Curso básico em gestão de micros e pequenas empresas

6,950 views

Published on

Jorge Roberto Jeronymo Silva, Curso básico em gestão de micros e pequenas empresas

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,950
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
201
Actions
Shares
0
Downloads
236
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Curso básico em gestão de micros e pequenas empresas

  1. 1. CURSO BÁSICO EM GESTÃO DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS
  2. 2. Prof. Jorge RobertoPós-Graduado em Planejamento e Gestão Estratégica: Fundação Getulio Vargas –FGV/EBAPE/EPGE. Introdução ao Planejamento Estratégico – FGV/Cademp.Pensamento Estratégico – FGV Online. Inteligência Competitiva – FGV Online. Tutorialde Professores – FGV Online. Metodologia do Ensino Superior – Tutorial – FGV Online.Professor da Fundação Getulio Vargas – FGV/Cademp, no seguinte curso: ComoGerenciar em Pequenos e Médios Negócios (2012). Coordenador Acadêmico do Cursode Pós-Graduação (MBA Executive) de Direito Econômico e Empresarial – FGV/EPGE –ACEI, 1997/1998. Professor de Estratégia Empresarial e Consultor de Micros ePequenas Empresas.Contato:www.joroberto.blogspot.com.brE-mail: joroberto2010@gmail.com
  3. 3. CURSO BÁSICO EM GESTÃO DE MICROS E PEQUENAS EMPRESASProgramaElementos de empreendedorismo. Missão/visão. Noções de plano de negócio. Estratégia empresariale Inteligência competitiva. Matriz SWOT. Plano de vendas e pesquisa de mercado. Gestão de serviços.Liderança organizacional. Gestão da qualidade e pessoas. Aspectos financeiros/contábeis/tributação.Público AlvoPessoas com perfil gerencial e inovador, iniciantes ou não, que tenham por objetivo atuar no mercadode micro. Pequenas e médias empresas de qualquer setor da atividade econômica e que buscamatingir sucesso profissional no cenário cada vez mais competitivo e turbulento da globalização e domercado consumidor.MetodologiaAulas expositivas em PowerPoint, seguidas de leitura individual ou em grupo.Carga Horária32 horas/aula.
  4. 4. Elementos de empreendedorismo
  5. 5. ESTUDAR EMPREENDEDORISMO“Existe um crescente interesse nacional e internacional em estudar temas voltados aoempreendedorismo, uma vez que a geração de negócios está diretamente ligada àprosperidade das nações, e a ação empreendedora é o processo dinâmico pelo qual se podegerar mais riquezas. Essa prosperidade é obtida por pessoas que assumem riscos, em termosde patrimônio ou comprometimento. Tais pessoas são chamadas empreendedores e podemser encontradas em diversas situações.”FARAH, Osvaldo Elias. CAVALCANTI, Marly. DIAS, Elaine Aparecida. JUNQUEIRA, Carmen Rita Cardoso. Capítulo 1 - OEmpreendedor. Empreendedorismo estratégico: criação e gestão de pequenas empresas.FARAH, Osvaldo Elias. CAVALCANTI, Marly. MARCONDES, Luciana Passos (orgs.). São Paulo: Cengage Learning, 2008, p. 1.
  6. 6. “O empreendedor é o responsável pelo processo de destruição criativa, sendo oimpulso fundamental que aciona e mantém em marcha o motor capitalista,constantemente criando novos produtos, novos métodos de produção, novos mercadose, implacavelmente, sobrepondo-se aos antigos métodos eficientes e mais caro.”SCHUMPETER, J. “Managers and entrepreneurs: a useffill disction.” Administrative science quaterly. V. 42,p. 429-51, 1959. “Teoria do Desenvolvimento economico.” Joseph Alois Schumpeter (1883-1950).
