FEISMA
           Pavilhão de Inovação



A Universidade entre a Tradição e a Renovação:
            Ambientes de Inovação...
Agenda


Ambientes de Inovação

1.   Contexto
2.   Evolução e Conceitos
3.   Desafios e Oportunidades
4.   Considerações F...
1.
              1 Contexto


Sociedade do Conhecimento

  Novo papel das Universidades
  Ambientes de inovação & pesquisa...
1.
                 1 Contexto


Políticas Públicas (Educação e C T&I)
                                  C,T&I)
  Reforma ...
2.
               2 Evolução


Universidade Clássica
Século XI
Associação de professores e alunos
Ênfase no ensino
2. Evolução


Universidade de Pesquisa
Século XIX
Ênfase no ensino e na pesquisa
Criação de Grupos e Centros de Pesquisa
M...
2.
               2 Evolução


Universidade Empreendedora (Inovadora)
Segunda metade do século XX
Harvard (1947), MIT (195...
Entre a tradição e a renovação
                     renovação...
Entre a tradição e a renovação
                     renovação...
Entre a tradição e a renovação
                     renovação...
Entre a tradição e a renovação
                     renovação...
2.
       2 Evolução e Conceitos

Novo papel para a Universidade:
   - expandindo seu foco tradicional na formação
   e ca...
2.
         2 Conceitos


Inovação como driver do
   desenvolvimento econômico
   mudanças nas empresas

Educação como fun...
Inovação
      ã

Associada a todo processo d busca do
A     i d   t d           de b    d
novo que, de alguma maneira, ag...
Ciência & Tecnologia + Inovação

Inovação
P&D + Transferência de Tecnologia

Requer
Interação com Sociedade (demandas)
Emp...
Inovação / Pesquisa
               ã         i


               Pesquisa
consome                       gera


Recursos
   ...
Interação U/E/G

Evolução Conceito Relação U-E-G


                                      Governo
                         ...
Interação U/E/G

Evolução Conceito Relação U-E-G

                            Modelo da Tripla
                           ...
Interação U/E/G


Modelo da Tripla Hélice

Universidade assume papel crítico em uma Sociedade
baseada no Conhecimento

Evo...
Ambientes de Inovação

A Universidade, enquanto geradora e disseminadora
   de conhecimentos, desempenha importante
   pap...
Parques C&T

 Parcerias entre Universidades, Governo e Empresas não são uma
novidade em escala global, e existe uma histó...
Universidade Empreendedora


Uma instituição ativa que faz mudanças na
sua estrutura e no modo de agir e reagir
frente às ...
3.
        3 Desafios e Perspectivas

Qualidade Relevância
Q lid d & R l â i (o que e quanto > onde e como)

Mudança cultu...
3.
 3 Desafios e Perspectivas

- construir uma visão de futuro no novo cenário:
   múltiplas oportunidades;

- alinhamento...
3.
              3 Desafios

Foco: Mudança


Harmonizar uma cultura de inovação com
   uma visão de longo prazo sustentáve...
3.
             3 Desafios

Implementar novas abordagens
I  l     t          b d
   pedagógicas que busquem desenvolver
  ...
3.
               3 Desafios

Entender que a Universidade não é uma
    instituição qualquer, mas principalmente
    uma c...
4.
     4 Considerações Finais


Conhecimento (educação) como
   fundamento do desenvolvimento
   econômico e social
Inova...
4.
       4 Considerações Finais

A Universidade deve colocar sua tradição e
      qualidade a serviço da renovação
      ...
FEISMA
           Pavilhão de Inovação



A Universidade entre a Tradição e a Renovação:
              O Caso da PUCRS


 ...
Ambiente de Inovação
        Tecnológica



Coordenação: Pró-Reitoria de Pesquisa e
                 Pós-Graduação

Foco...
Rede que congrega o conjunto de atores,
    ações e mecanismos relativos ao
        processo de inovação e
     empreended...
Objetivos
• promover o processo d i
                        de inovação e
                                  ã
  empreended...
UNIDADES PERIFÉRICAS



