• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Manufatura em massa
 

Manufatura em massa

on

  • 1,268 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,268
Views on SlideShare
1,268
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
18
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Manufatura em massa Manufatura em massa Presentation Transcript

    • Joaquim Antonio de Souza RibeiroManufatura em Massa Manufatura em Massa
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Objetivos de Capacitores Desempenho Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Para um mercado homogêneo o principal diferencial é o preço. Este mercado é típico para produtos populares onde o mais indicado é a manufatura em massa. O uso da Objetivos de tecnologia e de processos altamente Capacitores Desempenho eficientes possibilitará esta vantagem competitiva. Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em MassaO paradigma da produção em massa é resultantede um mercado onde a procura é previsível eestável mantendo-se assim durante longosperíodos de tempo. Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em MassaA quantidade procurada dos produtos é,normalmente, grande, requerendo que aprodução seja contínua, a uma taxa que,idealmente, corresponda exatamente àprocura. Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro Movimento Clássico Ênfase na tarefa.Com a Revolução Industrial surgiu o crescimento acelerado e desorganizado das empresasaumentando a complexidade na sua administração, exigindo métodos científicos quesubstituíssem o empirismo e a improvisação, além da necessidade de aumentar a eficiência ea competência das organizações para a obtenção de uma melhor eficiência dos recursosdisponíveis, resultando no surgimento deste movimento,
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroFoi durante o período entre 1898 e 1910, que a indústria do vestuário produzido em massa arrancou defato, tanto na Inglaterra como na América. Com os meios de transporte alcançando grandes distâncias,surgiu a possibilidade de se reproduzir e vender roupas para diferentes centros em grande quantidade,tanto de modelos quanto de tamanhos. Entre os anos vinte e trinta, houve mudanças importantes naindústria das roupas, que conseguiu traduzir as medidas masculinas e pessoais para um padrão de roupafeita em fábrica.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroPor volta da década de 1930 a “Era dos Sistemas” teve seu início, com a criaçãode diversos sistemas visando ao aperfeiçoamento dos métodos de trabalho, aofornecimento de serviços e ao controle do processamento desse mesmo trabalho.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroNa década de quarenta a produção de roupa barata e atraente estava cada vez mais ligadaao desenvolvimento de métodos de fabricação modernos que envolviam rapidez, estilo,qualidade e preço. Nesta época, com a influência da Engenharia Industrial, as práticas e osprocessos começaram a sofrer modificações, pois as empresas começaram a adotar aabordagem científica na busca para solucionar problemas na área industrial.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroDevido ao crescimento das organizações, a burocratização e a rotinização do trabalho, foram indispensáveispara a gestão das organizações, e a visão mecanicista da organização considerada no Movimento Clássicorevela, superespecialização do funcionário, visão microscópica do homem, ausência de comprovaçãocientífica e uma abordagem fechada e incompleta da organização, iniciaram as novas idéias e, geraram oMovimento das Relações Humanas.
    • Manufatura em MassaPara este paradigma, a produção é o principal fator estratégico para a empresa. Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Objetivos de Capacitores Desempenho Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Foco em clientes sensíveis aos baixos preços. Foco na padronização do produto, sendo que alguma diferenciação é possível. Objetivos de Capacitores Foco na eficiência operacional/alta Desempenho produtividade; alta especialização do trabalho. Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroA padronização dos produtos tinha como objetivo facilitar oprocesso produtivo repetitivo e padronizado.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em MassaA padronização e a redução de custo é o principal fator de ação da gestão. Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Objetivos de Capacitores Desempenho Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Produtividade Objetivos de Capacitores Desempenho Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroProdutividade = a capacidade de alcançar maior volume de produção, commelhor qualidade, pelo menor custo e sob melhores condições de trabalho.Frederick Taylor desenvolveu estudos a respeito de técnicas de racionalizaçãodo trabalho do operário.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro princípios de unidade de comando divisão do trabalho disciplina autoridade
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroSuas idéias preconizavam a prática da divisão do trabalho. A característica mais marcantedo estudo de Taylor é a busca de uma organização científica do trabalho, enfatizandotempos e métodos e por isso é visto como o precursor da Teoria da AdministraçãoCientífica.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro Os princípios defendidos por Taylor• seleções científicas do trabalhador, determinavam quem tinha aptidão deveria realizar qual tarefa;• estabelecimento do tempo-padrão definido pela gerência e a obrigatoriedade do trabalhador atingir, nomínimo, este tempo;• reciprocidade dos objetivos do trabalhador e da empresa: quando o trabalhador aumentava a suaprodutividade, a empresa produzia mais, conseqüentemente aumentavam os ganhos de ambos;• definição clara das atividades dos gerentes e dos trabalhadores: os primeiros planejam, enquanto osúltimos trabalham.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro Outro aspecto desta teoria é a divisão das tarefas em sub- tarefas e estas em movimentos, visando a eliminação dos movimentos desnecessários e o aperfeiçoamento dos movimentos essenciais.Este aspecto possibilita a previsão de tempos de operação e do cálculo da capacidadeprodutiva para cada produto. Ainda sobre esta ótica temos a padronização de métodos detrabalho que visam o ganho de eficiência e qualidade como os métodos ótimos de costura(métodos padronizados em três diferentes modos de executar as operações de costura,garantindo maior produtividade).
