1Introdução à Espiritualidade Jorge Wilson Nogueira Neves      Igreja Batista Memorial de Alphaville
2                                     ÍndicePág. Temas3    Apresentação4    Eu, a Palavra , a Trindade e a oração.5    Ora...
3                                 ApresentaçãoA razão pela qual resolvi escrever essa Introdução à Espiritualidadequando e...
4                        Eu, a Palavra, a Trindade e a oração.As imagens do Pai e a minha narrativa pessoalNo começo da or...
5                              Orar - com ou sem pautasUma vez me contaram de alguém que queria orar e procurava um amigo ...
6      "Não é tanto que Deus tenha criado as coisa de que estou falando; a questão é que Ele      as pronunciou antes de f...
7                          Nossa relação com a Palavra do PaiA Igreja recebeu como missão a de proclamar o Evangelho de Je...
8Paulo também ensinou que:      “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a    ...
9                                         O Jejum                  " Vieram depois os discípulos de João e lhe perguntaram...
10      anuncia ao meu povo a sua transgressão e à casa de Jacó, os seus pecados.      58.2 Mesmo neste estado, ainda me p...
11                                A Bíblia em nossa oraçãoA historia da leitura afetiva da Palavra ou Lectio Divina.Quando...
12                        A Lectio Divina no Antigo TestamentoEm 1437, Gutemberg inventou o tipo móvel e, em pouco tempo, ...
13Outro exemplo, agora com o rei Josias - 2 Reis 22:8 a 23:3:      “Então, disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Saf...
14        que hoje te ordeno, que ames o SENHOR, teu Deus, andes nos seus caminhos, e        guardes os seus mandamentos, ...
15                                        Os salmosO salmo era poesia musicada e cantada no espaço do culto a Deus e nele ...
16      " Em Cantares de Salomão, livro que apresenta essa linguagem espiritual dos salmos,      vemos a sulamita dizendo ...
17Os salmos 103 e 104 demonstram que Deus esta sempre cuidando de nosNos salmos 131 e 133 há o ensino que Deus esta presen...
18*Sousa ,RB. Janelas para a vida ;Curitiba; Editora Encontro,1999. p 40-41                          Igreja Batista Memori...
19                                        Misticismo?O Dicionário Houaiss define místico como:       1 referente aos misté...
20  As Alianças Deus com Seu povo e sua implicação em nossa espiritualidadeQuando a primeira Aliança (Exodo19) foi ratific...
21                            Lectio em o Novo TestamentoA Palavra que toca a mente e o coraçãoA parábola do semeador ou d...
22      Quais? E explicaram: O que aconteceu a Jesus, o Nazareno, que era varão profeta,      poderoso em obras e palavras...
23      servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e profetizarão. Mostrarei prodígios      em cima no céu e sinais ...
24                       O Novo Testamento interpreta o AntigoExistem 278 versículos do Antigo Testamento citados no Novo ...
25                   A relação emocional de Jesus com os salmosNo cântico de Maria em Lucas 2 percebe-se cerca de quinze c...
26negócio. Lembraram-se os seus discípulos de que está escrito:O zelo da tua casa me consumirá (negrito nosso).”          ...
27                                         Como ler a Bíblia?Ao lermos a Bíblia, temos de buscar a Palavra nas palavras e ...
28A Lectio divina é um diálogo e nos faz participar do mistério do Cristo que habitaem nós. Quando lemos a Palavra no cult...
29produza em nos as mudanças que o Pai deseja (e nós também amamos o Pai equeremos fazer toda a Sua vontade) torna-se árid...
30O que ler na Bíblia? Por onde começar?Os Evangelhos devem ter preeminência na nossa leitura, mas toda a Escritura devese...
31                                      As ParábolasNo segundo ano de seu ministério, aparentemente, Jesus dá uma guinada ...
32emitirem preceitos moralistas. Elas são uma narrativa menor dentro danarrativa maior (o advento do Evangelho da Graça).T...
33                                       A quietudeO silêncio perante Deus melhora nossa oração.Estar quieto e em silencio...
34satisfeitos. Mas, a Bíblia faz referência a um Deus que sente tristeza, que é pessoalque quer se relacionar, falar, conv...
35pois meu coração pode me enganar, mas as respostas do Pai vêem para o homemque eu realmente devo ser”. Procure “estar pr...
36        Desenvolvendo comunidades com base na oração e santificaçãoAmizades com ênfase na oração são vacina contra o ind...
37      dormindo; e disse a Pedro: Simão, tu dormes? Não pudeste vigiar nem uma hora?      Vigiai e orai, para que não ent...
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Intro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Intro

1,467

Published on

Published in: Spiritual, Travel
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,467
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Intro"

  1. 1. 1Introdução à Espiritualidade Jorge Wilson Nogueira Neves Igreja Batista Memorial de Alphaville
  2. 2. 2 ÍndicePág. Temas3 Apresentação4 Eu, a Palavra , a Trindade e a oração.5 Orar - com ou sem pautas7 Nossa relação com a Palavra do Pai9 O Jejum11 A Bíblia em nossa oração12 A Lectio Divina no Antigo Testamento15 Os salmos19 Misticismo?20 As Alianças Deus com Seu povo21 Lectio em o Novo Testamento24 O Novo Testamento interpreta o Antigo25 A relação emocional de Jesus com os salmos27 Como ler a Bíblia31 As Parábolas33 A quietude36 Desenvolvendo comunidades com base na oração38 Obstáculos à oração40 Poder na oração?42 Espírito Santo,o companheiro necessário44 O Pai Nosso - a oração que Jesus ensinou e que o Pai aceita50 Orando em submissão51 O mistério da Trindade58 O confissão do pecado60 A Ceia do Senhor e eu63 Em tempos de pós modernismo Igreja Batista Memorial de Alphaville
  3. 3. 3 ApresentaçãoA razão pela qual resolvi escrever essa Introdução à Espiritualidadequando existem tantas obras na área foi , à partir da minha visão de leigo,compartilhar ensinamentos que gostaria que me tivessem sido ensinadosdesde o início de minha vida cristã.Muitas vezes sucumbimos ao ativismo religioso que enfatiza ferramentas,métodos e programas de igrejas-modelo que não nos ensinam o caminho doafeto com a Trindade. Outras vezes somos apresentados àquele modelo deigreja voltado para a busca da catarse emocional ou , “dos eventosextraordinários em detrimento do de uma espiritualidade vivenciada no gestosimples do cotidiano“, como diz o Pr Osmar Ludovico .São alguns temas ligados à Espiritualidade Clássica e à DoutrinaReformada. Tentei ser conciso para não cansar o leitor. AgradecimentosAgradeço aos pastores Osmar Ludovico da Silva , James Houston eRicardo Barbosa de Sousa pelos ensinamentos que deles adquiri em seuscursos e livros. Agradeço ao Pastor Sidney Costa a oportunidade dautilização desse texto na Igreja Batista Memorial de Alphaville. DedicatóriaDedico este e-book à minha esposa Maria Amélia que fez a revisão dotexto, minhas filhas Lidia, Heloisa e Marina, meus genros Daniel e Rodrigo eminha neta Maria Teresa , todos bênçãos e inspiração na minha vida. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  4. 4. 4 Eu, a Palavra, a Trindade e a oração.As imagens do Pai e a minha narrativa pessoalNo começo da oração sacerdotal, tendo em vista a proximidade de sua morte ,Jesus ora desta forma: "E a vida eterna é esta: que eles conheçam a ti, que és oúnico Deus verdadeiro; e conheçam também Jesus Cristo, que enviaste aomundo". (João 17:3 BLH)A vida eterna não é vida após a morte , mas é uma vida que hoje já participa daeternidade.É uma vida que começa quando conhecemos o Pai. Deus e o serhumano se unem e o tempo e a eternidade se encontram.Esta é a vida que todosdesejamos!Jesus fala , nessa oração, que vida eterna é igual a "conhecer". Mas, vida não é"experiência"?Na bíblia hebraica a palavra "conhecer" é também utilizada para a vida sexual emque um "conhece " o outro. No grego - gignoskein - está relacionada a ver,compreender e perceber.Quando eu conheço a Deus, tenho parte com Ele, participodo abraço que une Pai, Filho e Espírito.Desse abraço depende a minha autoimagem.É o reto conhecimento que tenho de meu Pai que me ajuda a ser filho.Anselm Grum, comenta essa oração de Jesus: “Mas talvez a palavra de Jesus seja, apesar de tudo, uma resposta ao anseio de nossos tempo. Para C.G.Jung Deus é o mais forte arquétipo(*) que existe. Quando a imagem de Deus está doente, também o ser humano fica doente. As imagens arquetípicas mexem com alguma coisa no ser humano. Elas ou confundem a psique ou trazem ordem para dentro dela. Ou curam as feridas ou abrem-nas ainda mais. Por isso não é tão sem conseqüências a maneira como eu vejo Deus."”*A imagem do Pai se desenvolve dentro de minha história de vida, de minha narrativapessoal. Depende também de minha experiência com meus pais. Se eles falharamcomigo...posso ter uma desconfiança fundamental em relação ao amor do Pai.É preciso reler minha própria história para encontrá-lo em meu passado. Conhecer oPai tem o poder de curar minha própria história permitindo-me fazer umareavaliação amorosa dos fatos marcantes de minha vida e descobri-lo semprepresente pois "todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam aDeus". Rom 8:28Assim, cada um de nós poderá recontar a sua história , suas imagens de Deus esuas experiências com Ele e dizer agora o que mudou.Se você já estiver pronto,conte sua história a alguém!Ou melhor, reconte-a diferente!* Arquétipo - modelo, padrão. Segundo C.G.Jung são imagens psíquicas doinconsciente coletivo que são patrimônio comum a toda humanidade**GRÜN,A.. Se eu quiser experimentar Deus ;Petrópolis: Ed. Vozes.p. 38 Igreja Batista Memorial de Alphaville
