Glossário - A Cultura do Mosteiro

3,069 views
2,811 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,069
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
82
Actions
Shares
0
Downloads
120
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Glossário - A Cultura do Mosteiro

  1. 1. 10ºH Glossário Ilustrado História da Cultura e das Artes Módulo 3 – A Cultura do Mosteiro Exercício – Elaboração de um glossário ilustrado – 1ª Parte João Almeida 19868
  2. 2.  Ábside O termo arquitetónico abside, do latim absis ou absidis e originariamente do gregoA apsis ou apsidos, que significa arco ou abóbada), é a ala de um edifício (normalmente religioso) que se projeta para fora de forma semicilíndrica ou poliédrica e em que o remate superior é geralmente uma semicúpula (planta circular) ou abóbada (planta poligonal). Fig.1 - Representação esquemática da planta de uma catedral. A abside é a área colorida.  Absidíolos Capela de menor dimensão relativamente à abside e contígua a ela, de planta semicircular, quadrangular ou poligonal que se abre para a nave ou para o transepto. Fig.2 – Absidíolo da Igreja S. Pedro de Rates.  Adossado Elemento arquitetónico ou heráldico em posições opostas (um de costas para o outro). Fig.3 – Pilar com colunas adossadas.
  3. 3.  Arquivolta Arquivolta, é um elemento arquitetónico decorativo utilizado em conjunto (várias arquivoltas) a emoldurar uma abertura em arco, referindo-se geralmente à sua aplicação em portais de entrada de igrejas ou catedrais em estilo românico ou gótico. Fig.4 - Arquivoltas do Portal Dourado da Catedral de Freiberg na Alemanha.B  Basílica Em arquitetura, basílica é um grande espaço coberto, destinado à realização de assembleias cuja origem remonta à Grécia Helenística. Fig.5 – Planta da Basílica Emília, situada em Roma.  Batistério O batistério (em brasileiro) ou baptistério (em português) é um local específico para a realização do batismo entre os cristãos. Fig.6 – Battistero di San Giovanni, situado em Florença.
  4. 4. Capelas Radiantes O termo arquitetónico capela radiante, refere-se a uma pequena capela secundária deC um edifício religioso, especialmente difundida nas catedrais do estilo gótico durante a Idade Média. Fig.7 – Representação esquemática da planta de uma catedral. As capelas radiantes são as áreas coloridas..  Claustro Um claustro é uma parte da arquitetura de catedrais ou abadias. Consiste tipicamente em quatro corredores a formar um quadrilátero, com um jardim no meio. Fig.8 – Claustro da Sé de Braga.  Cripta Cripta é uma construção subterrânea, geralmente feita de pedras ou escavada no subsolo. Etimologicamente provém do grego, kryptē, e do latim, crypta. Fig.9 – Cripta no subterrâneo da Catedral Metropolitana de São Paulo.  Cruzeiro Cruzeiro é o espaço situado na intersecção da nave central com o transepto nas igrejas ou catedrais cristãs que apresentam uma planta em forma de cruz romana. Fig.10 – Representação esquemática de uma planta de catedral. O cruzeiro é a área marcada a cinzento.
  5. 5.  DeambulatórioD O termo arquitetónico deambulatório, é originário do latim ambulatorium e significa local para andar, deambular. Em geral define-se como uma passagem que circunda uma área central e que pode ser encontrada em diversas aplicações, todas elas, no entanto, inerentes a edifícios religiosos. Fig.11 – Representação esquemática de uma planta de catedral. O deambulatório é a área colorida.  FeudalismoF O feudalismo foi um modo de organização social e político baseado nas relações servo-contratuais (servis). Tem suas origens na decadência do Império Romano. Predominou na Europa durante a Idade Média. Fig.12 – Servos a trabalhar num feudo medieval.  GárgulasG As gárgulas, na arquitetura, são desaguadouros, ou seja, são a parte saliente das calhas de telhados que se destina a escoar águas pluviais a certa distância da parede e que, especialmente na Idade Média, eram ornadas com figuras monstruosas, humanas ou animalescas, comumente presentes na arquitetura gótica. Fig.13 – Exemplo de gárgulas.  Idade MédiaI A Idade Média foi o período intermédio numa divisão esquemática da História da Europa, convencionada pelos historiadores, em quatro "eras", a saber: a Idade Antiga, a Idade Média, a Idade Moderna e a Idade Contemporânea. Este período caracteriza-se pela influência da Igreja sobre toda a sociedade. Esta encontra-se dividida em três classes: clero, nobreza e povo. Ao clero pertence a função religiosa, é a classe culta e possui propriedades, muitas recebidas por doações de reis ou nobres a conventos. Os elementos do clero são oriundos da nobreza e do povo. A nobreza é a classe guerreira, proprietária de terras, cujos títulos e propriedades são hereditários. O povo é a maioria da população que trabalha para as outras classes, constituído em grande parte por servos. Fig.14 – Castelo Medieval: Símbolo do poder da nobreza.
