• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Alasca
 

Alasca

on

  • 738 views

 

Statistics

Views

Total Views
738
Views on SlideShare
738
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Alasca Alasca Document Transcript

    • Alasca O Alasca é um dos 50 estados dos Estados Unidos e o maior em extensão territorial, sendo maior do que os estados americanos de Texas, Califórnia e Montana juntos. Wikipédia Capital: Juneau Proclamação do estado: 3 de janeiro de 1959 Área: 1.717.854 km² População: 731.449 (2012) Governador: Sean Parnell Cidades: Anchorage, Fairbanks, Juneau, Ketchikan, Sitka, Nome,Mais Alasca Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Nota: Se foi redirecionado(a) para esta página e não é a que procura, consulte: Alasca (desambiguação). Alasca State of Alaska Estado dos Estados Unidos Cognome(s): The Last Frontier, Great Land, The Land of the Midnight Sun, Mainland State, Lema(s): North To The Future (Do inglês: Norte Para o Futuro) Capital Juneau Maior cidade Anchorage Condados 29
    • Governador Sean Parnell (R) Língua oficial Inglês Representantes 1 Colégio eleitoral 3 votos Senadores Mark Begich (D) Lisa Murkowski (R) Limites Oceano Ártico (norte); Oceano Pacífico(sul); províncias de Yukon e Colúmbia Britânica, no Canadá, a leste; Estreito de Bering (oeste) Área 1 723 336,571 km² (1º maior) - Terra 1 477 953,12 km² - Água 245 383,45 km² (14,24%) População (2012) - População 731 4492 (47º mais populoso) - Densidade 0,48 hab/km² (50º mais denso) - PIB US$ 45,600 bilhões (46º mais rico)3 Entrada na União - Data 3 de janeiro de 1959 - Ordem 49º Fuso horário Alasca: UTC-9/-8 Aleutas: UTC-10/-9 Latitude 54°40'N - 71°50'N Longitude 130°O - 173°E ComprimentoN-S 1 300 km ComprimentoE-O 2 380 km Altitude - Altitude média 3 060 m - Ponto mais elevado 6 194 m - Ponto menos elevado 0m
    • Abreviações - USPS AK - ISO 3166-2 US-AK Página oficial www.state.ak.us Portal Estados Unidos O Alasca (em inglês Alaska, em russo Аляска) é um dos 50 estados dos Estados Unidos e o maior em extensão territorial, sendo maior do que os estados americanos de Texas, Califórnia e Montana juntos (respectivamente o segundo, o terceiro e o quarto mais extensos). O Alasca é também o estado mais escassamente povoado dos Estados Unidos, com uma densidade populacional de 0,42 hab/km², a menor entre todos os 50. O Alasca tem menos habitantes do que qualquer estado americano com exceção de Wyoming, Dakota do Norte eVermont.1 Se fosse um país independente, o Alasca seria o 17° maior país do mundo em extensão territorial. Relativamente isolado do restante do país, o Alasca é considerado parte dos Estados do Pacífico. Nos dias atuais, a discussão sobre a independência do Alasca tem ganhado força. É certo também que algumas ameaças de mísseis do extremo oriente só podem atingir os Estados Unidos pelo Alasca. O Alasca é o estado mais setentrional e ocidental dos Estados Unidos. É também considerado por alguns como o estado mais oriental do país, uma vez que duas das ilhas do Arquipélago dos Aleutas estão localizadas no Hemisfério Oriental. A maior parte da população do Alasca vive na região sul e sudeste do estado. Muito do Alasca é escassamente povoado. Por causa disso, o cognome oficial do Alasca éThe Last Frontier ("A Última Fronteira"). O Alasca é uma península e faz fronteira somente com o Canadá, território de Yukon e província deColúmbia Britânica. O Alasca é um dos dois estados americanos que não fazem parte dos Estados Unidos continentais, os 48 Estados localizados entre o Canadá e o México. O segundo estado é o Havaí.4 O nome Alasca provém da palavra Alyeska, que significa "grande terra"5 em aleúte, um idioma esquimo-aleutiano falado em partes do seu território. O Alasca foi comprado do Império Russo em 1867, graças à insistência do então Secretário de Estado americano William Henry Seward, por 7,2 milhões de dólares. À época, Seward foi criticado por outros políticos e ridicularizado pela maioria da população americana pela sua decisão, uma vez que boa parte da população americana acreditava então que o Alasca não passava de uma região coberta de gelo imprestável e que só servia para morada de ursos. Porém, descobertas de grandes reservas de recursos naturais desde então atraíram milhares de pessoas à região. Em 3 de Janeiro de 1959, o território do Alasca foi elevado à categoria de Estado, tornando-se o 49º estado americano. Índice [esconder] 1 História
    • o 1.1 Até 1867 o 1.2 Desde 1867 2 Geografia o 2.1 Clima 3 Política 4 Demografia o 4.1 Etnias o 4.2 Religião o 4.3 Principais cidades 5 Economia 6 Infraestrutura o 6.1 Educação o 6.2 Transportes e telecomunicações 7 Cultura o 7.1 Símbolos do estado 8 Referências 9 Ligações externas História[editar] Até 1867[editar] Acredita-se que os antecedentes dos ameríndios que habitaram o continente americano por milhares de anos antes da chegada dos primeiros europeus foram asiáticos que teriam migrado da Ásia até o continente americano pelo estreito de Bering, que separa a Rússia do atual estado americano de Alasca. Não se sabe ao certo quando que esta migração ocorreu. Estima-se que esta migração tenha ocorrido entre 40 000 a 12 000 anos atrás, provavelmente em períodos que o estreito de Bering ficava coberto de gelo, facilitando a migração entre ambos os continentes. Dois grupos distintos de nativos americanos viviam na região milhares de anos anteriormente à chegada dos primeiros europeus. OsAthabaskan, os Haida, os Tingit e os Tsimshian, que viviam ao longo do leste e do sul do atual Alasca, enquanto diversas tribos inuit viviam no norte e no oeste do Alasca e tribos aleútes viviam nas ilhas Aleutas. Os inuit e os aleutas são popularmente conhecidos comoesquimós. Em 1728, o dinamarquês Vitus Bering navegou no estreito que atualmente possui seu nome. Por causa de névoa pesada, Bering e sua tripulação foram incapazes de ver o Alasca. Porém, em 1741, Bering em outra expedição avistou e desembarcou em algumas das ilhas do arquipélago dos Aleutas.6
    • Bandeira do Alasca durante o domínio doImpério Russo. O primeiro assentamento europeu no Alasca foi fundado em 1784.6 A guerra da Crimeia, que ocorrera entre 1853 e 1856, debilitou muito a economia da Rússia. O então secretário de Estado estadunidense, William H. Seward, propôs a compra do Alasca. Muitos estadunidenses, entre eles vários políticos, eram contra esta compra, por acharem que esta região era imprestável. Tais críticos apelidaram o Alasca de "disparate de Seward". OCongresso dos Estados Unidos acabou por aprovar a compra em 1867. Em 30 de Março do mesmo ano, os Estados Unidos compraram o Alasca por 7 200 000 de dólares, ou cinco centavos por hectare. Ainda no mesmo ano, em 18 de Outubro, a bandeira estadunidense foi içada pela primeira vez no Alasca, que se tornou um território dos Estados Unidos. Desde 1867[editar] Por mais de uma década, os Estados Unidos pouco se importaram com o Alasca. O território não teria um governo estadual próprio nos 17 anos que se seguiriam à compra, sendo administrado por diversos órgãos federais, tais como o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, de Economia e da Marinha americana. Tais órgãos federais demonstraram pouco interesse em governar e resolver problemas da região. Foi apenas em 1884 que o governo americano instalou uma administração territorial no Alasca. Ao longo da década de 1880 e de 1890, diversas grandes reservas de ouro foram encontradas no Alasca. Esta descoberta atraiu milhares de pessoas à região, que instalaram-se na região esperando melhorar suas condições de vida. Em apenas uma década, entre 1890 e 1900, a população do Alasca praticamente dobrou, tendo cerca de 33.400 habitantes em 1890 e 63.000 em 1900. A corrida do ouro terminou no início do século XX, e o crescimento populacional do Alasca estagnaria-se durante as décadas seguintes. Um dos maiores problemas do Alasca, no início do século, era a falta de meios de transporte adequados. O imenso crescimento populacional da região fez com que os Estados Unidos concedessem fundos e criassem uma companhia para a construção de estradas, ferrovias e pontes ao longo do território, bem como o fornecimento de serviços de ferries, conectando comunidades isoladas com outras cidades portuárias. Em 1906, o Congresso americano permitiu que a população do território elegesse um representante que poderia discursar
    • no Congresso, embora não tivesse poder de voto. Em 1912, o Congresso americano permitiu que o Alasca instalasse um governo territorial dotado de Poder Legislativo. Porém, o crescente interesse dos americanos em geral no Alasca acabou fazendo com que o governo tomasse posse de grande parte de suas terras. Os nativos esquimós da região teriam de instalar-se permanentemente em comunidades urbanas, assim perdendo seus antigos costumes de vida. Além disso, os esquimós eram discriminados pelo governo, que os segregava dos brancos em instituições públicas escolas, por exemplo. Os esquimós criaram em 1913 a Irmandade dos Esquimós do Alasca. Esta organização pressionou com sucesso o governo do território a abolir a segregação nas escolas e dar aos esquimós o direito de voto. Porém, a organização falhou em negociar um acordo com o governo americano sobre as terras do Alasca que haviam sido tomadas como propriedade do governo dos Estados Unidos. Em 1916, o representante do Alasca no Congresso americano propôs fazer do Alasca um Estado americano. Tal proposta foi rejeitada, no entanto. Durante a Segunda Guerra Mundial, a posição estratégica do Alasca, próximo à Ásia, motivou os Estados Unidos a construir diversas instalações militares na região. Em 1942, três das ilhas doarquipélago das Aleutas foram capturados pelos japoneses, sendo essa a única região dos Estados Unidos (bem como de todo o continente americano) a ser invadida por forças do Eixo durante a guerra. Os americanos reconquistaram as ilhas em 1943. Então, o Alasca abrigava mais de 150 mil soldados, mais do que o dobro da população local. Após o fim da guerra, vários destes soldados decidiram estabelecer-se no Alasca de forma permanente. Após o fim da Guerra, a população do Alasca passou a pressionar cada vez mais o governo americano a fazer do território um novo Estado americano. Várias leis foram introduzidas e rejeitadas com tal propósito no Congresso. Finalmente, em 1958, o Congresso americano aprovou a elevação do Alasca à categoria de Estado. Em 3 de Janeiro de 1959, o então Presidente dos Estados Unidos, Dwight D. Eisenhower, assinou a emenda da constituição que tornou o Alasca o 49° Estado americano. Imagem da destruição causada pelo terremotode 27 de março de 1964.
    • O governo estadual do Alasca enfrentou sérias dificuldades financeiras nos primeiros anos de vida do Estado, uma vez que vários serviços governamentais, antes sob responsabilidade da administração federal, passaram à responsabilidade do governo do Alasca. O governo americano cedeu ao Alasca muitas das terras das quais era anteriormente proprietário, e cedeu por várias vezes fundos de ajuda econômica ao Estado. Em 27 de Março de 1964, uma Sexta-feira santa, o sul do Alasca foi atingido por um dos mais fortes sismos já registrados, que alcançou 9,2 naEscala de Richter, tendo epicentro próximo a Anchorage. O sismo, bem como o tsunami que se seguiu, matou 131 pessoas e provocou mais de 300 milhões de dólares em prejuízos. Em 1968, a maior reserva de petróleo cru do continente americano foi descoberta, no extremo norte do Alasca. Um grande oleoduto, com cerca de 1.300 km de comprimento, foi construído, conectando a Baía de Prudhoe, região onde o petróleo era extraído, até a Baía de Valdez, onde o petróleo é transportado em petroleiros para outras regiões. Esse oleoduto foi inaugurado em 1977. Graças à indústria do petróleo, a economia do Alasca prosperou, e desde então a população do Estado tem crescido constantemente. Vista do petroduto conectando a Baía de Prudhoe com a Baía de Valdez. Compare o diâmetro do tubo com um caribu. Em 1971, o governo americano cedeu oito milhões de hectares de terra para nativos indígenas, fazendo destas terras reservas aborígenes. Além disso, aproximadamente um milhar de milhões de dólares foi cedido pelo governo para a administração dessas reservas aborígenes, gerenciadas diretamente por cooperativas ameríndias. Em 1976, o governo do Alasca aprovou uma emenda à constituição do Estado que pedia pela criação do Alaska Permanent Fund, uma poupança cujos fundos econômicos pertenceriam a todos os habitantes do Alasca. Os fundos viriam de um imposto cobrado pela extração de petróleo e de outros minérios, de 25%. O Estado aboliu o imposto de renda estadual em 1980. Desde 1982, todo ano, metade dos fundos gerados através doAlaska Permanent Fund são dados igualmente a todos os habitantes do Alasca.
    • Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez chocou-se com um recife no sul do Alasca, causando um gigantesco vazamento de petróleo, de mais de 40 milhões de galões de petróleo cru, ao oceano, poluindo praias e destruindo o ecossistema local. A Exxon, proprietária do petroleiro, foi obrigada a pagar uma indenização de milhões de dólares ao governo do Alasca, bem como foi obrigada a arcar com os custos de limpeza, que totalizaram dois mil milhões (português europeu), dois bilhões (português do Brasil), de dólares. A limpeza teve fim em 1992. Em 1988, o inglês tornou-se idioma oficial do Alasca, através de uma emenda estadual, passando a fazer parte da Constituição do Estado. A emenda, porém, foi considerada inconstitucional pela Suprema Corte do Alasca em 2002, embora ainda faça parte da Constituição estadual até os dias de hoje. Geografia[editar] Ver artigo principal: Geografia do Alasca Mapa físico do Alasca. Vista das Ilhas Aleutas e do sudoeste do Alasca, de satélite. O Alasca é uma gigantesca península. O Estado limita-se a norte com o oceano Árctico, a oeste com o estreito de Bering (o qual separa o Alasca da Rússia) e ao sul com o mar de Bering. O Alasca limita-se a leste com o território canadense de Yukon e com a província canadense deColúmbia Britânica. Com seus 1 723 336,57 km² (dos quais 1 477 953,12 km² são terra firme e o resto é
    • coberto por água)1 , o Alasca é facilmente o maior estado dos Estados Unidos. É também a segunda maior subdivisão nacional do continente americano, sendo maior do que o estado brasileiro de Amazonas (1 570 947 km²), e menor do que o território canadense de Nunavut (2 093 190 km²). O Alasca é cortado pelo rio Yukon, um dos rios mais longos da América do Norte, com seus 3 185 km de comprimento. O estado possui milhares de pequenos lagos, com até algumas dezenas de quilômetros de largura. Porém, o Alasca é conhecido primariamente por abrigar milhares de geleiras (glaciares). O tamanho destas varia enormemente, de algumas centenas de metros até 80 km de comprimento. Estas geleiras atraem vários cientistas do Canadá e do Estados Unidos. Cerca de 35% do Alasca é coberto por florestas. A maior parte das florestas localiza-se no sul do Estado. O litoral do Alasca possui 10 686 km de comprimento. Contando-se todas as regiões banhadas pelo mar - baías, estuários e ilhas oceânicas - este número salta para 54 563 km se contarmos o litoral formado por ilhas oceânicas, baías e estuários. Em ambas as categorias, o Alasca possui o litoral mais extenso do país, entre todos os Estados americanos. 65% do Alasca é administrado pelo governo federal dos Estados Unidos, como parques e reservas nacionais, 24,5% é administrado por municipalidades e distritos, 10% é administrado diretamente pelo Estado, e 1% é administrado por terceiros. O Alasca pode ser dividido em quatro distintas regiões geográficas: Vista do Monte McKinley, o pico mais alto daAmérica do Norte. A Cadeia de Montanhas do Pacífico é uma cadeia de montanhas que inicia-se no Alasca e estende-se até a Califórnia. Esta região compreende todo o sul do Alasca, incluindo as Ilhas Aleutas e a península homónima, que fazem parte desta cadeia de montanhas. Na verdade, estas ilhas e a península não passam de uma cadeia de montanhas submersas, com as partes mais altas emergindo do nível do mar. Caracteriza-se pelo seu terreno acidentado e pela presença de vários picos de altíssimas altitudes, com quatro mil metros ou mais, entre eles, o Monte McKinley, com 6 194 metros de altitude. O McKinley é o monte mais alto na América
    • do Norte. Esta região é uma região muito ativa geologicamente, possuindo vários vulcões ativos. As Planícies e Planaltos Centrais localizam-se ao norte da cadeia de montanhas do Pacífico. Caracteriza-se pelo seu terreno relativamente plano. É a maior região do Alasca, ocupando cerca de 40% do Estado. As Montanhas Rochosas localizam-se ao norte das Planícies e Planaltos Centrais. Localiza-se próximo ao norte do Alasca. Caracteriza-se pelo seu terreno acidentado, e pela presença de picos que podem alcançar até 2,7 mil metros de altitude. As Planícies do Oceano Ártico localizam-se no extremo norte do Alasca. Caracteriza-se pela sua baixa altitude (de no máximo 180 metros) e pelo seu terreno relativamente plano. É a menor de todas as regiões. É uma região permanentemente coberta de gelo, por uma camada de gelo de até 300 metros de espessura. Clima[editar] Florestas boreais no interior do Alasca. Desde a compra do Alasca que a região é famosa mundialmente pelo seu estereótipo de possuir um clima polar, frio durante o ano inteiro. Porém, devido à sua grande extensão, tem climas diferentes, que variam de região a região. No geral, apresenta invernos longos e frios, cujas noites são muito longas, e verões amenos e curtos, com dias muito longos. O norte apresenta as temperaturas mais baixas de todo os Estados Unidos. O norte do estado possui um clima polar. A temperatura média no inverno é de -24°C no inverno e de 8 °C no verão. Mínimas podem facilmente chegar aos -50 °C, e máximas dificilmente superam os 15 °C. A temperatura mais baixa já registrada não somente no Alasca mas bem como em todo os Estados Unidos em geral foi registrado em Barrow, -62 °C, em 23 de Janeiro de 1971. A região central e ocidental possui um clima temperado, com temperaturas menores no inverno e maiores no verão que na região sul, apresentando médias de -22 °C no inverno e de 16 °C no verão. O extremo sul, ao longo do litoral do Estado com o oceano Pacífico, possui um clima temperado, cujos Invernos são amenizados pela corrente oceânica quente do pacífico e pelas correntes de ar
    • amenas vindas do Japão. No sul, a temperatura média no Inverno é de -2 °C, e no verão, de 13 °C. Mínimas variam entre -45 °C no Inverno e 35 °C no Verão. A temperatura mais alta já registrada no estado é de 38 °C, registrada em 27 de Junho de 1915. As taxas de precipitação média anual de chuva no estado varia muito de região a região. A região sul do Alasca possui uma média anual que varia em média entre 80 a 240 (com certas regiões recebendo mais de 500 centímetros de precipitação média anual de chuva), graças às Montanhas Rochosas que agem como obstáculos naturais às correntes de ar úmidas do Pacífico. O resto do estado possui um clima muito seco. O norte do Alasca recebe menos de 40 cm de precipitação, com a região norte recebendo apenas 15 cm por ano. As taxas de precipitação média anual de neve varia entre 130 cm (sul) a 30 cm (oeste). Política[editar] Capitólio estadual do Alasca em Juneau. Mapa do Alasca e de seus 28 distritos. Vista de Juneau, a capital do Alasca. A atual constituição do Alasca foi adotada em 1956 - três anos antes de o Alasca ter sido elevado à categoria de estado. Emendas à constituição são propostas pelo Poder Legislativo do Alasca, e para
    • serem aprovadas precisam receber ao menos um quarto dos votos do senado e da câmara dos representantes do estado, e então dois terços dos votos da população eleitoral do Alasca, em um referendo. Emendas também podem ser realizadas através de convenções constitucionais, encontros políticos especiais, que precisam ser aprovadas por ao menos 51% por cada câmara do poder legislativo e então por ao menos 60% da população eleitoral do Estado, em um referendo. Além disso, um referendo é realizado a cada dez anos no Alasca, onde a população vota a favor ou contra a proposta de novas emendas à constituição, através da realização de uma convenção constitucional. O principal oficial do poder executivo no Alasca é o governador. Este é eleito pelos eleitores do estado para mandatos de até quatro anos de duração. Não existe um limite de termos que uma pessoa pode ser exercer como governador, porém, uma pessoa não pode exercer este cargo duas vezes seguidas. Os eleitores também elegem um tenente-governador. Não há um limite de termos que uma pessoa pode cumprir como tenente-governador. O poder legislativo do Alasca é constituído pelo Senado e pela Câmara dos Representantes. O senado possui um total de 20 membros, enquanto que a Câmara dos Representantes possui 40 membros. O Alasca está dividido em 20 distritos senatoriais e 40 distritos representativos. Os eleitores de cada distrito elegem um senador/representante, que irá representar tal distrito no Senado/Câmara dos Representantes. O termo dos senadores é de quatro anos e o termo dos representantes é de dois anos. A corte mais alta do poder judiciário do Alasca é a Suprema Corte do Alasca. Embora concentre suas operações em casos civis, a Suprema Corte tem a última palavra em todos os casos estudados. Outra corte importante é a Court of Appeals ("Corte de apelações"). Todos os juízes do poder judiciário são escolhidos pelo governador. Porém, após um período de três anos, estes juízes precisam ser aprovados pela população nas eleições estaduais. Após isto, os juízes da Suprema Corte precisam ser reaprovados a cada seis anos, e juízes da Court of Appeals, a cada oito anos. O Alasca está dividido em 27 distritos (boroughs). Existem dois tipos de distritos: os organizados e os não-organizados. Os 16 distritos organizados concentram 86% da população do estado (e cobrem cerca de 44% do Alasca). Cada distrito organizado é governado por um conselho composto por cinco a doze membros, além de um administrador eleito pela população do distrito. Os outros 11 distritos são distritos não-organizados, governados diretamente pelo Estado. Aproximadamente 50% da receita do orçamento é gerada por impostos estaduais, e de royalties, especialmente da extração de petróleo. O restante vem de verbas recebidas do governo federal e de empréstimos. O Estado não cobra imposto de renda de seus habitantes, nem imposto de venda, graças aos fundos provenientes dos royalties. Em 2002, o governo do estado gastou 7402 milhões de dólares, tendo gerado 5.019 milhões de dólares. A dívida governamental do Alasca é de 5308 milhões de dólares. A dívida per capita é
    • de 8 281 dólares per capita, o valor dos impostos estaduais per capita é de 1 700 dólares, e o valor dos gastos governamentais per capita é de 11 548 dólares. O valor dos gastos governamentais per capita do governo do Alasca é o maior de todos os Estados Unidos. O Alasca não é dominado por nenhum partido político. A grande maioria dos candidatos para cargos administrativos a nível regional são candidatos independentes, não afiliados a nenhum partido político. As eleições para governador, para o legislativo, e para os representantes do estado no Congresso dos Estados Unidos, foram vencidas em número semelhante tanto por candidatosdemocratas quanto candidatos republicanos. Porém, na grande maioria das eleições presidenciais americanas, o estado tem favorecido candidatos republicanos. Demografia[editar] Crescimento populacional Censo Pop. %± — 1880 33 426 1890 32 052 -4,1% 1900 63 592 98,4% 1910 64 356 1,2% 1920 55 036 -14,5% 1930 59 278 7,7% 1940 72 524 22,3% 1950 128 643 77,4% 1960 226 167 75,8% 1970 300 382 32,8% 1980 401 851 33,8% 1990 550 043 36,9% 2000 626 932 14,0% 2010 710 231 13,3%
    • Fonte: US Census1 7 8 De acordo com estimativas do United States Census Bureau, a população do Alasca em 2011 era de 722 718 habitantes.9 O censo de 2000 estimou a população do Alasca em 626 932 habitantes, um crescimento de 14% sobre a população de 1990, de 551 947 habitantes. Uma estimativa realizada em 2005estima a população do estado em 663 661 habitantes, um crescimento de 20,2% em relação à população em 1990; de 5,9%, em relação à população em 2000; e de 0,9% em relação à população estimada em 2004. O crescimento populacional natural do Alasca entre 2000 e 2005 foi de 36 590 habitantes - 53 132 nascimentos menos 16 542 óbitos - o crescimento populacional causado pela imigração foi de 5 800 habitantes, enquanto que a migração interestadual resultou na perda de 4 619 habitantes. Entre 2000 e 2005, a população do Alasca cresceu em 36 730 habitantes, e entre 2004 e 2005, em 5 906 habitantes. Cerca de 70% dos habitantes nasceram no estado. Há apenas uma região metropolitana, Anchorage, que é a maior cidade do Alasca. Cerca de dois quintos dos habitantes vivem em Anchorage. Cerca de 70% dos habitantes vivem em cidades e os outros 30% vivem em áreas não-urbanas. A maior parte da população do Alasca vive na região sul do estado, ao longo do litoral sul com o oceano Pacífico, onde o clima é menos rigoroso do que no norte do estado. O resto do Alasca é escassamente povoado. Porém, mesmo assim, algumas comunidades urbanas com alguns milhares de habitantes existem no interior e mesmo no litoral norte do estado. Etnias[editar] A composição étnica da população do Alasca de acordo com o censo estadunidense de 2010 10 : 64,1% – brancos não hispânicos 14,8% – indígenas e inuítes 5,5% – hispânicos 5,4% – asiáticos 3,3% – afro-americanos 7,3% – duas ou mais raças Os cinco maiores grupos étnicos do Alasca são: alemães (que compõem 16,6% da população do estado), nativos norte-americanos (15,6%), irlandeses (10,8%), ingleses (9,6%),estadunidenses (5,7%; a maioria possui ascendência europeia) e noruegueses (4,2%). O Alasca possui a maior percentagem de nativos norte-americanos entre os estados dos Estados Unidos.
    • As vastas e escassamente povoadas regiões do norte e do oeste do Alasca são primariamente habitadas por nativos norte-americanos. Anchorage, Fairbanks e outras partes da região centro-sul e sudeste do Alasca possuem uma grande população branca de ascendência britânica e alemã. A região Wrangell-Petersburg possui vários habitantes de ascendência escandinava e as Ilhas Aleutas possuem uma comunidade considerável de filipinos. 85,7% da população do Alasca possui o inglês como idioma materno e 5,2% possuem idiomas nativos norte-americanos como língua materna. O espanhol é o idioma materno de 2,9% da população do estado. Religião[editar] Esta é a distribuição da população do Alasca por afiliação religiosa: Cristianismo – 81% Protestantes – 68% Igreja Batista – 11% Igreja Luterana – 8% Igreja Metodista – 6% Igreja Pentecostal – 2% Qualquer – 1% Outras afiliações protestantes – 40% Igreja Ortodoxa – 8% Igreja Católica – 7% Mórmons – 1% Outras afiliações cristãs – 1% Outras religiões – 1% Não-religiosos – 17% O Alasca possui uma considerável comunidade ortodoxa graças à colonização russa na região. Vários missionários russos converteram muitos nativos à Igreja Ortodoxa. Principais cidades[editar]
    • Anchorage. Fairbanks. A extração de petróleo é atualmente a principal fonte de renda do Alasca. A cidade mais populosa é Anchorage, que possui aproximadamente 275 mil habitantes. Anchorage é também a terceira maior cidade do Estados Unidos em área. A maior parte das principais cidades do Alasca localizam-se ao litoral oceânico do estado. 100 mil habitantes ou mais Anchorage Entre 10 000 e 100 000 habitantes Fairbanks Juneau Menos de 10 mil habitantes Wasilla Bethel Petersburg Kodiak Barrow Homer Ketchikan Kenai Dillingham Ester Soldotna Valdez
    • Sitka Unalaska Seward Palmer Kotzebue Glennallen Circle Nome Economia[editar] Ver artigo principal: Economia do Alasca A economia do Alasca está concentrada primariamente na extração de recursos naturais, dos quais o mais importante é o petróleo.11 A prestação de serviços governamentais também é relevante.11 O produto interno bruto (PIB) do estado foi de 49,2 bilhões de dólares, em 2010.12 Arenda per capita do estado, por sua vez, foi de 44 174 dólares, o terceiro maior do país. O centro econômico, financeiro e industrial do estado éAnchorage. A taxa de desemprego do Alasca é de 7,5%, a mais alta entre qualquer estado norte-americano. O setor primário responde por 2% do PIB do Alasca. A pesca responde por 1,6% do PIB, e emprega cerca de 12 mil pessoas. O Alasca é o maior produtor nacional de peixes e outros animais e vegetais marinhos e fluviais do país. A agricultura e a pecuária respondem por 0,2% do PIB do estado, e empregam cerca de 1,8 mil pessoas. O estado possui cerca de 570 fazendas, que cobrem cerca de 372 mil hectares de área, bem menos que 1% do estado. Os principais produtos agropecuários produzidos no estado são leite, carne de vaca e ovos. Vegetais e legumes não são cultivados em grande escala, em parte por causa do clima, em parte por causa do solo pouco fértil e do terreno acidentado. Porém, no verão, algumas frutas e legumes são cultivados em escala razoável, graças às 20 horas de sol que o estado recebe diariamente. A silvicultura responde por 0,2% do PIB e emprega cerca de cinco mil pessoas. O setor secundário responde por 30% do PIB do Alasca. A mineração responde por 22% do PIB e emprega aproximadamente 12 mil pessoas. O Alasca é o maior produtor de petróleo do Estados Unidos.13 Outros recursos naturais extraídos no estado são ouro, zinco e prata. A indústria demanufatura responde por 4% do PIB e emprega aproximadamente 17 mil pessoas. O valor total dos produtos manufaturados no estado por ano é de cerca de 2,6 milhões de dólares. A indústria de construção responde por 4% do PIB e emprega cerca de 22 mil pessoas. O setor terciário responde por 68% do PIB do Alasca. Serviços governamentais respondem por 19% do PIB e empregam aproximadamente 95 mil pessoas. Transportes, telecomunicações eutilidades públicas respondem por 16% do PIB do estado e empregam cerca de 33 mil pessoas. Serviços comunitários e pessoais correspondem por 13% do PIB, e empregam mais de 120 mil pessoas. Serviços financeiros e imobiliários respondem por 10% do PIB e empregam cerca de 24 mil pessoas. O comércio por atacado e varejo responde por 10% do PIB do estado e emprega cerca de 75 mil pessoas. 60% da electricidade gerada é produzida por usinas usinas termelétricas a gás natural, 15% em usinas termelétricas a petróleo, 15% por usinas hidrelétricas, e a maior parte do restante, por usinas termelétricas a carvão.
