Your SlideShare is downloading. ×
Expresso Imperial: Trem Rio-Petrópolis
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Expresso Imperial: Trem Rio-Petrópolis

3,390
views

Published on

Published in: Travel

1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
  • Uma das melhores formas de modernizar e atualizar os sistemas de trens de passageiros em locais em que ainda se utilizam da bitola métrica é a implantação de bitola em 1,6 m a exemplo do que acontece nas maiores metrópoles brasileiras, observando, uma foto frontal postada, como destas composições de Salvador-BA, Teresina-PI, Campos do Jordão-SP e o bonde Santa Teresa-RJ em bitola de 1,1 m, e que já sofreram múltiplos descarrilamentos e com mortes, pode se visualizar a desproporção da largura da bitola, 1,0m com relação largura do trem “l”=3,15 m x altura “h”= 4,28 m ( 3,15:1) conforme gabarito, o que faz com que pequenos desníveis na linha férrea provoquem grandes amplitudes, oscilações e instabilidades ao conjunto, podendo esta ser considerada uma bitola obsoleta para esta função, tal situação é comum na maioria das capitais no nordeste, exceto Recife-PE.

    Para que esta tarefa seja executada sem grandes transtornos, inicialmente devem ser planejadas e programadas as substituições dos dormentes que só permitem o assentamento em bitola de 1,0 m por outros em bitola mista, (1,0 + 1,6 m ) preferencialmente de concreto, que tem durabilidade muito superior ~50 anos, principalmente os que possuem selas, para após realizar a mudança, observando que para bitola de 1, 6 m o raio mínimo de curvatura dos trilhos é maior .

    Entendo que deva haver uma uniformização em bitola de 1,6 m para trens suburbanos de passageiros e metro, e um provável TMV- Trens de passageiros convencionais regionais em média velocidade, máximo de 150 km/h no Brasil, e o planejamento com a substituição gradativa nos locais que ainda não as possuem, utilizando composições completas, já com ar condicionado que as concessionárias colocam periodicamente em disponibilidade em cidades como Teresina-PI, Natal-RN, Maceió-AL, João Pessoa-PB, Salvador-BA que ainda as utilizam em bitola métrica, com base comprovada em que regionalmente esta já é a bitola nas principais cidades e capitais do Brasil, ou seja: São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Recife, e Curitiba (projeto), e que os locais que não as possuem, são uma minoria, ou trens turísticos.

    Assim como foi feito em São Paulo, que se recebeu como doação, composições usadas procedentes da Espanha na qual originalmente trafegavam em bitola Ibérica, de 1,667m, e que após a substituição dos truques, (rebitolagem) trafegavam normalmente pelas linhas paulistanas em 1,6 m, com total reaproveitamento dos carros existentes, o mesmo poderá ser feita com estes trens que trafegam nestas cidades do Brasil, lembrando que este é um procedimento relativamente simples, de execução econômica, com grande disponibilidade de truques com motores elétricos de baixo consumo e recuperação de parte da energia elétrica na frenagem no mercado nacional e facilitando a manutenção e expansão dos serviços, uma vez que todas as implantações das vias férreas pela Valec no Norte e Nordeste rumo ao Sul já são nesta bitola.

    Esta será uma forma extremamente econômica e ágil de se flexibilizar, uniformizar, racionalizar e minimizar os estoques de sobressalentes e ativos e a manutenção de trens de passageiros no Brasil.

