Your SlideShare is downloading. ×
Tumores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Tumores

7,191
views

Published on

Published in: Technology, Health & Medicine

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,191
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
154
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Transcript

    • 1. Tumores Renais Edson Paschoalin
    • 2. Tumores Benignos
      • Leiomioma
      • Hemangioma
      • Lipoma
      • Tu células justaglomerulares
    • 3.  
    • 4. Tumores com Potencial Maligno
      • Oncocitoma (3% tu renais) 2:1
      • Angiomiolipoma (hamartoma) 3% Tu renais; 1:8
      • Adenoma
    • 5.  
    • 6. Tumores Malignos
      • Wilms
      • Adenocarcinoma (Tu células renais) (80% Tu renais) 2:1
    • 7.  
    • 8.  
    • 9. Manifestações clínicas dos Adenocarcinomas Renais
      • Clínica Freqüência
      • Hematúria 59%
      • Massa 45%
      • Dor 41%
      • Perda de peso 28%
      • Anemia 21%
      • Sintomas de mestástases 10%
      • Tríade clássica 9%
      • Febre 7%
      • Incidental 7%
      • Eritrocitose 3%
      • Varicocele 2%
    • 10. Síndrome Paraneoplásicos Associados ao Adenocarcinoma
      • Síndrome Freqüência Causa
      • Anemia 41% Fator mielotóxico
      • Hipertensão 38% Renina, prostaglandinas
      • Febre 17% Fator hepatotóxico
      • Hipercalcemia 6% Paratormônio, prostaglandinas
      • Policitemia 4% Eritropoetina
    • 11. Diagnóstico
      • Anemia (30%)
      • Hematúria (60%)
      • Ultra-sonografia
      • Urografia excretora (calcificação)
      • Tomografia computadorizada
        • Alta sensibilidade e especificidade
      • Ressonância magnética
      • Radioisótopos (rastreamento de metástases ósseas)
      • Arteriografia renal (angioressonância)
    • 12. Sistematização para Avaliação de Massa Renal Hematúria, massa renal Ultra-sonografia Tomografia computadorizada Cística Complexa Sólida Nada Angiografia Cirurgia Hipovascular Hipervascular Punção lombar Cirurgia Contraste Análise bioquímica Radiografia
    • 13. Tratamento
      • Nefrectomia radical (rim, adrenal, gordura perirrenal, fáscia de Gerota, retirada completa dos linfonodos retroperitoniais do hilo renal até a bifurcação da ilíaca)
      • Resistentes a radioterapia e quimioterapia
    • 14. Classificação pelo Sistema TNM
      • Tx Tumor primário não-avaliado
      • T0 Sem evidência de tumor primário
      • T1 Tumor < 2,5 cm e limitado ao rim
      • T2 Tumor > 2,5 cm e limitado ao rim
      • T3 Tumor estendendo-se para a veia renal ou veia cava inferior, invasão de adrenal ou tecido perinéfrico, sem extensão além da fáscia de Gerota
      • T3a Invasão da adrenal ou tecidos perinéfricos, preservando estruturas além da fáscia de Gerota
      • T3b Extensão tumoral para a veia renal ou veia cava inferior
      • T3c Extensão tumoral para a veia cava inferior acima do diafragma
      • T4 Invasão além da fáscia de Gerota
    • 15. Linfonodos Regionais
      • Nx Linfonodos não-avaliados
      • N0 Ausência de linfonodos metastásticos
      • N1 Metástase em um único linfonodo, < que 2cm
      • N2 Metástase em um único linfonodo > que 2cm e < que 5cm
      • N3 Metástase em linfonodo > que 5 cm
    • 16. Metástases à Distância
      • Mx Presença de metástase à distância não avaliada
      • M0 Ausência de metástase à distância
      • M1 Presença de metástase à distância
    • 17. “ A messe é abundante, mas os operários são poucos; pedi,pois ao Senhor que mande mais operários para a messe” (São Lucas)
    • 18. Tumor de Wilms
      • Max Wilms, 1899, Tu renal misto
      • Incidência: neoplasia + frequente da infância ( 8: 1.000.000)
      • Ambos sexos: pico em tôrno 3 anos (75% entre 1 e 5 anos) ; 5% dos casos é bilateral
      • Forma esporádica ou familiar ( + precocemente e bilateral)
      • Anomalias associadas (15%) :
        • Genitourinárias: Criptorquidia, hipospádia, rins fundidos, duplicidade pieloureteral
        • Aniridia (Lesão ocular)
    • 19. Tumor de Wilms
      • Etiologia : Restos do blastema metanefrogênico
      • Estadiamento : I a V
      • Metástases : Localmente (retroperitonial, veia renal, ggl. regionais);
        • 10% para pulmão, fígado, ossos, cérebro
      • Prognóstico:
        • Idade paciente, extensão doença (estadiamento)
        • Tipo histológico, ressecabilidade cirúrgica
      • Clínica:
        • Percepção massa abdominal ( 90% )
        • Dor abdominal e hematúria macroscópica ( 20%)
    • 20. Neoplasia de Pelve Renal e de Ureter
      • CPRs raros, 6% dos Tu renais; 3:1; 60-70 anos
