Revistas em alta

830 views
733 views

Published on

Um projeto pra Lazuli, com intuito de alavancar as revistas culturais da editora.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
830
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revistas em alta

  1. 1. Buquê de idéias para divulgação e envolvimento Publicações Mensais
  2. 2. Que conceito é esse de envolvimento? <ul><li>Este projeto foi pensado para a editora Lazuli, que tem a ânsia de gerar envolvimento das pessoas com suas publicações mensais. </li></ul><ul><li>Ele foi dividido em duas partes , sendo a primeira conceitual e a outra recheada com idéias aplicadas à realidade dos produtos. Então, para começar, uma </li></ul><ul><li>pergunta elementar: </li></ul>
  3. 3. Envolvimento é quando um indivíduo estabelece vínculos emocionais com um objeto, pessoa ou assunto.
  4. 4. Um verdadeiro caso de amor? <ul><li>Para efeito deste projeto, iremos considerar o caso do envolvimento com um misto de objeto e assunto , pois estamos tratando de revistas temáticas. </li></ul><ul><li>A partir do momento em que o </li></ul><ul><li>indivíduo estabelece esses vínculos, </li></ul><ul><li>o objeto em questão passa a ser </li></ul><ul><li>diferente dos demais. </li></ul>
  5. 5. Então, o que vai levar as pessoas a criarem esses vínculos? <ul><li>A princípio, o envolvimento é unilateral e isso significa que quem estabelece os vínculos é o próprio indivíduo. </li></ul><ul><li>Dependendo do caso, o envolvimento pode vir a se tornar recíproco. </li></ul>No nosso, isso não é possível, por exemplo. O leitor pode estabelecer vínculos emocionais com as revistas, mas não o contrário.
  6. 6. Um processo individual... <ul><li>A matéria-prima desses vínculos é aquilo que chamamos de “interesse” , sendo que interesse pode ser definido como aquilo em que vale a pena pensar. </li></ul>Algo é interessante quando mesmo não estando em sua presença nós continuamos imaginando, desenvolvendo, comparando, divulgando e procurando mais informações sobre isso. De certa forma, as coisas interessantes moldam o nosso pensar.
  7. 7. Pois muito bem. E como se dá esse processo? <ul><li>Individual, sim. Mas que pode acontecer com muitas pessoas paralela e simultaneamente. </li></ul><ul><li>Pessoas like-minded tendem a se agrupar em torno dos assuntos e objetos de interesse. </li></ul><ul><li>O envolvimento em larga escala leva à formação de tribos e comunidades. </li></ul>
  8. 8. E depois? <ul><li>Tudo começa com a descoberta (ou apocalipse), que vai um pouco além de o indivíduo passar a saber da existência do objeto em questão: o objeto passa a existir para o indivíduo em questão. </li></ul>Além de saber que existe, ele precisa notar a existência. Isso porque ele precisa acumular motivação suficiente para a segunda parte do processo.
  9. 9. Mas se é um processo interno e individual, há o que fazer? <ul><li>O segundo é estabelecer o interesse , o que normalmente se dá por meio da luz do conhecimento, do processo de compreensão. </li></ul><ul><li>O indivíduo deve vencer os preconceitos (como por exemplo: “isso não é pra mim”) e, em casos extremos, a xenofobia (medo diante do desconhecido). </li></ul>
  10. 10. Inclusive, vale uma rápida análise sobre as que conseguiram envolver seus leitores. <ul><li>Obviamente... Podemos sempre mexer pauzinhos para facilitar o processo. </li></ul>E os pauzinhos, em essência, têm a ver com a auto-expressão , com a capacidade de se expor e se explicar, de se fazer compreender.
  11. 11. Mas tem alguma diferença dessas pras nossas?
  12. 12. Síndrome da Sílvia <ul><li>Sempre tem! Os leitores, por exemplo... </li></ul><ul><li>Vamos falar de uma típica leitora da Revista Reserva Cultural. A seguir estão suas opiniões em momentos distintos sobre o Sex and The City. </li></ul><ul><li>Não estamos fazendo julgamento da qualidade do filme, mas o exemplo é perfeito para evidenciar uma característica desse perfil de leitor... </li></ul>
  13. 13. E quais são nossas estratégias? <ul><li>Sóbria, odiou Sex and the City (o roteiro é previsível, a história é ruim). </li></ul><ul><li>Bêbada, adorou o filme (os vestidos, os sapatos, roteiro bem amarrado). </li></ul>
  14. 14. São dois movimentos... <ul><li>De dentro para fora </li></ul><ul><li>Chegar a um resumo conceitual que possa expandir a visão das revistas a um universo mais amplo. </li></ul>De fora para dentro Levar quem ainda não conhece a ler as revistas e conectar os que já lêem e estão em contato com elas.