 NÚCLEO ACADÊMICO
AGENTES DE INOVAÇÃO
                 Ã
Rede de inovação e
empreendedorismo da PUCRS
TECNOPUC



Antecedentes
Esforço da Universidade na titulação dos
professores,
professores por meio do Plano Mil Mestres e...
TECNOPUC


Áreas de Atuação
Competência Acadêmica
Pesquisa Científica e Tecnológica
Demanda d S i d d
D     d da Sociedade...
TECNOPUC
Situação Atual:

 +40 Empresas (Petrobras, HP, DELL, SONAE, Microsoft, Stefanini,
DBServer, CPM, Processor, 4D, ...
TECNOPUC

Principais P j t P&D
P i i i Projetos P&D:

Energia: Solar / Elétrica / Eólica / Bioenergia
Sequestro de Carbo...
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC
TECNOPUC: Prêmios
TECNOPUC: prêmios
TECNOPUC: Fase II
TECNOPUC: Fase II
TECNOPUC: Fase III (Viamão)
Modelo de Gestão

Estrutura Física:

Antigo Quartel do Exército Brasileiro
     g
     18º. Regimento de Infantaria do E...
Modelo de Gestão

Atração de Empresas:

Processo induzido pelo mercado
                   p
Empresas-âncora: atração ini...
Modelo de Gestão

Aspectos Essenciais:

Projetos de P&D
    j
   Obrigatórios para todas as modalidades de contrato
   ...
Modelo de Gestão

Aspectos Jurídicos:

Relação contratual na ocupação dos espaços
     ç                    p ç         p...
Modelo de Gestão

Aspectos Jurídicos:

Fundamental: respeito à legislação relativa a filantropia (nunca
colocar em risco)...
Modelo de Gestão

Aspectos Organizacionais:

Aprovação dos contratos e negociações

   Negociação: AGT / ETT / TECNOPUC ...
Modelo de Gestão

Aspectos Organizacionais:

Vinculação
   AGT
       Agência de gestão vinculada à PRPPG
       Mesma...
Modelo de Gestão

Diferenciais:
Dif     i i

Inserção do TECNOPUC no núcleo da área de pesquisa da
        Universidade (...
Modelo de Gestão
Diferenciais:

Reorganização dos Mecanismos Institucionais de Pesquisa
        Grupos, Núcleos, Laborat...
Modelo de Gestão

Desafios:

Manter i ã
M t visão estratégica e objetivos compartilhados
                  t té i       ...
Modelo de Gestão

Desafios (aspectos jurídicos):
D   fi (       t j ídi      )

Problemas de ordem jurídica em múltiplas ...
Considerações Finais


Em uma economia baseada no conhecimento, o que
a sociedade mais demanda é capital intelectual:
pess...
Capital Intelectual não surge sem esforço a partir de um
laboratório de pesquisa.

É resultado d i t
      lt d de interaç...
Na interação Universidade-Empresa, as empresas vão em
busca de qualidade e inovação, ou seja, vão aonde o talento
estiver…...
Neste sentido, a PUCRS, tem atuado como forte Vetor de
    Desenvolvimento na Sociedade, gerando:
                        ...
- Atração de eventos internacionais de grandes empresas de classe
      mundial para o Estado do RS (PETROBRAS, SIEMENS, H...
... E gerado um ambiente de grandes desafios e tensões:

-    Visão de Universidade, significado dos eixos de gestão: Qual...
Entre a tradição e a renovação
                     renovação...
Pucrs Audy Santa Maria Feisma
Pucrs Audy Santa Maria Feisma
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Pucrs Audy Santa Maria Feisma

1,199 views
1,095 views

Published on

Jorge Audy - TECNOPUC

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,199
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
411
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pucrs Audy Santa Maria Feisma

