Your SlideShare is downloading. ×

Marketing digital 2010

4,184

Published on

Published in: Business, News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,184
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
187
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Prof. Krishnamurti Marketing Digital MBA em Negócios e Marketing Krishnamurti B. Ávila
  • 2. Prof. Krishnamurti MARKETING “É um processo social pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam por meio da criação, da oferta e da livre troca de produtos e serviços de valor com outros.” (Philip Kotler)
  • 3. Prof. Krishnamurti MARKETING “Marketing é o conjunto de atividades humanas que tem por objetivo facilitar e consumar relações de troca”. (Kotler)
  • 4. Prof. Krishnamurti MARKETING “Marketing são as atividades sistemáticas de uma organização humana, voltada para a busca e realização de trocas com seu meio ambiente, visando benefícios específicos”. (Raimar Richers)
  • 5. Prof. Krishnamurti MARKETING “... o processo através do qual a economia é integrada à sociedade para servir às necessidades humanas”. (Peter Drucker)
  • 6. Prof. Krishnamurti MARKETING “... o processo de conquistar e manter clientes”. (Theodore Levitt)
  • 7. Prof. Krishnamurti MARKETING “Marketing é o desempenho das atividades de negócios que dirigem o fluxo de bens e serviços do produtor ao consumidor ou usuário”. (American Marketing Association)
  • 8. Prof. Krishnamurti Marketing é marketing, seja off-line, seja online. Mas algumas coisas andaram mudando no mundo do marketing.
  • 9. Prof. Krishnamurti INTERNET
  • 10. Prof. Krishnamurti
  • 11. Prof. Krishnamurti
  • 12. Prof. Krishnamurti
  • 13. Prof. Krishnamurti
  • 14. Prof. Krishnamurti
  • 15. Prof. Krishnamurti
  • 16. Prof. Krishnamurti
  • 17. Prof. Krishnamurti Acesso à Internet no Brasil 73700 64800 67452 Histórico IBOP/Gnett - amostra com linha telefônica, com 39900 43200 acesso de qualquer lugar 31900 32900 Dados IBOP em 2009 19400 Estimativa IAB para final de 2010 - com base em 9,3% de crescimento sobre 2009
  • 18. Prof. Krishnamurti Penetração nas classes C, D e E 51,3 51,6 50,2 49,8 48,7 AB 48,4 CDE 2007 2008 2009
  • 19. Prof. Krishnamurti Banda larga no Brasil A evolução do mercado em 2009 em relação ao ano anterior é de 30,4% com mais de 11,3 milhões de conexões no total 12000 Total de conexões 11387 10000 10965 8000 8727 6000 7493 5753 4000 4105 2000 1211 343 713 2385 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 1º semestre 1º semestre 4º semestre 2008 2009 2009
  • 20. Prof. Krishnamurti Evolução do e-commerce Em 2009, foram 17,6 milhões de e-consumidores, um crescimento de 85% em relação a 2007 4,4 Novos e-consumidores e-consumidores 2,5 13,2 0,6 1,4 7 2 3,4 1,1 2001 2003 2005 2007 2009 Fonte: E-bit, na 21ª edição do relatório Webshoppers, 2010
  • 21. Prof. Krishnamurti Panorama da mobilidade no Brasil Número de Celulares no Brasil São 176,8 milhões de celulares, ou 0,917 cel/habitante, onde 82,5% são pré-pagos. 8,1 A venda de smartphones no Brasil cresceu 15,1% em 2009 e, aliado 176,8 Celulares 3G ao uso do 3G usado por 8,1 152,3 milhões de consumidores, o celular fica ainda mais fortalecido como canal de comunicação one- to-one. jan/09 jan/10
  • 22. Prof. Krishnamurti Internet móvel Na classe A, 14% dos donos de linhas já usam a internet pelo celular 14% 6% 2% 1% A B C DE
  • 23. Prof. Krishnamurti Acesso à internet móvel Tipos de conteúdos acessados via celular, PDA e smartphones Redes Sociais 21% Música 19% Esportes 17% Jogos online 15% Vídeos 12% Lazer/entretenimento 9% sites de banco 4% Sites da operadora de celular 4% Compras online 4% Chats/bate-papo 4% Páginas pessoais 4% 0% 5% 10% 15% 20% 25% Fonte: 21ª Pesquisa Internet POP – Consolidado nacional – 2009 – Período 23/09/2009 a 06/03/2010 – 17 mil entrevistas com população acima de 10 anos nas principais regiões metropolitanas
  • 24. Prof. Krishnamurti Acesso a vídeos na Internet 24,8 milhões de pessoas navegam em sites de vídeos; representam 68% dos usuários ativos (base domiciliar) Vídeos na Internet 65% 68% Audiência única Alcance 22,6 24,8 mai/09 dez/09 Fonte: Ibope Nielsen Online Netview, em subcategorias Vídeos/Filmes, trabalho e domicílios.
  • 25. Prof. Krishnamurti Acesso a vídeo na internet Em dezembro 23 milhões 25000 de pessoas navegaram em sites de vídeos amadores, 20000 como YouTube e 13,8 milhões navegaram e sites 15000 de vídeos profissionais. mai/09 1h05mim36seg As duas categorias somam 59mim07seg 15mim50seg 17min19seg 10000 dez/09 24 milhões de pessoas assistindo vídeos online. 5000 O tempo de navegação já 0 é de 1h05min/mês em Transmissão de Vídeo e filmes vídeos amadores. mídia Fonte: Ibope Nielsen Online Netview, em subcategorias Vídeos/Filmes, trabalho e domicílios.
  • 26. Prof. Krishnamurti Redes Sociais Usuários únicos em redes sociais no Brasil O Orkut é a rede que 30 tem mais usuários únicos no Brasil (mais 25 de 25 milhões) seguido do Twitter, 20 Orkut Facebook, Ning e Twitter Sonico. 15 Facebook As classes sociais CDE 10 Ning entram na internet Sonico pelas redes sociais e 5 pelos comunicadores instantâneos (Msn, 0 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 Gtalk, Nimbuzz etc.) Fonte: Ibope Nielsen Online Netview, trabalho e domicílios.
  • 27. Prof. Krishnamurti Consequências Igualdade de oportunidades para todos os players no mercado web (online). Empresas menores têm maior mobilidade e conseguem se antecipar em momentos de mudança. O consumidor agora tem o poder.
  • 28. Prof. Krishnamurti O Sorvete Social
  • 29. Prof. Krishnamurti SHARE DO MERCADO
  • 30. Prof. Krishnamurti Participação dos Meios em jun/2010 Internet Guias e Listas 4,30% Jornal TV Paga 1,24% Cinema 12,76% 3,57% 0,32% Jornal Rádio Rádio 4,18% Mídia Exterior Revista 2,89% Revista Televisão 6,85% Mídia Exterior TV Paga Internet Guias e Listas Televisão Cinema 63,89% Fonte: Projeto Intermeios.
  • 31. Prof. Krishnamurti Evolução do market share JORNAL Jornal (%) 25 21,2 19,9 20 18,1 16,6 16,3 15,5 16,3 15,9 14,1 15 10 5 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: Projeto Intermeios.
  • 32. Prof. Krishnamurti Evolução do market share Revista Revista (%) 12 10,6 9,7 9,4 10 8,3 8,8 8,6 8,5 8,5 7,7 8 6 4 2 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: Projeto Intermeios.
  • 33. Prof. Krishnamurti Evolução do market share TV Aberta TV Aberta (%) 62 60,9 61 59,6 59,4 60 59 59,2 59,2 58,7 58,8 59 58 57,3 57 56 55 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: Projeto Intermeios.
  • 34. Prof. Krishnamurti Evolução do market share Rádio Rádio (%) 4,8 4,7 4,6 4,5 4,5 4,4 4,4 4,3 4,3 4,3 4,3 4,2 4 4 3,8 3,6 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: Projeto Intermeios.
  • 35. Prof. Krishnamurti Evolução do market share TV Paga TV Paga (%) 4 3,7 3,7 3,4 3 3 2,2 2,3 1,9 1,7 2 1,5 1 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: Projeto Intermeios.
  • 36. Prof. Krishnamurti Evolução do market share Internet Internet (%) 5 4,3 4 3,5 2,8 3 2,1 1,5 1,6 1,7 2 1 0 0 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: Projeto Intermeios.
  • 37. Prof. Krishnamurti Estimativa de faturamento para 2010 Projeção para 2010 Em 2009 foram 1400000 contabilizados R$ 950 1235477 milhões em 1200000 investimentos em 1000000 950367 mídia online no Brasil, 800000 759342 com o crescimento de 25,16%. 600000 527000 361000 Estima-se que em 2010 400000 223078 265650 o crescimento seja de 200000 30% totalizando mais de R$ 1.235.000 0 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Fonte: Projeto Intermeios.
