A LIAHONA - ABRIL 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A LIAHONA - ABRIL 2012

on

  • 4,920 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,920
Views on SlideShare
4,920
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
6
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A LIAHONA - ABRIL 2012 A LIAHONA - ABRIL 2012 Document Transcript

  • A I G R E J A D E J E S U S C R I S T O D O S S A N T O S D O S Ú LT I M O S D I A S • A B R I L D E 2 0 12 Sua Maravilhosa Graça, pp. 10, 12 Por que o Seminário? pp. 20, 46, 48 Pais, Reservem um Tempo para Conversar com Seus Filhos, p. 34 Filhos, Conversem com Seus Pais, p. 58
  • CORTESIA DO INSTITUTO DE ARTES DE MINNEAPOLIS (MINNESOTA, EUA), PUTNAM DANA MCMILLAN FUND, REPRODUÇÃO PROIBIDA A Negação de São Pedro, de Gerrit van Honthorst“E como certa criada, vendo [Pedro] assentado ao fogo, (…) disse: Este também estava com [ Jesus]. Porém, ele negou-o, dizendo: Mulher, não o conheço.E, um pouco depois, vendo-o outro, disse: Tu és também deles. Mas Pedro disse: Homem, não sou. E, (…) um outro afirmava, dizendo: Também este verdadeiramente estava com ele. E Pedro disse: Homem, não sei o que dizes. E logo, (…) cantou o galo. E, saindo Pedro para fora, chorou amargamente” (Lucas 22:56–60, 62).
  • A Liahona, Abril de 2012 12MENSAGENS 20 As Bênçãos do Seminário 10 Falamos de Cristo: Brittany Beattie Maravilhosa Graça 4 Mensagem da Primeira Jovens do mundo inteiro contam Kristen Nicole Cardon Presidência: “Ele Ressuscitou” — Testemunho de um Profeta como o seminário os ajuda a achegarem-se a Cristo. 34 Nosso Lar, Nossa Família: Presidente Thomas S. Monson Ter Tempo para Conversar 7 Mensagem das Professoras 26 Um Chamado para e Ouvir Rosemary M. Wixom um Converso Visitantes: Amar, Cuidar, Fortalecer Helena Hannonen Minha família e eu tivemos que 38 Vozes da IgrejaARTIGOS fazer muitos sacrifícios para que eu cumprisse meu chamado de 74 Notícias da Igreja12 A Expiação e a Jornada pianista do ramo, mas fico feliz 79 Ideias para a Noite Familiar da Mortalidade por termos feito isso. 80 Até Voltarmos a Nos Élder David A. Bednar Como a Expiação nos fortalece 30 Conselhos de Ala em Ação Encontrar: Esperança LaRene Gaunt na Expiação para fazer o bem, para ser bons Quem faz parte do conselho de Bispo Richard C. Edgley e para servir além de nossa von- tade e capacidade. ala, e o que eles podem realizar? SEÇÕES NA CAPA Primeira Capa: Não Me Detenhas, de 8 Caderno da Conferência Minerva Teichert, cortesia do Museu de Arte da Universidade Brigham Young. de Abril: Como Tirar Mais Última capa: Detalhe de Vede as Minhas Mãos, de Jeff Ward. Proveito da Conferência Geral Michael Barber e David Marsh A b r i l d e 2 0 1 2 1
  • JOVENS ADULTOS JOVENS CRIANÇAS 46 Perguntas e Respostas 61 Por que preciso ir ao seminário, se posso simplesmente estudar 42 sozinho as escrituras? 48 Seminário, Por quê? Sete profetas falam das bênçãos do seminário. 50 O Seminário nas Florestas do Equador Joshua J. Perkey Como o seminário, num ramo novo formado em sua maioria 42 Todo Mundo Conhece o Bleck por recém-conversos, fez com 58 Hora da Conversa Adam C. Olson que os jovens se enchessem de Hilary Watkins Lemon A paixão de Bleck pelo basquete testemunho, conhecimento e fé. Josie ficou triste com o que acon- foi tanto um teste quanto uma teceu na escola, mas sentiu-se bênção. 52 O que Vem Depois do melhor ao falar sobre o assunto. Seminário? David A. Edwards 61 Ele Rompeu as Ligaduras Aqui está seu convite para da Morte o instituto. Élder Patrick Kearon O Salvador morreu e ressuscitou 53 Linha sobre Linha: para que possamos voltar a viver II Timóteo 3:16–17 com nosso Pai Celestial e comVeja se consegue encontrar a 54 Não Caia nossa família. Liahona oculta Adam C. Olson 62 Trazer a Primária para Casa: nesta edição. Um pouco de cuidado e pre- Jesus Cristo Me Ensina a Dica: Escolha a paração agora pode prevenir Escolher o que É Certo grandes problemas no futuro. página que 64 Música: Eu Quero Ser é certa. 57 Pôster: Entre nas Como Cristo Escrituras Janice Kapp Perry 66 Irmãs no Nome e na Fé Heather Wrigley Irmãs da Romênia contam 48 como fortaleceram sua fé. 68 Testemunha Especial: O que Posso Fazer para Seguir o Plano Que o Pai Celestial Tem para Mim? Élder Richard G. Scott 69 Meus Padrões do Evangelho 70 Para as Criancinhas 81 Figuras das Escrituras do Livro de Mórmon
  • InternetABRIL DE 2012 VOL. 65 Nº 4 Mais naA LIAHONA 10484 059Revista Internacional em Português de A Igreja de Jesus Cristo Liahona.LDS.orgdos Santos dos Últimos DiasA Primeira Presidência: Thomas S. Monson,Henry B. Eyring e Dieter F. UchtdorfQuórum dos Doze Apóstolos: Boyd K. Packer, PARA OS ADULTOSL. Tom Perry, Russell M. Nelson, Dallin H. Oaks,M. Russell Ballard, Richard G. Scott, Robert D. Hales, Vários artigos desta revistaJeffrey R. Holland, David A. Bednar, Quentin L. Cook, ensinam e testificam a respeitoD. Todd Christofferson e Neil L. AndersenEditor: Paul B. Pieper do Salvador. Saiba mais sobre EleConsultores: Keith R. Edwards, Christoffel Golden Jr.,Per G. Malm em JesusChrist​.LDS​.org.Diretor Administrativo: David L. FrischknechtDiretor Editorial: Vincent A. VaughnDiretor Gráfico: Allan R. LoyborgGerente Editorial: R. Val Johnson PARA OS JOVENSGerentes Editoriais Assistentes: Jenifer L. Greenwood,Adam C. Olson Vários artigos desta edição falam dasEditores Associados: Susan Barrett, Ryan Carr bênçãos do seminário (ver páginasEquipe Editorial: Brittany Beattie, David A. Edwards,Matthew D. Flitton, LaRene Porter Gaunt, Carrie Kasten, 20–25 e 46–53). Para saber mais,Jennifer Maddy, Lia McClanahan, Melissa Merrill, Michael R.Morris, Sally J. Odekirk, Joshua J. Perkey, Chad E. Phares, visite seminary​.LDS​.org.Jan Pinborough, Paul VanDenBerghe, Marissa A. Widdison,Melissa ZentenoDiretor Administrativo de Arte: J. Scott KnudsenDiretor de Arte: Scott Van KampenGerente de Produção: Jane Ann PetersDiagramadores Seniores: C. Kimball Bott, Colleen Hinckley, PARA AS CRIANÇASEric P. Johnsen, Scott M. MooyEquipe de Diagramação e Produção: Collette Nebeker Aune, Para ouvir o hino “Eu Quero SerConnie Bowthorpe Bridge, Howard G. Brown, Julie Burdett,Bryan W. Gygi, Kathleen Howard, Denise Kirby, Ginny J. Nilson, Como Cristo” (ver páginas 64–65),Gayle Tate Rafferty visite liahona​.LDS​.org.Pré-Impressão: Jeff L. MartinDiretor de Impressão: Craig K. SedgwickDiretor de Distribuição: Evan LarsenTradução: Edson LopesDistribuição: TÓPICOS DESTA EDIÇÃOCorporação do Bispado Presidente de A Igreja de Jesus Cristodos Santos dos Últimos Dias. Steinmühlstrasse 16, 61352 Bad Os números representam a primeiraHomburg v.d.H., Alemanha. página de cada artigo.Para assinatura ou mudança de endereço, entre em contatocom o Serviço ao Consumidor. Ligação Gratuita: 00800 2950 Chamados na Igreja, 26, 302950. Telefone: +49 (0) 6172 4928 33/34. E-mail: orderseu@ldschurch.org. Online: store.lds.org. Preço da assinatura para um Comunicação, 34, 58ano: € 3,75 para Portugal, € 3,00 para Açores e CVE 83,5 para Conferência geral, 8Cabo Verde.Para assinaturas e preços fora dos Estados Unidos e do Conselhos, 30Canadá, acesse o site store.LDS.org ou entre em contato Esperança, 80com o Centro de Distribuição local ou o líder da ala oudo ramo. Envie manuscritos e perguntas on-line para Estudo das escrituras, 53, 57, 68liahona.LDS.org; pelo correio, para: Liahona, Room 2420, Expiação, 4, 12, 61, 62, 8050 E. North Temple St., Salt Lake City, UT 84150-0024, USA;ou por e-mail, para: liahona@LDSchurch.org. Família, 34, 42, 58, 66A ­Liahona, termo do Livro de Mórmon que significa “bússola” Graça, 10, 12ou “guia”, é publicada em albanês, alemão, armênio, bislama,búlgaro, cambojano, cebuano, chinês, chinês (simplificado), Inspiração, 39, 40coreano, croata, dinamarquês, esloveno, espanhol, estoniano,fijiano, finlandês, francês, grego, holandês, húngaro, indonésio, Instituto, 52inglês, islandês, italiano, japonês, letão, lituano, malgaxe, Jesus Cristo, 4, 10, 12, 61, 64, 70marshallês, mongol, norueguês, polonês, português, quiribati,romeno, russo, samoano, sueco, tagalo, tailandês, taitiano, Livro de Mórmon, 38tcheco, tonganês, ucraniano, urdu e vietnamita. (A periodicidade Música, 26, 64varia de um idioma para outro.)© 2012 Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados. Obediência, 54Impresso nos Estados Unidos da América. Obra missionária, 42O texto e o material visual encontrados na revista A ­Liahonapodem ser copiados para uso eventual, na Igreja ou no lar, Oração, 41não para uso comercial. O material visual não poderá ser Padrões, 69copiado se houver qualquer restrição indicada nos créditosconstantes da obra. As perguntas sobre direitos autorais Preparação, 54devem ser encaminhadas para Intellectual Property Office,50 E. North Temple St., Salt Lake City, UT 84150, USA; e-mail: Ressurreição, 4, 61, 62, 70cor-intellectualproperty@LDSchurch.org. Seminário, 20, 46, 48, 50For Readers in the United States and Canada:April 2012 Vol. 65 No. 4. LIAHONA (USPS 311-480) Portuguese(ISSN 1044-3347) is published monthly by The Church of JesusChrist of Latter-day Saints, 50 E. North Temple St., Salt Lake City,UT 84150. USA subscription price is $10.00 per year; Canada,$12.00 plus applicable taxes. Periodicals Postage Paid at SaltLake City, Utah. Sixty days’ notice required for change of address.Include address label from a recent issue; old and new addressesmust be included. Send USA and Canadian subscriptions to Salt EM SEU IDIOMALake Distribution Center at address below. Subscription help line:1-800-537-5971. Credit card orders (Visa, MasterCard, American A revista A Liahona e outros materiais daExpress) may be taken by phone. (Canada Poste Information:Publication Agreement #40017431) Igreja estão disponíveis em muitos idiomasPOSTMASTER: Send address changes to Salt Lake DistributionCenter, Church Magazines, PO Box 26368, em www​.languages​.LDS​.org​.Salt Lake City, UT 84126-0368. A b r i l d e 2 0 1 2 3
  • MENSAGEM DA PRIMEIR A PRESIDÊNCIA Presidente Thomas S. Monson “Ele Ressuscitou” TESTEMUNHO DE UM PROFETA O “ toque de clarim da cristandade”, declarou o vida’, disse o Mestre. ‘Quem crê em mim, ainda que esteja Presidente Thomas S. Monson, é que Jesus de morto, viverá. E todo aquele que vive, e crê em mim, Nazaré ressuscitou dentre os mortos. A realidade nunca morrerá.’ da Ressurreição proporciona a todos a paz que ultrapassa Essa certeza — de fato uma confirmação sagrada — o entendimento” (ver Filipenses 4:7).1 da vida além-túmulo poderia bem trazer a paz prometida Nas declarações a seguir, o Presidente Monson presta pelo Salvador quando Ele declarou a Seus discípulos: seu testemunho e expressa sua gratidão pela Ressurrei- ‘Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou ção do Salvador e declara que, graças ao fato de o Filho como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, ter vencido a morte, todos os filhos do Pai que vierem ao nem se atemorize.’” 3 mundo viverão novamente. Ele Não Está Aqui Vida Além da Mortalidade “Nosso Salvador voltou a viver. O mais glorioso, “Creio que nenhum de nós pode conceber o pleno reconfortante e consolador de todos os acontecimentos da significado do que Cristo fez por nós no Getsêmani, mas história humana havia ocorrido: a vitória sobre a morte. A agradeço todos os dias da minha vida por Seu sacrifício dor e a agonia do Getsêmani e do Calvário haviam sido expiatório por nós. removidas. A salvação da humanidade havia sido garan- No último momento, Ele poderia ter desistido. Mas não o tida. A Queda de Adão fora regenerada. fez. Ele desceu abaixo de todas as coisas para poder salvar O sepulcro vazio daquela primeira manhã de Páscoa foi todas as coisas. Ao fazer isso, Ele deu-nos vida além desta a resposta para a pergunta de Jó: ‘Morrendo o homem, por- existência mortal. Ele resgatou-nos da Queda de Adão. ventura voltará a viver?’ A todos que me escutam declaro: Das profundezas de minha alma, sou grato a Ele. Ele Se um homem morrer, ele voltará a viver. Sabemos disso, ensinou-nos a viver. Ele ensinou-nos a morrer. Ele garantiu porque temos a luz da verdade revelada. nossa salvação.” 2 Meus amados irmãos e irmãs, em nossos momentos O DESCRENTE TOMÉ, DE CARL HEINRICH BLOCH de maior tristeza, podemos encontrar profunda paz nas Dissipar a Escuridão da Morte palavras do anjo proferidas naquela primeira manhã de “Em determinadas situações, como as de grande sofri- Páscoa: ‘Ele não está aqui, porque já ressuscitou’.” 4 mento e doença, a morte chega como um anjo de mise- ricórdia. Mas na maior parte das vezes, pensamos nela Todos Viveremos de Novo como a inimiga da felicidade humana. “Rimos, choramos, trabalhamos, brincamos, amamos, A escuridão da morte poderá ser sempre dissipada vivemos. E depois morremos. pela luz da verdade revelada. ‘Eu sou a ressurreição e a E continuaríamos mortos se não fosse por um Homem4 A Liahona
  • e Sua missão: Jesus de Nazaré. De todo o coração e com todo ofervor de minha alma, ergo a voz emtestemunho, como uma testemunhaespecial, e declaro que Deus, de fato,vive. Jesus é o Seu Filho, o Unigênitodo Pai na carne. Ele é nosso Redentor,nosso Mediador junto ao Pai. Foi Eleque morreu na cruz para expiar nossospecados. Tornou-Se as primícias daRessurreição. Ele morreu para que todospossam viver de novo.5Testemunho Pessoal “Declaro meu testemunho pessoalde que a morte foi vencida, conquistadafoi a tumba. Que as palavras santificadaspor Aquele que as cumpriu se tornemum conhecimento real para todos.Lembrem-se delas. Acalentem-nas.Respeitem-nas. Ele Ressuscitou! ” 6 ◼NOTAS 1. “Ele Ressuscitou”, A Liahona, abril de 2003, pp. 2–7. 2. “Ao Despedir-nos”, A Liahona, maio de 2011, p. 114. 3. “Agora É o Tempo”, A Liahona, janeiro de 2002, p. 68; ver também João 11:25–26; 14:27. 4. “Ele Ressuscitou”, A Liahona, maio de 2010, p. 87; ver também Jó 14:14; Mateus 28:6. 5. “Eu Sei Que Vive Meu Senhor” A Liahona, maio de 2007, p. 22. 6. A Liahona, abril de 2003, p. 2.ENSINAR USANDOESTA MENSAGEMD epois de compartilhar as citações dos discursos do Presidente Monson,observe o testemunho que ele presta doverdadeiro significado da Páscoa. Vocêpode fazer as seguintes perguntas paraos membros da família: “O que significapara você o fato de um profeta vivo terprestado testemunho dessas verdadeshoje em dia? Como você pode aplicá-las asua vida?” Você pode também prestar seutestemunho. A b r i l d e 2 0 1 2 5
  • JOVENS Eu O Verei de Novo Morgan Webecke M eu pai fazia com que cada um de nós, seus filhos, nos sentíssemos especiais. Ele nos amava e nos perdoava com facilidade. Ele fazia o melhor que podia para certifi- Então, fui pela primeira vez ao acampamento das Moças. Gostei de fazer novas amigas, mas ainda não lia as escrituras. Na última noite, tivemos uma reunião de testemunho. Senti car-se de que cada um de nós estivesse feliz e deixava claro algo que não sentia havia muito tempo: o Espírito. Admirei que queria o melhor para nós. Eu o amava muito. as moças que se levantaram e prestaram testemunho, mas Quando eu estava na sexta série, meu pai morreu em um continuei sentada por achar que não tinha testemunho. De acidente de trânsito. Minha família e eu ficamos totalmente repente, senti que tinha de me levantar. Abri a boca, sem saber arrasados. Passou a existir um grande vazio em nossa famí- o que ia dizer. Então, eu disse que estava contente por estar no lia. Meu pai era aquele em quem nos apoiávamos, a quem acampamento das Moças. Depois, surpreendi-me dizendo que procurávamos quando tínhamos problemas. Em vez de sabia que Jesus Cristo tinha morrido por mim e que meu Pai procurar ajuda, deixei a mágoa e a raiva permanecerem. Por Celestial me amava e que a Igreja era verdadeira. fim, decidi que era culpa de Deus. Parei de ler as escrituras Senti uma paz extraordinária. Graças ao que aconteceu e de fazer orações. Eu só ia à Igreja porque minha mãe me naquele dia, posso dizer que sei que verei meu pai nova- obrigava. Tentei permanecer distante de meu Pai Celestial. mente por causa da Expiação e da Ressurreição do Salvador. CRIANÇAS Ele Vive! O Presidente Monson ensina que, graças ao fato de Jesus Cristo ter morrido e ressuscitado, todos viveremos de novo. Veja as gravuras abaixo. Escreva Porque Jesus Cristo vive, as famílias podem ser eter- nas. Faça um desenho de sua família no quadro abaixo. um número em cada quadrinho para mostrar a ordem em que aconteceu cada uma dessas coisas. ILUSTRAÇÕES: STEVE KROPP6 A Liahona
  • M E N S AG E M DA S P R O F E S S O R A S V I S I TA N T E S Estude este material em espírito de oração e, conforme julgar conveniente, discuta-o com as irmãs que Fé, Família, Auxílio você visita. Use as perguntas para ajudar no fortalecimento das irmãs e para fazer com que a Socie- dade de Socorro seja parte ativa da sua própria vida. Amar, Cuidar, De Nossa História Fortalecer “O programa de professo- ras visitantes tornou-se para as C omo o Salvador, as professoras mulheres santos dos últimos dias visitantes ministram uma a uma (ver do mundo todo um instrumento 3 Néfi 11:15). Saberemos que tivemos para amar, nutrir e servir — para sucesso ao ministrar como professoras ‘agir de acordo com essa com- preensão plantada por Deus em visitantes quando nossas irmãs puderem [nosso] coração’, como Joseph dizer: (1) minha professora visitante me Smith ensinou.” 2 ajuda a crescer espiritualmente; (2) sei Uma irmã que ficou viúva que minha professora visitante se preo- recentemente disse o seguinte de cupa profundamente comigo e com suas professoras visitantes: “Elas minha família; e (3) quando tenho pro- ouviram. Elas me consolaram. blemas, sei que minha professora visi- Choraram comigo. Abraçaram-me tante vai agir, sem esperar ser convidada.1 (…) [e] me ajudaram a sair do De que modo, como professoras • Inspirem-na dando um bom desespero e da depressão daque- visitantes, podemos amar uma irmã, les primeiros meses de solidão”. 3 exemplo. cuidar dela e fortalecê-la? Seguem-se A ajuda prestada nas tare- • Relatem a uma líder da Sociedade de nove sugestões encontradas no capítulo fas temporais também é uma Socorro como está o bem-estar espiri- maneira de ministrar. Na confe- 7 de Filhas em Meu Reino: A História e o tual e temporal da irmã visitada. rência geral de outubro de 1856, Trabalho da Sociedade de Socorro para o Presidente Brigham Young ajudar as professoras visitantes a minis- Das Escrituras anunciou que os pioneiros de trar a suas irmãs: Lucas 10:38–39; 3 Néfi 11:23–26; 27:21 carrinhos de mão estavam detidos • Ore diariamente por ela e pela família por uma grande quantidade de dela. neve a 400 ou 600 quilômetros NOTAS dali. Ele conclamou os santos dos • Busquem inspiração para conhecer 1. Ver Julie B. Beck, “O que Espero que Minhas a irmã e a família dela. Netas (e Netos) Compreendam sobre a Socie- últimos dias de Salt Lake City a dade de Socorro”, A Liahona, novembro de “atender estritamente às coisas • Visitem-na regularmente para saber 2011, p. 109. 2. Filhas em Meu Reino: A História e o Trabalho que chamamos de temporais”.4 como está e para consolá-la e da Sociedade de Socorro, 2011, pp. 165–166. Lucy Meserve Smith relembrou fortalecê-la. 3. Filhas em Meu Reino, pp. 119–120 4. Brigham Young, “Remarks”, Deseret News, 15 de que as mulheres tiraram suas aná- • Estejam frequentemente em contato outubro de 1856, p. 252. guas e meias quentinhas bem aliUMA A UMA, DE WALTER RANE, CORTESIA DO MUSEU DE HISTÓRIA DA IGREJA com ela por meio de visitas, telefone- 5. Ver Filhas em Meu Reino, pp. 36–37. no tabernáculo e as empilharam mas, e-mails, mensagens de texto e em carroções para enviá-las às pequenos atos de bondade. mulheres pioneiras que passavam • Cumprimentem-na nas reuniões da O que Posso Fazer? frio. Depois, elas juntaram cober- Igreja. 1. Como posso saber do que minhas tores, colchões e roupas para • Ajudem-na quando houver uma emer- irmãs precisam? aqueles que chegariam apenas gência, enfermidade ou outra necessi- com alguns pertences. Quando as 2. Como minhas irmãs vão saber que dade urgente. me preocupo profundamente com companhias de carrinhos de mão • Ensine o evangelho a ela usando as elas? chegaram, um prédio da cidade estava “lotado de provisões para escrituras e as Mensagens das Profes- eles”.5 soras Visitantes. Acesse www​reliefsociety​LDS​org para mais informações. . . . A b r i l d e 2 0 1 2 7
  • Caderno da Conferência de Abril “O que eu, o Senhor, disse está dito; (…) seja pela minha própria voz ou pela voz de meus servos, é o mesmo” (D&C 1:38). Como Tirar Mais Proveito da Conferência Geral Michael Barber e David Marsh Em 1988, o Presidente Ezra Taft Benson (1899– Departamento de Currículo 1994) repetiu esse conselho ao ensinar: “Nos próximos E seis meses, sua edição de conferência da revista A mbora digamos “amém” no final da última ses- Liahona deve ficar ao lado de suas escrituras e ser são da conferência geral, o banquete espiritual consultada frequentemente”.2 não termina ali. Ele pode continuar, ao estudarmos e Durante a conferência geral de outubro de 2008, o aplicarmos os ensinamentos da conferência. Ao longo Presidente Thomas S. Monson reafirmou a importância dos anos, os profetas nos têm incentivado a fazer de estudarmos os discursos da conferência. Ele disse: exatamente isso. Em 1946, por exemplo, o Presidente “Que nos lembremos, por muito tempo, do que ouvimos Harold B. Lee (1899–1973) instou os membros a fazer nesta conferência geral. Todas as mensagens proferidas dos discursos da conferência “um guia para seu modo serão publicadas nas revistas Ensign e A Liahona do mês de agir e de falar nos seis meses seguintes”. Ele expli- que vem. Peço que as estudem e ponderem seus cou: “Esses são os assuntos importantes que o Senhor ensinamentos”.3 considerou adequados para revelar a seu povo naquele momento”.18 A Liahona
  • ESCREVA E REFLITA “Talvez, em Ao estudar e ponderar as meio a tudo o Divida o discurso em seções e mensagens da conferência, o que que ouvimos, escreva um resumo que explique você pode fazer para torná-las haja uma frase a ideia principal apresentada em mais significativas em sua vida? ou parágrafo que se destacará e cada seção. Eis algumas sugestões para aju- não nos sairá da mente. Se isso • Identifique vários elementos no dá-lo a preparar-se para receber e acontecer, espero que tomemos discurso. Tome nota de coisas aplicar as palavras inspiradas. nota e meditemos a respeito como doutrinas, escrituras, histó- Prepare-se para receber disso até tirarmos o máximo rias, advertências, listas, testemu- inspiração. Quer veja, ouça ou proveito da profundidade de seu nhos, convites à ação e bênçãosÀ ESQUERDA: FOTOGRAFIA: ROBERT CASEY; À DIREITA: ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: MATTHEW REIER leia os discursos da conferência, significado e o termos tornado prometidas pela obediência aos você precisa abrir o coração e a parte de nossa vida.” conselhos. mente para a inspiração divina. Presidente Gordon B. Hinckley (1910– • Estude o discurso mais de uma 2008), “Um humilde e contrito coração”, O Élder David A. Bednar, do vez. É necessário estudar mais A Liahona, janeiro de 2001, p. 102. Quórum dos Doze Apóstolos, de uma vez as verdades do ensinou que, por mais eficaz evangelho para captar o pleno que seja um orador ao ensinar, significado delas. A cada vez que “o conteúdo da mensagem e o estudar, tome notas de novos testemunho do Espírito Santo só pontos de vista que adquirir. penetrarão no coração se o [que os recebe] permitir Aplique o que aprendeu. Se você estudar fervoro- que entrem”. Ele explicou que para recebermos ins- samente os discursos, verá como a mensagem se aplica piração é preciso “esforço físico, mental e espiritual e a sua vida. Você pode saber como efetuar mudanças Para ler, assistir não apenas uma receptividade passiva”. 4 significativas fazendo perguntas como: “O que o Senhor ou ouvir os As seguintes ideias podem ajudá-lo a preparar-se deseja que eu faça com o que aprendi?” e “Das coisas discursos da para ser ensinado pelo Espírito: que aprendi, o que vai me ajudar em minha família, 1. Reserve um tempo e crie um ambiente livre de dis- conferência meu trabalho ou meu chamado da Igreja?” Escreva as trações no qual possa receber inspiração espiritual. impressões que tiver para não as esquecer. Ao fazer geral, visite o 2. Busque orientação divina por meio da oração. isso, você será inspirado a viver os ensinamentos e site conference​ 3. Faça uma lista de perguntas ou preocupações pes- receberá as bênçãos prometidas. .LDS​.org. soais para as quais procura respostas. A conferência geral é o momento em Compreenda as mensagens. Os profetas e após- que o Senhor revela Sua vontade a você tolos vivos ensinam, expõem, exortam, advertem e por intermédio de Seus servos. O Presidente testificam. Um estudo mais minucioso de seus discur- Spencer W. Kimball (1895–1985) ensinou, sos vai ajudá-lo a compreender mais a respeito dos discursos da conferência: plenamente as mensagens deles. Eis “Nenhum texto ou livro que não sejam as alguns métodos eficazes de estudo: obras-padrão da Igreja devem ocupar um lugar tão importante nas prateleiras de sua • Faça perguntas. Por exemplo: biblioteca pessoal não por sua excelência retó- O que o Senhor quer que eu aprenda rica ou eloquência, mas pelos conceitos que com esta mensagem? Como este dis- mostram o caminho para a vida eterna”.5 ◼ curso amplia meu entendimento de NOTAS um princípio do evangelho ou de 1. Harold B. Lee, Conference Report, abril de um versículo de escritura? Que 1946, p. 68. 2. Ezra Taft Benson, “Come unto Christ, and Be histórias foram usadas para Perfected in Him”, Ensign, maio de 1988, p. 84. ilustrar princípios do evange- 3. Thomas S. Monson, “Deus Vos Guarde”, A Liahona, novembro de 2008, p. 106. lho e o que aprendo com eles? 4. Ver David A. Bednar, “Aprender pela Fé”, A Liahona, • Escreva um esboço. Preste setembro de 2007, p. 16. 5. Spencer W. Kimball, In the World but Not of It [Estar no atenção ao que lhe pareça Mundo mas Não Ser do Mundo], Brigham Young University ser o roteiro do orador. Speeches of the Year (14 de maio de 1968), p. 3. A b r i l d e 2 0 1 2 9
