De Web to Store para Digital in Store

  • 125 views
Uploaded on

Engajar seus clientes através de uma ponte entre seus pontos de contato online e seus pontos de venda offline muitas vezes pode ser uma estratégia vencedora. A “Web to Store” permite aumentar o …

Engajar seus clientes através de uma ponte entre seus pontos de contato online e seus pontos de venda offline muitas vezes pode ser uma estratégia vencedora. A “Web to Store” permite aumentar o tráfego na loja física e o “Digital in Store” ajuda você a criar uma experiência única para os visitantes. Neste white paper, você pode encontrar várias ferramentas e as melhores práticas a serem aplicadas a fim de controlar 100% do seu funil de vendas.

More in: Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
125
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. www.kontestapp.com De Web to Store para Digital in Store Converta seus visitantes online para consumidores offline
  • 2. 2 Introdução O comércio digital e o comércio tradicional evoluem de formas diferentes mas não por isto são incompatíveis. A “Web to Store” é uma tendência que permite combinar estes dois mercados a fim de controlar um grande funil de vendas. Várias técnicas permitem envolver os consumidores desde o primeiro contato web até sua ida à loja fisica, convertendo em vendas, física e digital.
  • 3. 3 O casamento entre a venda física e digital A “Web to Store” é um tipo de conversão que consiste em conduzir os visitantes de um site ou os usuários de um aplicativo para a loja, transformando-os em consumidores. O objetivo é criar um tráfego qualificado dentro da loja física para geração de vendas graças a experiência online positiva do visitante. Nós também chamamos isto de “SoLoMo”, que é composto de 3 fases: • Social: Onde os visitantes vêm das redes sociais ou dos aplicativos. • Local: Onde eles vão fisicamente ao lugar desejado (pode ser nos pontos de venda mas também pode ser em shows e eventos). • Mobile: Onde eles estão sempre conectados em seus aparelhos móveis (smartphones, tablets, etc) que lhes permitem se conectar em níveis sociais e locais. *Mesmo o comércio eletrônico registrando um crescimento de 13% em 2013, o comércio fisico ainda conserva uma grande parte das vendas em todos os setores, sendo 9 em cada 10 vendas feitas em lojas físicas. * Fontes: Forrester et Kantar Social local mobile
  • 4. 4 O casamento entre a venda física e digital Hoje as marcas procuram saber se as redes sociais geram vendas. A “Web to Store” é uma das soluções que tem por objetivo conhecer e otimizar o ROI das campanhas de marketing digital incluindo os canais de vendas físicas. Mas isto não para por aqui, porque a experiência dos usuários se prolonga com a “digitalização” dos pontos de venda e também dos eventos. Isto é “Digital in Store”. Mas em todo caso é necessário adotar uma estratégia “cross-channel” coerente, escolhendo cuidadosamente as ferramentas que serão implantadas e aplicar algumas boas práticas. * Fonte : Publicis Shopper “Web to Store” Convença os internautas a irem à loja para aumentar a taxa de conversão. “Digital in Store” Utilize os dispositivos móveis nas lojas para aumentar o engajamento dos clientes. 50% no lugar de venda 3% no website Além disso, dos consumidores que entram numa loja para comprar um produto, a parte digital da taxa de conversão das vendas é limitada a 2 ou 3% nos melhores casos.* Taxa de conversão Resumindo