  • 38. Prof. Krishnamurti NO BRASIL, QUEM ACESSA A INTERNET PASSA 3 VEZES NO BRASIL, QUEM ACESSA A INTERNET PASSA 3 VEZES MAIS MAIS TEMPO ONLINE TEMPO ONLINE DO QUE VENDO TV. DO QUE VENDO TV. Internautas passam mais tempo online que vendo TV Os internautas também passam mais tempo 35 online do que vendo TV 30 nos EUA, Japão, 25 Alemanha e Reino Unido. 20 No Brasil os internautas Online passam três vezes mais 15 Assistindo TV tempo online do que 10 vendo TV. Faça como as 5 maiores empresas do 0 mundo: anuncie na Brasil Alemanha Japão Reino EUA internet. Unido Fonte: UOL – www.amidiaquemaiscresce.com.br
  • 39. Prof. Krishnamurti Marketing Digital CONCEITOS
  • 40. Prof. Krishnamurti O novo consumidor
  • 41. Prof. Krishnamurti O novo consumidor “Em 1965, 80% das pessoas entre 18-49 anos de idade poderiam ser alcançados com três segundos na TV. Em 2002, foram necessários 117 comerciais em horário nobre para fazer o mesmo. “ (Jim Stengel, Global Marketing, P & G)
  • 42. Prof. Krishnamurti O novo consumidor As gerações Y e Z acham o e-mail ultrapassado
  • 43. Prof. Krishnamurti Crise de credibilidade “É uma verdade básica da condição humana que todo mundo mente. A única variável é sobre o quê.”
  • 44. Prof. Krishnamurti Crise de credibilidade 76% dos consumidores não acreditam que as empresas dizem a verdade em seus anúncios. (Yankelovich Partners)
  • 45. Prof. Krishnamurti Crise de credibilidade 54% evitam comprar produtos que sufocam o cliente com publicidade (Yankelovich Partners)
  • 46. Prof. Krishnamurti Percepção 80% dos CEO’s acreditam que suas marcas oferecem uma ótima experiência ao consumidor. 8% dos consumidores concordam. (Bain & Company)
  • 47. Prof. Krishnamurti Marketing de Interrupção
  • 48. Prof. Krishnamurti PROSSUMERS producer (produtor) + consumer (consumidor)
  • 49. Prof. Krishnamurti Geração Y e Z A tecnologia só é tecnologia para quem nasceu antes dela ter sido inventada. (Alan Kay)
  • 50. Prof. Krishnamurti Pessoas comuns estão conversando com pessoas comuns e criando uma nova modalidade de mídia: a conversação. Hernani Dimantas, 2003 Fonte: livro Marketing Hacker, pg. 166, 2003
  • 51. Prof. Krishnamurti William Henry Gates III • A primeira regra de qualquer tecnologia utilizada nos negócios é que a automação aplicada a uma operação eficiente aumentará a eficiência. A segunda é que a automação aplicada a uma operação ineficiente aumentará a ineficiência.
  • 52. Prof. Krishnamurti Será?! “Nos próximos cinco anos, toda a mídia será interativa. Não haverá mais departamentos de marketing nas empresas, e sim de interatividade. O executivo de marketing precisará se transformar num conector.” Kevin Roberts CEO mundial da Saatchi & Saatchi, uma das maiores agências de publicidade do mundo.
  • 53. Prof. Krishnamurti Marketing de Permissão ”Com as tecnologias de alto benefício e baixo custo de hoje em dia, as empresas podem se certificar que tem a permissão do cliente para vender e oferecer produtos ou serviços. Uma empresa pode perguntar diretamente a seus clientes se eles querem mais informações e, então, poderá entregá-las” “O Marketing de Permissão encoraja os consumidores a participarem de campanhas interativas e de longo prazo, nas quais eles são recompensados de alguma forma recebendo mensagens cada vez mais relevantes” (Seth Godin, 2000)
  • 54. Prof. Krishnamurti O PROCESSO DE MARKETING TRADICIONAL / 4 P’s A primeira coisa a se entender é que quando falamos em marketing digital e internet, continuamos falando de marketing e de consumidores. A internet se tornou um ambiente que afeta o marketing da sua empresa de diversas formas, seja na comunicação corporativa ou seja na publicidade. Ela continuará afetando o marketing, mesmo que você não invista um centavo nela. Os famosos 4P’s. Hoje, da maneira como ainda são vistos por muitos, parecem ter saído de um baú. A partir desse momento, eles precisam ser revistos à base de uma nova visão de mercado.
  • 55. Prof. Krishnamurti O PROCESSO DE MARKETING TRADICIONAL / 4 P’s No Marketing convencional, os P’s são pontos importantes para se ter sucesso. A partir de agora, tentaremos aplicar estes quatro P’s partindo do ponto de vista do mercado eletrônico, tomando por base o que deve ser uma venda a varejo direto ao consumidor.
  • 56. Prof. Krishnamurti Produto Você deve permitir que seu usuário disponha de toda a informação necessária para realizar a compra. Muitos dos produtos que compramos hoje em dia não existem no mundo físico, mas somente no mundo da informação. DELL
  • 57. Prof. Krishnamurti Preço É um dos itens mais importantes no comércio eletrônico. Por se tratar de um comércio virtual, em muitos setores dispensam-se estoques, grandes número de funcionários, espaço físico, etc. Isto pode fazer com que o preço nos sites seja bastante competitivo em relação aos preços nas lojas convencionais. Compõe esse item, ainda, a questão do esforço de compra. De nada adianta ter um bom produto se o consumidor não conseguir chegar até ele de forma facilitada.
  • 58. Prof. Krishnamurti Ponto / Praça No comércio convencional, se sua loja não estiver bem localizada, ou seja, com fácil acesso, um local de bastante movimento, e outros fatores que facilitem que ela seja encontrada pelo cliente, certamente ela terá uma maior dificuldade para vender seus produtos do que uma loja que se encontre. Como aparecer na Internet? Em primeiro lugar, ao comprar o domínio www.seunegócio.com.br, o nome “seunegócio” deve representar bem sua marca ou seu produto.
  • 59. Prof. Krishnamurti Promoção Para conseguir chegar onde desejam no cyber espaço, os internautas recorrem a dois mecanismos: ou a associação da marca ou serviço ao endereço da empresa, ou aos sites de busca. Outra forma de divulgação de sites é a troca de Links. Pode-se contatar websites que tenham negócios ou serviços relacionados aos seus (sem que sejam concorrentes) e propõe-se uma troca de links. Para se complementar a promoção, o anúncio em outras mídias como mídia impressa, rádio, televisão, outdoors, mostram-se bastante eficientes para gerar tráfego nos sites.
  • 60. Prof. Krishnamurti Os 8 P´s do Marketing Digital Pesquisa Precisão Projeto Personalizaç 8 Produção ão P’s Propagação Publicação Promoção
  • 61. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de busca / Marketing de conteúdo • • Quase 90% das visitas na internet se iniciam por páginas de busca, como Google ou Yahoo. As ferramentas de busca transformaram a pesquisa por produtos em pesquisa por informação. • Antes de explorar o marketing de busca a prioridade é adequar seu conteúdo. • • O objetivo principal do marketing de busca é fazer com que, em uma parcela significativa das buscas realizadas, seu site apareça na primeira página dos resultados, de preferência entre os primeiros da lista.
  • 62. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de busca / Marketing de conteúdo • • A melhor maneira de direcionar a busca ao seu site é criar palavras-chave. • Marketing de busca é otimizar, melhorar e ajustar um site para que ele possa ser melhor encontrado pelas ferramentas de busca.
  • 63. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de busca / Marketing de conteúdo
  • 64. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing nas mídias sociais • • As mídias sociais têm um enorme poder formador de opinião e podem ajudar a construir ou destruir uma marca, um produto ou uma campanha publicitária. • • As mídias sociais são sites na internet que permitem a criação e o compartilhamento de informações e conteúdos pelas pessoas e para as pessoas, nas quais o internauta é ao mesmo tempo produtor e consumidor da informação. • Elas recebem esse nome porque são livres e abertas à colaboração e interação de todos e porque são meios de transmissão de informação e conteúdo.
  • 65. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing nas mídias sociais • • Por serem colaborativas e sociais, em geral carregam diversas ferramentas de relacionamento, permitindo que as pessoas se conheçam, troquem mensagens e criem grupos e comunidades. • Orkut • Twitter • MySpace • Facebook • LinkedIn • YouTube • Blogs.
  • 66. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing nas mídias sociais •
  • 67. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing nas mídias sociais • • É importante assumir a responsabilidade pela interação com essas mídias sociais. Uma vez criado o perfil, sua empresa deve estar aberta a receber críticas, sempre que elas existirem.
  • 68. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing nas mídias sociais
  • 69. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES.
  • 70. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing Viral • • Uma das mais antigas formas de publicidade é o boca-a-boca, em que um cliente transfere sua experiência com o produto ou serviço. • O boca-a-boca é muito poderoso, pois propaga as qualidades do produto muito além das fronteiras dos clientes atuais, já que tem um efeito multiplicador fantástico. • • A ideia é criar uma mensagem que se comporte na internet como se fosse um vírus e se espalhe pela rede espontaneamente, de consumidor a consumidor. •
  • 71. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing Viral • • Aqui a palavra vírus nada tem a ver com os vírus que infectam computadores, mas sim com o ato espontâneo de um consumidor enviar a mensagem a vários outros. • • Diferente do spam, o marketing viral trata-se de uma mensagem genuinamente interessante, enviada com o consentimento dos primeiros consumidores e depois espalhada por cada indivíduo que deseja por conta própria divulgá-la para seus amigos.
