Roteiro aula ii_stma_conceitos_ma

200 views
162 views

Published on

Roteiro de Aula

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
200
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Roteiro aula ii_stma_conceitos_ma

  1. 1. Conceitos Fundamentais Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Meio Ambiente O Meio Ambiente é o conjunto de fatores físicos, químicos e bióticos ao qual, cotidianamente, nos referimos como natureza. É o lugar em que vivemos, do qual dependemos para a nossa sobrevivência e o qual nos Envolve e nos cerca. - Resolução CONAMA 306:2002 Conjunto de condições, leis, influências, alterações e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas (art. 3º, I, da Lei 6.938, de 31.8.81) - Constituição Federal de 1988, passou-se a entender também que o meio ambiente divide físico ou natural, cultural, artificial trabalho Meio ambiente físico ou Natural Constituído pela flora, fauna, solo, água, atmosfera incluindo os ecossistemas (artigo 225, §1, I, VII Meio Ambiente Cultural Constitui-se pelo patrimônio cultural, artístico, arqueológico, paisagístico, manifestações culturais, populares, etc. §1 e §2); Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br O Meio Ambiente é o conjunto de fatores físicos, químicos e bióticos ao qual, cotidianamente, nos referimos como natureza. É o lugar em que vivemos, do qual dependemos para a nossa Conjunto de condições, leis, influências, alterações e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida que o meio ambiente divide-se em: Constituído pela flora, fauna, solo, água, atmosfera etc, (artigo 225, §1, I, VII); se pelo patrimônio cultural, artístico, arqueológico, culturais, populares, etc. (artigo 215, Meio Ambiente Artificial Conjunto de edificações particulares ou públicas, urbanas (artigo182, artigo 21, XX e artigo 5, XXIII); Meio Ambiente Trabalho: É o conjunto de condições existentes no local de trabalho relativos à qualidade de vida do trabalhador ( art.200); - ISO 14001-2004 Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo água, solo, recursos naturais, flora fauna, seres humanos inter-relações. Notas de Aula: I particulares ou públicas, principalmente tigo 21, XX e artigo 5, XXIII); Meio Ambiente Trabalho: É o conjunto de condições existentes no local de trabalho ualidade de vida do trabalhador (art.7, XXXIII e Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo-se ar, água, solo, recursos naturais, flora fauna, seres humanos e suas
  2. 2. Conceitos Fundamentais Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Desenvolvimento de.sen.vol.vi.men.to s.m. Ação ou efeito de desenvolver; crescimento - Ação ou efeito de desenvolver(-se); EVOLUÇÃO [ antôn.: Antôn.: involução. ] - Crescimento, aumento, progresso, de entidades e seres organizados [ antôn.: Antôn.: declínio, retrocesso. ] - Crescimento, aumento, progresso; Prosseguimento ou detalhamento de uma ação, uma obra; - Crescimento ou expansão gradual; Passagem gradual de um estádio inferior a um estádio mais aperfeiçoado. - Adiantamento, progresso; Extensão, prolongamento, amplitude. É o processo inicialmente concomitante à fase de crescimento: um organismo, uma instituição, pessoalmente e profissionalmente ... caracteriza-se por ter capacidade permanente de articulações seletivas por meio de adaptações e adequações em relação aos meios (interno e externo) que lhe são pertinentes, apresent gradativa de manutenção e ser capaz de favorecer o desenvolvimento do contexto em que está inserido, por meio de dinâmicas sinérgicas. Crescimento Fase do aprendizado que visa ao aprimoramento da capacidade mediúnica; Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br se); EVOLUÇÃO [ antôn.: Antôn.: Crescimento, aumento, progresso, de entidades e seres organizados Prosseguimento ou Passagem gradual de um Extensão, prolongamento, amplitude. É o processo inicialmente concomitante à fase de crescimento: se por ter capacidade permanente de articulações seletivas por meio de adaptações e adequações em relação aos meios (interno e externo) que lhe são pertinentes, apresentar capacidade gradativa de manutenção e ser capaz de favorecer o desenvolvimento do contexto em que