Seminário Linguagem Figurada
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Seminário Linguagem Figurada

on

  • 4,866 views

Seminário produzido para a disciplina de Redação, Expressão Oral e Estilística. Profa. Dra. Maria Alice Descardeci. Acadêmicos: Joana D'arc Remígio e Matheus Mourão.

Seminário produzido para a disciplina de Redação, Expressão Oral e Estilística. Profa. Dra. Maria Alice Descardeci. Acadêmicos: Joana D'arc Remígio e Matheus Mourão.

Statistics

Views

Total Views
4,866
Views on SlideShare
4,866
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
42
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Seminário Linguagem Figurada Seminário Linguagem Figurada Presentation Transcript

  • Capítulo XVIICamara Jr. J. M. Manual de Expressão Oral e Escrita 9ª Ed. Petrópolis: Vozes, 1986 Matheus Joana D’arc
  • Desde os primórdios o homem tem criadomeios para se apropriar de signos, sinais,gestos, desenhos, letras e, por fim, a palavraoral e escrita na realização do processo decomunicação.Ao aprimorar esses códigos, ou, a linguagem,o ser humano saiu da definição explícita,denotativa,para a implícita, conotativa.
  • Exemplo:DenotativaEsse mel é uma delícia!
  • Exemplo:Conotativa“Fonte de melNos olhos de gueixaKabuki, máscaraChoque entre o azulE o cacho de acáciasLuz das acáciasVocê é mãe do sol...”(Você é Linda – Caetano Veloso)http://br.youtube.com/watch?v=1L6QWrjsUkg
  •  Não se pode estudar o bom emprego das palavras sem levar em conta o desvio das suas significações,ou seja, a linguagem figurada, sendo inútil o rigor com as definições do dicionário. Além disso, Mattoso considera ineficaz tentar deduzir esses significados em função do radical ou de termos cognatos (que tem a mesma raiz).
  • Caracterização É o desvio da significação própria da palavra. Aparece em obras literárias, letras de música, em propagandas, etc. É um fenômeno normal na comunicação lingüística.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Caracterização O alcance exato de uma palavra depende:Da frase em que ela se acha;As palavras em torno delimitam o significado;Do contexto: o significado é completamente sugerido pelo teor geral do que se diz.
  • A LINGUAGEM FIGURADA ExemploO oceano ruge ao vento a sua velha einquieta canção passadiça.A saudade é imensa.Ainda bem que os abraços e a Poesia bocejamo idioma dos afetos.O comentário parece uma bolacha doce bulindono céu da boca. Passadiça: passagem, calçada, passeio.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Exemplo – Viste? Já vem o estro da linguagem figurada, enfiado que nem piolho em costura! – Do livro EU MENINO GRANDE, 2006 / 2008.http://recantodasletras.uol.com.br/prosapoetica/1032187 Joaquim Moncks Estro: Inspiração; desejo irresistível; cio.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Figuras de Linguagem são: recursos utilizados normalmente para tornar mais expressivos o que queremos dizer,ou para ampliar o significado de uma palavra,suprir a falta de um termo adequado,criar significados diferentes.conseguir maior elegância ou ênfase na expressão.
  • A LINGUAGEM FIGURADAas figuras estruturam a própria linguagem, potencializam o discurso,carregam com expressividade a fala,realçam o que Roman Jakobson denomina “função poética da linguagem”,toda linguagem é poièsis, vale dizer, criação.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Há um repertório infindo de figuras de linguagem,com nomenclaturas diversas, heterogêneas e, até, contraditórias.
  • A LINGUAGEM FIGURADAA própria ambigüidade da classificação das figuras revela a natureza conotativa de todo discurso:a denotação seria, então, uma utopia, na medida em que o poeta, por exemplo, almeja que a palavra seja a coisa, o ícone seja o real, o signo seja o ser.Para além da polissemia de todo enunciado, as figuras também se misturam, configurando um concerto significativo.
  • A LINGUAGEM FIGURADA “Na entrada da rinha, onde se havia concentrado metade do povoado,Prudencio Aguilar o esperava. Não teve tempo de defender-se. A lança deJosé Arcadio Buendía, atirada com a força de um touro e com a mesmamira certa com que o primeiro Aureliano Buendía exterminou os tigres daregião, atravessou-lhe a garganta. Nessa noite, enquanto se velava ocadáver, José Arcadio Buendía entrou no quarto quando a sua mulherestava vestindo as calças de castidade. Brandindo a lança diante dela,ordenou: tire isso. Úrsula não pôs em dúvida a decisão do marido. Vocêserá o responsável pelo que acontecer, murmurou. José Arcadio Buendíacravou a lança no chão de terra. Se você tiver que parir iguanas, criaremosiguanas, disse. Mas não haverá mais mortos neste povoado por culpa sua.Era uma bela noite de junho, fresca e com lua, e estiveram acordados ebrincando na cama até o amanhecer, indiferentes ao vento que passavapelo quarto, carregado com o pranto dos parentes de Prudencio Aguilar.”(Cem Anos de Solidão – Gabriel García Màrquez)