  • 5. 5 As boas práticas da “Web to Store” Facilite a pré-compra Ele vai então consultar seu website e mais particularmente as páginas que mostram suas ofertas, preços e estoque. É necessario saber que existe ainda alguns de freios para as vendas on-line. A falta de confiança, altas taxas de transporte, demora na entrega e sobretudo a necessidade de contato humano. Para responder a esta tendência, os dispositivos de “Clique & Busque” foram implantados por grandes marcas, principalmente. Oprincípioésimpleseeficazeécomplementaraosdispositivos de venda clássicos: o cliente faz seu pedido online e vai para a loja buscar os produtos comprados. Após adotar o “Clique & Busque”, as Galerias Lafayette constataram que os clientes que utilizam deste sistema eram mais propensos a comprar produtos adicionais durante a sua ida à loja, antes mesmo de considerar esta que esta solução ajudaria seus futuros clientes à encontrá-los, simplesmente. A fase de pré-compra é a fase anterior a compra. O propósito do internauta é se informar sobre os produtos ou serviços que poderão responder às suas necessidades. * Fonte : Médiamétrie No total, 3 de 4 internautas praticam o RoPo : Research Online / Purchase offline (Pesquisa Online / Compra Offline)*
  • 6. 6 As boas práticas da “Web to Store” O localizador das lojas é de fato uma ferramenta indispensável tanto para as marcas tanto para os internautas. Este tipo de serviço é tão eficaz quanto multi canal. Não deixe de utilizar em seu site, num aplicativo de Facebook e claro num aplicativo mobile. * Fonte : Médiamétrie
  • 7. 7 As boas práticas da “Web to Store” Utilise de cupons Tornar a informação acessível é um primeiro passo para uma estratégia eficaz para “Web to Store”. O intuito é direcionar o tráfego ativo convidando seus clientes ou fãs para ir aos seus pontos de venda. A distribuição de cupons através de um aplicativo é perfeitamente adequado para esta finalidade. O Facebook possui o recurso de oferecer cupons para os fãs de uma página e promover isto através da publicidade na rede social. Este recurso também está disponível no Google+ e está disponível para um número crescente de países. E é muito fácil criar uma aplicativo multi-canal para distribuir seus cupons. Assim, você pode instala-lo em sua página no Facebook, torná-lo disponível mobile ou integrá-lo em seu site. Seus clientes terão a oportunidade de ter seu cupom promocional em qualquer lugar e em qualquer dispositivo.
  • 8. 8 A geolocalização do usuário está presente na concepção deste tipo de campanha. Ela tem duas vantagens: 1. Primeiro, você pode oferecer seus seus cupons quando o usuário se localiza próximo de uma de suas lojas por meio de anúncios. 2. A segunda será a recomendação do usuário em sua timeline, mostrando o seu check-in no feed de notícias de seus amigos. Pelo menos 6 em cada 10 pessoas são disponíveis para fazer check-ins para receber promoções enquanto se movem.* Uma vez recebido o cupom promocional, a sua perspectiva pode ser usar imediatamente nas lojas e, portanto, tornar-se um cliente. O cupom também é uma ótima maneira de fidelizar clientes, oferecendo-os frequentemente ofertas especiais. As boas práticas da “Web to Store” * Fonte : Publicis Shopper Com a Kontest, você pode criar uma aplicação «Cupom» em alguns minutos graças ao Sorteio e ao Ganhador Instantàneo. Você pode fazer que seus cupons sejam distribuidos somente durante o horário comercial.
  • 9. 9 As boas práticas da “Web to Store” Oranize uma Caça ao Tesouro Existem outras formas de conduzir seus fãs para sua loja além de cupons. É o caso do jogo Caça ao Tesouro. Como a Jimmy Choo, convide seus fãs à usar o Foursquare a fim de descobrir um par de sapatos na cidade e ganhá- los. A equipe da Jimmy Choo faz check-in em vários pontos da cidade e os usuários devem encontrá-los antes deles mudarem de lugar. Já o Starbucks prefere utilizar vários canais para a Caça ao Tesouro: Blogs, seu site e QR codes nas lojas, propondo aos fãs descobrindo as mensagens respondendo perguntas de cultura geral e resolvendo problemas de matemática. Quem responder corretamente às perguntas são premiados com presentes da famosa marca. Kontest lhe permite criar facilmente seus jogos de Caça ao Tesouro. Usado pelo smartphone, ele permitirá aos fãs de visualizar pelas coordenadas onde eles devem ir depois de responder às perguntas associadas para passar para a etapa seguinte. Você pode por exemplo fazer um caminho para que a pergunta final seja respondida em sua loja.