    • Infraestrutura[editar] Educação[editar] Todas as instituições educacionais no Alasca precisam seguir regras e padrões ditadas pelo Departamento de Educação de Alasca. Este conselho controla diretamente o sistema de escolas públicas do estado, que está dividido em diferentes distritos escolares. Cada cidade primária (city), cada um dos distritos organizados e qualquer cidade localizada em distritos não organizados é servida por um distrito escolar. Além de impostos e de verbas do governo estadual, muito das verbas necessárias para a manutenção destes distritos escolares provém royalties cobrados pelos distritos para empresas petroleiras. O Alasca permite a operação de escolas charter - escolas públicas independentes, que não são administradas por distritos escolares, mas que dependem de verbas públicas para operarem. Atendimento escolar é compulsório para todas as crianças e adolescentes com mais de sete anos de idade, até a conclusão do segundo grau ou até os quinze anos de idade. Em 1999, as escolas públicas do estado atenderam cerca de 134,4 mil estudantes, empregando aproximadamente 7,8 mil professores. Escolas privadas atenderam cerca de 6,8 mil estudantes, empregando aproximadamente 600 professores. O sistema de escolas públicas do Estado consumiu cerca de 1,138 bilhão de dólares, e o gasto estadual per capita das escolas públicas foi de aproximadamente 9,2 mil dólares por estudante. Cerca de 90,6% das pessoas com mais de 25 anos de idade possuem um diploma de segundo grau, a percentagem mais alta entre qualquer Estado americano com exceção de Washington. A primeira instituição de educação superior do Alasca - o Agricultural School of Mines - foi fundada em 1917, em Anchorage. Esta instituição é atualmente a Universidade do Alasca, a maior e mais importante instituição de ensino superior do Alasca, possuindo três campi em três diferentes cidades. O estado atualmente possui um total de duas universidades e quatro faculdades.Bibliotecas existem em todas as áreas urbanas com 2,5 mil habitantes ou mais. Um problema atual no sistema educacional do Alasca é a fuga de cérebros. Muitos jovens, incluido os alunos mais bem-sucedidos das escolas do Estado, saem do Alasca após terminarem o segundo grau (high school). O Alasca tem tido sucesso em minimizar este problema ao oferecer bolsas de estudo para os 10% dos melhores alunos do segundo grau do Estado. Transportes e telecomunicações[editar]
    • Vista da entrada do Túnel Anton Anderson Memorial. Trem da Alaska Railroad. O sistema rodoviário é um dos menos desenvolvidos de todo os Estados Unidos. Isto porque o sistema rodoviário do Alasca cobre uma área relativamente pequena do estado, e conectando apenas os principais centros populacionais do Estado. A capital do estado, Juneau, não é acessível via estradas, fato que tem causado diversos debates e discussões nas últimas décadas, sobre a possibilidade de mudar a capital para uma cidade conectada ao sistema rodoviário do Estado. Em 2003, o Alasca tinha 22 903 km de vias públicas, dos quais 1 741 km eram rodovias interestaduais, parte do sistema rodoviário federal dos Estados Unidos. Nenhuma das rodovias do Estado conecta diretamente o Alasca com outros Estados americanos. A Alaska Highway ("Rodovia do Alasca") é a principal rodovia do Estado, conectando o Alasca com o Canadá, província de Colúmbia Britânica. Uma curiosidade do Alasca é o Túnel Anton Anderson Memorial, que conecta Anchorage com Whittier. Este túnel, que possui cerca de 4quilómetros de comprimento, é uma estrada de uma única faixa. A estrada também possui uma ferrovia. Como consequência, o tráfego de veículos vindo do oeste, o tráfego de veículos vindo do leste e trens precisam compartilhar este túnel, resultando em períodos de espera de 20 minutos ou mais para entrar. A Alaska Railroad ("Ferrovia do Alasca") conecta Seward e Fairbanks. É uma importante atração turística (por passar por regiões cujas paisagens naturais são muito apreciadas por turistas), bem como movimenta grandes quantidades de carga, especialmente minérios, do norte e do interior até
    • os portos do sul. A Alaska Railroad é a única ferrovia primária do Alasca, possuindo cerca de 779 km de extensão. Anchorage é o maior centro portuário do estado. A maioria das cidades e das vilas no Estado são acessíveis somente por mar ou pelo ar. O Alasca possui um sistema bem desenvolvido de ferry, conhecido como a Rodovia Marítima do Alasca, que atende as cidades do sul do Alasca. Cidades que não são acessíveis por estradas ou por mar somente podem ser acessadas pelo ar; como consequência, a aviação geral e regional do Alasca é bem desenvolvida, e os aeroportos do Estado são geralmente movimentados. Anchorage é o principal centro aeroportuário do Alasca, e a maior linha aérea operando na região é aAlaska Airlines. O primeiro jornal publicado no Alasca foi o Sitka Times, publicado pela primeira vez em Sitka, em 1868, e ainda em circulação. Atualmente, são publicados no estado trinta jornais, dos quais sete são diários. A primeira estação de rádio do Alasca foi inaugurada em 1924, e a primeira estação de televisão do Alasca foi inaugurada em 1953, ambos em Anchorage. Atualmente, o estado possui 73 estações de rádio - dos quais 33 são AM e 40 são FM - e 13 estações de televisão. Cultura[editar] Símbolos do estado[editar] Bandeira do Alasca. Picea sitchensis Árvore: Picea sitchensis Cognomes: Last Frontier
    • Great Land (não oficial) Land of the Midnight Sun (não oficial) Mainland State (não oficial) Desporto: Mushing Flor: Myosotis Fóssil: Mamute Fruta: Maçã Insecto: Libélula Lema: North To The Future (Norte Para o Futuro) Mamífero aquático: Balaena mysticetus Mamífero terrestre: Alce Música: Alaska's Flag (Bandeira do Alasca) Pássaro: Lagopus lagopus Pedra preciosa: Jade Peixe: Salmão Referências 1. República da Irlanda Irlanda, oficialmente República da Irlanda, é um Estado soberano da Europa que ocupa cerca de cinco sextos da ilha homônima. Wikipédia Capital: Dublin Código de discagem: 353 Moeda: Euro Salário mínimo: 1.461,85 EUR por Mês (jul de 2013) Eurostat População: 4,589 milhões (2012) Banco Mundial Línguas oficiais: Língua irlandesa, Língua inglesa Pontos de interesse Falésias de Moher Newgrange Burren Aviva Stadium Irlanda Informações da Irlanda, bandeira da Irlanda, mapa da Irlanda, moeda, cidades
    • principais, população, idh, localização, dados, clima, informações geográficas, econômicas, políticas e culturais Bandeira da Irlanda DADOS PRINCIPAIS: Área: 70.285 km² Capital: Dublin População: 4,47 milhões (estimativa 2010) Moeda: Euro Nome Oficial: República da Irlanda Nacionalidade: irlandesa Data Nacional: 17 de março - Dia de São Patrício (padroeiro da Irlanda) Governo: Democracia parlamentar Brasão de armas da Irlanda GEOGRAFIA: Localização: oeste da Europa Cidade Principais: Dublin, Cork, Limerick, Galway e Waterford. Densidade Demográfica: 63,59 hab./km2 Fuso Horário: + 3h Clima: Temperado oceânico DADOS CULTURAIS E SOCIAIS: Composição da População: irlandeses 93,7%, ingleses 4,6% , americanos 0,4%, escoceses 0,4% e outros 0,9%. Idioma: Irlandês e inglês (oficiais) e gaélico. Religião: Cristianismo 94,3% (católicos 91,6%, Igreja Anglicana Irlandesa 2,3%, presbiterianos 0,4%) e outras 5,7%. IDH: 0,916 (Pnud 2012) - desenvolvimento humano muito alto
    • ECONOMIA: Produtos Agrícolas: trigo, cevada, beterraba, cereais e batata. Pecuária: bovinos, ovinos, caprinos e suínos. Mineração: chumbo, zinco e turfa. Indústria: produtos eletrônicos e máquinas. PIB: US$ 172,3 bilhões (estimativa 2010) Renda per capita: US$ 45.688 (estimativa 2010). RELAÇÕES INTERNACIONAIS: - Banco Mundial, FMI, OMC, OCDE, ONU e União Europeia. República da Irlanda Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Coordenadas: 53° 8' N 8° 7' O Nota: Irlanda redireciona para este artigo. Para a ilha onde o país está situado, veja Irlanda (ilha). Para a nação pertencente ao Reino Unido, veja Irlanda do Norte. Para outros significados, veja Irlanda (desambiguação). Éire Ireland Irlanda Bandeira Brasão de armas Hino nacional: Amhrán na bhFiann ("Canção do Soldado") MENU 0:00
    • Gentílico: Irlandês Localização da República da Irlanda (em vermelho) No continente europeu (em cinza) Na União Europeia (em branco) Capital Dublin 53º20'N 6º16'W Cidade mais populosa Dublin Língua oficial Inglês e irlandês Governo - Presidente - Taoiseach - Tánaiste Repúblicaparlamentarista Michael Higgins Enda Kenny Eamon Gilmore Independência - Declarada - Reconhecida do Reino Unido 24 de abril de 1916 6 de dezembro de 1922 Entrada na UE 1 de janeiro de 1973 Área - Total - Água (%) 70 273 km² (120.º) 2,00% População - Estimativa de 2011 - Censo 2006 - Densidade 4 581 2691 hab. (121.º) 4 239 848 hab. 29 hab./km² (173.º) PIB (base PPC) - Total - Per capita Estimativa de 2011 US$ 175,185 bilhões*USD2 US$ 39.3112 PIB (nominal) - Total - Per capita Estimativa de 2011 US$ 212,792 bilhões*USD2 US$ 47.750 USD2 IDH (2012) 0,916 (7.º) – muito elevado3 Moeda Euro (€) (EUR) Fuso horário (UTC+0) - Verão (DST) (UTC+1) Org. internacionais UE, OCDE
    • Cód. ISO IRL Cód. Internet .ie¹ Cód. telef. +353 Website governamental www.irlgov.ie 1. Também .eu, compartilhado com outros Estados-membros da União Europeia. Irlanda4 (em irlandês: Éire e em inglês: Ireland), oficialmente República da Irlanda (em irlandês: Poblacht na hÉireann e em inglês:Republic of Ireland),4 é um Estado soberano da Europa que ocupa cerca de cinco sextos da ilha homônima. É uma república constitucional governada como uma democracia parlamentar, com um presidente eleito servir como chefe de Estado. Considerada um país desenvolvido, a Irlanda tem o sétimo mais alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo,3 além de ótimas classificações em índices que medem o grau de democracia e liberdades como a de imprensa, econômica e política. Além da União Europeia (UE), a Irlanda também é membro do Conselho da Europa, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e das Organização das Nações Unidas (ONU). Sua capital é Dublin e sua população é estimada em 4,58 milhões de habitantes.1 O Estado moderno irlandês foi fundado em 1922 como o Estado Livre Irlandês, um domínio dentro do Império Britânico, na sequência doTratado Anglo-Irlandês que pôs fim à Guerra de Independência da Irlanda. A partição da Irlanda já havia sido prevista na legislação britânica anterior a 1921,5 como forma de resposta à oposição irlandesa ao Home Rule britânico ou aos movimentos de independência deunionistas, que formaram uma maioria na parte nordeste do país. Seis dos nove condados da província nortista do Ulster foram então estabelecidos como a Irlanda do Norte, uma parte do Reino Unido, com o qual o Estado irlandês divide a sua única fronteira terrestre. A Irlanda é cercada pelo Oceano Atlântico, com o mar Céltico ao sul, o Canal de São Jorge a sudeste e o Mar da Irlanda a leste.
    • Em 1801, os reinos da Irlanda e da Grã-Bretanha, anteriormente em uma união pessoal, foram unidos para formar o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda. Após uma uma revolta fracassada em 1916, em 1919 os parlamentares nacionalistas irlandeses apoiaram a criação da República Irlandesa e formaram um parlamento separatista, enquanto o Exército Republicano Irlandês lançou uma guerra de guerrilha para realizar a independência. O Tratado Anglo-Irlandês de 1922 concluiu essa guerra e estabeleceu o Estado Livre da Irlanda como um domínio de auto-governado dentro da Commonwealth britânica. A Irlanda do Norte optou por permanecer como parte do Reino Unido. O estado independente aumentou a sua soberania através do Estatuto de Westminster, em 1931, e coma a crise de abdicação de 1936. Uma nova constituição, em 1937, declarou um Estado soberano chamado Irlanda (Éire).6 7 O Ato da República da Irlanda proclamou a Irlanda como uma república em 1949, removendo os direitos remanescentes dos monarcas. O país, consequentemente, retirou-se da Commonwealthbritânica.8 Apesar de atualmente estar entre os países mais ricos do mundo em termos de PIB per capita,2 a Irlanda foi uma das nações mais pobres na Europa enquanto esteve sob domínio do Reino Unido e durante décadas após a sua independência. O protecionismo econômico foi desmantelado no final dos anos 1950 e a Irlanda aderiu à Comunidade Econômica Europeia em 1973. O liberalismo econômico a partir do final dos anos 1980 em diante resultou em uma rápida expansão da economia do país, particularmente de 1995 a 2007, o que ficou conhecido como o período do Tigre Celta. Uma crise financeira sem precedentes a partir de 2008 terminou com esta era de rápido crescimento econômico.9 10 Índice [esconder] 1 Etimologia 2 História o 2.1 Estatuto Home Rule o 2.2 Revolução o 2.3 Guerra Civil o 2.4 Constituição de 1937 3 Geografia o 3.1 Hidrografia o 3.2 Relevo o 3.3 Clima o 3.4 Fauna e flora 4 Demografia o 4.1 Imigração o 4.2 Língua
    • o 4.3 Religião 5 Política 6 Subdivisões 7 Economia 8 Infraestrutura o 8.1 Saúde o 8.2 Educação o 8.3 Transportes 9 Cultura o 9.1 Literatura o 9.2 Cinema o 9.3 Música o 9.4 Mitologia o 9.5 Gastronomia o 9.6 Desporto o 9.7 Feriados 10 Referências 11 Ligações externas Etimologia[editar] O artigo 4.º da Constituição irlandesa, que foi adoptada em 1937, declara que "o nome do estado é Éire, ou, no idioma inglês, Ireland".11Para todos os fins oficiais, inclusive nos tratados internacionais e em outros documentos legais, onde a linguagem dos documentos é o inglês, o governo irlandês usa o nome Ireland. O mesmo é utilizado em relação ao nome Éire nos documentos escritos em gaélico. As Instituições da União Europeia seguem a mesma prática. Desde que a língua irlandesa se tornou numa das línguas oficiais da UE, em 1 de janeiro de 2007, o nome das chapas que identificam os membros representantes do Estado irlandês durante as reuniões da UE, têm escrito Éire - Ireland, tal como é feito nos passaportes irlandeses.12 Desde 1949, o Acto da República da Irlanda, tem o nome de República da Irlanda como designação oficial para o Estado. A lei destinava-se principalmente a declarar que a Irlanda era uma república em vez de uma monarquia constitucional. Previa-se a designação oficial passar a ser o seu nome oficial, mas isso não aconteceu. Em 1989, o Supremo Tribunal de Justiça irlandês rejeitou um mandado de extradição do uso de República da Irlanda. Nas palavras do Presidente do Tribunal, Sir Nicholas Walsh, "se os tribunais de outros países que procuram a ajuda deste país não estão dispostos a dar esse Estado constitucional, em corrigir o seu nome reconhecido internacionalmente, devem, em seguida, na minha opinião, os mandados serem devolvidos a esses países, até eles serem corrigidos."13
    • O que é agora Irlanda tem sido conhecida por uma série de outros nomes, de todos os que ainda são utilizados, por vezes, de forma oficiosa. Toda a ilha da Irlanda foi, unilateralmente, proclamada uma república independente pelos rebeldes em 1916, e denominada como o República da Irlanda (em irlandês: Poblacht na hÉireann, posteriormente Saorstát Éireann). Na sequência da eleição geral de 1918, a proclamação foi ratificada pelos deputados do seu primeiro Parlamento. Entre 1921 e 1922, quando o governo britânico legislou estabelecer o que é hoje a Irlanda, como uma região autónoma do Reino Unido, foi chamado Irlanda do Sul. Na sequência do Tratado Anglo-Irlandês, a partir de 1922 e até 1937, como um domínio da Comunidade Britânica das Nações, que foi denominado como Estado Livre Irlandês (em irlandês: Saorstát Éireann). Esse nome foi abolido com a aprovação da actual Constituição irlandesa. Outros nomes, tais como o Estado Livre, Vinte e seis condados do Sul e O Sul (um nome frequentemente usado por pessoas da Irlanda do Norte) também são frequentemente utilizados. História[editar] Ver artigos principais: História da Irlanda e História da República da Irlanda Ver também: Reino da Irlanda A Irlanda é o sucessor do Estado Livre Irlandês. Este domínio tem sido constituído quando toda a ilha da Irlanda se separou do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda em 6 de dezembro de 1922. No entanto, no dia seguinte, o Parlamento da Irlanda do Norte exerceu o seu direito ao abrigo do Tratado Anglo-Irlandês, e optou voltar a pertencer ao Reino Unido.14 Esta acção, conhecida como a Partição da Irlanda, foi seguida de quatro tentativas para introduzir o governo autónomo de toda a ilha da Irlanda (em 1886, 1893, 1914 e 1920). O Estado Livre Irlandês foi abolido quando a Irlanda foi formalmente criada em 29 de dezembro de 1937, o dia em que a sua Constituição entrou em vigor. A independência Irlandesa da Grã-Bretanha em 1922 foi precedida pela Guerra de Independência e a Revolta da Páscoa de 1916, quando voluntários irlandeses e membros do Exército Civil Irlandês tomaram o comando de lugares em Dublin e Galway sob os termos expressos na Proclamação da República da Irlanda. Os sete signatários desta proclamação, Patrick Pearse, Thomas MacDonagh, Clarke Thomas, Sean MacDiarmada, Joseph Plunkett, Eamonn Ceannt e James Connolly, foram executados, juntamente com outras nove pessoas, e milhares foram internados, precipitando a Guerra de Independência da Irlanda. Estatuto Home Rule[editar] Ver artigo principal: Home Rule
    • O Partido Parlamentar Irlandês foi fundado em 1882 por Charles Stewart Parnell (1846–1891). A partir do Acto da União em 1 de Janeiro de 1801, e até 6 de Dezembro de 1922, a Irlanda tinha feito parte do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda. Durante a Grande Fome, de 1845 a 1849, a população da ilha que contava com 8 milhões de habitantes, caiu 30 por cento. Sob domínio britânico, um milhão de irlandeses morreram de inanição e outro 1.5 milhões emigraram, 15 que definiu o padrão de emigração para o século que se seguia e teria como resultado um declínio constante até à década de 1960. A partir de 1874, mas especialmente a partir de 1880, no mandato de Charles Stewart Parnell, o Partido Parlamentar Irlandês alcançou proeminência através de generalizada agitação agrária que ganhou reformas agrícolas para inquilinos e com as suas tentativas de ganhar a aprovação de duas propostas de lei (Home Rule Bills), que teriam concedido à Irlanda limitada autonomia nacional dentro do Reino Unido. Estes, no entanto, levaram as "camadas populares" a controlar os assuntos nacionais sob Acto do Governo da Irlanda de 1898, anteriormente nas mãos de grande júrisdominados por proprietários de terras. O Home Rule parecia certo, em 1911, quando a Câmara dos Lordes perderam o seu veto e John Redmond garantiu o terceiro lugar no Ato do Governo da Irlanda de 1914. O Movimento Unionista, no entanto, tinha vindo a crescer desde 1886 entre os irlandeses protestantes, após a introdução do projecto de uma Casa de Governo, temendo que eles enfrentassem discriminação e perder privilégios económicos e sociais se irlandeses católicos fossem realizar uma verdadeira força política. Embora o sindicalismo irlandês existisse em toda a Irlanda, ainda no final do século XIX e início do século XX, o sindicalismo foi particularmente forte em partes de Ulster, onde a industrialização foi mais comum em contraste com a maioria agrária do resto da ilha. Além disso, a população protestante localizava-se principalmente em Ulster, com maiorias sindicalistas existentes em cerca de quatro condados. Revolução[editar] Sob a liderança de Dublin, Sir Edward Carson do Partido Unionista Irlandês e os habitante do Norte, apoiados por Sir James Craig do Partido Unionista de Ulster, tornaram-se fortemente militantes, a fim de se oporem à Coerção de Ulster. Depois do Artigo Principal que passou no Parlamento em
    • Maio de 1914, para evitar a rebelião com Ulster, o Primeiro-Ministro britânico H. H. Asquith, introduziu uma regra ratificativa, relutantemente, admitindo a liderança por parte da Irlanda, que prevê a exclusão temporária do Ulster, a partir do funcionamento por um período experimental de seis anos, como ainda indecisos com o novo conjunto de medidas a adoptar para a área. Apesar de ter recebido o Royal Assent e de ser colocado sobre o estatuto, o terceiro Acto do Governo Irlandês de 1914, foi suspenso até depois da Primeira Guerra Mundial. Para assegurar a aplicação da lei no final da guerra, Redmond e os seus voluntários irlandeses apoiaram os Aliados na Primeira Guerra Mundial, juntando 175.000 membros do regimento irlandês à 10.ª e à 16.ª Divisão Irlandesa do Reino Unido, enquanto que os Unionistas ingressaram na 36.ª Divisão de Ulster do Novo Exército Britânico.16 Em 1922 um novo parlamento chamadoOireachtas foi estabelecido, que posteriormente se transformou na Dáil Éireann, a câmara baixa do parlamento irlandês. Em Janeiro de 1919, após as eleições gerais de 1918, 73 dos 106 membros eleitos para o Parlamento eram do Sinn Féin, que se recusou a tomar os seus lugares na Câmara dos Comuns, no Reino Unido. Em vez disso, eles criaram um Parlamento irlandês chamado Dáil Éireann. Este, emitiu em Janeiro de 1919, uma Declaração de Independência e proclamaram a República da Irlanda. A declaração foi principalmente uma reafirmação daProclamação de 1916, com a disposição adicional que a Irlanda não era mais um território pertencente ao Reino Unido. A nova República da Irlanda só foi reconhecida internacionalmente pela República Socialista Federativa Soviética Russa. A República do Aireacht (ministério) enviou uma delegação ao abrigo do ceann Comhairle Seán T. O'Kelly para a Conferência de Paz de Paris de 1919, mas não foi admitido. Após lutarem amargamente na Guerra da Independência e, após terem sido dominados em Julho de 1921, representantes do governo britânico e delegados irlandeses para o Tratado, liderados por Arthur Griffith, Robert Barton e Michael Collins, negociaram o Tratado Anglo-Irlandês, em Londres, de 11 de Outubro a 6 de Dezembro de 1921. Os delegados irlandeses criaram uma sede em Hans Place, em Knightsbridge, e ali estiveram reunidos em privado até que às 11:15 da manhã do dia 5 de Dezembro, tomaram a decisão de recomendar o Tratado ao Dáil Éireann. De acordo com o Tratado, os britânicos concordaram com a criação de um Estado independente irlandês, através do qual o Estado Livre Irlandês tinha o estatuto de domínio. Segundo o Segundo Dáil Éireann, o tratado foi restritivamente ratificado.
