahora. Só o tempo suficiente para sair desta sala cheia de vítimas, vítimas que talveznão precisassem de ser vítimas. Se eu pudesse resistir durante uma curta hora.Ficar sem respirar era uma sensação desconfortável. O meu corpo não precisava deoxigénio, mas isso ia contra os meus instintos. Eu aproveitava-me daquele sentido muitomais do que qualquer outro quando estava stressado. Guiava-me nas caças, era oprimeiro avisar-me em casos de perigo.Não me cruzava com alguma coisa tão perigosa como eu com frequência, mas a auto-preservação era tão forte na minha espécie quanto nos humanos.Desconfortável, mas suportável. Mais suportável do que sentir o cheiro dela e nãocravar os meus dentes naquela pele bonita, fina, transparente… até ao quente, molhado,sangue?Uma hora! Só uma hora. Não vou pensar no cheiro, no gosto.A rapariga silenciosa manteve o cabelo dela entre nós, inclinando-se para a frente atéque ele se espalhou no caderno dela. Não conseguia ver o rosto dela para tentar ler asemoções dela através de seus olhos claros, profundos. Era por isso que ela estava adeixar aquele cabelo entre nós? Para esconder os olhos de mim? Por medo? Timidez?Para esconder os seus segredos de mim?A minha antiga irritação por ser incapacitado pelos seus pensamentos sem som erafraca e pálida em comparação à necessidade - e ao ódio - que me possuía agora. Euodiava esta mulher, criança ao meu lado, odiava-a com todas as forças. Odiava-a, odiavao que ela me fazia sentir - e isso ajudou um pouco.Agarrei-me a qualquer emoção que me distraísse do pensamento de qual seria o gostodela…Ódio e irritação. Impaciência. Será que aquela hora nunca mais ia passar? E quandopassasse… Então ela ia sair desta sala. E eu ia fazer o quê?Eu podia apresentar-me. Olá, meu nome é Edward Cullen. Posso acompanhar-te até atua próxima aula?
  • 18. Ela iria dizer que sim. Era a coisa mais educada a fazer-se. Mesmo a sentir medo demim, como eu suspeitava que ela já sentia, ela iria acompanhar-me convencionalmente ecaminhar ao meu lado. Seria fácil o suficiente guiá-la na direcção errada.Havia um pedaço da floresta que me parecia bastante útil agora. Podia dizer-lhe que metinha esquecido de um livro no carro…Será que alguém ia reparar que eu fui a última pessoa com quem ela tinha sido vista?Estava a chover, como sempre. Dois casacos escuros para a chuva a moverem-se nadirecção errada não iam chamar muita atenção, nem me denunciariam.A não ser pelo fato de eu não ser o único estudante que estava consciente dela hoje -apesar de nenhum estar tão devastadoramente consciente dela quanto eu. MikeNewton, em particular, estava atento a cada movimento que ela fazia a mexer-se nacadeira - ela estava desconfortável ao meu lado, assim como qualquer um estaria, assimcomo eu já esperava antes que o cheiro dela destruísse todos os traços de preocupaçãopor caridade. Mike Newton iria reparar se ela deixasse a sala comigo.Se conseguisse aguentar uma hora, será que conseguia aguentar duas? Encolhi-me coma dor ardente que sentia na garganta.Ela ia para uma casa vazia. O chefe de polícia Swan trabalhava o dia inteiro. Euconhecia a casa dele, assim como conhecia todas as casinhas da cidade. A casa deleficava acima da encosta da floresta, sem vizinhos próximos. Mesmo se ela tivessetempo para gritar, e não teria, não ia haver ninguém por perto para ouvir.Essa era a forma mais responsável de lidar com isto. Eu tinha aguentado sete décadassem sangue humano. Se eu sustivesse a respiração, conseguia aguentar duas horas. Equando a encontrasse sozinha, não ia haver oportunidades de mais alguém se magoar. Enão há motivo para apressar a experiência, o monstro na minha cabeça concordou.Estava-me a enganar ao pensar que, se salvasse os dezanove humanos desta sala comesforço e paciência, seria menos monstro quando matasse aquela rapariga inocente.Apesar de odiá-la, eu sabia que o meu ódio era injusto. Sabia que quem realmenteodiava era eu mesmo. Ia odiar-nos aos dois ainda mais quando ela estivesse morta.
  • 19. Consegui passar a hora desta maneira - a imaginar as melhores formas de matá-la.Tentei evitar pensar no acto de verdade. Isso ia ser demais para mim; ia acabar porperder esta batalha e matar toda a gente que visse. Então planeei a estratégia e nadamais.Isso ajudou-me a passar a hora.Uma vez, quase no fim, ela olhou para mim pela parede dos seus cabelos. Conseguiasentir o ódio injustificado a queimar-me quando olhei para os olhos dela - vi o meureflexo nos seus olhos assustados. O sangue pintou as suas bochechas antes que elaconseguisse esconder-se outra vez nos seus cabelos, e eu quase que me desfiz.Mas a campainha tocou. Salva pela campainha - que cliché. Nós os dois estávamossalvos. Ela, salva da sua morte. Eu, salvo por um curto período de tempo de ser acriatura de pesadelos que eu temia e não suportava.Não consegui caminhar tão devagar quanto devia quando saí da sala. Se alguémestivesse a olhar para mim, podia ter suspeitado que estava alguma coisa mal namaneira como eu me movia. Ninguém estava a prestar-me atenção. Todos ospensamentos humanos ainda rondavam a rapariga que estava condenada a morrer empouco mais de uma hora.Escondi-me no meu carro.Não gostava de pensar em mim mesmo a ter que me esconder. Isso soava muitocobarde. Mas esse era inquestionavelmente o caso agora.Eu não estava suficientemente disciplinado para ficar perto de humanos agora.Concentrar-me tanto em não matar um deles tinha acabado com todos os meus recursospara resistir a matar os outros. Que desperdício isso seria. Se eu tinha que dar o braçoa torcer para o monstro, podia pelo menos fazer o desafio valer a pena.Pus o CD de música que normalmente me acalmava, mas fez pouco por mim agora. Não, oque mais ajudou agora foi o ar frio, molhado, limpo que entrava com a chuva pelasminhas janelas abertas. Apesar de me conseguir lembrar do cheiro do sangue de BellaSwan com perfeita clareza, inalar o ar limpo era como lavar o interior do meu corpo
  • 20. contra as infecções.Estava são de novo. Conseguia pensar de novo. E conseguia lutar de novo. E eu podialutar contra o que eu não queria ser.Eu não tinha que ir até casa dela. Eu não queria matá-la.Obviamente, eu era uma criatura racional, uma criatura que pensava, e eu tinha umaescolha. Havia sempre uma escolha.Não era isso que parecia na sala de aula… mas agora eu estava longe dela. Talvez, se eua evitasse muito, muito cuidadosamente, não houvesse motivos para a minha vida mudar.Eu tinha as coisas sob controlo da maneira como elas eram agora. Porque é que eu deviadeixar alguém agravante e delicioso arruinar isso? Eu não tinha que desapontar o meupai. Eu não tinha que causar stress à minha mãe, preocupação… dor. Sim, isso ia magoara minha mãe adoptiva também. E Esme era tão gentil, tão delicada e suave. Causar dor aalguém como Esme era verdadeiramente imperdoável.Era irónico que eu tivesse tido vontade de proteger aquela rapariga da ameaçadesprezível, sem dentes, dos pensamentos de Jessica Stanley. Eu era a última pessoaque iria querer servir de protector de Isabella Swan. Ela jamais precisaria deprotecção de mais alguma coisa que não fosse eu.Onde estava a Alice? Perguntei-me de repente. Ela não me tinha visto a matar arapariga Swan de alguma maneira? Porque é que ela não apareceu para ajudar - para meparar ou para me ajudar a limpar as provas, o que quer que fosse? Será que ela estavatão preocupada em livrar Jasper de problemas que ela tinha deixado passar aquelapossibilidade muito mais horrorosa? Será que eu era mais forte do que eu pensava?Será que eu realmente não teria feito nada com a rapariga?Não. Eu sabia que isso não era verdade. A Alice deve estar a concentrar-se bastante noJasper.Procurei na direcção em que eu sabia que ela estava, no pequeno edifício que era usadopara as aulas de inglês. Não me levou muito tempo localizar a sua “voz” familiar. E euestava certo. Todos os seus pensamentos estavam voltados para o Jasper, a ver todas
  • 21. as suas pequenas escolhas a cada minuto.Desejei poder pedir-lhe os seus conselhos, mas, ao mesmo tempo, estava feliz que elanão soubesse do que eu era capaz. Que ela não soubesse do massacre que eu tinhaplaneado na hora anterior.Senti um novo ardor pelo meu corpo - o da vergonha. Eu não queria que nenhum delessoubesse.Se eu pudesse evitar a Bella Swan, se eu conseguisse não a matar - mesmo enquanto eupensava nisso, o monstro trincava e rangia os dentes, cheio de frustração - entãoninguém teria que saber. Se eu pudesse manter distância do cheiro dela…Não havia razão para que eu não tentasse, pelo menos. Fazer uma boa escolha. Tentarser o que Carlisle pensava que eu era.A última hora de escola já estava quase acabada. Decidi começar a colocar o meu novoplano em acção imediatamente. Era melhor do que ficar sentado no estacionamento,onde ela poderia passar a qualquer minuto e arruinar a minha tentativa. De novo, eusenti o ódio injusto por aquela rapariga. Eu odiava que ela tivesse aquele poderinconsciente sobre mim. Que ela conseguisse fazer-me ser algo que eu repugnava.Caminhei rapidamente - um pouco rapidamente demais, mas não havia testemunhas -através do pequeno átrio até a secretaria. Não havia razão para Bella Swan cruzar omeu caminho. Ela seria evitada como a praga que ela era.A secretaria estava vazia, com excepção da secretária, a única que eu queria ver.Ela não reparou na minha entrada silenciosa.- Sra. Cope?A mulher com o cabelo vermelho pouco natural olhou para cima e os olhos delaarregalaram-se. Apanhava-os sempre de surpresa, pequenos sinais que eles nãoconseguiam entender, independentemente de quantos de nós eles já tivessem visto.- Oh. - Ela ofegou, um pouco corada. Alisou a blusa. Tonta, pensou consigo mesma. Ele équase novo o suficiente para ser meu filho. Demasiado novo para eu pensar nele dessamaneira… - Olá, Edward. O que é que posso fazer por ti? - As suas pestanas flutuaram
  • 22. por trás das lentes dos seus óculos grossos.Desconfortável. Mas eu sabia ser charmoso quando queria ser. Era fácil, já que eracapaz de saber instantaneamente como qualquer tom ou gesto meu era recebido.Inclinei-me para a frente, encontrei o seu olhar como se estivesse a olharprofundamente dentro dos seus olhos castanhos rasos, pequenos. Os pensamentos delajá estavam descontrolados. Isto ia ser fácil.- Estava-me a perguntar se não me podia ajudar com os meus horários - disse com aminha voz suave que era reservada a não assustar humanos.Ouvi o ritmo do coração dela a acelerar.- É claro, Edward. Como é que posso ajudar? - Demasiado jovem, demasiado jovem,repetiu para si mesma. Errada, é claro. Eu era mais velho que o avô dela. Mas, segundo aminha carta de condução, ela estava certa.- Perguntava-me se podia trocar a minha aula de Biologia para o nível mais alto deCiências. Física, talvez?- Algum problema com o Sr. Banner, Edward?- Claro que não, é só que eu já estudei aquela matéria…- Naquela escola acelerada em que estudaste no Alasca, certo. - Os seus lábios finostorceram-se enquanto ela considerava isso. Eles todos já deviam estar na faculdade. Jáouvi todos os professores a reclamarem. Notas perfeitas, nunca hesitam antes deresponder, nunca respondem errado num teste - como se encontrassem uma forma defazer batota em todas as matérias. O Sr. Varner preferiria acreditar que existealguém a copiar do que admitir que existe alguém mais inteligente que ele… Aposto quea mãe deles dá-lhes aulas… - Na verdade, Edward, a aula de física já está muito cheiaagora. O Sr. Banner odeia ter mais de vinte e cinco alunos na sala de aula…- Eu não daria nenhum problema.É claro que não. Não um Cullen perfeito.- Eu sei disso, Edward. Mas simplesmente não há lugares suficientes…- Então posso desistir da aula? Eu posso usar o período para estudos independentes.
  • 23. - Desistir de Biologia? - A boca dela abriu-se. Isso é uma loucura. É assim tão difícilassistir a uma matéria que já conhece? DEVE haver algum problema com o Sr. Banner.Pergunto-me se devo falar sobre isso com o Bob. – Não ias ter créditos suficientespara acabar o liceu.- Posso recuperar no próximo ano.- Talvez devesses falar com os teus pais sobre isto.A porta abriu-se atrás de mim, mas quem quer que fosse não estava a pensar em mim,então ignorei a chegada e concentrei-me na Sra. Cope. Inclinei-me um pouco mais paraperto dela e abri os olhos mais um bocado. Isto funcionaria melhor se eles estivessemdourados em vez de pretos. A escuridão assustava as pessoas, tal como devia.- Por favor, Sra. Cope? - Fiz com que a minha voz ficasse mais suave e convincente, eisto podia ser consideravelmente convincente. - Não há uma outra hora à qual eu possamudar-me? Será que não existe nenhuma vaga aberta nalgum lugar? Biologia no sextotempo pode ser a única opção…Sorri-lhe, tomando o cuidado de não mostrar demasiado os dentes para não a assustar,e deixei que a expressão se suavizasse no meu rosto.O coração dela bateu mais rápido. Demasiado jovem, dizia freneticamente para simesma. - Bom, talvez eu pudesse falar com Bob, quero dizer, o Sr. Banner. Eu posso verse…Um segundo foi o que levou para tudo mudar: a atmosfera na sala, a minha missão aqui,a razão pela qual eu me inclinava para a mulher de cabelos vermelhos… O que tinha sidopor um propósito, agora era por outro.Um segundo foi só o que demorou para a Samantha Wells abrir a porta e mandar umpapel assinado para o cesto ao lado da porta e correr para fora outra vez, com pressade sair da escola. Um segundo foi tudo o que levou para que uma rajada repentina devento passasse pela porta e me viesse atingir. Um segundo foi o tempo que eu levei parame aperceber por que é que aquela primeira pessoa não me tinha atrapalhado com osseus pensamentos.
  • 24. Virei-me, apesar de não precisar de confirmar. Virei-me lentamente, enquanto lutavapara controlar os meus músculos que se revoltavam contra mim.A Bella Swan ficou com as costas pressionadas na parede ao lado da porta, com umpapel agarrado nas mãos.Os olhos dela estavam ainda maiores do que o normal quando reparou no meu olharferoz, desumano.O cheiro dela preencheu cada pequena partícula de ar na sala pequena, quente. A minhagarganta ficou em chamas.O monstro olhou para mim pelo espelho dos olhos dela de novo, uma máscara do mal.A minha mão hesitou no ar em cima do balcão. Não teria que olhar para bater com acabeça da Sra. Cope na mesa dela com força suficiente para a matar. Duas vidas, aoinvés de vinte. Uma troca.O monstro esperou ansiosamente, faminto, que eu fizesse isso.Mas havia sempre uma escolha - tinha que haver.Parei o movimento dos meus pulmões e fixei o rosto de Carlisle à frente dos meusolhos. Virei-me para olhar para a Sra. Cope e ouvi a surpresa interna dela com amudança da minha expressão. Ela afastou-se de mim, mas o medo dela não se notou naspalavras coerentes.Usando todo o auto-controle que tinha aprendido nas minhas décadas de auto-negação,tornei a minha voz uniforme e suave. Tinha ar o suficiente nos pulmões para falar umaúltima vez, apressando as palavras.- Então esqueça. Vejo que é impossível. Muito obrigado pela sua ajuda.Virei-me e lancei-me pela porta, tentando não sentir o calor do sangue quente do corpoda rapariga enquanto passei a apenas alguns centímetros dela.Não parei até estar no meu carro, movendo-me rápido demais todo o caminho até lá.A maioria dos humanos já tinha ido embora, então não havia muitas testemunhas.Ouvi um rapaz do segundo ano, D.J. Garrett, reparar e depois não dar importância…De onde é que o Cullen saiu? Foi como se tivesse aparecido com o vento… Lá estou eu
  • 25. com a minha imaginação outra vez. A minha mãe diz sempre…Quando deslizei para dentro do meu Volvo, os outros já estavam lá. Tentei controlar aminha respiração, mas eu estava a asfixiar por ar fresco como se estivesse a sufocar.- Edward? - A Alice perguntou com uma voz alarmada.Só lhe abanei a minha cabeça.- O que diabos é que te aconteceu? - O Emmett quis saber, distraído, por um momento,do facto de Jasper não estar numa de aceitar a sua vingança.Em vez de responder, fiz marcha-atrás com o carro. Eu tinha que sair desteestacionamento antes que a Bella me seguisse para aqui também. O meu demóniopessoal perseguir-me… Virei o carro e acelerei. Já estava nos quarenta antes de chegarà estrada. Na estrada, fiz setenta antes de chegar à esquina.Sem olhar, eu sabia que Emmett, Rosalie e Jasper se tinham virado todos para olharpara a Alice.Levantou os ombros. Ela não podia ver o que se tinha passado, só o que estava paraacontecer.Olhou para mim agora. Nós os dois estávamos a processar o que ela tinha visto na suacabeça, e ambos estávamos surpreendidos.- Tu vais-te embora? - Ela sussurrou.Os outros olharam para mim agora.- Vou? - Expirei através dos meus dentes.Ela viu então, enquanto a minha decisão ia para outro caminho e outra escolha virava omeu futuro para uma direcção mais escura.- Oh.A Bella Swan morta. Os meus olhos a brilharem, vermelhos com o sangue fresco. Aprocura que se seguiria. O tempo cuidadoso que nos levaria a esperar até que fosseseguro sair e começar tudo de novo…- Oh - ela disse outra vez. A imagem ficou mais específica. Eu vi o interior da casa doChefe Swan pela primeira vez, vi a Bella na pequena cozinha com os armários amarelos,
  • 26. com as costas viradas para mim enquanto eu a perseguia na escuridão… deixava que oseu cheiro me guiasse até ela…- Pára! - Rugi, incapaz de aguentar mais.- Desculpa - Sussurrou com os olhos arregalados.O monstro gostou.E a visão na cabeça dela mudou outra vez. Uma avenida vazia à noite, as árvores ao ladocobertas de neve, a brilhar com os quase duzentos quilómetros por hora.- Vou ter saudades tuas - disse. - Independentemente de quão curto seja o tempo quevás ficar fora.Emmett e Rosalie trocaram um olhar apreensivo.Nós já estávamos quase na curva da longa estrada que levava à nossa casa.- Deixa-nos aqui - A Alice sugeriu. – Devias dizer isso ao Carlisle pessoalmente.Abanei a cabeça e o carro chiou quando parou de repente.Emmett, Rosalie e Jasper saíram silenciosamente; eles iam fazer com que a Aliceexplicasse tudo quando eu fosse embora. A Alice tocou-me no ombro.- Tu vais fazer a coisa acertada - murmurou. Não era uma visão desta vez, era umaordem. - Ela é a única família de Charlie Swan. Isso matá-lo-ia também.- Sim - eu disse, a concordar apenas com a última parte.Ela saiu para se juntar aos outros, as sobrancelhas dela estavam juntas por causa daansiedade.Eles enfiaram-se nas matas, desaparecendo de vista antes que eu pudesse virar ocarro.Acelerei de volta à cidade, e eu sabia que as visões na cabeça de Alice estariam apassar de negras a claras num piscar de olhos.Enquanto acelerava para Forks a mais de noventa quilómetros por hora, eu não tinhacerteza de para onde é que estava a ir. Dizer adeus ao meu pai? Ou aceitar o monstroque havia dentro de mim? A estrada a voar por baixo dos meus pneus.
  • 27. 2º Capitulo - Livro AbertoEncostei as costas contra o banco fofo de neve, deixando o pó seco refazer-se à voltado meu peso. A minha pele tinha arrefecido para igualar-se ao ar à minha volta, e ospequenos pedaços de gelo pareciam veludo de baixo da minha pele.O céu acima de mim estava limpo, brilhante com estrelas, ficando azul em algumaspartes, e amarelo noutras. As estrelas apareceram majestosamente, em formasredondas contra o universo negro - uma vista maravilhosa. Perfeitamente bonita. Oumelhor, teria sido perfeitamente. Teria sido, se eu a estivesse realmente a ver.Eu não estava a melhorar nada, já se tinham passado seis dias, há seis dias que euestava escondido neste deserto vazio Denali, mas não estava nem perto da liberdadedesde o primeiro momento em que senti o seu perfume.Quando olhei para o céu estrelado, era como se tivesse uma obstrução entre meusolhos e a beleza dele. A obstrução era um rosto, um rosto humano pouco notável, masparecia que não o conseguia banir da minha mente.Ouvi os pensamentos a aproximarem-se antes de ouvir os passos que os acompanhavam.O som do movimento era apenas um desfalecido suspiro contra o pó.Não estava surpreendido que a Tanya me tivesse seguido até aqui. Eu sabia que elaesteve a reflectir sobre esta próxima conversa nos últimos dias, adiando até queestivesse exactamente certa do que queria dizer.Apareceu a uns 54 metros, a pular até a ponta de uma rocha escura à vista, balançando-se nas pontas dos pés A pele de Tanya estava prateada à luz das estrelas, os seuscabelos louros brilhavam palidamente, quase rosa com madeixas avermelhadas. Os seusolhos dourados brilharam rapidamente quando olhou para mim, meio enterrada na neve,e os seus lábios esticaram-se lentamente formando um sorriso.Seria perfeita. Se eu conseguisse realmente vê-la. Suspirei.Ela agachou-se até a ponta da rocha, as pontas dos dedos tocaram na rocha, e o corpo
  • 28. dela preparou-se.Bola de neve, pensou.Lançou-se no ar, a sua forma tornou-se escura, uma sombra giratória à medida que elagirava entre mim e as estrelas. Ela curvou-se e ficou uma bola, enquanto se lançavapara o banco de neve ao meu lado.Uma grande quantidade de neve caiu em cima de mim. As estrelas ficaram pretas, e euestava enterrado, coberto de cristais de gelo.Suspirei de novo, mas não me mexi para me desenterrar. A escuridão abaixo da nevenão podia piorar nem melhorar a visão. Eu ainda via o mesmo rosto.“Edward?”E depois a neve estava a voar outra vez, assim que a Tanya me desenterrourapidamente. Limpou o pó do meu rosto imóvel, e não olhava totalmente para os meusolhos.“Desculpa.” Murmurou. “Foi uma piada.”“Eu sei. Foi engraçado.”A boca dela virou-se para baixo.“ A Irina e a Kate disseram que te devia deixar em paz. Elas acham que te estou aincomodar.”“Claro que não,” Assegurei-lhe “Pelo contrário, sou eu quem está a ser rude-abominavelmente rude. Lamento imenso.”Vais para casa, não é? Pensou.“Eu ainda… não me decidi… totalmente.”Mas não vais ficar aqui. O seu pensamento agora era melancólico, triste.“Não. Isto não parece estar… a ajudar.”Ela fez uma careta. “É por minha causa, não é?”“Claro que não,” Menti gentilmente.Não sejas cavalheiro.Sorri.
  • 29. Faço-te sentir desconfortável, ela acusou.“Não.”Ela levantou uma sobrancelha, a sua expressão estava tão descrente que tive que merir. Um curto riso, seguido por outro suspiro.“Está bem,” eu admiti. “Um bocado.”Ela também suspirou e colocou o queixo sob as suas mãos. Os seus pensamentosestavam mortificados.“Tu és mil vezes mais amável do que as estrelas, Tanya. É claro, tu estás conscientedisso. Não deixes que a minha teimosia estrague a tua confiança.” Ri-me com aimpossibilidade disso.“Não estou habituada à rejeição,” queixou-se, com o seu lábio inferior para fora numatraente beicinho.“Claro que não,” Concordei, tentando sem muito sucesso bloquear os seus pensamentosenquanto se aprofundavam entre as suas milhares conquistas. Na sua maioria, Tanyapreferia os homens humanos - eles eram muito mais populares para uma única coisa,com a vantagem de serem suaves e quentes.Ao contrário de Carlisle, a Tanya e as suas irmãs descobriram as suas consciênciaslentamente. No final, foi o afecto pelos homens humanos que colocaram as irmãs contrao massacre. Agora os homens que elas amavam… viviam.“Quando apareceste aqui,” Tanya disse lentamente. “Eu pensei que…”Eu sabia o que ela tinha pensado. E eu devia saber que ela se ia sentir assim. Mas eu nãoestava no meu melhor para racionalizar naquele momento...“ Pensaste que eu tinha mudado de ideias.”“Sim,” Queixou-se.“Sinto-me horrível por estar a brincar com as tuas expectativas, Tanya. Eu não queria -Eu não estava a pensar. É só que eu saí… um bocado à pressa.”“Suponho que não me vais me contar o porquê…?”Sentei-me e enrolei os braços à volta das minhas pernas, encolhendo-me
  • 30. defensivamente. “Não quero falar sobre isso.”A Tanya, Irina e Kate adaptaram-se muito bem à vida a que se comprometeram. Atémelhor, em algumas formas, que Carlisle. Apesar da proximidade louca a que secolocavam àqueles que deviam ser - e uma vez foram - as suas presas, eles nãocometiam erros. Eu estava demasiado envergonhado para admitir a minha fraqueza àTanya.“Problemas com mulheres?” - Ela perguntou ignorando a minha relutância.Fiz um sorriso obscuro “Não da forma que estás a pensar”Então ela ficou quieta. Ouvi os seus pensamentos enquanto ela os mudava, tentandodecifrar o significado das minhas palavras.“Não estás sequer perto” – Disse-lhe.“Uma pista?” – Perguntou-me.“Por favor, deixa isso, Tanya.”Ela estava quieta de novo, a especular. Ignorei-a e tentei, em vão, admirar as estrelas.Desistiu depois de um momento de silêncio e os seus pensamentos tomaram outradirecção.Se nos deixares, para onde é que vais, Edward? De volta para o Carlisle?“Não me parece” Suspirei.Para onde é que eu iria? Não conseguia imaginar algum lugar do planeta que me pudesseinteressar. Porque não importava para onde fosse, eu nunca ia para algum lugar – iaestar apenas a fugir.Eu odiava isso. Quando é que me tinha tornado tão cobarde?A Tanya pôs o seu braço à volta dos meus ombros. Eu enrijeci mas não me desviei doseu toque. Era apenas um conforto amigável. Maioritariamente.“Eu acho que vais voltar.” - Disse na sua voz com um ligeiro sotaque russo - “Nãoimporta o quê ou quem te está a assombrar. Tu vais enfrentar isso. És desse tipo.”Os seus pensamentos estavam de acordo com as suas palavras. Tentei abraçar a visãode mim que ela carregava na sua cabeça. Aquele que enfrenta as coisas de cabeça
  • 31. levantada. Eu nunca duvidei da minha coragem, da minha habilidade de enfrentarsituações adversas. Até àquela aula terrível de biologia há pouco tempo atrás.Dei-lhe um beijo na bochecha, voltando-me rapidamente quando ela virou a cara para aminha. Ela sorriu da minha rapidez.“Obrigado, Tanya. Eu precisava de ouvir isso.”Os seus pensamentos tornaram-se petulantes “De nada, acho eu. Gostava que fossesmais razoável sobre as coisas, Edward.”“Desculpa, Tanya. Sabes que és demasiado boa para mim. Eu simplesmente… ainda nãoencontrei o que estou à procura.”“Bom, se fores embora antes que te veja outra vez. Adeus, Edward.”“Adeus, Tanya” - Enquanto dizia as palavras, eu consegui ver isso. Conseguia ver-me asair de lá, de volta para o sítio onde queria estar. - “Obrigada - de novo.”Ela levantou-se num movimento. E depois já tinha saído, desaparecendo entre a neve.Não olhou para trás. A minha rejeição incomodou-a mais do que já tinha incomodadoantes, até nos seus pensamentos. Ela não me queria ver antes de partir.Os meus lábios contorceram-se com desapontamento. Eu não gostava de magoar aTanya, apesar de os seus sentimentos não serem profundos e dificilmente puros. Dequalquer das maneiras não era algo que eu poderia corresponder. Ainda me fazia sentirmenos cavalheiro.Pus o meu queixo em cima dos joelhos e olhei para as estrelas outra vez, apesar deestar repentinamente ansioso para voltar ao meu caminho. Eu sabia que Alice me ia vera voltar para casa e ia contar aos outros. Isso iria fazê-los felizes - principalmenteCarlisle e Esme. Mas olhei para as estrelas mais uma vez, e passar o rosto na minhacabeça. Entre mim e as luzes brilhantes do céu, um par de olhos castanhos confusosestavam voltados para mim, fazendo-me questionar o que esta decisão ia significar paraela.É claro, eu não poderia ter certeza que era isso o que os seus olhos curiososprocuravam. Nem na minha imaginação eu conseguia ouvir os seus pensamentos. Os
  • 32. olhos de Bella Swan continuavam a questionar-se e uma não obstruída visão das estrelascontinuou a invadir-me. Com um leve suspiro, eu desisti. Se eu corresse, estaria devolta ao carro do Carlisle em menos de uma hora.Numa pressa para ver a minha família - e para voltar a ser aquele Edward que enfrentaas coisas – corri através do campo de neve sem deixar pegadas.“Vai correr tudo bem” - A Alice encorajou. Os seus olhos estavam desfocados e oJasper tinha uma mão debaixo do seu cotovelo, guiando-a enquanto entrávamos norefeitório num grupo fechado. Rosalie e Emmett indicavam o caminho, o Emmettridiculamente parecido com um guarda-costas no meio de território inimigo. A Rosetambém parecia preocupada, porém, bem mais irritada do que protectora.“Claro que vai.” – Expirei pesadamente. O comportamento deles era ridículo. Se eu nãotivesse a certeza de que ia aguentar este momento, tinha ficado em casa.A repentina mudança da nossa normal, mesmo divertida manhã - tinha nevado ontem ànoite, e Emmett e Jasper estavam a tirar vantagem da minha distracção para mebombardearem com bolas de neve; quando se cansasse da minha falta de respostavirar-se-iam um para o outro - para este excesso de vigilância teria sido cómica se nãofosse tão irritante.“Ela ainda não está aqui, mas da maneira que vai entrar… não vai ficar contra o vento senos sentarmos no lugar de sempre.”“Claro que nos vamos sentar no lugar de sempre! Pára com isso Alice. Estás-me a darcabo dos nervos. Vou ficar absolutamente bem.”Ela piscou os olhos uma vez enquanto o Jasper a ajudava a sentar-se e os seus olhosfinalmente focaram-se em mim.
  • 33. “Hum…” - Disse, soando surpreendida. “Acho que tens razão”“Claro que tenho” - Murmurei.Eu odiava estar no centro da preocupação deles. Senti uma certa solidariedade porJasper ao lembrar-me das inúmeras vezes que nós o superprotegemos. Ele percebeu derelance os meus sentimentos e sorriu.Irritante, não é?Eu assenti.Foi apenas a semana passada que esta grande e monótona sala tinha parecido tãomortalmente depressiva para mim?Pareceria quase como um sonho, um coma, estar aqui?Hoje os meus nervos estavam firmes - cordas de piano, tensas que tocam à mais levepressão. Os meus sentidos estavam super alertas, vigiei cada som, cada suspiro, cadamovimento de ar que tocava a minha pele, cada pensamento. Especialmente ospensamentos. Só havia um sentindo que eu me recusei a usar. Olfacto, é claro.Não respirei.Eu estava à espera de ouvir mais sobre os Cullen nos pensamentos que investiguei.Estive todo o dia à espera, a procurar por cada novo pensamento sobre Bella Swan tercontado a alguém, a tentar ver a direcção que o novo mexerico seguiria. Mas não havianada. Ninguém reparou que havia 5 vampiros no refeitório, exactamente como antes danova rapariga chegar. Muitos humanos aqui ainda estavam a pensar sobre aquelarapariga, os mesmos pensamentos da semana passada. Em vez de achar aquiloinalteravelmente aborrecido, eu estava fascinado.Ela não tinha dito nada a ninguém sobre mim?Era impossível que ela não tivesse reparado no meu obscuro, olhar assassino. Eu vi-areagir a isso. De certeza que a tinha assustado. Eu estava convencido de que ela tinhamencionado isso a alguém, talvez até tivesse exagerado na história um bocado parafazê-la melhor. Atribuindo-me alguns traços ameaçadores.E depois, também me viu a tentar cancelar as nossas aulas partilhadas de biologia. Ela
  • 34. deve-se ter perguntado, depois de ver a minha expressão, se tinha sido ela a causa.Uma rapariga normal teria perguntado por aí, comparado a sua experiência com osoutros, procurado por algum terreno em comum que pudesse explicar o meucomportamento e então não se sentiria sozinha. Os humanos estão constantementedesesperados por se sentirem normais, por se encaixarem. Por se misturar com osoutros ao seu redor, como mais uma desinteressante no rebanho. Essa necessidade eraparticularmente forte durante os inseguros anos da adolescência. Aquela rapariga nãodevia ser uma excepção àquela regra.Mas ninguém nos tinha dado atenção aqui sentados, na nossa mesa normal. A Bella deviaser excepcionalmente tímida, se não tinha confidenciado a alguém. Talvez tivessefalado com o seu pai, talvez esse fosse o seu melhor relacionamento… Apesar de issosoar improvável, dado o facto de que ela tinha passado tão pouco tempo com eledurante a sua vida. Ela devia ser mais próxima da sua mãe. Mesmo assim, eu deviapassar pelo Chefe Swan numa altura qualquer e ouvir o que ele estava a pensar.“Algo novo?” - O Jasper perguntou.“Nada. Ela… não deve ter dito nada.”Todos ergueram uma sobrancelha com as novidades.“Talvez não sejas tão assustador como achas que és.” - O Emmett disse, a rir-se.“Aposto que eu a teria apavorado mais do que ISSO.”Eu rolei meus olhos até ele.“ A imaginar o porquê…?” – Ele surpreendeu-se com a minha revelação sobre o silêncioúnico da rapariga.“Já falámos disso. Eu não sei.”“Ela vem aí,” - A Alice murmurou. Eu senti o meu corpo a ficar rígido. “Tenta parecerhumano.”“Humano… dizes?” - O Emmett perguntou.Ele levantou o punho direito, girando os dedos para revelar a bola de neve que tinhaguardado na sua palma. É claro que ela não tinha derretido ali. Ele apertou-a num
  • 35. volumoso bloco de gelo. Tinha os olhos em Jasper, mas eu vi a direcção dos seuspensamentos. E Alice também, claro. Quando ele lançou abruptamente o pedaço de geloaté ela, ela mandou-o para longe com um leve balançar dos dedos. O gelo ricocheteouatravés do corredor do refeitório; muito rápido para os olhos humanos, e fragmentou-se com um agudo barulho na parede de tijolo. O tijolo partiu-se também.As cabeças na esquina do refeitório viraram-se todas para olhar para a pilha de gelo nochão, e viraram-se para procurar sua origem. Não olharam muito mais longe do quealgumas mesas. Ninguém olhou para nós.“Muito humano, Emmett,” - A Rosalie disse de maneira fulminante. “Porque é que nãovais lá e dás um murro através da parede?”“Seria mais impressionante se fosses tu a fazer isso, querida.”Tentei-lhes prestar atenção, mantendo um sorriso fixo na minha cara como seestivesse a fazer parte da brincadeira. Não me permiti olhar na direcção onde elaestava de pé. Mas isso foi tudo que eu ouvi também.Conseguia ouvir a impaciência de Jessica com a rapariga nova, que parecia estardistraída, também, permanecendo imóvel na fila em movimento. Eu vi, nos pensamentosde Jessica, que as bochechas de Bella Swan ficaram mais uma vez rosadas com osangue.Respirei curta e rapidamente, pronto para parar de respirar se qualquer traço do seuodor tocasse no ar ao meu redor.O Mike Newton estava com as duas raparigas. Eu conseguia ouvir as duas vozes: mentale verbal, quando ele perguntou o que é que se passava com a rapariga Swan. Eu nãogostava da maneira como os seus pensamentos estavam envolvidos nela, um brilho dassuas fantasias já construídas divagaram na sua mente enquanto ele via-a a ficarsurpreendida e olhar para cima como se tivesse-se esquecido que ele estava ali.“Nada” - Ouvi Bella a dizer numa voz baixa e clara. Parecia soar como um sino sobretodos os murmúrios do refeitório, mas eu sabia que isso era só porque eu estava a ouvirde forma tão intensa.
  • 36. “Vou só beber um sumo hoje,” ela continuou enquanto se movia para seguir com a fila.Eu não consegui evitar olhar de relance na sua direcção. Ela estava a olhar para o chão,o sangue lentamente a esvair-se do seu rosto. Olhei rapidamente para longe, paraEmmett, que agora se ria do sorriso aflito no meu rosto.Pareces doente, mano.Arranjei as minhas feições para parecer mais casual e natural.A Jessica estava a perguntar-se sobre a falta de apetite da rapariga. “Não tensfome?”“Na verdade, sinto-me um pouco enjoada.” A sua voz soou mais baixa, mas ainda assim,perfeitamente clara.Por que é que me incomodava, a preocupação protectora que repentinamente surgiu dospensamentos do Newton? O que é que importava que houvesse um timbre possessivoneles? Não me dizia exactamente respeito se Mike Newton se sentiadesnecessariamente ansioso por ela. Talvez essa fosse a maneira que todos lhecorrespondiam. Eu não tinha querido, instintivamente, protegê-la, também?Quer dizer… Antes de ter querido matá-la.Mas a rapariga estava doente?Era difícil de avaliar - ela parecia tão delicada com aquela pele translúcida… e entãoapercebi-me que me estava a preocupar também, assim como aquele rapaz estúpido, eforcei-me a não pensar sobre a saúde dela.Apesar disso, eu não gostava de vigiá-la através dos pensamentos de Mike. Troqueipara a Jessica, olhando cuidadosamente enquanto eles os três escolhiam uma mesa parase sentar. Felizmente, sentaram-se com as companhias habituais de Jessica, uma dasprimeiras mesas da sala. Não na direcção do vento, assim como Alice tinha prometido.A Alice deu-me uma cotovelada. Ela vai olhar para aqui, age como humano.Trinquei os dentes por detrás do meu sorriso.“Acalma-te Edward,” – Disse o Emmett. “Honestamente. Então matas um humano.Dificilmente isso é o fim do mundo”.
  • 37. “Tu saberias isso.” - Murmurei.O Emmett riu-se. “Tens de aprender a ultrapassar as coisas. Como eu faço. Aeternidade é muito tempo para ficares afundado na culpa.”E então, a Alice lançou uma pequena mão cheia de gelo que tinha escondido, na caraconfiante de Emmett.Ele piscou os olhos, surpreendido, e então sorriu na antecipação.“Tu é que pediste,” – Disse-lhe Emmett, enquanto se inclinava sobre a mesa e sacudia ocabelo coberto de gelo na sua direcção. A neve, que se derretia no ar morno, lançou-sedo seu cabelo num denso banho metade líquido, metade gelo.“Ew!” - A Rose reclamou, enquanto ela e a Alice recuavam da inundação.A Alice riu-se e todos nós acompanhámo-la. Conseguia ver na mente de Alice como elatinha orquestrado este momento perfeito e eu sabia que aquela rapariga - eu tinha queparar de pensar nela daquela maneira, como se ela fosse a única rapariga do mundo -que Bella devia estar a olhar para nós enquanto nos ríamos e brincávamos, parecendofelizes e humanos e de forma tão irreal como uma pintura de Norman Rockwell.A Alice continuou a rir-se, e segurou no seu tabuleiro como um escudo. Aquela rapariga- A Bella ainda devia estar a olhar para nós… A olhar para os Cullens outra vez, - Alguém pensou, e chamou-me à atenção.Olhei automaticamente para o chamamento não intencional, e percebia que tinhareconhecido a voz assim que encontrava o seu destino – tinha-a ouvido tanto hoje.Os meus olhos deslizaram pela Jessica e passaram por ela. Focaram-se no olharpenetrante da rapariga.O que é que ela estava a pensar? A frustração parecia aumentar enquanto o tempopassava, em vez de diminuir. Eu tentei – sem saber ao certo o que estava a fazer, jáque nunca tinha tentado isto antes - sondar com a minha mente o silêncio à volta dela. Aminha audição extra vinha naturalmente para mim, sem pedir; nunca tive que a forçar.Mas agora concentrei-me, e tentei passar por qualquer escudo que houvesse à voltadela.
  • 38. Nada a não ser silêncio.O que é que ela tem? Pensou Jessica, ecoando a minha própria frustração.“ O Edward Cullen está a olhar-te fixamente,” - Sussurrou ao ouvido da rapariga Swan,com um sorriso falso. Não houve nenhuma insinuação da irritação invejosa no seu tom. AJessica parecia ser experiente no fingimento de amizade.Fiquei à escuta, muito claramente, da resposta da rapariga.“Não parece zangado, pois não?”- Sussurrou também.Então ela tinha notado a minha reacção selvagem a semana passada. É claro que tinha.A pergunta pareceu confundir Jessica. Vi a minha própria cara nos seus pensamentosenquanto ela analisava a minha expressão, mas eu não encontrei o olhar dela. Aindaestava concentrado na rapariga, a tentar ouvir alguma coisa. A minha concentraçãointencional não parecia estar a ajudar em nada.“Não,” - A Jess disse-lhe, e eu sabia que ela estava desejosa de poder dizer que sim -como isso a envenenou por dentro, o meu olhar - apesar de não demonstrar de formaalguma na sua voz: “Devia estar?”“Acho que ele não gosta de mim,” - A rapariga respondeu-lhe num sussurro, deitando acabeça no seu braço como se estivesse subitamente cansada. Tentei entender o seumovimento, mas só pude fazer suposições. Talvez ela estivesse cansada.“Os Cullens não gostam de ninguém,” - A Jess asseguro-a - “Bem, não se mostramdelicados o suficiente para que as pessoas gostem deles.” Não costumavam mostrar. Oseu pensamento foi um rosnar de reclamação. “Mas ele continua a olhar-te fixamente.”“Pára de olhar para ele,” a rapariga disse ansiosamente, e ergueu a cabeça para ter acerteza que Jessica a obedeceu.A Jessica sorriu, mas fez o que ela pediu.A rapariga não desviou o olhar da sua mesa o resto do tempo. Eu pensei - pensei, éclaro, não podia ter a certeza - que isso foi intencional. Parecia que ela queria olharpara mim. O seu corpo deslocava-se ligeiramente na minha direcção, o seu queixocomeçava a virar-se, e então ela repreendia-se, respirava fundo e olhava fixamente
  • 39. para qualquer pessoa que estivesse a falar.Ignorei a maior parte dos outros pensamentos à volta da rapariga, já que não eram,momentaneamente, sobre ela. O Mike Newton estava a planear uma guerra de neve noparque de estacionamento depois da escola, sem parecer perceber que a neve já tinhamudado para chuva. A agitação dos leves flocos contra o tecto já tinha tornado opadrão comum de gotas de água. Ele não conseguia mesmo ouvir a mudança? Euconseguia ouvir bastante alto.Quando a hora de almoço acabou, eu continuei no meu lugar. Os humanos saíam, e euapanhei-me a tentar distinguir o som dos passos dela do som do resto, como sehouvesse algo de importante ou incomum neles. Que estupidez.A minha família também não se mexeu para ir embora. Esperaram para ver o que eu iafazer.Ia para a aula, sentar-me ao lado da rapariga onde podia sentir a fragrânciaabsurdamente potente do seu sangue e sentir o calor da sua pulsação do ar na minhapele? Era forte o suficiente para isso? Ou já tinha tido o suficiente para um dia?- Eu… acho que está tudo bem. - A Alice disse, hesitante. - A tua mente estápreparada. Eu acho que vais conseguir aguentar por uma hora.Mas a Alice sabia muito bem a rapidez com que uma mente podia mudar.- Porquê arriscar, Edward? - O Jasper perguntou. Embora ele não se quisesse sentirpresunçoso por ser agora eu o fraco, eu conseguia ouvir que ele se sentia, só umbocado. - Vai para casa. Vai com calma.- Qual é o problema? - O Emmett discordou. - Ou ele vai ou não a vai matar. É melhoracabar com isto de uma vez, de uma maneira ou da outra.- Eu ainda não me quero mudar. - A Rosalie reclamou. – Não quero começar tudo denovo. Estamos quase a acabar o liceu, Emmett. Finalmente.Eu estava realmente dividido na decisão. Eu queria, queria muito, encarar isto decabeça, e não fugir para longe outra vez. Mas também não me queria arriscar muito.Tinha sido um erro a semana passada para Jasper ficar tanto tempo sem caçar; será
  • 40. que isto também era um erro sem sentido?Eu não queria afastar a minha família. Nenhum deles me ia agradecer por isso.Mas eu queria ir para a minha aula de biologia. Apercebi-me que queria ver o rosto delaoutra vez.Foi isso que tomou a decisão. Aquela curiosidade. Estava irritado comigo mesmo porsentir isso. Não tinha prometido que não ia deixar que o silêncio da mente da raparigame deixasse desnecessariamente interessado nela? E mesmo assim, aqui estava eu,ainda mais desnecessariamente interessado.Eu queria saber o que é que ela estava a pensar. A mente dela era fechada mas os seusolhos eram muito abertos. Talvez eu pudesse ver por eles.- Não, Rose, eu acho que vai ficar tudo bem. - A Alice disse. - Está… a firmar-se. Eutenho noventa e três por cento de certeza de que nada de mau vai acontecer se ele forpara a aula. - Ela olhou-me curiosamente, perguntando-se o que tinha mudado nos meuspensamentos que fez a sua visão do futuro muito mais segura.Curiosidade seria o suficiente para manter a Bella Swan viva?O Emmett tinha razão - por que não acabar com isto, de uma maneira ou de outra? Eu iaenfrentar a tentação de cabeça.- Vão para as vossas aulas. - Ordenei, afastando-me da mesa. Virei-me e andei paralonge deles sem olhar para trás. Conseguia ouvir a preocupação de Alice, a censura deJasper, a aprovação de Emmett e a irritação de Rosalie a arrastarem-se às minhascostas.Respirei fundo outra vez à porta da sala de aula, e segurei o ar nos meus pulmõesenquanto entrava no espaço pequeno e quente.Não estava atrasado. O Sr. Banner ainda estava arranjar tudo para a experiência delaboratório de hoje. A rapariga sentou-se na minha - na nossa mesa, a sua cara estavavirada para baixo outra vez, a olhar para o caderno em que desenhava. Examinei osrabiscos quando me aproximei, até estava interessado naquela criação banal da suamente, mas eram coisas sem sentido. Só ondas e mais ondas. Talvez ela não se
  • 41. estivesse a concentrar no padrão, mas a pensar noutra coisa qualquer?Puxei a minha cadeira com um barulho desnecessário, deixando-a raspar no chão delinóleo; os humanos sentiam-se sempre mais confortáveis quando algum barulhoanunciava a aproximação de qualquer outra pessoa.Eu sabia que ela tinha ouvido o som; não olhou para cima, mas a mão dela falhou numaonda do formato que ela estava a fazer, deixando-o torto.Por que é que ela não olhou para cima? Provavelmente estava assustada. Tinha quegarantir que a ia deixar com uma impressão diferente desta vez. Fazê-la pensar queantes, tinha imaginado coisas.- Olá. - Disse na voz calma que usava quando queria deixar os humanos maisconfortáveis, formando um sorriso educado com os meus lábios que não mostrarianenhum dente.Ela olhou para cima então, os seus olhos atentos, castanhos e assustados - quasedesorientados - e cheios de perguntas silenciosas. Era a mesma expressão que tinhaobstruído a minha visão durante a última semana.Enquanto encarava aqueles olhos castanhos estranhamente intensos, percebi que o ódio- o ódio que eu tinha imaginado que esta rapariga merecia por simplesmente existir -tinha evaporado. Agora sem respirar, sem sentir o seu cheiro, era difícil acreditar quealguém tão vulnerável pudesse justificar ódio.As bochechas dela começaram a corar e ela não disse nada.Mantive meus olhos nos dela, e concentrei-me só nas suas profundezas questionadoras,e tentei ignorar a cor apetitosa. Eu tinha fôlego o suficiente para falar mais um bocadosem inalar.- Chamo-me Edward Cullen. - Disse, embora soubesse que ela sabia isso. Era a maneiramais educada de começar. - Não tive a oportunidade de me apresentar na semanapassada. Deves ser a Bella Swan.Ela pareceu confusa - tinha uma pequena ruga entre os olhos novamente. Levou meiosegundo a mais do que devia para responder.
  • 42. - Como é que sabes o meu nome? - Perguntou, e sua voz tremeu um bocado.Eu devia tê-la realmente assustado. Isso fez-me sentir culpado; ela era tão indefesa.Ri-me gentilmente - era um som que eu sabia que deixava os humanos mais à vontade.Novamente, fui cuidadoso com meus dentes.- Oh, acho que todos sabem o teu nome. – De certeza que ela tinha percebido que setinha tornado o centro das atenções neste lugar monótono. – Toda a cidade tem estadoa aguardar a tua chegada.Ela fez uma careta como se aquela informação fosse desagradável. Supus que, sendotímida como ela parecia ser, atenção ia parecer uma coisa má para ela. A maioria doshumanos sentia o oposto. Embora não se quisessem destacar numa multidão, ao mesmotempo desejavam um holofote para as suas uniformidades individuais.- Não. - Disse. – O que eu queria perguntar-te era por que motivo me chamaste Bella?- Preferes Isabella? - Perguntei, perplexo pelo facto de não conseguir ver onde é queela queria chegar com aquela pergunta. Não entendi. Obviamente, ela deixou a suapreferência clara muitas vezes naquele primeiro dia. Será que todos os humanos eramincompreensíveis sem um contexto mental como guia?- Não, gosto de Bella. - Respondeu, inclinando a cabeça levemente para um lado. A suaexpressão - se eu estivesse a ler correctamente - estava dividida entre vergonha econfusão. - Mas julgo que o Charlie… quer dizer, o meu pai, deve chamar-me Isabellanas minhas costas. Parece que é por esse nome que todas as pessoas daqui meconhecem. - A sua pele ficou num tom de rosa mais escuro.- Ah. - Disse indevidamente, e desviei rapidamente os meus olhos do seu rosto.Tinha acabado de perceber o que as perguntas dela queriam dizer: eu tinha cometidoum erro, um lapso. Se eu não tivesse ouvido todas as conversas dos outros naqueleprimeiro dia, então eu tinha-a chamado inicialmente pelo nome inteiro, como todos osoutros. Ela tinha notado a diferença.Senti-me desconfortável, ela foi muito rápida a perceber o meu erro. Bastante astuta,especialmente para alguém que deveria estar aterrorizada pela minha proximidade.
  • 43. Mas eu tinha problemas maiores do que qualquer que fosse a suspeita que ela tivessesobre mim na sua cabeça.Eu estava a ficar sem ar. Se quisesse falar com ela de novo, eu ia ter que respirar.Ia ser difícil evitar falar. Infelizmente para ela, compartilhar esta mesa tornava-a aminha parceira de laboratório, e hoje nós teríamos que trabalhar juntos. Seriaestranho - e incompreensivelmente rude - ignorá-la enquanto fazíamos a experiência.Ia deixá-la mais suspeita, mais assustada…Inclinei-me o mais longe possível dela sem mexer a minha cadeira, virando a minhacabeça para o corredor. Prendi-me, trancando os meus músculos no lugar, e entãoaspirei um rápido peito cheio de ar, respirando apenas pela minha boca.Ah!Era genuinamente doloroso. Mesmo sem sentir o cheiro dela, eu conseguia sentir osabor dela na minha língua. A minha garganta de repente estava em chamas outra vez, anecessidade era tão forte como a daquele primeiro momento em que eu senti o cheirodela.Juntei os meus dentes e tentei recompor-me.- Comecem. - O Sr. Banner ordenou.Pareceu que foi preciso cada pequena partícula de auto-controle que tinha acumuladoem setenta anos de trabalho árduo para virar minha cabeça para a rapariga, que estavaa olhar para a mesa, e sorrir.- Primeiro, as senhoras, parceira? - Ofereci.Ela olhou para minha expressão e seu rosto ficou vazio, os olhos arregalados. Havia algode errado com a minha expressão? Ela estava assustada novamente? Ela não falou.- Ou, se desejares, posso ser eu a começar. - Disse calmamente.- Não. - Ela disse, e rosto dela passou de branco para vermelho outra vez. - Eu começo.Olhei para o equipamento na mesa, o microscópio arranhado, a caixa de slides, em vezde ver o sangue a correr por baixo da pele clara dela. Inspirei outra vez rapidamente,pelos meus dentes, e recuei quando o gosto fez a minha garganta arder.
  • 44. - Prófase. - Disse depois de um rápido exame. E começou a remover o slide, embora malo tivesse visto.- Importas-te que dê uma espreitadela? - Instintivamente - estupidamente, como se eufosse da espécie dela – estendi-me para parar a mão que removia o slide. Por umsegundo, o calor da sua pele queimou a minha. Foi como uma corrente eléctrica -certamente muito mais quente do que meros 37 graus. O tiro de calor passou pelaminha mão e correu pelo meu braço. Ela puxou rapidamente a sua mão debaixo da minha.- Desculpa. - Murmurei por entre dentes. Como precisava de algum lugar para olhar,segurei no microscópio e olhei brevemente pelo buraco. Ela estava certa.- Prófase. - Concordei.Eu ainda estava demasiado perturbado para olhar para ela. Enquanto respirava tãocalmamente quanto conseguia por entre dentes cerrados, e ignorava a sede furiosa, eutentava-me concentrar naquela simples tarefa, escrevendo a palavra no espaçoadequado na ficha do laboratório, e trocava o primeiro slide pelo próximo.O que é que ela estava a pensar agora? Como será que ela se sentiu, quando toquei nasua mão? A minha pele deve ter parecido gelo - repulsivo. Não me admirava queestivesse tão quieta.Dei uma olhada no slide.- Anáfase. - Disse para mim mesmo enquanto escrevia na segunda linha.-Posso? - Ela perguntou.Olhei para cima, para ela, surpreendido ao ver que ela estava à espera, na expectativa,uma mão meio estendida na direcção do microscópio. Ela não parecia estar com medo.Ela pensava realmente que eu tinha errado na resposta?Não consegui evitar e sorri do seu olhar esperançoso no rosto dela enquanto lhepassava o microscópio.Olhou para o microscópio com uma vontade que desapareceu logo. Os cantos da suaboca desceram rapidamente.- Passamos ao terceiro diapositivo? - Perguntou ela, sem olhar por cima do microscópio,
  • 45. mas com a mão estendida. Coloquei o slide seguinte na mão dela, sem deixar que a minhapele chegasse perto da dela desta vez. Sentar-me ao lado dela era como sentar-me aolado de uma lâmpada. Conseguia sentir-me a aquecer ligeiramente graças à temperaturamais alta.Ela não olhou para o slide por muito tempo. “Intérfase” disse de forma casual - talveztentando demasiado soar assim - e empurrou o microscópio na minha direcção. Ela nãotocou no papel, mas esperou que eu escrevesse a resposta. Eu verifiquei - ela estavacorrecta de novo.Terminámos desta forma, a dizer uma palavra de cada vez sem nunca nos olharmos nosolhos. Nós éramos os únicos que tinham acabado - os outros da aula estavam a ter maisdificuldade com o laboratório. O Mike Newton parecia estar a ter problemas aconcentrar-se - estava a tentar observar-me a mim e à Bella.Quem me dera que ele tivesse ficado onde quer que tenha ido. Mike pensou, olhando-mecom raiva. Hum, interessante. Não tinha reparado que o rapaz tinha mantido algumsentimento negativo em relação a mim. Isto era um novo acontecimento, tão recentequanto a chegada da nova rapariga. Ainda mais interessante, pensei - para minhaprópria surpresa - que o sentimento era mútuo.Olhei para baixo para a rapariga outra vez, perplexo pelo tamanho da devastação eviolência que, apesar de comum; sem ameaça aparente, ela estava a causar na minhavida.Não era que eu não percebesse o que é que se passava com o Mike. Na realidade ela erabonita…de uma forma diferente. Melhor do que estar bonita, a sua cara estavainteressante. Não bem simétrico. O seu queixo mais pontiagudo fora de sintonia com asmaçãs do rosto largas, fortemente ruborizadas, o claro e escuro contraste da sua pelee o seu cabelo, e depois havia os olhos. A brilhar sobre segredos silenciosos.Olhos que de repente estavam perdidos nos meus.Olhei também para ela, tentando descobrir pelo menos um dos seus segredos.- Puseste lentes de contacto? - Perguntou de repente.
  • 46. Que pergunta estranha. “Não” Quase sorri com a ideia de tentar melhorar a minhavisão.- Oh - Murmurou. – Pensei que havia algo diferente nos teus olhos.Senti-me gelado outra vez conforme notei que aparentemente eu não era o único atentar descobrir segredos hoje.É claro que havia algo diferente nos meus olhos desde a última vez que ela tinha olhadopara eles. Para me preparar para hoje, para a tentação de hoje, passei o fim-de-semanainteiro a caçar, a matar a minha sede o máximo possível, mais do que o necessário.Afoguei-me no sangue de animais, não que fizesse muita diferença a enfrentar esteabsurdo sabor a flutuar ao redor do ar perto dela. Da última vez que tinha olhado paraela, os meus olhos tinham estado pretos pela sede. Agora, como o meu corpo nadava emsangue, os meus olhos estavam com uma cor dourada. Castanho-claro, âmbar pelo meuexcesso de alimento.Outro lapso. Se eu me tivesse apercebido do que ela quis dizer com a pergunta, podiasimplesmente ter dito que eram lentes.Sentava-me ao lado de humanos há quase dois anos nesta escola, ela foi a primeira atentar examinar-me perto o suficiente para notar a diferença da cor nos meus olhos.Os outros, enquanto admiravam a beleza da minha família, tinham a tendência de olharpara baixo rapidamente quando nós olhávamos de volta. Eles protegiam-se, bloqueavamdetalhes das nossas aparências como uma tentativa forte e instintiva de nos entender.Ignorância era uma bênção para a mente humana.Por que é que tinha de ser esta rapariga a ver tanto?O Sr. Banner aproximou-se da nossa mesa. Eu agradeci o ar puro que ele trouxe consigoantes que se pudesse misturar com o cheiro dela.- Então, Edward, - Disse enquanto olhava para as nossas respostas, - Não achaste quedeveria ser dada à Isabella a oportunidade de utilizar o microscópio?- À Bella – Corrigi-o por puro reflexo. - Na verdade, ela identificou três das cincofases representadas nos diapositivos.
  • 47. Os pensamentos de Mr. Banner eram cépticos enquanto se virava para ela. – Járealizaste este trabalho laboratorial?Eu assisti, envolvido, quando ela sorriu, parecendo um pouco envergonhada.- Com raiz de cebola, não- Com blástula de coregono? - Perguntou.- Sim.Isso surpreendeu-o. A aula de hoje foi algo que ele foi buscar a um curso maisavançado. Ele assentiu pensativo. - Em Phoenix, estavas integrada num programa decolocação elevada?- Estava.Ela estava avançada, então, inteligente para uma humana. Isso não me surpreendeu.- Bem – Disse o Sr. Banner, franzindo o lábio. – Suponho que o facto de vocês os doisserem parceiros de laboratório seja proveitoso.Ele virou-se e foi embora a murmurar “Para que os outros possam ter uma oportunidadede aprender algo por eles mesmos.”. Eu duvidei que a rapariga conseguisse ouvir aquilo.Voltou a desenhar círculos à volta redor do caderno de apontamentos.Dois lapsos em meia hora. Uma demonstração insatisfatória da minha parte. Apesar deque eu não tinha nenhuma ideia do que a rapariga pensava de mim - Quanto medo é queela tinha, quanto é que ela suspeitava? Eu sabia que precisaria me esforçar mais daquipara a frente para fazê-la mudar a opinião sobre mim. Alguma coisa que a fizesseesquecer do nosso último ameaçador encontro.- Foi pena aquilo da neve, não foi? – Disse, repetindo o assunto que vários outros alunosjá tinham discutido. Um tópico habitual e aborrecido. O tempo - sempre seguro.Ela olhou para mim, a dúvida óbvia no seu olhar - uma reacção anormal para as minhaspalavras muito normais. “Nem por isso” – Disse, surpreendendo-me outra vez.Tentei direccionar a conversa de volta a um caminho mais comum. Ela era de um sítiomuito mais claro, mais quente. A sua pele parecia reflectir isso de alguma maneira,apesar da sua palidez, e o frio devia fazê-la sentir-se desconfortável. O meu toque
  • 48. gelado com certeza tinha…- O frio não te agrada. - Adivinhei.- Nem o tempo chuvoso. - Assentiu.- Deve ser difícil para ti viver em Forks. - Talvez não devesses ter vindo para cá, euquis acrescentar. Talvez devesses voltar ao lugar de onde vieste.Porém, eu não tinha a certeza se era isso que eu queria. Eu ir-me-ia lembrar sempre docheiro do seu sangue – havia alguma garantia de que eu não a seguiria? Além disso, seela se fosse embora, a sua mente ia ser sempre um mistério. Um constante e insistentequebra-cabeças.- Nem fazes ideia. - Disse em voz baixa e senti-me carrancudo por um momento.As suas respostas nunca eram o que eu esperava que fossem. Isso fez-me querer fazermais perguntas.- Então, porque vieste para cá? - Eu reclamei, percebendo que meu tom de voz eramuito acusatório, não era casual o bastante para a conversa. A pergunta pareceu rude,intrometida.- É… complicado.Ela piscou os seus grandes olhos, não dando maiores informações, e eu quase explodi decuriosidade - a curiosidade queimou-me com uma força tão forte quanto a sede naminha garganta. Na realidade, estava a ficar um bocado mais fácil respirar; a agoniaestava a ficar mais tolerável enquanto me familiarizava.- Acho que consigo acompanhar-te. - Insisti. Talvez a cortesia comum a fizessecontinuar a responder às minhas perguntas desde que fosse rude o suficiente para asperguntar.Ela olhou silenciosamente para as mãos. Isso deixou-me impaciente; eu queria pôr aminha mão debaixo do seu queixo e levantar-lhe a cabeça para que pudesse ler os seusolhos. Mas fazer isso seria uma tolice da minha parte, perigoso, tocar na sua pelenovamente.Levantou os olhos subitamente. Era um alívio poder ver as emoções nos seus olhos outra
  • 49. vez. Ela falou apressadamente, a apressar-se nas palavras.- A minha mãe casou pela segunda vez.Ah, aquilo era humano o suficiente, fácil de entender. A tristeza passou pelos seusolhos translúcidos e enrugou a testa outra vez.- Não parece ser algo assim tão complexo. - Disse. A minha voz soou gentil sem que eume esforçasse para isso. A sua tristeza fez-me sentir estranhamente impotente, adesejar que houvesse algo ao meu alcance para fazê-la sentir-se melhor. Um estranhoimpulso. - Quando é que isso aconteceu?- No passado mês de Dezembro. - Expirou pesadamente - nada mais do que um suspiro.Sustive a minha respiração quando a sua respiração quente passou no meu rosto.- E tu não gostas dele. - Supus, a pescar por mais informações.- Não, o Phil é uma boa pessoa. - Disse, corrigindo a suposição. Havia a ponta de umsorriso agora nos cantos de seus lábios. – Talvez um pouco jovem de mais, mas bastantesimpático.Ok, isto não se encaixava com o cenário que tinha imaginado na minha cabeça.- Porque não ficaste com eles? - Perguntei, a minha voz um pouco curiosa demais.Parecia que eu estava a ser bisbilhoteiro. E estava a ser, admito.- O Phil viaja muito. Ganha a vida a jogar à bola. - O pequeno sorriso cresceu; aquelaescolha de carreira divertia-a.Eu sorri, também, sem escolher fazê-lo. Não estava a tentar fazê-la sentir-se àvontade. O seu sorriso apenas me fez querer sorrir de volta - fazer parte do segredo.- Já ouvi falar dele? - Passei as fotos de posters de jogadores de basebol na minhacabeça, a perguntar-me qual deles era Phil…- Provavelmente não. Ele não joga bem. - Outro sorriso. – Joga na segunda liga edesloca-se muito.As caras na minha mente desapareceram instantaneamente e fiz uma lista depossibilidades em menos de um segundo. Ao mesmo tempo, estava a imaginar um novocenário.