  7. 7. SCHUMPETER descreve cinco fatores que modificam o ambiente econômico:1 – Criação de novo negócio2 – Introdução de novo método de produção3 – Introdução de novo bem (produto ou serviço)4 – Abertura de novos mercados5 – Descoberta de novas fontes de matéria prima
  8. 8. INOVAR“Inovação é o ato de atribuir novas capacidades e recursos (pessoas e processos)existentes na empresa para gerar riquezas.” Peter Drucker
  9. 9. EXEMPLO DE INVENÇÃO“Criatividade, frequentemente, consiste em girar em torno do que já existe. Você sabia que sapatos em formato diferente para os pés direito e esquerdo só foram inventados no fim do século XIX?” Bernice Fritz-Gibbon
  10. 10. KOPENHAGENRenata de Moraes Vichi, vice-presidente da empresa.“O empreendedor tem que estar sempre atento às mudanças de mercado, visandoinovar e ir ao encontro das preferências dos seus consumidores, com a preocupação deatender o interesse do investidor, motivar o colaborador e garantir a satisfação dopúblico. Esta é a missão e a mensagem da Kopenhagen para todos que, assim comonós, lutam por um Brasil melhor.”In, Abra uma loja para o sucesso. Ferreira, Orlando; Pivetti André; Araújo, Luisa.Bom Texto Editora. Capitulo XVI > O que as empresas de sucesso têm a dizer, p. 211.
  11. 11. AS DEZ CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDORBusca de oportunidade e iniciativa (se antecipar aos fatos e criar novas oportunidades denegócios)Persistência (enfrentar os obstáculos decididamente)Correr riscos calculados (assumir desafios ou riscos moderados e responder pessoalmentepor eles)Exigência de qualidade e eficiência (decisão de fazer sempre as expectativas de prazos epadrões de qualidade)Comprometimento (com o cliente e com o próprio empresário)Busca de informações (busca pessoalmente, consulta especialistas)Estabelecimento de metas (estabelece metas de longo e curto prazo mensuráveis)Planejamento e monitoramento sistemáticos (planeja e aprende a acompanhá-losistematicamente a fim de atingir as metas a que se propôs)Persuasão e rede de contatos (saber persuadir e utilizar sua rede de contatos atuandopara desenvolver e manter relações comerciais)Independência e autoconfiança (busca autonomia em relação a normas e procedimentospara alcançar o sucesso).http://empretec.sebrae.com.br/2010/05/05/as-dez-caracteristicas-do-empreendedor/ Acesso: 12.09.2012/19:40.
  12. 12. - Otimiza os recursos visando atingir metas - Estabelece as metas e os objetivos parapreestabelecidas depois conseguir recursos- Busca adaptar-se às mudanças - Busca iniciar mudanças- Trabalha dentro de uma estrutura existente Define tarefa e papéis que criam uma estrutura na organização- Busca conhecimentos gerenciais e técnicas - Apoia-se na autoconfiança, na sua própria visão e na capacidade de inovação e criação de valor- Padrão de trabalho implica análise racional - Padrão de trabalho implica imaginação e criatividade- Foca o trabalho em grupo - Foca a evolução individual e a comunicação do grupo- Trabalha centrado em processosque levam - Trabalha centrado no planejamento deem conta o meio em que eles se desenvolve m processos que resultam de uma visão diferenciada do meio- Apoia-se na cultura da afiliação - Apoia-se na cultura da liderança- Desenvolve padrões em busca de aplicações - Desenvolve padrões em busca de regrasconcretas e específicas gerais e abstratas- Enfatiza a adaptabilidade - Enfatiza a perseverança- Busca do conhecimento em gerenciamento de - Busca do conhecimento que elevam arecursos da própria especialização ocupação de espaço no mercado Fonte adaptada: Adminstração.com.br, 2009.