    • O Tratado não era inteiramente satisfatório para ambos os lados. Deu mais concessões para os irlandeses do que os britânicos tinham intenção de dar, mas não foi suficientemente longe para satisfazer as aspirações republicanas. O novo Estado Livre Irlandês, em teoria, cobria toda a ilha, sujeita à condição de que os seis condados do nordeste, denominados "Irlanda do Norte", que tinha sido criado em 1920, poderia optar por sair e escolher permanecer parte integrante do Reino Unido, o que eles fizeram. Os restantes vinte e seis condados (originalmente "Irlanda do Sul", no âmbito da Lei) tornou-se o Estado Livre Irlandês, uma monarquia constitucional sobre a qual o monarca britânico reinava (a partir de 1927 com o título Rei da Irlanda). Ele tinha um Governador-Geral, uma Parlamento bicameral, um gabinete chamado de "Conselho Executivo" e um primeiro-ministro, chamado Presidente do Conselho Executivo. Guerra Civil[editar] Ver artigos principais: Partição da Irlanda e Guerra de Independência da Irlanda Éamon de Valera (1882–1975). A Guerra Civil Irlandesa foi uma consequência directa da criação do Estado Livre Irlandês. As forças do Anti-Tratado, lideradas por Éamon de Valera, opôs-se ao facto de que a aceitação do Tratado abolir a República da Irlanda, para o qual tinham jurar lealdade em 1919, argumentando apoio público para a resolução de que as "pessoas que não têm o direito de fazer errado". A maior parte opõe-se ao facto de que o Estado continue a fazer parte da Comunidade Britânica de Nações e que o Teachtaí Dala (membros da legislatura) terem de jurar um juramento de fidelidade a Jorge V do Reino Unido e seus sucessores. As forças Pro-Tratado, lideradas por Michael Collins, defendeu que o Tratado deu "não a derradeira liberdade que todos aspiram para desenvolver a Nação, mas a liberdade para alcançá-la". No início da guerra, o Exército Republicano Irlandês (IRA) dividiu-se em dois campos opostos: uma pró-IRA e outra anti-IRA. O pró-IRA (que apoiava o Tratado) dissolveu-se e ingressou na Exército Irlandês. No entanto, graças à falta de uma estrutura de comando eficaz, o anti-IRA (que não apoiava o Tratado), e as suas tácticas defensivas durante toda a guerra, Michael Collins e a sua Força pró-Tratado, foram capazes de criar um exército com muitas dezenas de milhares de
    • veteranos da Primeira Guerra Mundial, a partir de 1922, que dissolveu o regimento irlandês do Exército britânico, capaz de "esmagar" os anti-Tratado. Suprimentos britânicos de artilharia, aviões, máquinas-metralhadoras e munições, impulsionaram as forças pró-tratado, e a ameaça de um regresso às forças da Coroa pro parte do Estado Livre, foram dissipadas. A falta de apoio público para as forças anti-Tratado (muitas vezes chamadas de Irregulares) e da determinação do Governo para superar essas forças, contribuiu significativamente para a sua derrota. A destruição causada pela guerra causou prejuízos económicos consideráveis para o Estado Livre nos primórdios da sua existência, e os Unionistas da Irlanda do Norte endureceram-se em distanciar-se do Estado Livre. Constituição de 1937[editar] Em 29 de dezembro de 1937, uma nova Constituição, a Constituição da República da Irlanda (em irlandês: Bunreacht na hÉireann), entrou em vigor. Ela substituiu a Constituição do Estado Livre Irlandês e criaram um novo estado chamado simplesmente "Éire", ou, no idioma inglês, "Ireland". O antigo Governo do Estado Livre tomou medidas para abolir formalmente o Gabinete deGovernadorGeral, alguns meses antes da nova Constituição entrar em vigor.17 Apesar da Constituição da Irlanda criar o cargo de Presidente da República da Irlanda, entre 1937 e 1949, a Irlanda não era tecnicamente uma república. Isto porque o principal papel possuído por um Chefe de Estado, que representa simbolicamente a Irlanda, permaneceu internacionalmente adquirido ao abrigo da lei ordinária do Rei da Irlanda como um órgão do Governo irlandês. A Irlanda entrou para a Comunidade Econômica Europeia (CEE) em 1973, junto com Reino Unido e Dinamarca. O período de neutralidade irlandesa durante durante a Segunda Guerra Mundial, foi descrito como "A emergência". A posição do Rei da Irlanda cessou com a passagem do Ato de 1948 da República da Irlanda, que entrou em vigor em 18 de abril de 1949, quando o cargo de Presidente da Irlanda substituiu o do Rei da Irlanda. A lei declarou que o país poderia ser descrito como uma república. Mais tarde, o Ato da Coroa da Irlanda, na Irlanda, foi formalmente revogada pela Lei de Revisão do Estatuto (Estatuto da Pré-União Irlandesa) no Ato de 1962. A Irlanda manteve-se no Commonwealth após a independência e até à declaração de uma república em 18 de abril de 1949. Sob o regime da Commonwealth, na altura, uma declaração de uma república, rescindia automaticamente um Estado membro da Commonwealth. Por isso, a Irlanda
    • deixou imediatamente de ser um membro e decidiu não se recandidatar posteriormente á adesão à Commonwealth, quando mais tarde esta mudou as suas regras para permitir que repúblicas pudessem aderir à Commonwealth. A Irlanda aderiu às Nações Unidas em 1955 e à União Europeia em 1973. Os governos irlandeses vêm buscando a unificação pacífica das Irlandas e cooperaram com o governo britânico contra a violência entre os grupos parlamentaristas e os grupos norte-irlandês conhecidos como Troubles(Problemas). Um acordo de paz foi aprovado em 1998, conhecido como Acordo da Sexta-feira Santa ou Acordo de Belfast (Capital da Irlanda do Norte), tendo sido votado em ambas as Irlandas, sendo implantado atualmente. Geografia[editar] Ver artigo principal: Geografia da República da Irlanda Ver também: Irlanda (ilha) A Irlanda é conhecida como A Ilha Esmeralda devido à predominância de vegetação verde em praticamente todo o território. A ilha da Irlanda tem uma extensão de mais 84 421 km², dos quais cinco sextos pertencem à República, constituindo o restante a Irlanda do Norte. É banhada a oeste pelo oceano Atlântico, a nordeste pelo canal do Norte, a leste pelo mar da Irlanda e a sudeste e sul pelo canal de São Jorge e pelomar Céltico.18 19 A costa ocidental da Irlanda consiste principalmente de arribas, colinas e montanhas baixas (o ponto mais elevado é o Carrauntoohil, com 1 041 m). O interior do país é predominantemente composto por terras agrícolas relativamente planas, atravessadas por rios como o Shannon e ponteado por
    • vários lagos grandes, os loughs. O centro do país faz parte da bacia hidrográfica do rio Shannon, e contém grandes áreas de paul, usados para a produção deturfa.18 19 O clima temperado da ilha é modificado pela corrente do Atlântico Norte e é relativamente suave. Os verões raramente são muito quentes, faz frio no inverno, algumas vezes chega a nevar. A precipitação é muito comum, com até 275 dias de chuva por ano em algumas partes do país.18 19 As cidades principais são a capital, Dublin, na costa oriental, Cork no sul, Galway e Limerick na costa ocidental e Waterford na costa sueste (ver lista de cidades na Irlanda).20 Hidrografia[editar] O rio Shannon, na Irlanda, é o mais extenso das ilhas Britânicas. O Shannon, importante via de navegação, nasce no noroeste da Irlanda e percorre 360 km para o sudoeste, até alcançar o oceano Atlântico. O rio Liffey também é navegável. Nasce nas montanhas Wicklow, corre para o noroeste por 121 km, e deságua no mar da Irlanda, em Dublin. Sua foz forma a baía de Dublin. Outros rios irlandeses importantes são o Barrow, Nore e Suir, no sudoeste, o Boyne, no nordeste, e o Moy, no noroeste.21 A maioria dos lagos da Irlanda fica no oeste. Os lagos são chamados loughs (pronúncia lacs) em gaélico. O rio Shannon forma vários lagos, como olough Derg e o lough Ree, ambos no centro-oeste da Irlanda. Os lagos de Killarney, no sudoeste, são famosos pela beleza. São eles os lagos Lower (Inferior), Muckross e Upper (Superior).22 Relevo[editar] Falésias de Moher. O relevo da Irlanda apresenta três características principais: planícies, montanhas e costas. 23 As planícies ocupam quase todo o centro da Irlanda. estendendo-se de um lado a outro do país. Compõem-se de ondulados campos de cultivo,pastagens, bosques e grandes pântanos ou turfeiras (depósitos de plantas em decomposição). As turfeiras cobrem um sexto da Irlanda. A maioria se encontra a oeste do rio Shannon.23 A maior parte dos montes irlandeses ergue-se próximo ao litoral e circunda as planícies. As principais cadeias são as montanhas Donegal, no noroeste, as montanhas de Mayo e as montanhas
    • de Connemara, no oeste, as montanhas de Kerry, no sudoeste, as montanhas Wicklow, no leste. O ponto culminante da Irlanda, Carrantuohill (1041 m) ergue-se nas montanhas de Kerry.23 Muitos golfos e baías penetram profundamente na costa ocidental da Irlanda. Por isso, nenhum lugar do país se encontra a mais de 110 km do mar. Partes da costa apresentam altos penhascos de rocha pura. Duas amplas baías no litoral ocidental, a baía de Galway e a foz do rio Shannon, formam os portos de Galway e Limerick. Outras importantes baías no litoral ocidental são Bantry, Clew, Dingle, Donegal, Dunmanus e Sligo. Centenas de ilhotas ficam próximas à costa ocidental. No litoral sul, os portos de Cork e Waterford encontram-se em excelentes abrigos naturais. A baía de Dublinformou o porto de Dublin, o principal da costa leste.23 Clima[editar] Fog (nevoeiro) de Inverno nas Montanhas Wicklow, Irlanda. A Irlanda tem um clima úmido e ameno. As temperaturas médias são de 4°C no inverno e 16°C no verão, aproximadamente. O clima sofre grandemente a influência da corrente do Golfo, uma corrente oceânica quente que sobe do equador e passa pelas ilhas Britânicas. No inverno, ventos do oeste, soprando por cima das águas, ajudam a manter amena a temperatura.24 25 Os ventos oceânicos também carregam muita chuva para a Irlanda. As chuvas mais intensas caem nas regiões montanhosas perto do litoral ocidental. A média pluviométrica (de chuva) nessa região é de cerca de 1 500 mm por ano, havendo alguns pontos que alcançam 2510 mm por ano. As planícies recebem cerca de 760 mm de chuva por ano. As inundações constituem problema em algumas partes do país, nas estações chuvosas.24 25 O sul e o oeste da Irlanda constituem o mais longo período propício de cultivo agrícola nas ilhas Britânicas, devido ao seu clima moderado e chuvas abundantes. Em muitas áreas dessa região, as pastagens chegam a poder ser utilizadas durante o inverno.24 25 Fauna e flora[editar] Quase toda a vida animal e a vegetação da ilha provêm de migrações posteriores às glaciações, originárias do norte da Europa. A vegetação natural predominante é de árvores de folhas perenes, como carvalhos e faias. São abundantes os bosques de coníferas, introduzidas pelo homem.26
    • Não é grande a variedade de espécies animais, e só aves e dois tipos de pequenos roedores, inclusive os coelhos e os esquilos, além de um tipo de lagarto, são nativos. Não há cobras, o que, segundo antiga lenda, se deve à intervenção milagrosa de são Patrício, padroeiro da ilha.27 Demografia[editar] Ver artigo principal: Demografia da República da Irlanda Dublin, capital e maior cidade da Irlanda. A população total da ilha da Irlanda é pouco mais de 6 milhões de habitantes (2006), dos quais 4 239 848 residem na República da Irlanda28 (1,7 milhões de habitantes residem na Área Metropolitana de Dublin),29 e 1,7 milhões de habitantes na Irlanda do Norte30 (600 000 dos quais a residir na Área Metropolitana de Belfast31 que corresponde à população total das cidades de Belfast, Castlereagh, Carrickfergus e Lisburn). Em 1841, a população era de 6,5 milhões de habitantes,31 e caiu para 5,1 milhões em 1850 após a Grande Fome Irlandesa, com a emigração em massa. A população continuou a descer até aos anos da década de 1960, como indicado em dados relativos a 1901, onde a população era de 3,2 milhões de habitantes, contrapondo os 2,8 milhões de 1961, mas a partir dessa altura, tem vindo a aumentar novamente.31 Na década de 1990, e ainda mais na de 2000, a imigração tem vindo a aumentar. A Irlanda tem sido habitada há pelo menos 9000 anos, embora pouco se saiba sobre as pessoas da era do Paleolítico e do Neolítico que habitaram a ilha. Os registos históricos e genealógicos revelam a existência de diversos povos (Cruithne, Attacotti, Conmaicne, Eóganachta,Érainn, Soghain, e outros). Durante os últimos 1000 anos, foram influenciados pelos Vikings, que fundaram vários portos, incluindo o de Dublin, e também pelos Normandos. No entanto, a maioria (80%) da população é descendente de que os primeiros habitantes da ilha tenham a habitando a partir do final da Idade do Gelo. Muitos, na Irlanda do Norte, são descendentes dos colonos de Inglaterra, especialmente dos da Escócia.
