Feridas Traumáticas e Queimaduras
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Feridas Traumáticas e Queimaduras

on

  • 12,847 views

Tema apresentado no dia 08/05/12 por Marina Dias, Natália Venturim e Nicoli Gaburro.

Tema apresentado no dia 08/05/12 por Marina Dias, Natália Venturim e Nicoli Gaburro.

Statistics

Views

Total Views
12,847
Views on SlideShare
12,770
Embed Views
77

Actions

Likes
2
Downloads
151
Comments
0

4 Embeds 77

http://litees.wordpress.com 55
http://lite-es.blogspot.com.br 14
http://www.lite-es.blogspot.com.br 6
http://lite-es.blogspot.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Feridas Traumáticas e Queimaduras Presentation Transcript

  • 1. Feridas Traumáticas - QueimadurasMarina Dias de Souza, Natália Venturim e Nicoli Ribeiro Gaburro
  • 2. Conceito• “A ferida traumática é uma lesão tecidual causada por um agente vulnerante que, atuando sobre qualquer superfície corporal, de localização interna ou externa, promove uma alteração na fisiologia tissular, com ou sem solução de continuidade do plano afetado ”
  • 3. Classificações• Traumatismo Superficial: atinge apenas pele, tecido celular subcutâneo, aponeurose e músculo. Ex: Queimaduras• Traumatismo Profundo: comprometimento de estruturas nobres ou profundas como nervos, vasos, tendões, ossos e vísceras.
  • 4. Classificações• As feridas traumáticas superficiais podem ser: Feridas incisas – lesões lineares, com bordas regulares e poucotraumatizadas provocadas por agentes vulnerantes cortantes/ afiados. Feridas contusas – lesões irregulares, retraídas com bordas muitotraumatizadas provocadas por agentes vulnerantes com ponta romba. Feridas perfurantes – lesões puntiformes ou lineares provocadas por agente vulnerante fino e pontiagudo.
  • 5. Classificações Feridas penetrantes – com as mesmas características anteriores, alesão é capaz de penetrar uma cavidade natural do organismo. Feridas transfixantes – com as mesmas características anteriores, alesão é capaz de atravessar um órgão em toda a sua espessura.
  • 6. Classificações Feridas limpas – contaminação bacteriana ocorre em grau mínimo. Feridas contaminadas – alta probabilidade de infecção. Feridas infectadas – proliferação de microorganismos estabelecida,com sinais evidentes de infecção. http://3.bp.blogspot.com/_XbT5CFVQAXs/SnyTRajrOyI/AAAAAAAABJY/ http://forumenfermagem.org/feridas/wp-content/uploads/2010/07/Diapositivo5.jpg MTeO8AHSy8s/s320/machucado.jpg
  • 7. Classificações Feridas simples – pequenos ferimentos sem perda de substância oucontaminação grosseira. Feridas complexas – ferimentos graves, com perda de substância, esmagamento, queimadura, deslocamento de tecidos e corpos estranhos. +nxUqUV/pmRVvp+9WX9YPmpUp10gMre/Uj/FValSqrsQYqVKlVFP/9k= http://1.bp.blogspot.com/-eoZ6qVNEXsI/Txs2etB5MLI/AAAAAAAAAPk/BWevkQi- 7pQ/s1600/67-IMG_1129.JPG
  • 8. Feridas Especiais• Feridas por projétil de arma de fogo (PAF) - são geralmente graves, penetrantes ou não, transfixantes ou não, com orifício de entrada e orifício de saída. Quando o orifício de saída está ausente, não se deve suturar o orifício de entrada. O orifício de entrada é uma ferida circular ou oval, geralmente pequena, com bordas trituradas e equimóticas. O orifício de saída é geralmente maior, com bordas irregulares voltadas para fora, podendo formar retalhos valvares.• Mordeduras – são feridas ora contusas, ora perfurantes, com alta probabilidade de contaminação e inoculação de venenos. A princípio, não devem ser suturadas. Em caso grande extensão, aproximar as bordas com pontos largos após limpeza e debridamento. Indica-se antibioticoterapia em todos os casos.• Lesões por prego – não devem ser suturadas.
  • 9. Abordagem Inicial• C – estabilidade hemodinâmica;• A – permeabilidade de vias aéreas;• B – respiração;• D – disfunções neurológicas;• E – lesões associadas.