está inserido, por meio de Fase do aprendizado que visa ao aprimoramento da capacidade Processo que assegura a expansão de estruturas e/ou de funções (em organismos, instituições, área do saber, ...) e que, embora seja complementar ao processo de desenvolvimento, desse se distingue por seu caráter fundamentalmente quantitativo. Assim é possível a ocorrência de crescimento sem que se registrem indicadores de desenvolvimento. Ecologia Termo criado por Hernst Haekel das relações de um organismo com seu ambiente inorgânico ou orgânico, em particular, o estudo das relações do tipo positivo ou amistoso e do tipo negativo (inimigos) com as plantas e animais com que convive”. Ecologista “Apoiante” da militância preservacionista ecológica. Aquele que luta pela preservação da natureza. Ecodesenvolvimento Processo criativo de transformação do meio com a ajuda de técnicas ecologicamente prudentes, concebidas em função das potencialidades desse meio, impedindo o desperdício inconsiderado dos recursos e cuidando para que estes sejam empregados na satisfação das necessidades de todos os membros da sociedade, dada a diversidade dos meios naturais e dos contextos culturais” As estratégias serão múltiplas e só poderão ser concebidas a partir de um espaço endógeno das populações consideradas Notas de Aula: I a a expansão de estruturas e/ou de funções (em organismos, instituições, área do saber, ...) e que, embora seja complementar ao processo de desenvolvimento, desse se distingue por seu caráter fundamentalmente quantitativo. Assim é possível a crescimento sem que se registrem indicadores de Termo criado por Hernst Haekel em 1869, para designar "o estudo das relações de um organismo com seu ambiente inorgânico ou orgânico, em particular, o estudo das relações do tipo positivo ou amistoso e do tipo negativo (inimigos) com as plantas e animais com da militância preservacionista ecológica. Aquele que luta pela preservação da natureza. Processo criativo de transformação do meio com a ajuda de técnicas ecologicamente prudentes, concebidas em função das desse meio, impedindo o desperdício inconsiderado dos recursos e cuidando para que estes sejam empregados na satisfação das necessidades de todos os membros da sociedade, dada a diversidade dos meios naturais e dos contextos culturais” múltiplas e só poderão ser concebidas a partir de um espaço endógeno das populações consideradas
  3. 3. Conceitos Fundamentais Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Educação ambiental É processo de formação e informação social orientado para: Desenvolvimento de consciência capacidade problemática ambiental, compreendendo como crítica a capacidade de captar a gênese e a evolução dos problemas ambientais, tanto em relação aos seus aspectos biofísicos quanto sociais, políticos, econômicos e culturais, Proposta de Resolução Conama n.º 02/85. Desenvolvimento de habilidades e instrumentos tecnológicos necessários à solução dos problemas ambientais, o desenvolvimento de atitudes que levem à participação das comunidades na preservação do equilíbrio ambiental; Responsabilidade socioambiental Atitude que se manifesta por meio de práticas cujos indicadores evidenciam: Favorecimento da sustentabilidade das pessoas; Promoção do desenvolvimento sustentável das organizações e a opção pelo uso de tecnologias mais econômicas e impactantes, tendo em vista políticas de (re)inclusão social e melhoria da qualidade de vida no planeta. Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br É processo de formação e informação social orientado para: crítica sobre a problemática ambiental, compreendendo como crítica a capacidade de captar a gênese e a evolução dos problemas ambientais, tanto em relação aos seus aspectos biofísicos quanto Desenvolvimento de habilidades e instrumentos tecnológicos necessários à solução dos problemas ambientais, o desenvolvimento de atitudes que levem à participação das comunidades na preservação do equilíbrio ambiental; Atitude que se manifesta por meio de práticas cujos indicadores Favorecimento da sustentabilidade das pessoas; Promoção do desenvolvimento sustentável das organizações e a opção pelo uso de tecnologias mais econômicas