  5. 5. 5 Orar - com ou sem pautasUma vez me contaram de alguém que queria orar e procurava um amigo para fazercompanhia.- Vamos orar?Respondeu o amigo: - Acho que não, não preciso de nada!Nossa oração ocidental é muito ligada ao fato de queremos que nossa oração tenhaum motivo utilitário, um clamor por situação de doença, desemprego ou qualquerque seja a necessidade. Mas, leia o que Pedro ensina: “5 Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo, 6 Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, 7 Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo; 8 Ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso; 9 Alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas. “ I Pedro 1:5-9Pedro nos ensina que não estamos soltos no mundo, mas guardados na virtude(em outra versão - pelo amor de Deus). Nosso Pai nunca é pego de surpresaquando algo nos acontece. Isso vem dar um novo sentido à nossa oração. Nãoprecisamos de pauta ou agenda quando vamos orar mas apenas de nosso desejode estar na companhia dEle.Vamos orar pelo prazer de orar - temos licença de estar juntos do Pai até emsilêncio.Oração não é um meio de cutucarmos Deus lá no Seu trono para fazer algo a nossofavor. Os pagãos é que faziam isso com seus deuses. Nosso Pai não é omisso massempre chega antes. No salmo 46, lemos: “1 DEUS é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. 2 Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. 3 Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza. “Salmo 46:1-3 No evangelho de João é Jesus que nos lembra que ele, Jesus, o Pastor, é que vai à frente das suas ovelhas: “4 E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. 5 Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.” João 10:4-5Se o Pastor vai à frente é porque quer que eu O siga. Não é a ovelha que chama oPastor clamando pelo Seu cuidado por elas, mas ao contrário: o Bom Pastorchama pelo nome às suas ovelhas. Então, em minha oração, devo escutá-Lo paraperceber o caminho a seguir . E a minha oração se torna mais uma atenta escuta doque mesmo uma fala.Como James Houston ensina: Igreja Batista Memorial de Alphaville
  6. 6. 6 "Não é tanto que Deus tenha criado as coisa de que estou falando; a questão é que Ele as pronunciou antes de falar comigo a respeito, e é por isso que a primeira palavra humana pode ser considerada como uma resposta à Sua palavra...Ao dizer que Deus falou primeiro, o Gênesis concebe toda linguagem humana como uma resposta a Deus. Em sua existência, o ser humano compreende que ele é a imagem de Deus. E é com suas próprias palavras que ele declara que Deus falou. Atribuir a Deus a primeira palavra é o mesmo que dizer que a verdade da fala humana, dependente da palavra divina, não pode ter outro depositário senão o próprio Deus. Até a experiência humana da linguagem é percebida como uma repetição: ninguém seria capaz de falar se seus pais não lhe tivessem falado primeiro".** HOUSTON,JM. Mentoria Espiritual .São Paulo: Editora Sepal, 2003. p 156-157 Igreja Batista Memorial de Alphaville
  7. 7. 7 Nossa relação com a Palavra do PaiA Igreja recebeu como missão a de proclamar o Evangelho de Jesus através daPalavra e construir o Reino de Deus. O apóstolo Paulo ensina: Ai de mim se nãopregar o evangelho I Co 9:16.Para uma proclamação eficaz da Palavra, necessitamos do poder transformador dapalavra nAquele que fala e naquele que escuta. E aí, chegamos a um ponto central:Para “servirmos” a Palavra, precisamos nos alimentar dela. “Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração. E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas.” (Hebreus 4:12-13):Fica a pergunta que muitos cristãos fazem: - Como eu sei que compreendi a palavrae posso agora transmiti-la?Santo Agostinho responde: “É fundamental compreender que a plenitude da Lei, como de todas as Divinas Escrituras, é o amor (...). Quem, portanto, julga ter compreendido as Escrituras, ou ao menos parte delas, e não se empenha a construir, a partir da compreensão das mesmas, esse duplo amor a Deus e ao próximo, mostra não tê-las ainda compreendido”.Orar significa buscar a mente e o Espírito de Jesus que não pode ser um convidadoeventual em nossa vida.Precisamos declarar nossa rendição e deixá-Lo dominarnossa vida. Jesus mesmo praticou isso quando orou em Mateus 26:39: “Adiantando-se um pouco, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres.”E impossível vivermos a vida cristã por nossos próprios esforços. Como Jesusensinou na parábola da videira em João 15: somente se estivermos ligados á videirapoderemos florescer e frutificar Muitas vezes existe o medo da perda da nossaidentidade com esta entrega, mas paradoxalmente nosso senso de identidade só sedesenvolve quando unimos nossa vida a Cristo. Preciso adentrar neste mistério deentregar a Deus a minha identidade, pois aí eu terei segurança e significância comopessoa. Jesus tem muito mais a realizar em nos do que através de nós.Com esta dependência tão grande ao Pai ao entrarmos no mundo da oraçãocomeçamos a ficar curiosos e mais flexíveis diante dEle. A partir daí nossa oraçãopassa a ser um ato mais de ouvir do que falar.O maior auxílio à nossa vida de oração e intimidade com o Pai vem da própriaBíblia. Disse Jesus: “Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.” Mateus 4:4 Igreja Batista Memorial de Alphaville
  8. 8. 8Paulo também ensinou que: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça,a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.“ 2 Tim 3:16-17* HOUSTON,JM. Mentoria Espiritual .São Paulo: Editora Sepal, 2003. p 156-157 Igreja Batista Memorial de Alphaville
  9. 9. 9 O Jejum " Vieram depois os discípulos de João e lhe perguntaram: Por que jejuamos nós e os fariseus [muitas vezes] , e teus discípulos não jejuam? Respondeu-lhes Jesus: Podem acaso estar tristes os convidados para o casamento, enquanto o noivo está com eles? Dias virão, contudo, em que lhes será tirado o noivo, e nesses dias hão de jejuar. " ( Mt 9: 14-15).Jesus vem ensinar que a saudade do noivo (Jesus) seria o motivador principal parao jejum. E continua seu ensino: "Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram o rosto com o fim de parecer aos homens que jejuam. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa. Tu, porém, quando jejuares, unge a cabeça e lava o rosto; com o fim de não parecer aos homens que jejuas, e, sim, ao teu Pai em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará".(Mt 6:16-18)No texto bíblico acima, fica claro que Jesus tem a expectativa de que o cristãojejue nos tempos de hoje, enquanto aguardamos a sua Segunda Vinda.Mas, o que é o Jejum?Jejum é a abstinência de alimento com finalidade espiritual, um exercício espiritualem que nos colocamos inteiramente na dependência de Deus. Em relação aosalimentos e líquidos, o jejum pode ser total ou parcial, dependendo da possibilidadede cada um, mas sempre com ênfase na busca de uma maior comunhão com Deus.Importante: O Jejum é centrado na pessoa de Deus!Observe o que a Bíblia ensina sobre Jejum no Antigo e novo Testamento:No Antigo Testamento o jejum é encontrado como:A - Sinal de arrependimento: I Samuel 7:6 , Neemias 9:1-3 , Daniel 9:3 , Joel 1:14.B - Por causa do trabalho de Deus: Neemias 1:4.C - Pedindo proteção: II Crônicas 20: 3-17 , Esdras 8:21.No Novo Testamento:A - Jesus ensinou o Jejum: Mateus 6:16-18, Marcos 2:18-20 , Lucas 5:33-35.B - Jejum como parte da adoração: Lucas 2:37, Atos 13:2.C - Paulo orou com jejuns em cada igreja: Atos 14:23. Atos 13:2.Em Joel 2:13, Deus manda os judeus "rasgarem o coração e não as vestes "durante o jejum. Isto significaria que a contrição interna é a mais importante. Por serconsiderado, àquela época, o lugar das decisões morais e espirituais, o coração éque deveria ser atingido. Algum comportamento deveria ser modificado.Outras vezes o Jejum será considerado impróprio, por exemplo:·Querer disfarçar seu pecado ("enrolar" a Deus) - Isaías 58:3-5. Os judeus nãoajudavam os necessitados e queriam subornar a Deus com jejum. Jejum não ésubstituto para a obediência.·Para impressionar os outros: Zacarias 7:5·Para mudar a vontade de Deus: II Samuel 12.·Quando se torna mera formalidade ou legalismo.O JEJUM QUE DEUS QUER: Leia Isaías 58 : 1-14 58.1 Clama a plenos pulmões, não te detenhas, ergue a voz como a trombeta e Igreja Batista Memorial de Alphaville
  10. 10. 10 anuncia ao meu povo a sua transgressão e à casa de Jacó, os seus pecados. 58.2 Mesmo neste estado, ainda me procuram dia a dia, têm prazer em saber os meus caminhos; como povo que pratica a justiça e não deixa o direito do seu Deus, perguntam-me pelos direitos da justiça, têm prazer em se chegar a Deus, 58.3 dizendo: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos a nossa alma, e tu não o levas em conta? Eis que, no dia em que jejuais, cuidais dos vossos próprios interesses e exigis que se faça todo o vosso trabalho. 58.4 Eis que jejuais para contendas e rixas e para ferirdes com punho iníquo; jejuando assim como hoje, não se fará ouvir a vossa voz no alto. 58.5 Seria este o jejum que escolhi, que o homem um dia aflija a sua alma, incline a sua cabeça como o junco e estenda debaixo de si pano de saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia aceitável ao SENHOR? 58.6 Porventura, não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, desfaças as ataduras da servidão, deixes livres os oprimidos e despedaces todo jugo? 58.7 Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desabrigados, e, se vires o nu, o cubras, e não te escondas do teu semelhante? 58.8 Então, romperá a tua luz como a alva, a tua cura brotará sem detença, a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda; 58.9 então, clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás por socorro, e ele dirá: Eisme aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o dedo que ameaça, o falar injurioso; 58.10 se abrires a tua alma ao faminto e fartares a alma aflita, então, a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia. 58.11 O SENHOR te guiará continuamente, fartará a tua alma até em lugares áridos e fortificará os teus ossos; serás como um jardim regado e como um manancial cujas águas jamais faltam. 58.12 Os teus filhos edificarão as antigas ruínas; levantarás os fundamentos de muitas gerações e serás chamado reparador de brechas e restaurador de veredas para que o país se torne habitável. 58.13 Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do SENHOR, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falando palavras vãs, 58.14 então, te deleitarás no SENHOR. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do SENHOR o disse.O nosso jejum, enchendo-nos da comunhão com Deus, precisa "derramar", ou seja,precisa alcançar o nosso próximo. Existe uma dimensão horizontal para o jejum,além da vertical. Fazer jejuns mecanicamente não é tão importante quantodemonstrar cuidado pelas pessoas - Bíblia Anotada. Combater a injustiça (v.6),repartir o pão e cuidar do semelhante (v.7) fazem parte do jejum que agrada aDeus. Devemos portanto ficar atentos para o que o Senhor quiser nos revelardurante o jejum!** Biblia Anotada - comentário de Isaías 58 Igreja Batista Memorial de Alphaville