    Não é só o motor o responsável pelo consumo de energia elétrica em uma composição ferroviária de passageiros, pois além dele temos em menor escala, e não menos importante, o ar condicionado, compressores, iluminação etc, e os truques modernos já possuem motores elétricos de baixo consumo e recuperação cinética de parte da energia elétrica na frenagem, algo que não esta contemplado nesta substituição.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
3,390
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
30
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Expresso p Imperial p Ações do GT-Trem para reativação da E. F E F. Príncipe do Grão-Pará(Trem Expresso Imperial Rio-Petrópolis) Antonio Pastori Museu Imperial - P t ó li - 25/08/10 M I i l Petrópolis 1
  • 2. “O que era tão somente um sonho, O está se tornando uma grande tá t d d p possibilidade”. possibilidade”. 2
  • 3. O GT-Trem é ligado ao COMTUR, e é formado por 17 entidades: p ALERJ, AFPF, CMP ALERJ AFPF CMP, CASA D ITÁLIA, D’ITÁLIA CDL, CPTrans, FIRJAN, FCTP, GAPPe, IPHAN, MPF-Mov. MPF-Mov de Preservação Ferroviária PCVB Ferroviária, PCVB, PMP - Secretaria de Planejamento, SESEF/ Estação Cultural Barão de Mauá UCP Mauá, UCP, Mestres & DoutoresCoordenação: Isabela Verleun - Museu Imperial 3
  • 4. Tópicos1. Um pouco de História2. Um passeio virtual pelo leito da ferrovia3.3 O Projeto de reativação4. Méritos & Benefícios é os e e c os5. Conquistas6. O que falta fazer ?7. Resumo7 R 4
  • 5. 1 - Um pouco de História 5
  • 6. Evolução anual da malhaferroviária brasileira 1854 -1954 1954 Pico em 1910
  • 7. Antiga malha ferroviária da Região 11
  • 8. O que sobrou (transp. de passag.) 12
  • 9. Antigo leito: trecho Alto da Serra - Meio da Serra 13
  • 10. Meio da Serra – Raiz da Serra
  • 11. Origem da Grão-Pará Grão-• A E. F. Príncipe do Grão-Pará é a continuidade natural da 1a ferrovia do 1a. Brasil, a E. F. Mauá, inaugurada em 1854 - com 14,5 Km - ligando Guia de Pacobaiba à Raiz da Serra de Petrópolis (Vila Inhomirim). 15
  • 12. Ação da Imperial Companhia de Navegação a Vapor - Estrada de Ferro de Petrópolis (E. F. Mauá) (E F 16
  • 13. 1º. Trem que rodou no Brasil com a locomotiva Baroneza, preservada no Museu do Trem/RJ 17
  • 14. Guia da Pacobaiba-Raiz da Serra 14,5 14 5 km - com trilhos Tombada pelo IPHAN 18
  • 15. Cais de transferência em Guia de PacobaibaUso eficiente da bimodalidade 19
  • 16. O cais hoje.... 20
  • 17. Km 0 da E. F. Mauá 21
  • 18. Rio-Petrópolis Rio Petrópolis em 3h:30’ 3h:30• Antes da Grão-Pará a subida da Serra era Grão Pará feita por carruagens, pela Estrada Normal da Serra da Estrela Estrela.• A viagem Rio-Petrópolis consumia 3,5 h: g p – 1 hora de barco na travessia da Baía da Guanabara – 30 minutos de trem, até a Raiz da Serra –2h horas para subir a serra em carruagens bi 22
  • 19. Estrada Normal da Serra da Estrela 23