e menos impactantes, tendo em vista políticas de (re)inclusão social e ECO-92 Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD) ECO-92 Rio-92 Cúpula Cimeira da Terra - 3 e 14 de junho de 1992 no Rio de Janeiro. - Presença maciça de Chefes de Estado, - 156 países Cronologia da Agenda 21 1972 - Conferência de Estocolmo; • Organizar as relações de Homem e Meio; Consagrou o conceito de desenvolvimento sustentável; Modelo de crescimento econômico menos consumista e mais adequado ao equilíbrio ecológico Frutificou seguintes documentos oficiais: - A Carta da Terra; - Três convenções: • Biodiversidade - dezembro de 1993; • Desertificação • Mudanças climáticas - COP15 Copenhague Declaração de princípios sobre florestas; Declaração do Rio sobre Ambiente e Desenvolvimento; Notas de Aula: I Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o 3 e 14 de junho de 1992 no Rio de Janeiro. Presença maciça de Chefes de Estado, Conferência de Estocolmo; Organizar as relações de Homem e Meio; Consagrou o conceito de desenvolvimento sustentável; Modelo de crescimento econômico menos consumista e mais adequado ao equilíbrio ecológico Frutificou seguintes documentos oficiais: dezembro de 1993; COP15 - 190 países - Conferência de Declaração de princípios sobre florestas; Declaração do Rio sobre Ambiente e Desenvolvimento;
  4. 4. Conceitos Fundamentais Notas de Aula: I Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Agenda 21 Comprometer a refletir, global e localmente, sobre a forma pela qual governos, empresas, organizações não-governamentais e todos os setores da sociedade poderiam cooperar no estudo de soluções para os problemas sócio-ambientais. Onu "Nosso futuro comum", 1972 da Comissão Mundial sobre Ambiente e Desenvolvimento (WCED.) - Relatório Brundtland 179 governos aceitaram adotar o programa; Rio+5, 23 e 27 de junho de 1997 sede da ONU, em Nova Iorque; Os temas fundamentais estão tratados em 40 capítulos : - Seção I. Dimensões sociais e econômicas • Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento de das políticas internas conexas • Luta contra a pobreza • Evolução das modalidades de consumo • Dinâmica demográfica e sustentabilidade • Proteção e fomento da saúde humana • Fomento do desenvolvimento sustentável dos recursos humanos • Integração do meio ambiente e o desenvolvimento na tomada de decisões Seção II . Conservação e gestão dos recursos para o desenvolvimento • Proteção da atmosfera • Enfoque integrado do planejamento e da ordenação dos recursos das terras • Luta contra o desmatamento • Ordenação dos ecossistemas frágeis: luta contra a desertificação e a seca • Ordenação dos ecossistemas frágeis: desenvolvimento sustentável das zonas montanhosas • Fomento da agricultura e do desenvolvimento rural sustentável • Conservação da diversidade biológica • Gestão ecologicamente racional da biotecnologia • Proteção dos oceanos e dos mares de todo tipo, incluídos os mares fechados e semi-fechados e as zonas costeiras, e o uso racional e o desenvolvimento de seus recursos vivos • Proteção da qualidade dos recursos de água doce: aplicação de critérios integrados para o aproveitamento, ordenação e uso dos recursos de água doce • Gestão ecologicamente racional dos produtos químicos tóxicos, incluída a prevenção do tráfico internacional ilícito de produtos tóxicos e perigosos • Gestão ecologicamente racional dos rejeitos perigosos, incluída a prevenção do tráfico internacional ilícito de rejeitos perigosos • Gestão ecologicamente racional dos rejeitos sólidos e questões relacionadas com as matérias fecais • Gestão inócua e ecologicamente racional dos rejeitos radioativos Seção III. Fortalecimento do papel dos grupos principais • Medidas mundiais em favor da mulher para atingir um desenvolvimento sustentável e equitativo • A infância e a juventude no desenvolvimento sustentável • Reconhecimento e fortalecimento do papel das populações indígenas e suas comunidades