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro Tempos Históricos Tempos cronometragem direta Tempos predeterminados ou sintéticos Amostragem de trabalho Tempos estatísticos Outras técnicas
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroPor mais que se critiquem os estudosminuciosos de Taylor em tempos emétodos do processo produtivo, muitas desuas conclusões continuam sendo válidase aplicáveis ao moderno processoprodutivo. METODO DE ESTUDOS DE DETERMINAÇÃO REMUNERAÇÃO TRABALHO TEMPOS DE METAS POR PRODUÇÃO
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroA divisão do trabalho em tarefas mínimas,por exemplo, estimulou o desenvolvimentode estudos de tecnologia e automaçãoindustrial que, hoje, permitem que otrabalho humano seja utilizado em tarefasmenos entediantes, poupando otrabalhador de realizar tarefas monótonas epessoalmente menos enriquecedoras.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroTemos como exemplo máquinas especializadas para cada tipo de parte a ser costurada(pregar bolso, pregar cós, pregar presilhas etc.) e máquinas totalmente automatizada(máquinas de bordar).
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroA melhor forma de se analisar a seqüência operacional é a árvore de operações.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroDiagrama de precedência C A B D E F
    • Manufatura em MassaBalanceamento de linha Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em MassaA produtividade é o principal fator de ação da gestão. Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Objetivos de Capacitores Desempenho Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Direcionadores Princípios Automação Redução no consumo Objetivos de Capacitores Desempenho Joaquim Antonio de Souza Ribeiro
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroA automação inicialmete consistia de dotar asmáquinas de implementos suplementares, alémda função de costurar, também podiam executartarefas tais como: cortar fios, pespontarduplamente, cortar excessos, dentre outras.Assim, ficou constatada a dificuldade, senão aimpossibilidade em aumentar a eficiência atravésde simples utilização de máquinas de costurasmais aperfeiçoadas.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroSurge uma nova era: a dos dispositivos mecânicos e aparelhos, tão comuns e largamenteutilizados nos dias de hoje na indústria de confecção. Os esforços, pesquisas e experiênciascontinuaram proporcionando a criação de máquinas semi-automáticas num primeiromomento e logo após, as máquinas automáticas, com o intuito de tornar mais produtivo oelemento mão-de-obra.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro“A esteira oferece uma solução tecnológica para o problema central da organização do trabalho, levandoo trabalho aos operadores, ao invés de os operadores ao trabalho’. Ela proporciona orientaçãoinequívoca sobre que operação cada trabalhador deve realizar e impõe o ritmo no qual o trabalho deveser executado. O resultado líquido é a redução da necessidade de pensamento por parte do trabalhadore a redução de seu movimento a um mínimo.“
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroMovimento das Relações HumanasÊnfase nas pessoas.Este movimento enfatizou elementos comportamentais das pessoas nas organizações, opondo-se àracionalidade nas tarefas enfatizada anteriormente. As conclusões obtidas na experiência de Elton Mayo eseus colaboradores, foram decisivas para o surgimento deste novo movimento, e os estudos que tratavamde relacionamento entre trabalho, fadiga e desempenho, passaram também ao estudo do relacionamentoentre trabalho, satisfação desempenho.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroO objetivo principal dos sistemas de produção do paradigma da produção em massa é produzir parasatisfazer a procura ao mais baixo custo por unidade produzida. Assim para tirar vantagem deeconomias de escala, não apenas o sistema como um todo, mas também os postos de trabalho,equipamento principal e ferramentas são totalmente dedicados ao produto. Desta forma, o tempo devida do sistema produtivo depende do tempo de vida do produto ao qual está dedicado.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroA distribuição manual por etapa do processo, divide o agrupamento de máquinasem várias etapas dependendo da linha de produto a ser fabricada, mas,freqüentemente estas, etapas podem ser generalizadas em três.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroA distribuição manual por blocos é semelhante a por etapas onde o agrupamento demáquinas é dividido por tipo de operações ou por tipo de máquinas que formam blocos.Teríamos por exemplo, um bloco formado por máquinas retas de uma agulha, outro formadopor overloques, outro formado por máquinas e equipamentos de acabamento e assim pordiante.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroEste é um sistema amplamenteutilizado quando temos produtossemelhantes em relação a seqüênciaoperacional, ou seja, utilizam os tiposde máquinas na mesma ordem ouquase na mesma ordem.Quando os produtos não possuem uma seqüênciasemelhante o sistema tende a ter constante vai e volta e aziguezaguear no processo em postos de trabalho cada vezmais longe. Esta conseqüência transforma este sistema emoutro, o sistema de operações independentes comdistribuidor aleatório.Pouquíssima variedade de produtos é a situação ideal para este sistema.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroNeste sistema de operações independentes comdistribuidor informatizado, o sistema supervisor detodo o processo gerencia a distribuição das peçasaos postos de trabalho através de um trilho elevadoe uma ou mais estações de decida e subida emcada posto. O lote de peças é preso a cabides comtodas as partes separadas que compõe o produto,num setor anterior à costura ou montagem. Estescabides descem no posto de trabalho determinadopela seqüência operacional que é monitorada pelosistema supervisor informatizado.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza RibeiroPara este paradigma, a produção é o principal fator estratégico para a empresa.
    • Manufatura em Massa Joaquim Antonio de Souza Ribeiro joaquimconsult@gmail.com