Your SlideShare is downloading. ×
Plano de aula
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Plano de aula

819
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
819
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. -40767014853200<br />UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE<br />UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL<br />Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação<br />Disciplina:<br />Projeto de Ação na escola: comunicação e educação na web<br />Katya Assis da Silva<br />Conhecendo as formas de aprender de nossos estudantes, valorizando imagens e movimentos.<br />         Plagiando “Freire:” “Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo”. (Paulo Freire) <br />IDENTIFICAÇÃO<br />Disciplina: Oficina com professores<br />Tempo previsto: 4h/aula<br />Tema: Vídeo Educativo / Movie Maker<br />JUSTIFICATIVA<br />A escola não tem conseguido garantir a apropriação significativa, crítica e duradoura, por parte dos alunos, do conhecimento fundamental acumulado pela humanidade, de tal maneira que pudesse servir como instrumento de construção da cidadania e de transformação da realidade.<br />Refletirmos sobre a utilização das novas tecnologias da informação e da comunicação no processo educativo sob a perspectiva construtivista. <br />A partir desse contexto, queremos problematizar e compreender como nós professores estamos nos apropriando, nos acoplando ou não a essa tecnologia para realizar nossas mediações pedagógicas.<br />Na virada do século, não se trata mais de nos perguntarmos se devemos ou não introduzir as novas tecnologias da informação e da comunicação no processo educativo. Já na década de 80, educadores preocupados com a questão consideraram inevitável que a informática invadisse a educação e a escola, assim como ela havia atingido toda a sociedade. (Monteiro e Rezende, 1993)<br />Consideramos que o uso das diferentes tecnologias digitais é importante quando elas são utilizadas com a intenção de problematizar e contextualizar as informações, para que os aprendentes possam se apropriar do seu uso, construir e reconstruir conhecimentos, tornando-se capazes de utilizá-los nas mais diferentes situações.<br />Diante de todos os argumentos expostos acima, acreditamos que o fundamento epistemológico que permeia a formação dos professores deve passar pela compreensão de que, com a presença das tecnologias digitais, o conhecer e o aprender foram modificados em sua função e em seu significado, logo, a relação professor e estudante também deve ser repensada.<br />A metodologia de Projetos de Aprendizagem Baseados em Problemas parece ser a indicada para subsidiar minha prática, pois favorecem a constituição de comunidades virtuais de aprendizagem no paradigma da Sociedade em Rede.<br />Conhecer como se dá o conhecimento no processo pedagógico é ajudar a eliminar a determinação social dos destinos dos alunos. Para o professor, é importante este conhecimento a fim de melhor saber como interagir com o educando, no sentido de favorecer seu desenvolvimento e sua emancipação.<br />Um ambiente que apresente ao aluno ferramentas de construção e a possibilidade de interação com a realidade é um ambiente construtivista. O aluno deverá construir seu próprio banco de informações e assumir a responsabilidade por suas tarefas de aprendizagem. <br />Nesse processo, o mais importante é considerar essa oportunidade como fundamental para questionarmos o paradigma tradicional de ensino ainda hegemônico no contexto educativo (RESENDE, 2002). Trabalhar com as novas tecnologias não é somente uma questão de boa vontade, mas também de muito estudo, de muita leitura por parte do professor.<br /> Não basta ser um professor ousado que goste de trabalhar de forma inovadora. É necessário o empenho na questão teórica. O ideal é aproveitar este momento para incorporar novos referenciais teóricos à elaboração de material didático ou à prática pedagógica até porque as novas tecnologias podem propiciar novas concepções de ensino-aprendizagem.<br />        Embora seja inegável que avaliar é coisa incômoda e sempre injusta, ainda assim é imprescindível para o professor que, de verdade, assume o compromisso técnico e ético de garantir que seu aluno aprenda bem.<br />Para as condições atuais de nossa educação, penso que as posturas desejáveis seriam aquelas que procurassem minimizar o resultado da avaliação. Não há como avaliar sem classificar, porém uma coisa é classificar para excluir, outra é classificar para distinguir. O desafio é avaliar de maneira pedagógica, com o objetivo de cuidar da aprendizagem do aluno, pois do contrário, estaríamos servindo ao neoliberalismo como trouxa. Nada serve mais à ideologia política neoliberal do que uma população imbecilizada, em especial professores despreparados (Demo,2000 a) <br />Os autores construtivistas consideram importante a avaliação da aprendizagem inserida em um contexto. Professores tradicionais também têm reconhecido que as habilidades importantes não são cobradas em testes desvinculados do contexto da aprendizagem.<br />OBJETIVO<br />Criar vídeos educativos<br />PROCEDIMENTOS<br />O primeiro passo para obter sucesso com essa metodologia e tecnologia, é saber ouvir o que os alunos pensam e querem.<br />Neste caso, muitos ouviram, portanto nós professores resolvemos desenvolver vídeos Educativos.<br />Cada professor deverá criar um vídeo contemplando sua disciplina;<br />O vídeo será organizado de acordo com o que cada professor julgar importante, para esta tarefa será utilizado o Movie Maker. (anexo link de “ como criar vídeo com Movie Maker”<br />O Movie Maker serve para montar vídeos, com imagens ou até mesmo fragmentos de vídeos. Também se consegue editar arquivos de áudio e vídeo. No começo parece um pouco complicado o processo para fazer vídeos, mas com a prática e treino fica mais fácil e até gostoso. Muitos vídeos do youtube, por exemplo, são feitos e editados no Movie Maker.<br /> O principio básico é adicionar fotos, música, vídeos, mensagens e montar tudo em forma de vídeo. O programa tem botões e opções bem detalhadas que ajudam o usuário a conseguir identificar passo a passo e construir um vídeo. <br />O vídeo deverá ser postado no Youtube.(em anexo, link HYPERLINK "http://www.youtube.com/watch?v=cWsTYrItJJQ&feature=youtu.be" “como postar vídeos no Youtube”)<br />O endereço deve ser passado para os alunos poderem acessar os vídeos.<br />AVALIAÇÃO<br />Observação e análise das produções apresentadas e postadas pelos professores com todos os itens solicitados conforme a disciplina. Considerando-se suas concepções prévias, sua organização e autonomia.<br />REFERÊNCIA<br />Como Fazer um Video usando o Movie Maker disponível em <http://dicasdinformatica.blogspot.com/2010/06/como-fazer-um-video-usando-o-movie.html> acesso em 30 abril 2011<br />DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.<br />REZENDE, Flavia. As Novas Tecnologias na Prática Pedagógica Sob a Perspectiva Construtivista. 2002 <br />Imagem disponível em <http://1.bp.blogspot.com/-9_uV2kneX18/TbRkhN1kkDI/AAAAAAAAQJA/n6RsQFEIYOE/s1600/video+%25281%2529.jpg> acesso em 30 abril 2011<br />Vídeo Youtube disponível em <http://youtu.be/cWsTYrItJJQ> acesso em 29 abril 2011<br />Vídeo Youtube disponível em <http://youtu.be/K1Q5GBXcUCk> acesso em 30 abril 2011<br />