  5. 5. Conceitos Fundamentais Notas de Aula: I Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br • Fortalecimento do papel das organizações não-governamentais associadas na busca de um desenvolvimento sustentável • Iniciativas das autoridades locais em apoio ao Programa 21 • Fortalecimento do papel do comércio e da indústria • A comunidade científica e tecnológica • Fortalecimento do papel dos agricultores Seção IV. Meios de execução • Recursos e mecanismos de financiamento • Transferência de tecnologia ecologicamente racional, cooperação e aumento da capacidade • A ciência para o desenvolvimento sustentável • Fomento da educação, a capacitação e a conscientização • Mecanismos nacionais e cooperação internacional para aumentar a capacidade nacional nos países em desenvolvimento • Acordos institucionais internacionais • Instrumentos e mecanismos jurídicos internacionais • Informação para a adoção de decisões Rio+10 Cúpula Mundial para o Desenvolvimento Sustentável • fórum de discussão das Nações Unidas realizado entre os dias 26 de agosto e 4 de setembro de 2002, em Johanesburgo, África do Sul, • Objetivo principal discutir soluções já propostas na Agenda 21 primordial (Rio 92), para que pudesse ser aplicada de forma coerente não só pelo governo, e sim pelos cidadãos realizando uma agenda 21 local, implementando o que foi discutido em 1992. Protocolo de Kyoto • - Toronto - outubro de 1988 CCAts, Conference on the Changing Atmosphere, • Suécia - agosto de 1990 IPCC's, First Assessment Report em Sundsvall, • Rio de Janeiro – junho de 1992 CQNUMC,Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática • Quioto/Japão em 1997, aberto para assinaturas em 11 de Dezembro de 1997 e ratificado em 15 de março de 1999 - Vigor em 16 de fevereiro de 2005, Tratado internacional que propõe um calendário, onde os países- membros (principalmente os desenvolvidos) se comprometeram que entre 2008 e 2012, emitirem 5,2% a menos dos gases causadores do aquecimento global, em relação aos níveis constatados em 1990. Também chamado de primeiro período de compromisso (para muitos países, como os membros da UE, isso corresponde a 15% abaixo das emissões esperadas para 2008). O protocolo estimula os países signatários a cooperarem entre si, através de algumas ações básicas: Reformar os setores de energia e transportes; Promover o uso de fontes energéticas renováveis; Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados aos fins da Convenção; Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos; Proteger florestas e outros sumidouros de carbono.
  6. 6. Conceitos Fundamentais Notas de Aula: I Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Para alcançar essa meta, os países industrializados podem adquirir cotas de redução atingidas nos países em desenvolvimento: - Credito de Carbono - Neutrocarbonização # Bolsa do Clima de Chicago (Chicago Climate Exchange, CCX); Sequestro de carbono - carbon sequestration Os projetos do DOE's Office of Science dos EUA são: • Sequestrar o carbono em repositórios subterrâneos; • Melhorar o ciclo terrestre natural através da remoção do CO2 da atmosfera pela vegetação e estoque da biomassa criada no solo; Os projetos do DOE's Office of Science dos EUA são: • O seqüestro do carbono nos oceanos através do aumento da dissolução do CO2 nas águas oceânicas; • O seqüenciamento de genoma de microorganismos para o gerenciamento do ciclo do carbono; • Enviar através de foguetes (naves) milhares de mini-satélites (espelhos) para refletir parte do sol, em média 200.000 mini- satélites, reduziriam 1% do aquecimento. Após Protocolo de Kyoto - ONU já planeja delineamento de um novo acordo ou uma emenda no Protocolo de Quioto, 16 de Fevereiro de 2007 - Washington Alterações Climáticas - mudança do clima, mudança climática refere-se à variação do clima em escala global ou dos climas regionais da Terra ao longo do tempo. Estas variações dizem respeito a mudanças de temperatura, precipitação, nebulosidade e outros fenômenos climáticos em relação às médias históricas. Tais variações podem alterar as características climáticas de uma maneira a alterar sua classificação didática. Os tipos de classificação para as regiões climáticas são: Classificação do clima de Köppen, Classificação do clima de Thornthwaite e Classificação do clima de Martonne. Podem ser causadas por processos internos ao sistema Terra-atmosfera, por forças externas ou pelo resultado da