• Like
EDII12 [2012.1]   Recupera Chaves Secundárias - Árvores de Assinaturas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

EDII12 [2012.1] Recupera Chaves Secundárias - Árvores de Assinaturas

  • 247 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
247
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
10
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Prof. Kenia Kodel
  • 2. Árvores de Assinaturas Diferentes dos arquivos multilistas e dosinvertidos, onde tem-se índices para cada atributo secundário; nas árvores deassinaturas todas as informações referentesàs chaves secundárias são mantidas num único índice – em código binário. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 2
  • 3. O que é código binário?UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 3
  • 4. Código BinárioCódigo binário é usado paramodelar/valorar atributos binários, osquais, como o nome sugere, são atributosque podem ter um entre dois valores: 0 ou1, falso ou verdadeiro, ligado oudesligado, sim ou não, tem ou não tem. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 4
  • 5. Exemplos de aplicações para atributos binários...UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 5
  • 6. Aplicações de Código BinárioEm geral os campos de um registroapresentam uma de muitas possibilidades devalores; a qual corresponde a medida decaracterização de uma entidade, tais como:a nota de um estudante ou o peso de umequipamento, a cor de uma roupa. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 6
  • 7. Aplicações de Código BinárioHá casos, porém, em que as informações podemser representadas de forma binária, quando,para resolução do problema, e modelagem dasolução, interessa se uma entidade tem ou nãouma determinada característica; e não hánecessidade de se determinar o grau ou medidadesta. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 7
  • 8. Aplicações de Código BinárioPor exemplo, caso uma aplicação deva mapearse um grupo de alunos tem (ou não) desempenhoeducacional ideal; é mais vantajoso, emvelocidade e em uso do espaço, manter ainformação como atributo binário. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 8
  • 9. Como manter a informação – se um grupo de alunos tem (ou não) desempenho educacional ideal – em atributo binário?UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 9
  • 10. Há vantagens: em velocidade e/ou em espaço – se um grupo de alunos tem (ou não) desempenho educacional ideal – em atributo binário?UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10
  • 11. Aplicações de Código BinárioConsiderando aplicação de código binário paramapear se o desempenho educacional de umgrupo de alunos é ideal (ou não); há economia develocidade, em relação à forma trivial de tomar estadecisão, porque, por exemplo, quando necessárioverificar (processar) se o desempenho discente éideal em códigos binários, não é necessário calculara média do estudante, nem verificar se esta ésuperior à média estabelecida pela unidade escolar. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 11
  • 12. Aplicações de Código BinárioConsiderando aplicação de código binário, paramapear se desempenho educacional de grupode alunos é ideal (ou não). Há economia deespaço porque não é preciso armazenar as notasdos estudantes; mas apenas 1 se o desempenho éideal, ou 0, se não (possivelmente em bits). UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 12
  • 13. Identificar outro exemplo de uso de atributos binários.UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 13
  • 14. Aplicações de Código BinárioAtributos binários podem ser usados, por exemplo, para mapear as características de um telefone portátil. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel mp3 player tv digital camera cartão radio fone GPS usb Celular PortátilDemais 001 1 1 1 1 1 1 1 1LD 339b 1 0 1 0 1 0 0 1SangueSuga XY9 0 0 1 0 0 0 0 1Motobola Y12 1 1 0 1 0 0 1 0Zokia 43p 0 0 0 1 1 1 0 0 14
  • 15. Aplicações de Código BinárioPode-se usar atributos Experiência Titulação Domínio Didática Acesso binários, também, por exemplo, para representar as características ou Zélia 1 1 1 0 0 informações dos Ribeiro 0 1 1 1 0 candidatos à vaga Mel 1 1 0 1 0 de professor de uma instituição de ensino. Brito 1 1 0 0 1 Rita 0 1 0 1 1 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 15
  • 16. Titulação Experiência Domínio Didática AcessoConsiderando atributos binários usados para representar as Zélia 1 1 1 0 0 características dos Ribeiro 0 1 1 1 0 candidatos a Mel 1 1 0 1 0 professor. Brito 1 1 0 0 1 Rita 0 1 0 1 1 Como identificar os professores com didática? UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 16
