• Save
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II

on

  • 6,402 views

 

Statistics

Views

Total Views
6,402
Views on SlideShare
6,396
Embed Views
6

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 6

http://www.slideshare.net 6

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II Presentation Transcript

  • 1. II Mostra Interdisciplinar de cultura e ciência Projeto: Cidade em debate Pirenópolis
  • 2.
    • Colégio Estadual Cultura e Cooperativismo
    • Goiânia, novembro de 2006
    • 3º “A” Grupos:
    • 1.Histórico de Pirenópolis;
    • 2.Arte e literatura;
    • 3.Urbanização.
  • 3.
    • Grupo 1
    • Histórico de Pirenópolis
    • Alunos:
    • *Francielle
    • *Giselle
    • *Jaqueline
    • *Willian
    • *Stefany
    • *Jadde
  • 4. Pirenópolis
  • 5. Geo-história
    • O estado de Goiás pode ser dividido em duas partes:
      • Planalto
      • Mato-grosso-goiano
    • Pirenópolis de 1727 à 1995
    • Localiza-se aos pés da Serra dos Pireneus
    • Suas atrações são:
  • 6.
      • Edifícios históricos da arquitetura colonial
      • Belas cachoeiras
      • Festas populares tradicionais
  • 7. Goiás
    • Goiás entra na história como Minas do Goyazes.
    • Fundação do primeiro arraial:
      • Arraial Sant’Anna - geograficamente se encontra deslocada, como centro de operações no território goiano.
      • climaticamente exposta aos rigores de uma insolação concentrada, sem ventilação.
  • 8.
      • “ Há ouro e água, isto basta”, este será o critério com que irão surgindo os demais arraiais.
    • O desenvolvimento urbano goiano pode ser esboçado da seguinte maneira:
      • Sítios mineradores
      • Cidades-patrimônio
      • Cidades surgem através do planejamento urbano
  • 9. Meia Ponte
    • A fundação de Meia Ponte vincula-se à mineração
      • integração com a metrópole
    • Localização no entroncamento de caminhos vitais para a província.
    • Participação como entreposto comercial durante o período minerador.
    • No início do século XX, sua localização tornou-se desfavorável.
  • 10.
    • Joaquim Alves de Oliveira iniciou uma série de medidas tentando ligar Goiás à Corte
    • Tornou-se membro da Junta de Governo Provincial
    • Adquiriu uma tipografia na cidade do Rio de Janeiro, trazendo-a para a província no dia 31 de dezembro de 1829.
  • 11.
    • A Matutina Meiapontense começou a circular no dia 5 de março de 1830.
    • Em 1830 inaugura-se a primeira biblioteca pública da província.
    • No ano de 1831 criou-se a Guarda Nacional.
    • Em 1853 o arraial de Meia Ponte foi elevado a categoria de Vila e promovido a
  • 12. Categoria de cidade
  • 13. História da Matriz
      • Restauração (1996-1999)
      • Incêndio (2002)
      • Salvamento Emergencial
      • Restauro de Agora (2003-2006)
  • 14. Histórico de Pirenópolis
    • Em 1500
      • Na época do descobrimento do Brasil, a região onde hoje se aninha a cidade de Pirenópolis era povoada pelos índios da nação Caiapó.
      • Os primeiros colonizadores estrangeiros chamavam esta região de “Paraupava”, é o que hoje chamamos de Planalto Central Brasileiro.
  • 15.
    • Em 1600
      • A mais antiga expedição documentada que por estes confins andou foi a do português Sebastião Marinho, no final do séc. XVI.
      • A mais famosa foi a do paulista Bartolomeu Bueno, o Anhanguera.
    • Em 1700
      • Bartolomeu Bueno da Silva Filho é expulso das Minas Gerais.
  • 16.
      • Se estabeleceu em um local chamado de “Meia Ponte”.
      • Em 1718 remeteu uma carta ao governador da Província de São Paulo, para firmar um acordo de demarcação e exploração do território dos gentios Goiás.