  13. 13. MOTIVAÇÕES EMPREENDEDORAS1. Motivações pessoais:• Tradição familiar• Colocar conhecimentos adquiridos em prática• Necessidade de autorrealização profissional• Necessidade de reconhecimento (status)• Contribuir para o desenvolvimento social• Necessidade de ser seu próprio chefe2. Motivações materiais• Ganhar dinheiro (Aumentar renda ou ficar rico)• Disponibilidade de recursos• Porque estava desempregado• Visualização de oportunidade inovadora• Existência de órgão de apoio e financiamento• Mercado aquecidoFonte: Adaptado da Unipem
  14. 14. “todo mundo sabia que era impossível de ser feito até que um dia veio alguém e fez.” Winston Churchill “E como ele não sabia que era impossível, foi lá e fez.” Jean Cocteau
  15. 15. “Foi estabelecido cientificamente que a mamangava não pode voar.Sua cabeça é grande demais e suas asas pequenas demais para sustentar o corpo. Segundo as leis da aerodinâmica, ela simplesmente não poderia voar. Mas ninguém disse isso a mamangava. E assim ela voa.” Autor desconhecido
  16. 16. “O sábio pergunta a si próprio a causa de seus fracassos. O insensato pergunta aos outros.” Confúcio
  17. 17. Massa de renda (em bilhões de R$)Classe A 216, 1Classe B 329,5Classe C 427,6Classe D 381,2Classe E 25,0Fonte: IBGE, PNAD 2002 – 2008 (adaptada)Revista Meu Próprio Negócio – Editora Online
  18. 18. Critério adotado para conceituar micro e pequena empresa é a receita brutaanual, cujos valores foram atualizados:Lei Federal nº 9.641/99 – Estatuto da Micro e Pequena Empresa, modificadapelo Decreto nº 5.028/04 utiliza o faturamento como critério paraenquadramento em uma ou outra categoria:• Microempresa: receita bruta anual igual ou inferior a R$ 433.755,14 (quatrocentos etrinta e três mil, setecentos e cinqüenta e cinco reais e quatorze centavos);• Empresa de Pequeno Porte: receita bruta anual superior a R$ 433.755,14 e igual ouinferior a R$ 2.133.222,00 (dois milhões, cento e trinta e três mil, duzentos e vinte edois reais).Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas aprovadas no Congresso Nacionalem 2006 amplifica e unifica o conceito, estendendo benefícios fiscais eburocráticos a um maior número de estabelecimentos:• Microempresa: receita bruta anual igual passa de R$ 240 mil para R$ 360 mil;• Empresa de Pequeno Porte: receita bruta anual sobe de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6milhões;• Empreendedor Individual: sobe de R$ 36 mil para R$ 60 mil;O Simples Nacional reúne seis impostos federais - IRPJ, IPI, PIS, Cofins, CSLL e INSSpatronal, mais o ICMS recolhido pelos estados e o ISS recolhido pelos municípios.
  19. 19. LEI Nº 12.441, DE 11 DE JULHO DE 2011Altera a Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para permitir aconstituição de empresa individual de responsabilidade limitada.DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADAArt. 980-A. A empresa individual de responsabilidade limitada será constituída poruma única pessoa titular da totalidade do capital social, devidamenteintegralizado, que não será inferior a 100 (cem) vezes o maior salário-mínimovigente no País.
  20. 20. Sociedade simplesTrata-se de sociedades que exploram a atividade de prestação de serviços decorrentesde atividades intelectuais e de cooperativa. Organizada por no mínimo duas pessoas,tem o objeto lícito descrito em seu contrato social, de natureza essencialmente nãomercantil, onde para a execução de seu objeto, os sócios recaiam na exceção previstaacima, ou seja, exerçam profissão intelectual, de natureza científica, literária ouartística, mesmo que para a execução necessitem de auxiliares ou colaboradores.Exemplos: Cooperativas e representações comerciais.Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002.
  21. 21. Sociedade Empresária LimitadaSociedade por quotas com responsabilidade limitadaÉ constituida quando duas ou mais pessoas se juntam para criar uma empresa,formando uma sociedade empresária, através de um contrato social onde constaráseus atos constitutivos, bem como as formas de operação, as normas da empresa e ocapital social, sendo que este será dividido em cotas de capital, o que indicará que aresponsabilidade pelo pagamento das obrigações da empresa será limitada àparticipação dos respectivos sócios.
