Segurança do doente: Sistema de gestãode riscos clínicosClinical Risk Management SystemJuan Carlos AlvarezSócio – Director...
Conteúdo    1O impacto da Não                       2                   O Nosso enfoque  Segurança do     Doente          ...
A frequência dos EA é sem dúvida relevante, o que  pressupõe um elevado impacto no bem estar das pessoas  atendidas no hos...
Mas também implica um impacto considerável e pouco   reconhecido na eficiência económica dos hospitais   Considerando apen...
Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisPartindo da evidência d...
Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisSimulação para um hospi...
Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisSimulação para um hospi...
Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisSimulação para um hospi...
Simulação para um Grupo Hospitalar PRIVADO com 25hospitais                                                    Impacto no G...
Conteúdo    1O impacto da Não                       2                   O Nosso enfoque  Segurança do     Doente          ...
Procuramos desenvolver a gestão integral da segurançado doenteNeste campo há algumas palavras chave a não perder de vista:...
Gerir adequadamente os eventos adversos e fortalecer agestão de riscos            Impacto          +++                    ...
Estruturando o trabalho coordenado (Workflow) tantocorrectivo como preventivo a partir do estímulo para aNotificação de in...
O desenvolvimento da cultura de Segurança compreende  o equilíbrio progressivo entre a adesão das pessoas e a  integração ...
Ciclo virtuoso da Segurança do Doente                                      2. Visão e                                     ...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico                                      SP:...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico      SP:  Estratégia e                  ...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico      SP:  Estratégia e                  ...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico    SP: Estratégia e        plano de    d...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico    SP: Estratégia e        plano de    d...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico    SP: Estratégia e        plano de    d...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico    SP: Estratégia e        plano de    d...
A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico                           Clinical Risk ...
Obrigado                                 Antares Consulting, S.A.                                 www.antares-consulting.c...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Segurança do doente: Sistema de gestão de riscos clínicos

2,552

Published on

Segurança do doente: Sistema de gestão de riscos clínicos.
Clinical Risk Management System

Published in: Health & Medicine
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,552
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Segurança do doente: Sistema de gestão de riscos clínicos

  1. 1. Segurança do doente: Sistema de gestãode riscos clínicosClinical Risk Management SystemJuan Carlos AlvarezSócio – DirectorAntares Consulting, S.A.Antares ConsultingPolíticas de saúde e hospitais© 2011
  2. 2. Conteúdo 1O impacto da Não 2 O Nosso enfoque Segurança do Doente 2
  3. 3. A frequência dos EA é sem dúvida relevante, o que pressupõe um elevado impacto no bem estar das pessoas atendidas no hospital Frequência de EA para diferentes estudos (%). NY (HMPS, Nueva York), UC (Utah y Colorado, EEUU), A (Australia), A-Ajustado (Australia Ajustado), L (Londres), D (Dinamarca), NZ (Nueva Zelanda), CA (Canadá), ENEAS, ENEAS (Centro), APEAS, IBEAS, CF (Estudio Confianza) excluídos os cuidados primários, consultas externas e ocasionadas noutro hospital 10,5 2,9 1,118 ENEAS ENEAS IBEAS APEAS CF*Fonte Imagem: Estudio IBEAS, 2009. (centro)*Estudio Confianza – I Estudio de Efectos Adversos en Sanidad Privada, Áliad, 2011. 3