  • 17. Titulação Experiência Domínio Didática AcessoConsiderando atributos binários usados para representar as Zélia 1 1 1 0 0 características dos Ribeiro 0 1 1 1 0 candidatos a Mel 1 1 0 1 0 professor. Brito 1 1 0 0 1 Rita 0 1 0 1 1 Como identificar as características de um dado professor? UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 17
  • 18. Aplicações de Código BinárioUsando atributos Experiência Titulação binários é possível Domínio Didática Acesso identificar as características de uma dada entidade, Zélia 1 1 1 0 0 bem como relacionar entidades Ribeiro 0 1 1 1 0 que apresentam Mel 1 1 0 1 0 uma dada Brito 1 1 0 0 1 característica, ou Rita 0 1 0 1 1 múltiplas A estrutura não necessariamente características. reside em memória secundária. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 18
  • 19. Aplicações de Código BinárioAinda que os dados Experiência principais (efetivos) Titulação Domínio Didática Acesso residam em memória secundária. A estrutura composta por atributos Zélia 1 1 1 0 0 binários, em memória Ribeiro 0 1 1 1 0 principal, pode ser Mel 1 1 0 1 0 composta uma vez e consultada tantas vezes Brito 1 1 0 0 1 quantas sejam Rita 0 1 0 1 1 necessárias. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 19
  • 20. Aplicações de Código BinárioOutros exemplos cujo mapeamento pode ser Experiência Titulação Domínio Didática Acesso efetuado por atributos binários: características de imóveis Zélia 1 1 1 0 0 características de Ribeiro 0 1 1 1 0 veículos características de Mel 1 1 0 1 0 computadores Brito 1 1 0 0 1 ingredientes de receitas Rita 0 1 0 1 1 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 20
  • 21. Aplicações de Códigos Binários Para identificar as características de uma dada entidade, observa-se a necessidade de se efetuar a varredura sequencial (horizontal) da estrutura, o que, caso sejam mapeadas muitos atributos, pode implicar na necessidade de alto dispêndio de tempo de processamento (custo linear). Para tornar a recuperação mais eficiente nestes casos surge a superimposição de código. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 21
  • 22. Superimposição de CódigoA superimposição de códigos consiste numatécnica de compactação, através da qual umabase de dados composta por muitos bits écompactada através de assinaturas (menores)preservando todas as informações originais. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 22
  • 23. Superimposição de CódigoPor exemplo, considerando a necessidade de manter pormeio de atributos binários as patologias orais apresentadaspor um grupo de pacientes.Tem-se 16 patologias: (1) abrasão dentária, (2) afta, (3)bruxismo, (4) cárie, (5) displasia, (6) erosão, (7) granuloma,(8) hipodontia, (9) língua fissurada, (10) língua geográfica,(11) microdontia, (12) periodontia, (13) rânula, (14) quelite,(15) trismo e (16) tórus.Para tanto, seriam necessários 16 bits para armazenar aspatologias apresentadas por cada paciente. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 23
  • 24. Superimposição de CódigoCom a superimposição de códigos, 8 bits sãosuficientes para armazenar tais informações.Inicialmente seria definido uma codificação paracada patologia.Por exemplo: abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 Patologias Orais afta 10100000  língua geográfica 01001000 bruxismo 10010000  microdontia 01000100 cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 24
  • 25. Superimposição de CódigoVale considerar que podem ser construídos até 28 códigosdistintos com 8 bits sendo dois bits 1s. (Com 1 na 1a posição formam-se 7 códigos, com 1 na 2a posição formam-se 6 códigos...). abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 afta 10100000  língua geográfica 01001000 microdontia 01000100 Patologias Orais bruxismo 10010000  cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 25
  • 26. Superimposição de Código  abrasão 11000000  língua fissurada 01010000  afta 10100000  língua geográfica 01001000 Patologias Orais  bruxismo 10010000  microdontia 01000100  cárie 10001000  periodontia 01000010  displasia 10000100  rânula 01000001  erosão 10000010  quelite 00110000  granuloma 10000001  trismo 00101000  hipodontia 01100000  tórus 00100100 11000000Considerando o paciente Pof, 10010000 superimposição com: abrasão, bruxismo, cárie 10001000 e microdontia. Os códigos 01000100 das patologias seriam 11011100  Assinatura de Pof superimpostos para obtenção A superimposição é efetuada pela da assinatura do paciente. aplicação do ou lógico aos códigos. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 26
