Your SlideShare is downloading. ×
Entre os Serviços de Apoio às Bibliotecas Escolares e as Redes Concelhias
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Entre os Serviços de Apoio às Bibliotecas Escolares e as Redes Concelhias

1,137

Published on

Apresentação feita no 1º encontro de bibliotecas escolares e municipais de Vila Real", promovido pelo Centro de Formação da Associação de Escolas de Vila Real. 26 de Janeiro de 2010

Apresentação feita no 1º encontro de bibliotecas escolares e municipais de Vila Real", promovido pelo Centro de Formação da Associação de Escolas de Vila Real. 26 de Janeiro de 2010

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,137
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Uma condição para que qualquer avaliação seja eficaz é que o objecto a ser avaliado esteja bem definido, estabelecendo não só os termos da avaliação mas também os critérios contra os quais o objecto será medido. A avaliação da colecção através do estudo da utilização e dos utilizadores deve levar a uma compreensão mais objectiva do âmbito e da profundidade da colecção, incluindo os seus pontos fortes e fracos, e pode ser usada como um guia para o planeamento da colecção, orçamentação e tomada de decisão.
  • Uma condição para que qualquer avaliação seja eficaz é que o objecto a ser avaliado esteja bem definido, estabelecendo não só os termos da avaliação mas também os critérios contra os quais o objecto será medido. A avaliação da colecção através do estudo da utilização e dos utilizadores deve levar a uma compreensão mais objectiva do âmbito e da profundidade da colecção, incluindo os seus pontos fortes e fracos, e pode ser usada como um guia para o planeamento da colecção, orçamentação e tomada de decisão.
  • Transcript