  • FA L A MOS DE CRI S TO Graça MARAVILHOSA ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: ASH RAM Kristen Nicole Cardon Dependo da graça de Jesus Cristo todos os dias. “ E NA FORÇA m nossas reuniões da Igreja, Aquele mesmo coro da escola viajou DO SENHOR: raramente falamos sobre a certa vez para a Califórnia, EUA, para “Com fé no Senhor Jesus graça”, disse meu professor de competir em um festival de música. Fiquei Cristo e obediência a Seu religião da Universidade Brigham Young, doente pouco antes da partida, e minha evangelho, melhorando um “mas como membros da Igreja de Jesus garganta irritada significava que não passo por vez à medida que Cristo dos Santos dos Últimos Dias, real- poderia cantar com o coro no festival — prosseguimos, suplicando mente acreditamos na graça”. ou caso o fizesse, cantaria mal, sentindo por forças, melhorando De fato, não consigo lembrar qualquer muita dor. Pedi a meu pai que me desse nossa atitude e nossa ambi- aula das Moças ou da Escola Dominical uma bênção do sacerdócio e passei o dia ção, vamos conseguir estar sobre a graça, mas meus pensamentos se seguinte orando, pedindo que sarasse. no rebanho do Bom Pastor. voltam para meu coro da escola, can- Talvez eu não tenha compreendido Isso exigirá disciplina, tando o hino “Maravilhosa Graça”. plenamente na época, mas quando cantei empenho, esforço e força. Mas o Apóstolo Paulo disse: Maravilhosa graça, (Oh, quão doce o hino “Maravilhosa Graça” no festival, ‘Posso todas as coisas em é o som!) com a garganta totalmente curada, eu Cristo que me fortalece’ Que salvou um miserável como eu! estava cantando exatamente a respeito (Filipenses 4:13)”. Estava perdido, mas agora fui do poder que me havia curado um dia Presidente Howard W. Hunter encontrado; antes. A Expiação do Salvador tinha me (1907–1995), “Developing Spiritua- Estava cego, mas agora vejo.1 abençoado naquele dia. Sua graça era a lity”, Ensign, maio de 1979, p. 26. fonte da minha cura. Meu professor explicou que “a graça “E ele seguirá, sofrendo dores e aflições é o poder de Deus que advém da Expia- e tentações de toda espécie; e isto para ção de Jesus Cristo”. “Divido a graça em que se cumpra a palavra que diz que ele quatro poderes: ressurreição, redenção, tomará sobre si as dores e as enfermida- cura e fortalecimento.” Ele prosseguiu, des de seu povo (Alma 7:11). explicando cada poder, mas minha Depois que terminei o ensino médio, mente novamente divagou em minhas como muitos calouros, senti-me sobre- lembranças. carregada com os cursos da faculdade10 A L i a h o n a
  • COMO A GRAÇA DO SENHOR AFETA NOSSA VIDA? O Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, ajuda a responder a essa pergunta eme o desafio de simultaneamente morar longe de “A Expiação e a Jornada da Mortalidade”, nestacasa com cinco companheiras de quarto. edição, na página 12: Foi então que aprendi a compreender o poder • “Por meio de Sua Expiação e pelo poder dofortalecedor e capacitador da graça de Cristo. Espírito Santo, o Senhor deseja viver em nósPassei meus dias trabalhando e estudando, mas — não apenas para orientar-nos, mas tambémdependia das orações diárias em que suplicava ao para capacitar-nos.”Pai Celestial que me desse a capacidade de con- • “A força de vontade individual, a determinaçãocluir as tarefas necessárias. À medida que pros- e a motivação pessoais, o planejamento eficaz eseguia o ano letivo, descobri para minha alegria o estabelecimento de metas são coisas necessá-que com o poder fortalecedor e capacitador daExpiação de Cristo, eu conseguia não apenas me rias, mas no final serão insuficientes para quesair bem, mas sem dificuldades. completemos triunfantemente esta jornada “Posso todas as coisas em Cristo que me forta- mortal. Verdadeiramente precisamos confiarlece” (Filipenses 4:13). nos ‘méritos e misericórdia e graça do Santo Embora eu ainda tenha que vivenciar os dois Messias’ (2 Néfi 2:8).outros aspectos de Sua graça — a ressurreição • “O poder capacitador da Expiação nos fortalecee a plenitude da redenção — ainda dependo da para que façamos o bem e sejamos bons e sirva-Expiação de Jesus Cristo todos os dias. A graça, o mos além de nosso próprio desejo e capacidadepoder de Deus que advém da Expiação de Jesus natural.”Cristo, me curou e me fortaleceu. Ao esforçar-mepara obedecer aos mandamentos de Deus e Você pode escrever em seu diário e compartilharcumprir a Sua vontade, recebo ajuda celeste que com sua família as ocasiões em que sentiu que asupera em muito a minha própria capacidade. “É pela graça que somos salvos, depois de tudo graça do Senhor o curou, ajudou ou fortaleceu.o que pudermos fazer” (2 Néfi 25:23). ◼NOTA 1. John Newton, “Amazing Grace”, Olney Hymns, 1779, nº 41. A b r i l d e 2 0 1 2 11
  •  O grande objetivo do evangelho do Sal- vador foi resumido sucintamente pelo Presidente David O. McKay (1873– 1970): “O propósito do evangelho é (…) tornar os homens maus bons, e tornar os homens Élder bons melhores, e mudar a natureza humana”.1 David A. Bednar Assim, a jornada da mortalidade é progredir de A Expiação Do Quórum dos Doze Apóstolos maus para bons, e de bons para melhores, e passar por uma vigorosa mudança no coração E A JORNADA — passar por uma mudança em nossa natureza decaída (ver Mosias 5:2). O Livro de Mórmon é nosso manual de DA MORTALIDADE instruções, ao viajarmos pelo caminho que nos leva de maus a bons, e de bons para melhores, e ao nos esforçarmos para passar O poder capacita- por uma mudança no coração. O rei Benja- dor da Expiação nos mim ensinou sobre a jornada da mortalidade fortalece para que e o papel da Expiação para navegarmos com façamos o bem, seja- sucesso nessa jornada: “Porque o homem natural é inimigo de Deus e tem-no sido mos bons e sirvamos desde a queda de Adão e sê-lo-á para sempre; muito além de nossa a não ser que ceda ao influxo do Santo Espí- própria vontade e rito e despoje-se do homem natural e torne-se santo pela expiação de Cristo, o Senhor” capacidade natural. (Mosias 3:19; grifo do autor). Chamo sua atenção para duas frases espe- cíficas. Primeiro — “despoje-se do homem natural”. Nossa jornada de maus para bons é o processo de despojar-nos do homem ou mulher natural que existe em cada um de nós. Na mortalidade, todos somos tentados na Ó MEU PAI, DE SIMON DEWEY carne. Os próprios elementos dos quais nosso corpo foi criado são de natureza decaída e estão sempre sujeitos à influência do pecado, da corrupção e da morte. Mas podemos aumentar nossa capacidade de sobrepujar os12 A L i a h o n a
  • 
  •  desejos da carne e as tentações “pela expiação de vencer e evitar o mal e fazer o bem e tornar-nos Cristo”. Quando cometemos erros, como quando bons. A ajuda do Salvador está disponível para transgredimos e pecamos, podemos arrepen- toda a jornada da mortalidade: de maus para der-nos e tornar-nos limpos por meio do poder bons, de bons para melhores, e para mudar nossa redentor da Expiação de Jesus Cristo. própria natureza. Segundo — “torne-se santo”. Essa frase des- Não estou sugerindo que os poderes de reden- creve a continuação e a segunda fase da jornada ção e capacitação da Expiação sejam separados da vida para tornar “os homens bons em melho- e distintos. Na verdade, essas duas dimensões da res” ou, em outras palavras, tornarem-se santos. Expiação estão conectadas entre si e são com- Essa segunda parte da jornada, esse processo de plementares. Ambas precisam funcionar durante passar de bom para melhor, é um tópico sobre o todas as fases da jornada da vida. E é eternamente qual não estudamos ou ensinamos com suficiente importante para todos nós reconhecer que ambos frequência nem compreendemos adequadamente. os elementos essenciais da jornada da mortalidade Suspeito que muitos membros da Igreja este- — tanto o processo de despojar-nos do homem jam mais bem familiarizados com a natureza do natural quanto o de tornar-nos santos, tanto vencer poder redentor e purificador da Expiação do que o mal quanto tornar-nos bons — são alcançados estão com o seu poder fortalecedor e capacita- por meio do poder da Expiação. A força de von- dor. Uma coisa é saber que Jesus Cristo veio à tade individual, a determinação e a motivação pes- Terra para morrer por nós — isso é fundamental soais, o planejamento eficaz e o estabelecimento e básico para a doutrina de Cristo. Mas também de metas são coisas necessárias, mas no final serão precisamos ser gratos pelo fato de o Senhor dese- insuficientes para que completemos triunfante- jar, por meio de Sua Expiação e pelo poder do mente esta jornada mortal. Verdadeiramente preci- Espírito Santo, viver em nós — não apenas para samos confiar nos “méritos e misericórdia e graça nos dirigir, mas também para nos capacitar. do Santo Messias” (2 Néfi 2:8). A maioria de nós sabe que quando fazemos coisas erradas, precisamos de ajuda para vencer A Graça e o Poder Capacitador da Expiação ILUSTRAÇÃO: JEFF WARD os efeitos do pecado em nossa vida. O Salvador “No Dicionário Bíblico aprendemos que a pagou o preço e possibilitou que nos tornássemos palavra graça frequentemente é usada nas escritu- limpos por meio de Seu poder redentor. A maioria ras para referir-se a um poder que nos fortalece e de nós compreende claramente que a Expiação coloca certas coisas ao nosso alcance: é para os pecadores. Não tenho certeza, porém, “[Graça é] uma palavra que ocorre com fre- se sabemos e compreendemos que a Expiação quência no Novo Testamento, especialmente nos também é para os santos — para os homens e escritos de Paulo. ‘O significado principal da pala- mulheres bons que são obedientes, dignos e vra refere-se aos meios divinos pelos quais rece- conscienciosos e que se esforçam para torna- bemos ajuda ou forças concedidas pela imensa rem-se melhores e para servir mais fielmente. misericórdia e amor de Jesus Cristo. Podemos erroneamente acreditar que precisamos É pela graça do Senhor Jesus Cristo, devido fazer a jornada de bons para melhores e para ao Seu sacrifício expiatório, que a humanidade tornar-nos santos sozinhos, por meio da força de ganhará a imortalidade, significando que toda vontade, do esforço próprio, da disciplina, e com pessoa receberá seu corpo de volta para viver nossa obviamente limitada capacidade. eternamente. Da mesma forma, é pela graça do O evangelho do Salvador não se refere sim- Senhor que os indivíduos, pela fé no sacrifício de plesmente a evitar o mal em nossa vida. Também Jesus Cristo e no arrependimento de seus peca- se refere essencialmente a fazermos o bem e a dos, recebem força e ajuda para fazer boas obras, nos tornarmos bons. E a Expiação nos ajuda a o que não conseguiriam se tivessem que agir14 A L i a h o n a
  •  sozinhos. Essa graça é um poder que permite Ilustrações e Implicações a homens e mulheres ganharem a vida eterna A jornada da mortalidade é ir de mau e a exaltação depois de fazerem todos os para bom e de bom para melhor e fazer com esforços que estiverem a seu alcance.2 que nossa própria natureza seja mudada. O A graça é o auxílio divino ou a ajuda de Livro de Mórmon está repleto de exemplos Deus que cada um de nós necessita desespe- de discípulos e profetas que sabiam, com- radamente para qualificar-se para entrar no preendiam e foram transformados pelo poder reino celestial. Portanto, o poder capacitador capacitador da Expiação ao fazerem essa da Expiação nos fortalece para fazer o bem e jornada. Ao compreendermos melhor esse poder sagrado, nossa perspectiva do evangelho será imensamente ampliada e enriquecida. Essa perspectiva vai mudar-nos de um modo extraordinário. Néfi é um exemplo de alguém que conhecia, com- preendia e confiava no poder capacitador do Salvador. Relembrem que os filhos de Leí tiveram que voltar para Jeru- salém para convidar Ismael e sua família para unir-se à causa deles. Lamã e outros do grupo que viajavam com Néfi de Jeru- salém de volta para o deserto se rebelaram, e Néfi exortou seus irmãos a terem fé no Senhor. Foi nesse ponto de sua jornada que os irmãos de Néfi o amarraram com cordas e planejaram sua destruição. Prestem atenção àNéfi não orou para ser bons e para servir além de nosso próprio oração de Néfi: “Ó Senhor, de acordo comque suas circuns- desejo individual e capacidade natural. minha fé em ti, livra-me das mãos de meustâncias mudassem. Em meu estudo pessoal das escrituras, fre- irmãos; sim, dá-me forças para romper estas quentemente insiro o termo “poder capacita- cordas com que estou amarrado” (1 NéfiEm vez disso, orou dor” toda vez que encontro a palavra graça. 7:17; grifo do autor).para ter forças Considerem, por exemplo, este versículo que Sabem pelo que eu provavelmente teriapara mudar suas todos conhecemos muito bem: “Sabemos que orado se eu tivesse sido amarrado por meuscircunstâncias. é pela graça que somos salvos, depois de irmãos? “Por favor, tira-me desta situação tudo o que pudermos fazer” (2 Néfi 25:23). difícil AGORA MESMO!” Para mim, é par- Creio que podemos aprender muito sobre ticularmente interessante ver que Néfi não esse aspecto vital da Expiação se inserirmos a orou para que sua situação mudasse. Em vez expressão “poder capacitador e fortalecedor” disso, orou para ter forças para mudar suas toda vez que encontrarmos a palavra graça circunstâncias. E creio que ele orou dessa nas escrituras. maneira precisamente porque conhecia, A b r i l d e 2 0 1 2 15
  •  compreendia e vivenciara o poder capacita- e seus seguidores foram fortalecidos, e sua dor da Expiação. capacidade e forças aumentadas tornaram as Não creio que as cordas com que Néfi foi cargas que levavam mais leves de carregar. amarrado simplesmente caíram magicamente Aquelas boas pessoas foram capacitadas pela de suas mãos e seus punhos. Em vez disso, Expiação para atuar como agentes e mudar suspeito que ele foi abençoado tanto com sua situação. E “com a força do Senhor” Alma persistência e força pessoal superior a sua e seu povo foram então conduzidos para a capacidade natural, para que ele então “com segurança da terra de Zaraenla. a força do Senhor” (Mosias 9:17) trabalhasse, Vocês podem justificadamente se torcesse e forçasse as cordas, até por fim literalmente conseguir rompê-las. A implicação desse relato para cada um de nós é muito direta. À medida que passamos a com- preender e a aplicar o poder capacitador da Expiação em nossa vida pessoal, vamos orar e buscar forças para mudar nossa situação, em vez de orar pedindo que nossa situação seja mudada. Vamos tornar-nos agentes que atuam em vez de objetos que recebem a ação (ver 2 Néfi 2:14). Examinemos o exemplo que lemos no Livro de Mórmon, quando Alma e seu povo foram perseguidos por Amulon. A voz do Senhor veio àquelas pessoas boas em sua aflição e declarou: “E também aliviarei as cargas que são colocadas sobre vossos ombros, perguntar: “O que torna o relato de Alma e A voz do Senhor veio de modo que não as podereis sentir sobre seu povo um exemplo do poder capacitador àquelas pessoas boas vossas costas. da Expiação?” A resposta está na comparação em sua aflição e E aconteceu que as cargas impostas a entre Mosias 3:19 e Mosias 24:15. declarou: “E também Alma e seus irmãos se tornaram leves; sim, “E despoje-se do homem natural e tor- o Senhor fortaleceu-os para que pudessem ne-se santo pela expiação de Cristo, o aliviarei as cargas carregar seus fardos com facilidade; e sub- Senhor; e torne-se como uma criança, sub- que são colocadas meteram-se de bom grado e com paciência a misso, manso, humilde, paciente, cheio de sobre vossos ombros, toda a vontade do Senhor” (Mosias 24:14–15; amor, disposto a submeter-se a tudo quanto de modo que não as grifo do autor). o Senhor achar que lhe deva infligir, assim podereis sentir sobre O que mudou nesse relato? Não foram como uma criança se submete a seu pai” vossas costas”. as cargas que mudaram. Os desafios e as (Mosias 3:19; grifo do autor). dificuldades da perseguição não foram ime- Ao progredirmos na jornada da morta- diatamente removidos do povo. Mas Alma lidade de maus para bons e de bons para16 A L i a h o n a
  •  melhores, ao despojar-nos do homem ou da Outro exemplo do Livro de Mórmon é muito mulher natural que há em cada um de nós, e ao instrutivo. Em Alma 31, Alma está dirigindo uma esforçar-nos para tornar-nos santos e sentir uma missão para resgatar os zoramitas apóstatas, que, mudança em nossa própria natureza, então os depois de construírem seu Rameumptom, ofere- atributos detalhados neste versículo cada vez mais ciam uma oração decorada e orgulhosa. descreverão o tipo de pessoa que estamos nos Observem a súplica por forças na oração pes- tornando. Vamos tornar-nos mais semelhantes a soal de Alma: “Ó Senhor, concede-me forças para uma criança, mais submissos, mais pacientes e suportar com paciência essas aflições que sofrerei mais dispostos a nos submeter. por causa da iniquidade deste povo” (Alma 31:31; Agora comparem as características vistas em grifo do autor). Mosias 3:19 com as usadas para descrever Alma e Alma também ora para que seus companheiros seu povo: “E submeteram-se de bom grado e com missionários recebam uma bênção semelhante: paciência a toda a vontade do Senhor” (Mosias “Concede-lhes forças para suportarem as aflições 24:15; grifo do autor). que lhes advirão por causa das iniquidades deste Considero marcantes os paralelos traçados povo” (Alma 31:33; grifo do autor). entre os atributos descritos nesses versículos, Alma não orou para que suas aflições fos- sendo eles uma indicação de que o bom povo sem removidas. Ele sabia que era um agente do de Alma estava tornando-se melhor por meio Senhor e orou para ter a capacidade de agir e do poder capacitador da Expiação de Cristo, o influir em sua situação. Senhor. O ponto-chave desse exemplo está contido no Relembrem a história de Alma e Amuleque, versículo final de Alma 31: “[O Senhor] deu-lhes que está em Alma 14. Naquela ocasião, muitos força para que não padecessem qualquer espécie santos fiéis foram mortos pelo fogo, e aqueles de aflição que não pudesse ser sobrepujada pela dois servos do Senhor tinham sido aprisionados e alegria em Cristo. Ora, isso aconteceu por causa espancados. Ponderem esta súplica feita por Alma da oração de Alma; e isto porque havia orado ao orar na prisão: “Dá-nos forças, ó Senhor, de com fé” (versículo 38; grifo do autor).ILUSTRAÇÃO: JEFF WARD acordo com nossa fé em Cristo, para que sejamos As aflições não foram removidas. Mas Alma e libertados” (Alma 14:26; grifo do autor). seus companheiros foram fortalecidos e aben- Neste versículo novamente vemos a compreen- çoados por meio do poder capacitador da Expia- são e a confiança de Alma no poder capacitador ção, de modo “que não padecessem qualquer da Expiação ilustrada por seu pedido. E observem espécie de aflição que não pudesse ser sobrepu- o resultado dessa oração: jada pela alegria em Cristo”. Que bênção mara- “E eles [Alma e Amuleque] arrebentaram as vilhosa! E que lição, que cada um de nós deve cordas com que estavam amarrados; e quando o aprender! povo viu isto, começou a fugir, pois o temor da Os exemplos do poder capacitador não se destruição caíra sobre eles. encontram apenas nas escrituras. Daniel W. Jones E Alma e Amuleque saíram ilesos da prisão, nasceu em 1830, no Missouri, e filiou-se à Igreja porque o Senhor lhes havia concedido poder na Califórnia em 1851. Em 1856, participou do segundo sua fé em Cristo” (Alma 14:26, 28; grifo resgate das companhias de carrinhos de mão que do autor). estavam impedidas de prosseguir por causa de Novamente o poder capacitador fica evidente fortes nevascas. Depois que o grupo de resgate quando aquelas boas pessoas lutaram contra encontrou os santos aflitos, proveu o alívio ime- o mal e se esforçaram para tornarem-se ainda diato que puderam oferecer e cuidou para que melhores e a servir mais eficazmente “com a força os doentes e debilitados fossem transportados do Senhor”. para Salt Lake City, Daniel e vários outros rapazes A b r i l d e 2 0 1 2 17
  •  se ofereceram para ficar e proteger os perten- adaptado para o alimento que tínhamos. O que ces da companhia. O alimento e os suprimentos Daniel W. Jones conhecia? Conhecia o poder deixados com Daniel e seus companheiros eram capacitador da Expiação de Jesus Cristo. Ele escassos e rapidamente foram consumidos. A não orou para que suas circunstâncias fossem seguinte citação do diário pessoal de Daniel Jones mudadas. Orou para ser fortalecido a fim de descreve o que aconteceu em seguida. lidar com suas circunstâncias. Assim como Alma “A caça logo se tornou tão escassa que não e seu povo, Amuleque e Néfi foram fortalecidos, conseguíamos abater nada. Consumimos toda a Daniel W. Jones teve a visão espiritual para saber carne magra, que deixaria qualquer um faminto. o que pedir naquela oração. Por fim, acabou tudo, nada restando além de O poder capacitador da Expiação de Cristo couro cru. Experimentamos comê-lo. Cozinhamos nos fortalece para fazermos coisas que jamais e comemos uma grande porção dele sem qual- faríamos por nós mesmos. Às vezes me pergunto quer preparo, e todo o grupo passou mal. se em nosso mundo moderno de facilidades As coisas pareciam sombrias, porque nada — em nosso mundo de fornos de micro-ondas, restava a não ser alguns pedaços de couro cru telefones celulares, carros com ar-condicionado tirados do gado que morrera de fome. Pedimos e lares confortáveis — sequer chegamos a ao Senhor que nos orientasse quanto ao que reconhecer nossa dependência diária do poder fazer. Os irmãos não reclamaram, mas sentiram capacitador da Expiação. que deviam confiar em Deus. (…) Por fim, tive a Minha mulher é uma pessoa extraordina- inspiração de como preparar aquilo e aconselhei riamente fiel e competente, e aprendi com ela a companhia, explicando-lhes como cozinhá-lo, importantes lições sobre o poder fortalecedor dizendo que eles deviam chamuscar e raspar o ao ver seu sereno exemplo. Observei-a perseve- pelo antes, porque isso tendia a eliminar e puri- rar ao sofrer continuamente de severos enjoos DETALHE DE EIS MINHAS MÃOS, DE JEFF WARD ficar o gosto ruim que lhe dava o cozimento. matinais, literalmente passando mal todos os Depois de raspar, cozinhe por uma hora com dias por oito meses, durante cada uma de suas bastante água e jogue fora a água na qual se três gestações. Oramos juntos para que ela fosse extraiu a cola, depois lave e raspe cuidadosa- abençoada, mas o desafio nunca foi removido. mente o couro, enxaguando com água fria, e Em vez disso, foi-lhe permitido suportar fisica- então cozinhe até ficar gelatinoso e deixe esfriar, mente o que ela não conseguiria fazer com suas e depois coma polvilhado com um pouco de próprias forças. Ao longo dos anos, também açúcar. Tudo isso dava um trabalho considerável, observei como ela foi magnificada para lidar mas pouco mais havia para fazer, e era melhor com a zombaria e o desprezo provindos de uma do que morrer de fome. sociedade secular quando uma mulher santo Pedimos ao Senhor que abençoasse o nosso dos últimos dias atende aos conselhos proféti- estômago e o adaptasse àquele alimento. (…) cos e faz da família e da criação dos filhos suas Ao prová-lo dessa vez todos pareceram sabo- mais altas prioridades. Agradeço e presto tributo rear o banquete. Estávamos três dias sem comer, a Susan por ajudar-me a aprender essas lições antes de fazermos a segunda tentativa. Desfruta- inestimáveis. mos aquela suntuosa refeição por cerca de seis semanas.” 3 O Salvador Sabe e Compreende Naquelas circunstâncias, provavelmente eu Em Alma, capítulo 7, aprendemos como e teria orado pedindo outra coisa para comer: “Pai por que o Salvador é capaz de prover o poder Celestial, por favor, envia-me uma codorniz ou capacitador: um búfalo”. Talvez não me tivesse ocorrido orar “E ele seguirá, sofrendo dores e aflições e pedindo que meu estômago fosse fortalecido e tentações de toda espécie; e isto para que se18 A L i a h o n a