  • 50. - E a tua mãe mandou-te para cá de modo a poder viajar com ele. - Disse. Fazersuposições parecia funcionar melhor com ela do que fazer perguntas. Funcionou denovo. O seu queixo elevou-se e sua expressão de repente ficou dura.- Não, ela não me mandou para aqui. - Disse, e sua voz tinha novo tom, duro e irritado. Aminha suposição tinha-a deixado triste, embora eu não conseguisse entender o porquê.– Vim por vontade própria.Não consegui entender o motivo, ou a razão por detrás da sua tristeza. Eu estavacompletamente perdido.Então desisti. Esta rapariga simplesmente não fazia sentido nenhum. Ela não era comoos outros humanos. Talvez o silêncio dos seus pensamentos e o perfume do seu cheironão fossem as únicas coisas incomuns nela.- Não compreendo. - Admiti, odiando ceder.Ela suspirou, e olhou para os meus olhos por mais tempo do que a maioria dos humanosnormais seriam capazes de suportar.- A princípio, ficava comigo, mas sentia saudades dele. - Explicou devagar, com o seutoma ficar mais desesperado a cada palavra. – A separação fazia-a infeliz, logo, decidique estava na altura de passar algum tempo útil com o Charlie.A mínima ruga entre os seus olhos intensificou-se.- Agora, porém, és tu quem está infeliz. - Murmurei. Eu não conseguia parar de dizer asminhas hipóteses em voz alta, desejando aprender com as suas reacções. Esta, porém,não parecia tão diferente do normal.- E daí? - Disse, como se esse não fosse um aspecto que merecesse ser considerado.Continuei a olhar-lhe para os olhos, e senti que finalmente tinha conseguido ter umvislumbre da sua alma. Vi naquela única palavra, onde ela se tinha posicionado na suaprópria lista de prioridades. Ao contrário dos outros humanos, as suas própriasnecessidades estavam bem abaixo da lista.Ela era altruísta.Enquanto reparava nisso, o mistério daquela pessoa escondida numa mente silenciosa
  • 51. começou a atenuar um bocado.- Não parece ser justo. – Disse-lhe. Encolhi os ombros, tentando parecer casual,tentando omitir a intensidade da minha curiosidade.Ela riu-se, mas não havia diversão no som. – Nunca ninguém te disse «A vida não éjusta»?Queria-me rir das suas palavras, embora também me não estivesse a divertir. Eu sabiaum bocado sobre a injustiça da vida. – Creio já ter ouvido isso algures.Ela olhou outra vez para mim, parecendo confusa. Desviou os olhos e depois olhou-mede novo.- Então, é tudo. – Disse-me.Mas eu não estava preparado para acabar esta conversa. O pequeno “V” entre os seusolhos, um resto da sua dor, incomodava-me. Eu queria arrancá-la com a ponta do meudedo, mas obviamente não podia tocá-la. Isso não era seguro de várias formas.- Disfarças bem. - Disse devagar, ainda a considerar a próxima hipótese. - Mas estariadisposto a apostar que estás a sofrer mais do que demonstras a todos.Ela fez um esgar, os seus olhos apertados e sua boca torcendo-se num beicinho, e olhououtra vez para a frente da sala. Não gostou que eu tivesse adivinhado correctamente.Ela não era o típico mártir. Ela não queria uma plateia para a sua dor.- Estou enganado?Ela recuou um bocado, mas por outro lado fingiu não me ouvir.Isso fez-me sorrir. – Bem me pareceu que não.- Por que é que isso te interessa? - Ela quis saber, ainda a olhar para longe.- Essa é uma excelente pergunta. - Admiti, mais para mim mesmo do que para lheresponder.O seu discernimento era melhor do que o meu. Ela estava bem no centro das coisasenquanto eu me debatia cegamente através das pistas. Os detalhes da sua vida muitohumana não me deviam interessar. Era errado para mim interessar-me pelo que elapensava. A não ser que fosse para proteger a minha família, pensamentos humanos não
  • 52. eram significantes.Eu não estava habituado a ser o menos intuitivo num par. Confiei demasiado no meu“ouvido extra”. Obviamente que não era tão perceptivo como eu achei que fosse.A rapariga suspirou e ficou carrancuda a encarar a frente da sala. Algo na suaexpressão frustrada era engraçado. A situação em si, toda a conversa era engraçada.Nunca ninguém tinha estado tão em perigo por minha causa como esta pequena rapariga.A qualquer momento eu podia, distraído pela minha ridícula absorção na nossa conversadescontrolar-me e atacá-la antes que me conseguisse segurar, e ela estava irritadaporque eu não lhe tinha respondido à pergunta.- Estou a aborrecer-te? - Perguntei, a rir-me do absurdo daquilo tudo.Ela deu-me uma olhadela rapidamente, e depois os seus olhos ficaram presos no meuolhar.- Não propriamente. - Disse. - Estou mais aborrecida comigo mesma. Sou tãotransparente, a minha mãe chama-me sempre o seu livro aberto.Ela franziu as sobrancelhas de mau humor.Olhei para ela, divertindo-me. A razão de ela estar de mau humor era porque pensavaque eu vi através dela muito facilmente. Que bizarro. Nunca me tinha esforçado tantopara compreender alguém em toda a minha vida, ou existência, já que vida não era apalavra adequada. Eu não tinha realmente uma vida.- Pelo contrário. - Discordei, sentindo-me estranhamente… cauteloso, como se houvessealgum perigo escondido que eu não conseguia ver. Subitamente, estava no limite dacorda bamba, a premonição a deixar-me ansioso. – Considero-te muito opaca.- Então, deves ser um bom avaliador de carácter. - Supôs, fazendo a sua própriasuposição, que estava novamente correcta.- Normalmente. - Concordei.Dei-lhe um largo sorriso, deixando que os meus lábios se retorcessem para expor osdentes cintilantes e afiados atrás deles.Foi algo estúpido de fazer, mas fiz repentinamente, inesperadamente desesperado
  • 53. para expressar algum tipo de aviso para a rapariga. O seu corpo estava mais perto demim do que antes, inconscientemente deslocado no decorrer da nossa conversa. Todosos pequenos marcadores e sinais que eram suficientemente assustadores para o restoda humanidade, não resultavam com nela. Por que é que ela não se encolheu para longede mim aterrorizada? De certeza que já deve ter visto bastante do meu lado sombriopara perceber o perigo, ela parecia ser intuitiva.Não reparei se o meu aviso teve o efeito desejado, o Mr. Banner disse para a turmaprestar atenção apenas por aquele momento, e ela virou-se de mim. Ela parecia umbocado aliviada pela interrupção, portanto talvez tenha compreendidoinconscientemente.Eu esperava que sim.Eu reconheci o fascínio a crescer dentro de mim, mesmo enquanto tentava fazê-lo sair.Eu não me podia dar ao luxo de achar a Bella Swan interessante. Ou melhor, ela não sepodia dar ao luxo. Eu já estava ansioso por alguma outra oportunidade de falar comela… Eu queria saber mais sobre a sua mãe, a sua vida antes de chegar aqui, o seurelacionamento com seu pai. Todos as coisas sem sentido que poderia acrescentardetalhes ao seu carácter. Mas cada segundo que eu gastava com ela era um erro, umrisco que ela não sabia que estava a correr.Distraidamente, lançou o cabelo para trás das costas mesmo no momento em que tinhapermitido a mim mesmo dar outra respiração. Uma onda particularmente concentradado seu cheiro atingiu a minha garganta.Foi como no primeiro dia, como a bola destrutiva. A dor que queimava e a sede fez-meficar tonto. Tive de agarrar a mesa outra vez para manter o meu corpo na cadeira.Agora eu tinha ligeiramente um bocado mais de controlo. Não parti nada, ao menosisso… O monstro rosnou dentro de mim, mas não gostou da minha dor. Ele tambémestava preso. Por agora.Parei de respirar completamente, e inclinei-me o mais longe possível da rapariga.Não, eu não me podia dar ao luxo de achá-la fascinante…Quanto mais fascinante a
  • 54. achava, mais provável era que a matasse. Eu já tinha cometido dois pequenos deslizeshoje. Teria de cometer um terceiro, que não seria nada pequeno?Mal a campainha tocou, abandonei a sala, provavelmente destruindo qualquer boaimpressão que tinha construído no decorrer da aula. De novo, eu ofeguei pelo ar limpo,húmido lá de fora, como se fosse uma cura para alguma coisa. Apressei-me a criar omáximo de distância possível entre a rapariga e eu.O Emmett estava à minha espera na porta da sala de Espanhol. Leu a minha expressãolouca por um momento.Como é que correu? Perguntou cautelosamente.-Ninguém morreu. - Resmunguei.Suponho que isso é alguma coisa. Quando vi a Alice a andar por aqui no fim, eu pensei…Enquanto andávamos para a sala, vi a sua memória de apenas alguns momentos atrás,vista pela porta aberta da sua última aula: A Alice de olhos desfocados a andar emdirecção ao prédio de biologia. Senti a sua vontade relembrada de ir lá e juntar-se aela, e depois senti a sua decisão em ficar. Se Alice precisasse da sua ajuda, ela iriapedir…Fechei os meus olhos com horror e desgosto enquanto me sentava na minha cadeira.- Não me apercebi que estive assim tão perto. Não pensei que fosse… Não vi que estavaassim tão mau. - Sussurrei.Não estava, ele assegurou-me. Ninguém morreu, certo?- Certo. - Disse entre os dentes. – Desta vez não.Talvez fique mais fácil.- Claro.Ou, talvez a mates. Encolheu os ombros. Não serias o primeiro a fazer asneira.Ninguém te julgaria de uma forma dura. Às vezes uma pessoa apenas cheira muito bem.Estou impressionado que tenhas resistido tanto tempo.- Não estás a ajudar, Emmett.Eu estava revoltado com a sua aceitação da ideia de que eu mataria a rapariga, de que
  • 55. isso era de algum modo, inevitável. Ela tinha culpa de cheirar tão bem?Eu sei quando me aconteceu… Ele lembrou-se, trazendo à tona metade de um século,para uma rua suja, onde uma mulher de meia-idade estava a tirar os seus lençóis secosde um estendal amarrado entre duas macieiras. O cheiro a maçãs era forte no ar, acolheita tinha acabado e as frutas rejeitadas estavam espalhadas pelo chão, os buracosnas cascas deixavam escapar as suas fragrâncias como grossas nuvens. Um camporecém cortado de feno era um fundo de paisagem para o cheiro, a harmonia. Ele andoupela rua, indiferente à mulher, para fazer um recado de Rosalie. O céu lá em cimaestava púrpura, laranja acima das árvores. Ele teria continuado a andar pelo caminhodas carroças e não haveria nenhuma razão para lembrar-se daquela tarde, não fossepor uma repentina brisa que soprou os lençóis brancos como velas e levou o cheiro damulher até o rosto de Emmett.-Ah. - Gemi calmamente. Como se a minha própria sede não fosse o suficiente.Eu sei. Eu não durei nem metade de um segundo. Eu nem pensei sequer em resistir.A sua memória tornou-se demasiado explícita para eu aguentar.Saltei da cadeira, os meus dentes trincaram-se fortemente o suficiente para cortaraço.- Esta bien, Edward? - Señora Goff perguntou, assustada pelo meu brusco movimento.Conseguia ver o meu rosto na sua mente, e eu sabia que eu parecia longe de estar bem.- Me perdona. - Murmurei, enquanto me lançava pela porta.- Emmett, por favor, puedas tu ayuda a tu hermano? - Perguntou, gesticulando semsolução para mim enquanto eu me apressava para sair da sala.- Claro. – Ouviu-o dizer. E já estava bem atrás de mim.Seguiu-me até o lado mais longe do edifício, onde me alcançou e pôs a mão no meuombro.Empurrei a mão dele para longe com uma força desnecessária. Teria quebrado os ossosde uma mão humana, e os ossos do braço ligados a ela.- Desculpa, Edward.
  • 56. - Eu sei. - Dei profundos suspiros, à procura de ar, tentando clarear a minha cabeça eos meus pulmões.- É tão mau como aquilo? - Perguntou, tentando não pensar no cheiro e no sabor na suamemória enquanto perguntava, não tendo muito sucesso.- Pior, Emmett, pior.Ele ficou quieto por um instante.Talvez…- Não, não ia ser melhor se eu acabasse logo com isto. Volta para a sala, Emmett. Euquero ficar sozinho.Virou-se sem dizer nenhuma palavra ou pensamento e caminhou rapidamente. Ele iadizer à professora de Espanhol que eu estava doente, ou a baldar-me, ou dizer que euera um vampiro perigosamente fora de controlo. A desculpa dele realmente importava?Talvez eu não voltasse. Talvez eu tivesse que partir.Voltei para o meu carro novamente, para ficar à espera do fim da escola. Para meesconder, novamente.Eu podia ter usado o tempo para fazer decisões ou tentar reforçar a minha explicação,mas, como um vício, eu vi-me à procura através dos murmúrios de pensamentos queemanavam do prédio da escola. As vozes familiares destacaram-se, mas agora eu nãoestava interessado em dar ouvidos às visões de Alice ou às reclamações de Rosalie.Encontrei a Jessica facilmente, mas a rapariga não estava com ela, então continuei àprocura. Os pensamentos de Mike Newton chamaram a minha atenção, e eu acabei por aencontrar, num ginásio com ele. Ele estava triste, porque eu conversei com ela na aulade Biologia. Ele estava a pensar sobre a sua reacção à conversa quando algo surgiu donada…Eu nunca o vi a conversar com ninguém a não ser uma palavra aqui ou ali. Claro que eleacabou por achar a Bella interessante. Não gosto da maneira que ele olha para ela. Masela não parece estar muito interessada nele. O que é que ela disse? “Pergunto-me o quetinha ele na passada segunda-feira.” Algo assim. Não parece que ela se tenha
  • 57. importado. Não deve ter sido uma grande conversa…Falou consigo mesmo, a convencer-se a não ser pessimista daquela maneira, feliz pelaideia de que Bella não estava interessada na sua troca de palavras comigo. Issoincomodou-me um pouco mais do que o aceitável, então parei de ouvi-lo.Pus um CD com música violenta no leitor, e aumentei o som até que não conseguisseouvir mais vozes. Tinha de me concentrar bastante na música para me manter longe dospensamentos de Mike Newton, para espiar a rapariga inocente…Fiz batota algumas vezes, enquanto chegava o fim da aula. Não estava a espiar, tentavaconvencer-me. Eu estava apenas a preparar-me. Queria saber exactamente quando éque ela ia sair do ginásio, quando estivesse no estacionamento… Eu não queria sersurpreendido.Enquanto os estudantes começavam a sair das portas do ginásio, eu saía do meu carro,sem saber por que é que fiz aquilo. A chuva estava fraca - ignorei isso enquanto estavalentamente a saturar o meu cabelo.Eu queria que ela me visse aqui? Estava à esperava que ela viesse e falasse comigo? Oque é que eu estava a fazer?Não me mexi, apesar de ter tentado convencer-me a mim mesmo a voltar para o carro,sabia que o meu comportamento era repreensível. Mantive os meus braços sobre o meupeito e respirei bem devagar enquanto a observava passar devagar por mim, os seuslábios caídos nas extremidades. Ela não olhou para mim. Algumas vezes lançou os olhosem direcção às nuvens com uma careta, como se a ofendessem.Estava desapontado quando chegou ao seu carro antes de passar por mim. Será queteria falado comigo? Será que teria falado com ela?Entrou numa carrinha vermelha suja da Chevy, um monstro robusto que era mais velhaque o seu pai. Observei-a a arrancar a carrinha. O motor velho roncou mais alto quequalquer veículo no estacionamento. E então, pôs as mãos em direcção ao vento quente.O frio era desconfortável para ela, não gostava nem um pouco disso. Passou os seusdedos pelos cabelos emaranhados, esticando os nós através da corrente de ar quente,
  • 58. como se o estivesse a secar. Eu imaginei como seria o cheiro daquele compartimento dacarrinha, e rapidamente me desfiz desse pensamento.Ela olhou ao redor enquanto se preparava para fazer marcha a trás, e finalmente olhouna minha direcção. Olhou para mim por apenas meio segundo, e tudo o que consegui lernos seus olhos foi surpresa, antes de virar os olhos para outro lado e passar a marcha-atrás. E então travou repentinamente, e a traseira da carrinha ficou a algunscentímetros de bater no carro de Erin Teague.Espreitou pelo espelho retrovisor, a sua boca estava aberta com o constrangimento.Quando o outro carro passou por ela, olhou todos os pontos cegos duas vezes e entãosaiu da área do estacionamento tão cuidadosamente que me fez sorrir. Era como sepensasse que a sua carrinha decrépita fosse perigosa.O pensamento de Bella Swan poder fazer mal a alguém, independentemente do queestivesse a conduzir, fez-me rir quando a rapariga passou mesmo por mim, a olharfixamente para a frente.« anterior | Midnight Sun | seguinte »Sábado, 24 de Janeiro de 20093º Capitulo - FenómenoSinceramente, eu não estava sedento, mas decidi caçar novamente naquela noite. Umapequena quantidade para prevenir.O Carlisle veio comigo, não estávamos juntos sozinhos desde que voltei de Denali.Enquanto corríamos pela floresta negra, eu ouvi-o a pensar sobre aquele rápido adeusda semana passada.Na sua memória, vi a maneira com que as minhas feições se tinham contraído num ferozdesespero. Senti-o a surpreender-se e repentinamente a preocupar-se.“Edward?”“Eu tenho que ir Carlisle. Tenho que ir agora.”
  • 59. “O que é que aconteceu?”“Nada. Ainda. Mas irá acontecer se eu ficar.”Ele alcançou o meu braço. Senti como o magoei quando recusei a mão.“Eu não entendo.”“Já alguma vez… já houve algum momento…”Vi-me a dar um profundo suspiro, vi a selvagem luz dos meus olhos através do filtro dapreocupação dele.“Já alguma pessoa cheirou melhor para ti do que o resto das pessoas? Muito melhor?”“Oh.”Quando percebi que ele tinha entendido, o meu rosto descaiu com vergonha. Elealcançou-me para me tocar, ignorando quando eu recuei de novo, e deixou a sua mão nomeu ombro.“Faz o que puderes para resistir, filho. Vou sentir a tua falta. Aqui, leva o meu carro. Émais rápido.”Ele estava a perguntar-se agora se antes tinha feito a coisa certa, mandando-me paralonge. Estava a perguntar-se se me tinha magoado com a sua falta de confiança.“Não,” Sussurrei enquanto corria. “Aquilo era o que eu precisava. Poderia ter traído atua confiança tão rapidamente se me tivesses dito para ficar.”“Eu lamento que estejas a sofrer, Edward. Mas tens de fazer o que puderes paramanter a criança Swan viva. Mesmo se isso signifique que terás que nos deixarnovamente.”“Eu sei, eu sei.”“Por que é que voltaste? Sabes o quão feliz fico por te ter aqui, mas se isso é muitodifícil…”“Eu não gostei de me sentir um cobarde,” Admiti.Nós abrandámos. Estávamos praticamente a caminhar através da escuridão agora.“Melhor isso do que colocá-la em perigo. Ela vai partir dentro de um ano ou dois.”“Tens razão, eu sei disso.” – Mas, pelo contrário, as palavras dele apenas me deixaram
  • 60. mais ansioso para ficar. A rapariga ia-se embora num ano ou dois…O Carlisle parou de correr e eu parei com ele; ele virou-se para examinar a minhaexpressão.Mas não te vais embora, não é?Eu deixei cair a cabeça.É por orgulho, Edward? Não há que ter vergonha por…“Não, não é o orgulho que me prende aqui. Não agora.”Sem lugar para ires?Ri-me levemente. “Não. Isso não me iria impedir se quisesse realmente ir embora.”“Nós vamos contigo, claro, se for isso que precisas. É só dizeres. É só pedires. Eles nãoterão má vontade com isso.”Ergui uma das sobrancelhas.Ele riu-se. “Sim, A Rosalie provavelmente teria, mas ela deve-te isso. Seja como for, émuito melhor para nós, irmos agora, sem ter causado nenhum dano, do que irmos maistarde, depois de uma vida ter acabado” Todo o humor tinha acabado.Fiquei com medo das suas palavras.“Sim,” Concordei. A minha voz soou rouca.Mas não vais partir?Suspirei. “Eu devia.”“O que é que te prende aqui, Edward? Não consigo entender…”“Não sei se consigo explicar…” Mesmo para mim, não fazia sentido.Ele mediu a minha expressão por um longo tempo.Não, eu não consigo entender. Mas vou respeitar a tua privacidade, se preferes.“Obrigado. É generoso da tua parte, visto que não dou privacidade a ninguém.” Com umaexcepção. E eu ia fazer o que podia para impedir isso, não ia?Todos nós temos as nossas peculiaridades. Ele riu-se novamente. Vamos?Ele tinha acabado de sentir o rasto de um pequeno rebanho de veados. Era difícil reunirmuito entusiasmo pelo que era, mesmo nas melhores circunstâncias, era um aroma que
  • 61. fazia tudo menos dar água na boca. Agora, com a memória do sangue fresco da raparigana minha cabeça, este cheiro revirava-me o estômago.Suspirei. “Vamos” - Concordei, apesar de saber que forçar mais sangue pela minhagarganta não ia ajudar muito.Ambos assumimos uma posição de caça e deixámos que o rasto guiasse e nos puxasseem silêncio para a frente.Estava mais frio quando voltámos para casa. A neve derretida tinha congeladonovamente; era como se um fino lençol de vidro cobrisse tudo - cada ponta de pinheiro,cada folha das plantas, cada lâmina de relva estava congelada.Enquanto Carlisle se foi vestir para o seu primeiro turno no hospital, eu fiquei perto dorio, à espera que o sol nascesse. Sentia-me quase inchado com tanto sangue que tinhaconsumido, mas eu sabia que a falta de sede ia significar pouco quando me sentasse aolado da rapariga outra vez.Frio e estático como a pedra em que me sentei, encarei a água fria que corria ao ladoda margem congelada, vi além daquela cena.O Carlisle estava certo. Eu devia deixar Forks. Eles podiam espalhar alguma históriapara explicar a minha ausência. Intercâmbio na Europa. A visitar parentes distantes.Fuga adolescente. A história não importava. Ninguém ia questionar muito.Ia demorar apenas um ano ou dois para que a rapariga desaparecesse. Ela ia seguir emfrente com a vida dela. Ela tinha que seguir em frente com sua vida. Iria para afaculdade nalgum lugar, ia ficar mais velha, começar uma carreira, possivelmente até seia casar com alguém. Eu conseguia imaginar isso. Conseguia ver a rapariga toda vestidade branco a andar num passo medido, de braço dado com o seu pai.Foi estranho, a dor que aquela imagem me causou. Não conseguia entender aquilo. Euestava com ciúmes, por que ela tinha um futuro que eu nunca iria ter? Aquilo não faziasentido. Todos os humanos à minha volta tinham o mesmo potencial. Uma vida, e eu
  • 62. raramente tinha parado para os invejar.Eu devia deixá-la com o seu futuro. Parar de arriscar a vida dela. Essa era a coisa maisacertada a fazer. O Carlisle escolhia sempre a maneira certa. Eu devia ouvi-lo agora.O sol apareceu atrás das nuvens, e a luz fraca brilhou no vidro congeladoMais um dia, decidi. Eu ia vê-la mais uma vez. Podia lidar com aquilo. Talvez mencionasseo meu desaparecimento pendente, preparar a história.Isto ia ser difícil. Conseguia sentir isso na pesada relutância que já me estava a fazerpensar em desculpas para dar, para estender o prazo limite por dois dias, três, quatro…Mas eu ia fazer a coisa certa. Eu sabia que tinha de confiar no aviso de Carlisle. E eutambém sabia que podia ser muito difícil tomar a decisão certa sozinho.Demasiado difícil. Quanta desta relutância vinha da minha obsessiva curiosidade, equanta vinha do meu insatisfeito apetite?Fui para dentro para trocar de roupa, para ir à escola.A Alice estava à minha espera, sentada no topo das escadas do terceiro andar.Vais-te embora outra vez. – Acusou-me.Suspirei e acenei com a cabeçaNão consigo ver para onde é que estás a ir desta vez.“Ainda não sei para onde é que vou” - Sussurrei.Eu quero que fiques.Balancei minha cabeça.Talvez eu e Jazz pudéssemos ir contigo?“Eles vão precisar mais de ti agora, se não estiver aqui para olhar por eles. E pensa naEsme. Ias levar metade da família embora de uma vez?”Vais fazê-la ficar tão triste.“Eu sei. Por isso é que tens que ficar.”Não é o mesmo sem ti aqui, sabes disso.“Sim. Mas eu tenho que fazer o que é certo.”Mas há várias maneiras certas, e muitas erradas, não há?
  • 63. Por um curto momento ela foi até uma das suas estranhas visões; assisti juntamentecom ela enquanto as imagens indistintas apareciam e giraram. Vi-me a mim mesmodentro dessas visões com estranhas sombras que eu não conseguia compreender,enubladas, formas imprecisas.E então, de repente, a minha pele estava a brilhar à luz do sol numa pequena e abertaclareira. Eu conhecia aquele lugar. Mas havia uma figura na clareira comigo, masnovamente, era indistinta, não havia ali o suficiente para reconhecer. As imagenstremeram e desapareceram quando um milhão de pequenas escolhas rearranjaram ofuturo outra vez.“Não percebi muito disso” – Disse-lhe quando a visão ficou escura.Nem eu. O teu futuro está a mudar e mudar tanto que eu não consigo acompanhar. Maseu acho que…Ela parou, e vagueou por uma vasta colecção de outras visões recentes para mim. Eramtodas iguais - borradas e vagas.“Mas eu acho que algo está a mudar” - Disse em voz alta. “A tua vida parece estar numaencruzilhada.”Ri-me, austero. “Tens noção de que agora soas a uma cigana mentirosa num parque dediversões, certo?”Ela mostrou-me a sua pequena língua.“Mas hoje está tudo bem, não é?” - Perguntei, com a minha voz abruptamenteapreensiva.“Não te vejo a matar ninguém hoje,” – Garantiu-me.“Obrigado, Alice.”“Vai mudar de roupa. Não vou dizer nada. Vou deixar que contes aos outros quandoestiveres pronto.”Ela levantou-se e seguiu escada abaixo, os seus ombros um pouco curvados. Vou sentir atua falta. Muito.Sim, eu também ia sentir a falta dela.
  • 64. Foi uma viagem calma até à escola. O Jasper conseguia perceber que a Alice estavachateada com alguma coisa, mas ele sabia que se ela quisesse falar sobre isso já o teriafeito. O Emmett e Rosalie estavam distraídos, a ter outro dos seus momentos, a olharnos olhos um do outro com admiração. Era um tanto ou quanto nojento de se assistirpelo lado de fora. Nós todos já sabíamos o quão desesperadamente apaixonados elesestavam. Ou talvez eu apenas estivesse amargo por ser o único sozinho. Alguns diaseram piores do que outros de se conviver com três casais perfeitos e apaixonados. Esteera um desses dias.Talvez eles fossem mais felizes sem mim por perto, com o meu mau temperamento, maue hostil como o idoso que eu devia ser por agora.Claro, a primeira coisa que fiz quando chegámos à escola foi procurar a rapariga.Apenas para me preparar novamente.Certo.Era embaraçoso como o meu mundo de repente parecia estar vazio de tudo, menos dela.Toda a minha existência centrada à volta daquela rapariga, em vez de mim mesmo.Mas realmente, era fácil de entender. Depois de oitenta anos da mesma coisa, todos osdias, todas as noites, qualquer mudança era motivo de interesse.Ela ainda não tinha chegado, mas eu conseguia ouvir o barulho dos travões do motor dasua carrinha ao longe. Encostei-me ao lado do carro para esperar. A Alice esperoucomigo, enquanto os outros foram directamente para as suas aulas. Estavamaborrecidos com a minha fixação. Era incompreensível para eles como qualquer humanopodia despertar tanto interesse em mim por tanto tempo, independentemente de quãodelicioso o cheiro dela fosse.A rapariga entrou aos poucos no meu campo de visão, os seus olhos estavam na estradae as suas mãos a segurar o volante com força. Parecia estar ansiosa com alguma coisa.Levei um segundo a entender o que é que esse algo era, para perceber que todos oshumanos tinham a mesma expressão hoje. Ah, a estrada estava escorregadia por causado gelo, e eles estavam todos a conduzir com cuidado. Eu conseguia perceber que ela
  • 65. levava o risco a sério.Aquilo parecia encaixar-se no pouco que eu já aprendera sobre a sua personalidade.Adicionei aquilo à pequena lista: ela era uma pessoa séria, responsável.Estacionou não muito longe de mim, mas ainda não tinha notado a minha presença, aolhar para ela. Perguntei-me sobre o que ela iria fazer quando percebesse. Iria corar eir embora?Aquele era o meu primeiro palpite. Mas talvez ela olhasse para mim também. Talvez elaviesse falar comigo.Inspirei fundo, a encher os meus pulmões, esperançoso, apenas por precaução.Ela saiu da cabina da carrinha com cuidado, testando o chão escorregadio antes quepusesse o seu peso todo nele. Não olhou para cima, e isso frustrou-me. Talvez eudevesse falar com ela…Não, isso seria errado.Em vez de se virar em direcção à escola, ela caminhou até a traseira da carrinha,segurando-se na parte lateral dela de uma forma atrapalhada, não confiando nos seuspassos. Isso fez-me sorrir, e eu senti os olhos de Alice na minha cara. Não ouvi o quequer que fosse que aquilo a fez pensar. Eu estava a divertir-me muito a observar arapariga a olhar para as correntes nos pneus. Ela parecia realmente que estava prestesa escorregar, da maneira que seus pés deslizavam no chão. Mais ninguém parecia ter omesmo problema. Será que ela tinha estacionado na pior parte do gelo?Parou por um momento, e olhou para os pneus com uma expressão estranha no rosto.Era… emocional? Como se algo em relação aos pneus a deixasse… emocionada?Novamente, a curiosidade magoou-me como a sede. Era como se eu precisasse de sabero que é que ela estava a pensar, como se mais nada importasse.Eu ia falar com ela. Parecia que precisava de uma ajuda de qualquer das maneiras, pelomenos até que estivesse fora da zona escorregadia de gelo. Claro, eu não lhe podiaoferecer isso não é? Hesitei, dividido. Tão adversa que ela parecia em relação à neve,dificilmente ia achar agradável o toque das minhas mãos brancas e frias. Eu devia ter
  • 66. trazido luvas…“NÃO!” Alice ofegou alto.Instantaneamente, li os seus pensamentos, a imaginar que eu devia ter feito umaescolha errada, e que ela me tinha visto a fazer algo imperdoável. Mas não tinharigorosamente nada a ver comigo.O Tyler Crowley decidiu fazer a curva do estacionamento rápido demais. Essa escolhaia fazê-lo deslizar no gelo…A visão aconteceu menos de meio segundo da realidade. A carrinha de Tyler virou aesquina enquanto eu assistia ao final que deixou a Alice sem fôlego.Não, esta visão não tinha nada a ver comigo, mas ainda assim tinha tudo a ver comigo,porque a carrinha de Tyler - com os pneus agora a tocar no gelo no pior ângulo possível- ia rodopiar pelo estacionamento e bater na rapariga que se tornara o centro nãointencional do meu mundo.Mesmo sem que a Alice previsse, teria sido fácil adivinhar a trajectória do veículo, asair do controlo de Tyler.A rapariga, parada exactamente no lugar errado da traseira da carrinha, olhou paracima, confusa com o barulho dos pneus a raspar no asfalto. Ela olhou directamente paraos meus olhos horrorizados, e virou-se para observar a sua morte iminente.Ela, não! As palavras gritaram na minha mente, como se pertencessem a outra pessoa.Ainda preso aos pensamentos de Alice, percebi que a visão de repente se tinha mudado,mas não tive tempo para ver o que ia acontecer.Lancei-me pelo estacionamento, mandando-me entre a carrinha desgovernada e arapariga petrificada. Movimentei-me tão depressa que tudo parecia desfocado, menos oobjecto em que eu estava focado. Ela não me viu, nenhum olho humano conseguiriaacompanhar a minha movimentação, ela ainda estava a encarar a sombra que estavaprestes espalmar-lhe o corpo na estrutura metálica de sua carrinha.Agarrei-a pela cintura, movendo-me com demasiada urgência para ser tão gentil quantodevia. No centésimo de segundo entre o tempo que levei para tirá-la do caminho da
  • 67. morte e o tempo que levei para cair no chão com ela nos meus braços, eu estavavividamente consciente da fragilidade do seu corpo.Quando ouvi a sua cabeça a bater contra o gelo, senti-me como se me tivesse tornadogelo também.Mas eu não tinha nem sequer um segundo inteiro para me certificar da sua condição.Ouvi a carrinha atrás de nós, a girar barulhenta enquanto batia no corpo metálico dapick-up da rapariga. Estava a mudar de direcção, virando-se, a vir até ela outra vez,como se ela fosse um íman, a puxá-la para nós.Uma palavra que nunca tinha dito na presença de uma senhora escapou-se entre osmeus dentes cerrados.Eu já tinha feito demasiado. Enquanto quase voava pelo ar para a tirar do caminho, euestava consciente do erro que estava a cometer. Saber que era um erro não meimpediu, mas eu não estava alheio ao risco que estava a correr. Não apenas para mim,mas para toda a minha família.Exposição.E isto certamente que não ia ajudar, mas não havia a menor hipótese de eu deixar acarrinha obter sucesso na sua segunda tentativa de tirar a vida da rapariga.Larguei-a e levantei as minhas mãos, agarrando a carrinha antes que ela conseguissetocar na rapariga. A força do movimento lançou-me contra o carro parado ao lado dapick-up, e eu conseguia sentir sua forma a afundar-se pelos meus ombros. A carrinhatremeu contra o obstáculo que eram os meus braços, e depois abanou, balançandoinstável nos dois pneus mais afastados.Se eu mexesse as mãos, o pneu traseiro da carrinha ia cair nas pernas dela.Oh, pelo amor de tudo o que é sagrado, será que as catástrofes nunca iam acabar?Havia mais alguma coisa para correr mal? Eu não podia ficar ali, a segurar a carrinha noar, e ficar à espera de resgate. Nem podia mandar a carrinha para longe. Tinha deconsiderar o motorista, com os seus pensamentos incoerentes pelo pânico.Com um rugido interno, empurrei a carrinha para que ela se afastasse de nós por um
  • 68. instante. Assim que se balançou outra vez na minha direcção, segurei-a por debaixo dopára-choques com a minha mão direita enquanto enrolava outra vez o meu braçoesquerdo à volta da cintura da rapariga e a arrastava de debaixo da carrinha, puxando-a apertada ao meu lado. O seu corpo mole moveu-se enquanto eu a virava para que assuas pernas estivessem livres. Será que ela estava consciente? Quantos danos ter-lhe-ia infligido na minha desastrosa tentativa de resgate?Deixei a carrinha cair, agora que já não a podia mais magoar. Ela bateu no pavimento, asjanelas partiram-se em uníssono.Eu sabia que estava no meio de uma crise. Quanto é que ela teria visto? Mais alguém metinha visto aparecer ao lado dela e depois a agarrar a carrinha enquanto tentava tirar arapariga lá de baixo? Essas questões deviam ser minha maior preocupação.Mas eu estava demasiado ansioso para me importar realmente com a ameaça deexposição como devia. Demasiado em pânico por saber que a podia ter magoado com omeu esforço em protegê-la. Demasiado assustado por tê-la tão próxima a mim, sabendoque assim eu ia sentir o seu cheiro se me permitisse respirar. Estava demasiadoconsciente do calor do seu corpo macio, pressionado contra o meu, mesmo através doobstáculo duplo dos nossos casacos, eu conseguia sentir o calor…O primeiro medo foi o maior. Quando os gritos das testemunhas elevaram-se à nossavolta, inclinei-me para examinar a sua cara, para ver se ela estava consciente,esperando ansiosamente para que ela não estivesse a sangrar.Os olhos dela estavam abertos, a olhar em choque.“Bella?” Perguntei urgentemente. “Estás bem?”“Estou óptima.” Disse, as suas palavras soaram automáticas num atordoado.O alívio, tão bom que era quase doloroso, passou por mim com o som da sua voz. Inspireium bocado entre os meus dentes, e não me importei com a queimadura na minhagarganta. Quase que lhe dei as boas-vindas.Ela debateu-se para se sentar, mas eu não estava pronto para a soltar. Parecia mais…seguro? Melhor, pelo menos, tê-la encostada a mim.
  • 69. - Tem cuidado. - Avisei-a. - Acho que bateste com a cabeça com bastante violência.Não havia cheiro de sangue fresco no ar, misericórdia, mas isso não queria dizer nadasobre danos internos. Eu estava abruptamente ansioso para a levar ao Carlisle e ao seucompleto equipamento de radiologia.- Au. - Disse, o seu tom estava comicamente chocado quando percebeu que eu tinharazão sobre a sua cabeça.- Bem me parecia. - O alívio foi engraçado para mim, fez-me quase ficar tonto.- Que diabos… - A sua voz falhou, e os seus olhos tremeram. - Como é que chegasteaqui tão depressa?O alívio tornou-se azedo, o humor desapareceu. Ela tinha percebido de mais.Agora que parecia que a rapariga estava em forma decente, a ansiedade pela minhafamília tornou-se severa.- Estava mesmo a teu lado, Bella. - Eu sabia por experiência que se eu tivesse muitaauto-confiança a mentir, fazia com que o questionador se sentisse menos seguro daverdade.Ela esforçou-se para se mexer outra vez, e desta vez eu permiti. Eu precisava derespirar para fazer o meu papel correctamente, precisava de espaço do seu corpocaloroso, delicioso e quente para que não se combinasse com o seu cheiro para daremcabo de mim. Eu deslizei para longe dela, o mais longe o possível no pequeno espaçoentre os destroços dos veículos.Ela olhou para mim e eu olhei-a também. Ser o primeiro a desviar o olhar seria um erroque apenas um mentiroso incompetente poderia fazer, e eu não era um mentirosoincompetente. A minha expressão estava suave, benigna… Pareceu confundi-la. Isso erabom.A cena do acidente estava cercada agora. Maioritariamente estudantes, crianças,colegas a empurrarem-se para ver se algum corpo estava visível. Havia ali uma data degritos misturados com pensamentos chocados. Investiguei os pensamentos uma vezpara me certificar que ainda ninguém desconfiava, depois desliguei-os e concentrei-me
  • 70. apenas na rapariga.Ela estava distraída por causa da confusão. Olhou à volta, a sua expressão continuouchocada, e tentou-se levantar.Pus a minha mão levemente no seu ombro para pará-la.- Fica quieta por agora. - Ela parecia bem, mas devia estar mesmo a mover o pescoço?De novo, ansiei pelo Carlisle. Os meus anos como estudante teórico de medicina não seigualavam com os seus séculos de medicina prática.- Mas está frio. - Ela reclamou.Ela tinha quase sido esmagada até a morte duas vezes de formas diferentes e tinha-semagoado uma vez mais, e era o frio que a estava a incomodar. Um riso escapou-se deentre os meus dentes, antes que me apercebesse que a situação não era engraçada.A Bella piscou os olhos, e os seus olhos focaram-se no meu rosto. “Tu estavas além.”Aquilo pôs-me sóbrio outra vez.Ela olhou para trás, apesar de não haver mais nada para olhar a não ser a carrinhaamassada.- Estavas junto do teu carro.- Não, não estava.- Eu vi-te. – Insistiu, a voz dela era infantil quando era teimosa. O seu queixosobressaiu-se.- Bella, eu estava contigo e puxei-te para te afastar da trajectória da carrinha.Fitei-a até bem fundo nos seus olhos intensos, tentando convencê-la a aceitar a minhaversão, a única racional disponível.O queixo dela endureceu-se. - Não.Tentei ficar calmo, não entrar em pânico. Se eu a pudesse manter calada por algunsmomentos, para me dar uma oportunidade de destruir a prova… e negar a história delaalegando uma lesão na cabeça.Não devia ser fácil manter esta rapariga silenciosa e reservada, calada? Se ela aomenos confiasse em mim, só por alguns instantes…
  • 71. -Por favor, Bella. - Disse, e a minha voz estava muito intensa, porque de repente euqueria que ela confiasse em mim. Queria muito, e não só por causa do acidente. Quevontade estúpida. Que sentido faria ela confiar em mim?- Porquê? – Perguntou-me, ainda na defensiva.- Confia em mim. - Pedi.- Prometes explicar-me tudo mais tarde?Fez-me zangado ter que lhe mentir outra vez, quando eu queria tanto ser merecedor dasua confiança. Então, quando lhe respondi, foi apenas para responder.- Tudo bem.- Tudo bem. - Respondeu no mesmo tom.Enquanto a tentativa de resgate começava à nossa volta - adultos a chegarem, asautoridades foram chamadas, sirenes à distância - tentei ignorar a rapariga e colocaras minhas prioridades em ordem. Procurei em cada mente do estacionamento, dastestemunhas e das que chegaram depois, mas não consegui encontrar nada de perigoso.Muitos estavam surpreendidos ao verem-me ao lado de Bella, mas todos concluíram -porque não havia mais nenhuma conclusão a tirar-se - que não tinham reparado em mimparado ao lado da rapariga antes do acidente.Ela era a única que não aceitava a explicação mais fácil, mas também seria consideradaa testemunha menos viável. Ela estava aterrorizada, traumatizada, para não falar dapancada na cabeça. Estava possivelmente em choque. Seria aceitável para a históriadela estar confusa, certo? Ninguém lhe ia dar atenção com tantos outros espectadores.Encolhi-me quando ouvi os pensamentos de Rosalie, Jasper e Emmett, que chegavamagora à cena. Seria o inferno pagar por isto à noite…Eu queria resolver o problema da mossa que os meus ombros tinham deixado no carroacastanhado, mas a rapariga estava perto de mais. Teria que esperar até que elaestivesse distraída.
  • 72. Era frustrante esperar - tantos olhos humanos em mim - enquanto os humanos lutavamcom a carrinha, tentando afastá-la de nós. Eu podia ter ajudado, apressado o processo,mas já estava com problemas suficientes e a rapariga tinha olhos atentos. Finalmente,eles conseguiram afastá-la para longe o suficiente para que os paramédicos entrassemcom as macas.Um rosto grisalho e familiar apareceu.- Olá Edward. - Disse Brett Warner. Ele também era um enfermeiro registado, e euconhecia-o bastante bem do hospital. Foi um golpe de sorte - a única sorte de hoje - foiele quem chegou primeiro até nós. Nos seus pensamentos, ele estava a reparar que euparecia alerta e calmo. - Estás bem, miúdo?- Perfeito, Brett. Nada me tocou. Mas receio que aqui a Bella talvez tenha umaconcussão. Ela bateu mesmo bem com a cabeça quando a desviei…Brett virou a sua atenção para a rapariga, que me lançou um olhar traído. Ah, pois era.Ela era o tipo de mártir calado - preferia sofrer em silêncio.Mas ela não contradisse a minha história imediatamente, e isso deixou-me melhor.O paramédico seguinte tentou insistir que eu me deixasse ser tratado, mas não foimuito difícil desencorajá-lo. Prometi que ia deixar o meu pai examinar-me, e eledesistiu. Com a maioria dos humanos, falar com confiança era necessário. Com a maioriados humanos, menos a rapariga, é claro. Será que ela se encaixava em algum padrão?Quando lhe puseram o colar cervical no pescoço – e o seu rosto ficou vermelho comvergonha - usei a distracção para arranjar silenciosamente a forma do amassado nocarro acastanhado com o meu pé. Só os meus irmãos é que repararam no que eu estavaa fazer, e ouvi a promessa mental de Emmett que arranjava o que me tivesse escapado.Agradecido pela ajuda dele – e ainda mais agradecido por Emmett, pelo menos, já terperdoado a minha escolha perigosa - fiquei mais relaxado quando subi para banco dafrente da ambulância ao lado de Brett.O chefe de polícia chegou antes que tivesse colocado Bella no fundo da ambulância.Embora os pensamentos do pai de Bella estivessem além das palavras, o pânico e a
  • 73. preocupação que emanavam da mente do homem destacavam-se das mentes nosarredores. Ansiedade e culpa sem palavras, muito dos dois sentimentos passaram porele quando viu a sua única filha na maca.Passaram por ele e passaram para mim, ecoando e ficando mais fortes. Quando a Aliceme tinha avisado que matar a filha de Charlie Swan iria matá-lo também, ela não estavaa exagerar.A minha cabeça curvou-se com culpa enquanto ouvia a sua voz em pânico.- Bella! - Gritou.- Está absolutamente tudo bem comigo, Char… pai. - Suspirou. - Não há nada de erradocomigo.A garantia dela não acalmou o terror dele. Ele virou-se para o paramédico mais perto epediu mais informação.Não foi até eu o ter ouvido falar, formando frases perfeitamente coerentes tirando oseu pânico que eu percebi que a ansiedade e preocupação dele não eram além daspalavras. Eu apenas… não conseguia ouvir as palavras exactas.Hum. Charlie Swan não era tão silencioso como a filha, mas eu conseguia ver de onde elatinha herdado. Interessante.Nunca tinha passado muito tempo á volta do chefe de polícia da cidade. Considerei-osempre um homem de raciocínio lento - e agora percebi que eu é que era lento. Ospensamentos dele eram parcialmente ocultos, não ausentes. Eu só conseguia ouvir ocarácter deles, o tom…Queria ouvir com mais atenção, ver se conseguia encontrar naquela nova pequena peça achave para os segredos da rapariga. Mas a Bella foi posta na parte traseira daambulância, e a ambulância estava a seguir o seu caminho.Era difícil desviar-me daquela possível solução para o mistério que me tinha deixadoobcecado. Mas eu tinha que pensar agora - ver o que tinha sido feito hoje de cadaângulo. Eu tinha que ouvir, ter a certeza de que não nos tinha colocado a todos em tantoperigo que teríamos de partir imediatamente. Tinha que me concentrar.
  • 74. Não havia nada nos pensamentos dos paramédicos para me preocupar. Até onde elessabiam, não havia nada de errado com a rapariga. E a Bella estava a manter a históriaque eu tinha contado, até agora.A prioridade, quando chegámos ao hospital, era ver Carlisle. Corri pelas portasautomáticas, mas fui incapaz de abrir mão de assistir a Bella. Continuei a prestaratenção através dos pensamentos dos paramédicos.Foi fácil encontrar a mente familiar do meu pai. Ele estava no seu escritório pequeno,sozinho - o segundo golpe de sorte deste dia azarado.- Carlisle.Ele ouviu-me aproximar, e ficou alarmado assim que viu a minha cara. Ficou em pé,pálido como um fantasma. Inclinou-se para a frente da mesa de nogueira organizada.Edward, tu não…- Não, não, não é isso.Ele respirou fundo. Claro que não. Desculpa por ter pensado nisso. Os teus olhos, claro,eu devia percebido… Ele reparou que os meus olhos ainda eram dourados com alívio.- Mas ela está magoada, Carlisle, provavelmente não é grave, mas…- O que é que aconteceu?- Um acidente de carro estúpido. Ela estava no lugar errado à hora errada. Mas eu nãopodia ficar lá parado, deixar que fosse atropelada…Começa de novo, não estou a perceber. Como é que estás envolvido nisso?- Uma carrinha derrapou no gelo. - Sussurrei. Olhei para a parede atrás dele enquantofalava. Em vez de estar coberta com diplomas, ele só tinha uma pintura a óleo, uma dassuas favoritas, um Hassam não descoberto. - Ela estava no caminho da carrinha. A Aliceviu aquilo acontecer, mas não havia tempo para fazer nada senão correr peloestacionamento e tirá-la da frente. Ninguém reparou… excepto ela. Eu tive que parar acarrinha também, mas de novo, ninguém viu… a não ser ela. Eu… lamento imenso,Carlisle. Não nos queria colocar em perigo.Ele deu a volta à mesa e pôs a mão no meu ombro.
  • 75. Fizeste a coisa certa. Não deve ter sido fácil para ti. Estou orgulhoso, Edward.Olhei-o nos olhos. - Ela sabe que se passa alguma coisa… de errado comigo.- Isso não importa. Se tivermos que ir embora, iremos. O que é que ela disse?Abanei a cabeça, um pouco frustrado. - Nada, ainda.Ainda?- Ela concordou com a minha versão dos eventos… mas está à espera de uma explicação.Ele franziu a testa, a pensar.- Ela bateu com a cabeça. Bom, eu fiz isso. - Continuei rapidamente. – Atirei-a contra ochão com bastante força. Ela parece bem, mas… Acho que não será difícil desacreditá-la.Senti-me horrível só de dizer as palavras.Carlisle ouviu o desgosto na minha voz. Talvez isso não seja necessário. Vamos ver o queacontece, está bem? Parece que tenho uma paciente para ir ver.- Por favor. – Disse-lhe. – Estou tão preocupado que a tenha magoado.A expressão de Carlisle aliviou-se. Ele passou o dedo pelo cabelo, só alguns tons maisclaro que os seus olhos dourados, e riu-se.Tem sido um dia interessante para ti, não tem? Na sua mente, eu conseguia ver a ironia,e era engraçada, para ele, pelo menos. Uma inversão de papéis. Durante aquelemomento curto e inconsciente em que corri pelo parque de estacionamento congelado,eu tinha passado de assassino a protector.Ri-me com ele, lembrando-me da certeza que tive de que Bella nunca precisaria deprotecção de nada além de mim mesmo. O meu riso tinha um tom irritado porque,apesar da carrinha, isso ainda era verdade.Esperei no escritório de Carlisle, uma das horas mais compridas que já vivi, enquantoouvia o hospital cheio de pensamentos.Tyler Crowley, o motorista da carrinha, parecia estar mais magoado que Bella, e aatenção voltou-se para ele enquanto ela esperava a sua vez de fazer um raio-X. Carlisleficou no fundo, confiando no diagnóstico dos residentes de que a rapariga só estava
  • 76. levemente magoada. Isso deixou-me ansioso, mas sabia que ele tinha razão. Umaespreitadela ao rosto dele e ela ia imediatamente lembrar-se de mim, do facto quehavia algo de errado com a minha família, e talvez isso a fizesse dizer algo.Ela tinha de certeza um parceiro disposto o suficiente para conversar. Tyler estavaconsumido por culpa com o facto de a ter quase matado, e não conseguia parar de falarsobre isso. Eu conseguia ver a expressão dela através dos olhos dele, e era óbvio queela queria que ele parasse. Como é que ele não via aquilo?Houve um momento tenso para mim quando Tyler perguntou como é que ela tinha saídoda frente da carrinha.Eu esperei, sem respirar, enquanto ela hesitou.- Hum… - ele ouviu-a dizer. Então ela fez uma pausa tão longa que Tyler se perguntou sea sua pergunta a tinha confundido. Finalmente, ela continuou. - O Edward puxou-me eafastou-me da trajectória da carrinha.Expirei. E depois a minha respiração acelerou. Eu nunca a tinha ouvido dizer o meu nomeantes. Gostei do som, mesmo só estando a ouvir pelos pensamentos de Tyler. Queriaouvir com meus próprios ouvidos…- Edward Cullen. - Disse, quando Tyler não entendeu de quem é que ela tinha falado. Deipor mim à porta, de mão na maçaneta. O desejo de a ver estava a ficar mais forte. Tiveque me lembrar para ter cuidado.- Estava junto a mim.- Cullen? - Hum. Que estranho. - Não o vi… - Podia ter jurado… - Ena, suponho que tudoaconteceu muito rapidamente. Ele está bem?- Julgo que sim. Está algures por aqui, mas não o obrigaram a usar uma maca.Vi o olhar pensativo na cara dela, a suspeita a ficar mais forte nos seus olhos, masessas pequenas mudanças de expressão foram perdidas pelo Tyler.Ela é bonita. Estava ele a pensar, quase surpreendido. Mesmo nesta trapalhada. Nãofaz o meu tipo, mas… devia convidá-la para sair. Compensar por hoje…Já estava no corredor, a meio caminho da sala de emergência, sem pensar por um
  • 77. segundo no que estava a fazer.Por sorte, a enfermeira entrou na sala antes de mim, era a vez de Bella ir fazer o raio-X. Encostei-me à parede num canto escuro e tentei controlar-me enquanto ela eralevada para longe.Não importava que Tyler pensasse que ela era bonita. Qualquer um ia notar isso. Nãohavia razão para me sentir… Como é que eu me sentia? Aborrecido? Ou furioso estavamais perto da verdade? Isso não fazia sentido nenhum.Fiquei onde estava o máximo de tempo que pude, mas a impaciência venceu-me e deimeia volta para sala de radiologia. Ela já tinha sido levada de volta para o serviço deurgências, mas eu podia dar uma olhadela nos seus raio-X enquanto a enfermeira nãovoltava.Senti-me mais calmo quando vi. A sua cabeça estava bem. Eu não a tinha magoado, nãoexactamente.Carlisle apanhou-me lá.Pareces melhor. - Comentou.Eu apenas olhei para a frente. Nós não estávamos sozinhos, os corredores cheios demédicos e visitantes.Ah, sim. Ele prendeu o raio-X no quadro iluminado, mas eu não precisava de olhar umasegunda vez. Estou a ver. Ela está absolutamente bem. Muito bem, Edward.O som da aprovação do meu pai criou uma reacção mista em mim. Eu teria ficadocontente, excepto que eu sabia que ele não aprovaria o que eu ia fazer agora. Pelomenos, não aprovaria se soubesse das minhas reais motivações…- Eu acho que vou conversar com ela, depois de te ver. - Suspirei. - Agir naturalmente,como se nada tivesse acontecido. Acalmar os ânimos. - Todas razões aceitáveis.Carlisle acenou ausente, ainda a olhar para o seu raio-X. - Boa ideia. Hum...Olhei para ver o que é que o tinha interessado.Olha para todas as contusões cicatrizadas! Quantas vezes será que a mãe dela a deixoucair?
  • 78. O Carlisle sorriu para si mesmo pela sua brincadeira.- Eu estou a começar a achar que esta rapariga tem apenas má sorte. Sempre no lugarerrado na hora errada.Forks é certamente o lugar errado para ela, contigo aqui.Estremeci.Vai em frente. Acalma as coisas. Juntar-me-ei a ti dentro de momentos.Saí rapidamente, sentindo-me culpado. Talvez eu fosse um mentiroso muito bom, seconseguia enganar Carlisle.Quando cheguei ao serviço de urgências, o Tyler estava a resmungar sob a suarespiração, ainda a desculpar-se. A rapariga estava a tentar escapar do remorso deletentando dormir. Os olhos dela estavam fechados, mas a sua respiração não estavacontínua, e por uma vez e por outra os dedos dela torciam-se impacientemente.Olhei para a cara dela por um longo tempo. Esta era a última vez que eu a ia ver. Issodisparou uma dor aguda no meu peito. Seria porque eu odiava deixar qualquer quebra-cabeças sem solução? Isso não parecia ser uma explicação suficiente.Finalmente, respirei fundo e fiquei à vista.Quando o Tyler me viu, começou a falar, mas eu pus um dedo nos meus lábios.- Ela está a dormir? - Murmurei.Os olhos de Bella abriram-se rapidamente e focaram-se na minha cara. Arregalaram-sepor um momento, e depois ficaram estreitos com raiva ou suspeita. Lembrei-me quetinha um papel para desempenhar, então sorri-lhe como se nada incomum tivesseacontecido esta manhã - apenas uma pancada na cabeça e um pouco de imaginação livre.“Eh, Edward,” Tyler disse. “Eu lamento profundamente…”Levantei uma mão para parar com as suas desculpas. “Não havendo sangue, não háproblema” Disse-lhe com humor. Sem pensar, sorri demasiado largamente por causa daminha brincadeira particular.Era incrivelmente fácil ignorar Tyler, deitado não mais que 1.20m de mim, coberto desangue fresco. Nunca tinha entendido como é que Carlisle era capaz de fazer aquilo,
  • 79. ignorar o sangue de seus pacientes para cuidar deles. Não seria a constante tentaçãodemasiado perigosa…? Mas, agora… Eu conseguia ver como, se estivesses a concentrar-me nalguma coisa com força o suficiente, a tentação não era nada de especial.Apesar de fresco e exposto, o sangue de Tyler não tinha nada a ver com o de Bella.Eu mantive a minha distância dela, sentando-me aos pés do colchão de Tyler.“Então, qual é o veredicto?” Perguntei-lhe.Ela lamentou-se. “Não há absolutamente nada de errado comigo, mas não me deixam irembora. Como é que não estás amarrado a uma maca como nós?”A sua impaciência fez-me sorrir novamente.Conseguia ouvir o Carlisle no corredor agora.“Tudo depende dos nossos conhecimentos” Disse suavemente. “Mas não te preocupes,vim libertar-te.”Assisti à sua reacção cuidadosamente enquanto o meu pai entrava na sala. Os olhos delaarregalaram-se e sua boca abriu-se mesmo com a surpresa. Gemi internamente. Sim, elatinha certamente notado a semelhança.“Então, menina Swan, como se sente?” Carlisle perguntou. Ele tinha uma maneiramaravilhosamente calma que deixava a maioria dos pacientes bem em poucos momentos.Não conseguia saber como é que afectou a Bella.“Estou óptima” - Disse calmamente.O Carlisle fixou os seus raio-X no painel de luz acima da cama. “As suas radiografiasparecem estar bem. Dói-lhe a cabeça? O Edward comentou que bateu com a cabeça combastante violência.”Ela suspirou, e disse “A minha cabeça está óptima” novamente, mas desta vez aimpaciência notou-se na sua voz. Depois olhou de relance na minha direcção.Carlisle aproximou-se dela e passou os seus dedos levemente pelo seu crânio até queencontrou o galo de baixo do cabelo.Eu fui apanhado de surpresa pela onda de emoção que passou por mim.Eu tinha visto o Carlisle a trabalhar com humanos milhares de vezes. Anos atrás, eu até
  • 80. o tinha ajudado informalmente - embora apenas em situações em que o sangue nãoestava envolvido. Portanto não era uma coisa nova para mim, assisti-lo a interagir com arapariga como se fosse tão humano quanto ela. Eu tinha invejado o controlo dele tantasvezes, mas não era o mesmo que esta emoção. Eu invejei mais do que o seu controlo.Sofri pela diferença entre mim e o Carlisle, que ele pudesse tocá-la tão gentilmente,sem medo, sabendo que nunca a iria magoar…Ela estremeceu, e eu mexi-me no meu assento. Tive que me concentrar por um momentopara manter minha a postura relaxada.“Está dorido?” Carlisle perguntou.O seu queixo levantou-se um bocado. “Nem por isso” Disse.Outro pequeno pedaço de sua personalidade encaixou-se: ela era corajosa. Não gostavade mostrar fraqueza.Possivelmente a criatura mais vulnerável que eu já tinha visto, e não quer parecerfraca. Um riso abafado escorregou através de meus lábios.Ela olhou-me novamente.“Bem,” O Carlisle disse. “O seu pai está na sala de espera, já pode ir com ele para casa.Mas volte cá se sentir tonturas ou se tiver qualquer problema de visão.”O pai dela estava aqui? Varri os pensamentos da sala de espera cheia, mas nãoconseguia distinguir a sua voz mental do grupo antes de ela ter falado outra vez, a suacara ansiosa- Não posso voltar para a escola?- Talvez devesse repousar por hoje. - O Carlisle sugeriu.Os olhos dela voltaram-se para mim. - E ele, pode ir para a escola?Agir normalmente… acalmar as coisas… esquecer a sensação que tenho quando ela meolha nos olhos…- Alguém tem de espalhar a boa notícia de que nós sobrevivemos. - Disse.- Na verdade - O Carlisle corrigiu - a maior parte da escola parece estar na sala deespera.
  • 81. Eu antecipei a reacção dela desta vez, a sua aversão à atenção. Ela não me desapontou.- Oh, não – Lamentou-se e colocou as mãos no rosto.Gostei que finalmente tivesse acertado numa coisa. Estava a começar a entendê-la…- Quer ficar? – Perguntou o Carlisle.- Não, não! - Disse rapidamente, girando as pernas sob o colchão e escorregando paraficar de pé. Tropeçou, sem equilíbrio, nos braços de Carlisle. Ele agarrou-a e equilibrou-a.Novamente, a inveja inundou-me.- Estou óptima. - Disse ela antes que ele pudesse comentar, um rosa claro estava nassuas bochechas.Claro, aquilo não incomodaria Carlisle. Ele certificou-se que ela estava equilibrada esoltou as suas mãos.- Tome Tylenol para as dores. – Deu instruções.- Não dói assim tanto.O Carlisle sorriu e assinou a ficha dela. - Parece que teve imensa sorte.Ela virou ligeiramente o rosto, para me encarar com um olhar duro. – Tive a sorte de oEdward se encontrar junto a mim.- Oh, bem, sim. - Carlisle concordou depressa, ouvindo a mesma coisa na voz dela que euouvi. Ela não tinha pensado que as suas suspeitas eram imaginação. Ainda não.Toda tua. Pensou o Carlisle. Trata do assunto como achares melhor.- Muito obrigado. - Sussurrei, rápido e baixo. Nenhum humano me ouviu. Os lábios deCarlisle viraram-se um pouco para cima por causa do meu sarcasmo enquanto se viravapara Tyler. – Receio que o Tyler tenha de nos fazer companhia apenas durante maisalgum tempo. - Disse quando começou a examinar os cortes deixados pelo vidro partido.Bom, eu tinha feito os estragos, então era justo que eu tivesse que lidar com eles.Bella andou deliberadamente na minha direcção, sem parar até que estivessedesconfortavelmente perto. Lembrei-me de como tinha desejado, antes de todos osestragos, que ela se aproximasse de mim… Isto era como gozar com aquele desejo.
  • 82. - Posso falar contigo por um instante? – Murmurou baixinho, desagradada.A sua respiração quente tocou-me na cara e eu tive que dar um passo para trás. A suaatracção não tinha diminuído nem um bocado. Sempre que ela estava perto de mim,despertava o pior de mim, os instintos urgentes. O veneno inundou a minha boca e omeu corpo ansiou para atacar, para puxá-la para os meus braços e despedaçar a suagarganta nos meus dentes.A minha mente era mais forte que o meu corpo, mas só um pouco.- O teu pai está à tua espera. – Lembrei-a, com os dentes cerrados.Ela olhou para o Carlisle e Tyler. O Tyler não estava a prestar nem um pouco deatenção, mas o Carlisle estava a monitorizar cada respiração que eu dava.Cuidado, Edward.- Gostava de falar contigo a sós, se não te importares. - Insistiu com uma voz baixa.Eu gostava de dizer que me importava muito, mas sabia que ia ter que fazer istoeventualmente. O melhor era acabar com isto de uma vez.Estava cheio de tantas emoções em conflito enquanto saía do quarto, a ouvi-la tropeçarnos seus próprios pés atrás de mim, a tentar acompanhar-me.Tinha um espectáculo para apresentar. Sabia o papel que ia desempenhar, já tinhaescolhido a personagem. Ia ser o vilão. Ia mentir, ridicularizar e ser cruel.Ia contra todos os meus melhores impulsos, os impulsos humanos aos quais me tinhaagarrado todos estes anos. Nunca tinha querido ser merecedor de confiança tantoquanto queria neste momento, quando tinha que destruir qualquer possibilidade que issoacontecesse.Piorou saber que esta ia ser a última memória que ela ia ter de mim. Esta era a cena dedespedida.Virei-me para ela.- O que queres? - Perguntei friamente.Ela contraiu-se um bocado com a minha hostilidade. Os seus olhos ficaram confusos, aexpressão que me tinha assombrado…
  • 83. - Deves-me uma explicação. - Disse numa uma voz fraca; o seu rosto de marfimempalideceu.Foi muito difícil manter minha voz dura. – Salvei-te a vida, não te devo nada.Ela recuou. Queimou como ácido ver que as minhas palavras a tinham magoado.- Tu prometeste. - Sussurrou.- Bella, bateste com a cabeça, não sabes o que estás a dizer.O queixo dela levantou-se. - Não há nada de errado com a minha cabeça.Agora ela estava irritada, e isso tornou as coisas mais fáceis para mim. Encontrei o seuolhar, e deixei o meu rosto menos amigável.- O que queres de mim, Bella?- Quero saber a verdade. Quero saber por que motivo estou a mentir por tua causa.O que ela queria era justo, frustrou-me ter que lhe negar isso.- O que julgas que aconteceu? – Quase lhe rosnei.As suas próximas palavras vieram numa corrente. – Sei apenas que não estavas próximode mim, o Tyler também não te viu, portanto, não me venhas dizer que bati com acabeça com demasiada violência. Aquela carrinha ia esmagar-nos a ambos, tal não severificou e as tuas mãos deixaram uma mossa no outro carro e não tens qualquerferimento. A carrinha ter-me-ia esmagado as pernas, mas tu estavas a erguê-la no ar…- De repente, ela trincou os dentes e os seus olhos estavam a brilhar com lágrimas nãoderramadas.Eu encarei-a, a minha expressão era de escárnio, embora o que sentisse mesmo eramedo; ela tinha realmente visto tudo.- Pensas que eu levantei uma carrinha de cima de ti? - Perguntei sarcasticamente.Ela respondeu com um aceno rápido.A minha voz ficou ainda mais irónica. – Ninguém vai acreditar nisso, sabes?Ela lutou para controlar a raiva. Quando me respondeu, disse cada palavra devagar. - Eunão vou contar a ninguém.Ela estava a dizer a verdade. Eu conseguia ver isso nos olhos dela. Mesmo furiosos e
  • 84. traídos, ela ia guardar o meu segredo.Porquê?O choque daquilo arruinou a minha expressão cuidadosamente projectada durante meiosegundo, e recompus-me num instante.- Então, que importância é que isso tem? - Perguntei, trabalhando para manter a minhavoz severa.- Para mim tem. – Disse, intensa. - Não gosto de mentir, logo, é melhor que haja umexcelente motivo para estar a fazê-lo.Ela pediu-me para confiar nela. Exactamente como eu queria que ela confiasse em mim.Mas isto era uma linha que eu não podia atravessar.A minha voz ficou ligeiramente desesperada. - Não podes apenas agradecer-me esuperar isso?- Obrigada. – Disse-me, e depois ficou à espera.- Não vais esquecê-lo, pois não?- Não.- Nesse caso… - Eu não lhe podia dizer a verdade mesmo que quisesse… E eu não queria.Eu preferia que ela inventasse a sua própria história a que soubesse o que eu era,porque nada podia ser pior que a verdade. Eu estava a viver um pesadelo, directamentedas páginas de uma história de terror.- Espero que gostes de sofrer desilusões.Olhámos colericamente um para o outro.Era estranho quão amável a sua raiva era. Como um gatinho furioso, macio e inofensivo,e tão ignorante quanto à sua própria invulnerabilidade.Ela ficou rosada e cerrou os dentes outra vez. – Porque te deste sequer àqueletrabalho?A sua pergunta não era a que eu estava à espera ou preparado para responder.Perdi as regras do jogo, do papel que estava a desempenhar. Senti a máscara aescorregar da cara, e eu disse-lhe, naquele único momento, a verdade.
  • 85. - Não sei.Memorizei o rosto dela uma última vez. Ainda tinha alguns traços de raiva, o sangueainda não tinha saído das suas bochechas rosadas. E então virei-me e fui para longedela.4º Capitulo - VisõesEu voltei para a escola. Era a coisa certa a fazer, a maneira mais discreta de mecomportar.No final do dia, quase todos os outros alunos também tinham voltado para as aulas. Só oTyler e Bella e alguns outros, que provavelmente estavam a usar o acidente como umaoportunidade para se baldarem às aulas, continuavam ausentes.Não devia ser tão difícil para mim fazer a coisa certa. Mas, durante toda a tarde,estive a ranger os dentes contra o desejo que me deixava a querer baldar-me à aulatambém, ir procurar a rapariga outra vez.Como um perseguidor. Um perseguidor obsessivo. Um vampiro perseguidor obsessivo.A escola hoje estava, de alguma forma, impossivelmente ainda mais aborrecida do quetinha sido há uma semana. Aborrecimento de coma. Era como se as cores tivessem sidodrenadas das paredes de tijolos, das árvores, do céu, das caras à minha volta.Havia outra coisa certa que eu devia estar a fazer… e não estava. Claro, também erauma coisa errada. Tudo dependia da perspectiva de quem olhava.Da perspectiva de um Cullen, não simplesmente um vampiro, mas um Cullen, alguém quepertencia a uma família, uma coisa tão rara no nosso mundo, a coisa certa a fazer-seseria algo assim:- Estou surpreendido por te ver na aula, Edward. Eu ouvi dizer que estiveste envolvidonaquele acidente horrível hoje de manhã.- Sim, estive, Sr. Banner, mas eu fui o sortudo. - Um sorriso amigável. - Eu não me
  • 86. magoei de todo… gostaria de poder dizer o mesmo do Tyler e Bella.- Como é que eles estão?- Eu acho que o Tyler está bem… só alguns arranhões superficiais do vidro do pára-brisas. Embora não tenha a certeza quanto a Bella. - Uma cara preocupada. - Ela podeter uma concussão. Ouvi dizer que ela esteve bastante incoerente por algum tempo, atéviu coisas. Sei que os médicos estavam preocupados…Era assim que deveria ter sido. Era aquilo que eu devia à minha família.- Estou surpreendido por te ver na aula, Edward. Eu ouvi dizer que estiveste envolvidonaquele acidente horrível hoje de manhã.- Não me magoei. - Sem sorriso.O Sr. Banner mudou o seu peso de um pé para o outro, desconfortável.- Tens alguma ideia de como é que o Tyler Crowley e a Bella Swan estão? Ouvi dizer quetiveram alguns ferimentos…Encolhi os ombros. – Não tenho como saber isso.O Sr. Banner limpou a garganta. - Ah, certo… - Disse, enquanto o meu olhar frio deixavaa voz dele um pouco tensa.Ele andou rapidamente para a frente da sala e começou a matéria.Era a coisa errada a fazer-se. A não ser que se olhasse de uma perspectiva maisobscura.Só que parecia tão… tão deselegante caluniar a rapariga pelas costas, especialmentequando ela estava a provar que podia confiar nela mais do que eu podia ter sonhado. Elanão tinha dito nada para me trair, embora tivesse uma boa razão para o fazer. Eu iatraí-la quando ela não tinha feito nada a não ser guardar o meu segredo?Tive uma conversa quase idêntica com a Sra. Goff, só que em espanhol em vez de inglês.E Emmett olhou para mim durante um longo tempo.Espero que tenhas uma boa explicação para o que aconteceu hoje. A Rose está em pé deguerra.Revirei os olhos sem olhar para ele.