  11. 11. 11 A Bíblia em nossa oraçãoA historia da leitura afetiva da Palavra ou Lectio Divina.Quando o homem começa a ler as Escrituras, dizia Santo Ambrósio:” Deus volta apassear com ele no paraíso terrestre.”A Sagrada Escritura é uma historia da revelação: de Deus e da salvação (para o serhumano).Desde o início da Igreja se tem chamado de Lectio Divina à leitura afetiva daPalavra. Não é uma técnica mas uma leitura com o coração aberto e desejoso dereceber os insights divinos , mudanças em nossas percepções, ganhar um olhardiferente para nós mesmos e para o mundo – em suma a visão do Reino de Deus.Repito, não é uma técnica ou algo que fazemos, mas algo que o Espírito Santoquer fazer, quer revelar. Jesus, falando da ação do Espírito Santo na vida docrente, diz no Evangelho de João (16:7-14): Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei. Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não creem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. Tenho ainda muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora; quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. (negrito nosso) Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar.Além do Espírito Santo querer que oremos, Ele nos ajuda na oração com o Pai,como Paulo nos ensina em Romanos 8:26-27: abemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que ele intercede pelos santos.Ainda Paulo em Romanos 8:14-17. Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados.Talvez devêssemos corrigir certas expressões que usamos como “fazer oração” ,pois oração não é algo que “fazemos” .Oração de fato é uma conversa , e nela,oramos ao Pai, por intermédio do Filho e com a ajuda do E Santo. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  12. 12. 12 A Lectio Divina no Antigo TestamentoEm 1437, Gutemberg inventou o tipo móvel e, em pouco tempo, os livros passarama ser impressos e, dentre eles, a Bíblia. Até então, os livros eram escritos à mão e,por isso mesmo, raros e escassos. Àquela época as pessoas não liam para elasmesmas, mas, "ouviam" as palavras, em silêncio. Quando os livros foramproduzidos em massa, o ato de ler até então comunitário e oral, passou a ser umexercício visual privado e silencioso.Esse fácil acesso a Bíblia pode trazer o risco dea mesma se assemelhar a um livro qualquer com uma mera leitura visual eintelectual.Não podemos nos esquecer de que a linguagem existe basicamente não só parafornecer informações, mas, sim, para estabelecer relacionamentos - colocar oescritor em relação com os leitores. A Bíblia também é assim; se a lermosimpessoalmente (só com a mente e os olhos), querendo apenas recolherinformações, estamos lendo de forma errada.No Antigo Testamento temos alguns exemplos de como a leitura da palavraimpactava o povo de Israel quando este se mostrava sedento de ouvir o Pai:Neemias 8:1-12: “Em chegando o sétimo mês, e estando os filhos de Israel nas suas cidades, todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da Porta das Águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o Livro da Lei de Moisés, que o SENHOR tinha prescrito a Israel. Esdras, o sacerdote, trouxe a Lei perante a congregação, tanto de homens como de mulheres e de todos os que eram capazes de entender o que ouviam. Era o primeiro dia do sétimo mês. E leu no livro, diante da praça, que está fronteira à Porta das Águas, desde a alva até ao meio-dia, perante homens e mulheres e os que podiam entender; e todo o povo tinha os ouvidos atentos ao Livro da Lei. Esdras, o escriba, estava num púlpito de madeira, que fizeram para aquele fim; estavam em pé junto a ele, à sua direita, Matitias, Sema, Anaías, Urias, Hilquias e Maaséias; e à sua esquerda, Pedaías, Misael, Malquias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mesulão. Esdras abriu o livro à vista de todo o povo, porque estava acima dele; abrindo-o ele, todo o povo se pôs em pé. Esdras bendisse ao SENHOR, o grande Deus; e todo o povo respondeu: Amém! Amém! E, levantando as mãos; inclinaram-se e adoraram o SENHOR, com o rosto em terra. E Jesua, Bani, Serebias, Jamim, Acube, Sabetai, Hodias, Maaséias, Quelita, Azarias, Jozabade, Hanã, Pelaías e os levitas ensinavam o povo na Lei; e o povo estava no seu lugar. Leram no livro, na Lei de Deus, claramente, dando explicações, de maneira que entendessem o que se lia. Neemias, que era o governador, e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que ensinavam todo o povo lhe disseram: Este dia é consagrado ao SENHOR, vosso Deus, pelo que não pranteeis, nem choreis. Porque todo o povo chorava, ouvindo as palavras da Lei. (negrito nosso) Disse-lhes mais: ide, comei carnes gordas, tomai bebidas doces e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do SENHOR é a vossa força. Os levitas fizeram calar todo o povo, dizendo: Calai-vos, porque este dia é santo; e não estejais contristados. Então, todo o povo se foi a comer, a beber, a enviar porções e a regozijar-se grandemente, porque tinham entendido as palavras que lhes foram explicadas. “ Igreja Batista Memorial de Alphaville
  13. 13. 13Outro exemplo, agora com o rei Josias - 2 Reis 22:8 a 23:3: “Então, disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Safã: Achei o Livro da Lei na Casa do SENHOR. Hilquias entregou o livro a Safã, e este o leu. Então, o escrivão Safã veio ter com o rei e lhe deu relatório, dizendo: Teus servos contaram o dinheiro que se achou na casa e o entregaram nas mãos dos que dirigem a obra e têm a seu cargo a Casa do SENHOR. Relatou mais o escrivão Safã ao rei, dizendo: O sacerdote Hilquias me entregou um livro. E Safã o leu diante do rei. Tendo o rei ouvido as palavras do Livro da Lei, rasgou as suas vestes. Ordenou o rei a Hilquias, o sacerdote, a Aicão, filho de Safã, a Acbor, filho de Micaías, a Safã, o escrivão, e a Asaías, servo do rei, dizendo: Ide e consultai o SENHOR por mim, pelo povo e por todo o Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é o furor do SENHOR que se acendeu contra nós, porquanto nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazerem segundo tudo quanto de nós está escrito. Então, o sacerdote Hilquias, Aicão, Acbor, Safã e Asaías foram ter com a profetisa Hulda, mulher de Salum, o guarda-roupa, filho de Ticva, filho de Harás, e lhe falaram. Ela habitava na cidade baixa de Jerusalém. Ela lhes disse: Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Dizei ao homem que vos enviou a mim: Assim diz o SENHOR: Eis que trarei males sobre este lugar e sobre os seus moradores, a saber, todas as palavras do livro que leu o rei de Judá. Visto que me deixaram e queimaram incenso a outros deuses, para me provocarem à ira com todas as obras das suas mãos, o meu furor se acendeu contra este lugar e não se apagará. Porém ao rei de Judá, que vos enviou a consultar o SENHOR, assim lhe direis: Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel, acerca das palavras que ouviste: Porquanto o teu coração se enterneceu, e te humilhaste perante o SENHOR, quando ouviste o que falei contra este lugar e contra os seus moradores, que seriam para assolação e para maldição, e rasgaste as tuas vestes, e choraste perante mim, também eu te ouvi, diz o SENHOR. Pelo que, eis que eu te reunirei a teus pais, e tu serás recolhido em paz à tua sepultura, e os teus olhos não verão todo o mal que hei de trazer sobre este lugar. Então, levaram eles ao rei esta resposta. Então, deu ordem o rei, e todos os anciãos de Judá e de Jerusalém se ajuntaram a ele. O rei subiu à Casa do SENHOR, e com ele todos os homens de Judá, todos os moradores de Jerusalém, os sacerdotes, os profetas e todo o povo, desde o menor até ao maior; e leu diante deles todas as palavras do Livro da Aliança que fora encontrado na Casa do SENHOR. O rei se pôs em pé junto à coluna e fez aliança ante o SENHOR, para o seguirem, guardarem os seus mandamentos, os seus testemunhos e os seus estatutos, de todo o coração e de toda a alma, cumprindo as palavras desta aliança, que estavam escritas naquele livro; e todo o povo anuiu a esta aliança. “(negrito nosso)Desde o início foi dada a ordem aos judeus para amarem a Palavra (Deuteronômio6:4-7): “Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. “Quando Moisés termina de escrever a Lei em Deuteronômio 30:15-20, ele ensinaacerca de uma ligação afetiva especial no se guardar a Lei: “Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal; se guardares o mandamento Igreja Batista Memorial de Alphaville
  14. 14. 14 que hoje te ordeno, que ames o SENHOR, teu Deus, andes nos seus caminhos, e guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, então, viverás e te multiplicarás, e o SENHOR, teu Deus, te abençoará na terra à qual passas para possuí-la. Porém, se o teu coração se desviar, e não quiseres dar ouvidos, e fores seduzido, e te inclinares a outros deuses, e os servires, então, hoje, te declaro que, certamente, perecerás; não permanecerás longo tempo na terra à qual vais, passando o Jordão, para a possuíres. Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando o SENHOR, teu Deus, dando ouvidos à suavoz e apegando-te a ele (negrito nosso); pois disto depende a tua vida e a tualongevidade; para que habites na terra que o SENHOR, sob juramento, prometeu dar ateus pais, Abraão, Isaque e Jacó. “Durante muito tempo eu tive uma impressão errada da Lei até que entendi quehavia um mistério amoroso e relacional em se guardar a Lei no Antigo Testamento.Como seria agora nos tempos do Evangelho da Graça? Igreja Batista Memorial de Alphaville