  6. 6.  MosteiroM É um edifício religioso onde vivem os monges (1.ª Ordem) ou as monjas (2.ª Ordem), governados por um abade ou uma abadessa, respetivamente. Havia mosteiros em que os monges levavam vida contemplativa e eram construídos fora dos povoados. Normalmente eram implantados em terras férteis e junto das principais vias de comunicação. Fig.15 – Mosteiro da Batalha.  NártexN É um átrio com pórtico erguido imediatamente antes das naves das basílicas paleocristãs, igrejas e mosteiros românicos. Fig.16 – Representação esquemática de uma planta de catedral. O vestíbulo (ou nártex) é a área colorida.  PendentesP (sem significado)  Pilastras É um elemento vertical de sustentação ou de função decorativa, de secção quadrangular ou poligonal, adossado a um muro. Fig.17 – Exemplo de pilastras em perspetiva.  Portal Um portal é a entrada principal que geralmente se apresenta de forma ornamentada, usualmente numa igreja, catedral ou num grande edifício. As portas surgiram dos antigos portais, na Grécia. Fig.18 – Portal da Sé Velha de Coimbra.
  7. 7.  RomânicoR Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII, durante o período da história da arte comumente conhecido como "românico". O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa e foi o primeiro depois da queda do Império Romano a apresentar características comuns em várias regiões. Fig.19 – Mosteiro de Bravães em Ponte da Barca.  Rosácea A rosácea é um elemento arquitetónico ornamental usado no seu auge em catedrais durante o período gótico. Dentro do eixo condutor deste período artístico, a rosácea transmite, através da luz e da cor, o contacto com a espiritualidade e a ascensão ao sagrado. Fig.20 – Visão interna da rosácea de Saint-Denis.  TetramorfoT Os tetramorfos são os quatro animais a que se refere Ezequiel e que simbolizam os quatro evangelistas: o Leão representa São Marcos; o Anjo, por vezes representado pelo cordeiro de Deus ou Agnus Dei, representa São Mateus; a Águia representa São João; o Touro representa São Lucas. Fig.21  Tramo É cada uma das partes em que se divide uma nave, quando considerados os elementos de suporte da cobertura. Fig.22 – Abóbadas sobre a nave da Cathedral St-Jean, Lyon. Na imagem são visíveis 3 tramos (só o central está visível na sua totalidade).  Transepto Significa corpo transversal, de uma ou mais naves, construído perpendicularmente à nave (ou naves) de um templo. Fig.23 – Representação esquemática da planta de uma catedral. O transepto é a área colorida.
  8. 8.  Trifório O termo arquitetónico trifório refere-se a uma galeria estreita, aberta (ou arcada cega) sobre o andar das arcadas ou das tribunas e sob o clerestório nas paredes laterais que separam a nave principal das colaterais nas igrejas ou catedrais medievais. Fig.24 – Abadia de Malmesbury, o trifório é o nível intermédio com uma arcada cega.  Trompas Arabescos Arabesco é qualquer ornato de inspiração árabe. Em sua origem, os arabescos eram ornamentos exclusivamente geométricos, já que o Alcorão (livro sagrado dos muçulmanos) proíbe a representação de animais ou figuras humanas. Fig.25 – Os arabescos no Palácio de Alhambra, Espanha.Z  Zimbório Zimbório é o nome dado à parte mais alta e exterior da cúpula, em forma de torre, em geral circular ou octogonal, das igrejas e edifícios de grande dimensão. Fig.26 – Exemplo de um zimbório.
  9. 9. Bibliografiahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Absidehttp://www.rotadoromanico.com/VPT/OROMANICO/GLOSSARIO/Paginas/Glossario.aspxhttp://pt.wiktionary.org/wiki/adossadohttp://pt.wikipedia.org/wiki/Arquivoltahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Bas%C3%ADlicahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Batist%C3%A9riohttp://pt.wikipedia.org/wiki/Claustrohttp://pt.wikipedia.org/wiki/Criptahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Cruzeiro_%28arquitectura%29http://pt.wikipedia.org/wiki/Capelas_radianteshttp://pt.wikipedia.org/wiki/Deambulat%C3%B3riohttp://pt.wikipedia.org/wiki/Feudalismohttp://pt.wikipedia.org/wiki/G%C3%A1rgulashttp://pt.wikipedia.org/wiki/Idade_M%C3%A9diahttp://www.rotadoromanico.com/VPT/OROMANICO/GLOSSARIO/Paginas/Glossario.aspxhttp://www.rotadoromanico.com/VPT/OROMANICO/GLOSSARIO/Paginas/Glossario.aspx(pendentes)http://www.rotadoromanico.com/VPT/OROMANICO/GLOSSARIO/Paginas/Glossario.aspxhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Portal_%28arquitectura%29http://pt.wikipedia.org/wiki/Arte_rom%C3%A2nicahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Ros%C3%A1cea_%28arquitectura%29http://pt.wikipedia.org/wiki/Tetramorfoshttp://www.rotadoromanico.com/VPT/OROMANICO/GLOSSARIO/Paginas/Glossario.aspxhttp://www.rotadoromanico.com/VPT/OROMANICO/GLOSSARIO/Paginas/Glossario.aspxhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Trif%C3%B3riohttp://www.colegiodearquitetos.com.br/dicionario/13/02/2009/o-que-e-arabesco/http://pt.wikipedia.org/wiki/Zimb%C3%B3rio

×