  • 87. Na verdade eu tinha criado uma explicação que parecia perfeita. Vamos supor que eunão tinha feito nada para parar a carrinha antes que ela esmagasse a rapariga… tremicom esse pensamento. Mas se ela tivesse sido atingida, se ela tivesse sido ferida etivesse sangrado, o fluído vermelho derramado, desperdiçado no asfalto, o cheiro desangue fresco a pulsar no ar…Tremi de novo, mas não apenas em horror. Uma parte de mim tremeu de desejo. Não,eu não teria sido capaz de a ver sangrar sem nos expor a todos numa maneira muitomais escandalosa e chocante.Parecia a desculpa perfeita… mas eu não a ia usar. Era vergonhosa de mais.E eu nem sequer tinha pensado nela até um pouco depois de o facto ter ocorrido.Cuidado com o Jasper. Continuou Emmett , alheio aos meus pensamentos. Ele não estátão nervoso… mas está mais decidido.Eu vi o que ele quis dizer, e por um momento a sala girou à minha volta. O meu ódio eratão devorador que uma névoa vermelha encobriu a minha visão. Eu pensei que me fosseengasgar nela.CREDO, EDWARD! CONTROLA-TE! O Emmett gritou-me na sua cabeça. A mão deledesceu para o meu ombro, segurando-me no meu lugar antes que eu pudesse saltar eficar de pé. Ele raramente usava a sua força completa - raramente havia necessidade,porque ele era muito mais forte que qualquer outro vampiro que qualquer um de nós játivesse encontrado - mas usou-a agora. Agarrou o meu braço, em vez de me empurrarpara baixo. Se ele me estivesse a empurrar, a cadeira debaixo de mim ter-se-iadesmoronado.CALMA! Ordenou-me.Eu tentei acalmar-me, mas era difícil. A fúria queimava na minha cabeça.O Jasper não vai fazer nada até que nós conversemos todos. Só achei que devias sabera direcção que ele está a tomar.Concentrei-me em relaxar, e senti a mão do Emmett a libertar-me.Tenta não chamares mais à atenção. Já estás com problemas suficientes da maneira
  • 88. que as coisas estão.Eu respirei fundo e o Emmett soltou-me.Procurei à volta da sala várias vezes, mas o nosso confronto tinha sido tão curto esilencioso que só algumas pessoas sentadas atrás de Emmett tinham notado. Nenhumadelas sabia o que pensar daquilo, portanto esqueceram. Os Cullens eram aberrações – játodos sabiam disso.Raios, miúdo, estás horrível. - O Emmett acrescentou, com o seu tom simpático.- Vai-te lixar. - Resmunguei entre dentes, e ouvi o riso baixo dele.O Emmett não guardava rancor, e eu provavelmente devia-lhe estar agradecido pela suanatureza de fácil convívio. Mas eu conseguia ver que as intenções de Jasper faziamsentido para Emmett, que ele estava a considerar qual seria o melhor caminho a tomar.O ódio ferveu, quase fora de controlo. Sim, o Emmett era mais forte do que eu, mas eleainda não me tinha ganho numa luta. Ele dizia que era porque eu fazia batota, mas ouvirpensamentos era tão parte de mim como a força era dele. Nós lutávamos de igual paraigual.Uma luta? Era essa a direcção que tudo isto estava a tomar? Ia lutar contra a minhafamília por uma humana que mal conhecia?Pensei sobre isso por um minuto, pensei na sensação do frágil corpo da rapariga nosmeus braços contra Jasper, Rose e Emmett, sobrenaturalmente fortes e rápidos,máquinas de matar por natureza…Sim, eu ia lutar por ela. Contra a minha família. E tremi.Mas não era justo deixá-la desprotegida quando fui eu quem a colocou em perigo.Mas eu não ia conseguir ganhar sozinho, não contra eles os três, e perguntei-me quaisseriam os meus aliados.Carlisle, certamente. Ele não iria lutar contra ninguém, mas ia ser contra os planos deRose e Jasper. Talvez isso fosse tudo o que eu precisasse. Ia ver…Esme, duvido. Ela também não iria ficar contra mim, e ela iria detestar discordar deCarlisle, mas ia ser a favor de qualquer plano que mantivesse a sua família unida. A sua
  • 89. prioridade não eram as regras, mas sim eu. Se Carlisle era a alma da família, Esme era ocoração. Ele deu-nos um líder que merecia ser acompanhado, ela transformou isso numacto de amor. Todos nós nos amávamos, mesmo por baixo da fúria que eu sentia porJasper e Rose neste momento, mesmo a planear lutar contra eles para salvar arapariga, eu sabia que os amava.Alice… não fazia ideia. Provavelmente ia depender do que ela visse que estava a chegar.Ela ficaria do lado do vencedor, imaginei.Então eu tinha que fazer isto sem ajuda. Sozinho, eu não era um grande desafio paraeles, mas eu não ia deixar que a rapariga fosse magoada por minha culpa. Isto talvezexigisse uma acção evasiva…A minha raiva diminuiu um pouco com o súbito humor negro. Conseguia imaginar como éque ela iria reagir se eu a raptasse. É claro, eu raramente adivinhava as suas reacções,mas que outra reacção é que ela poderia ter além de terror?Mas não tinha bem a certeza de como lidar com aquilo - raptá-la. Não seria capaz deficar perto dela por muito tempo. Talvez eu só a devolvesse à mãe. Mesmo isso seriarepleto de perigo. Para ela.E também para mim, percebi de repente. Se eu a matasse por acidente… eu não tinha acerteza de quanta dor é que isso me iria causar, mas sabia que seria intensa e em váriasformas.O tempo passou rapidamente enquanto meditava sobre todas as complicações à minhafrente: a discussão que me esperava em casa, o conflito com a minha família, adistância que eu seria forçado a percorrer depois de tudo…Bem, eu já não me podia queixar que a vida fora da escola era monótona. A raparigatinha mudado isso.O Emmett e eu andámos silenciosamente para o carro quando a campainha tocou. Eleestava preocupado comigo, e preocupado com Rosalie. Ele sabia que lado teria queescolher numa disputa, e isso incomodava-o.Os outros estavam à nossa espera no carro, também silenciosos. Éramos um grupo
  • 90. bastante quieto. Só eu conseguia ouvir a gritaria.Idiota! Lunático! Imbecil! Estúpido! Egoísta, tolo irresponsável! A Rosalie mantinha umalinha constante de insultos a plenos pulmões. Tornou-se difícil ouvir os outros, mas euignorei-a o melhor que eu pude.O Emmett tinha razão quanto a Jasper. Ele estava seguro do seu plano.A Alice estava transtornada, preocupada com Jasper, passando por imagens do futuro.Não importava por qual direcção o Jasper chegava à rapariga, a Alice via-me sempre lá,a impedi-lo. Interessante… nem Rosalie ou Emmett estavam com ele nessas visões.Então Jasper planeava trabalhar sozinho. Isso ia deixar as coisas equilibradas.Jasper era o melhor lutador, certamente o mais experiente entre nós: a minha únicavantagem consistia no facto de que eu podia ouvir os seus movimentos antes que ele osfizesse.Eu nunca tinha lutado mais do que por brincadeira com o Emmett ou Jasper - só comopassatempo. Senti-me enjoado com o pensamento de tentar realmente magoar oJasper…Não, isso não. Só impedi-lo. Isso era tudo.Eu concentrei-me na Alice, memorizando as diferentes formas de ataque de Jasper.Quando fiz isso, as visões dela mudaram, afastando-se mais e mais da casa dos Swan.Eu estava a impedi-lo antes…Pára com isso Edward! Não pode acontecer dessa maneira. Eu não vou deixar.Eu não respondi, só continuei a ver.Ela começou a olhar mais para a frente, para o campo nebulado e incerto depossibilidades distantes. Era tudo sombrio e vago.No caminho inteiro para casa, a atmosfera silenciosa não cedeu. Estacionei na grandegaragem perto de casa; o Mercedes de Carlisle estava ali, perto do Jipe enorme deEmmett, o M3 de Rosalie e meu Vanquish. Fiquei contente por Carlisle já estar em casa- o silêncio ia terminar de forma explosiva, e eu queria que ele estivesse por pertoquando isso acontecesse.
  • 91. Fomos directos para a sala de jantar.A sala nunca era, é claro, usada para o propósito para o qual fora construída. Mas eramobilada com uma longa mesa oval de mogno cercada por cadeiras - éramos cuidadososem ter os acessórios para fingir. O Carlisle gostava de usá-la como uma sala deconferência. Num grupo com tantas personalidades fortes e distintas, às vezes eranecessário discutir as coisas sentados, de uma forma calma.Eu tinha um pressentimento de que sentar não iria ajudar em muita coisa hoje.O Carlisle sentou-se no lugar habitual na ponta leste da mesa. A Esme estava ao ladodele - deram as mãos em cima da mesa.Os olhos de Esme estavam em mim, as profundezas douradas deles, cheias depreocupação.Fica. Foi o seu único pensamento.Eu queria conseguir sorrir para a mulher que era verdadeiramente uma mãe para mim,mas eu não tinha como assegurá-la disso agora.Sentei-me do outro lado de Carlisle. A Esme virou-se à volta dele para colocar a suamão livre no meu ombro. Ela não fazia ideia do que estava prestes a começar, só estavapreocupada comigo.O Carlisle tinha uma noção melhor do que estava a chegar. Os seus lábios estavamapertados com força e a testa estava enrugada. A expressão era muito velha para orosto jovem dele.Quando todos os outros estavam sentados, eu consegui ver as linhas a seremdesenhadas.A Rosalie sentou-se directamente à frente de Carlisle, na outra ponta da grande mesa.Ela olhou-me fixamente, nunca desviando o olhar.O Emmett sentou-se ao lado dela, com o seu rosto e mente amargos.O Jasper hesitou, então ficou de pé contra a parede atrás de Rosalie. Ele estavadecidido, não importava o resultado desta discussão. Os meus dentes rangeram-se.A Alice foi a última chegar, e os seus olhos estavam concentrados nalguma coisa muito
  • 92. longe - o futuro, ainda muito incerto para que ela fizesse uso dele. Sem parecer pensarela sentou-se perto de Esme. Ela esfregou a testa como se tivesse uma dor de cabeça.O Jasper contorceu-se com preocupado e considerou juntar-se a ela, mas manteve asua posição.Respirei fundo. Eu tinha começado isto, devia falar primeiro.- Desculpem. - Disse, a olhar primeiro para Rosalie, depois para Jasper e então Emmett.- Eu não tive nenhuma intenção de colocar nenhum de vocês em perigo. Não pensei, e euassumo a responsabilidade total pelo meu acto precipitado.Rosalie olhou para mim malignamente. - O que é que queres dizer, ‘assumes aresponsabilidade’? Vais consertar isto?- Não da maneira que tu queres dizer. - Disse, a tentar manter a minha voz calma eequilibrada. - Estou disposto a ir embora agora, se isso deixar as coisas melhores. - Seeu acreditar que a rapariga ficará segura, se eu acreditar que nenhum de vocês irátocá-la, emendei na minha cabeça.- Não. - Esme murmurou. - Não, Edward.Toquei-lhe na mão. - São só alguns anos.- A Esme tem razão. - O Emmett disse. - Tu não podes ir para lugar nenhum agora. Issoseria o oposto de útil. Nós temos que saber o que as pessoas estão a pensar agora maisdo que nunca.- A Alice vai apanhar o que houver de grave. - Discordei.O Carlisle abanou a cabeça. - Eu acho que o Emmett tem razão, Edward. Vai ser maisfácil a rapariga falar se tu desapareceres. Ou vamos todos, ou ninguém vai.- Ela não vai dizer nada. - Insisti rapidamente. A Rose estava a construir uma explosão,e eu queria deixar aquele facto claro.- Tu não conheces a mente dela. - O Carlisle lembrou-me.- Disso eu tenho a certeza. Alice, dá-me uma ajudinha.Alice olhou para mim com um ar zangado. - Eu não consigo ver o que vai acontecer senós ignorarmos isto. - Olhou de relance para Rose e Jasper.
  • 93. Não, ela não conseguia ver esse futuro, não quando a Rosalie e o Jasper estavam tãodecididos em não ignorar o acidente.A palma da Rosalie bateu na mesa com um barulho alto. - Não podemos permitir que ahumana tenha oportunidade de dizer alguma coisa. Carlisle, tens de ver isso. Mesmo sedecidirmos todos desaparecer, não é seguro deixar histórias para trás. Nós vivemos deuma maneira tão diferente do resto da nossa espécie - tu sabes que existe quem iriaadorar uma desculpa para fazer acusações. Temos que ter mais cuidado do que qualquerum!- Já deixámos rumores para trás antes. – Lembrei-a.- Só rumores e suspeitas, Edward. Não testemunhas oculares e provas!- Provas! - Gozei.Mas o Jasper estava a concordar, os seus olhos estavam duros.- Rose… - O Carlisle começou.- Deixa-me terminar, Carlisle. Não precisa ser uma grande produção. A rapariga bateucom a cabeça hoje. Então talvez o ferimento acabe por ficar mais sério do que parecia.- A Rosalie encolheu os ombros. – Todos os mortais vão dormir com a hipótese de nuncamais acordar. Os outros iam ficar à espera que cuidássemos nós mesmos disso.Tecnicamente, esse seria o trabalho do Edward, mas isto está obviamente além dele.Tu sabes que eu me consigo controlar. Eu não iria deixar nenhuma prova para trás.- Sim, Rosalie, nós todos sabemos a assassina eficiente que és. - Rosnei.Ela soltou um silvo, furiosa.- Edward, por favor. - O Carlisle disse. E depois virou-se para a Rosalie. - Rosalie, euapoiei-te em Rochester porque senti que tinhas direito a ter justiça. Os homens quemataste tinham-te magoado monstruosamente. Esta não é a mesma situação. A raparigaSwan é uma inocente.- Não é nada pessoal, Carlisle. - Rosalie disse entre dentes. - É para nos proteger atodos.Houve um breve silêncio enquanto Carlisle pensava na sua resposta. Quando ele acenou
  • 94. a cabeça, os olhos de Rosalie brilharam. Ela devia saber melhor que aquilo. Mesmo se eunão fosse capaz de ler os pensamentos dele, eu podia ter previsto as suas próximaspalavras. Carlisle nunca cedia.- Eu sei que a tua intenção é boa, Rosalie, mas… Eu gostaria muito que a nossa famíliafosse digna de ser protegida. Os ocasionais… acidentes ou lapsos de controlo são umaparte lamentável de quem nós somos. - Era bastante comum ele incluir-se no plural,embora ele próprio nunca tivesse tido aquele tipo de lapso. - Assassinar uma criançasem culpa a sangue frio é outra coisa completamente diferente. Eu acredito que o riscoque ela apresenta, quer ela diga alguma coisa das suas suspeitas ou não, não é nadamuito grave. Se abrirmos excepções para nos protegermos, estaremos a arriscar algomuito mais importante. Nós arriscamos perder a essência de quem somos.Controlei a minha expressão com cuidado. Não ia fazer bem nenhum sorrir agora. Ouaplaudir, como eu gostava.A Rosalie fez uma cara zangada. - É só ser responsável.- É ser insensível. - O Carlisle corrigiu gentilmente. – Todas as vidas são preciosas.Rosalie suspirou pesadamente e seu lábio inferior fez um bico. Emmett bateu-lhe noombro. - Vai ficar tudo bem, Rosalie. – Encorajou-a com uma voz baixa.- A questão - O Carlisle continuou. - É se nos devemos mudar ou não?- Não. - A Rosalie lamentou-se. - Acabámos de assentar. Não quero começar o segundoano do liceu outra vez!- Podias manter a tua idade actual, claro. - Disse Carlisle.- E ter que me mudar ainda mais cedo?O Carlisle encolheu ombros.- Eu gosto disto daqui! Tem pouco sol, podemos quase ser normais.- Bem, não precisamos de decidir agora. Podemos esperar e ver se isso se tornanecessário. O Edward confia no silêncio da rapariga Swan.A Rosalie bufou.
  • 95. Mas eu já não estava preocupado com Rosalie. Conseguia ver que ela ia concordar com adecisão de Carlisle, independentemente do quanto estivesse furiosa comigo. A conversadeles tinha-se voltado para detalhes sem importância.O Jasper continuou determinado.Eu entendi o motivo. Antes dele e a Alice se conhecerem, ele vivia numa zona decombate, um cenário de guerra impiedoso. Ele sabia as consequências de desprezar asregras, já tinha visto os medonhos resultados com os meus próprios olhos.Dizia muita coisa o facto de ele não ter tentando acalmar a Rosalie com seus talentosextras, ou porque não a incentivava. Ele mantinha-se neutro na discussão - acima dela.- Jasper. – Disse-lhe.Ele encontrou o meu olhar, o rosto dele não tinha expressão.- Ela não vai pagar pelo meu erro. Eu não vou permitir isso.- Vai beneficiar-se dele então? Ela devia ter morrido hoje, Edward. Eu só iriaconsertar as coisas.Repeti, enfatizando cada palavra. - Eu não vou permitir.Ele ergueu as sobrancelhas. Ele não estava à espera disto, não imaginava que eu fosseimpedi-lo.Ele abanou a cabeça uma vez. - Não vou deixar a Alice viver em perigo, mesmo que sejaligeiro. Tu não sentes por ninguém o que eu sinto por ela, Edward, e tu não viveste o queeu vivi, quer tenhas visto as minhas memórias ou não. Tu não entendes.- Não estou a discutir isso, Jasper. Mas estou a avisar-te, não vou deixar-te magoar aIsabella Swan.Olhámos um para o outro, não a fixar, mas sim a avaliar o oponente. Senti-o a verificaro ambiente à minha volta, testando a minha determinação.- Jazz… - A Alice disse, interrompendo-nos.Ele aguentou o seu olhar mais um bocado, e depois olhou para ela. - Não te incomodes adizer-me que te consegues proteger sozinha, Alice. Eu já sei disso. Ainda assim eutenho que…
  • 96. - Não é isso que eu vou dizer. - Alice interrompeu. - Eu ia-te pedir um favor.Vi o que estava na mente dela e a minha boca abriu-se com um choque audível. Olheipara ela, chocado, só vagamente consciente de que todos tirando a Alice e Jasper meobservavam cuidadosamente.- Eu sei que me amas. Obrigada. Mas eu gostava muito que não tentasses matar a Bella.Primeiro de tudo, o Edward está a falar a sério e eu não quero que vocês os dois lutem.Segundo, ela é minha amiga. Pelo menos, vai ser.Estava nítido como vidro na mente dela: A Alice, a sorrir, com os seus braços gelados àvolta dos ombros quentes e frágeis da rapariga. E Bella estava a sorrir também, obraço dela na cintura de Alice.A visão era sólida como uma pedra; só o tempo é que era incerto.- Mas, Alice… - O Jasper ofegou. Eu não conseguia virar a minha cabeça para olhar paraa expressão dele. Não conseguia desviar-me da imagem na cabeça de Alice para olharpara ele.- Eu vou adorá-la qualquer dia, Jazz. E vou ficar muito chateada contigo se não adeixares estar.Eu ainda estava preso nos pensamentos de Alice. Vi o futuro a chegar enquanto aresolução de Jasper diminuía com o pedido inesperado dela.- Ah… - Ela suspirou, a decisão dele tinha criado um novo futuro. - Vêem? A Bella nãovai dizer nada. Não há nada para nos preocuparmos.A maneira como ela disse o nome da rapariga… como se já fossem confidentes…- Alice – Engasguei-me. - O que é que isto…?- Eu disse-te que estava a aproximar-se uma mudança. Eu não sei, Edward. - Mas elaapertou o queixo e eu conseguia ver que existia mais. Ela estava a tentar não pensarnisso; de repente estava a concentrar-se muito em Jasper, embora ele estivessedemasiado espantado para fazer algum progresso com a sua decisão.Ela fazia aquilo às vezes, quando me queria esconder alguma coisa.
  • 97. - O quê, Alice? O que é que estás a esconder?Ouvi o Emmett a resmungar. Ele ficava sempre frustrado quando a Alice e eu tínhamosaqueles tipos de conversa.Ela abanou a cabeça, tentando manter-me fora.- É sobre a rapariga? - Exigi. - É sobre a Bella?Ela tinha os dentes cerrados a concentrar-se, mas quando eu disse o nome da Bella, elateve um deslize. Só durou meio segundo, mas foi o suficiente.- NÃO! - Gritei. Ouvi a cadeira a bater no chão e percebi que estava de pé.- Edward! - O Carlisle levantou-se também, com o braço dele no meu ombro. Mal meapercebia dele.- Está a solidificar. - A Alice sussurrou. - A cada minuto que passa tu estás maisdecidido. Só existem duas saídas para ela agora. É uma coisa ou outra, Edward.Eu conseguia ver o que ela via… mas não queria aceitar.- Não. - Disse outra vez; não havia volume na minha negação. As minhas pernas ficarambambas e precisei de me apoiar na mesa.- Alguém por favor deixa que o resto de nós saiba o mistério? - O Emmett reclamou.- Eu tenho que ir embora. – Sussurrei para a Alice, ignorando-o.- Edward, nós já falamos sobre isso. - O Emmett disse alto. - Essa é a melhor maneirade fazer a rapariga falar. Além do mais, se tu fores embora, nós não vamos ter certezase ela vai dizer alguma coisa ou não. Tu tens que ficar e lidar com isso.- Não te vejo a ir para lugar nenhum, Edward. – Alice disse-me. – Já não sei se teconsegues ir embora. - Pensa, acrescentou silenciosamente. Pensa em partir.Eu percebi o que ela queria dizer. Sim, a ideia de nunca mais ver a rapariga era…dolorosa. Mas era também uma necessidade. Eu não conseguia aprovar nenhum dosfuturos a que aparentemente eu a tinha condenado.Não tenho certeza absoluta quanto ao Jasper, Edward. Alice continuou. Se partires, elevai pensar que ela é um perigo para nós.- Eu não ouço isso. – Contradisse-a, ainda apenas meio consciente da nossa plateia. O
  • 98. Jasper estava hesitante. Ele não faria alguma coisa que magoasse a Alice.Não neste momento. Arriscarias a vida dela, deixá-la-ias desprotegida?-Por que é que me estás a fazer isto? - Gemi. A minha cabeça caiu nas minhas mãos.Eu não era o protector de Bella. Não podia ser isso. O futuro dividido da Alice não eraprova suficiente disso?Eu também a amo. Ou vou amar. Não é a mesma coisa, mas eu quero-a por perto paraisso.- Também a amas? - Sussurrei, incrédulo.Ela suspirou. Tu és tão cego, Edward. Não consegues ver a direcção que estás a tomar?Não consegues ver onde é que já estás? É mais inevitável do que o sol nascer a leste. Vêo que eu vejo…Eu abanei a minha cabeça, horrorizado. - Não. - Tentei bloquear as visões que ela merevelava. - Não tenho que seguir esse caminho. Eu vou-me embora. Eu vou mudar ofuturo.- Podes tentar… - Disse, a sua voz céptica.- Ah, por favor! - Emmett aumentou o tom de voz.- Presta atenção. - Rosalie disse-lhe. - A Alice vê-o a apaixonar-se por uma humana!Que clássico do Edward! – Fez um som de vómito.Eu mal a ouvi.- O quê? - O Emmett disse, surpreendido. Depois o riso dele como um rugido ecoou pelasala. - É isso o que tem acontecido? - Ele riu-se de novo. – Que má sorte, Edward.Senti a mão dele no meu ombro, e afastei-a distraidamente. Não lhe conseguia prestaratenção.- A apaixonar-se por uma humana? - Esme repetiu numa voz impressionada. - Pelarapariga que ele salvou hoje? A apaixonar-se por ela?- O que é que vês, Alice? Exactamente. - O Jasper pediu.Ela virou-se para ele. Eu continuei a olhar para a cara, tonto.- Tudo depende se ele é forte o suficiente ou não. Ou ele a vai com as próprias mãos –
  • 99. Virou-se para encontrar o meu olhar outra vez – o que me ia realmente irritar, Edward,e nem digo sequer o que é que isso te faria sentir – Olhou para o Jasper novamente -Ou ela vai ser uma de nós algum dia.Alguém engasgou-se com a surpresa, não vi quem foi.- Isso não vai acontecer! - Estava a gritar de novo. - Nenhum dos dois!A Alice pareceu não me ter ouvido. - Tudo depende. - Repetiu. - Talvez ele seja sóforte o suficiente para não a matar, mas vai ser por pouco. Vai precisar de umaquantidade incrível de controlo. - Meditou. - Mais até do que o Carlisle tem. Talvez elesó seja forte o suficiente… A única coisa para o qual ele não é forte o suficiente é paraficar longe dela. Essa é uma causa perdida.Não conseguia encontrar a minha voz. Ninguém parecia ser capaz de encontrar a sua. Asala ficou imóvel.Eu olhei fixamente para a Alice, e todos olharam fixamente para mim. Conseguia verminha a própria expressão de terror de cinco pontos de vista diferentes.Depois de um longo momento, o Carlisle suspirou.- Bom, isto… complica as coisas.- Eu que o diga. - O Emmett concordou. A voz dele ainda estava perto da gargalhada.Podia contar sempre com o Emmett para encontrar a piada na destruição da minha vida.- Mas suponho que o plano continua o mesmo. - O Carlisle disse, a ponderar. - Vamosficar e observar. Obviamente, ninguém irá… magoar a rapariga.Enrijeci.- Não. - O Jasper disse calmamente. – Posso concordar com isso. Se a Alice só vê duassaídas…- Não! - A minha voz não era um grito ou um rosnado ou um choro de desespero, masuma combinação dos três. - Não!Eu tinha que ir embora, ficar longe do som dos pensamentos deles - da aversão egoístade Rosalie, do humor de Emmett, da paciência infinita de Carlisle…Pior: a confiança de Alice. A confiança de Jasper na confiança dela.
  • 100. Pior de tudo: a… alegria de Esme.Saí da sala. A Esme tocou no meu braço quando eu passei, mas eu não respondi o gesto.Estava a correr antes de estar fora da casa. Passei pelo rio num salto, e corri para afloresta. A chuva tinha voltado, caindo tão pesada que me ensopei em poucos segundos.Gostei da água espessa - criou uma parede entre mim e o resto do mundo. Rodeou-me,deixou-me isolado.Corri para este, sobre e pelas montanhas, sem me desviar da linha do meu curso, atéque consegui ver as luzes de Seattle do outro lado da baía. Parei antes que chegasse àfronteira da civilização.Cercado pela chuva, sozinho, finalmente obriguei-me a ver o que tinha feito - comotinha mutilado o futuro.Primeiro, a visão de Alice e da rapariga com seus braços à volta uma da outra - aconfiança e amizade eram tão óbvias que gritavam da imagem. Os olhos castanhosexpressivos da Bella não estavam confusos naquela visão, e sim cheios de segredos -nesse momento, pareciam segredos felizes. Ela não se afastou do braço frio de Alice.O que é que aquilo significava? Quanto é que ela sabia? Naquela visão congelada dofuturo, o que é que ela pensava de mim?Então a outra imagem, tão parecida, só que colorida com horror. A Alice e Bella, os seusbraços ainda à volta uma da outra na sua amizade confiável. Mas agora não haviadiferença entre esses braços - os dois eram braços macios e de mármore, duros comoaço. Os olhos atentos de Bella já não eram castanhos chocolate. As suas íris eram deum vermelho vívido, chocante. Os segredos neles eram inatingíveis - aceitação ouangústia? Era impossível de dizer. O rosto dela era frio e imortal.Tremi. Eu não conseguia evitar as perguntas parecidas, mas diferentes: O que é queaquilo significava? Como é que aconteceu? E o que é que ela pensava de mim agora?Eu podia responder àquela última. Se eu a forçasse a fazer parte desta meia vida vaziapor causa da minha fraqueza e egoísmo, com certeza ela iria odiar-me.Mas havia mais uma imagem horrorosa - pior do que qualquer outra que já tivesse
  • 101. retido na minha cabeça.Os meus próprios olhos, de vermelho, intensos com o sangue humano, os olhos de ummonstro. O corpo da Bella nos meus braços, branco pálido, vazio, sem vida. Era tãoconcreta, tão clara.Não suportava ver aquilo. Não conseguia suportar. Tentei tirá-la da minha mente,tentei ver outra coisa, qualquer coisa. Tentei ver a expressão no rosto dela com vidaque tinha obstruído a minha visão no último capítulo da minha existência. Tudo em vão.A visão negra da Alice encheu a minha cabeça, e eu contorci-me internamente com aagonia que me causou. Enquanto isso, o monstro dentro de mim estava cheio defelicidade, eufórico com as hipóteses do seu sucesso. Deixou-me enjoado.Aquilo não podia ser permitido. Tinha que haver uma maneira de mudar o futuro. Eu nãoia deixar que as visões de Alice me dissessem o que fazer. Eu ia escolher um caminhodiferente. Existia sempre uma escolha.Tinha que existir.5º Capitulo - ConvitesLiceu. Já não era um purgatório, agora era o puro inferno. Tormento e fogo… sim, eutinha os dois.Eu estava a fazer a coisa certa agora. Todos os pontos nos i’s e os traços nos t’s. Agoraninguém podia reclamar que eu estava a evitar as minhas responsabilidades .Para deixar a Esme feliz e proteger os outros, eu fiquei em Forks. Voltei para o meuhorário antigo. Cacei mais que o resto deles. Todos os dias, eu ia para a escola e fingiaser humano. Todos os dias, eu ouvia cuidadosamente qualquer coisa nova sobre osCullens - não havia nada de novo. A rapariga não tinha dito uma palavra das suassuspeitas. Ela só repetiu a história de novo e de novo - que eu estava ao lado dela e a
  • 102. tinha tirado do caminho - até que os ouvintes ficaram aborrecidos e pararam de pedirmais detalhes. Não havia perigo. A minha acção precipitada não tinha magoado ninguém.Ninguém a não ser eu próprio.Estava determinado a mudar o futuro. Não era a coisa mais fácil de se fazer, mas nãohavia outra escolha com a qual eu pudesse viver.A Alice tinha dito que eu não seria forte o suficiente para me afastar da rapariga. Eu iaprovar que ela estava errada.Eu tinha pensado que aquele primeiro dia tinha sido o mais difícil. No final , eu tinha acerteza que era esse o caso. Mas estava errado.Eu estava amargurado, ao saber que tinha magoado a rapariga. Senti-me melhor pelofacto de que a dor dela não era nada mais do que uma picada, só uma pequena ferroadade rejeição, comparada com a minha. Bella era humana, e ela sabia que eu era maisalguma coisa, alguma coisa errada, algo assustador. Ela provavelmente sentir-se-ia maisaliviada do que magoada quando eu desviasse a minha cara para longe dela e fingisse queela não existia.- Olá, Edward! - Cumprimentou-me ela no meu primeiro dia de volta à aula de biologia. Avoz dela estava agradável, amigável, uma volta de 180 º desde a última vez que eu faleicom ela.Porquê? O que é que esta mudança significava? Tinha-se esquecido? Decidiu que tinhaimaginado todo o episódio? Seria possível que ela me tivesse perdoado por não tercumprido a minha própria promessa?As perguntas queimavam como a sede que me atacava sempre que eu respirava.Só um momento para olhar nos olhos dela... Só para ver se eu conseguia encontrar lárespostas…Não. Eu não me podia permitir a isso sequer. Não se eu fosse mudar o futuro.Mexi o meu queixo devagar na direcção dela sem desviar o olhar da frente da sala.Acenei com a cabeça uma vez, e depois virei a minha cara para a frente…Ela não voltou a falar comigo.
  • 103. Naquela tarde, assim que a escola terminou, o meu papel também terminou, corri atéSeattle como tinha feito no outro dia. Parecia que podia lidar com dor ligeiramentemelhor quando passava a voar por cima do chão, a trasformar tudo à minha volta numborrão verde.Esta corrida tornou-se o meu hábito diário.Eu amava-a? Eu achava que não. Ainda não. Mas a visão de Alice sobre o futuro tinhaficado presa comigo, e eu conseguia ver o quão fácil teria sido apaixonar-me por Bella.Seria exactamente como uma pessoa apaixonar-se: Sem esforço. Não me permitir aamá-la era o oposto de me apaixonar - era como ser puxado de um penhasco, umatarefa cansativa, como se eu tivesse nada mais do que uma força mortal .Passou-se mais de um mês, e cada dia era mais difícil. Aquilo não fazia sentido paramim. Eu fiquei à espera de ultrapassar, fiquei à espera que as coisas ficassem maisfáceis. Isto devia ser o que a Alice queria dizer quando previu que eu não seria capazde me afastar da rapariga. Ela tinha visto a escala da dor. Mas eu podia lidar com a dor.Eu não ia destruir o futuro da Bella. Se eu estivesse destinado para a amar, entãoevitá-la não seria a última coisa que eu conseguisse fazer?Mas evitá-la era quase o limite do que eu conseguia suportar. Eu podia fingir ignorá-la,e nunca olhar na direcção dela. Eu podia fingir que ela não me interessava. Mas eraapenas fingimento, não era a realidade.Eu ainda me prendia a cada respiração dela, a cada palavra que ela dizia.Eu aglomerava os meus tormentos em quatro categorias.Os dois primeiros eram familiares. O seu aroma e o seu silêncio. Ou, por outro lado - iapôr a responsabilidade em mim, onde pertencia - a minha sede e a minha curiosidade.A sede era o meu primeiro tormento. Agora era um hábito, simplesmente não respirarna aula de Biologia. Mas é claro, havia sempre excepções. Quando eu tinha de respondera uma pergunta ou algo do género, eu precisava do meu fôlego para falar. Cada vez quesaboreava o ar à volta da rapariga era o mesmo que aquele primeiro dia - fogo eviolência brutal e a necessidade desesperada de me libertar. Era difícil agarrar-me
  • 104. nem que fosse um bocado à razão ou retenção nesses momentos. E, como no primeirodia, o monstro rugia, tão perto da superfície…A curiosidade era dos tormentos mais constantes. A pergunta nunca saía da minhacabeça: O que é que ela está a pensar agora? Quando a ouvia a suspirar calmamente.Quando ela passava um dos dedos sobre o cabelo. Quando ela mandava os livros commais força do que o habitual. Quando ela chegava tarde à aula. Quando ela batia o pé,impaciente, no chão. Cada movimento que eu apanhava na minha visão periférica era ummistério que me enlouquecia. Quando ela conversava com os outros alunos humanos, euanalisava todas as palavras e o seu tom. Será que ela dizia o que estava a pensar, oupensava no que dizia? Várias vezes parecia-me como se ela estivesse a tentar dizer oque a sua audiência esperava, e isso fez-me lembrar da minha família e da nossa vidadiária da ilusão. Nós éramos melhores naquilo do que ela estava a ser. A não ser que euestivesse errado sobre aquilo, apenas a imaginar coisas. Por que é que ela havia deestar a desempenhar um papel? Ela era um deles, uma jovem adolescente.Mike Newton era o mais surpreendente dos meus tormentos. Quem é que teria sonhadoque um tão comum e aborrecido mortal podia ser tão irritante? Para ser justo, eu deviasentir alguma gratidão pelo rapaz aborrecido. Mais do que os outros, ele fazia arapariga falar. Eu aprendi muito sobre ela através daquelas conversas. Eu ainda estavaa montar a minha lista, mas contrariamente, a assistência de Mike neste projecto só medeixava mais irritado.Eu não queria que fosse Mike o único a descobrir segredos. Eu queria fazer aquilo.Ajudava o facto de que ele nunca percebia as pequenas revelações que ela fazia, osseus pequenos descuidos.Ele não sabia nada sobre ela. Ele criou uma Bella na sua cabeça que não existia. Umarapariga tão comum como ele era. Ele não tinha observado a generosidade e bravuraque a distinguia dos outros humanos, ele não ouvia a anormal maturidade dos seuspensamentos falados. Ele não percebia que, quando ela falava da sua mãe, soava como
  • 105. um pai a falar de uma criança, em vez de ser o contrário: amorosa, indulgente, um poucodivertida, e ferozmente protectora.Ele não ouvia a paciência na sua voz quando ela fingia ter interesse nas suas históriasmirabolantes, e não adivinhava o que havia atrás da sua paciente bondade.Através das conversas dela com Mike, eu fui capaz de adicionar a qualidade maisimportante para a minha lista, e mais reveladora de todas elas, tão simples como rara.Bella era boa. Todas as outras coisas somaram-se àquele todo - agradável, discreta,altruísta, amorosa e corajosa. Ela era boa através de tudo.No entanto, aquelas agradáveis descobertas não me tornavam mais gentil com o rapaz.A maneira possessiva como via a Bella - como se ela fosse feita para ele – provocou-mequase tanto como o seu rude fantasiar sobre ela. Ele estava a tornar-se mais confianteem relação a ela, também, enquanto o tempo passava, já que ela parecia preferi-lo aosseus rivais - Tyler Crowley, Erick Yorkie, e até, esporadicamente, eu mesmo. Elesentava-se rotineiramente ao lado dela na mesa, a conversar com ela, encorajado pelosseus sorrisos. Apenas sorrisos educados, disse a mim mesmo. Frequentemente,apanhava-me a imaginar, entretido, a atirá-lo contra a parede da sala… Provavelmentenão o iria ferir fatalmente…Mike não pensava muitas vezes em mim como um rival. Após o acidente, ele ficoupreocupado que a Bella e eu fossemos criar laços por causa da experiência partilhada,mas obviamente tinha acontecido o oposto. Naquele tempo, ele tinha ficado incomodadoque eu tivesse afastado a Bella da atenção dos seus colegas . Mas agora eu ignorava-aperfeitamente como os outros, e ele ficou complacente.O que é que ela estava a pensar agora? Será que ela gostava de ser o centro dasatenções?E, finalmente o último dos meus tormentos, o mais doloroso: A indiferença de Bella.Como eu a ignorava, ela ignorava-me também. Ela não voltou a tentar falar comigonovamente. Provavelmente, ela nem sequer voltou a pensar em mim.Isto podia ter-me levado à loucura, ou até mesmo mudado minha decisão para alterar o
  • 106. futuro, excepto que ainda olhava para mim como antes. Não tinha visto isso por mim, jáque não me permitia a olhar para ela, mas a Alice avisava-nos sempre quando ela estavaprestes a olhar. Os outros ainda estavam a ser cuidadosos com o conhecimentoproblemático da rapariga.Acalmava um pouco a dor quando ela olhava para mim de longe de vez em quando. Éclaro que ela podia estar apenas a imaginar que tipo de louco é que eu era.- A Bella vai olhar para o Edward num minuto. Pareçam normais. - A Alice disse numaterça-feira de Março, e os outros tomaram o cuidado de gesticular e mexerem-se comoum humano. Ficar totalmente parado era um hábito da nossa espécie.Prestei atenção à frequência com que ela olhava na minha direcção. Agradava-me,apesar de não dever agradar, que a frequência não diminuía conforme o tempo passava.Eu não sabia o que é que aquilo significava, mas fazia-me sentir melhor.A Alice suspirou. Eu gostava…- Fica fora disto, Alice. - Disse por baixo da minha respiração. - Não vai acontecer.Ela fez um beicinho. A Alice estava ansiosa para formar a sua amizade iminente comBella. De uma forma estranha, ela sentia falta da rapariga que nem conhecia.Admito que és melhor do que eu pensei. Tens o teu futuro todo confuso e sem sentidooutra vez. Espero que estejas feliz. - Pensou.- Faz perfeito sentido para mim.Ela fez um som impaciente de forma delicada.Eu tentei ignorá-la, estava muito impaciente para conversas. Eu não estava de bomhumor. Estava mais tenso do que deixava qualquer um deles ver. Só o Jasper sabia comoé que eu estava, sentindo o stress ao meu redor com a sua habilidade única de sentir einfluenciar o humor das pessoas à volta. Ele não entendia as razões por trás doshumores e, como tenho estado constantemente de mau humor, ele ignorava.Hoje ia ser um dia difícil. Mais difícil que o dia anterior, era esse o padrão.Mike Newton, o rapaz odiável com quem eu não me podia permitir a tornar rival, iaconvidar Bella para um encontro.
  • 107. O baile que as raparigas adoravam estava a chegar, e ele estava esperançoso que Bellao convidasse. Agora Mike estava desconfortavelmente preso, eu gostava dodesconforto dele mais do que devia, porque Jessica Stanley tinha acabado de oconvidar. Ele não queria dizer “sim”, porque estava à espera que Bella o convidasse (eprovar que ele era o vitorioso entre os seus rivais), mas não queria dizer “não” e acabarpor perder o baile. A Jessica, magoada pela sua hesitação e imaginando a razão por trásdisso, estava a ter pensamentos raivosos contra Bella. Agora entendi melhor o instinto,mas só me fez ficar mais frustrado quando não podia agir.E pensar que tinha chegado a este ponto! Eu estava totalmente fixado nos dramas deliceu que um dia tinha simplesmente ignorado.O Mike estava a trabalhar na sua coragem enquanto caminhava com Bella até à aula debiologia. Eu ouvi a sua luta interna enquanto esperava que chegassem. O rapaz erafraco. Ele tinha esperado por este baile de propósito, com medo de mostrar o seuinteresse antes que ela mostrasse uma preferência por ele. Ele não queria ficarvulnerável para uma possível rejeição, preferindo que ela desse aquele passo antes.Cobarde.Ele sentou-se na nossa mesa outra vez, confortável com a familiaridade, e eu imaginei osom que seu corpo faria se batesse contra a parede oposta da sala com forçasuficiente para partir a maioria dos seus ossos.- Pois - Disse para a rapariga, os seus olhos no chão. - A Jessica convidou-me para obaile de primavera.- Isso é óptimo. - Responder Bella imediatamente e com entusiasmo. Era difícil nãosorrir conforme Mike se dava conta do seu tom. Ele estava à espera que elacontestasse. – Vais-te divertir imenso com a Jessica.Ele reflectiu sobre a resposta certa. - Bem… - Hesitou, e quase desistiu. Depois voltouao plano. - Eu disse-lhe que tinha de reflectir sobre o assunto.- Porque farias isso? - Perguntou. O tom dela era mais de desaprovação, mas aindatinha uma pontada de alívio também.
  • 108. O que é que aquilo significava? Uma fúria inesperada fez com que as minhas mãos sefechassem até punhos.Mike não ouviu o alívio. O rosto dele estava vermelho com o sangue - com a raiva que euestava, aquilo parecia um convite - e olhou para o chão outra vez enquanto falava.- Estava a perguntar-me…. Bem, se estarias a pensar convidar-me.Bella hesitou.Naquele momento de hesitação, eu vi o futuro mais claramente do que Alice.Talvez ela dissesse “sim” à pergunta implícita de Mike, talvez não, mas ainda assim,algum dia ela diria sim a alguém. Ela era adorável, intrigante e os outros homens nãoeram indiferentes a isso. Quer ela assentasse com alguém deste grupo insalubre, ouesperasse para estar livre de Forks, o dia em que ela diria sim iria chegar.Vi a vida dela como tinha visto antes. Faculdade, carreira…amor, casamento. Vi-a debraço dado com seu pai, vestida de branco, o a cara dela corada de felicidade conformese movia ao som da marcha nupcial de Mendelssohn.A dor era mais forte do que já alguma vez tinha sentido. Um humano teria que estar àbeira da morte para sentir esta dor. Um humano não sobreviveria a isto.E não só dor, mas o ódio.A fúria também doía de uma forma física. Mesmo que este rapaz insignificante não sejaaquele a quem Bella vá dizer sim, eu queria esmagar-lhe o crânio na minha mão, paradeixá-lo ficar com uma amostra de como iria ficar o rapaz a que ela dissesse sim.Eu não entendia aquela emoção. Era uma mistura de dor e raiva e desejo e desespero.Eu nunca me tinha sentido assim antes. Não conseguia pôr um nome àquilo.- Mike, eu acho que devias aceitar o convite dela. - Disse de forma gentil.As esperanças de Mike desapareceram. Noutras circunstâncias eu teria gostado, maseu estava perdido no choque após a dor, e no remorso pelo que a dor e a raiva metinham feito.A Alice tinha razão. Eu não era forte o suficiente.Agora, Alice devia estar a ver o futuro a contorcer-se e a revirar-se, a ficar confuso
  • 109. de novo. Será que isto a iria agradar?- Já convidaste alguém? - Mike perguntou de repente. Olhou de relance para mim,suspeito pela primeira vez em semanas. Apercebi-me que nunca tinha disfarçado bem omeu interesse, a minha cabeça estava inclinada na direcção de Bella.A raiva descontrolada nos pensamentos dele - raiva por qualquer um que ela preferisse- de repente deu um nome ao meu sentimento.Eu estava com ciúmes.- Não. - Disse, a achar um bocado de graça. – Nem sequer vou ao baile.Por detrás de todo o remorso e raiva, eu senti alívio nas palavras dela. De repente euestava a considerar os meus rivais.- Porque não? – Perguntou Mike de uma forma quase mal-educada. Ofendia-me que eleusasse aquele tom com ela. Contive um rugido.- Vou a Seattle nesse sábado. - Respondeu.A curiosidade já não era tão viciante como antes, agora que estava mais concentradoem descobrir as respostas para tudo. Eu ia saber os ondes e porquês desta revelaçãobrevemente.O tom de Mike continuou desagradável. - Não podes ir noutro fim-de-semana?- Lamento, mas não. - Bella foi mais brusca agora. – Não deves, portanto, fazer a Jessesperar mais. É uma falta de educação.A preocupação dela com os sentimentos de Jessica diminuiu as chamas do meu ciúme.Aquela viagem para Seattle era claramente uma desculpa para dizer não. Será que elarecusou puramente por lealdade à amiga? Será que ela queria realmente poder dizersim? Ou estavam os dois palpites errados? Ela estava interessada noutra pessoa?- Sim, tens razão. - Murmurou Mike, com a moral tão baixa que eu quase senti penadele. Quase.Parou de olhar para ela, cortando a minha visão do rosto dela na sua mente.Eu não ia tolerar aquilo.Eu virei-me para ler a expressão dela por mim mesmo, pela primeira vez em mais de um
  • 110. mês. Foi um alívio autorizar-me a fazer isso, era como respirar depois de muito tempodebaixo de água para os humanos.Os olhos dela estavam fechados e as mãos pressionadas de cada lado da sua cara. Osseus ombros estavam curvados para frente de forma defensiva. Balançava a cabeçasuavemente, como se estivesse a tentar tirar algum pensamento da cabeça.Frustrante. Fascinante.A voz do Sr. Banner puxou-a daquele estado e os olhos dela abriram-se devagar. Elaolhou para mim imediatamente, talvez sentindo o meu olhar. Olhou-me directamentenos olhos com a mesma expressão perplexa que me tinha assombrado por tanto tempo.Não senti remorso ou culpa ou raiva naquele segundo. Eu sabia que eles iriam apareceroutra vez, e apareceriam brevemente, mas por este momento eu estava a viver umaestranha excitação. Como se eu tivesse triunfado em vez de perdido.Ela não desviou o olhar, mesmo que eu a estivesse a olhar com uma intensidadeimprópria, tentando sem sucesso ler os pensamentos dela pelos seus olhos castanhos.Eles estavam cheios de perguntas em vez de respostas.Eu conseguia ver o reflexo dos meus próprios olhos, e vi-os pretos com sede. Já tinhampassado quase duas semanas desde a última vez que eu tinha caçado. Este não era o diamais seguro para eu sucumbir a minha vontade. Mas a escuridão não pareceu assustá-la.Ela ainda não desviava o olhar, e uma leve, apelativa cor vermelha começou a aparecerna sua face.O que é que ela estava a pensar agora?Eu quase fiz aquela questão em voz alta, mas naquele momento, o Sr. Banner disse omeu nome. Eu ouvi a resposta certa na sua mente e olhei rapidamente na sua direcção.Respirei rapidamente. – O ciclo de Krebs.A sede passou na minha garganta, pondo os meus músculos mais tensos e enchendo aminha boca com veneno. Fechei os olhos, tentei-me concentrar no desejo pelo sanguedela que se enfurecia dentro de mim.O monstro estava mais forte do que antes. O monstro estava a regozijar-se. Ele
  • 111. juntou-se àquele futuro que lhe dava uma hipótese de 50% no que ele desejava de umamaneira cruel.O terceiro e incerto futuro que eu tinha tentado construir apenas por força devontade tinha sido destruído, pelos ciúmes, acima de tudo, portanto o monstro estavacada vez mais perto de ter o seu desejo.O remorso e a culpa queimaram-me tal como a sede, e se eu tivesse a habilidade deproduzir lágrimas elas estariam a formar-se agora.O que é que eu tinha feito?Sabendo que a batalha já estava perdida, parecia não haver mais nenhuma razão pararesistir ao que eu queria. Virei-me para olhar para Bella novamente.Ela tinha-se escondido no próprio cabelo, mas eu conseguia ver que seu rosto estavatotalmente vermelho.O monstro gostou daquilo.Ela não olhou para mim novamente, mas mexeu de forma nervosa numa mecha de cabelo.Os seus dedos delicados, o seu pulso delicado. Eles eram tão frágeis, parecia que até aminha respiração podia parti-los.Não, não, não. Eu não podia fazer isto. Ela era demasiado frágil, demasiado boa pessoa,demasiado preciosa para merecer este destino. Eu não podia permitir que minha vidacolidisse com a dela, que destruísse a vida dela.Mas eu também não conseguia ficar longe dela. A Alice estava certa sobre isso.O monstro dentro de mim manifestou-se, frustrado, conforme eu pensava.A minha breve hora com ela passou demasiado depressa. A campainha tocou e elacomeçou a arrumar as coisas sem olhar para mim. Isso decepcionou-me mas eu nãopodia esperar o contrário. A maneira como eu a tinha tratado desde o acidente erainaceitável.- Bella? - Disse, sem me conseguir conter. A minha força de vontade já estavadespedaçada.Ela hesitou antes de olhar para mim. Quando se virou a sua expressão estava defensiva
  • 112. e desconfiada.Relembrei-me que ela tinha todo o direito de desconfiar de mim. Que devia.Ela esperou que eu continuasse, mas eu só olhei para ela, a ler a sua expressão. Eu davarespirações superficiais em intervalos regulares, lutando contra a minha sede.- O que foi? – Perguntou finalmente. – Já voltaste a falar comigo? - Havia um pingo deressentimento na sua voz, como a raiva a aparecer. Isso fez-me querer sorrir.Eu não tinha a certeza como responder à pergunta dela. Estava a falar com ela outravez, no sentido que ela estava a perguntar?Não. Não se conseguisse evitar. Eu ia tentar evitar.- Não, nem por isso. – Disse-lhe.Ela fechou os olhos, o que me frustrou. Cortou o meu melhor caminho para tentaraceder aos seus sentimentos. Respirou fundo sem abrir os olhos. O seu maxilar estavarígido.Com olhos ainda fechados, ela falou. Certamente aquela não era a maneira normal de umhumano conversar. Porque é que ela fazia aquilo?- Então, o que queres, Edward?O som do meu nome nos lábios dela fez coisas estranhas ao meu corpo. Se o meucoração batesse, estaria a acelerar.Mas como responder-lhe?Com a verdade, decidi. Seria o mais sincero que pudesse com ela a partir de agora. Eunão queria merecer a sua desconfiança, mesmo que ganhar a sua confiança fosseimpossível.- Desculpa. - Disse-lhe. Aquilo era mais verdade do que ela iria alguma vez saber.Infelizmente, a única maneira segura de me desculpar era do trivial. – Eu sei que estoua ser muito indelicado, mas é melhor assim, a sério.Seria melhor para ela se eu continuasse a ser indelicado. Será que eu iria conseguir?Os olhos dela abriram-se, a sua expressão ainda estava cautelosa.- Não sei a que te referes.
  • 113. Eu tentei avisá-la o mais que me fosse possível. – É melhor que não sejamos amigos. –Certamente que ela conseguia sentir aquilo. Ela era uma rapariga inteligente. - Confiaem mim.Os olhos dela ficaram mais estreitos e eu lembrei-me que já lhe tinha dito aquelaspalavras antes, mesmo antes de quebrar a promessa. Estremeci quando ela cerrou osdentes. Claramente ela também se tinha lembrado.- É pena que não tenhas percebido isso antes. - Ela disse zangada. – Terias evitado todoesse arrependimento.Olhei para ela em choque. O que é que ela sabia dos meus arrependimentos?- Arrependimento? Arrependimento em relação a quê? - Exigi.- Em relação ao facto de não teres simplesmente deixado que o raio daquela carrinhame tivesse esmagado. - Respondeu bruscamente.Eu congelei, surpreendido.Como é que ela podia pensar aquilo? Salvar a sua vida tinha sido a única coisa certa queeu tinha feito desde que a conheci. A única coisa de que não me envergonhava. A únicacoisa que me deixava feliz em existir. Lutei para a manter viva desde o primeiromomento em que senti o seu cheiro. Como é que ela podia pensar aquilo de mim? Como éque se atrevia a questionar a minha única boa acção nesta confusão toda?- Julgas que eu me arrependo de te ter salvo a vida?- Eu sei que te arrependes de tê-lo feito.A avaliação dela das minhas intenções deixaram-me a ferver de raiva. – Tu não sabesnada.Que confusos e incompreensíveis eram os trabalhos da mente dela! Ela não deviapensar da mesma maneira que os outros humanos. Devia ser essa a explicação pordetrás do seu silêncio mental. Ela era completamente diferente.Ela virou a cara, a ranger os dentes. As suas bochechas estavam vermelhas, com raivaoutra vez. Ela juntou os livros numa pilha, colocou-os nos braços e marchou em direcçãoà porta sem olhar para mim.
  • 114. Mesmo irritado como eu estava, era impossível não achar o seu ódio divertido.Ela andou desajeitada, sem olhar por onde ia, e o pé dela bateu na ombreira da porta.Ela tropeçou, e as coisas todas caíram no chão. Em vez de se inclinar para as apanhar,ficou parada, rígida, sem sequer olhar para baixo, como se não tivesse a certeza se oslivros mereciam ser recuperados.Consegui não me rir.Ninguém estava aqui para olhar para mim. Fui rapidamente para o lado dela e pus oslivros em ordem antes que ela olhasse para baixo.Ela inclinou-se, viu-me, e congelou. Entreguei-lhe os livros, tomando o cuidado que aminha pele gelada não tocasse na dela.- Obrigada. - Disse numa voz fria, severa.O seu tom trouxe de volta a minha irritação.- Não tens de quê. - Respondi no mesmo tom frio.Ela endireitou-se e foi para a sua próxima aula.Fiquei a olhar até que já não conseguia ver a sua figura furiosa.A aula de espanhol passou num borrão. A Sra. Goff não questionou a minha distracção,ela sabia que o meu espanhol era superior ao dela, e deu-me liberdade, deixando-melivre para pensar.Então, eu não conseguia ignorar a rapariga. Isso era óbvio. Mas isso significava que eunão tinha outra saída a não ser destruí-la? Aquele não podia ser o único futurodisponível. Tinha que haver alguma outra escolha, algum equilíbrio. Tentei pensar numamaneira…Não prestei muita atenção ao Emmett até que a aula terminou. Ele estava curioso. OEmmett não era muito intuitivo sobre os sentimentos dos outros, mas ele conseguia veruma mudança óbvia em mim. Perguntou-se o que teria acontecido para tirar o insistenteolhar de ódio do meu rosto. Lutou consigo mesmo para definir a mudança, e finalmentedecidiu que eu parecia esperançoso.Esperançoso? Era assim que eu parecia por fora?
  • 115. Ponderei a ideia de esperança enquanto voltávamos para o Volvo, perguntando-me sobreo que é que devia estar esperançoso.Mas não tive muito tempo para reflectir. Sensível como estava sempre aospensamentos dos outros sobre a rapariga, o som do nome da Bella nas cabeças dosmeus… dos meus rivais, tive que admitir, chamou a minha atenção. Eric e Tyler, tinhamouvido falar, com muita satisfação do fracasso de Mike, e estavam a preparar-se paraagir.Eric já estava pronto, encostado à pick-up dela, de modo a que ela não o conseguisseevitar. A aula de Tyler estava atrasada por causa de um trabalho, e ele estavadesesperado por apanhá-la antes que ela escapasse.Eu tinha que ver isto.- Espera pelos outros aqui, está bem? - Murmurei ao Emmett.Ele olhou para mim, suspeito, mas depois encolheu os ombros e acenou.O miúdo endoideceu. - Pensou, divertido pelo meu pedido esquisito.Vi a Bella a sair do ginásio, e fiquei à espera onde ela não me conseguisse ver.Quando ela se aproximou da emboscada de Eric, eu aproximei-me, andando num ritmoque me ia fazer passar por ela no momento certo.Vi o seu corpo a ficar tenso quando viu o rapaz à espera dela. Ela parou por ummomento, depois relaxou e continuou a andar.- Olá, Eric. – Ouvi-a dizer num tom amigável.Fiquei inesperadamente ansioso. E se aquele adolescente magro e com problemas depele fosse de algum modo atraente para ela?Eric engoliu alto, a sua maçã-de-adão tremeu. - Viva, Bella.Ela parecia inconsciente do nervosismo dele.- O que se passa? - Perguntou, enquanto destrancava a pick-up sem olhar para aexpressão assustada que ele tinha.- Ah… estava apenas a pensar… se irias ao baile de primavera comigo. - A voz deletremeu.
  • 116. - Pensei que eram as raparigas que escolhiam o seu par. - Disse, parecendo frustrada.- Bem, e são. - Ele concordou infeliz.Este pobre rapaz não me irritou tanto quanto Mike Newton, mas eu não conseguiaencontrar dentro de mim qualquer simpatia pela sua angústia até que Bella lherespondeu com uma voz gentil.- Obrigada por me convidares, mas eu estarei em Seattle nesse dia.Ele já tinha ouvido isso; mesmo assim, ficou desapontado.-Ah – Murmurou, mal se atrevendo a levantar os olhos ao nível do nariz dela - Bem,talvez para a próxima?- Claro. - Ela concordou. Depois mordeu o lábio, como se estivesse arrependida de lheter dado uma hipótese. Gostei daquilo.Eric afastou-se da pick-up e foi-se embora, ia na direcção contrária do seu carro, sóqueria escapar dali.Passei por ela naquele momento, e ouvi o seu suspiro de alívio. Eu ri-me.Ela virou-se ao som, mas eu olhei para a frente, tentando evitar que os meus lábios secontorcessem com o divertimento.O Tyler estava atrás de mim, quase a correr com pressa de falar com ela antes que elapudesse ir para casa. Ele estava mais destemido e confiante que os outros dois. Sótinha esperado tanto tempo para abordar Bella porque respeitava que Mike a tinhavisto primeiro.Eu queria que ele conseguisse falar com ela por dois motivos. Se, como estava acomeçar a suspeitar, toda aquela atenção fosse irritante para Bella, eu queriaaproveitar e assistir à sua reacção. Mas, se não, se o convite de Tyler fosse o que elaestava à espera, então eu queria saber disso também.Medi Tyler Crowley como um rival, sabendo que isso era errado de se fazer. Ele pareciaaborrecidamente comum e não se comparava comigo, mas o que sabia eu daspreferências de Bella? Talvez ela gostasse de rapazes comuns…Estremeci com aquele pensamento. Eu jamais conseguiria ser um rapaz comum. Que
  • 117. parvoíce era colocar-me como rival para os seus afectos. Como é que ela se poderiaimportar com alguém que era, sob qualquer ângulo, um monstro?Ela era boa de mais para um monstro.Eu devia deixá-la escapar, mas a minha indesculpável curiosidade evitou que fizesse acoisa certa. Outra vez. E se o Tyler perdesse a sua oportunidade agora, apenas paracontactá-la mais tarde quando eu não tivesse maneira de conhecer o resultado? Puxei omeu Volvo para o caminho estreito, bloqueando a saída dela.O Emmett e os outros estavam a caminho, mas ele tinha-lhes descrito o meucomportamento estranho, então eles estavam a andar lentamente, observando-me, atentar decifrar o que é que eu estava a fazer.Olhei para a rapariga pelo retrovisor. Ela olhou para o meu carro com raiva, semencontrar o meu olhar, como se quisesse estar a conduzir um tanque em vez de umapick-up Chevy enferrujada.O Tyler despachou-se para o seu carro e pôs-se na fila atrás dela, agradecendo o meucomportamento inexplicável. Ele acenou-lhe, tentando chamar a sua atenção, mas elanão reparou. Ele esperou um momento, e depois saiu do carro e correu para a janela dolado do condutor dela. Bateu no vidro.Ela saltou, e depois olhou para ele, confusa. Depois de um segundo, abriu a janelamanualmente, parecendo ter algum problema com aquilo.- Desculpa, Tyler. - Disse numa voz irritada. - Estou encurralada atrás do Cullen.Ela disse o meu apelido com uma voz dura. Ainda estava zangada comigo.- Oh, eu sei - Tyler disse, não se importando com o humor dela. – Queria apenas pedir-te algo enquanto estamos aqui presos.O sorriso dele era convencido.Fiquei aliviado com a maneira que ela empalideceu com a tentativa óbvia dele.- Convidas-me para o baile de primavera? - Perguntou, não havia nenhum pensamento dederrota na sua mente.- Estarei fora da cidade, Tyler. - Ela disse-lhe, a irritação ainda bem presente na sua
  • 118. voz.- Pois, o Mike falou nisso.- Então por que é que… - Começou a perguntar.Ele encolheu os ombros. – Estava com esperança de que estivesses apenas a recusar oconvite dele de uma forma simpática.Os olhos dela queimaram, depois ficaram frios. - Desculpa, Tyler. – Disse-lhe, semparecer sentir nada. - Eu vou mesmo sair da cidade.Ele aceitou aquela desculpa, a sua autoconfiança não tinha sido tocada. - Tudo bem,ainda temos o baile de finalistas.Ele empertigou-se e foi para o seu carro.Eu tinha razão por ter querido esperar por isto.A expressão horrorizada no rosto dela era impagável. Disse-me o que eu não deviaestar tão desesperado por saber: que ela não sentia nada por nenhum daqueles rapazeshumanos que queriam convidá-la.E também, a expressão dela era possivelmente a coisa mais engraçada que eu já tinhavisto.Então a minha família chegou, confusa pelo facto de que eu estava, para variar, atremer de riso em vez de estar a fazer uma cara assassina a qualquer coisa queestivesse à vista.O que é que é tão engraçado? Emmett quis saber.Eu só abanei a cabeça enquanto me abanava também com uma nova onda de riso quandoBella acelerou seu motor, nervosa. Ela parecia querer o tanque outra vez.- Vamos embora! - A Rosalie sibilou impaciente. - Pára de ser idiota. Se conseguires.As palavras dela não me irritaram. Estava demasiado divertido. Mas fiz o que ela pediu.Ninguém falou comigo no caminho para casa. Continuei a rir-me de vez em quando, apensar no rosto de Bella.Quando virei para a estrada, agora acelerava já que não havia testemunhas, a Alicearruinou o meu humor.
