Your SlideShare is downloading. ×
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Pfap
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pfap

1,008

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,008
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Profissionalização em serviço 2.º Ano – 2006/2007 PFAPProjecto de Formação e Acção Pedagógica Informática Professora Acompanhante: Anabela Correia Trabalho realizado por: Jorge Miguel Colaço Teixeira Escola Secundária Daniel Sampaio – Sobreda
  • 2. ÍNDICEIntrodução ................................................................................................... 05I – Enquadramento do PFAP 1.1. Educar e Educação............................................................................... 07 1.2. Ensinar versus Aprender ....................................................................... 10 1.3. Ser professor ....................................................................................... 12II – Contexto Externo e Interno do PFAP 2.1. Caracterização do meio envolvente........................................................ 14 2.1.1. O Concelho de Almada............................................................... 14 2.1.2. A Freguesia da Sobreda ............................................................. 17 2.1.2.1. História da freguesia ....................................................... 17 2.1.2.2. Caracterização urbana..................................................... 19 2.1.2.3. Equipamentos colectivos ................................................. 19 2.2. A Escola Secundária Daniel Sampaio...................................................... 21 2.2.1. Constituição .............................................................................. 21 2.2.2. Patrono .................................................................................... 22 2.2.3. Localização, acessos e transportes .............................................. 23 2.2.4. Espaços físicos e localização dos serviços .................................... 24 2.2.5. Alunos...................................................................................... 25 2.2.6. Oferta educativa no ano lectivo 2006/2007.................................. 26 2.2.7. Pessoal Docente........................................................................ 27 2.2.8. Pessoal não Docente ................................................................. 27 2.2.9. Equipamentos pedagógicos ........................................................ 27 2.2.10. Actividades de enriquecimento curricular ..................................... 29 2.2.11. Relação da escola com o meio envolvente ................................... 30 2.2.12. Projecto educativo de escola (PEE) para o triénio 2005/2008 ........ 31 2.3. A turma 12.º F..................................................................................... 34III – O Problema: Pertinência no processo ensino/aprendizagem 3.1. A educação actual ................................................................................ 43 3.2. O contributo das novas tecnologias na escola ......................................... 45 3.3. A importância da Internet no processo de ensino / aprendizagem ............ 47 3.4. Perfil da Escola Secundária Daniel Sampaio face às Tecnologias de Informação......................................................................................... 49
  • 3. IV – Áreas e Estratégias de actuação 4.1. Direcção do Curso Tecnológico de Informática........................................ 52 4.2. Intervenção no âmbito do PEE e Plano Anual de Actividades.................... 57 4.3. A leccionação da ATI – Área Tecnológica Integrada ................................ 61 4.3.1. Considerações acerca da ATI...................................................... 61 4.3.2. Planificação das actividades lectivas ............................................ 66 4.3.3. Fundamentação do Projecto e das Actividades Propostas .............. 69 4.3.4. Planificação da Unidade – Servidores Web................................... 73 4.3.5. Planos das aulas........................................................................ 74V – Avaliação ................................................................................................ 75Conclusão ..................................................................................................... 77Bibliografia................................................................................................... 78Anexos.......................................................................................................... 79 Anexo 1 – A turma 12.º F...................................................................................i Anexo 2 – Inquérito para caracterização da turma .............................................. iv Anexo 3 – Cronograma das principais actividades do PFAP ................................. vii Anexo 4 – Funcionamento da ATI: Documentação / Informações destinadas aos Encarregados de educação e alunos ................................................. ix Anexo 5 – Conclusão e certificação do curso .................................................... xxi Anexo 6 – Critérios de Avaliação da PAT ......................................................... xxiii Anexo 7 – Regulamento e Guia da PAT............................................................xxv Anexo 8 – Planificação a Longo Prazo ..............................................................xlvi Anexo 9 – Planificação a Médio Prazo ............................................................... lix Anexo 10 – Planificação a Curto Prazo: Aula – tipo ............................................ lxi Anexo 11 – Critérios de avaliação da ATI .........................................................lxiv Anexo 12 – Outros........................................................................................ lxvii
  • 4. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano INTRODUÇÃOO presente documento é fruto, não só destes últimos dias de reflexão em torno do pro-cesso de ensino-aprendizagem para a elaboração da proposta de Projecto de Formação eAcção Pedagógica (PFAP), mas também de uma longa caminhada que me conferiu expe-riência profissional na docência até ao presente ano lectivo, onde lecciono na EscolaSecundária Daniel Sampaio, no grupo 550 – Informática, como professor do quadro denomeação provisória.Decorridos quatro anos de actividade lectiva, fui nomeado para realizar a profissionaliza-ção em serviço na ESE de Setúbal no passado ano lectivo. Ao longo destes anos nadocência adoptei formas de planificação e concretização do currículo, as quais tiveram ori-gem, essencialmente, na observação dos docentes nos vários anos em que assumi o papelde aluno, como também no aconselhamento e formas de agir de colegas de profissão.Também, durante todo esse período, deparei-me com inúmeros problemas e dificuldades,para os quais sentia a necessidade de formação, que não tinha. Leccionei quase a totali-dade de disciplinas existentes na área de informática, muitas das quais sem manuais emateriais de apoio, tendo o professor que os construir. Foram várias as limitações técni-cas, uma vez que as escolas não estavam apetrechadas convenientemente para a leccio-nação de algumas disciplinas mais específicas, obrigando à reorganização de planificaçõese metodologias de ensino para fugir ao erro mais comum nesta área: a exposição de con-teúdos eminentemente práticos através do acetato ou de apresentações em PowerPoint.Posso ainda incluir neste vasto rol o apoio técnico prestado ás escolas, projectos variadosde apoio ao ensino ou administrativo, a transformação de biblioteca escolar em centro derecursos, etc…Com força de vontade, o gosto pela carreira que escolhi e o dinamismo que me caracteri-za, essas dificuldades foram superadas o que me enriqueceu profissionalmente, permitin-do-me ganhar experiência e maturidade enquanto professor.Jorge Teixeira 5
  • 5. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoAquando do momento da nomeação para a profissionalização em serviço, e apesar dasatisfação e euforia pelo significado que a mesma traria à minha carreira, várias dúvidasme ocorreram. Será que procedi de forma correcta ao longo de todos estes anos? As for-mas de planificar, leccionar e intervir em determinados aspectos da carreira docenteteriam sido os mais adequados?Feita a necessária auto-avaliação ao primeiro ano de profissionalização em serviço concluoque nem tudo decorreu da forma que esperava. Existiram momentos de frustração e umsentimento de desarticulação de conteúdos á realidade da prática docente, devido talvezao grande número de colegas que partilhavam comigo o espaço físico e as aprendizagens,mas que geravam também um grande e diversificado número de experiências, problemase vivências. No entanto, o balanço final foi positivo, sobretudo ao nível da forma de enca-rar a escola, os alunos, a sociedade e eu próprio. Positiva foi também a forma de encararo processo de ensino-aprendizagem centrado numa perspectiva de autonomia do profes-sor, inversamente ao seguimento rígido dos programas; contemplar a escola como umespaço de aprendizagem e socialização, complementar da nossa vivência através da reco-lha de experiências importantes para as nossas vidas; ao contrário de um centro de aqui-sição de conhecimentos.Deparo-me agora, no presente ano lectivo e no segundo ano de profissionalização em ser-viço, com a realização de um projecto de formação e acção educativa, regulamentado peloDecreto-Lei n.º 287/88 de 19 de Agosto. Considero no entanto não tratar-se um projecto,mas sim de uma posposta, ou de um guia, uma vez que não se trata de um projecto aca-bado, pois muitas modificações irei certamente fazer ao projecto inicial. Pretendo, atravésdeste, realizar actividades, promover atitudes, aproximar os intervenientes da comunidadeescolar de forma a que me possa sentir um elemento útil e participativo. O desenvolvi-mento do processo de ensino-aprendizagem no domínio da direcção de curso, a participa-ção no projecto educativo da escola e no que respeita à disciplina que lecciono, são algu-mas das tarefas que se me apresentam.Jorge Teixeira 6
  • 6. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano I – ENQUADRAMENTO DO PFAP 1.1. Educar e Educação Educar – Acto através do qual se desenvolve as faculdades físicas, intelectuais e morais do Homem, tornando-o assim apto a enfrentar um meio social determinado e a integrar-se nele com a sua personalidade formada. In Dicionário Prático Ilustrado, Lello & Irmão Editores, 1977O desenvolvimento do Homem faz-se a partir das interacções sociais. É nas nossas rela-ções com o outro que nos desenvolvemos (objectos, meio ambiente, mas especialmenteoutras pessoas: pais, irmãos, professores).Isto traz importantes consequências para a escola. Se alguém é capaz de aprender sozi-nho com a sua própria experiência, ela aprende mais e melhor com os outros. Na escolaisto quer dizer: com o professor e com os colegas.O conhecimento sobre a aprendizagem – as suas condições, o seu papel no desenvolvi-mento – ajuda o professor a ensinar melhor.Saber sobre a vida escolar do aluno, conhecer as suas competências e as suas referênciassócio-culturais torna-se imprescindível para que o professor tenha sucesso na tarefa delevar o aluno a aprender.Assim, a educação tem por finalidade, não apenas a apreensão de determinados conteú-dos, mas também o desenvolvimento integral do aluno. A educação deve ser perspectiva-mente centrada no jovem, nas regras do seu desenvolvimento psicológico; equilíbrio entreas necessidades do ensino individualizado e a sua formação no plano social. Deverá apon-tar para uma responsabilização crescente do jovem, visando a sua autonomia e a suaJorge Teixeira 7
  • 7. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anoinserção na sociedade, aplicando práticas educativas aplicadas à vida. A educação é umprocesso de aprendizagem e de formação contínua que permite o enriquecimento e odesenvolvimento do indivíduo ao longo da sua vida, possibilitando-lhe ser o instrumentodo seu próprio desenvolvimento, construindo a sua personalidade á medida que a socie-dade muda.Para que estas premissas se adeqúem à realidade educativa é imperioso que, além doseguimento dos programas propriamente ditos, se ofereça aos alunos uma maior gama deactividades extra-curriculares ou áreas não disciplinares que desenvolvam as potencialida-des, satisfaçam as necessidades e permitam testar o potencial de cada aluno.Como tal, a escola não deve ser vista apenas como uma instituição que tem o encargo deeducar, segundo programas e planos sistemáticos, os indivíduos nas diferentes idades dasua formação; mas sim como um “ecossistema social”, como um modelo sistemático einteractivo, onde o professor deverá funcionar como mediador entre esta, o aluno e afamília enquanto pólo extremamente importante de apoio ao aluno, promovendo a suaintegração numa sociedade em mudança e proporcionando-lhe experiências propicias aodesenvolvimento integral e harmonioso da sua personalidade enquanto cidadão.Para se fazer uma eficaz análise à situação actual da educação em Portugal, é necessárioatender a três vectores: os pais, a sociedade e a escola.Cada vez mais, os pais delegam quase integralmente na escola a educação dos filhos, limi-tando a sua acção educativa a castigos por maus comportamentos. A forma como grandeparte dos pais portugueses educam os filhos, incentiva nestes a falta de auto-confiança, afalta de iniciativa e de responsabilidade. Deve reconhecer-se que o problema actual daeducação das crianças e dos jovens é um problema de toda a sociedade e de cada adulto.Temos todos uma responsabilidade com as gerações futuras. Compete-nos preparar osjovens para a vida adulta, preparando-lhes um tipo de sociedade onde seja possível viver.Durante muito tempo, a escola foi vista como única fonte de saber, capaz de assegurarprestígio e posição social. Hoje, embora continue a ter um papel importante, ela já nãotem o "monopólio" do saber exclusivo, ou seja, actualmente há já muitas outras fontes deJorge Teixeira 8
  • 8. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anoinformação igualmente credíveis. Nestas novas fontes de informação estão incluídas asnovas tecnologias que são excelentes meios para a construção do conhecimento.Em suma, na educação engloba-se o ensinar e o aprender, em aspectos que marcam asociedade e a cultura. Aspectos que marcam o próprio ser e que permitem a passagem desaberes, conhecimentos e culturas de geração em geração.Jorge Teixeira 9
