Michael Moore e a teoria da distância transaccional
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Michael Moore e a teoria da distância transaccional

on

  • 455 views

 

Statistics

Views

Total Views
455
Views on SlideShare
428
Embed Views
27

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

2 Embeds 27

http://jp-mpel.blogspot.pt 19
http://www.jp-mpel.blogspot.pt 8

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Michael Moore e a teoria da distância transaccional Michael Moore e a teoria da distância transaccional Presentation Transcript

  • Equipa Moore Diana Gonçalves | João Pinto | Paula Peru | Sónia Heidemann Modelos de Educação a Distância Iniciar
  • Menu BibliografiaA equipa Sair Equipa Moore UC: Modelos de Educação a Distância Distância transacional Meios de comunicação Diálogo educacional Estrutura do Programa Processos para a estruturação Seleção e integração dos meios Autonomia do aluno Teleconferência A Teleconferência e o EaD A Teleconferência na Tipologia Tipos de interação Aprendente - Conteúdos Aprendente - Professor Aprendente - Aprendente Aplicações Conclusão Michael Moore O contributo de Moore  
  • O conceito de “Transação”, com origem Dewey (1949), remete para a interação entre ambiente, indivíduos e comportamentos. Esta transação, no âmbito da EaD (ambiente), têm implicações no ensino e na aprendizagem porque alunos e professores (indivíduos) estão significativamente separados, o que exige comportamentos diferentes. O conceito de “Distância Transacional” diz respeito ao espaço psicológico e comunicacional que é necessário gerir, na EaD, para o sucesso do processo de ensino-aprendizagem. A Teoria da Distância Transacional engloba três grandes variáveis : • estrutura • diálogo • autonomia na aprendizagem A Teoria da Distância Transacional constitui a primeira tentativa inglesa de definição de uma teoria da EaD. clicar para saber mais... Equipa: Moore Distância transacional Michael Moore e a teoria da distância transacional  Menu View slide
  • Equipa: Moore Diálogo educacional Distância transacional  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Segundo Moore (Moore, 1993, pág. 2) um diálogo é intencional, construtivo e valorizado por cada parte, constituindo uma interação com qualidades positivas. Na comunicação educacional o diálogo é uma ferramenta direcionada para o aperfeiçoamento da compreensão por parte do aluno. No diálogo, cada parte, professor e aluno, contribui para a construção ou reconstrução de algo que lhe é comum, o que não se verifica nas interações que até podem ser negativas ou neutras. O diálogo educacional poderá ser influenciado pelas seguintes variáveis: • Meios de comunicação • Tipo de conteúdo • Características dos professores e dos alunos • Condições físicas O diálogo professor-aluno é determinante para a redução da distância transacional. clicar para saber mais... View slide
  • Equipa: Moore Meios de comunicação Distância transacional > Diálogo educacional  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Existe uma relação entre o meio de comunicação utilizado e a qualidade do diálogo produzido, podendo resultar num tipo de comunicação mais ou menos dinâmica, unidirecional ou bidirecional, que fomente um diálogo mais espontâneo ou mais reflexivo. Videoconferência: • um meio altamente interativo • possibilita um diálogo mais intenso • reduz a distância transacional Conteúdos de autoestudo / televisão/ áudio/ correspondência: • meios sem interação • promovem diálogos internos e silenciosos • aumentam a distância transacional É possível melhorar o diálogo educacional e reduzir a distância transacional através dos meios de comunicação. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Estrutura do Programa  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Distância transacional Programas mais estruturados: • Recorrem a meios como a televisão, o vídeo e o áudio • Não existe lugar ao diálogo • Verifica-se uma grande distância transacional • Os materiais didáticos são fechados • As orientações são precisas • Os alunos tomam decisões, são mais autónomos Programas menos estruturados: • Recorrem a meios como a teleconferência • Fomentam o diálogo • Verifica-se uma pequena distância transacional • As orientações são dadas a partir do diálogo • Os materiais são mais dinâmicos • A autonomia do aluno é mais reduzida. O sucesso do ensino a distância depende muito da criação de oportunidades adequadas para o diálogo professor-aluno, mas também de materiais didáticos estruturados de forma a reduzir a distância transacional. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Processos para a estruturação  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Distância transacional > Estrutura do Programa • Apresentação: disponibilizar informações gerais através de meios gravados. • Apoio à motivação do aluno: estimular e manter o interesse do aluno. • Estímulo à análise e à crítica: desenvolver habilidades cognitivas de alto nível com atitudes e valores associados. • Aconselhamento e assistência: orientar e acompanhar os alunos na utilização dos recursos didáticos e na resolução de problemas. • Organização prática, aplicação, testes e avaliação: criar atividades para a aplicação dos conhecimentos. • Organização na construção do conhecimento por parte do aluno: criar condições para o diálogo e para a partilha no processo de construção do seu conhecimento. Moore identifica um conjunto de processos que, na sua perspetiva, devem considerados na estruturação de um programa para EaD. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Seleção e integração dos meios  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Distância transacional > Estrutura do Programa Na seleção do meio de comunicação mais adequado importa considerar as características inerentes ao aluno e ao conteúdo. “Some teaching processes can be seen to be more appropriately delivered by certain media.” (Moore, 1993, pág. 5), isto é, diferentes processos de ensino podem ser mais adequadamente disponibilizados através de diferentes meios. O autor conclui, que o aluno ganha com o potencial de conteúdos altamente estruturadas integrados com vários tipos de meios de comunicação, como por exemplo, o diálogo através de correio eletrónico e videoconferência. É necessário selecionar o meio ou conjunto de meios mais apropriados para determinado programa em EaD . clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Autonomia do aluno  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Distância transacional “A autonomia do aluno é a medida pela qual, na relação ensino/aprendizagem, é o aluno e não o professor quem determina os objetivos, as experiências de aprendizagem e as decisões de avaliação do programa de aprendizagem” (Moore, 2002, pág. 9). Um aluno é independente do professor quando é capaz de abordar assuntos sem a mediação deste. Os estudos revelam que os alunos possuidores de competências avançadas a nível de autonomia preferem programas com menos diálogo e com pouca estrutura. Já os alunos mais dependentes preferem programas com mais diálogo, numa perspetiva mais humanística. A autonomia do aluno é uma variável fundamental para definir a distância transacional em EaD, sendo que uma maior distância transacional corresponde a uma maior autonomia. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Teleconferência  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Distância transacional O uso da teleconferência tornou mais ágil o diálogo entre o professor e o aluno e veio permitir o diálogo entre alunos, viabilizando a utilização de programas menos estruturados. Através da audioconferência, videoconferência e conferência por computador os alunos aprendem pela interacção intergrupos e intragrupos. Esta relação que os alunos criam permite que eles a distância compartilhem a construção do conhecimento. O que Kowitz e Smith (1987) na "inteligência coletiva" definem como terceira e mais avançada forma de instrução , após o ensino de conhecimentos básicos e de habilidades técnicas. O desenvolvimento de meios de telecomunicação altamente interativos, como a teleconferência, representou um importante avanço para a EaD.clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore A Teleconferência e o EaD  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Distância transacional > Teleconferência Em todas as formas de EaD, quer se utilizem meios mais ou menos tradicionais e tendencialmente mais estruturados como o correio, a rádio ou da televisão, a comunicação passa a ser multilateral. A teleconferência: • Desenvolve a autonomia; • Favorece a criação de recursos; • Promove a motivação; • Promove a diversificação de atividades; • Cria uma atmosfera mais amigável; • Encoraja o diálogo; • Diminui a estrutura e o controle A teleconferência, pelas suas potencialidades de interação , deve ser considerada no desenho de programas de EaD. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore A Teleconferência na Tipologia  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Distância transacional > Teleconferência A tipologia da educação a distância desenvolvida na teoria da distância transacional e reproduzida por Moore em 1983 revela que a interação professor-aluno na teleconferência é mais dialógica e menos estruturada. Quanto à autonomia, estudos revelam que tendencialmente é o professor/tutor que planifica, implementa e avalia mas, ainda assim, é reconhecido o potencial da teleconferência no aumento da autonomia e na redução da distância dos alunos. A teleconferência abre novas oportunidades à EaD, reduzindo a distância e promovendo o diálogo entre os intervenientes . clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Tipos de interação  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional A utilização das potencialidade das novas tecnologias, para fomentar a comunicação em EaD, tem provocado a discussão em torno de alguns conceitos. A interação é um destes conceitos , que importa rever, analisando-se os principais agentes envolvidos no processo de ensino-aprendizagem. Moore propõe 3 tipos de interação: •Aprendente-Conteúdos •Aprendente- Professor •Aprendente-Aprendente O tipo de interação pretendida tem consequências práticas na escolha do meio de comunicação a aplicar. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Aprendente - Conteúdos  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Tipos de interação Os avanços tecnológicos permitiram uma maior interação do aluno com os conteúdos, estes deixaram de ser unicamente disponibilizados em formatos fechados, como textos para impressão. Atualmente, desenham-se conteúdos para promover a interação. Para Moore a relação o aluno-conteúdo está na base do conceito de educação e remete para a integração dos conteúdos na estrutura cognitiva dos alunos. A interação do aluno com o conteúdo é essencial ao processo de aprendizagem e à construção do conhecimento. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Aprendente - Professor  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Tipos de interação Neste tipo de interação o professor assume um papel primordial na promoção e mediação desta relação.´ O professor, enquanto especialista,disponibiliza conteúdos tal como também modela atitudes e valores. É o responsável por orientar o processo de desenvolvimento de competências e pela sua avaliação. O professor motiva, orienta e avalia. A interação professor-aluno é importante tanto para um como para o outro. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Aprendente - Aprendente  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Tipos de interação Tradicionalmente os alunos são organizados segundo critérios organizativos que facilitem a disponibilização de conteúdos ou a avaliação, e não de acordo com as suas necessidades. Contudo, ainda que seja um recurso valiosos para a aprendizagem, este tipo de interação está especialmente dirigido para a promoção da motivação. A interação entre alunos representa um dos principais desafios para o EaD. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Aplicações  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Tipos de interação Em EaD a tendência para recorrer apenas a um meio de comunicação poderá gerar alguns constrangimentos. A utilização de um vídeo, por exemplo, gera um tipo de comunicação unidirecional ou bidirecional, fazendo a ligação professor-aluno ou aluno- conteúdo. A utilização da teleconferência já promove a interação aluno-aluno. A seleção de meios de comunicação deve ter em atenção as especificidades dos três tipos de interação identificados. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Michael Moore  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Tipos de interação Em 1972 publicou a Teoria da Distância Transacional, a primeira em EaD. Em 1986 fundou o primeiro jornal americano de Educação a Distância. Estabeleceu a primeira sequência de cursos de pós- graduação, um simpósio de pesquisa nacional e uma comunidade online de interesse popular (DEOS). Um pioneiro no ensino a distância, com mais de 30 anos de experiência nesta área. Professor, consultor, autor, conferencista. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore O contributo de Moore  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Michael Moore A distância pode e deve existir comunicação entre os intervenientes tal como também é possível: • trocar informações e conteúdos em tempo real ou não ; • personalizar a aprendizagem e comunicar com os alunos; • construir conhecimento de modo autónomo ou participativo; • interagir a partir de formatos síncronos ou assíncronos. Moore revoluciona o conceito de distância, levando-o muito além da simples separação geográfica entre o professor e o aluno. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore Bibliografia  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Moore , M. (1989). “Three Types of Interaction”. In: American Journal of Distance Education, vol 3, nº 2, 1989. Moore , M. (1993). “Theory of transactional distance”, in: Keegan, D. (1993) (Ed). Theoretical Principles of Distance Education, pp. 22-38 , London: Routledge. Moore , M. (2002). “Teoria da Distância Transacional”, in: Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, Associação Brasileira de Educação a Distância, São Paulo. (Garrison, R. (2000) – “ Theoretical Challenges for Distance Education in 21st Century: A shift from structural to transactional issues” International Review of Research in Open and Distance Learning, Vol 1, Nº1, pp. 1-17.
  • Equipa: Moore A equipa Moore  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Diana Gonçalves Nº 1302670 Email: diana.tavares.goncalves@gmail.com João Pinto Nº 1000961 Email: joaopinto.ua@gmail.com Paula Peru Nº 1302672 Email: paulacricape@yahoo.com Sónia Heidemann Nº 903934 Email: Soniaheidemann@gmail.com Universidade Aberta www.uab.pt Mestrado em Pedagogia do E-learning 2013/14 www.mpel.wordpress.com Unidade Curricular: Modelos de Educação a Distância [MED] Professora: Lina Morgado
  • Equipa: Moore Conclusão  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional A teoria de Moore veio revolucionar a EaD. O diálogo e a interação são determinantes para a redução da distância em EaD e requerem programas pouco estruturados e uma autonomia relativa por parte do formando. A autonomia aparece como consequência do processo de maturação do indivíduo. A teleconferência, enquanto meio de comunicação, representa uma resposta de valor para a concretização dos objetivos de promoção do diálogo educacional. De acordo com Moore a estrutura, a interação, o diálogo e a autonomia do aluno são critérios essenciais à qualidade da Educação a Distância. clicar para saber mais...
  • Equipa: Moore  MenuMichael Moore e a teoria da distância transacional Deseja sair ? Sim Não
  • Equipa Moore Diana Gonçalves | João Pinto | Paula Peru | Sónia Heidemann Modelos de Educação a Distância