  • 27. Superimposição de Código abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 afta 10100000  língua geográfica 01001000 Patologias Orais bruxismo 10010000  microdontia 01000100 cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100 Considerando paciente Zuc 10100000 com: afta, cárie 10001000 superimposição e quelite. Qual a 00110000 assinatura 10111000  Assinatura de Zuc deste? UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 27
  • 28. Superimposição de Código abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 afta 10100000  língua geográfica 01001000 Patologias Orais bruxismo 10010000  microdontia 01000100 cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100 Considerando o paciente Lôu 10000010 com: erosão, 01000100 superimposição microdontia e 00101000 trismo. Qual a 11101110  assinatura assinatura deste? UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 28
  • 29. Superimposição de Código abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 afta 10100000  língua geográfica 01001000 Patologias Orais bruxismo 10010000  microdontia 01000100 cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100 Dada a assinatura de um paciente, é possível saber quais patologias este apresenta? UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 29
  • 30. Superimposição de Código abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 afta 10100000  língua geográfica 01001000 Patologias Orais bruxismo 10010000  microdontia 01000100 cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100 Apresenta: quelite 00110000 Que patologias o trismo 00101000 paciente com Não Apresenta: assinatura 00111000 apresenta? tórus 00100100 cárie 10001000 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 30
  • 31. Superimposição de Código abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 afta 10100000  língua geográfica 01001000 Patologias Orais bruxismo 10010000  microdontia 01000100 cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100 Apresenta: erosão Que patologias o microdontia paciente com trismo assinatura 11101110 apresenta? UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 31
  • 32. Superimposição de Código abrasão 11000000  língua fissurada 01010000 Patologias Orais afta 10100000  língua geográfica 01001000 bruxismo 10010000  microdontia 01000100 cárie 10001000  periodontia 01000010 displasia 10000100  rânula 01000001 erosão 10000010  quelite 00110000 granuloma 10000001  trismo 00101000 hipodontia 01100000  tórus 00100100Analisando a assinatura 11101110 conclui-se:Este apresenta: Ou este apresenta: erosão hipodontia microdontia torus trismo priodontiaAssim observa-se que a leitura de assinaturas assim constituídaspodem resultar em falsas informações – falses drops. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 32
  • 33. Falses DropsUma possível solução para minimizar os efeitos dosfalses drops é, para toda informação afirmativa,confirmar em consulta à base de dados (deacesso direto).Assim, pelo menos as informações negativas nãoprecisam ser checadas na estrutura original. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 33
  • 34. O que ocasiona os falses drops?UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 34
  • 35. ExercícioÉ possível garantir a inexistência de falses drops? Justifique sua resposta: UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 35
  • 36. Árvores de AssinaturasAs árvores de assinaturas usam assinaturas (emcódigos binários) com codificação disjunta, oque garante a inexistência de falses drops.Com a codificação disjunta, cada campo dosregistros corresponde a áreas distintas daassinatura. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 36
  • 37. Considerando o exemplo antes trabalhado, do sistema de cadastro de bens patrimoniais de uma empresa: 5 posições Árvores de Assinaturas 4 posições 4 posições 3 posições Código Descrição Condições Lotação Aquisição (DO BEM) Assinatura A1 A2 A3 A4 1 5 6 9 10 13 14 16 Posições UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 37
  • 38. 5 posiçõesCódigo Descrição Condições Lotação Aquisição Cadastro de Bens Patrimoniais(DO BEM) A1 A2 A3 A4 Assinatura A1 A2 A3 A4 1 5 6 9 10 13 14 16Na área 1, A1, 1 bem é maquinário; referente a Descrição, 2 bem é móvel; bits de 1 a 5, a posição P P= 3 bem é veículo; é ‘1’, se: 4 bem é imóvel; 5 bem é de consumo; UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 38