  • 9. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 1.2. Ensinar versus Aprender "Diz e eu esquecerei. Ensina-me e eu lembrar-me-ei. Envolve-me e eu aprenderei." Provérbio ChinêsEnsinar e aprender são duas coisas diferentes. Parece óbvio, mas não é. Na prática, estámuito enraizada a ideia de que ensinar e aprender são a mesma coisa. Que basta quealguém ensine para que outro aprenda. O professor, diante do aluno que admite que nãosabe ou não entende, responde quase sem pensar: "Mas eu já ensinei isso!" E se o alunoresponde: "Mas eu não aprendi", o professor deve entender isso como um desfasamentoperfeitamente normal dentro de todo o processo de conhecimento que envolve uma rela-ção ensino-aprendizagem.A própria expressão ensino-aprendizagem, tão repetida e utilizada na pedagogia tem con-tribuído, sem dúvida, para favorecer e alimentar a confusão, criando a imagem (fonética evisual) de que os dois termos constituem uma unidade inseparável. Mas a realidade indi-ca-nos que não existe essa unidade inseparável. Porque a verdade é que pode haver ensi-no sem aprendizagem como também pode haver aprendizagem sem ensino. Um professorpode ensinar diversos conteúdos e nenhum de seus alunos aprender o que ele ensinou.Da mesma forma, um aluno pode aprender diversos conteúdos sem que ninguém os tenhaensinado, pegando num livro e estudando por conta própria.Ensinar e aprender são processos diferentes que envolvem sujeitos também diferentes:um educador e um educando. Ensinar e aprender, por envolver processos e sujeitos dife-rentes, supõe também métodos diferentes: os mecanismos e estratégias que o professorutiliza para desenvolver determinado conteúdo são diferentes daqueles que o estudanteutiliza para aprender esse mesmo conteúdo.Jorge Teixeira 10
  • 10. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoA situação de ensinar sem que isso se traduza em aprendizagem efectiva é bastantecomum e, de facto, acontece todos os dias. Se todo o ensino se traduzisse automatica-mente em aprendizagem todos os estudantes seriam génios. O problema é que os profes-sores ensinam mas os alunos não aprendem. O problema é que existe uma grande brechae um grande desperdício entre a abundante informação que se ensina e a informação queé efectivamente registada, processada e aprendida pelos estudantes.Uma margem razoável de desperdício de informação é inevitável em todo o processo edu-cativo. Falta de motivação, de interesse, de atenção, de concentração, de compreensão,etc…, impedem que o conhecimento seja registado e fixado. Por outro lado, existemmecanismos naturais de selecção: nem tudo interessa a todos, nem da mesma maneira,motivo pelo qual cada um selecciona e ordena preferencialmente a informação que rece-be.Actualmente, o sistema educativo está finalmente fixado na aprendizagem, ou seja, noponto de vista do aluno. O objectivo final da educação é a aprendizagem e é a partir delaque se avalia o aluno, o professor e o sistema. O que importa é que os alunos aprendam,não que os professores ensinem. Nessa perspectiva, o bom professor não é o que ensinamuitas coisas, mas sim aquele que consegue que os seus alunos aprendam efectivamenteaquilo que ensina.Jorge Teixeira 11
  • 11. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 1.3. Ser professor “As aulas tornam-se por vezes mais excitantes, à medida que o professor deixa de ser apenas professor.” In ROGERS, “Como professor, posso ser eu mesmo”Como agente educativo, o professor deverá promover uma relação com base na empatia,proporcionando o diálogo e a troca de experiências, apelando constantemente para umaliberdade responsável.O professor, como facilitador da aprendizagem, não deverá transmitir “conhecimentos fei-tos” mas sim lançar pistas, encorajando os alunos à auto-descoberta, à capacidade criativae crítica, responsabilizando-os pela aprendizagem e organização do seu trabalho.Neste contexto é extremamente importante ser ouvido mas, sobretudo, também saberouvir, estar receptivo às constantes solicitações dos alunos. O professor não se podeassumir como “detentor do saber”, ao invés deve-se predispor a ensinar e aprender ensi-nando.Assim, uma constante na minha prática docente é estabelecer com os alunos uma relaçãode entre-ajuda, na qual tento estar atento às suas dificuldades, essencialmente daquelesque não tenham um acesso facilitado aos computadores, mostrando-me disponível dentroe fora da sala de aulas relativamente às suas solicitações.Os alunos, por sua vez, face às suas necessidades, sempre que possível, determinam oseu ritmo de aprendizagem, optando algumas vezes pela realização de trabalhos de apli-cação fora do horário lectivo, sendo, também estes, objecto de avaliação.Procuro detectar necessidades, interesses, aptidões e vocações dos alunos de forma amelhor compreendê-los, ajudá-los e avaliá-los. Promovo muitas vezes o ensino pela des-coberta, explorando as questões formuladas pelos alunos no sentido de eles mesmos asJorge Teixeira 12
  • 12. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anoresolverem. Realizo ainda vários trabalhos de aplicação para que os alunos os trabalhas-sem fora da sala de aulas, para que eles próprios os resolvam e identifiquem melhor assuas dificuldades.Em conjunto sustentamos uma relação de aproximação professor – aluno de forma aestabelecer relações francas e abertas, advindo daí grandes benefícios para a integraçãoescolar de ambas as partes e para o processo de ensino – aprendizagem, reflectindo-setambém ao nível do desenvolvimento pessoal, garantindo o crescimento de atitudes derespeito, compreensão, amizade e solidariedade.Com base nisto fomento um ensino e uma aprendizagem descontraídos, contribuindo emgrande parte para a elevação da auto-estima dos alunos. Trato sistematicamente cadaaluno como uma individualidade, chamando-o pelo seu nome, respeitando a sua afectivi-dade, os seus valores e as suas limitações.Nunca me limito a uma posição estática na sala de aulas, movimentando-me adequada-mente no seu espaço, utilizando um tom de voz audível e apropriado, e fazendo uso dealguma linguagem não verbal, de forma a conferir vivacidade ao diálogo.Jorge Teixeira 13
  • 13. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano II – CONTEXTO EXTERNO E INTERNO DO PFAP 2.1. Caracterização do meio envolventeA escola Secundária Daniel Sampaio encontra-se localizada numa área suburbana do Con-celho de Almada, abrangendo alunos residentes numa vasta área que vai da Fonte daTelha à Trafaria, incluindo os principais aglomerados populacionais da freguesia.Neste contexto, é importante conhecer o Concelho e a Freguesia, como meio envolventeexterior à escola, com vista a ter uma melhor compreensão dos alunos e respectivas famí-lias. 2.1.1. O Concelho de AlmadaA designação de Almada é proveniente das palavras árabes Al-Madan, a Mina, pelo motivode que, aquando do domínio árabe da Península Ibérica, os árabes procediam à explora-ção do jazigo de ouro da Adiça, no termo do Concelho. A zona de Almada foi igualmenteescolhida pelos árabes para a construção de uma fortaleza no promontório natural, sendoesta destinada à defesa e vigilância da entrada no Rio Tejo, em frente de Lisboa, desen-volvendo-se a povoação nos domínios da defesa militar, da agricultura e da pesca.Situada no estuário do rio Tejo, do outro lado de Lisboa, tornou-se cidade pouco depoisdo 25 de Abril de 1974, como outras das povoações da "Outra Banda". Constituiu primei-ramente um "dormitório" para as pessoas que trabalhavam em Lisboa e a sua importânciadevia-se, fundamentalmente, à actividade marítima; exemplos disso podem ser encontra-dos nos grandes estaleiros da Lisnave ou na instituição de defesa da base naval do Alfeite.Contudo, a principal atracção turística continua a ser a vasta série de praias da Costa daCaparica: longos areais rodeados de dunas de areia e bosques de pinheiro, os quais setornaram extremamente populares nas épocas veraneantes.Jorge Teixeira 14
  • 14. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoIntegrado no distrito de Setúbal, o pequeno mas densamente povoado concelho de Alma-da, é um município com 69,98 km² de área e 159.550 habitantes (Censos de 2001), sub-dividido em 11 freguesias (Almada, Cacilhas, Caparica, Charneca da Caparica, Costa deCaparica, Cova da Piedade, Feijó, Laranjeiro, Pragal, Sobreda e Trafaria): Figura 1 – Mapa do Concelho de Almada.O município é limitado a leste pelo município do Seixal e a sul por Sesimbra, e possui umalonga costa a oeste para o Oceano Atlântico, e a norte e nordeste abre-se para o Estuáriodo Tejo, frente aos municípios de Lisboa e Oeiras.Um dos aspectos mais marcantes da população de Almada reside no seu rápido cresci-mento ao longo das últimas 4 décadas: de 70.000 habitantes em 1960, para 107.000 em1970, atingindo os 147.690 em 1981, 153.189 em 1991 e os actuais 159.550 em 2001,com uma população flutuante a oscilar entre as 60.000 e as 70.000 pessoas.Almada é uma cidade jovem e dinâmica: aproximadamente 40% dos habitantes têmmenos de 35 anos e apenas 7% da população local ultrapassa a fasquia dos 75 anos.Jorge Teixeira 15
  • 15. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoEmbora a taxa de fertilidade tenha decrescido, o crescimento da massa populacional veri-ficado assenta essencialmente nos fluxos migratórios internos, a rondar os 31% nas déca-das de 1950/60. Estas taxas mantiveram-se elevadas, mesmo nas décadas de 70/80, comum valor de 24% sobre o total. A existência destes elevados fluxos migratórios está direc-tamente relacionada com o potencial e as oportunidades existentes na Área Metropolitanade Lisboa.O crescimento populacional de Almada está fortemente ligado ao desenvolvimento susten-tado do concelho, às oportunidades sociais, económicas e profissionais existentes, aoturismo, ao comércio e serviços e a uma qualidade de vida própria de uma cidade jovem,moderna e atractiva.A Tabela seguinte indica o número de residentes por freguesia apurados pelos Censos de2001: Freguesia População Residente Almada 19367 Cacilhas 7030 Caparica 20005 Charneca Caparica 20155 Costa de Caparica 11712 Cova da Piedade 20787 Feijó 15575 Laranjeiro 20898 Pragal 7514 Sobreda 10594 Quadro 1 – População residente nas freguesias do Concelho de AlmadaComo já foi referido, a maior parte da população fixou-se neste concelho da área metro-politana de Lisboa (surto demográfico dos anos 40-70), para estar mais próxima doemprego, ou para tentar obtê-lo.É de salientar que, em matéria de emprego, Almada ainda está dependente de Lisboa. Amobilidade da população residente para o trabalho é em grande parte, responsável pelosJorge Teixeira 16
  • 16. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anofluxos de tráfego do Concelho. Os principais meios de transporte utilizados nas desloca-ções pendulares para Lisboa são:• Transporte fluvial: A travessia de barco sempre foi um meio de transporte privile- giado para quem quer chegar à baixa de Lisboa, sendo Cacilhas o maior terminal flu- vial. A travessia do Tejo via Trafaria e Porto Brandão facilita as acessibilidades das fre- guesias mais ocidentais do concelho de Almada (Caparica, Trafaria e Costa de Capari- ca) a Belém.• Transporte ferroviário: A partir de 1999 o Concelho de Almada tem um troço ferro- viário que faz a ligação com Lisboa, o comboio da Fertagus que atravessa a ponte 25 de Abril em direcção ao Areeiro. A partir de 2004 esta ligação foi estendida para sul em direcção a Setúbal. O Metro Sul do Tejo (MST) surge como uma grande oportuni- dade para organizar os transportes públicos. As principais interfaces serão junto dos terminais fluviais, das estações ferroviárias (Pragal e Corroios) e das estações do MST (Universidade Nova, Centro Sul e Laranjeiro). Aqui será fácil sair do metro ou comboio e apanhar um autocarro, táxi ou carro particular que esteja no parque de estaciona- mento das estações.• Transporte rodoviário: O concelho de Almada está ligado a Lisboa via ponte 25 de Abril por autocarros com destino às praças do Areeiro e de Espanha. Mais recentemen- te existe uma outra ligação à cidade universitária. 2.1.2. A Freguesia da Sobreda 2.1.2.1. História da freguesiaPovoação muito antiga a Sobreda é referida em documentos do século XII. Fernão Lopes,o nosso cronista, fala da Suvereda, quando descreve o ataque surpresa a Almada, levadoa cabo por Nuno Alvares Pereira em 1384. Almada estava então ocupada pelos Castelha-nos que também cercavam Lisboa. Suvereda é a forma mais antiga de Sobreda e significalugar de Sobreiros e é sinal de povoamento florestal que parece ter sido abundante nascolinas a norte e sul do vale da Sobreda.Jorge Teixeira 17
  • 17. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoEmbora o vale da Sobreda fosse uma zona fértil, as áreas circunvizinhas eram apenasaptas para culturas florestais ou de sequeiro. Aliado a este facto estava um certo isola-mento da povoação, que apenas em fins do Século XIX foi ligada a Corroios e à Caparicapor estrada. Até aí apenas azinhagas de má qualidade a ligavam às principais vias do con-celho. Devido a esta situação, a sua população foi sempre escassa e em fins do século XIXera apenas de 150 habitantes. Tal não impediu que na zona fértil do vale se estabeleces-sem ricas quintas de fidalgos e morgados como os Zagalos, os Caiados e Azevedos eoutros, e até uma dependência dos frades Agostinhos descalços que em 1677 fundaramjunto ao Rossio da Sobreda (o antigo largo do rio) um convento, hoje desaparecido.O crescimento da indústria no conselho de Almada e a proximidade de Lisboa levaram nosanos 60 a um crescimento populacional do concelho de Almada, e consequentemente dafreguesia da Sobreda.Em 4 de Outubro de 1985 a Assembleia da República aprova a passagem da Sobreda àcategoria de freguesia, alteração que tem como objectivo descentralizar para melhor serviros interesses da população local. Em 14 de Outubro de 1985 é nomeada pela AssembleiaMunicipal de Almada a Comissão Instaladora da freguesia da Sobreda que desenvolve asacções necessárias para que em 2 de Novembro de 1986 seja eleita a 1ª Assembleia dafreguesia da Sobreda. Dado o seu franco desenvolvimento e progresso, é em 20 de Maiode 1992 elevada à categoria de Vila. Figura 2 – Brasão da freguesia da SobredaA Sobreda de hoje reflecte uma certa harmonia entre a Sobreda Histórica, da qual faz par-te o excelente solar dos Zagalos e seus jardins, dos séculos XVII / XVIII, os modernos edi-Jorge Teixeira 18
  • 18. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anofícios habitacionais do nosso século e as novas urbanizações, tornando a Sobreda numazona habitacional privilegiada no conselho de Almada, favorecida pela sua própria localiza-ção e envolvimento das vias de comunicação. 2.1.2.2. Caracterização urbanaA freguesia tem uma área de 664 ha. e, a nível populacional, a Sobreda conta com cercade 14000 habitantes residentes, a que acresce a população flutuante de fim-de-semana everaneio, trabalhando na própria localidade (comércio, serviços e alguma agricultura) oudeslocando-se diariamente para Lisboa.O número actual de eleitores é cerca de 9200, além destes, são muitos os residentes ain-da não recenseados, como indica o elevado número de pedidos de atestados de residen-tes nesta situaçãoA Freguesia integra as localidades de: Sobreda, Vale Figueira a Alto do Índio, sendo aSobreda e Vale Figueira os dois principais núcleos urbanos com mais de 3 000 eleitorescada, cujos aglomerados populacionais são contínuos 2.1.2.3. Equipamentos colectivos A. Instalações desportivas e culturais: • Associação Reformados e Pensionistas Idosos do Alto do Índio; • Campo de Jogos Polidesportivo descoberto no Alto do Índio, e outro em Vale Figueira; • Clube Recreativo e Instrução Sobredense; • Clube Recreativo Verde Atlântico; • Escola de Equitação Escola Profissional de Musica de Almada; • Grupo Recreativo Casal de Santo António; • Sociedade Cultural e Recreativa Vale Figueira; • Sociedade Recreativa de Lazarim.Jorge Teixeira 19
