• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Histologia vegetal
 

Histologia vegetal

on

  • 5,196 views

SITE: www.tioronni.com.br

SITE: www.tioronni.com.br
E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com

Statistics

Views

Total Views
5,196
Views on SlideShare
5,196
Embed Views
0

Actions

Likes
9
Downloads
166
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito bom
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Histologia vegetal Histologia vegetal Presentation Transcript

    • Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados ©2013. www.tioronni.com.br
    • Histologia Vegetal 1) Introdução A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas. Tecido: conjunto de células especializadas, geralmente semelhantes, e adaptadas para realizarem determinadas funções. 2) Tecidos Vegetais I. Meristemas II. Parênquima III. Colênquima IV. Esclerênquima V. Floema VI. Xilema VII. Epiderme VIII. Periderme Crescimento Preenchimento / Sustentação / Reserva Condução de seiva Revestimento
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais I) Meristemas (tecido vivo) Tipo de tecido presente nas partes da planta onde ocorre crescimento por multiplicação celular.  Constituído por células meristemáticas: o Pluripotentes (↑ capacidade de diferenciação) o Indiferenciadas o Parede celular delgada o Núcleo volumoso o Alta capacidade multiplicativa Células meristemáticas
    • Histologia Vegetal Meristemas e crescimento Ao contrário dos animais, a produção de órgãos vegetativos e reprodutores é contínua ao longo da vida da planta e é devida à atividade dos meristemas.
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Tipos de Meristemas: a) Meristema apical: Promove crescimento vertical  Origem: Embrião da planta (ápice do caule e da raiz) Meristema apical da raiz Procâmbio Protoderme Meristema Fundamental Meristema Apical do caule Protoderme  Origina a epiderme e periderme Procâmbio  Origina o xilema e floema Meristema Fundamental  Origina o parênquima, colênquima e esclerênquima Meristema apical Origina os meristemas primários
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Tipos de Meristemas: a) Meristema primário ou apical (na planta adulta) Gema apical do caule (meristema primário) Gema apical da raiz (meristema primário) Gemas laterais do caule (meristema primário)
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Tipos de Meristemas: b) Meristema secundário: Gimnospermas e Angiospermas  Origem: A partir da desdiferenciação de células parenquimáticas do córtex da raiz e do caule.  Promove o crescimento em espessura  Tipos: I. Felogênio  Súber  Feloderma II. Câmbio  Xilema secundário  Floema Secundário Floema secundário Xilema secundário
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Feloderme Felogênio Súber
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais b) Parênquima (tecido vivo)  Origem: meristema fundamental  Funções: o Preenchimento de espaços o Reserva de substâncias o Fotossíntese  Local: Encontrado em todos os órgãos da planta Tipos I. Parênquima de preenchimento  Cortical  Medular o Realiza o preenchimento de espaços entre os tecidos o Ex: Córtex e medula do caule Caule
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais II. Parênquima clorofiliano o Possui grande quantidade de cloroplasto em suas células o Função: Fotossíntese o Local: Encontrado no mesófilo foliar Mesófilo da folha Parênquima clorofiliano
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais II. Parênquima clorofiliano
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais III. Parênquima de reserva o Possui a função de armazenar substâncias o Tipos: a) Amilífero: reserva amido – Ex. Batata b) Aquífero: reserva água – Ex. Cactos c) Aerífiero: reserva gases (ar) – Ex. Aguapé Parênquima amilífero Parênquima aerífero Grânulos de amido Espaçamento entre as células
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais c) Colênquima (tecido vivo)  Origem: Meristema Fundamental  Função: Promove resistência e flexibilidade aos órgãos da planta  Característica: Células com parede celular bastante espessada  Localização: Abaixo da epiderme Reforço de celulose nos ângulos da célula. Gavinha - Flexiblidade
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais d) Esclerênquima (tecido morto)  Origem: Meristema Fundamental  Função: Sustentação e proteção  Característica: Células com parede celular (celulose) bastante espessada contendo impregnação de lignina (polímero) o qual promove impermeabilização e rigidez ao tecido.  Obs.: A impregnação por lignina causa a morte da célula.  Localização: Caule, folhas, frutos e sementes. Tipos celulares I) Fibras esclerenquimáticas Reforço de ligninaLúmen vazio Promove sustentação esquelética ao vegetal
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais I) Fibras esclerenquimáticas