  • 119. - Então agora já posso falar com a Bella? - Perguntou inesperadamente, sem pensar naspalavras primeiro, não me dando um aviso.- Não. – Disse bruscamente.- Isso não é justo. Do que é que estou à espera?- Eu ainda não decidi nada, Alice.- Como queiras, Edward.Na cabeça dela, os dois destinos de Bella estavam claros novamente.- Para quê conhecê-la? - Murmurei, de repente rabugento. - Se vou simplesmente matá-la?A Alice hesitou por um segundo. – Lá nisso tens razão. - Ela admitiu.Dei a última curva a 150 km/h e parei a três centímetros da parede da garagem.- Aproveita a tua corrida. - Disse Rosalie presunçosa quando me atirei para fora docarro.Mas eu não fui correr hoje. Em vez disso, fui caçar.Os outros iam caçar amanhã, mas eu não podia estar com sede agora. Exagerei,bebendo mais do que o necessário, fartando-me de novo. Um pequeno grupo de cervos eum urso negro que tive a sorte de encontrar tão cedo este ano. Estava tão cheio queera desconfortável. Por que é que aquilo não podia ser o suficiente? Por que é que ocheiro dela tinha que ser muito mais forte que todas as outras coisas?Eu tinha caçado para me preparar para o próximo dia, mas, quando não conseguia caçarmais e o sol ainda estava a horas de nascer, soube que o próximo dia não chegariarápido o suficiente.A enorme tensão passou por mim outra vez quando percebi que ia à procura da rapariga.Eu discuti comigo mesmo todo o caminho de volta a Forks, mas o meu lado menos nobreganhou a discussão, e eu segui adiante com o meu plano indestrutível. O monstro estavainquieto, mas bem alimentado. Eu sabia que ia manter uma distância segura dela. Sóqueria saber como é que ela estava. Só queria ver a sua cara.Passava da meia-noite e a casa de Bella estava escura e silenciosa. A pick-up dela
  • 120. estava estacionada contra a cerca da casa e o carro patrulha do seu pai estava naentrada da casa. Não havia pensamentos conscientes em lugar nenhum na vizinhança.Olhei para a casa por um momento, da escuridão da floresta que a cercava do lado este.A porta da frente provavelmente estava trancada, não que isso fosse um problema,excepto que eu não queria deixar a porta partida como prova para trás. Decidi tentar ajanela de cima, primeiro. Não existiam muitas pessoas que se incomodavam a instalaruma fechadura ali.Passei pelo jardim aberto e escalei a parede da casa em meio segundo. Pendurado poruma mão no parapeito da janela, olhei pelo vidro, e a minha respiração parou.Era o quarto dela. Eu conseguia vê-la, os cobertores no chão e os lençóis enrolados nassuas pernas. Enquanto eu olhava, ela virou-se inquieta e colocou um braço por cima dacabeça. Ela não dormia profundamente, pelo menos não esta noite. Será que sentia operigo próximo?Fiquei com nojo de mim próprio quando a vi mexer-se outra vez. Como é que eu eramelhor do que qualquer outro bisbilhoteiro? Eu não era melhor. Era muito, muito pior.Relaxei as pontas dos meus dedos, preparado para me deixar cair. Mas primeiro permitia mim mesmo lançar um longo olhar na direcção da cara dela.Não estava tranquila. A pequena ruga entre as suas sobrancelhas, os cantos dos seuslábios para baixo. Os lábios dela tremeram, e então abriram-se.- Está bem, mãe. - Resmungou.A Bella falava durante o sono.A curiosidade invadiu-me, mais forte que o nojo que tinha por mim mesmo. O encantodaqueles pensamentos falados, desprotegidos e inconscientes, era incrivelmentetentador.Tentei abrir a janela, e não estava fechada, embora tenha encravado por ter ficadotanto tempo sem ser aberta. Eu empurrei-a lentamente para o lado, rangendo a cadapequeno gemido que a moldura de metal fazia. Tinha que arranjar algum óleo para apróxima vez…
  • 121. Próxima vez? Eu abanei a cabeça, com nojo de novo.Passei silenciosamente pela janela meio aberta.O quarto dela era pequeno. Desorganizado, mas não sujo. Havia livros empilhados nochão perto da sua cama, as lombadas viradas para o outro lado, e CDS espalhados pertodo seu discman barato. O que estava por cima era só uma caixa vazia. Papéis cercavamum computador que mais parecia pertencer a um museu dedicado a tecnologiasobsoletas. Sapatos estavam no chão de madeira.Eu queria muito ir ler os títulos dos seus livros e CDS, mas tinha prometido que iamanter a distância. Em vez disso, fui-me sentar na velha cadeira de balanço no outrocanto do quarto.Eu tinha mesmo alguma vez pensado que ela tinha um aspecto comum? Pensei naqueleprimeiro dia, e no meu nojo pelos rapazes que ficaram tão rapidamente intrigados porela. Mas quando me lembrei do rosto dela nos pensamentos deles, não conseguiaentender por que é que não a tinha achado linda imediatamente. Parecia uma coisaóbvia.Neste momento, com o seu cabelo escuro embaraçado e selvagem à volta da sua carapálida, a usar uma t-shirt cheia de buracos e umas calças esfarrapadas, ela tirou-me arespiração. Ou teria tirado, pensei ironicamente, se eu estivesse a respirar.Ela não falou. Talvez o sonho tivesse terminado.Olhei para a cara dela e tentei pensar nalguma maneira de deixar o futuro suportável.Magoá-la não era suportável. Isso significava que minha única escolha era tentar irembora novamente?Os outros não podiam discutir comigo agora. A minha ausência não iria colocar ninguémem perigo. Não iria haver nenhuma suspeita, nada para levar os pensamentos deninguém de volta ao acidente.Vacilei como tinha feito esta tarde, e nada pareceu possível.Não podia estar à espera de ser rival dos rapazes humanos, quer esses rapazesespecíficos a atraíssem ou não. Eu era um monstro. Como é que ela me podia ver de
  • 122. outra forma? Se ela soubesse a verdade sobre mim, ia assustá-la e repulsá-la. Como avítima num filme de terror, ela ia correr, a gritar de horror.Lembrei-me do primeiro dia dela na aula de biologia… e sabia que aquela seriaexactamente a reacção certa para se ter.Era uma parvoíce imaginar que se fosse eu quem a tivesse a convidado para aquele baileidiota, ela teria cancelado os seus planos feitos em cima da hora e teria concordado emir comigo.Não era a mim que ela estava destinada a dizer sim. Era a outra pessoa, humana equente. E eu nem me podia permitir - algum dia, quando ela dissesse sim – a persegui-loe matá-lo, porque ela merecia-o, quem quer que fosse que tivesse escolhido.Ela merecia que eu fizesse a coisa certa agora. Já não podia fingir que estava só emperigo de amar esta rapariga.Afinal de contas, não fazia diferença se eu fosse embora, porque Bella jamais me iriaver da maneira que eu queria que ela visse. Ela nunca me ia ver como alguém quemerecesse ser amado.Nunca.Podia um coração morto, gelado, despedaçar-se? Parecia que o meu podia.- Edward. - Disse Bella.Eu congelei, a olhar para os seus olhos fechados.Ela tinha acordado, tinha-me visto aqui? Ela parecia adormecida, mas a sua voz tinhasido tão clara…Ela suspirou calmamente, e depois mexeu-se inquieta outra vez, dando uma volta – aindaa dormir e sonhar.- Edward. - Murmurou suavemente.Ela estava a sonhar comigo.Podia um coração morto, gelado, bater de novo? Parecia que o meu podia.- Fica. - Suspirou. - Não vás. Por favor… não vás.Ela estava a sonhar comigo, e não era um pesadelo. Ela queria que eu ficasse com ela, ali
  • 123. no seu sonho.Eu lutei para encontrar palavras para dar nome aos sentimentos que me invadiram, masnão existiam palavras fortes o suficiente para descrevê-los. Por um longo momento,afoguei-me neles.Quando voltei à superfície, não era o mesmo homem que tinha sido.A minha vida era uma a meia-noite, sem mudanças, sem fim. Devia, por necessidade, sersempre meia-noite para mim. Então como é que era possível que o sol estivesse a nasceragora, bem a meio da meia-noite?No momento em que me tornei um vampiro, trocando a minha alma e mortalidade porimortalidade na dor abrasadora da transformação, eu tinha realmente congelado. Omeu corpo tinha-se transformado em algo mais parecido com pedra do que carne,permanente e sem mudanças. Até eu, também, tinha congelado como era. A minhapersonalidade, os meus gostos e desgostos, os meus humores e os meus desejos,estavam todos fixos num lugar.Era a mesma coisa para o resto deles. Todos nós estávamos congelados. Pedras vivas.Quando uma mudança chegava para um de nós, era uma coisa rara e permanente. Tinhavisto isso acontecer com Carlisle, e uma década depois, com Rosalie. O amor tinha-osmudado de uma maneira irremediável, uma maneira que nunca mais mudava. Mais deoitenta anos tinham-se passado desde que Carlisle tinha encontrado Esme, e ele ainda aolhava com os olhos incrédulos do primeiro amor. Seria sempre assim para eles.Seria sempre assim para mim também. Eu ia sempre amar esta frágil rapariga humana,pelo resto da minha existência sem limites.Olhei para o seu rosto inconsciente, sentindo esse amor por ela a acomodar-se em cadacélula do meu corpo de pedra.Ela dormia com mais calma agora, um sorriso fraco nos lábios.Sem deixar de a observar, comecei a planear.Eu amava-a, então ia tentar ser forte o suficiente para a deixar. Eu sabia que nestemomento não era forte o suficiente. Ia ter que trabalhar nisso. Mas talvez eu fosse
  • 124. forte o suficiente para moldar o futuro de outra maneira.A Alice tinha visto só dois futuros para a Bella, e agora eu entendia os dois.Amá-la não ia evitar que eu a matasse, se cometesse erros.Mas eu não conseguia sentir o monstro agora, não conseguia encontrá-lo em nenhumlugar dentro de mim. Talvez o amor o tivesse silenciado para sempre. Se eu a matasseagora, não seria intencional, só um horrível acidente.Eu teria de ser extraordinariamente cuidadoso. Jamais, jamais seria capaz de baixar aguarda. Ia ter que controlar cada respiração. Ia ter de manter sempre uma distânciasegura.Não ia cometer erros.Finalmente entendi o segundo futuro. Tinha estado aterrorizado com aquela visão. Oque é podia possivelmente acontecer que resultaria em Bella a tornar-se umaprisioneira desta meia-vida imortal? Agora, devastado por desejar a rapariga, euconseguia entender como eu podia, num egoísmo indesculpável, pedir ao meu pai essefavor. Pedir-lhe que tirasse a vida e a alma dela para que eu pudesse ficar com ela parasempre.Ela merecia melhor.Mas eu vi mais um futuro, uma linha estreita pela qual eu talvez pudesse caminhar, sepudesse manter o meu equilíbrio.Conseguiria fazê-lo? Ficar com ela e deixá-la humana?Deliberadamente, inspirei fundo e depois outra vez, deixando que o seu cheiro passassepor mim como fogo. O quarto estava cheio do seu perfume, a fragrância dela saía decada superfície. A minha cabeça girou, mas eu lutei contra a tontura. Teria que mehabituar àquilo, se eu fosse tentar ter qualquer tipo de relacionamento com ela.Respirei novamente, deixando o ar queimar-me.Observei-a a dormir até que o sol nasceu atrás das nuvens a este, a planear e arespirar.
  • 125. Voltei para casa quando os outros já tinham ido embora para a escola. Mudei de rouparapidamente, evitando os olhos cheios de perguntas de Esme. Ela viu a luz febril no meurosto, e sentiu preocupação e alívio. A minha melancolia sem fim magoava-a, e elaestava feliz porque parecia ter acabado.Corri para a escola, chegando poucos segundos depois dos meus irmãos. Eles não seviraram, embora Alice deva ter desconfiado que eu estava parado aqui nas grossasárvores que cercavam o asfalto. Esperei até que ninguém estivesse a olhar, e depoisandei casualmente por entre as árvores até o estacionamento cheio de carros.Ouvi a pick-up de Bella a rugir na esquina, e parei atrás de um Suburban onde podiaobservá-la sem ser visto.Ela dirigiu-se até o estacionamento, e olhou para o meu Volvo durante um longomomento antes de parar numa das vagas mais distantes, tinha uma careta no seu rosto.Era estranho lembrar-me que ela provavelmente ainda estava zangada comigo, e por umbom motivo.Eu queria rir-me de mim mesmo, ou bater-me. Todo o meu esquema e planeamento eramtotalmente inúteis se ela não se importasse comigo, não eram? O sonho dela pode tersido sobre alguma coisa aleatória. Eu era mesmo um idiota arrogante.Bem, era muito melhor para ela se não se importasse comigo. Isso não me impediria dea perseguir, mas eu avisá-la-ia da minha perseguição. Devia-lhe isso.Andei silenciosamente, a pensar em qual seria a melhor forma de me aproximar dela.Ela tornou aquilo mais fácil. A chave da pick-up escorregou pelos seus dedos quandosaiu, e caiu numa poça funda.Ela inclinou-se, mas eu cheguei primeiro, recuperando-a antes que ela tivesse que pôr osdedos na água fria.Encostei-me contra a pick-up enquanto ela olhava para mim, e depois endireitou-se.- Como é que fizeste isso? - Exigiu.
  • 126. Sim, ainda estava chateada.Ofereci-lhe a chave. – Como é que fiz o quê?Ela esticou a mão, e eu deixei-a cair na sua palma. Respirei fundo, absorvendo o cheiro.- Aparecer vindo do nada. - Esclareceu.- Bella, eu não tenho culpa de que tenhas uma excepcional falta de poder deobservação. - As palavras eram sarcásticas, quase uma piada. Havia alguma coisa que elanão visse?Será que ela ouviu como a minha voz disse o nome dela com carinho?Ela olhou para mim, não estava a apreciar o meu humor. O seu batimento cardíacoacelerou. De raiva? De medo? Depois de um momento, olhou para baixo.- Qual foi o motivo do engarrafamento da noite passada? – Perguntou-me sem me olharnos olhos. - Pensei que andasses a fingir que eu não existo e não a matar-me deirritação.Ainda estava bastante zangada. Ia levar algum esforço para deixar as coisas bem comela. E lembrei-me da minha resolução de ser honesto com ela…- Foi pelo bem do Tyler, não pelo meu. Tinha de lhe proporcionar a sua oportunidade. - Eentão ri-me. Não conseguia evitar, ao pensar na expressão dela ontem.- Seu…! - Ofegou, e depois parou, parecendo estar demasiado furiosa para terminar. Aliestava: a mesma expressão. Abafei outro riso. Ela já estava zangada o suficiente.- E não ando a fingir que tu não existes. - Terminei. Era certo manter as coisas casuais,em tom de gozo. Ela não iria entender se eu a deixasse ver como me sentia narealidade. Iria assustá-la. Tinha que manter os meus sentimentos sob controlo, manteras coisas ligeiras…- Então andas mesmo a tentar matar-me de irritação? Já que a carrinha do Tyler nãose encarregou de o fazer?Um rápido lampejo de raiva passou por mim. Como é que ela podia honestamenteacreditar naquilo?Era irracional da minha parte ficar tão ofendido. Ela não sabia da transformação que
  • 127. tinha acontecido a noite passada. Mas a raiva era a mesma.- Bella, és completamente absurda. – Disse bruscamente.O rosto dela corou, e ela virou-se de costas para mim. Começou a ir-se embora.Remorso. Eu não tinha direito à minha raiva.- Espera. – Pedi.Ela não parou, então segui-a.- Desculpa, foi indelicado da minha parte. Não estou a dizer que não é verdade. - Eraabsurdo imaginar que eu a queria magoada de alguma maneira. – Mas, de qualquer forma,foi indelicado da minha parte afirmá-lo.- Porque é que não me deixas em paz?Acredita, eu quis dizer. Eu tentei.Ah, e outra coisa, estou miseravelmente apaixonado por ti.Manter as coisas ligeiras.- Queria perguntar-te algo, mas tu desviaste-me dos meus fins. - Outro curso de acçãotinha acabado de me ocorrer, e eu ri-me.- Sofres de um distúrbio de múltipla personalidade? - Perguntou.Devia parecer que sim. O meu humor instável, tantas emoções novas a passar por mim.- Lá estás tu outra vez. – Informei-a.Ela suspirou. – Então, muito bem. O que queres perguntar-me?- Estava a pensar se, de sábado a uma semana… - observei o choque a passar-lhe pelosolhos e sufoquei outra gargalhada. - Tu sabes, o dia do baile da Primavera …Ela interrompeu-me, finalmente a dirigir-me o olhar. – Estás a tentar ser engraçado?Sim. - Fazes o favor de me deixar terminar?Ela esperou em silêncio, os dentes a morder o lábio macio inferior.Aquela visão distraiu-me por um momento. Reacções estranhas, desconhecidasagitaram-se no fundo do meu esquecido núcleo humano. Tentei livrar-me delas para quepudesse fazer o meu papel.- Ouvi-te dizer que ias a Seattle nesse dia e estava a pensar se quererias boleia. -
  • 128. Ofereci. Tinha-me apercebido que, melhor do que perguntar-lhe sobre os seus planos,podia partilhá-los.Ela olhou-me inexpressivamente. – O quê?- Queres boleia para Seattle? - Sozinho no carro com ela, a minha garganta queimoucom o pensamento. Respirei fundo. Habitua-te.- De quem? - Perguntou, os seus olhos arregalados e confusos outra vez.- De mim, obviamente. – Disse-lhe lentamente.- Porquê?Era um choque assim tão grande que eu quisesse a companhia dela? Ela devia terchegado à pior conclusão possível do meu comportamento passado.-Bem, eu tencionava ir a Seattle durante as próximas semanas e, para ser sincero, nãosei se a tua pick-up resistirá à viagem. - Era mais seguro provocá-la do que me permitirser sério.-A minha pick-up funciona perfeitamente, muito obrigada pela tua preocupação. - Dissena mesma voz surpreendida. E começou a andar outra vez. Continuei a segui-la.Ela não tinha dito não, então pressionei essa vantagem.Será que ela ia dizer não? O que é que eu fazia se ela dissesse?- Mas será que a tua pick-up consegue realizar a viagem consumindo um só depósito decombustível?- Não vejo em que medida é que isso possa dizer-te respeito. - Ela reclamou.Ainda não era um não. E o coração dela estava a bater mais rápido outra vez, arespiração mais rápida.- O desperdício de recursos limitados diz respeito a todos.- Francamente, Edward, não consigo acompanhar-te. Pensei que não querias ser meuamigo.Uma forte emoção atravessou-me quando ela disse o meu nome.Como manter isto ligeiro e ser honesto ao mesmo tempo? Bem, era mais importante serhonesto. Especialmente nesta questão.
  • 129. - Eu disse que seria melhor se não fôssemos amigos e não que não queria que fôssemos.- Oh, obrigada, agora está tudo esclarecido. - Disse sarcasticamente.Ela parou, sob o teto da cantina, e encontrou o meu olhar novamente. As batidas do seucoração estavam aceleradas. Estava com medo?Escolhi as minhas palavras cuidadosamente. Não, eu não conseguia deixá-la, mas talvezela fosse esperta o suficiente para me deixar, antes que fosse demasiado tarde.- Seria mais… prudente que não fosses minha amiga. – Enquanto olhava para aprofundeza do chocolate derretido nos seus olhos, perdi a minha segurança na luz. -Mas estou farto de tentar manter-me afastado de ti, Bella. - As palavras queimaramcom demasiado fervor.A sua respiração parou e, quando voltou a respirar, aquilo preocupou-me. Quanto é quea tinha assustado? Bem, eu ia descobrir.- Vais comigo a Seattle?Ela acenou, com o coração a bater mais alto.Sim. Ela tinha-me dito sim, a mim.E depois a minha consciência sufocou-me. O que é que isso lhe iria custar?- Devias mesmo manter-te afastada de mim. Alertei-a. Será que ela me ouvia? Será queela iria escapar do futuro com o qual eu a estava a ameaçar? Eu não podia fazer nadapara que a salvasse de mim?Mantém-te ligeiro, avisei-me. – Vemo-nos na aulaTive que me concentrar para me impedir de correr enquanto fugia.6º Capitulo - Grupo SanguineoSegui-a o dia todo através dos olhos das outras pessoas, apenas ligeiramenteconsciente da minha audiência.Não pelos olhos de Mike Newton, porque não conseguia aguentar mais as suas fantasias
  • 130. ofensivas, e não pelos olhos de Jessica Stanley, porque o seu ressentimento com a Belladeixava-me perigosamente nervoso. Angela Weber era uma boa escolha quando os seusolhos estavam disponíveis. Ela era gentil, a sua cabeça era um lugar fácil para se estar.E algumas vezes os professores providenciavam a melhor vista.Eu estava surpreendido, ao vê-la tropeçar o dia inteiro (a tropeçar nas falhas dacalçada, a deixar os livros cair, e, a maioria das vezes, a tropeçar nos próprios pés) ,que as pessoas de quem eu estava a ler os pensamentos viam-na como desastrada.Considerei aquilo. Era verdade que muitas vezes ela tinha problemas em manter-se depé. Lembrei-me do primeiro dia de aulas quando ela tropeçou para cima da secretária,lembrei-me quando escorregou em cima do gelo antes do acidente, quando bateu com opé na ombreira da porta ontem… Que estranho, eles tinham razão. Ela era desastrada.Eu não sabia por que é que aquilo era tão engraçado para mim, mas eu estava a rir-meem voz alta enquanto andava da aula de História Americana para a de Inglês, e muitaspessoas lançaram-me olhares cuidadosos. Como é que eu não tinha percebido aquiloantes? Talvez por que havia alguma coisa bastante graciosa na sua calma, na maneiracomo ela mantinha a cabeça, no arco do seu pescoço…Agora não havia nada de gracioso nela. O Sr. Varner tinha acabado de a ver a prender aponta da bota no tapete e a cair literalmente na sua cadeira.Ri-me de novo.O tempo passava incrivelmente lento enquanto eu estava à espera de a ver com os meuspróprios olhos. Finalmente a campainha tocou. Andei rapidamente até à cantina paraassegurar o meu lugar. Fui o primeiro a chegar lá. Escolhi uma mesa que normalmenteestava vazia, e que ia de certeza permanecer assim comigo lá sentado.Quando a minha família entrou e me viu sentado sozinho no meu novo lugar, não ficaramsurpreendidos. A Alice devia tê-los avisado.A Rosalie passou por mim sem olhar.Idiota.
  • 131. A Rosalie e eu nunca tivemos um relacionamento fácil, eu ofendi-a na primeira vez queela me tinha ouvido falar, e foi tudo por água abaixo desde então. Mas parecia que elaestava mais temperamental nestes últimos dias. Suspirei. Para Rosalie era tudo sobreela mesma.O Jasper deu-me um meio sorriso e continuou a andar.Boa sorte - Pensou duvidosamente.O Emmett revirou os olhos e abanou a cabeça.Perdeu a cabeça, pobre miúdo.A Alice estava radiante, com os seus dentes a brilharem mais do que deviam.Posso falar com a Bella agora?- Fica fora disto. - Disse através da minha respiração.A cara dela ficou triste, e depois brilhou outra vez.Tudo bem. Sê teimoso. É só uma questão de tempo.Ela suspirou de novo.Não te esqueças da aula de laboratório em biologia hoje. – Lembrou-me.Acenei com a cabeça. Não, eu não me tinha esquecido disso.Enquanto eu estava à espera que a Bella chegasse, segui-a através dos olhos de umcaloiro que estava atrás de Jessica, a caminho da cantina. A Jessica estava a tagarelarsobre o próximo baile, mas Bella não lhe disse nada em resposta. Não que Jessica lhetivesse dado muita oportunidade de responder.No momento em que Bella passou pela porta, os seus olhos viraram-semomentaneamente para a mesa onde meus irmãos se sentavam. Ela olhou por ummomento, e depois a sua testa enrugou-se e o olhar baixou-se até o chão. Ela não tinhareparado que eu estava aqui.Ela parecia tão… triste. Senti uma vontade urgente de me levantar e ir até ao pé ela,para confortá-la de alguma forma, só que eu não sabia o que ela iria acharreconfortante. Eu não fazia ideia o que é que a tinha posto daquela forma. A Jessicacontinuava a tagarelar sobre o baile. Estaria Bella triste por ir perdê-lo? Não me
  • 132. parecia muito provável…Mas isso podia ser remediado, se ela quisesse.Ela comprou uma bebida para o almoço, e mais nada. Aquilo era certo? Ela não precisavade mais nutrientes do que aquilo? Eu nunca prestei muita atenção à dieta dos humanosantes. Os humanos eram tão exasperadamente frágeis! Havia milhões de coisas com quese deviam preocupar…- O Edward Cullen está, de novo, a olhar-te fixamente. – Ouvi a Jessica a dizer. –Pergunto-me porque estará ele hoje sentado a uma mesa sozinho.Eu estava agradecido a Jessica, apesar de ela ainda estar mais ressentida agora,porque a Bella levantou a cabeça e os seus olhos procuraram até que encontraram osmeus.Não havia um traço de tristeza na sua cara, agora. Deixei-me acreditar que ela estavatriste por imaginar que eu me tinha ido embora mais cedo, e a esperança dessepensamento fez-me sorrir.Eu chamei-a com o meu dedo para que ela se juntasse a mim. Ela pareceu tãosurpreendida com aquilo que eu quis provocá-la novamente.Então pisquei-lhe o olho e ela ficou boquiaberta.- Está a dirigir-se a ti? - Perguntou Jessica com desprezo.- Talvez precise de ajuda nos trabalhos de casa de Biologia. - Disse numa voz baixa echeia de incerteza. - Hum, é melhor ir ver o que ele deseja.Isto foi outro sim.Ela tropeçou duas vezes enquanto vinha para a minha mesa, apesar de não haver nada nocaminho além de um piso perfeitamente plano. A sério, como é que eu tinha perdido istoantes? Tinha estado a prestar mais atenção aos seus pensamentos silenciosos, supus…O que é que eu tinha perdido mais?Mantém as coisas honestas, ligeiras. Repeti para mim mesmo.Ela parou atrás da cadeira que estava à minha frente, hesitante. Eu respirei fundo,desta vez pelo nariz e não pela boca.
  • 133. Sente a queimadura. Pensei secamente.- Por que não te sentas à minha mesa hoje? – Perguntei-lhe.Ela puxou a cadeira e sentou-se, a olhar para mim o tempo inteiro. Ela parecia nervosa,mas a sua aceitação física era um outro sim.Esperei que ela falasse.Levou um momento, mas finalmente disse – Esta situação é fora do vulgar.- Bem…- Hesitei – Decidi que, já que ia para o inferno, mais valia fazê-lo de formaconsumada. -O que é que me tinha feito dizer aquilo? Suponho que pelo menos tenha sido honesto. Etalvez ela tivesse ouvido o aviso subtil que as minhas palavras continham. Talvez elapercebesse que se devia levantar e sair dali o mais rápido que pudesse…Ela não se levantou. Olhava para mim, à espera, como se eu não tivesse terminado aminha frase.- Tu sabes que eu não faço a menor ideia do daquilo a que te referes. - Disse quandopercebeu que eu não ia continuar.Aquilo foi um alívio, sorri.- Pois sei.Era difícil ignorar os pensamentos que estavam a gritar atrás das suas costas. E euqueria mudar de assunto, de qualquer das maneiras.- Acho que os teus amigos estão zangados comigo por te ter roubado.Isso não a pareceu preocupar. – Hão-de sobreviver.- Mas eu posso não te devolver. - Eu não fazia ideia se estava a tentar ser honestoagora ou apenas a tentar provocá-la outra vez. Estar ao pé dela fazia com que fossecomplicado dar sentido aos meus pensamentos.Bella engoliu em seco.Eu ri-me da expressão dela. - Pareces preocupada. - Aquilo realmente não devia serengraçado, ela devia estar preocupada.- Não - Ela era uma péssima mentirosa. Não a ajudou em nada que a sua voz falhasse –
  • 134. Na verdade estou surpreendida… A que se deve tudo isto?- Já te disse, fartei-me de tentar manter-me afastado de ti. Portanto, desisto. –Mantive o meu sorriso com um bocado de esforço. Isto não estava a funcionar de todo:tentar ser honesto e casual ao mesmo tempo.- Desistes? - Repetiu perplexa.- Sim, desisto de tentar ser bom. - E pelos vistos a desistir de tentar ser casual. – Apartir de agora, faço apenas o que me apetece e o resto que se dane.Aquilo foi honesto o suficiente. Deixar que ela visse o meu egoísmo. Deixar que aquilo aavisasse, também.- Baralhaste-me de novo.Eu era egoísta o suficiente para estar feliz por ser esse o caso. – Falo sempre de maisquando converso contigo, esse é um dos problemas.Um problema bastante insignificante, comparado com todos os outros.- Não te preocupes. – Assegurou-me. – Não compreendo nada do que dizes.Óptimo, então ela iria ficar. – Estou a contar com isso.- Então, em bom inglês, já somos amigos?Ponderei por um segundo. - Amigos… - Repeti. Não gostei do som daquilo. Não erasuficiente.- Ou não? - Sussurrou, parecendo envergonhada.Será que ela pensava que eu não gostava dela àquele ponto?Sorri. - Bem, suponho que podemos tentar. Mas aviso-te de que não sou um bom amigopara ti.Esperei pela resposta dela, dividido em dois, à espera que ela finalmente ouvisse eentendesse, e a imaginar que poderia morrer se ela o fizesse. Que melodramático. Euestava a transformar-me demasiado num humano.O coração dela batia mais rápido. – Repetes isso muitas vezes.- Pois, porque não estás a dar-me ouvidos. – Disse-lhe, demasiado intenso outra vez. –Ainda estou à espera que acredites no que te digo. Se fores esperta, evitas-me.
  • 135. Ah, mas será que eu iria permitir que ela fizesse isso, se tentasse?Semicerrou os olhos. – Julgo que também já tornaste bastante clara a tua opinião arespeito do meu intelecto.Não tinha bem a certeza do que é que ela estava a falar, mas sorri a desculpar-me,chegando à conclusão que a devia ter ofendido acidentalmente.- Então. - Disse ela devagar. - Enquanto eu não estiver a ser esperta… tentaremos seramigos?- Parece-me que é mais ou menos isso.Ela olhou para baixo, a examinar a garrafa de limonada que tinha nas mãos.A velha curiosidade atormentava-me.- Em que é que estás a pensar? – Era um alívio dizer aquelas palavras em voz altafinalmente.O olhar dela encontrou o meu, e sua respiração acelerou enquanto as bochechascoravam. Eu inspirei, saboreando aquilo no ar.- Estou a tentar compreender quem tu és.Mantive o sorriso no meu rosto, e tranquei a minha expressão naquela forma, enquantoo pânico percorria o meu corpo todo.É claro que ela se estava a questionar. Ela não era estúpida. Eu não podia ficar à esperaque ela ficasse indiferente a uma coisa tão óbvia.- Estás a fazer progressos nessa empreitada? - Perguntei da forma mais subtil queconsegui.- Não muitos. - Admitiu.Ri-me suavemente com a resposta, sentindo um súbito alívio. – Quais são as tuasteorias?Não podiam ser piores que a verdade, o que quer que fossem.As bochechas dela ficaram ainda mais vermelhas, e ela não disse nada. Eu conseguiasentir no ar o calor do seu rubor.Tentei usar meu tom persuasivo com ela. Funcionava bem com humanos normais.
  • 136. - Não me dizes? - Sorri, encorajando-a.Ela abanou a cabeça negativamente. - É demasiado embaraçoso.Ugh. Não saber era pior do que outra coisa qualquer. Por que é que as especulações delaa tinham deixado envergonhada? Não conseguia suportar não saber.- Isso é mesmo frustrante, sabes.A minha reclamação disparou algo nela. Os olhos brilharam e as palavras fluíram maisrapidamente que o normal.- Não. Não consigo imaginar por que motivo tal seria minimamente frustrante, apenasporque alguém recusa revelar-te os seus pensamentos, mesmo que, durante todo essetempo, essa pessoa teça comentariozinhos obscuros que se destinam especificamente amanter-te acordado à noite, perguntando a ti mesmo qual será o respectivosignificado… agora, por que motivo é que tal seria frustrante?Eu franzi as sobrancelhas, chateado por me aperceber que ela estava certa. Eu nãoestava a ser justo.Ela continuou. - Ou melhor, digamos que essa pessoa também cometeu uma grandevariedade de actos bizarros, desde salvar a tua vida em circunstâncias incríveis numdia e a tratar-te como um pária no seguinte, nunca te tendo igualmente dado umaexplicação para nenhum desses factos, mesmo depois de ter prometido fazê-lo. Issotambém não seria nada frustrante.Foi o discurso mais longo que eu a tinha ouvido fazer, e isso acrescentou mais umaqualidade à minha lista.- Tens um ligeiro mau feitio, não tens?- Não me agrada a dualidade de critérios.A sua irritação era completamente justificável, é claro.Olhei para a Bella, a imaginar como é que poderia fazer qualquer coisa certa por ela,até que a gritaria silenciosa na cabeça de Mike Newton me distraiu.Ele estava tão zangado que me fez rir.- O que foi? - Ela exigiu.
  • 137. - O teu namorado parece pensar que eu estou a ser desagradável contigo. Está adeliberar se há-de vir ou não interromper a nossa discussão. - Eu ia adorar vê-lo tentar.Ri-me novamente.- Não sei a quem te referes. - Disse de forma fria - Mas seja como for, tenho acerteza de que estás enganado.Eu gostei bastante da maneira como ela o rejeitou com a sua frase desdenhosa.- Não estou. Já te disse, a maioria das pessoas é transparente.- Excepto eu, é claro.- Sim. Excepto tu. - Ela tinha que ser a excepção em tudo? Não seria mais justo,considerando tudo o resto que eu tinha de lidar agora, que eu pudesse ouvir ALGUMACOISA da sua cabeça? Era pedir muito? – Pergunto-me porque será.Olhei-a directamente nos olhos, a tentar novamente.Ela desviou o olhar. Abriu a sua limonada e deu um curto e rápido gole, os seus olhosestavam na mesa.- Não tens fome? - Perguntei.- Não. - Ela olhava para a mesa vazia entre nós. – E tu?- Não, não tenho fome. – Disse-lhe. Definitivamente não tinha.Ela estava a olhar para a mesa com os lábios cerrados. Eu esperei.- Podes fazer-me um favor? - Perguntou, a encontrar subitamente o meu olhar.O que é que ela poderia querer de mim? Ir-me-ia perguntar sobre a verdade à qual nãome era permitido responder-lhe? A verdade que eu queria que ela nunca, nuncasoubesse?- Depende daquilo que pretendes.- Não é nada de mais. - Prometeu.Esperei, curioso de novo.- Pensei apenas… - Disse lentamente, a olhar para a garrafa de limonada, a percorrer aentrada da garrafa com o seu dedo mindinho. - Se poderias avisar-me antecipadamenteda próxima vez que resolveres ignorar-me para o meu próprio bem? Apenas para que eu
  • 138. esteja preparada. - Ela queria um aviso? Então ser ignorada por mim deve ser uma coisamá … Sorri.- Parece-me justo. - Concordei.- Obrigada. – Disse-me, a olhar para cima. A sua cara estava tão aliviada que eu quis-merir do meu próprio alívio.- Sendo assim, podes dar-me uma resposta em troca? - Perguntei, com esperança.- Só uma. - Concedeu- Revela-me uma teoria.Ela corou. - Essa não.- Não ficaste apurada, prometeste-me apenas uma resposta. – Argumentei.- Tu também fizeste promessas que não cumpriste. - Argumentou também.Ali ela tinha razão.- Apenas uma teoria, eu não me rio.- Sim, ris. - Ela parecia estar segura disso, apesar de eu não conseguir imaginar nadaque pudesse ter piada em relação àquilo.Tentei usar a persuasão outra vez. Olhei para bem fundo dos seus olhos. Uma coisafácil de se fazer, com olhos tão intensos, e sussurrei. – Por favor?Ela piscou os olhos, e o rosto ficou pálido.Bem, não era bem aquela reacção que eu queria.- Hã, o quê? – Perguntou-me. Parecia tonta. O que é que havia de errado com ela?- Por favor, revela-me apenas uma teorinhazinha. - Pedi com a minha voz suave e nãoassustadora, enquanto aguentava os olhos dela nos meus.Para minha surpresa e satisfação, finalmente funcionou.- Hum, bem, foste mordido por uma aranha radioactiva?Banda - desenhada? Não admirava que ela achasse que eu me ia rir.- Essa teoria não é muito criativa. - Tentei esconder o meu alívio.- Lamento, é a única que tenho. - Disse, ofendida.Isso deixou-me ainda mais aliviado. Consegui provocá-la outra vez.
  • 139. - Não estás nem perto da verdade.- Não há aranhas?- Não.- Nem radioactividade?- Nenhuma.- Raios. - Suspirou.- O kriptonyte também não me afecta. - Respondi depressa, antes que ela pudesseperguntar sobre mordidas, e aí eu tinha que me rir, porque ela achava que eu era umsuper-herói.- Não podes rir-te, lembras-te?Pressionei os lábios.- Acabarei por descobrir. - Prometeu.E quando descobrisse, ia fugir.- Quem me dera que não tentasses. – Disse-lhe, e todos os sinais da minha provocaçãoestavam ausentes.- Porque…?Eu devia-lhe honestidade. Tentei sorrir, deixar as minhas palavras menos ameaçadoras.- E se eu não for um super-herói? E se for o vilão?Os seus olhos arregalaram-se ligeiramente e os lábios separaram-se um bocado. - Ah. -Disse ela. E então, depois de um segundo. – Estou a ver.Finalmente ela ouviu-me- Estás mesmo? – Perguntei-lhe, a tentar esconder a minha agonia.- És perigoso? - Adivinhou. A sua respiração aumentou e o coração acelerou.Não lhe conseguia responder. Era este o meu último momento com ela? Ela ia fugiragora? Seria capaz de lhe dizer que a amava antes que ela partisse? Ou isso iriaassustá-la ainda mais?- Mas não és mau. - Sussurrou, abanando a cabeça, sem medo nos olhos intensos. - Não,não acredito que sejas mau.
  • 140. - Estás enganada. - Disse baixo.É claro que eu era mau. Não estava feliz agora, que ela pensava melhor de mim do queeu merecia? Se eu fosse uma boa pessoa, eu tinha ficado longe dela.Estiquei a mão pela mesa, agarrando a tampa da garrafa da limonada dela como umadesculpa. Ela não recuou da minha mão próxima. Ela realmente não tinha medo de mim.Ainda não.Girei a tampa rapidamente, a olhar para a tampa em vez de para Bella. Os meuspensamentos estavam confusos.Foge, Bella, foge. Não conseguia dizer as palavras em voz alta.Levantou-se. - Vamos chegar atrasados. - Disse ela, mesmo quando eu tinha começado apreocupar-me que ela tivesse ouvido o meu aviso silencioso.- Não vou à aula hoje.- Porque não?Porque eu não te quero matar. - É saudável baldarmo-nos às aulas de vez em quando. -Para ser exacto, era mais saudável para os humanos quando os vampiros se baldavam àaula nos dias em que sangue humano ia ser derramado. O Sr. Banner ia fazer recolha detipos sanguíneos hoje. A Alice já se tinha baldado à aula de manhã.- Bem, eu vou. - Disse ela. Aquilo não me surpreendeu. Ela era responsável, fazia semprea coisa certa.Ela era o oposto de mim.- Então, vemo-nos mais tarde. – Disse-lhe, a tentar parecer casual novamente, a olharpara baixo, para a tampa que girava. E, por falar nisso, eu adoro-te … de uma maneiraperigosa, assustadora.Ela hesitou, e por um momento desejei que ela ficasse comigo. Mas a campainha tocou eela apressou-se.Esperei até que ela tivesse desaparecido, e depois guardei a tampa no meu bolso, umalembrança desta conversa importante, e andei pela chuva até ao meu carro.Pus o CD que me acalmava mais, o mesmo que tinha posto naquele primeiro dia, mas eu
  • 141. não ouvi as notas de Debussy por muito tempo. Outras notas estavam a passarrapidamente pela minha cabeça, o fragmento de uma melodia que me agradava e que meintrigava. Baixei o rádio e ouvi a música na minha cabeça, tocando o fragmento até quese desenvolveu para uma harmonia completa. Instintivamente, os meus dedos moveram-se no ar sobre teclas imaginárias.A nova composição estava realmente a surgir quando a minha atenção foi desviada poruma onda de angústia mental.Procurei na direcção da aflição.Ela vai desmaiar? O que é que eu faço? O Mike estava em pânico.A noventa metros, Mike Newton estava agachado sobre o corpo mole de Bella nacalçada. Ela escorregou sem reacção no cimento molhado, os olhos fechados, a pelepálida como a de um cadáver.Eu quase arranquei a porta do carro.- Bella? - Gritei.Não houve mudança no seu rosto sem vida quando gritei o nome dela.O meu corpo inteiro ficou mais frio que gelo.Estava ciente da surpresa irritada de Mike enquanto varria furiosamente os seuspensamentos. Ele só estava a pensar no ódio que tinha por mim, portanto eu não sabia oque é que se passava com Bella. Se ele tivesse feito alguma coia para a magoar eu iaaniquilá-lo.- O que é que se passa? Ela magoou-se? - Ordenei, a tentar concentrar os seuspensamentos. Era de enlouquecer ter que andar à velocidade humana. Eu não devia terchamado à atenção a minha aproximação.Então consegui ouvir o coração dela a bater, e cada respiração que dava. Enquanto euobservava, fechou ainda mais os olhos. Aquilo acalmou um bocado o meu pânico.Vi um pedaço das memórias na cabeça de Mike, imagens rápidas da aula de biologia. Acabeça de Bella na mesa, a sua pele a ficar verde. Gotas de vermelho contra cartõesbrancos…
  • 142. Recolha de grupo sanguíneo.Parei onde estava, parando de respirar. O cheiro dela era uma coisa, o seu sangue aescorrer era outra totalmente diferente.- Acho que ela desmaiou. – Disse Mike, ansioso e ressentido ao mesmo tempo. – Não seio que aconteceu, ela nem sequer picou o dedo.O alívio passou por mim, e respirei novamente, sentindo o ar. Ah, consegui cheirar omínimo aroma da pequena ferida de Mike Newton. Anteriormente, aquilo teria sidoextremamente apelativo para mim.Ajoelhei-me perto dela enquanto Mike se remexia ao meu lado, furioso com a minhaintervenção.- Bella. Consegues ouvir-me?- Não. - Gemeu. – Vai-te embora.Ri-me. Ela estava bem.- Eu ia levá-la à enfermaria. - Disse Mike. – Mas ela recusou-se a avançar mais.- Eu levo-a. Podes voltar para a aula. – Disse-lhe, indiferente.Os dentes de Mike rangeram. - Não. Sou eu que devo fazê-lo.Eu não ia ficar ali parado a discutir com aquele infeliz.Excitado e apavorado, meio agradecido e meio aflito pela situação desagradável que fezcom que o toque dela fosse uma necessidade, levantei suavemente Bella da calçada esegurei-a nos meus braços, tocando só na sua roupa, e mantive o máximo de distânciaentre os nossos corpos que fosse possível. Eu andava a passos largos para a frente,numa pressa de a pôr a salvo. O mais longe de mim, por outras palavras.Os olhos dela abriram-se, atónitos.- Põe-me no chão! - Ordenou com uma voz fraca, envergonhada outra vez, supus pelasua expressão. Ela não gostava de mostrar fraqueza.Eu mal ouvia Mike a gritar os seus protestos atrás de nós.- Estás com péssimo aspecto. – Disse-lhe, a sorrir, aliviado por não haver nada de malcom ela além de uma cabeça leve e um estômago fraco.
  • 143. - Coloca-me novamente no passeio. - Disse. Os seus lábios estavam brancos.- Com que então desmaias ao ver sangue? - Aquilo podia ser mais irónico?Ela fechou os olhos e pressionou os lábios.- E nem sequer se tratava do teu próprio sangue. - Acrescentei, o meu sorriso aaumentar.Estávamos à frente da secretaria. A porta estava levemente aberta, e eu dei-lhe umpontapé para sair do nosso caminho.A senhora Cope saltou, assustada. – Credo! – Engasgou-se enquanto examinava arapariga pálida nos meus braços.- Ela desmaiou na aula de Biologia. - Expliquei, antes que a sua imaginação começasse air para muito longe.A senhora Cope apressou-se a abrir a porta da enfermaria. Os olhos de Bella estavamabertos novamente, a observá-la.Ouvi o assombro interno da enfermeira idosa enquanto eu deitava a raparigacuidadosamente numa cama gasta. Assim que Bella estava fora dos meus braços, eu pusa distância da sala entre nós. O meu corpo estava demasiado excitado, demasiadoansioso, os meus músculos tensos e o veneno a fluir. Ela era tão quente e perfumada.- Ela está apenas um pouco fraca. - Assegurei à Senhora Hammond. - Eles estão atipificar sangue na aula de Biologia.Ela abanou a cabeça, a compreender. – Acontece sempre a alguém.Abafei um riso. Podia-se confiar em Bella para ser aquele alguém.- Deita-se só um pouco, amor. - Disse Sra. Hammond. – Isso passa.- Eu sei. – Disse Bella.- Isso acontece-te muito frequentemente? – Perguntou a enfermeira.- Às vezes. – Admitiu Bella.Tentei disfarçar a minha gargalhada a tossir.Aquilo virou a atenção da enfermeira para mim. – Já podes voltar para a aula. - Disse.Eu olhei-a directamente nos olhos e menti confiantemente. - Devo ficar com ela.
  • 144. Hum. Pergunto-me… oh, bem. Sra. Hammond abanou a cabeça.Aquilo funcionou perfeitamente com ela. Por que é que Bella tinha que ser tão difícil?- Vou buscar gelo para colocares na testa, querida. - Disse a enfermeira, ligeiramentedesconfortável por me ter estado a olhar nos olhos: da maneira que um humano deviaficar, e deixou a sala.- Tinhas razão. – Lamentou-se Bella, fechando os olhos.O que é que ela queria dizer? Fui directamente para a pior conclusão: ela tinha aceitadoos meus avisos.- Costumo ter. – Disse-lhe, tentando parecer divertido. – Mas, desta vez, a respeito dequê em particular?- Fazer gazeta é mesmo saudável. - Suspirou.Ah, alívio de novo.Depois ficou em silêncio. Só respirava lentamente para dentro e para fora. Os seuslábios estavam a começar a ficar rosados. A boca dela estava ligeiramente fora deequilíbrio, o lábio inferior era um bocado mais cheio do que o superior. Olhar para aboca dela fazia-me sentir estranho. Fazia-me querer aproximar dela, o que não era umaboa ideia.- Por um instante assustaste-me. – Disse-lhe, para reiniciar a conversa e ouvir a sua voznovamente. – Pensei que o Newton estava a arrastar o teu corpo sem vida para entrarno bosque.- Ah, ah. - Disse.- Sinceramente, já vi cadáveres com melhor cor. - Aquilo era realmente verdade.-Estava preocupado com a possibilidade de ter de vingar o teu homicídio. – E eu tê-lo-iafeito.- Pobre Mike. – Suspirou. – Aposto que está furioso.A fúria passou-me nas veias, mas controlei-a rapidamente. A preocupação dela eraapenas pena. Ela era simpática. Era apenas isso.- Ele abomina-me de verdade. – Disse-lhe, animado com a ideia.
  • 145. - Não podes ter a certeza disso.- Vi a cara dele, era perceptível. - Provavelmente era verdade que ler a cara dele ter-me-ia dado tais informações para fazer aquela dedução em particular. Toda estaprática com Bella estava a afinar a minha habilidade em ler expressões humanas.- Como é que me viste? Pensei que estavas a fazer gazeta. - O rosto dela pareciamelhor. O verde tinha desaparecido da sua pele translúcida.- Estava no meu carro, a ouvir um CD.A sua expressão mudou-se, como se a minha resposta comum a tivesse surpreendido dealguma forma.Ela abriu os olhos novamente quando a Sra. Hammond voltou com uma compressa fria.- Aqui tens, querida – Disse a enfermeira enquanto punha a compressa na testa deBella. – Estás com melhor aspecto.- Acho que estou bem. - Disse Bella, e sentou-se afastando a compressa. É claro. Elanão gostava que cuidassem dela.As mãos enrugadas da Sra. Hammond estavam a ir na direcção da rapariga, como sequisessem fazer com que ela se deitasse novamente, mas depois a Sra. Cope abriu aporta e inclinou-se para dentro da enfermaria. Com entrada dela, veio um o cheiro desangue fresco, como uma pequena explosão.Invisível no gabinete por detrás dela, o Mike Newton ainda estava bastante zangado,desejando que o rapaz pesado que ele estava a carregar agora fosse a rapariga queestava ali dentro comigo.- Chegou outro. – Disse a Sra. Cope.A Bella saltou rapidamente da cama, ansiosa por deixar de ser o centro das atenções.- Aqui tem. – Disse-lhe, devolvendo a compressa à Sra. Hammond – Não preciso disto.Mike grunhiu enquanto empurrava um bocado Lee Stevens pela porta. O sangue aindagotejava da mão que Lee segurava ao pé da cara, a pingar pelo seu pulso.- Oh não. - Este era o meu convite para sair, e de Bella, também, pelos vistos. – Vai parao gabinete Bella.
  • 146. Ela olhou para mim com olhos confusos.- Confia em mim, vai.Ela virou-se e alcançou a porta antes que se fechasse, apressando-se em direcção àsecretaria. Eu segui-a a alguns centímetros de distância. O cabelo dela em movimentotocou na minha mão…Ela virou-se para olhar para mim, ainda com os olhos arregalados.- Tu deste-me mesmo ouvidos. - Essa era novidade.O seu pequeno nariz enrugou-se. – Senti o cheiro do sangue.Eu olhei para ela surpreendido - As pessoas não conseguem sentir o cheiro do sangue.- Pois, eu consigo, e é isso que me faz ficar indisposta. Cheira a ferrugem e…sal.O meu rosto estava imóvel, ainda a olhar fixamente para ela.Ela era mesmo humana? Ela parecia humana. Ela era suave como um humano. Elacheirava como um humano, bem, na realidade cheirava melhor. Agia como um humano…mais ou menos. Mas não pensava como um, ou respondia como um.Quais eram as outras opções, então?- O que foi? – Perguntou-me.- Não foi nada.Então o Mike Newton interrompeu-nos, entrando na secretaria com pensamentosressentidos, violentos.- Estás com melhor aspecto. - Disse-lhe ele, rudemente.A minha mão tremeu, a querer ensinar-lhe algumas maneiras. Eu ia ter que mecontrolar, ou ia acabar por matar aquele rapaz insolente.- Mantém apenas a mão no bolso. - Disse. Por um segundo selvagem, pensei que elaestivesse a falar comigo.- Já não está a sangrar. Vais voltar para a aula?- Estás a gozar? Teria apenas de dar meia volta e regressar para aqui.Aquilo era muito bom. Eu tinha pensado que ia perder esta hora inteira com ela, e agoraem vez disso, eu tinha tempo extra. Senti-me ganancioso.
  • 147. - Suponho que sim… - Murmurou o Mike. – Então, vais participar na viagem deste fim-de-semana? À praia?Ah, eles tinham planos. A raiva imobilizou-me naquele lugar. Mas era uma viagem degrupo. Eu tinha visto algumas coisas daquilo nas cabeças de outros alunos. Não eram sóeles os dois. Eu ainda estava furioso. Inclinei-me praticamente sem movimentos contrao balcão, a tentar controlar-me.- Claro, eu disse que alinhava. – Prometeu-lhe.Então ela também lhe disse sim a ele. A inveja queimava, mais dolorosa do que a sede.Não, era uma saída de grupo, tentei-me convencer. Ela ia apenas passar o dia com osamigos. Nada de mais.- Vamos encontrar-nos na loja do meu pai às dez horas. E o Cullen NÃO ESTÁconvidado.- Lá estarei. - Disse ela.- Então vemo-nos na aula de educação física.- Até logo.Ele foi em direcção à sua aula, com os pensamentos cheios de raiva. O que ela vênaquela aberração? Claro, ele é rico, acho eu. As raparigas acham que ele é lindo, maseu não acho. Demasiado… demasiado perfeito. Eu aposto que o pai dele experimentatodas as cirurgias plásticas neles. É por isso que eles são tão brancos e bonitos. Não énatural. É um tipo de… aparência assustadora. Às vezes, quando ele olha para mim, eupodia jurar que ele está a pensar em matar-me… Aberração…Afinal Mike não era totalmente desatento.- Educação física. - Repetiu Bella silenciosamente. Um gemido.Olhei para ela, e vi que ela estava triste com alguma coisa novamente. Eu não tinha acerteza porquê, mas era óbvio que ela não queria ir para a próxima aula com o Mike, eeu estava de acordo com aquele plano.Fui para o lado dela e aproximei-me da sua cara, sentindo o calor da sua pele a irradiardirectamente para os meus lábios. Não me atrevi a respirar.
  • 148. - Eu posso tratar disso. - Murmurei. – Vai-te sentar e faz um ar pálido.Ela fez o que pedi, sentou-se numa das cadeiras vazias e inclinou a cabeça para trás,contra a parede, enquanto, atrás de mim, a Sra. Cope saiu da enfermaria e voltou à suamesa. Com os olhos fechados, a Bella parecia que estava a desmaiar outra vez. A cordela ainda não tinha voltado completamente.Virei-me para a secretária. Tinha esperanças que a Bella estivesse a prestar atenção aisto, eu pensei. Era assim que um humano devia reagir- Menina Cope? - Perguntei, a usar a minha voz persuasiva de novo.As suas pestanas agitaram-se, e o seu coração começou a bater mais rápido. Demasiadojovem, controla-te! - Sim?Aquilo foi interessante. Quando a pulsação de Shelly Cope acelerou, foi porque ela meachou fisicamente atraente, não porque estava assustada. Eu estava habituado a issoquando estava à volta de fêmeas humanas… contudo eu não tinha considerado isso comoexplicação para a aceleração do coração da Bella.Eu até que gostei daquilo. Sorri e a respiração da menina Cope acelerou.- A Bella tem Educação Física no próximo tempo, e eu acho que ela não se sentesuficientemente bem. Na verdade, estava a pensar se não deveria levá-la já para casa.Acha que podia dispensá-la da aula? – Olhei para a profundidade dos olhos dela, adivertir-me com a destruição que causava nos seus processos mentais. Seria possívelque Bella…?A menina Cope teve de engolir em alto som antes de poder responder. – Tambémprecisa de ser dispensado, Edward?- Não, eu tenho a professora Goff, ela não se importa.Agora eu já não lhe estava a prestar muita atenção. Estava a explorar aquela novapossibilidade.Hum. Eu gostava de acreditar que a Bella me achava atraente como os outros humanosme achavam, mas desde quando é que Bella tem as mesmas reacções que os outroshumanos? Eu não podia manter as minhas esperanças elevadas.
  • 149. - Muito bem, está tudo tratado. Desejo-lhe as melhoras, Bella.Bella acenou com a cabeça, bastante fraca, a exagerar um bocado.- Consegues andar ou queres que eu te carregue novamente? – Perguntei-lhe, divertidopelo seu mau teatro. Eu sabia que ela iria querer andar, ela não queria parecer fraca.- Eu vou a pé. - Disse.Certo outra vez. Eu estava a melhorar nisto.Ela pôs-se de pé, hesitante por um momento como se estivesse a confirmar o seuequilíbrio. Eu segurei-lhe a porta, e saímos para a chuva.Olhei para ela enquanto erguia a sua cara para a chuva fraca, os olhos fechados, umleve sorriso nos lábios. O que é que ela estava a pensar? Alguma coisa naquela cenaparecia errada, e rapidamente percebi por que é que aquela acção me parecia tão poucofamiliar. As raparigas humanas normais não levantariam a cara para a chuva daquelamaneira, as raparigas humanas normais normalmente usam maquilhagem, mesmo aquineste lugar húmido.A Bella nunca usava maquilhagem, nem devia. As indústrias de cosméticos lucrambilhões de dólares por ano com mulheres que tentam conseguir uma pele como a dela.-Obrigada. - Disse ela, agora a sorrir-me. - Quase vale a pena ficar doente para faltara Educação física.Comecei a atravessar o pátio, a imaginar como é que poderia prolongar o meu tempocom ela. – Sempre às ordens. – Disse-lhe.- Então, vais? À viagem do próximo sábado, quero eu dizer. - Ela parecia esperançosa.Ah, a sua esperança era tranquilizante. Ela queria-me com ela, não o Mike Newton. E euqueria dizer que sim. Mas havia muitas coisas a considerar. Em primeiro lugar, o sol iabrilhar este sábado…- Exactamente aonde é que todos vão? - Tentei manter a minha voz indiferente, comose não me importasse muito. Mas o Mike tinha dito praia. Não tinha muitasoportunidades de escapar à luz do sol lá.- Até La Push, ao porto.
  • 150. Raios. Bem, então era impossível.De qualquer forma, o Emmett ficaria irritado se eu cancelasse os nossos planos.Baixei os olhos e olhei para ela, a sorrir forçosamente. – Eu realmente penso que nãofui convidado.Ela suspirou, resignada. - Eu acabei de te convidar.- Não vamos, tu e eu, provocar ainda mais o coitado do Mike esta semana. Nãoqueremos que ele rebente. – Imaginei-me a fazer com o que o pobre Mike rebentasse, edesfrutei intensamente daquela cena mental.- Mike-chmike. - Disse, com desprezo outra vez. O meu sorriso aumentou.E depois ela começou a afastar-se de mim.Sem pensar no que estava a fazer, estiquei-me e agarrei-a pela parte de trás do seucasaco. Ela deu um solavanco ao parar.- Aonde é que pensas que vais? - Eu estava quase zangado por ela me estar a deixar. Eunão tinha passado tempo suficiente com ela. Ela não se podia ir embora, ainda não.- Vou para casa. - Disse, confusa por não ter percebido por que é que aquilo me tinhairritado.- Não me ouviste prometer levar-te a casa em segurança? Julgas que vou deixar-teconduzir no estado em que te encontras? - Eu sabia que ela não ia gostar daquilo, aminha implicação de fraqueza da sua parte.Mas eu precisava de praticar para a viagem a Seattle, de qualquer forma. Ver seconseguia lidar com a sua proximidade num espaço fechado. Esta era uma viagem muitomais curta.- Qual estado? – Perguntou. - E a minha pick-up?- Peço à Alice que a leve até tua casa depois das aulas. – Puxei-a de volta para o meucarro cuidadosamente, embora agora eu soubesse que andar para a frente eradesafiador o suficiente para ela.- Larga-me! - Disse, a contorcer-se de lado, quase a tropeçar. Eu levantei uma mão paraa segurar, mas ela ajeitou-se antes que isso fosse necessário. Eu não devia estar à
  • 151. procura de desculpas para lhe tocar. Aquilo fez com que eu começasse a pensar sobre areacção da menina Cope quanto a mim, mas guardei isso para pensar depois. Havia muitoa ser considerado daqui para a frente.Eu deixei-a ao lado do carro, e ela cambaleou até a porta. Eu teria de ser ainda maiscuidadoso, tendo em conta o seu fraco equilíbrio…- És tão atrevido!- Está aberta.Entrei pelo meu lado do carro e liguei-o. Ela manteve o seu corpo rígido, ainda do ladode fora, apesar da chuva estar a ficar mais forte e eu sabia que ela não gostava de frioe humidade. A água estava a encharcar o cabelo grosso dela, escurecendo-o até ficarquase preto.- Estou perfeitamente apta a conduzir até casa!É claro que estava. Só que eu não era capaz de a deixar ir.Baixei o vidro do lado do passageiro e inclinei-me na sua direcção. - Entra Bella.Os olhos dela semicerram-se e eu supus que ela estivesse a decidir se devia ou nãocorrer até à carrinha.- Limitar-me-ei a arrastar-te novamente até aqui. - Prometi, desfrutando odesapontamento no seu rosto quando ela percebeu que eu estava a falar a sério.O seu queixo enrijeceu-se no ar, abriu a sua porta e entrou. O cabelo dela pingou nocouro do banco e as suas botas rangeram uma contra a outra.- Isto é completamente desnecessário. - Disse friamente. Achei que ela pareciaenvergonhada por debaixo da humilhação.Aumentei o aquecedor para que ela não se sentisse desconfortável, e pus a música numbom volume de fundo. Conduzi em direcção à saída, observando-a pelo canto dos olhos.O seu lábio inferior sobressaía-se teimosamente. Olhei para ela, a examinar como é queme fazia sentir… a pensar na reacção da secretária outra vez…De repente, ela olhou para o rádio e sorriu, os olhos arregalados. - Claire de Lune? -perguntou.
  • 152. Uma fã dos clássicos? – Conheces Debussy?- Não muito bem. – Disse. – A minha mãe põe muita música clássica a tocar em casa. Sóconheço os meus compositores preferidos.- Debussy também é um dos meus compositores preferido. - Olhei para a chuva, aconsiderar aquilo. Eu realmente tinha algo em comum com a rapariga. Já tinhacomeçado a pensar que nós éramos opostos em todos os sentidos.Ela parecia mais relaxada agora, a olhar para a chuva como eu, com olhos vagos. Euaproveitei a sua distracção momentânea para testar a minha respiração.Inalei cuidadosamente pelo meu nariz.Potente.Apertei o volante com força. A chuva fazia-a cheirar melhor. Eu nem tinha pensado queisso fosse possível. Estupidamente, estava subitamente a imaginar como é que ela deviasaber…Tentei engolir contra a queimadura na minha garganta, para pensar nalguma coisadiferente.- Como é a tua mãe? - Perguntei como distracção.A Bella sorriu. – Parece-se bastante comigo, mas é mais bonita.Eu duvidava daquilo.- Tenho demasiada influência genética do Charlie. - Continuou. – Ela é mais sociável doque eu e também mais corajosa.Duvidava daquilo, também.- É irresponsável, ligeiramente excêntrica e uma cozinheira muito imprevisível. É aminha melhor amiga. - A voz dela tornou-se melancólica, a sua testa enrugou-se.Novamente, ela mais parecia um pai do que um filho.Parei à frente da sua casa, a imagianr tarde de mais se eu devia saber onde ela morava.Não, isso não era suspeito numa cidade pequena, com o pai dela a ser uma figurapública…- Que idade tens, Bella? - Ela devia ser mais velha que as outras pessoas. Talvez ela
  • 153. tenha começado mais tarde a escola, ou tenha reprovado… mas isso não era provável.- Tenho dezassete anos. - Respondeu.- Não pareces ter dezassete anos.Ela riu-se.- O que foi?- A minha mãe diz sempre que eu nasci com trinta e cinco anos de idade e que a minhamentalidade se torna mais característica de uma pessoa de meia-idade a cada ano quepassa. - Ela riu-se outra vez e suspirou. – Bem, alguém tem de desempenhar o papel deadulto.Aquilo esclarecia-me as coisas. Agora conseguia perceber… como a irresponsabilidadeda mãe ajudava a explicar a maturidade de Bella. Ela teve que crescer mais cedo, parase tornar a responsável. Era por isso que ela não gostava que cuidassem dela, ela sentiaque esse era o seu trabalho.- Tu também não pareces um jovenzinho do liceu. - Disse, puxando-me dos meusdevaneios.Fiz uma careta. Por tudo o que eu percebia sobre ela, ela percebia muito mais comoresposta. Mudei de assunto.- Então, porque é que a tua mãe casou com o Phil?Ela hesitou por um minuto antes de responder. – A minha mãe… tem um espírito muitojovem para a idade. Penso que o Phil a faz sentir ainda mais jovem. De qualquer modo,ela é louca por ele. - Acenou a sua cabeça indulgentemente.- Tu aprovas? – Perguntei-me.- A minha opinião tem alguma importância? – Perguntou-me. - Eu quero que ela sejafeliz…e é ele quem ela quer.A falta de egoísmo nos seus comentários devia-me ter chocado, excepto que issoencaixava perfeitamente com tudo que eu tinha aprendido sobre a sua personalidade.- É muito generoso da tua parte… Pergunto-me…- O quê?
  • 154. - Julgas que ela demonstraria a mesma cortesia em relação a ti? Independentementeda pessoa sobre a qual a tua escolha recaísse?Foi uma pergunta idiota, e eu não consegui manter o tom casual na minha voz enquantolhe perguntava aquilo. Como era estúpido considerar sequer alguém a aprovar-me para asua filha. Como era estúpido imaginar sequer a Bella a escolher-me.- Julgo que sim. - Gaguejou, reagindo de alguma forma ao meu olhar fixo. Medo… ouatracção? - Mas, afinal, é ela a mãe. É um pouco diferente. - Finalizou.Sorri ironicamente. – Então, desde que não se tratasse de alguém demasiadoassustador…Ela sorriu-me. – O que queres dizer com assustador? Múltiplos piercings no corpo etatuagens generalizadas?- Suponho que é uma definição possível. – Uma definição nada ameaçadora, na minhacabeça.- Qual é a tua definição?Ela fazia sempre as perguntas erradas. Ou talvez exactamente as perguntas certas.Pelo menos as que eu não queria responder, de nenhuma maneira.- Achas que eu poderia ser assustador? – Perguntei-lhe, a tentar sorrir um bocado.Ela pensou sobre aquilo antes de me responder num tom sério. - Hum… acho quepoderias sê-lo, se assim desejasses.Eu também estava sério. – Agora, estás com medo de mim?Ela respondeu de uma só vez, agora sem pensar. - Não.Sorri mais facilmente. Eu não achava que ela estivesse a dizer completamente averdade, mas também não estava a mentir por completo. Pelo menos ela não estava commedo o suficiente para querer ir embora. Eu imaginava como é que ela iria reagir se eulhe dissesse que estava a ter esta discussão com um vampiro. Contraí os meus músculosinvoluntariamente ao imaginar a sua reacção.- Então vais agora falar-me sobre a tua família? Deve tratar-se de uma história muitomais interessante do que a minha.
  • 155. Mais assustadora, sem dúvida.- O que queres saber? - Perguntei cautelosamente.- Os Cullens adoptaram-te?-Sim.Ela hesitou, e depois falou em voz baixa. - O que aconteceu aos teus pais?Isto não era assim tão difícil, eu não estava a ter que lhe mentir. - Morreram há muitosanos.- Sinto muito. - Murmurou, claramente preocupada em ter-me magoado.Ela estava preocupada comigo.- De facto não me lembro deles assim tão nitidamente. – Garanti-lhe. – O Carlisle e aEsme já são meus pais há muito tempo.- E tu ama-los. - Deduziu.Eu sorri. - Sim. Não consigo imaginar duas pessoas melhores.- Tens muita sorte.- Eu sei que tenho. - Naquela circunstância, quanto aos meus pais, a minha sorte nãopodia ser negada.- E os teus irmãos?Se eu deixasse que ela me pressionasse em muitos mais detalhes, eu ia ter que mentir.Lancei um olhar ao relógio, desanimado pelo meu tempo com ela estar a acabar.- Os meus irmãos, assim como, a propósito, o Jasper e a Rosalie, vão ficar bastanteaborrecidos se tiverem de ficar à chuva à minha espera.- Oh, desculpa, suponho que tens de te ir embora.Ela não se mexeu. Ela também não queria que o nosso tempo terminasse. Eu gostavamuito, muito disso.- E tu deves querer a tua pick-up de volta antes que o chefe Swan chegue a casa, demodo a que não tenhas de lhe contar o incidente que se deu na aula de Biologia. - Eusorri com a memória dela envergonhada nos meus braços.- Tenho a certeza de que ele já soube. Não existem segredos em Forks. - Disse o nome
  • 156. da cidade com um desgosto distinto.Eu ri-me com as suas palavras. Não existem segredos, de facto. – Diverte-te na praia -Lancei um olhar para a chuva torrencial, sabendo que ela não ia durar muito, edesejando com mais força que o habitual que durasse. – Está bom tempo para tomarbanhos de sol. - Bem, pelo menos no sábado ia estar. Ela ia gostar disso.- Não nos vemos amanhã?A preocupação no seu tom de voz deixou-me feliz.- Não. Eu e o Emmett vamos começar o fim-de-semana mais cedo. - Agora eu estavadoido comigo mesmo por ter feito planos. Eu podia desmarcá-los… mas não havia nadamais importante do que caçar neste ponto, e a minha família já estava a ficarpreocupada o suficiente com o meu comportamento sem eu estar a mostrar o quãoobsessivo estava a ficar.- O que vão fazer? - Perguntou, não parecendo feliz com a minha revelação.Óptimo.- Vamos fazer caminhadas em Goat Rocks Wilderness, a Sul de Rainier. - O Emmettestava ansioso pela temporada de ursos.- Oh, bem, diverte-te. - Disse de forma apática. A sua falta de entusiasmo fez-me feliznovamente.Ao olhar para ela, comecei a sentir-me quase agoniado pelo pensamento de dizer umadeus temporário. Ela era tão delicada e vulnerável. Parecia imprudente deixá-la forada minha vista, onde qualquer coisa lhe podia acontecer. E ainda, as piores coisas quepoderiam acontecer com ela resultariam de estar a meu lado.- Fazes algo por mim este fim-de-semana? - Perguntei seriamente.Ela acenou com a cabeça, os seus olhos arregalados e desnorteados com a minhaintensidade.Manter isto leve.- Não fiques ofendida, mas pareces ser uma daquelas pessoas que atraem acidentescomo um íman, por isso… tenta não cair ao mar, ser atropelada ou algo do género, está
  • 157. bem?Sorri-lhe pesarosamente, esperando que ela conseguisse ver a tristeza nos meus olhos.Como eu desejava que ela não estivesse melhor longe de mim, independentemente doque lhe pudesse acontecer lá.Corre, Bella, corre. Eu amo-te demasiado, para o teu próprio bem ou para o meu.Ela ficou ofendida por ter gozado com ela. Olhou para mim. - Verei o que posso fazer –irritou-se, saindo para fora do carro e batendo a porta com tanta força quanto elapodia atrás dela.Como um gatinho zangado que pensa ser um tigre.Apertei a mão à volta da chave que tinha apanhado do bolso do casaco dela, e sorrienquanto conduzia para longe.7º Capitulo - MelodiaTive de esperar quando voltei para a escola. O último tempo ainda não tinha acabado.Isso era bom, porque tinha coisas a pensar sozinho.O cheiro dela ficou no carro. Eu deixei os vidros para cima, deixando que me atacasse,tentando-me habituar à intensa sensação de queimadura na minha garganta.Atracção.Foi uma coisa problemática de contemplar. Tantos aspectos, tantos significados eníveis. Não a mesma coisa que amor, mas inexplicavelmente próximo.Eu não fazia nenhuma ideia se a Bella se sentia atraída por mim. (Será que o seusilêncio mental se tornaria mais e mais frustrante até eu enlouquecer? Ou havia algumlimite ao qual eventualmente eu iria chegar?)Eu tentei comparar as suas respostas físicas a outras, como as da secretária e JessicaStanley, mas as comparações foram inconclusivas. Os mesmos sinais - alterações de
  • 158. frequência cardíaca e padrão trespiratório - tanto podiam ser medo ou choque ouansiedade como interesse. Parecia improvável que a Bella tivesse os mesmos tipos depensamentos que Jessica Stanley costumava ter. E além do mais, Bella sabia que haviaalguma coisa de errado comigo, mesmo não sabendo exactamente o que era. Ela tinhatocado na minha pele gelada, e depois tinha rapidamente recuado a sua do frio.Mas ainda assim… quando me lembrava daquelas fantasias que me costumavam causarrepulsa, eu lembrava-me com Bella no lugar de Jessica…Estava a respirar mais depressa, o fogo a subir e a descer pela minha garganta.E se fosse Bella a imaginar os meus braços à volta do seu corpo frágil? A sentir-me apuxá-la para mais perto contra o meu peito e depois a levar a minha mão ao queixodela? A passar a mão pelo seu cabelo até o afastar da sua cara corada? A traçar aforma dos seus lábios cheios com a ponta dos meus dedos? A inclinar-me para maisperto da cara dela, onde eu podia sentir a sua respiração na minha boca? A aproximar-me mais…Mas aí eu afastei-me do sonho, por que sabia, tal como sabia quando Jessica imaginavaaquelas coisas, o que iria acontecer se eu me aproximasse demasiado dela.Atracção era um dilema impossível, porque eu já estava demasiado atraído por Bella dapior maneira.Eu queria que Bella estivesse atraída por mim, como uma mulher por um homem?Essa era a pergunta errada. A pergunta certa era se eu devia querer que Bella sesentisse atraída por mim dessa maneira, e a resposta era não. Porque eu não era umhomem humano, e isso não seria justo para ela.Com cada fibra do meu ser, eu desejava ser um homem normal, para a poder segurarnos meus braços sem arriscar a sua vida. Para que eu pudesse ser livre para realizar asminhas próprias fantasias, fantasias que não acabavam com o sangue dela nas minhasmãos, o sangue dela a brilhar nos meus olhos.A minha busca por ela era indesculpável. Que tipo de relacionamento poderia oferecer-lhe, quando nem me podia arriscar a tocar-lhe?