    • 1. Entre os Serviços de Apoio às Bibliotecas Escolares e as Redes Concelhias Avanços e Recuos na Colaboração entre Bibliotecas Públicas e Escolares José António Calixto
    • 2. Sum á rio
      • Introdução
      • Cooperação inter-bibliotecas
      • Os Serviços de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE)
      • As redes concelhias de bibliotecas
      • E agora… a BIBLIOTECA 2.0
    • 3. Filme
    • 4. COOPERAÇÃO INTER-BIBLIOTECAS
    • 5. Tradição de cooperação entre bibliotecas
      • “ Nenhuma biblioteca pode considerar-se como uma ilha, almejando ter tudo ou mesmo a maior parte do que os seus utilizadores procuram”
      • International Encyclopedia of Information and Library Science
    • 6. Tradição de cooperação entre bibliotecas
      • A cooperação significa a partilha de trabalho, de competências e de dinheiro.
      • PLIS
    • 7. Tradição de cooperação entre bibliotecas
      • EXEMPLOS
        • Catálogos colectivos
        • Empréstimo interbibliotecas
        • Gestão/desenvolvimento de colecções
        • Serviços de referência em linha
    • 8. Tradição de cooperação entre bibliotecas
      • Condições
      • Vantagens
      • Barreiras e obstáculos
    • 9. Tradição de cooperação entre bibliotecas
      • O síndroma “alguma coisa por nada”
      • Evans
    • 10. Cooperação entre bibliotecas
      • Questões/Barreiras
        • Institucionais
        • Legais, políticas e administrativas
        • Tecnológicas
        • Físicas
        • Pessoais
        • Baseadas no conhecimento
    • 11. Cooperação entre bibliotecas
      • Questões pessoais
        • “ Talvez a maior barreira à cooperação sejam as pessoas” (Evans)
        • Resistência à mudança
        • Resistência passiva, inércia, indiferença
        • Pessoal e utilizadores
    • 12. Cooperação entre bibliotecas (Portugal)
      • Tradicionalmente, as bibliotecas não cooperam umas com as outras. Não há uma rede eficaz para a cooperação inter-bibliotecas nem um esquema de empréstimo inter-bibliotecas ou um esquema de especialização temática.
      • PLIS(1996)
    • 13. SERVIÇO DE APOIO ÀS BIBLIOTECAS ESCOLARES SABE
    • 14. Anos marcantes Rede de Bibliotecas Escolares 1996 Rede Nacional de Bibliotecas Públicas 1986
    • 15. Anos marcantes
      • 1986-1996
        • Inauguração das bibliotecas municipais (53)
        • Pessoal especializado, novos recursos físicos e humanos
        • Começaram a ser fortemente utilizadas por alunos e professores
        • Início de uma cooperação (incipiente) entre bibliotecas municipais e escolas
    • 16. Anos marcantes
      • 1996
        • Publicação do Relatório que lançou a RBE
            • Apoio das bibliotecas municipais
            • Propõe os SABE
    • 17. SABE (relatório 1996)
        • Apoiar as bibliotecas escolares, estimulando a sua criação onde não existam ou acompanhando o desenvolvimento das existentes;
        • Promover a articulação das bibliotecas escolares com as outras bibliotecas do concelho, procurando formas de cooperação e rentabilização de recursos;
        • Fornecer recursos físicos e de informação às bibliotecas escolares, nomeadamente às escolas de menor dimensão, e apoiar projectos específicos;
    • 18. SABE (relatório 1996)
        • Prestar colaboração técnica às escolas no domínio da organização, gestão e funcionamento das bibliotecas escolares;
        • Participar na formação contínua dos profissionais envolvidos no serviço de bibliotecas escolares;
        • Fornecer recursos suplementares aos existentes nas escolas, seja através do empréstimo prolongado, seja por empréstimos especiais para projectos específicos;
        • Apoiar o uso eficaz dos recursos, através do aconselhamento na selecção dos recursos ou no desenvolvimento do serviço de biblioteca.
    • 19. SABE (relatório 1996)
        • Os recursos humanos deverão ser em número suficiente e ter formação adequada. É altamente recomendado que este serviço seja coordenado por um bibliotecário em dedicação exclusiva, pelo menos nos concelhos de maiores dimensões, com a colaboração de técnicos adjuntos de biblioteca e documentação;
        • O orçamento da biblioteca pública deverá ser reforçado com verbas dedicadas a este fim, tendo em conta a população escolar do concelho;
        • A biblioteca pública deverá disponibilizar um espaço exclusivamente dedicado a estas funções.
    • 20. Dos SABE às Redes
    • 21. Definição de Rede (net, network)
      • Conjunto de meios técnicos e unidades operativas utilizadas por um sistema para processamento e transferência de informação
      • Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia
    • 22. Rede Bibliotecária (library consortium, library network)
      • Complexo de agências, bibliotecas, centros e serviços de documentação ou informação, integrados num sistema de transferência e obtenção de informações.
      • Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia
    • 23. Rede de Bibliotecas Escolares
      • … redes de bibliotecas concelhias na mais ampla acepção do conceito de rede, usando o catálogo colectivo como um instrumento agregador e desencadeador de sinergias que levem à criação de laços, estruturas e organização que permitam a sua evolução e sustentabilidade e tenham como interface visível um portal que seja o espelho do seu dinamismo e criatividade.
    • 24. Redes Concelhias de Bibliotecas Escolares
      • Rede de Bibliotecas de Alcochete
      • Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
      • Rede de Bibliotecas Interconcelhia de Basto e Barroso
      • Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal
      • Rede de Bibliotecas de Ferreira do Alentejo
      • Rede de Bibliotecas de Gouveia
      • Rede de Bibliotecas de Lousada
      • Rede de Bibliotecas de Mafra
      • Rede de Bibliotecas de Mangualde - Penalva do Castelo
      • Rede de Bibliotecas de Miranda do Corvo
      • Rede de Bibliotecas de Nelas
      • Rede de Bibliotecas de Pombal
      • Rede de Bibliotecas Escolares do Porto
      • Rede de Bibliotecas de S. Brás de Alportel
      • Rede de Bibliotecas de Seia
      • Rede de Bibliotecas de Tábua
      • Rede de Bibliotecas de Tondela
    • 25. E agora… BIBLIOTECA 2.0
    • 26. E agora… a BIBLIOTECA 2.0
      • Centrada no utilizador
      • Disponibiliza uma experiência multimédia
      • Socialmente rica
      • Inovadora ao serviço da comunidade
    • 27. E agora… a BIBLIOTECA 2.0
      • Ferramentas
        • Blogues
        • Wikis
        • RSS
        • Redes Sociais
    • 28. Conclusões
      • Cooperação inter-bibliotecas
      • Os Serviços de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE)
      • As redes concelhias de bibliotecas
      • E agora… a BIBLIOTECA 2.0
    • 29. Obrigado pela atenção Ao vosso dispor [email_address]

    ×