  15. 15. 15 Os salmosO salmo era poesia musicada e cantada no espaço do culto a Deus e nele (nosalmo) o povo recebia o conforto de Deus.No livro dos Salmos os sentimentos todossão colocados na comunhão do homem com seu Deus. Acho que atualmenteestamos subutilizando os salmos em nossos cultos e devocionais particulares.Quando lemos Paulo, nos surpreendemos: E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito,falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor comhinos e cânticos espirituais,Efésios 5:18-19O vinho cria uma atmosfera própria para a conversa - a inter-relação humana. Comele, mesmo as pessoas mais fechadas conseguem contactar outros seres humanos.A comunhão produzida pelo vinho é ilusória e temporária, ela acaba. No entanto,Paulo aponta uma opção para a igreja a partir do momento em que o Espírito Santode Deus flua nas pessoas e entre elas. Esse tipo de contato chama-se salmodiar.Os salmosOs salmos nos ensinam a movimentar com liberdade nossa alma e nossossentimentos em direção ao nosso pai. Existem, no Livro de Salmos os de lamentos(a maior parte), louvor, sabedoria,históricos, arrependimento, gratidão e até deimprecações (um clamor de vingança contra os inimigos).Toda a gama desentimentos é expressada no Livro de Salmos.Além dos sentimentos os salmos nos alertam para termos atitudes coerentes com apoesia que recitamos nos salmos.Foi o que Asafe concluiu no salmo 50 quandodescobriu a atitude que o Senhor deseja de seus filhos - amor e obediência. Leia agora este salmo e depois memorize o v.23: "O que me oferece sacrifício de ações de graça, esse me glorificará; e ao que prepara o seu caminho (comportamento), dar-lhe-ei que veja a salvação de Deus" Salmo 50:23.A linguagemVoltando a Paulo, o texto de Efésios vem principalmente ensinar que existe umalinguagem própria entre os cristãos . Não falamos entre nós apenas por meranecessidade de comunicação ou adquirir informação. Existe algo mais no falar e noouvir dos crentes. Para isso é necessário uma maior intimidade com a Trindade.Primeiro, a comunhão com o E. Santo e depois, procuro meu irmão ou irmã parafalar e ouvir numa atmosfera pessoal e interpessoal dirigida pelo Espírito.Como ensina o Pr Ricardo Barbosa: “Falar com salmos é falar a linguagem da intimidade, é experimentar o poder do amor na vivência cotidiana, é falar com poesia, revelar os segredos do coração. Falar com salmos não significa recitar os salmos da Bíblia ou espiritualizar nossas conversas; é encontrar, por meio do Espírito de Deus, uma linguagem que fale à alma, que toque no coração."(...) Igreja Batista Memorial de Alphaville
  16. 16. 16 " Em Cantares de Salomão, livro que apresenta essa linguagem espiritual dos salmos, vemos a sulamita dizendo assim para seu amado: "Beija-me com os beijos de tua boca; porque melhor é teu amor do que o vinho". Ela encontra no amor do seu amado uma alegria e intimidade que o vinho não pode proporcionar. O amor é melhor do que o vinho. esta é uma linguagem espiritual, é a linguagem que enaltece o amor, gera esperança e fortalece a confiança. e eu fico pensando: "Quantas pessoas não gostariam de ouvir alguém dizendo: "O teu amor é melhor do que meu sucesso, minha profissão, ou qualquer outra coisa que me embriague?" O amor é melhor. esta é a linguagem dos salmos, a linguagem do Espírito."(...) É a linguagem do coração em busca de intimidade. Falar com salmos é procurar expressar, na conversa do dia-a-dia, a riqueza e o significado da aliança de Deus conosco.”*Somos encorajados nos salmos a termos encontros freqüentes e profundos comDeus - são nossa escola de oração.Podemos classificá-los como salmos de louvor,lamento, gratidão, suplica, peregrinação, confiança, imprecatórios (que contemmaldições contra os inimigos), pessoais ou comunitários. Metade dele s são deautoria de Davi que tanto expressa sua confiança em Deus no salmo 23 assim comoconfessa seu pecado no salmo 51.Alguns textos dos salmos nos encorajam a uma oração bem franca com Deus. Leiao salmo 13: [Ao mestre de canto. Salmo de Davi] “Até quando, SENHOR? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto? Até quando estarei eu relutando dentro de minha alma, com tristeza no coração cada dia? Até quando se erguerá contra mim o meu inimigo? Atenta para mim, responde-me, SENHOR, Deus meu! Ilumina-me os olhos, para que eu não durma o sono da morte; para que não diga o meu inimigo: Prevaleci contra ele; e não se regozijem os meus adversários, vindo eu a vacilar. “E também no salmo 27:7-9: “Ouve, SENHOR, a minha voz; eu clamo; compadece-te de mim e responde-me. Ao meu coração me ocorre: Buscai a minha presença; buscarei, pois, SENHOR, a tua presença. Não me escondas, SENHOR a tua face, não rejeites com ira o teu servo; tu és o meu auxílio, não me recuses, nem me desampares, ó Deus da minha salvação.”Sinceridade de coração é fundamental; não adianta pronunciarmos palavras docesquando o Senhor lê o nosso coração e sabe do nosso cenário emocional verdadeiro.Em Jeremias 29:12-13 lemos a convocação divina para uma busca sincera e apromessa de um encontro. “Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração. Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. “Alguns outros salmos também tem características marcantes:O salmo 119 celebra a dependência à Palavra de Deus.São 22 estrofes, cada umacom oito e versículos e iniciadas por uma letra do alfabeto hebraico.O salmo 14 é para aqueles que acham que podem viver sem DeusO salmo 37 vem ajudar aquelas pessoas que ficam indignadas ao ver aprosperidade dos ímpiosOs salmos 127 e 128 estimulam as famílias a terem uma vida comum de oração. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  17. 17. 17Os salmos 103 e 104 demonstram que Deus esta sempre cuidando de nosNos salmos 131 e 133 há o ensino que Deus esta presente até nos nossosrelacionamentos sociais.Salmos imprecatórios:Existem alguns salmos difíceis, assim como nossa alma também é difícil. Afinal decontas os salmos existem para nos ensinar a mover nossa alma em sinceridadecom Deus.Não fique espantado mas esses salmos imprecatórios serviam tambémpara alertar o ímpio sobre a e a justiça de Deus. Precisamos trabalhar nossosressentimentos e nossa raiva no espaço espiritual (além do terapêutico).Hoje nocontexto do Novo Testamento Jesus nos ensina a amarmos nossos inimigos masisso não deve represar a sinceridade que devemos ter como nosso Pai, leia oSalmo 109:8-13 “Os seus dias sejam poucos, e tome outro o seu encargo. Fiquem órfãos os seus filhos, e viúva, a sua esposa. Andem errantes os seus filhos e mendiguem; e sejam expulsos das ruínas de suas casas. De tudo o que tem, lance mão o usurário; do fruto do seu trabalho, esbulhem-no os estranhos. Ninguém tenha misericórdia dele, nem haja quem se compadeça dos seus órfãos. Desapareça a sua posteridade, e na seguinte geração se extinga o seu nome.”Posteriormente, no Evangelho da Graça Jesus viria ensinar o perdão aos inimigos: Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.(Mateus 5: 43-48)De qualquer forma, qualquer que seja a situação do nosso espírito naquelemomento, nos salmos nos reorientamos sempre para Deus e sua graçasalmodiando e convidando todos a salmodiarem junto conosco, como faz Davi nosalmo 30: [Salmo de Davi. Cântico da dedicação da casa] Eu te exaltarei, ó SENHOR, porque tu me livraste e não permitiste que os meus inimigos se regozijassem contra mim. SENHOR, meu Deus, clamei a ti por socorro, e tu me saraste. SENHOR, da cova fizeste subir a minha alma; preservaste-me a vida para que não descesse à sepultura. Salmodiai ao SENHOR, vós que sois seus santos, e dai graças ao seu santo nome. Porque não passa de um momento a sua ira; o seu favor dura a vida inteira. Ao anoitecer, pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã. Quanto a mim, dizia eu na minha prosperidade: jamais serei abalado. Tu, SENHOR, por teu favor fizeste permanecer forte a minha montanha; apenas voltaste o rosto, fiquei logo conturbado. Por ti, SENHOR, clamei, ao Senhor implorei. Que proveito obterás no meu sangue, quando baixo à cova? Louvar-te-á, porventura, o pó? Declarará ele a tua verdade? Ouve, SENHOR, e tem compaixão de mim; sê tu, SENHOR, o meu auxílio. Converteste o meu pranto em folguedos; tiraste o meu pano de saco e me cingiste de alegria, para que o meu espírito te cante louvores e não se cale. SENHOR, Deus meu, graças te darei para sempre. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  18. 18. 18*Sousa ,RB. Janelas para a vida ;Curitiba; Editora Encontro,1999. p 40-41 Igreja Batista Memorial de Alphaville
  19. 19. 19 Misticismo?O Dicionário Houaiss define místico como: 1 referente aos mistérios, às cerimônias religiosas secretas 2 relativo a crenças em coisas sobrenaturais, sem base racional Ex.: explicações m. da erupção de um vulcão como a ira de um deus 3 que não se dá segundo as leis naturais ou físicas; sobrenatural, espiritual (...) 5 que crê intensamente numa doutrina religiosa e a ela se dedica quase integralmente (diz-se de indivíduo); devoto, religioso 6 relativo à vida espiritual e contemplativa 7 próprio do ambiente religioso, devoto, espiritual *Muitas vezes as pessoas tem medo que, em tendo experiências com Deus, seremchamadas de “místicas” e optam por um cristianismo predominantemente no estudoda Palavra , preferindo até esconder suas experiências espirituais.Outras, pelocontrario, procuram um culto de sensações, “avivado”, com muitas catarsesemocionais nem sempre fruto de uma ação do Espírito Santo, mas dasemoções do momento.Transcrevo aqui um trecho do livro Oração de James Houston que acho bastanteoportuno: As diferentes religiões do mundo possuem sua própria definição do que significa uma experiência mística.No misticismo cristão, experiências com Deus são determinadas por diretrizes bíblicas.Isso significa que a experiência mística cristã será diferente do misticismo de outra fé da mesma forma que suas doutrinas divergem. Como resultado, as experiências místicas cristãs através dos séculos podem ser testadas quanto a sua confiabilidade pela menção bíblica. O verdadeiro místico cristão sempre vive dentro da realidade de certas verdades bíblicas: 1. Primeiro-Deus é o nosso Criador, sendo distinto e separado de nós. Qualquer conversa sobre união com ele jamais será uma união ao nível de substância, mas de vontade e amor. 2. Segundo-Deus revela-se a nós como uma Trindade, ou seja, três pessoas em um Deus. O misticismo cristão não vivencia deus como um absoluto anônimo, mas como pai, Filho e Espírito Santo. 