  1. 1. FEISMA Pavilhão de Inovação A Universidade entre a Tradição e a Renovação: Ambientes de Inovação Jorge Audy Presidente FOPROP Nacional Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação PUCRS audy@pucrs.br
  2. 2. Agenda Ambientes de Inovação 1. Contexto 2. Evolução e Conceitos 3. Desafios e Oportunidades 4. Considerações Finais O Caso da PUCRS 1. Rede INOVAPUC 2. TECNOPUC
  3. 3. 1. 1 Contexto Sociedade do Conhecimento Novo papel das Universidades Ambientes de inovação & pesquisa Globalização Internacionalização Mundo plano Crise: RESET
  4. 4. 1. 1 Contexto Políticas Públicas (Educação e C T&I) C,T&I) Reforma Universitária, Lei da Inovação e do Bem PAC de C,T&I Sustentabilidade Foco na demanda Financiamento da Pesquisa Fontes alternativas
  5. 5. 2. 2 Evolução Universidade Clássica Século XI Associação de professores e alunos Ênfase no ensino
  6. 6. 2. Evolução Universidade de Pesquisa Século XIX Ênfase no ensino e na pesquisa Criação de Grupos e Centros de Pesquisa Muitas Universidades ainda com tensões entre as áreas de ensino e pesquisa
  7. 7. 2. 2 Evolução Universidade Empreendedora (Inovadora) Segunda metade do século XX Harvard (1947), MIT (1958), Stanford Ensino, pesquisa e empreendedorismo (Inovação) Vetor de desenvolvimento econômico e social da sociedade Novas tensões entre as áreas de ensino ensino, pesquisa e empreendedorismo (inovação) Maior desafio: como incorporar na missão?
  8. 8. Entre a tradição e a renovação renovação...
  9. 9. Entre a tradição e a renovação renovação...
  10. 10. Entre a tradição e a renovação renovação...
  11. 11. Entre a tradição e a renovação renovação...
  12. 12. 2. 2 Evolução e Conceitos Novo papel para a Universidade: - expandindo seu foco tradicional na formação e capacitação (ensino e pesquisa) - agregando à sua missão a atuação direta no processo de desenvolvimento econômico, cultural e social da sociedade - qual o posicionamento estratégico da l i i t t té i d IES? Gerando novas oportunidades e desafios para o ensino, a pesquisa e a extensão
  13. 13. 2. 2 Conceitos Inovação como driver do desenvolvimento econômico mudanças nas empresas Educação como fundamento mudanças na área de educação Crise cenário de oportunidades papel do governo
  14. 14. Inovação ã Associada a todo processo d busca do A i d t d de b d novo que, de alguma maneira, agregue valor a nossa Universidade, e por , p conseqüência à sociedade - qualificação da pesquisa: relevância, TT - captação de recursos: novas fontes - aumento do número de alunos:novos cursos regulares e educação continuada - ambientes de inovação diferenciados
  15. 15. Ciência & Tecnologia + Inovação Inovação P&D + Transferência de Tecnologia Requer Interação com Sociedade (demandas) Empresas + Governo como facilitador Ambientes de inovação ã
  16. 16. Inovação / Pesquisa ã i Pesquisa consome gera Recursos Conhecimento Financeiros gera consome Inovação
  17. 17. Interação U/E/G Evolução Conceito Relação U-E-G Governo Governo Governo Empresa Univ. Empresa Univ.
  18. 18. Interação U/E/G Evolução Conceito Relação U-E-G Modelo da Tripla Hélice (Etzkowitz) Governo Governo Mudanças em cada hélice Cooperação Governo como articulador G ti l d Empresa Univ. Redes de Cooperação, Alianças Estratégicas Ambientes de I A bi t d Inovação ã
  19. 19. Interação U/E/G Modelo da Tripla Hélice Universidade assume papel crítico em uma Sociedade baseada no Conhecimento Evolução de um ambiente de atuação isolada ou dominante para cooperação e sobreposições entre os atores: - Universidades formando empresas - Governos como capitalista de risco - Empresas investindo em educação de alto nível
