Your SlideShare is downloading. ×

Kosu

512

Published on

Estudando mais um pouco sobre Lean Manufacturing e a gestão em empresas Japonesas, veremos que eles utilizam o que chamam de Kosu, também conhecido em nossas empresas mas sem literatura disponível, o …

Estudando mais um pouco sobre Lean Manufacturing e a gestão em empresas Japonesas, veremos que eles utilizam o que chamam de Kosu, também conhecido em nossas empresas mas sem literatura disponível, o que deixa o assunto ainda mais atraente para quem gosta e é apaixonado por Lean.

Published in: Automotive
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
512
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Kosu “Indicador de Performance e Produtividade” Alguém com conhecimento parcial da lingua e cultura Japonesa podera confundir este nome e pronuncia como sendo em uma tradução do dito meio Inglês: "Eu desafio". Se você olhar para a pronúncia exata de KOSU, isso Significa: exceder: sobrar; ( ). Mas, na TPS, KOSU é realmente superar, Os caracteres japoneses são: Kousou ( ( Kousuu ) significa hora de trabalho ou do trabalho por unidade de tempo. すこ す越 数工 Porque o U ( ) em Kousuu ( ) são ignorados. É bastante comum quando a ) é realmente Doujo. palavra japonesa é usado em Inglês, por exemplo Dojo ( 场道 うす うこ う KOSU ( Pronuncia Kousuu) significa horas de trabalho ou o trabalho por unidade de tempo, juntamente com a eficiência já conhecida em nosso meio são as duas medidas básicas de desempenho da produção. Precisamos tomar alguns cuidados em usá-los como medida de desempenho produtivo a menos que saibamos claramente o limite de como interpretar e usar estes dados pois muitos podem e tem como manipular os mesmos e isso não é bom para uma boa gestão produtiva. : -)数 工 Antes de 1990, foi muito utilizado o termo MHPU (Man Hour Per Unit), que após uma pequena pesquisa veremos que este termo mudou de MHPU para LHPU (Labor Hour Per Unit) de modo que fazia mais sentido chamar horas de trabalho em vez de horas homem, isso porque tivemos mais e mais ingestão de trabalhadores do sexo feminino para trabalhar em linhas de produção. Este novo termo foi gradualmente aceito, e mais tarde o termo GLHU (Gross Labour Hour Unit) - Hora de Trabalho Bruto, foi então comunizado por causa desta diferença. Este indicador é muito comumente usado em muitas indústrias, e que para uma boa interpretação do mesmo, precisamos em primeiro lugar saber o que vai ser incluído como horas de trabalho e o que vai ser incluída na quantidade apontada para que nunca tenhamos dúvida nos dados e informes diários. Somente assim é que eles são úteis para a aferição do desempenho e dar-lhe uma boa indicação de quando e quanto os resíduos são eliminados. A ressalva para um bom uso deste indicador tem uma simples razão para que não seja um exercício inútil pois se a organização não praticar TPS, os gestores podem fazer os números parecem bons, simplesmente gerando superprodução, produzindo em grande tamanho do lote, produzindo o que quer e não o que o cliente quer em vez de melhorar o Set up (SMED) e neste caso, você não vê o problema. Surpreendentemente, não há muita literatura sobre Kosu, talvez tenhamos uma oportunidade para qualquer pessoa interessada em escrever um livro sobre este assunto. O termo Kosu era usado por alguns praticantes Lean que queriam manter as palavras japonesas. Na terminologia do TPS, foi usado ser chamado Homem Hour Per Unit (MHPU) como expliquei acima e mais tarde alterado para LHPU, mais comumente usado agora é GLHU (Gross Labor Hour Per Unit).