3. Terceiro - Deus fez-se homem em Jesus Cristo, sofrendo na cruz como mediação entre nós e Deus. O místico não pode, portanto, fazer qualquer progresso espiritual sem envolver a vida e a morte de Jesus. 4. Quarto - o nosso relacionamento com Deus depende totalmente da sua iniciativa para conosco. Finalmente, o verdadeiro místico reconhece que pertence à igreja, à comunidade do povo de Deus. O místico tem coisas a dizer para a igreja, mas sabe que a verdade de Deus é mantida tanto comunitária quanto pessoalmente.***http://houaiss.uol.com.br/busca.jhtm?verbete=m%EDstico&cod=129385&fon=1&codigos=129385%2C129386%2C129387 acessado em 18/1/2011* *HOUSTON,J. A Oração;Brasilia:Editora Palavra,2009. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  20. 20. 20 As Alianças Deus com Seu povo e sua implicação em nossa espiritualidadeQuando a primeira Aliança (Exodo19) foi ratificada (Êxodo 24) Moises tomou o livroda Aliança e leu ao povo que concordou em segui-la.(Êxodo 24:1-8): “Disse também Deus a Moisés: Sobe ao SENHOR, tu, e Arão, e Nadabe, e Abiú, e setenta dos anciãos de Israel; e adorai de longe. Só Moisés se chegará ao SENHOR; os outros não se chegarão, nem o povo subirá com ele. Veio, pois, Moisés e referiu ao povo todas as palavras do SENHOR e todos os estatutos; então, todo o povo respondeu a uma voz e disse: Tudo o que falou o SENHOR faremos. Moisés escreveu todas as palavras do SENHOR e, tendo-se levantado pela manhã de madrugada, erigiu um altar ao pé do monte e doze colunas, segundo as doze tribos de Israel. E enviou alguns jovens dos filhos de Israel, os quais ofereceram ao SENHOR holocaustos e sacrifícios pacíficos de novilhos. Moisés tomou metade do sangue e o pôs em bacias; e a outra metade aspergiu sobre o altar. E tomou o livro da aliança e o leu ao povo; e eles disseram: Tudo o que falou o SENHOR faremos e obedeceremos. Então, tomou Moisés aquele sangue, e o aspergiu sobre o povo, e disse: Eis aqui o sangue da aliança que o SENHOR fez convosco a respeito de todas estas palavras.“Futuramente o Novo Testamento ensinaria sobre uma Nova Aliança que havia sidoprometida ao profeta Jeremias (Jeremias 31:31-34) e que no texto de Hebreus 8:6-13, lemos: “Agora, com efeito, obteve Jesus ministério tanto mais excelente quanto é ele também Mediador de superior aliança instituída com base em superiores promessas. Porque, se aquela primeira aliança tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para uma segunda. E, de fato, repreendendo-os, diz: Eis aí vêm dias, diz o Senhor, e firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá, não segundo a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os conduzir até fora da terra do Egito; pois eles não continuaram na minha aliança, e eu não atentei para eles, diz o Senhor. Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor: na sua mente imprimirei as minhas leis, também sobre o seu coração as inscreverei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. E não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior. Pois, para com as suas iniquidades, usarei de misericórdia e dos seus pecados jamais me lembrarei. Quando ele diz Nova, torna antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer. “Somos chamados a comparecer a mesa de Pai como comunidade e nãoindividualmente. Na Nova Aliança vemos que existe a promessa de que Deusfalaria dentro de nós. Assim, somos chamados da solitude à comunidade e daíao ministério - o que vamos fazer de nossas vidas orientados por Deus. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  21. 21. 21 Lectio em o Novo TestamentoA Palavra que toca a mente e o coraçãoA parábola do semeador ou da sementeMarcos, Lucas e Mateus curiosamente colocam como primeira parábola de seuslivros "a do semeador e dos quatro solos", que aborda "o escutar" (Mc 4:9, Mt 13:9,Lc 8:8). Nesta parábola palavras-sementes de Deus são faladas em nossos ouvidose vão cair em diferentes terrenos, mas, o mais importante é que "Deus estáfalando". Aqui o mandamento da parábola é: "Quem tem ouvidos para ouvir, ouça"e isto é claro nos três evangelhos! "Bem - aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem..." Ap. 1:3.Vamos ao texto de Lucas - vemos que Jesus foca no modo como a palavra(semente) é recebida, no comportamento de quem acolhe a Palavra.Quando ela éescutada pelo coração afetivo, ela produz fruto. “Afluindo uma grande multidão e vindo ter com ele gente de todas as cidades, disse Jesus por parábola: Eis que o semeador saiu a semear. E, ao semear, uma parte caiu à beira do caminho; foi pisada , e as aves do céu a comeram. Outra caiu sobre a pedra; e, tendo crescido, secou por falta de umidade. Outra caiu no meio dos espinhos; e estes, ao crescerem com ela, a sufocaram. Outra, afinal, caiu em boa terra; cresceu e produziu a cento por um. Dizendo isto, clamou: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. E os seus discípulos o interrogaram, dizendo: Que parábola é esta? Respondeu-lhes Jesus: A vós outros é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; aos demais, falase por parábolas, para que, vendo, não vejam; e, ouvindo, não entendam. Este é o sentido da parábola: a semente é a palavra de Deus. A que caiu à beira do caminho são os que a ouviram; vem, a seguir, o diabo e arrebata-lhes do coração a palavra, para não suceder que, crendo, sejam salvos. A que caiu sobre a pedra são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; estes não têm raiz, crêem apenas por algum tempo e, na hora da provação, se desviam. A que caiu entre espinhos são os que ouviram e, no decorrer dos dias, foram sufocados com os cuidados, riquezas e deleites da vida; os seus frutos não chegam a amadurecer. A que caiu na boa terra são os que, tendo ouvido de bom e reto coração, retêm a palavra; estes frutificam com perseverança.” (Lucas 8: 4-15)O termo “coração” na Bíblia é o ponto de encontro de toda a realidade do homemcomo também de onde se irradiam todas as suas potencialidades para com o Pai.Os discípulos na caminhada para EmaúsEm Lucas 24:13-32, no episódio da abordagem de Jesus a dois discípulos acaminho de Emaús, Jesus os consola, sem se dar a perceber, citando os textos dosprofetas , leia: Naquele mesmo dia, dois deles estavam de caminho para uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusalém sessenta estádios. E iam conversando a respeito de todas as coisas sucedidas. Aconteceu que, enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e ia com eles. Os seus olhos, porém, estavam como que impedidos de o reconhecer. Então, lhes perguntou Jesus: Que é isso que vos preocupa e de que ides tratando à medida que caminhais? E eles pararam entristecidos. Um, porém, chamado Cleopas, respondeu, dizendo: És o único, porventura, que, tendo estado em Jerusalém, ignoras as ocorrências destes últimos dias? Ele lhes perguntou: Igreja Batista Memorial de Alphaville
  22. 22. 22 Quais? E explicaram: O que aconteceu a Jesus, o Nazareno, que era varão profeta, poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo, e como os principais sacerdotes e as nossas autoridades o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Ora, nós esperávamos que fosse ele quem havia de redimir a Israel; mas, depois de tudo isto, é já este o terceiro dia desde que tais coisas sucederam. É verdade também que algumas mulheres, das que conosco estavam, nos surpreenderam, tendo ido de madrugada ao túmulo; e, não achando o corpo de Jesus, voltaram dizendo terem tido uma visão de anjos, os quais afirmam que ele vive. De fato, alguns dos nossos foram ao sepulcro e verificaram a exatidão do que disseram as mulheres; mas não o viram. Então, lhes disse Jesus: Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras. Quando se aproximavam da aldeia para onde iam, fez ele menção de passar adiante. Mas eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, porque é tarde, e o dia já declina. E entrou para ficar com eles. E aconteceu que, quando estavam à mesa, tomando ele o pão, abençoou-o e, tendo-o partido, lhes deu; então, se lhes abriram os olhos, e o reconheceram; mas ele desapareceu da presença deles. E disseram um ao outro: Porventura, não nos ardia o coração, quando ele, pelo caminho, nos falava, quando nos expunha as Escrituras?”O coração dos discípulos ardia com a exposição das Escrituras. É necessário queCristo nos abra o coração e precisamos desejar que isso aconteça.Pessoalmente acredito que a leitura da Palavra de Deus tem uma eficácia quasesacramental.Afinal, é Deus falando e o Espírito aplicando.O capítulo dois do livro do Atos dos Apóstolos apresenta Pedro iniciando aproclamação do Evangelho expondo a palavra de Deus através do profeta Joel e dosalmo de Davi e assim tocando o coração daquele povo: Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem. Ora, estavam habitando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu. Quando, pois, se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que se possuiu de perplexidade, porquanto cada um os ouvia falar na sua própria língua. Estavam, pois, atônitos e se admiravam, dizendo: Vede! Não são, porventura, galileus todos esses que aí estão falando? E como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem, tanto judeus como prosélitos, cretenses e arábios. Como os ouvimos falar em nossas próprias línguas as grandezas de Deus? Todos, atônitos e perplexos, interpelavam uns aos outros: Que quer isto dizer? Outros, porém, zombando, diziam: Estão embriagados! Então, se levantou Pedro, com os onze; e, erguendo a voz, advertiu-os nestes termos: Varões judeus e todos os habitantes de Jerusalém, tomai conhecimento disto e atentai nas minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como vindes pensando, sendo esta a terceira hora do dia. Mas o que ocorre é o que foi dito por intermédio do profeta Joel: E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, e sonharão vossos velhos; até sobre os meus servos e sobre as minhas Igreja Batista Memorial de Alphaville