  •  cumpra a palavra que diz que ele tomará compreende perfeitamente, porque sentiu e sobre si as dores e as enfermidades de tomou sobre Si nossas cargas antes que as seu povo. vivenciássemos. E por ter pagado o preço “E tomará sobre si a morte, para soltar final e tomado sobre Si a carga, Ele tem as ligaduras da morte que prendem o seu perfeita empatia e pode estender-nos Seu povo; e tomará sobre si as suas enfermida- braço de misericórdia nas muitas fases de des, para que se lhe encham de misericórdia nossa vida. Ele pode estender a mão, tocar, as entranhas, segundo a carne, para que socorrer — literalmente correr para nós — saiba, segundo a carne, como socorrer seu e fortalecer-nos para que sejamos mais do que jamais poderíamos ser e ajudar-nos a fazer o que jamais poderíamos fazer se dependês- semos apenas de nossa própria capacidade. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mateus 11:28–30). Declaro meu testemunho e minha gratidão pelo infinito e eterno sacrifício do Senhor Jesus Cristo. Sei que o Salvador vive. Vivenciei tanto Seu poder redentor quanto Seu poderNão há dor física, povo, de acordo com suas enfermidades” capacitador e testifico que esses poderes sãoangústia da alma, (Alma 7:12). reais e estão ao alcance de cada um de nós.sofrimento do espí- O Salvador sofreu não apenas por nossas De fato, “com a força do Senhor” podemos iniquidades, mas também pelas desigual- fazer e vencer todas as coisas, ao prosse-rito, enfermidade ou dades, injustiças, dor, angústia e sofrimento guirmos com firmeza em nossa jornadafraqueza que senti- emocional que com tanta frequência nos da mortalidade. ◼mos durante nossa afligem. Não há dor física, angústia da alma, Extraído de um discurso devocional proferido na Univer-jornada mortal sofrimento do espírito, enfermidade ou fra- sidade Brigham Young em 23 de outubro de 2001. Para acessar o texto na íntegra, em inglês, visite o site speeches​que o Salvador não queza que sentimos durante nossa jornada .byu​.edu.tenha sentido antes. mortal que o Salvador não tenha sentido NOTAS antes. Todos nós, em um momento de fra- 1. Ver Franklin D. Richards, Conference Report, outubro de 1965, pp. 136–137; ver também David O. McKay, queza, podemos exclamar: “Ninguém com- Conference Report, abril de 1954, p. 26. 2. Bible Dictionary, “Grace”; grifo do autor. preende. Ninguém sabe”. Talvez nenhum ser 3. Daniel W. Jones, Forty Years among the Indians humano saiba. Mas o Filho de Deus sabe e (n.d.), pp. 57–58. A b r i l d e 2 0 1 2 19
  • No mundo todo, o seminário traz NORGE SVERIGE jovens como você para mais perto de SUOMI Jesus Cristo. DANMARK Россия Україна IRELAND POLSKA ÍSLAND HRVATSKA Ελλάδα shqipëria ITALIA españa PORTUGAL CANADA KENYA BÉNIN CABO NIGERIA ZAMBIA VERDE CÔTE SIERRA D’IVOIRE LEONE UNITED ZIMBAB STATES BOTSWANA REPÚBLICA DOMINICANA MÉXICO HONDURAS VENEZUELA TONGA SURINAME BRASIL ECUADOR PARAGUÁI CHILE URUGUAY ARGENTINA MÉXICO20 A L i a h o n a
  • JOVENS As Bênçãos do SEMINÁRIO Brittany Beattie V Revistas da Igreja ocê não está sozinho em sua decisão • O seminário “dá-lhes oportunidades mara- de frequentar o seminário. Em todo vilhosas de aprenderem as doutrinas que o mundo, centenas de milhares de lhe trarão felicidade. Dá-lhes grandes MADAGASCAR jovens fazem do seminário uma parte de sua chances de se relacionarem socialmente vida, indo para as aulas de ônibus, canoa, com pessoas iguais a vocês”.4 bicicleta ou por outro meio. Alguns jovens • “Seu conhecimento do evangelho seráBWE acordam cedo e percorrem grandes distâncias ampliado. Sua fé será fortalecida. Você para chegar no horário, outros fazem a jor- fará amizades e conviverá com pessoas SOUTH nada à noite, e outros estudam em casa vários excelentes.” 5 AFRICA dias da semana. • “Ele proporciona (…) enriquecimento A frequência ao seminário exige sacrifício, espiritual, força moral para resistir ao mal mas há jovens no mundo inteiro que estão que nos cerca por todos os lados, bem descobrindo que a participação no seminário como um tremendo aumento de conheci- vale todo o esforço. E aqueles que partici- mento do evangelho.” 6 pam têm algo em comum: suas experiências • É “um dos melhores meios de preparar-se pessoais com o seminário os aproximam do para a missão”.7 Salvador e de nosso Pai Celestial. Encontrar um Meio de Frequentar Receber as Bênçãos Prometidas Para encontrar tempo para frequentar o Por que o seminário é tão importante seminário, em geral será preciso abrir mão para você? Alguns dos motivos incluem estas de outra coisa que você gosta de fazer. ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: CORTESIA DO SEI; ILUSTRAÇÕES: SCOTT GREER promessas feitas por profetas e apóstolos Mas é um sacrifício que vale a pena. Elijah modernos: Bugayong, das Filipinas, decidiu tomar essa decisão em seu último ano do ensino médio. • Ele “será uma dádiva enviada por Deus Durante toda a escola secundária, ela sempre para a salvação da Israel moderna em uma foi a segunda da classe. Estava determinada a época extremamente desafiadora”.1 ser a primeira em seu último ano e tinha até • Isso “vai prepará-los para apresentar a cogitado deixar de frequentar o seminário, mensagem do evangelho restaurado àque- como fizera nos anos anteriores, para atingir les que vocês tiverem a oportunidade de sua meta. conhecer.” 2 Então, um dia, seu modo de pensar • Ele o ajuda a “adquirir uma compreensão mudou. “[Olhei para minha] mesa de estu- vital da verdade”.3 dos”, disse ela. “Vi uma pilha de livros ao A b r i l d e 2 0 1 2 21
  • UMA BÊNÇÃO QUE lado, minha combinação quádrupla elas que merecem atenção prioritária DURA A VIDA INTEIRA junto com meu caderno e manual em nossa vida”.8 Esse é um conselhoH“ á muitos anos, tive o privilégio de dar aulas para uma classe do seminário diário. A aula era dada entre do seminário. Perguntei bem do fundo do coração: ‘O que é mais importante de ser lembrado ao deci- dir que prioridade dar ao seminário importante?’” em sua agenda. 6h30 e 7h30 da manhã nos dias de Elijah encontrou sua resposta em semana. Durante dois anos, vi alunos Mateus 6:33: “Mas, buscai primeiro o Preparação para a Missão sonolentos tropeçarem para dentro reino de Deus, e a sua justiça, e todas O seminário também é uma ótima da sala de aula, desafiando o profes- sor a acordá-los. Após a oração e um estas coisas vos serão acrescentadas”. preparação para o trabalho missio- pensamento inspirador, via mentes Ela decidiu frequentar fielmente o nário que você vai fazer — como brilhantes se reavivarem, para amplia- seminário e encontrar outros modos membro missionário hoje e também rem seu conhecimento das escrituras. A de equilibrar seu tempo para dedi- quando servir como missionário de parte mais difícil da aula era terminar o car-se a suas atividades acadêmicas. tempo integral no futuro. Franco Hua- debate a tempo de todos irem à escola. No final do ano, ela foi nomeada mán Curinuqui, do Peru, sabe que Com o passar do ano letivo, vi cada um representante da turma e até ganhou seu estudo das escrituras no seminá- dos alunos ganhar mais confiança, fazer uma bolsa para a faculdade. rio o ajudou a preparar-se para amizades mais sólidas e desenvolver o Spencer Douglas, de Alabama, a missão. testemunho do evangelho. EUA, decidiu deixar de frequentar Ele diz que essa preparação vale Faz alguns anos, eu estava num alguns eventos sociais para poder todo o sacrifício de ter que acordar supermercado de uma cidade próxima tirar melhor proveito do seminário. às 4 horas para assistir ao seminário, daqui, quando ouvi alguém me chamar. Em seus dois primeiros anos de semi- andar de canoa nos meses em que Virei-me e cumprimentei dois de meus nário, acordava às 4 horas da manhã a região ficava inundada e até cami- ex-alunos do seminário. Eram agora para frequentar e nos dois últimos nhar na lama para chegar às aulas. marido e mulher. Apresentaram-me seus anos, às 5 horas. Ele diz: “Eu não Ele diz: “Quero terminar o seminário quatro lindos filhos. Na conversa, fiquei surpreso com o número de colegas podia participar de muitas atividades e começar o curso do instituto para do seminário com quem eles ainda que iam até tarde da noite com meus estar preparado para a missão. Vou mantinham contato, depois de tantos amigos porque precisava me deitar continuar a crescer na Igreja”. O semi- anos. Isso era a prova de um vínculo cedo. Se não fizesse isso, não poderia nário é importante para ele porque especial que surgiu nas aulas matutinas participar plenamente e aprender na ele aprende a respeito das escrituras e do seminário.” manhã seguinte”. Para Spencer, não decora versículos importantes, que vão Élder L. Tom Perry, do Quórum dos Doze era apenas estar presente na aula que ajudá-lo a ser um missionário melhor. Apóstolos, “Receber a Verdade”, A Liahona, importava, mas também estar des- janeiro de 1998, p. 71. perto e preparado para aprender. Ser Abençoado em Todos Élder Dallin H. Oaks, do Quó- os Aspectos da Vida rum dos Doze Apóstolos, ensinou: Ao se esforçarem para frequentar “O mero fato de algo ser bom não o seminário, os jovens do mundo quer dizer que tem que ser feito. O inteiro recebem forças em muitos número de coisas boas que poderiam outros aspectos além do estudo das ser realizadas ultrapassa em muito o escrituras. Cameron Lisney, da Ingla- tempo disponível para sua execução. terra, descobriu que foi abençoado Algumas coisas são melhores, e são em todas as áreas de sua vida.22 A L i a h o n a
  • JOVENS “O seminário não apenas ajuda com e comecei a me sentir mais feliz. Por Fortalecer Uns aos Outros o lado espiritual das coisas, mas tam- fim, adquiri o meu próprio testemu- O seminário também permite que bém ajuda na escola e nos estudos”, nho do evangelho.” Depois de dois você se reúna com outros adolescen- garante Cameron. meses de seminário, Cameron con- tes que compartilham suas crenças. Ele diz que “começar o dia cedo versou com o bispo e foi ordenado Vika Chelyshkova, da Rússia, diz: faz com que seu cérebro funcione mestre no Sacerdócio Aarônico. “Sinto-me inspirada por pessoas que melhor. Alguns de meus amigos dis- Cameron sabe que o seminário o pensam como eu e que possuem seram que estavam atarefados demais ajuda a permanecer forte contra as padrões morais semelhantes e que para participar. Ora, com certeza tentações do mundo. “À medida que acreditam em Deus como eu”. Ela eles não vão estudar matemática às continuei a fazer o seminário”, lembra acrescenta: “Se tenho dúvidas, posso 6 horas da manhã, não é?” Se estuda- ele, “descobri que era mais fácil lidar discuti-las com meu professor do mos, “o Senhor nos ajuda em nossos com os desafios que o mundo nos seminário e com os colegas. Posso exames, e se vamos ao seminário, apresenta. É bem difícil ser jovem no compartilhar meus pensamentos e Ele nos ajuda ainda mais”, testifica mundo em que vivemos. O pecado meu testemunho com outros para Cameron. nos cerca por todos os lados. Testi- fortalecer a minha própria fé e a Evidentemente, o seminário fico a vocês que se frequentarem o deles. Ao lermos as escrituras juntos e ajudou Cameron a fortalecer seu seminário, encontrarão forças para ponderarmos seu conteúdo espiritual, testemunho também. Ele conta: “O defender-se contra isso. O seminário sentimo-nos mais próximos de Deus início de meu testemunhou veio do cria um escudo espiritual para prote- e uns dos outros”. programa do seminário. Quando eu ger-nos. Muitas provações e tentações Ksenia Goncharova, da Ucrânia, vê tinha apenas quatorze anos, estava foram colocadas em meu caminho, resultados semelhantes. Ela realmente tendo dificuldades com e o seminário foi uma imensa ajuda diz: “Quando comparti- o evangelho. Eu não gostava de ir à para manter-me no caminho lhamos nossas expe- Igreja e comecei a fazer coisas que estreito e apertado.” riências pessoais não deveria. Era apenas uma questão uns com os outros, de meses para que eu desistisse completamente”. Mas quando uma amiga convidou Cameron para frequentar o seminário, ele decidiu ir com ela. Depois, as bênçãos realmente começaram a chegar. URUGUAY “Comecei a sentir o Espírito de novo”, conta Came-ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: CHRISTINA SMITH VITI ron. “Comecei a pres- tar mais atenção na Igreja e a frequentar UNITED a Escola Domini- STATES cal e as aulas do sacerdócio. Tor- nou-se mais fácil,
  • O SEMINÁRIO INFLUENCIOU tornamo-nos mais fortes e compreen- • “Sou convertido à Igreja. ComeceiA VIDA DO PRESIDENTE demos melhor as escrituras. Quando a ir ao seminário antes mesmo deHENRY B. EYRING conversamos sobre exemplos de nossa ser batizado. Sem o seminário, nãoM ildred Bennion foi uma das alunas da primeira classe de seminário doSeminário Granite, em 1912. Mais tarde vida durante as aulas, vejo como o evangelho funciona em minha vida e na vida de outras pessoas”. sei se chegaria a ter sido batizado. Sem o seminário, não teria o Sal- vador em minha vida agora nemela se tornaria mãe do Presidente Henry B. saberia que posso ser perdoadoEyring, Primeiro Conselheiro na Primeira Conhecer o Pai Celestial de meus pecados. Na verdade,Presidência. e Jesus Cristo eu nunca tivera o Pai Celestial ou Ela compreendia a importância do semi- Foi perguntado recentemente a um Jesus Cristo em minha vida. Onário em sua vida e queria que seus filhos grupo de jovens como o seminário os seminário me ajudou a encontrá-tivessem as mesmas bênçãos que ela sentiu abençoou. Suas respostas revelam um Los e tê-Los para sempre comono seminário, por isso sua família tomou tema principal: o seminário os ajuda parte de minha vida e da vida deuma grande decisão: “Mudamo-nos para a achegarem-se ao Pai Celestial e ao meus futuros filhos.”Utah, à custa de um considerável sacrifício Salvador. O Élder David A. Bednar, do • “A frequência diária ao semináriofinanceiro, para que nossos filhos pudessem Quórum dos Doze Apóstolos, ensinou: me ajudou a aproximar-me dofrequentar os Seminários e Institutos e fazer “Todos os tópicos que vocês estudam Senhor e Salvador Jesus Cristo,amigos entre pessoas de nosso próprio no seminário são importantes. A cada aprendendo sobre Seus ensinamen-povo. Isso deve responder à pergunta sobre ano, ao concentrarem-se em um dos tos, Seu grande amor por mim, emeus sentimentos em relação a essas livros de escrituras, o enfoque central como posso voltar a viver com Ele.”coisas” (citado em C. Coleman, History of é o Senhor Jesus Cristo”.9 • “Quando estou no seminário,Granite Seminary, p. 142). Eis o que vários adolescentes encontro um significado mais pro- A importância da educação da Igreja disseram sobre como o seminário os fundo nas escrituras. Ele me ajudacontinuou na família Eyring, quando o Pre- aproximou de Jesus Cristo. a lembrar todas as manhãs de sersidente Henry B. Eyring tornou-se, em 1971, mais semelhante a Cristo em meusreitor do Ricks College (hoje BYU–Idaho), • “Aprendi o que o Salvador fez por afazeres diários.”uma faculdade da Igreja, e serviu como mim, lendo todos esses relatos dos • “O seminário me ensinou a ler asComissário de Educação da Igreja de 1980 a vários profetas e compreendendo escrituras e não apenas desfrutá-las1985 e novamente de 1992 a 2005. como eu sou importante para Ele. para encontrar aplicação no texto. Dei-me conta de que Ele me amou Aprendi doutrinas e princípios que o suficiente para morrer e sofrer ajudaram a fortalecer meu testemu- por minhas dores.” nho de um Pai Celestial amoroso • “O seminário é um ótimo modo de e de Jesus Cristo, que vou levar começar o dia. Por mais cansado comigo por todo o resto de minha que esteja, sinto o Espírito e sin- vida.” to-me fortalecido para que quando surgirem coisas difíceis durante o Com tantas bênçãos que advêm da dia eu saiba sem sombra de dúvida frequência ao seminário, é fácil ver que o Salvador me ama, e me sen- por que os jovens do mundo inteiro tirei mais confiante para defender estão fazendo dele uma prioridade o que é certo.” em sua programação diária. ◼24 A L i a h o n a
  • JOVENS A HISTÓRIA DO SEMINÁRIO Eis uma breve visão de como o seminário cresceu ao longo dos anos. 1888: O Presidente Wilford Woodruff supervisiona a formação da Junta Educacional da Igreja para dirigir o trabalho educacional da Igreja, que incluía cursos de religião fora do horário escolar. NOTAS 1. Boyd K. Packer, Teach the Scriptures [Ensi- 1912: Organização das primeiras classes de seminário em horário escolar, com um total de nai as Escrituras] (discurso para os educado- res do Sistema Educacional da Igreja, 14 de 70 alunos que reservavam um período de aula do ensino médio para frequentar o outubro de 1977), p. 3. seminário. As aulas eram dadas do outro lado da rua, em frente da Escola Granite 2. L. Tom Perry, “Elevar Nossos Padrões”, A Liahona, novembro de 2007, p. 46. High School, em Salt Lake City, Utah, EUA. 3. Richard G. Scott, “Atingir Seu Pleno Poten- cial”, A Liahona, novembro de 2003, p. 42. 1925: O total de matrículas chega a 10.000 alunos. 4. Gordon B. Hinckley, “Permaneçam Leais e Fiéis”, A Liahona, julho de 1996, p. 95. 1948: O seminário chega ao Canadá, o primeiro país fora dos Estados Unidos a ter o 5. Gordon B. Hinckley, “The Miracle Made seminário. Possible by Faith” [O Milagre Realizado pela Fé], Ensign, maio de 1984, p. 47. 1950: Organização de classes do seminário diário (anteriormente chamado de “seminário 6. Gordon B. Hinckley, “The State of the matutino”) na Califórnia, onde os alunos se reuniam em capelas da Igreja antes do Church”, Ensign, maio de 1991, p. 52. 7. Ezra Taft Benson, “Our Responsibility to horário de início das aulas na escola. Share the Gospel”, Ensign, maio de 1985, p. 7. 1958: O total de matrículas chega a 50.000 alunos. 8. Dallin H. Oaks, “Bom, Muito Bom, Excelente”, A Liahona, novembro de 2007, 1958: O seminário chega à América Central, começando primeiramente no México. p. 104. 9. David A. Bednar, “Conclusion and Testi- 1962: O seminário chega à Europa, começando primeiramente na Finlândia e na mony”, Welcome to Seminary 2010–2011, Alemanha. seminary​.LDS​.org/​welcome. 1963: O seminário chega à Ásia, começando primeiramente no Japão. 1965: O total de matrículas chega a 100.000 alunos. 1967: Lançamento do seminário do lar nas comunidades rurais, nas quais os alunos estu- dam em casa quatro dias por semana e se reúnem em um dia a cada semana. 1968: O seminário chega à Austrália. 1969: O seminário chega à América do Sul, começando primeiramente no Brasil.À DIREITA: FOTOGRAFIA DE FORMATURA DO SEMINÁRIO DE PROVO, UTAH, CORTESIA DE LDS CHURCH ARCHIVES 1972: O seminário chega à África, começando primeiramente na África do Sul. 1983: O total de matrículas chega a 200.000 alunos. 1991: O total de matrículas chega a 300.000 alunos. 2012: Disponível em 134 países e territórios espalhados pelo mundo inteiro, com cerca de 370.000 alunos matriculados. 1927
  • UM CHAMADO PARA UMCONVERSO PHelena Hannonen ouco depois de ser batizada, aos dez anos de idade, em Lappeenranta, Finlândia, recebi meu primeiro chamado na Igreja. Era 1960, e nosso pequeno ramo precisava urgen- temente de alguém para acompanhar os hinos na reunião sacramental. Foi-me pedido que cumprisse aquela designação. Embora minha mãe sempre tivesse incenti- vado meu irmão e eu a desenvolver nossos talentos artísticos, eu não sabia tocar piano, e não tínhamos piano. Mas eu queria cumprir meu chamado e, por isso, traçamos um plano. Na noite familiar, conversa- mos sobre o que aquele cha- mado significava para todos nós. Contudo, como minha mãe era viúva com dois filhos pequenos, sabíamos que seria um grande desa- fio comprar um piano e
  • Eu tinha me ainda pagar as aulas. Decidimos que todos quando. Minha professora ficou horrorizada estávamos dispostos a fazer os sacrifícios quando descobriu que eu tocava em frenteconvertido necessários. de outras pessoas antes de ter aprendido erecentemente e O primeiro sacrifício que minha família fez decorado cuidadosamente as peças. Mas eranão sabia tocar foi financeiro. Decidimos que, da primavera melhor tocar com uma mão só do que não terpiano. Mas quão até o outono, andaríamos de bicicleta, em música nenhuma. vez de tomar o ônibus. Meu irmão, Martti, era Eu ia de bicicleta para as aulas, e quandograta sou pelo corajoso e tornou-se muito bom na bicicleta, o inverno chegou, eu tentava caminhar ouchamado que até sobre a neve ou gelo. Deixei de comprar usar esquis, quando possível. Nos domingos,recebi de pianista a maior parte de minhas roupas e aprendi eu ia sozinha para as reuniões da Igreja, para a costurar. Também aprendemos a viver de poder chegar uma hora mais cedo e ter tempo do ramo, que modo previdente. Começamos uma horta no de praticar. Resolvi tomar ônibus somente mudou minha campo, perto da casa de meus avós, e fizemos quando a temperatura chegasse a 15ºC negati- vida. conservas de alimentos para o inverno. Nos- vos. A chuva e a neve nem me incomodavam sas “férias” viraram viagens de nossa mãe para tanto. O tempo passava muito rápido quando o templo da Suíça ou piqueniques e acampa- eu caminhava, porque tinha muitos belos mentos perto de casa. hinos para me fazer companhia. Ao caminhar, O segundo sacrifício que minha família fez eu imaginava estar cruzando as planícies com foi de tempo. Dividimos as tarefas e reagen- os pioneiros (ver “Vinde, Ó Santos”, Hinos, damos nossas outras atividades e tarefas de nº 20), andando pelo alto das montanhas de casa para que eu tivesse tempo suficiente para Sião (ver “No Monte a Bandeira”, Hinos, nº 4) praticar o piano. Devido a nossos sacrifícios e e na companhia de jovens que nunca fogem esforços, mamãe sempre comentava que não à luta (ver “Deve Sião Fugir à Luta?”, Hinos, tínhamos tempo livre para nos metermos em nº 183). Eu não poderia fracassar com todo confusões como outros jovens de nossa idade. aquele apoio, mesmo que minha família e eu Na verdade, meu chamado tornou-se um cha- fôssemos os únicos santos dos últimos dias de mado da família, bem antes de eu tocar uma nossa comunidade do leste da Finlândia, perto única nota. da fronteira com a Rússia. Comecei a ter aulas com um professor de Ao longo dos anos, fui tocando melhor música da escola local. Eu praticava usando e consegui fazer música, em vez de apenas um teclado de papel e o piano da Igreja. tocar as notas certas. Aprendi a escolher os Quando meu professor de piano se mudou, hinos em espírito de oração para que o Espí- compramos o piano dele, e fui aceita para rito estivesse na reunião. E mais importante, estudar com uma renomada professora de adquiri meu testemunho do evangelho por piano da região. meio da música. Podia facilmente relembrar ILUSTRAÇÕES: MIKE MALM Aprendi os hinos por conta própria e prati- os sentimentos, a letra e a mensagem dos quei muito com o diretor de música do ramo. hinos, se viesse a questionar algo. Eu sabia Todos me incentivavam, mesmo quando que os princípios e as ordenanças do evange- eu tocava uma nota desafinada de vez em lho eram verdadeiros — aprendera-os linha A b r i l d e 2 0 1 2 27
  • sobre linha e nota após nota. sacola de músicas na outra, esperando fazer Lembro-me de um dia, em especial, em que minha mãe acreditar que eu estava indo meu compromisso para com esses princípios para a Igreja. Saí de casa e fui até o ponto do foi colocado à prova. Eu tinha quatorze anos, ônibus. Acontece que o ponto do ônibus para adorava nadar e sonhava em competir nas o ginásio de natação ficava de meu lado da Olimpíadas. Eu não competia aos domingos, rua, e o que ia para a capela ficava do outro Um ônibus me mas ainda assim progredia. Por fim, quando lado. Enquanto esperava, fiquei irritada. Em se aproximavam as Olimpíadas da Cidade do levaria para meu meus ouvidos soava a música do hino “Neste México, um treinador convidou-me a partici- chamado na Mundo”, (Hinos, nº 136) — o hino progra- par de um programa especial de treinamento. Igreja, o outro mado para a Escola Dominical daquele dia. Eu Os treinos, porém, eram domingo pela para meu sonho de sabia por experiência própria que, com seu manhã, no horário da Escola Dominical. infância de com- ritmo difícil, letra complicada e notas agudas, Tentei justificar-me dizendo que poderia ir aos aquele hino seria um desastre sem um bom petir na natação treinos e faltar à Escola Dominical, porque acompanhamento. estaria de volta à Igreja em tempo para assistir em nível mundial. Enquanto me decidia, os dois ônibus che- à reunião sacramental da noite. Economizei A letra dos hinos garam. O ônibus para o ginásio de natação para a passagem de ônibus e planejei tudo. que toquei tantas parou para mim, e o motorista do ônibus para No sábado anterior ao primeiro treino, contei vezes me deu a a Igreja parou e olhou para mim, com um meu plano a minha mãe. resposta. olhar surpreso, porque sabia que eu sempre Vi tristeza e decepção nos olhos dela, tomava seu ônibus. Ficamos parados olhando mas sua única resposta foi que a decisão era uns para os outros por alguns segundos. O minha e que eu havia aprendido o que era que eu estava esperando? Eu tinha escolhido certo. Naquela noite, não consegui tirar da o Senhor (ver “Quem Segue ao Senhor?” mente a letra do hino “Faze o Bem, Esco- Hinos, nº 150). Eu tinha prometido ir aonde lhendo o Que É Certo” (Hinos, nº 148). As Ele quisesse que eu fosse (ver “Aonde Man- palavras ressoavam em minha mente como dares Irei”, Hinos, nº 167). Minha decisão de um disco arranhado. cumprir os mandamentos tinha sido tomada Na manhã de domingo, eu estava com havia muito tempo (ver “Guarda os Manda- minha sacola de natação em uma mão e a mentos”, Hinos, nº 194).28 A L i a h o n a