  • 19. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano B. Equipamentos Sociais • Centro de 3ª Idade Imaculada Conceição; • Centro de Convívio no Alto do Índio; • Centro de Saúde S. Filinto; • Centro Paroquial de Vale Figueira; • Comissão de Moradores Bairro S. João; • Comissão de Moradores da Quinta do Guarda-Mor; • Comissão de Moradores de Vale Figueira; • Comissão de Moradores do Alto do Índio; • Cruz Vermelha Portuguesa em Vale Figueira (Posto de saúde); • Igreja Paroquial na Sobreda e outra em Vale Figueira; • Jardim Secular na Sobreda; • Posto Móvel CTT; • Solar Santa Margarida (Casa de repouso). C. Escolas e instituições de ensino • Escola Primaria n.º 1 da Sobreda; • Escola Primaria n.º 2 da Sobreda / JI Alto do Índio; • Escola Primaria n.º 1 de Vale Figueira; • Jardim de Infância do Alto do Índio; • Escola Básica Integrada de Elias Garcia; • Escola Secundária Daniel Sampaio.Na oferta educativa privada da freguesia podemos incluir: • Alves & Irmã, Lda.; • Externato A Colmeia; • Externato O Palhacinho Vaidoso Unipessoal, Lda.; • Externato Zazzo; • Maria José G. Santos Lopes; • O Sossego da Mamã – Estabelecimento de Ensino Particular Lda.; • Rainha Santa – Estabelecimentos de Ensino Particular, Lda.Jorge Teixeira 20
  • 20. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 2.2. A Escola Secundária Daniel Sampaio 2.2.1. ConstituiçãoA Escola Secundária Daniel Sampaio, antes designada por Escola Secundária da Sobreda,é recente, pois a sua construção é de 1987 tendo sido inaugurada em 7 de Dezembro. Noseu primeiro ano lectivo contou apenas com turmas do 7º e 8º anos. No ano seguinte,abriu na data prevista pelo Ministério da Educação com cerca de 1100 alunos distribuídosem turmas do 7º ano, 8º ano e 9º ano. No ano lectivo de 90/91 além de turmas do 3ºciclo, iniciou também a leccionação de turmas do 10º ano. Nos anos seguintes, alargou oensino a todos os anos de escolaridade, desde o 7º ano ao 12º ano.O projecto-tipo desta escola foi o adoptado para a construção de outras escolas de EnsinoSecundário em Portugal. Inicialmente integrava quatro pavilhões de “construção industria-lizada” implantados no terreno, tendo ainda, um pavilhão onde funcionava a cozinha e orefeitório. No ano lectivo de 95/96 foi construído mais um pavilhão equipado com labora-tórios de Biologia e de Físico – Química e o pavilhão do refeitório foi desdobrado em refei-tório e auditório. Possuía ainda um recinto desportivo descoberto e um espaço pavimenta-do também para a prática gimno-desportiva, com balneários anexos, estando prevista aconstrução de um pavilhão gimnodesportivo, cuja construção apenas terminou no passadoano lectivo, encontrando-se em pleno funcionamento.No início a escola foi projectada para uma população de 1200 alunos, mas este númeronunca foi alcançado, apesar dos primeiros anos quase se ter atingido a capacidade para aqual este estabelecimento de ensino foi projectado.De um corpo docente no ano lectivo de 87/88 constituído por 55 professores, na suamaioria provisórios, passou-se para o ano lectivo de 2006/2007 a 102 professores, dosquais cerca de 74% efectivos.Jorge Teixeira 21
  • 21. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 2.2.2. PatronoHá uns anos a esta parte, a escola sentiu a necessidade de reforçar a sua imagem e iden-tidade, pelo que a escolha de um patrono se assumia como essencial. Com a actual gestãoda escola, e com um projecto educativo para o triénio 2002/2005, foi dado seguimento aoprocesso, visando encontrar uma personalidade que apadrinhasse esta instituição e queprojectasse o seu nome.Nesse sentido, em Setembro de 2002, iniciou-se a auscultação da comunidade educativa,professores, alunos, funcionários e associações de pais, para levantamento de nomes depersonalidades que, de alguma forma, tivessem valor reconhecido, nomeadamente noâmbito da cultura, ciência ou educação. A escolha recaiu em Daniel Sampaio.Assim, preenchidas as formalidades e demais requisitos previstos na lei, e após a concor-dância da Câmara Municipal de Almada, a Escola Secundária da Sobreda com 3º Ciclo doEnsino Básico de Sobreda, passou a denominar-se Escola Secundária com 3º Ciclo doensino básico Daniel Sampaio, Sobreda, Almada, por despacho do Senhor Secretário deEstado da Administração Educativa de 27 de Julho de 2003.Daniel José Branco de Sampaio, nasceu em Lisboa a 8 de Setembro de 1946. Formou-seem Medicina pela Universidade de Lisboa, em 1970, tendo-se especializado em Psiquiatria.Tem desenvolvido a sua carreira hospitalar no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, ondefoi chefe de serviço e coordenador da consulta externa de psiquiatria e onde fundou ecoordena o Núcleo de Doenças de Comportamento Alimentar – anorexia nervosa –, dedi-cando-se ao atendimento de jovens em risco e suas famílias.Tem colaborado em programas de rádio e televisão e é autor de vários livros (Inventem-se Novos Pais, Voltei à Escola...). Assina actualmente uma crónica semanal na revista"Xis", do Jornal "Público". É coordenador nacional do Programa de Educação para a Saú-de, que integra a Educação Sexual nas escolas.Jorge Teixeira 22
  • 22. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoDaniel Sampaio tem apoiado a nossa Escola, nomeadamente, realizando encontros regula-res com encarregados de educação, alunos e professores e acompanhando pessoalmentealguns alunos. 2.2.3. Localização, acessos e transportesA principal via de acesso à escola é a estrada camarária Lazarim – Vale Figueira que dáligação a outras vias que conduzem às localidades vizinhas, à sede de concelho e a Lisboa.A Escola é servida por três carreiras de transportes regulares dos TST, dos quais se desta-ca a carreira da Fertagus, com ligação ao Fórum Almada e à estação de comboios do Pra-gal, e ainda por cinco carreiras de transportes escolares próprios, que diariamente trans-portam os alunos das localidades vizinhas.Ao longo dos anos de existência da escola, têm-se feito diligências no intuito de melhorara rede de transportes, contudo estes continuam a ser insuficientes e morosos, sendo osalunos obrigados a apanhar mais que um transporte ou fazerem parte do percurso a pé.Localização da escola Figura 3 – Localização da escolaJorge Teixeira 23
  • 23. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 2.2.4. Espaços físicos e localização dos serviçosOs espaços escolares são aprazíveis já que estão bem conservados, limpos e com umagradável embelezamento, que se revela, não só nas partes ajardinadas, mas também nadecoração das colunas de suporte dos telheiros dos espaços cobertos. O jardim da Escolafruto do clube do ambiente, além de embelezar a escola, destina-se a uma área de lazerdos alunos.A escola é constituída por sete pavilhões, onde estão instalados os equipamentos e os ser-viços e onde se desenvolvem as actividades escolares, conforme o quadro que se segue: PAVILHÃO ESPAÇOS E SERVIÇOS R/ C: Recepção, PBX, Serviços Administrativos, ASE, Sala dos Pro- fessores, lavabos; A 1° Andar: Centro de Recursos, Auditório/ Sala de Audiovisuais, Gabinete de Gestão, Sala de Trabalho dos Departamentos e dos Directores de Turma, Sala de Reuniões e Sala dos Clubes. R/C: Salas de Aula, Biomuseu, Clube de Cerâmica; B 1° Andar: Salas de aula, Salas específicas de Educação Visual, Gabi- nete de Educação para a Saúde, lavabos. R/ C: Salas de Informática e dos Cursos CEF, lavabos; C 1° Andar: Salas de Informática, Salas de Aula, Gabinete Apoios edu- cativos. R/ C: Sala de Convívio e Bar dos Alunos, Sala Funcionários, Papela- D ria, Sala de Estudo, Reprografia lavabos; 1° Andar: Salas de Aula R/ C: Laboratórios de Física e Química, Clube das Ciências Experi- E mentais, lavabos; 1° Andar: Laboratório de Biologia e Geologia, Sala de Audiovisuais, Salas de Aula R Cozinha, Refeitório, Grande Auditório, lavabos Pavilhão Gimnodesportivo Polidesportivo descoberto e Balneários Quadro 2 – Espaços e serviços da escolaJorge Teixeira 24
  • 24. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 2.2.5. AlunosA escola é frequentada por 883 alunos, distribuídos por um total de 41 turmas e por váriosciclos e cursos, conforme os quadros que se apresentam seguidamente.A maioria dos alunos reside em edifícios construídos nas décadas de setenta e oitenta, emhabitações unifamiliares, prédios e bairros de habitação económica. As famílias pertencem,em geral, a um estrato socioeconómico médio-baixo e a maioria exerce a sua actividadeprofissional nos sectores secundário e terciário, na zona da Grande Lisboa. Em termos deescolarização, a maior parte dos encarregados de educação possui o 1°, 2°. e 3° ciclos daescolaridade básica. ANO N° TURMAS N° ALUNOS TOTAL 7° 8 199 8° 5 124 400 9° 3 77 10° 4 119 11° 7 144 328 12° 8 129 728 Quadro 3 – População escolar ANO CURSOS TECNOLÓGICOS N° ALUNOS TOTAL 11° ADMINISTRAÇÃO 17 11° INFORMÁTICA 16 12° ADMINISTRAÇÃO 10 64 12° DESIGN DE EQUIPAMENTO 07 12° INFORMÁTICA 14 Quadro 4 – Cursos tecnológicos 10° E CURSO DE INFORMÁTICA DE GESTÃO 21 ALUNOS Quadro 5 – Cursos profissionaisJorge Teixeira 25
  • 25. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano ANO CURSOS N° ALUNOS TOTAL 8° EMPREGADO COMERCIAL 18 9° TIPO III ACOMPANHANTES DE CRIANÇAS 17 10° FORMAÇÃO COMPLEMENTAR 13 70 11° TIPO V ASSISTENTE DA ACÇÃO EDUCATIVA 10 12° TIPO V ASSISTENTE DA ACÇÃO EDUCATIVA 12 Quadro 6 – Cursos CEF – Cursos de educação e formação 2.2.6. Oferta educativa no ano lectivo 2006/2007A escola oferece o 3° ciclo do Ensino Básico, com o currículo nacional e as disciplinas deopção, pensadas em função dos interesses e necessidades de aprendizagem dos alunos.A Escola oferece também vários Cursos do Ensino Secundário, em função dos interessesdos alunos, dos recursos humanos e materiais da Escola e da distribuição da Rede Escolardeterminada pela DREL.Concretizando um dos grandes objectivos do Projecto Educativo – "Promover a diversida-de de oferta curricular numa lógica de inclusão"- a Escola tem vindo a alargar a oferta deCursos de Educação e Formação (CEF), como meio privilegiado de evitar o abandonoescolar, possibilitando aos alunos a obtenção de um certificado que os habilita para umaentrada mais rápida no mundo do trabalho.No sentido de ir também de encontro aos interesses dos alunos e à oferta do mercado dotrabalho, a escola abriu o Curso Profissional de Informática de Gestão. 3° CICLO DO ENSINO BÁSICO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO 7°, 8°, 9° ANOS Tipo 2 – Empregado Comercial Currículo regular Tipo 3 – Acompanhante de Crianças Quadro 7 – Oferta educativa no ensino básicoJorge Teixeira 26
  • 26. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano ENSINO SECUNDÁRIO 10°, 11° 12° ANOS CURSOS CIENTÍFICO – CURSOS DE EDUCAÇÃO E HUMANÍSTICOS CURSOS PROFISSIONAIS FORMAÇÃO Ciências e Tecnologias Técnico de Informática de Formação Complementar Ciências Socioeconómicas Gestão Tipo 5 – Assistente deCiências Sociais e Humanas Acção Educativa Quadro 8 – Oferta educativa no ensino secundário 2.2.7. Pessoal DocenteO corpo docente da escola é constituído por 102 professores, sendo do Quadro Definitivo(PQND) 76; do Quadro de Zona Pedagógica de Nomeação Definitiva (PQZND) 15, do Qua-dro de Zona Pedagógica de Nomeação Provisória (PQZNP) 3, de nomeação provisória(PQNP) 2 e 6 Provisórios. Se considerarmos apenas os 76 professores do quadro, temosum índice de estabilidade do corpo docente na ordem dos 75%. O rácio professor/aluno éde 1 professor para, aproximadamente, 9 alunos. 2.2.8. Pessoal não DocenteA escola conta com 29 funcionários (em serviço), sendo 9 administrativos, 2 do ASE, e 18auxiliares de acção educativa. O rácio real AAE /aluno é de l auxiliar para cerca de 49 alu-nos. 2.2.9. Equipamentos pedagógicosA escola dispõe dos seguintes equipamentos pedagógicos:• Centro de Recursos (Biblioteca, Videoteca e sala Nónio) – pode considerar-se que exis- te um assinalável espólio bibliográfico, com cerca de 7000 monografias, cassetes deJorge Teixeira 27
  • 27. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano áudio e vídeo, CD-ROM, cd – Áudio e dvds, dossiers temáticos, mapas e cartas, diapo- sitivos, transparências, etc… Ao nível dos equipamentos informáticos, existem compu- tadores destinados à própria organização do centro, consulta do catálogo, jornal esco- lar. A sala Nónio, é o espaço do centro de recursos destinado ao trabalho livre dos alunos usando meios informáticos e consulta na Internet. O Centro de Recursos tem uma elevada frequência de utilização por alunos e professo- res. Apenas a utilização por parte dos funcionários não é significativa. Relativamente ao tipo de utilização, os professores recorrem ao centro de recursos para pesquisa documental e recolha de materiais didácticos. Entre os alunos, apesar do peso de utilização dos equipamentos informáticos, é também significativa a leitura lúdica e didáctica, e ainda o visionamento de filmes.• Laboratórios – as instalações laboratoriais são aprazíveis e o equipamento encontra-se bem acondicionado. As instalações e equipamentos encontram-se bem rendibilizados, constatando-se que o currículo é gerido de acordo com os recursos existentes, com as inovações possíveis previstas nos respectivos planeamentos e com a autonomia proposta aos alunos para a realização dos diferentes trabalhos.• Equipamentos Informáticos – a escola dispõe de um considerável número de equipa- mentos informáticos para fazer face, não só ao trabalho de sala de aula, mas também às actividades de pesquisa que os alunos podem realizar no centro de recursos. Princi- palmente ao nível dos cursos tecnológicos e dos profissionais, há uma grande utiliza- ção deste tipo de equipamento, não só como tecnologia de informação e comunicação, como também noutras aplicações, como sejam o tratamento de imagem e a monta- gem vídeo.• Equipamentos Desportivos – a escola dispõe de espaços próprios exteriores e desco- bertos para a prática das actividades desta área disciplinar, para além de um pavilhão gimnodesportivo recente.Jorge Teixeira 28
  • 28. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 2.2.10. Actividades de enriquecimento curricularDuas das áreas de intervenção do projecto educativo de escola, presentemente em vigor,são a da cultura e desporto, com o objectivo de promover actividades culturais, desporti-vas e artísticas que contribuam para a formação global dos alunos; e a da promoção daimagem da escola a nível exterior, reforçando igualmente o sentimento de pertença dentroda comunidade escolar.Assim, a escola seleccionou e tem em desenvolvimento uma significativa oferta de activi-dades de enriquecimento curricular, sob a forma de projectos e clubes. Em Julho de 2006,encontravam-se em actividade os seguintes:• “Bem-vindo à nova porta de entrada da Escola Secundária Daniel Sampaio” – vocacio- nado para a remodelação do site da escola: http://www.esec-danielsampaio.pt/;• Clube Europeu;• Clube do Ambiente – que é um projecto que visa o aproveitamento e embelezamento dos espaços verdes da escola, com o objectivo de despertar os alunos envolvidos para os valores da preservação da natureza e, em simultâneo, enriquecer o seu leque de interesses e proporcionar-lhes uma ocupação de tempos livres;• Biomuseu – que funciona como clube, num espaço de aquariofilia e de educação ambiental;• Clube das Ciências Experimentais;• Jornal da Escola – trata-se de um projecto de enriquecimento curricular de cariz jorna- lístico. São editados 6 jornais por ano lectivo, com uma tiragem de 300 exemplares;• Laboratório da Matemática – que este ano ganha uma maior dimensão devido ao pla- no da matemática;• Clube da Rádio;• Clube da Guitarra;• Clube Escola d’Actores;• Clube de Fotografia;• Clube de Xadrez;• Oficina de Expressão Dramática;Jorge Teixeira 29