atividade humana. • Aquecimento global - é o aumento da temperatura média dos oceanos e do ar perto da superfície da Terra • Efeito estufa – processo que ocorre quando uma parte da radiação solar refletida pela superfície terrestre é absorvida por determinados gases presentes na atmosfera. Como consequência disso, o calor fica retido, não sendo libertado para o espaço. O efeito estufa dentro de uma determinada faixa é de vital importância pois, sem ele, a vida como a conhecemos não poderia existir. • Camada de Ozônio - ozonosfera, camada de ozono, localiza-se na estratosfera, entre 16 e 30 quilômetros de altitude. Com cerca de 20 km de espessura, contém aproximadamente 90% do ozônio atmosférico. As radiações eletromagnéticas emitidas pelo Sol trazem energia para a Terra, entre as quais a radiação infravermelha, a luz visível e um misto de radiações e partículas, muitas destas nocivas, Grande parte da energia solar é absorvida e reemitida pela atmosfera. Se chegasse em sua totalidade à superfície do planeta, esta energia o esterilizaria. A ozonosfera é uma das principais barreiras que protegem os seres vivos dos raios ultravioleta. O ozônio deixa passar apenas uma pequena parte dos raios U.V., esta benéfica. A região, quando saturada de ozônio, funciona como um filtro onde as moléculas absorvem a radiação ultravioleta do Sol e, devido a reações fotoquímicas, atenuando seu efeito.
  7. 7. Conceitos Fundamentais Notas de Aula: I Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br - Buraco na camada de Ozonio - Alguns gases prejudicam a camada de ozônio, principalmente resultantes da atividade humana – algumas áreas desta camada fica completamente comprometida se tornando “a área do buraco de ozônio”, que é definida como o tamanho da região cujo ozônio está abaixo das 200 unidades Dobson (DUs - unidade de medida que descreve a espessura da camada de ozônio numa coluna diretamente acima de onde são feitas as medições): 400 DUs equivale a 4 mm de espessura. Na verdade o que conhecemos por "buraco na camada de ozônio" não se trata propriamente de um “buraco”mas sim de uma rarefação (afinamento de espessura), que é explicada pelos arranjos moleculares do comportamento dos gases em um meio natural, que não possibilitaria uma falha a ser denominada buraco. Recomendo assistir os vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=QCwXuEBDcU0&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=Ck_mRXHdUw4&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=soicSlswjOk&feature=related Verifica-se um aumento sem precedentes dos gases da atmosfera nas últimas décadas, especialmente do gás carbônico (CO2), fazendo com que mais calor seja retido. Gases são lançados anualmente: Queimadas, à utilização usinas termelétricas, Motores a combustão, Outros. Gás Fórmula Química Fontes Típicas GWP* Dióxido de Carbono CO2 Queima de combustíveis em processos produtivos, de transporte e periféricos 1 Metano CH4 Queima de combustíveis em processos produtivos, de transporte e periféricos Pilha de carvão (manuseio) Vazamento em linhas de gás natural Transporte e carregamento de óleo combustível Decomposição anaeróbica de lixo orgânico Uso de explosivos 23 Óxido Nitroso N2O Queima de combustíveis sólidos, líquidos e gasosos em processos produtivos, de transporte e periféricos Catalisadores de gases de exaustão de veículos 296 Perfluorcarbonos PFCs Os fornos de alumínio são as principais fontes de emissão 5.700 – 11.900 Hidrofluorcarbonos HFCs Vazamento de refrigerantes em processos de refrigeração e em equipamentos de ar condicionado Uso de solventes ou agentes de limpeza 120 a 12.000 Hexafluoreto de Enxofre SF6 Vazamento de isolantes de transformadores e outros equipamentos elétricos 22.200 Protocolo de Montreal Sobre substâncias que empobrecem a camada de ozônio, - Substituir as substâncias que reage com o ozônio (O3) na parte superior da estratosfera (ozonosfera). Ele teve adesão de 150 países e foi revisado em 1990, 1992, 1995, 1997 e 1999. - Regular a produção e o consumo de produtos destruidores da camada de ozônio - A principal meta foi acabar com 15 tipos de CFC que eram as fontes de destruição do O3 - Clorofluorcarboneto.