  •  Antes que meu cérebro acompanhasse meu Em minha missão reumatismo. Muitos músicos mais capazescoração, meu corpo assumiu o controle da na Colômbia, dei tomaram meu lugar. Minha mãe sempre ficasituação. Corri desabaladamente para o outro aulas de piano. As triste quando relembra minha juventude nalado da rua e fiz sinal para o outro motorista. Igreja e os sacrifícios que fiz, os quilômetros crianças e os jovensPaguei a passagem e fui para o fundo do ôni- que caminhei e as coisas de que me privei. Elabus que ia para a Igreja, vendo meus sonhos caminhavam qui- teme que o frio tenha contribuído para meude natação seguirem na direção oposta. lômetros sob um sol reumatismo. Contudo, carrego comigo minhas Todos acharam que chorei naquele dia escaldante, fazendo “cicatrizes de batalha” com alegria. Extravaseiporque senti o Espírito. Mas na verdade chorei grandes sacrifícios minhas alegrias e tristezas na música. Aprendiporque meu sonho de infância tinha acabado para obter o dom a rir e a chorar com meus dedos.de se desfazer, e por estar envergonhada de Meu coração canta com gratidão quando da música.ter cogitado nadar no dia do Senhor. Mas penso que o Pai Celestial e meus líderes senaquele domingo, como nos anteriores e nos importaram o suficiente a ponto de pediremsubsequentes, cumpri meu chamado. a uma jovem menina que cumprisse uma Quando estava prestes a ir para a facul- designação tão desafiadora. Esse chamado medade, eu tinha ensinado vários membros do ajudou a adquirir uma firme compreensão doramo a reger a música e a tocar piano. Na evangelho e permitiu que eu ajudasse outrosfaculdade, continuei a tocar piano e tive aulas a sentir o Espírito por meio da música. Soude órgão. Achei que minha chance de ir para uma prova viva de que os recém-conversosa América Latina se fora para sempre quando precisam de um chamado, até as meninas quedesisti de competir na natação, mas depois não sabem tocar piano. Graças a meu pri-que concluí meu mestrado na Universidade meiro chamado, descobri que para Deus nadaBrigham Young, servi missão na Colômbia. Na é impossível e que Ele tem um plano e ummissão, dei aulas de piano. Eu queria deixar propósito para cada um de Seus filhos. E porpara aqueles santos o dom da música. As meio da música, adquiri um testemunhocrianças e os jovens da Colômbia caminhavam inabalável do evangelho restaurado dequilômetros sob um sol escaldante para ter a Jesus Cristo. ◼oportunidade de aprender a tocar piano. Elestambém começaram tocando com umamão, à medida que progrediam paratocar com as duas. E fizerammais sacrifícios do que eu paraaprenderem a tocar piano. Já faz mais de 50 anos quefui batizada. Viajei para bemlonge de meu lar na Finlân-dia, mas em todo lugar emque estive, sempre haviaa necessidade de alguémpara tocar os hinos. Alinguagem universal damúsica edificou pontesde compreensão e amorem muitos lugares. Hoje tenho as mãoslentas e acometidas de
  • Conselhos de Ala EM AÇÃO LaRene Gaunt Revistas da Igreja Os santos dos últimos dias estão usando os conselhos de ala e ramo para abençoar a vida dos necessitados. N a noite do dia 22 de maio de 2011, em meio ao ruído de sirenes estridentes, um imenso tornado desceu sobre o centro de Joplin, Missouri, EUA, destruindo casas e ceifando vidas. A Ala Joplin I foi seve- ramente atingida pelo tornado, mas o bispo Chris Hoffman e o conselho da ala imediatamente começaram a avaliar a situação dos membros da ala. “Tínhamos um plano de ação preparado, porque havíamos falado desses preparativos no conselho de ala antes que essas coisas acontecessem”, disse ele. “Também confiamos no Espírito para saber o que fazer. O forneci- mento de eletricidade foi interrompido. Os telefones celu- lares não funcionavam. Oramos e buscamos respostas, e À ESQUERDA: ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE CRAIG DIMOND elas vieram, como sempre vêm. Foi gratificante para mim, como bispo, ouvir os membros dizerem: ‘Foi isso que fiz’, em vez de, ‘O que você quer que eu faça?’” A resposta vista em Joplin mostra a força que tem um conselho de ala unido. “A reunião do conselho de ala é uma das mais importantes da Igreja”, escreveu o Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apósto- los, “porque os líderes dos quóruns do sacerdócio e das auxiliares podem discutir e planejar com o bispado. (…) De todos os conselhos e comitês da Igreja, creio que o30 A L i a h o n a
  •  PRINCÍPIOS ESSENCIAIS PARA UM CONSELHO EFICAZ Em seu livro Counseling with Our Councils, o Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos, dá estas três sugestões:conselho de ala pode ter o maior impacto para ajudar os “Primeiro, concentre-se no quefilhos de nosso Pai”.1 é fundamental.” Siga as diretrizes do Manual 2: Administração da Igreja, capítulo 4, que pode serUnidos pelo Amor e pela Fé encontrado on-line na seção Servir na Igreja do site Em Puerto Francisco de Orellana, um vilarejo isolado LDS.org.nas florestas do Equador, os membros têm um forte vín- Segundo, concentre-se nas pessoas e não nosculo de amor e fé. O conselho de ramo mensal reflete programas. Procure “a integração dos membrosa preocupação que têm uns pelos outros. Eles concen- novos, a ativação dos menos ativos, as preocupações dos jovens, as dificuldades econômicas dos membrostram-se primeiro nas pessoas e nas famílias, depois em individuais e as necessidades das mães que criam oscomo os programas podem ajudar. A inspiração vem em filhos sozinhas e das viúvas”.seguida. “Terceiro, os conselhos são para aconselhar e Muitos membros precisam de ajuda para encontrar trocar ideias, não para apresentar relatórios e fazeremprego. O conselho do ramo descobriu que os desafios sermões. Crie um clima que favoreça a liberdadedos membros muitas vezes podem ser solucionados local- de expressão, em que toda pessoa e grupo sejammente. Quando o conselho discutia as necessidades de importantes e toda opinião, valiosa.” As pessoas têmuma mãe que cria sozinha uma filha que tem problemas diferentes pontos de vista e formação, portanto cadade saúde, a presidente da Sociedade de Socorro disse que uma delas pode acrescentar uma perspectiva útilsabia de um emprego em que a mãe poderia trabalhar e para a compreensão das necessidades dos membros.ainda ficar perto da filha. Ver Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos, Counseling with Our Councils, 1997, pp. 106, 109, 112. O conselho do ramo também utiliza os recursos daIgreja, como o material do curso de autossuficiência pro-fissional dos serviços de empregos SUD. 2 Eles criaram umcurso, ministrado por um membro do ramo, que ajudava A b r i l d e 2 0 1 2 31
  •  28 crianças da Primária na escadaria do Templo de Pal- myra Nova York. Todas estavam cobertas de picadas de vespa. Por um momento, a fotografia a distraiu da reunião, outros membros da unidade a encontrar empregos e ela concentrou-se brevemente no dia em que a Primá- melhores. ria da ala foi até Palmyra para desfrutar do sentimento À ESQUERDA: ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: JOSHUA J. PERKEY Ramiro Reyes, primeiro conselheiro da presidência do sagrado dos jardins do templo. Infelizmente, quando as ramo, disse o seguinte sobre o conselho do ramo: “Somos crianças estenderam os cobertores, mexeram acidental- instrumentos nas mãos do Senhor. Ele vai atingir Suas mente em um ninho de vespas. metas por meio de nosso trabalho”. Depois que todas as crianças foram atendidas, as líde- res convidaram as crianças a tocar o templo. As crianças Um Caminho para o Templo se recusaram porque tinham medo de que houvesse mais Em Liverpool, Nova York, EUA, quando a presidente vespas. Então, os pais e líderes formaram uma fila e cria- da Primária Melissa Fisk foi à reunião do conselho da ala, ram um caminho até o templo. Isso deu às crianças cora- teve um vislumbre da força que ele tem. Ao apanhar um gem para seguirem adiante. caderno em sua sacola, ela encontrou uma fotografia de Quando Melissa voltou sua atenção para a reunião QUEM ESTÁ ENVOLVIDO NO CONSELHO Os seguintes líderes do sacerdócio e das auxiliares participam do conselho DA ALA OU DO RAMO? em duas funções: (1) como membros do conselho de ala que ajuda o bispo a encontrar soluções para as necessidades e preocupações da ala e (2) como Bispado Secretário da Ala Secretário Executivo Líderes do Líder da Missão O bispado é respon- “O secretário da ala “O secretário exe- Sacerdócio de da Ala Melquisedeque O líder da missão sável por todos os registra as decisões cutivo prepara a O líder do grupo de da ala coordena o membros, organiza- tomadas e as desig- agenda da reunião do sumos sacerdotes empenho da ala na ções e atividades da nações atribuídas nas conselho da ala. (…) e o presidente do realização do trabalho ala. O bispo preside o reuniões do conselho O bispo pode também quórum de élderes missionário. Ele traba- conselho da ala, mas da ala. (…) Também pedir que ele ajude a são responsáveis pelo lha com os missioná- pode tomar decisões informa estatísticas acompanhar os encar- bem-estar espiritual e rios de tempo integral melhores depois de relevantes extraídas gos dados aos mem- temporal dos homens e com os missionários trocar ideias com seus do programa compu- bros do conselho da que eles presidem. O de ala. O bispo pode conselheiros e com o tadorizado de manu- ala. (…) [Ele também] bispo pode delegar pedir-lhes que lidere a conselho da ala, se for tenção de registros da pode cuidar da corre- aos líderes do quórum troca de ideias sobre o caso. Igreja.” lação dos trabalhos do e grupo parte do tra- o trabalho missionário (Ver Manual 2: Administração da (Ver Manual 2, 4.6.4.) conselho da ala e do Igreja, 4.1; 4.2.) balho que ele realiza nas reuniões do conse- comitê executivo do com as famílias. lho de ala. sacerdócio.” (Ver Manual 2, 7.) (Ver Manual 2, 5.1.3.) (Ver Manual 2, 4.6.5.)32 A L i a h o n a
  • do conselho da ala, pensou: “Seria muito bom se todos conselho da ala, viu genuíno afeto e preocupação. Umpudessem estar cercados de amigos e líderes tão amoro- sorriso estampou-se em seu rosto. “O Senhor realmentesos ao progredirem rumo ao templo”. preparou caminhos para que Seus filhos sejam protegidos Seus pensamentos foram interrompidos quando ela e amados”, pensou ela. “O conselho da ala!”ouviu a presidente da Sociedade de Socorro comentar Tal como aconteceu em Joplin, em Puerto Francisco desobre uma irmã necessitada: “Ela não estava na Igreja no Orellana e em Liverpool, os líderes da Igreja no mundodomingo passado. Vou cuidar para que as professoras inteiro continuam a descobrir as bênçãos dos conselhosvisitantes a informem da próxima caravana ao templo”. de ala e ramo. Ao fazerem isso, eles utilizam a extraordi- “Eles estão passando por momentos difíceis neste exato nária força desses conselhos para ajudar o Senhor a aben-momento”, acrescentou o presidente do quórum de élde- çoar Seus filhos e cumprir Sua obra. ◼res. “Vou pedir um relatório dos mestres familiares e ver se NOTAShá algo que possamos fazer.” 1. M. Russell Ballard, Counseling with Our Councils: Learning to Minister Together in the Church and in the Family, 1997, p. 102. “As moças poderiam ajudar servindo como babás”, 2. O Curso de Autossuficiência Profissional, Livro de Exercícios dodisse a presidente da Moças. Participante (código nº 35163 059) está disponível por intermédio do store​LDS​org, dos serviços de distribuição ou dos centros de . . Quando Melissa olhou para o rosto dos membros do recursos de emprego da Igreja.representantes de suas respectivas organizações. Eles trabalham juntos comamor para servir e fortalecer as pessoas e famílias da ala ou do ramo. (As refe-rências a alas e bispados também se aplicam a ramos e presidências de ramo.)Presidente da Socie- Presidente Presidente Presidente Presidente da Escoladade de Socorro dos Rapazes das Moças da Primária DominicalA presidente da O presidente dos A presidente das A presidente da O presidente daSociedade de Socorro Rapazes procura for- Moças procura fortale- Primária representa Escola Dominical érepresenta as mulhe- talecer os rapazes da cer as moças da ala de as crianças da ala de responsável por todares acima de dezoito ala de doze a dezoito doze a dezoito anos. dezoito meses a onze a instrução sobre oanos da ala. Ela faz anos. Auxiliado por Ela tem a responsabili- anos. A perspectiva evangelho durantetudo a seu alcance seus conselheiros, ele dade de “ajudar cada dela será muito útil a Escola Dominical.para ajudar as mulhe- ajuda a presidência do moça a ser digna de quando o conselho “Comparece à reu-res a aumentar sua Sacerdócio Aarônico fazer e guardar con- da ala abordar uma nião do conselho dafé e retidão pessoal, (bispado) e super- vênios sagrados e de questão que afete as ala preparado parafortalecer as famílias visiona o programa receber as ordenanças crianças da unidade. sugerir maneiras pelase lares e ajudar os de escotismo, onde do templo”. (Ver Manual 2, 11.) quais os membrosnecessitados. houver. (Ver Manual 2, 10.1.1.) poderiam melhorar(Ver Manual 2, 9.) (Ver Manual 2, 8.3.4.) o aprendizado e o ensino na Igreja e no lar.” (Ver Manual 2, 12.2.2.)Para aprender mais sobre como ter sucesso em seu chamado, visite a Biblioteca de Treinamento de Liderança, disponível em vários idiomas em leadershiplibrary​LDS​org. . . A b r i l d e 2 0 1 2 33
  • NOSSO L A R , NOSSA FA MÍLIA Rosemary M. Wixom Presidente Geral da Primária Ter Tempo para Conversar e Ouvir Nosso esforço intencional de comunicar-nos melhor hoje vai abençoar nossa família para toda a eternidade. N um mundo ideal, toda criança voltaria O profeta Moisés nos ensinou em da escola para casa e seria recebida Deuteronômio: com um prato de biscoitos de choco- “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu late recém-saídos do forno, um grande copo coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu de leite gelado e uma mãe disposta a reservar pensamento. um tempo para conversar e ouvir como foi o E estas palavras, que hoje te ordeno, esta- dia da criança. Não vivemos em um mundo rão no teu coração; ideal, por isso pode eliminar os biscoitos e o E as ensinarás a teus filhos e delas falarás leite, se quiser, mas não elimine o “tempo que assentado em tua casa, e andando pelo cami- você passa conversando e ouvindo”. nho, e deitando-te e levantando-te” (Deutero- Há 29 anos, o Presidente James E. Faust nômio 6:5–7; grifo da autora). (1920–2007), Segundo Conselheiro na Primeira Eu poderia acrescentar mais uma: “E Presidência, lamentou que os membros da famí- quando estiverem reunidos à mesa para jantar lia passassem tão pouco tempo juntos. Pensem juntos”. nisso — há 29 anos — ele disse em uma confe- Se quisermos que nossa família esteja unida rência geral: “Um dos principais problemas das para sempre, precisamos começar o processo famílias, hoje em dia, é que passamos cada vez hoje. O tempo que passamos com os filhos é menos tempo juntos. (…) O tempo que passa- um investimento em nossa família eterna, ao mos juntos é precioso: precisamos desse tempo trilharmos o caminho que nos conduz à vida para conversar, para ouvir, para encorajar e para eterna juntos. mostrar como fazer coisas”.1 Uma mãe de Illinois, EUA, contou como Ao dedicarmos tempo aos filhos e conver- conseguiu encontrar tempo para conversar sarmos com eles, passaremos a conhecê-los e com os filhos: eles nos conhecerão. Nossas prioridades, os “Quando nossos filhos eram pequenos, verdadeiros sentimentos de nosso coração, adquiri o hábito de assistir a alguns programas passarão a fazer parte de nossas conversas de televisão de que gostava muito. (…) Infe- com cada filho. lizmente, os programas iam ao ar na mesma Qual é a mensagem mais importante de seu hora em que as crianças se deitavam. coração que vocês gostariam de compartilhar (…) A certa altura, dei-me conta de que com seu filho? tinha colocado meus programas no topo34 A L i a h o n a
  • da lista de prioridades, bem acima de meus mães, dizendo: Não duvidamos de que nossasFOTOGRAFIA DA IRMÃ WIXOM © BUSATH PHOTOGRAPHY; ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: BRADLEY SLADE filhos. Por algum tempo, tentei ler histórias de mães o soubessem” (Alma 56:48). ninar com a TV ligada, mas eu sabia no cora- Foram “as palavras de suas mães” que os ção que não era a melhor coisa a fazer. Ao ensinaram. Enquanto conversavam com os refletir sobre os dias e as semanas que perdi filhos, aquelas mães ensinaram a palavra de vendo televisão, comecei a sentir-me cul- Deus. pada e decidi mudar. Levou um tempo para convencer-me de que realmente conseguiria Preservar a Comunicação Pessoal desligar a TV. Muita coisa boa advém das conversas, e o Umas duas semanas depois de abandonar o adversário conhece o poder da palavra profe- hábito de ver televisão, senti o fardo ser remo- rida. Ele adoraria diminuir o Espírito que entra vido. Dei-me conta de que me sentia melhor, em nosso lar quando conversamos, ouvimos, e até de certa forma mais pura, e soube que incentivamo-nos mutuamente e fazemos coi- tinha tomado a decisão correta.” 2 sas juntos. A hora de dormir é o momento perfeito A última tentativa frustrada de Satanás no para conversar. intuito de impedir a restauração do evangelho Helamã disse o seguinte sobre os jovens de Jesus Cristo nesta dispensação foi quando guerreiros: “Repetiram-me as palavras de suas tentou interromper uma conversa muito A b r i l d e 2 0 1 2 35
  • Quando ouvimos, vemos dentro do cora- ção das pessoas a nosso redor. O Pai Celes- tial tem um plano especial para cada um de Seus filhos. Imaginem se pudéssemos ter um vislumbre do plano que há para cada filho. E se pudéssemos saber como aumentar seus dons espirituais? E se pudéssemos saber como motivar um filho a atingir seu potencial? E se pudéssemos saber como ajudar cada filho a passar da fé pueril para um testemunho? Como podemos saber? Podemos começar a saber ouvindo. Um pai santo dos últimos dias disse: “Bene- ficio mais meus filhos quando os ouço do que quando falo com eles. (…) Aprendi gradual- mente que meus filhos não querem minhas respostas prontas, comprovadas e sábias. (…) Para eles, é mais importante poderem fazer perguntas e falar de seus problemas do que receber minhas respostas. Geralmente quando terminam de falar, se eu tiver ouvido bem importante entre Joseph Smith e Deus, o Pai, e pelo tempo suficiente, eles realmente não e Seu Filho Jesus Cristo. precisam de minha resposta. Já encontraram Citando as palavras de Joseph: “Imediata- sua própria resposta”.4 mente se apoderou de mim uma força que Leva tempo para concentrar-nos nas coi- me dominou por completo; e tão assombrosa sas que mais importam. Conversar, ouvir foi sua influência que se me travou a língua, e encorajar não são coisas que acontecem de modo que eu não podia falar” ( Joseph rapidamente. Não podemos apressá-las nem Smith—História 1:15). programá-las. Acontecem melhor ao longo do O adversário adoraria travar nossa língua: caminho. Acontecem quando fazemos coisas qualquer coisa que nos impedisse de expres- juntos. Quando trabalhamos juntos, criamos sar verbalmente nossos sentimentos, face a juntos e brincamos juntos. Acontecem quando face. Ele se deleita com o distanciamento e a nos desligamos dos dispositivos tecnológicos, distração; deleita-se com o barulho; deleita-se deixamos de lado as distrações do mundo e com a comunicação impessoal: qualquer coisa nos concentramos uns nos outros. que nos prive do calor de uma voz e do sen- Isso é uma coisa difícil de fazer. Quando timento pessoal que advêm de uma conversa paramos e desligamos tudo, precisamos estar face a face. preparados para o que acontecerá em seguida. A princípio, o silêncio pode ser sufocante; Ouvir o Coração de Nossos Filhos pode surgir um horrível sentimento de perda. Ouvir é tão importante quanto falar. O Sejam pacientes, esperem apenas mais alguns Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos segundos — então desfrutem. Dediquem toda Doze Apóstolos, disse: “Se ouvirmos com a sua atenção às pessoas a seu redor, fazendo amor, não precisaremos ficar pensando perguntas a respeito delas e começando a no que falar. Isso nos será dado (…) pelo ouvir. Pais, conversem sobre um interesse de Espírito”.3 seu filho. Riam sobre o passado e sonhem com36 A L i a h o n a
  • o futuro. Uma conversa tola às vezes pode juntos, e no carro, quando estamos indo paratransformar-se numa discussão significativa. algum lugar”. Néfi escreveu: “Falamos de Cristo, regozi-Priorizar Nosso Propósito Eterno jamo-nos em Cristo, pregamos a Cristo”. Por Em abril passado, quando visitava uma quê? Para que nossos jovens saibam em queclasse das Moças, a professora pediu que fonte procurar a remissão de seus pecadostodas escrevêssemos nossas dez prioridades. (ver 2 Néfi 25:26).Rapidamente comecei a escrever. Tenho de A maneira pela qual conversamos, ouvi-admitir que a primeira coisa que me veio à mos, incentivamo-nos mutuamente e fazemosmente foi “Número 1: limpar a gaveta de lápis coisas juntos em família vai levar-nos parada cozinha”. Depois de terminarmos, a líder mais perto de nosso Salvador, que nos ama.das Moças pediu que lêssemos em voz alta Nosso esforço intencional de comunicar-nosnossas listas. Abby, que tinha recentemente melhor hoje — neste mesmo dia — vai aben-feito doze anos, estava sentada a meu lado. çoar nossa família para toda a eternidade. Tes-Foi isto o que Abby escreveu: tifico que quando falamos de Cristo, também nos regozijamos em Cristo e na dádiva da 1. Ir para a faculdade. Expiação. Nossos filhos virão a saber “em que 2. Tornar-me decoradora de interiores. fonte procurar a remissão de seus pecados”. ◼ 3. Fazer missão na Índia. Extraído da transmissão via satélite de um discurso de 4. Casar no templo com um ex-missionário. conferência das estacas de Salt Lake City, proferido em 5. Ter cinco filhos e uma casa. 24 de outubro de 2010. 6. Enviar meus filhos para a missão e a NOTAS faculdade. 1. James E. Faust, “Enriching Family Life”, Ensign, maio de 1983, p. 41. 7. Tornar-me uma vovó que sabe fazer 2. Susan Heaton, “Talk Time Instead of TV Time”, Ensign, outubro de 1998, p. 73. biscoitos. 3. Jeffrey R. Holland, “Ser-me-eis Testemunhas”, 8. Mimar meus netos. A Liahona, julho de 2001, p. 16. 4. George Q. Durrant, “Pointers for Parents: Take Time to 9. Aprender mais a respeito do evangelho Talk,” Ensign, abril de 1973, p. 24. e desfrutar a vida. 10. Voltar a viver com o Pai Celestial. Eu digo: “Obrigada, Abby. Você me ensinouo que é ter a visão do plano do Pai Celestialpara todos nós. Quando você sabe que estánum caminho, mesmo com os desvios quevierem a surgir, estará muito bem. Quandoseu caminho está direcionado para a metafinal, que é ser exaltada e voltar a viver com oPai Celestial, você conseguirá chegar lá”. Onde foi que Abby obteve essa noção deum propósito eterno? Isso começa no lar.Começa em nossa família. Perguntei a ela: “Oque você faz em sua família para criar essasprioridades?” Esta foi sua resposta: “Além de ler as escri-turas, estamos estudando Pregar Meu Evange-lho”. Depois, ela acrescentou: “Conversamosmuito — na noite familiar, enquanto jantamos A b r i l d e 2 0 1 2 37
  • VOZES DA IGREJAOS MIRTILOS E O LIVRODE MÓRMONH á alguns anos, nossa família mudou-se de uma congestio-nada e vibrante metrópole para uma e sacolas no carro e passamos uma hora muito agradável e deliciosa colhendo mirtilos. Certa manhã, nosso em ramos nos quais ele tinha certeza de já ter procurado antes. Nessa mesma época, os líderespequena propriedade rural, perto de filho caçula, Hyrum, parecia não que- dos jovens de nossa ala desafiaram osum pequeno vilarejo. Nas proximi- rer acompanhar-nos. Ele tinha certeza adolescentes a ler o Livro de Mórmondades, havia uma fazenda de mirtilos de que apanhara todos os mirtilos e de capa a capa antes do início doabandonada, e por meio de amigos que seria perda de tempo voltar ali ano letivo, em agosto. Nossos filhosdo dono, conseguimos permissão novamente. Quão surpreso ele ficou aceitaram o desafio e nossa família separa apanhar todos os mirtilos que ao descobrir mais mirtilos do que comprometeu a unir-se a eles nessaquiséssemos. nunca. Havia cachos em lugares que empreitada. Em várias manhãs de cada semana ele deixara passar e alguns dos frutos Assim que terminamos o Livrodaquele verão, empilhamos baldes mais suculentos estavam crescendo de Mórmon, chegou a revistaHyrum tinha certeza de que colhera todos os mirtilos que haviae que seria um desperdício de tempo voltar novamente para afazenda de mirtilos.
