Your SlideShare is downloading. ×
Hipercolesterolemia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Hipercolesterolemia

18,243
views

Published on

Published in: Health & Medicine

2 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
18,243
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
8
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Hipercolesterolemia
  • 2. INTRODUÇÃO
    • A hipercolesterolemia é a ocorrência de alto nível de colesterol no sangue
    • 3. Pode ser conseqüência de variadas doenças e, simultaneamente, contribuir para inúmeras enfermidades, principalmente as complicações cardiovasculares.
    • 4. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, dois em cada 10 brasileiros com mais de 45 anos têm taxas elevadas de colesterol no sangue.
  • SINTOMAS
    • A hipercolesterolemia é conseqüência de uma predisposição genética, de alterações nos genes que influem no metabolismo de gorduras.
    • 5. Rotina sedentária e alimentação sem controle, com ingesta elevada de gordura animal e aquelas presentes em margarinas, biscoitos, frituras e fast-food, predispõem o desenvolvimento da hipercolesterolemia.
    • 6. Algumas doenças também podem causar elevação dos níveis de colesterol, como, por exemplo, insuficiência renal,
    lesões no fígado e hipotireoidismo.
  • 7. SINTOMAS
    • A alta taxa de colesterol não gera sintomas. Não diagnosticada, ela caminha em silêncio e pode manifestar-se como infarto ou acidente vascular cerebral (AVC).
    • 8. A hipercolesterolemia geralmente é acompanhada de outros fatores que contribuem para o aparecimento desses problemas, como obesidade e sedentarismo.
  • DIAGNÓSTICO
    • O diagnóstico vai depender da dosagem sanguínea de colesterol total e suas frações (lipoproteínas de alta densidade [HDL] e de baixa densidade [LDL]) e de outra gordura presente na circulação: os triglicérides.
    • 9. A análise médica dos resultados é primordial e todas as frações devem ser avaliadas.
    • 10. Um valor total normal, mas composto principalmente do colesterol ruim, deve ser analisado como sinal para hipercolesterolemia.
  • TRATAMENTO
    • Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é fundamental para a indicação do melhor tratamento para cada caso.
    • 11. Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.
  • TRATAMENTO
    • O tratamento consiste, basicamente, em uma mudança no estilo de vida, com alimentação saudável e criação de uma rotina de atividades físicas, o único método verdadeiramente comprovado de melhorar os níveis do bom colesterol (HDL).
    • 12. Alguns medicamentos específicos auxiliam no tratamento, como as estatinas, que atuam no fígado, órgão em que o colesterol é produzido.
    • 13. Cuidados especiais com a idade do indivíduo e a presença de outros fatores de risco para doenças cardiovasculares devem ser levados em consideração na prescrição dos medicamentos.
  • PREVENÇÃO
    • Mesmo sem histórico familiar de hipercolesterolemia, devemos manter uma alimentação saudável desde a infância.
    • 14. Dieta à base de fibras, que ajudam a reduzir a absorção de colesterol, e de gorduras vegetais é fundamental para manter níveis de colesterol dentro da normalidade.
    • 15. O monitoramento periódico dos níveis de colesterol é recomendado desde os 18 anos de idade. Esse procedimento deve ser antecipado quando existe risco elevado de doenças do coração.
  • Consulte sempre o seu médico.
    Fontes: 
    Hipercolesterolemia
    www.novartis.pt/.../hipercolesterolemia.shtml.
    SBEM. www.sbem.org.br.
    SBC. www.cardiol.br.
      
    Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039-RJ)
    Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)