  4. 4. Mas também implica um impacto considerável e pouco reconhecido na eficiência económica dos hospitais Considerando apenas os três principais tipos de EA… Estudio ENEAS IBEAS Portugal Confianza* Uso de Medicamentos 34,8% 9,9% 20,8% 23,9% Infecção nosocomial 17,8% 26,0% 20,8% Problemas técnicos durante a 17,8% 26,8% 33,3% 24,4% realização de um procedimento Cuidados assistenciais 16,2% 12,5% Diagnóstico 5,1% 8,3% 11,9% Outros 29,6% 16,1% 4,2% 39,9% INCIDÊNCIA GLOBAL 9,3% 10,5% 2,9% 10,0%*: Estudio Confianza – I Estudio de Efectos Adversos en Sanidad Privada, Áliad (2011)Fonte Portugal,DGS e ONSA: Observatório Nacional de Saúde 4
  5. 5. Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisPartindo da evidência disponível sobre os custos da NãoSegurança do doente Fonte: Álvarez JC, Camargo A, Portella E. Revisión Bibliográfica sobre Trabajos de Costes de la “No Seguridad del Paciente.” Ministerio de Sanidad y Consumo; 2008:138. 5
  6. 6. Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisSimulação para um hospital público com 400 camas Variáveis estudo ENEAS Impacto num hopital público de 400 camas Impacto Custo estimado € / Custo da NÃO SEGURANÇA DO DOENTE (Para os tipos Altas (2010) doente (Janeiro 2011) Prevalência de EA seleccionados) em doentes Total Tipo de Evento Adverso Min Max internados Total estimadas Min Max (con EA) EA relacionados com a 727 2.819.395,57 € 4.749.171,90 € 3.878,55 € 6.533,28 € 4,000% medicação Medicamentos Erros relacionados com 253 547.253,61 € 547.253,61 € 2.163,33 € 2.163,33 € 1,392% a medicação Pneumonia nosocomial 21.856,77 € 21.856,77 € 0,269% 49 1.068.476,29 € 1.068.476,29 € Infecção nosocomial do 78 84.830,64 € 88.661,70 € 1.088,10 € 1.137,24 € 0,429% tracto urinário Infecções Bacteremia 43.756,83 € 43.756,83 € 0,181% 33 1.439.299,10 € 1.439.299,10 € nosocomiais Bacteremia associada a 18.173 23 220.731,03 € 358.226,53 € 9.795,24 € 15.896,79 € 0,124% catéter venoso Infecção nosocomial no 87 2.503.594,56 € 2.503.594,56 € 28.881,45 € 28.881,45 € 0,477% local cirúrgico Hemorragia ou 185 2.677.558,28 € 2.677.558,28 € 14.444,82 € 14.444,82 € 1,020% hematoma Lesão num órgão 5.575,05 € 5.575,05 € 0,330% 60 334.340,77 € 334.340,77 € Procedimentos cirúrgicos Pneumotórax 11.668,41 € 11.668,41 € 0,110% 20 233.255,02 € 233.255,02 € Deiscência 27.179,10 € 27.179,10 € 0,080% 15 395.140,63 € 395.140,63 € 1.529 TOTAL Ano 2010 18.173 12.323.875,48 € 14.394.978,37 € 8,41%Fontes: (1) Coste EA en €/paciente: Álvarez JC, Camargo A, Portella E. Revisión Bibliográfica sobre Trabajos de Costes de la “No Seguridad del Paciente.” Ministerio de Sanidad y Consumo; 2008:138. (2) Ajuste variação IPC a Janeiro 2011: INE (3) Estimativa de altas com EA: Segúndo os indicadores de prevalência do estudo ENEAS. 6
  7. 7. Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisSimulação para um hospital público com 400 camas Impacto num hopital público de 400 camas Poupança para o Hospital se se eliminarem os casos Altas (2010) evitáveis Total % destes Casos (EA) Tipo de Evento Adverso Total estimadas EA que são Custo mínimo Custo máximo evitáveis (con EA) evitáveis EA relacionados com a 727 34,8% 253 981.149,66 € 1.652.711,82 € medicação Medicamentos Erros relacionados com 253 34,8% 88 190.444,26 € 190.444,26 € a medicação Pneumonia nosocomial 49 56,6% 28 604.757,58 € 604.757,58 € Infecção nosocomial do 78 56,6% 44 48.014,14 € 50.182,52 € tracto urinário Infecções Bacteremia 33 56,6% 19 814.643,29 € 814.643,29 € nosocomiais Bacteremia associada a 18.173 23 56,6% 13 124.933,76 € 202.756,22 € catéter venoso Infecção nosocomial no 87 56,6% 49 1.417.034,52 € 1.417.034,52 € local cirúrgico Hemorragia ou 185 31,7% 59 848.785,98 € 848.785,98 € hematoma Lesão num órgão 60 31,7% 19 105.986,02 € 105.986,02 € Procedimentos cirúrgicos Pneumotórax 20 31,7% 6 73.941,84 € 73.941,84 € Deiscência 15 31,7% 5 125.259,58 € 125.259,58 € 1.529 582 TOTAL Ano 2010 18.173 8,41% 3,20% 5.334.950,62 € 6.086.503,62 € 7