  • 10. Informações• S - sinais e sintomas;• A – ambiente: eventos que precederam e sucederam o trauma;• M – medicamentos em uso, drogas e álcool;• P – passado médico: comorbidades, cirurgias e traumas prévios;• L – líquido: última refeição e ingestão de líquidos;• A – Alergias.
  • 11. Fechamento Primário• Destinado a feridas limpas ou com baixa probabilidade de contaminação.• Nas feridas traumáticas, seu sucesso depende de limpeza rigorosa, debridamento e hemostasia.• O fechamento primário está contra-indicado para tecidos com suprimento sanguíneo inadequado, ferimentos com grande perda de substância, mordeduras ou intervalo maior que 8 horas entre o traumatismo e início do tratamento.
  • 12. Fechamento Primário Retardado• Destinado a feridas com maior risco de infecção.• Após limpeza debridamento e hemostasia rigorosos, cobre-se a feridacom gaze esterilizada e faz-se inspeção diária. Se a ferida evoluir sem sinaisde infecção até o 4º dia, procede-se ao fechamento normal. Caso contrário,faz-se a opção pelo tratamento aberto.
  • 13. Tratamento Aberto• Destinado a feridas infectadas ou quando o fechamento primário e primário retardado são contra-indicados ou falham.• Após colher material para cultura, a ferida é mantida aberta para drenar espontaneamente, sendo apenas recoberta com gaze umedecida em solução salina.• Se a ferida apresentar sinais de disseminação (linfangite, linfadenite ecelulite), deve-se administrar antibiótico de largo espectro até obtenção demaiores indícios sobre o agente bacteriano responsável.• A cura processa-se pela formação de tecido de granulação e re- epitalização. O resultado estético em geral não é bom.
  • 14. http://www.vdeclair.com.br/doc/feridas_traumaticas.pdf http://www.vdeclair.com.br/doc/feridas_traumaticas.pdf http://www.vdeclair.com.br/doc/feridas_traumaticas.pdf Cicatrização http://www.vdeclair.com.br/doc/feridas_traumaticas.pdf http://www.vdeclair.com.br/doc/feridas_traumaticas.pdf http://www.vdeclair.com.br/doc/feridas_traumaticas.pdf
  • 15. Fechamento Secundário• Destinado a feridas cujo tratamento evolui bem.• Consiste na aproximação das bordas por sutura ou enxertia.• A cura se processa por terceira intenção, pois o fechamento é realizado em um momento mais tardio, quando há tecido de granulação.
  • 16. Síntese• Suturas na pele: fio não absorvível (Nylon);• Suturas no subcutâneo: fio absorvível sintético 4-0 ou 5-0;• Os pontos mais importantes são: ponto simples, ponto Blair Donati, ponto em X;• Na sutura de feridas traumáticas, os pontos separados são mais adequados devido à sua maior segurança: na eventualidade da soltura de um ponto ou da ocorrência de infecção, não há prejuízo importante para o conjunto.
  • 17. Cicatrização• Fatores que influenciam: Nutrição Oxigenação http://jornalcidade.uol.com.br/fotos/Antitabagis Volume Circulante mo/fotos_0109172415000000.jpg Diabetes http://jornalcidade.uol.com.br/fotos/Antitab agismo/fotos_0109172415000000.jpg Uso de esteróides Quimioterapia Politraumatizados http://jornalcidade.uol.com.br/fotos/Antitabagis mo/fotos_0109172415000000.jpg Tabagismo http://jornalcidade.uol.com.br/fotos/Anti tabagismo/fotos_0109172415000000.jpg
  • 18. Profilaxia - TétanoHistória de imunização Incerta ou menos de 3 doses 3 ou mais dosescontra otétano (DTP, DT, dT ou TT)Tipo de ferimento Esquema EsquemaFerimento leve não Se menor de 7 anos, aplicar DTP Só aplicar a vacinacontaminado completando 3 doses, com (dT) se tiverem intervalos de 2 meses (mínimo 30 decorridos mais de dias). 10 anos da última Se 7 anos ou mais, aplicar dupla dose. (dT), completando 3 doses, com intervalo de 2 meses (mínimo 30 Não aplicar o soro dias). antitetânico Não aplicar o soro antitetânico (homólogo ou (homólogo ou heterólogo). heterólogo).
