Viajando no Graf Zeppelin
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Viajando no Graf Zeppelin

on

  • 253 views

As imagens são incríveis, espero que gostem

As imagens são incríveis, espero que gostem

Statistics

Views

Total Views
253
Views on SlideShare
253
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Viajando no Graf Zeppelin Viajando no Graf Zeppelin Presentation Transcript

  • A obrA
  • . O Graf Zeppelin tinha 213 m de comprimento, 5 motores, transportava 20 passageiros e cerca de 45 tripulantes e um volume de 105.000 m³, sendo o maior dirigível da história até a data de sua construção em 1.928. Sua estrutura era baseada numa carcaça de alumínio, revestida por uma tela recoberta por lona de algodão, pintada com tinta prata, para refletir o calor. Dentro, existiam 60 pequenos balões com gás hidrogênio, juntamente com os 5 motores Maybach, de 12 cilindros, desenvolvendo até 550 HP (máximo) cada, alimentados com um combustível leve, o Blau Gas (gás azul = H²) e gasolina, que o mantinham no ar, a uma velocidade de até 128 km por hora. Tinha capacidade de carga para até 62 toneladas.
  • IMAGINEM! Com seus 213 m de comprimento, o Zeppelin então seria um dirigível do tamanho de um quarteirão inteiro sobrevoando uma cidade na década de 30. Era um verdadeiro acontecimento! Era o futuro que chegava! Era o ápice do engenho humano!...
  • O primeiro vôo aconteceu em 1.928, ligando Frankfurt a Nova York, e durou 112 horas. Em 29 de agosto de 1.929, comandado por Hugo Eckener, completou o primeiro vôo em redor do mundo ao aterrar em Lakehurst, Nova Jersey, nos Estados Unidos da América.
  • Essa famosa epopéia ao redor do mundo durou 21 dias, iniciada em 8 de Agosto, durante os quais percorreu 34.600 km. Saindo da Estação Aeronaval de Lakehurst , estado de Nova Jersey, nos EUA, atravessou o Oceano Atlântico e fez a sua primeira escala em Friedrichshafen, na Alemanha, depois pela Europa, sobrevoou os Montes Urais e atravessou a Sibéria até alcançar Tokio, onde fez escala. Posteriormente pelo Oceano Pacífico rumo ao Estados Unidos e, em 26 de Agosto, depois de 79 horas e 22 minutos de navegação, aterrou em Los Angeles, Califórnia. Finalmente, em 29 de Agosto, regressou à Estação Aeronaval de Lakehurst, seu ponto de partida.
  • O Graf Zeppelin oferecia grande conforto. Apenas 35 lugares eram disponíveis, e normalmente a lotação não ultrapassava 20 passageiros. A aeronave era bastante estável, devido ao seu tamanho. Os passageiros dispunham de cabines duplas, com beliches, sala de estar e de jantar, e até um salão para fumar, cuidadosamente isolado para não incendiar o perigoso e inflamável gás de sustentação da aeronave, o hidrogênio.
  • cabine WC & lavabos cabines Cabines de luxo Salas de Estar e Jantar Cozinha & telefonia Navegação & Leme
  • Os passageiros dispunham de cabines duplas com beliches
  • O serviço de bordo era comparável ao da primeira classe dos melhores navios de passageiros. Uma cozinha, cujos equipamentos operavam eletricamente, funcionava quase ininterruptamente, para fornecer a sofisticada alimentação disponível aos passageiros e tripulantes. Um luxo só!...
  • . Exceto no salão de fumar, era proibido o uso de cigarros, charutos e cachimbos em qualquer lugar do dirigível. Os passageiros eram revistados no embarque, e o porte de isqueiros e fósforos era rigorosamente proibido. Os isqueiros do salão de fumar eram presos às mesas por correntes.
  • A Sala de Jantar Sala de Estar, com o mapa mundi pintado na parede
  • Entre os luxos introduzidos no Hindenburg, estava um piano Blüthner, especialmente fabricado em alumínio, e que pesava apenas 162 Kg. Em 1.937, esse piano foi removido da aeronave, para aliviar o peso, o que salvou-o da destruição quando o Hindenburg se acidentou, em maio. Entretanto, esse notável instrumento musical acabou destruído em um bombardeio, na Segunda Guerra Mundial.
  • A altitude de cruzeiro era de 3 mil pés, mas, quando a aeronave sobrevoava cidades ou a linha litorânea, era comum voar bem mais baixo, entre 300 e 1.000 pés, para que os passageiros pudessem apreciar a paisagem. O Graf Zeppelin sobrevoando o Rio de janeiro
  • Sobrevoando o Recife