  • 72. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. Marketing Viral
  • 73. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Permissão / E-mail marketing • • O Marketing de permissão, como o nome diz, lança mão da permissão do internauta para, através de seu e-mail, oferecer-lhe propaganda. • • O mapa da mina está em criar um relacionamento duradouro e amigável com seus usuários, em vez de apenas encaminhar o e-mail. • • Conversando somente com os que consentiram ouvir, o marketing de permissão garante que os consumidores prestem mais atenção à mensagem. É o oposto ao Marketing de Interrupção, que é praticado nos meios de comunicação tradicionais, onde o usuário é interrompido para receber uma mensagem publicitária
  • 74. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Permissão / E-mail marketing • • Através do Marketing de Permissão, um veículo ou anunciante pode descobrir quem são e o que desejam seus visitantes, de forma a programar o conteúdo e as mensagens publicitárias para ir de encontro a essas necessidades específicas. • • O Marketing de Permissão é o mais delicado dos relacionamentos, pois implica na vontade e necessidade do outro dessa interação.
  • 75. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Permissão / E-mail marketing •
  • 76. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Relacionamento • • No Brasil, de uma forma geral, o mesmo preço é praticado para todos os clientes, independente do relacionamento que estes tenham com a empresa ou da quantidade de produtos que estes clientes compraram da empresa. • Enquanto para americanos e europeus o marketing de relacionamentos é uma estratégia largamente utilizada, aqui, é comum vermos este tipo de aplicação para assinantes de revistas ou jornais, que normalmente ganham descontos quando assinam mais de um produto da editora ou quando indicam uma assinatura a outra pessoa.
  • 77. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Relacionamento • • Preços e serviços individualizados são a tônica desta estratégia. • • Graças ao desenvolvimento dos bancos de dados, as empresas podem conhecer o perfil, as necessidades e desejos de seu público-alvo, e se utilizar destes dados para satisfazer seus clientes de forma individual, num processo denominado “marketing-one-to-one”. • • O marketing digital está ocupando cada vez mais importância no mix de marketing. O desafio é: como planejar ações de marketing digital em meio a tantas tecnologias, siglas e novidades?
  • 78. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Relacionamento • • O marketing digital está estreitamente relacionado às redes sociais, portanto conhecer as principais redes sociais e como sua empresa pode virar notícia é o primeiro passo para iniciar um planejamento.
  • 79. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Relacionamento • O processo digital de relacionamento se parece com o processo de marketing tradicional: • - A segmentação correta do cliente • - A identificação de suas necessidades • - Definição dos produtos e/ou serviços que serão oferecidos • - Busca da melhor relação custo/benefício, além da formação de funcionários motivados e capacitados a atender estes clientes adequadamente. • - Necessário entender qual o valor de cada cliente para a organização, para não correr o risco de oferecer benefícios iguais para clientes desiguais. •
  • 80. Prof. Krishnamurti AS FERRAMENTAS DO MARKETING DIGITAL E ATIVIDADES ONLINE E IMPLEMENTAÇÕES. • Marketing de Relacionamento • O processo digital de relacionamento se parece com o processo de marketing tradicional: • - A segmentação correta do cliente • - A identificação de suas necessidades • - Definição dos produtos e/ou serviços que serão oferecidos • - Busca da melhor relação custo/benefício, além da formação • de funcionários motivados e capacitados a atender estes clientes • adequadamente. • - Necessário entender qual o valor de cada cliente para a • organização, para não correr o risco de oferecer benefícios • iguais para clientes desiguais.
  • 81. Prof. Krishnamurti O CONCEITO DE COMÉRCIO DIGITAL • Comércio eletrônico ou e-commerce, ou ainda comércio virtual, é um tipo de transação comercial feita especialmente através de um equipamento eletrônico, como, por exemplo, um computador. • Conceitua-se como o uso da comunicação eletrônica e digital, aplicada aos negócios, criando, alterando ou redefinindo valores entre organizações ou entre estas e indivíduos, ou entre indivíduos, permeando a aquisição de bens - produtos ou serviços, terminando com a liquidação financeira por intermédio de meios de pagamento eletrônicos. • Através de conexões eletrônicas com clientes, fornecedores e distribuidores, o comércio eletrônico incrementa eficientemente as comunicações de negócio, para expandir a participação no mercado, e manter a viabilidade de longo prazo no ambiente de negócio.
  • 82. Prof. Krishnamurti O CONCEITO DE COMÉRCIO DIGITAL • A internet criou uma nova possibilidade de comercialização: a venda on-line através da loja virtual. O comércio eletrônico através da Internet é o ramo de atividade econômica que mais cresce no mundo. • No Brasil, segundo dados da e-bit, até o final de 2009 17 milhões de de pessoas realizaram pelo menos uma compra na internet. • Por isso, os grandes varejistas virtuais do país cada vez se consolidam mais em um mercado que ainda tem grande potencial de crescimento. • As jovens empresas que ingressam no comércio on-line têm atraído o maior número de investidores do mercado de ações, aumentando o valor de mercado de forma alucinante.
  • 83. Prof. Krishnamurti 5. O CONCEITO DE COMÉRCIO DIGITAL
  • 84. Prof. Krishnamurti O CONCEITO DE COMÉRCIO DIGITAL • O comércio eletrônico deve ser entendido como um novo paradigma a ser quebrado na maioria das empresas. • Nem todos os produtos se encaixam nesse perfil, mas com a evolução da tecnologia, cada vez mais produtos e empresas podem se beneficiar dessa possibilidade. • No início, a comercialização on-line era - e ainda é - realizada com produtos como CDs, livros e demais produtos palpáveis e de características tangíveis. Com o avanço da tecnologia, surge uma nova tendência para a comercialização on-line. Começa a ser viabilizado a venda de serviços pela web, como é o caso dos pacotes turísticos, por exemplo. • • Os shoppings on-line devem prover todas as informações necessárias para o consumidor comprar um produto sem a interação física com os representantes comerciais da empresa. Mesmo que alguns consumidores não comprem determinados produtos através dos shoppings on-line, ele pode tomar a decisão de comprar um produto pela Internet.
  • 85. Prof. Krishnamurti LOJA VIRTUAL • Loja virtual designa uma página na Internet com um software de gerenciamento de pedidos (carrinho de compras), na qual empresas oferecem e vendem seus produtos. • Os clientes acessam o site, escolhem os produtos para aquisição e recebem estes produtos em casa. Para ser caracterizada como loja virtual, o site deve ter todo o processo feito pela internet, desde a escolha dos produtos até o pagamento. • • Os shoppings on-line devem prover todas as informações necessárias para o consumidor comprar um produto sem a interação física com os representantes comerciais da empresa.
  • 86. Prof. Krishnamurti LOJA VIRTUAL
  • 87. Prof. Krishnamurti LOJA VIRTUAL • As vendas pela internet representam também uma grande oportunidade para as pequenas empresas, uma vez que as ferramentas de marketing on-line possibilitam que briguem de igual pra igual com os grandes varejistas. Por isso, as lojas virtuais de pequeno porte são as que apresentam crescimento mais significativo, tirando cada vez mais market share dos grandes varejistas na internet.
  • 88. Prof. Krishnamurti LOJA VIRTUAL • Uma loja virtual deve oferecer informações detalhadas e objetivas sobre o produto, uma vez que não possuem vendedores, e também ajudar o cliente a tomar a melhor decisão. Deve transmitir confiança, através de clareza e honestidade nas informações, com apoio e esclarecimento de dúvidas de forma rápida e garantia de devolução de produtos. Algumas das formas de pagamento utilizadas nas transações são: • - Cartão de crédito • - Boleto bancário • - Cheque • - Depósito em conta bancária • - Pagamento na contra entrega (através de Sedex a Cobrar, por exemplo) • - Intermediação financeira através de outra instituição
  • 89. Prof. Krishnamurti LOJA VIRTUAL
  • 90. Prof. Krishnamurti LOJA VIRTUAL
  • 91. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • Seguem abaixo 10 considerações para você avaliar em seu plano de negócios: • 1 - Informação: • Antes de se aventurar num site de e-commerce, obtenha informações com empresas especializadas do segmento e lojistas conhecidos que já estejam online. Avalie quanto você precisará para o investimento inicial e capital de giro. Faça bastante benchmark para verificar quais as melhores práticas do mercado, acesse os sites dos grandes varejistas e dos que você considera concorrentes para o seu negócio.
  • 92. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 2 - Tecnologia: • Há várias soluções para o desenvolvimento de lojas online, desde plataformas prontas até as desenvolvidas por encomenda. O custo x benefício deve ser avaliado. A vantagem das plataformas prontas, é a rapidez e facilidade de operação (é possível configurar o layout, cadastrar produtos, escolher formas de pagamento, definir nível de estoque, dentre outras funcionalidades). Além disso, caso opte por esta solução, escolha uma empresa cujo atendimento e suporte ao cliente esteja incluído e seja de fácil acesso.
