FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA           Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000       ESPECIALIZAÇÃO ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA           Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000       ESPECIALIZAÇÃO ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA            Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000        ESPECIALIZAÇÃ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                     Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000            ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                    Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000             ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                            Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000     ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                       Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000          ...
FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA                       Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000          ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Governanca de TI, Transparência Pública e Combate a Fraudes

2,222

Published on

O Brasil como o resto do mundo está inserido em uma nova realidade globalizada onde a
informação torna-se cada vez mais valiosa para qualquer tipo de relação que exista entre as
pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Neste ambiente onde os processos estão cada vez mais
complexos, surgem grandes desafios para os governos de qualquer país que optou pela
Democracia como Regime de Governo. Se por um lado a transparência pública é cobrada
pela sociedade que elegeu seus representantes, por outro esta mesma transparência traz a
tona os fatos, que geraram e geram fraudes não somente do lado do Governo, mas também
das empresas e da população enquanto elementos constituintes da Nação. Este trabalho foi
desenvolvido com o foco voltado para a contribuição que as soluções de Tecnologia da
Informação, na forma de softwares desenvolvidos ou contratados pelo Governo, aplicados na
promoção da transparência pública e no combate às fraudes de modo geral está
proporcionando ao Brasil, o que já foi feito até o momento e quais as vantagens conquistadas
utilizando a tecnologia da informação no apoio a esta nova realidade governamental
enfrentada pelas Instituições Públicas brasileiras.

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,222
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Governanca de TI, Transparência Pública e Combate a Fraudes

  1. 1. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO JAIRO BERNARDES DA SILVA JÚNIORGOVERNANÇA DE TI, TRANSPARÊNCIA PÚBLICA E COMBATE A FRAUDES Uberlândia Mar/2010
  2. 2. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2 JAIRO BERNARDES DA SILVA JÚNIORGOVERNANÇA DE TI, TRANSPARÊNCIA PÚBLICA E COMBATE A FRAUDES Artigo apresentado à banca Examinadora da FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA, como exigência parcial para obtenção do grau de Especialista em GESTÃO DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO . Orientadora: Profa. Esp. Flávia Cristina da Cunha Alvim Área de concentração: Governança de TI Uberlândia Mar/2010
  3. 3. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 3Governança de TI, Transparência Pública e Combate a Fraudes JAIRO BERNARDES DA SILVA JÚNIOR FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Especialização Latu Sensu - Gestão em Tecnologia da Informação e-mail: jairobjunior@yahoo.com.br FLÁVIA CRISTINA DA CUNHA ALVIM Esp. Em Gerência de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas e-mail: flaviacristinac@hotmail.com
  4. 4. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 4 Governança de TI, Transparência Pública e Combate a FraudesResumo.O Brasil como o resto do mundo está inserido em uma nova realidade globalizada onde ainformação torna-se cada vez mais valiosa para qualquer tipo de relação que exista entre aspessoas, sejam físicas ou jurídicas. Neste ambiente onde os processos estão cada vez maiscomplexos, surgem grandes desafios para os governos de qualquer país que optou pelaDemocracia como Regime de Governo. Se por um lado a transparência pública é cobradapela sociedade que elegeu seus representantes, por outro esta mesma transparência traz atona os fatos, que geraram e geram fraudes não somente do lado do Governo, mas tambémdas empresas e da população enquanto elementos constituintes da Nação. Este trabalho foidesenvolvido com o foco voltado para a contribuição que as soluções de Tecnologia daInformação, na forma de softwares desenvolvidos ou contratados pelo Governo, aplicados napromoção da transparência pública e no combate às fraudes de modo geral estáproporcionando ao Brasil, o que já foi feito até o momento e quais as vantagens conquistadasutilizando a tecnologia da informação no apoio a esta nova realidade governamentalenfrentada pelas Instituições Públicas brasileiras.Palavras-Chave: Governança, transparência, fraudes.Abstract.Brazil as the world is part of a new global reality where information becomes increasinglyvaluable to any relationship that exists between people, whether physical or juridical. In thisenvironment where processes are increasingly complex, there are enormous challenges forgovernments of any country that has opted for democracy as a system of government. On theone hand, public transparency is charged by the society that elected representatives, on theother hand this same transparency brings out the facts, that create and generate fraud not juston government but also businesses and the population as components of the nation. This workwas developed with a focus on the contribution that the solutions of information technology inthe form of software developed or contracted by the government, used to promote publictransparency and to combat fraud in general is giving to Brazil, which has been done so farand what the advantages won by using information technology to support this new realityfaced by government public institutions in Brazil.Keywords: Governance, transparency, fraud.1. Introdução Um dos assuntos do momento no Brasil é sobre a ética das pessoas de modo geralfrente às suas responsabilidades enquanto cidadãos membros desta Nação que há anos carregaalguns slogans bem conhecidos de todos, tais como “O Brasil é o país do futuro”, “O Brasil éa bola da vez”, “Este é um país que vai pra frente”, dentre outros. Em se falando de tecnologiada informação o Brasil já está no futuro, pois os investimentos tecnológicos que se tempresenciado aqui até então, estão alinhados com o resto do mundo. Neste grande território há empresas grandes e robustas, como também pequenas emédias que se preocupam com a gestão da informação, não reduzindo esforços para que os
  5. 5. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 5investimentos em tecnologia da informação sejam feitos da melhor forma possível, com ofoco, logicamente, no retorno destes investimentos para o negócio da organização. No grupo de organizações que fazem uso da tecnologia da informação não se podedeixar de fora as instituições governamentais sejam elas Federais, Estatuais ou Municipais,pois a matéria prima destas organizações é basicamente a informação, devendo, portanto ter adevida atenção para que a mesma seja confiável e tenha veracidade refletindo positivamentesobre sua área de atuação. Enquanto recurso de apoio à gestão, a tecnologia da informação bem gerida trazinúmeros benefícios não apenas como meio de divulgação de informações públicas, mastambém como forma de fiscalizar e cobrar dos cidadãos suas obrigações, perante seumunicípio, estado e país. As informações fornecidas por entidades públicas são de extrema importância para asociedade que pagam por elas através dos impostos. São informações sobre idoneidade depessoas físicas, empresas, sobre câmbio, decisões políticas, planejamento público, dentreoutras que afetam decisões e negócios na vida privada. A qualidade e rapidez com que a informação pública pode chegar até a sociedade ecomo também for captada desta, certamente contribuirá significativamente para o crescimentodo Brasil, proporcionando transparência, evitando e combatendo fraudes. Este trabalho teve como objetivo mostrar o que os Governos no Brasil estão realizandoem Tecnologia da Informação na forma de aplicativos, softwares desenvolvidos oucontratados pelas instituições públicas com o intiuito de