  • 29. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoEstes projectos e clubes estão adequados ao contexto da escola e aos interesses e desen-volvimento dos alunos. O número de alunos envolvidos, tanto do ensino básico como doensino secundário, é significativo. Nas actividades, os alunos inscritos revelam bastanteassiduidade.São ainda desenvolvidas acções muito diversificadas, das quais se podem salientar:• Semana das profissões – em que são envolvidos todos os departamentos da escola;• Dia da Escola e do Patrono;• Dia mundial da árvore;• Dia mundial do ambiente; 2.2.11. Relação da escola com o meio envolventeA Escola Secundária Daniel Sampaio é uma comunidade educativa aberta que cooperacom as autarquias, nomeadamente a Junta de Freguesia da Sobreda e a Câmara Municipalde Almada, com outros estabelecimentos de ensino público e privado, com instituições decarácter cultural e social e com pequenas empresas.A Escola participa também em iniciativas de carácter cultural, artístico e desportivo pro-movidas por instituições exteriores. Esta cooperação concretiza-se actualmente nasseguintes acções:• Participação no Projecto "Aparece", em colaboração com o nosso patrono, Prof. Daniel Sampaio;• Colaboração com o Centro Paroquial de Vale Figueira em actividades lúdicas e de soli- dariedade;• Participação dos grupos de teatro da Escola na Mostra Anual de Teatro das Escolas de Almada;• Realização de espectáculos teatrais no CRIS (Clube de Instrução e Recreio Sobreden- se);• Actuação do Coro Cantabile em eventos culturais no exterior da escola;Jorge Teixeira 30
  • 30. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano• Protocolos de estágio, para os alunos dos Cursos CEF, com as seguintes instituições: "Jardim Infantil O Coala", Centro Paroquial de Vale Figueira, Colégio do Vale, Externato O Tim Tim, Jardim de Infância Um Dó Li Tá, Externato Guia da Criança, Externato Palhacinho Vaidoso, Unipessoal, Lda., Fraldinhas e Biberons Lda. – Creche e jardim de Infância, CLAPIS – Centro Lúdico de Actividades Pedagógicas e Sócio – Educativas• Protocolos de estágio, paro os alunos do Curso Tecnológico de Informática, com as seguintes empresas: INATEL - Instituto Nacional para o Aproveitamento dos Tempos Livres dos Trabalhadores, Alma Alentejana – Associação de Desenvolvimento Local, Arribatejo – Associação de Desenvolvimento Local, TERAzone, Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade Nova de Lisboa, Ydreams – Sistemas de Informação, Lda., DataFrame, Lda., GHD – Global Human Development, Associação de Comércio e Servi- ços do Distrito de Setúbal, Campo de Flores, entre outras.• Disponibilização do Pavilhão Gimnodesportivo para utilização por grupos desportivos das localidades vizinhas. 2.2.12. Projecto educativo de escola (PEE) para o triénio 2005/2008Com o objectivo primordial de se tornar numa escola de qualidade e referência, o projectoeducativo da Escola Secundária Daniel Sampaio constitui, na sua essência, um instrumen-to organizador da acção educativa da escola e também um agente de transformação damesma.Durante o triénio 2005/2008, e com o lema “melhor conhecimento, mais cidadania”, o PEEassenta em duas vertentes:• Como organizador da acção educativa, em que pretende ser um elemento congrega- dor de todos os projectos educativos existentes na escola e unificador das várias estru- turas que intervêm na instrução e educação dos nossos alunos;• Como agente de transformação, em que pretende ser adjuvante na mudança e na ino- vação, nas áreas do ensino/aprendizagem, cidadania; cultura e desporto; imagem da escola e espaços e equipamentos.Jorge Teixeira 31
  • 31. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoAtravés da leitura do diagrama e quadro seguintes é possível um melhor entendimento doPEE, através da interacção das várias áreas que o compõem: PROJECTO EDUCATIVO DE ESCOLA ENSINO- CULTURA E CIDADANIA APRENDIZAGEM DESPORTO Espaços e Equipamentos • Melhorar os resultados escolares dos alunos • Promover actividades • Promover o desenvolvimento culturais, desportivas e • Promover a diversidade pessoal e social dos alunos artísticas que contribuam de oferta educativa numa lógica para a formação global de inclusão dos alunos PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES Processos de operacionalização e metas anuais IMAGEM DA ESCOLA MELHOR CONHECIMENTO MAIS CIDADANIA Figura 4 – Diagrama síntese do PEEJorge Teixeira 32
  • 32. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano Estrutura do PEE Áreas Objectivos Objectivos Específicos Gerais • Melhorar os resul- • Diminuir os níveis de insucesso escolar (em disciplinas a definir); tados escolares dos • Aumentar a percentagem de alunos que concluem o 12º ano no alunos período máximo de quatro anos; • Diminuir o número de abandonos escolares no ensino básico e secundário; ENSINO –APRENDIZAGEM • Aumentar o índice de entrada dos alunos no ensino superior • Promover a diversi- • Oferecer cursos diversificados que contribuam para o sucesso dos dade da oferta alunos com vista à sua integração na vida activa educativa numa lógica de inclusão • Promover a saúde • Integrar, nas ACND, a abordagem da Educação para a Saúde (Edu- física, psicológica e cação Sexual e Educação Alimentar); social • Reforçar a abordagem de conteúdos de outras disciplinas que se ligam a estas temáticas CIDADANIA • Promover o desen- • Proporcionar aos alunos um espaço e um tempo de debate e refle- volvimento pessoal xão sobre cidadania; e social • Esclarecer individualmente os alunos sobre dúvidas e problemas, a nível da educação sexual, no âmbito do previsto no Programa de Educação para a Saúde. • Promover activida- • Alargar os horizontes culturais dos alunos potencializando a interac- des culturais, des- tividade entre os vários intervenientes (departamentos, projectos e portivas e artísticas clubes, associações de alunos e pais), rentabilizando recursos mate- CULTURA E DESPORTO que contribuam riais e articulando competências de transversalidade e de entre- para a formação ajuda; global dos alunos • Criar Clubes que promovam actividades desportivas e a dança. • Projectar a imagem • Conceber produtos / serviços que permitam a projecção da imagem da escola a nível da escola e a promovam, a partir do seu interior, para o exterior. exterior IMAGEM DA • Reforçar o sentido • Realizar actividades extra-curriculares que reforçam o sentimento de ESCOLA de pertença dentro pertença na comunidade escolar. da comunidade escolar • Melhorar os espa- • Viabilizar esforços para o embelezamento e limpeza dos espaços ços e equipamen- exteriores; tos da escola • Garantir condições de segurança continuadas na entrada da Escola; • Criar condições que proporcionem um atendimento personalizado ESPAÇOS E nos Serviços Administrativos;EQUIPAMENTOS • Optimizar a qualidade do Bar dos Alunos; • Criar mais espaços de convívio para os alunos; • Adquirir mais computadores, projectores, retroprojectores e vídeos para as salas de aula. Quadro 9 – Áreas de intervenção do PEEJorge Teixeira 33
  • 33. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 2.3. A turma 12.º FA turma F do 12.º ano é composta por 14 alunos, pertence ao Curso Tecnológico deInformática, sendo-lhes por mim ministrada a ATI – Área Tecnológica Integrada. A disci-plina tem uma carga horária semanal de 7 blocos de 90 minutos, sendo leccionada àsquintas-feiras das 12h.30m. às 17h.45m., e às sextas-feiras da 10h.15m. às 17h.45m. Osalunos têm sempre acesso aos meios informáticos na sala de aula.Para se poderem estabelecer objectivos, organizar os conteúdos programáticos, definir eimplementar as estratégias de acção e avaliação, é necessário proceder-se à análise dasituação envolvente dos alunos da turma. Pretende-se assim, com a caracterização daturma, um conhecimento mais profundo da mesma, de forma a adequar o processo deensino/aprendizagem às situações reais e concretas, tendo em conta os percursos escola-res diferenciados e o acesso às novas tecnologias, entre outras.Na globalidade, a turma revela bastantes dificuldades nas disciplinas técnicas e específi-cas, denotando-se que os alunos não têm hábitos e métodos de estudo adequados aonível de ensino que frequentam.A turma revela ainda algumas deficiências ao nível da responsabilidade que se traduzemem dificuldades no cumprimento de prazos, na pontualidade e assiduidade.Na leccionação da ATI, até ao momento, não se registou qualquer problema de absentis-mo ou de indisciplina, tendo os alunos demonstrado interesse em executar as tarefas pro-postas.A caracterização da turma foi baseada num inquérito realizado aos alunos. Dessa caracte-rização importa salientar os seguintes aspectos:Jorge Teixeira 34
  • 34. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano A. Constituição da turma e caracterização dos alunos:Nacionalidade dos alunos: 14 12 10 8 6 4 2 0 Port. Ang.Distribuição por sexo: 10 8 6 4 2 0 Masc FemDistribuição por idades: 8 7 6 5 4 3 2 1 0 17 anos 18 anos 19 anos 20 anosJorge Teixeira 35
  • 35. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoDistância Casa – Escola: 7 6 5 4 3 2 1 0 [0-1[ km. [1-5[ km. + 5 km.Forma de deslocação: 29% 42% Pé Autocarro Carro particular 29%Local das refeições: 6% 3% Casa Escola 36% 55% Restaurante FamiliaresComputador / Ligação à Internet em casa o Todos os alunos possuem computador, sendo que apenas 1 não tem ligação à Internet.Jorge Teixeira 36
  • 36. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoOcupação dos tempos livres (3 actividades por aluno): 2% Computador 9% 2% 27% Desporto Sair com os amigos 5% Teatro Música 16% TV / Vídeo 9% Ler 2% Tocar baixo 2% Cinema 26% Trabalhos escolaresForma de estudar: 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 Só Com amigos Não estudaLocal de estudo: 12 10 8 6 4 2 0 Casa Escola Biblioteca Não estudaJorge Teixeira 37
  • 37. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoTempo diário de estudo: 7 6 5 4 3 2 1 0 0 min. [1 - 29[ min. [30 - 60[ min. [1 - 2[ horas + 2 horasProblemas de saúde: 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 Nenhum Visão Alergias Audição AsmaHora de deitar: 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 [22 - 23[ horas [23 - 24[ horas + 24 horasJorge Teixeira 38
  • 38. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoSignificado de escola: 11% 17% Preparação para uma profissão Local de aprendizagem 33% Local de convívio e diversão 39% NS / NRProfissão para o futuro: 8 7 6 5 4 3 2 1 0 il o be ta or iv ic s ad sa C át rti im rm iro po ão An he fo es N In D n ge ro En ei nh ge En o/ ic cn TéPela análise aos gráficos acima, conclui-se sumariamente, que se trata de uma turmahomogénea em variadíssimos aspectos, com acesso facilitado e bastante acentuado àsnovas tecnologias.Jorge Teixeira 39
  • 39. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoTambém se deduz facilmente que os alunos residem bastante próximos da escola, ondepassam também grande parte do seu dia. Será portanto fácil a sua integração em activi-dades extra-curriculares e a promoção de hábitos e metodologias de estudo na escola, deforma a melhorar os seus resultados escolares. B. Caracterização escolar:Frequência de Pré Primária: 12 10 8 6 4 2 0 Sim NãoInstituição de ensino básico: 12 10 8 6 4 2 0 Pública PrivadaRetenções: 4 3 2 1 0 1.º Ciclo 2.º Ciclo 3.º Ciclo SecundárioJorge Teixeira 40
  • 40. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoDisciplinas preferidas: 6% 6% Filosofia 6% 9% Inglês 3% Português 6% Matemática 12% Educação Física ATI 18% Bases de Programação 15% Tecnologias Informáticas Aplicações Informáticas 19% FrancêsDisciplinas com maiores dificuldades: 6% Filosofia 3% 16% Inglês 10% Português 10% Matemática 6% Educação Física 3% Fisica e Quimica 3% Bases de Programação Tecnologias Informáticas 24% Aplicações Informáticas 19% FrancêsDo seu percurso escolar salienta-se o reduzido número de retenções. Conclui-se também adisponibilidade destes alunos para as disciplinas técnicas de informática, e as suas dificul-dades nas disciplinas de carácter específico, sendo que os alunos se complementam: nasáreas em que alguns sentem mais dificuldades, são as preferidas de outros.Jorge Teixeira 41
  • 41. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano C. Caracterização familiar:Faixa etária dos pais: 16 14 12 10 8 6 4 2 0 [30 - 40[ anos 40 - 50[ anos + de 50 anos NS / NRHabilitações literárias dos pais: 7 6 5 4 3 2 1 0 io r io be lo lo lo io ár éd ic ic ic er sa C C C nd M p ão º º º Su cu 1. 2. 3. N SeSituação profissional dos pais: 16 14 12 10 8 6 4 2 0 o do o be o ad ad ti v ta sa ec eg m tra ão or Ef pr on ef N em C R es DJorge Teixeira 42
  • 42. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano III – O PROBLEMA: PERTINÊNCIA NO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM 3.1. A educação actualTal como já havia sido referido, a escola já não deve ser encarada como um espaço fecha-do e triste, mas sim como um lugar de prazer e de aprendizagem. Para tal, o contributodo professor é fundamental. O papel deste não se deve resumir à transmissão de teoriasmuitas vezes já em desuso mas em estar aberto à imprevisibilidade e às constantes muta-ções socioculturais. O papel do professor não poderá limitar-se a uma comunicação unila-teral entre este e os seus alunos. Este papel terá de ser activo e criativo, de forma a que aeducação decorra numa acção cooperativa e onde haja espaço para a criatividade de alu-nos e professores.Naturalmente que há sempre quem pense que o uso dos audiovisuais e dos media no actoeducativo poderá pôr em risco o papel do professor como detentor ou transmissor doconhecimento. É óbvio que tal não acontece, mas também será óbvio que à crescenteimportância dos media no processo de ensino-aprendizagem se impõe uma redefinição dopapel do professor e da estratégia que deve adoptar junto dos alunos. Na verdade, seuma verdadeira integração dos meios audiovisuais no ensino é indispensável na escola, eladeve ser o resultado de uma perfeita tomada de consciência do papel que estes meiosdevem desempenhar no seio do processo pedagógico, sem ultrapassar nem reduzir opapel do professor.Assim sendo, os audiovisuais deverão contribuir para uma modificação do papel do profes-sor, pois este já não é o único responsável pela transmissão da matéria aos alunos. Oeducador deve ver o aluno já não como um auditor que deve transcrever e memorizar asmensagens, mas sim como um aprendiz que, utilizando todos os meios disponíveis, contri-bui para a sua própria aprendizagem.Jorge Teixeira 43