  • 93. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 3 - Preço competitivo: • No mundo online, é muito fácil comparar preços. Um exemplo disso são os buscadores (Buscapé, Jacotei, etc.). Por isso, se você comercializar produtos que também são encontrados nos grandes varejistas on-line, preocupe-se não somente em ter um preço competitivo, mas também, com o valor do frete que será cobrado do cliente. Um valor de frete elevado é um grande impeditivo para o fechamento de vendas. Aproveite para baixar esta ferramenta que pode ajudar diariamente na comparação de preços.
  • 94. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 4 - Cadastro de produtos: • A qualidade das fotos dos produtos é fundamental, pois este é o ponto de contato com o cliente. Procure criar um padrão de fundo para todas as fotos, de preferência branco. O texto é outro fator fundamental. Tem que ser objetivo e exibir todas as características do produto. Produtos com descrições erradas podem gerar muitas reclamações de clientes, inclusive no Procon.
  • 95. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 5 - Logística: • É fundamental para o sucesso do negócio. Além de você precisar negociar um custo competitivo de frete, é imperativo que o prazo de entrega esteja não só dentro do que é praticado no mercado on-line, mas também, que seja cumprido de acordo com o prometido ao cliente. Considere também o tipo de embalagem que será utilizada. Lembre- se que o cliente só voltará a comprar com você, caso esteja satisfeito com todo o ciclo de compra do produto, desde a escolha no site até o recebimento do produto.
  • 96. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 6 - Formas de pagamento: • Procure disponibilizar variadas formas de pagamento, dentre elas cartões de crédito (principais bandeiras), boleto bancário e cartão de débito. A maioria das lojas on-line parcela em até 12x sem juros, podendo variar de acordo com o preço do produto. É fundamental que você faça uma boa negociação no custo cobrado pelas operadoras para cada faixa de parcelamento.
  • 97. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 7 - Equipe administrativa: • Avalie quantas pessoas serão necessárias para tocar o dia a dia da operação. Algumas tarefas envolvidas: cadastro de produtos, gestão de preços e análise da concorrência, atendimento ao cliente, divulgação das ofertas, desenvolvimento de material publicitário para promoções e ofertas, avaliação de resultados, dentre outras.
  • 98. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 8 - Atendimento: • A loja deve possuir vários canais de contato e de fácil acesso para o cliente, tais como: telefone 0800, e-mail e chat. • • 9 - Divulgação: • Envie constantemente email-marketing informando sobre lançamento de produtos, ofertas e promoções. Procure investir em links patrocinados (Ex: Google e Yahoo) e buscadores (Ex: Buscapé e Jacotei). Nestas duas modalidades você paga pelo clique e pode determinar uma verba mensal de investimento. Aproveite para investir também em mídia social, usando ferramentas como Blog, Twitter, Orkut e Facebook.
  • 99. MONTANDO E PROMOVENDO UMA LOJA Prof. Krishnamurti VIRTUAL • 10 - Avaliação e acompanhamento de resultados: • Acompanhe diariamente (os grandes varejistas acompanham hora a hora) os resultados das vendas: o que está vendendo, quanto, de onde vem os clientes. Só assim você saberá o que está dando certo dentro do site, de onde vem seus clientes, qual a mídia que dá mais retorno, etc... Você pode optar por ferramentas gratuitas como o Google Analytics (você deve solicitar que seja inserido no seu site assim que definir a solução de e-commerce que irá utilizar) ou outras comercializadas no mercado.
  • 100. Prof. Krishnamurti DESENVOLVENDO MARCAS NA INTERNET • - A construção de uma marca, tanto na internet quanto no mundo off-line, passa pelas diversas e sucessivas interações que ela tem com o seu público-alvo. Cada experiência do usuário com a marca contribui para colocar um pouco de argamassa em sua percepção. • - Esta experiência acaba formando, ao final de uma série de interações, uma imagem positiva ou negativa a respeito da marca em sua mente. Tais percepções são cruciais para a empresa em médio e longo prazos, por isto devem ser controladas em todos os seus aspectos, principalmente ao se falar de web. •
  • 101. Prof. Krishnamurti DESENVOLVENDO MARCAS NA INTERNET • - Depois do advento e da disseminação da internet, as interações de uma marca com seus consumidores ampliaram-se em demasia. Tais interações saíram a muito do controle da empresa e expandiram seus domínios para cada lar, em todo o mundo e em todo o momento. Na economia digital, as distâncias limitaram-se a um clique. • • - Neste contexto globalizado, muitas vezes o primeiro contato que um consumidor terá com sua empresa, seu produto ou serviço será pelo seu website. Desde a procura da informação até a abertura da página inicial e a posterior navegação, a construção de uma marca estará atrelada às sensações e ações que o usuário terá de todo o processo.
  • 102. Prof. Krishnamurti DESENVOLVENDO MARCAS NA INTERNET • A construção de uma marca em épocas de internet deve considerar o domínio e quem o website da empresa está hospedado. Um domínio na internet é uma importante etapa da construção de uma marca. • Ter a palavra-chave no próprio domínio é uma técnica interessante para aumentar a probabilidade do clique do internauta e para estar na primeira página dos buscadores, mesmo não sendo com o site institucional. • Embora pareça insensato, na internet, esqueça a marca e pense em palavras-chave. A marca vai a reboque, só é percebida em segundo plano. O que o usuário procura é a informação, o benefício, e não necessariamente a marca da empresa.
  • 103. Prof. Krishnamurti DESENVOLVENDO MARCAS NA INTERNET • - Viver em uma aldeia global significa que a concorrência pode vir de qualquer lugar. Mas o cliente também pode vir de qualquer lugar. • - O que garante a conquista de clientes de toda parte é uma boa estratégia digital de abordagem de mercado. Lembre-se: vivemos em uma sociedade que quer o resultado imediato e sem rodeios. • - O usuário quer se sentir valorizado ao ter o que busca ao seu alcance, de maneira rápida e assertiva. É uma estratégia que garante um excelente resultado, gerando um maior número de visitas à sua página e, consequentemente, faturamento proporcional. DESENVOLVENDO MARCAS NA INTERNET • - Para a consolidação de uma marca, devemos ter em mente duas máximas do marketing. A primeira delas nos ensina que “o marketing é uma batalha de percepções, não de produtos”. • - Ao observar alguma coisa, construímos uma conexão entre o objeto de observação e a nossa concepção a cerca dele. Logo, o que importa é a interação entre o observador e o observado, e não o objeto de observação em si. Quanto maior o valor que enxergamos em um produto, melhor a nossa percepção dele e maior o preço que estaríamos dispostos a pagar por ele.
  • 104. Prof. Krishnamurti DESENVOLVENDO MARCAS NA INTERNET • - A partir daí, chegamos à segunda máxima, que diz que “o consumidor compra um benefício, não um produto”. Produto é aquilo que ele leva para casa. Benefícios têm valor, produtos têm preço. • - Da mesma maneira que mensuramos preço e valor em nossa mente frente a um produto ou marca qualquer, também os mensuramos na interação com uma mensagem, seja ela uma propaganda ou uma informação.
  • 105. Prof. Krishnamurti DESENVOLVENDO MARCAS NA INTERNET • - Dentre todos os atributos de uma marca, a mais crítica é a questão da credibilidade. • - O comportamento do consumidor vem mudando ao longo dos anos e, se antes o simples ato de informar a existência de um produto já bastava para aumentar suas vendas, hoje este é apenas o início de um processo que envolve todos os cuidados, desde a logística da entrega até o pós-venda. • - Na web, credibilidade tem a ver com conteúdo, com informações precisas e seguras. Se pudéssemos sintetizar o desenvolvimento de uma marca em passos, se dividiriam da seguinte maneira: seja simples; seja ético; seja “encontrável”; ponha o consumidor no início da sua cadeia de valor; crie relacionamentos; renove-se a cada dia.
