Mesa Redonda Biblioteca ComunitáRia

3,038 views

Published on

Analisa a importância da biblioteca como instrumento de ação social, bem como faz diferenciações conceituais entre a biblioteca comunitária e a popular. Faz uma breve análise sobre as ações sociais de uma biblioteca considerando seus aspectos identitários.

Published in: Travel
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,038
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
21
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mesa Redonda Biblioteca ComunitáRia

  1. 1. Biblioteca Comunitária como instrumento de ação social e estímulo à cultura Jonathas Carvalho [email_address]
  2. 2. AÇÃO SOCIAL? <ul><li>Ação social é um comportamento humano, ou seja, uma atitude interior ou exterior voltada para ação; </li></ul><ul><li>Esse comportamento só é ação social quando o ator atribui a sua conduta um significado ou sentido próprio; </li></ul><ul><li>Esse sentido se relaciona com o comportamento de outras pessoas. </li></ul><ul><li>Max Weber, 1979. </li></ul>
  3. 3. Ação não é somente uma situação pragmaticamente envidada, mas um conjunto de idéias bem estruturadas, dentro de uma tessitura consciente dos seus objetivos e finalidades. Isso implica dizer que a ação exige um eminente grau de planejamento e equilíbrio das idéias, a fim de que elas sejam aplicadas com perspectivas mais efetivas de êxito. Dermeval Saviani (adaptado)
  4. 4. MISSÃO DA BIBLIOTECA <ul><li>A missão social da Biblioteca foi inicialmente articulada no final do século XIX, principalmente com o advento da Biblioteconomia; </li></ul><ul><li>Missão básica de uma biblioteca: Organização, preservação e disseminação da informação; </li></ul><ul><li>Missão social básica da biblioteca: aplicar os elementos de organização, preservação e disseminação da informação, visando suprir as necessidades da população carente de informações. </li></ul>
  5. 5. BIBLIOTECA COMUNITÁRIA OU POPULAR? UMA QUESTÃO ALÉM DA NOMENCLATURA <ul><li>Biblioteca Comunitária </li></ul><ul><li>Instrumento de reprodução da ideologia dominante? </li></ul><ul><li>Comumente não busca uma conscientização da comunidade; </li></ul><ul><li>Se Limita a trabalhar com o livro como sendo o principal e/ou um dos únicos suportes informacionais; </li></ul>
  6. 6. BIBLIOTECA COMUNITÁRIA OU POPULAR? UMA QUESTÃO ALÉM DA NOMENCLATURA <ul><li>Biblioteca Popular </li></ul><ul><li>Visa estruturar uma concepção de identidade social a comunidade, tornando-a sujeito social de sua história; </li></ul><ul><li>“ A idéia de Biblioteca Popular, e sua prática, aproximou a biblioteca das camadas populares, procurou estruturá-la de baixo para cima, criou condições para torná-la participativa. A biblioteca passou a acompanhar seu tempo, inseriu-se na história, ofereceu uma contribuição renovadora para a área”. </li></ul><ul><li>Rabello (1987, p. 41). </li></ul>
  7. 7. AÇÕES SOCIAIS DE UMA BIBLIOTECA QUE SERVE A COMUNIDADE <ul><li>Trilogia da ação social das bibliotecas: </li></ul><ul><li>Pública – Escolar – Comunitária ou popular </li></ul><ul><li>Estas bibliotecas devem agir como aparelhos ideológicos integrados manifestando dar suporte informacional a comunidade </li></ul>
  8. 8. IDENTIDADE DA BIBLIOTECA NA COMUNIDADE: ações fragmentadas <ul><li>IDENTIDADE NEGATIVA: </li></ul><ul><li>Falta de uma estrutura organizada de ação; </li></ul><ul><li>Não conhece o seu usuário; </li></ul><ul><li>Falta de investimentos, tanto do governo, como de outras instituições para o desenvolvimento de projetos; </li></ul><ul><li>Falta de profissional capacitado </li></ul>
  9. 9. IDENTIDADE SOCIAL DA BIBLIOTECA NA COMUNIDADE: aparelho reprodutor de cultura <ul><li>IDENTIDADE SUBJETIVA </li></ul><ul><li>Elemento pró-ativo da biblioteca na comunidade: acesso e inclusão informacional; </li></ul><ul><li>Preocupação com a qualidade dessa informação; </li></ul><ul><li>Ações que estimulem aproximar a biblioteca das práticas cotidianas dos usuários da comunidade. </li></ul><ul><li>Preocupação com o comportamento humano. </li></ul>
  10. 10. &quot; Nós precisamos atingir a população carente, a população carente de informações. Não será com essa postura apática, passiva e reacionária da biblioteca de hoje que o conseguiremos. Não basta espalharmos bibliotecas em cada quarteirão, em cada esquina. É preciso que o bibliotecário que atuar nessas bibliotecas seja um outro bibliotecário; é preciso que ele seja consciente da sua real função social; é preciso que ele saiba que o seu trabalho pode e deve alterar pensamentos e comportamentos; é preciso que ele vá até a população, que ele procure o povo, que ele trabalhe com a comunidade”. Almeida Júnior (1997, p. 92).
  11. 11. &quot; As bibliotecas ainda não estão voltadas para o povo. Elas ainda não perceberam que sua função primordial é atendê-los. Povo aqui entendido como aquele que possui mínimas condições de vida, ou nem as mínimas; aquele que não exerce ou não procura, ou não exige, ou não luta por seus direitos, por que nem ao menos os conhece; aquele que vive a margem dos acontecimentos, por pura desinformação; o migrante, principalmente da zona rural; os trabalhadores sem qualificação e, obviamente, sua família”. Almeida Júnior (1997, p. 77-78).
  12. 12. Nossa luta não deve ser apenas pela e para elaboração de um discurso visando a inserção de uma biblioteca na comunidade, mas a contemplação deste discurso nas práticas cotidianas, que promova acesso e inclusão informacional, pois só assim a biblioteca se manifesta como ente (sujeito) e passa a ser uma marca identitária da (e na) comunidade que serve. Jonathas Carvalho
  13. 13. REFERÊNCIAS <ul><li>ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Biblioteca Pública: ambigüidade, conformismo e ação guerrilheira do bibliotecário. São Paulo: APB, 1995, n.15. 12p. </li></ul><ul><li>_________ Sociedade e Biblioteconomia. São Paulo: Pólis, APB, 1997. 129 p. </li></ul><ul><li>RABELLO, Odilia Clark Peres. Da biblioteca pública à biblioteca popular: análise das contradições de uma trajetória. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG , Belo Horizonte, ano 16, n.1, p.19-42, março, 1987. </li></ul><ul><li>SAVIANI , Dermeval. Educação: do senso comum à consciência Filosófica. São Paulo: Cortez, 1984. </li></ul><ul><li>WEBER, Max. Sociologia. São Paulo: Ed. Atlas, 1979. </li></ul>
  14. 14. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

×