Diversidade de apifauna no entorno da represa hidroelétrica do rio do Bracinho, SC

201
-1

Published on

http://label-univille.blogspot.com.br/2014/02/participacao-do-label-no-xxx-congresso.html

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
201
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Diversidade de apifauna no entorno da represa hidroelétrica do rio do Bracinho, SC

  1. 1. XXX CONGRESSO BRASILEIRO DE ZOOLOGIA, 2014 – CADERNO DE RESUMOS Diversidade de apifauna no entorno da represa hidroelétrica do rio do Bracinho, SC Denise Monique Dubet da Silva Mouga*, Manuel Warkentin*, Enderlei Dec*, Andressa Karine Golinski dos Santos* & Rogério Nunes Barbosa* *Universidade da Região de Joinville Inventários de comunidades em Unidades de Conservação ensejam a compreensão sobre a diversidade da fauna em locais protegidos. Em SC, não há dados sobre a apifauna em ambientes no entorno de reservatórios hídricos. Este estudo visou realizar o levantamento de espécies de abelhas e suas plantas forrageiras, na Estação Ecológica do Bracinho, sede da represa hidrelétrica do rio do Bracinho, em Joinville. AS abelhas foram capturadas com redes entomológicas, em transectos, sobre plantas floridas, uma vez por mês, das 9:00 às 16:00 h e com pratos-armadilha. Espécimes de Apis mellifera e Trigona spinipes foram apenas contabilizados. As plantas foram fotografadas e coletadas. Abelhas e plantas foram preparadas para identificação e conservação. Foram realizadas 18 coletas, de março/ 2012 a agosto/ 2013 (total de 252 horas de esforço de coleta). As plantas totalizaram 100 espécies de 54 famílias das quais as mais visitadas foram Rosaceae, Asteraceae, Lythraceae e Arecaceae, sendo as espécies mais procuradas Rubus rosifolius (Rosaceae), Sphagneticola trilobata (Asteraceae), Cuphea gracilis (Lythraceae) e Rhododendron simsii (Ericaceae). Foram amostradas 1467 abelhas (428 coletadas) de 59 espécies. As subfamílias mais amostradas foram Apinae (1219 indivíduos) e Halictinae (207). Houve amostragem de 432 indivíduos de Apis mellifera (espécie exótica). Das espécies nativas, as mais amostradas foram Trigona spinipes (563 indivíduos) e Paratrigona subnuda (47), ambas de Apinae que incluiu mais 24 espécies dos gêneros Bombus, Melipona, Partamona, Plebeia, Schwarziana, Ceratina, Xylocopa, Centris, Melissoptila, Exomalopsis e Paratetrapedia. Em Halictinae, 44,7% dos indivíduos se incluem no gênero Augochlora, os demais em Augochlorella, Augochloropsis, Paroxystoglossa, Pereirapis, Pseudaugochlora, Neocorynura, Agapostemon, Dialictus, Oragapostemon, Pseudagapostemon, Ptilocleptis e Sphecodes. Megachilinae evidenciou 7 espécies de 2 gêneros (Megachile e Coelioxys), Andreninae, 6 de 4 gêneros (Anthrenoides, Psaenythia, Rhophitulus e Callonychium) e Colletinae apenas Tetraglossula anthracina, espécie ainda não citada para SC. Foram encontradas outras nove espécies não citadas para SC: Augochlora foxiana, Centris bicolor, Centris tarsata, Megachile susurrans, Melipona bicolor, Melipona marginata, Melissoptila cnecomala, Psaenythia bergii, Rhophitulus flavitarsis, Xylocopa frontalis e os gêneros Agapostemon, Halictillus e Pereirapis. A observação de espécies ainda não citadas confirma a importância das UCs como estratégia de resguardo da biota. 497

×