INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO

on

  • 42,983 views

 

Statistics

Views

Total Views
42,983
Views on SlideShare
42,983
Embed Views
0

Actions

Likes
5
Downloads
401
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO Presentation Transcript

  • INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
  • A expressão industrialização traduz bem este processo detransformação de matérias-primas em mercadorias, desde assuas primeiras fases? Ou essa expressão tem um significadomais amplo?Neste trabalho, objetiva-se fazer uma discussão a cerca daurbanização a partir do desenvolvimento industrial.Como procedimentos metodológicos tivemos a consultabibliográfica, leitura e reflexões de trabalhos científicos queabordam as questões da industrialização e urbanização. Pressuposto teóricos de Industrialização e urbanização; Capitalismo Industrial ; Urbanização via Industrialização; Considerações Finais;
  • 1- INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃOIndustrialização é o processo sócio-econômicoque visa transformar uma área da sociedadeinicialmente retrógrada em uma fonte de maiorriqueza e lucro.Urbanização é um fenômeno relacionado aoprocesso de desenvolvimento da esfera urbana emdeterminadas sociedades, em oposição aodesenvolvimento rural.
  • O processo de urbanização no Brasil inicia-sena década de 50 com o aumento da população eo desenvolvimento do espaço urbano. Osmoradores do campo mudam-se para as cidadesatrás de melhores condições de vida.. Mas,ainda antes, durante o século XVIII, aurbanização começa a se desenvolver, seintensificando, então, durante o século XIX,principalmente após a Segunda GuerraMundial. A taxa de urbanização que em 1940era de 26,35%, em 1980 alcança 68,86%(SANTOS, 1998 - p. 35 e 37).
  • Segundo Maria Adélia A. de Souza (1999) o espaçourbano não se limita a cidade, esta e o espaço rural semesclam.... as expressões sempre estão associadas , como setratasse de um duplo sentido. “Quanto mais intensa é a divisão do trabalho numa área, tanto mais cidades surgem e tanto mais diferentes são uma das outras” (SANTOS, 1998, p. 52).
  • 2- O CAPITALISMO INDUSTRIAL A constituição dos comerciantes em classe social- a burguesia a partir do fortalecimento da atividade comercial e da acumulação de capital decorrente, reforça sobremaneira as condições necessárias ao próprio desenvolvimento capitalista. (SPOSITO, 2001. p. 43)
  • 2.1- A Emergência do trabalho Assalariado A sociedade feudal era estática, com base na relação entre senhor e servo. A ampliação expressiva do comercio, o desenvolvimento de uma economia monetária que transformou o caráter da vinculação das mercadorias e o próprio crescimento das cidades. Com tudo que este crescimento significava, sobretudo o fortalecimento de um espaço fora do domínio feudal- foram acontecimentos históricos que proporcionaram as condições necessárias à corrosão da instituição servil, pois permitiam aos camponeses o rompimento das amarras que os prendiam à economia feudal. (SPOSITO, 2001. p. 44)
  • 2.2- A revolução industrial De fato o que denomina como Revolução industrial, ocorrida na segunda metade do século XVII, foi muito mais do que a decorrência da simples descoberta da maquina a vapor (1969), dos teares mecânicos de fiação (1767, 1768 e 1801), da locomotiva e da estrada de ferro (1829), como alguns livros didáticos afirmam. Muito pelo contrário, estas invenções não se constituem a causa da Revolução Industrial, mas decorrem de processos de transformação pelos quais estava passando o próprio processo de produção industrial desde o século XVI. (SPOSITO, 2001. p. 47)
  • 3- URBANIZAÇÃO VIA INDUSTRIALIZAÇÃO Fonte: Site: www.google.com.br
