Your SlideShare is downloading. ×
Tutoria online
Tutoria online
Tutoria online
Tutoria online
Tutoria online
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tutoria online

452

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
452
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A tutoria online – perfil ecompetencias de uma boa tutoriaAs aptidões essenciais de uma boa tutoria não são muito diferentes das do bom professorpresencial. O que distingue umas e outras é o ambiente em que ocorrem e o meio decomunicação utilizado.As funções, tarefas e competências da tutoria on-line estão associadas a quatro áreas:• Organizativa• Tecnológica• Social• Científico-didática1. A área organizativaA tutoria on-line exige grande capacidade de organização. Para organizarem o ensino e aaprendizagem de forma eficaz, as tutoras e os tutores precisam de estar familiarizados com ocurrículo, os conteúdos, os objectivos, as metas temporais, a estrutura do curso, asactividades, os procedimentos, parâmetros, etapas e critérios de avaliação.O conhecimento das componentes essenciais do curso/unidade curricular permitirá à tutoriaorganizar as situações de aprendizagem, através de instruções claras aos estudantes sobre asformas de participar e de executar as tarefas propostas, estabelecer com clareza e pormenoros prazos de execução, de ajudar os estudantes a utilizar eficazmente o ambiente online,designadamente através de instruções precisas relacionadas com a participação nos fóruns eoutros espaços de colaboração; uma tutoria eficaz apoia as/os estudantes a compreender eadoptar comportamentos adequados, designadamente fornecendo-lhes documentação einstruções sobre regras de “netiqueta”.2. A área tecnológicaDo ponto de vista tecnológico, as experiências de processamento de texto, de Internet emotores de busca e de e-mail – preferencialmente superiores a 6 anos - são críticas para umae-tutoria eficaz.É também conveniente que a/o tutora tenha ou adquira experiência na utilização doPowerPoint e da folha de cálculo e de ferramentas de comunicação e de instrução síncrona ouassíncrona.
  • 2. 3. A área socialUm bom professor do regime presencial não é necessariamente um bom tutor, mesmo quedetenha as competências científicas e técnicas e humanas reconhecidas como necessárias aobom ensino.Um dos aspectos mais críticos da diferença entre o ensino presencial e o online prende-se coma compreensão da especificidade da comunicação, predominantemente escrita e assíncronado ensino em regime de e-learning.Presencialmente, comunicamos através de diversos canais, pois, além da linguagem falada,dispomos da linguagem paralinguística, que inclui os gestos, o olhar, o tom de voz, a expressãofacial e corporal e o enquadramento metacomunicativo, em particular as regras tácitas ditadaspelo contexto, incluindo as convenções sociais, tais como as diferenças de estatuto e de papéisque fazem parte da realidade comunicativa.No discurso oral coexistem três códigos distintos: a língua, a entoação, que resulta da definiçãodo timbre, da intensidade, da altura e da duração dos sons, e a linguagem gestual, a postura,os gestos e a fisionomia; estes códigos desempenham funções simultaneamente expressivas ecomunicativas, as primeiras com a finalidade de exprimir a individualidade, as segundas maisassociadas à conectividade e às convenções sociais.Tanto a entoação como a gesticulação interagem com a linguagem verbal de diversos modos:reforçam-na através das redundâncias, complementam-na, modificam-na e enfatizam-na,bastando, para tanto, variar o volume, a intensidade, a pronúncia ou simplesmente recorrer apausas que, entre outras funções, podem alterar significativamente a métrica do discurso,permitindo ajustá-lo ao contexto e romper relações sintagmáticas.Na sua forma escrita, o discurso está sujeito a um escrutínio mais cuidadoso e circunstanciado,as suas relações lógicas podem ser examinadas repetidamente e sujeitas a uma interpretaçãomais crítica, racional e céptica, mais atenta aos cambiantes de significado, obrigando o emissora prestar mais atenção às regras da argumentação e permitindo ao receptor avaliar maismeticulosamente a lógica do texto. Embora menos sujeita à multiplicidade de sentidos daoralidade, a comunicação escrita e os seus efeitos estão sujeitos a um controlo menor dosinterlocutores.Por outro lado, os elementos da comunicação, designadamente o emissor, o receptor, amensagem e o contexto, estão geralmente menos clarificados e referenciados, tendendo paraum nível mais abstracto e arbitrário, em que as referências ao contexto e ao receptor sãomenos frequentes. O discurso escrito tende a tornar-se mais distanciado, mais centrífugo nasua formalidade, mais descontextualizado, tende a recorrer a fórmulas mais impessoais, emque a função de comunicação é predominantemente referencial ou denotativa. Ciente destascaracterísticas, a tutoria online pode então exercitar e modelar formas de comunicação on-lineque tendam a gerar maior proximidade e informalidade de comunicação entre osparticipantes.