  20. 20. Ambientes de Inovação A Universidade, enquanto geradora e disseminadora de conhecimentos, desempenha importante papel nos ambientes de inovação Por si só, a Universidade é um ambiente de inovação potencial O desenvolvimento deste potencial depende da articulação e da interação com os atores da sociedade (empresas e governos) e da superação dos desafios que o ambiente apresenta Exemplos de ambientes de inovação incluem Tecnopoles e Polos, Parques Científicos e Tecnológicos, Incubadoras de Empresas, ... g p
  21. 21. Parques C&T  Parcerias entre Universidades, Governo e Empresas não são uma novidade em escala global, e existe uma história de realizações significativas: - Universidade de Stanford criou o primeiro Parque Tecnológico de alta tecnologia em 1951, com investimentos públicos-privados, e propiciou um ambiente (do qual fazem parte outras Universidades) onde surgiram empresas como HP, Cisco Systems, Sun Microsystems and Yahoo; p , y , y ; - US & Canada (+170, 350 mil pessoas, 31 bilhões dolares) Research Triangle Park (Duke University, NC State University e University of NC at Chapel Hill); - EU (+134) Oxford University e Warwick University na Inglaterra, Sistema Espanhol de Parques Tecnológicos (sede IASP Andaluzia); - Asia (+60) China (Universidade de Beijing, Shangai), Taiwan, Malasia (Ciberjaya, Kuala Lumpur, Penang), India (Bangalore); - AL (+20) Brasil (Porto Digital UFPE, Sistema Mineiro e Paulista de Parques Tecnológicos, TECNOPUC PUCRS, Parque do Rio UFRJ), Argentina (Constituyentes, Posadas), Chile (Católica, Universidade de Concepción);
  22. 22. Universidade Empreendedora Uma instituição ativa que faz mudanças na sua estrutura e no modo de agir e reagir frente às demandas internas e externas - capacidade de adaptação frente às mudanças de uma sociedade em evolução - postura pró-ativa no sentido de transformar o conhecimento gerado em agregação de valor social, econômico e cultural - indissociável do trinômio C,T&I - novos mecanismos institucionais - novos ambientes - Universidade Inovadora
  23. 23. 3. 3 Desafios e Perspectivas Qualidade Relevância Q lid d & R l â i (o que e quanto > onde e como) Mudança cultural nas Universidades, nas Empresas, e nos Governos, Governos gerando um novo entendimento da relação U-E-G U E G Fatores Críticos de Sucesso: da atração à retenção, novo modelo de gestão e avaliação da pesquisa, global/local pesquisa Poder público como indutor de políticas sustentáveis de inovação tecnológica (incluindo legislação direta e complementar) Manter integridade da Universidade enquanto interessada em gerar receita com resultado da p q g pesquisa Sustentabilidade dos Ambientes de Inovação (tendo por base a pesquisa e a inovação, clareza sobre o que é um Parque C&T, mobilidade de talentos nos ambientes): Sistemas de Inovação! bilid d d t l t bi t ) Si t d I ã !
  24. 24. 3. 3 Desafios e Perspectivas - construir uma visão de futuro no novo cenário: múltiplas oportunidades; - alinhamento estratégico na comunidade: desenvolvimento de uma visão compartilhada - disseminação de conhecimento, visando criar as condições para a mudança cultural necessária - base jurídica e legal (institucional) adequada: novo estatuto/regimento, conflito de interesses, políticas de TT