  • A Liahona de agosto de 2005, com o desafio do Presidente Gordon B. SENTI QUE Hinckley (1910–2008) de ler o Livro DEVIA VIR de Mórmon inteiro até o final do ano. Hyrum e seu irmão Joseph ficaram muito animados, pensando que já tinham obedecido ao profeta! D ois anos e meio depois de meu batismo em Buenos Aires, Argen- tina, as palavras de um dos élderes Então, seus irmãos mais velhos, Seth que me ensinaram ainda ressoavam e Bethany, lembraram a eles que o em meus ouvidos: “Sei que você é Presidente Hinckley tinha pedido um missionário”. Também me lembro que o lêssemos de novo, não impor- da vigorosa resposta que tive quando tando quantas vezes já o tivéssemos orei para saber se o sentimento que feito. havia penetrado como uma lança em “Mas por quê?” perguntaram os meu coração era realmente verda- meninos. “Lemos cada palavra dele, e deiro. Aos vinte anos, eu sabia que Ao entrar, vi o Leandro sentado em o que mais há para aprender além do devia me preparar para a missão. meu quarto. O Espírito caiu sobre mim, que já lemos?” Mas como poderia ser missionário? e me senti sem fôlego. Depois de alguns momentos de Em nada eu me assemelhava aos rapa- silêncio, alguém mencionou os mirti- zes angelicais que me ensinaram o no quarteirão para respirar um pouco los. “Lembram quando achamos que evangelho. E como poderia largar meu de ar puro. Quando lembrei que tínhamos colhido todos os mirtilos emprego? Onde iria morar depois de havia deixado a porta de casa aberta, que havia? Mas quando voltamos, voltar para casa? Tinha sido muito difí- porém, voltei para casa. Ao entrar, vi sempre havia mais mirtilos: sempre! cil encontrar o lugar onde eu morava, o Leandro sentado em meu quarto. Não importava quantas vezes fôs- mesmo sendo apenas um pequeno O Espírito caiu sobre mim, e me senti semos, não importava quão recen- quarto nos fundos da casa de alguém. sem fôlego. Com uma voz quase temente, sempre havia mirtilos aos Ao caminhar para casa certa noite, engasgada de emoção, perguntei a montões.” esses sentimentos e essas dúvidas ele: “O que está fazendo aqui?” Rapidamente reconhecemos o mais uma vez me assolaram a mente. “Não sei”, respondeu ele. “Simples- paralelo. Tal como a fazenda próxima Quando cheguei em casa, tentei mente senti que tinha que vê-lo.” e seus deliciosos mirtilos em profu- tomar uma decisão. Decidi ajoe- Contei-lhe sobre as dúvidas que são, o Livro de Mórmon é uma fonte lhar-me e fazer uma oração pedindo estava tendo sobre a missão. Ele constante de nutrição espiritual, com ajuda. Ao fazer isso, tive uma forte prestou seu testemunho para mim e novas verdades a serem descobertas. impressão de que deveria ir ver o me incentivou. Depois, ajudou-me a Portanto, começamos novamente a Leandro, um amigo que tinha sido preencher meus papéis para a mis- ler o Livro de Mórmon. uma grande força para mim em são, que levei para meu bispo no dia Ao aceitar o desafio do profeta, li momentos de tristeza. seguinte. Dois meses depois, recebi coisas no Livro de Mórmon que já Mas o pensamento de ter que meu chamado para a Missão Argen- tinha lido muitas vezes antes, mas as andar até a casa dele à meia-noite me tina Salta. vi de um modo diferente ou as com- fez hesitar. Eu sabia que ele acordava Sei que meu amigo foi um instru-ILUSTRAÇÕES: G. BJORN THORKELSON preendi aplicadas a novas situações cedo para ir trabalhar, e não tinha mento nas mãos do Senhor naquela ou desafios. Sei que toda vez que coragem de bater à porta dele àquela noite e do fundo do coração sei que o lemos sinceramente o Livro de Mór- hora. Lutei contra o pensamento, mas Pai Celestial ouve as orações que são mon, descobrimos coisas novas e nos continuei a sentir-me impelido a ir proferidas com um coração sincero e achegamos ao Salvador. ◼ vê-lo. Mesmo assim, decidi ignorar. real intenção, e responde a elas. ◼ Suellen S. Weiler, Georgia, EUA Em vez disso, decidi dar uma volta Aldo Fabio Moracca, Nevada, EUA A b r i l d e 2 0 1 2 39
  • V ozes da I greja EU VOU papel, ouvi uma voz dizer: “Volte para o quarto dele”. Parei de escrever e reconheci. “Você é membro da Igreja?” perguntei. MORRER! olhei atrás de mim. Não havia nin- Ele tentou fazer que sim com a guém ali. Achei que tinha imaginado cabeça e depois me disse que era C omo enfermeira de uma movi- mentada unidade de recupera- ção pós-cirúrgica, recebi uma ligação a voz, quando subitamente ouvi pela segunda vez, porém mais alto. Corri de volta para o quarto do Bill oficiante de ordenanças no Templo de Atlanta Geórgia. Ele tentou conter as lágrimas e disse: “Eu vou morrer!” certa noite referente a um paciente e vi que seu pescoço tinha dobrado Eu lhe disse que ele não ia morrer chamado Bill, que tinha sido subme- de tamanho, e ele estava com dificul- e declarei enfaticamente: “Vou me tido a uma cirurgia. Ele deveria ter ido dade para respirar. Achando que sua casar no Templo de Atlanta no mês para uma unidade de terapia inten- artéria carótida tinha sido perfurada, que vem, e você estará lá”. A equipe siva, mas foi encaminhado para mim pressionei seu pescoço com a mão cirúrgica chegou então e levou o Bill porque aquela unidade estava lotada. direita enquanto usava a esquerda embora às pressas. O paciente chegou pouco depois para ligar para o neurorradiologista No entusiasmo de meus preparati- com a família. Fiquei aliviada de ver que tinha realizado a cirurgia dele. vos para o casamento durante o mês que ele estava consciente, orientado e O cirurgião disse que enviaria uma seguinte, quase me esqueci do Bill, aparentemente sem dor. equipe para buscar o Bill o mais que tivera uma reação à medicação. Depois de medir seus sinais vitais e breve possível. “E não remova a sua Mas quando a diretora me levou para me familiarizar com ele e sua família mão!” comandou. a sala de selamento, no dia de meu em seu quarto, fui para o corredor Enquanto continuava a pres- casamento, vi um rosto conhecido: a para fazer uma anotação no prontuá- sionar, percebi um livro da Igreja mulher do Bill, Georgia. Quando eu rio dele. Assim que a caneta tocou o ao lado da cama do Bill que logo lhe disse que ia me casar, ela foi pro- curar o Bill. Momentos antes do início da cerimônia, a porta se abriu e ele O cirurgião disse que enviaria uma entrou. Após semanas de dores de equipe para buscar o Bill o mais breve possível. “E não remova a sua mão!” cabeça, náusea e fraqueza, o Bill se comandou. sentira suficientemente bem naquele dia para ir até o templo, sem saber que era o dia de meu casamento. Dois anos depois, meu marido e eu fomos chamados para ser ofician- tes no Templo de Nashville Tennes- see. Quando chegamos ao templo para ser designados, um homem abriu a porta para mim e disse: “Bem- vindos ao Templo de Nashville!” Era o irmão Bill. Servimos juntos por três anos. O Bill contou para todos que eu havia salvado sua vida, mas eu sabia que fora o Senhor que o salvara. Nesse processo, Ele me ensinou a impor- tância de atender aos sussurros do Espírito. ◼ Ramona Ross, Tennessee, EUA
  • TALVEZDEVÊSSEMOS ORARN a primavera de 1975, minha família e eu morávamos em umabela e verdejante propriedade ruralna região da Renânia-Palatinado, naAlemanha Ocidental. Ao voltarmosde carro da Igreja para casa, em umdomingo de chuva, paramos paraver um automóvel capotado ao ladoda estrada molhada, à beira de umafloresta. Dentro da floresta já estavaescuro, por causa da espessa coberturade árvores e porque a noite já estavachegando. Depois de olhar para o veículodestroçado, voltamos para o carro edescobrimos que ele estava atoladona lama. Não podíamos voltar, maspodíamos entrar com o carro florestaadentro. Já tínhamos passado de carro Voltei a acender os faróis, apanhei nossa lanterna e, depois de examinar o carro,pela floresta e sabíamos que muitas decidi que era melhor voltar para dentro da floresta.das estradas da floresta estavam inter-conectadas e que acabaríamos encon- depois de examinar o carro, decidi ajuda. Ao orar, um pensamento metrando uma saída, portanto decidimos que era melhor voltar para dentro da veio com muita clareza à mente:prosseguir para dentro da escuridão. floresta e depois tentar voltar em alta “Use as correntes antiderrapagem”. Rapidamente me dei conta de que velocidade pelo caminho que percor- Atolada em 25 cm de lama, ves-havia tomado a decisão errada. A rêramos na vinda. tindo sua roupa de domingo, minhaestrada estreita e molhada estava cheia Recuei o carro até onde foi pos- querida esposa segurava a lanterna,de poças profundas de lama e nos sível para dentro da floresta, acele- enquanto eu limpava os pneus trasei-levava cada vez mais para dentro da rei um pouco, lancei-me de volta à ros usando só as mãos e instalava asfloresta. Tentei manter a velocidade, estrada e atolei fundo na lama. Vi correntes. Com fé e confiança, oramostemendo que se parasse acabaríamos então que estávamos mesmo em novamente, e dei a partida no motor.atolados. Vi um ponto mais alto à apuros. Fora do carro reinava a maior Lentamente, saímos da lama e acaba-frente que parecia firme o suficiente escuridão e silêncio. Dentro do carro, mos voltando à estrada asfaltada.para suportar o peso do carro. Meu minha mulher e eu estávamos senta- No entusiasmo de nos ver livres daplano era conseguir tirar o carro da dos com três crianças aterrorizadas. lama e da escuridão, quase me esquecilama para dar-me tempo para pensar. Pedi alguma sugestão para minha de quem nos havia ajudado a sair daO carro arrancou e saiu da lama. mulher. Depois de pensar um pouco, floresta. Nossa filhinha de cinco anos Desliguei o carro e saí dele. Com ela disse: “Talvez devêssemos orar”. me lembrou, ao dizer: “Papai, o Paios faróis desligados, não conseguia As crianças se acalmaram quase que Celestial realmente responde a nossasenxergar nada. Voltei a acender os imediatamente. Fiz uma humilde, orações, não é mesmo?” ◼faróis, apanhei nossa lanterna e, porém desesperada, oração pedindo Scott Edgar, Utah, EUA A b r i l d e 2 0 1 2 41
  • Todo Mundo Conhece o Bleck Adam C. Olson Um Homem em Missão Revistas da Igreja Embora o time em que Bleck jogasse na P ara Honoura “Bleck” Bonnet, o basquete época fosse patrocinado pela Igreja, Bleck significava tudo. Aos quinze anos, Bleck tinha pouco interesse pela Igreja ou pelo man- era uma estrela em ascensão na Poliné- damento do profeta de que todo rapaz digno sia Francesa — um dos melhores jogadores e capaz servisse missão. de um dos melhores times da melhor divisão Ele já dissera a seu bispo que não iria para adulta do país. Embora seu apelido fosse um a missão. Não conseguia ver como poderia erro de grafia da palavra inglesa black, seu jogar profissionalmente se parasse por dois talento era indiscutível. anos. Mas ele queria mais. Queria jogar profissio- Além disso, os Jogos do Pacífico Sul — rea- nalmente na Europa. E mais do que qualquer lizados a cada quatro anos — aconteceriam Honoura “Bleck” e coisa, queria ganhar uma medalha de ouro durante sua missão, e a Federação de Bas- Myranda Bonnet há nos Jogos do Pacífico Sul. quete do Taiti estava interessada em escalá-lo muito estão envolvi- dos com o basquete O único obstáculo que parecia estar em seu para a seleção nacional. Ele finalmente teria a no Taiti. caminho era a Igreja. chance de dar fim às palavras que seu pai dizia toda vez que Bleck começava a ficar muito convencido: “Todo mundo conhece o Bleck, mas ele não tem uma medalha de ouro”. O pai de Bleck, Jean-Baptiste, dizia essas palavras de forma bem-humorada. Mas elas deixavam Bleck muito incomodado. Eram FOTOGRAFIAS: ADAM C. OLSON, EXCETO QUANDO INDICADO EM CONTRÁRIO um lembrete de que embora os fãs de bas- quete do Taiti inteiro o conhecessem, ele não conquistara uma medalha nos jogos. Seu pai ganhara uma medalha de ouro com o time masculino nos primeiros Jogos do Pacífico Sul. A missão de Bleck era dar um fim àquelas palavras. Ele não tinha tempo para nenhuma outra missão. Mudança na Mente e no Coração A despeito de seus sentimentos sobre a missão, Bleck ainda participava das atividades42 A L i a h o n a
  • JOVENS ADULTOS
 A paixão de Bleck pelo basquete foi tanto um teste quanto uma bênção. A b r i l d e 2 0 1 2 43
  • da Igreja. Em um baile da Igreja, quando vontade do Senhor acima da dele. A decisão tinha dezesseis anos, Bleck criou coragem não foi fácil. A pressão para jogar era grande. para convidar Myranda Mariteragi para dan- Descobriu rapidamente que sua resolução de çar. Myranda também jogava basquete muito submeter-se à vontade do Senhor seria testada bem e sonhava ganhar sua própria medalha mais de uma vez. de ouro. O pai dela também estivera naquele Depois de ele ter servido como missionário “A felicidade advém primeiro time vitorioso. no Taiti por um ano, a federação de basquete de uma vida condi- Segundos depois de ele a ter convidado, perguntou se ele poderia retornar para o time zente com o que o a música terminou. Eles então dançaram a por pelo menos um mês para participar dos Senhor deseja música seguinte, que acabou sendo a última jogos. de nós.” da noite. A essa altura Bleck não queria que O presidente de missão de Bleck, preo- Presidente Thomas S. o baile terminasse. cupado com o efeito que aquilo teria na Monson, “A Preparação Traz Bênçãos”, A Liahona, Bleck não planejava casar-se no templo decisão de Bleck de retornar para servir no maio de 2010, p. 67. ou mesmo casar-se com um membro, para campo, sentiu-se inspirado a dizer-lhe: “Você dizer a verdade. Mas isso começou a mudar pode ir, se quiser, mas não poderá voltar”. à medida que conheceu melhor Myranda nos Bleck queria aquela medalha, porém dois anos seguintes. Um dia, na casa dela, não mais acima de tudo. Sua missão tinha algo que ela fizera numa atividade das Moças sido maravilhosa. Ele não estava disposto a chamou-lhe a atenção. Estava escrito: “Vou me abrir mão de seu último ano, mesmo pelo casar no templo”. basquete. O interesse de Bleck por Myranda e o firme Bleck ficou. compromisso dela de casar-se no templo foram O time ganhou ouro. suficientes para fazê-lo reavaliar seus planos. Ele decidiu começar a levar a Igreja a sério. Diferentes Circunstâncias, Mesma Decisão Suas decisões levaram a ações que permitiram Depois de concluir honrosamente a missão, que o Espírito Santo atuasse em sua vida. Bleck casou-se com Myranda no Templo de Papeete Taiti, e começaram uma família. Ele A Decisão também voltou a jogar na equipe nacional. Uma dessas decisões foi a de prepa- Myranda estava jogando como armadora rar-se para receber a bênção patriar- na seleção nacional feminina e preparando-se cal aos dezoito anos. Quando o para os Jogos do Pacífico Sul. patriarca disse na bênção que Entretanto, com os jogos se aproximando, o Bleck serviria missão e casa- casal começou a sentir fortemente que deveria FOTOGRAFIA DE BOLA DE BASQUETE: TAMARA RATIETA © IRI ria no templo, ele sentiu ter um segundo filho. o Espírito. “Eu sabia que Faltando menos de um ano para os jogos, era aquilo que o Senhor teria sido fácil adiar outro bebê por tempo queria que eu fizesse”, suficiente para que Myranda pudesse jogar. O diz ele. time feminino tinha uma boa chance de sair Embora a equipe nacio- vitorioso. nal parecesse ter boas Mas o casal tinha aprendido por experiên- chances de conquistar uma cia própria que a submissão de suas vontades medalha, Bleck decidiu, com o ao Senhor proporcionara bênçãos maiores apoio da família, que colocaria a do que qualquer coisa que poderiam esperar44 A L i a h o n a
  • JOVENS ADULTOS
seguindo seus próprios desejos. Depois de de ouro”, conjectura ele. “Talvez eu tivesse Para Bleck e Myranda,cuidadoso estudo e oração, decidiram colocar jogado profissionalmente, talvez não.” o êxito no esporte teve de ser relegadoa família em primeiro lugar. Mas o casal não se arrepende das decisões a segundo plano para Em 1999, quando Myranda estava grávida que tomou. Eles não conseguem imaginar que pudessem serde oito meses, o time feminino ganhou ouro. como poderiam ser mais felizes. bem-sucedidos em sua “Casei-me no templo”, diz Bleck. “Tenho família.Todo Mundo Conhece o Bleck uma ótima esposa, quatro lindos filhos e ainda Bleck e Myranda tiveram a oportunidade estou na Igreja. O basquete por si só nãode jogar basquete nos mais altos níveis, na poderia dar-me nada disso. Essas são bênçãosPolinésia Francesa, durante a década pas- que recebemos por ter colocado o Senhor emsada — vencendo torneios e copas nacionais primeiro lugar.”e integrando a seleção nacional nos jogos de O fato de ter posto o Senhor em primeiro2003 e 2007. lugar não pôs fim às provocações de seu pai, Nos jogos de 2011, ambos participaram, mas as palavras ganharam um novo signifi-só que dessa vez Bleck era o técnico do time cado. Há alguns anos, quando a federaçãomasculino. Embora Myranda e o time femi- cogitou marcar os jogos da liga aos domingos,nino tenham conquistado a medalha de ouro, os presidentes dos clubes reuniram-se parao time masculino ganhou bronze, deixando discutir o assunto. Alguém perguntou: “Vocêsnovamente de realizar o sonho de Bleck de perguntaram ao Bleck?”conquistar uma medalha de ouro. Desistiram da proposta. Bleck às vezes imagina como sua vida teria Por Bleck ter colocado o Senhor emsido se ele tivesse feito o que queria em vez primeiro lugar, todo mundo não apenasde o que o Senhor queria. conhecia o Bleck — eles sabiam no que ele “Provavelmente eu teria uma medalha acreditava. ◼ A b r i l d e 2 0 1 2 45
  • Perguntas e Respostas “ or que preciso ir P ao seminário se posso simplesmente estudar as escrituras sozinho?” V ocê terá todo o restante de sua vida para estudar as Felicidade escrituras por si mesmo, portanto se estiver a seu O seminário abre meu dia. Ele alcance, aproveite a oportunidade que terá no semi- me torna uma pessoa mais feliz e nário de estudar as escrituras com excelentes profes- mais disposta a conversar a sores e amigos agora. respeito do evangelho com as A oportunidade de aprender e estudar sob a direção de um bom pessoas. Nós nos aprofundamos professor ajuda você a ganhar novas perspectivas sobre escrituras mais nas escrituras, por isso que talvez ainda não tenha compreendido plenamente. O professor compreendo mais. também poderá compartilhar ensinamentos de profetas e de outros Madi S., 15 anos, Colorado, EUA líderes da Igreja que lhe darão melhor compreensão das escrituras. Além disso, geralmente é mais agradável aprender com sua Combinação Perfeita turma. Você terá a chance de conversar sobre as coisas que desco- O seminário é uma experiência brir ao ler. Seus colegas podem ter tido experiências pessoais que pessoal inspiradora. Às vezes, tornaram algumas escrituras suas favoritas. Ao ouvir essas expe- não basta estudar por conta riências, as escrituras vão adquirir vida para você. E por estudar o própria. O estudo pessoal e o evangelho com outras pessoas, você poderá desfrutar esta bênção seminário são uma combinação prometida: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome perfeita. Os professores são (…), eis que aí estarei no meio deles” (D&C 6:32). incríveis, e se tivermos dúvidas, eles e os O seminário também cria uma estrutura para seu estudo. Você colegas podem ajudar a saná-las. será motivado a ler em certa velocidade, e isso o ajudará a termi- Dawson D., 15 anos, Idaho, EUA nar cada livro de escrituras. Você terá a oportunidade de discutir e memorizar os versículos de conhecimento das escrituras. Você terá Mais Compreensão a garantia de aprender mais das escrituras ao fazer o seminário do Quando estudo as escrituras que por quase qualquer outro método nesta época de sua vida. sozinha, não me divirto tanto como quando estudo com outras pessoas. Além disso, podemos aprender coisas interessantes Novos Amigos, Novas Ideias com os outros, quando estuda- No seminário, você fará novos amigos, e vocês se mos as escrituras juntos. Por meio do seminá- sentirão próximos uns dos outros, como em uma famí- rio, aprendi muitas histórias interessantes e lia. Aprenderão muitas coisas novas que não conhece- conheço mais sobre o fundamento histórico riam sozinhos. É divertido e muito espiritual. Ele das escrituras, o que torna o estudo mais assegura que você comece bem seu dia. Se ainda não emocionante! Fico feliz por ter decidido fazer participa, comece agora, e ele vai mudar sua vida. o seminário. Katarina B., 16 anos, Califórnia, EUA Rebecca M., 16 anos, Schleswig-Holstein, Alemanha As respostas são auxílios e pontos de vista, não pronunciamentos doutrinários oficiais da Igreja.46 A L i a h o n a
  • JOVENS
Um Testemunho Mais Forte Luz e Verdade conta própria, talvez eu não tenha Primeiro, o Senhor diz Quando vou ao seminá- uma compreensão tão profunda que quando duas ou rio, busco luz e verdade como quando minha professora me três pessoas se reúnem e visto toda a armadura ensina. Com a orientação e o ensino em Seu nome, Ele de Deus (ver D&C dela, posso aprender muito mais do estará com elas (ver 27:15–18). Essa arma- que sozinha. Mateus 18:20; D&C dura me ajuda a reco- H. Chen Yuan, 16 anos, T’ai-chung, Taiwan6:32). O fato de sentirmos Seu Espí- nhecer Sua voz em todos osrito pode ajudar-nos a ponderar o momentos e em todos os lugares. Oque Ele fez por nós. Segundo, ao estudo diário das escrituras fortalece AS BÊNÇÃOSestudar as escrituras com outros, minha fé e meu testemunho e me DO SEMINÁRIOpodemos compreender melhor o que ajuda a ser forte em minhas prova- “Conheço o poder queestá escrito. Ao escutarmos uns aos ções. A frequência ao seminário é advém das associaçõesoutros, podemos ouvir algo que não uma das melhores maneiras de que desfrutamos nostínhamos notado por nós mesmos, e encontrar luz e verdade e de estudar programas do semi-o mesmo pode acontecer com os as escrituras e meditar. nário e do instituto.outros quando compartilhamos nosso Nohemi M., 17 anos, Puebla, México Enriqueceu minha vida, e sei que faráconhecimento. Terceiro, quando vou o mesmo por vocês. Ele vai erguer umao seminário, meu testemunho é Três Motivos escudo de proteção à sua volta parafortalecido. O seminário é uma opor- Primeiro, como quero servir missão, mantê-los livres das tentações e prova-tunidade para compartilhar nosso frequento o seminário. Os missioná- ções do mundo. Há uma grande bênçãotestemunho e ouvir o testemunho de rios precisam acordar cedo e estudar no fato de termos um conhecimento dooutras pessoas. Ele nos ajuda a man- o evangelho pela manhã. A frequên- evangelho. E não conheço melhor lugarter-nos no caminho certo. cia ao seminário me ajuda a desen- para os jovens da Igreja adquirirem umDmitri G., 16 anos, Dnipropetrovsk, Ucrânia volver o bom hábito de acordar cedo. conhecimento especial de coisas sagra- das do que nos programas do instituto e Segundo, pela manhã, estamos com a do seminário.”Aprender com os Outros mente clara, portanto podemos con- Élder L. Tom Perry, do Quórum dos Doze O seminário é algo centrar-nos em nosso aprendizado Apóstolos, “Receive Truth”, Ensign, novem- indispensável para mim. e estudo. É sábio usar as melhores bro de 1997, pp. 61–62. Não apenas meu dedi- horas do dia para aprender a respeito cado professor me de Deus. Terceiro, quando estudo por ensina e explica as verdades encontradasnas escrituras, mas também aprendomuito em nossos debates em sala deaula. Os outros alunos compartilham PRÓXIMA PERGUNTA Envie sua resposta até 15 de março de 2012, pelo site liahona​LDS​org, por e-mail para . .suas experiências pessoais com ascoisas que aprenderam e me ajudam a “ omo explico a meu C liahona@​ DSchurch​org, ou pelo correio para: L . Liahona, Questions & Answers 5/12adquirir mais conhecimento do evan- amigo por que não é 50 E. North Temple St., Rm. 2420gelho, do Salvador e de Sua Expiação. uma boa ideia quebrar Salt Lake City, UT 84150-0024, USANão basta estudar sozinho, porque As respostas podem ser editadas por motivodescobri algumas das respostas para a lei da castidade?” de espaço ou clareza.meus problemas nos debates em As seguintes informações e a permissãoclasse. Posso testificar que o seminário precisam constar de seu e-mail ou de sua carta: (1) nome completo, (2) data de nascimento,desempenha uma parte vital no (3) ala ou ramo, (4) estaca ou distrito, (5) suadesenvolvimento de meu testemunho permissão por escrito e, se for menor deda verdadeira Igreja de Jesus Cristo. dezoito anos, a permissão por escrito (aceita-seDenzel J., 15 anos, Samoa Ocidental por e-mail) de um dos pais ou responsável, para publicar sua resposta e fotografia.