  • 2. Um exemplo normalmente usado em nossas empresas: Quando pegamos o tempo real de produção por peça e para calcular a eficiência comparamos este tempo com o tempo padrão determinado pela Engenharia, temos nossa “Eficiência”. Este tempo padrão é o que normalmente foi determinado com um relógio com cronômetro ou feito através de um estudo sobre MTM. E então com este indicador de eficiência, você pode seguir sua produção a cada hora, se você está dentro da meta e se não tem como identificar o desperdício e promover kaizen ou ações para remover os resíduos e voltar para o objetivo. É pelo menos é o que muitas empresas fazem. Será que isso nos dá algum valor e pode ser uma aplicação de KOSU? Muitas empresas costumam chamar eficiência de KOSU mas, isso não é Kosu. A eficiência acima descrita é a razão entre o número de unidades reais produzidas no período determinado para o número calculado de unidade produzida, não tem as horas de trabalho incluído. Portanto, não é Kosu ( : Literalmente significa a contagem das obras, mas na verdade significa Tempo de Trabalho). 数工 Para o cálculo da GLHU (Kosu), você deve ter uma definição clara do que é incluído como trabalho direto em primeiro lugar. Então você deve coletar os dados do número total de horas de trabalho trabalhadas pelos operadores direto na área definida e também o número em quantidade de peças boas produzidas (GPQ), em seguida, divida o número de horas de trabalho totais trabalhado pela GPQ. No entanto, GLHU e Eficiência os são dois principais KPIs para a produção. Ao medir a eficiência só vai lhe dar indicação de quão bem as linhas estão sendo efetivas quanto ao tempo padrão (Tempo Takt – Termo no TPS), mas não vai mostrar o quanto o tempo de trabalho é usado, portanto, não pode refletir o custo. Por isso, é melhor medir a Eficiência e GLHU. Podemos comparar ou contrastar Kosu com o tempo takt? Você pode contrastar com Eficiência Takt, mas não GLHU ou KOSU. Baseando-se pelo Tempo Takt, você tem o rendimento alvo da relação de unidade real produzido a unidade calculado produzido por Takt, e isso é chamado de eficiência. Considerando que, GLHU ou KOSU depende de como você organiza o seu trabalho, e como eu disse anteriormente, ele também depende de como você classifica o trabalho em diretos e indiretos. À medida que você precisa para reequilibrar as linhas para cada mudança takt, idealmente, sua GLHU deve ser destinada como sendo constante, mas não é todo o tempo possível. Referindo-se à definição original de Takt Time segundo Taiichi Ohno: "Takt é o período de tempo, em minutos e segundos, que leva para se fazer um produto que deve ser calculado em sentido inverso a partir do número de peças a serem produzidas. Takt é obtido através da divisão do tempo operável por dia pelo número necessário por dia de peças a serem produzidas. Tempo operável é o período de tempo em que a produção pode ser efetuada por dia." A chave aqui à pergunta é tempo operável. Então, para este caso, o tempo operável é de 8 horas, então você deve usar 8 horas para calcular a sua eficiência.
  • 3. Para o cálculo do GLHU (Kosu), você também deve se basear no tempo operável. Caso contrário, quando ocorrer as mudanças Takt, não haverá grandes diferenças devido ao tempo não operáveis. Mas a fraqueza deste método é que vai ser construído em diferenças na conversão dos dados usados que não são os mesmo que afetam o custo. Uma outra unidade de medida de produtividade e relacionada a Kosu, é o DDK (Deki Daka Kosu) e a maneira para calcular este indicador em linhas de produção todos os dias é dado como no exemplo abaixo: Tempo em Minutos Turno de trabalho ( excluindo o tempo de almoço ) 480 (-) O tempo de pausa para café 20 (-) Reunião da manhã e limpeza de tempo de 10 (-) Qualquer tempo de treinamento 0 Tempo de trabalho líquido de 450 (*) N º de operadores que trabalham na linha (digamos 6) 2700 (+) Meio dia de líder linha 225 Tempo de trabalho total de 2925 Produção do dia ( unidades) 150 Kosu 19,5 Assim deve ser dado metas para desafiar e reduzir o nível alcançado de Kosu em 5% no próximo mês. Com base nas metas de produção para o próximo mês e Kosu definido é que deverão ser distribuídos o número de homens. DDK ( : Deki Daka (Rendimento) kousuu: (Hora de Trabalho/Unit)) Assim como o tempo de treinamento, você pode ter outras categorias de tempo fora de linha, que os membros da equipe estão impedidos de fazer os deveres de produção, neste caso eles deverão ser removidos como é removido a pausa para o café e tempo de treinamento. Considerando que os líderes de linha, na estrutura TPS terá líderes do grupo e líderes de equipe, como 100 % do seu tempo são incluídos em vez de 50% no exemplo acima. No entanto, as regras podem variar de empresa para empresa. 