      • Ofereceu ao Conde os locais das minas de ouro em troca do usufruto das passagens sobre os rios.
  • 17.
      • Em 1726, Anhanguera se estabeleceu em Vila Boa (atual cidade de Goiás).
    • Em 1727
      • O arraial foi fundado em 7 de outubro de 1727.
      • O ouro abundava às margens do rio das Almas.
      • O ouro sacado dos cascalhos do rio era controlado por Tomar e transportado diretamente para Salvador e Portugal.
  • 18.
      • Meia Ponte era o centro comercial para onde confluíam todas as estradas oficiais.
    • Em 1750
      • A cidade se expandiu
      • Os pretos construíram uma igreja própria, a de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.
    • Em 1800
      • O ouro do aluvião acabou, levando muitos
  • 19.
      • Mineradores à bancarrota e expulsando aventureiros.
      • Joaquim Alves de Oliveira fez fortuna, distribuindo riquezas.
    • Em 1851
      • Após a morte de Joaquim Alves, a cidade pouco a pouco vai perdendo expressão.
      • Pirenópolis some do cenário glorioso de outrora.
  • 20.
    • Em 1960
      • A população de Pirenópolis retoma novo crescimento.
      • Auge na população rural em 1970.
      • Reconhecimento nacional por meio do turismo histórico e ecológico.
    • Em 2000
      • Valorizada pelas tradições, histórias e bucolismo.
  • 21.
    • Ameaçada por excessos populacionais e crescimento desordenado.
  • 22.
    • Anexos
  • 23. Igreja Matriz Nossa Senhora do Rosário
  • 24. Igreja Senhor do Bonfim
  • 25. Cachoeira do Lázaro
  • 26. Ponte Rio das Pedras
  • 27. Rua típica da cidade
  • 28. Fazenda Babilônia
  • 29. Grupo 2 História, Arte e literatura
    • Alunos:
    • Adriane
    • Jennyfer
    • Lucas
    • Marcelly
    • Murillo
    • Pablinne
    • Priscilla
    • Thais
  • 30. 1.0 - Conceito Histórico;
    • Pirenópolis é considerada como o berço da cultura goiana. Foi lá que surgiram as primeiras obras sacras, como as igrejas, imagens e retábulos; o primeiro jornal – Matutina Meia pontense; a primeira biblioteca; o primeiro cinema; etc .
  • 31.
    • Entre os edifícios coloniais destacam – se a Igreja Nossa Senhora do Rosário, a mais antiga do estado de Goiás, construída entre 1728 e 1732 . No período colonial, a Igreja Nossa Senhora do Rosário foi erguida por escravos. Sua construção tem os alicerces de pedras e suas paredes de barro socados, com torres e fachadas com estrutura de madeira. É considerado o maior monumento do estado de Goiás.
  • 32.  
  • 33.
    • Em 5 de setembro de 2002, um incêndio destruiu grande parte da construção, mas o IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional reconstruiu toda a parte danificada pelo incêndio.
  • 34.
    • Alem da matriz outros edifícios Históricos como a Igreja Nossa Senhora do Bonfim e a Igreja Nossa Senhora do Carmo também foram construídas na época.
  • 35.
    • Construída entre os anos 1750 e 1754, pelo minerador Luciano Nunes Teixeira em estilo colonial. Está localizada à margem direita do Rio das Almas, usada na época como capela particular da família Frota.
    • É a terceira Igreja construída na cidade. Em 1992 foi restaurada pelo IPHAN.
  • 36. 2.0 - Arte, Artesanato e Economia;
    • Muitos comerciantes são de outros lugares e se estabelecem em Pirenópolis atraídos pelo potencial turístico da cidade, sendo que muitas mulheres são proprietárias de restaurante e lojas de artesanato e roupas.
  • 37.