  • 106. Prof. Krishnamurti 107
  • 107. Prof. Krishnamurti A empresa tem o poder! • Antigamente o poder era concentrado nas empresas: • Pouca concorrência; • Opinião do cliente pouco ou nada importava; • Cliente insatisfeito não tinha vez; • Venda a todo custo (vale tudo); 108
  • 108. Prof. Krishnamurti A empresa tem o poder! • A partir da década de 60, as empresas passam a enxergar a satisfação dos clientes como fator importante para os negócios; • Com o aumento da concorrência, as empresas buscam fidelizar seus clientes; • As opiniões dos clientes começam a ter algum valor; • Mesmo assim, o poder ainda continuava com as empresas; 109
  • 109. Prof. Krishnamurti A empresa tem o poder! • A partir da década de 90, a tecnologia permite uma revolução: • Internet; • Comércio eletrônico; • CRM. 110
  • 110. Prof. Krishnamurti A empresa tem o poder! • As empresas começam a criar sites na internet, mas ainda não há uma clara definição de qual é a fórmula ideal; • Os primeiros sites corporativos são simples e estáticos; • Ganha força o Marketing de Relacionamento; • Os clientes são ouvidos pelas empresas, mas ainda não ouvem uns aos outros! 111
  • 111. Prof. Krishnamurti A empresa tem o poder! • Setembro de 1995: Ebay.com é criado nos EUA; • Outubro de 1999: Mercado Livre é criado no Brasil: • Sistema de vendas online • Classificação de usuários e vendedores • Permite pela primeira vez que o histórico de relacionamentos do vendedor com seus compradores possa ser consultado pelos clientes e usado como vantagem competitiva pelos vendedores; • As pessoas vendem e compram produtos de todos os tipos (de tudo mesmo!). 112
  • 112. Prof. Krishnamurti A empresa tem o poder! 113
  • 113. Prof. Krishnamurti O cliente tem o poder! • A partir do ano 2000, há uma mudança fundamental: • A internet ganha maturidade e passa a ser um importante canal de vendas; • Os clientes ganham finalmente poder de barganha; • Cada vez mais os consumidores pesquisam sobre produtos e serviços na internet; • Explosão do boca a boca online; • Surgem as Mídias Sociais. 114
  • 114. Prof. Krishnamurti O cliente tem o poder! 115
  • 115. Prof. Krishnamurti Relacionamento com o Cliente • O poder, enfim, migrou da empresa para o cliente. • Com as Mídias Sociais, esse poder foi ampliado de uma forma nunca antes vista. 116
  • 116. Prof. Krishnamurti Relacionamento com o Cliente Time Magazine Jan 2007 117
  • 117. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! • Nas mídias tradicionais, o processo de comunicação das empresas com o público ocorre em apenas uma direção; • Não há feedback instantâneo; • Não há interação Cliente x Empresa. 118
  • 118. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! As Mídias Sociais utilizam a tecnologia WEB (Redes Sociais) para permitir que milhões de pessoas possam criar e compartilhar conteúdo, das mais variadas formas. 119
  • 119. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! • Redes Sociais são as ferramentas que permitem a realização das estratégias de comunicação das Mídias Sociais na Internet. 120
  • 120. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! É uma verdadeira quebra de paradigma! 121
  • 121. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! • Sua empresa monitora alguma rede social? • Quais são as redes que sua empresa deve monitorar? • O que os clientes falam da sua marca nas redes sociais? • Qual deve ser sua postura corporativa nas redes sociais? • Como utilizar as redes sociais para alavancar o negócio? 122
  • 122. Prof. Krishnamurti 123
  • 123. Prof. Krishnamurti 124
  • 124. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! 125
  • 125. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! 126
  • 126. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! 127
  • 127. Prof. Krishnamurti Mídias Sociais !?! 128
  • 128. Prof. Krishnamurti Imagem das Redes Sociais Algumas pessoas e empresas ainda tem preconceito com as Redes Sociais: • Isso é coisa de adolescente! • Não vou expor minha vida na internet! • Não tenho tempo pra isso! • Meu cliente não dá valor a essas coisas! • Meu negócio vai muito bem, obrigado! • Minha empresa já tem site! • Ninguém ganha dinheiro com isso! 129
  • 129. Prof. Krishnamurti Imagem das Redes Sociais Pecando por falta ou excesso, as pessoas e empresas acabam se dividindo em dois grupos: • Conservadores • Afobados 130
  • 130. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! As pessoas usam as redes sociais para: • Compartilhar experiências pessoais (férias, viagens, trabalho); • Entrar em contato com amigos ou pessoas com interesses em comum (esportes, tecnologia, lugares); • Iniciar novos relacionamentos afetivos; • Aprimorar seus conhecimentos em áreas específicas. 131
  • 131. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! As pessoas usam as redes sociais para: • Divulgar suas experiências positivas ou negativas na compra ou uso de produtos ou serviços; • Buscar informação sobre a experiência de outros usuários na compra ou uso de produtos ou serviços; • Efetivamente comprar produtos e serviços; • Buscar um contato mais personalizado (atendimento, suporte, etc.) com as empresas. 132
  • 132. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! As empresas usam as Redes Sociais para: • Monitorar a imagem da marca; • Acompanhar as tendências do mercado e desejos dos consumidores; • Divulgar produtos e serviços através da interação com os consumidores: • Campanhas; • Virais; • páginas, comunidades e perfis corporativos. • Oferecer suporte aos clientes; 133
  • 133. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! Ou seja, as Redes Sociais são o mais novo canal de comunicação Empresa x Cliente! 134
  • 134. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! Os consumidores estão comentando sobre seus produtos e serviços, mesmo que você não esteja nas Redes Sociais. 135
  • 135. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! 136
  • 136. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! 137
  • 137. Prof. Krishnamurti Redes Sociais !?! Compartilhador de opinião Formador de opinião 138
  • 138. Prof. Krishnamurti Redes Sociais que classificam nível de serviço Alguns sites promovem diretamente a avaliação do serviço prestado; É um serviço muito comum para avaliação de hotéis e restaurantes; Exemplos: Tripadvisor.com; Expedia.com; Booking.com. 139
  • 139. Prof. Krishnamurti Redes Sociais que classificam produtos • O Buscapé é um exemplo de site de pesquisa de produtos que também permite que os consumidores avaliem cada item. 140
  • 140. Prof. Krishnamurti Redes Sociais que classificam produtos 141
  • 141. Prof. Krishnamurti O Comportamento do consumidor na WEB • 70% das pessoas confiam em recomendações de outros consumidores na Internet • 62% confiam em anúncios em TV • 61% confiam em anúncios em jornais • 59% confiam em anúncios em revistas Fonte: Nielsen Media Research, Abril de 2009 142
  • 142. Prof. Krishnamurti O Comportamento do consumidor na WEB • 25% dos resultados de buscas na internet sobre as 20 maiores marcas do mundo caem em conteúdos criados por usuários; • 34% dos blogueiros postam opiniões sobre produtos e serviços. 143
  • 143. Prof. Krishnamurti O Comportamento do consumidor na WEB É o famoso BOCA A BOCA! 144
  • 144. Prof. Krishnamurti O Comportamento do consumidor na WEB No boca a boca tradicional, um cliente insatisfeito conta sua história para pelo menos 8 pessoas; No boca a boca das Redes Sociais, um cliente insatisfeito consegue alcançar milhares de pessoas com sua mensagem; Cada vez mais os clientes utilizam as Redes Sociais como base para tomada de decisão na compra de produtos ou serviços. 145
  • 145. Prof. Krishnamurti Case: United Breaks Guitars 146
  • 146. Prof. Krishnamurti United breaks Guitars Em 31/03/2008, Dave Carroll viajava pela United Airlines de Halifax para Omaha nos EUA; Enquanto as pessoas ainda embarcavam, uma passageira, sentada atrás de Dave, comenta: “Meu Deus, estão jogando violões lá em baixo”; Dave olha pela janela e vê seus instrumentos musicais sendo jogados de qualquer jeito pelos carregadores da United. 147
  • 147. Prof. Krishnamurti United breaks Guitars Dave tenta falar com 3 funcionários da United, mas os funcionários não dão a menor atenção; Ao chegar no seu destino, Dave descobre que seu violão estava totalmente destruído; Dave inicia então uma maratona de 1 ano tentando ressarcimento pelo seu prejuízo, mas a resposta final foi: NÃO! Dave conserta por conta própria o violão por US$ 1200,00. 148
  • 148. Prof. Krishnamurti United breaks Guitars Revoltado com o tratamento recebido, Dave cria 3 vídeos sobre o caso e coloca no YouTube; Seu objetivo: 1 milhão de espectadores em 1 ano; Em 9 meses, seus 3 vídeos somados já alcançam 10 milhões de espectadores. A United poderia ter evitado tudo isso gastando apenas US$ 1200,00. Vamos ver o vídeo? 149
  • 149. Prof. Krishnamurti United Breaks Guitars
  • 150. Prof. Krishnamurti United breaks Guitars O Case da United ilustra a importância das Redes Sociais nos nossos negócios. As Redes Sociais crescem cada vez mais, em um ritmo alucinante. 151
  • 151. Prof. Krishnamurti Crescimento das Redes Sociais • 96% das pessoas da Geração Y (nascidos entre 1980 e 2000) que acessam a Internet, participam de redes sociais; • Nos últimos 6 meses, o uso de redes sociais por adultos entre 35 e 54 anos cresceu 276%; • No mesmo período, o crescimento foi de 194% para pessoas acima de 55 anos; • Redes sociais são a maior atividade na Internet; • 1 em 8 casamentos nos EUA são consequência de relacionamentos que começaram nas redes sociais. 152
  • 152. Prof. Krishnamurti 100 maiores empresas • O estudo “The Global Social Media Check-up”, de 2010, das 100 maiores empresas do mundo, listadas pela Fortune mostrou que: • 65% usam Twitter • 54% usam Facebook • 50% usam YouTube • 33% usam Blogs 153
  • 153. Prof. Krishnamurti 100 maiores empresas • Na última semana de janeiro de 2010: • 82% atualizou o canal no Twitter, com uma média de 27 tweets • 59% atualizou a página no Facebook, com uma média de 3,6 posts • Média de seguidores no Twitter: 1.489 • Média de fãs no Facebook: 40.884 154
  • 154. O Comportamento do consumidor na Prof. Krishnamurti WEB E mesmo assim, muitas empresas brasileiras ainda bloqueiam o acesso de seus funcionários à internet ou a sites como o Twitter. 155
  • 155. O Comportamento do consumidor na Prof. Krishnamurti WEB 156
  • 156. Prof. Krishnamurti Tempo para alcançar 50 milhões de usuários • Rádio • 38 Anos 157
  • 157. Prof. Krishnamurti Tempo para alcançar 50 milhões de usuários • TV • 13 Anos 158
  • 158. Prof. Krishnamurti Tempo para alcançar 50 milhões de usuários • Internet • 4 Anos 159
  • 159. Prof. Krishnamurti Tempo para alcançar 50 milhões de usuários • Ipod • 3 Anos 160
  • 160. Prof. Krishnamurti Tempo para alcançar 50 milhões de usuários • Facebook • 100 milhões de usuários em menos de 9 meses 161
  • 161. Prof. Krishnamurti 162 E o Brasil?