  23. 23. 23 servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e profetizarão. Mostrarei prodígios em cima no céu e sinais embaixo na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e glorioso Dia do Senhor. E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmos sabeis; sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos; ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela. Porque a respeito dele diz Davi: Diante de mim via sempre o Senhor, porque está à minha direita, para que eu não seja abalado. Por isso, se alegrou o meu coração, e a minha língua exultou; além disto, também a minha própria carne repousará em esperança, porque não deixarás a minha alma na morte, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção. Fizeste-me conhecer os caminhos da vida, encher-me-ás de alegria na tua presença. Irmãos, seja-me permitido dizer-vos claramente a respeito do patriarca Davi que ele morreu e foi sepultado, e o seu túmulo permanece entre nós até hoje. Sendo, pois, profeta e sabendo que Deus lhe havia jurado que um dos seus descendentes se assentaria no seu trono, prevendo isto, referiu-se à ressurreição de Cristo, que nem foi deixado na morte, nem o seu corpo experimentou corrupção. A este Jesus Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas. Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis. Porque Davi não subiu aos céus, mas ele mesmo declara: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés. Esteja absolutamente certa, pois, toda a casa de Israel de que a este Jesus, que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. Ouvindo eles estas coisas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? (negrito nosso).Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Pois para vós outros é a promessa, para vossos filhos e para todos os que ainda estão longe, isto é, para quantos o Senhor, nosso Deus, chamar. Com muitas outras palavras deu testemunho e exortava-os, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas.Pedro lê a Bíblia expondo as verdades e o coração do povo é tocado e a multidãose pergunta: que faremos? Essa é a pergunta que me devo fazer quandoacabo minha leitura devocional: - que farei? Igreja Batista Memorial de Alphaville
  24. 24. 24 O Novo Testamento interpreta o AntigoExistem 278 versículos do Antigo Testamento citados no Novo Testamento. Ora acitação era para ressaltar o cumprimento de alguma profecia do Antigo testamento(Mateus 4:14-16 e Isaias 9:1-2), ora para confirmar um que um acontecimentoneotestamentário está de acordo com um principio do Antigo Testamento (Atos15;15 e Amós 9:11-12).Pedro interpreta o Antigo Testamento à luz do Novo Testamento como Jesus haviafeito e lemos em Mateus 5 :21-44: Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo. (...) Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela. (...) Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério. Também ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás rigorosamente para com o Senhor os teus juramentos. (...) Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra; (...) Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem;Jesus cita o Antigo Testamento para poder explicar melhor como seria o seu reino.Zuck em seu livro faz menção de algumas etapas que devem ser seguidas nainterpretação das citações do Antigo Testamento no Novo Testamento: 1. Investigue o contexto no Novo Testamento onde a citação ou alusão ao Antigo é feita. 2. Investigue o contexto no Antigo Testamento da passagem citada ou aludida. Certifique-se de não aplicar aos leitores originais do Antigo Testamento o que agora se pode saber através da revelação neotestamentária(...) 3. Repare nas diferenças, se houver, entre a passagem no Antigo Testamento e sua citação ou alusão no Novo. 4. Descubra como a passagem do Novo Testamento faz uso da passagem do Antigo Testamento.(...) 5 Estabeleça a relação dessas conclusões com a interpretação da passagem no NT.** ZUCK,BR. A Interpretação Bíblica. São Paulo: Editora Vida Nova; 1994. p.322 Igreja Batista Memorial de Alphaville
  25. 25. 25 A relação emocional de Jesus com os salmosNo cântico de Maria em Lucas 2 percebe-se cerca de quinze citações do AT,demonstrando que Maria era de um lar que conhecia bem os salmos.Por exemplo:A minha alma engrandece ao Senhor - salmo 34:2.A sua misericórdia vai de geração em geração... - salmo 103:17.Jesus participava sempre das Festas e nelas salmodiava junto com os judeus poisos salmos eram usados no cultos a Deus.Leia : João capítulos 5,7,10 e 12 . Porexemplo:Capítulo 5: 1 .Passadas estas coisas, havia uma festa dos judeus, e Jesus subiu para Jerusalém.Capítulo 7:8-10: Subi vós outros à festa; eu, por enquanto, não subo, porque o meu tempo ainda não está cumprido. Disse-lhes Jesus estas coisas e continuou na Galiléia. Mas, depois que seus irmãos subiram para a festa, então, subiu ele também, não publicamente, mas em oculto.Lucas dizia que Jesus participava aos sábados na sinagoga de Nazaré(Lucas 4:16): “Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler.”Na Ultima Ceia,ao terminar recitaram o Hallel (salmos 115-118) em Mateus 26:30: “E, tendo cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras.”Os salmos aparecem ainda como prece de Cristo:No sofrimento na cruz Marcos 15:34: Deus meu, Deus meu... Salmo 22:1Ao morrer Jesus cita o salmo 31 (Lucas 23;46)Jesus usa o salmo 110 em Mateus 22:41-46 O salmo 110 é o texto-chave dasesperanças messiânicas para explicar que o Cristo era muito, mas muito mais doque o Messias esperado pelos judeus: “Reunidos os fariseus, interrogou-os Jesus: Que pensais vós do Cristo? De quem é filho? Responderam-lhe eles: De Davi. Replicou-lhes Jesus: Como, pois, Davi, pelo Espírito, chama-lhe Senhor, dizendo: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés? Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é ele seu filho? E ninguém lhe podia responder palavra, nem ousou alguém, a partir daquele dia, fazer-lhe perguntas.” (Mateus 22.41-46)Não só na Paixão Jesus usou os salmos, mas até em atitudes fortes como expulsaros vendilhões do templo (João 2:17 e salmo 69:9): “Estando próxima a Páscoa dos judeus, subiu Jesus para Jerusalém. E encontrou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombas e também os cambistas assentados; tendo feito um azorrague de cordas, expulsou todos do templo, bem como as ovelhas e os bois, derramou pelo chão o dinheiro dos cambistas, virou as mesas e disse aos que vendiam as pombas: Tirai daqui estas coisas; não façais da casa de meu Pai casa de Igreja Batista Memorial de Alphaville
  26. 26. 26negócio. Lembraram-se os seus discípulos de que está escrito:O zelo da tua casa me consumirá (negrito nosso).” Igreja Batista Memorial de Alphaville
  27. 27. 27 Como ler a Bíblia?Ao lermos a Bíblia, temos de buscar a Palavra nas palavras e isso com a ajuda doEspírito Santo.Ler a Bíblia não é apenas um exercício literário, mas um confrontocom o mistério e a pessoa de Deus.Paulo ensina que a Palavra nos traz esperança (Romanos 15:4): “Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança.”Paulo ensina que a Palavra nos traz repreensão e correção: 2 Timóteo 3:16. “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça,”Há algum tempo encontrei um colega de faculdade que há muito não via. Ele mefalou detalhadamente de sua vida e seus planos de futuro. Quando comecei a falarde mim ele se mostrou desinteressado e se despediu rápido.Naquele momentofiquei bastante decepcionado com ele. Percebi aí que eu fazia a mesma coisa comDeus na minha leitura bíblica devocional e na minha oração. Quero controlar aconversa e apenas falar de mim na minha oração. Ou então, controlar o texto bíbliconão dando a mesma chance a todos os versículos do texto e escolhendo ler rápidoou lentamente (geralmente as promessas) conforme aquilo que minhasnecessidades do momento me mostravam. Quero que o Pai coloque sorriso nosmeus lábios mas não me preocupo em causar o sorriso nEle.Uma leitura devocional ou oração deve ser lenta, com pausas para percebermosalgo novo, percepções novas que o Espírito Santo possa nos estar trazendo. Énecessário saber que Alguém vem ao nosso encontro na leitura da Palavra e nanossa oração.É importante que desejemos esse encontro e a percepção desseencontro, um dom dado pelo Pai em de normalmente nossas palavras cessam eadoramos silenciosamente é o que os místicos chamavam de contemplação.Se na verdade “conversamos” com a Bíblia, é necessário que não controlemos otexto mas que desejemos que o texto nos controle.Preciso crer no Deus que me fala diretamente através de sua Palavra.A Lectio Divina ou leitura afetiva da palavra acompanhada da oração tem comocaracterística enfatizar a própria Bíblia como objeto de leitura e direção para nossaoração (por isso é chamada divina) reconhecendo que é a própria Palavra quetestifica de Jesus (João 5;39). A Lectio tem estrita relação com a oração.A palavralatina lectio significa duas coisas: lição e leitura. Nós podemos ler mas quem dá alição é Deus. A Lectio Divina é uma audiência que nos transforma, que geraobediência.A Lectio não é uma técnica ou uma ferramenta ministerial Nem toda a leitura daBíblia é Lectio divina mas só aquela que é feita debaixo da ação do EspíritoSanto, ou seja, com a intenção de ouvir a mensagem que a palavra divina quernos comunicar. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  28. 28. 28A Lectio divina é um diálogo e nos faz participar do mistério do Cristo que habitaem nós. Quando lemos a Palavra no culto estamos fazemos a Lectio no culto, éDeus falando. É a celebração da Palavra!!!A Lectio pode ser feita em comunidade ou na nossa devoção particular.Mesmoquando parecemos sozinhos em nosso momento devocional particular nuncaestamos realmente sozinhos. Leia o que Paulo ensina em Romanos 8:15-16: “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.”É preciso que realmente nos sintamos filhos de Deus!Um pouco da historia da Lectio.A Lectio é historicamente vinculada a Guigo, um monge cartuxo do 12º século d.Cque escreveu um tratado - Scalla claustralium (Escada dos claustros) no qualapresentava uma sequência de passos na Lectio; lectio-meditatio,oratiocontemplatio.Na verdade é só uma classificação didática pois todos esses passosocorrem não necessariamente nessa ordem ou intensidade.Lectio é oração combase na Bíblia - e isso é o mais importante: orar a Deus com as palavras de Deus.De uma forma mais ampla podemos considerar na Lectio as etapas abaixo semprelembrando que podem acontecer não necessariamente nessa ordem:- Lectio -leitura atenta e com o coração aberto.