  • 20. Rio PetrópolisRio-Petrópolis em menos de 2 h?• O sonho de Mauá pa a c ega de trem a so o auá para chegar e Petrópolis começou em 1852, mas somente foi efetivado em 1883 com a inauguração da Grão-Pará ligando Raiz da Serra à Petrópolis• Agora, a viagem consumia menos de 2 horas: – 1 hora de barco para atravessar a Baía da p Guanabara – 30 minutos de trem de Guia à Raiz da Serra – 25 minutos para subir a serra de trem-cremalheira 24
  • 21. • Em Raiz da Serra a composição era desmembrada em comboios de 2 carros de passageiros tracionados por uma locomotiva cremalheira a vapor até o Alto da S Serra, alcançando a altitude de 845 metros em 25 minutos. 25
  • 22. Est. Vila Inhomirim (Raiz da Serra) ( ) 26
  • 23. Est. Meio da Serra 27
  • 24. Viaduto da Grota Funda (à 2 minutos daEst.Est Alto da Serra) 28
  • 25. Estação Alto da Serra (hoje um BNH) 29
  • 26. Estação Petrópolis ç p
  • 27. Reduzindo a viagem de 2 h para 1,5 h• A partir de 1926 a viagem Rio-Petrópolis deixou Rio Petrópolis de ser bimodal com a inauguração da Estação da Leopoldina na Av. Francisco Bicalho.• Um trem expresso ia direto até a Raiz da Serra em uma hora percorrendo 49 km hora, km.• Em Raiz começava a bela subida de 6 km do plano inclinado da Serra - média de 15% até o 15%- Alto da Serra. 31
  • 28. Cartaz de 1930 Rio- Rio-Petrópolisem 1h:30’ 32
  • 29. Estação Leopoldina -1930 ç p 33
  • 30. Composição passando pelo Subúrbio da Leopoldina 34
  • 31. Est.Est Vila Inhomirim (Raiz da Serra) 35
  • 32. Após 81 anos de operação...• ....os 6k 6km d t ilh de trilhos d S da Serra f foram erradicados em 1964• Contudo, a linha de 49 km até o Centro do Rio ainda existe mas é subutilizada existe, subutilizada, correndo paralela aos trilhos da SUPERVIA• Hoje, a ligação rodoviária Rio-Petrópolis j , g ç p pode levar mais de duas horas nos horários de pico pico. 36
  • 33. Importante!É condição sine qua non da FIFA, e do COI a criação de um COI, segundo modal de acesso p g para que Petrópolis possa tornar-se sub-sede da Copa 2014, e d Oli í d de 2016 das Olimpíadas d 2016.
  • 34. Mapa viário da Região p g E.F. Grão-Pará (1883-1964) BR-040 Alto da Serra- Meio-Raiz da Serra Rod. Rio-Magé g E. F Mauá (1854-1926) SUPERVIA Trecho: B. Mauá – Guia de Pacobaiba – Raiz da Serra Saracuruna – V.Inhom. Barco: Prç. Mauá-Guia PacobaibaBR-116 (DUTRA) Av. Brasil 38
  • 35. 2 - Um passeio virtual pelo antigo leito 39
  • 36. Perfil Altimétrico 900 800 3 KmAltitud em metros 700 600 3,8 Km 500 400 de 300 200 2,3 Km 100 49,4 Km 0 Barão de Mauá (Km Vila Inhomirim (Km Meio da Serra (Km Alto da Serra (Km Centro Petrópolis (km zero) 49,5) 51,7) 55,5) 58,5) Estações Altitude Distância 40
  • 37. Vista geral da Serra da Estrela (Vale do Caiobá) 41
  • 38. 42
  • 39. 43
  • 40. “Calçada do Proença” ( ç ç (Estrada Real) ) 44
  • 41. Sistema de drenagem original g g 45
  • 42. Viaduto da Grota Funda 46
  • 43. Viaduto da Grota Funda 47
  • 44. 48
  • 45. Detalhe de trecho da Estrada Real e do sistema de 49drenagem, depois da G. Funda, antes do viaduto II.