  • 162. Prof. Krishnamurti 163 E o Brasil?
  • 163. Prof. Krishnamurti 164 E o Brasil?
  • 164. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil • Orkut • 24,7 Milhões de usuários no Brasil 165
  • 165. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil • 75% dos acessos ao Orkut são feitos no Brasil; • 33,1 visitas por usuário, por mês; • 66% dos usuários tem mais de 25 anos. • Crescimento de 21% em 2009 166
  • 166. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil • Facebook • 5 Milhões de usuários no Brasil 167
  • 167. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil 168
  • 168. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil • Twitter • 5,9 Milhões de usuários no Brasil 169
  • 169. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil • Revista Época • Março/2009 170
  • 170. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil 171
  • 171. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil 172
  • 172. Prof. Krishnamurti Uso das Redes Sociais no Brasil • Blogs • 8,6 Milhões de usuários no Brasil 173
  • 173. Prof. Krishnamurti Outras redes interessantes... 174
  • 174. Prof. Krishnamurti Redes Sociais e a telefonia móvel 80% dos usuários do Twitter digitam suas mensagens a partir de telefones celulares. 175
  • 175. Prof. Krishnamurti Redes Sociais e a telefonia móvel • Celulares (Iphone, Android, Symbian e Windows Mobile) possuem aplicativos para as redes sociais mais importantes 176
  • 176. Prof. Krishnamurti As Redes Sociais são integradas • Seus posts no Facebook e Blog podem ser automaticamente replicados no Twitter; • Orkut e Facebook se integram facilmente com os Blogs e YouTube; • Seu perfil no Linkedin pode conter suas apresentações do Slideshare; • Seus Blog pode usar os botões para divulgação dos posts em outras redes sociais. 177
  • 177. Prof. Krishnamurti COMO AS EMPRESAS BRASILEIRAS LIDAM COM AS REDES SOCIAIS? 178
  • 178. Prof. Krishnamurti Empresas Brasileiras e as Redes Sociais • Pesquisa realizada pela Associação Comercial de São Paulo com 500 empresas da capital: • 17% possuem perfis em comunidades virtuais; • Das que estão presentes nas comunidades virtuais, 49% não monitoram o que os internautas escrevem em suas próprias comunidades; • 51% dos que dizem monitorar as comunidades, fazem isso de maneira informal (normalmente é o próprio dono). 179
  • 179. Prof. Krishnamurti OK, entendi. Mas e agora? • Mas afinal, esse negócio funciona? Alguém já conseguiu bons resultados ao usar as mídias sociais? Como posso tirar proveito dessa revolução? 180
  • 180. Prof. Krishnamurti • Case: • Casar é Fácil 181
  • 181. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2004: • Emanuelle Missura cria a comunidade “Casar é Fácil” no Orkut com o objetivo de compartilhar suas experiências e trocar dicas com noivas de todo o Brasil; • Em poucos meses a comunidade alcança 1000 membros; • As noivas realizam encontros da comunidade a cada 3 ou 4 meses em restaurantes; • O objetivo é aumentar a interação entre as pessoas. 182
  • 182. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 183
  • 183. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2006: • Emanuelle é convidada para escrever uma coluna fixa na revista “Noivas Rio de Janeiro”; • Sua primeira coluna foi sobre a feira de casamentos da Daslu em SP; • A comunidade alcança 10.000 membros; • Os fornecedores de casamento e noivas “desesperadas por ajuda” começam a procurá-la; • A comunidade vira referência em dicas para casamentos. 184
  • 184. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 185
  • 185. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2006: • Decisão que mudou tudo: • Emanuelle deixa a empresa da família e decide que a partir daquele momento seria cerimonialista... • ...e no mesmo dia, fecha seus 2 primeiros casamentos! 186
  • 186. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 187
  • 187. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2007: • Matérias em jornais, revistas, emissoras de TV e rádio são frequentes; • A coluna na revista atrai muitas noivas em busca de cerimonialista; • Os videos de suas entrevistas são postados no YouTube. 188
  • 188. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 189
  • 189. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2008: • Emanuelle cria o blog “Casar é Fácil” visando ter um contato direto com as noivas; • O blog contém: • dicas de casamento; • detalhes de cada casamento realizado por ela; • novidades do mundo casamentício (moda, tendências); • reprodução das reportagens com a Emanuelle. 190
  • 190. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 191
  • 191. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2008: • Emanuelle lança o livro “Casar é Muito Fácil” com 500 dicas para os preparativos do casamento; • Foram vendidas 12.000 unidades nos primeiros ano; • Boa parte das compradoras já lia o blog ou participava da comunidade. Mesmo assim o livro atinge o público que não acessa a internet em busca de informação sobre os preparativos do casamento 192
  • 192. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 193
  • 193. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 194
  • 194. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2009: • A Casar é Fácil adere ao Twitter; • Emanuelle usa o Twitter para postar dicas, links para matérias sobre casamento e anunciar novidades do Blog; • O Twitter também vira um canal de atendimento; • O Blog possui média de 2000 acessos diários; • Os posts no Twitter são curtos, para permitir que as pessoas possam passar a mensagem adiante (retweet). 195
  • 195. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • 2010: • A comunidade no Orkut chega a 19.000 membros; • O blog contabiliza mais de 680.000 acessos; • O blog passa a ser o principal canal de comunicação entre Emanuelle e suas potenciais clientes; • Emanuelle cria em Abril a página oficial da Casar é Fácil no Facebook e a integra com as outras mídias sociais: Twitter, Flickr e o Blog. 196
  • 196. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil 50 42 39 40 35 30 18 20 10 2 0 2006 2007 2008 2009 2010 197
  • 197. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • O valor cobrado pelo serviço cresceu 1000% de 2006 até hoje • O centésimo casamento da Casar é Fácil foi realizado em Abril de 2010. • Investimento em mídias pagas desde 2006: •R$ 0,00 198
  • 198. Prof. Krishnamurti Dúvidas: Por que continuar dando dicas de graça, agora que a Casar é Fácil virou um negócio? Onde foi parar o “segredo é a alma do negócio”, se tudo está disponível na rede? Por que alguém contrataria uma cerimonialista, se todas as informações podem ser coletadas na internet? 199
  • 199. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil • Lições aprendidas com a Casar é Fácil: • Seja reconhecido como especialista na sua área; • Opte por compartilhar conhecimento; • Presença nas Redes Sociais requer dedicação; • Não deixe ninguém sem resposta; • Maximize o boca a boca positivo; • Escolha as Redes Sociais com critério: entenda a particularidade de cada uma e crie suas estratégia. 200
  • 200. Prof. Krishnamurti Case: Casar é Fácil Existir Definir canais Interagir com as comunidades Solidificar a marca Monetizar 201
  • 201. Prof. Krishnamurti Empresas nas Redes Sociais • Exemplos de iniciativas de empresas nas Redes Sociais 202
  • 202. Prof. Krishnamurti 203 Chuva de twix
  • 203. Prof. Krishnamurti 204 Chuva de twix
  • 204. Prof. Krishnamurti 205 Chuva de twix
  • 205. Prof. Krishnamurti 206 Chuva de twix
  • 206. Prof. Krishnamurti 207 TECNISA
  • 207. Prof. Krishnamurti 208
  • 208. Prof. Krishnamurti Eu sigo a sua empresa para ganhar um prêmio! 209
  • 209. Prof. Krishnamurti Skol: Homem Lata 210
  • 210. Prof. Krishnamurti Nespresso no Facebook 211
  • 211. Prof. Krishnamurti Nespresso no Facebook 212
  • 212. Prof. Krishnamurti Nespresso no Facebook 213
  • 213. Prof. Krishnamurti 214 Avignonesi
  • 214. Prof. Krishnamurti 215 Avignonesi
  • 215. Prof. Krishnamurti 216 O Globo
  • 216. Prof. Krishnamurti 217 O Globo
  • 217. Prof. Krishnamurti 218
  • 218. Prof. Krishnamurti Claro: Na Social 219
  • 219. Prof. Krishnamurti Claro: Na Social 220
  • 220. Prof. Krishnamurti Claro: Na Social 221
  • 221. Prof. Krishnamurti Claro: Na Social 222