      • Relação tu rim, bacinete, ureter = 51:3:1
      • CPRs: fumo, analgésico (fenacetina), anilina
      • I.U. crônica associada litíase renal (Câncer epidermóide pelve renal)
      • Associação CPR a Tu bexiga é freqüente (30 a 75%)
    • 21.  
    • 22. Diagnóstico
      • Hematúria
      • Indolor, cólica renal (coágulos)
      • Obstrução: dor surda e contínua
      • Tu assintomático (descobertos acidentalmente)
      • U.Excretora: defeito de enchimento bacinete, cálices
    • 23.  
    • 24.  
    • 25. Diagnóstico
      • Diferencial
        • Coágulo, cálculo radiotransparente, bola de fungo, papila necrótica
      • Cistoscopia
        • Possibilidade Tu vesical concomitante
      • Citologia urinária ajuda se positiva (muitos falso-negativo)
      • Estadiamento: CT tórax, abdômen
    • 26. Tratamento
      • Nefroureterectomia com pequena Cistectomia homolateral
    • 27. “ A messe é abundante, mas os operários são poucos; pedi, pois ao Senhor que mande mais o operários para a messe” (São Lucas) “ O segredo da felicidade é fazer do seu dever o seu prazer” Ulisses Guimarães
    • 28. Carcinoma de Uretér
      • Raros, 1% Tu malignos trato urinário superior
      • 7º década, 3:1
      • Terço inferior: 70%
      • Associados câncer bexiga 30 a 50%
    • 29.  
    • 30.  
    • 31. Câncer de Bexiga
      • Após próstata, + freqüente do homem
      • 5ª causa óbito pacientes + 75 anos
      • Incidência aumenta com + idade
      • Menos 1% antes 4ª década
      • 3-5 vezes + freqüente homens
    • 32. Câncer de Bexiga
      • 18 a 35% carcinógenos
      • Aminas aromáticas, tabagistas
      • Natureza epitelial
      • 90% dos casos  células transicionais
      • 6% dos casos  células epidermóides
      • 1 a 2% dos casos  adenocarcinomas
    • 33.  
    • 34. CIS (Carcinoma in situ )
      • Lesão plana, intra-epitelial
      • Aspecto endoscópico:
        • Normal / levemente aveludado
    • 35.  
    • 36. Quadro Clínico
      • 70 a 85%
        • Hematúria indolor
      • 20%
        • Sintomas irritativos
      • 7%
        • Sintomas relacionados a metástases
    • 37. Diagnóstico
      • Ultrasonografia
      • Cistoscopia
        • Lavado vesical para citologia oncótica
      • CT/RM para avaliação pélvica (cirurgia radical)
      • Laboratório: BTA (bladder tumor antigen) ; NMP22 ; ácido hialurônico
    • 38.  
    • 39.  
    • 40. Fatores de Risco de Recorrência e Progressão da Doença após Tratamento Inicial de Tumores Vesicais superficiais
      • Baixo risco Alto risco
      • Estádio Ta Tis ou T1
      • Grau G1 ou G2 G3
      • Recidivas prévias Não Sim
      • Multiplicidade Isolado Múltiplo
      • Associação com CIS Não Sim
      • Ploidia Diplóide Aneuploide, tetraploidia
      • Anomalia do gene p53 Ausente Presente
    • 41. Tratamento
      • Estadiamento
        • Superficiais
        • Infiltrativos
        • Metastásticos
      • RTU da lesão
      • Cistectomia parcial
      • Gold standard
        • Cistectomia radical com linfadenectomia pélvica, associada à derivação urinária
    • 42. “ É terrível verificar que nossa tecnologia é maior que nossa humanidade” Albert Einstein
    • 43. Tumor de Testículo
      • Germinativos ( 90% )
      • Não-germinativos
        • Primários (tu cél. Leydig, tu cél Sertoli, sarcomas)
        • Secundários
          • Linfomas e metástases
    • 44. Germinativos
      • 0,5% neoplasias homem
      • 1:50.000 homens
      • Incidência aumentou 51%, mortalidade reduziu 70%
      • Criptorquidia aumenta 50 vezes
        • 85% testículos criptorquídicos
        • 15% testículo normal
    • 45. Diagnóstico
      • Aumento testicular indolor, ou simulando orquiepididimite
      • Ultra-som  massa sólida
      • Marcadores séricos:
        •  -HCG
        •  -fetoproteína
      • DHL elevado – maior massa tumoral dos seminomas
    • 46. Tratamento
      • Orquiectomia inguinal + radioterapia, quimioterapia e/ou linfadenectomia
    • 47. “ Os amigos fiéis são como o sol, que não precisa aparecer todos os dias para sabermos que ele existe” Noé Bonfim
    • 48. Tumor de Pênis
      • Malignos
        • Carcinoma epidermóide do pênis (95%)
        • Carcinoma verrucoso
        • Basocelular
        • Melanoma
        • Sarcoma
          • 1% de todos as neoplasias
          • Brasil: varia de acordo com a região Norte/Nordeste: 50/100.000 habitantes
        • Fimose e baixas condições socioeconômicas
    • 49.  
    • 50.  
    • 51.  
    • 52. “ Ouça o paciente. Ele lhe dará o diagnóstico” Hermann Blurigart