  • 19. Profilaxia - TétanoTodos os outros Se menor de 7 anos, aplicar DTP Só aplicar aferimentos completando 3 doses, com vacina (dT) se intervalos de 2 meses (mínimo 30 tiverem dias). decorridos mais Se 7 anos ou mais, aplicar dupla de 10 (dT), completando 3 doses, com anos da última intervalo de 2 meses (mínimo 30 dose. dias). Não aplicar o soro Aplicar o soro antitetâncio. antitetânico Soro heterólogo - administrar (homólogo ou 5.000 unidades, por via heterólogo). intramuscular, após tratamento preventivo de anafilaxia. Soro homólogo - administrar via intramuscular, 250 unidades com título de 1:400, ou dosagem equivalente com outro título.
  • 20. Queimaduras• Queimaduras são lesões dos tecidos orgânicos em decorrência de trauma de origem térmica resultante da exposição ou contato com chamas, líquidos quentes, superfícies quentes, eletricidade, frio, substâncias químicas, radiação, atrito ou fricção.
  • 21. Epidemiologia• Estima-se que ocorrem um milhão de acidentes com queimaduras por ano no Brasil• De acordo com a Organização Mundial de Saúde, mais de 195.000 mortes acontecem por conta de queimaduras em geral• 2/3 dos acidentes ocorrem dentro do ambiente domiciliar• 58% das vítimas são crianças
  • 22. Classificações• Quanto ao agente causal: Físicos: temperatura: vapor, objetos aquecidos, água quente. eletricidade : corrente elétrica, raio. radiação : sol, aparelhos de raios X, raios ultra-violetas, nucleares. Químicos: produtos químicos: ácidos, bases, álcool, gasolina. Biológicos: animais: água-viva, medusa. vegetais : o látex de certas plantas, urtiga.
  • 23. Classificações• Quanto à profundidade da lesão: 1º GRAU Não sangra , geralmente seca Coloração rosada e presença de inervação www.mdsaude.com/2008/08/queimaduras-fotos.html&doci Não passam da Epiderme Queimadura de Sol(exemplo) Hiperemia(Vermelhidão) Dolorosa
  • 24. Classificações 2º GRAU Atinge derme Úmida Presença de Flictenas(Bolhas) Rosa, Hiperemia(Vermelhidão) Dolorosa Cura espontânea mais lenta, com possibilidade de formação de cicatriz http://2.bp.blogspot.com/_pMxMXFn7L- 4/TO1Dq1RY2QI/AAAAAAAARHE/Q1rLMlAJ21s/s1600/queimadura+2%25C2%25BA+grau+1.jpg
  • 25. Classificações 3º GRAU Atinge todos os apêndices da pele Ossos , músculos, nervos , vasos Pouca ou nenhuma dor Úmida Cor Branca, Amarela ou Marrom Não cicatriza espontaneamente, necessita de enxerto http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTALX5lzrOZ2rKrpWx26NSKVH_- f0ouIMZFjo45x3NfGclwrVysh7htL0P7QQ
  • 26. ClassificaçõesWALLACE. Ann R Coll Surg Engl. 1949;5(5):283-300
  • 27. Classificações• Quanto à extensão: Pequena (<10%) Média (10-25%) Grande (>25%)- Cálculo da área queimada
  • 28. Lund Browder O mais avançado método de calculo de área queimada Leva em consideração as várias faixas de idade com precisão
  • 29. Fisiopatologia TEMPERATURA X TEMPO (44°C POR 6h)- Depressão imediata das Imunoglobulinas- Trombose dos vasos (3 a 4sem.) - PERMEABILIDADE CAPILAR- Hemólise- 4 dias = perda plasmática é 2 x pool total COAGULAÇÃO, ESTASE E HIPEREMIA- - diminuição ventilação PERDA BARREIRA CUTÂNEA- Hiperacidez do muco gástrico- Catabolismo de 2 a 3 X
  • 30. FisiopatologiaAgressão do TecidoPele Exposição do Colágeno Liberação de Substâncias VasoativasVaso
  • 31. Fisiopatologia• Extravasamento de plasma (eletrólitos e proteínas) EDEMA• Substancias Vasoativas: NO, histamina, cininas e cascata do Ácido Araquidônico.• Riscos para o paciente: - Choque hipovolêmico - Perda de eletrólitos - Choque Séptico - Acidose
  • 32. Fisiopatologia Mastócitos Histamina Exposição Choque HipovolêmicoAgressão ao tecido 1º Risco De Sist. Calicreína APC Perda de Eletrólitos Colágeno 2º Risco Cininas Prostaglandinas Fosfolipase E outros Ac. Araquidônico Alterações no Sistema Imune Sepse/Choque Séptico Perda da Barreira Mecânica Invasão de Bactérias 3º Risco Aumento do catabolismo Resposta Metabólica Liberação de hormônios Acidose Metabólica 4º Risco Uso das reservas energéticas