数 工高 来出 Uma meta de redução de 5% é muito alto, a menos que a sua operação ainda é muito instável, pois uma planta TPS madura, 5% ao ano é geralmente uma meta alcançável. É bom ter meta desafiadora, mas estabelecer uma meta desafiadora na saída do trabalho geralmente não é aconselhável, ela tende a empurrar as pessoas que trabalharem muito duro em vez de melhorar. Portanto, Taiichi Ohno disse: "O Gemba deve tornar-se fanático por redução de custos, com a crença de que somente o Gemba pode fazer redução de custos. As pessoas estão excessivamente preocupados com o conhecimento de custos, mas isso desloca a consciência de custos. Eu digo que você não precisa custear conhecimento. Eu nem tenho interesse em aprender esta terminologia." Sabendo disso, o custo não se obtem simplesmente pela multiplicação de um fator a GLHU ou DDK.
  • 4. Em primeiro lugar, você tem as taxas de diferenças de cada empregado individual ao longo do tempo para a preparação de linha, de desligar uma linha, regular uma máquina ou horas extras não programadas, transferir subsídios e etc... Então você tem o tempo para a limpeza da linha, parada de linha por causa da quebra da máquina, e falta de material, problemas de qualidade. Em seguida, você tem afastamento e perda de tempo por lesão, licença médica, você tem o custo do seguro, fundos de aposentadoria, feriado, folhas anuais, etc .. Então, GLHU (Kosu) nunca foi projetado para fornecer dados financeiros para calculo de custo. Há muitas maneiras complicadas de fazer isso, mas isso não é para o chão de fábrica, preço e custo de peça deve ficar fora da gestão da produção, cabe a esta produzir o que o Cliente quer, na hora que ele quer, na quantidade que ele quer e com a Qualidade que ele quer. GLHU (Kosu) é um bom indicador para gestir a produção, porque irá melhorar quando você conseguir melhora em seu "Tempo Padrão" ou "Eficiência". Se você só medir "Eficiência", quando você conseguirá melhorar o tempo padrão? Se não o monitorar corre o risco de nunca buscar a melhora em seu Tempo Padrão e algumas empresas erram pelo contrário, entendem melhoria da produtividade melhorando seu Tempo Padrão, isso nem sempre é produtividade. Quanto a definição de Tempo Padrão pela Engenharia Industrial, segundo Taiichi Ohno: "O tempo padrão deve ser o tempo mais curto." em seguida, ele explica: " mesmo que as dez repetições são realizadas em dez maneiras semelhantes, ou que estejam fazendo coisas diferentes, o menor tempo fora destes é o melhor momento, portanto, é preciso analisar por que os outros tomaram vários segundo extra e equalizar este tempo." Assim, quando você registrar e acompanhar seu GLHU (Kosu), você também vai registrar o melhor resultado, e sempre comparar o outro resultado com ele. Embora, GLHU é a soma total do desempenho. Mas, como gestão, é preciso analisar e compreender por que e como você pode obter o melhor resultado e passar a considerar o menor tempo possível, pois reduzir o tempo padrão é como redução de estoques WIP, evita desperdícios e vamos assim observar mais oportunidades para melhorar performance. Créditos do texto a: http://www.linkedin.com/groupItem?view=&gid=4770713&type=member&item=266022 211&trk=groups_search_item_list-0-b-ttl&goback=%2Egna_4770713 http://www.lean.org/FuseTalk/forum/messageview.cfm?catid=44&threadid=5118http:// www.lean.org/FuseTalk/forum/messageview.cfm?catid=44&threadid=6390 http://www.linkedin.com/groupItem?view=&gid=4770713&type=member&item=266708 396 Por: Jose Donizetti Moraes - 26/02/2014

×