    • Com grande potencial de minério, o município tem varias lojas de artesanato e é reconhecido como a capital da prata em Goiás.Atualmente sua economia é baseada na produção agrícola, tendo como principais produtos o algodão e a cana - de - açúcar.
  • 38.
    • A atividade artesanal que mais se destaca é a produção de jóias em prata, que passou a ser tradição em Pirenópolis desde a década de 70, gerando centenas de empregos melhorando a renda per capita da população
  • 39.
    • O artesanato típico é aquele que servia de utensílios, como as panelas e potes de barro, os tecidos de tear rústicos, e os balaios e cestas de palha. Crochê, costura, doces e licores também fazem parte deste rol.
  • 40. 3.0 - Gastronomia;
    • Sem dúvida, uma das maiores atrações de Pirenópolis é a sua culinária.
  • 41.
    • Da tradicional mesa goiana ao glamour dos molhos franceses, pratos são variados e gostosos.
    • Como:
    • Bolo de mandioca enrolado na palha de bananeira;
    • Doce de melancia em calda;
  • 42.
    • Arroz com pequi
  • 43.
    • A decoração dos restaurantes da Rua do Lazer impressiona. No Lê Bistrô, por exemplo, serve-se champagne á meia-luz, em ambiente requintado e romântico. Folhas de louro espalhadas pelo chão dão o toque criativo. E assim a culinária da cidade vai ficando cada dia mais requentada.
  • 44. 4.0 - Cultura;
    • Dentre as festas populares, destaca-se a Festa do Divino Espírito Santo, que acontece 45 dias após a Semana Santa. A festa, com suas cavalhadas, é considerada uma das maiores atrações folclóricas da América do Sul.
  • 45.
    • Na antiguidade Israelita cultuavam o Espírito Santo nas festividades de Pentecostes. Esta devoção foi levada a Europa na baixa idade média e nos estados alemães tomou a forma de uma festa, onde o soberano recolhia fundos para proverem desamparados em época da penúria.
  • 46.
    • Esta festa foi instituída em Portugal pela Rainha Isabel de Portugal no século XIII. Acabou tomando a seguinte forma: Era coroado um rei menino que distribuía alimentos e soltava presos políticos. Era como uma espécie de profecia: Quando o Espírito Santo cair sobre todos, haverá um monarca bom e puro como um menino e a terra repleta de fartura e perdão.
  • 47.
    • Trazida ao Brasil pelos portugueses logo nos primórdios da colonização, teve em Pirenópolis o primeiro registro em 1819, promovida pelo Coronel Joaquim da Costa Teixeira, consagrado como Imperador cabe a responsabilidade de promover e cuidar para que tudo se realize com ordem, incentivando, angariando, a ponto de liberar da cadeia presos políticos, o que realmente era feito
  • 48.
    • Poucos anos após, mas precisamente em maio de 1826, o Festeiro, como também é chamado o Imperador, Padre Manuel Amâncio da Luz introduziu as Cavalhadas e mandou confeccionar uma coroa da pura prata, a Coroa do divino, oferecendo-a Igreja Matriz.
  • 49.
    • Reconhecida como uma das mais significativas cavalhadas do Brasil, esta festa virou símbolo, modelo para outras cidades. A pompa, a garbosidade e a seriedade desta manifestação encantam a todos.
  • 50.
    • No Brasil esta representação dramática foi introduzida, sob autorização da Coroa, pelos jesuítas com o objetivo de catequizar os gentios e escravos africanos, mostrando nisto o poder da fé cristã.
  • 51.
    • Introduzida em Pirenópolis em 1826, pelo padre Manoel Amâncio da Luiz, como um espetáculo chamado de “o Batalhão de Carlos Magno”.
  • 52.
    • Pirenópolis manteve forte esta tradição, uma porque os primeiros colonizadores desta antiga cidade mineradora eram, em sua maioria, portugueses oriundos do norte de Portugal, local onde mais se resistiu à invasão moura, outra porque o caráter centralizador da população dominante viu com bons olhos o efeito separatista entre as classes sociais.