oferecer um serviço com maiorqualidade e rapidez para o contribuinte, proporcionando transparência e assegurnado aintegridade e veracidade dos dados. Mostrando ainda, as estratégias e investimentos por partedo Governo Federal em software livre, quais as novas regras para aquisição e contração deserviços de Tecnologia da Informação na forma de softwares e o que levou o Governo Federala adotar o caminho do software livre.2. Governança Global [...] “trata-se da totalidade das diversas maneiras pelas quais os indivíduos e as instituições, públicas e privadas, administram seus problemas comuns. É um processo contínuo pelo qual é possível acomodar interesses conflitantes ou diferentes e realizar ações cooperativas” (REINER apud NOSSA COMUNIDADE GLOBAL, 1996, p.340). Os interesses conflitantes entre indivíduos e instituições existentes nos dias de hojedevem ser resolvidos ou minimizados através do diálogo e entendimento entre as várias partesenvolvidas, tomando ações cooperativas e buscando a solução com uma visão mais coletivapara os resultados. “O mundo necessita de uma nova visão que estimule todas as pessoas a atingir níveismais altos de cooperação nas áreas em que compartilhem os mesmos interesses e o mesmodestino.” (MEZZOMO, 2009, p.16). A colaboração entre as pessoas sempre foi essencial parao desenvolvimento de uma sociedade trazendo crescimento e estabilidade para a Nação,recursos essenciais à população e melhoria na qualidade de vida. A Globalização experimentada nos últimos anos vem exigindo de empresas egovernos esforços que não eram necessários até então, pois as informações passaram a serpraticamente instantâneas em qualquer parte do mundo, facilitando sim, mas tambémexigindo maior rapidez na tomada de decisões estratégicas por parte das empresas que se vêmparticipantes da economia globalizada. Com relação às decisões governamentais também nãoé diferente, pois qualquer decisão tomada dentro de um país terá repercussão e divulgaçãoimediata através da internet, para o resto do mundo, estimulando a opinião pública
  6. 6. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 6internacional. O cenário mundial marcado por problemas financeiros e ambientais e necessidadessócio-econômicas que afetam a qualidade de vida dos seres humanos traz a tona umadiscussão de criação de uma nova ordem mundial conforme diz Mezzono (2009). A necessidade de uma Governança Global aumenta a cada dia, pois os problemasenfrentados pelo mundo e as necessidades de uma maior interação entre as Nações, obrigam autilização, pelos países, de todos os recursos possíveis e disponíveis, no combate aos eventosnegativos que trazem prejuízos, permanentes ou não, à vida humana na Terra. [...] Precisamos de uma visão da prosperidade humana no mais pleno sentido da palavra - um despertar para as possibilidades de bem-estar espiritual e material hoje ao nosso alcance [...] O conceito de segurança global precisa ser ampliado do tradicional foco na segurança dos estados para incluir a segurança de todos os povos e a segurança do planeta [...] Chegou a hora de construir um fórum global para prover lideranças inovadoras no campo econômico, social e ambiental [...] O conceito da natureza espiritual do homem introduz uma nova dimensão na questão da igualdade - a dimensão da plenitude humana. Um relacionamento de igualdade requer cooperação no lugar de competição, flexibilidade no lugar de rigidez, gentileza no lugar de grosseria, e humildade no lugar da arrogância [...] Toda a humanidade deve preservar os valores básicos do respeito à vida, à liberdade, à justiça e à equidade, do respeito mútuo, da solidariedade e da integridade [...] Enquanto as mulheres forem impedidas de atingir as suas mais altas possibilidades ou potencialidades, os homens serão incapaz de alcançar a grandeza que poderia ser sua. A mulher em função de ser mãe é a primeira educadora de cada nova geração[...] A produção de energia nuclear em maneira segura, assim como a utilização pacífica de plutônio e urânio altamente enriquecido proveniente do desarmamento nuclear a serviço da Humanidade são problemas da Governança Global [...] A avaliação de nossa atitude básica em relação à Natureza e o equilíbrio que deve existir entre as realidades física e espiritual a qual afeta todos os aspectos da vida do Homem na Terra são interdependentes. (RCGG, 2010). As vantagens oferecidas pela criação de uma Governança Global são inúmeras com oobjetivo de prover à sociedade uma vida digna e plena onde o bem estar social não estáresumido somente no material e sim também no espiritual, pois qualidade de vida incluitambém o crescimento das qualidades humanas. A Governança Global busca proporcionar atodos os habitantes do Planeta melhores condições de vida focando na qualidade eequalização dos recursos econômicos, social e do meio-ambiente, ajudando na concretizaçãodos entendimentos entre pessoas e instituições, eliminando barreiras, quebrando paradigmas eproporcionando um crescimento sustentável na condição de vida do Planeta.3. Governança Corporativa Governança Corporativa é o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos entre Acionistas/Cotistas, Conselho de Administração, Diretoria, Auditoria Independente e Conselho Fiscal. As boas práticas de governança corporativa têm a finalidade de aumentar o valor da sociedade, facilitar seu acesso ao capital e contribuir para a sua perenidade. (IBGC, 2009, p.06). Uma sociedade por ações ou por cotas atualmente deve se preocupar com inúmerosatores e seu ambiente para obter sucesso na sua administração e atingir seus objetivos. Aprestação de contas desta sociedade não se restringe mais a um grupo pequeno de pessoas,sendo que atualmente os stakeholders (acionistas, clientes, empregados, governo,fornecedores, dentre outros) são bastante diversificados. A Governança Corporativa tem um importante papel na administração de taissociedades, já que é um sistema que dirige e acompanha a organização com o objetivo de
  7. 7. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 7zelar pela sua saúde financeira e manter sua imagem positiva frente ao mercado, valorizandosuas ações. Vale destacar que a definição que a Organization for Economic Cooperation and Development (OECD) elaborou é outra também muito conhecida.Segundo ela, a GC é o sistema pelo qual corporações empresariais são dirigidas e controladas. Esta estrutura especifica a distribuição de direitos e responsabilidades entre os diferentes participantes de uma empresa, tais como: conselheiros, executivos e acionistas, entre outros. (ARAÚJO, 2009, p.08). A abertura do capital de uma empresa se faz necessário para que a mesma possa crescerocupando posições na economia que não poderia ser conseguido com o capital fechado. O queparece ser simples e vantajoso também tem seu preço, já que a administração de umaorganização de capital aberto exige um desdobramento na atenção à prestação de contas paracom os stakeholders da empresa. Todos os passos e resultados das estratégias adotadas pelaorganização agora serão acompanhadas por todos os interessados tendo como objetivoprincipal o resultado financeiro. “A governança corporativa tornou-se um tema dominante nos negócios por ocasião dasafra de escândalos corporativos em meados de 2002 – Enron, Worldcom e Tyco, para citarapenas alguns.” (WEILL e ROSS, 2006, p.4). A governança corporativa já existia antes dos escândalos de 2002 que abalaram asbolsas dos Estados Unidos, existia em função da concorrência de mercado de empresasmultinacionais inseridas em uma economia globalizada existente no mundo. Os escândalosdas bolsas americanas obrigaram a um aprimoramento da governança corporativa em funçãoda necessidade das empresas resgatarem sua imagem frente aos stakeholders para preservar evalorizar os preços de suas ações. Novas regras financeiras foram definidas e novas responsabilidades, através delegislação, foram atribuídas aos executivos das empresas nos Estados Unidos. Agora os CEOs(Chief Executive Officer) devem atestar a exatidão das contas de suas organizações assumindotoda a responsabilidade, tudo isso resultou no aumento do nível de auto-regulação refletindodiretamente na área de TI. A Governança Corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis eregulamentos que respaldam uma empresa frente aos stakeholders quanto ao seu real valor nomercado. Num mundo globalizado a transparência passa a ser uma medida de valor e o valor demercado passa a ser um diferencial competitivo. Quanto mais transparente uma organizaçãose apresentar perante as pessoas interessadas, maior confiabilidade terá no mercadomelhorando o seu valor. Os dois modelos considerados mais importantes são: o modelo anglo-saxão também conhecido como Trinômio Propriedade-Gestão-Retorno e que prevalece nos Estados Unidos e no Reino Unido; e o modelo nipo-germânico que é um modelo de Interesses Múltiplose que predomina no Japão, Alemanha e na maioria dos países da Europa Continental. [...] Em relação ao modelo anglo-saxão, mesmo sendo claro que seu foco principal é o retorno dos acionistas, não significa que este modelo desconsidera quaisquer compromissos com os demais stakeholders, uma vez que a saúde financeira da empresa afeta positiva ou negativamente todos os envolvidos. [...] Já o modelo nipo-germânico vai além do conflito acionistas-gestores e GC contemplam um vasto conjunto de interesses. Nas empresas que adotam este modelo, além das demonstrações econômico-financeiras convencionais, também