  • Infelizmente,apenas 14 meses depois da novidade ter chegado ao Brasil (1.936), o Hindenburg acidentou-se em Lakehurst, New Jersey, nos Estados Unidos. Pouco antes de pousar, a aeronave incendiou-se, por motivos até hoje não esclarecidos, no dia 6 de maio de 1.937. não fica descartada a hipótese de uma manobra criminosa... 61 tripulantes e 36 passageiros estavam a bordo. Desses, 13 passageiros e 22 tripulantes faleceram, além de uma pessoa no solo. Essas 36 vítimas encerraram definitivamente a carreira dos dirigíveis Zeppelin. Zeppelin
  • As 2 fotos acima foram tomadas no momento do acidente com o Hindenburg em Lakehurst nos EUA no dia 06 de maio de 1.937 e no qual saiu gravemente ferido o Capitão Lehmann vindo a falecer no outro dia.
  • Foi o fim de uma era. Apenas um mês depois, o Graf Zeppelin foi retirado de serviço. O dirigível-irmão do Hindenburg, o LZ-130 Graf Zeppelin II, já concluído, nunca chegou a entrar II em serviço ativo. Depois de passar alguns anos em um museu, ambos foram desmontados em 1.940, para aproveitamento do seu alumínio em aviões militares, por ordem do Marechal do Reich Hermann Goering.
  • O AutOr
  • Ferdinand Adolf Heinrich August Graf von Zeppelin (1.838 – 1.917) Ferdinand Graf von Zeppelin, Graf Zeppelin ou Barão Zeppelin nasceu em Konstanz, Grão Ducaco de Baden (hoje parte de BadenWürttemberg, Alemanha). General alemão e construtor de aeronaves; fundou a Zeppelin Airship company, construtora dos famosos dirigíveis Zeppelin. Zeppelin
  • O Artífice
  • Dr. Hugo Eckener (1868 – 1954) era o chefe do Luftschiffbau Zeppelin nos anos da inter-guerra, sendo comandante do famoso Graf Zeppelin em muitos de seus vôos, incluindo o primeiro vôo tripulado ao redor do mundo, fazendo-o o comandante mais bem sucedido da história da aeronáutica.
  • Notável por seu gênio como publicitário e meteorologista, foi responsável pela construção de alguns dos dirigíveis mais bem sucedidos na história. Um anti-Nazista convicto foi convidado a participar como moderador nas eleições presidenciais alemãs, recusando, foi deposto pelo regime e eventualmente descartado. Eckener era responsável por treinar a maioria dos pilotos do dirigível da Alemanha durante e a seguir da I Guerra mundial. Apesar de seus protestos, seu enorme valor e importância como instrutor, não foi aceito nas missões operacionais devido à sua posição política.
  • O zeppelin nO brasil
  • Em 1.933, os alemães vieram ao Brasil, para projetar um hangar para atender os dirigíveis alemães no Rio de Janeiro. Para tal, a Luftschiffbau Zeppelin recebeu um terreno de 80 mil m², no subúrbio de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, doados pelo Ministério da Agricultura, próximo á Baía de Sepetiba. Lá foi construído um aeroporto para dirigíveis, ao qual foi dado o nome de Bartolomeu de Gusmão, em homenagem ao pioneiro balonista brasileiro. Tal hangar, pré-fabricado, foi construído pela Guttehoffnungshutte Aktien Geselschaft, na Alemanha, transportado por vida marítima e montado em Santa Cruz pela Companhia Construtora Nacional, durante 23 meses,
  • . O gigantesco hangar, ainda existente, tem 274 m de comprimento, 58 m de altura e 58 de largura, e é orientado no sentido norte-sul. Os dirigíveis entravam pela porta sul, rebocados pela torre, que era móvel e se deslocava sobre trilhos.
  • Viajar no Zeppelin era um luxo permitido para poucas pessoas. A passagem para a Alemanha era muito cara, algo equivalente a 10 mil Euros atuais (2.011). O trecho doméstico entre o Rio e Recife também era caro, e poucos lugares eram disponíveis. A viagem entre o Rio e a Alemanha durava 5 dias. 2 dias eram necessários para a travessia do Atlântico. A velocidade máxima era de 128 Km/h, muito mais rápida que a velocidade dos navios de passageiros da época, que variava entre 25 e 40 Km/h.
  • Um ramal de estrada de ferro chegava até o aeroporto, para conduzir os passageiros de e para o centro do Rio de Janeiro, um trecho de aproximadamente 35 Km até a Estação Dom Pedro II, atual Central do Brasil. Em todos os 7 anos de operação dos dirigíveis no Brasil, houve apenas um incidente, e nenhum acidente. O incidente ocorreu quando um dos homens que seguravam as cordas de amarração, no solo, não ouviu a ordem de "soltar a corda" e ficou pendurado, a grande altura do solo, até que a aeronave voltasse ao solo, alertada pelo pessoal em terra. Durante a descida, o homem bateu as pernas no telhado de uma construção, quebrando algumas telhas e machucando a perna, sem gravidade.