    • Evolução da população irlandesa ao longo doséculo XX. Representação gráfica dos grupos populacionais imigrantes na Irlanda, com mais de 10 mil pessoas, em 2006. Durante muitos anos, acreditou-se que os irlandeses são de origem "celta". No entanto, os recentes indícios de ADN mostram que as pessoas do oeste da Irlanda e de Gales (e, em menor grau, da Escócia e da Inglaterra) têm muitos traços genéticos em comum com o povo do norte daPenínsula Ibérica, formalmente conhecida como Gallaecia. Na verdade, a origem da toponomia etimológico de Galiza, no País de Gales, Galiza, no noroeste da Península Ibérica, e Gália e Galiza, na Polónia, é proveniente da mesma raiz celta, resultado do baixo domínio celta em relação aolatim. Além disso, alguns teorizam que, embora o basco não seja, certamente, uma língua celta, poderia ter sido do contacto com a cultura celta, através da imigração de irlandeses, que é conhecido como pré-celta. Esta posição é difícil de confirmar porque a informação é relativamente nova. Culturalmente, porém, os irlandeses são inegavelmente de origem celta, e mais semelhantes ao povo galego, escocês e galês. Desde a entrada da Polónia na União Europeia, os polacos foram a maior fonte de migrantes provenientes da Europa Central,32 seguido por outros migrantes da Lituânia, República Checa e Letónia. A economia estável, os altos salários e a elevada qualidade de vida, atrai muitos novos imigrantes provenientes dos países da União Europeia: a Irlanda registou um significativo número de migrantes provenientes da Roménia na década de 1990. Nos últimos anos, os chineses também migraram
    • para a Irlanda em números significativos. Os nigerianos, juntamente com pessoas de outros países africanos, fazem parte de um grande número de imigrantes de países que não pertencem à União Europeia. Depois de Dublin (com 1.661.185 habitantes na área metropolitana), as maiores cidades da Irlanda são Cork (380.000 habitantes na área metropolitana), Limerick (93.321 habitantes na área metropolitana), Galway (71.983 habitantes na cidade) e Waterford (45.775 habitantes na cidade). A atual composição étnica é a seguinte:33 europeus: 96,0% (88,8% irlandeses + 7,2% de outros países europeus) asiáticos: 1,1% (principalmente chineses) africanos: 0,8% (na maioria nigerianos) americanos: 0,5% (na maioria estadunidense) australianos e neozelandeses: 0,1% Outros: 1,5% Imigração[editar] Após séculos de apenas emigração líquida para quase todos os continentes do mundo, com excepção da "plantação" de protestantes em resultado da conquista da Irlanda por Cromwell, o bom desempenho económico dos últimos quinze anos tem vindo a inverter esta situação, transformandoa numa imigração líquida. Segundo o último censo de 2006, aproximadamente 10% da população era de origem estrangeira. Mais de 112 000 são britânicos, que é a maior nacionalidade estrangeira na Irlanda, representando mais de 25% de todos os estrangeiros. Existem ainda 63 000 da Polónia, 25 000 da Lituânia, 13 000 da Letónia e 10 000 da Alemanha. Além disso, cerca de 52 000 habitantes são provenientes do resto dos países da União Europeia, e mais de 24 000 dos restantes países da Europa. Cerca de 35 000 são provenientes de outros países, nomeadamente de África. Destes, 16 000 são naturais daNigéria. Cerca de 11 000 vêm da China e 38 000 do resto dos países da Ásia. Mais de 12 000 são dos Estados Unidos e 9 000 de outros países da América.34 Língua[editar] Sinal de trânsito com inscrições emlíngua irlandesa.
    • As línguas oficiais são o irlandês, a língua celta nativa, e o inglês, que constitucionalmente é descrito como uma língua oficial secundária. Aprender irlandês é obrigatório no ensino do país, mas o inglês é amplamente prevalente. A sinalética é geralmente bilíngue, que também existe na mídia nacional irlandesa. As pessoas pertencentes a comunidades de língua predominantemente irlandesa (o Gaeltacht) existem principalmente na costa ocidental da ilha.35 Religião[editar] Catedral da Santíssima Trindade. Na República da Irlanda, 86,8% da população é Católica, religião introduzida por São Patrício, mas tem havido um enorme declínio na participação em serviços religiosos.36 Entre 1996 e 2001, a presença regular na missa, já em declínio anteriormente, havia diminuído de 60% para 48% (em 1973 excedeu os 90%), existindo apenas dois seminários em todo o país.37 A imagem da Igreja também foi danificada na década de 1990 por causa de uma série de escândalos sexuais e encobrimentos dentro da própria hierarquia. Em1995, na sequência de um embargo de cerca de 60 anos, os eleitores escolheram voltar a legalizar o divórcio na República. Mesmo assim, o número de praticantes é superior à média europeia. A religião católica na Irlanda é também um símbolo de identificação nacional. A segunda igreja cristã com maior número de praticantes, é a Igreja da Irlanda, que, depois de experimentar uma queda durante a maior parte doséculo XX, tem vindo a crescer o seu número de participantes, de acordo com o censo de 2002, como já tem acontecido com outras religiões cristãs eislâmicas. Comunidades judaica viviam na Irlanda, durante a Idade Média, e uma comunidade de sefarditas fixou-se em Dublin, em 1660. De acordo com o censo de 2006, o número de pessoas que afirmaram não pertencer a nenhuma religião foi de 186.318 (4,4%). Adicionalmente, 1515 pessoas declararam ser agnósticas e 929ateus. Portanto, o total não-religioso é de 4,5% da população. O resto da população, ou 70.322 (1,7%), não declarou nenhuma religião.38 Política[editar] Ver artigo principal: Política da República da Irlanda Ver também: Política externa da Irlanda e Forças de Defesa da Irlanda
    • Ver página anexa: Missões diplomáticas da República da Irlanda Edifícios do Governo. A Irlanda é uma democracia parlamentar. O poder legislativo é exercido pelo Parlamento (Oireachtas), constituído pelo Presidente e duas câmaras: oDáil Éireann (Câmara dos Deputados) e o Seanad Éireann (Senado). Os 166 membros do Dáil são eleitos por sufrágio universal, por um período máximo de cinco anos, segundo o sistema de representação proporcional. O Senado compõe-se de 60 membros, dos quais 11 são nomeados peloPrimeiro-Ministro (Taoiseach), 43 são eleitos pelos membros do Dáil, do anterior Seanad e das autoridades locais a partir de listas de candidatos que pertencem a cinco sectores essenciais da sociedade: educação, agricultura, trabalhadores, indústria e comércio e administração. As universidades elegem seis membros do Senado. Qualquer proposta de lei de revisão constitucional necessita do acordo das duas câmaras e de ser ratificada por referendo. O Presidente, que é eleito directamente por sete anos, nomeia, sob proposta do Dáil, o Primeiro-Ministro e sob proposta deste e o acordo prévio do Dáil, os ministros. O Dáil Éireann pode ser convocado ou dissolvido pelo Presidente, após parecer do Primeiro-Ministro. O Governo é constituído por um máximo de 15 membros, dos quais dois devem pertencer ao Senado e os restantes ao Dáil. O presidente atua como chefe de Estado e é eleito para um mandato de sete anos e pode ser reeleito uma vez. O presidente é essencialmente uma figura simbólica, mas a ele é confiado com certos poderes constitucionais com o parecer do Conselho de Estado. O escritório tem absoluta discrição em algumas áreas, como refere um projeto de lei para o Supremo Tribunal para um julgamento sobre sua constitucionalidade.39 Michael D. Higgins tornou-se o nono presidente da Irlanda em 11 de novembro de 2011.40 Subdivisões[editar] Ver artigo principal: Subdivisões da República da Irlanda e Condados da República da Irlanda A República da Irlanda tinha tradicionalmente vinte e seis municípios, e estes ainda são utilizados em contextos culturais e desportivos. Eles também são utilizados para fins postais. Os círculos eleitorais do Dáil são obrigados por lei a seguir os limites dos concelhos, tanto quanto possível. Daí,
    • os municípios com maior população têm vários círculos eleitorais (por exemplo, Limerick Leste/Oeste) e alguns círculos eleitorais compostos por mais de um concelho (por exemplo, SligoLeitrim Norte), mas de uma maneira geral, as fronteiras não são reais. No entanto, já existiu um processo de reestruturação, como a abolição de Condado de Dublin, distribuíndo-o entre os três novos concelhos municipais na década de 1990 e de Condado de Tipperary, tendo sido, administrativamente, dois condados distintos desde a década de 1890. Actualmente, existe um total de vinte e nove concelhos administrativos e cinco cidades. As cinco cidades - Dublin, Cork, Limerick, Galway e Waterford (Kilkenny é uma cidade, mas não possui um conselho municipal) - são administradas separadamente do restante dos seus respectivos municípios. Existe ainda cinco vilas - Clonmel, Drogheda, Kilkenny, Sligo e Wexford - que têm um nível de autonomia dentro do concelho. Os municípios estão agrupados em regiões para fins estatísticos. Eis a lista de condados da República da Irlanda: República da Irlanda 1. Dublin — Dublin — Dún LaoghaireRathdown 15. Waterford — Waterford 16. Cork — Cork — Fingal 17. Kerry — South Dublin 18. Limerick 2. Wicklow 3. Wexford — Wexford (Vila) — Limerick City 19. Tipperary — North Tipperary 4. Carlow — South Tipperary 5. Kildare — Clonmel (Vila) 6. Meath 20. Clare 7. Louth 21. Galway — Drogheda (Vila) — Galway 22. Mayo 8. Monaghan 23. Roscommon Mapa da República da Irlanda (a verde) com os condados 9. Cavan 24. Sligo numerados. 10. Longford — Sligo (Vila) 11. Westmeath 25. Leitrim 12. Offaly 26. Donegal 13. Laois 14. Kilkenny
    • — Kilkenny (Vila) Economia[editar] Ver artigo principal: Economia da República da Irlanda Ver também: Crise da dívida pública da Zona Euro e Crise econômica de 2008-2011 Centro Internacional de Serviços Financeiros, em Dublin. Desde os anos 1980, a economia irlandesa deixou de ser predominantemente agrícola e transformou-se em uma economia moderna focada em indústrias de alta tecnologia e serviços. O país adotou o euro em 2002, juntamente com onze outros Estados-membros da UE.41 O país é fortemente dependente de investimento estrangeiro direto e tem atraído várias empresas multinacionais, devido a uma força de trabalho altamente qualificada e uma taxa de impostos baixa.42 Algumas empresas, como a Intel, investiram na Irlanda durante o final dos anos 1980, mais tarde seguida pela Microsoft e pelo Google. A Irlanda é classificada como sétima economia mais economicamente livre no mundo, segundo o Índice de Liberdade Econômica. Em termos de PIB per capita, a Irlanda é um dos países mais ricos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da União Europeia (UE). No entanto, o país está abaixo da média da OCDE em termos de PNB per capita. O PIB é significativamente maior que o PNB devido à grande quantidade de empresas multinacionais com sede na Irlanda.42 A partir no início dos anos 1990, o país experimentou um crescimento econômico sem precedentes que foi alimentado por um aumento dramático em construção, gastos do consumidor e investimento, o que ficou conhecido como o período do Tigre Celta. O ritmo de crescimento abrandou em 2007 e levou à explosão de uma bolha imobiliária que havia se desenvolvido ao longo do tempo.43 A queda abrupta dos preços das propriedades revelou a sobre-exposição da economia sobre a construção e tem contribuído para a manutenção da crise bancária irlandesa. A Irlanda entrou oficialmente em recessão em 2008, após vários meses consecutivos de contração econômica.44
    • A Spire of Dublin simboliza a modernização e o crescimento econômico da Irlanda. A economia do país se contraiu -1,7% em 2008, -7,1% em 2009 e -1% em 2010. O país saiu oficialmente da recessão em 2010, quando foi auxiliado por um forte crescimento, de 6,9%, nas exportações do primeiro trimestre.45 No entanto, devido a um aumento significativo no custo dos empréstimos e recapitalização bancária, a Irlanda aceitou 85 bilhões de euros do programa de assistência da União Europeia, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e de empréstimos bilaterais do Reino Unido, Suécia e Dinamarca.46 Algumas previsões estimam que a Irlanda irá crescer 0,9% em 2011 e 2,2% em 2012.47 Embora as corporações multinacionais dominem setor de exportações da Irlanda, esse setor econômico contribui significativamente para a renda nacional. O país é um dos maiores exportadores de produtos farmacêuticos, softwares e serviços relacionados no mundo, além de ser o sétimo maior produtor de concentrados de zinco e o décimo segundo maior produtor de concentrados de chumbo. O país também tem depósitos significativos de gipsita, calcário e quantidades menores de cobre, prata, ouro, barita e dolomita.41 Outras exportações incluem produtos agro-alimentares, gado, carne, produtos lácteos e alumínio. As principais importações da Irlanda incluem equipamentos de informática, produtos químicos, petróleo e produtos petrolíferos, têxteis e vestuário. A diferença entre as exportações (€ 89,4 bilhões) e importações (€ 45,5 bilhões) resultou em um superávit comercial anual de € 43,9 bilhões em 2010, o maior superávit comercial em relação ao PIB alcançado por qualquer Estadomembro da UE.48 A UE é de longe o parceiro comercial mais importante do país, respondendo por 57,9% das exportações e 60,7% das importações irlandesas. O Reino Unido é o parceiro comercial mais importante no âmbito da UE, respondendo por 15,4% das exportações e 32,1% das importações. Fora da UE, os Estados Unidosresponderam por 23,2% das exportações e 14,1% das importações em 2010.48 Infraestrutura[editar]
    • Saúde[editar] Centro de Pesquisa de Doenças no Hospital Beaumont, em Dublin. O Ministro da Saúde tem a responsabilidade de definir a política geral do serviço de saúde. Toda pessoa física residente na Irlanda tem o direito de receber cuidados de saúde através do sistema público de saúde, que é gerido pelo Serviço Executivo de Saúde e financiado por impostos gerais. Uma pessoa pode ser obrigada a pagar uma taxa subsidiada pela assistência médica recebida, o que depende de fatores como renda, idade, tipo de doença ou incapacidade. Todos os serviços de maternidade são fornecidos gratuitamente para crianças com idade de até 6 meses. Cuidados de emergência são fornecidos gratuitamente para qualquer pessoa admitida através dos serviços de urgência. No entanto, aos visitantes dos departamentos de Acidente e Emergência, em situações não-emergenciais que não são referidas pelo médico da família, pode incorrer uma taxa de € 100. Em algumas circunstâncias essa taxa não é paga ou pode ser dispensada. 49 Qualquer pessoa que tenha um Cartão Europeu de Seguro de Doença tem o direito de livre de manutenção e tratamento em leitos públicos no sistema público de saúde e em hospitais privados. Serviços ambulatoriais também são fornecidas gratuitamente. No entanto, a maioria dos pacientes com renda média ou acima são obrigados a pagar as despesas hospitalares subsidiadas. Os seguros privados de saúde estão disponíveis à população para aqueles que querem usar esse tipo de serviço. A expectativa de vida na Irlanda é 79,2 anos, sendo 76,8 anos para os homens e 81,6 anos para as mulheres.50 O país tem a maior taxa de natalidade na União Europeia (16,8 nascimentos por 1.000 habitantes, contra uma média europeia de 10,7)51 e uma taxa de mortalidade infantil muito baixa (3,5 por 1.000 nascidos vivos). Educação[editar]
    • A University College Cork foi fundada em 1845 e é uma universidade constituinte da Universidade Nacional da Irlanda. A Irlanda tem três níveis de ensino: primário, secundário e superior. Os sistemas de ensino estão, em grande parte, sob a orientação do governo através do Ministro da Educação e Habilidades. Escolas primárias e secundárias reconhecidas devem aderir ao currículo estabelecido pelos órgãos competentes. O ensino é obrigatório entre as idades de 6 e 15 anos e todas as crianças até a idade de 18 anos devem completar os três primeiros anos do ensino secundário, incluindo uma sessão do exame de Certificado Júnior.52 O Leaving Certificate, que é aplicado após dois anos de estudo, é o exame final do sistema de ensino secundário. Aqueles que pretendem prosseguir para o ensino superior, normalmente fazem este exame, com acesso a cursos de terceiro nível, geralmente dependendo dos resultados obtidos a partir das seis melhores disciplinas cursadas, numa base competitiva. 53 Prêmios de terceiro nível de educação são conferidos por mais de 38 instituições de ensino superior, incluindo a University College Dublin', a Universidade de Dublin, o Instituto de Tecnologia de Dublin, a Universidade Nacional da Irlanda, o Instituto de Tecnologia de Cork, o Instituto de Tecnologia de Waterford e a Universidade de Limerick. Estas são as autoridades que conferem o grau de aprovação pelo governo e podem conceder prêmios em todos os níveis acadêmicos. O Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), coordenado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), atualmente classifica a educação da Irlanda como a 20ª melhor do mundo entre os países participantes em áreas como ciência, sendo significativamente maior do que a média da OCDE.54 Em 2006, os estudantes irlandeses com 15 anos tiveram o segundo maior nível de literacia em leitura na União Europeia.55 Os níveis de ensino primário, secundário e superior são todos gratuitos na Irlanda para todos os cidadãos da União Europeia.56 Transportes[editar] Terminal 2 do Aeroporto de Dublin. Os três principais aeroportos internacionais da República da Irlanda são Dublin, Shannon e Cork, que servem muitas rotas europeias e intercontinentais com voos regulares e fretados. A