  • 222. Prof. Krishnamurti Vivo: Eu vivo a seleção 223
  • 223. Prof. Krishnamurti Vivo: Eu vivo a seleção 224
  • 224. Prof. Krishnamurti Vivo: Eu vivo a seleção 225
  • 225. Prof. Krishnamurti 226 O Boticário
  • 226. Prof. Krishnamurti SeaWorld: Journey to Atlantis • Em 2007 o SeaWorld fez uma campanha nas Redes Sociais para divulgar uma nova atração: Journey to Atlantis; • A estratégia era integrar blogs, vídeos e fotos com o site do SeaWorld; • As fotos e vídeos foram postadas de forma que os interessados pudessem divulgar em seus blogs; • A inauguração da atração foi acompanhada por mais de 50 blogs; • O SeaWorld fez uma pesquisa com os visitantes para saber 227
  • 227. Prof. Krishnamurti SeaWorld: Journey to Atlantis • O SeaWorld fez uma pesquisa com os visitantes para saber onde eles tinham lido ou ouvido falar sobre a nova atração; • Os visitantes podiam postar seus vídeos no site do SeaWorld; • O resultado final foi a descoberta de que o custo para trazer cada visitante ao parque usando as Redes Sociais como forma de divulgação foi 1/5 do valor normalmente gasto nas mídias tradicionais. 228
  • 228. Prof. Krishnamurti Papa John’s Pizza 229
  • 229. Prof. Krishnamurti Barack Obama e as Redes Sociais • A estratégia de uso das Redes Sociais desempenhou um papel decisivo na eleição de Barack Obama para presidente dos EUA 230
  • 230. Prof. Krishnamurti Barack Obama e as Redes Sociais • Obama soube usar as Redes Sociais de forma extremamente eficiente; • Enquanto McCain tinha 620mil seguidores no Facebook, Obama conseguiu 2,5 milhões; • Obama utilizou 15 Redes Sociais diferentes; • O vídeo “Yes We Can” foi assistido no YouTube mais de 14.2 milhões de vezes durante a campanha; 231
  • 231. Prof. Krishnamurti Barack Obama e as Redes Sociais • As doações online atingiram US$ 500 milhões; • Foram 3 milhões de doadores online; • A equipe de Obama produziu 7000 textos diferentes de e-mails para atingir públicos diferentes; • Foram desenvolvidos aplicativos para Iphone e outros dispositivos móveis; • Obama teve 240x mais seguidores no Twitter do que McCain; 232
  • 232. Prof. Krishnamurti É possível vender produtos nas Redes Sociais? • Algumas empresas descobriram que é possível vender seus produtos através das Redes Sociais 233
  • 233. Prof. Krishnamurti DELL • A Dell vendeu US$ 3 milhões em produtos recondicionados através de seu profile no Twitter @delloutlet; • A Dell posta no Twitter os links para os produtos; • Ao clicar no link, o cliente é redirecionado para site da Dell; • É uma espécie de venda relâmpago: Os produtos esgotam quase que imediatamente; • O Twitter é o canal oficial para a venda desses produtos recondicionados. O @delloutlet tem 1.500.000 seguidores. 234
  • 234. Prof. Krishnamurti Naked Pizza • Naked Pizza é uma pizzaria de New Orleans, EUA; • Os funcionários ficam online no Twitter o tempo todo em contato com os clientes; • 68% das vendas são iniciadas no Twitter; • 85% dos clientes novos vieram pelo Twitter. 235
  • 235. Prof. Krishnamurti Starbucks • A Starbucks nos EUA, iniciou sua estratégia de se aproximar de seus clientes; • Um grupo de funcionários monitora o que os clientes falam da marca; • O exemplo ao lado mostra como a Starbucks usa o Twitter: A resposta ao cliente levou apenas 3 minutos; • O cliente ficou tão impressionado com a resposta que resolveu postar as imagens ao lado em seu blog pessoal. 236
  • 236. Prof. Krishnamurti Nike+ • Empresas com a Nike criam suas próprias Redes Sociais buscando promover uma troca mais frequente e detalhada com seus clientes 237
  • 237. Prof. Krishnamurti Nike+ • Os tênis de corrida da Nike possuem um compartimento específico para o Nike+, um dispositivo que registra as passadas e em conjunto com um Ipod ou Iphone, permite ao corredor analisar sua corrida; • O site Nikeplus.com é uma Rede Social exclusiva da Nike; • No Nikeplus.com os corredores podem competir com amigos ou em equipes divididas pelos mais variados critérios: • países; • times de futebol; • homem x mulher; • universidades, etc. 238
  • 238. Prof. Krishnamurti 239 Nike+
  • 239. Prof. Krishnamurti 240 Nike+
  • 240. Prof. Krishnamurti Novelas... • A TV Globo monitora as Redes Sociais em busca das opiniões sobre seus produtos; • Um exemplo foi o lançamento da novela “Caminho das Índias”; • A Globo convidou 50 blogueiros para conhecer o Projac; • Donos de comunidades no Orkut foram convidados para a festa de lançamento; • O envolvimento dessas pessoas e o boca a boca gerado, simplesmente não tem preço. 241
  • 241. Prof. Krishnamurti Caminho das Índias 242
  • 242. Prof. Krishnamurti Transmedia Storytelling 243
  • 243. Prof. Krishnamurti Virais • Algumas empresas utilizam os vídeos virais como forma de gerar um turbilhão na internet. 244
  • 244. Prof. Krishnamurti Campanha “Better bus trip” 245
  • 245. Prof. Krishnamurti Campanha “better bus trip” • A Arriva, uma empresa de transportes urbanos de Copenhagen produziu uma campanha com o objetivo de tornar as viagens menos entediantes e estressantes; • Um flashmob foi organizado para comemorar o aniversário de um motorista; • O vídeo rodou o mundo e a empresa decidiu realizar outras campanhas semelhantes; • Vamos ver o vídeo? 246
  • 246. Prof. Krishnamurti Virais: Blendtec • A Blendtec é uma empresa americana que produz liquidificadores de US$ 400,00; • Era uma empresa desconhecida até que surgiu a ideia de criar vídeos virais e divulgar pelo YouTube; • Depois do sucesso gigantesco, a Blendtec comemorou a explosão de 500% em vendas do seu liquidificador; • De 2006 até hoje, foram mais de 112 milhões de views; • A Blendtec recebe milhares de sugestões de produtos para serem destruídos. 247
  • 247. Prof. Krishnamurti Virais: Blendtec 248
  • 248. Prof. Krishnamurti Virais: Blendtec 249
  • 249. Prof. Krishnamurti Virais: Blendtec • O Vídeo mais famoso é o da destruição de um Iphone. • A gravação aconteceu 1 semana depois do lançamento do Iphone nos EUA. • Vamos ver o vídeo? 250
  • 250. Prof. Krishnamurti Virais: Where the hell is Matt? • Matt era um indivíduo normal, até que se revoltou no trabalho, pediu demissão e resolveu sair por aí dançando; • Matt colocava seus vídeos no YouTube e o sucesso foi instantâneo; • Pegando carona no sucesso de Matt, uma marca de chicletes resolveu bancar a brincadeira, mandando Matt aos 4 cantos do mundo; • Matt foi a 69 lugares diferentes e onde quer que ele vá, sempre há gente querendo dançar junto; • As vendas do Chiclete dispararam! 251
  • 251. Prof. Krishnamurti Virais: Where in the hell is Matt? 252
  • 252. Prof. Krishnamurti Virais: Where in the hell is Matt? 253
  • 253. Prof. Krishnamurti Virais: T-Mobile • Em Janeiro de 2009, a T-Mobile, operadora inglesa de celular promoveu um flashmob na Liverpool Street Station. • Vamos ver o vídeo? 254
  • 254. Prof. Krishnamurti Redes Sociais para uso interno • Redes Sociais também podem ser usadas internamente, com o objetivo de melhorar o processo de comunicação na sua empresa. 255
  • 255. Prof. Krishnamurti Redes Sociais para uso interno 256
  • 256. Prof. Krishnamurti Redes Sociais para uso interno 257
  • 257. Prof. Krishnamurti IBM • Realizando uma pesquisa interna, a IBM descobriu que 40% dos perfis no diretório corporativo (Blue Pages) não recebiam atualizações há mais de 9 meses; • Estamos falando de 154000 funcionários com perfis desatualizados; • A IBM criou uma Rede Social interna que permite associar pessoas a tags; • Os tags indicam os projetos em que cada pessoa trabalha, seus conhecimentos e interesses; 258
  • 258. Prof. Krishnamurti IBM • Você pode adicionar tags a si mesmo ou receber tags de outros funcionários; • O sistema permite que você entre em contato diretamente com outros funcionários; • É possível saber quem está relacionado a quem na organização; • a Rede Social da IBM é o canal ideal para um funcionário encontrar alguém com determinado expertise em um assunto ou tecnologia dentro da própria IBM. 259
  • 259. Prof. Krishnamurti 260 IBM
  • 260. Prof. Krishnamurti 261 IBM
  • 261. Prof. Krishnamurti Como monitorar as Redes Sociais? Existem inúmeras ferramentas para monitorar as Redes Sociais. Vamos ver as mais interessantes! 262