  • A LINGUAGEM FIGURADA Tipos1) Emprego de uma palavra para designar um conceito com que o seu conceito próprio tem qualquer relação: Metonímia.2) Emprego de uma palavra com a significação de outra sem que haja uma relação direta entre elas: Comparação e Metáfora.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímia Do grego metonymía, "além do nome", "mudança de nome"): Emprego de um termo por outro, com o qual estabelece uma constante e lógica de continuidade.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiaa) o autor pela obra: “Procurou no Aurélio o significado daquela palavra.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiab) a parte pelo todo: “ Nunca tive um teto próprio.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiac) o efeito pela causa: “ Conseguiu sucesso com determinação e suor.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiad) o continente pelo conteúdo: “Você já tomou dois copos, agora chega.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiae) a marca pelo produto: O Bento caiu como um touro No terreiro E o médico veio de Chevolé Trazendo um prognóstico E toda a minha infância nos olhos. Oswald de Andrade. Poesias reunidas. São Paulo: Círculo do Livro, 1976. p. 113
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiaf) o concreto pelo abstrato: “Trata-se de um papo-cabeça.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiag) o lugar pelo produto típico daquele lugar: “Quero tomar um porto na temperatura certa.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiah) o singular pelo plural: “O francês cultiva a arte culinária.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metonímiai) a matéria pelo objeto: “Ao cair da tarde, o bronze soa lento e triste.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Comparação Nesse caso, há uma associação entre os termos, que fica explícita com o uso dos termos:Como, tal qual, semelhante a , que nem, etc.Meu coração tombou na vida tal qual uma estrela ferida pela flecha de um caçador Cecília Meireles
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora "...a metáfora é o fenômeno da alma poética. É ainda um fenômeno da natureza, umaprojeção da natureza humana sobre a naturezauniversal."Gaston Bachelard, A água e os sonhos.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora Do grego meta, "mudança", "alteração", +phora, "transporte"):É uma espécie de comparação implícita, emque o elemento comparativo não aparece.“Meu cartão de crédito é uma navalha.”(Cazuza)
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora Umberto Eco, em Semiótica e filosofia dalinguagem, refere-se às metáforas como sistema derelações entre dois ou três termos - que pode serrepresentado com notações semelhantes às que servemaos problemas matemáticos de relações e proporções. Para entendê-las matematicamente temos que partirdo seguinte fato: metáforas expressam significados oufuncionam quando destacam equivalências,pertinências, proximidades, contingências, enfimassociações entre termos costumeiramente nãoassociados. Essas associações podem ser óbvias ouinsuspeitadas. Podem exigir, do entendimento, tanto umraciocínio simples quanto complexo ou mesmo refinado(ratio simples e ratio dificilis, segundo Eco).
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora Tais relações se estabelecem em FUNÇÃO deafinidades "des-cobertas", desnudadas, realçadas,evidenciadas, enfatizadas pela construção metafórica.Tanto para construir quanto para entender metáforas énecessário conhecer o universo semântico dos termos eo contexto de ocorrência da proposição. Valores simbólicos, que se eqüivalem em dadocontexto, tornam possível a relação metafórica entretermos de linguagem. Observe a analogia com arepresentação matemática baseada na lógica dasrazões e proporções:
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora em matemática a:b::c:d LENDO: a está para b assim como c esta para d, significando que o produto dos extremos (a x d) é IGUAL ao produto dos meios (c x d).EM EXEMPLO NÚMERICO:2:3::12:18Esta é uma relação de razão e proporção. São valoresdesiguais, porém, em estado de relação semelhante emnatureza (RAZÃO) e proporção.DE FATO:2 x 18 = 3 x 12 = 36
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora na metáforaTERMO 1 : TERMO 2 :: TERMO 3 : TERMO 4NA FRASE: No deserto, o ouro negro jorrava em torrentes.O exemplo mostra uma clara transferência de significados postoque a semântica dicionarial (o significado costumeiro) informa queouro:1º não é negro; 2º sendo sólido, não jorra, propriedade de líquido. Percebe-se então OURO NEGRO é uma expressão que, noexemplo, está substituindo o substantivo concreto que constitui osujeito. Considerando a qualidade usualmente mais associada aoouro, temos: OURO : VALOR ECONÔMICO ou RIQUEZA EMMATÉRIA SÓLIDA :: QUALIDADE "NEGRO": RIQUEZA QUE"JORRA", LÍQUIDA