  8. 8. Mas também implica um impacto considerável e poucoreconhecido na eficiência económica dos hospitaisSimulação para um hospital público com 400 camas Impacto num hopital público de 400 camas Poupança para o Hospital se se eliminarem os casos Altas (2010) evitáveis Total % destes Casos (EA) Tipo de Evento Adverso Total estimadas EA que são Custo mínimo Custo máximo evitáveis (con EA) evitáveis 1.529 582 TOTAL Ano 2010 18.173 8,41% 3,20% 5.334.950,62 € 6.086.503,62 € Custo da NÃO SEGURANÇA DO DOENTE (Para os tipos de EA seleccionados) 12.323.875,48 € 14.394.978,37 € % Poupança 43,3% 42,3% Orçamento anual (Milhões de €) 134.000.000,00 € Custo global dos EA seleccionados 9,20% 10,74% % do orçamento anual Casos evitáveis 3,98% 4,54% 8
  9. 9. Simulação para um Grupo Hospitalar PRIVADO com 25hospitais Impacto no Grupo Privado de Hospitais Poupança para o Grupo (25 hospitais-2009) se se Doentes internados eliminarem os casos evitáveis (2009) Total % destes Casos (EA) Tipo de Evento Adverso Total estimadas EA que são Custo mínimo Custo máximo evitáveis (com EA) evitáveis EA relacionados com a 1.670 34,8% 581 2.253.987,52 € 3.796.762,08 € medicação Medicamentos Erros relacionados com 581 34,8% 202 437.506,12 € 437.506,12 € a medicação Pneumonia nosocomial 112 56,6% 64 1.389.304,91 € 1.389.304,91 € Infecção nosocomial do 179 56,6% 101 110.302,51 € 115.283,92 € tracto urinário Infecções Bacteremia 76 56,6% 43 1.871.473,73 € 1.871.473,73 € nosocomiais Bacteremia associada a 121.100 52 56,6% 29 287.009,37 € 465.790,29 € catéter venoso Infecção nosocomial no 199 56,6% 113 3.255.342,44 € 3.255.342,44 € local cirúrgico Hemorragia ou 426 31,7% 135 1.949.909,46 € 1.949.909,46 € hematoma Lesão num órgão 138 31,7% 44 243.480,87 € 243.480,87 € Procedimentos cirúrgicos Pneumotórax 46 31,7% 15 169.866,02 € 169.866,02 € Deiscência 33 31,7% 11 287.757,86 € 287.757,86 € 3.512 1.337 TOTAL Ano 2010 121.100 2,90% 1,10% 12.255.940,80 € 13.982.477,69 € Custo da NÃO SEGURANÇA DO DOENTE (Para os tipos de EA seleccionados) 28.311.543,82 € 33.069.472,48 € % Ahorro 43,3% 42,3% Orçamento anual (Milhões de €) 372.800.000,00 € Custe global dos EA seleccionados 7,59% 8,87% % do orçamento anual Casos evitáveis 3,29% 3,75% 9
  10. 10. Conteúdo 1O impacto da Não 2 O Nosso enfoque Segurança do Doente 10
  11. 11. Procuramos desenvolver a gestão integral da segurançado doenteNeste campo há algumas palavras chave a não perder de vista:• Incidentes (IN): Acidentes imprevistos ou …e que são inesperados que não chegam a produzir dano consequência no doente… directa dos cuidados de saúde que recebem e• Eventos adversos (EA): Acidentes não da doença imprevistos ou inesperados que causam algum que padecem. dano ou complicação ao doente… 11
  12. 12. Gerir adequadamente os eventos adversos e fortalecer agestão de riscos Impacto +++ Gestão de impacto ++ Eventos adversos Gestão de riscos Incidentes + Probabilidade + ++ +++ 12
  13. 13. Estruturando o trabalho coordenado (Workflow) tantocorrectivo como preventivo a partir do estímulo para aNotificação de incidentes Notificação Distribuição a Análise Resolução Acções de melhoria responsáveis EncerramentoNotificante Seguimento Médico referente Gestor 1 Gestor 2 Comissão Direcção 13
  14. 14. O desenvolvimento da cultura de Segurança compreende o equilíbrio progressivo entre a adesão das pessoas e a integração dos processos Adesão das pessoas Inovador Coordenada Atitude da organização Apreendida Proactiva Estruturada Sistematizada Reactiva Funcionamento Passiva da organização Fragmentada Integração de processosFonte: Antares Consulting, 2011 a partir da conferencia de Rein Willems, ex-presidente da Shell e parlamentário deHonada, no “International forum on Quality and Safety in Healthcare”, Amsterdam abrill 5-8 de 2011 14