  • 53.
    • Porém o que mais motiva a população a manter viva a infindável rixa entre muçulmanos e cristãos é a beleza do espetáculo e o prazer pela montaria.
  • 54.
    • As Cavalhadas de Pirenópolis, considerada uma das mais expressivas do Brasil, é um longo ritual de três dias seguidos, cujos preparativos começam uma quinzena antes, no início da Festa do Divino, que e marcada pela saída da Folia.
  • 55. 5.0 - Artistas;
    • Muitos artistas consagrados nasceram em pirenópolis, alguns exemplos:
    • PersioForzoni: Nascido em 08 de fevereiro de 1931, começou a pintar com carvão aos 8 anos de idade. Por ter nascido com uma deficiência física.
  • 56.
    • José Inácio Santeiro: Nascido na fazenda Santa Rita a 22 km de Pirenópolis no dia 17 de março de 1949. Consagrou-se logo cedo como artista, inspirado presépios de barro de sua avó que aos 7 anos, já ajudava a fazer, conserta e reforma outros presépios da localidade.
  • 57.
    • José Joaquim Veiga Valle: Nascido na fazenda Morro Grande, na divisa dos municípios de Pirenópolis e Corumbá, é um escritor Famoso no mundo inteiro. Precursor do Realismo Fantástico, dentre suas obras pode-se citar: Os Cavalinhos do Plaitiplano, a hora dos Ruminantes, a Sombra dos Reis Barbudos, A Estranha Maquina Extraviada, de Jogos e Festas e os Pecados da Tribo.
  • 58.
    • Escreveu também para o público infantil e foi correspondente da BBC de Londres durante a 2ª guerra. Veiga Valle escultor goiano do barroco tem obras espalhadas por todo Brasil, talhadas em madeira. Seu museu Fica na cidade de Goiás, mesmo tendo nascido em Pirenópolis em 1906. Alem de escultor Veiga Valle era pintor e restaurador.
  • 59.
    • Maria de Beni: Nasceu e viveu na cidade de Pirenópolis, as peças dela fazem parte do acervo do importante museu Folclores Edison Carneiro.
  • 60. Grupo 3 Urbanização
    • Alunos:
    • *Adriano Alves
    • *Cleydielle Caroline
    • *Danilo Oliveira
    • *Déborah Araújo
    • *Ellen Teixeira
    • *Jefferson Lima
    • *Kamilla Rodrigues
    • *Luís Carlos
    • *Rafaela Valéria
  • 61. PIRENÓPOLIS 1726 / 2006 CIDADE COLONIAL NOME PRIMITIVO: ARRAIÁ DO MEIA PONTE
  • 62.
    • SURGIMENTO
    • # ROTAS COMERCIAIS
    • PONTO DE PARADA DOS VIAJANTES
    • # CICLO DO OURO
    • - BANDEIRISMO
    • - APOGEU (1726 / 1750)
    • - DECADÊNCIA (1750 / 1780)
  • 63. URBANIZAÇÃO - DESARTICULADA - DESESTRUTURADA - ATENDIA ÁS NECESSIDADES DA ÉPOCA - SEM PLANEJAMENTO URBANO
  • 64.
    • # DESENVOLVIMENTO AO LONGO DE SEU PRINCIPAL RIO :
    • RIO DAS ALMAS
    • (EXTRAÇÃO MINERAL)
    • # PRINCIPAL VIA DE TRANSPORTE
  • 65.
    • GEO-HISTÓRIA
    • # LOCALIZAÇÃO:
    • AOS PÉS DA SERRA DOS
    • PIRINEUS
    • # LUGAR ANTIGAMENTE HABITADO POR
    • TRIBOS INDÍGENAS
    • FORAM EXTERMINADOS PELA
    • COLONIZAÇÃO
  • 66.
    • ISOLAMENTO ECONÔMICO :
    • # (1890 / 1930)
    • DEVIDO AO DESVIO DAS ROTAS
    • COMERCIAIS
    • # URBANIZAÇÃO DESACELERADA
    • # CRESCIMENTO APÓS (1930)
  • 67. CARACTERÍSTICAS GERAIS : # PRAÇAS EM FRENTE ÀS IGREJAS # RUAS DIRECIONADAS AOS PRINCIPAIS CENTROS HISTÓRICOS
  • 68. # CASAS COM ESTRUTURAS E FORMATOS SEMELHANTES # CALÇADAS E RUAS ESTREITAS, EM MAIORIA COM DECLÍNIOS
  • 69. # TEMPLOS HISTÓRICOS SÃO AS MAIORES CONSTRUÇÕES # RUAS DE PEDRAS # DESENVOLVIMENTO URBANO EM SENTIDO ``NORTE´´
  • 70. # INÍCIO DA URBANIZAÇÃO 1727
  • 71. # ÁREAS URBANAS DESENVOLVIDAS
  • 72.
    • BIBLIOGRAFIA
    • WWW. PIRENÓPOLIS .COM
    • AULA DE CAMPO
    • - AUXÍLIO DE MESTRES