Infarto agudo do miocárdio

41,325
-1

Published on

Published in: Health & Medicine
5 Comments
44 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
41,325
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
5
Likes
44
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Infarto agudo do miocárdio

  1. 1. Infarto agudo do miocárdio<br />
  2. 2. INTRODUÇÃO<br /><ul><li>Popularmente conhecido como ataque cardíaco, o infarto agudo do miocárdio (IAM) ocorre quando há redução do fluxo sanguíneo das artérias coronárias para o coração.
  3. 3. Esse processo pode levar à necrose de forma rápida (aguda) do músculo cardíaco (miocárdio) pela ausência de fornecimento adequado de nutrientes e oxigênio.</li></li></ul><li>INTRODUÇÃO<br /><ul><li> A obstrução é causada com mais frequência pela formação de um coágulo (ou trombo) sanguíneo sobre uma placa aterosclerótica (doença inflamatória associada à presença de colesterol no interior da parede de uma das artérias coronárias).
  4. 4. O pico de ocorrência do primeiro IAM costuma ser:</li></ul>Mulheres<br />65 anos<br />Homens<br />55 anos<br />
  5. 5. CAUSA<br /><ul><li>De modo geral, o IAM ocorre quando há interrupção súbita e intensa do fluxo de sangue através de uma artéria coronária que irriga uma região do coração, provocando a morte de parte do tecido cardíaco.
  6. 6. Geralmente a causa desta interrupção do fluxo sanguíneo é o rompimento de uma placa de ateroma, ou seja, ruptura de uma placa de gordura. Esta ruptura acarreta a formação de um coágulo que interrompe o fluxo sanguíneo neste local da artéria.
  7. 7. O IAM é uma das manifestações da doença arterial coronariana, caracterizada pela formação de ateromas na parede das artérias coronárias.</li></li></ul><li>CAUSA<br />Outras causas menos comuns incluem: <br /><ul><li> Uso de drogas ilícitas (cocaína)
  8. 8. Aneurismas das artérias coronárias
  9. 9. Dissecção aórtica aguda
  10. 10. Vasculites(inflamação das artérias coronárias)
  11. 11. Embolização por um coágulo que sai da cavidade cardíaca </li></ul>e se aloja na coronária, ou ainda, por uma vegetação que se desprende de uma válvula acometida por endocardite infecciosa.<br />
  12. 12. CAUSA<br /><ul><li> Curiosamente, uma pequena parte dos pacientes que sofrem um IAM apresenta artérias coronárias aparentemente normais no cateterismo cardíaco e na cineangiocoronariografia (exame contrastado que observa o fluxo de sangue através das artérias coronárias).</li></li></ul><li>SINTOMAS<br /><ul><li> Embora o IAM possa ocorrer sem sintomas (infarto do miocárdio silencioso), fato mais comum em idosos, na maioria das vezes cursa com dor no peito, a qual pode se irradiar para costas, mandíbula, pescoço, dorso e/ou braço esquerdo.
  13. 13. A sensação é caracterizada por aperto e queimação na região torácica, de grau moderado a intenso. Em alguns casos, a dor pode ser semelhante a uma indigestão, úlcera, gastrite ou azia. </li></li></ul><li>SINTOMAS<br /><ul><li> Durante o IAM, o paciente pode apresentar:</li></ul>Tontura<br />Desmaio<br />Sudorese excessiva<br />Palidez<br />Agitação<br />
  14. 14. DIAGNÓSTICO<br /><ul><li> O diagnóstico do IAM é feito por história clínica, exame físico e exames complementares.
  15. 15. O eletrocardiograma (ECG) é o melhor teste diagnóstico inicial por ser fácil, barato e sempre disponível.
  16. 16. A realização do exame de sangue é útil para medir o nível de enzimas cardíacas que são liberadas em grande quantidade durante a isquemia do músculo cardíaco.</li></li></ul><li>DIAGNÓSTICO<br /><ul><li> O ECG registra a atividade elétrica do coração a fim de diagnosticar tanto o IAM quanto outras alterações cardíacas. Já o exame de sangue para monitorar as enzimas cardíacas costuma ser solicitado a pacientes cujos sintomas o ECG e/ou outro elemento clínico levantem a suspeita de um IAM. Estas dosagens são sempre solicitadas com o paciente internado.</li></li></ul><li>TRATAMENTO<br /><ul><li>Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é fundamental para a indicação do melhor tratamento para cada caso.
  17. 17. Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.
  18. 18. O tratamento tem como objetivo principal reduzir o tamanho do infarto, além de diminuir também as complicações do IAM. </li></li></ul><li>TRATAMENTO<br />O tratamento envolve:<br />Repouso<br />Monitorizaçãointensiva da evolução da doença <br />Uso de medicamentos para interromper o processo de infarto.<br />
  19. 19. TRATAMENTO<br /><ul><li> De acordo com o grau do infarto, são necessários procedimentos mais invasivos, como angioplastia e/ou cirurgia cardíaca, na qual a safena, uma veia da perna, é transplantada para o coração, no lugar da artéria coronária obstruída. Este procedimento também pode ser realizado com as artérias mamárias (do tórax).
  20. 20. Procurar um médico com regularidade e, principalmente, aos primeiros sinais da doença é fundamental para que ele possa indicar o melhor tratamento para cada caso. Somente o especialista deverá orientar o paciente em relação aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.</li></li></ul><li>PREVENÇÃO<br />Baseia-se em maior controle e tratamento dos fatores de risco:<br /><ul><li> Tabagismo: o cigarro é o maior fator de risco para morte cardíaca súbita;
  21. 21. Colesterol: o colesterol ruim (LDL), quando em excesso, deposita-se no interior das artérias, levando à aterosclerose;
  22. 22. Diabetes mellitus: a chance de ocorrência de infarto em diabéticos é duas a quatro vezes maior;
  23. 23. Hipertensão arterial: metade das pessoas que infartam é hipertensa;
  24. 24. Obesidade: especialmente a obesidade abdominal (acúmulo de gordura na região da cintura) aumenta a chance de um IAM;
  25. 25. Estresse e depressão: além de fatores de risco, quando não tratados, pioram a evolução dos pacientes após o infarto.</li></li></ul><li>PREVENÇÃO<br /><ul><li>Os fatores que não podem ser mudados estão relacionados com a idade e o histórico familiar.
  26. 26. Os riscos aumentam em:</li></ul>Homens <br />Após 45 anos de idade<br />Mulheres <br />Após 55 anos ou depois da menopausa.<br />
  27. 27. PREVENÇÃO<br />Adotar hábitos de vida saudáveis contribui para a prevenção da doença. Algumas dicas são: <br /><ul><li> Preferir uma dieta balanceada, rica em frutas, legumes e verduras, composta de carnes magras, preferencialmente, peixes e aves, com baixa quantidade de gorduras e sal;
  28. 28. Manter o peso ideal para o seu corpo;
  29. 29. Praticar atividades físicas regularmente;
  30. 30. Controlar o colesterol alto, a hipertensão arterial </li></ul>e o diabetes;<br /><ul><li> Parar de fumar.</li></li></ul><li>Consulte sempre o seu médico.<br />Fontes: <br />Sociedade Brasileira de Cardiologia. sociedades.cardiol.br/socerj.<br />portaldocoracao.uol.com.br.<br />www.drauziovarella.com.br/Sintomas/270/infarto.<br />  <br />Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks(615039-RJ)<br />Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)<br />

×