  • Seminário, POR QUÊ? A seu ver, qual é a coisa mais importante que um estudante pode aprender com o seminário e oPARTICIPE DO instituto? Quando um grupo de alunos do semi-SEMINÁRIO EDIFIQUE O nário fez essa pergunta ao Comissário do Sistema Educa-“O seminário irá ajudar vocês ALICERCE DA cional da Igreja, o Élder Paul V. Johnson, dos Setenta, elea entender e a confiar nos FELICIDADE E respondeu que a coisa mais importante que podemos DO SUCESSOensinamentos e na Expiação ganhar é “o testemunho real de que Jesus é o Cristo. Ade Jesus Cristo. Vocês irão “Os programas do seminá- compreensão de que o conhecimento real é o conheci- rio ajudarão vocês, rapazessentir o Espírito do Senhor ao mento espiritual. É algo que vem do Espírito para nossa e moças, a edificarem osaprender a amar as escrituras. alma, individualmente. É a verdade mais vigorosa, a alicerces da felicidade e doIrão se preparar para o temploe o serviço missionário. coisa mais forte que pode advir do seminário e do insti- sucesso na vida.” Jovens, peço que partici- tuto. Isso não apenas muda o que você sabe, mas muda Élder Richard G. Scott, dopem do seminário. Estudem quem você é e muda como você encara o mundo. E Quórum dos Doze Apóstolos, “Agora É a Hora de Servir emas escrituras diariamente. esse tipo de educação superior ajuda a tornar sua outra uma Missão!” A Liahona, maioEscutem aos seus professores educação completa” (“A Higher Education”, New Era, de 2006, p. 88.atentamente. Apliquem fervo- abril de 2009, p. 15).rosamente o que aprenderem.” O Élder Johnson é uma das várias Autoridades GeraisPresidente Thomas S. Monson, que falaram a respeito das maravilhosas bênçãos decor-“Participate in Seminary”,seminary​.LDS​.org. rentes da frequência ao seminário e instituto. Então, se você está se perguntando por que deve ir ao seminário, aqui estão mais algumas boas razões dadas pelos profe- tas e apóstolos.
  • JOVENS
 APRENDA AS VERDADES DO EVANGELHO “Gostaria que todo rapaz e moça pudessem frequentar o seminário, porque é nele que vão aprender muitas verdades do evangelho. O seminário é onde muitos deles determinam na mente os ideais do que vão fazer, e assim vão para a missão.” Presidente Spencer W. Kimball (1895–1985), “President Kimball Speaks Out on Being a Missionary”, New Era, maio de 1981, p. 49. DESCUBRA TRÊS COISAS QUE O SEMINÁRIO PODE FAZER “Há três coisas muito fortes DÊ PRIORIDADE que o seminário pode fazer.FOTOGRAFIA DE SPENCER W. KIMBAL: CORTESIA DOS ARQUIVOS DA IGREJA. AO SEMINÁRIO Primeiro, ele reúne jovens “Alunos, se seus valores forem que compartilham os corretos, não hesitarão em abrir mão mesmos valores. Os jovens de um curso optativo que vai ador- gostam de estar com outros nar seu currículo em favor de uma que compartilham sua fé e instrução que vai firmar os alicerces amam as escrituras. Segundo, de sua vida. Então, depois de matri- ele coloca os jovens junto cularem-se, frequentem, estudem e CONVIDE BÊNÇÃOS com um professor que tem aprendam. Convençam seus amigos PARA SUA VIDA um testemunho, e eles a fazer o mesmo. Jamais vão se “Sinto-me grato pelo sistema do seminário podem sentir o ardor desse arrepender disso, eu lhes prometo.” da Igreja e pelo programa do instituto da testemunho quando é pres- Presidente Boyd K. Packer, Presidente do Igreja. Quero pedir a todo aluno do ensino tado. Terceiro, o seminário Quórum dos Doze Apóstolos, “Agency médio que tire proveito do programa do coloca os jovens dentro das and Control”, Ensign, maio de 1983, p. 67. seminário. Sua vida será bem mais abençoada escrituras.” se fizer isso.” Presidente Henry B. Eyring, Presidente Gordon B. Hinckley (1910–2008), Primeiro Conselheiro na “Excerpts from Recent Addresses of President Primeira Presidência, “Uma Gordon B. Hinckley”, Ensign, dezembro de 1995, Conversa a Respeito do Estudo p. 67. das Escrituras”, A Liahona, julho de 2005, p. 8. FORME-SE NO SEMINÁRIO “Frequente regularmente o semi- nário e forme-se nele. A instrução oferecida no seminário é uma das mais significativas experiências espirituais que um jovem pode ter.” Presidente Ezra Taft Benson (1899–1994), “To the ‘Youth of the Noble Birthright’ ”, Ensign, maio de 1986, p. 44; “To the Young Women of the Church”, Ensign, novembro de 1986, p. 82. A b r i l d e 2 0 1 2 49
  • O SEMINÁRIOnas Florestas do EquadorNuma selva remota, o seminário está fazendo uma grandediferença para esses jovens.Joshua J. Perkey único jovem. Mas continuamos cres-Revistas da Igreja cendo. Logo tínhamos seis, depois dez, e agora ainda mais jovens”.À leste de Quito, Equador, pas- Como alguns jovens iam à escola sando os vulcões e a Cordi- pela manhã e outros à tarde, foram lheira dos Andes, descemos organizados dois horários de aula dorapidamente para a Floresta Amazô- seminário — um pela manhã, das 8nica. Ali encontramos densas flores- horas às 9 horas, e outro à tarde, dastas, rios caudalosos, macacos, tucanos 16h30 às 17h30.e até botos-cor-de-rosa. Talvez não haja muitos jovens no Também encontramos uma cidade programa, mas para os jovens quechamada Puerto Francisco de Orel- estão frequentando, o semináriolana. É um lugar bem distante de, mudou sua vida.digamos, todo o restante do Equador.Há quinze anos, havia relativamente Por que Frequentar?poucas pessoas na região. Mas a “O seminário é uma grande bênçãodescoberta de petróleo atraiu indús- para mim”, diz Luis V., recém-converso.trias, pessoas à procura de emprego e “O seminário me ajuda a preparar-memembros da Igreja. para ser um bom missionário. Enfrentei muitos desafios e tentações desde queO Seminário num Pequeno Ramo entrei para a Igreja, mas tenho sido Alguns jovens, como Oscar R., já capaz de manter-me firme porque seieram membros quando o ramo foi que estou fazendo o que é certo.”formado, mas a maioria era de recém- E Luis não é o único que se senteconversos. E uma chama arde no cora- assim. “Tornei-me membro da Igrejação deles. “Somos fortes”, diz Oscar. há pouco tempo”, diz Ariana J., “mas Em setembro de 2010, só um ano tenho frequentado o seminário desdedepois de ter sido criado, o ramo deu que fui batizada. Sinto-me feliz porinício ao programa do seminário. frequentá-lo porque aprendi muitas “Quando começamos a nos reu- verdades a respeito do evangelho de nir, há poucos anos”, diz Jesus Cristo que enchem meu cora- Oscar, “éramos bem ção de esperança e minha mente de poucos. Eu era o entendimento”.
  •  JOVENS
 O seminário fortalece jovens como esses do Equador, muitos dos quais são recém-conversos. A frequência ao seminário ajudou estou no caminho certo que vai me Ariana a alicerçar-se no evangelho. dar a oportunidade de voltar a ver “Para mim, é uma bênção participar meu Pai Celestial. O Espírito Santo dessas aulas”, diz Ariana. “Elas for- me dá essa certeza. Só tenho que me talecem meu espírito e me ajudam esforçar e perseverar até o fim.” a preparar-me para que um dia eu Puerto Francisco de Orellana, Equa- possa ser uma boa esposa, mãe, líder Sem Necessidade de Ficar Nervoso dor, todo o esforço é válido. na Igreja e talvez uma missionária de Para Walter A., o seminário, a prin- “Quando penso em prosseguir tempo integral.” cípio, foi um pouco assustador. “Eu com firmeza, como dizem as escri- O irmão de Ariana, Gerardo, sente estava nervoso na primeira vez que turas”, explica Abel, “acho que isso vim”, conta ele. “Mas quando entrei significa determinar nossas priori- na sala, senti-me especial, porque dades na vida. O seminário é uma percebi o amor que sentimos quando delas. Assim como ele mudou minha estudamos as escrituras. E quando vida, pode fazer o mesmo por outros saí, senti-me fortalecido, com felici- jovens”. dade no coração pelo que aprendi. Mesmo nos confins mais longín- Uma das maiores bênçãos que o Pai quos de uma selva do Equador, a Celestial reservou para os jovens é o Igreja de Jesus Cristo e seu pro- seminário.” grama de seminário para os “A Igreja de Jesus Cristo dos San- jovens estão enriquecendo tos dos Últimos Dias mudou minha e mudando a vida daqueles vida”, diz Abel A., que está se pre- que decidem permitir que o mesmo. “Sinto-me grato pelo fato parando para servir missão. “Estou isso aconteça. ◼ de o seminário ter-se tornado uma aprendendo sobre os ensinamentos parte importante de minha vida”, diz dos profetas. Amo Joseph Smith. Ele ele. “Está me preparando para servir foi valente ao levar a efeito a Res- missão um dia. Aprendi nele sobre tauração da Igreja, a despeito de o plano de salvação que o Senhor todos os problemas que isso lhe preparou para mim. Cada aula a que causou. Quero ser valente como assisto dá-me a esperança de que ele foi.” posso herdar o reino celestial e a Muitos jovens têm de certeza de que recebi o evangelho de fazer sacrifícios para Jesus Cristo.” frequentar o seminário. Gerardo às vezes fica muito can- Nem sempre é fácil, sado durante as aulas. Ele primeiro mas para os jovens de tem que levar o irmão caçula à escola e depois volta rapidamente para casa e busca a irmã para pode-FOTOGRAFIAS: JOSHUA J. PERKEY rem ir ao seminário. Mas isso não é um problema para ele. “Tudo isso é total novidade para mim, mas sinto-me muito feliz”, diz Gerardo. “Sei que
  • O QUE VEM DEPOIS — casada ou solteira — entre 18 e 30 anos de idade pode frequentar. DO SEMINÁRIO? Onde posso encontrar o instituto? Algumas áreas possuem prédios do instituto perto de colégios e universi- A formatura do seminário não é o fim de seus estudos dades. Em outras regiões, as aulas são religiosos. Algo maravilhoso ainda está reservado para você. ministradas nas capelas da Igreja ou em outros lugares. Entre em contato com seu bispo ou presidente de ramo David A. Edwards para saber a respeito do programa de Revistas da Igreja instituto de sua área ou visite o site N o seminário você estuda as institute​LDS​org para encontrar um . . escrituras e provavelmente instituto perto de você. se reúne regularmente com outros de sua idade. Você se sente Por que devo assistir às aulas bem-vindo e pode sentir o Espírito. do instituto? Então, quando tiver concluído o semi- FATOS SOBRE Presidente Thomas S. Monson nário, será que tudo isso chegou ao O INSTITUTO disse: “Faça da participação no ins- fim? De modo nenhum!” Número de alunos: tituto uma prioridade. (…) Pensem O programa do instituto da Igreja mais de 350.000 nisso. Vocês farão amizades, sentirão é o passo seguinte, e você vai adorar. o espírito e terão a fé fortalecida. ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: MEDIA SERVICES Número de locais: Quer esteja indo para a faculdade ou Prometo-lhes que se participarem mais de 2.500 não, você pode continuar a aprender do instituto e estudarem as escrituras sobre o evangelho, preparar-se para Número de cursos diligentemente, seu poder de resistir a missão e para um casamento no disponíveis: 15 cursos básicos, à tentação e de receber orientação do templo e compartilhar experiências além de vários outros cursos Espírito Santo em tudo o que fizerem pessoais com outros de sua idade. personalizados será aumentado” (institute​.LDS​.org, Aqui estão as respostas para Primeiro instituto: Moscow, 21 de maio de 2009). ◼ algumas perguntas básicas sobre o Idaho, EUA (1926) instituto. Há mais informações em Primeiro instituto fora institute​.LDS​.org. dos EUA e do Canadá: México (1959) O que é o instituto? Propósito do instituto: O instituto consiste em aulas de Ajudar os jovens e os jovens estudo do evangelho, incluindo adultos a entenderem e confiarem aulas sobre as escrituras, sobre os nos ensinamentos e na Expiação ensinamentos dos profetas e sobre a de Jesus Cristo, a qualificarem-se preparação para a missão ou para o para as bênçãos do templo e a casamento no templo. Em alguns ins- prepararem a si próprios, suas titutos você pode escolher um entre famílias e outras pessoas vários cursos. para a vida eterna com seu Pai Celestial. Quem pode frequentar? Todos os jovens adultos são vivamente incentivados a assistir às aulas do instituto. Qualquer pessoa52 A L i a h o n a
  • LINHA SOBRE LINHA JOVENS
  II Timóteo 3:16–17 O Apóstolo Paulo ensinou como as escrituras abençoam nossa vida. Toda a Escritura Correção Doutrina “Quando queremos A palavra grega originalmente usada “A verdadeira dou- falar com Deus, na Bíblia significa no sentido literal trina, quando com- oramos; e quando “endireitar novamente”. As escrituras preendida, modifica queremos que Ele o ajudarão a manter-se digno e a as atitudes e o fale conosco, estu- seguir o caminho estreito e apertado comportamento. O damos as escrituras; (ver 2 Néfi 9:41). estudo das doutrinas pois Suas palavras são ditas por do evangelho melhora o comporta- meio de Seus profetas. Ele então nos mento com mais rapidez do que um ensinará, se ouvirmos os sussurros estudo sobre comportamento.” do Espírito Santo. Presidente Boyd K. Packer, Presidente do Quórum dos Doze Apóstolos, “Não Temais”, A Liahona, Se não ouviram a voz Dele lhes maio de 2004, p. 79. falar ultimamente, voltem-se com novos olhos e novos ouvidos às escri- Nota do redator: Esta página não visa constituir uma explicação exaustiva do versículo selecio- turas. Elas são nosso cabo salva-vidas.” nado das escrituras, apenas o ponto de partida Élder Robert D. Hales, do Quórum dos Doze para seu estudo pessoal. Apóstolos, “As Santas Escrituras: O Poder de Deus para Nossa Salvação”, A Liahona, novem- bro de 2006, p. 24. Redarguir Redarguir — repreensão, Boas Obras reprimenda, admoestação Que tipo de boas obras as escrituras ou correção, geralmente o ajudam a preparar-se para realizar? de modo bondoso. Aqui estão algumas das mais óbvias. Você consegue pensar em outras? Instruído Escreva a respeito disso em seu diário. Instruído— educado, • Servir como missionário de tempo ensinado. integral • Cumprir chamados na Igreja (tais como presidências de quórumQUADRO DE PAUL MANN © 2002 IRI e de classe) • Ensinar o Evangelho • Prestar testemunho • Compartilhar o evangelho • Responder a perguntas de amigos sobre a Igreja
  • CAIA Previna grandes problemas futuros consertando pequenos problemas atuais. A Adam C. Olson ndrei adorava aviões desde tornem um risco de vida, tanto em Revistas da Igreja pequeno. Mas embora mui- termos mecânicos quanto espirituais. tos tenham o sonho de voar, a cabeça de Andrei não está nas Manutenção Espiritual nuvens: seu interesse está nas porcas Andrei mora em Bucareste, uma e parafusos. Esse rapaz de dezesseis cidade de aproximadamente dois anos da Romênia está estudando para milhões de pessoas. Entretanto, a ser mecânico de aviões. Igreja é relativamente nova na Romê- AVALIAÇÕES ESPIRITUAIS Na Romênia os jovens podem nia, e só há membros suficientes para “Precisamos realizar escolher se vão frequentar uma formar dois ramos em Bucareste. Ele avaliações espiri- escola do ensino médio para prepa- e sua família moram longe dos outros tuais regulares em rarem-se para a faculdade ou fazer membros de seu ramo. Andrei sente nós mesmos para uma escola técnica. Por causa da a pressão do mundo a seu redor na determinar as áreas paixão de Andrei por aviões, foi fácil escola e entre os amigos. Sabe como nas quais precisamos decidir que iria cursar a escola téc- seria fácil cair — espiritualmente melhorar. nica de aviação. falando — se não estiver em dia com Geralmente percebemos essas peque- Os mecânicos de aviões não con- sua manutenção espiritual. FOTOGRAFIA DE AVIÃO: ISTOCKPHOTO © CHRISTOPHER PATTBERG; À DIREITA: FOTOGRAFIA: ADAM C. OLSON, nas falhas com o auxílio do Santo Espírito. sertam apenas aviões com defeitos. A vida pode ser agitada. Além do (…) Precisamos ouvir atentamente ao Uma de suas atividades mais impor- tempo que passa nos estudos, no fute- que nos for mostrado pelo Espírito, pelos tantes é a inspeção e a manutenção bol e no computador, Andrei também líderes da Igreja, por entes queridos, dos aviões para que não quebrem. tem tempo para orar, jejuar, estudar colegas de trabalho e amigos.” Inspecionam regularmente tudo num as escrituras e cumprir suas respon- Élder Marcos A. Aidukaitis, dos Setenta, “Honesty in the Small Things”, Ensign, setem- avião: dos propulsores à engrenagem sabilidades como sacerdote. Também bro de 2003, p. 30. de pouso e cada peça da aeronave. não deixa de “ir” ao seminário, que faz “Pode ser complicado encontrar o on-line por causa da distância. pequeno problema que derrubaria um Essas coisas fazem parte da manu- avião”, Andrei diz. “Mas encontrar esse tenção espiritual regular que ajuda a problema é mais fácil do que tentar identificar e a corrigir fraquezas antes remontar o avião inteiro novamente.” que levem a um acidente de natureza Um calendário regular de manuten- espiritual com risco de vida. ção e o cumprimento inadiável dele “Há algumas coisas que você sim- são coisas muito importantes — tanto plesmente tem de fazer regularmente para os aviões quanto para os mem- — criando um hábito”, diz ele. “Você bros da Igreja — a fim de identificar não pode deixar que a vida assuma e corrigir problemas antes que se o comando de tudo.”54 L i a h o n a
  •  JOVENS
Quedas Espirituais Andrei aprendeu que se nãofizermos nossa avaliação espiritualregularmente, certas forças como oestresse ou a pressão dos colegaspodem sobrepujar nossa resistência àtentação. Quando isso acontece, nãodemora muito para perdermos nossadireção, nosso controle e, por fim,nosso poder espiritual. Assim como um avião sem forçaperderá altitude, quando pecamos,perdemos força espiritual e altitude,afastando-nos do céu e rumando, cedoou tarde, para uma queda espiritual. Embora seja possível para a Expia-ção do Salvador reerguer-nos depoisde termos caído, é muito melhorconfiar em Seu poder de ajudar-nosa consertar o problema enquanto forpequeno — antes que cause umacatástrofe espiritual.O Perigo de Adiar A ideia de adiar a manutençãomecânica de um avião nunca passoupela mente de Andrei. Adiar nãoé uma opção. “Há leis para isso”,explica ele. Mas se por acaso deixassede fazer a manutenção — apenasuma vez — ele admite que “provavel-mente nada aconteceria”. Talvez o maior problema em adiarnão seja que o avião cairá de ime-diato, mas justamente o fato de que