  • 3. A utilização sistemática e deliberada de funções e fórmulas de conexão, de coesão e de auto-revelação gera uma dinâmica entre o mundo pessoal e o mundo partilhado, designadamenteatravés da utilização das primeiras pessoas – eu e nós –, de referências e citações a mensagensdos estudantes, da formulação de perguntas, de cumprimentos e manifestações de apreço, deconcordância ou discordância, da utilização de vocativos, dos nomes próprios, de formasinclusivas (nós, nos, nosso),de saudações e despedidas.No ensino online, a manifestação de interesse, cuidado, entusiasmo e crença nas capacidadesdos estudantes, transmitidos, quer por comportamentos e atitudes, quer através de umacomunicação adequada e tendencialmente próxima, a flexibilidade, o apoio e incentivo, ofeedback rápido, a utilização adequada e imaginativa das tecnologias contribuem para umaexperiência académica mais gratificante, para um maior sentimento de presença individual edo outro, que reforçam a identidade e a pertença ao grupo.Em termos de dinâmica de grupos, o ensino online tem algumas especificidades. A fase deformação das equipas é geralmente marcada por dois aspectos essenciais: a interacção social eo estabelecimento de objectivos e de papéis. As dificuldades desta primeira etapa estãorelacionadas com a familiarização com as tecnologias de interacção e com a dificuldade detomada de decisão, motivada pela ausência de comunicação não verbal, da presença física eda comunicação síncrona. A definição de objectivos e de papéis esbarra com dificuldades emcoordenar os horários dos membros das equipas. Contudo, a passagem à fase da normalizaçãoé mais rápida nos grupos online, seja porque a percepção de presença dos circunstantes é maisfraca e a identidade mais esbatida, seja porque o distanciamento físico gera maiorimpessoalidade e constrangimento, seja porque a resolução de eventuais conflitos se realizaem privado; os conflitos têm tendencialmente origem 1) no reduzido empenhamento dealguns elementos nas tarefas do grupo, 2) na falta de planificação, 3) na dificuldade emconciliar horários e prazos e 4) em questões relacionadas com a interacção social.Podem ainda ocorrer situações susceptíveis de influenciar o processo de desenvolvimento dogrupo, designadamente a ansiedade comunicacional, que pode despoletar manifestações deagressividade verbal, agravadas pela permanência do seu registo escrito ou, pelo contrário,diminuir a assertividade dos interlocutores, a dificuldade em determinar o momento oportunode intervir, o modo de se dirigir ao outro, a frequência adequada, o que é susceptível de afetarnegativamente o trabalho do grupo. Por outro lado, na aprendizagem online, os grupos tendem a ser profissional edemograficamente mais diversificados que no ensino presencial, as perspetivas de trabalhoem comum são mais reduzidas, quer em termos de formação, quer em termos profissionais,donde podem resultar algum desinvestimento no trabalho de grupo e um maior retraimentocomunicacional.A fase da normalização dos grupos online apresenta padrões e procedimentos comuns à dosgrupos presenciais, tais como: 1) a definição de papéis e de tarefas individuais; 2) ocumprimento das tarefas individuais; 3) a eventual marcação prévia de encontros síncronos,alguns dias antes da apresentação final, se for caso disso; 4) o elemento do grupo encarregado
  • 4. de organizar as várias contribuições; 5) o trabalho do grupo é colocado online, à disposição detodos os elementos, antes da discussão final e 6) quaisquer comentários suscitados pelodocumento apresentado são acrescentados e procede-se aos ajustamentos finais.Em termos de liderança, a liderança das equipas online é ainda muito orientada para ocumprimento das tarefas colectivas. As equipas online tendem a seguir dois paradigmas: ouoptam pela liderança alternada, ou os elementos das equipas com maior domínio dastecnologias tendem a assumir a liderança; outro factor, mais evidente em equipasmulticulturais, é o domínio da comunicação escrita.Desta conceptualização, resultam algumas questões fundamentais que a tutoria tem de ter emconta na organização e dinamização das equipas de trabalho em ambientes de aprendizagemonline: 1) as tarefas das equipas devem ter um objectivo claro; 2) as tarefas muito complexassão difíceis de executar sem encontros presenciais; 3) algumas equipas poderão necessitar deum apoio mais específico em questões de trabalho, de assertividade e de dinâmica de grupo;4) ao estabelecer metas temporais, a tutoria deve conhecer as condicionantes dodesenvolvimento das equipas online e estabelecer calendários de execução realistas, quepermitam