  • 46. Viaduto II 50
  • 47. 51
  • 48. 52
  • 49. 53
  • 50. Meio da Serra 54
  • 51. 55
  • 52. 56
  • 53. 57
  • 54. 58
  • 55. 59
  • 56. 60
  • 57. Região da Raiz da Serra Estação Vila Inhomirim 61
  • 58. Estação Raiz da Serra 62
  • 59. ...até o Centro do Rio são apenas 49 k !! km 63
  • 60. 64
  • 61. Vila Inhomirim – Barão de Mauá 65
  • 62. 66
  • 63. 67
  • 64. Estação Saracuruna 68
  • 65. 69Viaduto da Petrobras na BR-040
  • 66. 70
  • 67. 71
  • 68. 72
  • 69. 73
  • 70. Km 0 - Est. Leopoldina 74
  • 71. O trem passa ao lado do Maracanã... Rodoviária Estação da Leopoldina 75
  • 72. 3 – O Projeto de reativação 76
  • 73. Assim é queimaginamosi i o Expresso Imperial subindo a Serra de Petrópolis 77
  • 74. Detalhes do trecho acremalheira (E. F. doCorcovado)C d ) 78
  • 75. Principais Intervenções p ç1. Meio ambiente: reurbanizar parte da área2.2 Instalar Pólo de gastronomia, artesanato gastronomia artesanato, musicalidade e ecoturismo no Meio da Serra3.3 Reinstalar 6 km de trilhos na Serra4. Eletrificar o trecho5.5 Estações: construir uma e reformar 26. Pontes e viadutos: construir uma e reformar 47. Implantar 4 passagens em nível inferior8. Instalações: Oficinas, Controle, Administ., etc.9. Comprar 3 trens-cremalheira elétricos com capacidade para até 130 passageiros
  • 76. Investimentos R$ 63 milhões Resumo Privado Público TotalEstudos e Projetos 1.000 - 1.000Via permanente 28.000 28.000 Oficinas e Estações 2.000 2 000 2.000 2 000Material Rodante 20.000 - 20.000Reserva Técnica 1.500 - 1.500Reurbanização da área 20.000 20.000K de Giro 500 500TOTAL GERAL 25.000 25 000 48.000 48 000 63.000 63 000
  • 77. Investimentos do Gov do Estado = R$ 28MM Gov.1.1 Instalação da 6 km de via permanente (trilhos) na Serra, eletrificando o trecho2.2 Construir e recuperar pontes e viadutos3. Construir Estação Alto da Serra4. Reformar Estação Meio da Serra5. Adaptar Estação Vila Inhomirim Obs: uma vez concluídas as obras, licita-se o licita- trecho. trecho O vencedor - um Operador Privado - pagará pelo arrendamento, por 30 anos! 81
  • 78. Investimentos Públicos (nível Federal e Municipal) R$ = 20 milhões1. Reurbanização da área próxima ao leito. Verba do Minist. das Cidades Programa Minha Casa, Minha Vida (CEF)2. Prefeituras de Petrópolis e Magé doam terrenos, cadastram as famílias e apresentam os projetos habitacionais à CEF.3. Prefeituras ajudam na inserção social e na qua cação qualificação de mão de ob a local pa a ão obra oca para produção artística, artesanal, serviços, ecoturismo, etc. , 82
  • 79. Trecho antes da Grota funda 83
  • 80. Viaduto da Grota Funda
  • 81. Trecho sem ocupação 85
  • 82. Material Rodante (trens) 86
  • 83. Locomotiva Cremalheira a Vapor da Grão-Pará
  • 84. Locomotiva Cremalheira a Vapor da The Leopoldina Railway.