  8. 8. Conceitos Fundamentais Notas de Aula: I Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Outros Protocolos, tratados e acordos Convenção de Aarhus - acesso à informação, participação do publico no processo de decisão e acesso à justiça em matéria ambiental , Aarhus, 1998 Convenção Alpina, juntamente com seus nove protocolos ASEAN-Agreement on Transboundary Haze - Acordo sobre Poluição CCAMLR, Canberra, 1980.- Convenção para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos Tratado de Anti-Mísseis Balísticos – Tratado ABMT Parceria Ásia- Pacífico sobre Desenvolvimento Limpo e Clima Convenção de Barcelona para a Proteção e Desenvolvimento do Meio Marinho e da Região Costeira do Mediterrâneo; Convenção de Basileia Convenção sobre o Controlo dos Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e sua Eliminação , Basel, 1989 Acordo de Bona (ambiente); Convenção sobre a Proteção e Desenvolvimento Sustentável dos Cárpatos; Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança; Convenção sobre Armas Químicas; Austrália China Acordo Aves Migratórias; CITES - Convenção sobre o Comércio; Internacional de espécies Ameaçadas de Flora e Fauna Selvagens; Tratado Abrangente de Proibição de Teste (CTBT); Convenção para a cooperação na proteção e desenvolvimento do meio marinho e costeiro do oeste e região central africano , Abidjan, 1981; Protocolo EMEP; Protocolo POP Poluição do Ar ; Convenção para a proteção e desenvolvimento do meio marinho e da região costeira do mediterrâneo da convenção de barcelona , barcelona, 1976; Convenção para a proteção e desenvolvimento do meio marinho do caribe -Cartagena de Indias,1983 Convenção para a Proteção do Meio Marinho e da zona costeira do leste do Pacífico-Sul , Lima,1981 Convenção sobre diversidade biológica (CBD), Nairobi, 1992. Convenção sobre responsabilidade civil por danos causados durante o transporte de Mercadorias Perigosas por Via Rodoviária, Ferroviária e Vias Navegáveis Interiores (CRTD), Genebra, 1989 Convenção sobre a pesca e conservação dos Recursos Vivos do Alto Mar Convenção de longo alcance Poluição Atmosférica Transfronteiras Convenção sobre a conservação de espécies migratórias de animais selvagens (CMS), Bonn, 1979. Convenção sobre o comércio internacional de espécies ameaçadas de flora e fauna selvagens, washington dc, 1973. Convenção sobre a prevenção da poluição marinha por lançamento de detritos e outros Convenção sobre a Proteção e Utilização dos Cursos de Água Transfronteiriços e Lagos Internacionais (Convenção Watr ECE), Helsinki, 1992. Helsinki, 1992. Convenção de Combate à Desertificação (CCD), Paris, 1994; Protocolo Óxido de Nitrogênio Protocolo,1985; Protocolo de compostos orgânicos voláteis,1994; Redução de emissões de enxofre Protocolos,1985; Diretivas relativa à proteção jurídica das invenções biotecnológica; Acordo Europeu relativo ao transporte internacional de mercadorias perigosas por via navegável (AND), Genebra, 2000;