aos estudantes adaptarem-se ao trabalho de grupo em ambientes on-line; 5) atutoria tem de estar preparada para gerir a eclosão de conflitos e de recorrer, sempre quenecessário e adequado, a comunicações privadas, exteriores ao espaço de discussão e detrabalho, designadamente através do correio electrónico.4. A área científico-didáticaOs aspectos o comunicacional e o da dinâmica de grupo online marcam a especificidade dastarefas da e tutoria, a sua importância nas discussões on-line e a natureza das suas funções.Sem excluirmos outros fatores tais como a eficácia do sistema, o tipo de tarefas, as diferençasentre os estudantes, a dimensão dos grupos, a tutoria tem uma importância fundamental,quando assume os seus diversos papéis de conceber e organizar conteúdos e actividades,modelar, facilitar, liderar e, mais especificamente, o de ensinar conteúdos científicos etecnológicos, exigindo esta tarefa uma boa preparação científica e tecnológica da tutoria.Devendo a escolha das tecnologias de comunicação depender do que é apropriado para umadada situação de aprendizagem, a tutoria deve estar em condições de utilizar as tecnologias deforma criativa.Embora as/os estudantes, independentemente da maioria das suas característicasdemográficas, atribuam uma importância idêntica às três funções de concepção e organização,de dinamização e de ensino, as/os estudantes não perdem de vista a aprendizagem comoobjectivo principal e o ensino como tarefa fundamental da/o professor/a. É justamente nodomínio do ensino que se situam as tarefas da tutoria a que os estudantes mas dão maiorimportância, tais como uma adequada e relevante didatização do currículo, a comunicação dosobjectivos de cada sequência de aprendizagem, a resposta pronta a dúvidas e perguntas, oestabelecimento de regras, condições e prazos, o feedback e a avaliação estão entre as deztarefas da tutoria consideradas pelos estudantes como sendo as mais relevantes.
  • 5. Notas finaisA matriz filosófica da/o tutor/a, as suas crenças e valores em relação às questões educacionais,em geral e à educação de adultos, em particular, e o meio em que desenvolve o seu trabalhoinfluenciam o seu estilo de ensino.O estilo de ensino da/o tutor/a, a forma como concebe e desenvolve o ambiente deaprendizagem, os métodos e as estratégias que utiliza para apresentar os conteúdos, a formacomo lidera as discussões, como encoraja as interacções, alimenta a curiosidade dosestudantes, é de vital importância. Um/a tutor/a que crê nas vantagens da autonomia e dainteracção, aceita novas ideias, valoriza as diferenças de opinião, estimula diferentes pontosde vista, procura novas formas de ensinar e de aprender e sabe identificar o que despoleta areflexão, inspira e motiva a/os estudantes, que a/os encoraja a tornarem-se independentes e aprocurar por si próprias/os a informação para fundamentarem opiniões e hipóteses, respondea perguntas, sugere percursos, diagnostica más interpretações, fornece explicaçõesalternativas, tem uma matriz teórica baseada na autonomia, na interdependência, nacomunicação e no diálogo.A personalidade da/o tutor/a e sua eficácia estão associadas: alguns estilos de tutoria têmmaior dificuldade ou facilidade em conseguir um melhor desempenho por parte dosestudantes e em desenvolver um ambiente de aprendizagem mais propiciador da criatividadee do desenvolvimento de competências de resolução de problemas. A personalidade da/otutor/a tem repercussões nos resultados da aprendizagem e influencia o ambiente psicológicoem que esta ocorre. A motivação dos alunos é influenciada pelo estilo da tutoria, maisdirectivo ou de tendência mais autonómica.Na aprendizagem a distância, as situações de passividade dos estudantes, em que a tutoriadecide unilateralmente o que se aprende, com que profundidade e sequência, prejudica aaquisição de algumas competências, designadamente de resolução de problemas e deaprendizagem independente. Deste modo, as estratégias que promovem a interdependênciaentre os estudantes, a reflexão crítica e a aprendizagem autónoma e tiram partido dadiversidade de competências e de experiências parecem ser as mais apropriadas.As/os estudantes que têm tutores com este perfil mais autonómico tendem a considerar-seacademicamente mais competentes e mais criativos, mais motivados, revelam umacompreensão mais profunda dos conteúdos, um grau de coesão mais elevado, apresentamtaxas de abandono mais reduzidas e melhores resultados académicos.Em suma, a personalidade d/ao tutor/a e o seu estilo de ensino estão fortemente associados. Idalina Jorge, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 5 de Julho de 2011.

×