  • 43. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoO professor tem como papel principal criar e estimular o ambiente educativo. Neste novoperfil de escola, o ensino tem de se processar ao nível da coordenação e acompanhamen-to, das informações (conteúdos) devendo fornecer os contextos e o conhecimento baseque promova uma verdadeira autonomia. Neste sentido, deve, igualmente, haver umapreocupação em colocar os alunos face a problemas que exijam experimentação. Contudo,muitos professores desconhecedores desta realidade ignoram estas inovações, provavel-mente por não as conhecerem e não as dominarem. Hesita-se em alterar as estruturasexistentes há muito tempo, simplesmente porque as inovações exigem uma formação,uma preparação e uma organização suplementares.Por outro lado, existe o problema financeiro, pois, nalguns casos, evita-se o uso de novosmétodos de ensino dado que o dinheiro já é pouco para fazer funcionar convenientementeos sistemas existentes. Mas não dar importância aos audiovisuais pode originar conse-quências graves, principalmente nos níveis etários mais baixos. Acima de tudo deve existirum espírito critico por parte de todos os intervenientes no processo educativo.O professor tem, assim, de integrar na sala de aula meios que facilitem a comunicação. Osprogressos no domínio da comunicação têm sido óptimos. Os novos meios de informaçãopermitem a troca de informação, independentemente da distância, com toda a precisão erapidez. O processo de ensino tem necessidade de uma ligação constante com o mundoexterior. Neste domínio, a evolução tecnológica pôs à disposição do professor meios sufi-cientes para trazer até ao aluno um mundo até há bem pouco tempo distante. A técnicapassou a ser aceite por muitos como a solução para os problemas existentes no ensino,sendo importante de modo a conseguir-se um sistema educativo eficiente apoiado em ins-trumentos que respondam às exigências da época. Contudo, os meios tecnológicos nãovalem por si mesmos. A sua utilidade depende da metodologia com que são usados. Nãosão apenas os meios que contam, mas sim a forma de apropriamento desses meios paracriar uma situação educativa. A integração destes meios facilita a comunicação, facultandoum precioso auxílio tanto ao nível do ensino como ao nível da aprendizagem.Jorge Teixeira 44
  • 44. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 3.2. O contributo das novas tecnologias na escolaNunca, como hoje, foi possível aprender com uma variedade tão alargada de meios nosquais se encontram a informação. Os livros, as revistas, o vídeo, o cinema, a televisão, afotografia, a banda desenhada, os jornais, o software, os multimédia e as pessoas com asquais convivemos no dia-a-dia, entre outros, constituem os suportes aos quais podemosrecorrer para termos acesso à informaçãoA educação tem, obrigatoriamente, de se adaptar às necessidades das sociedades ondeestá inserida. Mas este processo nem sempre é fácil, pois essa "adaptação" tem pela fren-te um grande desafio, que é o de se adaptar às mudanças sociais, culturais e económicasque nascem aquando da massificação do uso das novas tecnologias.Contudo, a educação, ultimamente, tem vindo a ser reformulada. Embora, na sua essên-cia, mantendo o mesmo objectivo, que é o de educar, não podemos ficar indiferentes aosnovos métodos e técnicas introduzidos no ensino, decorrentes do aparecimento das novastecnologias.Actualmente, o papel da escola é de extrema importância pois devido à elevada variedadede oferta de informação verifica-se um afastamento dos educandos da informação chave,ou seja, o papel da escola do século XXI é o de moderador. Indiscutivelmente, nesta novaescola, as novas tecnologias desempenham um papel importantíssimo: - o de ferramentasauxiliares do processo ensino/aprendizagem.É fundamental, por isso, que a escola esteja familiarizada com estas ferramentas informá-ticas e saiba utilizá-las na acção educativa normal. Assim, a escola tem de fornecer aosalunos os meios adequados para que possam ter acesso à informação e, simultaneamen-te, familiarizar-se com eles, possibilitando-lhes também oportunidades de interacçãosocial.Jorge Teixeira 45
  • 45. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoAssumindo este novo perfil, a escola não deve esquecer a componente pedagógica asso-ciada aos novos meios de informação. Estas ferramentas possibilitam ao aluno a manipu-lação e construção do conhecimento de uma forma diferente daquela que era utilizada pormétodos tradicionais onde, habitualmente, o conhecimento se transmite de forma oral.São muito diversas as razões que têm levado os professores a integrar as novas tecnolo-gias nas aulas. Uma delas é a forte motivação que ele exerce em grande parte dos alunos,contrastando com o desinteresse quase geral pelas actividades escolares.Há casos em que o docente compreende que não se trata de mudar as técnicas usadas,mas sim de inovar verdadeiramente, favorecendo um ensino mais centrado no aluno e nasua iniciativa. Deste modo, será possível a realização de projectos onde alunos e professorestejam implicados. Assim sendo, as TI – Tecnologias de Informação podem ser um auxi-liar precioso nessa inovação, ao favorecer nos alunos um trabalho autónomo ou de grupona resolução de problemas, no levantamento de hipóteses, na investigação, etc..Por outro lado, a introdução das novas tecnologias no ensino também tem as suas des-vantagens e limitações como o elevado custo de instalação e manutenção de uma rede decomputadores. O rápido aparecimento de novas tecnologias provoca uma constante trocae mudança de equipamento. Há ainda o problema do analfabetismo informático e da des-confiança nos computadores. O professor tem que saber introduzir convenientemente osalunos nestes meios e ser capaz de os motivar e ajudar quando necessário.Jorge Teixeira 46
  • 46. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 3.3. A importância da Internet no processo de ensino / aprendiza- gemSe até há bem pouco tempo, o computador era algo que apenas servia para trabalhar,hoje, pode ser considerado como um dos meios de comunicação mais completo e didácti-co. Com o aparecimento da Internet, toda a mentalidade em relação a este objecto sealterou radicalmente. Actualmente, através de um simples computador temos acesso aalgo que substitui a televisão, o telefone, a própria escrita, o vídeo, a aparelhagem.Estamos na era dos self-media, aqueles que se destinam aos utilizadores individuais, queactuam através de redes wireless e de redes interactivas. É também a era da convergênciaente o audiovisual, as telecomunicações e a informática, um complexo que conduzirá aoreforço do processo comunicacional.A Internet é a maior e mais poderosa rede do mundo e este poder encontra-se nas mãosdos jovens. O acesso à Internet tem diversas vantagens e potencialidades que tanto pro-fessores como alunos podem obter. O feedback aluno – professor é mais rápido e eficien-te.Por outro lado, esta inovação pode também ser importante na relação professor – encar-regado de educação. Na minha opinião, este seria um bom meio para o docente enviarpara o encarregado de educação toda a informação escolar relativa ao aluno (como ava-liações, faltas, etc…).Um aspecto a ter em conta é que a Internet não vai substituir a escola, mas sim acrescen-tar uma nova dimensão. O aumento de recursos de acesso à Internet dá ao estudantemeios de recolher informação de interesse para a aula. Em muitos casos, pode ser o estu-dante a ensinar a turma, incluindo o professor em determinado tópico. Tradicionalmente éo professor que detém a autoridade da informação, com este sistema de ensino essaautoridade passa a ser desafiada. Os alunos passam a ter a capacidade de procurar infor-mação na Internet sobre vários assuntos, de serem mais críticos e criativos.Jorge Teixeira 47
  • 47. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoA Internet responde também ao problema dos alunos mais tímidos. A comunicação via e-mail, fóruns de discussão ou plataformas de e-learning torna-se mais confortável paraesses estudantes, sentem-se mais seguros para fazer perguntas e dar opiniões.Pode-se, deste modo, concluir que a Internet é uma ferramenta poderosa e uma alternati-va certa aos métodos de ensino tradicionais. No entanto, há que saber preparar os estu-dantes, para ultrapassarem os seus medos e ensinar-lhes as técnicas necessárias paraaproveitarem todos os recursos oferecidos pela Internet. Também as instituições de ensi-no têm que actualizar as suas regras tradicionais, pois estas vão sendo postas em causa.Jorge Teixeira 48
  • 48. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 3.4. Perfil da Escola Secundária Daniel Sampaio face às Tecnolo- gias de InformaçãoNo que se refere ao apetrechamento da escola, no que diz respeito a meios informáticos,considero-a a um nível satisfatório. Senão vejamos: A. Instalações e equipamentosA escola dispõe de cinco salas de informática, com um total de 54 computadores. Todasse encontram dotadas de impressoras (jacto de tinta e laser), existindo também, em trêsdelas – C2, C7 e C11 – gravador de DVDs. Destas salas, apenas a sala C11 tem um pro-jector de vídeo fixo.Dessas cinco salas, duas encontram-se num “regime de exclusividade”: a C9 para a lec-cionação das disciplinas técnicas do Curso Tecnológico de Administração, e a C11 (SalaTIC), para a leccionação das disciplinas de TIC aos cursos CEF, 9.ºs e 10.ºs anos. Todasas restantes salas de informática encontram-se ocupadas, primeiramente, pelas turmas doCurso Tecnológico de Informática e Curso Profissional Técnico de Informática de Gestão,sendo também ocupadas por outras disciplinas, em virtude da falta de salas de aula nor-mal na escola, perante o elevado número de turmas.Além destas salas, a escola dispõe ainda, no centro de recursos, além de vários postos detrabalho, destinados a toda a comunidade educativa, dos seguintes materiais:• Numeroso e diversificado software educativo e temático;• Três computadores portáteis;• Três projectores de vídeo;• Um gravador de DVD’s externo;• Várias pen drives;• Câmara fotográfica digital;• Entre outros.Jorge Teixeira 49
  • 49. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoEstes equipamentos podem ser alvos de requisição para apoio às actividades lectivas, porparte de professores e alunos.A escola dispõe ainda de uma sala de trabalho para docentes equipada com cinco compu-tadores e impressora/fotocopiadora a laser e vários laboratórios, também eles equipadoscom material informático. Destes últimos, o laboratório de Matemática assume, a partirdeste ano lectivo, particular importância uma vez que o recente “Plano da Matemática” vaiimplicar um conjunto de actividades e a obtenção de novos materiais informáticos, duran-te a sua concretização e consequente articulação com o “Plano TIC”.Em fase de implementação também se encontra o denominado “Projecto dos Portáteis”,promovido pelo CRIE, que permitirá desenvolver na escola condições únicas de acesso àsTI, principalmente na sua utilização em actividades lectivas.Toda a escola dispõe de ligação à Internet. No entanto, e apesar de no bloco A (bloco“administrativo”) existir uma ligação ADSL e wireless, todos os restantes edifícios ondefuncionam actividades lectivas detêm apenas uma ligação RDIS, que remonta aos temposdo “Projecto Nónio” e que, actualmente, não permite dar resposta às solicitações da esco-la. Isto porque, no que se refere à ligação ADSL complementar á implementação das salasTIC na escola, a mesma não foi estabelecida, uma vez que a escola não se encontravanuma zona de cobertura. Essa ligação, até este momento, ainda não foi estabelecida, ape-sar de a área já permitir a cobertura ADSL por parte de várias empresas de telecomunica-ções. B. Utilização das TIContudo, e apesar de existirem condições físicas e materiais, a utilização das TI no pro-cesso ensino/aprendizagem na escola, fica aquém do esperado. Os equipamentos existen-tes são requisitados, na sua esmagadora maioria, para a exposição de apresentações elec-trónicas, quer por parte dos docentes para apresentação de conteúdos; quer por alunospara apresentação de trabalhos de grupo.Jorge Teixeira 50
  • 50. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoExceptuando os grupos de Matemática e Informática, neste momento nenhum outro gru-po disciplinar faz uso do seu domínio nos servidores web da escola para a publicação demateriais e actividades que complementem e tornem mais aprazíveis as actividades lecti-vas. Torna-se assim imperativo sensibilizar os docentes para a produção de materiais parasuporte web e os alunos para a sua utilização.Além disso, a página web institucional – uma das principais vias de promoção da escola noexterior – encontrava-se, no passado ano lectivo, a necessitar de uma remodelação do seulayout (havia sido realizada por alunos, não se tendo optimizado a sua estruturação), deforma a facilitar a navegação na mesma. Urge também, e de acordo com as novas neces-sidades da escola, enquanto instituição, e das actuais tendência metodológicas de ensinoe aprendizagem, sensibilizar a comunidade educativa para a produção de materiais infor-mativos e de promoção da escola.Como complemento destas informações, relato ainda o funcionamento de toda a escola seencontra informatizado, através da utilização de cartões magnéticos.Concluo então que, face às tendências sociais actuais, a escola jamais se poderá permitirao afastamento face às novas tecnologias de informação. Ao invés, a escola deveráimplementar de uma forma harmoniosa as tecnologias e sistemas de informação em todoo processo educativo. Para tal deverá forçosamente, englobar também todos os agentesenvolvidos: professores, alunos, encarregados de educação, pessoal não docente e demaisinstituições directamente envolvidas nas actividades escolares.Jorge Teixeira 51
  • 51. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano IV – ÁREAS E ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃOSeguidamente descreverei todas as actividades que proponho realizar no âmbito do pre-sente PFAP, nas suas diversas vertentes. Para complemento da descrição pormenorizadaque se segue, aconselho a consulta do cronograma que consta no anexo 3 a este PFAP. 4.1. Direcção do Curso Tecnológico de InformáticaO desempenho do papel de director de curso constitui uma das actividades pedagógicasmais importantes que me proponho realizar ao longo deste ano lectivo. Não quero deixarde referir a importância do desempenho deste cargo no estreitar de relações entre a esco-la e a comunidade, através da presença dos encarregados de educação no estabelecimen-to de ensino, contribuindo, em articulação com o director de turma para melhor conheci-mento da situação escolar dos seus educandos e consequente auxílio no processo de deci-são acerca da colocação dos alunos nas entidades de estágio.O estreitar de relações entre a escola e o meio exterior patenteia-se também através dacelebração de protocolos de estágio, que além da colocação dos alunos em contexto detrabalho, permite também o estabelecimento de mecanismos de entre-ajuda entre a esco-la e as instituições locais/regionais, possibilitando uma melhor compreensão do meioenvolvente, principalmente, e porque se trata de um curso tecnológico, no que se refereàs tendências e necessidades do mercado de trabalho local/regional.Diversas razões existem para promover o diálogo permanente com os encarregados deeducação, das quais se salientam as seguintes:• Trata-se de um curso alvo de reforma em 2004, logo é importante informar os alunos e os encarregados de educação acerca das novas áreas não disciplinares (Projecto Tecnológico e Estágio Curricular) e da PAT – Prova de Aptidão Tecnológica.• Funcionamento da ATI – Área Tecnológica Integrada (anexo 4);Jorge Teixeira 52