  9. 9. Conceitos Fundamentais Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Acordo Europeu relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas por Estrada (ADR), Genebra, 1957; FAO Código Internacional de Conduta sobre a distribuição e o uso de pesticidas, Roma, 1985; FAO Compromisso Internacional sobre Recursos Fitogenéticos, Roma, 1983; Convenção - Quadro sobre as Alterações Climáticas (UNFCCC), New York, 1992; Protocolo de Genebra (Protocolo para a Proibição do Uso na Guerra de Gases Asfixiantes, Venenosos e outros e de Métodos Bacteriológicos de Guerra); Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios; Convenção Internacional para a Regulação da Atividade Baleeira (ICRW), Washington, 1946; Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura; ITTA - Acordo Internacional de Madeiras Tropicais, 1994; Protocolo de Montreal relativo às Substâncias que Empobrecem a Camada de Ozônio-Montreal, 1989; Acordo Norte-Americano sobre Cooperação Ambiental; Convenção sobre Zonas Húmidas de Importânc especialmente como Habitat de Aves Aquáticas, Ramsar, de 1971; Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação; Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio , em Viena, 1985; Tratado da Antártida , Washington DC, 1959; Convenção do Patrimônio Mundial da Convenção Relativa à Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural , Paris, 1972; Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Acordo Europeu relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas por Estrada (ADR), Genebra, 1957; FAO Código Internacional de Conduta sobre a distribuição e o uso re Recursos Fitogenéticos, Quadro sobre as Alterações Climáticas (UNFCCC), Protocolo de Genebra (Protocolo para a Proibição do Uso na Guerra de Gases Asfixiantes, Venenosos e outros e de Métodos Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Convenção Internacional para a Regulação da Atividade Baleeira Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos para a Tropicais, Genebra, Protocolo de Montreal relativo às Substâncias que Empobrecem a Americano sobre Cooperação Ambiental; Convenção sobre Zonas Húmidas de Importância Internacional, Ramsar, de 1971; Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação; da Camada de Ozônio , em Mundial da Convenção Relativa à Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural , Paris, 1972; Conferencias Nacional Uma conferência de determinação política pública tem o objetivo de verificar como está o desenvolvimento desta política no âmbito local, estadual e nacional. Participantes: • Delegados • Convidados • Ouvintes Deliberações: • Resoluções • Diretrizes • Moções 3 Rs: Reduzir Reutilizar Reciclar Reduzir: Notas de Aula: I Uma conferência de determinação política pública tem o objetivo de verificar como está o desenvolvimento desta política no âmbito local,
  10. 10. Conceitos Fundamentais Notas de Aula: I Duvidas, Criticas e Sugestões entrem em contato: katia@dna.org.br Reciclar Matéria prima embutida no resíduo para fabricar o mesmo ou outro tipo de produto Coleta seletiva 5 Rs: Reduzir - Recusar Reutilizar Reciclar & Preciclar Reeducar Replanejar - Refletir 5 Rs: Fatores chave de sucesso nos negócios Relevância Reconhecimento Receptividade Responsabilidade Relacionamento 5 Ss: Metodologia de origem japonesa para a organização de quaisquer ambientes Seiri (整理整理整理整理): Senso de utilização. Seiton (整頓整頓整頓整頓): Senso de ordenação. Seisō (清掃清掃清掃清掃): Senso de limpeza. Seiketsu (清潔清潔清潔清潔): Senso de Normatização. Shitsuke(躾躾躾躾): Senso de autodisciplina. Sugestões de site: www.sustentabilidade.org.br www.slideshare.net/laurovolaco/5r www.mma.gov.br/port/conama planetasustentavel.abril.com.br

×