Nicotina (1)

1,073 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,073
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
53
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Nicotina (1)

  1. 1. N I C O T I N A
  2. 2. A nicotina é encontrada nas folhas da planta do tabaco, a partir das quais se produz os derivados do tabaco. A forma mais comum de consumo de nicotina é pelos cigarros de tabaco. As outras formas são o fumo de charutos e cachimbos. Ela é produzida na queima do cigarro e é a principal causadora da dependência.
  3. 3. Entendendo como a nicotina age no Organismo  A fumaça inalada a partir da queima do fumo atravessa a faringe, a laringe, traqueia e invade os brônquios, seguindo na direção dos alvéolos pulmonares – estruturas em forma de saco, altamente irrigadas por pequenos vasos sanguíneos – para que as trocas de oxigênio por gás carbônico possam ser efetuadas.  Ao chegar aos alvéolos, as gotículas de nicotina entram em contato com a infinidade de vasos sanguíneos que os irrigam, atravessam suas paredes e caem na corrente sanguínea. Dependendo da profundidade da tragada, 70 a 90% da nicotina presente na fumaça é absorvida nos alvéolos. Ao cair no interior dos milhares de vasos capilares dos pulmões, a nicotina se mistura com o sangue já oxigenado, que será levado ao coração para ser bombeado para todo o organismo.
  4. 4.  O processo é tão rápido que a nicotina atinge o cérebro entre apenas seis e dez segundos. Os neurônios de várias regiões do cérebro possuem, em suas membranas, receptores às quais as moléculas de nicotina se ligam.  Que funcionam como receptores da droga e não têm número fixo: conforme a repetição diária de tragadas aumenta, maior o número desses receptores. Com mais receptores disponíveis, a quantidade de nicotina necessária para acalmá-los precisa ser maior.  À medida que a droga vai sendo metabolizada, isto é, decomposta, os receptores começam a ficar vazios, e a vontade de fumar aumenta progressivamente: surge a crise de abstinência, carregada de ansiedade e agitação, que só regride quando a fumaça chega outra vez aos pulmões e a primeira dose de nicotina atinge o cérebro.
  5. 5. Abstinência
  6. 6.  A nicotina é de excreção rápida. Sua meia-vida é curta: duas horas, em média. Isto é, metade da dose fumada é eliminada da circulação em duas horas. Por razões genéticas, essa velocidade de excreção varia de um fumante para outro; os que eliminam a droga mais depressa tendem a fumar mais.  Viciados em nicotina, os neurônios do centro que integra as sensações de prazer, ao sentirem seus receptores vazios dela, estimulam outros circuitos de neurônios, que convergem para o chamado centro da busca.  Esse centro é responsável por induzir alterações comportamentais com a intenção de nos obrigar a repetir ações que anteriormente nos trouxeram prazer: sexo, comida, temperatura agradável para o corpo, etc.
  7. 7.  Uma vez que os centros do prazer ativam o centro da busca, este não pode ser mais desativado. O centro da busca permanecerá ativado mesmo que o prazer responsável por sua ativação deixe de existir. Por isso o fumante se surpreende ao acender um cigarro no toco do outro.  Informados da falta de nicotina, os neurônios do centro da busca lançam mão de sua mais poderosa arma de persuasão comportamental: a ansiedade crescente.  Tomado pela vontade de fumar, o fumante perde a tranquilidade, fica agitado e nervoso, com humor depressivo, tem lentificação da frequência cardíaca, aumento do apetite e não consegue se concentrar em mais nada. Para ele, não existe felicidade possível sem o cigarro.
  8. 8.  Como a nicotina é droga de excreção rápida, essas crises de ansiedade se repetem muitas vezes por dia. Para evitá-las, o fumante vive com o maço ao alcance da mão para acender um cigarro assim que surgirem os primeiros sinais, porque sabe que a intensidade dos sintomas da crise é crescente, insuportável.  O cérebro aprende, então, que ansiedade e nicotina estão indissoluvelmente ligadas. Daí em diante, todo acontecimento que provocar ansiedade será interpretado por ele como resultante da ausência de nicotina. Por isso os fumantes levam imediatamente um cigarro à boca ao menor sinal de ansiedade ou diante da emoção mais rotineira. Por isso dizem que o cigarro os acalma.  O curto-circuito de prazer que a nicotina arma entre os neurônios provoca uma dependência química de forte intensidade, enfermidade cerebral crônica e recidivante. Para tratá-la, é preciso ensinar o cérebro novamente a funcionar como fazia antes de entrar em contato com a droga.
  9. 9.  No Brasil, o consumo de tabaco não é crime, optando-se, neste caso, por uma politica de prevenção e restrições à propaganda e ao consumo em locais públicos fechados. Além disso, o Ministério da Saúde apóia o tratamento gratuito em serviços de saúde.
  10. 10. Tratamento  O Instituto Nacional de Câncer (INCA), como órgão do Ministério da Saúde responsável pela articulação do Programa Nacional de Controle do Tabagismo e atento a complexidade que envolve a dependência e tratamento do tabagismo, reuniu, em 2000, diferentes sociedades científicas e conselhos profissionais da área de saúde no Brasil para elaborar o “Consenso sobre Abordagem e Tratamento do Fumante” que contém as linhas gerais sobre métodos para deixar de fumar.  Hoje no Brasil o tratamento do tabagismo está vinculado ao Sistema Único de Saúde (SUS), e é regulado por Portarias do Ministério da Saúde (Portaria nº 1.035/2004 e Portaria nº 442/2004) que ampliam o acesso da abordagem nos 3 níveis de atenção à saúde (básica, média e alta complexidade).
  11. 11.  O modelo de tratamento baseado na abordagem cognitivo-comportamental possibilita que o tratamento seja realizado em grupo ou individualmente, e tem como objetivo auxiliar o fumante a desenvolver habilidades que o auxiliarão a permanecer sem fumar. O apoio medicamentoso, quando necessário, é outro recurso usado no tratamento do tabagismo e disponibilizado na rede SUS.  A rede de abordagem e tratamento do tabagismo segue a lógica do SUS, e é encontrada nos diversos municípios brasileiros, contribuindo desta forma, para o alcance da importante meta de controlar a epidemia do tabagismo no Brasil.
  12. 12. Referências Bibliográficas  http://www.saude.sp.gov.br/cratod-centro-de-referencia- de-alcool-tabaco-e-outras-drogas/tabaco/dependencia- de-nicotina  http://fantastico.globo.com/platb/brasil-sem- cigarro/2011/10/07/entenda-como-a-nicotina-age-no- organismo/  http://drauziovarella.com.br/dependencia- quimica/tabagismo/a-crise-de-abstinencia-de-nicotina/  http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/observatorio _controle_tabaco/site/status_politica/tratamento_tabagis mo

×