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais d) Esclerênquima (tecido morto) Tipos celulares II) Esclereídes Possuem lúmen celular vazio e parede celular lignificada Pode ser encontradas  Isoladas  Grupos (entre as células parenquimáticas)  Ex: Pêra.
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo)  Origem: Protoderme  Função: Revestimento externo dos órgãos da planta (raiz, caule, folhas, frutos, etc).  Característica: Geralmente formado por uma única camada de células. Epiderme das folhas Estruturas encontradas I. Cutícula: impermeabilização e economia hídrica. II. Estômatos: trocas gasosas III. Tricomas: retenção de água e proteção. IV. Hidatódios: gutação V. Glândulas: atração de polinizadores e proteção
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas.
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas II) Estômatos: Únicas células epidérmicas que possuem cloroplastos.
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas III) Tricomas: São pelos epidérmicos que auxiliam na redução da perda de água, além disso, podem ser urticantes, liberar odores, secreções oleosas ou digestivas.
    • Histologia Vegetal CURIOSIDADES Planta Carnívora: são fruto da evolução de certas espécies que buscaram uma forma de sobreviver nos solos pobres em nutrientes orgânicos. Essas plantas passaram a retirar do ambiente o complemento alimentar que a terra não lhes fornecia. As primeiras plantas carnívoras que surgiram na Terra desenvolveram métodos para aprisionar e digerir animais e, assim, utilizar suas proteínas
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas III) Hidatódio: Elimina o excesso de água do interior da folha.
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das raízes  Possui pêlos absorventes  Aumenta a superfície de contato e a absorção de água e sais minerais pelas células epiteliais das raízes.
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais f) Periderme (tecido vivo)  Somente em Gimnospermas e Angiospermas (Dicotiledôneas).  Típico de plantas que apresentam crescimento secundário.  Possui três camadas: Felogênio, Feloderme e Súber. Estruturas da periderme I) Lenticela: Abertura da periderme que permite a circulação de ar. II) Ritidoma: Periderme morta que se destaca do caule da planta. Lenticela Ritidoma Ar
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais f) Periderme (tecido vivo) Suber + Felogênio + Feloderme Obs.: O súber, tecido morto, faz parte da periderme. Súber Feloderme
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais g) Floema ou Líber (tecido vivo)  Origem: Procâmbio  Função: Conduzir a seiva elaborada (matéria orgânica) produzida pelas folhas para todas as células da planta.  Tipos celulares: (Elementos de tubo crivado) I. Célula crivada (Gimnosperma e Pteridófita) II. Tubos crivados (Angiospermas) o Elementos de Tubo crivado  Anucleadas  Sobrevive graças ao auxílio das células companheiras. o Células companheiras  Nucleada  Fornece todas as substâncias necessárias ao metabolismo das células dos elementos de tubo crivado.
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais g) Xilema ou Lenho (tecido morto)  Origem: Procâmbio  Função: Conduzir a seiva bruta (água e sais minerais) que é absorvida pelas raízes para as partes aéreas da planta e contribuir para a sustentação da planta.  Tipos celulares: (elementos traqueais) o Células mortas o Parede celular lignificada o Sem núcleo, citoplasma ou organelas o Dispostas em fileira, formando tubos contínuos I) Elementos de vaso (Angiospermas) o ↑ calibre o Perfuração única II) Traqueídes o ↓ calibre o Várias perfurações I II
    • Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Condução de seiva
    • Histologia Vegetal CURIOSIDADES: Seca Fisiológica: ocorre quando o solo contém água, porém a planta não consegue absorver. Isto ocorre porque o excesso de água impede a difusão de oxigênio. As células da raiz, não absorvendo oxigênio, terão o metabolismo energético (respiração) comprometido, pois prejudica a produção do ATP. Com isso, não haverá absorção de nutrientes por transporte ativo. Isso também prejudica a absorção de água por osmose. Como a transpiração da planta ocorre normalmente e a absorção está prejudicada, o resultado final será o murchamento.
    • Histologia Vegetal CURIOSIDADES: Espinhos: em botânica, é um órgão axial ou apendicular, duro e pontiagudo, tais como os encontrados nas laranjeiras, resultantes da modificação de um ramo, folha, estípula ou raiz, constituído por tecido lignificado e vascular, e que se arrancado destrói o tecido subjacente. Geralmente espinhos são estruturas modificadas. Nas cactáceas os espinhos, por exemplo, são catafilos (folhas modificadas, com menor grau de organização que folhas comuns) para evitar perda d'água.