  • 52. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano• Condições necessárias para a conclusão do curso e consequentes certificações (anexo 5);• O estágio não é remunerado sob nenhum aspecto. Assim torna-se necessário reflectir e decidir sobre a localização geográfica do mesmo, de forma a possibilitar um menor custo, por parte do aluno, de despesas relativas a alimentação e deslocações;• Para efeitos de conclusão do estágio, deve ser considerada a assiduidade do aluno, a qual não pode ser inferior a 95% da carga horária global do estágio. Então é necessá- rio efectuar um sistemático controlo da assiduidade dos alunos, inviabilizando possíveis situações comprometedoras;Assim, este diálogo constitui um objectivo extremamente importante a desenvolver aolongo do ano, promovendo para o efeito o contacto assíduo com os encarregados de edu-cação, bem como a realização de reuniões. Neste procurarei adquirir um melhor conheci-mento dos alunos, bem como esclarecer os encarregados de educação sobre o aproveita-mento, assiduidade e comportamento dos seus educandos no estágio curricular e, poste-riormente, na realização da PAT.Para orientar é preciso conhecer. E essa orientação será mais facilmente atingida se hou-ver boa colaboração/comunicação entre os diversos intervenientes, nomeadamente, afamília, a escola e as instituições que acolhem os alunos.Das funções de Director de Curso, salientam-se as seguintes:• Assegurar a articulação pedagógica entre as diferentes disciplinas e áreas não discipli- nares do curso;• Organizar e coordenar as actividades a desenvolver no âmbito da formação tecnológi- ca;• Participar em reuniões de conselho de turma, no âmbito das suas funções;• Articular com os órgãos de gestão da escola no que respeita aos procedimentos neces- sários à realização da prova de aptidão tecnológica, nomeadamente a calendarização das provas, e a constituição do júri de avaliação;• Propor para aprovação do conselho pedagógico os critérios de avaliação da PAT (ane- xo 6), depois de ouvidos os professores das disciplinas tecnológicas do curso;Jorge Teixeira 53
  • 53. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano• Assegurar a articulação entre a escola e as entidades envolvidas no Estágio, identifi- cando-as, fazendo a respectiva selecção, preparando protocolos, procedendo à distri- buição dos formandos por cada entidade e coordenando o acompanhamento dos mesmos, em estreita relação com o professor da disciplina de Especificação;• Assegurar a articulação com os serviços com competência em matéria de apoio sócio- educativo;• Coordenar o acompanhamento e a avaliação do curso;• Recolher informações sobre todo o processo, a fim de as transmitir aos Encarregados de Educação;Além das funções administrativas e pedagógicas que são da minha responsabilidade comoDirector de Curso, pretendo realizar visitas de estudo, colóquios, acções e outras activida-des, de forma a facilitar e estimular a participação activa dos diversos intervenientes noprocesso ensino/aprendizagem.Nas grelhas que se seguem, estas actividades aparecerão de forma mais pormenorizada.Jorge Teixeira 54
  • 54. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano PLANO DE TRABALHO DO DIRECTOR DE CURSO / ÁREAS DE INTERVENÇÃO Objectivos Estratégias / Actividades Intervenientes Calendarização• Facilitar a integração na nova área de • Apresentação do Director de Curso e estudos; Alunos:• Detectar interesses e necessidades dos • Definição de regras de trabalho; alunos apoiando na sua concretização; • Cumprimento das tarefas Administrati-• Criar condições que permitam o desen- vas; volvimento de Atitudes de Responsabi- • Distribuição de tarefas; lidade e Autonomia; • Elaboração/Organização do dossier da DC Início do ano lectivo• Estimular os alunos ao desenvolvimen- direcção de curso; to das potencialidades humanas, sociais e culturais; • Convocatórias aos Encarregados de DC / Alunos / Professores / Ao longo do ano• Fomentar o desenvolvimento de atitu- Educação; EE des e valores que permitam o exercício • Visitas de estudo, Colóquios, Convívios; de uma cidadania plena e responsável. • Actividades no âmbito do Dia da Escola.• Contribuir para uma intervenção peda- • Levantamento, das propostas dos pro- gógica mais eficaz e coerente por parte jectos (PT e PAT) dos alunos, DC/ Alunos 1.º Período de todos os professores da turma; • Coordenação do trabalho pedagógico DC / Professores Ao longo do ano• Fomentar a cooperação e experimen- dos professores das disciplinas técnicas tação pedagógica entre os professores da turma, no sentido de uniformizar cri- das diversas disciplinas; térios e procedimentos, • Realização do regulamento, guia e pro- posta de calendarização e critérios de avaliação da PAT, para aprovação em Conselho Pedagógico (Anexo 7);• Contribuir para a melhoria das rela- • Dinamização de iniciativas de carácter DC / Alunos / Professores / ções: Prof./Alunos, Prof./Prof., interdisciplinar: Acções, Colóquios, Visi- Comunidade escolar / Insti- Prof./EE, Escola/Meio; tas de estudo. tuiçõesJorge Teixeira 55
  • 55. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano Objectivos Estratégias / Actividades Intervenientes Calendarização• Contribuir para elevar o nível de infor- • Recolher e fornecer informações sobre: DC / EE / Alunos 1.º Período mação/conhecimentos dos EE sobre: o Perspectivas futuras, o Currículos/Saídas Profis- o Cursos/saídas profissionais; sionais, o Objectivos/Conteúdos das disciplinas técnicas, o Regime de avaliação, o Apoios disponíveis na Escola;• Relativamente aos estágios e PAT, in- • Estabelecimento de contactos DC / EE 2.º e 3.º Período formar os EE sobre: o Aproveitamento, o Assiduidade, o Comportamento, o Integração;• Facilitar a integração do aluno na vida • Estabelecimento de contactos; DC / Aluno / Instituições / EE Ao longo do ano activa; • Celebração de protocolos e planos de estágio.Jorge Teixeira 56
  • 56. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 4.2. Intervenção no âmbito do PEE e Plano Anual de ActividadesNo âmbito do Projecto Educativo de Escola, proponho-me realizar algumas actividades queestejam de acordo, não só com o modo como me posiciono na escola enquanto membrode uma comunidade educativa, mas também que reflictam a preocupação de contribuir dealguma forma para tornar a escola um espaço mais dinâmico, enriquecedor, agradável eestimulante.Neste sentido, e de forma a dar consecução a alguns dos objectivos mencionados no PEE,tentarei, através de um conjunto de actividades, dinamizar professores, alunos, encarre-gados de educação e restante comunidade escolar.Assim, as propostas de actividades integrantes deste PFAP interagem com os seguinteseixos do PEE:• Ensino / Aprendizagem: o Melhorar os resultados escolares dos alunos, aplicando e promovendo a metodologia de trabalhos de projectos; o Promover a diversidade da oferta educativa numa lógica de inclusão.• Projectar a imagem da escola no exterior: o Actualização da Página da Escola como meio de informação e comunicação; o Preparação e Comemoração do Dia da Escola.Estas actividades estão planificadas nas grelhas seguintes e contam da proposta de activi-dades do grupo de informática para o Plano Anual de Actividades da Escola.Jorge Teixeira 57
  • 57. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano Actividades / Estratégias e acções de Objectivos Intervenientes Recursos Intervenção• Desenvolvimento e actualização da página da Esco- la na Internet: • A nível técnico: o Configuração dos 2 web servers da escola; • Fomentar a utilização da o Criação de domínios para alojamento FTP; página como recurso tecno- o Criação de contas de e-mail institucionais lógico ao serviço da escola; para os diversos agentes educativos da esco- la (Directores de Turma; Coordenadores diversos; Órgãos de Gestão; Clubes e Projec- tos; Serviços Administrativos); • Alunos; • Computadores com • A nível funcional e pedagógico (divulgação • Professores; ligação à Internet; de informações e materiais): • Outros elementos da • Scanner; o Actualização permanente dos seus conteú- • Transformar a página num comunidade educati- • Projector; dos; meio de divulgar a escola; va da Escola Secun- • Fotocópias; o Realização de sessões de trabalho que ensi- • Motivar toda a comunidade dária Daniel Sampaio; • Software para cons- nem e promovam a criação de websites; escolar para as novas tec- • Encarregados de trução de materiais o Realização de sessões de trabalho que pro- nologias de informação; Educação; baseados em web- movam a utilização das páginas de Internet • Fomentar novos métodos • Outras entidades pages; no processo ensino/aprendizagem; de ensino / aprendizagem; externas à escola. • Software para o o Incentivar a produção de materiais lúdico- alojamento de didácticos (Tutoriais; Webquest’s; Matérias páginas e materiais de outras áreas curriculares / extra- via FTP. curriculares; clubes e projectos etc…); o Aproximação à plataforma Moodle; o Utilização da página como meio de aprendi- zagem nas salas de aula – proporcionada pelo “Projecto dos Portáteis”; o Incentivar os professores a divulgarem online • Diversificar as formas de os critérios de avaliação e as planificações; contacto dos Encarregados o Incentivar os Directores de Turma à publica- de Educação com a escola. ção do registo de faltas dos alunos online – acesso mediante password.Jorge Teixeira 58
  • 58. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano Actividades / Estratégias e acções de Objectivos Intervenientes Recursos Intervenção• Levantamento de necessidades de formação a: • Determinar necessidades • Alunos; • Computadores com o Professores; de formação na área das TI • Professores; ligação à Internet; o Funcionários; para, em concordância com • Outros elementos da • Scanner; o Encarregados de educação (no sentido o “Plano das TIC” encontrar comunidade educati- • Projector; de serem os próprios alunos os “for- soluções plausíveis e va da Escola Secun- • Fotocópias; madores”). fomentar o interesse pela dária Daniel Sampaio; • Software diversifi- sua utilização; • Encarregados de cado. • Preparar os alunos para a Educação; apresentação pública das PATs / comunicação peran- te uma plateia.• Organizar as actividades de Informática para os • Fortalecer as relações da • Alunos; • Computadores com dias do Departamento / Dia da Escola: comunidade escolar (encar- • Professores; ligação à Internet; o Projecção de filmes sobre Novas Tecnologias; regados de educação, alu- • Outros elementos da • Scanner; o Organização de palestras sobre Informática nos, professores, outros comunidade educati- • Projector; nos dias de hoje, com ex-alunos (hoje uni- elementos da comunidade va da Escola Secun- • Fotocópias; versitários) e convidados de Faculdades; educativa da Escola Secun- dária Daniel Sampaio; • Jornais; o Promover a participação dos encarregados dária Daniel Sampaio) e • Encarregados de • Revistas; de educação, quer para poderem ver os tra- entidades parceiras da Educação; • Software educativo balhos dos alunos, quer para transmitirem o escola; • Outras entidades / temático; seu testemunho profissional pessoal; • Valorizar o trabalho dos externas à escola. • Auditório; o Promover visitas de estudo de outras esco- alunos ao longo do ano lec- • Comunicação aos las, proporcionando o intercâmbio de ideias e tivo; Encarregados de interesses; • Motivar os alunos para a Educação e ás enti- o Exposição de trabalhos dos alunos elabora- Informática/Novas Tecno- dades convidadas. dos nas disciplinas do grupo de informática. logias.• Visita de estudo ao centro de Formação Profissional • Conhecer as saídas e certi- • Alunos do 11º e do • Contactos com as de Tomar. ficações profissionais; 12º anos do Curso entidades; • Identificar perfis / compe- Tecnológico de • Comunicação aos tências para o mercado de Informática. Encarregados de trabalho; Educação; • Compreender a natureza • Transporte. dos CETs – Cursos de Especialização Tecnológica.Jorge Teixeira 59
  • 59. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano Actividades / Estratégias e acções de Objectivos Intervenientes Recursos Intervenção• Visita de estudo a uma Universidade e a uma • Conhecer as etapas de pro- • Alunos do 12º ano do • Contactos com as empresa de produção de Software. dução de software; Curso Tecnológico de entidades; • Conhecer as ofertas educa- Informática. • Comunicação aos tivas na área de informática Encarregados de pós 12º ano; Educação; • Conhecer o mercado de • Transporte. trabalho na área de infor- mática.• Visita de estudo à Escola Superior de Tecnologia de • Proporcionar aos alunos um • Alunos do 11º e do • Contactos com as Setúbal – Dia aberto à Comunidade. contacto com trabalhos 12º anos do Curso entidades; desenvolvidos no âmbito da Tecnológico de • Comunicação aos informática em geral, moti- Informática. Encarregados de vando-os para a área em Educação; que estão inseridos. • Transporte.• Apresentação pública das PAT’s (Provas de Aptidão • Divulgar os trabalhos reali- • Alunos do 12º ano do • Computadores com Tecnológicas) zados pelos alunos do 12º Curso Tecnológico de ligação à Internet; ano do Curso Tecnológico Informática; • Scanner; de Informática; • Professores; • Projector; • Promover à área tecnológi- • Outros elementos da • Fotocópias; ca / profissional como plano comunidade educati- • Equipamentos mul- de estudos; va da Escola Secun- timédia; • Estreitar relações entre a dária Daniel Sampaio; • Auditório; escola e as diversas insti- • Entidades empresa- • Software diversifi- tuições locais e regionais. riais a operar na área cado. da informática.Jorge Teixeira 60
  • 60. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 4.3. A leccionação da ATI – Área Tecnológica Integrada 4.3.1. Considerações acerca da ATIA ATI do Curso Tecnológico de Informática é composta por:• Disciplina de Especificação – no caso Técnicas de Gestão de Bases de Dados;• Projecto Tecnológico;A matriz curricular elaborada pelo Ministério de Educação e regulamentada pelo anexo àPortaria n.º 550-A2004, de 21 de Maio, determina uma carga lectiva anual de 120 blocosde 90 minutos à disciplina de especificação e 27 ao projecto tecnológico. Semanalmente,são 7 blocos de 90 minutos (6 mais 1, respectivamente) a serem assegurados pelo mesmodocente.Tratam-se de disciplinas cuja leccionação se encontra distribuída de uma forma bastantedesigual pelos três períodos lectivos, em virtude da interrupção provocada pelo estágiocurricular que o ocupa os seus tempos lectivos. O Estágio tem uma carga de 160 blocosde 90 minutos que correspondem a 240 horas de formação em contexto de trabalho. Asupervisão do Estágio cabe ao professor - orientador, docente que assegura a disciplina deEspecificação e o Projecto Tecnológico, em representação da escola, e ao monitor, ele-mento que representa a entidade de acolhimento. São funções do professor - orientadorplanear, acompanhar e avaliar o Estágio, em conjunto com o monitor e o aluno-formando.A ATI tem portanto, uma carga total de 307 blocos de 90 minutos anuais.Ao professor da ATI cabe também orientar e ajudar o aluno na realização da PAT – Provade Aptidão Tecnológica, e consequente preparação da sua apresentação no final do anolectivo. Neste domínio, cabe ao professor da ATI:• Informar os alunos sobre os critérios de avaliação; 61