  15. 15. Uma última observação <ul><li>Para organizar o pensamento, as idéias foram distribuídas de acordo com a etapa em que melhor se enquadram: </li></ul><ul><li>1. Gerar awareness e despertar vontade, curiosidade, desejo... </li></ul><ul><li>2. Vencer barreiras e instigar o interesse dos leitores. </li></ul><ul><li>3. Multiplicar conexões e formar uma comunidade. </li></ul>Mas vale ressaltar que muitas ações têm mais de uma faceta e podem, por exemplo, gerar awareness na mesma medida em que multiplicam conexões.
  16. 16. Vamos às idéias! <ul><li>Todas as ações consideradas no projeto levaram em conta a questão de orçamento e, por isso, dependem em grande medida da relevância e do poder das idéias. </li></ul><ul><li>Uma série de sub-ações poderiam (e ainda podem) ser criadas para garantir a otimização dos resultados, mas não foi este o foco trabalhado. </li></ul><ul><li>A nossa missão era a de trazer variedade de idéias que possam gerar divulgação e envolvimento a um baixo custo. </li></ul>
  17. 17. Buquê de idéias
  18. 18. Por que buquê? Pelo simples fato de que as ações funcionam muito bem todas juntas, mas podem ser trabalhadas individualmente, com flores tiradas de um buquê. O próprio buquê pode ser remodelado, tirando um tipo de idéia ou somando algum outro pensamento.
  19. 19. Slogans Slogans são importantes para mostrar a que você se propõe, pra adiantar um pouco do pensamento ao leitor, enfim, para dizer a que veio. Alguns exemplos: REVISTA PIAUÍ – Pra quem tem um parafuso a mais. REVISTA CONTIGO – A Revista que Conta. REVISTA ÉPOCA – Todos os lados da notícia. REVISTA ISTOÉ – Independente. REVISTA PLACAR – Quem ama futebol não vive sem Placar. REVISTA SUPERINTERESSANTE – Quem lê é. REVISTA VEJA – Indispensável. !
  20. 20. Stealth Marketing Stealth Marketing é aquela modalidade em que a ação promocional parece ter sido feita espontaneamente, sem a interferência da marca. Para esta ação, iremos utilizar o conceito de “desejo mimético”. Para isso, basta instruirmos os funcionários do Reserva Cultural a sempre ler uma das revistas durante as pausas e, se possível, termos pessoas lendo as revistas em locais públicos como metrôs, cafeterias etc.
  21. 21. PDV Os pontos de venda são fundamentais para gerar awareness e induzir à venda. Para a revista MSG isso é ainda mais oportuno , pois ela é distribuída nas bancas de jornal.
  22. 22. PDV A idéia é criar um display de triedro com faces de: bom dia, boa tarde ou boa noite e, em todas, uma pequena frase abaixo: “ Você dialoga com tudo o tempo todo... Sua empresa também”. O jornaleiro será instruído a deixar sobre o balcão (quando possível) e virar a face de acordo com os horários.
  23. 23. Movimento Dialogue As edições da revista trarão uma forma de participação prêt-à-porter dos leitores, por meio de post-its em formato de balão. A ação pode contar com uma página no Flickr com o registro das participações.
  24. 24. Atrativos Brindes, gifts e prêmios inteligentes são ótimas formas de atrair novos públicos para os produtos. Sempre com a mecânica “comprou, ganhou”, podemos ter diversas ações nesse sentido, a exemplo das idéias para a revista Reserva Cultural: Pôsteres de clássicos Ímãs colecionáveis
  25. 25. Desova <ul><li>Aproveitar as sobras de edições passadas para marcar presença junto a pessoas e lugares estratégicos: </li></ul><ul><li>Multiplicadores – jornalistas, blogueiros, produtoras. </li></ul><ul><li>Promoções - Assinatura vinculada a um programa de Cine Clube (modelo HSBC); eventos como Mostra de Cinema; cadastro no site. </li></ul><ul><li>Pontos de consumo (sem venda) - Starbucks e outras cafeterias, faculdades e cursos de cinema, bibliotecas etc. </li></ul>
  26. 26. Essência Não há nada mais elementar para envolver um leitor, do que aprofundá-lo na essência do produto. Aqui entra uma das principais ações desse projeto: expressar as essências de cada uma das revistas.
  27. 27. Essência em HQ A idéia é partir da essência para criar histórias em quadrinhos, retomando o estilo “página dominical”, para ser publicada na revista e também transportando para fora dela.
  28. 28. Essência em HQ Por exemplo, a revista MSG poderia ter a história ”O Homem que falava com as coisas”. Um quadrinho em que o personagem presta atenção e acaba “ouvindo dos objetos” tudo aquilo que poderiam ser impressões e pensamentos corriqueiros.