  8. 8. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 8 seus balanços social e ambiental são levantados e publicados, ocorre uma ampliação dos indicadores de desempenho e, com isso, a responsabilidade corporativa é ampliada. (ARAÚJO, 2009, p.10-11). Conforme ARAÚJO (2009) diz existem dois modelos de Governança Corporativa nomundo, um seguindo a tendência anglo-saxônica, com o foco no retorno dos acionistaslevando em consideração todos os stakeholders já que a saúde financeira da organizaçãodepende dos compromissos com todos os envolvidos. O outro modelo nipo-germânico é maisamplo que o primeiro possuindo um conjunto maior de interesses, levando em conta seusbalanços social e ambiental o que aumenta a responsabilidade corporativa, demonstrando ummaior interesse na diversificação dos indicadores de desempenho.4. Governança de TI Governança de TI busca o compartilhamento de decisões de TI com os demais dirigentes da organização, assim como estabelece as regras, a organização e os processos que nortearão o uso da tecnologia da informação pelos usuários, departamentos, divisões, negócios da organização, fornecedores e clientes, e também determinarão como a TI deverá prover os serviços para a empresa. (FERNANDES e ABREU, 2006, p.11-12). O alinhamento entre a TI e o negócio de um empresa é fundamental para ambos , semele a tecnologia da informação não terá sucesso em sua proposta de geração de valor para aorganização, bem como têm fundamental importância para a continuidade da empresa, para oatendimento às estratégias e aos marcos de regulação externo. “Governança de TI: a especificação dos direitos decisórios e do framework deresponsabilidades para estimular comportamentos desejáveis na utilização da TI.” (WEILL eROSS, 2006, p.8). A Governança de TI trata de direitos e deveres que serão atribuídos aosgestores de TI para que a tecnologia da informação seja utilizada com o maior sucessopossível no alinhamento com os requisitos do negócio para geração de valor para aorganização, justificando o investimento em recursos de tecnologia da informação. Ter somente recursos de TI, mas não ter estratégia, processos adequados, políticas erelacionamentos interpessoais, fará com que a tecnologia da informação investida em umnegócio fracasse nos seus objetivos. Nesse ponto entra a atuação da governança de TI comogestora e norteadora de todos os recursos, compartilhando as decisões de TI com os demaisdirigentes da organização buscando o atendimento dos requisitos e geração de valor para onegócio, obedecendo às regras estabelecidas e utilizando-se dos processos que concretizarãoas estratégias definidas pela empresa. [...] as definições de governança de TI abordam a forma de autoridade da tomada de decisão de TI na organização (estrutura) e a forma com que os recursos de TI são gerenciados e controlados (processos), buscando sempre alinhar os investimentos realizados em TI às estratégias corporativas. (MAÇADA, 2009, p.03). O objetivo principal da TI é gerar valor para o negócio da organização e para isso deveusar de recursos gerenciais que a ajude a garantir suas metas. Para conseguir cumprir o que foiplanejado e acordado com a alta direção, busca alinhar os investimentos de tecnologia dainformação às estratégias da empresa, com o objetivo de agregar valor aos seus serviços eprodutos.5. Governança de TI nos Governos: Federal, Estadual e Municipal
  9. 9. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 9 Brasília, 16 de novembro de 2005 – O Congresso Regional de Informática Pública, Conip, que acontece em Brasília nos dias 22 e 23 de novembro apresenta a sua grade temática. Promovido pelo Instituto Conip, o evento está em sua segunda edição, e traz este ano o papel da tecnologia da informação na transparência da gestão pública como tema central. O assunto será abordado em todo o Congresso, que contará com painéis, seminários e cursos divididos nas seguintes categorias: Governo Eletrônico (M-GOV), Governança da TI e Gestão Eletrônica de Documentos (GED). (CONIP, 2005). Com o CONIP realizado em 2005 deu-se início a uma nova etapa no poder públicorelativo à interatividade, fornecimento e captação de informações dos governos Federal,Municipais e Estaduais através da web. A Gestão Eletrônica de Documentos também foidiscutida na busca de agilizar a disponibilidade de algum documento para o contribuinte,como também para reduzir os arquivamentos físicos e ao mesmo tempo garantir durabilidadeao documento arquivado. Nesse ano de 2005, a Governança de TI ganhou ênfase também no serviço públicosendo discutida no Congresso Regional de Informática Pública em Brasília. É deu início deesforços realizados na área governamental brasileira com o intuito de reduzir os custos nagestão pública, aumentar a agilidade e transparência dos serviços prestados ao cidadão. De acordo com CONIP (2005) com o domínio de uma boa Governança de TI osgovernos Federal, Estadual e Municipal acreditam que possam, através de esforços voltadospara o uso adequado da tecnologia da informação, oferecer um serviço mais eficiente commaior eficácia ao cidadão e às instituições de modo geral participantes da Nação Brasileira,visto que os temas tratados na segunda edição do CONIP trata da transparência, do combateàs fraudes, documentos e certificações digitais, integrando processos, serviços e programassociais. A busca pela transparência e eficiência vem de encontro também ao crescimento daconsolidação da democracia, que teve início em 1985 com a eleição de Tancredo Neves paraPresidente do Brasil, como também da necessidade dos Governos Federal, Estadual eMunicipal de arrecadarem os tributos com mais eficiência e aplicá-los, gerando benefíciospara a sociedade com uma menor margem de erro possível. Integração de Processos Esta temática pretende mostrar as vantagens de integrar as atividades do governo em rede, fundamental para o sucesso da entrega de serviços eletrônicos, tanto nas esferas federal, estadual e muncipal como entre poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Aqui governo e tecnologia entram no debate atingindo áreas como Saúde, Educação, Segurança Pública, Judiciário, Legislativo, técnicas e métodos como mobile, software livre, gestão eletrônica de documentos, segurança da informação, entre outros. (CONIP, 2005). A integração dos processos é um grande passo a ser dado pelos governos em âmbitoFederal, Estadual e Municipal buscando a consolidação do uso da tecnologia da informaçãocomo recurso de apoio aos serviços entregues por estes governos. A utilização de umaplataforma de rede é de fundamental importância na agilidade de atendimento ao contribuinte,tanto para fornecer informações quanto para que o mesmo possa prestar contas e pagar seustributos, sem falar na integração entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário,promovendo a eficiência nos serviços internos e externos destes três poderes. Nos anos seguintes a 2005 foi dado continuidade aos eventos do CONIP sendo cadaano com um tema diferente do anterior, mas sempre com o foco em aprimorar o serviçopúblico através do apoio oferecido pela tecnologia da informação. Todas estas iniciativas com base no uso da tecnologia da informação para o apoio ao