- Meditatio- visa descobrir o q o texto diz para mim.- Oratio - a minha oração sob o impacto do texto e a sua revelação pelo Espírito.- Contemplatio - é um dom, dado pelo Pai que me faz sentir seu filho e me dá dealguma forma a sensação de Sua presença em minha oração. É quando me sintorealmente amado e unido à Ele e à toda a Trindade.O tempo parece que para e aspalavras cessam.São João da Cruz chama a contemplação de “quietude saborosa” -uma tranqüilidade cheia de repouso ,de unção, uma experiência profunda,absorvente.- Collatio - no século XII os monges faziam a colação - era a partilha do que haviamaprendido na Lectio daquele dia.- Operatio - a ação que vamos desenvolver após essa experiência na oração.fazeraquilo que Jesus nos pede e que descobrimos na oração.É inútil se ter contempladose não se põe em pratica o contemplado.Jesus mesmo afirma :Lucas 8.21 : Ele, porém, lhes respondeu: Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a praticam.Alguns poderiam perguntar: por que não buscamos direto a presença de Deus sema necessidade da leitura da Palavra?Porque precisamos reconhecer que a meditação cristã une a mente e o espírito eambos devem estar ativos na Lectio.Um afastamento do conhecimento davontade de Deus pela nossa negligencia na leitura na Bíblia nos afastará da sãdoutrina e pode nos colocar na estrada do erro.Por outro lado, uma leitura só intelectual que não sintonize nossa alma e não Igreja Batista Memorial de Alphaville
  29. 29. 29produza em nos as mudanças que o Pai deseja (e nós também amamos o Pai equeremos fazer toda a Sua vontade) torna-se árida.Com freqüência podemos até, sem sentir, estarmos tentando controlar e dirigir oque a Palavra quer dizer.Queremos controlar seu significado- decidirmos o que otexto tem a dizer.Mas deve ser o contrario: uma vez que tenhamos lido o textodevemos dar o espaço para que o próprio texto diga o que ele quer dizeratravés da revelação do Espírito Santo.Osmar Ludovico sempre nos advertia na Lectio: “Procure não controlar o texto;deixe que o texto controle você”.”Quando lemos um texto da Palavra, se algum versículo ficar marcado em nossamente de modo muito forte, vamos ficar com essa palavra algum tempo, “ruminá-la”como diziam os místicos antigos e deixar que essa parte do texto nos diga tudo oque ela quiser dizer.Na Lectio, enquanto a mente considera as palavras do texto, deixamos nossosafetos e imaginação livres para que o Espírito Santo possa trabalhá-los e dar acorreta compreensão daquilo que precisamos entender, guardar a palavra, comoMaria fazia.Acreditamos numa teologia com oração como fazia Jesus que se retirava para orare também Paulo, que freqüentemente alternava ensino teológico com oração emsuas cartas.Não acreditamos que devemos usar “óculos” sociológicos ou marxistasou quaisquer outros para interpretar a Palavra mesmo que seja para justificarmovimentos políticos libertadores.Em Lucas 24 :26-27, na caminhada para Emaus, Cristo é quem abre oentendimento dos discípulos passando por diferentes textos. Precisamos deixar queEle abra o nosso entendimento para percebermos a revelação do mistério daPalavra e como isso se aplica ao nosso caso e à Igreja.Para a leitura da palavra é necessário contato prolongado, assiduidade,silencio,solidão e recolhimento: Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará. (Mateus 6.6 )Precisamos ter um lugar de oração e nossos familiares devem saber disso e seráuma boa disciplina espiritual preservarmos esse lugar de tudo o que nospossa tirar a atenção daquilo que o Espírito Santo quer nos dizer. Uma vezalguém me contou que educou sua família a que , quando estivesse determinadolugar com a Bíblia, que não a interrompessem.Nunca é demais repetir: a leitura da Palavra deve ser feita de modo lento e compausas para que o Espírito possa ter espaço para trazer insights e revelações,olhares diferentes para a vida e para o texto. Muitas vezes ler rápido certosversículos e passar para o seguinte pode ser uma forma disfarçada de controlarmoso significado do texto. Devemos resistir a isso, e se notarmos que o fizemos,devemos voltar ao texto novamente, nem que seja um ou dois dias após e darliberdade ao Espírito Santo deixando que Ele complete a obra em nós. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  30. 30. 30O que ler na Bíblia? Por onde começar?Os Evangelhos devem ter preeminência na nossa leitura, mas toda a Escritura deveser lida. Devemos preceder a leitura com período de silencio para sossegarmos obarulho interior que produzimos.A Lectio não é um fim em si mesma – uma meditação para nos fazer sentir bem,nos causar boas e agradáveis sensações. Se fosse assim seria algo idólatra, masprecisamos nos ater à Palavra para percebermos qual é a vontade do Pai em nossavida – o operatio.E obedecer! Igreja Batista Memorial de Alphaville
  31. 31. 31 As ParábolasNo segundo ano de seu ministério, aparentemente, Jesus dá uma guinada no seutipo de preleção. Seus discípulos ficam confusos: “10 Os discípulos aproximaram-se dele e perguntaram: “Por que falas ao povo por parábolas?” 11 Ele respondeu: “A vocês foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos céus, mas a eles não. 12 A quem tem será dado, e este terá em grande quantidade. De quem não tem, até o que tem lhe será tirado. 13 Por essa razão eu lhes falo por parábolas: “ ‘Porque vendo, eles não vêem e, ouvindo, não ouvem nem entendem.14 Neles se cumpre a profecia de Isaías: “ ‘Ainda que estejam sempre ouvindo, vocês nunca entenderão;ainda que estejam sempre vendo, jamais perceberão.15 Pois o coração deste povo se tornou insensível; de má vontade ouviram com os seus ouvidos,e fecharam os seus olhos. Se assim não fosse, poderiam ver com os olhos, ouvir com os ouvidos,entender com o coração e converter-se, e eu os curaria’.16 Mas, felizes são os olhos de vocês, porque vêem; e os ouvidos de vocês, porque ouvem. 17 Pois eu lhes digo a verdade: Muitos profetas e justos desejaram ver o que vocês estão vendo, mas não viram, e ouvir o que vocês estão ouvindo, mas não ouviram.” (Mateus 13) negrito nossoParábola vem do grego para = ao longo e de bola = atirar. São estórias baseadasem fatos do cotidiano com o objetivo de ilustrar ou aclarar uma verdade. Asparábolas não eram uma novidade ,elas aparecem no VelhoTestamento em 2Samuel 12:1-4 e Isaías 5:1-10.Perguntado acerca da sua mudança de método, Jesus a atribui a um endurecimentodo coração e mentes de seus ouvintes. A tensão contra Jesus chegara a um nívelmuito forte segundo Mateus cap. 12. Os mestres e fariseus “batiam forte” em Jesuse, constantemente, atrapalhavam a pregação do evangelho por Jesus e, o pior detudo, nada aprendiam!O propósito das parábolas era revelar as verdades ocultas do reino de Deus, masnão a todos. Ao coração desejoso de aprender sobre as verdades desse Reino,estas estórias trabalhariam em sua imaginação e trariam mais luz interior. Por outrolado, aos de coração duro quase nada acrescentariam – seria uma estorinha defundo moral!As parábolas são retóricas, fazem trabalhar a imaginação das pessoas fazendo-ascompreender as novas verdades que o Espírito quer trazer às suas vidas. O ouvintee leitor, percebendo a comparação entre a estória e sua própria situação individual éestimulado a pensar e sentir coisas novas, identificando a verdade principal que aparábola ilustra, com a ajuda do Espírito Santo. Geralmente são simples, compersonagens bem caracterizados,emoções contidas, alternando linguagem diretacom solilóquio (falar consigo mesmo), cenas do cotidiano judaico e o maisimportante fica para o final da narrativa: cada estória convida o ouvinte a emitir umaconclusão para si mesmo.Algumas vezes as parábolas são contadas a pessoas que divergiam de Jesus, masessas estórias como que constroem uma ponte sobre a divergência; nelas Jesusse afasta da controvérsia judaica da Lei e entra em território neutro. Assim, quem aouve sai da posição defensiva e é atraído por Jesus. Em geral as parábolas existempara dizer algo a respeito do reino de Deus em nossas vidas e não para Igreja Batista Memorial de Alphaville
  32. 32. 32emitirem preceitos moralistas. Elas são uma narrativa menor dentro danarrativa maior (o advento do Evangelho da Graça).Tente responder a essasperguntas quando você lê alguma parábola:- A quem Jesus se dirige :à multidão ou seus adversários?- Onde parece que Ele quer chegar?- E o mais importante: - Como ela me atinge?Como ensina Carlos Mesters: “ O objetivo último da explicação da Bíblia ao povo não deve ser simplesmente descobrir o sentido histórico-literal dos textos , mas deve se descobrir os sinais da presença de Deus com os seus apelos na vida que vivemos, através de uma reflexão profunda (e científica, quando necessário) sobre o textos que nos vêm do passado. Em última análise,o seu objetivo não se restringe a procurar interpretar um texto, mas a procurar interpretar a vida à luz daqueles textos, a fim de que aumentem no povo a fé, a esperança e o amor.”* (negrito nosso)Ore agora , antes de ler sua parábola de hoje , pedindo que o Senhor lhe revele aSua vontade no texto. Experimente fazer uma imersão no texto. Leia a estória comose fôsse sua, como se você um dos protagonistas dela.:* MESTERS C. Por trás das palavras. Petrópolis: Editora Vozes . Petrópolis, 2007.p.133-134. Igreja Batista Memorial de Alphaville