  • 61. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano• Orientar o aluno na escolha do produto a apresentar, na sua realização e na redacção do respectivo relatório;• Receber as propostas de projectos pessoais dos alunos, sob uma forma esquemática – proposta de projecto –, analisá-los e verificar a sua viabilidade em conjunto com o Conselho de Turma;• Comunicar ao aluno o parecer do Conselho de Turma sobre a proposta de projecto, e, se este for desfavorável informá-lo da necessidade da sua reformulação;• Solicitar ao aluno a apresentação de um Plano devidamente estruturado, da sua Pro- posta de Projecto, contendo este, obrigatoriamente, as várias etapas de planificação do mesmo;• Apoiar os alunos desde o início do Projecto na sua execução, conduzindo-o à supera- ção das dificuldades;• Solicitar a outros professores do curso o apoio a dar aos alunos quando o carácter específico do Projecto o exigir;• Decidir se o produto e o relatório estão em condições de serem presentes ao júri;• Orientar o aluno na preparação da apresentação a realizar na PAT;• Lançar, na respectiva pauta, a classificação da PAT.Seguidamente, apresenta-se uma breve descrição de cada uma destas componentes. A. Técnicas de Gestão de Bases de DadosAs Técnicas de Gestão de Bases de Dados são uma das componentes de uma das especi-ficações terminais do Curso Tecnológico de Informática, que surge neste contexto sob aforma de uma pré-especialização, que poderá, e deverá, ter continuidade no mundo dotrabalho.Hoje, a generalidade das funções a desempenhar por um técnico qualificado de nível 3,está de forma directa ou indirecta associada às bases de dados, ou de uma forma maisgeral a bases de conhecimento, cuja estruturação obedece a princípios, regras e leis cujoconhecimento determina em larga escala a performance com que se desempenham essasfunções. 62
  • 62. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoSendo então este curso um curso fortemente orientado para a vida activa, é natural queas suas componentes terminais ao nível do ensino secundário possam estar orientadaspara o que possam ser as prováveis orientações de aplicabilidade nesse contexto de traba-lho, que é, por definição aquele para onde presumivelmente o sujeito se dirigirá a partirdo fim do curso, tal como aliás se indica nos princípios orientadores desta formação.Nos termos dos pressupostos orientadores enquadrados pelo Decretos – Lei 7/2001 e74/2004, deve ainda esta disciplina articular-se com as aprendizagens desenvolvidas nasdisciplinas da componente de formação tecnológica, com o Projecto Tecnológico (PT) econtribuir de forma coerente e adequada para a Prova de Aptidão Tecnológica (PAT).Estão definidos assim, os pressupostos essenciais para que estes conteúdos façam partede uma componente de especificação terminal – a ATI. B. Projecto TecnológicoO Projecto Tecnológico é uma área não-disciplinar, integrada na ATI do curso Tecnológicode Informática, que tem como finalidades:• A integração de saberes e competências adquiridas ao longo do curso, em torno do desenvolvimento de metodologias de estudo, investigação e trabalho de grupo.• A aproximação ao mundo do trabalho, ao mundo empresarial, às instituições científicas e culturais, às instituições da administração pública, às instituições de solidariedade social ou aos órgãos de poder local e central.• Promover a orientação escolar e profissional dos alunos, relacionando os projectos desenvolvidos com os seus contextos sociais e, em particular, com os contextos de trabalho e as saídas profissionais;• Preparar a Prova de Aptidão Tecnológica. 63
  • 63. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano C. Estágio CurricularEntende-se por estágio o desenvolvimento supervisionado, em contexto real de trabalho,de práticas profissionais inerentes ao Curso Tecnológico de Informática e à especificaçãoem Técnicas de Gestão de Bases de Dados. O estágio realiza-se numa entidade pública ouprivada, na qual se desenvolvam actividades profissionais relacionadas com a área deformação em causa.O estágio visa:• Desenvolver e consolidar, em contexto real de trabalho, os conhecimentos e compe- tências profissionais adquiridos durante a frequência do curso;• Proporcionar experiências de carácter sócio-profissional que facilitem a futura integra- ção dos jovens no mundo do trabalho;• Desenvolver aprendizagens no âmbito da Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho.Neste sentido, são responsabilidades do aluno:• Colaborar na elaboração do protocolo e do plano de estágio;• Participar nas reuniões de acompanhamento e avaliação do estágio;• Cumprir, no que lhe compete, o plano de estágio;• Respeitar a organização do trabalho na entidade de estágio e utilizar com zelo os bens, equipamentos e instalações;• Não utilizar sem prévia autorização a informação a que tiver acesso durante o estágio;• Ser assíduo, pontual e estabelecer boas relações de trabalho;• Elaborar o relatório de estágio. D. PAT – Prova de Aptidão TecnológicaA Prova de Aptidão Tecnológica consiste na defesa, perante um júri, de um produto, queassume a forma de objecto ou produção escrita ou de outra natureza, e do respectivorelatório de realização, os quais evidenciam as aprendizagens profissionais adquiridas peloaluno. 64
  • 64. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoA mesma poderá assumir as seguintes formas:• Projecto Pessoal e profissional centrado em temas e problemas no qual o aluno invista saberes e competências adquiridas ao longo da sua formação e se desenvolva em arti- culação directa com o mundo de trabalho ou que constitua um forte contributo para a sua aproximação à vida activa.• Somatório de pequenos projectos desenvolvidos pelo aluno ao longo do curso, prefe- rencialmente da disciplina de especificação ou do projecto tecnológico, nomeadamen- te: o Aproveitamento de trabalho a realizar em qualquer disciplina ao qual o alu- no dê um desenvolvimento pessoal desde que o seu conteúdo venha a con- tribuir para a sua futura integração profissional, nomeadamente pelo aper- feiçoamento de conhecimentos, competências e atitudes relativas ao desempenho da futura actividade profissional; o Elaboração de artigos técnicos, afins ao respectivo curso, a publicar em revistas técnicas, boletins de associações empresariais, jornais locais, etc…; o Trabalhos de carácter técnico que o aluno possa ter desenvolvido durante o seu período de estágio.• Outras formas que o aluno encontre e que o respectivo professor da Área Tecnológica Integrada, juntamente com os outros professores da área técnica e com o Coordena- dor de Curso, constatem que tem fundamento.Várias finalidades se pretendem atingir com a Prova de Aptidão Tecnológica:• Integrar dois contextos de formação: espaço – escola e espaço – mundo do trabalho;• Contextualizar a formação dos alunos nas realidades locais permitindo um melhor conhecimentos destas e dos seus potenciais;• Aperfeiçoar competências, atitudes e conhecimentos facilitadores do acesso a um emprego e a uma carreira;• Promover o desenvolvimento de competências de empregabilidade, fomentado um envolvimento activo num projecto pessoal e profissional;• Obter a certificação da formação profissional adquirida. 65
  • 65. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 4.3.2. Planificação das actividades lectivasUma vez que a unidade de intervenção escolhida para fazer a planificação foi a intitulada“Servidores Web”, relativa à disciplina de Técnicas de Gestão de Bases de Dados do 12ºano do Curso Tecnológico de Informática, impõe-se uma análise pessoal às planificaçõeselaboradas (ver planificações a longo e a médio prazo, assim como um plano de aula-tipo,que constam dos anexos 8 a 10).Assim, e num contexto de especificação terminal, existem alguns componentes que seconsideram enquadradores de uma leitura mínima dos saberes necessários ao desempe-nho desejado e que, estruturam o conhecimento exigido a uma qualificação nessa área, asaber:• Análise de sistemas;• Modelos relacionais;• Programação e Linguagem de SGBD;• SGBD para a Web;• Aplicação.Entendem-se estes componentes como sequenciais ou complementares de uma formaçãojá concebida e conseguida em anos anteriores.Desde logo é extremamente importante que seja feita uma introdução séria à análise,uma vez que não faz sentido trabalhar bases de dados (e não se trata de simples manipu-lação) sem se ter uma noção de como gerar uma base, numa perspectiva de programaçãodo que se deseja lá colocar. Por outro lado, uma visão transdisciplinar da análise, permiti-rá sempre ao aluno desenvolver em contexto de trabalho capacidades inerentes às ferra-mentas de trabalho que vier a utilizar e que se revelarão necessariamente como maisvalias quer pessoais quer ao nível da empresa, qualquer que ela seja.Dar continuidade ao pouco que se aprendeu sobre bases de dados até aqui, – sobretudopor causa da sua complexidade funcional – nomeadamente na análise relacional que se 66
  • 66. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anodeseja compreender através do conhecimento dos modelos e das soluções de implemen-tação, é uma fase imediata, que deve proporcionar ao sujeito da aprendizagem, não ape-nas uma visão de conjunto e também estruturada do que são Bases de Dados numa pers-pectiva empresarial, mas sobretudo criar as competências necessárias para que cada umseja capaz, em fase posterior, de aplicar esses conceitos de forma adequada, articulada eeficaz.Também nesse sentido, se procura uma nova lógica de concepção e aplicação das solu-ções já estudadas a partir do 11º ano de escolaridade ao nível da programação, no que àbases de dados diz respeito, nomeadamente ao ADO Data Control, que se desenvolveu noVisual Basic e que se recupera este ano na disciplina de Bases de Programação com oVisual C++, como referentes das linguagens orientadas a objectos e a eventos, que pos-suem hoje em dia na sua sintaxe e na sua semântica, os componentes para a implemen-tação de soluções relacionadas com as bases de dados.Como sequência lógica, pretende-se um enquadramento de uma plataforma padrão, quesirva os interesses de uma grande abrangência do mundo empresarial, e por isso apontou-se para o SQL, sem que no entanto se “ancorasse” especificamente a uma dada ferramen-ta essa aprendizagem.Como componente terminal de novos conteúdos, faz-se uma abordagem centrada naWeb, numa perspectiva de desenvolvimento, na medida em que a evolução das “e-ferramentas” e “e-funcionalidades”, nomeadamente na área do e-commerce assim o exi-gem.Abordam-se então genericamente linguagens de scripting para escrever aplicações (ser-verscripts) para a Web, usando bases de dados, nomeadamente centrando a “leitura” daaprendizagem nas aplicações de comércio electrónico, através da linguagem ASP NET eASP/VB, de acordo com a diversidade de oferta para o mercado de trabalho; inclui-se aquiuma introdução à instalação e configuração básicas às plataformas de servidores webApache e Internet Information Server. 67
  • 67. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º AnoA disciplina permite ainda configurar uma unidade de aplicação (Projecto Tecnológico),onde os alunos poderão dar corpo ao aprendido, salientando-se que pode enquadrar aPAT, uma vez que se trata de uma área de carácter quase universal.Este conjunto de competências tem como objectivo fundamental, permitir que o alunohabilitado com o Curso Tecnológico de Informática, e com esta especialização possa, emtermos de desenvolvimento da sua actividade profissional, desempenhar as funções deTécnico de Gestão de Base de Dados.Importa realçar que se trata de uma disciplina de cariz essencialmente prático, que deveráproporcionar uma aproximação ao mundo do trabalho, podendo, com a realização doestagio, criar-se situações de aprendizagem concomitante – em contexto de trabalho esimultaneamente na escola – que proporcionem aos alunos um contacto suficientementeprofundo com o mundo empresarial, o que pode ser conseguido através de parcerias entrea escola e entidades locais, nomeadamente empresas, instituições, serviços públicos etc…Sugiro assim que todas as componentes indicadas, incluindo o estudo das técnicas de aná-lise estruturada de sistemas e das ferramentas de apoio ao trabalho de modelação; oaprofundamento de conceitos relacionados com uma linguagem estruturada de acesso adados; o estudo de conceitos, técnicas e ferramentas de análise orientada a objectos; ainserção e manipulação de uma base de dados numa linguagem de programação sejamleccionadas numa perspectiva de “aprender fazendo” em que o aluno não se torne numsimples destinatário meramente receptivo da informação que à posterior validará usando,mas sim que interaja com o docente, com os colegas e com os materiais da aprendiza-gem, de uma forma pró-activa, recriando sistematicamente e em ciclo, as tarefas queserão o seu domínio de actividade no mercado de trabalho. 68
  • 68. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 4.3.3. Fundamentação do Projecto e das Actividades PropostasUm dos objectivos principais do professor deve ser, assegurar nos seus alunos, o desen-volvimento do raciocínio, da reflexão crítica, da curiosidade científica e o aprofundamentodos elementos fundamentais de uma cultura humanista, artística, científica e técnica.Assim sendo, o professor deve organizar o currículo com a preocupação de ir ao encontrodas expectativas, interesses e saberes dos alunos de forma que “(…) as aprendizagenssejam o mais significativas possível e que permitam resolver os problemas de compreen-são e de participação.” (Leite, Carlinda, 2001).Deve reconhecer-se que os conteúdos só fazem sentido se explorados em contextos deinteracção e actividade que têm que ser criteriosamente concebidos. Uma parte significati-va do futuro da aprendizagem não se encontra nos conteúdos. Muito desse futuro, talveza sua parcela mais crítica, encontra-se nos contextos. “Não se encontra, assim, na produ-ção e distribuição de conteúdos, nem na transferência de aprendizagens ou de conheci-mento para cabeças vazias, mas sim em tornar possível a construção das aprendizagenspelos seus próprios destinatários, em ambientes culturalmente ricos em actividade –ambientes que nunca existiram, que o recurso inteligente aos novos media tornou possí-veis e nos quais se aplicam paradigmas completamente distintos dos do passado.” (Figuei-redo, Dias, 2002).Para que esses conhecimentos sejam o mais significativos possível, o projecto foi pensadoe concebido de forma a aproveitar situações reais e concretas, contextualizando assim oestudo de um tema de crucial importância para uma sociedade cada vez mais informatiza-da e dependente das novas tecnologias.Ao utilizar uma metodologia de aprendizagem baseada em projecto, verifica-se que os alu-nos à medida que o vão desenvolvendo vão também sentindo a necessidade de aprender 69