  • ele não cairá de repente. “Se nada 3 Néfi 18:19). Examinar as escrituras ruim acontece quando adio hoje, é diligentemente (ver 3 Néfi 23:1–5). mais fácil ser tentado a adiar ama- “Que a virtude adorne teus pen- nhã”, diz ele. samentos incessantemente” (D&C Quando a manutenção é constan- 121:45; grifo do autor). Visitar o temente adiada, as forças e as pres- templo regularmente.1 sões exercidas sobre o avião — ou O cumprimento dessas leis e uma sobre nós — farão com que algo manutenção espiritual regular nos falhe mais cedo ou mais tarde. “Inevi- permitirão voar bem. tavelmente cairemos”, conclui ele. “Um avião é feito para sair do chão, É por isso que Deus também nos para deixar o mundo”, Andrei diz. deixou mandamentos a respeito da “É isso que o Pai Celestial quer para manutenção espiritual. “[Reunir-se na nós. Com manutenção regular, chega- Igreja] com frequência” (3 Néfi 18:22; remos em segurança aonde queremos grifo do autor). Orar sempre (ver chegar — de volta ao céu.” ◼ NOTA 1. Ver Thomas S. Monson, “O Templo Sagrado — Um Farol para o Mundo”, A Liahona, maio de 2011, p. 92. FOTOGRAFIA DE ASA: ADAM C. OLSON; FOTOGRAFIA DE PRANCHETA: JOHN LUKE L PIRITUA ÇÃO ESam inspecionar NUTEN DA MA lista de itens que pre ssas próprias cis A ÇÃO m uma VERIFIC ente tê ue façam os no LISTA DEicos de aviões geralm reja recomendaram q n úde espi- s mecâ da Ig sua sa O regula avaliaçõe rmente. O s espiritu a s líderes 1 is regula res. umas pe rguntas q aju dá-lo a e ue podem idas sobre qualq ê tiver dú v xaminar uer uma idente de de suas ramo. estão alg s. Se voc o ou pres Aqui m tempo m o bisp tempos e ais ou co ritual de co m seus p nos converse de? rituras e re spostas, e com sincerida contid a nas esc larmente de Deus □ Oro regu e com a palavra es da Igre ja “Examinai-vos a vós ueteio-m s vivos? as reuniõ □ Banq  s profeta equento entos do nhor e fr mesmos, se permaneceis ensinam co o dia do Se ntade? □ Santifi  e boa vo na fé” (II Coríntios 13:5). en te? ízimo e ofertas d regularm go meu d je jum e pa r aos outr os? tros? □ Faço a perdoa ir aos ou d isposto eios de serv plo? □ Estou mente m Seu exem ro frequente Salvad or e sigo uros? □ Procu empre do nguajar p □ Lem bro-me s ensam entos e li o meus p as coisas ? □ Mantenh m todas onesto e oria? □ Sou h alavra de Sabed 17. 1997, p. □G uardo a P Ensign, maio de the Tru th”, , “True to56 L i a h o n a NOTA Wirthlin seph B. 1. Ver Jo
  • ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE CARY HENRIE; LEÍ E SEU POVO CHEGAM À TERRA PROMETIDA, DE ARNOLDFRIBERG © 1951 IRI; O JOVEM NÉFI SUBJUGA SEUS IRMÃOS REBELDES, DE ARNOLD FRIBERG, CORTESIA DO MUSEU DE HISTÓRIA DA IGREJA; ABINÁDI DIANTE DO REI NOÉ, DE ARNOLD FRIBERG © 1951 IRI (Ver 1 Néfi 19:23). NAS ENTRE Deixe que o seminário transforme você. ESCRITURAS
  • Hora da Conversa “Honrarei meus pais e farei minha parte para fortale- cer minha família” (Meus Padrões do Evangelho). Hilary Watkins Lemon Inspirado numa história verídica “ M uito bem, pessoal. É a hora da conversa”, chamou a mãe. Júlia estivera esperando pela hora da conversa durante todo o dia. Toda noite, Júlia e seus dois irmãos menores, Bruno e Lucas, reuniam-se na sala de estar com a mãe e o pai para conversarem sobre o que estava acontecendo “Estou animada, mas um pouco sem problemas. Mesmo estando em sua vida. nervosa. Estou com medo de errar nervosa, Júlia sorriu quando ouviu Naquela noite, o pai de Júlia alguma coisa na frente de toda a sua música tocar nos alto-falantes disse que a ajudaria a treinar sua escola”, disse Júlia. da escola. Ela estava feliz por ter fala para os anúncios da manhã. Ler “É por isso que treinamos”, disse praticado o texto com o pai e o os anúncios da manhã era um pri- seu pai. “Vá em frente e leia todo o leu devagar e de modo claro, sem vilégio especial na escola de Júlia. seu texto, e apontarei os trechos em nenhum erro. No dia seguinte, Júlia tocaria uma que você pode melhorar.” “Você se saiu muito bem”, pequena parte de sua canção favo- “Obrigada, pai”, disse Júlia. disse a Sra. Marta, a diretora- rita nos alto-falantes de sua escola Ela e o pai repassaram o texto assistente. e usaria o microfone para anunciar tantas vezes que Júlia até perdeu Ao final do dia escolar, Júlia as atividades do dia e o cardápio a conta. Então Júlia ficou de pé e esperava na fila do ônibus. Um do almoço. apresentou seu texto uma última garoto mais velho virou-se e per- Júlia correu para a sala de estar, vez para a família. A mãe e o pai guntou: “Foi você a menina que leu animada para ensaiar sua fala. aplaudiram. Bruno a cumprimen- os anúncios hoje?” “Aí está nossa famosa apresenta- tou com a mão espalmada, e Lucas Júlia sorriu. “Foi, sim”, disse ela. dora!” Disse o pai de Júlia quando sorriu e bateu palmas. “Por que você escolheu aquela ela pulou para o sofá, ao lado dele. Júlia foi dormir feliz e confiante. música?” perguntou o menino. “Era “Como se sente para amanhã?” No dia seguinte tudo ocorreu uma música idiota. Você estragou58 A L i a h o n a
  • CRIANÇ AS
 totalmente os anúncios da manhã.” A mãe de Júlia deu um tapinha Então, ele a chamou de um nome no chão ao lado dela. Júlia cami- N feio e riu com seus amigos. nhou até lá e sentou-se. A mãe Júlia sentou-se sozinha no banco deu-lhe um grande abraço. Júlia e a “ ada é mais impor- tante no relaciona- da frente do ônibus. Estava sentindo mãe conversaram sobre tudo o que um aperto no estômago. havia acontecido naquele dia, inclu- mento entre os membros da Quando Júlia chegou em casa, sive sobre o elogio da Sra. Marta. família do que a comunica- encontrou a mãe brincando com “Sinto muito por aquele garoto ção aberta e honesta.” Lucas. e os amigos dele terem sido rudes Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos, “Mãe, sei que ainda não é a hora com você”, disse a mãe de Júlia. “Como Chama Inextinguível”, da conversa, mas estava pensando “Mas parece que outras pessoas que A Liahona, julho de 1999, p. 103. se poderíamos conversar agora”, você respeita, como a Sra. Marta, disse Júlia. ficaram muito satisfeitas com sua “Claro, Júlia”, disse a mãe. “O leitura dos anúncios. Seu pai e eu que aconteceu? Aconteceu algo estamos muito orgulhosos de você. de errado nos anúncios da manhã?” Você se esforçou bastante e foi “Não”, respondeu Júlia. “Tudo recompensada!” estava perfeito. Pelo menos foi Júlia abraçou a mãe novamente. o que pensei, até que um garoto “Obrigada, mãe”, disse ela. “Sin- me disse que escolhi uma música to-me bem melhor.” Júlia estava feliz idiota. Ele também me chamou de por saber que qualquer hora podia um nome bem feio.” ser a hora de conversar. ◼ILUSTRAÇÕES: JARED BECKSTRAND
  •  CONVERSAR UNS COM OS OUTROS Aqui estão algumas sugestões para poderem conversar em família. de ouvir. Inclua todos! fazer sua própria “hora da conversa” Pode ser durante uma refeição • Respeite as opiniões dos mem- com sua família: ou a uma certa hora do dia. bros de sua família. Certifique-se • Peça a seus pais que reservem • Certifique-se de que todos de que todos sintam que o que alguns minutos todos os dias para tenham sua vez de falar e cada um vai dizer é importante. JOGOS DE CONVERSAÇÃO Precisa de algumas ideias para a hora da conversa? Tente estes jogos: Jogar o saquinho de feijões: Se sua família é grande ou tem dificuldade na hora de revezarem-se, use um saquinho de feijões para mostrar de quem é a vez de falar. Depois que a pessoa que estiver com o saquinho terminar o que queria dizer, jogue o saquinho de feijões para outro membro da família, para que tenha sua vez de falar. Entrevistador: Separem-se em duplas e revezem-se entrevistando um ao outro. Pense em algumas perguntas para fazer a seu parceiro e faça as perguntas a ele. Você pode até usar um microfone de verdade ou um gravador para suas entrevistas. O que Você Faria? Revezem-se fazendo a seus familiares várias perguntas que comecem com “O que você faria … ?” Alguns exemplos são “O que você faria se ficasse perdido?” e “O que você faria se pudesse ir para qualquer lugar do mundo?” AJUDA PARA OS PAIS: TEMPO EM PARTICULAR A ssim como é divertido conversar em família, também é importante para os pais e os filhos passarem um tempo juntos em particular. Aproveite momentos durante o dia para conversar com seus filhos individualmente. Convide um filho de cada vez para ajudá-lo a cumprir uma tarefa doméstica, acompanhá-lo numa caminhada ou conversar em seu quarto por alguns minu- tos. Alguns breves momentos podem levar a conversas mais significativas.60 A L i a h o n a
  • CRIANÇ AS
 Ele Rompeu as LIGADURAS DA MORTE Élder Patrick Kearon Dos Setenta “Eles têm vida eterna por meio de Mais tarde, naquela noite, minha significava que Jesus ressuscitou Cristo, que rompeu as ligaduras da mulher pôs nossa filha de três anos, para que todos pudessem viver de CÀ DIREITA: ILUSTRAÇÃO DE DILLEEN MARSH morte” (Mosias 15:23). Susie, para dormir. Susie olhou para novo depois de morrer. erta noite, quando nossos a mãe e disse: “Mamãe, Jesus come- Aquela conversa deu à minha filhos eram pequenos, está- teu, sim, um erro”. mulher e a mim várias oportuni- vamos lendo as escrituras “Como assim?” perguntou a mãe. dades de ensinar a nossas filhas, em família. Estávamos lendo a res- “Ele quebrou uma coisa”, respon- Lizzie, Susie e Emma, o que a peito do Salvador e comentamos que deu Susie. Expiação realmente significa para Ele nunca cometeu nenhum erro. Um tanto intrigada, a mãe per- cada um de nós. Susie tinha razão: guntou: “O que Ele quebrou?” Jesus realmente “quebrou” as liga- “Jesus quebrou as ligaduras da duras da morte. Mas isso não foi morte”, Susie respondeu. um erro. Foi a maior dádiva que Minha mulher lembrou-se de que Ele poderia nos conceder! (Ver ela e Susie tinham cantado várias Doutrina e Convênios 14:7.) vezes a música da Primária “Em um O Salvador morreu e ressusci- Dia Primaveril”, e Susie tinha apren- tou para que pudéssemos viver dido o significado da letra: “Em novamente com o Pai Celestial e um dia primaveril, Cristo ressurgiu. nossa família, de acordo com nossa [Quebrou as ligaduras da morte], retidão. Se formos dignos, podere- reviveu, da tumba então saiu.” 1 A mos desfrutar as bênçãos da imor- mãe de Susie explicou que quebrar talidade e vida eterna um dia. Sou ou romper as ligaduras da morte grato por Jesus ter “quebrado” algo: as ligaduras da morte! ◼ NOTA 1. “Em um Dia Primaveril”, Músicas para Crianças, p. 57. A b r i l d e 2 0 1 2 61
  • T R A ZER A P R I M Á R I A PA R A C A S A Você pode usar esta lição e atividade para apren- der mais sobre o tema da Primária deste mês. À ESQUERDA: ILUSTRAÇÕES: SIMINI BLOCKER; QUADRO DE PAUL MANN © 1999 IRI; À DIREITA: CRISTO E AS CRIANÇAS DO LIVRO DE MÓRMON, DE DEL PARSON © 1995; A RESSURREIÇÃO, DE HARRY ANDERSON © IRI; DETALHE DE JESUS CRISTO VISITA AS AMÉRICAS, DE JOHN SCOTT © IRI; A ASCENSÃO, DE HARRY ANDERSON © IRI; CRISTO APARECE NO HEMISFÉRIO OCIDENTAL, DE ARNOLD FRIBERG © 1951 IRI; EIS MINHAS MÃOS E MEUS PÉS, DE HARRY ANDERSON © IRI; TRAZEI OS REGISTROS, DE GARY L. KAPP © 1999, REPRODUÇÃO PROIBIDA; IDE E FAZEI DISCÍPULOS JESUS CRISTO É Certo Me Ensina a Escolher o que P ara Tanner, a Páscoa não ressuscitou, Seu espírito foi reunido compartilhar essas boas novas com seria a mesma, este ano. Seu para sempre com Seu corpo, para todo mundo. Decidiu que, antes da avô tinha falecido, e Tanner nunca mais sofrer a morte. Tanner Páscoa, colocaria na entrada das estava triste porque nunca mais aprendeu que, por Jesus ter ressus- casas de seus vizinhos buquês de poderia passar essa época especial citado, todos poderiam ressuscitar flores de primavera com escrituras com ele novamente. um dia, inclusive seu avô! a respeito da Ressurreição de Jesus. Mas durante a Primária, Uma música de Páscoa encheu Pensou nos sorrisos no rosto deles Tanner lembrou que a Tanner de felicidade ao quando encontrassem esse presente razão de comemo- cantar: “Ressuscitou na manhã de Páscoa. ◼ rarmos a Páscoa o Salvador, Venceu NOTA é porque Jesus a morte, vive outra 1. “Ressuscitou o Salvador”, Músicas para vive! Quando Ele vez”.1 Tanner quis Crianças, p. 44. ENTRE TODAS AS NAÇÕES, DE HARRY ANDERSON © IRI Música e Escritura • João 13:15 • Música de sua escolha sobre Jesus Cristo • Músicas sugeridas de Músicas para Crianças: “Ressuscitou o Salvador”, p. 44, “Jesus da Morte Ressurgiu?”, p. 45, “Pra Que Possamos Reviver”, A Liahona, abril de 2005, p. A13, “Hosana ao Senhor”, A Liahona,62 A L i a h o n a abril de 2003, pp. 8–9.
  • CRIANÇ AS
 Atividade do CTR Onde no Mundo? Depois de ressuscitar, Jesus Cristo visitou Je r u s a l é m pessoas não só em Jerusalém, mas tam- bém os justos que viviam nas Américas. Em família, faça uma linha ligando cada figura ao lugar (Jerusalém ou as Améri- cas) onde isso aconteceu. Revezem-se ao ler as escrituras para aprenderem mais sobre o que aconteceu em cada figura. Jesus abençoa as crianças Jesus aparece para Jesus ensina nas Américas 3 Néfi 17:11–25 Maria Madalena 3 Néfi 11:8–11 João 20:14–18 Só Você Você pode fazer seus próprios buquês de Páscoa, tal como o Tanner. Use um pedaço retangular de papel branco ou colorido e siga os passos abaixo. Encha o cone com pequenas flores ou doces para surpreender um amigo ou membro Jesus ascende aos céus Jesus aparece aos justos da família! Atos 1:9–11 3 Néfi 11:1–8 1 2 Jesus mostra Suas feridas a Jesus pede os registros nefitas Jesus aparece Seus Apóstolos 3 Néfi 23:7–13 a Seus Apóstolos Lucas 24:36–40 Mateus 28:16–20Fita adesiva ou cola (Lado oposto) 3 4 A m é r i c a s Fita adesiva ou cola 5 6
  • Eu Quero Ser Como Cristo Eu Quero Ser Como Cristo Simplificado b 3 Com devoção q = 104–116 Letra e música de Janice Kapp Perry &b 4 .. j œ ˙. j œ œ. œ 1œ ˙ 1 5 ˙ œ œ. œ œ 1 2 1 1. Eu que - ro ser co - mo Cris - to, Se - guin - do Seus (2. Eu) que - ro vi - ver ser - vin - do, Meu pró - xi - mo ˙ ? bb 4 3 Œ .. . ˙. ˙. b˙. ˙. 2 1 2 3 4 b j &b ˙ œ . œ. œ œ ˙ 2 1˙ ˙ œ 1 œ pas - sos vou; Eu que - ro a - mar a que - roIa - mar; Es - pe - ro o di - a ? bb ˙ . ˙ œ ˙ ˙. b˙. Œ 2 3 2 3 5 4 b j & b ˙. ˙ œ œ. œ œ ˙ œ ˙. ˙ œ 5 2 1 2 to - dos, tal co - moIE-le sem - preIa - mou. Às lin - do em que meu Je - sus vol - tar. Eu œ ˙. ? bb ˙ . 1 b˙. 2 ˙. 3 ˙. 4 ˙ 5 2 1 ILUSTRAÇÃO: PHYLLIS LUCH © 1980 Janice Kapp Perry. Esta música pode ser copiada para uso na Igreja e no lar, não para fins comerciais. Essa informação deverá constar de todas as cópias.64 A L i a h o n a
  • CRIANÇ AS
 b j&b ˙ œ œ œ œ œ œ. œ œ ˙ œ œ œ œ œ 5 4 2 4 1 ve - zes, eu fi - co ten - ta - doIa fa - zer U - ma coi - sa er - ten - to lem - brar as li - ções que dei - xou, EIo Es - pí - ri - to ˙ ˙ ˙ ˙ ˙? bb œ œ œ œ œ 1 1 1 1 1 5 5 4 5 4 b œ œ ˙ œ œ œ œ&b œ œ œ œ œ œ œ œ œ 1 3 ra - da, mas a mi - nha cons - ciIên - cia diz: “A - meIa seu pró - xi - mo San - to en-traIem meu pen - sa - men - toIe diz:? b œ ˙ ˙. ˙. 1 2 ˙ .. ˙ ˙. 1 b˙. b 5 1 5 4 2 b j œ. œ œ&b œ œ œ ˙. œ. œ œ œ œ œ J 5 1 3 1 3 co - mo Je - sus A - ma vo - cê e seus pas - sos con -? bb ˙ . 3 ˙. 1 ˙. 2 ˙. 3 ˙. 4 [ b œ. œ œ œ&b ˙ œ J œ œ œ œ œ ˙ œ œ 3 duz. Gen - til e bon - do - so vo - cê de - ve ser EIo e -? bb ˙ . 1 ˙. 1 b˙. 2 ˙. 3 b˙. 4 ] b œ. œ ˙. .. ˙ . 1. 2.&b œ j œ œ œ ˙. ˙ ˙ ˙. ˙ ˙ Œ 1 5 1 2 5 3 4 1œ 4 1 1 xem - plo de Cris - toIa - pren - der”. 2. Eu der”.? bb ˙ . ˙. Œ .. ˙ . Œ ˙. ˙ ˙ 1 5 5 A b r i l d e 2 0 1 2 65
  • Irmãs no Nome FOTOGRAFIA DAS IRMÃS: ADAM C. OLSON; ILUSTRAÇÃO DO BOLO E DOS BROWNIES: THOMAS S. CHILD e na Fé Heather Wrigley Revistas da Igreja M aria e Diana D. não são apenas irmãs; são também grandes amigas. Diana tem dez anos de idade, e Maria fez doze em agosto. Elas vivem na Romênia, onde há aproximadamente 3.000 membros da Igreja. Elas mantêm forte sua fé em Jesus Cristo indo à Igreja, lendo as escritu- ras e orando. “Na Igreja aprendi que preciso ter fé em Deus”, diz Maria. Um dia ela tinha uma prova, então orou ao Pai Celestial em nome de Jesus Cristo pedindo ajuda. Ao tirar uma boa nota, sentiu que o Pai Celestial a tinha ajudado. Diana diz que o Livro de Mórmon a ajuda a ter fé. “Todo dia em que leio o Livro de Mórmon, tenho um bom dia”, diz ela. Sua história favorita das escrituras é a história de Joseph Smith. “Ele orou, e Deus e Jesus Cristo o ajudaram”, diz ela. ◼ CHOCOLATE A sobremesa favorita das duas irmãs é chocolate. Maria gosta de brownies, e Diana gosta de bolo de chocolate.66 A L i a h o n a
  • CRIANÇ AS
MÚSICA FAVORITATanto Maria quanto Dianatocam piano. A músicafavorita de Maria é “Amai-Vos Uns aos Outros”. Essehino fala sobre o man- damento que Jesus nos deu de amar as outras pessoas. Diana consegue tocá-lo quase perfeita- mente, mas o final é a parte mais difícil, diz ela. EU GOSTO DE VER O TEMPLO Tanto Maria quanto Diana querem se casar no templo um dia. Elas moram no Distrito do Templo de Kiev Ucrânia. Quando tiver mais idade, Diana irá ao Templo de Kiev Ucrânia para fazer batismos pelos mortos. Maria já tem idade suficiente para ir. O templo fica a cerca de 800 qui- lômetros de distância. A FAMÍLIA EM PRIMEIRO LUGAR Maria e Diana amam seus pais. “Mamãe nos faz sentir que melhoramos, quando estamos doentes”, Maria diz. “Papai nos leva à escola”, conta Diana. HINOS O hino favorito de Diana é “Lá na Judeia, Onde Cristo Nasceu”, que fala do nascimento de Jesus Cristo. Os membros da Romênia usam o hinário verde da Igreja. “Imnuri” significa “hinos” em romeno. A b r i l d e 2 0 1 2 67
  • TESTEMUNHA ESPECIAL O que posso fazer para seguir o plano que o PAI CELESTIAL O Élder Richard G. Scott, tem para mim? do Quórum dos Doze Apóstolos, expõe algumas ideias sobre o assunto. Aprenda sobre o grande plano de felici- Ouça a voz dos profetas antigos e modernos. dade estudando as escrituras. Obedeça aos sentimentos internos que vêm Quando necessário, procure conselho e orienta- ção de seus pais e líderes do sacerdócio. ILUSTRAÇÕES: BRAD TEARE dos sussurros do Espírito Santo. Extraído de “The Joy of Living the Great Plan of Happiness” [A Alegria de Viver o Grande Plano de Felicidade], Ensign, novembro de 1996, p. 75.68 A L i a h o n a
  • CRIANÇ AS
 MEUS PADRÕES DO EVANGELHO Seguirei o plano do Pai Celestial para mim. Lembrarei do meu convênio batismal e ouvirei o Espírito Santo. Escolherei o que é certo. Sei que posso me arrepender quando cometer um erro.Serei honesto com o Pai Celestial, com as outras pessoas e comigo mesmo. Usarei o nome do Pai Celestial e de Jesus Cristo com reverência. Não direi palavrões. No Dia do Senhor farei coisas que ajudem a me sentir mais perto do Pai Celestial e de Jesus Cristo. Honrarei meus pais e farei minha parte para fortalecer minha família. Manterei o corpo e a mente sagrados e puros e não comerei nem beberei coisas que sejam prejudiciais a mim. Irei vestir-me com recato para demonstrar respeito pelo Pai Celestial e por mim mesmo. Lerei e assistirei apenas coisas que sejam agradáveis ao Pai Celestial. Ouvirei somente músicas que sejam agradáveis ao Pai Celestial. Procurarei ter bons amigos e tratar os outros com gentileza. Viverei agora de modo a ser digno de ir ao templo e de fazer a minha parte para ter uma família eterna. SOU UM FILHO DE DEUS Sei que o Pai Celestial me ama, e eu O amo. Posso orar ao Pai Celestial a qualquer hora, em qualquer lugar. Esforço-me para lembrar-me de Cristo e segui-Lo.