  33. 33. 33 A quietudeO silêncio perante Deus melhora nossa oração.Estar quieto e em silencio antes denossa oração significa rejeitar toda e qualquer invasão que possa atrapalhar ouinterromper o nosso estar com Deus. Salmo 62:1 - Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa; dele vem a minha salvação. Salmo 46:10 - Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus.Nossos ruídos interioresEm nossa sociedade "faladeira" o silêncio se tornou algo constrangedor. Se o pastorpedir numa celebração: "Façamos silêncio por alguns momentos", as pessoas seinquietam e perguntam a si mesmas: "Quando isso vai acabar?".Tudo isso acaba nos distraindo daquilo que o Pai quer nos revelar. O acontecimentoreal é que o Pai nos fala e nos comunica o Seu amor...Mas nós nos distraímos.O silêncio do cristão não é igual a solidão. É estar com o Pai e receber a Suarevelação. A leitura meditativa da Bíblia cria o espaço interior onde possamos ouviro Pai. No aconselhamento, é importante que o pastor e o aconselhando entrem noamorável silêncio do Pai e ali esperem pela palavra que cura. É preciso perceber osmovimentos do Espírito, conselheiro divino, e seguir esses movimentos sem medo.Como intercessores nossa tarefa é o contrário da distração. É ajudar as pessoas ase concentrarem no acontecimento real, mas muitas vezes oculto, da presença deDeus em suas vidas.Torna-se absolutamente necessário que os ministérios cuidem em não manter seusmembros tão atarefados que não possam mais ouvir o Deus que fala no silêncio.O propósito de todo ministério é revelar que Deus não é um Deus de medo, mas umDeus de amor. Os ministérios ensinarão isso quando levarem seus cooperadores àcapela de oração.Vivemos na compulsão da pressa, do corre-corre. Provavelmente é assim que vocêse sente hoje: conseguiu encaixar esta leitura em uma agenda apertada e talvezesteja preocupado acabar logo para preparar “a agenda de amanhã ou da próximasemana...”.Loucura? Mas é assim!Certamente gastamos muito mais energia (e tempo) do que deveríamos porque emnosso dia de 24 horas não conseguimos dedicar o tempo necessário à intimidadecom o Pai e receber a Sua direção em nossa vida.Nesta questão da busca da intimidade com o Pai, somos todos amadores. Falandonisso, fique tranqüilo - o Pai gosta de amadores – o que Ele não gosta é de gente“religiosa” (deram muito trabalho para Jesus e sem proveito algum). O Pai nosensina a viver um dia de cada vez e nesta leitura vamos reconhecê-Lo junto a nós.Se não na teoria, na prática vivemos como se tivéssemos um Deus impessoal – algotipo Internet, um provedor à distância (estamos em 2011), literalmente. Utilizamo-nosdele quando precisamos e temos o poder de pedir a “desconexão” quando Igreja Batista Memorial de Alphaville
  34. 34. 34satisfeitos. Mas, a Bíblia faz referência a um Deus que sente tristeza, que é pessoalque quer se relacionar, falar, conversar conosco. Só que um bom relacionamentopressupõe intimidade, conversa, tempo – todos nós sabemos disso. Quandotentamos nos comunicar, sem intimidade com o Pai, incorremos na tragédiahumana, qual seja: dizer a Deus quem Ele é e o que Ele deve fazer! Ao invés deesperar as Suas boas respostas e sermos surpreendidos por Ele e pelo Seu amor,queremos controlá-Lo para assim garantir a qualidade da resposta.Só que Ele é o Criador e nós, as criaturas!Nesse conhecimento do Pai eu sempre vou me surpreender. Nunca vou saber quemDeus é. Em Êxodo 33:17-23 Ele se dá a conhecer a Moisés pelas costas, poisninguém conseguiria ver a face do Senhor e sair vivo do encontro. Todo o nossoconhecimento é parcial e limitado - precisamos ter humildade, qualquer que tenhasido a nossa experiência com Ele. Minha segurança nesse Pai não é pelo que euconheço dEle, mas é afetiva! Eu não duvido do seu amor por mim! Esta é achave do relacionamento. Muitas vezes achamos que sabemos tudo sobre Deuscomo se fôssemos donos dEle, seus criadores. (Essa, aliás, foi a tragédia dosfariseus: achavam que sabiam tudo sobre Deus, e quando surge um Deus “que nãose encaixa...” não admitem, não aceitam Jesus!). Este é o problema da religião!Precisamos diariamente conhecer e desfrutar do amor do Pai, um dos seus atributosmais marcantes. Esse conhecimento é profundo, pois toca o coração, faz vínculos eestreita o relacionamento dEle conosco. Esse relacionamento afetivo, essaexperiência com o Seu amor é o eixo central da nossa caminhada na vida cristã. Sóassim vou pensar o que Ele pensa e desejar o que ele deseja. Posso até ter tidoexperiências pentecostais, mas não ter uma experiência profunda com o amor deDeus.O relacionamento de hoje não acumula para amanhã, pois amanhã é outro dia – evocê terá de buscá-Lo novamente.É importante exercitar nossa alma em dois movimentos:1 - da ação à contemplação – como eu consigo aquietar minha alma e me apresentocomo um filho que retorna ao Pai.2 - da contemplação à ação – como posso caminhar sob a partir de direção do Pai, a partir de um encontro com Ele.Quando eu contemplo o Pai, eu O adoro silenciosamente em meu coração. Euentendo o que Paulo nos ensina em Romanos 8:16: “O Espírito testifica com onosso espírito que somos filhos de Deus”. Quem é filho, sabe que é.Engraçado, porque nem sempre nós nos sentimos assim – filhos?Para isso, precisamos contemplá-Lo!Como fazer esse caminho?É neste confronto com o Pai e na percepção do significado de Suas respostas queeu sigo descobrindo dia-a-dia a minha verdadeira identidade e consigo direção paraa minha caminhada.Durante esse período, preste atenção em tudo o que o Espírito lhe fizer perceber.George MacDonald diz que “as minhas orações não fluem do homem que eu sou, Igreja Batista Memorial de Alphaville
  35. 35. 35pois meu coração pode me enganar, mas as respostas do Pai vêem para o homemque eu realmente devo ser”. Procure “estar presente”, ou seja, desligue-se de problemas que ficaram noescritório, em casa, etc... Feche os olhos por alguns minutos (10 a 15). No inícioparecerá difícil, mas depois você vai se acostumar. Deixe as idéias irem e virem,quaisquer que sejam. Quando sua mente e coração se acalmarem, faça a leitura dotexto escolhido, pois na meditação cristã coração e mente funcionam juntos!Além de nos aquietarmos, ficaremos em solitude. “Solitude” vem da palavra solus,que significa estar só. A grande verdade é que produzimos muito barulho na nossaalma e por isso não conseguimos ouvir a voz de um Pai que fala. Também vivemosna ilusão de controlar nosso próprio destino e criamos uma identidade enganosarespeito de nós mesmos. A verdade é que:• não somos quem nós nos sabemos ser, mas quem Deus sabe que somos.• não somos o que podemos adquirir e conquistar, mas o que recebemos.• não somos o dinheiro que ganhamos, os amigos que fazemos ou osresultados que conseguimos.• Somos antes quem Deus nos fez em seu infinito amor.E é daí que vem a nossa dignidade.A solitude envolve oração, leitura espiritual e estar a sós com o Pai. Tudo isso visadesenvolver uma consciência da voz do Pai em nossos corações .Você pode perguntar: - O que faço em minha solitude?A resposta é: nada. Apenas esteja presente para Ele que deseja a sua atenção eescute!É nessa presença “inútil” diante de Deus que podemos morrer gradualmente paranossas ilusões de poder e controle e dar ouvidos à voz de amor escondida no centrode nosso ser, e deixarmo-nos ler por Ele! É quando conseguimos ver nosso próprioeu pecador num espelho tranquilo e confessar que também somos promotores deguerras é que poderemos estar prontos para começar a caminhar humildemente naestrada para a paz.O apóstolo Paulo tinha um propósito na vida: “Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo 3.9 e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; 3.10 para o conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte; 3.11 para, de algum modo, alcançar a ressurreição dentre os mortos”.(Colossensses 3:8-11)É nesse encontro que o Pai nos revela quem realmente somos!” Igreja Batista Memorial de Alphaville
  36. 36. 36 Desenvolvendo comunidades com base na oração e santificaçãoAmizades com ênfase na oração são vacina contra o individualismo excessivo. Enecessário que existam pessoas de oração e com sã doutrina para servirem dementores para o crescimento dessas comunidades em santificação.Os Pais do Deserto, no século IV após a Igreja ser reconhecida como religião oficialdo Império Romano abandonaram as fantasia de status que uma religião oficial,ligada ao poder e portanto não profética, poderia proporcionar e decidiram criarcomunidades no deserto onde poderiam viver um cristianismo que rendesse avontade do povo a Deus com a ajudada da solidão,oração e do jejum. Isso foi oMovimento Monástico.Um dos Pais do Deserto identificou e elaborou uma lista de Sete Pecados Capitais,que são as tentações, as paixões mais básicas de um ser humano , mais passíveisde tentar um cristão e levá-lo a pecar:GulaLuxuria -desejo por outros corposGanânciaInvejaIraPreguiça -covardia espiritualOrgulho ou autocongratulaçãoO conceito e a lista dos Sete Pecados Capitais não constam das Escrituras. Foramcriadas por um monge grego Evagrius do Ponto . A Bíblia fala das obras da carneem Gálatas 5 , fala do perfil e do caráter do homem afastado e Deus emColossensses e Efésios.A lista surgiu no século IV durante o Movimento Monástico e Cassiano, discípulo deEvagrius, traz a lista para o Oriente no século V e o papa Gregório Magno no séculoVI a colocou no Catecismo da Igreja.São chamados de “capitais” porque são pecados-cabeça - são origem , fonte eliderança - e dão origem a outros pecados:Por exemplo a Ira dá origem a vingança e a Soberba dá origem a vaidade.Olhar essa lista de Pecados Capitais vem nos ajudar a perceber que tipo de genteestamos nos tornando; é como se fosse um gabarito com o qual nos comparamos .Isto vem na contramão de nossa cultura que não considera o problema do pecado.A oração vem guerrear contra todas essas tentações. Jesus disse em Marcos14:35-39: “E, adiantando-se um pouco, prostrou-se em terra; e orava para que, se possível, lhe fosse poupada aquela hora. E dizia: Aba, Pai, tudo te é possível; passa de mim este cálice; contudo, não seja o que eu quero, e sim o que tu queres. Voltando, achou-os Igreja Batista Memorial de Alphaville
  37. 37. 37 dormindo; e disse a Pedro: Simão, tu dormes? Não pudeste vigiar nem uma hora? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca. Retirando-se de novo, orou repetindo as mesmas palavras.”Também Pedro ensina em 2 Pedro 1:1-8: Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco obtiveram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo, graça e paz vos sejam multiplicadas, no pleno conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor. Visto como, pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude, pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo, por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé a virtude; com a virtude, o conhecimento; com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade; com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. Igreja Batista Memorial de Alphaville

×