  25. 25. 3. 3 Desafios Foco: Mudança Harmonizar uma cultura de inovação com uma visão de longo prazo sustentável, g p , onde se faz necessário manter a qualidade e a tradição Gerar as condições para a análise crítica deste processo de criação de valor e suas conseqüências (internas e üê i (i t externas)
  26. 26. 3. 3 Desafios Implementar novas abordagens I l t b d pedagógicas que busquem desenvolver novas competências e conceitos de tempo e espaço no processo de aprendizagem: educar para a autonomia / educação p ç continuada / educação à distância (Novo Modelo Pedagógico) Criar mecanismos que permitam a inserção de todas as áreas do conhecimento porém conhecimento, priorizando investimentos (concentração) Gerir um ambiente de mudanças contínuas: equilíbrio entre tradição e renovação
  27. 27. 3. 3 Desafios Entender que a Universidade não é uma instituição qualquer, mas principalmente uma com nidade de pessoas e pa a comunidade para pessoas: a inovação deve ser colocada a serviço da sociedade, não podendo ser ç , p focada em um simples empreendedorismo de mercado Desenvolver mecanismos institucionais que garantam a integridade das pesquisa e das ações desenvolvidas na Universidade no novo contexto com uma visão crítica do impacto na sociedade
  28. 28. 4. 4 Considerações Finais Conhecimento (educação) como fundamento do desenvolvimento econômico e social Inovação com driver do desenvolvimento e ç resultado de uma política de valorização do conhecimento gerado Foco: Qualidade & Relevância Ambientes de Inovação (PCT)
  29. 29. 4. 4 Considerações Finais A Universidade deve colocar sua tradição e qualidade a serviço da renovação necessária para atender ao cumprimento de sua missão Isto deve ser feito de forma coerente com seus princípios p in ípio e valores lo e O que significa não perder de vista sua finalidade i ifi ã d d i t fi lid d primária de formar cidadãos, atendendo à demanda social existente
  30. 30. FEISMA Pavilhão de Inovação A Universidade entre a Tradição e a Renovação: O Caso da PUCRS Jorge Audy Presidente FOPROP Nacional Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação PUCRS audy@pucrs.br
  31. 31. Ambiente de Inovação Tecnológica Coordenação: Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Foco: Pesquisa & Inovação
  32. 32. Rede que congrega o conjunto de atores, ações e mecanismos relativos ao processo de inovação e empreendedorismo da PUCRS
  33. 33. Objetivos • promover o processo d i de inovação e ã empreendedorismo na Universidade, articulando, para tal, todos os atores envolvidos no ensino, pesquisa e extensão. • promover u es o ço multidisciplinar p o o e um esforço u t d sc p a para buscar soluções e oferecer respostas às demandas da sociedade em termos de desenvolvimento econômico, social, ambiental e cultural
  34. 34. UNIDADES PERIFÉRICAS NÚCLEO ACADÊMICO
  35. 35. AGENTES DE INOVAÇÃO Ã
  36. 36. Rede de inovação e empreendedorismo da PUCRS
  37. 37. TECNOPUC Antecedentes Esforço da Universidade na titulação dos professores, professores por meio do Plano Mil Mestres e Doutores no Ano 2000*, que gerou uma profunda transformação na PUCRS como PUCRS, conseqüência da qualificação do corpo docente ocorrida. * Plano lançado em 1989 e encerrado em 2002, tendo elevado o número de mestres e 2002 doutores da PUCRS de menos de 100 para mais de 1.200.
  38. 38. TECNOPUC Áreas de Atuação Competência Acadêmica Pesquisa Científica e Tecnológica Demanda d S i d d D d da Sociedade Setor Técnico-Científico (Software Microeletrônica Técnico Científico (Software, Microeletrônica, Telecomunicações, Energia e Nanotecnologia) Setor de Ciências Biológicas e da Saúde (Biotecnologia e Fármacos) Setor de Meio Ambiente (Energias Renováveis, Sequestro de Carbono)