    • rota Londres-Dublin é a rota aérea internacional mais movimentada da Europa, sendo que 4,5 milhões de pessoas voaram entre as duas cidades em 2006.57 58 A Aer Lingus é a companhia aérea de bandeira irlandesa, embora a Ryanair seja a maior companhia aérea do país. A Ryanair é a maior companhia aérea de baixo custo da Europa,59 a segunda maior em termos de número de passageiros e a maior do mundo em termos de número de passageiros internacionais.60 Os serviços de transporte ferroviário são fornecidos pela Iarnród Éireann, que opera todos os serviços ferroviários suburbanos intermunicipais internos e de mercadorias no país. Dublin é o centro da rede com duas estações principais, as estações Heuston e Connolly, que liga a cidades às principais cidades do país. Auto-estradas, estradas nacionais primárias e secundárias são geridas pela Autoridade Nacional de Estradas, enquanto estradas regionais e locais são geridas pelas autoridades locais em cada uma das suas respectivas áreas. A rede rodoviária é focada principalmente na capital, Dublin, mas autoestradas estão atualmente a serem ampliadas a outras cidades, como parte do programa de investimento Transporte 21, que pretende expandir significativamente e melhorar a rede de transportes da Irlanda no período entre 2006 e 2015.61 Cultura[editar] Ver artigo principal: Cultura da República da Irlanda O Shamrock ou trevo, planta usada porSão Patrício para ilustrar a doutrina daTrindade. Na cultura irlandesa, destacam-se os escritores Jonathan Swift e Oscar Wilde, para além dos quatro Nobel da Literatura: George Bernard Shaw, W. B. Yeats, Samuel Beckett e Seamus Heaney. Apenas um irlandês ganhou o Nobel da Física, por Ernest Walton, em 1951. Para além desses, também deram contributo William Thompson, importante naturalista, e William Rowan Hamilton, foi um renomado físico e matemático do século XIX. Uma das mais lotadas áreas de Dublin é o chamado Temple Bar (a antiga área onde é possível encontrar pessoas de todo o mundo) ou em locais diversos como a moderna Thunder Road Cafe.62 Na dança destaca-se o Riverdance. O primeiro médico com título nobiliárquico, Sir Hans
    • Sloane, foi um médico irlandês cujo hobby era a botânica e cuja colecção é o núcleo do Museu Britânico. O dia nacional é a 17 de março para homenagear o padroeiro da Irlanda: São Patrício, que promoveu o Cristianismo na ilha. Diz-se que expulsou as cobras de todas as partes do território. A harpa, que aparece na crista da província de Leinster e o trevo de três folhas, também são identificados como símbolos da Irlanda. O trevo de três folhas é um símbolo do país, porque é dito que São Patrício o utilizou para explicar a Santíssima Trindade. A cor verde também é a cor mais associada à Irlanda, e está presente na bandeira nacional representando os cristãos da Irlanda. O verdadeiro amor e amizade são selados com o Claddagh Ring. Este anel místico tem a sua origem há 300 anos atrás numa antiga aldeia de pescadores em Claddagh, nos arredores da cidade de Galway, na costa oeste da Irlanda. O anel é entregue como um símbolo de amizade ou comoanel de noivado. O dia depois de Natal, 26 de dezembro, é celebrado com dia de Santo Estevão. A 1 de fevereiro é celebrada a festa céltica Imbolc, a festa da fertilidade da terra e da deusa Brid, a deusa do fogo. Hoje é chamada de festa de Santa Brígida, segundo o padrão do país. Os irlandeses colocam uma imagem de Santa Brígida nos cruzamentos e nas suas casas para evitar incêndios. Outras celebrações pré-cristãs mantêm os seus nomes pagãos em irlandês e são hoje nomes de alguns dos meses do ano: Bealtaine (Maio), comemora o início do Verão, Moon (Agosto) a festa da colheita e Samhain (Novembro), a festa dos mortos e do novo ano. Este último, à semelhança da festa de Todos os Santos. Literatura[editar] William Butler Yeats. A Irlanda é famosa pelo Book of Kells, também conhecido como o Grande Evangelho de São Columba, que é um manuscrito ilustrado com motivos decorativos, feito por monges célticos até ao ano de 800. A principal peça do cristianismo irlandês e da arte-saxónica irlandesa, é, apesar de
    • estar inacabada, um dos mais sumptuosos manuscritos iluminados que sobreviveram desde a Idade Média. Devido à sua grande beleza e excelente acabamento técnico, este manuscrito é considerado por muitos especialistas como um dos mais importantes vestígios da arte religiosa medieval. Escrito em latim, o Livro de Kells contém quatroEvangelhos do Novo Testamento. A poesia irlandesa representa a mais antiga poesia vernácula na Europa.63 Os primeiros exemplos datam do século VI, e são geralmente pequenas obras depoesia lírica, que abordam questões de carácter religioso ou naturalista. Eram muitas vezes compostas por escribas, à margem dos manuscritos iluminadosque eles próprios copiaram. Na Irlanda nasceram escritores como Jonathan Swift, Brendan Behan, Douglas Hyde, Flann O'Brien, Sheridan Le Fanu, Sean O'Casey, George Berkeley,James Joyce, George Bernard Shaw, Richard Brinsley Sheridan, Oliver Goldsmith, Oscar Wilde, Bram Stoker, W. B. Yeats, Samuel Beckett, Seamus Heaney,Herminie T. Kavanagh, Eoin Colfer, C. S. Lewis, Marian Keyes, entre outros. Cinema[editar] Existem várias figuras internacionais naturais da Irlanda e que têm triunfado em Hollywood: Maureen O'Hara, Barry Fitzgerald, George Brent, Arthur ShieldsMaureen O'Sullivan, Richard Harris, Peter O'Toole, Pierce Brosnan, Gabriel Byrne, Brendan Gleeson, Daniel Day Lewis, Colm Meaney, Colin Farrell, Brenda Fricker, Jonathan Rhys Meyers, Stuart Townsend, Cillian Murphy, Liam Neeson e Evanna Lynch. Outros nomes, como Neil Jordan e Jim Sheridan, também se notabilizaram no mundo do cinema como directores de produção. Vários filmes foram filmados na Irlanda, tais como Braveheart, Excalibur, P.S. I Love You, El Rey Arturo: La verdadera historia que inspiró la leyenda, Saving Private Ryan e Ballykissangel.Também filmes relembram a história do país, como Michael Collins baseado na vida do revolucionário irlandês. Música[editar] U2, uma das mais famosas bandas irlandesas de todos os tempos. Os irlandeses interessam-se muito pela música tradicional irlandesa, mas também para a música do século XX, interpretada por Christy Moore, Pat Ingolsbhy, Shane MacGowan e Sinéad O'Connor.
    • Destaca-se também a banda de rock U2, The Cranberries, Snow Patrol, The Corrs, Bob Geldof, Gary Moore, Thin Lizzy, Horslips, Rory Gallagher, Westlife, Chris de Burgh, Van Morrison, entre muitos outros. De uma forma mais tradicional, a música interpretada por Enya, The Dubliners, Tara Blaise , The Chieftains e Celtic Woman, entre outros, além deJames Galway (flautista clássico). Mitologia[editar] Uma parte da mitologia do povo irlandês na narração arturiana com a princesa irlandesa Isolda de Irlanda (também conhecida como Isolda, a Justa eIsolda, a Bela), filha de Augusto e Isolda, a Rainha Mãe. É uma das principais personagens do poema Tristão de Béroul, Thomas da GrãBretanha eGottfried von Strassburg. Outra das lendas da mitologia da ilha é constituída pelo místico Leprechaun, um rico e sábio duende que caso seja apanhado, ele doa o seu ouro para ser libertado.64 Gastronomia[editar] Um litro de stout e uma fatia de pão commanteiga. Exemplos de alguns pratos típicos da cozinha irlandesa são o guisado irlandês, e também o toucinho com couve (cozidos juntos). O Boxty é um prato tradicional, que consiste num pastel feito de batata. Em Dublin é muito popular o coddle, que é feito com linguiça de porco cozida. A Irlanda é famosa pelo seu pequeno-almoço irlandês, que é servido principalmente com carne de porco e pode incluir batata frita. Uma das bebidas mais associadas á Irlanda é o Guinness, que é frequentemente servido em pub's, mas também é popular a Smithwicks. Esta é uma tradição irlandesa, de se tomar sidra, para além do Whiskey de malte e do café irlandês. Desde 1974, a Irlanda produziu um dos mais famosos licores, o Bailey's Irish Cream, que consiste numa mistura de natas com uísque irlandês, que alcoólicas atingem os 17% de volume.65 Desporto[editar]
    • Estádio Croke Park, sede da Associação Atlética Gaélica. O futebol é um dos desportos mais praticados e com o maior número de adeptos em toda a Irlanda e tem o seu próprio campeonato nacional, o Irish Football League. A Seleção Irlandesa de Futebol classificou-se em três ocasiões no Campeonato Mundial, obtendo o seu melhor resultado em 1990 onde foi eliminado nos quartos-de-final. Também tem um monte de adeptos de críquete, destacando a presença da equipa nacional na Copa do Mundo de Críquete de 2007 onde passou a primeira fase, eliminando o Paquistão. Outros desportos de alto perfil no país são o futebol gaélico, o hurling ou Camogie, que são parte integrante daGaelic Athletic Association. O rugby também é um dos desportos favoritos em que a sua equipa nacional tem conseguido se destacar em prestigiados torneios como o Torneio das Seis Nações. Também notável foi Dave Finlay, famoso lutador da WWE, o antigo campeão mundial de snooker, Ken Doherty, o primeiro campeão dos pesos pesados do boxe, John L. Sullivan, também o campeão do mundo do boxe, Barry McGuigan e Steve Collins ou o primeiro irlandês a vencer aTour de França, Stephen Roche. Além disso, é de salientar a ex-equipa da Fórmula 1, Jordan Grand Prix, que ganhou várias competições mundiais e a realização do Rally da Irlanda em 2007, que fazia parte do World Rally Championship, com uma afluência de público de aproximadamente 200.000 espectadores.66 Feriados[editar] Feriados Dia Nome na língua local Nome na língua portuguesa 1 de janeiro New Year's Day Ano Novo 17 de março St. Patrick's Day Dia de São Patrício Festa móvel Easter Monday Segunda-feira de Páscoa Festa móvel - primeira Segunda-feira de Maio May Day Dia do Trabalhador Festa móvel - primeira Segunda-feira de Junho June Bank Holiday Feriado de Junho Festa móvel - primeira Segunda-feira de Agosto August Bank Holiday Feriado de Agosto Festa móvel- última Segunda-feira de Outubro October Bank Holiday Feriado de Outubro 25 de dezembro Christmas Day Natal 26 de dezembro St. Stephen's Day Dia de Santo Estevão
    • o 2. Suécia Suécia, oficialmente Reino da Suécia, é um país nórdico, localizado na Península Escandinava na Europa Setentrional. Wikipédia Capital: Estocolmo Código de discagem: 46 Moeda: Coroa sueca Rei: Carlos XVI Gustavo da Suécia População: 9,517 milhões (2012) Banco Mundial Língua oficial: Língua sueca Pontos de interesse Liseberg Museu dos Abba Skansen Ericsson Globe Suécia Informações da Suécia, bandeira da Suécia, mapa da Suécia, moeda, cidades principais, população, idh, localização, dados, clima, informações geográficas, econômicas, políticas e culturais Bandeira da Suécia DADOS PRINCIPAIS: Área: 449.964 km² Capital: Estocolmo População: 9,1 milhões de habitantes (estimativa 2012) Moeda: Coroa Sueca Nome Oficial: Reino da Suécia Nacionalidade: sueca Data Nacional: 6 de junho (Dia da Bandeira). Governo: Monarquia parlamentarista
    • Brasão de armas da Suécia GEOGRAFIA: Localização: norte da Europa (Península da Escandinávia) Cidade Principais: Estocolmo, Gotemburgo, Malmö, Uppsala e Lidköping. Densidade Demográfica: 20 hab./km2 Fuso Horário: + 4h Clima: temperado frio DADOS CULTURAIS E SOCIAIS: Composição da População: suecos 92%, finlandeses e lapões 8% Idioma: sueco (oficial) Religião: cristianismo 89% (Igreja da Suécia 86,1%, católicos 1,9%, pentecostais 1%), outras religiões 11% IDH: 0,916 (Pnud 2012) - desenvolvimento humano muito alto Alfabetização: 99% ECONOMIA: Produtos Agrícolas: batata, beterraba, trigo e outros cereais. Pecuária: bovinos, suínos e aves. Mineração: minério de ferro, cobre, chumbo, zinco e urânio. Indústria: equipamentos de transporte, alimentícia, máquinas, papel e derivados, siderúrgica, produtos eletrônicos, química, telefonia. Renda per capita: US$ 41.700 (estimativa 2012) PIB: US$ 395,8 bilhões (estimativa 2012) RELAÇÕES INTERNACIONAIS: - Banco Mundial, FMI, OCDE, OMC, ONU e União Europeia. Suécia Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto. Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo. Encontre fontes: Google — notícias, livros, acadêmico — Scirus — Bing. Veja como referenciar e citar as fontes. Coordenadas: 61° 19' N 14° 50' E
    • Nota: Para o conceito histórico, veja Reino da Suécia (conceito histórico). Konungariket Sverige Reino da Suécia Bandeira Brasão de armas Lema: (Real) em sueco: För Sverige i tiden em português: Pela Suécia - Com os tempos Hino nacional: Du gamla, Du fria "Ó antiga, Ó livre" MENU 0:00 Hino real: Kungssången "Canção do Rei" Gentílico: Sueco(a) Localização da Suécia (em vermelho) No continente europeu (em cinza) Na União Europeia (em branco) Capital Estocolmo Cidade mais populosa Estocolmo Língua oficial Sueco Línguas minoritárias:finlandês, meänkieli,sami ou lapão, romani,iídiche 59° 21′N 18° 4′E
    • Governo - Monarca - Primeiroministro - Presidente do Parlamento Formação - Consolidação Entrada na UE Área - Total - Água (%) Fronteira População - Estimativa de 2011 - Censo 1990 - Densidade Monarquia constitucional Carlos XVI Gustavo Fredrik Reinfeldt Per Westerberg Pré-histórica 1 de janeiro de 1995 449 964 km² (55.º) 8,7 Finlândia e Noruega 9 415 295 hab. (88.º) 8 587 353 hab. 20 hab./km² (194.º) PIB (base PPC) - Total - Per capita Estimativa de 2006 US$ 336 bilhões * (35.º) US$ 34 735 (14.º) IDH (2012) 0,916 (7.º) – muito elevado1 Gini (2005) 23 Moeda Coroa Sueca (SEK) Fuso horário CET (UTC+1) - Verão (DST) CEST (UTC+2) Clima Continental Org. internacionais EFTA, OCDE, UE Cód. ISO SWE Cód. Internet .se Cód. telef. +46 Website governamental Governo sueco
    • Suécia (em sueco: Sverige), oficialmente Reino da Suécia (em sueco: Konungariket Sverige), é um país nórdico, localizado naPenínsula Escandinava na Europa Setentrional. A Suécia divide fronteiras terrestres com a Noruega, a oeste, e com a Finlândia, a nordeste, além de estar ligada à Dinamarca através da Ponte do Øresund, no sul. Com 450 295 km², a Suécia é o terceiro maior país da União Europeia em termos de área e possui uma população total de cerca de 9,2 milhões de habitantes. A Suécia tem uma baixa densidade populacional, com cerca de 21 habitantes por quilômetro quadrado, mas com uma densidade consideravelmente maior na metade sul do país. Cerca de 85% da população vive em áreas urbanas. A capital e maiorcidade da Suécia é Estocolmo (com uma população de 1,3 milhões na área urbana e de 2 milhões na área metropolitana), centro do poder político e econômico do país. A Suécia é membro fundador da ONU, da União Europeia desde 1 de janeiro de 1995, e da OCDE. A Suécia é uma monarquia constitucional com um sistema parlamentar de governo e é uma economia altamente desenvolvida e diversificada. O país ocupa o quarto lugar do mundo no Índice de democracia, depois da Islândia, da Dinamarca e da Noruega, segundo a prestigiada revista inglesa "The Economist". O país ainda é considerado um dos mais socialmente justos da atualidade, apresentando um dos mais baixos níveis de desigualdade de renda do mundo2 . Isso se reflete no fato da Suécia estar, desde que a ONU começou a calcular o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de seus membros na década de 1980, entre os mais bem colocados países do mundo de acordo com o indicador.
    • A Suécia emergiu como um país independente e unificado durante a Idade Média. No século XVII o país expandiu seus territórios para formar o Império Sueco. A maior parte dos territórios conquistados fora da Península Escandinava foram perdidos durante os séculos XVIII e XIX. A metade oriental da Suécia, o que hoje é a Finlândia, foi perdida para a Rússia em 1809. A última guerra na qual a Suécia esteve diretamente envolvida foi em 1814, quando a Suécia forçou por meios militares a Noruega a se juntar ao país e criar o Reino da Suécia e Noruega, uma união que durou até 1905. Desde então, a Suécia ficou em paz, com a adoção de uma política externa nãoalinhada em tempos de paz e de neutralidade em tempo de guerra.3 Índice [esconder] 1 História o 1.1 História recente 2 Geografia o 2.1 Clima 3 Demografia o 3.1 Religião o 3.2 Idiomas 4 Política 5 Subdivisões 6 Economia 7 Infraestrutura o 7.1 Ciência e tecnologia o 7.2 Transporte e energia o 7.3 Educação 8 Cultura o 8.1 Música o 8.2 Esporte 9 Feriados 10 Ver também 11 Referências o 11.1 Bibliografia 12 Ligações externas História[editar] Ver artigo principal: História da Suécia
    • O Império Sueco após o Tratado de Roskilde de 1658. Suécia atual Condado de Kexholm Ingria sueca Estônia sueca Livônia Domínios alemães Scania, Gotland, Bohuslän Trondheim Härjedalen Descobertas arqueológicas comprovam que a área hoje compreendida como Suécia já era povoada durante a Idade da Pedra, quando o gelo resultante da última glaciação recuou. Aparentemente, os primeiros habitantes eram povos caçadores e coletores que viviam da pesca no Mar Báltico. Algumas evidências apontam que o sul da Suécia era densamente povoado durante a Idade do Bronze, pois foram encontradas ruínas de grandes comunidades comerciais. Durante os séculos IX e X, a cultura viking prosperou na Suécia, com o comércio. A invasão dirigiuse em primeiro lugar para o oriente, na direção dos Estados Bálticos, Rússia e do Mar Negro. Em 1389, os três estados escandinavos (Noruega, Suécia e Dinamarca) estavam unidos sob um único monarca. A União de Kalmar começou como uma união pessoal, não política e quando, no século XV, se tentou centralizar o poder no rei dinamarquês, a Suécia resistiu chegando mesmo a uma rebelião armada. A Suécia separou-se em 1523, quando Gustav Eriksson Vasa, conhecido mais tarde por Gustavo I da Suécia restabeleceu a separação da Coroa Sueca da união.