  • 3.1- Industrialização eCrescimento Populacional Urbano Foi grande o impulso tomado pela urbanização a partir do pleno desenvolvimento da industrialização. A partir da intensificação da produção industrial através do acúmulo de capital e com o desenvolvimento técnico - científico a urbanização ocorreu muito veloz ocasionando problemas relativos ao crescimento urbano.
  • Índices de Mortalidade em Alguns Países EuropeusPeríodo Inglaterra Alemanha França Holanda Espanha País de Gales 1871 21,4% 27,2% 23,7% 24,3% 30,8% 1901-1910 15,4% 18,7% 19,5% 15,2% 25,1%Fonte: Milton Santos – A urbanização desigualEntão apesar de muito intensificada a urbanização não foimaior por causa da mortalidade , mesmo em países que não viviano processo de industrialização.(Espanha).
  • 3.2- As Cidades Depois daRevolução IndustrialA expressão da urbanização via industrialização não deve sertomada apenas pelo elevado número de pessoas que passaram aviver em cidades, mas sobretudo porque o desenvolvimento docapitalismo industrial provocou fortes transformações nos moldesda urbanização, no que se refere ao papel desempenhado pelascidades, e na estrutura interna das cidades.Houve uma transformação da cidade tanto em aspecto físico comona estruturação social, quando a cidade passou da produçãoartesanal para a predominância da produção industrial.
  • 3.3- As Mudanças Estruturaisno Papel das Cidades• Novo ritmo de produção ;• Fortalecimento das relações entre os lugares ;• Ampliação da capacidade produtiva ;• Divisão social do trabalho;• Aumento das relações econômicas entre as cidades;• Mudança da paisagem urbana;
  • 3.4- OS “PROBLEMAS” URBANOSA cidade recebeudiretamente asconseqüências do rápidocrescimento populacionalimprimido pela RevoluçãoIndustrial, e sofreu, a nívelde estruturação de seuespaço interno, muitastransformações. Fonte: google
  • O crescimento das cidadestornou centro a área antescompreendida por todo onúcleo urbano, tornando-seao seu redor uma faixanova, consideradaperiferia. Fonte: google
  • Os problemas urbanos advindos da rápidaindustrialização incentivaram o comportamentoindividual e a separação espacial das classes sociaisdentro da cidade Fonte: google Fonte: google
  • OS MAIORES PROBLEMAS URBANOS A falta de condições sanitárias permitiu o alastramento de surto de cólera pela Europa em 1830. A poluição atingiu até os bairros ricos, a falta de água limpa era problema para todos.
  • 4- CONSIDERAÇÕES FINAISA urbanização antecede a industrialização, embora estatenha colaborado decisivamente para o desenvolvimentourbano.Entender a urbanização a partir do desenvolvimentoindustrial se faz necessário entender o própriodesenvolvimento do capitalismo.
  • No caminho percorrido pelo fenômeno urbano Lefebrevcaracteriza e discute 3 tipos de cidades: cidadepolítica, cidade mercantil e cidade industrial. [...] a implosão-explosão (metáfora emprestada da física nuclear), ou seja, a enorme concentração (de pessoas, de atividades, de riquezas, de coisas e de objetos, de instrumentos, de meios e de pensamento) na realidade urbana, a imensa explosão, a projeção de fragmentos múltiplos e disjuntos (periferias, subúrbios, residências secundárias e etc) (LEFEBVRE, 1999, p. 26).
  • A expressão industrialização usada correntemente trata-se, pois de um processo bem mais amplo do que a meratransformação de matérias-primas em mercadorias sereferindo a transformação mais radicais tanto de ordemsocial, quanto econômica e política.
  • REFERÊNCIAS LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991. ______. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: HUCITEC, 1993. SANTOS, Milton. Ensaios sobre a urbanização latino-americana. 1. ed., São Paulo: HUCITEC, 1982. SOUZA, Maria Adélia A. O II PND e a política urbana brasileira: uma contradição evidente. In: DEÁK, Csaba & SCHIFFER, Sueli Ramos (Orgs.). “O processo de Urbanização no Brasil”. 1. ed., São Paulo: EDUSP, 1999. SPOSITO, Maria encarnação Beltrão. Capitalismo e Urbanização. São Paulo: texto, 2001. (Representando a Geografia)