  39. 39. TECNOPUC Situação Atual:  +40 Empresas (Petrobras, HP, DELL, SONAE, Microsoft, Stefanini, DBServer, CPM, Processor, 4D, LifeMED, OZ, ) DBServer CPM Processor 4D LifeMED OZ ...)  8 Instituiçoes (CEITEC, Fundação Pensamento Digital, Assespro, ABINEE, Softsul, AJE, FAJERS, Instituto Liberdade e PMI) 6C t Centros d P de Pesquisa PUCRS (N i (Nanotecnologia, R di ã d E t l i Radiação da Energia i na Matéria, Centro de Pesquisa em Biologia Molecular e Funcional, Energia Elétrica, Sequestro de Carbono e Energia Solar Fotovoltáica) IIncubadora RAIAR (25 empresas start-ups e spin-offs) b d i ff )  3 Centros de Referência Nacionais (MCT e Petrobras): Energia Solar ( ) g Fotovoltáica, Instituto Nacional de Tecnologia de Tuberculose e Cenotr de Excelência em Sequestro de Carbono (em desenvolvimento: Microeletrônica/TV Digital) + 2.600 colaboradores
  40. 40. TECNOPUC Principais P j t P&D P i i i Projetos P&D: Energia: Solar / Elétrica / Eólica / Bioenergia Sequestro de Carbono Nanotecnologia GSD: Software Engeneering / SW Quality / KDD / GP Grid Computing / Computação de Alto Desempenho / OS Microeletrônica Telecomunicações Life Sciences: Medicamentos / Medicina Nuclear / Neurociências
  41. 41. TECNOPUC
  42. 42. TECNOPUC
  43. 43. TECNOPUC
  44. 44. TECNOPUC
  45. 45. TECNOPUC
  46. 46. TECNOPUC
  47. 47. TECNOPUC
  48. 48. TECNOPUC
  49. 49. TECNOPUC
  50. 50. TECNOPUC: Prêmios
  51. 51. TECNOPUC: prêmios
  52. 52. TECNOPUC: Fase II
  53. 53. TECNOPUC: Fase II
  54. 54. TECNOPUC: Fase III (Viamão)
  55. 55. Modelo de Gestão Estrutura Física: Antigo Quartel do Exército Brasileiro g  18º. Regimento de Infantaria do Exército Área contígua ao Campus Central da PUCRS Arquitetura externa totalmente preservada e identificada Total do espaço: 16 hectares p ç  5,6 hectares PT, com 18 mil m2 atuais  11 hectares de estacionamento e setores de apoio Fase II: concluído: 3 mil m2, edifício 6 andares, 2 empresas Fase II: em projeto: 22 5 mil m2 Torres de P&D (BNDES) 22,5 m2, Fase III: Viamão (20 hectares), RAIAR PRIME
  56. 56. Modelo de Gestão Atração de Empresas: Processo induzido pelo mercado p Empresas-âncora: atração inicial Sistemistas: empresas de médio porte Convênios com associações e entidades Incubadora: RAIAR (somente spin-off acadêmico e das empresas) Centros de Pesquisa da PUCRS Visão integrada com Universidade do ambiente de inovação: áreas de atuação e prioridades: convênios de P&D e prazo de operação Inserção nas comunidades da área: Anprotec, IASP, AURP, Sebrae Parcerias com entidades representativas: ABINEE, ASSESPRO, Parcerias PMI, AJE, SOFTSUL, FAJERS
  57. 57. Modelo de Gestão Aspectos Essenciais: Projetos de P&D j Obrigatórios para todas as modalidades de contrato Prazos vinculados aos contratos Busca de bolsas de G (iniciação científica) de PG (mestrado e ( ç ) ( doutorado): oportunidade para os alunos de G e PG Coordenação de professor com titulação de Doutor Atenção especial à questão da Propriedade Intelectual Modelo: convênio e TAs RH envolvidos Pesquisadores contratados pelos projetos Professores e coordenadores envolvidos com remuneração adicional Alunos de graduação via agente de integração ( g ç g g ç (FIJO)) Alunos de mestrado e doutorado via PUCRS (GRH)