  • 262. Prof. Krishnamurti Como monitorar as Redes Sociais? Gratuitas: Pagas: • Twitalyzer.com • Tweetdeck (?) • Radian6 • • Pageboss.com Twscore.net • Alterian • • Addictomatic.com Trackur.com • Scoutlabs • Google Trends • Socialmention.com • Tagcrowd.com • Twittrratr.com (análise de sentimento) • Backtype • Spezify 263
  • 263. Prof. Krishnamurti 264
  • 264. Prof. Krishnamurti 265
  • 265. Prof. Krishnamurti 266
  • 266. Prof. Krishnamurti 267
  • 267. Prof. Krishnamurti 268
  • 268. Prof. Krishnamurti 269
  • 269. Prof. Krishnamurti 270
  • 270. Prof. Krishnamurti 271
  • 271. Prof. Krishnamurti 272
  • 272. Prof. Krishnamurti 273
  • 273. Prof. Krishnamurti 274
  • 274. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns • Os 12 erros mais comuns • no uso das Redes Sociais. 275
  • 275. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns • Primeiro Erro: • Achar que a mídia social funciona da mesma forma que a mídia tradicional. 276
  • 276. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns • Segundo Erro: • Ter pessoas monitorando as Redes Sociais, mas sem poder para agir e resolver os problemas dos clientes. 277
  • 277. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Pedro e a Sky: 278
  • 278. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Pedro e a Sky: 279
  • 279. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Pedro e a Sky: 280
  • 280. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Terceiro Erro: Não invada a privacidade das pessoas. 281
  • 281. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Quarto Erro: Achar que sua função é controlar o que o cliente fala do seu produto ou serviço. 282
  • 282. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Quinto Erro: Bater boca ou falar mal publicamente dos seus clientes pode afastar outros clientes. 283
  • 283. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns 284
  • 284. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns 285
  • 285. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Sexto Erro: Não misture seu perfil pessoal com o do seu negócio. 286
  • 286. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Sétimo Erro: Não adianta criar o perfil do seu negócio e depois deixá-lo abandonado e desatualizado. 287
  • 287. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns 288
  • 288. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Oitavo Erro: Faça bem feito. O Perfil na Rede Social é a cara da sua empresa na internet. Não faça de qualquer jeito. Capriche. 289
  • 289. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Nono Erro: Cuidado para não irritar seus seguidores com excesso de propaganda. 290
  • 290. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Décimo Erro: Achar que sua presença na rede social é local. 291
  • 291. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Décimo Primeiro Erro: Tentar sucesso a todo custo. (E achar que ninguém vai perceber se você fizer algo eticamente duvidoso) 292
  • 292. Prof. Krishnamurti Redes Sociais: Os erros mais comuns Décimo Segundo Erro: Não estar preparado para o volume de interações com os seus clientes. 293
  • 293. Prof. Krishnamurti Construindo uma estratégia corporativa • Como as empresas devem construir sua estratégia nas Redes Sociais? 294
  • 294. Prof. Krishnamurti Construindo uma estratégia corporativa • Lembre-se que o uso das Redes Sociais deve envolver a organização como um todo; • Defina quais produtos ou serviços serão divulgados; • Identifique o público alvo; • Defina uma meta; • Identifique quais Redes Sociais são mais adequadas; • Crie uma estratégia específica para cada Rede Social; 295
  • 295. Prof. Krishnamurti Construindo uma estratégia corporativa • Dê poder para agir a quem vai monitorar as Redes Sociais; • Avalie os resultados e promova correções de rumo; • Ouça os clientes e use o feedback deles na sua organização; • Esteja preparado para ouvir críticas dos seus clientes; • Fique atento à novas oportunidades e novas ferramentas. 296
  • 296. Prof. Krishnamurti O Poder é do Cliente! • Nunca se esqueça: • O Poder é do cliente. É ele quem vai construir a imagem do seu produto ou serviço. 297
  • 297. Prof. Krishnamurti Sugestões de leitura 298
  • 298. Prof. Krishnamurti Links para os vídeos do YouTube • United Breaks Guitars: • http://www.youtube.com/watch?v=t53LYUamBZI • Redes Sociais / AgênciaClick: • http://www.youtube.com/watch?v=DmRsQibIOWg • Better Bus Trip • http://www.youtube.com/watch?v=xgOyTNtsWyY • Where the Hell is Matt: • http://www.youtube.com/watch?v=zlfKdbWwruY • Will it Blend (Iphone): • http://www.youtube.com/watch?v=qg1ckCkm8YI • T-Mobile Flashmob: • 299 http://www.youtube.com/watch?v=VQ3d3KigPQM
  • 299. Prof. Krishnamurti Construindo uma estratégia corporativa • Exemplos de ações em Redes Sociais para cada perfil / setor da empresa 300
  • 300. Prof. Krishnamurti Vendas • Objetivo: Criar novas oportunidades de negócio. • Redes indicadas: Facebook e Twitter. 301
  • 301. Prof. Krishnamurti Recursos Humanos • Objetivo: Encontrar talentos. • Rede indicada: Linkedin. 302
  • 302. Prof. Krishnamurti Marketing • Objetivos: • Entender a percepção dos clientes em relação aos serviços e produtos oferecidos; • Entender a necessidade dos clientes. • Redes indicadas: YouTube, Orkut, Twitter, Reclameaqui, Expedia e Tripadvisor. 303
  • 303. Prof. Krishnamurti Gestores / Empreendedores • Objetivo: Obter reconhecimento como referência em determinado assunto e aumentar a exposição pública. • Redes indicadas: Blog e Twitter. 304
  • 304. Prof. Krishnamurti • Lembre-se que cada empresa necessita de uma estratégia customizada em função dos produtos e serviços oferecidos. 305
  • 305. Prof. Krishnamurti Identidade Digital • Pense nela como seu cartão de visitas ou a vitrine de sua loja
  • 306. Prof. Krishnamurti Seu domínio • Para começar a construir uma identidade digital você vai precisar de um • www.suaempresa.com.br • Evite usar e-mails genéricos (@gmail.com, @hotmail.com) • Tenha o seu (suaempresa@suaempresa.com.br)
  • 307. Prof. Krishnamurti Seu site • Tenha um, por mais simples que seja seu negócio ou sua cidade • 25% dos seu consumidores irão te encontrar através dele (se seu negócio atende às classes A e B então considere 75%) • Tenha ao menos um blog
  • 308. Prof. Krishnamurti Comunicação digital • Crie uma plataforma mínima – Computador com acesso à internet – MSN, SKYPE, E-MAIL
  • 309. Prof. Krishnamurti e-mail • É o mínimo de comunicação que se pode ter • Crie uma conta como atendimento@suaempresa.com.br • Se serão mais um funcionário para o atendimento, crie uma conta para cada
  • 310. Prof. Krishnamurti Skype • Voip • Canal alternativo à telefonia convencional – Ligações interurbanas e internacionais a custo de ligação local (ou sem custo)
  • 311. Prof. Krishnamurti MSN • Permite o envio e recebimento de arquivos • Criação de grupos
  • 312. Prof. Krishnamurti Ações de marketing digital • Mkt de conteúdo (site baseado em blog) – Crie uma rotina de atualização • Crie pelo menos uma página de cadastro para que seus usuários possam receber uma newslwetter • Crie promoções para estimular o cadastro dos e-mails de seus usuários(construa seu mailing)
  • 313. Prof. Krishnamurti Ações de marketing digital • Crie uma conta no google para a sua empresa, e com ela crie um perfil para a sua empresa (prefira o perfil à comunidade) • Faça pesquisa no Google e Orkut (e outras redes) sobre seu consumidor • Com sua conta no Google, crie uma página no iGoogle com feeds dos blogs mais interessantes para o seu negócio. Consulte pelo menos 1 vez por semana
  • 314. Prof. Krishnamurti Ações de marketing digital • Participe das comunidades ligadas a seu consumidor. Participe dos fóruns e enquetes e convide consumidores para serem amigos de seu perfil • Crie uma conta no Linkedin e busque se relacionar com pessoas ligadas ao seu negócio, parceiros, consultores ou concorrentes.
  • 315. Prof. Krishnamurti Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia... Pois o mundo pertence a que se atreve. (Augusto Branco)
  • 316. Prof. Krishnamurti Krishnamurti B. Ávila • kbavila@gmail.com • kbavila@hotmail.com • kbavila@avilacoc.com • Twitter.com/kbavila • Facebook.com/kbavila
  • 317. Prof. Krishnamurti • O CONTEÚDO DOS SLIDES 108 A 306 FORAM RETIRADOS DA APRESENTAÇÃO SOBRE MÍDIA SOCIAL DO PROFESSOR MARCOS GARRIDO COM SUA AUTORIZAÇÃO.

×