  10. 10. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 10serviço público surgem com o amadurecimento das instituições privadas e públicas, nacionaise internacionais, no uso das melhores práticas e recursos na busca da eficiência do provimentode serviços e produtos de TI através da Governança de TI.6. Transparência Governamental Em geral a corrupção se aproveita da ausência de controles, o que por conseqüência impede o aparecimento dos fatores de transparência e justiça. Em resumo, o melhor fiscal é a própria população, pois é quase impossível aos poderes executivo, legislativo e judiciário fiscalizarem todas as ações que estão sendo realizadas no país em termos de intenção e realização de fraudes. (MANSUR, 2009, p.178). Segundo Mansur (2009) a ausência de controle das atividades dos processos relativosaos três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário inibe a transparência e a justiçapermitindo aos indivíduos fraudulentos atuarem com certa liberdade, pois pela ausência decontrole conseguem burlar a justiça tornando a fraude, que é uma mentira, em uma“realidade” que esconde a verdade. A transparência no governo de instituições públicas é essencial para dar base ao atolícito como também para aumentar a credibilidade do país frente aos investidoresinternacionais que arriscam seus investimentos quando, através da bolsa, compram ações doBrasil e das empresas brasileiras. Tudo isso, como um efeito dominó, influenciará diretamentena economia, pois a falta ou a entrada de dinheiro estrangeiro afetará os projetos sociais, desaúde, de educação, investimento em infra-estrutura, dentre outros. Conforme a Governança Corporativa orienta, uma sociedade por ações ou por cotasdeve se preocupar em prestar contas a inúmeros atores representados pelos stakeholders(acionistas, clientes, empregados, governo, fornecedores, dentre outros). No caso do GovernoBrasileiro a relação é um pouco parecida, pois a imagem do governo refletirá nosinvestimentos estrangeiros proporcionados pelo principal stakeholder, o investidor estrangeirodisposto a colocar seus dólares nas ações do Brasil e das empresas brasileiras. Assim atransparência governamental do Governo Brasileiro é de extrema importância para darrespaldo e estímulo ao investidor estrangeiro na compra de ações tanto do governo quanto deempresas privadas. Abaixo seguem alguns sites do governo como também de ONGs que proporcionamtransparência tanto para o governo quanto para o contribuinte: • PORTAL GOVERNO BRASILEIRO http://www.brasil.gov.br/. O portal do Governo Brasileiro traz informações variadas sobre ações do Governo, serviços públicos, como funciona a estrutura do governo, links para os sites dos Ministérios, dentre outras. Enfim fornece uma gama de informações relativas a República Federativa do Brasil. • TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO http://portal2.tcu.gov.br/TCU. O portal do Tribunal de Contas da União traz principalmente informações sobre contas públicas do Governo Federal, fiscalização e controle, transparência pública, dentre outras, cumprindo o seu papel de divulgação e fiscalização dos gastos públicos proporcionando acesso rápido e transparente nas contas da União. • PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL
  11. 11. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 11 http://www.portaltransparencia.gov.br/ Fornece informações bem detalhadas sobre Transferência de Recursos e Gastos Diretos do Governo permitindo agrupar Despesas, Receitas e Convênios desde Estados e Municípios até o favorecido. Este portal está ligado diretamente à Controladoria Geral da União. • TRANSPARÊNCIA BRASIL http://www.transparencia.org.br/. • PORTAL NF-e (pesquisa de nota fiscal eletrônica) https://www.nfe.fazenda.gov.br/PORTAL/FormularioDePesquisa.aspx?tipoconsulta=c ompleta43091088020102000110550000000018680000018688 A emissão de NF-e veio não só simplificar o processo de emissão de nota fiscal como também favorecer a segurança tanto do contribuinte, emissor da NF-e, quanto do Governo, arrecadador de impostos. • PORTAL DO SENADO FEDERAL http://www.senado.gov.br/sf/. Apresenta informações sobre o orçamento da União, ações do Senado Federal, promove a transparência do Senado, projetos elaborados pelo Senado, notícias, dentre outros. • PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS http://www2.camara.gov.br/. Também como o portal do Senado, este promove a transparência dos passos dado pela Câmara dos Deputados Federais, trazendo informações sobre: esclarecimento de dúvidas sobre legislação, processo legislativo, licitações, contratos, concursos da casa, dentre outros. • CND – Certidão Negativa de Débito (INSS) http://www010.dataprev.gov.br/cws/contexto/cnd/cnd.html. Permite a consulta e emissão de certidão negativa de débito junto ao INSS, agilizando o processo na aquisição deste documento. • CRF – Certificado de Regularidade do FGTS (Caixa Econômica Federal) https://webp.caixa.gov.br/cidadao/Crf/FgeCfSCriteriosPesquisa.asp. Permite a consulta e emissão de certificado de regularidade do FGTS junto à Caixa Econômica Federal, também agilizando o processo na aquisição deste documento. • CERTIDÃO POR PESSOA (PMU – Prefeitura Municipal de Uberlândia) http://atendimentoweb.uberlandia.mg.gov.br/manutencaodivida/f/t/certidaopessoarel. Gera Certidão de Situação Tributária e Fiscal de pessoas física ou jurídica junto à fazenda do Município de Uberlândia, agilizando o processo na aquisição deste documento.7. Transparência: Garantia Legal A Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, intitulada Lei de
  12. 12. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 12 Responsabilidade Fiscal - LRF, estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, mediante ações em que se previnam riscos e corrijam desvios capazes de afetar o equilíbrio das contas públicas, destacando-se o planejamento, o controle, a transparência e a responsabilização como premissas básicas. (LRF, 2008). A responsabilidade dos governantes, relativa às finanças públicas, tornou-se lei a partirdo ano de 2000, sendo designada Lei de Responsabilidade Fiscal. Não sancionada até então,esta lei tem o propósito de proteger as finanças públicas e promover uma maior atenção dosgovernos para melhorar a eficiência e eficácia na aplicação dos recursos públicos, obrigandoos governantes a se preocuparem mais com o planejamento, o controle, sua responsabilidadeenquanto gestores do dinheiro público e finalmente com a transparência tanto cobrada pelasociedade. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou nesta quarta-feira (27) a lei que obriga a divulgação dos gastos previstos e realizados nos orçamentos da União, estados, Distrito Federal e municípios [...] De autoria do Senado, ela prevê a divulgação em tempo real dos gastos por meio da internet. A lei deverá ser cumprida pela União, estados e municípios com mais de cem mil habitantes em um prazo de um ano. Municípios de até 50 mil habitantes terão prazo de quatro anos para se adaptar à lei. (G1, 2009). Conforme divulgado pelo G1 (2009), o meio de divulgação do orçamento públicoprevisto e realizado será a internet, que é o mais utilizado, de maior rapidez, de baixo custo eo mais eficiente na disponibilização de dados para o cidadão e que está previsto como meioeletrônico a ser utilizado para tal projeto. Haverá uma carência para a implantação desteprojeto que será de 4 anos para Município com até 50 mil habitantes e de 1 ano acima de 100mil habitantes. “[...] foi publicada em 2002, a Portaria nº 109 instituindo o Sistema de Coleta de dados de Estados e Municípios. O Sistema tem por objetivo coletar dados contábeis dos entes da Federação – Estados, Distrito Federal e Municípios (englobando os órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário e, quando for o caso, dos Ministérios Públicos Estaduais), de modo a apresentar as informações necessárias à transparência dos recursos públicos, especificamente aquelas relativas à implementação dos controles estabelecidos pela LRF e legislação complementar.” (SISTN, 2009) Este novo desafio enfrentado pelas instituições governamentais, vem coincidirpositivamente com o avanço que a internet alcançou nos últimos anos, sendo atendidassatisfatoriamente pela mesma, recebendo suporte e recursos fundamentais para a consolidaçãoda transparência governamental, como para o e-Gov (governo eletrônico) no Brasil. Ainternet passou a ser uma grande aliada das três esferas de governo, promovendo atransparência governamental como também fornecendo dados que o próprio governo podeutilizar para a sua estratégia a nível Federal, Estadual e Municipal.8. Identificando Fraudes e Corrupção Segundo Mansur (2009) existem 4 categorias para a corrupção e fraudes que seriam: • Governamental - Desvio de verbas e superfaturamento no Executivo, Legislativo e Judiciário. • Cidadão Comum - Pirataria e compras sem notas e em conseqüência o não recolhimento de impostos e taxas.