  58. 58. Modelo de Gestão Aspectos Jurídicos: Relação contratual na ocupação dos espaços ç p ç p ç Comodato Locação Compartilhamento via p j p projeto de P&D Operações de P&D da Universidade Tempo dos contratos e po co a os Entre 1 e 8 anos Maioria entre 2 e 3 anos Cláusulas de saída flexíveis Cláusulas Aspecto crítico: negociação da Propriedade Intelectual gerada nos projetos de P&D (ETT)
  59. 59. Modelo de Gestão Aspectos Jurídicos: Fundamental: respeito à legislação relativa a filantropia (nunca colocar em risco) l i ) Todo o resultado é aplicado na área de ensino e pesquisa(fundo de pesquisa: bolsas de estudo de IC, mestrado e doutorado, editais de apoio à pesquisa interdisciplinar) Estrutura da área Estrutura Profissionalização da área de gestão de projetos de P&D (AGT) Suporte do ETT e do EEP Aprovação de todos os contratos pela PROJUR da Universidade Contratação de parecer externo em casos especiais (dois escritórios jurídicos, um regional e outro nacional/internacional)
  60. 60. Modelo de Gestão Aspectos Organizacionais: Aprovação dos contratos e negociações Negociação: AGT / ETT / TECNOPUC (PRPPG) Aprovação Jurídica: PROJUR Aprovação Final: PROAF Casos modelos e especiais: Colegiado Reitoria e Comselho de Curadores Formulação de políticas a serem seguidas ç p g PE PUCRS (2001-2010) Comitê Gestor da AGT
  61. 61. Modelo de Gestão Aspectos Organizacionais: Vinculação AGT Agência de gestão vinculada à PRPPG Mesma estrutura jurídica da Universidade (faz parte) Mesma estrutura administrativa e contábil da Universidade (faz parte) Replica setores jurídicos, administrativos e contábeis: velocidade TECNOPUC & RAIAR Espaço Físico delimitado Gerido pela PRPPG (Direções) ETT e EEP Setores da PRPPG
  62. 62. Modelo de Gestão Diferenciais: Dif i i Inserção do TECNOPUC no núcleo da área de pesquisa da Universidade (PRPPG) : 100% investido em pesquisa via fundo de pesquisa: bolsas IC (BPA), bolsas de M/D (ProBolsas), (ProBolsas) fomento Profissionalização da área de Transferência de Tecnologia Infra-estrutura e localizacão da PUCRS Infra estrutura Autonômia e estabilidade na gestão Agilidade e flexibilidade na ação (soluções customizadas para cada parceiro) d i ) Articulação e inserção efetiva nas ações dos Governos Municipal, Estadual e Federal
  63. 63. Modelo de Gestão Diferenciais: Reorganização dos Mecanismos Institucionais de Pesquisa  Grupos, Núcleos, Laboratórios e Centros de Pesquisas  Hierarquias definidas: docentes pesquisadores, colaboradores, parceiros, alunos de PG, alunos de G Foco na Integração Ensino, Pesquisa e Extensão  Mecanismos Institucionais conectados com a área de ensino (G e PG)  Políticas e ações voltadas para o enriquecimento da sala de aula (G e PG) a partir das pesquisa desenvolvidas na Universidade  atividades de extensão derivadas das pesquisas científicas desenvolvidas na Universidade Novo paradigma de pesquisa na PUCRS em busca de maior inter / multi / transdisciplinariedade  balanceada (básica e aplicada)  inserida no contexto social (E)  integrada com ensino (G e PG)
  64. 64. Modelo de Gestão Desafios: Manter i ã M t visão estratégica e objetivos compartilhados t té i bj ti tilh d Reter os parceiros captados: agregar valor ao negócio dos diversos atores Poder público como indutor de políticas sustentáveis de inovação tecnológica Diferenciais e fatores de atracão de PCT no país Articulação das múltiplas iniciativas entre atores do processo de inovação Clareza sobre o papel de cada ator (U/E/G) Alinhamento nas políticas de inovação e científica Inserção das áreas de Humanas e Sociais Aplicadas