  • 85. 89
  • 86. 90
  • 87. 91
  • 88. 92
  • 89. 93
  • 90. do Expresso Imperial perto da Raiz da Serra 94
  • 91. 95
  • 92. 96
  • 93. Não parece a Rua Tereza ? 97
  • 94. 98
  • 95. 99
  • 96. Trem turístico rústico, nos Alpes p 100
  • 97. 4 – Méritos & Benefícios 101
  • 98. Benefícios para o Setor Público p• Dividendos políticos ao reativar a 1a. p ferrovia do Brasil• Melhoria da imagem dos governos governos, ajudando-os a cumprir as funções sociais de mobilidade urbana, geração de renda e p proteção ao meio ambiente ç• Recuperação do investimento feito pelo Estado com o arrendamento da concessão 102
  • 99. Benefícios p/ o Investidor p p privado• Excelente oportunidade de negócio em p g nicho de mercado que vem crescendo no Brasil• Demanda garantida• Boa taxa de retorno• Longa durabilidade do material rodante e da via permanente (trilhos)• Baixo custo operacional (eficiência energética) g ) 103
  • 100. A eficiência do trem é devido a menor área decontato (atrito) entre a roda e superfície do trilho A superfície de contato é do tamanho de uma moeda de 10 centavos 104
  • 101. 105
  • 102. Empregos• Geração de 1.500 novos postos de trabalho – 130 diretos – 170 indiretos – 1 200 d 1.200 durante as obras b 106
  • 103. Incremento adicional no Turismo• + 400 mil turistas/ano para Petrópolis devido à essa nova atração: ç – 150 mil são parte dos turistas que vão ao Corcovado de Trem – 50 mil para fazer ecoturismo na Serra da Estrela e explorar a ruínas Estrada Real etc ruínas, Real, etc. – 200 mil somente para passear de trem• Obs: não foram computados os efeitos de Copa 2014 e Olimpíadas 2016 107
  • 104. Proteção ao Meio Ambiente• Recuperação de área degrada• Evitar desmatamento e novas ocupações• Exploração do Ecoturismo• Manter protegido um dos p p g principais corredores p da Mata Atlântica• Recuperação do Patrimônio Histórico• Geração de Créditos de Carbono (trem elétrico) 108
  • 105. Benefícios para as Cidades• Aumento da visibilidade: reativar o prolongamento da 1ª. Ferrovia do Brasil• Vi bili Viabilizar novos produtos turísticos d í i• Descentralização Urbana: novo eixo de acesso à Petrópolis, desafogando o Centro• M d Mudança d realidade d uma R iã pouco da lid d de Região explorada com enorme potencial 109
  • 106. Aumento da mobilidade urbana• Petrópolis tem somente a rodovia BR-040 como opção de mobilidade. A ferrovia será pç uma segunda opção• Deslocamento Rio Petrópolis será de 1 5h Rio-Petrópolis 1,5h• Integração com Metrô e SUPERVIA• Integração com o TAV Rio-São Paulo• Facilita acesso ao Maracanã e Engenhão p/ eventos esportivos entre 2011 e 2016. 110
  • 107. O Trem é o transporte ecologicamente correto• Segurança, conforto e rapidez• Baixíssimo í di d poluição (t B i í i índice de l i ã (trens elétricos) lét i )• Baixíssimo índice de ac de es a ss o d ce acidentes• Obra fica pronta em menos de um ano, com pouco po co impacto ambiental (o leito já e iste) existe). 111
  • 108. Efeito Multiplicador p• Revitalização da Região do Alto e Meio da Serra, com forte reflexo para o comércio e moradores locais• Valorização dos imóveis da Região• Geração de renda para população local: artesanato, ecoturismo, serviços, etc. , , ç ,• Nova porta de entrada para Rua Tereza 112
  • 109. 5 – As conquistas! 113
  • 110. O IPHAN aprovou um projeto para reativar a E. F. Mauá - incluindo a ligação de barca da Praça Mauá até Guia - ao custo de R$ 33,5 milhões. 114
  • 111. • Já existe um Decreto da ex-Gov. Benedita q permite a ligação de barcas Praça que p g ç ç Mauá-Magé• Isso viabiliza o projeto Turístico “Venha a Venha Petrópolis como vinha o Imperador”