    • No século XVII viu-se a Suécia tornar-se uma das principais potências europeias, devido ao sucesso da participação na Guerra dos 30 anos, iniciada pelo Rei Gustavus Adolphus. Esta posição iria desmoronar-se no século XVIII, quando a Rússia conquistou os reinos da Europa do norte na Grande Guerra do Norte e, finalmente, quando em 1809 houve a separação da parte oriental da Suécia, criando-se assim a Finlândia, como um grão-ducado russo. História recente[editar] A história recente sueca tem sido pacífica, pois a última guerra foi a Campanha Contra a Noruega (1814), que estabeleceu uma união dominada pela Suécia. Esta união dissolveu-se pacificamente em 1905, apesar de ameaças de guerra. A Suécia foi um país neutro durante aPrimeira e a Segunda Guerra Mundial (com uma pequena exceção, a Guerra de Inverno). Continuou a não se posicionar durante a Guerra Fria e hoje não faz parte de nenhuma aliança militar embora tenha participado de treinos militares da OTAN. O estouro da bolha imobiliária causada pela oferta excessiva de crédito, combinados com uma recessão internacional e uma mudança das políticas de antidesemprego às de políticas antiinflacionárias resultaram em uma crise fiscal no início dos anos 1990.4 O PIB da Suécia diminuiu cerca de 5%. Em 1992, houve uma desvalorização da moeda.5 6 A resposta do governo foi cortar gastos e instituir uma série de reformas para melhorar a competitividade da Suécia, entre elas a redução do Estado de bem-estar social e a privatização dos serviços e bens públicos. Grande parte do poder político promoveu a adesão à União Europeia e um referendo aprovou a adesão à UE, com 52% de votos favoráveis, em 13 de novembro de 1994. A Suécia aderiu à União Europeia em 1 de janeiro de 1995. A Suécia continua a ser um país não-alinhado militarmente, ainda que participe de alguns exercícios militares conjuntos com a OTAN e alguns outros países, além de uma ampla cooperação com outros países europeus na área da tecnologia de defesa e da indústria de defesa. As empresas suecas exportam armas que foram usadas pelos militares dos Estados Unidos no Iraque.7 A Suécia também tem uma longa história de participação em operações militares internacionais, incluindo, mais recentemente, o Afeganistão, onde tropas suecas estão sob comando da OTAN, e nas operações de paz patrocinadas pela UE no protetorado da ONU no Kosovo, Bósnia e Herzegovina e Chipre. A Suécia teve a presidência da União Europeia entre 1 de julho a 31 de dezembro de 2009. Geografia[editar] Ver artigo principal: Geografia da Suécia
    • Vista do Parque Nacional Stora Sjöfallet. Apesar da sua latitude setentrional, grande parte da Suécia beneficia de um clima temperado, principalmente devido à influência da corrente do Golfo. No sul da Suécia, árvores de folha larga são prolíficas, e no norte são os pinheiros e os vidoeiros que dominam a paisagem. Nas montanhas do norte da Suécia, predomina um clima subártico. A norte do Círculo Polar Ártico, o Sol nunca se põe durante o verão, e no inverno a noite não tem fim. A leste da Suécia, estendem-se o mar Báltico e o golfo de Bótnia, o que dá ao país uma longa linha de costa e contribui para suavizar ainda mais o clima. A oeste ergue-se a cadeia montanhosa da Escandinávia, que separa a Suécia da Noruega. A parte sul do país é em boa parte ocupada pela agricultura, com as florestas cobrindo uma percentagem maior do terreno à medida que se avança para o norte. A densidade populacional também é mais elevada no sul da Suécia, com centros no vale do lago Mälaren e na região de Öresund.Gotland e Öland são as duas maiores ilhas da Suécia. A Suécia é geralmente plana a sul e leste, e o seu ponto mais alto é o monte Kebnekaise, no município de Kiruna (2117 m de altitude). Clima[editar] A maior parte da Suécia tem um clima temperado, apesar de sua latitude norte, com quatro estações distintas e temperaturas amenas durante todo o ano. O país pode ser dividido em três tipos de clima; a parte mais ao sul tem um clima oceânico, a parte central tem um clima continental úmido e a parte norte tem um clima sub-ártico. No entanto, a Suécia é muito mais quente e seca do que outros lugares situados em uma latitude similar, e até mesmo um pouco mais ao sul, principalmente devido à Corrente do Golfo.8 9 Por exemplo, a Suécia central e meridional teminvernos muito mais quentes do que muitas partes da Rússia, Canadá e norte dos Estados Unidos.10 Por causa de sua alta latitude, a duração do dia varia muito. No norte do Círculo Polar Ártico, o sol nunca se põe em parte de cada verão e ele nunca nasce em parte de cada inverno. Na capital, Estocolmo, o dia dura mais de 18 horas no final de junho, mas apenas cerca de seis horas no final de dezembro. A Suécia recebe entre 1.100 a 1.900 horas de sol por ano.11 12 As temperaturas variam de norte a sul. As partes sul e central do país tem verões quentes e invernos frios, com temperaturas médias elevadas de 20 a 25 °C13 e baixas de 12 a 15 °C14 no verão
    • e temperatura média de -4 a 2 °C no inverno,15 enquanto a parte norte do país tem verões mais curtos e frios e invernos mais longos, mais frios e com neve, com temperaturas que, muitas vezes abaixo de zero de setembro a maio.16 17 Ocasionais ondas de calor podem ocorrer algumas vezes por ano e temperaturas acima de 30 °C ocorrem em vários dias durante o Verão, por vezes mesmo no norte. A temperatura mais alta já registrada na Suécia foi de 38 °C em Malilla em 1947, enquanto a temperatura mais baixa já registrada foi de -52,6 °C em Vuoggatjålme em 1966.1819 Em média, a maior parte da Suécia recebe entre 500 e 800 mm (20 e 31) de precipitação por ano, tornando-se consideravelmente mais seca do que a média global. A parte sudoeste do país recebe mais precipitação, entre 1000 e 1200 mm e algumas zonas de montanha no norte do país estão estimadas para receber até 2.000 mm. A neve ocorre principalmente entre dezembro e março no sul da Suécia, de novembro até abril no centro da Suécia e de outubro a maio no norte da Suécia. Apesar do norte, sul e centro da Suécia tenderem a ser praticamente livres de neve em alguns invernos.20 21 Panorama dos Alpes Escandinavos. Demografia[editar] Ver artigo principal: Demografia da Suécia Evolução demográfica da população sueca entre 1965 e 2005. Em 2008 a população total estimada da Suécia era de 9 234 209 habitantes.22 A população superou os 9 milhões de habitantes pela primeira vez aproximadamente em 12 de agosto de 2004 de acordo com o Instituto Nacional de Estatística da Suécia.
    • A densidade populacional é de apenas 20,6 habitantes por km² e é substancialmente mais elevada no sul e que no norte. Cerca de 85% da população vive em áreas urbanas. A capital Estocolmo tem uma população de aproximadamente 800 000 (com 1,3 milhões na área urbana e 2 milhões na área metropolitana). A segunda e terceira maiores cidades são Gotemburgo e Malmö. Além dos suecos, os finlandeses são a maior das minorias da Suécia, principalmente próximo à fronteira com a Finlândia. Outra importante minoria são os lapões, também chamados sami. O sueco é desde julho de 2009 a língua oficial da Suécia, sendo falado pela maioria da população. As línguas sami, finlandesa, iídiche, romani emeänkieli são oficiais em algumas regiões. ver • editar Cidades mais populosas do Suécia Censo 201123 Posiçã o Localidad e Pop . 1 Estocolmo 1 372 565 2 Gotemburgo 549 839 3 Malmö 280 415 4 Uppsala 140 454 5 Västerås 110 877 6 Örebro 107 038 7 Linköping 104 232 8 Helsingborg 97 122 9 Jönköping 89 396 10 Norrköping 87 247 Estocolmo Gotemburgo Malmö Religião[editar] Ver artigo principal: Religião na Suécia Uppsala
    • Catedral de Uppsala. Até 1 de janeiro de 2000 a Igreja foi parte do Estado na Suécia, por isso, até essa data todos os suecos eram considerados membros da igreja luterana oficial. Em 2012, cerca de 67,5% da população do país, oficialmente, ainda pertencia a Igreja Luterana Sueca24 , uma igreja protestante com adaptações suecas. Cerca de 16% da população sueca é religiosa, apesar da religião ser absolutamente livre e de haver ensino sobre religião (todas) nas escolas. Os católicosrepresentam cerca de 1,9% e os cristãos evangélicos pentecostais, cerca de 1%. Outras religiões (islamismo, judaísmo, igreja ortodoxa e outras), somadas, dão cerca de 11%. A Suécia ocupa o primeiro lugar no ranking dos países com maior número de pessoas ateias, com mais de 84%.25 O santo padroeiro da Suécia é o lendário rei Santo Érico, comemorado em 18 de maio26 . Idiomas[editar] A língua oficial da Suécia é o sueco,27 28 uma língua germânica setentrional relacionada e muito semelhante ao dinamarquês e ao norueguês, mas diferente destes na pronúncia e na ortografia. Os noruegueses têm pouca dificuldade em compreender os suecos e os dinamarqueses também podem compreendê-los, com dificuldade um pouco maior do que a dos noruegueses. Os dialetos falados na Escânia, a maior parte do sul do país, são influenciados pelo dinamarquês porque a região, tradicionalmente, era uma parte da Dinamarca e, hoje, é situada perto desse país. Os sueco-finlandeses são a maior minoria linguística da Suécia, compreendendo cerca de cinco por cento da população do país,29 sendo o finlandês reconhecido como uma língua minoritária.28 Além do finlandês, quatro outras línguas minoritárias também são reconhecidas: meänkieli, sami, romani e iídiche. O sueco tornou-se a língua oficial da Suécia em 1 de julho de 2009, quando uma nova lei sobre linguagem foi implementada.28 A questão do sueco ser
    • declarado o idioma oficial tem sido levantada há vários anos e o parlamento votou o assunto em 2005, mas a proposta por pouco não foi aprovada.30 Em graus variados, dependendo, em grande parte, da frequência de interação com o inglês, a maioria dos suecos, especialmente os nascidos após a Segunda Guerra Mundial, compreendem e falam o inglês, devido às ligações de comércio, à popularidade das viagens ao exterior, à forte influência anglo-estadunidense, à tradição da legendagem ao invés da dublagem dos programas de televisão e filmes estrangeiros e à semelhança relativa das duas línguas, a qual torna o aprendizado do inglês mais fácil. O inglês tornou-se uma disciplina obrigatória para alunos do ensino secundário que estudavam ciências naturais em 1849 e tem sido uma matéria obrigatória para todos os estudantes suecos desde 1940.31 Política[editar] Ver artigo principal: Política da Suécia O Riksdag, em Estocolmo, é a sede doParlamento da Suécia. A Suécia é uma monarquia constitucional, onde o rei Carlos XVI Gustavo é o chefe de Estado, porém com poderes limitados a funções oficiais e cerimoniais.32 A Economist Intelligence Unit, embora reconhecendo que a democracia é algo complexo de ser medido, classificou a Suécia no primeiro lugar do Índice de Democracia, entre 167 países.33 O principal órgão legislativo da nação é o Riksdag (Parlamento da Suécia), com 349 membros que escolhem o primeiro-ministro do país. As eleições legislativas são realizadas a cada quatro anos, no terceiro domingo de setembro. Constitucionalmente, o Riksdag (Parlamento) detém a autoridade suprema na Suécia moderna. O Riksdag é responsável pela escolha do primeiro-ministro, que depois designa o governo (ministros). O poder legislativo é exercido apenas pelo Riksdag. O poder executivo é exercido pelo governo, enquanto o judiciário é independente. A Suécia não tem controle de constitucionalidade. Atos dos decretos do parlamento e do governo podem ser inaplicáveis a todos os níveis se forem manifestamente contra a lei constitucional. No entanto, devido às restrições a esta forma de controle de constitucionalidade e de um judiciário fraco, teve poucas consequências práticas.
    • Carlos XVI Gustavo da Suécia, o Rei da Suécia e chefe de Estado cerimonial. O Partido Operário Social-Democrata da Suécia tem desempenhado um papel de liderança política desde 1917, depois dos reformistas confirmarem a sua força e dos revolucionários abandonarem o partido. Após 1932, os gabinetes foram dominados pelos social-democratas. Apenas quatro eleições gerais (1976, 1979, 1991 e 2006) deram cadeiras suficientes no Parlamento ao bloco de centrodireita para formar um governo. No entanto, o fraco desempenho econômico desde o início da década de 1970 e, especialmente, na crise no início dos anos 1990, forçaram a Suécia a reformar seu sistema político para se tornar mais parecido com o de outros países europeus. Na eleição geral de 2006 o Partido Moderado, aliado ao Partido do Centro, Partido Popular e aos Democratas Cristãos, com uma plataforma política comum, ganhou a maioria dos votos. Juntos, eles formaram um governo de maioria, sob a liderança do líder do Partido Moderado, Fredrik Reinfeldt. A eleição em setembro 2010 viu a primeira penetração dos Democratas da Suécia no Riksdag. Nesta eleição os Moderados ganharam pelo menos 10 assentos, mas os outros partidos no bloco conservador recuaram, como também aconteceu com os social-democratas, perdendo 17 cadeiras. Tanto o Bloco Conservador e do Bloco Socialista recusaram-se a formar uma coalizão, incluindo os Democratas da Suécia.34 Palácio de Estocolmo, a sede oficial do rei da Suécia. O comparecimento nas eleições suecas sempre foi alto em comparação com outros países, embora tenha diminuído nas últimas décadas e atualmente esteja em torno de 80% (80,11 em 2002 e 81,99% em 2006). Os políticos suecos gozavam de um elevado grau de confiança dos cidadãos na década de 1960, mas, desde então, isso tem diminuído de forma constante e o país tem um nível muito baixo de confiança em relação aos seus vizinhos escandinavos.35
    • Alguns políticos suecos se tornaram conhecidos em todo o mundo, como Raoul Wallenberg, Folke Bernadotte, o ex-Secretário Geral das Nações Unidas Dag Hammarskjöld, o ex-primeiroministro Olof Palme, o ex-primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores Carl Bildt, exPresidente daAssembleia Geral das Nações Unidas Jan Eliasson, e o ex-inspetor do Iraque da Agência Internacional de Energia Atômica Hans Blix. Subdivisões[editar] Ver artigo principal: Condados da Suécia Ver artigo principal: Províncias da Suécia Ver artigo principal: Regiões históricas da Suécia As subdivisões da Suécia. A Suécia é dividida em três grandes regiões históricas, a Götaland, ao sul, englobando a cidade de Gotemburgo, a Svealand, na parte central, que engloba Estocolmo e a Norrland, que fica ao norte. Cada uma dessas três partes é subdividida em regiões menores chamadas landskap províncias históricas. As landskap não têm mais significado administrativo, sendo apenas um termo histórico. Atualmente, os län - províncias administrativas modernas, também designadas de condados - são os equivalentes ao landskap e com significado administrativo aproximado dos antigos landskap. A Suécia está dividida em 21 condados (län, em sueco), que são os seguintes (a letra denota posição no mapa): Blekinge (K) Dalarna (W) Estocolmo (AB) Gotland (I)
    • Gävleborg (X) Halland (N) Jämtland (Z) Jönköping (F) Kalmar (H) Kronoberg (G) Norrbotten (BD) Skåne (M) Södermanland (D) Uppsala (C) Värmland (S) Västerbotten (AC) Västernorrland (Y) Västmanland (U) Västra Götaland (O) Örebro (T) Östergötland (E) Economia[editar] Ver artigo principal: Economia da Suécia Arranha-céu Turning Torso, na cidade sueca de Malmö. A Suécia é uma economia mista orientada para a exportação com um sistema de distribuição moderno, excelente comunicação interna e externa e uma força de trabalho qualificada. Hidrelétricas, madeira e minério de ferro constituem a base de recursos de uma economia fortemente orientada para o comércio exterior. O setor de engenharia da Suécia responde por 50% da produção e das exportações. As indústrias de telecomunicações,
    • automobilística e farmacêuticas também são de grande importância para a economia do país. A agricultura representa 2% do PIB e do emprego. Em termos de estrutura, a economia sueca é caracterizada por uma grande indústria transformadora intensiva em conhecimento e orientada para a exportação, um crescente, mas relativamente pequeno, setor de serviços de negócios, e, pelas normas internacionais, um grande setor de serviço público. Grandes organizações, tanto em manufatura quanto em serviços, dominam a economia da Suécia.36 As 20 maiores (por volume de negócios em 2007) empresas registradas na Suécia são a Volvo, Ericsson, Vattenfall, Skanska, Sony Ericsson Mobile Communications AB, Svenska Cellulosa Aktiebolaget, Electrolux, IKEA, Volvo Personvagnar, TeliaSonera, Sandvik, Scania, ICA, Hennes & Mauritz, Nordea,Preem, Atlas Copco, Securitas, Nordstjernan e SKF.37 A indústria sueca está, na sua esmagadora maioria, sob controle privado, ao contrário de outros países ocidentais industrializados, como a Áustria e a Itália, onde as empresas públicas têm tradicionalmente maior importância. Cerca de 4,5 milhões de habitantes do país estão trabalhando, dos quais cerca de um terço possui ensino superior. O PIB por hora trabalhada é o 9º mais alto do mundo, sendo de 31 dólares em 2006, comparado aos 22 de dólares na Espanha e 35 dólares nos Estados Unidos.38 O PIB por hora trabalhada tem um crescimento de 2½ por cento ao ano para a economia como um todo e o crescimento da produtividade do comércio é de 2%.38 Segundo a OCDE, adesregulamentação, a globalização e o crescimento do setor de tecnologia foram os condutores de produtividade.38 A Suécia é líder mundial em pensões privatizadas e os problemas de fundos de pensões são relativamente pequenos em comparação com os de outros países da Europa Ocidental.39 Sede da Ericsson fora de Estocolmo. Um típico trabalhador sueco recebe 40% de sua renda após os descontos feitos pelos impostos. A carga tributária, que teve um pequeno declínio total, 51,1% do PIB em 2007, ainda é quase o dobro da dos Estados Unidos ou da Irlanda. A quota de empregos financiados através dos montantes deimposto de renda respondem por um terço da força de trabalho sueca, uma proporção
    • bastante maior que na maioria dos outros países. Globalmente, o crescimento econômico tem ocorrido desde as reformas no início dos anos 1990, especialmente no setor industrial.40 O Fórum Econômico Mundial classificou a Suécia como a 4ª economia mais competitiva do mundo no Índice de Competitividade Global de 2009-2010.41 No Índice de Competitividade Global de 20102011, a Suécia subiu duas posições e ocupa agora o segundo lugar no mundo.42 O país é classificado em 6º lugar no Anuário de Competitividade IMD de 2009, alta pontuação em termos de eficiência do setor privado.43 Segundo o livro, "The Flight of the Creative Class", pelo economista estadunidense, Professor Richard Florida, da Universidade de Toronto, a Suécia é classificada como tendo a melhor da criatividade na Europa para os negócios e está prevista para se tornar um "ímã" talentos para a maioria dos trabalhadores mais significativos do mundo. O livro elaborou um índice para medir o tipo de criatividade que alega ser mais útil ao talento nos negócios, tecnologia etolerância.44 A Suécia mantém a sua própria moeda, a coroa sueca (SEK), resultado da rejeição dos suecos ao euro em um referendo. O Riksbank sueco (banco central) - fundado em 1668, o que o torna o mais antigo banco central do mundo - está concentrado na estabilidade de preços com uma meta de inflação de 2%. De acordo com a Economic Survey of Sweden 2007 pela OCDE, a inflação média na Suécia foi uma das mais baixas entre os países europeus desde meados da década de 1990, principalmente por causa da desregulamentação e utilização rápida da globalização. 38 Os fluxos de comércio são maiores com a Alemanha, Estados Unidos, Noruega, Reino Unido, Dinamarca e Finlândia. Infraestrutura[editar] Ciência e tecnologia[editar] Alfred Nobel, inventor da dinamite e instituidor do Prêmio Nobel.