  • 33. Indicações – Centro Especializado • Queimadura de II e III com 10%, <10a e >50a • Queimadura de II e III com 20% qualquer idade • Queimadura de face, mãos, pés, períneo, articulações • Queimadura de III com 5% • Trauma elétrico • Queimadura Química • Lesão Inalatória • Queimadura Circunferencial do Tórax • Patologias associadas (Diabetes, Cardiopatia, Renal)
  • 34. Tratamento • Hidratação 4 ml de Lactato de Ringer ou Soro Fisiológico kg Área queimadaComposição do RingerSódioCloro A solução deverá ser administrada nas primeiras 24 horasPotássio  ½ nas 8 horas após trauma;Cálcio  Reavaliar de hora em hora.Lactato
  • 35. Tratamento• Analgesia – Morfina EV• Hipotermia: crianças, ambiente / soluções aquecidas• Profilaxia do tétano• Aparelho digestivo: vômito, íleo, úlcera de Curling• Alimentação precoce: Dieta oral e enteral• Profilaxia do tromboembolismo• Escarototomia (drenagem do volume ocasionado pelo edema)
  • 36. Tratamento Local• Limpeza• Tricotomia• Banho + sabão líquido• Debridamento• Curativo• Fisioterapia respiratória/motora• Posicionamento adequado http://1.bp.blogspot.com/_ul5oW_DowJw/RuLKoGRgmeI/AAAAAAAAAA8/7wsE0 3iTd3s/s320/queimado_vivo.jpg
  • 37. Tratamento Agentes Tópicos:• Solução fisiológica 0,9% (Hipertônica)• Colagenase• Nitrato de prata 0,5%• Sulfadiazina de prata 1%• Nitrato de cério 2,2% + Sulfadiazina de prata 1%• Óleo Vegetal Tratamento Cirúrgico• EXCISÃO E ENXERTIA PRECOCE• Tecido necrótico removido• Leito receptor viável• Não necessita de tecido de granulação• Potencialmente contaminado• Enxerto deve ser fixado ao leito receptor
  • 38. Tratamento Alo-enxertia Auto- enxertia http://www.cabuloso.xpg.com.br/portal/images/galleries/6014/21137.jpg http://www.cabuloso.xpg.com.br/portal/images/galleries/6014/21137.jpg
  • 39. Tratamento Cultura de células• Tratamento do grande queimado• Lâmina simples de queratinócitos cultivados• Experiência clínica• Combinação das 2 camadas• http://www.cabuloso.xpg.com.br/portal/images/gal Substituto dérmico leries/6014/21137.jpg Cultura de Queratinócitos – 5 dias Confluência de colônias de queratinócitos
  • 40. Atendimento Pré-Hospitalar• Informe-se sobre qual o mecanismo de lesão;• Avalie segurança do local; Em caso de queimaduras elétricas certifique-se sobre o desligamento da fonte de energia. Já em queimaduras químicas remova o agente com água antes de entrar em contato.• Avalie nível de consciência pelo método AVDI(Alerta, responde à estímulos Verbais, responde a estímulos de Dor ou está Inconsciente);• Chame ajuda;• CAB.
  • 41. Atendimento Pré-hospitalar• Exposição da vítima – Retirar roupas não aderidas, joias e adereços antes do edema;• Tempo : 2 minutos no máximo;• Caso vítima instável, seguir para hospital imediatamente, já continuando o exame na ambulância.• Se estável pode-se proceder os próximos passos no próprio local a espera de socorro.  Verificação de Sinais Vitais;  Monitorização;  Anamnese(Sintomas, patologias pregressas, alergias, etc);  Acesso Venoso e Hidratação Rápida.
  • 42. Atendimento Pré-hospitalar Exame Secundário• Resfriamento das áreas queimadas• Busca de sinais e sintomas de traumas associados• Estimativa da área queimada e profundidade
  • 43. Referências• Feridas Traumáticas: assistência à lesões com exposição de tendão e óssea. A C Beust da Silva, S M J Prazeres, V Declair. 2006; 38-40.• Organização Mundial de Saúde - www.who.int/mipfiles/2014/Burns1.pdf• Queimados, C R B V Junior, L B de Almeida. Disponível em: SITE• Infecção em cirurgias de emergências e trauma: prevenção, diagnóstico e tratamento. A Z Júnior. 2007; 40 (3): 339-34.• Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. A Gragnani.