  13. 13. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 13 • Judiciário - Processos lentos, excesso de varas e recorrência, inexistência de auditoria para juízes e intimidação policial sem provas. • Situações Legais – aumento de salário do legislativo, por eles próprios, acima da inflação, pode ser legal, mas não moral. Apesar de existirem quatro grandes categorias para a corrupção, a origem tem um lugar comum, que é o trinômio transparência, controle e justiça. Este trinômio está relacionado com todos os casos de corrupção, ou seja, quanto maior é a ausência destes fatores maior é o nível de corrupção daquele ambiente. (MANSUR, 2009, p.176).Mansur (2009) diz que a corrupção se aproveita da falta de controle sendo um dos motivosque impede a transparência e a justiça de atuarem em favor da sociedade. Ainda nos revelaque o melhor fiscal é a própria população, pois devido ao grande número de ações, em todosos níveis, que são executadas no país, é impossível que os poderes Executivo, Legislativo eJudiciário somente, fiscalizem com sucesso, combatendo ou inibindo as fraudes. A população, enquanto aliada do Governo, ajudando a fiscalizar as fraudes (controle)devem fazer a denúncia quando necessário ao Ministério Público (justiça) para que o mesmopossa tomar as devidas providências cabíveis e legais para impedir ou punir os responsáveis. A transparência também vai ajudar a população fazer sua fiscalização através dadisponibilização dos dados governamentais, para isso é necessário que estes dadosdisponibilizados pelas instituições do governo, logicamente através de lei, tenhamconfiabilidade e veracidade, para que a atuação da população tenha como resultado umafiscalização de cunho verdadeiro. A Governança de TI vem dar apoio à transparência deinformações necessárias, utilizando práticas e métodos para garantir confiabilidade everacidade dos dados que serão fiscalizados pela população e por todas as instituições legaisque tenham esta função.9. Combate e Controle Anti-Fraudes A fraude e a corrupção são problemas mundiais que têm exigido maior atenção dos governos e dos órgãos de controles internos e externos. Em casos recentemente ocorridos no Brasil, os quais ficaram conhecidos por ‘Mensalão’, ‘Vampiros’, ‘Sanguessugas’, ficou evidente a necessidade de atuação no combate às fraudes e à corrupção. Os órgãos de controle precisam atuar de forma mais efetiva e ágil para a minimização de perdas. (CARDOZO, 2007). Fraude e corrupção são problemas que afetam de forma brutal os recursos dosgovernos de vários países em todo o mundo. O Brasil como uma nação pertencente ao grupo dos países emergentes está sedestacando como um grande exportador mundial, principalmente de alimentos, e com isso osuperávit de sua balança comercial se torna maior a cada ano, exigindo um controle cada vezmaior principalmente sobre suas finanças, para que o dinheiro arrecadado possa ser aplicadoda melhor forma possível gerando qualidade de vida para os brasileiros. Pode-se imaginar que, quanto maior a arrecadação fiscal mais complexo deve ser ocontrole sobre o contribuinte, pois o valor que as fraudes podem tirar dos cofres públicostornam-se cifras consideráveis que farão diferença se deixarem de ser revertidas para asociedade em forma de saúde, educação, geração de empregos dentre outras. A Governança de TI vem trazer aos administradores dos recursos públicos soluções eferramentas para que o controle contra fraudes e corrupção no Brasil possa ser feito com
  14. 14. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 14solidez e perenidade. Várias soluções e ferramentas já estão sendo viabilizadas para conter oavanço das fraudes no país, algumas mais importantes são comentadas a seguir neste trabalho. O Brasil pretende implantar a partir de 2009 uma carteira de identidade inteligente – o chamado Registro de Identidade Civil (RIC). A novidade vai reunir em um só documento informações pessoais, número de CPF e título de eleitor. E contará com um chip para armazenar as características físicas e biométricas do cidadão, para facilitar a identificação do portador. As informações de identificação do cidadão serão enviadas para um banco de dados do Instituto Nacional de Identificação, no qual ficarão armazenadas. (LAURANS, 2009). Com a preocupação em combater a fraude de identidade Civil, o Governo Federal querimplantar, tendo início em 2009, um controle mais eficaz de identificação pessoal, o Registrode Identidade Civil (RIC). Serão 3 documentos atuais que ficarão resumidos em apenas um,compondo dados da RG, CPF e Título de Eleitor. Os dados pessoais de cada indivíduo ficarãoarmazenados em um banco de dados corporativo facilitando a identificação e garantindo averacidade dos dados. A segurança na identificação pessoal está na utilização de um chipcontendo as características físicas e biométricas relativas ao portador, uma forte ferramenta noapoio ao combate à fraude de identificação civil. [...] merece destaque o desenvolvimento de Urnas Biométricas, que processarão o voto a partir da identificação biométrica do eleitor. A missão da Justiça Eleitoral brasileira é a de colocar nas mãos dos brasileiros o futuro cada vez mais seguro para a democracia e levar o Brasil à vanguarda tecnológica dos processos eleitorais em todo o mundo. (JUSTIÇA-ELEITORAL, 2008) Continuidade e fortalecimento da Democracia no Brasil são fundamentais para aJustiça Eleitoral, pois esta está alicerçada no Regime de Governo Democrático. Por isso ocombate às fraudes eleitorais tem grande importância para a Justiça Eleitoral que zela pelaautenticidade das eleições Federais, Estaduais e Municipais. A urna eletrônica foi um grande avanço para a segurança eleitoral no Brasil, tanto noato de votação quanto no de apuração dos resultados, demonstrando transparência ecredibilidade nas eleições brasileiras. Associado ao sucesso da urna eletrônica a JustiçaEleitoral, buscando aumentar a autenticidade dos votos, desenvolveu a urna biométrica com afunção de evitar a fraude na identificação do eleitor aumentando também a credibilidade noprocesso eleitoral. O Departamento de Trânsito de Minas Gerais (DETRAN/MG) implantará, ainda neste semestre, solução tecnológica com base na biometria (código biométrico), a fim de imprimir maior segurança ao processo de formação de candidatos e condutores em processo de habilitação ou renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O Sistema de Identificação de Candidatos e Condutores pelo Código Biométrico, [...] , foi desenvolvido pela Prodemge em parceria com o DETRAN/MG. (PRODEMGE, 2009). Assim como os DETRANs de São Paulo, Rio de Janeiro, dentre vários outros dosestados brasileiros, o DETRAN de Minas também adere à identificação biométrica a serutilizada no processo de formação de condutores, na habilitação e renovação da CarteiraNacional de Habilitação. Seguindo a tendência em identificação pessoal sem fraudes, oEstado de Minas Gerais dá um grande passo para a segurança do processo de habilitação decondutores buscando reduzir o número de ausências e compensação fraudulenta doscondutores nos cursos de formação, garantindo também uma maior segurança nas viasurbanas e rodovias já que exige a presença do candidato e condutores nos processos queenvolvem a emissão da CNH.