  • 39. 4 posiçõesCódigo Descrição Condições Lotação Aquisição Cadastro de Bens Patrimoniais(DO BEM) A1 A2 A3 A4 Assinatura A1 A2 A3 A4 1 5 6 9 10 13 14 16Na área 2, A2, 6 bem em uso; referente a Condições, 7 bem em manutenção; bits de 6 a 9, a posição P é P= ‘1’, se: 8 bem extraviado; 9 bem em estoque; UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 39
  • 40. 4 posiçõesCódigo Descrição Condições Lotação Aquisição Cadastro de Bens Patrimoniais(DO BEM) A1 A2 A3 A4 Assinatura A1 A2 A3 A4 1 5 6 9 10 13 14 16Na área 3, A3, referente a 10 bem em setores administrativos; Lotação, bits de 10 a 13, a 11 bem em setores de centros; posição P é P= 12 bem em setores de departamentos; ‘1’, se: 13 bem em setores de cursos; UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 40
  • 41. 3 posiçõesCódigo Descrição Condições Lotação Aquisição Cadastro de Bens Patrimoniais(DO BEM) A1 A2 A3 A4 Assinatura A1 A2 A3 A4 1 5 6 9 10 13 14 16Na área 4, A4, referente a 14 bem comprado; Aquisição, bits de 14 a P= 15 bem obtido por doação; 16, a posição 16 bem obtido em leilão; P é ‘1’, se: UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 41
  • 42. Cadastro de Bens Patrimoniais 1 bem é maquinário; 6 bem em uso; 2 bem é móvel; 7 bem em manutenção; P= 3 bem é veículo; P= 4 bem é imóvel; 8 bem extraviado; 5 bem é de consumo; 9 bem em estoque; 10 bem em setores administrativos; 14 bem comprado; 11 bem em setores de centros; 15 bem obtido por doação; P= P= 12 bem em setores de departamentos; 13 bem em setores de cursos; 16 bem obtido em leilão; Funções HashConsiderando a seguinte base As assinaturas são:de dados: CÓDIGO DESCRIÇÃO CONDIÇÕES LOTAÇÃO AQUISIÇÃOCÓDIGO DESCRIÇÃO CONDIÇÕES LOTAÇÃO AQUISIÇÃO 1 10000 1000 0100 100 1 Monitor Uso CCET compra 2 Cadeira Extravio CCET compra 2 01000 0010 0100 100 3 Corsa 2006 Manut DComp doação 3 10100 0100 0010 010 4 Mesa Uso DComp leilão 5 Impressora Extravio CC leilão 4 01000 1000 0010 001 5 10000 0010 0001 001
  • 43. Árvores de AssinaturasVale destacar que a forma de definição da posição dovalor 1 nas áreas de assinaturas são consideradasfunções hash. 1 bem é maquinário; 6 bem em uso; 2 bem é móvel; 7 bem em manutenção; P= 3 bem é veículo; P= 4 bem é imóvel; 8 bem extraviado; 5 bem é de consumo; 9 bem em estoque; 10 bem em setores administrativos; 14 bem comprado; 11 bem em setores de centros; 15 bem obtido por doação;P= P= 12 bem em setores de departamentos; 13 bem em setores de cursos; 16 bem obtido em leilão; Funções Hash UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 43
  • 44. Árvores de Assinaturas 1 bem é maquinário; 6 bem em uso; 2 bem é móvel; 7 bem em manutenção; P= 3 bem é veículo; P= 4 bem é imóvel; 8 bem extraviado; 5 bem é de consumo; 9 bem em estoque; 10 bem em setores administrativos; 14 bem comprado; 11 bem em setores de centros; 15 bem obtido por doação;P= P= 12 bem em setores de departamentos; 13 bem em setores de cursos; 16 bem obtido em leilão;Para recuperação de registros são compostas assinaturas depesquisa ou recuperação.Por exemplo, se é necessário identificar os bens adquiridos pordoação é construída a assinatura 014115016, sendo bitposição. UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 44
  • 45. Árvores de AssinaturasEm seguida a assinatura de pesquisa (bens adquiridos pordoação é construída a assinatura 014115016) é comparadacom as assinaturas dos registros. Havendo casamento(combinação), os dados são selecionados. CÓDIGO DESCRIÇÃO CONDIÇÕES LOTAÇÃO AQUISIÇÃO 1 10000 1000 0100 100 2 01000 0010 0100 100 3 10100 0100 0010 010 4 01000 1000 0010 001 5 10000 0010 0001 001 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 45
  • 46. Árvores de Assinaturas CÓDIGO DESCRIÇÃO CONDIÇÕES LOTAÇÃO AQUISIÇÃO 1 10000 1000 0100 100 Que outras pesquisas 2 01000 0010 0100 100 podem ser efetuadas a 3 10100 0100 0010 010 partir de assinaturas de 4 01000 1000 0010 001 pesquisas? 5 10000 0010 0001 001 1 bem é maquinário; 6 bem em uso; 2 bem é móvel; 7 bem em manutenção; P= 3 bem é veículo; P= 4 bem é imóvel; 8 bem extraviado; 5 bem é de consumo; 9 bem em estoque; 10 bem em setores administrativos; 14 bem comprado; 11 bem em setores de centros; 15 bem obtido por doação;P= P= 12 bem em setores de departamentos; 13 bem em setores de cursos; 16 bem obtido em leilão; UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 46