    • Sendo um país industrial avançado, a pesquisa e desenvolvimento desempenha um papel fundamental para o crescimento econômico, bem como para a sociedade em geral. Ao todo, os setores privado e público na Suécia investem cerca de 4% do PIB à pesquisa e desenvolvimento (P&D) por ano, o que torna a Suécia um dos países que mais investem em P&D em termos de percentagem do PIB. O padrão de pesquisa sueco é alto e o país é líder mundial em diversos campos. A Suécia lidera a Europa em estatísticas comparativas em termos de investimentos em pesquisa como em percentagem do PIB, bem como no número de trabalhos e publicações científicas per capita.45 No século XVIII a revolução científica da Suécia decolou. Anteriormente, o progresso técnico vinha principalmente da Europa continental. Em 1739, aAcademia Real das Ciências da Suécia foi fundada, com pessoas como Carolus Linnaeus e Anders Celsius como membros iniciais. A partir da década de 1870, foram criadas empresas de engenharia a um nível incomparável e engenheiros tornaram-se heróis da época. Muitas das empresas fundadas pelos pioneiros ainda permanecem como grandes marcas internacionais. Gustaf Dalén fundou a AGA e recebeu o Prêmio Nobel por sua válvula solar.Alfred Nobel inventou a dinamite e instituiu o Prêmio Nobel. Lars Magnus Ericsson começou a empresa que leva o seu nome, a Ericsson, sendo ainda uma das maiores empresas de telecomunicações do mundo. Jonas Wenström foi um dos pioneiros em corrente alternada e é, juntamente com o inventor sérvio Nikola Tesla creditado como um dos inventores do sistema trifásico.46 A indústria da engenharia tradicional ainda é a principal fonte das invenções suecas, mas as indústrias farmacêutica, eletrônica e outras de alta tecnologia estão ganhando terreno. A Tetra Pak foi uma invenção para armazenar alimentos líquidos, inventado por Erik Wallenberg. O Losec, um medicamento para úlcera, foi a droga mais vendida do mundo na década de 1990 e foi desenvolvida pela AstraZeneca. Mais recentemente Håkan Lansinventou o Sistema de Identificação Automática, um padrão mundial para o transporte naval e para a aviação civil. Uma grande parte da economia sueca é hoje baseada na exportação de invenções técnicas e muitas das grandes multinacionais da Suécia têm suas origens na engenhosidade dos inventores suecos.46 Os inventores suecos detinham um total de 33 523 patentes nos Estados Unidos em 2007, de acordo com o United States Patent and Trademark Office. Como uma nação, apenas outros dez países detêm mais patentes do que a Suécia.47 Transporte e energia[editar]
    • Trem urbano em Estocolmo. O mercado de energia da Suécia é em grande parte privatizado. Em 2006, com uma produção total de electricidade de 139 TWh, a eletricidade produzida em hidrelétricas respondiam por 61 TWh (44%) e a energia nuclear por 65 TWh (47%). Ao mesmo tempo, o uso dos biocombustíveis, turfa, etc, produziram 13 TWh (9%) de energia elétrica, enquanto a energia eólica produziu 1 TWh (1%). A Suécia é um importador líquido de eletricidade por uma margem de 6 TWh.48 A biomassa é usada principalmente para produzir calor para calefação e processos industriais. Ao mesmo tempo, a Suécia propôs o banimento de automóveis movidos a gasolina e outros combustíveis fósseis, até 2025.49 A crise do petróleo de 1973 fortaleceu o compromisso da Suécia em reduzir a dependência de combustíveis fósseis importados. Desde então, a eletricidade foi gerada principalmente a partir de hidrelétricas e energia nuclear. No entanto, o uso da energia nuclear tem sido limitado. Entre outras fatores, o acidente da usina nuclear Three Mile Island nos Estados Unidos levou o parlamento sueco a proibir novas usinas nucleares. Em março de2005, uma sondagem mostrou que 83% da população apoiava a manutenção ou o aumento de energia nuclear.50 Os políticos fizeram anúncios do Programa de Independência do Petróleo na Suécia, a diminuição do uso da energia nuclear e investimentos multi-bilionários em energias renováveis eeficiência energética.51 52 O país, durante muitos anos, prosseguiu com uma estratégia de impostos indiretos, como instrumento de política ambiental, incluindo impostos sobre a energia em geral e sobre o dióxido de carbono em particular.51 A Ponte do Øresund entre Malmö e Copenhague(Dinamarca). A Suécia tem 162 707 km de estradas pavimentadas e 1 428 km de vias expressas. Autoestradas atravessam a Suécia, a Dinamarca e sobre a Ponte de Öresund para Estocolmo, Gotemburgo, Uppsala e Uddevalla. O sistema de auto-estradas ainda está em construção e uma nova auto-estrada de Uppsala até Gävle foi concluída em 17 de outubro de 2007. A Suécia tinha o sentido de circulação do lado esquerdo do tráfego (Vänstertrafik em sueco) desde cerca de 1736 e continuou a fazê-lo até ao século XX. Os eleitores rejeitaram a circulação pela direita em 1955, mas, depois da legislação aprovada em 1963 pelo Riksdag, a mudança ocorreu em 1967, evento conhecido na Suécia como Dagen H.
    • O mercado do transporte ferroviário é privatizado, mas enquanto há muitas empresas privadas, muitas operadoras ainda são do Estado ou dos municípios. Os operadores incluem a SJ, Veolia Transport, Grupo Connex, Green Cargo, Tågkompaniet, Inlandsbanan e várias empresas regionais. A maioria das estradas de ferro são de propriedade e operadas pela Banverket. Os maiores aeroportos incluem o Aeroporto de Estocolmo-Arlanda (17,91 milhões de passageiros em 2007), 40 km ao norte de Estocolmo, o Aeroporto de Gotemburgo-Landvetter (4,3 milhões de passageiros em 2006) e o Aeroporto de Estocolmo-Skavsta (2,0 milhões de passageiros). A Suécia abriga os maiores portos privados da Escandinávia, o Porto de Göteborg AB (Gotemburgo) e o Porto Copenhague Malmö AB. Educação[editar] Universidade de Uppsala, fundada em 1477. Crianças de 1-5 anos de idade têm lugar garantido em uma creche pública (em sueco: förskola ou, coloquialmente, dagis). Entre as idades de 6 e 16, as crianças frequentam a escola obrigatória. No Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), os alunos suecos de 15 anos de idade têm pontuação próxima da média da OCDE.53 Depois de completar o 9º ano, cerca de 90% dos alunos continuam os estudos em um ensino secundário (ginásio) de três anos de duração, o que pode levar a um trabalho de qualificação ou a elegibilidade de entrada para a universidade. O sistema escolar é em grande parte financiado pelos impostos. O governo sueco trata escolas públicas e privadas igualmente,54 através da introdução da verificação do ensino em 1992 como um dos primeiros países do mundo, depois dos Países Baixos. Qualquer pessoa pode estabelecer uma escola sem fins lucrativos e o município deve pagar às novas escolas a mesma quantidade das escolas municipais. A merenda escolar é gratuita para todos os alunos na Suécia e normalmente inclui um ou dois tipos diferentes de pratos quentes, uma refeição vegetariana, buffet de saladas, frutas, leite, pão e água. Existem várias universidades e faculdades na Suécia, das quais as mais antigas e maiores se situam em Uppsala, Lund, Gotemburgo e Estocolmo. Apenas alguns países, como Canadá, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul têm níveis mais elevados de diplomados no ensino superior.[carece de
    • fontes] Juntamente com vários outros países europeus, o governo também subsidia mensalidades de estudantes internacionais buscando um diploma em instituições suecas, embora uma recente lei aprovada no Parlamento sueco vá limitar essa subvenção aos estudantes dos países do Espaço Econômico Europeu e da Suíça.55 Cultura[editar] Ver artigo principal: Cultura da Suécia Casa rural tradicional sueca. A Suécia tem muitos autores de reconhecimento mundial, incluindo August Strindberg, Astrid Lindgren e os Prêmio Nobel Selma Lagerlöf e Harry Martinson. No total, sete Prêmios Nobel de Literatura foram dados a suecos. Os artistas mais conhecidos do país são pintores como Carl Larsson eAnders Zorn, e os escultores Tobias Sergel e Carl Milles. A cultura sueca do século XX é notável pelos trabalhos pioneiros de Mauritz Stiller e Victor Sjöström nos primórdios do cinema. No período entre as décadas de 1920 e 1980, o cineasta Ingmar Bergman e as atrizes Greta Garbo e Ingrid Bergman tornaram-se pessoas internacionalmente notáveis dentro do cinema. Mais recentemente, os filmes de Lukas Moodysson e Lasse Hallström têm recebido reconhecimento internacional. Ao longo dos anos 1960 e 1970, a Suécia foi vista como um país líder internacional no que hoje é conhecido como a "revolução sexual", sendo aigualdade entre gêneros particularmente promovida.56 Atualmente, o número de pessoas solteiras no país é um dos mais altos do mundo. O primeiro filme sueco I Am Curious (Yellow) (1967) refletiu uma visão liberal da sexualidade, incluindo cenas de sexo que chamaram a atenção internacional e introduziram o conceito do "pecado sueco". A Suécia tornou-se também muito liberal em relação à homossexualidade, como se reflete na aceitação popular de filmes como Amigas de Colégio, sobre duas jovens lésbicas na pequena cidade sueca de Åmål. Desde 1 de maio de 2009, a Suécia revogou suas leis de "parceria registrada", substituindo-as pelo casamento entre pessoas do mesmo sexo.57 A Suécia também oferece parcerias domésticas tanto para pessoas do mesmo sexo quanto para casais do sexo oposto. A coabitação (sammanboende) por casais de todas as idades, inclusive adolescentes, bem
    • como casais de idosos, é generalizada. Recentemente, a Suécia está experimentando um "baby boom".58 Música[editar] Agnetha Fältskog, da bandaABBA, cantando em 1977. A cultura da Suécia do século XX destaca-se pelos trabalhos de atores como Greta Garbo, Ingrid Bergman, Dolph Lundgren e Anita Ekberg e Alexander Skarsgård. A literatura da Suécia é também vibrante e ativa, sendo a Suécia o terceiro país com maior número de vencedores de Prêmio Nobel na literatura. O teatro sueco tem um dos maiores nomes da dramaturgia, de todos os tempos, August Strindberg. Os ABBA foi uma das primeiras bandas de música pop da Suécia que foi conhecida internacionalmente, e ainda está entre as bandas mais proeminentes do mundo, com cerca de 370 milhões de discos vendidos, se tornando a segunda maior banda do mundo e o grupo que fez mais sucesso nos anos 197059 60 . Com o ABBA, a Suécia entrou em uma nova era, em que a música pop sueca ganhou destaque internacional. O heavy metal é um género musical que se tornou muito popular durante a década de 1980 e 1990, destacando-se o sub-gênero death metal. As principais bandas são Hammerfall, Ghost (banda), Opeth, In Flames, Dark Tranquillity, Evergrey, Soilwork, At The Gates, Meshuggah, Amon Amarth, Candlemass,Bathory e Arch Enemy61 . No pop destacam-se Marie Fredriksson e Per Gessle (do Roxette) e Carola. No jazz vocal o grande nome é a cantora Monica Zetterlund.[parcial] Esporte[editar] A Suécia já sediou os Jogos Olímpicos de Verão de 1912, em Estocolmo; e as provas de hipismo dos Jogos Olímpicos de Verão de 1956, realizados emMelbourne, Austrália.62 Nos Jogos Olímpicos de Verão, até 2008 a Suécia conquistou 469 medalhas (139 de ouro), principalmente nas lutas, no atletismo, no hipismo, tiro e canoagem. Já nos Jogos de Inverno, até
    • 2010 conquistou 135 medalhas (51 de ouro), principalmente no esqui cross-country e na patinação de velocidade.63 64 O atletismo vem tendo a popularidade aumentada devido aos sucessos recentes nos últimos anos de atletas como Carolina Klüft, Stefan Holm, Christian Olsson, Patrik Sjöberg, Johan Wissmane Kajsa Bergqvist. A Suécia também vem apresentando bons resultados na natação, com atletas como Arne Borg, Gunnar Larsson, Anders Holmertz, Stefan Nystrand e Therese Alshammar. A Suécia tem tradição no futebol. No masculino, a Suécia sediou a Copa do Mundo FIFA de 1958, onde obteve sua melhor colocação até o momento: o vice-campeonato mundial. E no feminino, sediou a Copa do Mundo de Futebol Feminino de 1995; sua melhor colocação foi o vicecampeonato mundial em 2003.65 Outro esporte de tradição na Suécia é o tênis. A Suécia já teve 2 tenistas número 1 do mundo: Björn Borg 66 e Stefan Edberg67 . Além disso, a Suécia já conquistou 7 vezes a Copa Davis: em 1975, 1984, 1985, 1987, 1994, 1997 e 1998.68 Destacam-se ainda os futebolistas Henrik Larsson e Zlatan Ibrahimović, a esquiadora Anja Paerson, a golfista Annika Sörenstam e o halterofilista Magnus Samuelsson. Feriados[editar] Feriados Data Nome em português Nome local 1 de janeiro Ano Novo Nyårsdagen 6 de janeiro Dia dos Reis Trettondedag jul móvel Sexta-feira Santa Långfredagen móvel Páscoa Påskdagen* móvel 2ª feira a seguir à Páscoa Annandag påsk 1 de Maio Dia do trabalhador Första maj móvel Ascensão de Cristo Kristi himmelfärds dag móvel Pentecostes Pingstdagen 6 de junho Dia Nacional Nationaldagen Último sábado de junho Celebração do solstício de Verão Midsommardagen* Primeiro sábado de novembro Dia de Todos-os-Santos Alla helgons dag 25 de dezembro Natal Juldagen* 26 de dezembro 2º dia de Natal Annandag jul Observações *normalmente celebrados no dia anterior, que é também considerado feriado http://www.suapesquisa.com/paises/suecia/ 40 dias após a Páscoa Ligado ao dia de São João
    • http://pt.wikipedia.org/wiki/Su%C3%A9cia