  15. 15. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 15 O chamado Simac (Sistema de Monitoramento de Auditorias do Cadastro Único) já foi acessado por 357 municípios. No período, 6.000 cadastros apontados como suspeitos pelo TCU (Tribunal de Contas da União) foram alterados para esclarecimentos de informações. A nova ferramenta cruza informações repassadas pelos gestores municipais do programa com dados do cadastro único do ministério, facilitando a identificação de inconsistências apontadas pelo TCU em auditorias, como subdeclaração de renda e beneficiários que foram eleitos para cargos públicos, o que impede a permanência no programa. (FOLHAONLINE, 2009). Conforme a FolhaOnline (2009) o Simac é um sistema de monitoramento do BolsaFamília com a função de auditoria para encontrar falhas na concessão de benefícios.Atualmente o programa Bolsa família atende cerca de 12 milhões de famílias o que mostra serum número onde o monitoramento e a auditoria automatizada é necessária devido ao grandenúmero de inconsistências que podem aparecer. Já foram alterados 6.000 cadastros que oTCU considerou suspeitos, para que fossem fornecidos esclarecimentos de informações. Comeste sistema o Governo Federal utilizando recursos de TI, demonstra sua preocupação emminimizar as fraudes e o vazamento do dinheiro público, divulgando as medidas adotadascom transparência do programa Bolsa Família.10. Investimento em TI pelo Governo Federal Quanto o governo gasta com TI? Ninguém sabe. Primeiro problema: o governo não é um só. Além do governo federal, há os 27 governos dos estados e do Distrito Federal e as 5.563 prefeituras. Segundo problema: nas três esferas (federal, estadual e municipal) há várias entidades; e cada uma dessas entidades pode comprar seus próprios recursos de TI. O que leva ao terceiro problema: governo federal, governos estaduais e prefeituras não têm um orçamento de TI centralizado. (REIS, 2007, p.06). Conforme relata Reis (2007), vice-presidente da e-Stratégia Pública, não tem comosaber o total de gastos em TI no Brasil nas 3 esferas do governo, pois existe liberdade naaquisição de serviços e produtos de TI na esfera Federal, como na Estadual e na Municipal,não havendo um orçamento de TI centralizado, o que dificulta mais ainda a apuração degastos em tecnologia da informação. Este problema pode influenciar na qualidade deaplicação dos recursos públicos para a área de tecnologia da informação, exigindo tambémuma maior fiscalização e transparência nas Três esferas do governo o que é dificultado pornão existir um orçamento centralizado de TI no Brasil. O Serpro é o principal comprador de TI. Em 2008, o orçamento do Serpro é de R$ 2,15 bilhões; cresceu 20% em relação ao orçamento de 2007, que foi 20% maior que o orçamento de 2006. Bruno deduz: os gastos de TI no governo federal crescem 20% ao ano desde 2006, acompanhando o orçamento do Serpro. Contando as compras fora do Serpro, Bruno estima que o governo federal gaste R$ 2,55 bilhões com TI em 2008. (REIS, 2007, p.07). Segundo Reis (2007) o maior orçamento de TI do Governo Federal é do Serviço deProcessamento de Dados Federal – SERPRO, este orçamento vem aumentando a cada anodesde 2006, o que demonstra a preocupação dos governantes federais em conjunto com ostécnicos de carreira do governo, com os investimentos e atualização em recursos de TI naesfera federal. O projeto de cidades digitais, com investimento do Ministério das Comunicações em infovias para 167 cidades, deve custar R$ 180 milhões na primeira fase. Segundo Bruno, a segunda fase pode custar até R$ 1 bilhão. Esse projeto pode sair em 2009,
  16. 16. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 16 se o governo se esforçar; é possível. Também em 2009, o Registro de Identidade Civil (RIC) vai substituir os documentos de identidade estaduais. Orçamento do projeto: R$ 9,1 bilhões. (REIS, 2007, p.08). O projeto de cidades digitais é outra preocupação do Governo Federal para a expansãoe concretização da Tecnologia da Informação no Brasil permitindo a inclusão digital nãosomente da população, mas de toda a estrutura governamental como também da estruturaprivada, o que contribuirá para a transparência pública e para o controle e o combate àsfraudes. O SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), que deve custar R$ 900 milhões, também deve contribuir para aumentar os gastos com TI no próximo ano. E existem outros projetos: o novo passaporte, a carteira de trabalho eletrônica (o Ministério do Trabalho deverá investir R$ 300 milhões nesse projeto). (REIS, 2007, p.08). Estão ocorrendo investimentos em larga escala em recursos de TI aplicados em áreasdiversificadas dentro do Governo Federal o que está sinalizando e proporcionando umaumento nos gastos de TI em todo o Brasil refletindo nas esferas Estadual e Municipal. Sãoinvestimentos principalmente na área de serviços de TI tais como no desenvolvimento doSPED que custará 900 milhões de reais como também de 300 milhões de reais que serãoinvestidos na carteira de trabalho eletrônica. Todos estes projetos irão aumentar o combate àsfraudes e aquecerão o mercado de TI, principalmente na geração e fornecimento de serviçosde tecnologia de informação no Brasil.11. Medidas de Governança de TI no Governo Federal Mais da metade dos órgãos da Administração Pública Federal não planeja de modo adequado a alocação de recursos na área de Tecnologia de Informação (TI). Essa conclusão está em relatório elaborado pela Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação (Sefti) do Tribunal de Contas da União (TCU), no qual é feito um diagnóstico completo do processo de compras e planejamento na área, englobando também diversos aspectos referentes ao governo eletrônico (e-GOV). (SERPRO- RTI, 2009). As regras em Governança de TI são bem claras quando enfatizam que a área de TIdeve gerar valor ao negócio da instituição e que é fundamental o alinhamento da TI com onegócio atendendo aos requisitos exigidos para a agregação de valor nos serviços e produtosdas organizações. Dessa forma o planejamento com os gastos em projetos de TI deve sermuito criterioso, não se deve gastar nada que não venha trazer retorno para a instituição e issoserve também para os gastos com recursos de TI na administração Pública Federal comotambém Estadual e Municipal. Todos estes fatos mostram porque o Governo Federal estápreocupado com os erros e descasos no gasto em tecnologia da informação no Brasil. Visando melhorar a eficiência nos gastos públicos em recursos de TI, o GovernoFederal criou em janeiro de 2009 algumas normas que contribuirão para que o governo possafazer uma Governança de TI com maior acerto, sendo corporativa, ou seja, para todos osórgãos da Administração Pública Federal. Conforme estabelecido na IN-4 (2008) estasnormas foram definidas e incluídas na Instrução Normativa n° 4 pelo Secretario de Logística eTecnologia de Informação, conforme Decreto nº 6.081, de 12 de abril de 2007, revigoradopelo Decreto nº 6.222, de 4 de outubro de 2007, e tendo em vista o disposto na Lei nº 8.666,de 21 de junho de 1993, na Lei nº 10.520, de 17 de junho de 2002, no Decreto nº 1.048, de 21de janeiro de 1994, e no Decreto nº 2.271, de 7 de julho de 1997, no Decreto nº 3.555, de 8 deagosto de 2000, no Decreto nº 3.931, de 19 de setembro de 2001, e no Decreto nº 5.450, de 31de maio de 2005.