  • Nesta fantástica foto de Ferreira Júnior, de propriedade de seu afilhado Sidney Paredes vemos o momento de desembarque dos passageiros do dirigível Graf Zeppelin na base aérea de Santa Cruz.
  • A temporada de 1.936 dos dirigíveis alemães foi marcada pelo primeiro vôo comercial do D-LZ129 Hindenburg, sucessor do Graf Zeppelin. Hindenburg Zeppelin Esse vôo inaugural, comandado por Lehmann, foi feito para o Brasil, e decolou para o Rio de Janeiro em 31 março de 1.936. Heitor Villa-Lobos, o grande maestro e compositor brasileiro foi dos passageiros do Hindenburg, quando este retornou à Europa, em abril.
  • A grande maioria dos vôos do Graf Zeppelin para o Brasil foi comandada por Hugo Eckener. Este, que além de pilotar, também foi um dos construtores dos dirigíveis alemães, acabou excluído dos últimos vôos dos Zeppelins, como vimos, especialmente os do Hindenburg, sucessor do Graf Zeppelin, por sua Zeppelin insistente oposição ao uso das aeronaves como propaganda para o regime nazista. Foi substituído por Ernst Lehmann, um aviador prónazista que acabou falecendo no desastre do Hindenburg, em maio de 1.937.
  • O Graf Zeppelin completou, no total, 147 vôos ao Brasil (sendo 64 transatlânticos) entre os 590 vôos da sua longa carreira de 17.177, 48 horas de vôo, em nove anos de operação (1.928-1.937), o que tornou-o o mais bem sucedido dirigível da história da aviação. Foi uma fantástica e impecável carreira para uma aeronave que foi projetada e construída como protótipo, mas que, de tão perfeita, acabou sendo colocada em serviço. Transportou um total de 34 mil passageiros, 30 ton de carga, incluindo 2 aeronaves de pequeno porte e um carro, e 39.219 malas postais, com total segurança e sem acidentes.
  • O Graf Zeppelin e o Hindenburg foram as maiores e mais luxuosas aeronaves a atender vôos internacionais de e para o Brasil, e as que tiveram as passagens mais caras, mesmo considerando as caras passagens dos vôos servidos pelo Concorde. Também serviram as linhas para a América do Sul com total segurança, sem um único acidente. Mas, hoje, não passam de uma distante lembrança, de uma era que não volta mais.
  • O Graf Zeppelin sobrevoando o Recife
  • O grandioso hangar de Santa Cruz foi usado por apenas 9 vezes, 5 vezes pelo Graf Zeppelin e 4 vezes pelo Hindenburg. Durante a Segunda Guerra Mundial, em 1.942, o Governo Brasileiro expropriou dos alemães o Aeroporto Bartolomeu de Gusmão em Santa Cruz e implantou lá uma base da Força Aérea Brasileira, ainda hoje existente.
  • Passados 75 anos, pouca coisa resta da história dos Zeppelins no Brasil. A maior e mais notável é o hangar de Santa Cruz, ainda intacto e em uso pela Força Aérea Brasileira. Não é o último hangar de Zeppelins ainda existente, como reza a lenda, pois o hangar de Lakehurst ainda permanece igualmente intacto. Em Recife, ainda resta, relativamente intacta, a torre de atracação de Jiquiá. O Museu Aeroespacial, do Rio de Janeiro, tem em seu acervo uma das hélices de madeira do Graf Zeppelin e alguns pedaços de tela rasgada, resultado de trabalhos de manutenção, e nada mais.
  • A torre do Campo do Jiquiá foi trocada por um modelo maior de mastro de atracação quando o Hindenburg começou a voar para o Brasil. Este mastro continua no local e juntamente com o hangar de Santa Cruz são os últimos remanescentes da estrutura de apoio aos Zeppelins que havia em várias cidades do mundo. O LZ-127 - Graf Zeppelin ancorado no Campo do Jiquiá, no Recife. Torre de atracação de Jiquiá, em Recife
  • O nazismO
  • . O nazismo aproveitou-se da fama e poder de comunicação dos dirigíveis para promover uma forte campanha pró-nazismo, via zeppelin e seu carisma. Como vimos, Eckener era um anti-Nazista convicto e sendo convidado a participar da campanha, pelos seus méritos de publicitário e meteorologista, recusou. Deposto pelo regime e eventualmente descartado foi substituído pelo ativista nazista Ernst Lehmann.
  • Ernst August Lehmann (1.936) na foto Lehmann aparece  no interior do Graf Zeppelin  
  • recOrdações O Graf Zeppelin nos correios
  • Monday, March 10, 2014 - 01:10
  • C R É D I T O S FORMATAÇÃO: MENSAGEIRO DA PAZ TEXTO: NET + comentários IMAGENS: NET + Arquivo MÚSICA: “Around the Wolrd” DATA: 09 – 02 – 2.012 © favor manter os créditos, sem alterar