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora Como numa advinhação, brincadeira decrianças, a metáfora sugere a questão: o termo metaforizado é uma matéria líquidae negra que possui a mesma qualidade deriqueza econômica que o ouro, ou seja,petróleo.Ouro equivale a petróleo se considerado oaspecto do valor pecuniário das duassubstâncias.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora Explicando a metáfora usando equação exponencialA fórmula básica da equação exponencial é:Xn = Y Agora, examinemos a metáfora em:Minha sogra tem uma língua afiada Ora, ser afiada, cortante, não é atributo natural desseorgão chamado língua. No caso, a língua foi elevada àcondição de afiada, à potência "afiada". Para entender ametáfora perguntamo-nos: que coisas são normalmente passíveis de seremconsideradas afiadas ? Resposta: lâminas, tesouras, facas, espadas etc. Observemos que poderíamos resumir essas coisas todasno conceito de ARMA BRANCA, conforme o uso que delasse faz.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Metáfora Considerando todas essas informaçõesa equação fica assim:Sendo:X = línguan= potência afiadatemos que:LÍNGUA afiada = Arma Mortal
  • A LINGUAGEM FIGURADA Importância da Metonímia A Metonímia destaca o elemento que no momento, é essencial no conceito designado.Ex.: Falar vela ou vapor ao invés de navioé frisar logo o tipo de embarcação.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Importância da Metonímia Outro exemplo dado pelo autor: “Suor, sangue e lágrimas” (Winston Churchill) Em linguagem não-figurada: “Esforços inauditos, inúmeras mortes e ferimentos, e dores sem conta.”
  • A LINGUAGEM FIGURADA Importância da Metáfora Apesar de parecer ser uma prerrogativada língua literária, o uso de metáforas ébem comum na conversação cotidiana. O pensamento linguístico é de naturezaimaginoso, ou seja, metafórico, como observa ofilólogo alemão Karl Vossler, a própria ciência sóse desvincula das metáforas, quando abandona alinguagem propriamente dita e se circunscreve àformulação matemática.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Importância da Metáfora É um meio valiosíssimo para agradar, convencer ou sugestionar.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Uso da Comparação Há casos que se torna mais aconselhável ouso da comparação: Por senso estético ou por necessidade de maiorclareza. Para dar maior vigor à expressão, se faz sentir a conveniência de ampará-lo com um elemento B, mais nítido, mais concreto, mais impressionante.Ex.: Seus lábios eram macios como pétalas de rosas.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Uso da Comparação
  • A LINGUAGEM FIGURADA Linguagem Figurada Fossilizada Se a linguagem figurada está no próprio cerne da expressão verbal, Mattoso defende que ela está latente ou em extinção. “A linguagem é poesia fossilizada. Como asrochas sedimentárias consistem de massasinfinitas de conchas de animálculos, a linguagemé feita de imagens ou tropos, que agora, no seuemprego secundário, deixaram há muito de nossugerir a sua origem poética.”Emerson – ensaísta norte-americano.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Linguagem Figurada Fossilizada 3 importantes conseqüências práticas:1) Não se pode pautar o significado de uma palavra pelo seu radical. o sentido atual pode não corresponderao o original, mas resultar de umametáfora ou metonímia que não se temmais idéia.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Linguagem Figurada Fossilizada 3 importantes conseqüências práticas:2) Se por outro lado, há uma metáforameio-extinta, é preciso não esquecê-la naformulação verbal. é o caso dos termos figurados aspecto,ângulo e ponto de vista.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Linguagem Figurada Fossilizada 3 importantes conseqüências práticas:3) por outro lado, a significação latente podeobter as suas vantagens, por um processo queMattoso chama de econômico, sem a mudançada palavra usual. o uso da palavra hierós de um composto grego, onde o valor religioso já não existe mais.
  • A LINGUAGEM FIGURADA Emprego Vicioso da Metáfora Para não cairmos no uso vicioso da metáfora, é preciso observar cinco princípios: 1) A metáfora tem que proceder da necessidade da ênfase e da clareza. 2) Não deve ser forçada e artificial – muito original ou fora do comum. 3) Não deve se desenvolver demais ou entrar em muitos detalhes. 4) Não acumular duas ou mais metáforas contraditórias na seqüência de um pensamento. 5) A metáfora deve ser integral e não coincidir em parte com a situação real.
  • A LINGUAGEM FIGURADAUma lata existe para conter algo,Mas quando o poeta diz: lataPode estar querendo dizerO incontível.Uma meta existe para ser um alvo,Mas quando o poeta diz: metaPode estar querendo dizerO inatingível
  • A LINGUAGEM FIGURADAPor isso não se meta a exigir do poetaQue determine o conteúdo em sua lataNa lata do poeta tudo-nada cabe,Pois ao poeta cabe fazerCom que na lata venha caberO incabível
  • A LINGUAGEM FIGURADADeixe a meta do poeta, não discuta,Deixe a sua meta fora da disputaMeta dentro e fora, lata absolutaDeixe-a simplesmenteMetáfora(Gilberto Gil)