  • 69. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anonovos conteúdos, ou seja, o aluno torna-se actor da sua própria formação – learning bydoing.Desta forma, são ainda identificados benefícios optando-se por trabalhar em projecto, vis-to que, “(…) trabalhar em projecto pressupõe ter interlocutores, trabalhar em grupo, sercolegial, partilhar finalidades, admitir posições contrárias, negociar essas posições, agireticamente, assumir compromissos e responsabilidades.” (Cortesão, Leite e Pacheco, p.37). “É na relação entre saber e experiência, na articulação entre aquisições escolares etransferência para situações da vida real, que o trabalho de projecto se situa.” (Cortesão,Leite e Pacheco, p. 36).Outro aspecto que incita à implementação deste projecto, é o facto dos alunos da turmarevelarem alguma falta de autonomia, falta de sentido de responsabilidade, nomeadamen-te no cumprimento de prazos e revelarem também, dificuldades em exprimir as suasideias, tanto oralmente como na forma escrita. Neste contexto, a ideia de projecto justifi-cava-se, como forma de suprimir essas dificuldades recorrendo a diferentes processos decomunicação dos resultados obtidos.A unidade de intervenção escolhida – Servidores Web – instrui os alunos para instalar cor-rectamente uma plataforma para servidores web, partindo depois para a sua configuraçãotécnica e prestação de serviços. Pata tal, os alunos deverão também conhecer os proce-dimentos necessários à manutenção e gestão dum servidor web.A disciplina de Técnicas de Gestão de Base de Dados, do 12º ano de escolaridade é umadisciplina com uma forte componente prática. Depois de desenvolvidos e interiorizadosuma série de conceitos teóricos, há que aplicar na prática tudo o que se aprendeu, não sóeste ano, mas também em anos anteriores e nas variadas disciplinas. Assim, e depois derealizada uma análise ao programa da disciplina, verificava-se que a unidade em questãoera a única que ainda não detinha actividades práticas que envolvessem o “saber fazer”por parte dos alunos.Detendo a escola as condições técnicas ideias (dois servidores web) e, tendo em contaque os alunos possuem aprendizagens para a criação e manutenção de websites (nas dis- 70
  • 70. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anociplinas de TIC – 10.º ano – e Aplicações Informáticas A – 11.º ano), estão reunidas ascondições para que os alunos possam praticar e desenvolver um projecto nesta área.Assim o projecto consiste na configuração de um dos servidores web da escola, afectandoos serviços (WWW/http, FTP e Mail/SMTP) aos cursos tecnológicos e profissionais em cur-so na escola. Desta forma é possível criar vias de comunicação privilegiadas entre todos osintervenientes no correcto funcionamento dos mesmos – alunos, professores, entidades einstituições e encarregados de educação.A interdisciplinaridade está também patente na sua concretização, uma vez que os alunosprecisam de aplicar conhecimentos aprendidos na disciplina de Bases de Programação, docorrente ano curricular, nomeadamente na unidade de Linguagens de Programação dePáginas Web.Como a unidade supervisionada vai incidir sobre o desenvolvimento deste projecto, a defi-nição de objectivos e organização de conteúdos e actividades vão ser especificados emdetalhe na planificação da unidade e no plano da aula-tipo, ou seja, nas duas próximassecções do PFAP, e nos anexos 9 e 10).Das restantes unidades, muitos projectos estão previstos, dado o carácter de especificaçãoda disciplina, e também do Projecto Tecnológico, que será leccionado em estreita articula-ção com a mesma. Deste trabalho contínuo ao longo do ano lectivo resultará a PAT, paraa qual vale também a pena salientar o seu carácter interdisciplinar. Para a sua concretiza-ção, os alunos deverão deter as aprendizagens técnicas necessárias, assim como conhe-cimentos sólidos para a estruturação e realização de relatórios técnicos (adquiridos e tra-balhados nas aulas de Português). Em alguns casos, será também necessário o apoio dadisciplina de Matemática para a optimização de raciocínios e conjugação de probabilida-des.As estratégias a implementar durante a realização deste trabalho, e de todos os trabalhosao logo do ano lectivo, consistem em:• Preparar os alunos para a sua inserção no mercado de trabalho;• Orientar e preparar os alunos para a realização e apresentação das PATs; 71
  • 71. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano• Orientar os alunos, estimulando-os a aprender e a ultrapassarem as dificuldades com que se deparam, ficando assim cada vez mais envolvidos no trabalho;• Incentivar os alunos a trabalhar em grupo;• Discutir em grupo os trabalhos realizados;• Realizar visitas de estudo;• Participar nas actividades do dia do Departamento de Matemática/Informática (e pos- sível Dia da Escola).Para além deste trabalho, à medida que vamos avançando nos conteúdos temáticos pre-vistos para esta disciplina, os alunos vão sendo confrontados com diversas fichas de traba-lho, por forma a poderem aplicar os novos conceitos aprendidos, seguindo a filosofia deque “para aprender, o melhor é fazer”. Para isso, é vantajoso ter um projecto, um objecti-vo, para se envolverem e interessarem pelo trabalho em si. 72
  • 72. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 4.3.4. Planificação da Unidade – Servidores WebPara fazer o enquadramento desta unidade nos conteúdos temáticos da disciplina, consul-tar a planificação a longo prazo em anexo (ver anexo 8) da qual resulta a planificação amédio prazo – a planificação da unidade/projecto – que consta no anexo 9.Importa referir que a planificação da unidade/projecto define as competências a desenvol-ver nos alunos (no que se refere aos conhecimentos a adquirir, capacidades a obter e ati-tudes a desenvolver).Especifica também que conteúdos são abordados, assim como as estratégias adoptadaspara que os alunos desenvolvam o projecto proposto.Apresenta ainda os recursos necessários para a implementação do projecto e aprendiza-gem dos seus conteúdos, e, por fim, de que forma o aluno é avaliado nesta unidade, ecomo se traduz essa na avaliação global da disciplina. 73
  • 73. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano 4.3.5. Planos das aulasA planificação aula a aula, que incide também sobre a unidade supervisionada (Anexo 10do presente PFAP, onde consta a simulação de uma aula-tipo) foi pensada tendo em contaos aspectos que seguidamente se descrevem.Como na escola onde estou a leccionar, as aulas da disciplina em questão estão estrutura-das em blocos de dois tempos lectivos de 45 minutos cada, a planificação foi elaboradacom base nesses mesmos blocos, permitindo maior proximidade com o que se passa naprática.Em todas as aulas, no início, é feita uma retrospectiva, permitindo fazer o ponto da situa-ção, situando quer o professor, quer os alunos (e fundamentalmente estes últimos) nocontexto da aula. No final de cada aula será sempre estabelecida uma ponte para a sessãoseguinte, abrindo assim o “apetite” para o que se segue e incentivando nos alunos o espí-rito empreendedor.Durante as aulas vão ser utilizadas situações de aprendizagem adequadas, tendo em vistao enquadramento das competências a adquirir pelo aluno através da realização do projec-to. Será também feita a articulação de conteúdos da disciplina de Técnicas de Gestão deBases de Dados e de Bases de Programação, de forma a optimizar os resultados.Na planificação aula a aula pretendo também especificar as tarefas e modos de organiza-ção do trabalho (passando pelo ajustamento de tarefas), e definir as formas de comunica-ção nos diversos momentos das aulas. 74
  • 74. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano V – AVALIAÇÃOA avaliação constitui um momento de pausa, de reflexão e de crítica, que deve estar pre-sente em todas as unidades planificadas neste projecto educativo. Pressupõe que nodesenvolvimento das diversas actividades realizadas no domínio da direcção de curso, dadisciplina de Técnicas de Gestão de Bases de Dados da ATI – Área Tecnológica Integradaou do projecto educativo da escola, se prossigam ou se faça uma remodelação das mes-mas. É um processo contínuo e constitui um instrumento aferidor entre a planificação dasactividades e a sua execução.No domínio da disciplina de Técnicas de Gestão de Bases de Dados, proponho-me a fazeruma avaliação sistemática e contínua, de modo a informar os intervenientes sobre o esta-do de cumprimento dos objectivos do currículo, bem como a qualidade do processo ensi-no/aprendizagem – avaliação formativa.Este tipo de avaliação constitui, assim, um instrumento valioso para que os alunos atinjamsucesso na aprendizagem, permitindo adoptar, atempadamente, medidas de correcção.Para a compreensão global da avaliação da ATI, consultar o anexo 11 – Critérios de ava-liação da ATI.A opinião dos alunos sobre o trabalho desenvolvido, bem como a minha actuação no pro-cesso ensino/aprendizagem, constituirá também um dado de grande importância. Subja-cente a isto, estará, por um lado a preocupação de recolher e informar periodicamente osalunos do seu progresso bem como, fazer uma avaliação da minha própria actuação,melhorando-a, quer ao nível da prática pedagógica, quer na definição e reajustamento dasestratégias utilizadas.Em relação ás actividades do domínio da direcção de curso, auscultarei as opiniões detodos os intervenientes na correcta implementação do Curso Tecnológico de Informática,principalmente no que se refere à ATI e à PAT, oralmente e de forma oficiosa, sempre que 75
  • 75. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Anofor necessário. O parecer acerca das actividades que neste âmbito desenvolverei, e omodo como este cargo é desempenhado, será essencialmente recolhido nos diversosmomentos de contactos pessoais (reuniões com alunos, instituições e encarregados deeducação), celebração de protocolos e apresentações das PATs.Relativamente às actividades a realizar no domínio do projecto educativo de escola/planoanual de actividades, será feita uma apreciação pessoal, uma apreciação conjunta com ogrupo de informática, bem como a recolha de opiniões dos elementos participantes dasactividades.Constituindo formas de apreciação diferentes, o que se afirma importante é transformar oprocesso de avaliação num instrumento útil, de reflexão e crítica pessoal, de forma a pla-nificar e remodelar continuamente as actividades propostas, contribuindo assim, para ummelhoramento da minha prática lectiva. 76
  • 76. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano CONCLUSÃOEste Projecto de Formação e Acção Pedagógica constitui uma proposta de trabalho para opresente ano lectivo. No entanto, algumas das actividades contempladas neste PFAP deve-rão ser continuadas nos próximos anos lectivos e alargadas a outras disciplinas e gruposdisciplinares, aproveitando os resultados desta nova actividade agora proposta.Para conseguir levar este projecto a bom porto, procederei sempre que necessário, nodecorrer da minha actividade, aos reajustamentos apropriados de forma a melhorar aminha actuação no processo de Ensino / Aprendizagem.Para que a actividade no ensino seja eficaz, é necessário que haja alguma direcção sob aforma de metas e experiências, o que origina que todo o trabalho decorra segundo umencadeamento harmonioso de ideias, actividades e interacções, originando um comporta-mento responsável como parte integrante da aprendizagem.É portanto essencial formular objectivos, precisando de forma clara e correcta: o compor-tamento esperado; as condições de realização e os critérios de êxito. Os objectivos têmcomo principal função servir de instrumento de comunicação entre todos os interessadosno processo de Ensino/Aprendizagem, tornando este processo mais eficaz.Assim sendo, espero que este PFAP, como guia para o presente ano lectivo, me ajude aatingir os objectivos a que me propus, valorizando a minha formação e enriquecendo asrelações entre os intervenientes no processo de ensino. 77
  • 77. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano BIBLIOGRAFIA• Correia, J. A.; “Inovação Pedagógica e Formação de Professores”; Editora ASA, Lisboa• Figueiredo, Dias – O futuro da educação perante as novas tecnologias (http://www.dei.uc.pt/~adf/Forest95.htm) – 1995• Leite, Carlinda – “Projectos curriculares de escola e turma – Conceber gerir e avaliar” ex. al. – Porto: Edições Asa – 2001• Luiza Cortesão. Carlinda Leite. José Augusto Pacheco – Trabalhar por projectos em educação. Uma inovação interessante? – Porto Editora• Oliveira, F.; “Preparação e Desenvolvimento de Sessões de Formação”; Colecção Aprender, I.E.F.P.• Paixão, M. L. L.; “Educar para a Cidadania”; Lisboa Editora• Pinheiro, J. et al.; “Métodos Pedagógicos”; Colecção Aprender, I.E.F.P.• Ponte, J. et al.; “Projectos Educativos”; Ministério da Educação – Departamento do Ensino Secundário• Ricardo Vidal Silva. Anabela Silva – Educação aprendizagem e tecnologia. Um para- digma para professores do século XXI – APGC: Edições Silato – 2005• Decreto-Lei n.º 7/2001 (D.R. n.º 15, Série I-A de 2001-01-18)• Portaria n.º 550-A/2004 e anexos (D.R. n.º 119, Série I-B, Suplemento de 2004-05-21)• Guia do aluno da Escola Secundária Daniel Sampaio (Ano lectivo 2006/2007)• Projecto Educativo da Escola Secundária Daniel Sampaio (2005/2008)Sites da Internet de referência:• Página da Escola Secundária da Sobreda – http://www.esec-danielsampaio.pt/• http://viajar.clix.pt/com/geo.php?c=186&mg=1&lg=pt• http://www.portugalweb.net/almada/almada/default.asp• http://www.portugalweb.net/almada/sobreda/DEFAULT.asp• http://pt.wikipedia.org/wiki/Almada• http://www.portaldealmada.com/• http://www.roteirodealmada.com/• http://www.ipv.pt/ 78
  • 78. PFAP – Projecto de Formação e Acção Pedagógica ESE Setúbal – Profissionalização em Serviço – 2.º Ano ANEXOS 79
  • 79. ANEXO 1A TURMA 12.º F i
  • 80. ii
  • 81. iii
  • 82. ANEXO 2INQUÉRITO PARA CARACTERIZAÇÃO DA TURMA iv
  • 83. v
  • 84. vi
  • 85. ANEXO 3CRONOGRAMA DAS PRINCIPAIS ACTIVIDADES DO PFAP vii
  • 86. viii
  • 87. ANEXO 4 FUNCIONAMENTO DA ATIDOCUMENTAÇÃO / INFORMAÇÕES DESTINADAS AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO E ALUNOS ix
  • 88. x
  • 89. xi
  • 90. xii
  • 91. xiii
  • 92. xiv
  • 93. xv
  • 94. xvi
  • 95. xvii
  • 96. xviii
  • 97. xix
  • 98. xx
  • 99. ANEXO 5CONCLUSÃO E CERTIFICAÇÃO DO CURSO xxi
  • 100. xxii
  • 101. ANEXO 6CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA PAT xxiii
  • 102. xxiv
  • 103. ANEXO 7REGULAMENTO E GUIA DA PAT xxv
  • 104. xxvi
  • 105. xxvii
  • 106. xxviii
  • 107. xxix
  • 108. xxx
  • 109. xxxi
  • 110. xxxii
  • 111. xxxiii
  • 112. xxxiv
  • 113. xxxv
  • 114. xxxvi
  • 115. xxxvii
  • 116. xxxviii
  • 117. xxxix
  • 118. xl
  • 119. xli
  • 120. xlii
  • 121. xliii
  • 122. xliv
  • 123. xlv
  • 124. ANEXO 8PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO xlvi
  • 125. xlvii
  • 126. xlviii
  • 127. xlix
  • 128. l
  • 129. li
  • 130. lii
  • 131. liii
  • 132. liv
  • 133. lv
  • 134. lvi
  • 135. lvii
  • 136. lviii
  • 137. ANEXO 9PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO lix
  • 138. lx
  • 139. ANEXO 10PLANIFICAÇÃO A CURTO PRAZO AULA – TIPO lxi
  • 140. lxii
  • 141. lxiii
  • 142. ANEXO 11CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA ATI lxiv
  • 143. lxv
  • 144. lxvi
  • 145. ANEXO 12OUTROS lxvii

×