  • 112. Conquistas q• Expressiva simpatia da comunidade ao projeto, além do apoio de várias Entidades, Entidades ONGs e da MÍDIA em geral. 116
  • 113. Conquistas• Abaixo Assinado na Internet com mais de p 2.200 assinaturas e depoimentos: www.manifestolivre.com.br 117
  • 114. www.manifestolivre.com.br
  • 115. Conquistas• Aprovação pelo Governador Sergio Cabral da Lei 5791/2010 de autoria 5791/2010, do Deputado João Pedro, que declara o "E d l "Expresso I Imperial" d i l" de relevante interesse tu st co e e e a te te esse turístico econômico para o nosso Estado 119
  • 116. Conquistas recentesCriação do GT-Trem Estadual formado GT-pelas Secretarias de Obras, Transportes e Turismo do Estado do Rio + Prefeituras de Petrópolis e Magé Magé. 120
  • 117. Próxima ConquistaEm 13 de Setembro será firmado um Protocolo de Cooperação entre o Governo do Estado do Rio com asPrefeituras de Petrópolis e M é paraP f it d P t ó li Magé de definir ações necessárias. ecessá as 121
  • 118. 6 – O que falta fazer ? 122
  • 119. Gov d E t d d Ri G do Estado do Rio assumir a ititularidade do trecho que está c/ SPU-RJ que cuida dos ativos da ex-RFFSA, pois o trecho é intermunicipal 123
  • 120. Prefeituras fazerem a reurbanizaçãoP f it f b i ã com o apoio do Gov Federal na Gov. construção de novas moradias. Verba Minha Casa, Minha Vida 124
  • 121. • Atualizar os estudos existentes, elaborando: – Projeto Executivo de engenharia para detalhando do traçado – Projeto para os investimentos de co pe sação ojeto pa a est e tos compensação ambiental e de reurbanização – Plano Turístico para exploração sustentável da Região – Projeto para Inserção Social das comunidades afetadas pelo projeto visando à prestação de serviços de turismo receptivo (guias com qualificação em línguas), desenvolvimento de habilidades artesanais e musicais etc musicais, etc.
  • 122. Gov. do Estado começar as obrasG d E t d b de infraestrutura e, após econcluídas, fazer licitação pública para que o trecho seja concessionado a um operador p privado ((Empresa ou OSCIP) p ) 126
  • 123. Trazer o PresidenteLula para (re)lançar a pedra fundamental ferrovia da mesma formaque Mauá fez com Dom Pedro II, há exatos 158 anos atrás. 127
  • 124. Desafio Maior Ou retiramos os trilhos do Brasão da Cidade, Cid d ou reativamos essa ferrovia. 128
  • 125. 7- Resumo
  • 126. Resumo geral g1. Reinstalar 6 km de trilhos na Serra permitindo que a ligação ferroviária Rio-Petrópolis seja retomada, fazendo a viagem em 1,5 hora.2. Prefeituras cuidam da reurbanização através do Minha Casa, Minha vida (R$ 20 MM)3. Gov do Estado faz a obra de reinstalação dos trilhos na Serra (R$ 28 MM) e, após conclusão, f a li it ã pública d t h l ã faz licitação úbli do trecho4. Licitante vencedor compra os trens (R$ 25 MM), MM) pagando ao G d Governo do E t d o d Estado arrendamento dessa infraestrutura, por 25 ou 30 anos anos.
  • 127. A reativação da Grão-Pará ampliará amobilidade e criará novas opções turísticas Polo Meio da Serra Reativação da E. F. Mauá Ligação com SUPERVIA Trecho: Raiz da Serra-Centro Barca: Galeão – Guia de Pacobaiba Barca: Praça Mauá-Guia Mauá Guia 131
  • 128. Venha à PetrópolisExpresso de trem como trem, vinha o Imperador, em 1h:30 !! Será impossível p não se apaixonarImperial por essa viagem! 132
  • 129. Em nome do GT-Trem, muito obrigado ! , g 133
  • 130. Antonio Pastori • Coordenador Técnico do GT-Trem • Consultor e Pesquisador Ferroviário • Mestre em Economia• Ex-Gerente do Depto. De Transportes & Logística do BNDES acdpastori@gmail.com (21) 9911- 8365