  • PA R A A S C R I A N C I N H A S Ver a Alegria da Páscoa Inspirado numa história verídica 1. 2. Eu gosto do cheiro Todos estão animados das flores! para a Páscoa? Elas são tão bonitas! Mais ou menos. Não muito. 3. É o meu favorito também! Achei que vocês dois Adoro ganhar presentes. gostassem de feriados. E gostamos! Meu feriado favorito é o Natal. ILUSTRAÇÕES: JED HENRY70 A L i a h o n a
  • 4. 5. CRIANÇ AS
 Por que vocês não estão animados para a Páscoa? Vocês se lembram do que aconteceu no domingo de Páscoa? A Páscoa é um dia triste. É quando Jesus morreu.6. Eu sei! Jesus voltou a viver! E nós também podemos voltar a viver. 7. 8. É isso mesmo. A Páscoa é Eu adoro a Páscoa. Eu também. um feriado alegre quando celebramos a Ressurreição de Jesus. A b r i l d e 2 0 1 2 71
  • P ara as C riancinhas Passos da Páscoa Jesus Cristo fez um trabalho importante em lugares especiais nos dias que precederam Sua crucificação e Ressurreição. Siga os passos para descobrir para onde Ele foi e o que Ele fez. 2. Jesus entrou em Jerusalém montado em um jumento. Muitas pessoas ficaram felizes de vê-Lo. 6. Jesus ressuscitou. 5. Jesus foi crucificado.72 A L i a h o n a
  • CRIANÇ AS
 1. Jesus ensinou as pessoas num monte chamado o Monte das Oliveiras. 3. Jesus curou os doentes no templo. 4. No Jardim do Getsêmani, Jesus orou ao Pai Celestial e sofreu por nossos pecados.ILUSTRAÇÃO: ADAM KOFORD A b r i l d e 2 0 1 2 73
  • Notícias da Igreja © IRI Acesse news​LDS​org para mais notícias e acontecimentos da Igreja. . . Treinamento Mundial de Liderança Destaca o Caminho para o Crescimento Real Heather Whittle Wrigley Notícias e Acontecimentos da Igreja N a Reunião Mundial de Treinamento de O Casamento e a Família no Plano do Criador Liderança, em 11 de fevereiro de 2012, os “A Igreja é composta de famílias”, disse o líderes da Igreja explicaram o significado de Presidente Boyd K. Packer, Presidente do Quórum “crescimento real” e como adquiri-lo. dos Doze Apóstolos. “As alas e estacas são mera- O Presidente Dieter F. Uchtdorf, Segundo mente circunstanciais. É quando falamos de famí- Conselheiro na Primeira Presidência, e membros lias que vemos o crescimento real na Igreja.” do Quórum dos Doze Apóstolos, a Presidência Ele afirmou que todo marido e pai deveria ser dos Setenta e as presidências das auxiliares da portador e fazer uso do sacerdócio em seu lar, Igreja participaram das instruções ministradas presidindo sobre sua família em retidão. Da mesma aos líderes da Igreja no mundo todo. forma, os líderes do sacerdócio deveriam liderar “Em termos de Igreja, crescimento pode ser defi- com dignidade. Embora os ofícios no sacerdócio nido como ‘membros novos’. (…) Crescimento real, variem, todo digno portador do sacerdócio possui contudo, define-se como ‘crescimento do número de exatamente tanto sacerdócio quanto outro porta- membros ativos’”, explicou o Presidente Uchtdorf. dor (ver D&C 1:20). O Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos O Élder Russell M. Nelson, do Quórum dos Doze Apóstolos, acrescentou: “O crescimento Doze Apóstolos, reforçou que o marido e a mulher, ocorre quando a conversão ao evangelho ao longo o pai e a mãe, devem edificar um relacionamento da vida resulta em aumento de fidelidade em cada de amor, arrependimento e oração para terem pessoa e em cada família”. êxito no fortalecimento e na proteção da família, Esse aumento de fidelidade inclui coisas que não que “é essencial para o plano do Criador para podem ser medidas facilmente, como: oração diária, o destino eterno de Seus filhos” (“A Família — estudo diário das escrituras, noite familiar, amor no Proclamação ao Mundo”, A Liahona, novembro lar e experiências pessoais com a Expiação, disse o de 2010, última contracapa). Presidente Uchtdorf. “Por três vezes, nas escrituras sagradas, é dado “Com demasiada frequência, complicamos a um aviso de que a Terra inteira seria comple- beleza e a simplicidade do evangelho de Jesus tamente destruída no retorno do Senhor, a não Cristo com listas intermináveis de meticulosas ser que algumas condições específicas fossem expectativas”, disse ele. “Porém, ao centralizarmos cumpridas”, ele disse. “A cada vez, esse aviso se o foco no ‘porquê’ do evangelho, grande parte da refere à condição da família humana sem as orde- confusão se dissipa.” nanças seladoras do templo. Sem essas ordenan- Grande parte da transmissão focalizou doutrinas ças de exaltação, a glória de Deus não pode ser e princípios essenciais, que respondem às pergun- completa.” tas que começam com ‘por que’. Para que essa meta final seja atingida — vida “Questões adequadas do tipo ‘por que’ levam eterna e exaltação para todos os filhos de Deus a decisões adequadas quanto a ‘quem’, ‘o que’, — é preciso que ocorra o crescimento real em ‘quando’, ‘onde’, ‘como’ e ‘por que’”, disse o nosso lar, nas alas e nos ramos, e na Igreja como Presidente Uchtdorf. um todo.74 A L i a h o n a
  • D urante a Reunião Mundial de Treinamento de Lide- rança, o Presidente Dieter F. Uchtdorf, Segundo Conselheiro na Primeira Presidência, disse: “A primeira coisa que precisamos fazer é entender. A segunda é colocar nosso entendimento em ação. (…) Há pouco proveito em ouvir a palavra de Deus, se não aplicarmos o que ouvimos à nossa vida”. Ele convidou os líderes da Igreja a fazerem três coisas depois da transmissão da lide-Aplicação do Evangelho O Élder M. Russell Ballard, rança e, em todas as áreas de O crescimento real e a conversão real decorrem do Quórum dos Doze atuação de seu chamado, obterda aplicação do evangelho na vida diária. Durante Apóstolos, fala durante o o máximo proveito das instruçõesuma sessão de perguntas e respostas, o Élder painel de debates realizado dadas pelos líderes da Igreja:L. Tom Perry e o Élder D. Todd Christofferson, como parte da Reunião Mundialdo Quórum dos Doze Apóstolos, explicaram que de Treinamento de Liderança 1. Individualmente e em conse-a aplicação máxima do evangelho é fazer e cum- de fevereiro de 2012. lho, considerar, em espírito deprir os convênios do templo. A obediência aos oração, as instruções recebidasconvênios, disse o Élder Christofferson, pode e descobrir o “porquê” de seutransformar o homem natural em santo, com o serviço e ministério.passar do tempo. 2. Depois de ponderar e debater, Estender a mão para ajudar o próximo é outro determinar algumas açõesimportante aspecto da aplicação do evangelho. específicas que você vai seOs membros são responsáveis individualmente ecomo Igreja por estender a mão e resgatar os que comprometer a implementar.têm necessidades materiais e espirituais, disseram As ações devem ser ajustadasos líderes. às circunstâncias e necessida- Não devemos hesitar em juntar esforços com des de cada organização, ala,outras religiões e organizações de serviço comu- estaca, família ou pessoa.nitário para cuidar dos pobres e necessitados, 3. Assim que tiver feito tal com-disse o Élder Christofferson. Os líderes do sacer- prometimento, acompanhardócio devem assumir a liderança dessa ação con- as ações dentro do âmbito dejunta, mas os membros e os missionários também suas responsabilidades e cha-devem dar apoio a essa função. mados em cada uma de suas Um painel de debate enfatizou o foco no reuniões de conselho.ministério às famílias, no fortalecimento dosportadores do Sacerdócio de Melquisedeque e naedificação da fé e do testemunho entre os jovens.O Élder Ballard e o Élder Neil L. Andersen, doQuórum dos Doze Apóstolos, também participa-ram, ao lado do Élder Ronald A. Rasband, da Pre-sidência dos Setenta; Elaine S. Dalton, presidente A b r i l d e 2 0 1 2 75
  • geral das Moças, e Rosemary M. Wixom, presi- dente geral da Primária. BibleVideos.LDS.org — O Élder Rasband disse que todo líder pre- Um Presente para o Mundo D cisa se envolver no processo de reativação plena dos membros menos ativos, e o Élder urante o Devocional de O material para os vídeos Andersen enfatizou que os jovens precisam Natal da Primeira Presi- é obtido a partir de cenas se envolver mais na reativação e no fortaleci- dência, em dezembro de filmadas no campus do novo mento de outros jovens. 2011, os líderes da Igreja apresen- Estúdio de Filmagens SUD taram o site de Vídeos da Bíblia Sul em Goshen, Utah, onde Como Atingir o Crescimento Real — A Vida de Jesus Cristo como as gravações do Projeto da O crescimento real ocorre quando aplica- um “presente” para o mundo. Biblioteca de Escrituras do mos os princípios do evangelho em nossa vida O site BibleVideos​LDS​org . . Novo Testamento tiveram diária, ressaltou o Presidente Uchtdorf. é uma coleção de vídeos curtos início, em agosto de 2011. “Ao examinarem estes tópicos, pergun- que descrevem cenas da vida O projeto produzirá mais de tem-se a respeito do ‘porquê’ de seu serviço de Cristo, desde o anúncio 100 vídeos curtos retratando a e ministério e o respectivo ‘por isso’ de suas feito pelo anjo sobre o nasci- vida de Cristo, extraídos direta- responsabilidades como pessoa e como conse- mento até a Ressurreição do mente do texto da Bíblia, Versão lho”, disse ele. Salvador. do Rei Jaime. O Presidente Henry B. O site pode ser acessado por Saiba Mais Eyring, Primeiro Conselheiro na dispositivos portáteis e está dis- Você pode ver, ouvir, imprimir e baixar Primeira Presidência, anunciou ponível em inglês (BibleVideos​ os materiais da transmissão em diversos idio- o site durante o devocional. .LDS​org), em espanhol (videos . mas. Basta acessar o site LDS​org/​ tudy/​ ther . s o “Como as escrituras que delabiblia​org) e em português . -addresses e clicar em Worldwide Leadership esses breves vídeos retratam, (videosdabiblia​org). Um apli- . Training. ◼ eles podem trazer serenidade cativo grátis para iPad, também para vocês”, disse ele. “Sua fé disponível, oferece uma nova e o Espírito Santo criarão a maneira de ter contato com as emoção que esses eventos, que histórias da Bíblia por meio da Solicitação de Artigos mudaram o mundo, merecem.” visão, do som e do toque. ◼ A revista A Liahona está interessada em conhecer suas tradições natalinas: • Como a sua família celebra as festas natalinas? Prevê-se que, ao • Que tradições são comuns em sua cultura? final, aproxima- • Que tradições você já criou para que sua família  damente cem e você se aproximassem mais do Salvador? vídeos descre- • Que experiências memoráveis do Natal — parti-  vendo cenas da cularmente aquelas relacionadas a tradições — você poderia relatar-nos? vida de Cristo do Envie suas lembranças e ideias para A Liahona Novo Testamento até o dia 1º de junho de 2012, no endereço liahona@​ estarão dispo- LDSchurch​.org. ◼ níveis no site de Vídeos da Bíblia — A Vida de Jesus Cristo.76 A L i a h o n a
  • PARA OS NOSSOS DIAS IMAGEM: JAMES DALRYMPLE O Élder Christofferson e o Élder Jensen Treinam Membros na ArgentinaN o sábado, 12 de novembro de 2011, o Élder D. Todd Christofferson, do Quórum dos Doze essas decisões nós escolhemos o nosso destino. Ele contou a história de um Apóstolos, e o Élder Jay E. Jensen, amigo que certa noite escolheu da Presidência dos Setenta, falaram beber e dirigir e provocou um a jovens, jovens adultos, líderes do acidente que matou duas pes- sacerdócio, missionários e membros soas. Em contrapartida, contou a em Salta, Argentina. própria história e de sua esposa, que Também estiveram presentes o escolheram adiar o casamento para Élder Mervyn B. Arnold, Presidente que ele pudesse servir uma missão da Área América do Sul Sul; sua quando jovem. esposa, Devonna, e o Élder Ruben “Depois [do meu retorno], nós Spitale, Setenta de Área. A esposa nos casamos no templo. Fizemos do Élder Christofferson, Kathy, e a convênios que temos renovado em esposa do Élder Jensen, Lona, tam- toda nossa vida, a cada semana. Nós bém compareceram. tomamos a decisão que determinou “Isso contribuirá grandemente O Élder Aproximadamente 1.300 jovens nosso destino”, afirmou. para fortalecer seus filhos, mesmo Christofferson e pais participaram do serão onde os A irmã Christofferson falou em quando eles se sentirem sozinhos, e o Élder Jensen oradores foram o Élder Christofferson seguida, prestando testemunho sabendo que seus pais seguem esses falaram aos missionários e o Élder Jensen. Outros 10.000 sobre as bênçãos de cumprir os con- mesmos princípios”, disse ele. da Missão membros em 70 sedes de estaca vênios, e o Élder Christofferson foi o O Élder Christofferson concluiu Argentina em toda a Argentina assistiram à último orador da reunião. seu discurso com uma expressão de Resistencia, transmissão. “A única coisa da qual vocês ver- amor pelos membros na Argentina, em novembro O Élder Jensen, que serviu ante- dadeiramente precisam é ter amor onde ele serviu missão há quase de 2011. riormente como Presidente da Área e fé”, disse o Élder Christofferson. cinco décadas. América do Sul Sul, disse: “Se vocês “É a fé que nos ajuda em nosso Enquanto ainda estavam em não se lembrarem de nada que eu casamento, nossa família, nossa Salta, o Élder Christofferson e o disse, peço-lhes que se lembrem da profissão e nosso emprego.” Élder Jensen também se reuniram frase de um profeta, o Presidente Ele enfatizou que os mandamentos com os missionários locais e com Thomas S. Monson, que eu lhes dão direção a nossa vida e nos ajudam os jovens adultos solteiros, a quem testifico ser um verdadeiro profeta a obter o que realmente importa. eles estenderam o amor da Primeira de Deus. Esta é a frase: ‘As decisões Depois, ele aconselhou tanto Presidência. determinam o destino’”. os jovens quanto seus pais a se Para ler mais sobre o ministério dos Temos o arbítrio, que é a comprometerem a seguir o conselho Apóstolos modernos, visite As Pala- capacidade e o privilégio de tomar encontrado no folheto Para o Vigor vras dos Profetas e Apóstolos de Hoje, decisões, disse o Élder Jensen, e com da Juventude. no site LDS​org. ◼ . A b r i l d e 2 0 1 2 77
  • NOTÍCIAS DOS TEMPLOS A IGREJA NO MUNDO Celebração em Porto Rico Atrai Milhares de Pessoas Em 18 de dezembro de 2011, os membros das cinco estacas de Porto Rico participaram de uma celebração de Natal realizada no Paseo de las Artes, na Cidade de Caguas. Aproximadamente 80 mem- bros da Igreja se apresentaram, e cerca de 2.500 membros da comunidade assistiram. O Templo de Quetzaltenango Guatemala, dedicado em 11 de dezembro Nova Sede de Jovens Adultos de 2011 pelo Presidente Dieter F. Uchtdorf, é o 136º templo da Igreja. É Terceira na África Em 4 de novembro de 2011, os jovens adul- A Dedicação do Templo de Abertura de Terra para o tos da Estaca Soweto África do Sul realizaram Quetzaltenango Guatemala Sétimo Templo no Brasil sua primeira atividade em um novo edifício, que O Templo de Quetzaltenango Em 15 de novembro de 2011, o será usado exclusivamente como sede dos jovens Guatemala foi dedicado no domingo, Élder David A. Bednar, do Quórum adultos. 11 de dezembro de 2011, em três dos Doze Apóstolos, presidiu a ceri- Existem mais de 140 sedes em toda a Europa, e sessões, pelo Presidente Dieter F. mônia de abertura de terra para o algumas outras se espalham pelos Estados Unidos. Uchtdorf, Segundo Conselheiro Templo de Fortaleza Brasil, o sétimo A nova sede em Soweto é a terceira da África; as na Primeira Presidência. As sessões templo da Igreja no país. demais localizam-se na República Democrática do dedicatórias foram transmitidas às “Este templo será uma fonte de Congo e no Zimbábue. congregações da Igreja reunidas no esperança, de luz e de fé em Deus distrito do templo. para todos os que vierem aqui e Abordagem Singular Suscita Perguntas “Que templo maravilhoso”, disse caminharem neste terreno”, pro- Um bloco de papel foi o que originou a ativi- o Presidente Uchtdorf na celebração meteu o Élder Bednar. “Esta cidade dade missionária “Perguntas para Deus” em cultural do sábado, na qual jovens sempre será melhor e diferente, Nizhniy Novgorod, Rússia, em 9 de outubro dançarinos das unidades da área graças ao templo que será cons- de 2011. dançaram, cantaram e apresentaram truído aqui.” No decorrer de várias horas, mais de 150 um espetáculo sobre a história e a O templo será construído na pessoas pararam diante das duas mesas armadas cultura local. “Ele possui um brilho Avenida Santos Dumont, em numa rua movimentada, pegaram uma caneta refulgente como uma joia, e é uma Fortaleza, Ceará, Brasil. O Presidente esferográfica e escreveram suas perguntas. Ao joia para esta área e para este país.” Thomas S. Monson anunciou a todo, 84 perguntas foram escritas no bloco de O Templo de Quetzaltenango construção do Templo de Fortaleza papel. Muitos expressaram o desejo de receber Guatemala é o 136º templo da Igreja Brasil durante a conferência geral uma resposta dos missionários presentes. no mundo e o quinto na América de outubro de 2009. ◼ Central. Esse templo servirá a apro- Para ler mais sobre essa e outras histórias, visite o site news​.LDS​.org. ◼ ximadamente 60.000 santos dos últimos dias.78 A L i a h o n a
  • COMENTÁRIOS IDEIAS PARA A NOITE FAMILIAR Uma Bússola Necessária Esta edição contém atividades e artigos que podem ser usados na noite A revista A Liahona é um farol familiar. Seguem-se dois exemplos. em minha vida. Com ela, eu nunca “As Bênçãos do Seminário,” p. 20. Estude o artigo com ante- me perderei. Acredito que todos os que leem essa revista podem cedência e escolha a melhor maneira de aplicar a mensagem a sua encontrar exatamente aquilo de família. Se seus filhos são adolescentes e frequentam o seminário, inicie que precisam. Sou presidente da perguntando-lhes por que o seminário é importante para eles. Depois leia a seção inti- Primária e vejo como as crianças tulada “Receber as Bênçãos Prometidas”. Incentive as crianças menores a se prepararem gostam de ouvir as histórias conta- para frequentar o seminário quando tiverem idade suficiente. Se os seus filhos não são das na revista sobre outras crianças adolescentes, talvez prefira ler o artigo e depois discutir a importância do seminário para como elas mesmas. A Liahona é os jovens de hoje em dia. uma bússola muito necessária em “Todo Mundo Conhece o Bleck,” p. 42. Cantem juntos “Faze o Bem” (Hinos, nossa vida: ela nos ajuda a evitar nº 147) como hino de abertura. Leia ou resuma a história de Bleck. Peça aos membros as armadilhas de Satanás. da família que contem uma experiência de quando tiveram de tomar uma decisão difícil Yanina Ivanivna Davydenko, Ucrânia para escolher entre caminhos diferentes e quais as consequências decorrentes da decisão tomada. Encerre lendo a citação do Presidente Thomas S. Monson. ◼ As Experiências Trazem Consolo A Liahona tem-me ajudado Simples, Calma e Inesquecível muito, por meio de suas mensa- Aquela foi uma noite familiar inesquecível, com nossas duas filhinhas, Angélique, de gens e artigos. Com a vida agitada seis anos, e Béthanie, de quatro anos. Meu marido e eu tínhamos nos atirado em nossas que levamos, sempre reservo um cadeiras, cansados e sem saber por onde começar. Assim, nossas filhas tomaram a inicia- momento do dia para ler um artigo tiva e giraram a roda de designações da noite familiar, atribuindo uma tarefa para cada da revista que conta a experiência um. Meu marido ficou incumbido de reger, Béthanie da escolha da música, eu fiquei com de outros membros. Esses as atividades e Angélique daria a aula. artigos sempre me ajudam a receber Béthanie escolheu “Eu Gosto de Ver o Templo” (Músicas para Crianças, p. 95), e can- consolo espiritual tamos todos juntos. O papai fez a oração de abertura. Depois, Angélique pegou a edição e renovam meu mais recente da revista A Liahona e escolheu um artigo da seção infantil. Ela estava apren- desejo de retor- dendo a ler na escola e, assim, leu a história para nós. O sentimento predominante era de nar à presença de calma em nosso lar. O Espírito testificou que o que ela estava lendo era verdade. Deus e de Jesus Fizemos algumas brincadeiras e jogos juntos e, por fim, eu fiz a oração de encerra- Cristo com mento. Enquanto orava, não pude deixar de agradecer ao nosso Pai Celestial por Seu minha família. Espírito e Seu amor, e também por ter abençoado nosso lar com esses pequenos espíritos. João Carlos, Brasil Meu marido e eu sabemos que nossa responsabilidade é cuidar deles e ensinar-lhes o evangelho. Fazer a noite familiar é uma parte dessa sagrada responsabilidade. ◼ Envie seus comentários e suas Sylvie Poussin, Réunion sugestões para liahona@​ DSchurch​ L .org. Seus comentários podem ser editados por motivo de espaço ou de clareza. ◼ A b r i l d e 2 0 1 2 79
  • AT É V O LTA R M O S A N O S E N C O N T R A R Bispo Richard C. Edgley Primeiro Conselheiro no Bispado Presidente ESPERANÇA Na privacidade do escritório, fiz apenas uma pergunta: “Por que o estou entrevistando?” NA EXPIAÇÃO Ele relatou seu passado. Quando terminou, começou a explicar as fases e o sofrimento pessoal pelos quais tinha passado. Falou a respeito da Expiação — o infinito poder da C Expiação. Prestou testemunho e expressou onheci pessoas que perderam toda a A esperança seu amor pelo Salvador. Depois ele disse: esperança. Para elas, o arrependimento “Creio que o sofrimento pessoal do Salvador deve estar ali- e o perdão estão fora de seu alcance. no Getsêmani e Seu sacrifício na cruz foram Essas pessoas não entendem o poder purifica- cerçada não poderosos o suficiente para resgatar até dor da Expiação. Ou se entendem, não capta- só no conhe- mesmo um homem como eu”. ram o significado do sofrimento de Jesus Cristo cimento e Tocado pela sua humildade e pelo Espírito, no Getsêmani e na cruz. Para qualquer um de eu disse: “Vou recomendá-lo para servir como nós, desistir da esperança que purifica nossa testemunho, representante de Jesus Cristo”. Em seguida, vida é desqualificar a profundidade, o poder e mas também acrescentei: “Vou pedir-lhe apenas mais uma a extensão de Seu sofrimento por nossa causa. numa indivi- coisa. Quero que você seja o melhor missio- Há alguns anos, durante uma conferência nário de toda a Igreja. Isso é tudo”. de estaca, recebi a designação de entrevis- dualização da Três ou quatro meses depois, minha tar um homem de 21 anos para avaliar sua Expiação. mulher e eu estávamos discursando num dignidade para servir missão. Atualmente as centro de treinamento missionário. Ao fim do Autoridades Gerais não costumam entrevistar devocional, eu estava conversando com os missionários em potencial. Portanto, foi algo missionários quando vi um jovem cujo rosto incomum. Ao ler alguns dos motivos para não me era estranho. minha entrevista, meu coração afligiu-se. Ele perguntou: “Lembra-se de mim?” Aquele rapaz tinha cometido sérias trans- Um pouco constrangido, respondi: “Des- gressões. Acredito que ele tenha inventado culpe-me. Sei que deveria, mas simplesmente algumas delas. Perguntei-me por que me fora não consigo me lembrar”. pedido que conversasse com alguém com um Então ele disse: “Deixe-me dizer quem sou. histórico assim, concluindo que seria muito Sou o melhor missionário do centro de treina- incomum de minha parte aprová-lo como mento missionário”. Acreditei nele. missionário. A esperança daquele rapaz estava alicer- Depois da sessão da noite de sábado da çada não só no conhecimento e testemunho conferência, recolhi-me à sala do presidente da Expiação, mas também numa individua- de estaca para fazer a entrevista. Enquanto lização dessa dádiva. Ele compreendeu que esperava, chegou um belo rapaz com uma ela tinha sido feita especialmente para ele! fisionomia maravilhosa. Perguntei-me como Conhecia o poder da Expiação e a esperança poderia me desculpar, porque era evidente que ela nos dá quando tudo parece perdido que ele queria conversar, e eu tinha de con- ou sem solução. ◼ versar com um rapaz cheio de problemas. Extraído de um devocional proferido na Universidade Então ele se apresentou. Era o rapaz que eu Brigham Young, em 4 de novembro de 2008. Para acessar o estava esperando. texto na íntegra, em inglês, visite o site speeches​byu​edu. . .80 A L i a h o n a
  • FIGUR A S DA S ESCRITUR A S DO LIVRO DE MÓRMON CRIANÇ AS
 N este ano, muitas edições da revista A Liahona trarão um conjunto de figuras das escrituras do Livro de Mórmon. Para que fiquem mais firmes e fáceis de usar, recorte-as e cole-as em cartolina, papelão, sacos de papel ou palitos para trabalhos artesanais. Guarde cada conjunto em um envelope ou saquinho de papel, juntamente com a etiqueta que indica onde encontrar a história das escrituras que acompanha as figuras. Alma Amuleque ZeezromILUSTRAÇÕES: BETH M. WHITTAKER A missão de Alma e Amuleque em Amonia Alma 8–14
  • “Todos nós, em um momento de fraqueza, podemos exclamar: ‘Ninguém compreende. Ninguém sabe’”, escreve o Élder David A. Bednar, do Quórum dosDoze Apóstolos. “Talvez nenhum ser humano saiba. Mas o Filho de Deus sabe e com- preende perfeitamente, porque sentiu e tomou sobre Si nossas cargas antes que as vivenciássemos. E por ter pagado o preço final e tomado sobre Si a carga, Ele tem perfeita empatia e pode estender-nos Seu braço de misericórdia nas muitas fases denossa vida. Ele pode estender a mão, tocar,socorrer — literalmente correr para nós — efortalecer-nos.” Ver “A Expiação e a Jornada da Mortalidade”, página 12.