  29. 29. Sites-Blogs As revistas já produzem conteúdo e certamente há muito material que acaba não sendo publicado. Desta forma, ao invés de um site estático, nossa idéia é que as revistas trabalhem com blogs. O formato blog é ótimo para informações como making-of, bastidores da revista e trechos complementares às matérias. + + + + + + + + + + + + + + + +
  30. 30. Redes Sociais Manutenção de comunidade em redes sociais como Orkut, MySpace e DeviantArt, publicando parte do conteúdo das revistas.
  31. 31. Assinaturas É importante valorizar os assinantes, ofertando benefícios. Uma idéia para a revista Reserva Cultural: eventos mensais de sala reservada no cinema, com possível happy hour ou presença de atores/diretores/produtores nacionais, exclusivos para os assinantes.
  32. 32. Parcerias e Fofocas Uma idéia irreverente para permitir à MSG quebrar a rotina do mercado de comunicação: Um deck de cards no estilo Super Trunfo, no qual o tema são as personalidades da comunicação, do marketing e da publicidade.
  33. 33. Parcerias e Fofocas A idéia é que empresas e agências paguem uma cota para entrarem no projeto e, em troca, tenham a divulgação da instituição por meio da figura do diretor de comunicação / diretor de marketing ou sócio da agência. A tendência é que o projeto promova muitos comentários no mercado e dependendo do sucesso, é possível pensar em edições anuais.
  34. 34. Promo MovieMobz A MovieMobz é uma empresa do grupo Rain, que permite aos usuários organizarem sessões de cinema com amigos. Uma parceria poderia ser muito estratégica para a Reserva Cultural, promovendo uma promoção para distribuir assinaturas para as pessoas que mais mobilizarem.
  35. 35. Construindo pontes É fundamental que as revistas estabeleçam uma comunicação constante com blogs de seus respectivos assuntos: cinema, comunicação empresarial e teatro. Ferramentas úteis para esse processo incluem entrevista com os blogueiros e sessões especiais (cinema e teatro) para convidados.
  36. 36. Powered By Apoiar (por meio de divulgação) eventos relacionados aos assuntos: Revista de Teatro: encenações, leituras teatrais e peças amadoras. Revista Reserva Cultural: apoio a sessões de cinema alternativo como a promovida pelo The Hub. Revista MSG: debates, palestras em universidades e premiações da área de comunicação corporativa.
  37. 37. Encarte de oportunidade – França no Brasil Durante as edições de 2009 da revista Reserva Cultural, podemos ter um encarte anexado, somando um total de 12 fascículos com temas diversos: Gastronomia, música, artes plásticas, televisão, literatura, teatro, arquitetura, fotografia...
  38. 38. Encarte de Oportunidade - ações casadas <ul><ul><li>Sessão temática de filmes (ex: primeiro fim de semana do mês), com venda especial de ingressos para alunos da Aliança Francesa. </li></ul></ul><ul><ul><li>Micro-eventos especiais antes do filme, como esquetes, mostra de fotografia, exibição de programas de canais franceses, jantar, venda especial de livros e revistas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Circuito RJ – todo cinema que vender a revista exibirá um filme diferente, um por dia. </li></ul></ul>
  39. 39. Conteúdo Comercial Uma grande jogada comercial pode estar na transformação dos anúncios em conteúdos especializados patrocinados. A idéia é trazer - sob as diretrizes da Lazuli - a expertise de outras empresas que orbitam o assunto da revista. A partir daí, os principais anunciantes passam a ser parceiros fixos, oferecendo um conteúdo de interesse aos leitores.
  40. 40. Conteúdo Comercial Exemplo com a Revista Reserva Cultural: A marca de alimentos Sol tem uma forte relação com cinema. Eles possuem muita credibilidade para manter uma coluna sobre Cinema + Gastronomia, publicando todos os meses uma receita que apareceu em algum filme. Outros possíveis: Oi falando de mobilidade; Sabesp, de sustentabilidade; Sofitel/Accor, de locações.
  41. 41. Conteúdo Comercial 16 Encarte de Oportunidade 15 Powered By 14 Construindo Pontes 13 Promo MovieMobz 12 Parcerias e Fofocas 11 Assinaturas 10 Redes Sociais 9 Sites-Blog 8 Essência em HQ 7 Desova 6 Atrativos 5 Movimento Dialogue 4 PDV 3 Stealth MKT 2 Slogans AÇÃO 1
  42. 42. convida
  43. 43. Conheça o nosso blog... www.storytellers.com.br
  44. 44. faz uma proposta à E pra terminar,

×