  17. 17. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 17 A Instrução Normativa nº 04, que aprimora a contratação de serviços tecnológicos vale para todos os órgãos da Administração Pública Federal (APF) direta, autarquias e fundações. [...] As novas regras entraram em vigor neste mês de janeiro e valem para todos os órgãos da Administração Pública Federal (APF) direta, autarquias e fundações. (SERPRO-RTI, 2009). Somente o SERPRO gasta mais de 2 bilhões de reais por ano em tecnologia dainformação o que explica a preocupação em acertar e reduzir o percentual de erro noplanejamento e contratação de serviços de TI pelos órgãos da Administração Pública Federal.Dessa forma a instrução normativa n°4 vem contribuir para a melhoria na contratação, elogicamente no acerto, de serviços de TI por todos os órgãos administrativos do GovernoFederal. Umas das coisas que terá mais ligação com o mundo software livre é que não se pode mais licitar tecnologias antes de verificar a disponibilidade de solução similar em outro órgão ou entidade da Administração Pública Federal; Repositório do Software Público no Min. Plan.; Repositório de Softwares Livres e Open Source na internet, e caso não seja encontrado nada que atenda a demanda, a licitação deverá ainda observar às políticas, premissas e especificações técnicas definidas pelos Padrões de Interoperabilidade do Governo Eletrônico (E-PING, E-MAG), ou seja mesmo que o software seja desenvolvido ele terá que ter compatibilidade com padrões abertos. (BR-LINUX.ORG, 2009). Dentro das normas expedidas pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação(SLTI) está a liberação de licitação somente após verificação de que não existe a soluçãosolicitada em outros órgãos do Governo Federal ou no Repositório do Software Público doMinistério de Planejamento e no Repositório de Softwares Livres na internet. Se o softwaretiver de ser desenvolvido ele deve, conforme especificações técnicas estabelecidas peloGoverno Federal, estar alinhado com os padrões abertos de Software Livre. Deve obedecer aopadrão de Interoperabilidade do Governo Eletrônico e-PING e ao padrão de Acessibilidade doGoverno Eletrônico e-MAG. [...] define um conjunto mínimo de premissas, políticas e especificações técnicas que regulamentam a utilização da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) no governo federal, estabelecendo as condições de interação com os demais Poderes e esferas de governo e com a sociedade em geral. (e-PING). A utilização da tecnologia de informação e comunicação no Governo Federal estãoregulamentadas por políticas e especificações técnicas visando à interação com os Poderes eesferas de governo como também a população representada por pessoas físicas ou jurídicas. “O Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico (e-MAG), consiste em um conjunto de recomendações a ser considerado para que o processo de acessibilidade dos sítios e portais do governo brasileiro seja conduzido de forma padronizada e de fácil implementação.” (e-MAG). O e-MAG visa padronizar os sites do Governo Federal melhorando a acessibilidade aointernauta como também, em consequência, tornando mais fácil a implementação dentro deum padrão pré-definido. Além disto, qualquer software que for desenvolvido para o governo federal a partir de agora será do Governo, ficará disponível no repositório de Software ‘Público’, o governo deterá os fontes e a licença, isto acaba com a dependência tecnológica de fornecedores. Agora os fornecedores passarão a ‘prestar’ serviço de desenvolvimento, deixando assim de ‘vender’ soluções prontas para o governo. (BR-
  18. 18. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 18 LINUX.ORG, 2009). Uma medida importante do Governo Brasileiro, incluída no IN-4, foi a do controle dasfontes e da licença de todos os softwares contratados por ele, ficando disponível norepositório de Software Público o que vai acabar com a dependência do governo com osfornecedores de software. Assim o Governo terá controle total sobre os fontes, o que facilitanas modificações necessárias dos softwares caso haja necessidade, e que também poderá serfeito pelos seus próprios técnicos de TI ou por outro fornecedor licitado, melhorando asvantagens de custo e qualidade para o Governo Federal. [...] o governo ainda vem trabalhando rapidamente na formação de pessoal: Segundo o Secretário-Adjunto da SLTI (Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação), Rodrigo Ortiz Assumpção, nos próximos meses e anos o governo formará grandes quadros de gestão em TI que vão assegurar boas práticas de governança e de compras no setor. (CONVERGÊNCIA-DIGITAL, 2008). O investimento em pessoal também é muito importante, pois na área de TI o custo depessoal está numa posição de destaque. Outra preocupação importante do Governo Federal representada pela Secretaria deLogística e Tecnologia de Informação está na formação e qualificação de pessoas aptas aatender às necessidades da gestão em TI do governo, assegurando com isso aplicação de boaspráticas de governança envolvendo aquisição e aplicação de recursos em tecnologia dainformação.12. Estratégias de Software Livre e Boas Práticas no Governo Federal “A opção estratégica pelo software livre em empresas como o SERPRO, Caixa eBanco do Brasil proporcionou o investimento imediato na inteligência de tecnologia dainformação brasileira.” (SOFTWARE-LIVRE, 2009). A utilização de software livre noGoverno Brasileiro já é uma realidade, pois algumas das maiores instituições estatais fazemuso desta prática com muito sucesso, o que foi objeto do debate Casos de Sucesso doSoftware Livre no Governo Federal. O baixo custo, facilidade de acesso ao (software Livre e a opção do SERPRO, Caixa eBanco do Brasil por seguirem o caminho do software livre, fomentou o uso desta tecnologiadevido à grande influencia de atuação que estas instituições têm não só na áreagovernamental, mas também na iniciativa privada, pois a contratação de serviços de terceiros,por estas três empresas do governo, também exigiu qualificação de seus fornecedores noseguimento do SL. “Mazoni ressaltou a adoção do SL como uma questão filosófica e não só econômica.‘É a articulação entre instituições de governo para trocar códigos e trabalhar cooperadamente.Nós nos preocupamos em formar ecossistemas’, afirmou o presidente do Serpro.”(SOFTWARE-LIVRE, 2009). Atualmente as necessidades diversas dos órgãos e instituições Federais como tambémEstaduais e Municipais já não permite mais uma TI que trabalhe em ilhas. Assim como Marcos Mazoni, presidente do SERPRO mencionou sobre a questãofilosófica do software livre, a estratégia do Governo Federal é clara na utilização desteseguimento de software, pois o crescimento da TI na esfera Federal poderá ser dimensionadocom a cooperação entre as instituições do governo. A partir de 2009, todos os softwares desenvolvidos para o governo federal terão que seguir a Demoiselle, plataforma que padroniza processos e códigos de sistemas [...]