  • 159. Encostei a cabeça entre as minhas mãos.Era tudo ainda mais confuso porque eu nunca me tinha sentido tão humano em toda aminha vida, nem sequer quando era humano, pelo que me lembrava. Quando eu erahumano, os meus pensamentos estavam todos voltados em tornar-me num gloriososoldado. A Grande Guerra tinha-se intensificado durante a maior parte da minhaadolescência, faltavam apenas nove meses para o meu 18º aniversário quando a gripeespanhola me atingiu… Eu tinha apenas vagas impressões dos anos humanos, memóriasobscuras que se apagavam a cada década que se passava. Eu lembrava-me maisclaramente da minha mãe, e sentia uma dor antiga quando pensava no seu rosto. Eulembrava-me vagamente do quanto ela tinha odiado o futuro que eu tinha escolhidoseguir, a rezar todas as noites quando dizia as graças ao jantar para que aquela guerrahorrenda terminasse… Eu não tinha memórias de outro tipo de anseio. Além do amor daminha mãe, não havia outro amor que me tivesse feito desejar ficar…Isto era inteiramente novo para mim. Eu não tinha nada como referência, nenhum tipode comparação para fazer.O amor que eu sentia por Bella apareceu de forma pura, mas agora as águas estavamturvas. Eu queria bastante ser capaz de lhe tocar. Será que ela se sentia da mesmamaneira?Isso não importava, tentei-me convencer.Olhei para as minhas mãos brancas, a odiar a sua dureza, a sua frieza, a sua forçasobre-humana…Saltei quando a porta de passageiro se abriu.Ah! Apanhei-te de surpresa. Isso é novidade. Foi o pensamento de Emmett enquantodeslizava para o banco. - Eu aposto que a Sra. Goff pensa que te andas a drogar, tensandado muito distraído ultimamente. Onde é que estiveste hoje?- Estive… a fazer boas acções.Huh?Eu ri-me. – A cuidar dos doentes, esse tipo de coisas.
  • 160. Isso confundiu-o ainda mais, mas inalou e sentiu a essência no carro.- Oh. A rapariga outra vez?Eu sorri.Isto está a ficar estranho.- A quem o dizes. - Murmurei.Inalou novamente. - Hum, ela até tem um cheiro bem agradável, não tem?Um rosnado passou pelos meus lábios antes que as suas palavras fossem sequerregistadas, uma resposta automática.- Calma, miúdo, só estou a dizer.Os outros chegaram. A Rosalie reparou imediatamente na essência e olhou para mim,com a sua irritação ainda não ultrapassada. Perguntei-me qual seria o problema dela,mas tudo o que eu conseguia ouvir eram insultos.Também não gostei da reacção de Jasper. Tal como Emmett, ele reparou no apelo deBella.Não que o odor tivesse, para eles, um milésimo da força que tinha para mim. Ainda meaborrecia que o sangue dela fosse doce para eles. O Jasper tinha um fraco controlo…A Alice foi para o meu lado do carro e estendeu a mão, à espera das chaves da carrinhade Bella.- Eu apenas vi que ia. – Disse, de forma obscura, como era hábito. - Vais ter que meexplicar os porquês.- Isto não significa…- Eu sei, eu sei. Eu fico à espera. Não vai demorar muito.Eu suspirei e entreguei-lhe as chaves.Eu segui-a até a casa de Bella. A chuva estava a cair como um milhão de pequenosmartelos, tão alto que talvez os ouvidos de Bella não conseguissem ouvir o trovão domotor da sua carrinha. Eu olhei para a janela, mas ela não foi espreitar. Talvez ela nãoestivesse lá. Não havia nenhum pensamento para ser ouvido.Deixava-me triste não poder ouvir o suficiente para poder ver como é que ela estava,
  • 161. para ter a certeza de que ela estava feliz, ou segura, pelo menos.A Alice entrou no carro e voltámos para casa. As estradas estavam vazias, por isso sódemorámos alguns minutos. Entrámos em casa, e depois fomos para os nossos váriospassatempos.O Emmett e o Jasper estavam a meio de um elaborado jogo de xadrez, a utilizar oitotabuleiros interligados, espalhados ao longo da parede de vidro da parte de trás, e comos seus próprios conjuntos de regras complicadas. Eles não me deixavam jogar, só aAlice é que ainda jogava alguma coisa comigo.A Alice foi para o seu computador que ficava próximo deles e consegui ouvir o monitora ligar-se. Alice estava a trabalhar num projecto de moda para o guarda-roupa daRosalie, mas a Rosalie não a acompanhou hoje. Não ficou atrás dela a dirigir os cortes eas cores enquanto as mãos da Alice desenhavam sobre as telas sensíveis ao toque (OCarlisle e eu tivemos que adaptar um bocado o sistema, dado que aqueles ecrãsrespondiam à temperatura). Em vez disso, hoje a Rosalie esticou-se no sofá e começoua passar por 20 canais por segundo, sem parar. Eu consegui ouvi-la a tentar decidir seia ou não à garagem para ajustar o seu BMW outra vez.Esme estava lá em cima, a cantarolar enquanto via um novo conjunto de plantas deconstrução.A Alice inclinou a cabeça depois de um momento e começou a mexer os lábios com aspróximas jogadas de Emmett, o Emmett estava sentado no chão de costas para ela,para Jasper, que manteve a sua expressão bastante calma enquanto derrubava ocavaleiro preferido de Emmett.E eu, pela primeira vez em tanto tempo que me sentia envergonhado, fui-me sentar aoextraordinário piano de cauda localizado próximo da entrada.Passei as mãos pelas escalas, testando as notas. A afinação ainda estava perfeita.Lá em cima, a Esme parou o que estava a fazer e inclinou a cabeça para o lado.Comecei a primeira linha da melodia que me tinha surgido hoje no carro, satisfeito por
  • 162. soar melhor do que eu imaginava.O Edward está a tocar outra vez, pensou Esme com alegria, um sorriso apareceu no seurosto. Ela levantou-se da secretária, e moveu-se rapidamente para o topo das escadas.Acrescentei uma linha harmoniosa, deixando a melodia central fluir.A Esme suspirou com contentamento, sentando-se no topo das escadas, e a inclinar acabeça contra o corrimão. Uma música nova. Já passou tanto tempo. Que melodiaencantadora.Deixei que a melodia seguisse numa nova direcção, seguindo a linha de base.O Edward está a compor outra vez? Pensou Rosalie, e os seus dentes cerraram-se comum ressentimento feroz.Nesse momento, ela fez um deslize, e eu consegui ler tudo o que ela estava a esconder.Vi por que é que ela estava tão enraivecida comigo. Por que é que matar a Isabella Swannão a incomodaria de qualquer forma.Com a Rosalie, era tudo sobre vaidade.A música parou abruptamente, e eu ri-me antes de me conseguir conter, um grunhidoagudo de divertimento que foi interrompido rapidamente quando tapei a boca com amão.A Rosalie fulminou-me com um olhar, os seus olhos brilharam com uma fúria aflita.Emmett e Jasper viraram-se para olhar também, e eu ouvi a confusão de Esme. Esmedesceu num instante, parando para olhar para mim e para a Rosalie.- Não pares, Edward. – Encorajou-me Esme depois de um momento tenso.Comecei a tocar novamente, virando-me de costas para Rosalie enquanto tentava deforma árdua controlar o sorriso que se abria no meu rosto. Ela levantou-se e andou apassos largos para fora da sala, mais zangada do que envergonhada. Mas de certeza umbocado envergonhada.Se disseres alguma coisa eu vou-te caçar como um cão.Eu disfarcei outro riso.
  • 163. - O que é que se passa, Rose? – Chamou-a Emmett. A Rosalie não se virou. Ela continuou,dirigindo-se para a garagem e depois enfiou-se debaixo do carro como se se pudesseenterrar ali.- O que é que aconteceu? – Perguntou-me Emmett.- Não faço a mínima ideia. - Menti.O Emmett rosnou, frustrado.- Continua a tocar. - Pediu Esme. As minhas mãos tinham parado outra vez.Fiz o que ela pediu, e depois veio para trás de mim, pondo as mãos sobre os meusombros.A música estava a ganhar forma, mas estava incompleta. Brinquei um bocado com asteclas, mas não parecia bem de alguma forma.- É encantadora. Tem nome? – Perguntou Esme.- Ainda não.- Tem alguma história? - Perguntou, com um sorriso na sua voz. Isto dava-lhe um prazertão grande, que eu me senti culpado por ter negligenciado a minha música por tantotempo. Tinha sido egoísta.- É… uma canção de embalar, acho eu. – E então acertei na nota. Estava a guiar-se maisfacilmente para o próximo movimento, ganhando vida própria.- Uma canção de embalar. - Repetiu para si mesma.Havia uma história para esta melodia, e logo que a vi, as partes encaixaram-se semnenhum esforço. A história era sobre uma rapariga adormecida numa cama estreita,cabelo negro e grosso embaraçado como algas marinhas na almofada…A Alice deixou o Jasper com as suas próprias artimanhas e veio-se sentar ao pé de mimno banco. Na sua vibração, na sua voz harmoniosa como o vento, ela traçou uma segundavoz sem letra dois oitavos abaixo da melodia.- Eu gostei. – Murmurei. - Mas que tal isto?Adicionei a sua linha à harmonia, agora as minhas mãos estavam a voar pelas teclas parajuntar todas as partes, modificando um bocado e tomando uma nova direcção…
  • 164. Ela percebeu o sentido, e cantou ao longo da música.- Sim. Perfeito. – Disse-lhe.A Esme apertou-me o ombro.Mas agora eu conseguia ver o final, com a voz de Alice a erguer-se sob o tom e a levá-lapara uma direcção diferente. Eu conseguia ver como é que a música devia acabar, porque a rapariga adormecida estava perfeita da maneira que estava. Qualquer mudançaseria errada, uma tristeza. A música flutuou em direcção a essa realização, maisdevagar e mais baixa agora. A voz de Alice também ficou mais baixa, e tornou-sesolene, um tom que pertencia aos arcos cheios de eco numa catedral antiga iluminadapor velas.A Esme passou a mão no meu cabelo. Vai correr tudo bem, Edward. Isto vai resolver-sepelo melhor… Tu mereces felicidade, meu filho. O destino deve-te isso.- Obrigado. - Suspirei, desejando acreditar naquilo.O amor nem sempre vem em pacotes convenientes.Ri-me uma vez sem humor.Tu, melhor do que qualquer pessoa neste planeta, és o mais bem equipado para lidar comum dilema deste tipo. Tu és o melhor, o mais brilhante de todos nós.Eu suspirei. Todas as mães pensam o mesmo do seu filho.Esme ainda estava cheia de alegria pelo meu coração ter sido tocado depois destetempo todo, sem se importar com a potencial tragédia. Ela tinha pensado que eu iriaficar sozinho para sempre.Ela vai ter que retribuir o teu amor. Pensou de repente, apanhando-me de surpresa coma direcção dos seus pensamentos. Se ela é uma rapariga esperta. Sorriu. Mas nãoconsigo imaginar alguém a ser tão lento que não consiga ver o bom partido que és.- Pára mãe, estás-me a fazer corar. - Brinquei. As suas palavras, mesmo improváveis,animaram-me.A Alice riu-se e fez um acústico da “Heart and Soul”. Eu sorri e completei a melodiacom ela. E depois, toquei-lhe uma performance de “Chopsticks”.
  • 165. Ela riu-se, e depois suspirou. - Gostava que me contasses por que é que te estavas a rirda Rose. - Disse Alice. – Mas consigo ver que não vais.- Nop.Ela puxou-me a orelha.- Sê simpática, Alice. – Repreendeu Esme. – O Edward está a ser um cavalheiro.- Mas eu quero saber.Eu ri-me do tom implorativo que ela usou. Depois disse, - Aqui, Esme. - e comecei atocar a sua musica favorita, um tributo sem nome ao amor que assisti entre ela eCarlisle durante tanto tempo.- Obrigada, querido. - E apertou o meu ombro de novo.Eu não tinha que me concentrar para tocar a peça familiar. Em vez disso, pensei naRosalie, ainda a ranger os dentes de mortificação, na garagem, e ri-me para mimmesmo.Tendo descoberto só recentemente o potencial do ciúme por mim mesmo, eu senti umbocado de pena. Era algo infeliz de se sentir. Claro, o ciúme dela era milhares de vezesmais fútil que o meu.Perguntei-me como teria sido diferente a vida e personalidade de Rosalie se ela nãotivesse sido sempre a mais bonita. Teria sido mais feliz, se a beleza não fosse sempre oseu ponto forte? Menos egocêntrica? Mais compassiva? Bem, eu supus que era inútilperguntar-me, porque o passado já se foi, e ela foi sempre a mais bonita. Mesmoenquanto humana, ela viveu sempre sob a luz do holofote da sua própria doçura. Nãoque se importasse. O oposto, ela adorava admiração mais do que tudo no mundo. Issonão mudou com a perda da sua mortalidade.Portanto não era surpreendente, dada aquela necessidade, que ela tenha ficadoofendida quando eu não idolatrei a sua beleza desde o princípio da maneira que elaesperava que todos os machos idolatrassem. Não que ela me quisesse de algumamaneira, longe disso. Mas irritou-a que eu não a quisesse. Ela estava habituada a que aquisessem.
  • 166. Era diferente com Jasper e Carlisle, os dois já estavam apaixonados. Eu eracompletamente livre, e ainda assim continuei firme.Eu pensei que o antigo ressentimento tivesse sido enterrado. Que ela tivesse superadoisso.E tinha… até ao dia em que eu finalmente encontrei alguém cuja beleza me tocou deuma maneira que a dela não.A Rosalie tinha-se apoiado na crença de que se eu não tinha achado a beleza dela dignade idolatria, então certamente não existia beleza na terra que me iria alcançar. Ela temestado furiosa desde que eu salvei a vida de Bella, adivinhando, com a sua intuiçãofeminina, o facto de que eu estava tudo menos fora de controlo.A Rosalie estava mortalmente ofendida por eu ter achado uma insignificante raparigahumana mais bonita que ela.Eu aguentei a vontade de me rir outra vez.Mas isso incomodou-me um bocado, a maneira que ela via Bella. A Rosalie pensavamesmo que a rapariga era comum. Como é que ela podia acreditar nisso? Pareciaincompreensível para mim. Um produto de inveja, sem dúvida.- Oh! – Disse Alice de repente. - Jasper, adivinha!Vi o que ela tinha visto e as minhas mãos congelaram.- O quê, Alice? – Perguntou Jasper.- O Peter e Charlotte vêm-nos visitar na próxima semana! Eles estarão na vizinhança,não é óptimo?- O que é que se passa, Edward? - Perguntou Esme, sentindo a tensão dos meus ombros.- O Peter e a Charlotte vêm a Forks? – Perguntei por baixo da minha respiração a Alice.Ela revirou os olhos. – Acalma-te, Edward, não é a primeira visita deles.Os meus dentes cerraram-se. Era a primeira visita desde que Bella tinha chegado, e oseu sangue doce não era apelativo apenas para mim.A Alice olhou para mim com ar reprovador quando viu a minha expressão. - Eles nuncacaçam aqui. Tu sabes disso.
  • 167. Mas o quase irmão de Jasper e a pequena mulher não eram como nós, eles caçavam damaneira normal. Não podia confiar neles à volta de Bella.- Quando? - Perguntei.Ela pressionou os lábios, infeliz. Mas disse-me o que eu precisava de saber. Segunda demanhã. Ninguém vai magoar a Bella.- Não. - Concordei, e depois afastei-me dela. - Pronto, Emmett?- Não íamos partir pela manhã?- Vamos voltar por volta da meia-noite de domingo. A escolha é tua sobre a hora departida.- Ok, está bem. Deixa-me despedir da Rose primeiro.- Claro. – Com o humor de Rosalie, ia ser uma despedida curta.Tu realmente enlouqueceste, Edward, pensou enquanto se encaminhava para a porta dosfundos.- Suponho que sim.- Toca a música nova para mim, mais uma vez. - Pediu Esme.- Se quiseres. - Concordei, mas estava um bocado hesitante em seguir a música até aoseu fim inevitável, o fim que continuava a magoar lentamente de maneiras nãofamiliares. Pensei por um momento, e depois tirei a tampa do meu bolso e coloquei nosuporte da partitura vazio. Aquilo ajudou um bocado, a minha pequena memória do simdela.Acenei para mim mesmo e comecei a tocar.A Esme e Alice entreolharam-se, mas nenhuma das duas perguntou.- Nunca te ensinaram a não brincar com a comida? – Perguntei a Emmett.- Oh, hei Edward! – Gritou como resposta, a sorrir e a acenar-me. O urso ficou com
  • 168. vantagem, aproveitando-se da sua distracção para avançar com as suas garras pesadaspara o peito de Emmett.As garras afiadas rasgaram a sua camisa, a fizeram um barulho estridente quandotocaram na pele dele.O urso urrou por culpa da intensidade do barulho.Ah, que inferno. A Rose deu-me esta camisa!Emmett rugiu ao animal enraivecido.Eu suspirei e sentei-me numa rocha conveniente. Isto provavelmente ia levar algumtempo.Mas Emmett já estava quase a terminar. Ele deixou que o urso lhe tentasse arrancar acabeça com outro golpe das patas, e riu-se quando ele falhou. O urso rosnou e Emmettrosnou-lhe a meio de uma risada. E aí, lançou-se para cima do animal, que estava maisalto que ele, apoiado nas patas traseiras. E os seus corpos caíram no chão, um sobre ooutro, levando um pinheiro adulto com eles. Os rosnados do urso calaram-se com umengasgo.Uns minutos depois, Emmett dirigiu-se para o lugar onde eu estava à espera dele. A suacamisa estava destruída. Rasgada e ensanguentada, pegajosa por causa da seiva, ecoberta de pêlos do urso. O cabelo escuro, curto e encaracolado não estava em melhorestado. Ele tinha um sorriso enorme no rosto.- Este era um dos fortes. Eu quase consegui sentir quando ele me arranhou.- És tão criança, Emmett.Ele olhou para a minha camisa branca, lisa e limpa. - Então não conseguiste apanhar oleão da montanha?- Claro que consegui. Eu simplesmente não como que nem um selvagem.Emmett soltou uma gargalhada estrondosa. - Adorava que fossem mais fortes, seriamais divertido.- Ninguém disse que tinhas de lutar com a tua comida.- Pois, mas com quem mais é que vou lutar? Tu e a Alice fazem batota, A Rose nunca
  • 169. quer despentear o cabelo e a Esme fica chateada se eu e o Jasper lutamos a sério.- A vida é difícil, não é?O Emmett sorriu, pondo-se numa posição pronta para atacar.- Anda lá, Edward. Desliga isso por um minuto e luta justamente.- Não se desliga. – Lembrei-o.- Pergunto-me o que será que aquela humana faz para te deixar de fora - MeditouEmmett. - Talvez ela me possa dar umas dicas.O meu bom humor desapareceu. – Afasta-te dela. - Rosnei entre dentes.- Sensível. Sensível.Suspirei. O Emmett veio sentar-se ao meu lado na rocha.- Desculpa. Eu sei que estás a passar por uma coisa difícil. E eu estou a tentar não sermuito um insensível idiota, mas, já que esse é o meu estado normal…Ele ficou à espera que eu me risse da sua piada, e depois a sua expressão mudou.Tão sério o tempo todo. O que é que te está a incomodar agora?- Pensar nela. Bem, na realidade, preocupar-me com ela.- O que é que há para te preocupares? Tu estás aqui. – Riu-se alto.Eu ignorei a piada novamente, mas respondi à pergunta. – Já pensaste no quanto elestodos são frágeis? Em quantas coisas más que existem que podem acontecer a ummortal?- Nem por isso. Mas suponho que sei o que queres dizer. Eu não fui um grande desafiopara um urso daquela primeira vez, não foi?-Ursos. - Murmurei, adicionando um novo medo para a minha lista. – Isso seria mesmo asorte dela, não seria? Um urso perdido na cidade. E é claro que iria direito para a Bella.O Emmett riu-se. – Tu pareces um maluco a falar, sabes disso, certo?- Apenas imagina por um minuto que a Rosalie é humana, Emmett. E que podia dar decaras com um urso… ou ser atingida por um carro… ou por um raio… ou cair dasescadas… ou ficar doente, apanhar uma doença grave! - As palavras saiam de mim comouma tormenta. Era um alívio deixá-las sair. Tinham-me sufocado o fim-de-semana
  • 170. inteiro. - Incêndios e terramotos e tornados! Ugh! Quando é que foi a última vez queviste as notícias? Já viste o tipo de coisas que lhes acontecem? Assaltos e homicídios…- Os meus dentes cerraram-se, e eu estava tão furioso com a ideia de outro humano amagoar que mal podia respirar.- Hei, hei! Aguenta aí, miúdo. Ela vive em Forks, lembras-te? Só vai apanhar uma chuva.- Disse a encolher os ombros.- Eu acho que ela tem um sério problema de má sorte, Emmett. Vê a prova. De todos oslugares no mundo que ela podia ir, ela acaba numa cidade onde os vampiros são umaparte significativa da população.- Sim, mas nós somos vegetarianos. Portanto isso não é uma boa sorte em vez de má?- Da maneira que ela cheira? Definitivamente má. E ainda pior, da maneira que eu acheiro. - Olhei para as minhas mãos, odiando-as novamente.- Excepto pelo facto de que tu tens mais auto-controlo do que qualquer um além deCarlisle. Boa sorte outra vez.- A carrinha?- Isso foi apenas um acidente.- Tu devias ter visto a carrinha a ir na direcção, Emmett, uma e outra vez. Juro-te, écomo se ela tivesse algum tipo de atracção magnética.- Mas tu estavas lá. Isso foi boa sorte.- Foi? Não é a pior sorte que um humano pode ter? Um vampiro a apaixonar-se por ela?O Emmett considerou aquilo em silêncio por um momento. Ele viu a rapariga na suamente, e achou a imagem pouco interessante. Honestamente, eu não consigo perceber oque vês nela.- Bem, eu também não vejo nenhum brilho na Rosalie. - Disse rudemente. -Sinceramente, ela parece dar demasiado trabalho apenas para uma cara bonita.O Emmett riu-se. – Suponho que não me vais dizer…- Eu não sei qual é o problema dela Emmett. - Menti, com um súbito e largo sorriso.Vi a sua intenção a tempo de me proteger. Ele tentou empurrar-me da rocha, e houve
  • 171. um som alto de rachadura quando uma fissura se abriu na rocha entre nós.- Batoteiro. - Murmurou.Fiquei à espera que ele tentasse outra vez, mas os seus pensamentos tomaram outradirecção.Ele estava a imaginar a cara de Bella outra vez, mas a imaginá-la mais pálida, a imaginaros olhos dela, vermelhos brilhantes…- Não. - Eu disse, a minha voz estava sufocada.- Isso resolve as tuas preocupações em relação à mortalidade, não é? E assim tu nãoirias querer matá-la. Não será essa a melhor maneira?- Para mim, ou para ela?- Para ti. - Respondeu facilmente. O seu tom adicionava o obviamente.Dei uma gargalhada com humor. - Resposta errada.- Eu não me importei muito. – Lembrou-me.- A Rosalie importou-se.Ele suspirou. Ambos sabíamos que Rosalie faria qualquer coisa, desistiria de qualquercoisa para se tornar humana outra vez. Até mesmo de Emmett.- Sim, a Rose importou-se. - Disse calmamente.- Eu não posso… não devo… Eu não vou arruinar a vida de Bella. Não sentirias o mesmose fosse com a Rosalie?Emmett pensou naquilo por um momento. Tu realmente… ama-la?- Eu nem sequer consigo descrever, Emmett, de repente, esta rapariga tornou-se omundo inteiro para mim. Já não consigo ver o resto do mundo sem ela.Mas não a vais transformar? Ela não vai durar para sempre Edward.- Eu sei isso. - Vociferei.E, como tu mesmo disseste, ela é um tanto ou quanto frágil.- Acredita, eu também sei isso.Emmett não era uma pessoa de muito tacto, e discussões delicadas não eram o seuforte. Ele estava a esforçar-se agora, a tentar não ofender.
  • 172. Consegues sequer tocá-la? Quer dizer, se tu a amas… não gostarias de… bem, tocar-lhe…?O Emmett e a Rosalie partilhavam um intenso amor físico. Ele teve dificuldades paraentender com é que alguém poderia amar sem aquele aspecto.Eu suspirei. - Eu nem sequer posso pensar nisso, Emmett.Wow, então quais é que são as tuas opções?- Eu não sei. - Sussurrei. – Estou a tentar descobrir uma maneira de… de a deixar. Maseu simplesmente não sei como me manter afastado dela…Com um profundo sentimento de satisfação, subitamente apercebi-me que era certoficar. Pelo menos por agora, com Peter e Charlotte a caminho. Ela estava mais seguracomigo aqui, temporariamente, do que estaria se eu me afastasse. Por agora, eu podiaser o seu improvável protector.A ideia deixou-me ansioso. Eu estava impaciente para voltar e cumprir aquele papel portanto tempo quanto fosse possível.Emmett notou a mudança na minha expressão. No que é que estás a pensar?- Neste momento, - Admiti timidamente. – Estou a morrer de vontade para voltar aForks e ver como é que ela está. Eu não sei se aguento até domingo à noite.- Não, não! Tu não vais voltar para casa mais cedo. Deixa a Rosalie acalmar-se umbocado. Por favor! Pelo meu bem.- Vou tentar ficar. - Disse sem muita certeza.O Emmett tocou no telemóvel que estava no meu bolso. – A Alice iria ligar se houvessealgum fundamento para o teu ataque de pânico. Ela é tão esquisita sobre esta raparigaquanto tu.Sorri com aquilo. - Óptimo. Mas não fico até depois de domingo.- Não tens razão para te apressares por voltar, vai estar sol, e a Alice disse queestamos livres da escola até quarta-feira.Eu abanei a cabeça rigidamente.- O Peter e Charlotte sabem comportar-se.
  • 173. - Eu sinceramente não quero saber, Emmett. Com a sorte da Bella, ela vai acabar pordeambular até a floresta exactamente no momento errado e… - Encolhi-me com opensamento. - O Peter não é conhecido pelo seu auto-controlo. Vou voltar no domingo.O Emmett suspirou. Tal e qual um maluco.Bella estava a dormir tranquilamente quando escalei até à janela do seu quarto namanhã de segunda-feira. Desta vez lembrei-me do óleo, e a janela agora saíasilenciosamente do meu caminho.Eu conseguia perceber pela forma como o cabelo dela repousava suavemente naalmofada, que ela teve uma noite menos agitada do que da última vez que eu estive aqui.Tinha as mãos juntas debaixo das suas bochechas como uma criança pequena, e a suaboca estava ligeiramente aberta. Conseguia ouvir a sua respiração a entrar e a sairsuavemente entre os seus lábios.Era um tremendo alívio estar aqui, poder vê-la novamente. Percebi que eu não iria ficarcalmo até que isso acontecesse. Nada estava certo quando eu estava longe dela.Não que estivesse tudo certo quando eu estava com ela, mesmo assim. Eu suspirei,deixando que a sede ardente me incendiasse a garganta. Estive longe disto pordemasiado tempo. O tempo passado longe da dor e da tentação agora tornou isto maisdifícil. Era mau o suficiente eu ter medo de me ajoelhar ao lado da sua cama para poderler os títulos dos livros dela. Eu queria saber quais eram as histórias na sua cabeça, maseu receava algo mais do que a minha sede, receava que se me deixasse aproximar tantodela, eu ia querer ainda mais…Os seus lábios pareciam bastante suaves e quentes. Eu imaginei tocá-los com a pontados meus dedos. Só levemente…Aquele era exactamente o tipo de erro que eu devia evitar cometer.Os meus olhos percorriam a cara dela várias vezes, a examinar qualquer mudança. Os
  • 174. mortais estavam sempre a mudar. Entristecia-me a ideia de poder perder qualquerdetalhe.Achei que ela parecia… cansada. Como se não tivesse dormido o suficiente este fim-de-semana.Será que ela tinha saído?Ri-me silenciosamente e sem humor do quanto aquela ideia me chateou. E então se elativesse saído? Eu não era o dono dela. Ela não era minha.Não, ela não era minha. E eu estava triste novamente.Uma das suas mãos virou-se e eu reparei que tinha arranhões superficiais e nãocicatrizados na base da sua palma. Ela tinha-se magoado? Apesar de não ser umferimento grave, aquilo ainda me incomodava. Considerei o local, e cheguei à conclusãoque ela devia ter tropeçado. Parecia uma explicação razoável, considerando as coisastodas.Era confortante pensar que eu não ia ficar a pensar nestes quebra-cabeças, nestesmistérios para sempre. Agora nós éramos amigos, ou, pelo menos, tentávamos seramigos. Eu podia-lhe perguntar sobre o seu fim-de-semana, sobre a praia, ou qualqueroutra actividade nocturna que a tivesse feito parecer tão cansada. Eu podia-lheperguntar o que é que tinha acontecido às mãos dela. E eu poder-me-ia rir um bocadoquando ela confirmasse a minha teoria sobre o assunto.Sorri gentilmente enquanto pensava se ela tinha ou não mergulhado no oceano. Eupreocupava-me em saber se ela se tinha divertido no passeio. Perguntava-me se elatinha pensado em mim, nalgum momento. Se ela tinha sentido a minha falta, mesmo quefosse uma mínima fracção de toda a falta que eu senti dela.Tentei imaginá-la na praia, ao sol. Mas a imagem estava incompleta, porque eu nuncatinha estado numa praia. Eu apenas sabia como parecia pelas fotos…Senti-me um bocado desconfortável quando pensei no porquê de nunca ter estado napraia localizada só a alguns minutos de casa. A Bella tinha passado o dia em La Push, umlugar proibido, por tratado, para nós irmos. Era um lugar onde alguns homens antigos
  • 175. ainda se lembravam das histórias sobre os Cullens, lembravam-se e acreditavam nelas.Um lugar onde o nosso segredo era conhecido…Abanei a cabeça. Não tinha que me preocupar com nada de lá. Os Quileutes tambémeram ligados ao acordo. Mesmo se a Bella tivesse passado por um dos anciãos, eles nãopodiam revelar nada. E por que motivo é que haviam de falar do assunto? Por que é queBella havia de escolher falar das suas curiosidades ali? Não, os Quileutes eramprovavelmente a única coisa com a qual eu não tinha de me preocupar.Fiquei zangado com o sol quando começou a nascer. Lembrou-me que eu não ia podersatisfazer a minha curiosidade nos próximos dias. Por que é que é que o sol tinhaescolhido brilhar agora?Com um suspiro, saltei pela janela dela antes que estivesse luz o suficiente para quealguém me pudesse ver aqui. Tinha intenção de ficar na floresta ao pé da sua casa e vê-la a sair para a escola, mas quando cheguei às árvores, fiquei surpreendido ao sentir oseu cheiro no trilho.Segui-o rapidamente, curiosamente, ficando cada vez mais preocupado enquanto seguiamais profundamente na escuridão. O que é que Bella tinha estado aqui a fazer?O trilho parou abruptamente, no meio de nada em particular. Ela só tinha saído algunspassos do caminho, até aos fetos, onde se encostou num tronco de árvore. Talvez setenha sentado ali…Sentei-me no mesmo lugar que ela, e olhei à volta. Tudo o que ela teria sido capaz dever era fetos e floresta. Provavelmente tinha chovido, o cheiro dela estava quase adesaparecer.Por que é que Bella se tinha vindo aqui sentar sozinha, e ela estava sozinha, sem dúvida,no meio desta floresta molhada e lamacenta?Não fazia sentido, e, ao contrário daqueles outros pontos de curiosidade, eu não podiaperguntar-lhe isto numa conversa casual.Então Bella, eu estive a seguir o teu cheiro pela floresta quando deixei o teu quarto,onde te estive a ver dormir… Sim, isso ia quebrar o gelo.
  • 176. Eu nunca ia saber o que é que ela esteve a fazer e a pensar aqui, e isso fez com que osmeus dentes se cerrassem com frustração. Pior, isto era muito parecido com o cenárioque eu imaginei para o Emmett: Bella a andar sozinha na floresta, onde o cheiro delapodia chamar qualquer um que tivesse sentidos para segui-lo…Eu gemi. Ela não tinha apenas má sorte, ela chamava a má sorte.Bem, por este momento ela tinha um protector. Eu ia tomar conta dela, evitar que elase magoasse, enquanto o pudesse justificar.De repente encontrei-me a desejar que Peter e Charlotte ficassem por mais tempo.8º Capitulo - FantasmaNão vi muitas vezes os convidados de Jasper durante os dois dias soalheiros em queeles estiveram em Forks. Eu só voltei para casa para que Esme não ficasse preocupada.De outra maneira, a minha existência parecia mais a de um fantasma do que a de umvampiro. Encontrei, invisível nas sombras, o lugar onde eu podia seguir o objecto do meuamor e obsessão, onde eu a podia ver e ouvir nas mentes dos humanos sortudos quepodiam caminhar através da luz do sol ao lado dela, algumas vezes a passar a palma damão dela nas deles acidentalmente. Ela nunca reagia aquele contacto, as mãos deleseram tão quentes quanto as mãos dela.A ausência forçada da escola nunca antes tinha sido um martírio como este. Mas o solparecia fazê-la feliz, portanto eu não podia ressentir muito isto. Qualquer coisa que aagradasse estava nas minhas boas graças.Segunda-feira de manhã, eu ouvi uma conversa que tinha o potencial de destruir aminha confiança e de fazer com que o tempo que eu passasse longe dela fosse umatortura. Mas, enquanto acabava, alegrou-me o dia.Eu tinha que sentir um pequeno respeito por Mike Newton. Ele não se tinhasimplesmente afastado para curar as feridas, nem desistido. Ele tinha mais coragem do
  • 177. que eu lhe tinha dado crédito. Ele ia tentar outra vez.Bella foi para a escola bastante cedo e, com a intenção de aproveitar o sol enquanto eledurava, sentou-se num dos bancos raramente usados enquanto estava à espera que acampainha tocasse. O cabelo dela apanhou o sol de formas inesperadas, dando-lhe umbrilho avermelhado que eu não tinha antecipado.Mike encontrou-a ali, e entusiasmou-se com a sua sorte.Era agonizante apenas ser capaz de assistir, impotente, protegido do brilho do solpelas sombras da floresta.Ela cumprimentou-o com entusiasmo suficiente para pô-lo eufórico, e a mim o contrário.Vês, ela gosta de mim. Ela não me sorria daquela maneira se não gostasse. Eu apostoque ela queria ir ao baile comigo. Pergunto-me o que é que havia de tão importante emSeattle…Ele deu conta da mudança no cabelo dela. – Nunca tinha reparado antes, mas o teucabelo tem reflexos ruivos.Eu arranquei acidentalmente a árvore jovem em que minha mão estava pousada quandoele agarrou numa madeixa do cabelo dela com os dedos.- Só ao sol. - Disse. Para minha grande e profunda satisfação, ela desviou-sesuavemente dele quando ele colocou a madeixa atrás da orelha dela.Mike precisou de um minuto para reconstruir a sua coragem, gastou algum tempo comoutra pequena conversa.Ela relembrou-o dum trabalho que todos tinham de entregar quarta-feira. Peloperceptível orgulho na sua cara, o dela já estava pronto. Ele tinha-se esquecidocompletamente, e isso ia diminuir drasticamente as suas horas livres.Bolas, trabalho estúpido.Finalmente ele chegou ao essencial, os meus dentes estavam tão cerrados queconseguiam pulverizar granito, mas mesmo assim, ele não conseguia fazer a perguntadefinitiva.- Ia perguntar-te se querias sair.
  • 178. - Ah! - Disse.Houve um breve silêncio.Ah? O que é que isso significa? Ela vai dizer que sim? Espera, eu acho que não lheperguntei realmente.- Bem, podíamos ir jantar ou algo do género… e eu podia trabalhar na dissertação maistarde.Idiota, isso também não foi uma pergunta.- Mike…A agonia e a fúria do meu ciúme eram tão poderosas quanto tinham sido na semanapassada. Eu parti outra árvore, ao tentar segurar-me nela. Eu queria tanto correratravés daquela rua, demasiado rápido para os olhos humanos, e agarrá-la, para aroubar do rapaz que eu odiava tanto que o podia matar, e gostar disso.Será que ela lhe ia dizer sim?- Acho que não seria a melhor das ideias.Eu respirei novamente. O meu corpo rígido relaxou.Seattle era apenas uma desculpa, afinal. Eu não devia ter perguntado. No que é que euestava a pensar? Aposto que é por causa daquela aberração, Cullen…- Porquê? - Perguntou agressivamente.- Julgo… - Ela hesitou. - E se alguma vez repetires o que eu estou a dizer neste precisomomento, eu terei todo o prazer em espancar-te até à morte.Eu ri-me a alto som da ameaça de morte a sair através dos seus lábios.- Mas acho que isso feriria os sentimentos da Jessica.- Da Jessica? - O quê? Mas… Ah. Ok. Acho… Então… Huh.Os pensamentos dele já não eram coerentes.- Sinceramente, Mike, tu és cego?Eu ecoei o sentimento dela. Ela não devia esperar que todos fossem tão perceptivoscomo ela, mas realmente este exemplo estava para além do óbvio. Com toda adificuldade que Mike teve para convidar Bella para sair, ele não imaginava que não seria
  • 179. tão difícil para Jessica? Devia ser o egoísmo que o fez ficar cego para os outros. EBella era tão não-egoísta, ela viu tudo.Jessica. Huh. Uau. Huh. – Ah. - Conseguiu dizer.Bella aproveitou a confusão dele para escapar.- Está na hora da aula e não posso voltar a atrasar-me.Mike tornou-se um ponto de vista não muito confiável a partir daí. Ele percebeu,enquanto a ideia sobre Jessica girava na sua cabeça, que ele gostava da ideia de ela oter achado atraente. Esse era o segundo lugar, não tão bom como se fosse Bella que sesentisse assim.Ela até é gira, acho eu. Corpo decente. É melhor um pássaro na mão…Ele foi desactivado então, com as novas fantasias que eram tão vulgares como aquelascom Bella, mas agora elas apenas irritavam em vez de enfurecerem. Quão pouco elemerecia qualquer rapariga, elas eram quase todas descartáveis para ele. Eu permanecilonge da sua cabeça depois daquilo.Quando ela estava fora de vista, eu encostei-me contra um tronco de uma enormeárvore e dancei de mente em mente, mantendo-a em vista, sempre agradecido quandoAngela Weber estava disponível para olhar para ela. Eu gostava que existisse umamaneira de agradecer à rapariga Weber por ser simplesmente uma boa pessoa. Fez-mesentir melhor que Bella tivesse uma amiga que valia a pena.Eu vi o rosto de Bella de todos e quaisquer ângulos que me davam, e eu consegui ver queela estava triste outra vez. Isso surpreendeu-me, eu pensei que o sol fosse suficientepara a manter a sorrir. Ao almoço, eu vi-a a espiar de vez em quando a mesa vazia dosCullen, e isso entusiasmou-me. Isso deu-me esperança. Talvez ela também sentisse aminha falta.Ela tinha planos para sair com as outras raparigas, e eu automaticamente planeei aminha própria vigilância, mas estes planos foram adiados quando Mike convidou aJessica para o encontro planeado para Bella.Então eu fui directamente para casa dela, dando rapidamente uma vista de olhos à
  • 180. floresta para ter certeza de que ninguém perigoso estava por perto. Eu sabia queJasper tinha avisado o seu outrora irmão para evitar a cidade, citando a minha loucuracomo explicação e aviso, mas eu não queria correr nenhum risco. Peter e Charlotte nãotinham intenção de ficar mal com a minha família, mas as intenções são coisas quemudam…Certo, eu estava a exagerar. Eu sabia disso.Como se ela soubesse que eu estava a vigiar, como se ela estivesse com pena da agoniaque eu sentia quando não a podia ver, Bella saiu para o jardim depois de uma longa horadentro de casa. Ela tinha um livro na mão e um cobertor debaixo do braço.Silenciosamente, subi para troncos mais altos da árvore para conseguir uma boa visãodo jardim.Ela estendeu o cobertor na relva húmida, e depois deitou-se de barriga para baixo ecomeçou a folhear as páginas do livro velho, como se tentasse encontrar o sítio certo.Eu li por cima do seu ombro.Ah, mais clássicos. Ela era uma fã de Austen.Ela leu rapidamente, cruzando e descruzando os calcanhares no ar. Eu estava a ver osraios de sol e o vento a brincar com o seu cabelo quando o seu corpo subitamente secontraiu, e a mão dela parou na página. Tudo que consegui ver foi que ela estava nocapítulo três, quando ela agarrou, irritada, uma quantidade grossa de folhas e aspassou.Eu vi de relance um título. O Parque de Mansfield. Ela estava a começar a ler uma novahistória, o livro era uma compilação de romances. Eu perguntei-me por que é que elateria mudado de romance tão abruptamente.Apenas alguns segundos depois, ela fechou o livro, irritada. Com a expressão zangada,ela empurrou o livro ao seu lado e virou-se para se deitar de costas. Ela inspirouprofundamente, como se se quisesse acalmar, arregaçou as mangas e fechou os olhos.Eu lembrava-me da história, mas não consegui pensar em nada ofensivo que a pudesseter chateado. Outro mistério. Suspirei.
  • 181. Ela ficou muito quieta, mexendo-se apenas uma vez para tirar o cabelo da cara.Espalhou-se à volta da sua cabeça. E depois ficou imóvel novamente.A sua respiração desacelerou. Depois de alguns longos minutos, os lábios delacomeçaram a mexer-se. A murmurar enquanto dormia.Impossível de resistir. Eu ouvi o mais longe que pude, captando vozes nas casaspróximas.Duas colheres de sopa de trigo… um copo de leite…Vamos lá! Encesta! Ah, vai lá!Vermelho, ou azul… ou talvez eu devesse vestir algo mais casual…Não havia ninguém por perto. Eu saltei para o chão, aterrando silenciosamente na pontados pés.Isto era muito errado, muito arriscado. Tinha sido tão superficial ao julgar Emmettpelos seus modos impulsivos e Jasper pela sua falta de disciplina. Agora era eu quemestava conscientemente a desprezar todas as regras, e isso fazia com que os lapsosdeles parecessem insignificantes. Eu costumava ser o responsável.Suspirei, mas rastejei em direcção ao sol, descuidado.Evitei olhar para mim mesmo à luz do sol. Era mau o suficiente que a minha pele fosseuma pedra e desumana à sombra, não queria olhar para Bella e para mim lado a lado àluz do sol. A diferença entre nós já era insuperável, dolorosa o suficiente sem ter essaimagem na minha cabeça.Mas eu não conseguia ignorar as faíscas de arco-íris que eram reflectidas pela peledela à medida que me aproximava. O meu queixo ficou rígido com a visão. Poderia eu serainda mais uma aberração? Imaginei o terror dela se abrisse agora os olhos…Comecei a recuar, mas ela murmurou outra vez, prendendo-me ali.- Mmm… Mmm.Nada inteligível. Bem, eu ia esperar um bocado.Cuidadosamente, eu agarrei no seu livro, estiquei o meu braço e sustive a respiraçãoenquanto estava perto dela, só por precaução. Comecei a respirar novamente quando
  • 182. estava a poucos metros de distância, e testei como é que o sol e o ar livre afectavam ocheiro dela. O calor parecia adocicar a fragrância. A minha garganta queimou comdesejo, o fogo era feroz outra vez porque tinha ficado longe dela por muito tempo.Passei um momento a controlar aquilo, e depois, enquanto me forçava a respirar pelonariz, deixei que o livro se abrisse nas minhas mãos. Ela tinha começado pelo primeirolivro… Virei rapidamente as páginas até o terceiro capítulo de Sensibilidade e BomSenso, e procurei por alguma coisa potencialmente ofensiva na prosa excessivamentedelicada de Austen.Quando os meus olhos pararam automaticamente no meu nome, o personagem EdwardFerrars estava a ser apresentado pela primeira vez, Bella falou de novo.- Mmm. Edward. - Suspirou.Desta vez não tive medo que ela tivesse acordado. A voz dela era baixa, só ummurmúrio melancólico. Não eram os gritos de medo que teriam sido se ela me visseagora.A alegria entrou em conflito com auto-desprezo. Pelo menos ela ainda sonhava comigo.- Edmund. Ah. Demasiado… parecido…Edmund?Ah! Ela não estava a sonhar comigo, percebi com raiva. O auto-desprezo voltou comforça. Ela estava a sonhar com personagens fictícias. Lá se foi meu convencimento.Guardei o livro e fui para o abrigo das sombras, onde pertencia.A tarde passou, e eu via, sentindo-me inútil outra vez, enquanto o sol descia lentamenteno céu e as sombras se espalhavam pelo jardim até ela. Eu queria empurrá-las paralonge, mas a escuridão era inevitável, as sombras tomaram-na. Quando a luzdesaparecia, a pele dela era demasiado pálida, quase fantasmagórica. O cabelo delaestava escuro outra vez, quase preto contra a sua cara.Era uma coisa assustadora de se ver, era como testemunhar as visões de Alice atornarem-se realidade. O batimento cardíaco forte e constante de Bella era a únicagarantia, o som que manteve este momento longe de ser um pesadelo.
  • 183. Fiquei aliviado quando o pai dela voltou para casa.Eu consegui ouvir um bocado da mente dele enquanto conduzia em direcção da casa. Umvaga irritação… no passado, alguma coisa do trabalho. Expectativa misturada com fome,presumi que estivesse ansioso para o jantar. Mas os pensamentos dele eram tãosilenciosos e contidos que não pude ter certeza se estava certo, só percebi uma partedeles.Perguntei-me como é que a mãe dela soaria, que combinação genética a tinha feito tãoúnica.Bella começou a acordar, contorcendo-se para se sentar quando os pneus do carro doseu pai cantaram contra o asfalto da estrada. Ela começou a olhar à sua volta,parecendo confusa com a inesperada escuridão. Por um breve momento, os olhos delapassaram nas sombras onde eu estava escondido, mas eles passaram rapidamente.- Charlie? - Perguntou em voz baixa, ainda a espreitar as árvores que rodeavam opequeno jardim.A porta do carro bateu com força, e ela olhou em direcção ao som. Colocou-serapidamente de pé e arrumou as suas coisas enquanto dava mais uma olhadela emdirecção às árvores.Eu fui para uma árvore mais próxima da janela de trás da pequena cozinha, e ouvi anoite deles. Era interessante comparar as palavras de Charlie aos seus pensamentosocultos. O seu amor e interesse pela sua única filha eram quase esmagadores, mas aindaassim as palavras dele eram sempre curtas e casuais. Na maior parte do tempo, elessentavam-se num silêncio amigável.Eu ouvi-a discutir os seus planos para a próxima noite em Port Angeles, e eu definia osmeus próprios planos enquanto ouvia. Jasper não tinha avisado Peter e Charlotte paraficarem afastados de Port Angeles. Apesar de eu saber que eles se tinham alimentadorecentemente e que não tinham qualquer intenção de caçar na vizinhança da nossa casa,eu ia olhar por ela, só por precaução. Afinal de contas, havia muitos outros da minhaespécie lá fora. E também, todos os perigos humanos que eu nunca tinha considerado
  • 184. antes.Eu ouvi a preocupação dela sobre deixar o pai a preparar o próprio jantar, e sorri aover a minha teoria provar-se. Sim, ela cuidava dele.E aí eu fui-me embora, sabendo que podia voltar quando ela estivesse a dormir.Eu não ia invadir a privacidade dela, a espreitar como um coscuvilheiro. Eu estava aquipara protecção dela, não para olhar para ela com malícia, da maneira que Mike Newtonfaria sem dúvida, se fosse ágil o suficiente para se mexer entre os troncos dasárvores, como eu era. Eu não a ia tratar assim.A minha casa estava vazia quando eu voltei, o que por mim estava óptimo. Eu não tinhasaudades da confusão ou dos pensamentos depreciativos, a questionar a minhasanidade. O Emmett deixou um recado preso à coluna do corrimão.Futebol no campo Rainier, vamos! Por favor?Eu encontrei uma caneta e rabisquei a palavra desculpa mais abaixo do seu pedido. Asequipas estavam mais equilibradas sem mim, de qualquer das maneiras.Eu saí para a mais curta das viagens de caça, contentando-me com a menor e mais gentildas criaturas que não tinha um gosto tão bom quanto os caçadores, e depois vestiroupas limpas antes de correr de regresso a Forks.Bella não dormiu bem esta noite. Agitou-se nos cobertores, a sua cara algumas vezespreocupada, algumas vezes triste. Perguntei-me que pesadelo a estaria a assombrar edepois percebi que apesar de tudo eu não queria saber mesmo.Quando ela falou, maioritariamente depreciava Forks numa voz abatida. Apenas umavez, quando ela suspirou as palavras “Volta” e quando a sua mão se esticou, um pedidomudo, eu tive a oportunidade de ter esperanças que ela estivesse a sonhar comigo.No dia de escola seguinte, o ÚLTIMO dia em que o sol me manteria prisioneiro, foipraticamente o mesmo que o anterior. Bella parecia ainda mais melancólica que ontem, eperguntei-me se ela tinha desistido dos seus planos, não parecia estar com disposiçãonecessária.Mas, sendo Bella, ela provavelmente ia colocar o divertimento das amigas acima do seu
  • 185. próprio.Ela hoje estava a usar uma blusa azul, e a cor realçava a pele dela perfeitamente,deixando-a como um creme fresco.A escola acabou e a Jessica concordou em ir buscar as outras raparigas. Angelatambém ia, e eu fiquei agradecido por isso.Fui para casa buscar o meu carro. Quando eu vi que Peter e Charlotte estavam lá,decidi dar uma hora de vantagem às raparigas. Nunca seria capaz de as seguir seconduzisse no limite de velocidade. Um pensamento horrível.Entrei pela cozinha, e acenei vagamente às saudações de Emmett e Esme enquantopassava por todos na sala e fui directamente para o piano.Argh, ele voltou. - Rosalie, claro.Ah, Edward. Odeio vê-lo a sofrer tanto. A alegria de Esme estava a começar a serdestruída pela preocupação. Ela devia estar preocupada. Esta história de amor que elatinha visualizado para mim estava a cada hora que passava mais perto da tragédia.Diverte-te em Port Angeles. - Pensou Alice alegremente. – Avisa-me quando eu tiverpermissão para falar com a Bella.Tu és patético. Não acredito que perdeste o jogo de ontem só para veres alguém adormir. – Resmungou Emmett.O Jasper não me prestou atenção, nem mesmo quando a música que eu estava a tocarficou um bocado mais tempestuosa do que eu pretendia. Era uma música antiga, com umtema familiar: impaciência. Jasper estava a despedir-se dos seus amigos, que meolhavam curiosamente.Que criatura estranha. - Pensou Charlotte, que tinha cabelo loiro claro e era do mesmotamanho que Alice. - E ele foi tão agradável da última vez que nos vimos.Os pensamentos de Peter estavam em sincronia com os dela, como era normalmente ocaso.Deve ser dos animais. A falta de sangue humano deixa-os doidos mais tarde ou maiscedo. – Concluiu ele. O seu cabelo era claro e quase tão longo quanto o dela. Eles eram
  • 186. muito parecidos, excepto o tamanho - ele era quase tão alto quanto Emmett - mas eramquase iguais na aparência e pensamento. Um par que combinava, tinha sempre pensado.Toda a gente menos Esme parou de pensar em mim um momento depois, e toquei notasmais baixas para que não chamasse à atenção.Não lhes prestei muita atenção durante um longo tempo, deixando que a música medistraísse da inquietude. Era difícil tirar a rapariga da minha cabeça. Só voltei a minhaatenção à conversa deles quando as despedidas ficaram mais finais.- Se vires a Maria outra vez – Estava Jasper a dizer, um bocado cauteloso. – Diz-lheque lhe desejo bem.Maria era a vampira que tinha criado Jasper e Peter, Jasper na segunda metade noséculo XIX, o Peter mais recentemente, por volta de 1940. Ela tinha procurado porJasper uma vez, quando estávamos em Calgary. Tinha sido uma visita agitada, tivemosque nos mudar imediatamente. Jasper tinha pedido com educação que ela mantivessedistância no futuro.- Não imagino que isso vá acontecer brevemente. – Disse Peter com um riso. Maria erainegavelmente perigosa e não havia muito amor entre ela e Peter. Jasper tinha sidosempre o favorito de Maria, ela considerava um mero detalhe que uma vez tivesseplaneado matá-lo. - Mas, se acontecer, certamente dir-lhe-ei.Então eles deram um aperto de mãos, preparando-se para partir. Eu deixei que a músicaque estava a tocar acabasse num fim pouco satisfatório, e levantei-me rapidamente.- Charlotte, Peter. - Disse, acenando.- Foi bom ver-te novamente, Edward. - Disse Charlotte de forma duvidosa. O Peterapenas acenou com a cabeça.Louco. - Protestou Emmett atrás de mim.Idiota. - Pensou Rosalie ao mesmo tempo.Pobre rapaz. - Esme.E Alice, num um tom repreensivo. - Eles vão directamente para Este, para Seattle.Nenhum lugar próximo de Port Angeles. Ela mostrou-me a prova nas suas visões.
  • 187. Eu fingi que não tinha visto nada daquilo. As minhas desculpas já eram superficiais osuficiente.Uma vez no meu carro, senti-me mais relaxado. O forte roncar do motor que a Rosalieme tinha arranjado, no ano passado quando estava de melhor humor, era tranquilizador.Era um alívio estar em movimento, ao saber que estava a ficar mais perto de Bella acada quilómetro que passava a voar por baixo dos meus pneus.Observações:Quem leu o livro "Crepúsculo" deve entender, mas para quem não for esse o caso:quando Bella disse o nome "Edmund" durante o sono no jardim, foi devido aospensamentos dela antes de adormecer. Estava chateada por as personagens do livroque estava a ler serem todas "Edward" ou nomes demasiado parecidos. Não estavapropriamente a sonhar com personagens fictícios ^^As histórias de Peter, Charlotte e Maria são explicadas no 3º livro da saga, "Eclipse".9º Capitulo - Port AngelesEstava demasiado claro para eu conduzir pelo centro da cidade quando cheguei a PortAngeles. O sol ainda estava demasiado elevado, e apesar de os meus vidros seremfumados, não havia nenhum motivo para tomar riscos desnecessários. Mais riscosdesnecessários, devia dizer.Eu tinha a certeza que era capaz de encontrar os pensamentos da Jessica de longe, ospensamentos da Jessica eram mais altos do que os de Angela, mas assim que euencontrasse o primeiro pensamento, ia conseguir ouvir o segundo. Depois, quando assombras se aproximassem, eu ia poder aproximar-me. Por agora, saí da estrada e fui
  • 188. para um parque de estacionamento que ficava fora da cidade e que parecia não serutilizado.Eu sabia por onde procurar, havia apenas uma loja para comprar vestidos em PortAngeles. Não demorei muito a encontrar Jessica, estava a olhar-se à frente de umespelho de três lados, e eu conseguia ver Bella na sua visão periférica, a aprovar o longovestido preto que ela tinha vestido.A Bella ainda parece irritada. Ah ah. A Angela tinha razão, o Tyler estava todoconvencido. Apesar de não acreditar que ela esteja chateada por isso. Pelo menos elasabe que tem um acompanhante de reserva para o baile. E se o Mike não se divertir nobaile não me convidar para sair outra vez? E se ele convidar a Bella para o baile? Seráque ela teria convidado o Mike para o baile se eu não tivesse dito nada? Será que eleacha que ela é mais bonita que eu?- Acho que gosto mais do azul. Realça os teus olhos.A Jessica sorriu para Bella com um falso entusiasmo, enquanto olhava suspeita para ela.Será que ela acha mesmo isso? Ou quer que eu pareça uma vaca no Sábado?Eu já estava cansado de ouvir Jessica. Procurei pela Angela. Ah, mas Angela estava noprocesso de trocar os vestidos, e eu saí rapidamente da sua cabeça para lhe dar maisprivacidade.Bom, não havia muitos problemas que Bella pudesse arranjar numa loja de vestidos. Euia deixá-las fazer as compras e depois quando acabassem eu voltava. Não faltava muitopara anoitecer, as nuvens estavam a começar a voltar, sendo levadas para oeste. Euapenas conseguia ver os reflexos delas através das grandes árvores, mas conseguia vercomo aceleravam o pôr-do-sol. Eu recebi-as, desejando-as mais do que já tinhadesejado antes. Amanhã eu ia poder sentar-me ao lado de Bella outra vez, podia ter asua atenção ao almoço novamente. Ia poder perguntar-lhe as coisas que tenhoguardado…Então, ela estava furiosa com a presunção de Tyler. Eu tinha visto aquilo na mente dele,que quando ele tinha falado sobre o baile, que estava a confirmar a companhia de Bella.
  • 189. Eu lembrei-me da expressão dela daquela outra tarde, a escandalizada descrença, e ri-me. Perguntei-me o que é que ela lhe diria sobre isto. Eu não ia gostar de perder areacção dela.O tempo passou devagar enquanto esperava que as sombras se alongassem. Olhavaperiodicamente para a Jessica, a sua voz mental era a mais fácil de ser encontrada,mas eu não gostava de ficar lá dentro por muito tempo. Vi o lugar onde elas estavam aplanear ir comer. Ia estar escuro à hora do jantar… talvez eu escolhesse o mesmorestaurante por coincidência. Toquei no telemóvel que estava no bolso, e pensei emconvidar a Alice para jantar fora… Ela ia adorar isso, mas ela também iria querer falarcom Bella. Eu não tinha certeza se eu estava pronto para envolver Bella ainda mais nomeu mundo. Um vampiro não era problema suficiente?Passei pela mente de Jessica outra vez. Ela estava a pensar sobre as suas jóias, aperguntar a opinião de Angela.- Talvez eu devesse devolver o colar. Eu tenho um em casa que deve servir, e gasteimais do que devia… - A minha mãe vai-se passar. No que é que eu estava a pensar?- Eu não me importo de voltar à loja. Mas, achas que a Bella vai à nossa procura?O que é que era isto? Bella não estava com elas? Vi pelos olhos de Jessica primeiro, edepois troquei para Angela. Elas estavam na calçada em frente a umas lojas, já a mudarde direcção. Bella não estava em nenhum lugar à vista.Oh, quem é que se importa com a Bella? Pensou Jess, impacientemente, antes deresponder à pergunta de Angela. - Ela está bem. Nós vamos chegar ao restaurante atempo, mesmo se voltarmos à loja. De qualquer das maneiras, eu acho que ela queriaestar sozinha. – Apanhei um breve vislumbre da livraria que Jessica achava que a Bellatinha ido.- Vamos lá então. - Disse Angela. Espero que a Bella não pense que a abandonámos. Hábocado, no carro, ela foi tão simpática comigo… Ela é mesmo uma pessoa muito querida.Mas esteve um bocado triste o dia inteiro. Pergunto-me se era por causa do EdwardCullen? Aposto que foi por isso que ela me perguntou sobre a família dele…
  • 190. Eu devia ter prestado mais atenção. O que é que eu tinha perdido aqui? Bella estava poraí sozinha, e tinha perguntado por mim antes? Agora Angela estava a prestar atenção aJessica. Esta estava a tagarelar sobre aquele idiota do Mike, e eu não conseguiaarrancar mais nada dela.Julguei as sombras. O sol ia ficar atrás das nuvens brevemente o suficiente. Se euficasse no lado oeste da estrada, onde os prédios estariam a escurecer a rua da luzfraca…Comecei a sentir-me impaciente enquanto conduzia pelo ligeiro engarrafamento até aocentro da cidade. Isto não era algo que eu tivesse considerado, Bella a andar sozinha, eeu não fazia a mínima ideia de como a encontrar. Eu devia ter considerado isto. A Bellaestava sempre a fazer a coisa errada.Eu conhecia bem Port Angeles. Conduzi directamente para a livraria na mente deJessica, esperando que a minha busca fosse curta, mas a duvidar que fosse fácil. Desdequando é que Bella facilitava as coisas?Sem dúvida, a pequena loja estava vazia, excepto uma mulher vestida de formaantiquada atrás do balcão. Aquele não parecia o tipo de lugar em que Bella estivesseinteressada. Era muito espiritual para uma pessoa prática. Perguntei-me se ela se tinhadado ao trabalho de entrar.Havia ali um lugar à sombra onde eu podia estacionar… Fazia um caminho escuro para aloja. Eu realmente não devia. Andar por aí a horas do dia não era seguro. E se um carroque passasse reflectisse a luz do sol para a sombra precisamente na hora errada?Mas eu não sabia de que outra maneira podia procurar Bella!Estacionei e saí, mantendo-me no canto mais fundo da sombra. Caminhei rapidamentepara a loja, apercebendo-me do fraco rasto do cheiro da Bella no ar. Ela esteve aqui, nacalçada, mas não havia nenhuma pista da sua fragrância dentro da loja.- Bem-vindo! Posso-te ajudar… - Começou a vendedora a dizer, mas eu já estava do ladode fora da porta.Segui o cheiro da Bella até onde a sombra permitia, e parei quando cheguei à beira da
  • 191. luz do sol.Quão impotente aquilo me fez sentir. Cercado pela linha entre a escuridão e a luz quese estendia até a calçada à minha frente. Tão limitado.Eu só podia adivinhar que ela tinha continuado pela rua, ido para o sul. Não havia muito aseguir aquela direcção. Estaria ela perdida? Bom, essa possibilidade parecia-seexactamente com o carácter dela.Voltei para o carro e conduzi devagar pelas ruas, à procura dela. Saí para alguns outroslugares com sombras, mas só senti o seu cheiro mais uma vez, e o rumo dele confundiu-me. Onde é que ela estava a tentar ir?Conduzi para a frente e para trás entre a loja e o restaurante algumas vezes, à esperade a ver pelo caminho. Jessica e Angela já lá estavam, a tentar decidir se pediam ou seesperavam por Bella. Jessica já estava a pensar em pedir imediatamente.Comecei a passar rapidamente pela mente de estranhos, olhando através dos seusolhos. De certeza que alguém a viu em algum lado.Quanto mais tempo ela estava perdida, mais impaciente eu ficava. Eu não tinhaconsiderado antes quanto difícil seria encontrá-la, como agora, ela estava fora daminha vista e fora dos seus caminhos normais. Eu não gostava disso.As nuvens estavam a acumular-se no horizonte, e, daqui a alguns minutos, eu ia ficarlivre para a localizar a pé. Assim não me levaria muito tempo. Era só o sol que medeixava tão paralisado agora. Apenas mais alguns minutos, e então a vantagem seriaminha novamente e o mundo humano é que seria o impotente.Outra mente, e mais outra. Tantos pensamentos banais.…acho que o bebé tem outra infecção no ouvido…Era 18:40 ou 18:04…?Atrasado outra vez Eu devia contar-lhe…Aqui vem ela! Aha!Ali, finalmente, estava a cara dela. Finalmente, alguém tinha reparado nela!Aquele alívio só durou uma fracção de segundo, e depois li mais os pensamentos do
  • 192. homem que estava a olhar fixamente para a cara dela nas sombras.A mente dele era a de um estranho para mim, e mesmo assim, completamente familiar.Eu já tinha caçado pessoas com tal mente.- NÃO! - Rugi, e um nó apertou-se na minha garganta. O meu pé afundou-se noacelerador, mas para onde é que eu estava a ir?Eu sabia mais ou menos o rumo dos seus pensamentos, mas aquilo não era específico osuficiente. Alguma coisa, devia haver alguma coisa, uma placa de rua, a montra de umaloja, alguma coisa na sua vista que entregasse a sua localização. Mas Bella estavabastante na escuridão, e os olhos dele estavam focados apenas na expressão apavoradadela, a saborear o medo.O rosto dela estava nublado na mente dele pela memória de outras caras. Bella não eraa sua primeira vítima.O som dos meus rosnados tremeu a estrutura do carro, mas não me distraíram.Não havia janelas na parede atrás dela. Algum lugar industrial, longe da região decompras que era mais povoada. O meu carro derrapou na esquina, desviando-se de outroveículo, e ia na direcção que eu esperava que fosse o caminho certo. Enquanto o outrocarro buzinava, o som já estava bem atrás de mim.Olha para ela a tremer! O homem riu-se com a expectativa. O medo era a atracção deleele, era a parte que ele adorava.- Afaste-se de mim. - A voz dela era baixa e firme, não era um grito.- Não sejas assim meu docinho.Ele viu-a hesitar quando um riso rude veio de outra direcção. Ele estava irritado com obarulho. Cala-te, Jeff! Pensou, mas gostou da maneira como ela se encolheu de medo.Excitava-o. Ele começou a imaginar a suplicação, a maneira como ela iria implorar…Eu não tinha percebido que havia outros com ele até que ouvi aquele alto riso. Procureipor ele, desesperado por alguma coisa que pudesse usar. Ele estava a dar o primeiropasso na direcção dela, a mexer as suas mãos.As mentes à volta dele não eram o mesmo lixo que a de ele era. Eles estavam
  • 193. ligeiramente bêbados, nenhum deles percebia quão longe o homem chamado Lonnieplaneava ir com isto. Estavam a seguir Lonnie cegamente. Ele tinha-lhes prometido umbocado de divertimento…Um deles olhou rua abaixo, nervoso, ele não queria ser apanhado a assediar a rapariga,e deu-me o que eu precisava. Reconheci a rua para que ele olhou.Passei por um sinal vermelho, a deslizei através de um espaço amplo o suficiente entredois carros no trânsito. As buzinas faziam barulho atrás de mim.O meu telemóvel vibrou no meu bolso. Ignorei-o.Lonnie movia-se devagar em direcção à rapariga, a criar o suspense, era o momento doterror que o excitava. Ele esperou que ela gritasse, preparando-se para saboreá-lo.Mas Bella trancou o queixo, e agarrou-se a si própria. Ele estava surpreendido,esperava que ela tentasse fugir. Surpreendido e ligeiramente desapontado. Ele gostavade perseguir a sua presa, a adrenalina da caçada.Corajosa, esta. Talvez melhor, suponho… vai dar mais luta.Eu estava a um quarteirão de distância. O monstro agora conseguia ouvir o rugido domeu motor, mas não prestou atenção, estava bastante atento na sua vítima.Eu ia ver como é que ele ia gostar da caçada quando fosse ela a presa. Eu ia ver o que éque ele achava do meu estilo de caçar.Noutros compartimentos da minha cabeça, eu já estava a escolher os tipos de torturasque tinha presenciado nos meus tempos de vigilante, procurando pela tortura maisdolorosa. Ele ia sofrer por isto. Ele ia contorcer-se em agonia. Os outros iriammeramente morrer pelas suas participações naquilo, mas o monstro chamado Lonnie iriaimplorar pela morte bem antes de eu lhe dar esse presente.Ele estava na estrada, em direcção dela.Eu virei rapidamente a esquina, os meus faróis clarearam a cena e paralisaram-nos nolugar. Eu podia ter atropelado o líder, que saiu do caminho, mas essa seria uma mortedemasiado fácil para ele.Deixei que o carro deslizasse, virando-se para que ficasse de frente para o caminho de
  • 194. onde eu cheguei e para que a porta do carro ficasse perto da Bella. Abri a porta, e elajá estava a correr para o carro.- Entra. - Ordenei.Que diabos?Sabia que isto era uma péssima ideia! Ela não está sozinha.Devia correr? Acho que vou vomitar…Bella saltou pela porta aberta sem hesitar, fechando-a atrás dela.E então olhou-me com uma expressão de verdadeira confiança que eu nunca tinha vistonum rosto humano, e todos os meus planos violentos desmoronaram-se.Levou muito, muito menos do que um segundo para que eu visse que não a podia deixarno carro para tratar dos quatro homens na rua. O que é que eu lhe ia dizer, para nãoolhar? Ah! Desde quando é que ela faz o que eu lhe peço? Desde quando é que ela faziaas coisas seguras?Iria arrastá-los para longe, para fora da visão dela, e deixá-la aqui sozinha? Erampoucas as probabilidades que outro humano perigoso estivesse a rondar as ruas de PortAngeles esta noite, mas as probabilidades já eram poucas antes de ela ter aparecidoaqui! Como um íman, ela atraía todas as coisas perigosas para si mesma. Eu não a podiadeixar fora da minha vista.Para ela ia ser como se fosse parte do mesmo movimento quando eu acelerei,afastando-a dos seus perseguidores tão rapidamente que eles ficaram boquiabertosatrás do meu carro com expressões incompreensíveis. Ela não ia perceber o meuinstante de hesitação. Ela iria presumir que o plano era escapar desde o início.Eu nem sequer lhe podia bater com o meu carro. Isso iria assustá-la.Eu queria a morte dele tão brutalmente que a necessidade disso zumbia nos meusouvidos, nublava a minha visão e criava um sabor na minha língua. Os meus músculosestavam flectidos com a urgência, o desejo, a necessidade disso. Eu tinha que o matar.Eu iria descascá-lo aos poucos lentamente, pedaço por pedaço, pele do músculo, músculode osso…
  • 195. Excepto que a rapariga, a única rapariga no mundo, estava agarrada ao seu banco comas duas mãos, a olhar-me fixamente, os seus olhos ainda muito abertos e a confiartotalmente em mim. A vingança ia ter que esperar.- Coloca o cinto de segurança. - Mandei. A minha voz foi áspera por causa do ódio e dasede de sangue. Não a comum sede de sangue. Eu não me sujaria ao ponto de pôrqualquer parte daquele homem dentro de mim.Ela pôs o cinto de segurança no lugar, sobressaltando-se levemente com o som daquilo.Aquele pequeno som fê-la saltar, e ainda assim não estava assustada enquanto eupassava pela cidade, ignorando todos os sinais de trânsito. Eu conseguia sentir os olhosdela em mim. Ela parecia estranhamente relaxada. Não fez sentido para mim, não com oque ela acabou de passar.- Estás bem? – Perguntou-me. A sua voz estava áspera por causa do stress e medo.Ela queria saber se eu estava bem?Pensei na pergunta dela por uma fracção de segundo. Não o tempo suficiente para queela notasse a minha hesitação. Eu estava bem?- Não. - Percebi, e o meu tom ferveu com a raiva.Levei-a pelo mesmo caminho que passei esta tarde, ocupado na mais pobre vigilância quejá existiu. Agora estava escuro, por baixo das árvores.Eu estava tão furioso que o meu corpo paralisou no lugar em que estava, totalmenteimóvel. As minhas mãos frias que estavam fechadas desejavam esmagar o agressordela, pulverizá-lo em pedaços tão mutilados que o seu corpo nunca poderia seridentificado…Mas isso exigia deixá-la aqui sozinha, desprotegida na noite escura.- Bella? - Perguntei entre dentes.- Sim? - Respondeu roucamente. Ela limpou a garganta.- Estás bem? - Aquilo era mesmo a coisa mais importante, a primeira prioridade. Aretribuição era secundária. Eu sabia disso, mas o meu corpo estava tão cheio de raivaque era difícil pensar.
