Your SlideShare is downloading. ×
Cinetica parte i
Cinetica parte i
Cinetica parte i
Cinetica parte i
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cinetica parte i

833

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
833
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Química Geral e Experimental 2Prof. Dr. André Gustavo Ribeiro MendonçaPrática: Cinética1. Introdução A velocidade de uma reação química homogênea pode ser definida como a variação da concentração deum dos reagentes (dx) ou de um dos produtos (dy) por unidade de tempo (dt): Velocidade = -dx/dt ou dy/dt A escolha de um ou outra equação depende da facilidade de se monitorar experimentalmente aconcentração de um determinado reagente ou produto. Assim como a velocidade de um objeto em movimento está associada ao tempo que o objeto precisa parapercorrer uma determinada distância, a velocidade de urna reação química pode ser avaliada pelo tempotranscorrido para que uma determinada quantidade de reagente seja consumida ou uma determinadaquantidade de produto seja formada. A reação de Landolt, também conhecida como a "reação do relógio de iodo", foi publicada em 1886 econtinua sendo, até hoje, um dos exemplos mais adequados para demonstrar alguns aspectos fundamentais dacinética de reações químicas. Trata-se da reação entre os íons bissulfito e iodato em meio ácido, com formação deiodo. Na realidade, o mecanismo dessas reação não é trivial, envolvendo várias etapas com velocidades distintas,durante as quais espécies intermediárias são formadas e posteriormente consumidas. Todavia é possívelrepresentar a reação de Landolt por um conjunto de três equações básicas, vistas a seguir. lnicialmente, a bissulfito (HSO3-) reage lentamente com iodato (IO 3-), formando bissullfato (HSO4-) e iodeto(I-): 3 HSO3- + IO3- → 3 HSO4- + I- (lento) A medida que o iodeto vai sendo formado lentamente, este reage rapidamente com o iodato, aindapresente em grande quantidade, gerando iodo elementar (I 2): IO3- + 5 I- + 6 H+ → 3 I2 + 3 H2O (rápido) Enquanto houver bissulfito na soIução, este consumirá imediatamente o iodo formado, produzindonovamente iodeto:
  • 2. 3 HSO3- + I2 + 3 H2O → HSO4- + 2 I- + 3 H+ (muito rápido) De acordo com essa proposta mecanística, o iodo somente será observado quando todo o bissulfito tiversido consumido. O tempo transcorrido a partir do momento da mistura dos reagentes (bissulfito e iodato) até oaparecimento do iodo é um parâmetro de fácil medição, a qual permite avaliar como a velocidade da reação deLandolt pode variar sob diferentes condições experimentais. Uma concentração mínima de iodo poderá sersensivelmente detectada se houver amido presente no meio reacional, pois este forma um complexo de intensacoloração azul com o iodo. Assim, nesse experimento, será observado o tempo necessário para a formação de iodo na reação deLandolt, variando-se a concentração dos reagentes e a temperatura.2. Objetivos • Demonstrar alguns aspectos fundamentais da cinética de reações químicas, especialmente o efeito da concentração dos reagentes e da temperatura sobre a velocidade das reações químicas. • Conhecer o fenômeno de catálise (homogênea, heterogênea e enzimática). • Verificar o efeito catalítico de diversas substâncias sobre a decomposição do peróxido de hidrogênio.3. Materiais e reagentesMateriais: cronômetro; banho-maria; termômetro; proveta de 100 mL; 2 erlenmeyer de 200 mL, gelo triturado;iodato de potássio (KIO3); sulfito de sódio (Na2SO3); ácido sulfúrico concentrado (H2SO4); etanol; amido solúvel;iodeto de mercúrio (HgI2).4. Parte experimentalExperimento 1: Preparo das soluções Observação: a eventuaI presença de impurezas nas vidrarias e/ou soluções pode comprometer o bomdesempenho do experimento •Solução 1: 1 g de amido solúvel em 500 mL de água destilada fria (mistura-se 1g de amido solúvel com20 mL de água destilada fria adiciona-se essa mistura a 500 mL de água destilada fervendo, com agitação, deixa-se esfriar, decanta-se e adiciona-se 5 mg de iodeto de mercúrio para evitar a formação de fungos). • Solução 2: (deve ser preparada com, no máximo, 24 horas de antecedência): 8,0 g de ácido sulfúricoconcentrado, 20 mL de etanol e 2,32 g de sulfito de sódio, dissolvidos em 2 L de água destilada. • Solução 3: 8,6 g de iodato de potássio em 2 L de água destilada.Parte A: procedimento padrão 1. Coloque num Erlenmeyer 100 mL de água destilada, 5 mL da solução 1 e 20 mL da solução 2. Misture bem a solução resultante. 2. Observe a temperatura da solução.
  • 3. 3. Com o auxílio de outra pessoa, adicione rapidamente e com agitação forte 20 mL da solução 3 e, ao mesmo tempo, dispare o cronômetro. 4. Mantenha a mistura sob agitação e aguarde atentamente o momento em que aparece a coloração azul na solução. 5. Pare o cronômetro nesse momento e anote o tempo de reação.Parte B: efeito da concentração dos reagentes 1. Repita o procedimento A, utilizando apenas 50 mL de água destilada na mistura com as soluções 1 e 2. 2. Repita o procedimento A, utilizando 150 mL de água destilada na mistura com as soluções 1 e 2.Parte C: efeito da temperatura 1. Repita o procedimento A, utilizando 100 mL de água destilada gelada na mistura com as soluções 1 e 2, e mantenha a solução sobre um banho de gelo durante a reação. 2. Repita o procedimento A, utilizando 100 mL de água destilada quente (não superior a 40 °C) na mistura com as soluções 1 e 2.5. Questionário1. QuaI é a função do amido: catalisador, indicador, oxidante ou redutor?2. Relate e justifique o efeito da variação da temperatura sobre a velocidade da reação estudada.3. Relate e justifique o efeito da variação da concentração dos reagentes sobre a velocidade da reação estudada.6. ReferênciaQuímica em tubos de ensaio – Editora Edgard Blucher, Bessler e Neder.
  • 4. Aluno:_________________________________________________________ DADOS EXPERIMENTAIS REFERENTES AO EXPERIMENTO CINÉTICADescreva suas observações, fique atento para liberação de gases, liberação ou absorção de calor, mudança decoloração, etc.1. Parte A: procedimento padrão. Exp. Observações Temperatura (°C) Tempo (min) 1 2 3 42. Parte B: efeito da concentração dos reagentes. Exp. Observações Temperatura (°C) Tempo (min) 1 2 3 43. Parte C: efeito da temperatura. Exp. Observações Temperatura (°C) Tempo (min) 1 2 3 4

×