  • 47. Árvores de Assinaturas CÓDIGO DESCRIÇÃO CONDIÇÕES LOTAÇÃO AQUISIÇÃO 1 10000 1000 0100 100 Que varredura é feita no 2 01000 0010 0100 100 arquivo de assinaturas 3 10100 0100 0010 010 para execução de 4 01000 1000 0010 001 consultas? 5 10000 0010 0001 001 1 bem é maquinário; 6 bem em uso; 2 bem é móvel; 7 bem em manutenção; P= 3 bem é veículo; P= 4 bem é imóvel; 8 bem extraviado; 5 bem é de consumo; 9 bem em estoque; 10 bem em setores administrativos; 14 bem comprado; 11 bem em setores de centros; 15 bem obtido por doação;P= P= 12 bem em setores de departamentos; 13 bem em setores de cursos; 16 bem obtido em leilão; UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 47
  • 48. Árvores de Assinaturas CÓDIGO DESCRIÇÃO CONDIÇÕES LOTAÇÃO AQUISIÇÃO 1 10000 1000 0100 100 Qual o custo da varredura 2 01000 0010 0100 100 que é feita no arquivo de 3 10100 0100 0010 010 assinaturas para execução 4 01000 1000 0010 001 de consultas? 5 10000 0010 0001 001 1 bem é maquinário; 6 bem em uso; 2 bem é móvel; 7 bem em manutenção; P= 3 bem é veículo; P= 4 bem é imóvel; 8 bem extraviado; 5 bem é de consumo; 9 bem em estoque; 10 bem em setores administrativos; 14 bem comprado; 11 bem em setores de centros; 15 bem obtido por doação;P= P= 12 bem em setores de departamentos; 13 bem em setores de cursos; 16 bem obtido em leilão; UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 48
  • 49. Árvores de AssinaturasPara garantir eficiência no CÓDIGO DESCRIÇÃO CONDIÇÕES LOTAÇÃO AQUISIÇÃO 1 10000 1000 0100 100processo de busca a dados 2 01000 0010 0100 100mantidos por assinaturas, 3 10100 0100 0010 010surgem as árvores de 4 01000 1000 0010 001assinaturas. 5 10000 0010 0001 001 1 bem é maquinário; 6 bem em uso; 2 bem é móvel; 7 bem em manutenção; P= 3 bem é veículo; P= 4 bem é imóvel; 8 bem extraviado; 5 bem é de consumo; 9 bem em estoque; 10 bem em setores administrativos; 14 bem comprado; 11 bem em setores de centros; 15 bem obtido por doação;P= P= 12 bem em setores de departamentos; 13 bem em setores de cursos; 16 bem obtido em leilão; UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 49
  • 50. Árvores de Assinaturas UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel ------- Super Assinaturas ------- 50
  • 51. Árvores de AssinaturasAs super assinaturassão compostas a partir UFS - DComp - Prof. Kenia Kodelda superimposição dasassinaturas de registros. ------- Super Assinaturas ------- 51
  • 52. Árvores de AssinaturasNa busca por um dado, casonão haja casamento entre a assinatura de pesquisa e a UFS - DComp - Prof. Kenia Kodelsuper assinatura, os nós filhos são ignorados gerando economia de tempo. ------- Super Assinaturas ------- 52
  • 53. Árvores de Assinaturas Retomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010 Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ...A raiz também teria uma assinatura. ...Uma super-assinatura, resultante dasuperimposição das assinaturas dosnós filhos. 53
  • 54. Árvores de Assinaturas Retomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010 Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ... ...Para localização de bens em manutenção(posição 7), nenhuma assinatura precisa serconsultada. A raiz não teria 1 na posição 7, 54em sua assinatura.
  • 55. Árvores de Assinaturas Retomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010 Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ... ...Para localização de veículos (posição 2),metade das assinaturas seriamconsultadas. A raiz teria 1 na posição 2 55em sua assinatura.
  • 56. Árvores de AssinaturasRetomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ... ... Como acessar os registros de dados a partir das 56 assinaturas?
  • 57. Árvores de Assinaturas Retomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010 Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ... ...Para acessar os registros de dados apartir das assinaturas, nas folhas são 57mantidos os endereços dos registros.
  • 58. Árvores de AssinaturasRetomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ... ... É possível efetuar consultas envolvendo mais de uma chave secundária? 58
  • 59. Árvores de AssinaturasRetomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ... ... Como efetuar operações sobre árvores de 59 assinaturas?
  • 60. Árvores de AssinaturasRetomando o exemplo: 10000,1000,0010,010 10000,1010,1010,111 10000,0010,1000,010 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel 10000,1000,0010,001 10000,1000,1000,010Raiz 11000,1011,1010,111 10000,0010,1000,001 01000,0001,0010,100 ... ... Que estrutura de armazenamento de dados usaria para manter as árvores 60 de assinaturas?
  • 61. Complementar Estudos... File Organization and Processing Allan L Tharp Capítulo 6 Secondary Key Retrieval Signature Trees61 UFS - DComp - Prof. Kenia Kodel
  • 62. Próximos passos... Busca em Texto UFS - DCOMP - Prof. Kenia Kodel 62