  • 10. 10 Os serviços ao consumidor Primeira etapa vencida: Seus fãs entram em sua loja. Agora está mais fácil transformá-los em compradores. Não se esqueça de que ele está passando pelo seu processo de venda graças a experiência do “Digital in Store”. Algumas regras importantes para uma melhor experiência dos clientes nas lojas: • Ofertas exclusivas que dependam de quem eles são e o que eles querem • Procura facilitada sobre os produtos e serviços • Poderem localizar facilmente o que eles procuram durante seu dia-a-dia • Consulta do seu historico de compras e as vantagens ganhadas graças a um programa de fidelização simplificado “Digital in Store” ou digitalização do ponto de venda Consumidores são a favor de utilizarem o “Digital in Store”: 75% estão prontos para utilizarem os serviços digitais numa loja. * Fonte : Publicis Shopper
  • 11. 11 “Digital in Store” ou digitalização do ponto de venda “Digital to store” reforça a relação com o cliente, incluindo as fases de conversão e fidelização, facilitado por um costume já adquirido pelos usuários: Aproximadamente 2 a cada 5 usuários mobile utilizam de internet móvel nas lojas e 12% dos internautas declaram usar aplicativos mobile dentro das lojas. * Por exemplo, na Clinique, grande marca do setor de cosméticos, os móveis da loja são modernizados com tablets que ajudam os clientes a se informarem sobre os produtos e acessarem os vídeos de «como fazer». Em certas lojas, os clientes não são os mesmos esperando nos caixas: os vendedores equipados com equipamentos móveis estão à disposição para atender sempre, não importa a compra. Este é o exemplo da loja de Karl Lagerfeld em Paris, onde lá os clientes tem o sentimento de que eles se preocupam com o bem-estar deles desde sua chegada até sua saída passando claro pela etapa de pagamento. A cultura de acompanhamento e relacionamento com o cliente promovida pela Apple através do Genius é aplicada cada vez mais graças aos dispositivos digitais conectados, que permitem um melhor engajamento dos visitantes, uma maior taxa de retenção a longo prazo e, finalmente, melhorar o valor do ciclo de vida do consumidor. * Source : Médiamétrie
  • 12. 12 “Digital in Store” ou digitalização do ponto de venda As animações na loja Este é por exemplo o caso da Uniqlo quem criou um estúdio de fotografia na loja acoplado a um aplicativo conectado. Os clientes adicionavam sua foto à galeria do aplicativo e isso os permitia ganhar roupas Uniqlo através do voto dos internautas. As participações são visíveis no http://ut.uniqlo.com/l/. Para destacar a nossa gama de camisetas UT, UNIQLO criou «pop-up stores» ou lojas temporárias no mundo. Para criar o evento também on-line, criamos um aplicativo chamado UT CAMERA. Este aplicativo permite criar animações de 2-3 segundos e compartilhá-las nas redes sociais. Todas as nossas lojas estão equipadas com uma cabine CAMERA UT onde as pessoas podem criar suas animações e assim participar diretamente dos concursos e ganhar vários prêmios. Thibault PASQUET, Marketing Manager, Uniqlo Graças a seus pontos de venda digitais, você será capaz de animar seus visitantes na loja. O objetivo é criar uma experiência engajadora para os visitantes através da combinação de ações físicas e dispositivos digitais.
  • 13. 13 “Digital in Store” ou digitalização do ponto de venda As animações na loja Outro exemplo é o da Adobe durante o Salão de Fotografia de Paris, em 2012, que criou um tipo de jogo de Ganhador Instantâneo para os visitantes do seu stand. Várias recepcionistas equipadas com tablets convidavam os participantes para jogar e os vencedores iam embora com produtos que ganharam no stand. Este tipo de operação como forma de experiência marcante criou um sentimento positivo entre os clientes cujo engajamento vai além da participação virtual. Criar uma ponte entre online e offline e a proliferação dos pontos de contato aumenta a propensão do usuário a recomendar uma marca e a se relacionar com ela.
  • 14. 14 Conclusão Dadas as tendências do comércio online e offline, o «Web to Store» surgiu como uma tendência coerente e eficaz para gerar tráfego nas lojas, convertendo visitantes em clientes, sobretudo através das animações durante o processo de venda. A ideia é oferecer a seus clientes potenciais todas as ferramentas necessárias para sua chegada nas lojas e criar uma experiência marcante e envolvente com o objetivo de conquistar e fidelizar.
  • 15. 15 www.kontestapp.com - hello@kontestapp.com kontest Desenvolva sua comunidade e qualifique novos clientes potenciais Crie seus concursos facilmente Descubra Kontest