  15. 15. Ciclo virtuoso da Segurança do Doente 2. Visão e estratégia de desenvolvimento (planificação) 5 Acções de melhoria 3. Gestão da 1. Diagnóstico da Segurança do situação Doente 6 4 Gestão da Acompanha- resolução mento Cultura de segurança Gestão da segurança do doente do doente 6. Melhoria 4. Feedback a 1 Sistema de 3 Análise e relatores, formação contínua e sensibilização notificação de identificação incidentes de causas 2 Distribuição da responsabili- 5. Gestão do conhecimento e dade da Benchmarking acção (Workflow)Fontes: Antares Consulting, 2011 15
  16. 16. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico SP: Estratégia e plano de desenvolvimento Desenvolvimento Gestão contínua da Segurança do integral da Desenvolvimento do conhecimento Doente gestão do risco em segurança do doente clínico Aprendizagem e transferência de conhecimento 16
  17. 17. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico SP: Estratégia e • Plano Estratégico da Segurança do Doente de 2 plano de desenvolvi- Comunidades Autónomas mento Desenvolvimento do conhecimento em segurança do doente Aprendizagem e transferência de conhecimento Gestão contínua da Segurança do Doente 17
  18. 18. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico SP: Estratégia e • Metodología BSC plano de desenvolvi- mento Desenvolvimento do conhecimento em segurança do doente Aprendizagem e transferência de conhecimento Gestão contínua da Segurança do Doente 18
  19. 19. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico SP: Estratégia e plano de desenvolvimento Desenvolvimento do conhecimento em segurança do doente Aprendizagem e transferência de conhecimento Gestão contínua da Segurança do Doente Fontes: Álvarez JC, Camargo A, Portella E. Revisión Bibliográfica sobre Trabajos de Costes de la “No Seguridad del Paciente.” Ministerio de Sanidad y Consumo; 2008:138. 19
  20. 20. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico SP: Estratégia e plano de desenvolvimento Desenvolvimento do conhecimento em segurança do doente Aprendizagem e transferência de conhecimento Gestão contínua da Segurança do Doente Fontes: Álvarez JC, Portella E., Terol, E., Agra, Y, Hernández, M. Prácticas Seguras Simples recomendadas por agentes gubernamentales para la prevención de Efectos Adversos (EA) en los pacientes atendidos en hospitales. Ministerio de Sanidad y Consumo; 2008:94. 20
  21. 21. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico SP: Estratégia e plano de desenvolvimento Desenvolvimento do conhecimento em segurança do doente Aprendizagem e transferência de conhecimento Fontes: Gil, V., Barrubés, J., Álvarez JC, Portella E. Sostenibilidad Gestão contínua da financiera del sistema sanitario: 10 medidas estructurales Segurança do Doente para afrontar las causas del crecimiento del gasto. Antares Consulting; Septiembre de 2010:39. 21
  22. 22. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico SP: Estratégia e plano de desenvolvimento Desenvolvimento do conhecimento em segurança do doente Aprendizagem e transferência de conhecimento Gestão contínua da Segurança do Doente www.masseguridadavs.com 22
  23. 23. A Antares Consulting aposta no desenvolvimento integralda gestão do risco clínico Clinical Risk SP: Estratégia e plano de desenvolvimen to • Management System (CRMS) Desenvolvimento do conhecimento em segurança do doente Aprendizagem e transferência de conhecimento Gestão contínua da Segurança do Doente 23
  24. 24. Obrigado Antares Consulting, S.A. www.antares-consulting.comAntares Consulting, S.A.Politicas de saúde e hospitais

×