  • 196. - Estou. - A voz dela ainda estava grossa, com medo, sem dúvida.Portanto eu não podia deixá-la.Mesmo se ela não estivesse em risco constante por alguma razão irritante, algumapiada que o universo me quisesse pregar, mesmo se eu tivesse a certeza que ela estariaperfeitamente segura na minha ausência, eu não a podia deixar sozinha no escuro.Ela deve estar tão assustada.Mas mesmo assim eu não estava em condições de a consolar, mesmo se eu soubesseexactamente como o fazer, o que não sabia. De certeza que ela conseguia sentir abrutalidade a radiar de mim, de certeza que pelos menos isso era óbvio. Eu iria assustá-la ainda mais se não acalmasse o desejo de massacre a ferver dentro de mim.Eu precisava de pensar noutra coisa.- Distrai-me, por favor. - Implorei.- Desculpa, o que disseste?Eu mal tinha controlo suficiente para tentar explicar o que precisava.- Fala apenas sobre algo sem importância até que eu acalme. – Disse-lhe, o meu queixoainda rígido. Apenas o facto de que ela precisava de mim me prendia dentro do carro.Eu conseguia ouvir os pensamentos do homem. O seu desapontamento e raiva… Eu sabiaonde o encontrar… Fechei os olhos, desejando que eu não conseguisse ver nada…- Hum. – Hesitou. Imaginei que estivesse a tentar encontrar um sentido para o meupedido. – Amanhã, antes das aulas, vou atropelar o Tyler Crowley? - Ela disse aquilocomo se fosse uma pergunta.Sim, era isto que eu precisava. É claro que Bella ia desencantar algo inesperado. Comotinha sido antes, a ameaça de violência vinda dos seus lábios era hilariante, tão cómicaque era estridente. Se eu não estivesse a arder com o desejo de matar, eu ter-me-iarido.- Porquê? - Perguntei, para a forçar a falar novamente.- Anda a dizer a todos que vai acompanhar-me ao baile de finalistas. - Disse, a sua vozestava escandalizada com aquele tom de tigre/gatinho. - Ou está louco ou ainda anda a
  • 197. tentar compensar-me por quase me ter matado no outro dia… bem, tu recordas-te. -Completou com indiferença. – E julga que o baile é, de algum modo, a maneira adequadade o fazer. Logo, calculo que, se eu colocar a vida dele em perigo, ficaremos quietes eele não poderá continuar a tentar compensar-me. Não preciso de inimigos e talvez aLauren sossegasse se ele me deixasse em paz. Talvez tenha, todavia, de destruir oSentra dele - Continuou, agora pensativa. – Se não tiver um meio de transporte, nãopode levar ninguém ao baile…Era encorajador ver que às vezes ela entendia as coisas erradas. A persistência deTyler não tinha nada a ver com o acidente. Ela não parecia entender a atracção quecausava aos rapazes humanos do liceu. Ela não via também a atracção que eu tinha porela?Ah, estava a funcionar. O processo confuso da mente dela sempre foi chamativo. Euestava a começar a ganhar controlo de mim mesmo, a ver alguma coisa além da vingançae da tortura…- Ouvi falar disso. – Disse-lhe. Ela tinha parado de falar, e eu precisava que elacontinuasse.- Ouviste? - Perguntou duvidosamente. E depois a sua voz ficou mais zangada do queantes. – Se estiver paralisado do pescoço para baixo, também não pode ir ao baile definalistas.Desejei que houvesse alguma maneira de lhe poder pedir para continuar com asameaças de morte e danos corporais sem que eu parecesse um doido. Ela não podia terescolhido uma melhor maneira de me acalmar. E as palavras dela, apenas sarcasmo e nocaso dela, exagero, era do que eu mais precisava neste momento.Suspirei, e abri os olhos.- Estás bem? - Perguntou timidamente.- Nem por isso.Não, eu estava mais calmo, mas não melhor. Por que acabei de perceber que não podiamatar o monstro chamado Lonnie, e eu ainda queria aquilo quase mais do que qualquer
  • 198. outra coisa no mundo. Quase.A única coisa neste instante que eu queria mais do que um grande justificávelassassinato, era esta rapariga. E, apesar de não a poder ter, apenas o sonho de a terfez com que fosse impossível para mim ir para uma matança esta noite.Bella merecia mais do que um assassino.Eu passei sete décadas a tentar ser algo mais do que aquilo, algo mais do que umassassino. Aqueles anos de esforço nunca me poderiam fazer merecedor da raparigasentada ao meu lado. E mesmo assim, eu senti que se voltasse para aquela vida, a vidade um assassino, por apenas uma noite, ia pô-la fora do meu alcance para sempre.Mesmo se eu não bebesse o sangue deles, mesmo se eu não tivesse a prova a brilhar devermelho nos meus olhos, será ela não sentiria a diferença?Eu estava a tentar ser bom o suficiente para ela. Era um objectivo impossível. Eu iacontinuar a tentar.- O que é que se passa? - Sussurrou.O hálito dela encheu-me o nariz, e aí fui lembrado por que é que não a merecia. Depoisde tudo isto, mesmo com o tanto que eu a amava… ela ainda me dava água na boca.Eu ia dar-lhe o máximo de honestidade que conseguisse. Devia-lhe isso.- Por vezes, tenho problemas com o meu temperamento, Bella. – Olhei para a noiteescura lá fora, desejando que ela ouvisse o horror interno das minhas palavras, e,desejando também que não ouvisse. Principalmente que não ouvisse. Foge, Bella, foge.Fica, Bella, fica… - Mas não adiantaria de nada se eu desse meia volta e perseguisseaqueles… - Só pensar naquilo quase me tirou de dentro do carro. Respirei fundo,deixando que o cheiro dela me queimasse a garganta. – Pelo menos, é disso que tentoconvencer-me- Ah.Ela não disse mais nada. Quanto é que ela teria ouvido das minhas palavras? Olhei paraela pelo canto do olho, mas a sua cara estava ilegível. Branco com o choque, talvez. Bem,ela não estava a gritar. Ainda não.
  • 199. Ficou silêncio por um momento. Lutei comigo mesmo, a tentar ser o que devia ser. O queeu não conseguia ser.- A Jessica e a Angela vão ficar preocupadas. - Disse calmamente. A voz dela estavabastante calma, e eu não fazia ideia como é que aquilo era possível. Ela estava emchoque? Talvez os eventos desta noite ainda não a tivessem atingido. – Devia irencontrar-me com elas.Será que ela queria ficar longe de mim? Ou só estava preocupada com a preocupaçãodas suas amigas?Eu não lhe respondi, mas liguei o carro e levei-a de volta. A cada mais centímetro queeu me aproximava da cidade, tornava-se mais difícil manter o meu objectivo. Eu estavatão perto dele…Se fosse possível, se eu nunca pudesse ter ou merecer esta rapariga, então qual era osentido de deixar o homem impune? De certeza que me podia permitir pelo menos aisso…Não. Eu não ia desistir. Ainda não. Eu queria-a demasiado para me render.Estávamos no restaurante onde era combinado ela se ter encontrado com as suasamigas, antes de eu ter começado a racionalizar os meus pensamentos. Jessica eAngela tinham acabado de comer, e agora estavam ambas realmente preocupadas comBella. Estavam a preparar-se para ir à procura dela, em direcção à rua escura.Não era uma boa noite para elas andarem por aí a deambular.- Como é que sabias onde…? - A pergunta inacabada da Bella interrompeu-me, e eupercebi que tinha cometido outro deslize. Eu estava demasiado distraído para melembrar de lhe perguntar onde é que era suposto ela encontrar as suas amigas.Mas, em vez de continuar a pergunta e chegar ao ponto da questão, Bella apenas acenoua cabeça e deu um meio sorriso.O que é que aquilo significava?Bem, eu não tinha tempo de decifrar a sua estranha aceitação da minha estranhasabedoria. Abri a minha porta.
  • 200. O que estás a fazer? - Perguntou, parecendo assustada.A não deixar que saias da minha vista. A não me permitir ficar sozinho este noite.Nessa ordem. – Vou levar-te a jantar.Bem, isto devia ser interessante. Parecia que tinha sido numa noite completamentediferente quando tinha pensado trazer Alice e tinha pretendido escolher o mesmorestaurante que Bella e as suas amigas, como se fosse acidente. E agora, aqui estava eu,praticamente num encontro com a rapariga. Só que não contava, por que eu não lheestava a dar a oportunidade de dizer não.Ela já tinha metade da porta aberta antes que eu desse a volta ao carro, (geralmentenão era tão frustrante ter que me mexer a uma velocidade discreta) e não esperou queeu a abrisse. Aquilo era por não estar habituada a ser tratada como uma senhora, oupor não pensar em mim como um cavalheiro?Fiquei à espera que ela me acompanhasse, e fiquei mais inquieto enquanto as amigasdela continuavam a ir para uma esquina escura.- Vai atrás da Angela e da Jessica antes que eu tenha também de seguir no seu enlaço.-Pedi rapidamente. – Acho que não conseguiria refrear-me se desse outra vez de carascom aqueles teus amigos. - Não, eu não seria forte o suficiente para aquilo.Ela estremeceu, e recompôs-se rapidamente. Ela deu um meio passo atrás delas, echamou, - Jess, Angela! - em voz alta. Elas viraram-se, e ela acenou com a mão parachamar a sua atenção.Bella! Ah, ela está a salvo! Pensou Angela em alívio.Um bocadinho atrasada? Resmungou Jessica para si mesma, mas ela, também, estavagrata que Bella não estivesse perdida ou ferida. Isso fez-me gostar dela um bocadomais do que antes.Elas voltaram, e depois pararam, chocadas, quando me viram do lado dela.Nah-ah! Pensou Jess, impressionada. Não pode!Edward Cullen? Ela saiu sozinha para se ir encontrar com ele? Mas por que é que elahavia de perguntar acerca de eles estarem fora da cidade se sabia que ele estava aqui…
  • 201. Vi um breve momento da expressão torturada de Bella quando perguntou a Angela se aminha família ficava muitas vezes ausente da escola. Não, ela não sabia. Decidiu Angela.Os pensamentos de Jessica variavam da surpresa a suspeita. A Bella andou-me aesconder alguma coisa...- Onde estiveste? - Exigiu, a olhar para Bella, mas a espiar-me pelo canto dos olhos.- Perdi-me. E depois encontrei-me com Edward por acaso. – Disse Bella, a agitar umamão na minha direcção. O tom dela estava muito normal. Como se fosse aquilo que setivesse mesmo passado.Ela deve estar em choque. Era a única explicação para a sua tranquilidade.- Não se importam que eu vos faça companhia? - Perguntei para ser educado. Eu sabiaque elas já tinham comido.Caraças, como ele é sexy! Pensou Jessica, a sua cabeça ficou repentinamente eligeiramente incoerente.Angela não estava muito mais controlada. Gostava que não tivéssemos comido. Uau.Apenas. Uau.Agora, por que é que eu não conseguia fazer aquilo com a Bella?- Ah… claro que não. - Concordou Jessica.A Angela franziu as sobrancelhas. - Hum, na verdade, Bella, nós já comemos enquantoestávamos à espera. - Admitiu. - Desculpa.O quê? Cala-te! Reclamou Jess para si mesma.Bella encolheu os ombros, casualmente. Tão calma. Definitivamente em choque. – Tudobem, não tenho fome.- Julgo que devias comer alguma coisa. - Discordei. Ela precisava de açúcar na correntesanguínea, apesar de cheirar doce o suficiente assim, pensei ironicamente. O pavor iachegar momentaneamente, e um estômago vazio não ia ajudar. Ela desmaiavafacilmente, como eu sabia por experiência.Estas raparigas não estariam em qualquer perigo se fossem directamente para casa. Operigo não perseguia cada passo delas.
  • 202. E eu preferia estar sozinho com a Bella, desde que ela quisesse ficar sozinha comigo.- Importas-te que eu leve a Bella a casa esta noite? – Perguntei a Jessica antes queBella pudesse reagir. – Deste modo, não terão de esperar enquanto ela come.- Hum, suponho que não há problema… - Jessica olhou seriamente para Bella, à esperade algum sinal de que era isso que ela queria.Eu quero ficar… mas provavelmente ela quere-o só para si. Quem não ia querer? PensouJess. No mesmo momento, ela viu Bella a piscar o olho.A Bella piscou-lhe o olho?- Está bem! – Disse Angela rapidamente, na pressa de ficar fora do caminho se era issoo que Bella queria. E parecia que ela queria isso. – Até amanhã, Bella… Edward. - Elaesforçou-se para dizer o meu nome num tom casual. Depois agarrou a mão de Jessica ecomeçou a rebocá-la para longe.Eu ia ter de arranjar uma maneira de agradecer a Angela por isto.O carro de Jessica estava perto de um círculo de luz clara feita por uma lâmpada derua.Bella olhou para elas cuidadosamente, uma pequena ruga de preocupação entre os seusolhos, até que entraram no carro. Portanto ela deve estar bem consciente do perigo quepassou. Jessica acenou enquanto conduzia, e Bella acenou de volta. Quando o carrodesapareceu ela respirou fundo e virou-se para olhar para mim.- A sério, não tenho fome. – Disse.Por que é que ela tinha esperado que elas se fossem embora para falar? Ela queriarealmente estar sozinha comigo, mesmo agora, depois de ter testemunhado a minharaiva homicida?Quer fosse esse o caso ou não, ela ia comer alguma coisa. – Faz-me a vontade. – Disse-lhe.Agarrei a porta do restaurante para que ela passasse e esperei. Ela suspirou, e passou.Caminhei ao lado dela até à recepção, onde estava a recepcionista à espera. Bella aindaparecia inteiramente calma. Eu queria tocar-lhe na mão, na testa, para ver a sua
  • 203. temperatura. Mas a minha mão fria iria assustá-la, tal como aconteceu antes.Oh, ena. A voz mental um tanto alta da empregada irrompeu na minha consciência. Ena,ena.Parecia que hoje era a minha noite de virar a cabeça das pessoas. Ou eu só estava areparar mais nisso por que queria tanto que a Bella me visse daquela maneira? Nóssempre fomos atraentes para a nossa presa. Nunca pensei muito sobre isso antes.Geralmente o medo vinha um pouco depois da atracção inicial…- Tem uma mesa para dois? - Perguntei, visto que a empregada não falava.- Oh, hum, sim. Bem-vindos ao La Bella Itália. - Mmm! Que voz! - Porque não meacompanham? - Os seus pensamentos eram calculistas.Talvez ela seja prima dele. Não pode ser irmã dele, não são nada parecidos. Mas famíliade certeza. Ele não pode estar com ela.Os olhos humanos eram nublados, não viam nada claramente. Como podia esta mulher demente fraca achar os meus encantos físicos, (uma armadilha para a presa), tãoatraentes, e mesmo assim não ser capaz de ver a suave perfeição da rapariga ao meulado?A empregada encaminhou-nos para uma mesa de tamanho familiar na parte mais cheiado restaurante. Será que lhe posso dar o meu número enquanto ela está ali…? - Pensou.Tirei uma nota do meu bolso de trás. As pessoas eram constantemente cooperativasquando se tratava de dinheiro.Bella já se estava a sentar no lugar que a empregada lhe tinha indicado. Eu abanei acabeça, e ela hesitou, inclinando a cabeça para lado com curiosidade. Sim, ela ia estarmuito curiosa esta noite. Um sítio no meio da multidão não era um bom lugar para teresta conversa.- Talvez num local um pouco mais íntimo? - Pedi à empregada, dando-lhe o dinheiro. Osolhos dela abriram-se surpreendidos, e depois semicerram-se enquanto a sua mão seenrolou na gorjeta.- Com certeza.
  • 204. Ela deu uma olhadela à nota enquanto nos guiava à volta de uma parede separadora.Cinquenta dólares por uma mesa melhor? Rico, também. Isso faz sentido, aposto que ocasaco dele custou mais do que o meu salário inteiro. Raios. Por que é que ele querprivacidade com ela?Ela ofereceu-nos uma mesa num canto calmo do restaurante onde ninguém seria capazde nos ver. Ver as reacções da Bella ao quer que fosse que eu lhe fosse dizer. Eu nãofazia nenhuma ideia do que é que ela iria querer de mim esta noite. Ou do que eu lheiria dar.Quanto é que ela tinha adivinhado? Que explicação é que ela contou a si mesma sobreos acontecimentos de hoje à noite?- O que lhe parece? – Perguntou a empregada.- Perfeito. – Disse-lhe, sentindo-me levemente irritado pela sua má atitude para comBella. Sorri-lhe abertamente, e mostrei os meus dentes. Deixá-la ver-me claramente.Uau. – Hum, a empregada que irá servir-vos não demorará. - Ele não pode ser real. Eudevo estar a dormir. Talvez ele vá desaparecer… talvez eu escreva o meu número noprato dele com ketchup… Ela saiu, e caminhou levemente, ligeiramente de lado.Estranho. Ela ainda não estava assustada. De repente lembrei-me de Emmett aprovocar-me no refeitório, há várias semanas atrás. "Aposto que eu a tinha assustadomais que tu".Eu estava a perder a prática?- Não devias mesmo fazer isso às pessoas. – Bella interrompeu os meus pensamentoscom um tom de desaprovação. – Não é muito justo.Eu olhei para a expressão de crítica dela. O que é que ela queria dizer? Eu não tinhaassustado a empregada nenhum um bocado, apesar das minhas intenções. – Fazer o quê?- Deslumbrá-las dessa forma. Neste preciso momento, ela deve estar na cozinha arespirar de forma ofegante.Hum, Bella estava quase certa.
  • 205. A empregada estava apenas semi-coerente de momento, a descrever à sua colega osmeus atributos, incorrectamente.- Oh, vá lá. – Repreendeu-me Bella quando não respondi imediatamente. – Tu deves ternoção do efeito que exerces nas pessoas.- Eu deslumbro as pessoas? - Esta era uma maneira interessante de pôr as coisas. Eracerta o suficiente para a situação desta noite. Perguntava-me porquê a diferença…- Ainda não reparaste? - Perguntou, ainda crítica. – Julgas que todos conseguemalcançar o que pretendem com tanta facilidade?- E a ti, deslumbro-te? – Verbalizei a minha curiosidade impulsivamente, e depois aspalavras já tinham sido ditas, e era tarde de mais para me arrepender.Mas antes que eu tivesse tido tempo de me arrepender profundamente por terpronunciado aquelas palavras, ela respondeu, “Frequentemente.” E as suas bochechasficaram numa tonalidade de rosa pálido.Eu deslumbrava-a.O meu coração silencioso inchou com uma esperança mais intensa do já tinha sentidoantes.- Olá. - Alguém disse, a empregada de mesa, a apresentar-se. Os seus pensamentoseram altos e mais explícitos do que os da empregada, mas eu ignorei-a. Olhei para acara de Bella em vez de ouvir, assisti ao sangue espalhar-se sob a sua pele, e repareinão em como aquilo fazia minha garganta arder, mas como aquilo dava brilho ao seurosto, como aquilo espantava a palidez da sua pele…A empregada de mesa estava à espera do meu pedido. Ah, ela tinha perguntado sobreas bebidas. Eu continuei a olhar para Bella, e a empregada de mesa virou-se acontragosto para olhar para ela também.- Eu quero uma Coca-Cola? - Disse Bella, como se pedisse aprovação.- São duas Coca-Colas. - Completei. Sede, sede normal de humanos era um sinal dechoque. Eu ia-me certificar que ela ficava com o açúcar extra do refrigerante no seusistema.
  • 206. Mas ela parecia saudável. Mais que saudável. Ela parecia radiante.- O que foi? – Perguntou. Possivelmente a imaginar por que é que eu olhava para ela. Eumal tinha notado que a empregada tinha saído.- Como te sentes? - Perguntei.Ela piscou os olhos, surpreendida com a pergunta. – Estou óptima.- Não te sentes tonta, enjoada, com frio?Agora estava ainda mais confusa. – Devia sentir?- Bem, na verdade estou à espera que entres em estado de choque. - Esbocei umsorriso, à espera da negação. Ela não ia querer que cuidassem dela.Levou um minuto para me responder. Os seus olhos estavam ligeiramente desfocados.Por vezes ela ficava assim, quando eu lhe sorria. Estaria ela… deslumbrada?Eu adorava acreditar nisso.- Não creio que isso vá acontecer. Sempre fui bastante boa a reprimir coisasdesagradáveis. - Respondeu, um bocado sem ar.Será que ela tinha tido muita experiência com coisas desagradáveis? Seria a sua vidasempre assim tão arriscada?- Mesmo assim. – Disse-lhe. – Ficarei mais descansado quando ingerires algum açúcar ecomida.A empregada voltou com os refrigerantes e com um cesto de pão. Deixou tudo à minhafrente e perguntou pelo meu pedido, tentando olhar-me nos olhos durante o processo.Eu indiquei-lhe que devia atender Bella, e depois voltei a ignorá-la. Ela tinha uma mentevulgar.- Hum… - Bella deu uma rápida olhadela no menu. – Quero o ravioli de cogumelos.A empregada voltou-se rapidamente para mim. – E o senhor?- Eu não quero nada.Bella fez uma ligeira careta. Hum. Ela deve ter reparado que eu nunca ingeriaalimentos. Ela reparava em tudo. E eu esquecia-me sempre de ser cuidadoso quandoestava com ela.
  • 207. Esperei até que estivéssemos sozinhos novamente.- Bebe. - Insisti.Fiquei surpreendido quando ela obedeceu imediatamente sem nenhuma objecção. Bebeuaté que a garrafa estivesse totalmente vazia, e depois empurrei o meu copo na direcçãodela, um pouco preocupado. Sede ou choque?Ela bebeu mais um bocado, e depois arrepiou-se.- Tens frio?- É só da Coca-Cola. - Disse, mas estremeceu novamente, os seus lábios tremeram comose os dentes estivessem prestes a tiritar de frio.A linda blusa que ela usava parecia demasiado fina para a proteger adequadamente,parecia uma segunda pele, quase tão frágil como a primeira. Ela era tão frágil, tãomortal.- Não tens um casaco?- Tenho! – Olhou à volta de si mesma, meio perplexa. – Oh, deixei-o no carro da Jessica.Tirei o meu casaco, desejando que o gesto não fosse estragado pela minha temperaturacorporal. Era bom se fosse capaz de lhe oferecer um casaco aquecido. Ela olhou paramim, as suas bochechas a corar novamente. O que é que ela estaria a pensar agora?Passei-lhe o casaco por cima da mesa, e ela vestiu-o de uma vez, e tremeu novamente.Sim, era óptimo se fosse quente.- Obrigada. - Disse. Ela respirou fundo e depois puxou as longas mangas para liberar asmãos. Respirou fundo novamente.Estaria a noite finalmente a assentar? A cor dela ainda estava boa, a sua pele estavanum tom de rosa pálido em contraste com o azul-escuro da sua camisa.- Essa cor azul condiz maravilhosamente com a tua pele. – Elogiei-a. Apenas a serhonesto.Ela corou, enaltecendo o efeito.Ela parecia bem, mas não valia a pena arriscar. Empurrei o cestinho de pão na direcçãodela.
  • 208. - A sério. - Reclamou, a imaginar os meus motivos. - Não vou entrar em estado dechoque.- Mas devias. A uma pessoa normal era isso que aconteceria. Nem sequer parecesabalada. – Olhei para ela, um olhar reprovador, a imaginar por que é que ela não podiaser normal, e depois perguntei-me se iria querer realmente que ela fosse normal.- Sinto-me muito protegida na tua companhia. - Disse, e os olhos dela, novamente,cheios de confiança. Confiança que eu não merecia.Os seus instintos estavam todos errados, invertidos. Devia ser esse o problema. Ela nãoreconhecia o perigo da maneira como um ser humano era capaz. Ela tinha uma reacçãooposta. Em vez de correr, ela hesitava, atirava-se ao que a deveria assustar…Como é que eu a podia proteger de mim mesmo quando nenhum de nós dois queria isso?- Isto é mais complicado do que eu imaginara. - Murmurei.Eu conseguia vê-la a passar as minhas palavras na sua cabeça, e perguntei-me o que éque ela teria feito com elas. Agarrou num bocado de pão e começou a comer semprestar muita atenção. Mastigou por um momento, e depois inclinou a cabeça para umlado, pensativa.- Normalmente, estás mais bem-disposto quando os teus olhos estão assim claros. -Disse num tom casual.A sua observação, dita de forma tão directa deixou-me atordoado. – O quê?- Estás sempre mais rabugento quando os teus olhos estão negros. – Agora já estava àespera. – Tenho uma teoria a esse respeito. - Adicionou calmamente.Então ela tinha arranjado a sua própria explicação. É claro que tinha. Senti um pavorprofundo quando imaginei o quão perto da verdade ela tinha chegado.- Mais teorias?- Mm-hm. – Mastigava depois de outra dentava, totalmente relaxada. Como se não fossediscutir as características de um monstro com o próprio monstro.- Gostaria que desta vez fosses mais criativa. - Menti quando ela não continuou. O queeu realmente esperava era que ela estivesse errada, a quilómetros de distância da
  • 209. verdade. – Ou continuas a inspirar-te nos livros de banda desenhada?- Bem, não, não me baseei num livro de banda desenhada. - Disse, um bocadoenvergonhada. – Mas também não a elaborei sozinha.- E então? - Perguntei entre dentes.É claro que ela não iria falar tão calmamente se estivesse prestes a gritar.Enquanto ela hesitava, a morder o lábio, a empregada de mesa apareceu com a comidade Bella. Eu prestei pouca atenção à empregada enquanto punha o prato à frente deBella, e depois perguntou-me se eu desejava algo.Eu neguei, mas pedi outra coca. A empregada não tinha reparado nos copos vazios. Elaagarrou-os e levou-os.- O que estavas a dizer? - Perguntei ansiosamente logo que ficámos a sós novamente.- Digo-te no carro. - Disse em voz baixa. Ah, isto ia ser mau. Ela não estava disposta afalar das suas suposições à frente de outras pessoas. - Se… - Irrompeurepentinamente.- Há condições? - Eu estava tão tenso que quase rosnei as palavras.- Tenho, de facto, algumas questões a colocar, evidentemente.- Evidentemente. - Concordei, com um tom de voz seco.As suas perguntas provavelmente iam ser o suficiente para que eu soubesse quedirecção é que os seus pensamentos estavam a seguir. Mas como é que eu lhes iriaresponder? Com mentiras responsáveis? Ou assombrá-la-ia com a verdade? Ou nãodiria nada, incapaz de decidir?Continuámos sentados em silêncio enquanto a empregada reabastecia o copo derefrigerante.- Bem, continua. – Disse-lhe, com o queixo rígido, quando ela desapareceu.- Porque estás em Port Angeles?Essa era uma pergunta demasiado fácil para ela. A pergunta não me indicava nada,enquanto a minha resposta, se verdadeira, indicaria muito, muito mesmo. Deixa que elarevele algo primeiro.
  • 210. - A seguinte. - Disse.- Mas esta é a mais fácil!- A seguinte. - Repeti.Ela estava frustrada pela minha rejeição. Desviou olhos de mim e olhou para baixo, paraa sua comida.Lentamente, pensativa, ela deu uma dentada e mastigou com vontade. Fez tudo descercom mais Coca-Cola e então finalmente olhou para mim. Os olhos dela estavamestreitos, cheios de suspeita.- Então, muito bem. - Disse. – Digamos, hipoteticamente, como é evidente, que… alguémpodia adivinhar os pensamentos das pessoas, ler a mente, tu sabes. Com algumasexcepções.Podia ser pior.Isto explicava aquele meio sorriso no carro. Ela era rápida, nunca ninguém tinhaadivinhado este meu poder. Excepto Carlisle, e tinha sido bastante óbvio, no início,quando eu respondia a todos os seus pensamentos como se ele estivesse a falar comigo.Ele tinha entendido o meu poder antes de mim…Esta pergunta não era assim tão má. Apesar de ser evidente que ela sabia que haviaalgo de errado comigo, não era tão mau quanto podia ser. Leitura de mentes não era,afinal de contas, uma faceta do “estigma” vampírico. Continuei com a sua hipótese.- Com apenas uma excepção. – Corrigi-a. – Hipoteticamente.Ela esforçou-se para não sorrir, a minha vaga honestidade tinha-a agradado. – Muitobem, que seja então uma excepção. Como é que isso funciona? Quais são as limitações?Como é que essa pessoa encontraria outra exactamente no momento certo? Comopoderia ele saber que ela estava em apuros?- Hipoteticamente?- Claro. – Os lábios dela torceram-se, e os seus olhos castanhos estavam ansiosos.- Bem. - Hesitei. – Se… essa pessoa…- Chamemos-lhe Joe. - Sugeriu.
  • 211. Eu tive que sorrir dado o entusiasmo dela. Ela achava mesmo que a verdade seria umacoisa boa? Se os meus segredos fossem coisas agradáveis, por que é que eu a manteriaafastada deles?- Joe, então. - Concordei. – Se o Joe estivesse a prestar atenção, o sentido deoportunidade não teria tido de ser assim tão exacto. – Abanei a minha cabeça e reprimium arrepio quando me lembrei o quão perto eu estive de chegar demasiado tarde hoje.– Só tu poderias arranjar sarilhos numa cidade assim tão pequena. Terias arrasado asestatísticas referentes à taça de criminalidade da cidade por uma década, sabes.Os lábios dela descaíram um bocado nas pontas e depois disse: - Estávamos a referir-nos a um caso hipotético.Eu ri-me da irritação dela.Os lábios dela, a pele dela… pareciam tão suaves… Eu queria tocá-los. Queria empurrara sua sobrancelha franzida para cima com a ponta dos meus dedos. Impossível. A minhapele seria um repelente para ela.- Pois estávamos. - Disse, voltando ao nosso assunto antes de eu entrar em depressão. –Chamamos-te Jane?Ela inclinou-se sobre a mesa na minha direcção, toda a irritação e humordesapareceram dos seus olhos arregalados.- Como é que sabias? - Perguntou, a voz dela era baixa e intensa.Devia dizer-lhe a verdade? E, se dissesse, que parte?Eu queria contar-lhe. Queria merecer a confiança que ainda conseguia ver na sua cara.- Sabes que podes confiar em mim. - Sussurrou, e estendeu a mão para frente como sefosse tocar nas minhas onde estavam, em cima da mesa vazia à minha frente.Eu tirei-as de alcance, odiando a ideia da reacção dela à minha pele fria e pétrea, e eladeixou-a cair sobre a mesa.Eu sabia que podia confiar nela para guardar segredo. Ela era inteiramente confiável,até o fim. Mas eu não podia garantir que não ficasse horrorizada. Ela devia ficarhorrorizada. A verdade era horrível.
  • 212. - Não sei se ainda tenho alternativa. - Murmurei. Lembrei-me de uma vez a terprovocado ao dizer que ela tinha uma excepcional falta de atenção Tinha-a ofendido, setivesse julgado bem as suas expressões. Bem, pelo menos tive direito a essa injustiça. –Estava enganado. Tu és muito mais observadora do que eu julgava.- Pensava que tinhas sempre razão. - Disse, a sorrir enquanto me provocava.- Costumava ter. - Eu costumava saber o que fazia. Costumava ter sempre a certeza domeu caminho. Agora era tudo um caos.Mesmo assim, eu não trocaria nada. Não queria que a vida fizesse sentido. Não se ocaos significasse que eu podia estar com a Bella.- Também me enganei a teu respeito acerca de outro aspecto. - Continuei, esclarecendoas coisas noutro ponto. – Tu não atrais acidentes, esta definição não é suficientementeabrangente. Tu atrais sarilhos. Se houver uma situação de perigo num raio de quinzequilómetros, acabará invariavelmente por te envolver. - Porquê ela? O que é que elatinha feito para merecer tudo isto?O rosto de Bella estava sério novamente. – E tu inseres-te nessa categoria?A honestidade era mais importante em relação a esta questão do que qualquer outracoisa. – Inequivocamente.Os olhos dela ficaram estreitos outra vez. Não com suspeita, mas estranhamentepreocupados. Ela esticou a mão pela mesa novamente, devagar e deliberadamente.Afastei as minhas mãos alguns centímetros das dela, mas ela ignorou o movimento,determinada a tocar-me. Sustive a respiração, agora não por causa do seu cheiro, maspor causa da súbita e irresistível tensão. Medo. A minha pele ia deixá-la enojada. Ela iafugir.Ela roçou a ponta dos dedos levemente nas costas da minha mão. O calor do seu toquegentil e disposto não era nada do que eu já tinha sentido antes. Era quase puro prazer.Teria sido, se não fosse pelo meu medo. Observei o rosto dela enquanto sentia o frioduro da minha pele, ainda incapaz de respirar.Um meio sorriso apareceu nos cantos dos seus lábios.
  • 213. - Obrigada. - Disse, a olhar-me intensamente. – Já é a segunda vez.Os seus dedos macios ficaram na minha mão como se fosse agradável estar ali.Respondi-lhe o mais casualmente possível. – Não vamos experimentar a terceira, deacordo?Ela fez uma careta, mas concordou.Tirei a minha mão da dela. Por mais espantoso que o seu toque fosse, eu não ia esperarque a magia da sua tolerância passasse e se transformasse em repulsa. Escondi as mãosdebaixo da mesa.Li os olhos dela. Apesar de a sua mente estar silenciosa, eu conseguia ver a confiança ea curiosidade. Percebi naquele momento que eu queria responder às perguntas dela. Nãopor que lhe devia isso. Não por que queria que ela confiasse em mim.Eu queria que ela me conhecesse.- Segui-te até Port Angeles. – Disse-lhe, as palavras saíram demasiado rápido para queeu as editasse. Eu sabia do perigo da verdade, do risco que corria. A qualquer momento,a sua calma fora do normal podia transformar-se em histeria. Contrariamente, saberisso apenas fez com que eu falasse mais rápido. – Nunca tentei manter viva uma pessoaem especial, e é muito mais problemático do que eu imaginara, mas provavelmente é poressa pessoa seres tu. Mas pessoas normais parecem conseguir chegar ao fim do dia semtantas catástrofes.Observei-a, à espera.Ela sorriu. Os lábios dela curvaram-se nas pontas, e os olhos cor de chocolateaqueceram.Eu tinha acabado de admitir que a tinha seguido, e ela estava a sorrir.- Já te ocorreu a ideia de que talvez tivesse chegado a minha vez naquela primeiraocasião com a carrinha, e tu tens estado a interferir no destino? - Perguntou.- Não foi essa a primeira vez. – Disse-lhe, a olhar para a toalha de mesa avermelhada,os meus ombros curvados com vergonha. As minhas barreiras tinham caído, a verdade iasair de qualquer maneira. – A tua vez chegou quando te conheci.
  • 214. Era verdade, e enervava-me. Eu tinha sido posicionado na vida dela como a lâmina deuma guilhotina. Era como se ela tivesse sido marcada para morrer por um destino cruele injusto.Eu queria que alguma coisa, alguém, fosse responsável por isto, para que eu tivesse delutar contra algo concreto. Alguma coisa, qualquer coisa para destruir, para que elapudesse ficar a salvo.Bella estava muito quieta, a sua respiração tinha acelerado.Olhei para cima, para ela, sabendo que ia finalmente ver o medo que estava à espera. Eunão tinha acabado de admitir o quão perto estive de a matar? Mais perto do que acarrinha que ficou a meros centímetros de a esmagar. E mesmo assim, o seu rostoparecia calmo, os olhos dela ainda estavam semicerrados com preocupação.- Lembras-te? - Ela tinha que se lembrar daquilo.- Lembro. - Disse, com a voz calma e grave. Os olhos dela estavam cheios deconsciência.Ela sabia. Ela sabia que eu a quis matar.Onde é que estavam os gritos?- E, no entanto aqui estás tu sentada. – Disse-lhe, apontando a inerente contradição.- Sim, aqui estou eu sentada… por tua causa. - A expressão dela alterou-se, tornou-securiosa, enquanto mudou subtilmente de assunto – Porque, de alguma forma tu sabiascomo encontrar-me hoje…Sem esperanças, forcei mais uma vez a barreira que protegia os pensamentos dela,desesperado por entender. Não tinha lógica. Como é que ela se podia sequer importarcom o resto quando a verdade estava ali sobre a mesa?Ela esperou, apenas curiosa. A sua pele estava pálida, o que era natural nela, mas aindaassim preocupava-me. O seu jantar permanecia intocado à frente dela. Se eucontinuasse a contar-lhe demasiado, ela ia precisar de protecção quando o choquechegasse.Disse as minhas condições. – Tu comes e eu falo.
  • 215. Ela processou aquilo durante meio segundo e depois comeu um bocado com umavelocidade que parecia destruir a sua calma. Ela estava mais ansiosa pela minharesposta do que os seus olhos demonstravam.- É mais difícil do que devia ser, localizar-te. – Disse-lhe. – Normalmente consigoencontrar uma pessoa com muita facilidade quando já auscultei a sua mente antes.Observei o rosto dela com cuidado quando disse aquilo. Adivinhar era uma coisa, ter aconfirmação era outra.Ela não se mexia, tinha os olhos arregalados. Senti os meus dentes a ranger enquantoesperava que ela entrasse em pânico.Mas ela apenas piscou os olhos uma vez, engolindo sonoramente, e rapidamente mordeumais um pedaço. Ela queria que eu continuasse.- Andava a vigiar a Jessica. - Continuei. – Sem grandes cuidados. Como já referi, só tupoderias arranjar sarilhos em Port Angeles. - Não resisti ao comentário. Será que elasabia que as outras vidas humanas não estavam tão marcadas por experiências demorte iminente, ou ela achava que era normal? Ela era a coisa mais fora do normal queeu já tinha encontrado. – E a princípio, não reparei que partiras sozinha. Então, quandome apercebi de que já não estavas com elas, fui à tua procura à livraria que eu vira nacabeça dela. Percebi que não tinhas entrado e te deslocavas para sul… e sabia queterias de voltar para trás em breve. Assim, estava apenas à tua espera, perscrutandoaleatoriamente os pensamentos das pessoas que passavam na rua, para ver se alguémreparara em ti, de modo a poder saber onde estavas. Não tinha motivos para estarpreocupado… mas estava estranhamente ansioso. – A minha respiração ficou maisrápida quando me lembrei da sensação de pânico. O cheiro dela alcançou a minhagarganta e eu estava contente. Era uma dor que significava que ela estava viva.Enquanto me queimasse, ela estava a salvo.- Comecei a andar às voltas, ainda… à escuta. – Eu esperei que a palavra fizesse sentidopara ela. Isto provavelmente era confuso. – O Sol estava finalmente a pôr-se e euprestes a sair do carro e a seguir-te a pé. Então…
  • 216. Enquanto a memória me preenchia, perfeitamente clara e tão vívida como se euestivesse naquele momento novamente, senti a mesma fúria assassina a correr pelo meucorpo, prendendo-a em gelo.Eu queria-o morto. Eu precisava dele morto. O meu maxilar estava cerrado enquanto meconcentrava em manter-me no lugar. Bella ainda precisava de mim. Era isso queimportava.- Então o quê? – Sussurrou. Os seus olhos escuros arregalados.- Ouvi o que eles estavam a pensar. - Disse entre dentes, incapaz de fazer com que aspalavras saíssem sem parecerem um rosnado. – Vi o teu rosto na mente deles.Eu mal conseguia resistir à vontade de matar. Eu ainda sabia precisamente onde oencontrar. Os pensamentos negros deles passeavam pela noite, como se mechamassem…Cobri a minha cara, pois sabia que minha expressão era a de um monstro, um caçador,um assassino. Fixei a imagem dela por detrás dos meus olhos para me controlar,concentrando-me apenas no seu rosto. A delicada moldura óssea, a fina camada da suapele pálida, como seda esticada por cima de um vidro, incrivelmente macia, fina e fácilde estilhaçar. Ela era demasiado vulnerável para este mundo. Ela precisava de umprotector. E, devido a uma volta estranha do destino, eu era a coisa mais próxima queestava disponível.Tentei explicar a minha reacção violenta para que ela pudesse entender.- Foi muito… difícil para mim. Não imaginas quanto… simplesmente levar-te dali e deixá-los… vivos. - Suspirei. – Podia ter-te deixado ir com a Jessica e a Angela, mas receavaque se me deixasses sozinho, eu fosse à procura deles.Pela segunda vez esta noite, eu confessei a intenção de assassinato. Pelo menos estapodia ser perdoável.Ela estava quieta enquanto eu lutava para me tentar controlar. Ouvi as batidas docoração dela. O ritmo era irregular, mas acalmou-se conforme o tempo passava e agoraestava estável novamente. A respiração dela também estava lenta e estável.
  • 217. Eu estava demasiado próximo do limite. Eu precisava de a levar para casa antes de…Eu ia matá-lo, então? Ia-me tornar num monstro outra vez quando ela confiava em mim?Será que havia alguma forma de me deter?Ela tinha-me prometido contar a sua nova teoria quando estivéssemos sozinhos. Seráque eu ia querer ouvir? Estava ansioso por isso, mas será que a recompensa pela minhacuriosidade seria pior do que não saber?De qualquer das maneiras, ela já deve ter tido a verdade suficiente para uma noite.Olhei para ela outra vez, e o seu rosto estava mais pálido do que antes, mas composto.- Estás pronta para ir para casa? – Perguntei.- Estou pronta para me ir embora. - Disse, escolhendo as palavras com cuidado, como seum simples ‘sim’ não expressasse exactamente o que ela queria dizer.Frustrante.A empregada de mesa voltou. Ela tinha ouvido a última frase de Bella enquantocaminhava para o outro lado da sala, a pensar no que mais é que me poderia oferecer.Eu queria revirar os olhos a algumas das ofertas que ela tinha em mente.- Está tudo bem? – Perguntou-me.- Já pode trazer-nos a conta, obrigado. – Disse-lhe, enquanto olhava para Bella.A respiração da empregada de mesa acelerou, e ela ficou momentaneamente, usando afrase de Bella, deslumbrada com a minha voz.Num breve momento de percepção, ao ouvir como a minha voz soava na mente destahumana, eu percebi por que é que eu parecia estar a atrair tanta atenção esta noite, aocontrário do medo habitual.Era por causa de Bella. Como eu estava a tentar tanto ser seguro para ela, ser menosassustador, ser humano, eu tinha perdido o meu “toque”. Os outros humanos agora viambeleza, porque o meu horror inato estava cuidadosamente sob controlo.Olhei para a empregada, à espera que ela se recuperasse. Era um bocado engraçado,agora que eu sabia o motivo.- Com certeza. – Gaguejou. – Aqui tem.
  • 218. Ela estendeu-me a pasta com a conta, a pensar no cartão que tinha deixado por baixodo recibo. Um cartão com seu nome e telefone.Sim, era realmente engraçado.Eu já tinha o dinheiro pronto. Devolvi imediatamente a pasta, para que ela não perdessetempo à espera de um telefonema que nunca ia acontecer.- Não é necessário dar-me troco. - Disse, à espera que o tamanho da gorjetacompensasse o seu desapontamento.Levantei-me, e Bella seguiu-me imediatamente. Eu queria oferecer-lhe a minha mão,mas pensei que talvez estivesse a desafiar minha sorte um pouco demais por uma noite.Agradeci à empregada, sem que os meus olhos deixassem a cara de Bella. Ela tambémparecia estar a achar aquilo algo engraçado.Saímos dali, e eu caminhava o mais próximo dela que me atrevia. Perto o suficiente paraque o calor do corpo dela fosse como um toque físico contra o lado esquerdo do meucorpo. Enquanto eu lhe segurava a porta, ela suspirou ligeiramente, e eu perguntei-me oque a teria deixado triste. Encarei o olhar dela, prestes a perguntar, quando ela derepente olhou para o chão, parecendo envergonhada. Isso deixou-me ainda maiscurioso, ainda que relutante em perguntar. O silêncio entre nós continuou enquanto eulhe abria a porta do carro para que entrasse.Liguei o aquecedor, o tempo mais quente tinha de repente terminado. O frio do carrodevia ser desconfortável para ela. Encolheu-se no meu casaco, um pequeno sorriso nosseus lábios.Fiquei à espera, adiando a conversa até que as luzes do restaurante desaparecessem.Isso fez-me sentir ainda mais a sós com ela.Seria aquilo a coisa certa a fazer? Agora que eu estava concentrado apenas nela, ocarro parecia mais pequeno. O aroma dela dançava lá dentro com a corrente de ar doaquecedor, intensificando-se e aumentando. Cresceu com a sua própria força, como sefosse uma entidade própria dentro do carro. Uma presença que exigia ser vista.E tinha sido, eu ardi. No entanto, a sensação era aceitável. Parecia estranhamente
  • 219. apropriada para mim. Tinha-me sido dado tanto esta noite, mais do que eu esperava. Eaqui estava ela, ainda ao meu lado por vontade própria. Eu devia-lhe algo por aquilo. Umsacrifício, uma oferta.Agora, se eu simplesmente pudesse manter as coisas daquela forma. Apenas a sensaçãoardente na minha garganta, e mais nada… Mas o veneno encheu-me a boca, e os meusmúsculos ficaram tensos em antecipação, como se eu estivesse a caçar…Eu precisava manter tais pensamentos longe da minha cabeça. E eu sabia o que me iriadistrair.- Agora. – Disse-lhe, a temer a sua resposta e distraindo-me da sensação dequeimadura. – É a tua vez.10º Capitulo - Teoria- Posso fazer apenas mais uma pergunta? – Perguntou em vez de responder ao meupedido.Eu estava nervoso, à espera do pior. Mas ainda assim, tão tentador que era prolongareste momento. Ter Bella comigo, de boa vontade, só por mais alguns segundos. Suspireiface ao dilema, e depois disse, - Só uma.- Bem… - Hesitou por um momento, como se a decidir que pergunta fazer em voz alta. –Disseste que sabias que eu não entrara na livraria e que me dirigira para Sul. Estavaapenas a interrogar-me como é que sabias isso.Olhei para fora do pára-brisas. Aqui estava outra questão que não revelava nada sobreela, e demasiado sobre mim.- Pensei que já tínhamos superado todas as atitudes evasivas – Disse ela com um tomcrítico e desapontado.Que irónico. Ela estava a ser cruelmente evasiva sem sequer tentar.
  • 220. Bem, ela queria que eu fosse directo. E esta conversa não ia para nenhum lado bom dequalquer forma.- Então muito bem. – Disse-lhe – Segui o teu cheiro.Eu queria ver a cara dela, mas tive medo do que poderia ver. Em vez disso, ouvi arespiração dela acelerar e de seguida a regularizar. Falou novamente depois de ummomento, e a voz dela estava mais estável do que eu estava à espera.- E, então, não respondeste a uma das minhas primeiras perguntas… - Disse ela.Eu olhei para baixo, na direcção dela, com uma cara reprovadora. Ela também estava aempatar.- Qual?- Como é que funciona a questão da adivinhação do pensamento? - Perguntou, repetindoa pergunta do restaurante. – Consegues adivinhar os pensamentos de qualquer pessoa,em qualquer lugar? Como é que consegues? O resto da tua família também pode…? –Calou-se, a corar outra vez.- Isso é mais do que uma pergunta. – Disse-lhe.Ela simplesmente olhou para mim, à espera das suas respostas.E por que não contar-lhe? Ela já tinha adivinhado a maior parte disto, e era um assuntomais fácil do que aquele que se aproximava.- Não, só eu é que posso. E não consigo auscultar qualquer pessoas, em qualquer lugar.Tenho de estar relativamente próximo. Quanto mais conhecida é a… “voz” de umapessoa, maior é distância a que consigo auscultá-la. Mas, mesmo assim, a não mais doque alguns quilómetros. - Eu tentei pensar nalguma maneira de descrever isto para queela percebesse. Uma analogia à qual ela se podia relacionar. – Assemelha-se um pouco aestar num enorme salão cheio de pessoas, com toda a gente a falar ao mesmo tempo. Éapenas um murmúrio, um burburinho de vozes ao fundo. Até me concentrar num únicavoz e, então, o que essa pessoa estiver a pensar torna-se claro para mim. Durante amaior parte do tempo, desligo-me simplesmente de tudo isso, é muito perturbador. E,depois, é mais fácil parecer normal. - Fiz uma careta – Quando não estou
  • 221. acidentalmente a responder aos pensamentos de alguém em vez de responder às suaspalavras.- Por que motivo julgas que não me consegues ouvir? - Perguntou.- Não sei. - Admiti. – O meu único palpite é que talvez a tua mente não funcione damesma forma que a das restantes pessoas, como se os teus pensamentos estivessem nafrequência AM e eu só conseguisse sintonizar em FM.Percebi que ela não ia gostar desta analogia. A antecipação da reacção dela fez-mesorrir. Ela não me desapontou.- A minha mente não funciona convenientemente? - Perguntou, com a voz a aumentar detom com desgosto. – Sou uma aberração?Ah, a ironia outra vez.- Ouço vozes dentro da minha cabeça e tu é que estás preocupada com a possibilidadede seres uma aberração – Ri-me. Ela percebia todas as coisas pequenas, e ainda assimignorava as grandes. Sempre os instintos errados…A Bella estava a morder o lábio, e as rugas entre os olhos aprofundaram-se.- Não te preocupes – Assegurei-a – Trata-se apenas de uma teoria. - E havia uma teoriamais importante para ser discutida. Eu estava ansioso por despachar este assunto.Cada segundo que passava parecia mais e mais como um tempo roubado.- O que nos leva novamente a ti. - Disse, dividido em dois, ambos ansiosos e relutante.Ela suspirou, ainda a morder o lábio - eu estava preocupado que ela se magoasse a elaprópria. Olhou-me nos olhos, com o rosto confuso.- Não superámos já todas as atitudes evasivas? - Perguntei calmamente.Olhou para baixo, a debater-se com algum dilema interno. De repente, o corpo delaficou rígido e os olhos arregalaram-se. O medo passou pelos olhos dela pela primeiravez.- Valha-me Deus! – Sobressaltou-se.Entrei em pânico. O que é que ela tinha visto? Como é que eu a tinha a apavorado?Então gritou. – Abranda!
  • 222. - O que é que se passa? - Eu não percebi de onde é que vinha o terror dela.- Vais a cento e sessenta quilómetros por hora! – Gritou-me. Ela. Olhou para fora dajanela e viu as árvores negras a passarem rapidamente por nós.Esta coisinha, só um bocado de velocidade, fê-la gritar com medo?Revirei os olhos. – Descontrai-te Bella.- Estás a tentar fazer com que ambos morramos? – Exigiu saber, a sua voz alta e firme.- Não vamos bater. – Prometi-lhe.Ela inspirou ansiosamente, e depois falou num tom levemente mais moderado. – Porqueestás com tanta pressa?- Conduzo sempre desta forma.Encontrei o olhar dela, a divertir-me com a expressão chocada dela.- Não tires os olhos da estrada! - Gritou.- Nunca me envolvi num acidente Bella. Nunca fui sequer autuado. - Sorri e depoistoquei na minha testa. Tornava isto ainda mais cómico – o facto de ser absurdo sercapaz de fazer piadas com ela sobre algo tão secreto e estranho. – Detector de radarincorporado.- Muito engraçado - Disse sarcasticamente, com a voz mais assustada do que com raiva.– O Charlie é polícia, lembras-te? Fui educada para obedecer às regras de trânsito.Além disso, se nos transformares numa rosquilha da marca Volvo a envolver o tronco deuma árvore, podes provavelmente sair ileso.- Provavelmente. - Repeti, e depois ri-me sem humor. Sim, nós pagaríamos um preço umbocado diferente num acidente de carro. Ela tinha razão em estar com medo, arespeito das minhas qualidades de condução… - Mas tu não.Com um suspiro, deixei o carro diminuir de velocidade. – Satisfeita?Olhou para o velocímetro - Quase.Isto ainda era demasiado rápido para ela? – Detesto conduzir devagar - Murmurei, masdeixei o ponteiro cair mais um bocado.- Isto é devagar? - Perguntou.
  • 223. - Já chega de comentários sobre a minha condução - Disse impacientemente. Quantasvezes, até agora é que ela já se tinha desviado da minha pergunta? Três vezes?Quatro? Eram as especulações dela assim tão horríveis? Eu tinha que saber,imediatamente. – Ainda estou à espera de ouvir a tua mais recente teoria.Ela mordeu o lábio outra vez, e a expressão dela se tornou-se preocupada, quase asofrer.Dominei a minha impaciência e suavizei a voz. Eu não queria que ela ficasse stressada.- Eu não me rio. - Prometi, a desejar que esse fosse o único obstáculo que a estivesse aimpedir de falar.- Receio mais que fiques zangado comigo - Sussurrou.Forcei a minha voz para ficar equivalente – É assim tão má?- Sim, bastante.Ela olhou para baixo, recusando-se a olhar-me nos olhos. Os segundos passavam.- Continua. - Encorajei.Falava em voz baixa – Não sei por onde começar.- Porque não começas pelo princípio? – Lembrei-a das suas palavras antes do jantar. –Disseste que não a elaboraste sozinha.- Pois não. - Concordou, e depois ficou silêncio de novo.Pensei em coisas que a pudessem ter inspirado. – O que é que a desencadeou? Um livro?Um filme?Eu devia ter dado uma olhadela na sua colecção quando ela estava fora da casa. Eu nãofazia ideia se Bram Stoker ou Anne Rice estavam naquela pilha de livros usados…- Não - Disse outra vez – Foi o dia de sábado, na praia.Não estava à espera daquela. A bisbilhotice local sobre nós nunca tinha dado em nadademasiado bizarro, ou demasiado preciso. Havia algum rumor novo que me tivesseescapado? Bella desviou o olhar das suas mãos e viu a surpresa no meu rosto.- Encontrei um velho amigo de família, Jacob Black - Continuou – O pai dele e o Charliesão amigos desde que eu era bebé.
  • 224. Jacob Black, o nome não me era familiar, mas mesmo assim lembrava-me de algumacoisa… há algum tempo, tempo atrás… Olhei para o pára-brisas, a procurar através dasmemórias a tentar encontrar alguma conexão.- O pai dele é um dos anciãos Quileutes. – Disse ela.Jacob Black. Ephraim Black. Um descendente, sem dúvida.Não podia ficar pior do que isto.Ela sabia da verdade.A minha mente estava a voar pelas ramificações enquanto o carro passava à volta dascurvas escuras da estrada, o meu corpo rígido, com angústia, a movimentar-se apenas onecessário para conduzir o carro.Mas… se ela tinha descoberto a verdade no sábado… então ela soube disso a noiteinteira… e ainda assim…- Fomos dar uma volta – Continuou ela. – E ele contou-me algumas lendas antigas,tentando assustar-me, creio eu. Contou-me uma…Parou, mas não havia necessidade para ela ficar apreensiva agora. Eu sabia o que é queela ia dizer. O único mistério que restava era por que é que ela estava sentada aquicomigo.- Continua – Disse-lhe.- Sobre vampiros - Sussurrou, as palavras saíram mais baixas do que um suspiro.De alguma forma, era ainda pior do que saber que ela sabia, ouvi-la dizer a palavra emvoz alta. Encolhi-me com o som daquilo, e depois controlei-me novamente.- E pensaste imediatamente em mim? - Perguntei.- Não. Ele… mencionou a tua família.Que irónico ter sido o próprio descendente de Ephraim a violar o tratado que elepróprio jurou manter. Um neto, ou bisneto talvez. Quantos anos tinham se passado?Dezassete?Eu devia ter percebido que não era o velho que acreditava nas lendas que seria o perigo.É claro, a nova geração, aqueles que tinham sido avisados mas que tinham achado as
  • 225. superstições antigas ridículas, é claro que era aí que estava o perigo da exposição.Supus que isto significava que agora eu era livre para matar a pequena, indefesa tribona costa, a que eu estava tão disposto. Ephraim e a sua matilha de protectores há muitoque estavam mortos…- Ele pensava apenas que se tratava de uma superstição tola – Disse Bella de repente, avoz dela ficou mais aguda com uma nova ansiedade. – Não esperava que eu daí retirassealguma coisa.Pelo canto do olho vi-a a torcer as mãos inquietamente.- A culpa foi minha - Disse depois de uma breve pausa, depois inclinou a cabeça como seestivesse envergonhada – Obriguei-o a contar-me.- Porquê? – Agora não era tão difícil manter o nível da minha voz. O pior já estavafeito. Desde que falássemos dos detalhes da revelação, não tínhamos que avançar paraas consequências disso.- A Lauren disso algo a teu respeito, estava a tentar provocar-me - Fez uma pequenacareta com a memória. Eu fiquei ligeiramente distraído, a perguntar-me como é queBella poderia ter sido provocada por alguém a falar sobre mim. – E um rapaz mais velhoda tribo referiu que a tua família não ia à reserva, só que parecia que as suas palavrastinham um segundo sentido. Assim, fiz por ficar a sós com o Jacob e levei-o a fazer-meessas revelações.A cabeça dela baixava-se ainda mais à medida que admitia aquilo, e a sua expressãoparecia… culpada.Parei de olhar para ela e ri-me alto. Ela sentia-se culpada? O que é que ela podiapossivelmente ter feito para merecer qualquer tipo de censura?- Como é que o levaste a fazê-lo? - Perguntei.- Tentei namoriscá-lo… foi mais eficaz do que eu pensava – Explicou, e sua voz tornou-se incrédula com a memória daquele sucesso.Eu conseguia imaginar - considerando a atracção que ela parecia exercer sobre todosos machos, e sendo totalmente inconsciente disso - o quão irresistível ela seria quando
  • 226. tentava ser atraente. Subitamente fiquei cheio de pena pelo rapaz inocente a que elalibertou tanta força potente.- Gostava de ter assistido - Disse, e depois ri-me de novo com humor negro. Gostava deter podido ouvir a reacção do rapaz, testemunhado a devastação para mim mesmo. – Eacusaste-me a mim de deslumbrar as pessoas. Pobre Jacob Black.Eu não estava tão zangado com a fonte da minha exposição como achava que ia ficar.Ele não sabia. E como é que eu podia esperar que alguém negasse a esta rapariga o queela queria? Não, eu apenas senti solidariedade pelo dano que ela poderia ter causado àmente dele.Senti o corar dela a aquecer o ar entre nós. Olhei para ela, mas ela estava a olhar parafora da janela. Não falou novamente.- O que fizeste então? - Perguntei. Hora Estava na hora de voltar para a história deterror.- Fiz algumas pesquisas na Internet.Sempre prática. – E isso convenceu-te?- Não - Disse. – Nada se encaixava. A maior parte da informação era bastantedisparatada. Então…Ela parou de falar outra vez, e eu ouvi seus dentes a cerrarem-se.- O quê? - Exigi. O que é que ela tinha encontrado?Houve uma breve pausa, e em seguida, ela sussurrou – Cheguei à conclusão de que nãotinha importância.O choque congelou os meus pensamentos durante meio segundo, e depois tudo seencaixou. Por que é que ela tinha mandado as amigas embora em vez de fugir com elas.Por que é que ela tinha entrado no meu carro comigo novamente, em vez de sair acorrer, a gritar pela polícia…As reacções dela estavam sempre erradas, sempre completamente erradas… Ela puxavao perigo para si própria. Ela convidava-o.- Não tinha importância? - Disse entre dentes, a raiva a preencher-me. Como é que era
  • 227. suposto proteger alguém tão… tão… tão determinado a ser desprotegido?- Não, não me interessa o que tu és – Disse ela com uma voz tão calma que erainexplicável.Ela era impossível.- Não te importas que eu seja um monstro? Que eu não seja humano?- Não.Comecei a perguntar-me se ela era de todo estável.Supus que lhe poderia arranjar os melhores cuidados disponíveis… Carlisle teria oscontactos para lhe encontrar os médicos com mais capacidades, os terapeutas com maistalento. Talvez alguma coisa pudesse ser feita para corrigir o que quer que estivessede errado com ela, o que quer que fosse que a punha contente por estar sentada ao ladode um vampiro com o coração a bater calma e estavelmente. Eu vigiaria as instalações,naturalmente, e visitá-la-ia sempre que me fosse permitido…- Estás zangado - Suspirou – Não devia ter-te dito nada.Como se esconder estas tendências perturbantes fosse ajudar algum de nós os dois.- Não. Prefiro saber o que pensas, mesmo que o que penses seja de loucos.- Então estou enganada outra vez? - Perguntou ela, agora com um tom de desafio.- Não era a isso que eu me referia - Os meus dentes rangeram novamente - “Não temimportância!” - Repeti num tom sarcástico.Ela ofegou – Tenho razão?- Isso tem alguma importância?Respirou fundo. Esperei furiosamente pela sua resposta.- Nem por isso - Disse, com a voz dela composta de novo. – Mas estou com curiosidade.Nem por isso. Na realidade não importava muito. Ela não queria saber. Ela sabia que euera não humano, um monstro, e isso não tinha importância para ela.Além das minhas preocupações em relação à sanidade dela, comecei a sentir um bocadode esperança. Tentei acabar com isso.- Sentes curiosidade em relação a quê? - Perguntei. Não havia segredos que restassem,
  • 228. apenas mínimos detalhes.- Que idade tens? – Perguntou-me.A minha resposta foi automática. – Dezassete.- E há quanto tempo tens dezassete anos?Tentei não sorrir àquele tom superior. - Há algum - Admiti.- Muito bem – Disse satisfeita. Sorriu para mim. Quando olhei de volta para ela, outravez ansioso em relação à sua saúde mental, ela fez um sorriso mais largo. Eu franzi atesta.- Não te rias – Avisou – Mas como é que podes andar na rua durante o dia?Eu ri-me apesar do seu pedido. Parecia que a sua investigação não tinha nada deincomum – Mito – disse-lhe.- Ser queimado pelo sol?- Mito.- Dormir em caixões?- Mito.Dormir já não era parte da minha vida há muito tempo, até estas últimas noites,enquanto eu via Bella a sonhar…- Não consigo dormir – Murmurei, respondendo à sua pergunta mais completamente.- De todo?- Nunca – Disse por baixo da respiração.Olhei para os olhos dela, bastante abertos por baixo da espessa camada de pestanas, eansiei por dormir. Não para esquecimento, como antes, não para fugir do tédio, masporque eu queria sonhar. Talvez, se eu pudesse ficar inconsciente, se eu pudessesonhar, poderia viver por algumas horas num mundo onde eu e ela pudéssemos ficarjuntos. Ela sonhava comigo. Eu queria sonhar com ela.Olhou de volta para mim, a sua expressão cheia de admiração. Tive que desviar o olhar.Eu não podia sonhar com ela. Ela não devia sonhar comigo.- Ainda não me colocaste a questão mais importante – Disse, o meu peito silencioso mais
  • 229. frio e mais rígido que nunca. Ela tinha de ser forçada a compreender. Nalguma altura,ela teria que perceber o que estava a fazer agora. Ela tinha que ser forçada a ver quetudo isto tem importância, mais do que qualquer outra consideração. Consideraçõescomo o facto de que eu a amava.- Qual? – Perguntou surpreendida e não preparada.Isso só fez com que a minha voz ficasse mais séria. – Não estás interessada no meuregime alimentar?- Pois, isso. – Ela falou num tom calmo que eu não consegui interpretar.- Pois, isso. Não queres saber se eu bebo sangue?Ela encolheu-se com a minha pergunta. Finalmente. Ela estava a perceber.- Bem, o Jacob mencionou algo a esse respeito - Disse.- O que é que o Jacob mencionou?- Mencionou que vocês não… caçavam pessoas. Mencionou que a tua família não devia serperigosa porque só caçavam animais.- Disse que nós não éramos perigosos? – Repeti cinicamente.- Não propriamente – Esclareceu – Disse que não devias ser perigosos, mas queQuileutes continuavam a não querer que vocês pisassem nas suas terras. Não vá o Diabotecê-las.Eu olhei para a estrada. Os meus pensamentos num rosnado sem esperança, a minhagarganta a doer com a sede ardente familiar.- Então, ele tinha razão? - Perguntou, tão calmamente como se estivesse a confirmarum relatório meteorológico. – A respeito de vocês não caçarem pessoas?- Os Quileutes têm uma memória de longo alcance.Acenou a cabeça para ela mesma, a pensar profundamente.- Mas não deixes que isso te torne complacente. - Disse rapidamente – Eles agemacertadamente ao manterem a distancia em relação a nós. Continuamos a ser perigosos.- Não compreendo.Não, não compreendia. Como fazê-la entender?