  65. 65. Modelo de Gestão Desafios (aspectos jurídicos): D fi ( t j ídi ) Problemas de ordem jurídica em múltiplas frentes: Filantropia; Propriedade Intelectual; Fundações Privadas; Legislação trabalhista; Remuneração pesquisadores; ç p q ; Bolsas alunos PG; Reforma da Universidade, Lei de Inovação (segmento IES Universidade públicas, comunitárias, particular) Agilidade nos processos legais de regularização de uso e ocupação de espaço físico;
  66. 66. Considerações Finais Em uma economia baseada no conhecimento, o que a sociedade mais demanda é capital intelectual: pessoas e idéias que desenvolvam e viabilizem novos produtos e processos, pesquisas que terminem por gerar novos negócios e empresas de alta tecnologia que gerem emprego e renda, propiciando renda desenvolvimento economico, social e técnico para a comunidade.
  67. 67. Capital Intelectual não surge sem esforço a partir de um laboratório de pesquisa. É resultado d i t lt d de interação entre pessoas. ã t É produto da interação entre pesquisadores e professores, alunos qualificados, empresas e governo trabalhando juntos em pesquisas de ponta, formulando e respondendo questões e atendendo demandas da sociedade por melhores padrões de qualidade de vida.
  68. 68. Na interação Universidade-Empresa, as empresas vão em busca de qualidade e inovação, ou seja, vão aonde o talento estiver… O que estamos t t d f t tentando fazer na PUCRS é atrair, manter e t i t formar os melhores estudantes, criar novos laboratórios de pesquisa, gerar capital intelectual e estimular a interação e parcerias com as empresas e com os governos, visando criar i i d i um círculo virtuoso de pesquisa, inovação e desenvolvimento econômico e social.
  69. 69. Neste sentido, a PUCRS, tem atuado como forte Vetor de Desenvolvimento na Sociedade, gerando: Sociedade - Atração de novos investimentos de alta tecnologia ( ç g (3 operações internacionais de grande porte na área de GSD, 1 planta piloto de células fotovoltaicas, 3 centros de referência nacionais...); - Geração de emprego e renda (mais de 2.600 empregos no Tecnopuc desde 2003); - Desenvolvimento de novas tecnologias e empresas start- ups (+ 25 micro-empresas novas de alta tecnologia criadas desde 2003 na Incubadora RAIAR); );
  70. 70. - Atração de eventos internacionais de grandes empresas de classe mundial para o Estado do RS (PETROBRAS, SIEMENS, HP, DELL e SONAE); - Pesquisas de ponta na área de saúde e biotecnologia (Centros de Pesquisa de Memória,, Células Tronco e Biologia Molecular, Instituto Nacional de Tecnologia em Tuberculose e Instituto do Cérebro do RS); - Atração e Retenção de talentos no Estado; - Imagem internacional positiva do potencial e capacidade de atração e concretização de investimentos de empresas de classe mundial em alta tecnologia do Estado;
  71. 71. ... E gerado um ambiente de grandes desafios e tensões: - Visão de Universidade, significado dos eixos de gestão: Qualidade, Interação com a Sociedade, Empreendedorismo e Inovação; ... Com grande potencial de transformação da PUCRS: - Sustentabilidade da Universidade; - Crescimento da Pesquisa e da Pós-Graduação; - Impactos nas Disciplinas e nos Currículos (Graduação); - Aceleração do processo de Internacionalização; - Possibilidades de crescimento acadêmico e profissional dos alunos: atração e retenção dos melhores alunos; - Maior inserção na Sociedade; ... Aderência com a Missão da PUCRS: ... QUALIDADE & RELEVÂNCIA... ... e com a Visão de Futuro da PUCRS: ... INOVAÇÃO...
  72. 72. Entre a tradição e a renovação renovação...

×