  22. 22. A EPP optante pelo Simples Nacional em 31 de dezembro de 2011 que durante o ano-calendário de 2011 tenha obtido receita bruta total anual entre R$ 2.400.000,01 (dois milhões, quatrocentos mil reais e um centavo) a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) continuará automaticamente incluída no Simples Nacional, ressalvado o direito de exclusão por comunicação da optante. União: IRPJ, IPI, CSLL, PIS/PASEP, COFINS e INSS patronal Estados: ICMS Município: ISS
  23. 23. Contrato Social> É o documento principal de uma empresa. Tem como teor a formação e funcionamentoda sociedade empresarial .> Em se tratando de Sociedade Limitada (Ltda) o contrato deve trazer, principalmente:- a sede da empresa e seu objeto;- o quadro social (quem são o sócios e em que proporção é a participação de cada);- a composição da administração e os poderes do administrador - sócio ou não;- se existirem mais de doze sócios se farão necessárias cláusulas adicionais, como formaçãoe periodicidade das reuniões para aprovação de balanço, etc.Capital SocialÉ o valor do negócio aos acionistas. Inclui o valor das cotas/ações emitidas mais as reservasde lucro, igualando-se, portanto, ao valor líquido no mercado.Capital de GiroÉ o valor do capital em dinheiro e está vinculado à gestão cotidiana do respectivo negóciotais como estoques, contas a receber, caixa pequeno, tributos devidos
  24. 24. Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) Funciona como um cartório eletrônico, pois a empresa pode adquirir uma chavecriptografada para ser sua assinatura digital. O chip fornecido pelo Banco do Brasil oferece condição do empresário assinarum contrato eletrônico onde quer que esteja situado.
  25. 25. ABERTURA DA EMPRESARegistro da empresa no seguintes órgãos:•Junta comercial;•Secretaria da Receita Federal (CNPJ);• Secretaria Estadual de Fazenda - ICMS;• Secretaria Municipal de Fazenda – ISS;•Prefeitura do Município para obter alvará de funcionamento;• Enquadramento da Empresa na Entidade Sindical Patronal (a empresa ficará obrigada•A recolher anualmente a Contribuição Sindical Patronal;• Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social –nINSS/FGTS”;• Corpo de Bombeiros;• Visita prévia do fiscal da Prefeitura local;• Obtensão de alvará conforme o Código Sanitário. Se for no âmbito federal, caberá aAgencia Nacional de Vigilância Sanitária. No que concerne a parte estadual emunicipal, fica a cargo das Secretarias Estadual e Municipal de Saúde.
  26. 26. PASSOS A SEGUIR: Definir a missão (razão de ser do negócio) e a visão do negócio (futuro); Fazer análise FOFA; Estipular metas e objetivos (estados desejados); Elaborar estratégias; Criar mecanismos de implementação do planejado; Controlar os processos, bem como dar e receber feedbak.
  27. 27. DIRETRIZES ESTRATÉGICAS Processo de definição do negócio: o que fazemos hoje? O que devemos continuarfazendo? O que nossos concorrentes estão fazendo? Qual o interesse em nossos produtos?Quem são nossos clientes? Qual é a nossa vantagem competitiva? Elaboração da visão: Nokia: Vendemos celulares (visão restrita) ou conectamos pessoas? (visão ampla). Determinação da missão: a razão da existência da organização; Determinação dos valores fundamentais: Empresa Perdigão.Confiabilidade: confiáveis, éticos e transparentes; Qualidade: obsessão pela qualidade;Participação: Somos comprometidos com o que fazemos e fazemos com garra; Simplicidade:resolvemos problemas de forma rápida e prática; Pessoas: valorizamos o espírito de equipe;Eficiência: praticamos uma gestão que valoriza a eficiência e a lucratividade, evitandodesperdício; Responsabilidade socioambiental: temos e teremos , cada vez mais, um papelimportante como agente de desenvolvimento social nas localidades onde atuamos.** Este texto foi adaptado para aula de diretrizes estratégicas. Texto completo no saite da Perdigão.
  28. 28. Diálogo entre Alice e o Gato Cheshire em Alice no País das Maravilhas “Pode dizer-me que caminho devo tomar?” - perguntou Alice.“Isso vai depender do lugar para onde quer ir” - respondeu o Gato. “Não tenho destino certo” - disse Alice. “Nesse caso, qualquer caminho serve” - disse o Gato.
  29. 29. Obrigado a todos (as) e bons negócios! Prof. Jorge Roberto E – MAIL: joroberto2010@gmail.com

×