  • 230. - Nós tentamos – Contei-lhe – Costumamos ser muito bons naquilo que fazemos. Porvezes, cometemos erros. Eu, por exemplo, ao permitir-me ficar a sós contigo.O cheiro dela ainda era uma força dentro do carro. Estava a habituar-me a ele, quaseque o conseguia ignorar, mas não havia como negar que o meu corpo ainda a desejavapela razão errada. A minha boca estava a nadar em veneno.- Isto é um erro? - Perguntou, e havia tristeza na sua voz. O som daquilo desarmou-me.Ela queria estar comigo, apesar de tudo, ela queria estar comigo. A esperança cresceuoutra vez, e eu mandei-a de volta para trás.- Um erro muito perigoso - Disse com sinceridade.Ela não respondeu por um momento. Ouvi a sua respiração a mudar, a alterar-se deformas estranhas que não soavam a medo.- Conta-me mais coisas ela disse de repente, sua voz estava distorcida pela angústia.Examinei-a cuidadosamente. Ela estava a sofrer. Como é que eu permiti isto?- O que queres saber mais? – Perguntei, a pensar numa maneira de a impedir de semagoar. Ela não se devia magoar. Eu não podia deixá-la ser magoada.- Diz-me porque é que caças animais em vez de pessoas - Disse, ainda angustiada.Isso não era evidente? Ou talvez não tivesse importância para ela- Eu não quero ser um monstro - Murmurei.- Mas os animais não são suficientes?Procurei por outra comparação, para que ela pudesse entender. – Não posso ter acerteza, como é evidente, mas compará-lo-ia a uma alimentação à base de tofu e leitede soja, consideramo-nos vegetarianos. É uma pequena piada entre nós. Não saciacompletamente a fome, ou, melhor… A sede. Mas mantêm-nos suficientemente fortespara conseguirmos resistir. A maior parte do tempo - A minha voz ficou mais baixa.Estava envergonhado pelo perigo em que a deixei colocar-se. Perigo que eu continuava apermitir… - Umas vezes é mais difícil do que outras.- Está a ser muito difícil para ti agora?Suspirei. É claro que ela ia fazer a pergunta que eu não queria responder. – Está -
  • 231. Admiti.Desta vez adivinhei correctamente a reacção física dela. A respiração dela ficouestável, o seu coração manteve as batidas. Eu estava à espera disso, mas nãocompreendia. Como é que ela podia não ter medo?- Mas agora não tens fome – Declarou, perfeitamente segura.- Porque pensas isso?- Os teus olhos – Disse ela de improviso - Eu disse-te que tinha uma teoria. Reparei queas pessoas, principalmente os homens, ficam mais rabugentas quando têm fome.Eu ri-me da descrição dela: rabugento. Rabugento era favor. Mas ela estavacompletamente certa, como de costume. – És observadora não és? – Ri-me novamente.Ela sorriu um bocado, a ruga entre as sobrancelhas acentuou-se, como se estivesse aconcentrar em alguma coisa.- Foste caçar no passado fim-de-semana com o Emmett? - Perguntou depois de o meuriso ter desaparecido. A maneira casual como ela falava era tão frustrante comofascinante. Ela conseguia mesmo perceber tanto só de uma vez? Eu estava mais emchoque do que ela alguma vez tinha estado.- Fui – Disse-lhe, e de seguida, quando estava prestes a deixar o assunto por ali, senti amesma urgência que tinha sentido no restaurante. Eu queria que ela me conhecesse -Não queria partir - Continuei lentamente – Mas era necessário. É uma pouco mais fácilestar perto de ti quando não estou sedento.- Porque é que não querias partir?Respirei fundo, e depois virei-me para encontrar o olhar dela. Este tipo de honestidadeera difícil de uma forma muito diferente – Fico… ansioso - Supus que aquela palavrafosse suficiente, embora não fosse suficientemente forte – Quando estou longe de ti.Não estava a brincar quando te pedi que tentasses não cair no mar nem ser atropeladana passada quinta-feira. Passei todo o fim-de-semana preocupado contigo. E, depois doque aconteceu esta noite, estou surpreendido por teres conseguido espaçar ilesa a umfim-de-semana inteiro – E depois lembrei-me dos arranhões nas palmas das suas mãos -
  • 232. Bem, não totalmente ilesa.- O quê?- As tuas mãos – Lembrei-a.Suspirou e enrugou a testa – Caí.Tinha acertado - Foi o que eu pensei - Disse, incapaz de conter o meu sorriso - Suponhoque, tratando-se de ti, poderia ter sido muito pior… E essa possibilidade atormentou-me durante todo o tempo que passei fora. Foram três dias muito longos. Irritei oEmmett a sério.Honestamente, aquilo não fazia parte do passado. Provavelmente eu ainda estava airritar o Emmett, e o resto da minha família também. Excepto a Alice…- Três dias? – A voz repentinamente afiada – Não regressaram hoje?Não entendi a frieza na voz dela – Não, regressámos no Domingo.- Então porque é que nenhum de vós estava na escola? – Exigiu saber. A irritação delaconfundiu-me. Ela não parecia ter percebido que esta questão era uma que serelacionava com a mitologia novamente.- Bem, perguntaste-me se o Sol me magoava e não magoa – Disse – Mas não possoexpor-me à luz solar, pelo menos em lugares onde alguém me possa ver.Aquilo desviou-a da sua irritação misteriosa – Porquê? – Perguntou, inclinando a cabeçapara o lado.Duvidei que arranjasse uma analogia apropriada para explicar esta. Portanto disse-lheapenas – Um dias destes mostro-te - E então perguntei-me se esta era uma promessaque acabaria por quebrar. Ia vê-la de novo depois desta noite? Já a amava o suficientepara suportar deixá-la?- Podias ter-me telefonado – Disse ela.Que estranha conclusão – Mas eu sabia que estavas a salvo.- Mas eu não sabia onde tu estavas. Eu… - Ela interrompeu de uma maneira repentina, eolhou para as suas mãos.- O quê?
  • 233. - Não gostei - Disse com timidez, a pele a corar ao longo das suas bochechas – De nãote ver. Também me faz ficar ansiosa.Estás contente agora? Perguntei a mim mesmo. Bem, aqui estava a recompensa por teresperançado.Eu estava perplexo, feliz, horrorizado, principalmente horrorizado. Era por isto que elanão se importava por eu ser um monstro. Era exactamente pela mesma razão que eu jánão me importava com as regras. A razão por que o certo e o errado já não eraminfluências incontornáveis. A razão por que as todas as minhas prioridades tinhamdescido um nível para dar espaço a esta rapariga no topo.Bella também se importava comigo.Eu sabia que podia ser nada em comparação ao quanto eu a amava. Mas era o suficientepara que ela arriscasse a sua vida ao sentar-se aqui comigo. Para fazê-lo tão boavontadeO suficiente para a magoar se eu fizesse a coisa certa e a deixasse.Havia alguma coisa que eu pudesse fazer agora que não a magoasse? Nada? Eu devia terficado afastado. Eu nunca devia ter voltado para Forks. Só iria lhe provocar dor, maisnada.Aquilo impedir-me-ia de ficar, agora? De piorar as coisas?A forma como me sentia neste momento, a sentir o calor dela contra minha pele…Não. Nada me ia parar.-Ah - Gemi comigo mesmo – Isto está errado.- O que é que eu disse? – Perguntou, rapidamente a culpar-se.- Não vês Bella? Fazer-me infeliz a mim mesmo é uma coisa, mas outra coisacompletamente diferente é o facto de tu estares tão envolvida. Não quero ouvir-tedizer que te sentes assim - Era a verdade, era uma mentira. A parte mais egoísta demim estava a voar com o conhecimento de que ela me queria como eu a queria. – Estáerrado. Não é seguro. Eu sou perigoso Bella. Por favor, compreende isso.- Não – Os lábios dela ficaram apontados com petulância.
  • 234. - Estou a falar a sério - Eu estava a lutar comigo próprio com tanta força, meiodesesperado para ela aceitar, meio desesperado para manter os avisos e fugir, que aspalavras passaram pelos meus dentes como um rugido.- Eu também – Insistiu – Já te disse que não me interessa o que tu és. Já é demasiadotarde.Demasiado tarde? O mundo ficou desoladamente preto e branco por um interminávelsegundo enquanto eu vi as sombras a espalharem-se sobre o relvado soalheiro emdirecção à forma adormecida de Bella na minha memória. Inevitável, imparável. Elasroubaram a cor da sua pele, e mandaram-na para a escuridão.Demasiado tarde? A visão de Alice girava na minha cabeça, os olhos vermelhossangrentos de Bella a olhar para mim passivamente. Sem expressão, mas não havianenhuma maneira de ela não me odiar por aquele futuro. Odiar por lhe ter roubadotudo. Roubado a sua vida e alma.Não podia ser demasiado tarde.- Nunca digas isso.Ela olhou para fora da janela, e mordeu o lábio novamente. As suas mãos estavamapertadas em punhos no colo. A respiração dela acelerou, e parou.- Em que estás a pensar? - Eu tinha que saber.Ela abanou a cabeça, sem olhar para mim. Eu vi algo a brilhar, como um cristal, na suabochecha.Agonia – Estás a chorar? - Eu tinha-a feito chorar. Magoei-a a esse ponto.Esfregou as lágrimas com a parte de trás da mão.- Não - Mentiu, a voz falhou.Algum instinto há muito enterrado fez-me estender a mão para a alcançar, e naquelepequeno segundo eu senti-me mais humano que nunca. E depois lembrei-me que… nãoera. E baixei a minha mão.- Desculpa - Disse, o meu queixo preso. Como é que eu lhe podia dizer o quanto estavaarrependido? Arrependido por todos os erros estúpidos que eu tinha cometido.
  • 235. Arrependido pelo meu egoísmo sem fim. Arrependido por ela ter inspirado em mim omeu primeiro e trágico amor. Arrependido também por coisas fora do meu controlo, poreu ter sido o monstro escolhido por destino para acabar com a vida dela em primeirolugar.Respirei fundo, ignorando a minha reacção miserável ao sabor no carro, e tenteirecompor-me.Queria mudar de assunto, pensar noutra coisa. Para a minha sorte, a minha curiosidadesobre esta rapariga era insaciável. Eu tinha sempre uma pergunta.- Diz-me uma coisa – Disse-lhe.- Sim? - Perguntou roucamente, as lágrimas ainda estavam na sua voz.- Em que é que estavas a pensar esta noite, mesmo antes de eu contornar a esquina?Não consegui perceber a expressão estampada no teu rosto e não parecias assim tãoassustada. Mas parecias sim estar a concentrar-te profundamente em algo – Lembrei-me da cara dela, forçando-me a esquecer de que olhos eu estava a olhar, e vi um olharde determinação.- Estava a tentar lembrar-me de como incapacitar um agressor - Disse, a voz umbocado mais composta. – Tu sabes, auto-defesa. Ia esmurrar-lhe o nariz e enfiar-lho nocérebro.A sua compostura não durou até ao fim da explicação. O tom dela mudou até quefervesse em ódio. Isto não foi nenhuma hipérbole, e a sua fúria de gatinho agora nãoera engraçada.Eu conseguia ver a frágil figura dela, simplesmente seda por cima de vidro, ofuscadapor aqueles monstros humanos que a teriam magoado. A fúria ferveu de novo na minhacabeça.- Ias lutar com eles? - Eu queria gritar. Os instintos dela eram mortais para si mesmo.– Não pensaste em fugir?- Caio muitas vezes quando corro - Disse envergonhada.- E em gritar?
  • 236. - Estava a chegar a essa parte.Abanei a minha cabeça a não acreditar naquilo. Como é que ela conseguiu sobreviverantes de vir para Forks?- Tinhas razão – Disse-lhe, com irritação na minha voz – Estou decididamente a lutarcontra o destino ao tentar manter-te viva.Ela suspirou, e olhou para fora da janela. Depois voltou a olhar para mim.- Vemo-nos amanhã? - Perguntou abruptamente.Já que estava a caminho do inferno, já agora aproveitava a viagem.- Vemos, também tenho um trabalho a entregar – Sorri-lhe, e senti bem a fazer isto –Guardo-te um lugar ao almoço.O coração dela palpitou, o meu coração morto subitamente sentiu-se mais quente.Parei o carro à frente da casa do seu pai. Ela não fez nenhum movimento para medeixar.- Prometes estar lá amanhã? - Insistiu.- Prometo.Como é que fazer a coisa errada me podia dar tanta felicidade?Ela acenou para si mesma, satisfeita, e começou a tirar o meu casaco.- Podes ficar com ele – Assegurei rapidamente. Preferia deixá-la com alguma coisaminha. Um símbolo, como a tampa da garrafa que estava em meu bolso agora… - Nãotens casaco para vestir amanhã.Ela devolveu-mo, a sorrir tristemente – Não quero ter de dar explicações ao Charlie.Eu imaginava que não. Sorri-lhe – Ah, pois.Ela pôs a mão na maçaneta do carro e depois parou. Relutante em ir embora, assim comoeu estava relutante em deixá-la ir.Tê-la sem protecção, nem que seja por alguns momentos…Peter e Charlotte agora já estavam no seu caminho, há muito que passaram por Seattle,sem dúvida. Mas há sempre outros. Este mundo não era um lugar seguro para nenhumhumano, e para ela parecia ainda mais perigoso do que para o resto.
  • 237. - Bella? - Chamei, surpreendido com o prazer que dava a simplesmente dizer o nomedela.- Sim?- Prometes-me uma coisa?- Sim - Concordou facilmente, e depois os olhos dela semicerraram-se como se tivessepensado num motivo para se queixar.- Não entres no bosque sozinha – Avisei-a, a perguntar-me se este pedido lhe fossecriar discórdia nos olhos.Ela piscou os olhos, surpreendida – Porquê?Olhei para escuridão que não era de confiança. A falta de luz não era um problema paraos meus olhos, mas também não seria um problema para qualquer outro caçador. Apenascegava os humanos.- Nem sempre sou a criatura mais perigosa que por ali deambula – Disse-lhe – Fiquemospor aqui.Ela arrepiou-se, recuperou rapidamente e até estava a sorrir quando me disse – Comoqueiras.A respiração dela tocou no meu rosto, tão doce e perfumada.Eu podia ficar nisto a noite inteira, mas ela precisava de dormir. Os dois desejospareciam igualmente fortes enquanto se continuavam a batalhar dentro de mim: querê-la e querer que ela ficasse a salvo.Suspirei àquelas duas impossibilidades - Até amanhã - Disse, sabendo que a ia ver muitomais cedo que isso. Ela não me ia ver até amanhã, no entanto.- Até amanhã, então - Concordou enquanto abria a porta.Agonia novamente, ao vê-la partir.Inclinei-me atrás dela, a querer mantê-la ali. - Bella?Ela virou-se e depois congelou, surpreendida por ver as nossas caras tão perto.Eu, também, estava surpreendido com a proximidade. O calor saía da pele dela emondas, a acariciar o meu rosto. Eu conseguia tudo menos sentir a seda da sua pele…
  • 238. As batidas do seu coração hesitaram, e os lábios abriram-se.- Dorme bem – Sussurrei, e afastei-me antes que a urgência de meu corpo - ou a sedefamiliar ou este novo e estranho desejo que eu senti de repente - me fizesse fazeralgo que a pudesse magoar.Ela permaneceu ali sentada sem se movimentar por um momento, os olhos arregalados eatordoados. Deslumbrada, supus.Tal como eu estava.Ela recuperou, apesar da sua cara ainda estar um pouco confusa, e saiu quase que caiudo carro, a tropeçar nos pés e a ter de se agarrar ao carro para se equilibrar.Abafei um riso, na esperança que tivesse sido baixo o suficiente para que ela nãotivesse ouvido.Vi-a a tropeçar o caminho toda até à parte iluminada que vinha da porta da frente. Emsegurança por agora. E eu estaria de volta em breve para me certificar.Conseguia sentir os olhos a seguirem-me enquanto conduzia pela rua escura. Umasensação tão diferente do que eu estava habituado. Normalmente, eu podiasimplesmente ver-me através dos olhos de outra pessoa. Isto era estranhamenteexcitante, esta sensação incompreensível de estar a ser observado. Eu sabia que issoera apenas por serem os seus olhos.Um milhão de pensamentos perseguiam-se uns aos outros na minha cabeça enquanto euconduzia sem rumo pela noite.Durante um longo tempo circulei pelas ruas, sem ir para lugar algum, a pensar em Bellae na libertação de a verdade estar descoberta. Já não tinha que ter medo de eladescobrir o que eu era. Ela sabia. E não tinha importância para ela. Mesmo que fosseobviamente uma coisa má para ela, era impressionantemente libertador para mim.Mais que isso, eu pensava na Bella e no amor compensatório. Ela não me podia amar damesma forma que eu a amava, um amor tão forte, tão consumidor e arrasador iaprovavelmente partir o corpo frágil dela. Mas o que ela sentia era forte o suficiente. Osuficiente para subjugar o medo instintivo. O suficiente para querer estar comigo. E
  • 239. estar com ela era a maior felicidade que eu já tinha conhecido.Por um bocado, enquanto estava sozinho e sem magoar ninguém para variar, permiti-mea sentir aquela felicidade sem que terminasse em tragédia. Apenas a ser feliz por elase importar comigo. Apenas a regozijar-me por ter ganho o afecto dela. Apenas aimaginar dia após dias a sentar-me perto dela, a ouvir a vós dela e a receber os seussorrisos.Repeti aquele sorriso na minha cabeça, a observar os lábios cheios dela a erguerem-senos cantos, a ponta de uma covinha aparecia na ponta do seu queixo, a maneira como osseus olhos tinham aqueciam e derretido… Os dedos dela tinham um toque tão quente esuave na minha mão esta noite. Imaginei como seria tocar na delicada pele que seesticava por cima das bochechas dela. Sedoso, quente… tão frágil. Seda por cima devidro… espantosamente quebrável.Eu não vi para onde é que os meus pensamentos estavam a ir até ser tarde de mais.Enquanto me debruçava sobre aquela vulnerabilidade devastadora, novas imagens doseu rosto fizeram-se de intrusas nas minhas fantasias.Perdida nas sombras, pálida com medo. Ainda assim o seu queixo firme e determinado,os seus olhos ferozes, cheios de concentração, o seu corpo magro decidido a enfrentaras formas pesadas que se reuniram à volta dela, pesadelos na escuridão…- Ah! - Rosnei enquanto a raiva que tinha esquecido na alegria de a amar se incendiououtra vez num inferno de raiva.Eu estava sozinho. A Bella estava, eu acreditava, segura em casa. Por um momento eufiquei ferozmente feliz por Charlie Swan - o braço forte da lei local, treinado e armado– ser o seu pai. Isso devia significar alguma coisa, como providenciar-lhe algumaprotecção.Ela estava segura. Não levaria muito tempo a vingar-me daquele ultraje…Não. Ela merecia melhor. Eu não podia permitir que ela gostasse de um assassino.Mas… e quanto às outras?Bella estava segura, sim. Angela e Jessica também, com certeza a salvo nas suas camas.
  • 240. Ainda assim o monstro estava à solta nas ruas de Port Angeles. Um monstro humano,isso fazia com que ele fosse um problema dos humanos? Cometer o crime pelo qual euansiava tanto era errado. Eu sabia disso. Mas deixá-lo livre para atacar outra veztambém não era a coisa certa.A empregada loira do restaurante. A empregada de mesa a quem eu não tinha olhadorealmente. Ambas me tinham irritado de uma maneira banal, mas isso não significavaque mereciam ficar em perigo.Qualquer uma das duas podia ser a Bella de alguém.Essa realização decidiu-me.Virei o carro para norte, acelerando agora que tinha um objectivo. Sempre que eu tinhaum problema que me ultrapassava, alguma coisa tangível como isto, sabia onde podiaprocurar ajuda.A Alice estava sentada na entrada, à minha espera. Parei em frente à casa em vez de irpara a garagem.- O Carlisle está no seu escritório – Disse-me antes que eu pudesse perguntar.- Obrigado – Disse, despenteando-a enquanto passava.Obrigada por teres respondido à minha chamada - Pensou sarcasticamente.- Ah - Parei à porta, a agarrar o meu telemóvel e a abri-lo. – Desculpa. Nem abri paraver quem tinha sido. Estava… ocupado.- Sim, eu sei. Desculpa também. Quando vi o que ia acontecer, tu já estavas a caminho.- Foi por pouco - Murmurei.Desculpa. Repetiu, envergonhada.Era fácil ser generoso, ao saber que Bella estava bem - Não peças desculpa. Eu sei quetu não podes apanhar tudo. Ninguém espera que sejas omnisciente.- Obrigada.- Eu quase te convidei para jantar hoje, viste isso antes de eu mudar de ideias?Sorriu não muito contente - Não, também perdi isso. Gostava de ter sabido. Teria ido.- Em que é que te estavas a concentrar para perder tanta coisa?
  • 241. O Jasper está a pensar no nosso aniversário. – Riu-se. - Ele está a tentar não fazer umadecisão sobre o meu presente, mas acho que tenho uma boa ideia…- Devias ter vergonha.- Sim.Juntou os lábios, e olhou para mim, um sinal de acusação na sua expressão. Prestei maisatenção depois. Vais contar-lhe que ela sabe?Suspirei - Sim. Depois.Não vou dizer nada. Faz-me um favor e conta à Rosalie quando eu não estiver por perto,está bem?Encolhi-me. - Claro.A Bella levou tudo muito bem.- Demasiado bem.A Alice sorriu-me. Não subestimes a Bella.Tentei bloquear a imagem que não queria ver, Bella e Alice, melhores amigas.Impaciente agora, suspirei pesadamente. Queria despachar a próxima parte da noite,queria resolver tudo. Mas estava um bocado preocupado para deixar Forks…- Alice… - Comecei. Ela viu o que eu estava a planear perguntar.Ela vai ficar bem esta noite. Estou prestar mais atenção agora. Ela a modos que precisade vigilância a 24 horas não é?- Pelo menos.- De qualquer das maneiras vais estar com ela em breve.Respirei fundo. As palavras eram lindas para mim.- Vai lá, acaba com isto para que possas estar onde queres estar – Disse-me.Eu concordei, e apressei-me para o quarto de Carlisle.Ele estava à minha espera, os seus olhos na porta em vez de no livro grosso que estavana sua mesa.- Ouvi a Alice a dizer onde me encontrares - Disse, e sorriu.Era um alívio estar com ele, ver a empatia e inteligência profunda nos seus olhos.
  • 242. Carlisle saberia o que fazer.- Preciso de ajuda.- Qualquer coisa, Edward. - Prometeu.- A Alice contou-lhe o que aconteceu com a Bella hoje à noite?Quase aconteceu - Corrigiu.- Sim, quase. Tenho um dilema, Carlisle. É que quero… muito… matá-lo - As palavrascomeçaram a surgir rápidas e cheias de ódio - Muito mesmo. Mas sei que isso seriaerrado, porque seria vingança e não justiça. Só raiva, sem imparcialidade. Mesmo assim,não seria certo deixar um violador e assassino em série a vaguear por Port Angeles! Eunão conheço os humanos de lá, mas não posso deixar que outra pessoa fique com o lugarde Bella como vítima. Aquelas outras mulheres… Alguém pode sentir por elas o que eusinto pela Bella. Alguém pode sofrer como eu teria sofrido se ela tivesse sido magoada.Não é certo…O seu sorriso largo e inesperado parou meu fluxo de palavras.Ela é muito boa para ti, não é? Tanta compaixão, tanto controlo. Estou impressionado.- Não estou à procura de elogios Carlisle.- Claro que não. Mas não posso evitar os meus pensamentos, não é? - Sorriu de novo –Eu trato disso. Pode descansar em paz. Ninguém será magoado no lugar da Bella.Vi o plano na cabeça dele. Não era exactamente o que eu queria, não satisfez o meudesejo de brutalidade, mas conseguia ver que era a coisa acertada.- Eu mostro onde o encontrar – Disse-lhe.- Vamos.Ele agarrou na mala preta no caminho. Eu teria preferido uma forma mais agressiva deo sedar, como um crânio partido, mas ia deixar Carlisle fazer isto à maneira dele.Levámos o meu carro. Alice ainda estava nas escadas da entrada. Ela sorriu e acenouenquanto nos afastávamos. Eu vi que ela tinha procurado o meu futuro, não íamos terdificuldades.A viagem foi curta pela estrada escura e vazia. Desliguei os faróis para evitar chamar à
  • 243. atenção. Fez-me sorrir pensar em como Bella teria reagido a esta velocidade.Carlisle também estava a pensar em Bella.Eu não previ que ela fosse tão boa para ele. É inesperado. Talvez fosse supostoacontecer isto. Talvez seja um propósito mais alto. Só que…Ele imaginou Bella com a pele fria como neve e olhos vermelhos como sangue, e depoisdesviou-se daquela imagem.Sim. Só que. De facto. Por que como poderia haver algo de bom em destruir uma coisatão pura e adorável?Fitei com fúria a noite, toda a alegria desta noite foi destruída pelos seuspensamentos.O Edward merece ser feliz. É um direito dele. A ferocidade dos pensamentos deCarlisle surpreendeu-me. Tem que haver uma maneira.Eu gostava de acreditar naquilo, em ambos. Mas não havia um propósito mais alto para oque estava a acontecer com Bella. Apenas um destino amargo e feio que não podiasuportar dar-lhe a vida que ela merecia.Eu não fiquei em Port Angeles. Levei Carlisle ao local onde a criatura chamada Lonnie seestava a afogar na sua decepção com seus amigos, dois dos quais já tinham desmaiado.Carlisle conseguiu ver o quão difícil era para mim estar tão perto, e ouvir ospensamentos do monstro e ver as suas memórias, as memórias de Bella misturadas comas de raparigas menos sortudas que já não mais podiam ser salvas.A minha respiração acelerou e segurei o volante com força.Vai, Edward. Disse-me gentilmente. Eu ponho o resto a salvo. Volta para a Bella.Era exactamente a coisa certa a dizer. O nome dela era a única distracção quesignificava alguma coisa para mim agora.Deixei-o no carro e voltei a correr para Forks, numa linha recta através da florestaadormecida. Levou menos tempo do que a primeira viagem de carro. Apenas poucosminutos depois escalei a parede da casa dela e deslizei a janela para fora do meucaminho.
  • 244. Suspirei silenciosamente em alívio. Tudo estava como era suposto. A Bella estava asalvo na sua cama, a sonhar, os seus cabelos húmidos emaranhados como algas naalmofada.Mas, ao contrário das outras noites, ela estava enrolada numa pequena bola com oscobertores esticados à volta dos ombros. Frio, imaginei. Antes que me pudesseacomodar no meu lugar habitual, ela tremeu durante o sono e os lábios tremeram.Hesitei por um breve momento e depois saí para o corredor, a explorar uma nova parteda casa pela primeira vez.O ressonar de Charlie era alto e equivalente. Eu quase conseguia apanhar a margem doseu sonho. Algo com a corrente da água e uma espera paciente… pesca, talvez?Lá, no topo das escadas, havia um armário promissor. Abri-o esperançosamente eencontrei o que procurava. Escolhi o cobertor mais grosso de entre as finas peças delinho e levei-o para o quarto dela. Eu voltaria a guardá-lo antes que ela acordasse, assimninguém daria conta.Sustendo a minha respiração, cuidadosamente estendi o cobertor em cima dela, ela nãoreagiu ao peso adicional. Voltei então para a minha cadeira.Enquanto eu esperava ansiosamente que ela aquecesse, eu pensei em Carlisle, aperguntar-me onde é que ele estaria agora. Eu sabia que o seu plano ia correr bem. AAlice tinha visto isso.Pensar no meu pai fez-me suspirar. O Carlisle deu-me demasiado crédito. Eu gostava deser a pessoa que ele imaginava que eu era. Essa pessoa, merecedora de felicidade,poderia esperar ser merecedor desta rapariga adormecida. Como as coisas podiam serdiferentes se eu fosse aquele Edward.Enquanto eu ponderava isto, uma imagem estranha e indesejada preencheu a minhamente.Por um momento, a vidente que eu tinha imaginado, aquela que previu a destruição deBella, foi trocada pelo mais tolo e desajeitado dos anjos. Um anjo da guarda, qualquercoisa como a versão de Carlisle em mim. Com um sorriso despreocupado nos seus lábios,
  • 245. os seus olhos da cor do céu cheios de provocação, o anjo formou Bella de tal maneiraque seria impossível que eu não reparasse nela. Um odor ridiculamente potente queexigia a minha atenção, uma mente silenciosa para inflamar a minha curiosidade, umabeleza calma para prender os meus olhos, uma alma altruísta para ganhar o meurespeito. Deixou de lado o sentido natural de auto-preservação, para que Bellasuportasse estar comigo, e, finalmente, adicionou uma larga dose de má sorte.Com uma gargalhada inconsequente, o anjo irresponsável empurrou a sua frágil criaçãodirectamente para o meu caminho, confiando descuidadamente na minha moralidadefalhada para manter Bella viva.Nesta visão, eu não era a condenação de Bella, ela era minha recompensa.Abanei a minha cabeça com a fantasia do anjo inimaginável. Ela não era muito melhor doque a Hárpia*. Eu não conseguia pensar num poder superior que se comportasse de umamaneira tão perigosa e estúpida. Pelo menos, contra a vidente horrorosa eu podia lutar.E eu não tinha nenhum anjo. Eles eram reservados para os bons, para pessoas comoBella. Então onde é que estava o anjo dela no meio disto tudo? Quem é que estava atomar conta dela?Ri-me silenciosamente, perplexo, enquanto percebia que, neste momento, era eu quemestava a desempenhar aquele papel.Um anjo vampiro, havia uma boa distância entre as duas coisas.Depois de cerca de meia hora, Bella relaxou daquela bola apertada. A sua respiraçãotornou-se mais profunda e começou a murmurar. Eu sorri, satisfeito. Era uma pequenacoisa, mas pelo menos ela estava a dormir mais confortavelmente esta noite por que euestava aqui.- Edward - Suspirou, e sorriu também.Desviei a tragédia por um momento, e permiti-me ser feliz novamente.11º Capitulo (I parte) - Interrogações
  • 246. A CNN foi a primeira a trazer a história.Estava contente por as notícias terem saído antes de eu ir para a escola, ansioso porouvir como é que os humanos iam descrever o acontecimento, e quanta atenção lhe iamdar.Felizmente, este era um dia pesado para as notícias. Tinha havido um terramoto naAmérica do Sul e um rapto político numa zona que combina África e Ásia. Portantodurou apenas alguns segundos, algumas frases, e uma foto desfocada.“Alonzo Calderas Wallace, suspeito de assassínios e violações em série procurado nosestados do Texas e Oklahoma, foi apreendido a noite passada em Portland, Oregonagradece a uma pista anónima. Wallace foi encontrado inconsciente numa rua estamanhã, apenas a alguns metros da esquadra da polícia. Neste ponto, os agentes sãoincapazes de nos dizer se ele vai ser extraditado para Houston ou Oklahoma paraaguardar até ao julgamento ”A fotografia não era clara, uma foto de cadastro, e ele tinha uma barba grossa naaltura da fotografia. Mesmo que Bella o visse, provavelmente não o iria reconhecer.Esperava que não reconhecesse, isso só a ia deixar com medo desnecessariamente.- A cobertura aqui na cidade vai ser ligeira. É demasiado para ser considerado deinteresse local – Disse-me Alice – Foi uma boa ideia Carlisle levá-lo para fora do estado.Acenei. De qualquer das maneiras Bella não via muita televisão, e eu nunca tinha visto oseu pai a assistir a outra coisa que não canais de desporto.Fiz o que pude. Este monstro já não assombrava, e eu não era um assassino. Nãorecentemente de qualquer das maneiras. Fiz bem em confiar em Carlisle, por mais queeu desejasse que aquele monstro não se safasse tão levemente. Apanhei-me a desejarque ele fosse extraditado para o Texas, onde a pena de morte era tão popular…Não. Aquilo não importava. Ia por isto atrás de mim, e concentrar-me no que era maisimportante.Tinha deixado o quarto de Bella à menos de uma hora. E já estava a morrer para a veroutra vez.
  • 247. - Alice importas-te de…Ela cortou-me a palavra – A Rosalie conduz. Vai agir como se estivesse irritada, mas tusabes que ela vai adorar uma desculpa para exibir o carro – E Alice riu-se.Sorri-lhe – Vejo-te na escola.Ela suspirou, e o meu sorriso tornou-se numa expressão de desagrado.Eu sei, eu sei – Pensou ela – Ainda não. Eu espero até que estejas preparado para que aBella me conheça. Mas devias saber, isto não é só para eu ser egoísta, A Bella tambémvai gostar de mim.Não lhe respondi enquanto me despachava para a porta. Aquilo era uma maneiradiferente de ver a situação. Quereria Bella conhecer a Alice? Ter uma vampira paraamiga?Conhecendo Bella… aquela ideia provavelmente não a incomodaria nem um bocadinho.Enruguei a testa para mim mesmo. O que Bella queria e o que era melhor para ela eramduas coisas separadas.Comecei a sentir-me nervoso enquanto estacionava o meu carro na entrada de casa deBella. O provérbio humano dizia que as coisas pareciam diferentes de manhã, que ascoisas mudavam quando se dormia sobre elas. Será que Bella me ia ver de formadiferente nesta luz fraca de um dia enublado? Mais sinistro ou menos sinistro do quena escuridão da noite? Será que a verdade a tinha atingido enquanto ela dormia? Iriafinalmente ter medo?Mas os seus sonhos tinham sido pacíficos na noite passada. Quando disse o meu nome,vezes e vezes sem conta, sorriu. Mais do que uma vez murmurou um pedido para euficar. O que é que isso ia significar hoje?Esperei nervosamente, a ouvir os sons dela dentro de casa, os rápidos e desastradospassos nas escadas, o rasgar de um papel de alumínio, os frascos do frigorífico abaterem um contra os outros quando fechou a porta. Parecia que ela estava com pressa.Ansiosa para chegar à escola? Esse pensamento fez-me sorrir, esperançoso outra vez.Olhei para o relógio. Supus que, levando em conta a velocidade a que a carrinha a
  • 248. limitava, ela estava um bocadinho atrasada.Bella despachou-se a sair de casa, a mala a escorregar do seu ombro, o seu cabelopreso numa trança confusa que já se estava a desfazer no pescoço. A camisola grossa everde que vestia não era o suficiente para que os seus ombros magros tremessemcontra o nevoeiro gelado.A camisola era demasiado grande para ela, não a favorecia. Mascarava a sua figuradelgada, tornando todas as tuas curvas delicadas e linhas leves numa desordenada semformas. Apreciei isto quase tanto como desejei que ela tivesse vestido algo maisparecido com a camisa azul que tinha vestido na noite passada. O tecido assentava napele dela de uma maneira tão apelativa, cortada o suficiente para relevar a maneirafantástica como a sua clavícula subia desde a base da sua garganta. O azul tinhadeslizado como água ao longo da silhueta subtil do seu corpo…Era melhor, essencial, que eu mantivesse os meus pensamentos longe, muito longedaquela forma, por isso estava grato pela aquela camisola que ela vestia hoje. Não mepodia dar ao luxo de cometer mais erros, e seria um erro monumental deixar-me levarpela estranha vontade de pensar nos lábios… na sua pele… o seu corpo… essespensamentos estavam a libertar-se dentro de mim. Vontades que eu tinha evitadodurante cem anos. Mas eu não me podia permitir a pensar tocar-lhe, porque isso eraimpossível.Eu destruí-la-ia.Bella voltou-se para longe da porta com tal pressa que quase passou pelo meu carro semreparar nele.Depois parou quase a derrapar, os seus joelhos travaram-na num solavanco. A mochiladela escorregou pelo braço, e os seus olhos arregalaram-se enquanto se focavam nocarro.Eu saí, sem me preocupar em mover-me numa velocidade humana, e abri a porta depassageiro para ela. Eu não ia tentar enganá-la mais. Quando estivéssemos a sós, pelomenos, seria eu próprio.
  • 249. Ela olhou para mim, surpreendida novamente, enquanto eu saía subitamente do nevoeiro.Então a surpresa nos seus olhos mudaram para outra coisa, e eu já não tinha medo, ouesperança, que os sentimentos dela por mim tivessem mudado durante a noite. Calor,maravilha, fascinação, tudo a nadar no chocolate derretido dos seus olhos.- Queres ir comigo hoje? – Perguntei - Ao contrário do jantar da noite passada, eu iadeixá-la escolher. De agora em diante, seria sempre a escolha dela.- Quero, obrigada - Murmurou, a entrar no carro sem hesitação.Será que algum dia eu deixaria de me surpreender pelo facto de eu ser aquele a quemela disse “sim”? Duvidava.Dei rapidamente a volta ao carro, ansioso para me juntar a ela. Ela não mostrou nenhumsinal de surpresa com a minha súbita reaparição.A felicidade que senti quando ela se sentou ao meu lado desta maneira não tinhaprecedentes. Por mais que eu apreciasse o amor e companheirismo da minha família,apesar dos vários entretenimentos e distracções que o mundo tinha a oferecer, eununca tinha estado feliz desta forma. Mesmo sabendo isto era errado, que não podiapossivelmente acabar bem, não consegui evitar o sorriso na minha cara durante muitotempo.O meu casaco estava dobrado em cima do apoio para a cabeça do banco dela. Vi-a aolhar para ele.- Trouxe o casaco para ti – Disse-lhe. Esta era minha desculpa, eu tinha que arranjaruma para aparecer aqui esta manhã sem ter sido convidado. Estava frio. Ela não tinhacasaco. De certeza que esta era uma forma convincente de cavalheirismo – Não queriaque ficasses doente ou isso.- Não sou assim tão delicada – Disse ela, a olhar para o meu peito em vez de para aminha cara, como se estivesse hesitante em olhar-me nos olhos. Mas ela vestiu o casacoantes que eu tivesse de recorrer à persuasão.- Ai não? - Sussurrei para mim mesmo.Ela olhava para a estrada enquanto eu acelerava para a escola. Eu só consegui aguentar
  • 250. o silêncio por alguns segundos. Eu tinha que saber quais eram os seus pensamentos estamanhã. Tanta coisa tinha mudado entre nós desde o último dia em que esteve sol.- Então, hoje não tens duas dezenas de perguntas para me fazer? - Perguntei,mantendo as coisas ligeiras outra vez.Ela sorriu, parecendo feliz por eu ter abordado o assunto – As minhas perguntasincomodam-te?- Não tanto como as tuas reacções – Disse-lhe honestamente, a sorrir em resposta aoseu sorriso.A sua boca descaiu para baixo – Eu reajo mal?- Não, o problema é esse. Encaras tudo com tanta frieza, não é natural. Faz com que meinterrogue sobre o que estás realmente a pensar – Claro, tudo o que ela fazia ou nãofazia levava-me a interrogar.- Eu digo-te sempre o que realmente penso.- És selectiva.Os seus dentes pressionaram o lábio novamente. Ela parecia não reparar quando faziaisto, era uma resposta inconsciente à tensão – Não muito.Só aquelas palavras foram suficientes para despertar a minha curiosidade. O que é queela me escondia propositadamente?- O suficiente para dar comigo em doido – Disse-lhe.Ela hesitou, e depois sussurrou – Tu não queres ouvir o que penso.Eu tive que pensar por um momento, analisar a nossa conversa inteira da noite passada,palavra por palavra, antes de fazer a associação. Talvez me tivesse levado tantaconcentração porque eu não imaginava nada que eu não quisesse que ela me dissesse. Eaí, por causa do tom de voz ser o mesmo da noite passada, subitamente com dor, eulembrei-me. Uma vez eu pedi-lhe para não me dizer o que estava a pensar. Nunca digasisso. Eu tinha-a feito chorar…Era isto que ela escondia de mim? A profundidade dos seus sentimentos em relação amim? Que eu ser um monstro não tinha importância para ela, e que pensava que era
  • 251. demasiado tarde para ela mudar de ideias?Fui incapaz de falar, porque a alegria e a dor eram demasiado intensas para palavras, oconflito entre elas era demasiado selvagem para permitir uma resposta coerente.Estava silêncio no carro, excepto o ritmo estável do seu coração e pulmões.- Onde está o resto da tua família? - Perguntou repentinamente.Respirei fundo, registando o cheiro no carro com uma verdadeira dor pela primeira vez,estava-me a habituar a isto, percebi com satisfação, e forcei-me a ser casual de novo.- Veio no carro de Rosalie – Estacionei no lugar vago ao pé do carro em questão. Escondio meu sorriso quando vi os olhos dela a arregalarem-se – Ostentoso, não é?- Hum, ena. Se ela tem aquela bomba, porque se desloca no teu carro?Rosalie teria gostado da reacção de Bella… se estivesse a ser mais objectiva em relaçãoa ela, o que provavelmente não iria acontecer.- Como já te disse, é ostentoso. Nós tentamos passar despercebidos.- Não conseguem – Disse ela, e depois riu-se descontraidamente.A casualidade, a inteira descontracção no som do riso dela aqueceu o meu peito vazio,como também fez a minha cabeça nadar em dúvida.- Porque é que Rosalie resolveu vir hoje a conduzir se dá mais nas vistas? - Perguntou.- Ainda não tinhas reparado? Agora estou a quebrar todas as regras.A minha resposta devia ter sido ligeiramente assustadora, portanto, é claro, BellasorriuEla não esperou que eu lhe abrisse a porta, tal como na noite passada. Eu tinha queaparentar normalidade aqui na escola, portanto não me pude mover rápido o suficientepara impedir aquilo, mas ia ter que se habituar a ser tratada com mais cortesia, ehabituar-se rapidamente.Caminhei o mais perto dela quanto me atrevia, a olhar cuidadosamente para qualquersinal de que minha proximidade a perturbasse. Por duas vezes a sua mão virou-se em
  • 252. direcção à minha, mas depois recuava-a. Parecia que ela me queria tocar… A minharespiração acelerou.- Porque é que têm carros como aquele se estão à procura de privacidade? – Perguntou-me enquanto caminhávamos.- É uma forma de satisfazermos uma das nossas vontades - Admiti – Todos nósgostamos de conduzir com velocidade.- Já era de calcular – Murmurou amargamente.Ela não olhou para cima para ver o sorriso que ia dar como resposta.Nuh-uh! Eu não acredito nisto! Como é que Bella conseguiu arranjar isto? Eu nãoentendo! Porquê?A mente de Jessica interrompeu os meus pensamentos. Ela estava à espera de Bella,refugiando-se da chuva por baixo da aba do telhado do refeitório, com o casaco deinverno de Bella por cima do seu braço. Os seus olhos estavam arregalados comdescrença.Bella também reparou nela, no momento seguinte. Um fraco tom rosado tocou na suaface quando Bella registou a expressão de Jessica. Os pensamentos de Jessicaestavam nitidamente claros na sua cara.- Olá Jessica, obrigada por te teres lembrado – Agradeceu Bella. Dirigiu-se para ocasaco e Jessica entregou-o sem dizer nenhuma palavra.Eu devia ser educado com os amigos de Bella, quer fossem bons amigos ou não – Bom diaJessica.Uau…Os olhos de Jessica abriram-se ainda mais. Foi estranho e divertido… e honestamente,um bocado embaraçoso… perceber como estar perto de Bella me deixava mais suave.Parecia que já ninguém tinha medo de mim. Se Emmett descobrisse isto, ia rir-sedurante o próximo século.- Ah, viva! - Murmurou Jessica, e os seus olhos desviaram-se para o rosto de Bella,cheios de significados – Suponho que nos vemos na aula de Trigonometria.
  • 253. Tu vais completamente desembuchar tudo. Não vou aceitar um não como resposta.Detalhes. Eu tenho que ter detalhes! Edward CULLEN bolas! A vida é tão injusta.A boca de Bella torceu-se – Sim, vemo-nos lá.Os pensamentos de Jessica ficaram fora de controlo enquanto corria para a suaprimeira aula, a espreitar-nos de vez em quando.A história inteira. Não vou aceitar nada menos que isso. Combinaram encontrar-se anoite passada? Estão a namorar? Há quanto tempo? Como é que ela conseguiu guardarsegredo sobre isto? Por que é que guardaria? Não pode ser uma coisa casual, ela temque estar bem caidinha por ele. Há alguma outra opção? Eu vou descobrir. Não suportonão saber de nada. Será que ela já curtiu com ele? Oh meu… Os pensamentos deJessica foram repentinamente desconectados, e ela deixou que as suas fantasiasmudas girassem pela sua cabeça. Eu encolhi-me com as especulações dela, e não sóporque ela tinha trocado Bella por ela mesma nas figuras mentais.Eu não podia ser assim. Mas mesmo assim, eu… eu queria…Resisti em admitir aquilo, mesmo a mim próprio. Em quantas maneiras erradas eu queriacolocar a Bella? Qual delas iria acabar por a matar?Sacudi a cabeça e tentei soltar-me um bocado.- Que vais dizer-lhe? – Perguntei a Bella.- Eh! - Sussurrou ferozmente – Pensei que não conseguias adivinhar os meuspensamentos!- E não consigo – Olhei fixamente para ela, surpreendido, a tentar que as suas palavrasfizessem sentido. Ah, devíamos ter estado a pensar a mesma coisa ao mesmo tempo.Hum, gostei disso – No entanto, consigo adivinhar os dela. Ela vai estar à espera para teatacar de surpresa na aula.Bella gemeu, e deixou o casaco escorregar pelos ombros. A princípio não percebi que elamo estava a devolver. Eu não o teria pedido, preferia que ficasse com ele… umalembrança. Por isso fui demasiado lento para oferecer a minha ajuda. Ela entregou-me ocasaco e passou os braços pelo dela, sem olhar para cima para ver que minhas mãos
  • 254. estavam esticadas para ajudar. Fiz uma careta com isso, e depois controlei a minhaexpressão antes que ela notasse.- Então, que vais dizer-lhe? - Pressionei.- Que tal dares-me uma ajudinha? O que quer ela saber?Eu sorri e abanei a cabeça. Eu queria ouvir o que ela estava a pensar sem nenhuma dica– Isso não é justo.Os olhos dela ficaram mais estreitos – Não, o facto de tu não partilhares o que sabes,isso é que não é justo.Certo, ela não gostava da dualidade de critérios.Chegamos à porta da sala onde ela ia ter aula, onde eu a ia ter que deixar. Perguntei-mese a Menina Cope seria mais favorável numa mudança no horário da minha aula deinglês… Forcei a minha concentração. Eu podia ser justo.- Ela quer saber se nós andamos a namorar às escondidas - Disse lentamente – E quesaber o que sentes por mim.Os olhos dela arregalaram-se, não surpreendidos, mas engenhosos. Estavam abertospara mim, legíveis. Ela estava a fazer-se de inocente.- Ai, ai - Murmurou - O que devo dizer?- Hum - Ela tentava sempre fazer com que eu revelasse mais do que ela. Pensei em comoresponder.Uma madeixa rebelde do cabelo dela, ligeiramente húmida por causa do nevoeiro, caíapelo seu ombro e enrolava-se onde a sua clavícula estava escondida por aquela camisolaridícula. Atraiu os meus olhos… puxou-os ao longo das outras linhas escondidas…Alcancei cuidadosamente aquele pedaço de cabelo, sem tocar na sua pele, a manhã jáestava fria o suficiente sem o meu toque, e coloquei-o no sítio dele, na trança malapertada, para que não me distraísse outra vez. Lembrei-me quando Mike Newton lhetinha tocado no cabelo, e meu queixo cerrou-se com a memória. Ela tinha-se afastadodele na ocasião. A reacção dela agora não era nada parecida. Em vez disso, os seusolhos arregalaram-se, o sangue correu mais rápido nas veias dela e uma súbita
  • 255. aceleração no seu coração.Tentei esconder o meu sorriso enquanto lhe respondi.- Suponho que podias responder afirmativamente à primeira questão… se não teimportares - A escolha era dela, sempre dela – É mais fácil do que dar qualquer outraexplicação.- Não me importo… - Sussurrou. O coração ainda não tinha encontrado o seu ritmonatural.- E quanto à outra questão… - Não consegui esconder meu sorriso agora – Bem, ficarei àescuta para eu próprio ouvir a resposta.Deixar Bella a considerar isso. Reprimi o meu riso enquanto o choque passava pelo rostodela.Virei-me rapidamente, antes que ela pudesse perguntar mais alguma coisa. Eu tinha umacerta dificuldade em não lhe dar o que quer que seja que ela queria. E eu queria ouvir ospensamentos dela, não os meus.- Vemo-nos ao almoço – Disse-lhe por cima do ombro, uma desculpa para ver se elaainda estava a olhar fixamente para mim, de olhos arregalados. A boca dela estavaaberta. Virei-me outra vez e ri-me.À medida que me afastava, estava vagamente ciente dos pensamentos chocados eespeculativos que me rodeavam, olhos a balançarem-se para trás e para a frente entrea cara de Bella e a minha figura que se afastava. Prestei-lhes pouca atenção. Não meconseguia concentrar. Foi difícil o suficiente manter os meus pés a moverem-se numavelocidade aceitável enquanto passava a relva encharcada para minha próxima aula.Queria correr, correr mesmo, tão rápido que desapareceria, tão rápido que iria parecerque estava a voar. Parte de mim já estava a voar.Vesti o casaco quando entrei na aula, deixando que a fragrância dela flutuasse à minhavolta. Eu ia-me queimar agora, deixar que o cheiro me dessensibilizasse, para quedepois fosse mais fácil ignorar, quando estivesse com ela de novo ao almoço…Era uma coisa boa que os professores já não se dessem ao trabalho de me chamar. Hoje
  • 256. talvez tivesse sido o dia que me apanhassem desprevenido, e sem respostas. A minhacabeça estava em tantos lugares esta manhã, só o meu corpo é que estava na sala.É claro que eu estava a vigiar Bella. Isso estava a tornar-se, tão automático comorespirar. Ouvi a sua conversa com um Mike Newton desmoralizado. Ela mudourapidamente a conversa para Jessica, e eu fiz um sorriso tão grande que Rob Sawyer,que estava sentado ao meu lado direito, se encolheu visivelmente e escorregou nacadeira, para longe de mim.Argh. Assustador.Bom, não tinha perdido completamente o toque.Também estava a monitorizar levemente Jessica, a vê-la a escolher as suas perguntaspara Bella. Eu mal conseguia esperar pelo quarto tempo, dez vezes mais desejoso eansioso do que a curiosidade da rapariga humana que queria mexericos novos.E também estava a ouvir Angela Weber.Não me tinha esquecido da gratidão que tinha sentido por ela, primeiro por só pensarcoisas boas a respeito de Bella e depois pela ajuda da noite passada. Então eu espereiao longo da manhã, à procura de algo que ela quisesse. Achei que fosse fácil, comoqualquer outro humano, devia haver alguma coisa bugiganga ou brinquedo que elaquisesse. Vários, provavelmente. Entregar-lhe-ia alguma coisa anonimamente e assimficávamos quites.Mas Angela provou ser quase tão contra oferecer ajuda com seus pensamentos quantoBella. Ela era estranhamente contente para uma adolescente. Feliz. Talvez fosse aquelarazão para a sua bondade pouco comum. Ela era uma daquelas pessoas raras que tinhamo que queriam e queriam o que tinham. Se ela não estava a prestar atenção aosprofessores e às suas notas, estava a pensar nos irmãos gémeos que ia levar à praianaquele fim-de-semana, antecipando a excitação deles com um prazer quase maternal.Ela cuidava deles de vez em quando, mas não se sentia rancorosa por isso… era muitoquerido.Mas não me ajudava muito.
  • 257. Devia haver algo que ela quisesse. Eu só tinha que continuar a procurar. Mas depois.Agora estava na hora da aula de trigonometria de Bella com Jessica.Não prestei atenção por onde estava a ir à medida que me dirigia para a aula de inglês.Jessica já estava no seu lugar, os dois pés a baterem impacientemente no chãoenquanto esperava que Bella chegasse.Pelo contrário, quando me sentei no meu lugar na sala de aula, fiquei completamenteparado. Tinha que me lembrar de me mexer de vez em quando. Manter a fachada. Foidifícil, os meus pensamentos focados nos da Jessica. Esperei que ela prestasseatenção, que realmente tentasse ler o rosto de Bella por mim.As batidas dos pés de Jessica intensificaram-se quando Bella entrou na sala.Ela parece… melancólica. Porquê? Talvez não se passe nada entre ela e o Edward Cullen.Isso seria um desapontamento. Excepto que… então ele ainda estaria disponível… seestiver subitamente interessado em sair, eu não me importo em ajudá-lo com isso…O rosto de Bella não parecia triste, parecia relutante. Ela estava preocupada, sabia queeu ia ouvir isto tudo. Sorri para mim mesmo.- Conta-me tudo! – Exigiu Jess enquanto Bella ainda estava a tirar o casaco e apendurá-lo nas costas da sua cadeira. Ela estava a mexer-se com deliberação, semvontade.Argh, ela é tão lenta. Vamos passar para as coisas interessantes!- O que queres saber? – Perguntou enquanto se sentava.- O que aconteceu na noite passada?- Ele pagou-me o jantar e depois levou-me a casa.E depois? Vá lá! Tem que haver mais do que isso! Ela está a mentir de qualquer dasformas, eu sei disso.- Como é que chegaste a casa tão depressa?Vi Bella a revirar os olhos à suspeita de Jessica.- Ele conduz como um louco. Foi apavorante.Ela sorriu um bocado, e eu ri-me em voz alta, interrompendo os anúncios do Sr. Mason.
  • 258. Tentei transformar a gargalhada num acesso de tosse, mas não enganei ninguém. O Sr.Mason lançou-me um olhar irritado, mas eu nem me preocupei em ouvir o pensamentopor trás daquilo. Estava a ouvir Jessica.Huh. Parece que ela está a dizer a verdade. Por que é que ela me está a fazer arrancartudo dela, palavra por palavra? Eu estaria a gabar-me em plenos pulmões se fossecomigo.- Foi um encontro amoroso? Disseste-lhe para se encontrar contigo lá?Jessica viu a surpresa a passar pela expressão de Bella, e ficou desapontada em comoaquilo parecia genuíno.- Não, fiquei muito espantada ao vê-lo lá – Disse-lhe Bella.O que é que se passa?! – Mas ele foi buscar-te para te trazer à escola hoje? - Tem quehaver mais qualquer coisa nesta história.- Foi, isso também me espantou. Ela reparou que eu não tinha casaco na noite passada.Isso não é muito divertido. Pensou Jessica, novamente desapontada.Estava cansado da sua linha de perguntas. Eu queria ouvir algo que ainda não soubesse.Esperei que ela não estivesse tão descontente que saltasse as perguntas que eu estavaà espera.- Então vão sair novamente? - Perguntou Jessica.- Ele ofereceu-se para me levar a Seattle no sábado, por pensar que a minha pick-upnão está apta para fazer tal viagem, isso conta?Hum… Ele está mesmo a fazer algumas coisas para… bem, cuidar dela, mais ao menos.Deve haver qualquer coisa no lado dele, senão do dela. Como é que ISSO pode ser? ABella é doida.- Sim – Respondeu Jessica à pergunta.- Bem, então – Concluiu Bella – Vamos.- Ena! O Edward Cullen – Quer ela goste dele ou não, isto é sério!- Eu sei – Suspirou Bella.O tom da voz dela encorajou Jessica. Finalmente, parece que ela entendeu! Ela deve
  • 259. perceber…- Espera! – Disse Jessica, lembrando-se subitamente da pergunta mais vital – Elebeijou-te? - Por favor diz que sim. E depois descreve cada segundo!- Não – Balbuciou Bella, e depois olhou para as suas mãos, a sua cara a ficar com um arodesapontado – A nossa relação não é nada assim.Raios. Eu gostava… AH! Parece que ela também gostava.Franzi a testa. Bella parecia de facto chateada com alguma coisa, mas não podia serdesapontamento como Jessica assumia. Ela não podia querer aquilo. Sem Não sabendo oque ela sabia. Ela não podia querer estar assim tão perto dos meus dentes.Provavelmente ela até pensava que eu tinha presas.Estremeci.- Achas que no sábado… - Continuou Jessica.Bella parecia ainda mais chateada enquanto disse – Tenho muitas dúvidas.Yup, ela gostava. Que chato para ela.Seria por eu estar a ver tudo isto pelas percepções de Jessica que parecia que elatinha razão?Por meio segundo eu distraí-me com a ideia, a impossibilidade, do que seria tentarbeijá-la. Os meus lábios nos lábios dela. Pedra fria contra seda quente…E depois ela morre.Abanei a cabeça, encolhendo-me, e obriguei-me a prestar atenção.- De que é que vocês falaram? – Falaste com ele, ou fizeste-o arrastar-se por cadapedaço de informação como agora?Eu sorri. A Jessica não estava muito longe da verdade.- Não sei Jess, de muita coisa. Falámos um pouco sobre a dissertação de Inglês.Muito pouco. Abri ainda mais o meu sorriso.Oh, VÁ LÁ! – Por favor Bella, dá-me alguns pormenores!Bella deliberou por um momento.- Bem… está bem, vou dar-te um. Devias ter visto a empregada de mesa a namoriscá-
  • 260. lo… foi de mais. Mas ele não lhe prestou nenhuma atenção.Que detalhe estranho para partilhar. Eu estava surpreendido por Bella ter reparadosequer. Parecia uma coisa tão irrelevante.Interessante… - Esse é um bom sinal, ela era bonita?Hum, Jessica pensou mais naquilo do que eu. Devia ser uma coisa feminina.- Muito. E devia ter dezanove ou vinte anos.Jessica ficou momentaneamente distraída pela memória de Mike no encontro desegunda à noite. Mike a ser um bocadinho demasiado amigável com a empregada queJessica não tinha considerado bonita de todo. Ela afastou a memória e voltou,oprimindo a sua irritação, para perguntar os detalhes.- Ainda melhor. Ele deve gostar de ti.- Julgo que sim – Disse Bella lentamente, e eu estava no limite da cadeira, o meu corporigidamente parado – Mas é difícil dizer. Ele é sempre tão reservado.Eu não devia ter sido tão transparentemente óbvio e fora de controlo como pensava.Ainda assim… observadora como ela era… Como é que ainda não tinha reparado que euestava apaixonado por ela? Passei pela nossa conversa, quase surpreendido por não terdito as palavras em voz alta. Parecia que aquele facto estava subentendido em cadapalavra entre nós.Uau. Como é que te sentas em frente a um modelo masculino e conversas normalmente?– Não sei como tens coragem para ficar a sós com ele – Disse Jessica.Choque passou pela cara de Bella – Porquê?Reacção estranha. O que é que ela pensa a que eu me refiro? – Ele é tão… - Qual é apalavra certa? – Intimidador. Eu não saberia o que lhe dizer – Nem consegui falarInglês com ele hoje, e tudo o que ele disse foi Bom Dia. Devo ter parecido tão idiota…Bella sorriu – De facto tenho alguns problemas de incoerência quando estou perto dele.Ela devia estar a fazer com que Jessica se sentisse melhor. Ela era quaseanormalmente controlada quando estávamos juntos- Oh bem - Suspirou Jessica – Ele é incrivelmente lindo.
  • 261. O rosto de Bella ficou subitamente mais frio. Os seus olhos brilharam da mesmamaneira que faziam quando ela sentia alguma injustiça. Jessica não percebeu a mudançana expressão dela.- Ele é muito mais do que isso - Disse Bella bruscamente.Aaah, agora estamos a chegar a algum lugar – A sério? O quê por exemplo?Bella mordiscou o lábio por um momento – Não consigo explicar adequadamente – Dissefinalmente – Mas ele é ainda mais incrível por trás do rosto - Desviou o olhar deJessica, os seus olhos ligeiramente desfocados como se estivesse a olhar para algomuito longe.O que senti agora era remotamente parecido ao que sentia quando Carlisle ou Esme meglorificavam mais do que eu merecia. Parecido, mas mais intenso, mais consumidor.Conta essa a outra pessoa, não há nada melhor do que aquela cara! A não ser que seja ocorpo. Uau – Isso é possível? – Deu uns risinhos.Bella não se virou. Continuou a olhar para a distância, a ignorar Jessica.Uma pessoa normal estaria triunfante. Talvez se eu mantivesse as perguntas simples.Ah ah. Como se estivesse a falar com alguém do jardim-de-infância – Então, gostasdele?Fiquei rígido de novo.Bella não olhou para Jessica – Sim.- Quero dizer, gostas dele a sério?- Sim,Olha para ela a corar!Estava a olhar.- A que ponto gostas dele? – Exigiu Jessica.A sala de inglês podia estar a arder que eu não teria reparado.O rosto de Bella agora estava num vermelho vivo, quase conseguia sentir o calor daimagem mental.- Gosto demasiado – Sussurrou Bella – Mais do que ele gosta de mim. Mas não vejo como
  • 262. evitá-lo.Bolas! O que é que o Sr. Varner acabou de perguntar? - Hum, que número Sr. Varner?Foi bom que Jessica não pudesse interrogar mais Bella. Eu precisava de um minuto.Que diabos é que a rapariga estava a pensar agora? Mais do que ele gosta de mim?Como é que ela desencantou aquilo? Mas não vejo como evitá-lo? O que é que aquilo erasuposto querer dizer? Não conseguia encontrar uma explicação racional para aspalavras dela. Praticamente não tinham sentido.Parecia que eu não podia levar nada como garantido. Coisas óbvias, coisas que faziamperfeito sentido, de alguma forma torciam-se e viravam-se ao contrário naquelecérebro bizarro dela. Mais do que ele gosta de mim? Talvez eu não devesse desistir daideia da instituição psiquiátrica ainda.Olhei para o relógio, a ranger os dentes. Como é que meros minutos podiam ser tãoimpossivelmente longos para um imortal? Onde é que estava a minha perspectiva?O meu queixo estava cerrado ao longo de toda a aula de trigonometria do Sr. Varner.Ouvi mais aquilo do que da minha própria aula. Bella e Jessica não voltaram a falar, masJessica espreitou para Bella várias vezes, e uma vez o rosto dela estava vermelho denovo sem razão aparente.11º Capitulo (II parte) - InterrogaçõesO almoço não ia chegar rápido o suficiente.Não tinha a certeza se Jessica ia ter algumas das respostas que eu estava à esperaquando a aula terminasse, mas Bella foi mais rápida do que ela.Assim que a campainha tocou, Bella virou-se para Jessica.- Na aula de Inglês o Mike perguntou-me se tu comentaras algo a respeito da noite desegunda-feira - Disse Bella, um sorriso nos cantos dos lábios. Eu entendi aquilo, o
  • 263. ataque era a melhor defesa.Mike perguntou sobre mim? A felicidade deixou a mente de Jessica repentinamentefora de guarda, gentil, sem o tom falso de costume – Estás a brincar! O que é querespondeste?- Disse-lhe que tu referiras que te divertiras muito, ele pareceu satisfeito.- Conta-me exactamente quais foram as palavras dele e o que lhe respondeste!Claramente aquilo era tudo o que eu ia arrancar de Jessica hoje. Bella estava a sorrircomo se estivesse a pensar na mesma coisa. Como se tivesse ganho a rodada.Bom, o almoço seria outra história. Teria mais sucesso em ter as suas respostas dela doque de Jessica, ia-me certificar disso.Mal pude suportar espiar os pensamentos da Jessica de vez em quando no quartotempo. Não tinha paciência para seus pensamentos obsessivos sobre Mike Newton. Já otinha aturado mais do que o suficiente nestas últimas duas semanas. Ele tinha sorte emestar vivo.Mexi-me apaticamente ao longo da aula de educação física com a Alice, da maneira quenos mexíamos sempre quando se tratava de actividade física com os humanos. Ela era aminha colega de equipa, claro. Era o primeiro dia de badmington. Suspirei com o tédio,girando a raquete em câmara lenta para acertar no volante e mandá-lo para o outrolado. Lauren Mallory estava na outra equipa, falhou. A Alice estava a rodar a suaraquete como um bastão, a olhar para o tecto.Todos nós odiávamos educação física, principalmente o Emmett. Fingir estar a jogarera um insulto à sua filosofia pessoal. Educação física hoje parecia pior do que onormal, sentia-me tão irritado como Emmett se sentia sempre.Antes que a minha cabeça pudesse explodir com a impaciência, o treinador Clappterminou os jogos e dispensou-nos mais cedo. Fiquei ridiculamente agradecido por eleter não ter tomado o pequeno-almoço (uma nova tentativa de dieta) econsequentemente a fome tinha-o deixado com pressa para deixar a escola e encontraruma sanduíche engordurada num sítio qualquer. Prometeu a si mesmo que amanhã ia
  • 264. começar tudo de novo…Aquilo deu-me tempo suficiente para chegar ao edifício de matemática antes que a aulade Bella terminasse.Diverte-te. Pensou Alice enquanto se afastava para ir ter com Jasper. Só mais algunsdias para ser paciente. Suponho que não vás dizer olá à Bella por mim, não é?Abanei a cabeça, exasperado. Todas as psíquicas eram assim tão convencidas?Só para que saibas, vai estar sol dos dois lados da baía este fim-de-semana. Talvezqueiras mudar os teus planos.Suspirei enquanto continuava para a direcção oposta. Convencida, mas útil.Encostei-me contra a parede ao pé da porta, à espera. Estava perto o suficiente paraouvir a voz de Jessica através dos tijolos, assim como os seus pensamentos.- Hoje não vais sentar-te à nossa mesa pois não? - Ela parece… animada. Aposto que háuma data de coisas que ela não me contou.- Não me parece – Respondeu Bella, estranhamente insegura.Eu não lhe tinha prometido que passava a hora de almoço com ela? No que é que elaestava a pensar?Saíram juntas da sala, e os olhos das ambas arregalaram-se quando me viram. Mas eu sóconseguia ouvir Jessica.Boa. Uau. Ah sim, há mais coisas que ela não me contou. Talvez lhe telefone hoje ànoite… Ou talvez não a devesse encorajar. Huh. Espero que ele a deixe rapidamente. OMike é bonitinho, mas… Uau.- Vemo-nos mais logo Bella.Bella andou na minha direcção, parando a um passo de distância, ainda insegura. A suapele estava rosada ao longo das bochechas.Agora conhecia-a bem o suficiente para ter certeza que não havia medo por trás da suahesitação. Aparentemente, isso era devido a uma idiotice qualquer que ela tinhaimaginado entre os sentimentos dela e os meus. Mais do que ele gosta de mim. Absurdo!- Olá - Disse, a minha voz estava um bocado seca.
  • 265. O rosto dela ficou mais brilhante – Viva!Não parecia que ela fosse dizer mais alguma coisa, então eu abri caminho até aorefeitório e ela caminhou silenciosamente ao meu lado.O casaco tinha funcionado, o cheiro dela não foi o golpe que normalmente era. Era sóuma intensificação da dor que já sentia. Conseguia ignorar mais facilmente do quealguma vez tinha acreditado ser possível.Bella estava inquieta enquanto esperávamos na fila, a brincar distraída com o fecho docasaco e a mudar o peso, nervosa, de um pé para o outro. Ela olhou para mim algumasvezes, mas sempre que encontrava o meu olhar, olhava para baixo como se estivesseenvergonhada. Será que era por estar tanta gente a olhar para nós? Talvez elaconseguisse ouvir os cochichos. As fofoquices eram tão verbais quanto mentais hoje.Ou talvez ela tenha percebido, pela minha expressão, que estava em sarilhos.Ela não disse nada até que eu comecei a reunir o seu almoço. Não sabia do que é que elagostava, ainda não, portanto agarrei numa coisa de cada.- O que estás a fazer? – Protestou numa voz baixa – Não vais levar isso tudo para mimpois não?Abanei a cabeça, e deslizei o tabuleiro para a zona da caixa – Metade é para mim, comoé evidente.Ela levantou uma sobrancelha cepticamente, mas não disse mais nada enquanto eupagava a comida e a acompanhava à mesa onde estivemos sentados na semana passadaantes da experiência desastrosa com a recolha de sangue. Parecia que tinha sido hámais tempo do que há alguns dias. Agora estava tudo diferente.Ela sentou-se à minha frente outra vez. Eu empurrei o tabuleiro na sua direcção.- Tira o que desejares – Encorajei-a.Ela escolheu uma maçã e virou-a nas suas mãos, tinha um olhar pensativo no seu rosto.- Estou curiosa.Que surpresa.- O que farias se alguém te desafiasse a ingerir comida? – Continuou com uma voz baixa
  • 266. que não alcançaria os ouvidos humanos. Os ouvidos imortais eram outro assunto, seesses ouvidos estivessem a prestar atenção. Eu provavelmente devia-lhes ter ditoalguma coisa mais cedo…- Estás sempre curiosa – Queixei-me. Oh, bem. Não era como se eu nunca tivessecomido antes. Isso fazia parte da fachada. Uma parte desagradável.Procurei pela coisa mais próxima, e fixei o olhar dela enquanto eu mordia um pedaço doque quer que fosse. Sem olhar, não conseguia perceber o que era. Era repugnante eespesso e repulsivo como qualquer outra comida humana. Mastiguei rapidamente eengoli, tentando não fazer nenhuma careta. A pequena quantidade de comida moveu-selenta e desconfortavelmente pela minha garganta abaixo. Eu suspirei enquanto pensavaem como a ia ter que tirar mais tarde. Nojento.A expressão de Bella estava chocada. Impressionada.Eu quis revirar os olhos.- Se alguém te desafiasse a comer terra, podias fazê-lo, não podias?O seu nariz torceu-se e depois ela sorriu – Já comi… num jogo de verdade ouconsequência. Não foi assim tão mau.Sim, na tradução do livro diz que foi num ‘encontro’. É só para verem a que ponto atradução portuguesa foi mal feita nos nossos livros.Eu ri-me – Suponho que não estou surpreendido.Eles parecem à vontade, não parecem? Boa linguagem corporal. Mais tarde eu digo àBella a minha opinião. Ele está inclinando na direcção dela como é suposto, se estiverinteressado. Ele parece interessado. Ele parece… perfeito - Jessica suspirou - Ai ai.Encontrei os olhos curiosos de Jessica, e ela desviou o olhar nervosa, a dar risinhos àrapariga do lado.Hum. É melhor eu ficar com o Mike. Realidade, não fantasia…- A Jessica está a analisar tudo o que eu faço – Informei Bella – Há-de facultar-te asua interpretação mais logo.
  • 267. Empurrei o prato de comida na direcção dela de novo, aí percebi que era pizza, eimaginei a melhor forma de começar. A minha anterior frustração queimou novamenteenquanto as palavras se repetiam na minha cabeça: Mais do que ele gosta de mim. Masnão vejo como evitá-lo.Ela deu uma mordidela na mesma fatia de pizza. Impressionou-me como ela era tãoconfiante. Claro, ela não sabia que eu era venenoso, não que aquele pedaço de comida apudesse magoar. Ainda assim, eu estava à espera que ele me tratasse de maneiradiferente. Nunca fazia isso, pelo menos, não de uma forma negativa…Eu devia começar de uma forma gentil.- Com que então a empregada de mesa era bonita?Ela levantou uma sobrancelha outra vez – Não reparaste mesmo?Como se qualquer outra mulher pudesse tirar a minha atenção de Bella. Absurdo, denovo.- Não, não estava a prestar atenção. Tinha muito em que pensar – E uma das coisas foi afina camisa dela…Ainda bem que ela tinha vestido aquela horrível camisola hoje.- Pobre rapariga - Disse Bella, a sorrir.Ela gostou que eu não tivesse achado a empregada interessante em nenhuma maneira.Eu conseguia entender isso. Quantas vezes é que eu me tinha imaginado a mutilar oMike Newton na sala de biologia?Ela não podia mesmo acreditar que os seus sentimentos humanos, fruto de dezassetecurtos anos humanos, podiam ser mais fortes que as paixões imortais que tinhamestado a crescer dentro de mim durante um século.- Algo que disseste à Jessica… - Eu não conseguia manter a minha voz casual – Bem,incomoda-me.Ela colocou-se imediatamente na defensiva – Não me admira que tenhas ouvido algo quenão te agradou. Sabes o que se diz das pessoas que escutam as conversas alheias…Que essas pessoas nunca ouvem coisas boas sobre eles próprios, era esse o ditado.
  • 268. - Eu avisei-te que estaria à escuta – Lembrei-a.- E eu avisei-te de que não querias saber tudo o que eu pensava.Ah, ela estava a pensar de quando eu a fiz chorar. O remorso fez a minha voz ficarmais séria.- Pois avisaste. No entanto, não estás bem certa. Eu quero, de facto, saber o que estása pensar, tudo. Só gostaria que não pensasses algumas coisas.Mais meias - verdades. Eu sabia que não devia querer que ela gostasse de mim. Mas euqueria. É claro que eu queria.- Grande diferença – Queixou-se, a fazer uma careta com um olhar carregado.- Mas não é propriamente essa a questão neste momento.- Então, qual é?Inclinou-se na minha direcção, a mão dela à volta do seu pescoço. Isso atraiu o meuolhar, distraindo-me. Como a sua pele devia ser suave…Concentra-te, ordenei a mim próprio.- Crês verdadeiramente que gostas mais de mim do que eu de ti? - Perguntei. Apergunta soava ridícula para mim, como se as palavras estivessem trocadas.Os seus olhos estavam bem abertos, a respiração parou. Depois ela desviou o olhar,piscando rapidamente os olhos. A respiração dela voltou baixo suspiro.- Estás a fazê-lo novamente - Murmurou.- O quê?- A deslumbrar-me – Admitiu ela, a olhar-me cuidadosamente nos olhos.- Ah - Hum. Eu não sabia bem o que fazer em relação a isso. Nem tinha a certeza deque não a queria deslumbrar. Eu ainda estava excitado por saber que o conseguia fazer.Mas isso não estava a ajudar o progresso da conversa.- A culpa não é tua - Suspirou – Não consegues evitar.- Vais responder à pergunta? – Quis saber.Ela olhou para a mesa – Sim,Foi tudo o que ela disse.
  • 269. - Referes-te a responder à pergunta ou ao facto de realmente pensares assim? -Perguntei impacientemente.- Sim, penso mesmo assim – Disse ela sem olhar para cima. Havia um leve tom detristeza na sua voz. Ela corou de novo, e os seus dentes mexeram-se inconscientementepara mordiscar o lábio.Abruptamente, percebi que para ela aquilo era muito difícil de admitir, porque elaacreditava realmente naquilo. E eu não era melhor do que aquele cobarde, Mike, a pedirpara que ela confirmasse os seus sentimentos antes de eu confirmar os meus próprios.Não importava que eu sentisse que tivesse posto o meu lado absolutamente claro. Euainda não lhe tinha dito, e isso não tinha desculpa.- Estás enganada – Garanti-lhe. Ela deve ter ouvido a ternura na minha voz.Bella olhou para mim, os seus olhos opacos não me disseram nada – Não podes saberisso - Murmurou.Ela pensava que eu estava a subestimar os seus sentimentos porque não conseguia ouviros seus pensamentos. Mas, na verdade, o problema é que ela estava a subestimar osmeus.- O que te leva a pensar assim? - Perguntei.Ela olhou para mim, com a ruga entre as suas sobrancelhas, a morder os lábios. Pelamilionésima vez, desejei desesperadamente poder ouvi-la.Eu estava prestes a implorar para que ela me dissesse o que tanto pensava, mas elalevantou um dedo para me impedir de falar.- Deixa-me pensar - Pediu.Desde que ela estivesse simplesmente a organizar os seus pensamentos, eu podia serpaciente.Ou fingir que era.Ela pressionou as mãos uma contra a outra, cruzando e descruzando os seus dedosfinos. Ela estava a olhar para as suas mãos como se pertencessem a outra pessoaenquanto falava.
  • 270. - Bem, além do óbvio – Murmurou - Por vezes… Não posso ter a certeza, pois nãoconsigo adivinhar pensamentos, mas por vezes parece que estás a tentar despedir-tequando estás a dizer outra coisa – Não olhou para cima.Ela tinha percebido aquilo, não tinha? Será que ela percebia que era apenas fraqueza eegoísmo que me mantinham aqui? Pensava menos de mim por causa disso?- És muito perspicaz - Expirei, e depois vi com horror a dor que passava na suaexpressão. Apressei-me a contradizer a sua suposição – É, porém, exactamente por issoque estás enganada - Comecei, e depois parei, lembrando-me das primeiras palavras dasua explicação – A que te referes quando falas do “óbvio”?- Bem, olha para mim – Disse.Eu estava a olhar. Tudo o que eu fazia era olhar para ela. O que ela queria dizer?- Suo absolutamente vulgar – Explicou – Bem, à excepção de todos os aspectosnegativos, como as experiências de morte iminente e o facto de ser tão desastrada quequase chego a ser inválida. Agora olha para ti - Abanou o ar na minha direcção com amão, como se estivesse a explicar uma coisa tão óbvia que não valia a pena descrever.Ela pensava que era vulgar? Pensava que eu era de alguma forma preferível a ela? Naavaliação de quem? Pessoas tolas, com a mente pequena, humanos cegos como Jessicaou a Sra. Cope? Como é que ela não percebia que era a coisa mais bela… maisextraordinária… essas palavras nem sequer eram o suficiente.E ela não fazia ideia.- Sabes, não tens uma imagem muito clara de ti mesma – Disse-lhe – Admito que estásabsolutamente certa quanto aos aspectos negativos – Ri-me sem humor. Eu não achavacómico o destino miserável que a assombrava. Ser desastrada, no entanto, era um poucoengraçado. Amoroso. Será que acreditaria em mim se eu lhe dissesse que era linda pordentro e por fora? Talvez ela achasse corroboração mais persuasiva - Mas não ouvisteo que cada humano do sexo masculino pensou no teu primeiro dia de aulas.Ah, a esperança, a excitação, a ansiedade daqueles pensamentos. A velocidade em quese tornaram em fantasias impossíveis. Impossíveis, porque ela não queria nenhum deles.
  • 271. Eu fui aquele a quem ela disse sim.O meu sorriso devia estar a parecer convencido.O rosto dela estava branco com surpresa – Não acredito – Murmurou.- Confia em mim só desta vez, és o contrário de vulgar.Só a sua existência era desculpa o suficiente para a criação do mundo inteiro.Ela não estava habituada a elogios, eu conseguia ver isso. Outra coisa a qual elasimplesmente ia ter que se habituar. Corou, e mudou de assunto – Mas eu não voudespedir-me de ti.- Será que não vês? É isso que prova que eu tenho razão. Os meus sentimentos são maisfortes, pois, se eu consigo fazê-lo… - Será que algum dia eu seria bondoso o suficientepara fazer a coisa certa? Abanei a cabeça em desespero. Ia ter que arranjar a força.Ela merecia uma vida, não aquilo que Alice tinha previsto para ela – Se partir for aatitude correcta a tomar - E tinha que ser a coisa certa, não tinha? Não havia nenhumanjo imprudente. Bella não me pertencia – Magoar-me-ei a mim mesmo para evitarmagoar-te, para manter-te a salvo.Enquanto eu dizia as palavras, desejei que fossem verdade.Ela olhou para mim. De alguma forma, as minhas palavras tinham-na chateado – E tujulgas que eu não faria o mesmo? – Perguntou furiosamente.Tão furiosa, tão suave e tão frágil. Como é que ela poderia alguma vez magoar alguém? –Jamais terias de tomar tal decisão – Disse-lhe, novamente triste pela grande diferençaentre nós.Fitou-me, a preocupação substituiu a raiva nos seus olhos, e trouxe de volta a pequenaruga entre eles.Havia algo verdadeiramente errado com a ordem do universo se alguém tão bom e tãoquebrável não merecesse um anjo da guarda para a manter de problemas.Bem, pensei com um humor negro, pelo menos tem um vampiro da guarda.Sorri. Como eu gostava da minha desculpa para ficar – É claro que manter-te a salvocomeça a revelar-se uma ocupação a tempo inteiro que requer a minha presença
  • 272. constante.Ela também sorriu – Ninguém tentou-se livrar de mim hoje – Disse ligeiramente, eentão a sua expressão tornou-se especulativa durante meio segundo antes dos seusolhos ficarem opacos novamente.- Por enquanto - Adicionei secamente.- Por enquanto – Concordou, para minha surpresa. Estava à espera que ela recusassequalquer tipo de protecção.Como é que ele pôde? Aquele parvalhão egoísta! Como ele nos pôde fazer isto? O ataquemental e incisivo de Rosalie quebrou a minha concentração.- Calma, Rose - Ouvi Emmett sussurrar do outro lado do refeitório. O braço dele estavaà volta dos ombros dela, a segurá-la firmemente ao seu lado, a prendê-la.Desculpa, Edward – Pensou Alice num tom culpado. – Ela conseguiu perceber que a Bellasabia demasiado pela vossa conversa… e, bem, teria sido pior se eu não lhe tivesse ditologo a verdade. Confia em mim.Estremeci ao ver a figura mental que se seguiu, do que teria acontecido se eu dissesseà Rosalie que Bella sabia que eu era um vampiro em casa, onde Rosalie não tinha umafachada a manter. Eu ia ter que esconder meu Aston Martin nalgum sítio fora doestado se ela não se acalmasse até que o dia escolar acabasse. A visão do meu carropreferido, destruído e a arder, foi perturbadora, embora eu soubesse que merecia aretribuição.Jasper não estava muito mais feliz.Eu trataria dos outros mais tarde. Eu tinha muito pouco tempo para ficar com Bella, enão ia desperdiçá-lo. E ouvir Alice lembrou-me que eu tinha algumas coisas a tratar.- Tenho outra pergunta para te fazer – Disse, desligando os ataques histéricos mentaisde Rosalie.- Diz - Disse Bella a sorrir.- Precisas mesmo de ir a Seattle no próximo fim-de-semana ou tal não passou de umpretexto para evitares recusar os convites de todos os teus admiradores?
  • 273. Ela fez-me uma careta – Sabes, ainda não te perdoei por causa do Tyler. Foi por tuaculpa que ele se iludiu, pensando que eu vou ao baile com ele.- Oh, ele teria arranjado uma oportunidade para te convidar sem a minha ajuda. Eu sóqueria mesmo ver a tua cara.Agora eu ri-me, ao lembrar-me da sua expressão chocada. Nada que eu lhe tinha ditosobre a minha própria história negra a tinha feito parecer tão aterrorizada. A verdadenão a assustava. Ela queria estar comigo. Espantoso.- Se eu te tivesse convidado, tu ter-me-ias rejeitado?- Provavelmente não – Disse – Mas teria cancelado o compromisso mais tarde,inventando uma doença ou uma entrose num tornozelo.Que estranho – Porque farias isso?Ela abanou a cabeça, como se estivesse desapontada por eu não ter percebido àprimeira – Suponho que nunca me viste na aula de Educação Física, mas pensei quecompreenderias.Ah – Estás a referir-te ao facto de não conseguires percorrer uma área plana e estávelsem encontrar algo em que tropeçar?- É claro.- Isso não constituiria um problema. Tem tudo a ver com a forma como a dança éconduzida.Por uma breve fracção de segundo, fui submerso na ideia de a segurar nos meus braçosnuma dança, onde ela de certeza usaria algo bonito e delicado em vez desta camisolahorrível.Com perfeita clareza, lembrei-me de como o corpo dela tinha sentido por baixo do meudepois de eu a tirar do caminho da carrinha desgovernada. Mais forte do que o pânicoou o desespero, eu conseguia lembrar-me daquela sensação. Ela tinha estado tão quentee tão macia, encaixando-se perfeitamente na minha própria forma de pedra…Libertei-me da memória.- Mas nunca chegaste a contar-me - Disse rapidamente, impedindo-a de discutir comigo
  • 274. sobre ser desastrada, como queria de certeza fazer – Estás decidida a ir a Seattle ouimportas-te que nós façamos algo diferente?Dei-lhe a possibilidade de escolha, sem lhe dar a opção de se afastar de mim naqueledia. Pouco justo da minha parte. Mas eu tinha-lhe feito uma promessa a noite passada…E gostei da ideia de a poder cumprir, quase tanto como a ideia me aterrorizava.O sol ia estar a brilhar no sábado. Eu podia mostrar-lhe o verdadeiro eu, se fossecorajoso o suficiente para suportar o seu horror e repugnância. Eu conhecia o lugarideal para correr tal risco…- Estou aberta a outras opções – Disse Bella – Mas tenho um favor a pedir-te.Absolutamente um sim. O que é que ela podia querer de mim?- Qual?- Posso conduzir?Era esta a sua ideia de humor? – Porquê?- Bem, principalmente porque quando disse ao Charlie que ia a Seattle, ele perguntou-me especificamente se ia sozinha. E, na altura, ia. Se ele voltasse a perguntar, euprovavelmente não mentiria, mas não me parece que ele o faça, e o facto de deixar aminha pick-up em casa só contribuiria para que o assunto viesse à bailadesnecessariamente. Além disso, também porque a maneira como conduzes me assusta.Revirei os olhos – De todas as coisas sobre mim que podiam assustar-te, preocupas-tecom a minha maneira de conduzir - Realmente, o cérebro dela funcionava de trás para afrente. Abanei a cabeça, com irritação.Edward – Chamou Alice urgentemente.De repente eu estava a olhar para um círculo de luz do sol, apanhado numa das visõesda Alice.Era um lugar que eu conhecia bem, o lugar que eu tinha acabado de considerar paralevar Bella, uma pequena clareira onde ninguém ia além de mim. Um lugar bonito e calmoonde eu podia estar sozinho, longe o suficiente de qualquer caminho ou habitaçãohumana. Um sítio onde até a minha mente podia ficar calma e ter paz.
  • 275. A Alice também reconheceu aquele sítio, porque tinha-me visto lá há algum tempo,noutra visão, uma daqueles visões rápidas e indistintas que Alice me tinha mostrado nodia em que salvei Bella da carrinha.Naquela visão rápida, eu não tinha estado sozinho. E agora estava mais claro, Bellaestava lá comigo. Então eu era corajoso o suficiente. Ela olhou para mim, arco-íris adançar no seu rosto, os olhos demasiado complicados para serem percebidos.É o mesmo lugar. Pensou Alice, a mente dela estava cheia com um horror que nãocombinava com a visão. Tensão, talvez, mas horror? O que é que ela quis dizer, é omesmo lugar?E então eu vi.Edward! Protestou Alice, estridente. Eu adoro-a, Edward!Desviei os pensamentos dela, sem piedade.Ela não gostava da Bella da mesma maneira que eu. A visão dela era impossível. Errada.Ela estava cega, de alguma maneira, a ver coisas impossíveis.Nem sequer tinha passado meio segundo. A Bella estava a olhar curiosamente para aminha cara, à espera que eu concordasse com o seu pedido. Será que ela tinha visto olampejo de terror, ou tinha sido demasiado rápido para ela?Concentrei-me nela, na nossa conversa inacabada, e a afastar a Alice e as suas visõesmentirosas dos meus pensamentos. Elas não mereciam a minha atenção.Mas não consegui manter o tom de brincadeira na minha voz.- Não queres contar ao teu pai que vais passar o dia comigo? - Perguntei, um tomsombrio cobria a minha voz.- Tratando-se de Charlie, quanto menos souber, melhor - Disse Bella, segura daquelefacto – Já agora, onde vamos?A Alice estava errada. Completamente errada. Não havia oportunidade daquiloacontecer. Era simplesmente uma visão antiga, agora inválida. As coisas tinham mudado.- O tempo estará agradável – Disse-lhe lentamente, a lutar contra o pânico e aindecisão. A Alice estava errada. Eu ia continuar como se não tivesse ouvido ou visto
  • 276. nada – Portanto evitarei aparecer em público. E tu podes ficar comigo, se assimdesejares.Bella percebeu o significado daquilo à primeira. Os seus olhos estavam brilhantes eansiosos – E mostras-me aquilo a que te referias, a respeito do Sol?Talvez, como tantas vezes antes, a reacção dela fosse o oposto do que eu esperava.Sorri com essa possibilidade, e lutei para voltar ao momento mais leve - Mostro, mas… -Ela ainda não tinha tido sim – Se não quiseres ficar… a sós comigo, continuo a preferirque não vás a Seattle sozinha. Tremo só de pensar nos sarilhos que poderias arranjarnuma cidade daquele tamanho.Os lábios dela juntaram-se. Estava ofendida.- Phoenix é três vezes maior do que Seattle, apenas em termos populacionais. A nívelde dimensão geográfica…- Mas pelos vistos ainda não tinhas dado o teu melhor quando lá estavas - Disse, acortar as suas justificações – Assim, preferia que ficasses perto de mim.Podia ficar para sempre que ainda não seria o tempo suficiente.Eu não devia pensar assim. Nós não tínhamos para sempre. Os segundos passavam maisdepressa do que antes, cada segundo mudava-a enquanto eu continuava o mesmo.- Por acaso, não me importo de ficar a sós contigo – Disse ela.Não, porque os seus instintos estavam completamente do avesso.- Eu sei - Suspirei – Mas devias informar o Charlie.- Por que carga de água haveria de fazer isso? - Perguntou, a parecer horrorizada.Olhei para ela, as visões que eu não conseguia bem reprimir a girar enjoativamente naminha cabeça.- Para me dares um pequeno incentivo para te trazer de volta – Disse num tomenervado. Ela devia-me dar pelo menos isso, uma testemunha para me obrigar a sercauteloso.Por que é que a Alice teve que me forçar a tudo isto agora?Bella engoliu ruidosamente, e olhou para mim durante um longo momento. O que tinha
  • 277. ela visto?- Acho que correrei esse risco - Disse.Argh! Ela via alguma animação em arriscar a vida? Ansiava por algum momento deadrenalina?Eu fiz careta à Alice, que me olhou com uma expressão de advertência. Ao lado dela,Rosalie estava a encarar-me furiosamente, mas não me podia ter importado menos. Elaque destrua o carro. É só um brinquedo.- Vamos conversar sobre outra coisa - Sugeriu Bella de repente.Voltei a olhar para ela, a perguntar-me como é que ela podia ser tão indiferente ao queimportava na realidade. Por que é que ela não via o mostro que eu era?- Queres conversar sobre o quê?Os seus olhos viraram-se para a esquerda e para a direita, como se estivesse aconfirmar que ninguém estava a ouvir. Ela devia estar a planear conversar sobre outrotópico relacionado com mitos. Os seus olhos congelaram por um segundo e o seu corpoficou rígido. Então olhou para mim.- Porque foste àquele lugar chamado Goat Rocks no fim-de-semana passado? Fostecaçar? O Charlie disse que não era um bom sítio para passear, devido aos ursos.Tão indiferente. Continuei a olhar para ela, com uma sobrancelha levantada.- Ursos? - Ofegou.Sorri ironicamente, prestando atenção enquanto ela absorvia aquilo. Isto faria com queela me levasse a sério? Será que alguma coisa fazia?Ela recompôs a expressão – Sabes, não estamos na época dos ursos – Disse elaseveramente, a semicerrar os olhos.- Se leres com atenção, as leis só abrangem a caça com armas.Ela perdeu o controlo do seu rosto por um momento. Os seus lábios abriram-se.- Ursos? - Disse outra vez, uma pergunta experimental desta vez, não a ofegar dechoque.- O urso-pardo é o preferido de Emmett.
  • 278. Observei os olhos dela, a ver aquilo a assentar.- Hum - Murmurou. Mordeu um pedaço de pizza, a olhar para baixo. Mastigoupensativamente, então tomou uma bebida.- Então – Disse, finalmente a olhar para cima – Qual é o teu preferido?Supus que devia ter esperado algo assim, mas não tinha. Bella era sempre interessante,no mínimo.- O leão da montanha - Respondi bruscamente.- Ah – Disse ela com uma voz neutra. Os seus batimentos cardíacos continuaramestáveis e regulares, como se estivéssemos a discutir um restaurante preferido.Tudo bem, então. Se ela queria agir como se isto não fosse nada de anormal…- Como é evidente, temos de ter o cuidado de não causar impacto no ambiente com acaça imprudente – Disse-lhe, a minha voz distanciada e sem emoção – Tentamosconcentra-nos em áreas com um excesso de predadores, distanciando-nos no terrenotanto quanto o necessário. Aqui, existe sempre uma grande abundância de veados ealces e estes servem, mas que gozo dá caçá-los?Ela ouviu com uma expressão educadamente interessada, como se eu fosse umprofessor a ditar trabalhos de casa. Tive que sorrir.- Sim, de facto - Murmurou calmamente, e mordeu outro pedaço de pizza.- O inicio da Primavera é a época de caça ao urso preferido do Emmett – Disse eu, acontinuar a lição – Estão mesmo a sair da hibernação, e por isso, estão mais irritáveis.Setenta anos depois, e ele ainda não tinha ultrapassado o facto de ter perdido aquelaprimeira luta.- Não há nada mais divertido do que um urso-pardo irritado – Concordou Bella, a acenarsolenemente.Não consegui conter um riso quando abanei a cabeça à calma ilógica dela. Tinha que serfingida – Por favor, diz-me o que estás a pensar.- Estou a tentar imaginar, mas não consigo - Disse, a pequena ruga a aparecer entre osseus olhos – Como é que vocês caçam um urso sem armas?
  • 279. - Oh, nós temos armas – Disse-lhe, e depois abri um largo sorriso. Estava à espera queela se encolhesse, mas ficou parada, a olhar para mim – Só que não são do tipo daquelasque se levam em consideração quando se redigem as leis de caça. Se já assististe aoataque de um urso na televisão, devias conseguir visualizar a caçada do Emmett.Ela deu uma olhadela à mesa onde os outros estavam sentados, e arrepiou-se.Finalmente. E aí ri-me de mim próprio, porque parte de mim queria que ela continuasseindiferente àquilo.Os seus olhos escuros estavam arregalados e profundos quando ela voltou a olhar paramim – Também te assemelhas a um urso? - Perguntou, quase a sussurrar.- Assemelho-me mais ao leão, ou pelo menos é isso que me dizem – Disse-lhe, a tentarsoar desinteressado novamente – Talvez as nossas preferências sejam indicativas.Os seus lábios levantaram-se um bocado nos cantos - Talvez - Repetiu. E depois acabeça inclinou-se para o lado, e a curiosidade estava inesperadamente expressa nosseus olhos – Trata-se de algo a que poderei assistir?Eu não precisava das imagens de Alice para ilustrar este horror, a minha imaginação jáera boa o suficiente.- Claro que não! – Rosnei-lhe.Ela desviou-se de mim, os seus olhos espantados e assustados.Eu também me afastei, queria deixar algum espaço entre nós. Ela nunca ia ver, poisnão? Ela não ia mesmo fazer uma coisa sequer para me ajudar a mantê-la viva.- É algo demasiado assustador para mim – Perguntou-me, com a voz controlada. Noentanto o seu coração ainda se estava a mexer com o dobro da velocidade.- Se o problema fosse esse, levava-te hoje mesmo a fazê-lo – Respondi entre dentes –Tu precisas de uma dose saudável de medo. Nada te seria tão benéfico.- Então porquê? – Perguntou, insistente.Fitei-a sombriamente, à espera que ela ficasse com medo. Eu estava com medo.Conseguia imaginar demasiado claramente ter Bella por perto enquanto caçava…Os olhos dela continuaram curiosos, impacientes, nada mais. Ela esperou pela sua
  • 280. resposta, sem ceder.Mas a nossa hora tinha acabado.- A resposta a essa pergunta fica para depois – Disse rapidamente, e pus-me de pé –Vamos chegar atrasados.Ela olhou à volta dela própria, desorientada, como se tivesse esquecido de que estavano almoço. Como se tivesse esquecido que estávamos na escola sequer, estavasurpreendida por não estarmos a fazer sozinhos nalgum lugar particular. Eu entendiaexactamente esse sentimento. Era difícil lembrar-me do resto do mundo quando euestava com ela.Ela levantou-se rapidamente, abanou a cabeça uma vez, e depois pôs a mochila noombro.- Fica então para depois – Disse ela, e eu consegui ver a determinação na sua boca.12º Capitulo - ComplicaçõesA Bella e eu andámos silenciosamente até à aula de biologia. Eu estava a tentar focar-me no momento, na rapariga ao meu lado, no que era real e sólido, em qualquer coisa quemantivesse as visões enganosas e sem sentido da Alice longe de minha cabeça.Passámos por Angela Weber, que estava na calçada a discutir um trabalho com umrapaz da sua aula de trigonometria. Passei pelos pensamentos dela mecanicamente, àespera de mais desapontamentos, apenas para ser surpreendido com o seu quase gritode alegria com um pouco de melancolia.Ah, então havia alguma coisa que Angela queria. Infelizmente, não era algo que pudesseser facilmente embrulhado.Senti-me estranhamente confortado por um momento, ao ouvir o desejo sem esperançade Angela. Um sentimento de afinidade que Angela de nunca saberia, passou por mim, e
  • 281. eu fiquei, naquele segundo, de acordo com aquela simpática rapariga humana.Eu estava estranhamente consolado por saber que não era o único a viver uma trágicahistória de amor. Corações partidos estavam em todo o lado.No segundo seguinte, fiquei abruptamente e completamente irritado. Porque a históriade Angela não tinha que ser trágica. Ela era humana e ele era humano, e a diferença queparecia tão insuperável na sua cabeça era ridícula, realmente ridícula comparada com aminha própria situação. Não havia motivo para o seu coração partido. Que tristeza maisdesperdiçada, quando não havia nenhuma razão válida para ela não estar com quemqueria. Por que é que ela não devia ter o que ela queria? Por que é que esta história nãohavia de ter um final feliz?Eu queria dar-lhe um presente… Bem, eu iria dar-lhe o que ela queria. Sabendo o que eusabia da natureza humana, provavelmente nem seria muito difícil. Analisei a consciênciado rapaz ao lado dela, o objecto dos seus sentimentos, e ele não pareceu estar de mávontade, estava simplesmente bloqueado pela mesma dificuldade que ela estava. Semesperanças, tal como ela estava.Tudo que eu teria que fazer era implantar a sugestão…O plano formou-se facilmente, o guião escreveu-se por ele próprio sem esforço daminha parte. Iria precisar da ajuda de Emmett. Convencê-lo a concordar com isto era aúnica verdadeira dificuldade. A natureza humana era muito mais fácil de manipular doque a natureza dos vampiros.Estava satisfeito com a minha solução, com o meu presente para Angela. Era uma boadistracção dos meus próprios problemas. Quem me dera que os meus fossem tão fáceisde serem resolvidos.O meu humor estava ligeiramente melhor enquanto eu e a Bella nos sentámos nos nossoslugares. Talvez eu devesse ser mais positivo. Talvez houvesse alguma solução para nósque me estivesse a escapar, da mesma forma que a solução óbvia para Angela não eravisível para ela. Pouco provável… mas para quê perder tempo com falta de esperanças?Eu não tinha tempo para desperdiçar quando se tratava de Bella. Cada segundo
  • 282. importava.O Senhor Banner entrou a empurrar uma velha televisão e leitor de vídeo. Ele estava apassar por uma matéria que não lhe interessava particularmente (distúrbios genéticos)ao mostrar um vídeo pelos próximos três dias. O Óleo de Lorenzo não era uma peçamuito alegre, mas isso não parou a excitação na sala. Sem notas, sem materiais deteste. Três dias livres. Os humanos estavam contentíssimos.Não me fazia diferença de qualquer das maneiras. Eu não tinha planeado prestaratenção a alguma coisa a não ser Bella.Hoje não desviei a minha cadeira da dela, para me dar espaço para respirar. Em vezdisso, sentei-me proximamente ao lado dela como qualquer humano normal faria. Maisperto do que quando nos sentámos no meu carro, perto o suficiente para que o ladoesquerdo do meu corpo se sentisse submergido no calor da sua pele.Era uma experiência estranha, tanto agradável como enervante, mas eu preferia isto asentar-me na outra ponta da mesa. Era mais ao que eu estava habituado, mas noentanto, rapidamente percebi que não era o suficiente. Eu não estava satisfeito. Estara esta distância dela fez-me querer estar ainda mais perto. A força crescia à medidaque me aproximava dela.Eu tinha-a acusado de ser um íman para o perigo. Neste momento, parecia que aquelaera a verdade literal. Eu era perigo, e a cada centímetro que eu me permitia ficar maispróximo dela, a sua força de atracção crescia em força.E então o Senhor Banner desligou as luzes.Foi estranho quanta diferença isto fez, considerando que a falta da luz significavapouco para os meus olhos. Eu ainda conseguia ver tão perfeitamente como antes. Cadadetalhe da sala era claro.Então porquê o súbito choque de electricidade no ar nesta sala escura que não eraescura para mim? Era porque eu sabia que era o único que conseguia ver claramente?Era por Bella e eu estarmos invisíveis para os outros? Como se estivéssemos sozinhos,só nós os dois, escondidos na sala escura, sentados tão perto um do outro…
  • 283. A minha mão mexeu-se na direcção de Bella sem a minha permissão. Só para tocar nasua mão, segurá-la na escuridão. Seria um erro assim tão horrível? Se a minha pele aincomodasse, ela só tinha que afastar a sua mão…Puxei rapidamente a minha mão, cruzei os braços firmemente contra o meu peito ecerrei as minhas mãos. Sem erros. Prometi a mim mesmo que não cometeria erros,independentemente de parecerem pequenos. Se eu segurasse na mão dela, eu ia querermais. Outro toque insignificante, outro movimento para mais perto dela. Eu conseguiasentir isso. Um novo tipo de desejo estava a crescer dentro de mim, a lutar parasuperar o meu auto-controlo.Sem erros.Bella cruzou os braços com segurança sob o seu próprio peito, e as suas mãoscerraram-se até punhos, tal como as minhas.No que é que estás a pensar? Eu estava a morrer por lhe murmurar essas palavras, masa sala estava silenciosa o suficiente para se ouvir a mínima conversa.O filme começou, iluminando a escuridão apenas um bocado. Bella olhou para mim.Reparou na maneira rígida que eu mantinha o meu corpo, tal como ela, e sorriu. Os seuslábios separaram-se ligeiramente, e os seus olhos pareciam cheios de calorososconvites.Ou talvez eu estivesse a ver o que queria ver.Sorri-lhe também. A respiração dela saiu ligeiramente ofegante e ela olhourapidamente para outro lado.Isso piorou as coisas. Eu não sabia os pensamentos dela, mas tinha quase a certeza queantes eu tinha tido razão, e que ela queria que eu lhe tocasse. Ela sentiu esse desejoperigoso assim como eu.Entre o corpo dela e o meu, a electricidade intensificava-se.Ela não se mexeu durante aquela hora, mantendo-se rígida, com a postura controladaassim como eu controlava a minha. Ocasionalmente, ela espreitava para me ver outravez, e a corrente eléctrica passava por mim com um súbito choque.
  • 284. A hora passou lentamente, mas mesmo assim, não lenta o suficiente. Isto era tão novo,eu podia ficar aqui sentado com ela durante dias, só para experimentar o sentimentopor completo.Tive uma dúzia de diferentes discussões comigo mesmo enquanto os minutos passaram.Racionalidade a lutar contra o desejo enquanto eu tentava justificar tocar-lhe.Finalmente, o Sr. Banner ligou as luzes novamente.Na brilhante luz fluorescente, a atmosfera da sala voltou ao normal. A Bella suspirou eespreguiçou-se, a flectir os dedos à sua frente. Deve ter sido desconfortável para elamanter-se naquela posição por muito tempo. Era mais fácil para mim, a imobilidadevinha naturalmente.Soltei um riso devido à expressão de alívio no seu rosto – Bem, foi interessante.- Hum - Murmurou, a entender claramente ao que eu me referia, mas sem fazercomentários. O que eu não dava para saber o que é que ela estava a pensar nestemomento.Suspirei. Nem toda a vontade do mundo ia ajudar nisso.- Vamos? - Perguntei, levantando-me.Ela fez uma careta e pôs-se de pé de uma maneira instável, as suas mãos estendidascomo se estivesse com medo que fosse cair.Eu podia oferecer a minha mão. Ou podia colocar essa mesma mão por baixo do seucotovelo, apenas ligeiramente, e apoiá-la. De certeza que não seria assim uma infracçãotão horrível…Sem erros.Ela estava bastante silenciosa enquanto caminhávamos em direcção do ginásio. A rugaentre os seus olhos era evidente, um sinal de que ela estava a pensar profundamente.Eu, também, estava a pensar profundamente.Um toque na sua pele não a iria magoar, argumentava o meu lado egoísta.Eu podia facilmente moderar a pressão da minha mão. Não era propriamente difícil,desde que eu estivesse em pleno controlo de mim próprio. O meu sentido táctil era mais
  • 285. desenvolvido do que o de um humano. Eu podia fazer malabarismos com uma dúzia decristais sem partir nenhum. Eu podia tocar numa bolha de sabão sem a rebentar. Desdeque eu estive em pleno controlo…Bella era como uma bolha de sabão, frágil e efémera. Temporária.Durante quanto mais tempo é que eu seria capaz de justificar a minha presença na suavida? Quanto tempo é que eu tinha? Será que teria outra oportunidade como esta,como este momento, este segundo? Ela não estaria sempre ao alcance dos meusbraços…Bella virou-se para olhar para mim à porta do ginásio, e os seus olhos arregalaram-sedevido à expressão do meu rosto. Não falou. Eu olhei para mim mesmo através doreflexo nos seus olhos, e vi o conflito dentro de mim. Vi a minha cara a mudar quando omeu melhor lado perdeu o argumento.A minha mão levantou-se, sem uma ordem consciente para que isso acontecesse. Tãogentilmente como se ela fosse feita do vidro mais fino, como se ela fosse tão frágilcomo uma bolha, os meus dedos afagaram a pele quente que cobria a sua bochecha.Aqueceu por baixo do meu toque, e eu conseguia sentir o fluxo sanguíneo a acelerar porbaixo da sua pele transparente.Chega, ordenei, apesar de a minha mão estar a lutar para se moldar àquela parte do seurosto. Chega.Foi difícil retirar a mão, parar de me aproximar mais dela do que já estava. Milpossibilidades diferentes passaram na minha cabeça num instante, milhares demaneiras diferentes de lhe tocar. A ponta do meu dedo a traçar o contorno dos seuslábios. A minha palma a acariciar o seu queixo. Tirar o gancho do seu cabelo e deixá-loespalhar-se na minha mão. Os meus braços a envolver-lhe a cintura, a segurá-la contraa extensão de meu corpo.Chega.Forcei-me a virar, para me afastar dela. O meu corpo mexeu-se pesadamente, semvontade.
  • 286. Deixei a minha mente ficar para trás para ver Bella enquanto eu me afastava, quase ada tentação. Apanhei os pensamentos de Mike Newton, eram os mais audíveis, enquantoele via Bella a passar por ele sem lhe ligar, os seus olhos desfocados e as bochechascoradas. Ele enfureceu-se e de repente o meu nome estava misturado em asneiras namente dele. Não consegui evitar rir-me em resposta.A minha mão estava a formigar. Flexionei-as e depois cerrei os punhos, mas adormência continuou, sem dor.Não, eu não a tinha magoado, mas mesmo assim, tocar-lhe tinha sido um erro.Pareciam chamas, como se a sede ardente na minha garganta se tivesse espalhado pelomeu corpo todo.Da próxima vez que eu estivesse próximo dela, seria eu capaz de me impedir de lhetocar novamente? E se eu lhe toquei uma vez, seria capaz de parar por aí?Sem mais erros. Era isso. Contenta-te com a memória, Edward, disse para mim mesmocom um sorriso, e guarda as tuas mãos para ti próprio. Era isso ou teria que me forçar apartir, de alguma forma. Porque eu não me poderia permitir a estar perto dela se euinsistisse em cometer estes erros.Respirei fundo e tentei acalmar os meus pensamentos.Emmett apanhou-me fora do edifício de Inglês.- Hei, Edward - Ele parece melhor, estranho, mas melhor. Feliz.- Hei Em - Parecia feliz? Supus que sim, que apesar do caos na minha cabeça, eu mesentia dessa forma.É melhor manteres a boca fechada, miúdo. A Rosalie quer arrancar-te a língua.Suspirei – Desculpa ter-te deixado a tratar disso. Estás zangado comigo?- Nah, a Rosalie ultrapassa isso. Era suposto acontecer de qualquer das maneiras – Como que a Alice vê a aproximar-se…As visões de Alice não são algo que eu quisesse pensar neste momento. Olhei para afrente, os meus dentes cerrados.Enquanto procurava uma distracção, vi Ben Cheney a entrar na sala de Espanhol à nossa
  • 287. frente. Ah, aqui estava a minha oportunidade de dar a Angela Weber o seu presente.Parei de andar e agarrei no braço de Emmett – Aguenta um segundo.O que se passa?- Eu sei que não mereço, mas far-me-ias um favor de qualquer das maneiras?- O que é? - Perguntou, curioso.Por baixo da minha respiração, e a uma velocidade que faria as palavrasincompreensíveis para qualquer humano, independentemente do volume a que fossemditas, expliquei-lhe o que queria.Ele fitou-me, sem expressão, quando eu terminei. Os seus pensamentos estavam tãoconfusos quanto a sua expressão.- E então? – Perguntei – Ajudas-me com isso?Demorou um minuto para que ele respondesse - Mas, porquê?- Vá lá Emmett, por que não?Quem és tu e o que é que fizeste ao meu irmão?- Não és tu que te queixas que a escola é sempre o mesmo? Isto é algo um tantodiferente, não achas? Considera isto uma experiência, uma experiência sobre anatureza humana.Olhou para mim por mais um momento antes de dizer - Bem, isto é diferente, lá isso é…Ok, pronto - Bufou Emmett e depois encolheu os ombros – Eu ajudo-te.Sorri-lhe, sentia-me mais entusiasmado com o meu plano agora do que antes. A Rosalieera uma chata, mas eu ia ficar sempre a dever-lhe uma por ter escolhido Emmett,ninguém tinha um irmão melhor que o meu.Emmett não precisava de praticar. Eu sussurrei-lhe as falas enquanto entrávamos nasala de aula.Ben já estava no seu lugar, atrás do meu, a ajeitar os seus trabalhos para entregar.Emmett e eu, ambos nos sentámos e fizemos a mesma coisa. A turma ainda não estavaem silêncio, o burburinho de conversas paralelas continuaria até que a senhora Goffchamasse à atenção. Ela não estava com pressa, estava a contemplar os questionários
  • 288. da aula passada.- Então – Disse Emmett, a sua voz mais alta que o necessário se estivesse mesmo afalar apenas para mim – Já convidaste a Angela Weber para sair?O som de papéis atrás de mim cessou abruptamente enquanto Ben congelava, a suaatenção repentinamente cravada na nossa conversa.Angela? Eles estão a falar da Angela?Óptimo. Tinha a sua atenção.- Não – Disse eu, a balançar lentamente a cabeça para parecer arrependido.- Por que não? - Improvisou Emmett – Estás com medo?Sorri-lhe – Não. Ouvi dizer que estava interessada noutra pessoa.O Edward Cullen ia convidar a Angela para sair? Mas… Não. Eu não gosto disso. Eu não oquero perto dela. Ele não… não é certo para ela. Não é… seguro.Eu não tinha previsto o cavalheirismo, o instinto protector. Tinha estado a trabalhar nociúme. Mas qualquer coisa servia.- Vais deixar que isso te impeça? - Perguntou Emmett, a improvisar novamente – Nãoestás numa de competição?Olhei para ele, mas fiz uso do que ele me deu – Olha, eu acho que ela gosta mesmo deum tal Ben. Não a vou tentar convencer do contrário. Há outras raparigas.A reacção na cadeira atrás da minha foi eléctrica.- Quem? – Perguntou Emmett, de volta ao guião.- O meu colega de laboratório disse que era algum rapaz chamado Cheney. Não tenho acerteza se o conheço.Mordi os meus lábios para não sorrir. Apenas os “poderosos” Cullen poderiam convenceralguém com esse fingimento de não conhecer cada aluno desta escola minúscula.A cabeça de Ben estava a girar com o choque. Eu? Acima de Edward Cullen? Mas porque é que ela haveria de gostar de mim?- Edward - Murmurou Emmett num tom baixo, a revirar os olhos na direcção do rapaz -Ele está mesmo atrás de ti - Mexeu os lábios, de uma maneira tão óbvia que o humano
  • 289. facilmente podia ler as palavras.- Oh - Murmurei.Virei-me no meu assento e olhei uma vez para o rapaz atrás de mim. Durante umsegundo, os olhos negros atrás dos óculos tiveram medo, mas depois pôs-se numaposição rígida e alinhou os seus ombros estreitos, afrontado pela minha clara edepreciativa avaliação. O seu queixo projectou-se e uma vermelhidão de raivaescureceu a sua pele bronzeada.- Huh – Disse eu arrogantemente enquanto me voltava para Emmett.Ele pensa que é melhor que eu. Mas a Angela não. Eu vou mostrar-lhe...Perfeito.- Mas não disseste que ela ia levar o Yorkie ao Baile? - Perguntou Emmett, a roncar aodizer o nome do rapaz que tantos achavam que era estranho.- Aparentemente essa foi uma decisão de grupo - Eu queria ter a certeza de que Benestava a ouvir claramente – A Angela é tímida. Se o B… Bem, se um rapaz não tivercoragem para lhe convidar para sair, ela nunca lhe irá perguntar.- Tu gostas de raparigas tímidas - Disse Emmett, de volta aos improvisos – Raparigascalmas. Raparigas como… hum, não sei. Talvez Bella Swan?Sorri-lhe – Exactamente - Depois voltei para a encenação – Talvez a Angela se canse deesperar. Talvez a convide para o baile.Não, não convidas. Pensou Ben, a endireitar-se na sua cadeira. E então que ela seja maisalta que eu? Se ela não se importa, eu também não. Ela é a rapariga mais simpática,mais esperta e mais bonita desta escola. E ela quer-me a mim.Gostei deste Ben. Ele parecia claro e bem esclarecido. Talvez até merecesse umarapariga como a Angela.Fiz um polegar para cima ao Emmett por debaixo da carteira enquanto a Sra. Goffparou e saudou a turma.Ok, eu admito, aquilo foi um tanto engraçado. Pensou Emmett.Sorri para mim mesmo, feliz por ter sido capaz de moldar o final feliz de uma história
  • 290. de amor. Eu tinha a certeza que Ben ia cair na armadilha e que Angela iria receber omeu presente anónimo. A minha dívida foi paga.Que tolos eram os humanos, deixar que uma diferença de 15 centímetros confundisse asua felicidade.O meu sucesso deixou-me de bom humor. Sorri novamente enquanto me ajeitava nacadeira para ser entretido. Afinal de contas, como Bella referiu ao almoço, eu nunca atinha visto em acção numa aula de educação física antes.Os pensamentos de Mike eram os mais fáceis de encontrar no burburinho de vozes queandavam pelo ginásio. A sua mente tinha-se tornado demasiado familiar nas últimassemanas. Com um suspiro, percebi que ia ouvir através dele. Pelo menos podia ter acerteza que ele estaria a prestar atenção a Bella.Estava mesmo a tempo de ouvi-lo a oferecer-se para fazer de parceiro de Bella.Enquanto ele fazia a sugestão, outras parcerias passaram pela mente dele. O meusorriso desapareceu, os meus dentes cerraram-se e eu tive que me lembrar que matarMike Newton não era uma opção permitida- Obrigada Mike. Sabes que não tens de fazer isto.- Não te preocupes, eu não te atrapalho.Sorriram um para o outro, e flashes de numerosos acidentes, todos ligados a Bella dealguma forma, passaram pela cabeça de Mike.Primeiramente Mike jogou sozinho, enquanto Bella hesitava na última metade do campo,a segurar cautelosamente na sua raquete, como se fosse alguma espécie de arma. Entãoo treinador bateu palmas enquanto caminhava e disse a Mike para deixar Bella jogar.Oh não. Pensou Mike enquanto Bella caminhava com um suspiro, a segurar a sua raquetenum ângulo estranho.Jennifer Ford serviu o volante directamente na direcção de Bella com uma satisfaçãoconvencida a rondar os seus pensamentos. Mike viu Bella a dar uma guinada, batendo araquete muito longe do seu alvo, e ele entrou para tentar salvar a jogada.Eu observei a trajectória da raquete de Bella com preocupação. De certeza que ela
  • 291. tinha acertado na rede esticada, e agora a raquete estava a voltar na direcção dela, ebateu na testa de Bella antes de atingir o braço de Mike com um ressonante “thwack”.Au. Au. Uhm. Isto vai deixar um hematoma.Bella estava a esfregar a sua testa. Era difícil para mim ficar parando no lugar ondeestava, sabendo que ela estava magoada. Mas o que poderia eu fazer se estivesse lá? Enão parecia ser algo sério… eu hesitei, a assistir. Se ela tentasse continuar a jogar, euteria que arranjar uma desculpa para a ir tirar da aula.O treinador riu-se. “Desculpa, Newton.”. Esta rapariga tem a pior má sorte que eu já vi.Não a devia infligir aos outros...Ele virou-se de costas deliberadamente e moveu-se para assistir a outro jogo para queBella pudesse voltar ao seu lugar de espectadora.Au. Pensou Mike de novo, a massajar o braço. Virou-se para Bella – Estás bem?- Sim, e tu estás? - Perguntou timidamente, a corar.- Acho que aguento - Não quero parecer um bebé chorão. Mas, bolas, aquela doeu!- Eu fico aqui atrás - Disse Bella, vergonha e desgosto na sua expressão em vez de dor.Talvez Mike tivesse tido o pior daquilo. Esperei que fosse esse o caso. Ao menos ela nãoestava a jogar mais. Ela segurava a raqueta atrás das costas, os seus olhos cheios deremorsos… Tive que disfarçar o meu riso com tosse.O que é que tem piada? - Quis saber Emmet quis saber.- Digo-te depois - Murmurei.Bella não se aventurou a jogar de novo. O treinador ignorou-a e deixou o Mike jogarsozinho.Fiz o questionário rapidamente no final da hora, e Sra. Goff deixou-me sair mais cedo.Eu estava a ouvir intencionalmente Mike enquanto passava pelo recreio. Ele tinhadecidido confrontar Bella a meu respeito.A Jessica jura que eles estão a andar. Porquê? Por que é que ele teve que a escolher?Ele não tinha reconhecido o fenómeno real, que foi ela que me escolheu.- Então.
  • 292. - Então o quê? – Perguntou ela.- Tu e o Cullen, hã? - Tu e a aberração. Suponho que, se um rapaz rico é assim tãoimportante para ti…Cerrei os dentes àquela degradante suposição.- Isso não te diz respeito Mike.Defensiva. Então é verdade. Bolas. – Não me agrada.- Não tem de te agradas – Disse bruscamente.Por que é que ela não consegue ver o espectáculo de circo que ele é? Como eles sãotodos. A maneira como ele olha para ela. Dá-me arrepios só de ver – Ele olha-te como…como se fosses algo de comer.Eu encolhi-me, à espera da resposta dela.O seu rosto ficou vermelho brilhante, e os lábios fecharam-se com força, como seestivesse a suster a respiração. Então, subitamente, um risinho saiu dos seus lábios.Agora está a rir-se de mim. Óptimo.Mike virou-se, com mau humor, e foi-se embora para trocar de roupa.Encostei-me contra a parede do ginásio e tentei recompor-me.Como é que ela se podia ter rido da acusação de Mike? Uma acusação tão acertada quecomecei a pensar se Forks já tinha percebido demasiado… Por que é que se rira daacusação de que eu a podia matar, quando ela sabia que isso era inteiramente verdade?Onde é que estava o humor nisso?O que é que havia de errado com ela?Será que tinha um sentido de humor mórbido? Isso não se encaixava na ideia que eutinha do seu carácter, mas como poderia eu ter a certeza? Ou talvez o meu “sonho” doanjo perturbador estava correcto numa coisa, que ela não tinha medo nenhum. Corajosa,essa era uma palavra para isso. Outros poderiam dizer estúpida, mas eu sabia o quantointeligente ela era. Mas independentemente da razão, esta falta de medo ou oretorcido sentido de humor não era bom para ela. Seria esta estranha falta de medoque a colocava em perigo tão constantemente? Talvez ela precisasse sempre de mim
  • 293. aqui…Só com isso, o meu humor já estava a flutuar.Se eu conseguisse simplesmente disciplinar-me, tornar-me seguro, então talvez fossecerto para mim ficar com ela.Quando ela passou pelas portas do ginásio, os seus ombros estavam firmes e o seu lábioinferior estava entre os dentes outra vez: um sinal de ansiedade. Mas assim que osolhos dela encontraram os meus, os seus ombros rígidos relaxaram e um largo sorrisoapareceu no seu rosto. Era uma estranha expressão pacífica. Ela caminhou para o meulado sem hesitar, apenas parando quando estava perto o suficiente para que atemperatura do seu corpo batesse em mim como uma onda de maré.- Olá - Sussurrou.A felicidade que senti neste momento era, novamente, sem precedentes.- Olá – Disse. E depois, porque com o meu humor subitamente tão leve eu não conseguiaresistir em meter-me com ela, adicionei – Como correu a aula de Educação Física?O seu sorriso hesitou – Correu bem.Ela era uma péssima mentirosa.- Deveras? - Perguntei, a pressionar o assunto. Eu ainda estava preocupado com a suacabeça. Será que estava com dores? Mas então os pensamentos de Mike Newtonestavam tão altos que quebraram a minha concentração.Odeio-o. Quem me dera que ele morresse. Espero que conduza aquele carro brilhantedirectamente para u precipício. Por que é que ele não pôde simplesmente deixá-la empaz? Limitar-se a ficar com os do tipo dele, as aberrações.- O que foi? – Exigiu saber Bella.Os meus olhos voltaram a focar-se no seu rosto. Ela olhou para as costas de Mike edepois para mim.- O Newton está a irritar-me - Admiti.A boca dela abriu-se, e o sorriso desapareceu. Ela devia ter-se esquecido que eu tinha opoder de assistir à sua desastrosa última hora, ou tinha esperança de que eu não o
  • 294. tivesse utilizado – Não estiveste a escutar novamente?- Como está a tua cabeça?- És incrível! – Disse ela através dos dentes, e depois virou-me as costas e passoufuriosamente pelo estacionamento. A sua pele estava vermelha escura, tal era avergonha.Acompanhei o passo dela, esperando que a sua raiva passasse rápido. Normalmente elaera rápida a perdoar-me.- Foste tu que referiste que eu nunca te vira na aula de Educação Física – Expliquei –Fiquei curioso.Ela não respondeu, as suas sobrancelhas estavam juntas.Parou subitamente no estacionamento quando percebeu que o caminho para o meu carroestava bloqueado por uma multidão de estudantes do sexo masculino.Até que velocidade já terão ido com esta coisa…Vejam só as mudanças SMG. Nunca tinha visto destas fora das páginas de revista.Belas grelhas...Quem me dera ter por aí 60 mil dólares…Este era exactamente o motivo pelo qual era melhor para Rosalie usar o carro só forada cidade.Passei pela multidão de rapazes excitados até ao meu carro. Depois de um segundo dehesitação, Bella seguiu-me.- Ostentoso - Murmurei enquanto ela entrava no carro.- De que carro se trata? - Perguntou.- É um M3.Fez uma careta – Não falo o dialecto “automobilês”.- É um BMW – Revirei os olhos e concentrei-me em sair dali sem passar por cima deninguém. Tive que olhar fixamente para alguns rapazes que não pareciam querer sair domeu caminho. Meio segundo a encarar o meu olhar pareceu ser o suficiente paraconvencê-los.
  • 295. - Ainda estás zangada? – Perguntei-lhe. A sua expressão tinha relaxado.- Sem dúvida - Respondeu brevemente.Suspirei. Talvez eu não devesse ter trazido este assunto. Oh, bom, podia tentaremendar-me, supus – Perdoas-me se eu te pedir desculpa?Ela pensou nisso por um momento – Talvez… se o fizeres com sentimento – Decidiu – Etambém se prometeres não repetir.Eu não lhe ia mentir, mas não ia mesmo concordar com aquilo. Talvez se eu oferecesseuma boa troca.- E se eu o fizer com sentimento e, além disso, concordar em deixar-te conduzir nosábado? – Contraí-me com o pensamento daquilo.A ruga entre os seus olhos apareceu enquanto ela considerava a nova proposta –Combinado – Disse, depois de um momento a pensar.Agora para as minhas desculpas… eu nunca tinha tentado deslumbrar a Bella depropósito antes, mas agora parecia ser uma boa altura. Olhei profundamente para osseus olhos enquanto conduzia para longe da escola, a questionar-me se o estava a fazercorrectamente. Usei o meu tom mais persuasivo.- Então lamento muito ter-te aborrecido.O seu batimento cardíaco acelerou e ficou mais alto que antes. Os olhos dela estavambem abertos, parecendo atordoados.Fiz um meio sorriso. Parece que tinha acertado. É claro que eu também estava comalguma dificuldade em desviar o olhar. Eu estava igualmente deslumbrado. Ainda bemque tinha esta estrada memorizada.- E estarei à porta de tua casa no sábado de manhã, bem cedo - Adicionei, finalizando oacordo.Ela piscou os olhos rapidamente, a balançar a cabeça como se para se concentrar – Hum– Disse ela – No que se refere à questão de Charlie, não ajuda muito que um Volvo sejainexplicavelmente abandonado na entrada.Ah, tão pouco que ela ainda me conhecia – Não tencionava ir de carro.
  • 296. - Como é que… - Começou a perguntar.Eu interrompi-a. A resposta seria difícil de explicar sem uma demonstração, e agoranão era o momento certo – Não te preocupes. Eu lá estarei, sem carro.Inclinou a cabeça, e pareceu por um segundo que me ia pressionar para saber mais, masdepois pareceu mudar de ideias.- Já é depois? - Perguntou, a lembrar-me da conversa inacabada do refeitório hoje. Elatinha desistido de uma pergunta difícil para se lembrar de outra pior.- Suponho que já é depois – Concordei sem vontade.Estacionei em frente da casa dela, a ficar tenso enquanto pensava em como explicar…sem deixar muito evidente a minha natureza monstruosa, sem a assustar novamente. Ouisso era errado? Minimizar as minhas coisas obscuras?Ela esperou com a mesma máscara educadamente interessada que tinha usado aoalmoço. Se eu estivesse menos ansioso, aquela calma dela ter-me-ia feito rir.- E tu ainda queres saber porque é que não me podes ver caçar? – Perguntei.- Bem, estava sobretudo a interrogar-me a respeito da tua reacção – Disse ela.- Assustei-te? - Perguntei, certo de que ela negaria.- Não.Tentei não sorrir. E falhei – Peço desculpa por te ter assustado - E depois o meusorriso desfez-se com o humor momentâneo – Deveu-se apenas à mera ideia de tuestares presente enquanto eu caçava.- Seria mau?A figura mental era demasiado: Bella, tão vulnerável na escuridão vazia. Eu, fora decontrolo... Tentei banir aquilo da minha cabeça – Muito.- Porque…Respirei fundo, concentrando-me por um momento na sede que queimava. Sentindo-a,lidando com ela, a provar a minha dominação sobre ela. Ela nunca me iria controlar denovo (a sede). Eu desejei que isso fosse verdade. Eu seria seguro para Bella. Olhei paraas nuvens sem realmente as ver, e desejei que a minha determinação fizesse alguma
  • 297. diferença se eu estivesse a caçar quando sentisse o seu cheiro.- Quando nós caçamos, entregamo-nos aos nossos sentidos – Disse-lhe, a pensar emcada palavra antes de a dizer – Regemo-nos menos pela nossa cabeça. Sobretudo aosentido do olfacto. Se estivesses perto de mim quando eu perdesse o controlo dessaforma…Abanei a minha cabeça com agonia com o pensamento do que iria - não no que podia, masno que iria - certamente acontecer nessa altura.Ouvi a falha no seu batimento cardíaco, e depois virei-me, inquieto, para ler os seusolhos.A cara de Bella estava controlada, os seus olhos graves. A boca estava ligeiramentecerrada fechada, no que eu supus ser preocupação. Mas preocupação com o quê? Com asua própria segurança? Ou a minha angústia? Continuei a olhar para ela, a tentartraduzir a sua expressão ambígua num facto concreto.Ela também olhou para mim. Os seus olhos ficaram maiores por um momento e aspupilas dilataram-se, embora a luz não tivesse mudado.A minha respiração acelerou e, de repente, o silêncio no carro parecia estar atransformar-se, como na sala de biologia escura esta tarde. A corrente eléctricapassou entre nós novamente, e meu desejo de lhe tocar era mais forte do que asexigências da minha própria sede.Aquela electricidade fez-me sentir como se eu tivesse pulsação outra vez. O meu corpocantou com aquilo. Como se eu fosse humano. Mais do que qualquer coisa no mundo, euqueria sentir o calor dos lábios dela contra os meus. Por um segundo, eu luteidesesperadamente para encontrar a força, o controlo, para ser capaz de colocar aminha boca tão perto da sua pele…Ela inspirou irregularmente, e só aí é que eu percebi que quando a minha respiraçãoacelerou, a dela tinha parado.Fechei os meus olhos, a tentar quebrar a conexão entre nós.Sem mais erros.
  • 298. A existência de Bella estava ligada a milhões de delicados processos químicos, todostão facilmente rompidos. A expansão rítmica dos seus pulmões, a passagem de oxigénio,era vida ou morte para ela. A cadência agitada do seu coração frágil podia ser paradapor tantos acidentes estúpidos, ou doenças, ou… por mim.Não acreditava que algum membro da minha família hesitasse se lhes fosse dada aoportunidade de voltar atrás, se ele ou ela pudesse trocar a imortalidade pelamortalidade de novo. Qualquer um de nós faria qualquer coisa por isso.A maioria da nossa espécie prezava a imortalidade mais do que qualquer coisa. Atéexistiam humanos que desejavam isto, que procuravam nos lugares escuros alguém quelhes pudesse dar o mais sombrio dos presentes…Nós não. Não a minha família. Nós trocaríamos qualquer coisa para ser humanos.Mas nenhum de nós esteve tão desesperado por um caminho de volta como eu estavaagora.Olhei para as microscópicas manchas e falhas do pára-brisas, como se houvesse algumasolução escondida no vidro. A electricidade não tinha desaparecido, e eu tive que meconcentrar para manter as mãos no volante.A minha mão direita voltou a ter picadas sem dor de novo, de quando eu lhe tinhatocado antes.- Bella, penso que devias entrar agora.Ela obedeceu à primeira, sem comentar, a sair do carro e a bater a porta atrás dela.Será que ela tinha sentido o potencial desastre tão claramente como eu?Será que sair a magoou, como para mim me magoou deixá-la ir? O único consolo é que eua veria em breve. Antes de ela me ver a mim. Sorri ao pensar nisso, e depois desci ovidro e inclinei-me para falar com ela mais uma vez. Agora era mais seguro, com o calordo seu corpo fora do carro.Ela virou-se para ver o que eu queria, curiosa.Ainda curiosa, apesar de me ter feito tantas perguntas hoje. A minha própriacuriosidade estava inteiramente insatisfeita: responder às perguntas dela hoje só tinha
  • 299. revelado os meus segredos. Eu tinha-lhe tirado pouco para as minhas própriassuposições. Isso não era justo.- Oh Bella!- Sim?- Amanhã é a minha vez.A testa dela enrugou-se – A tua vez de quê?- De fazer as perguntas - Amanhã, quando estivéssemos num lugar mais seguro,cercado por testemunhas, eu iria conseguir as minhas próprias respostas. Sorri comesse pensamento, e depois virei-me, porque ela não fez sinal de se afastar. Mesmo comela fora do carro, o eco da electricidade ainda se movia no ar. Eu também queria sair,para a acompanhar à porta como uma desculpa para ficar ao pé dela.Sem mais erros. Liguei o carro e depois suspirei enquanto ela desaparecia atrás de mim.Parecia sempre que eu estava ou a correr em direcção a Bella, ou a fugir dela, nuncaficava no meu lugar. Tinha que encontrar alguma maneira de me estabilizar se algum diafossemos ter algum tipo de paz.

×