  19. 19. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 19 Desenvolvida pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e pela Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev), a Demoiselle passará a ser adotada em todas as novas contratações de desenvolvimento de programas. (SERPRO-SL, 2009). Na tentativa de padronizar as ferramentas a serem utilizadas tanto no desenvolvimentode software por parte do Governo Federal como também na terceirização destedesenvolvimento, o governo a partir do SERPRO e da DATAPREV desenvolveu umframework para java com o intuito de padronizar os processos e códigos de sistemas passandoa ser uma norma a ser adotada nas contratações de desenvolvimento de sistemas. O framework integrador Demoiselle para Java é uma ferramenta de código-aberto e totalmente livre, que visa garantir a interoperabilidade e facilidade de manutenção dos sistemas dos diferentes ministérios e autarquias do governo federal. Ele foi construído sob as premissas de ser extensível, fácil de usar, estável, configurável, confiável e ter sua documentação publicada. A intenção é atingir padronização, redução da curva de aprendizagem, maior produtividade, simplificação dos processos, reutilização de códigos e uma manutenção mais simplificada. (DEMOISELLEFRAMEWORK, 2009). O Demoiselle passa a pertencer ao grupo de ferramentas de software livre e estádisponivel na internet para qualquer empresa ou pessoa que se interessar. Tem também o seucódigo aberto o que representa que pode receber alterações e melhorias por qualquer pessoaque quiser alterar seu código, melhorando a evolução do mesmo através da criação de novasfunções. Conforme DemoiselleFramework (2009), o objetivo principal do Governo Federalcom essa nova ferramenta é a interoperabilidade e facilidade de manutenção dos sistemasentre ministérios e autarquias do governo, pois sendo padrão torna-lo-á uma ferramentadivulgada e dominada pelos profissionais das instituições administrativas Federais já que temuma proposta de ser fácil de usar, sendo estável e configurável trazendo grande flexibilidadeno seu uso. A intenção do governo é de consolidar a padronização, facilitar a aprendizagemem tempo hábil, ter maior produtividade, simplificar os processos e simplificar a manutenção. A expectativa é de que haja redução de 50% nos custos de operação e manutenção dos sistemas. Outro benefício que pode ser apontado é que o governo não precisa se preocupar em fazer todo o desenvolvimento de seus sistemas, podendo contratar a iniciativa privada, controlando a tecnologia e ajustando a sua operação depois. (SERPRO-SL, 2009). Com o Demoiselle o Governo pretende ter o controle no desenvolvimento de seussistemas, mesmo que tenha que terceirizar este desenvolvimento. Além do mais a redução decusto é fundamental para uma máquina administrativa que gasta bilhões de reais por ano emTI, pois a redução dos 50% em economia em operação e manutenção de sistemas, esperadopelo governo, vai significar mais dinheiro disponível para ser aplicado na melhoria eabrangência do serviço de TI da esfera Federal, como também em outras necessidades dopaís. A criação do IES é uma iniciativa do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós- Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em parceria com várias outras empresas. O novo Instituto vai adotar um modelo de referência denominado MPS BR-Melhoria de Processo do Software Brasileiro, que poderá reduzir em até seis vezes o custo de certificação das empresas do setor e melhorar a qualidade dos sistemas. O MPS BR tem tecnologia 100% nacional e foi desenvolvido pelo Coppe e pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex), uma
  20. 20. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 20 entidade privada sem fins lucrativos, com o apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia ( MCT). (SERPRO-MPS-Br, 2005). O MPS BR é um modelo de referência criado pela Coppe e pela Softex para odesenvolvimento de software com o objetivo de certificar empresas públicas e privadas dosetor, com a intensão de melhorar a qualidade dos sistemas desenvolvidos pelo Brasil. É umaação que também poderá reduzir o custo de certificação, estimulando as empresas a secertificarem melhorando a imagem das mesmas no mercado de desenvolvimento de software. "O que é importante, antes de se alcançar o mercado internacional é pensar no mercado brasileiro. E aí, um importante agente é o governo na medida em que ele começar a adotar esse modelo brasileiro e exigir das suas contratadas o uso do MPS BR". Assim, acrescenta, "o governo estará incentivando todas as empresas nacionais, e portanto, ajudando as empresas a atingirem patamares cada vez melhores de qualidade, para chegar ao mercado internacional", destacou a diretora do Coppe. (SERPRO-MPS-Br, 2005). A adoção do MPS BR pelo Governo também contribuirá para que este projeto tenhasucesso, na medida em que for exigido por ele, este modelo para as empresas que foremcontratadas no fornecimento de serviço. Nesta exigência o Governo Federal estará não sóestimulando o uso do modelo MPS BR, mas principalmente ajudando as empresas brasileirasde desenvolvimento de software a melhorarem a qualidade de seus produtos e serviços echegar ao mercado internacional que é muito seletivo. O Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou à Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) a adoção do MPS.BR, o programa para melhoria de processo do software brasileiro, no trabalho de modelagem e estabelecimento de regras mínimos sobre a licitação e a contratação de serviços de TI. O TCU chamou atenção para o fato de que a avaliação MPS.BR é um dos modelos que já contam com investimento público brasileiro. (SERPRO-TCU, 2009). O MPS BR, segundo o TCU, recebeu investimentos públicos em sua pesquisa edesenvolvimento, desta forma ele recomenda que seja inserida nas licitações e contratação deserviços de TI, a adoção do MPS BR no desenvolvimento do trabalho, demonstrando assim oseu reconhecimento por este modelo. Para o coordenador de capacitação da Softex, Eratóstenes Ramalho de Araújo, a recomendação de uma instituição da envergadura do Tribunal de Contas da União “atesta a seriedade da proposta do MPS.BR, que é hoje uma certificação de qualidade que se rivaliza com os melhores modelos adotados internacionalmente”. (SERPRO-TCU, 2009). Segundo Eratóstenes a recomendação do MPS BR pelo TCU vem atestar a seriedadedo modelo, ganhando força com o apoio do Tribunal de Contas da União associado com asexigências no uso desta Boa Prática nas contratações de serviços de Tecnologia daInformação, tornando o MPS BR entre as empresas brasileiras de software, um rival dosmelhores modelos adotados internacionalmente.13. Conclusão Nota-se que o Brasil, em termos de governo, está muito alinhado com os recursos deTI adotando medidas e desenvolvendo soluções próprias, como é o caso da urna eletrônica,que tem dado muito resultado em termos de transparência como de segurança valorizando aGovernança de TI e os profissionais da área.
  21. 21. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 21 Percebe-se uma preocupação em fomentar a Governança de TI pelo Governo Federal esuas instituições responsáveis pela tecnologia da informação e outras que fazem o uso de TIde forma criteriosa e séria, como no SERPRO, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil,já que estas três empresas do Governo Federal comprovaram ter muito sucesso em suasestratégias, principalmente em SL, estimulando o Governo neste seguimento. O Governo Brasileiro enquanto usuário de TI, aproveitando a qualidade de suasnecessidades, também está gerando tecnologia da informação como é o caso do frameworkDemoiselle, com o objetivo de melhorar a interoperabilidade e facilitar a manutenção dossistemas entre ministérios e autarquias do Governo. Assim como o desenvolvimento do MPSBR como modelo de referência para desenvolvimento e melhoraria da qualidade de softwareno desenvolvimento pelas empresas brasileiras. Também o projeto de cidades digitais, muitoimportante para a inclusão digital da população e das instituições públicas, como docrescimento e da expansão da utilização de TI no Brasil, principalmente da internet. A adoção de software livre foi uma medida fundamental para se ter o controle epropriedade sobre os sistemas com o desenvolvimento contratado em forma de serviço comotambém para a redução de custos, o que representa uma economia muito grande em TI e demuito impacto para a Nação, proporcionando uma maior abrangência em tecnologia dainformação num país de dimensões continentais. A Lei de Responsabilidade Fiscal como a necessidade de maior controle para conter asfraudes e aumentar a arrecadação tem exigido uma maior criatividade e soluções daGovernança de TI levando os governos Federal, Estadual e Municipal a investir mais emtecnologia da informação, fazendo desta uma grande aliada governamental pública. Inúmeras fraudes de ambos os lados, Governo e Sociedade, são ventiladasconstantemente pela imprensa brasileira dando a impressão que nada está sendo feito paracombatê-las. Observou-se com este trabalho que muito se tem feito e está sendo planejadopelos governantes e técnicos de carreira do Governo Federal para combater e coibir a fraudeno Brasil utilizando-se da tecnologia da informação, isso é demonstrado pelas inúmerasmedidas e ferramentas robustas criadas pelo governo com este intuito. A Tecnologia daInformação, em sua essência, vem cumprindo o seu papel obtendo sucesso onde é aplicadacom seriedade e responsabilidade nas 3 esferas do Governo no Brasil.
  22. 22. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 22ReferênciasARAÚJO, L. M. Governança Corporativa no Brasil: Melhores Práticas e a Influência da Lei Sarbanes-Oxley. TCP UNIMINAS, 2009.BR-LINUX.ORG. Novas regras para contratação de TI no governo federal – 01/2009;Disponível em:<http://br-linux.org/2009/novas-regras-para-contratacao-de-ti-no-governo-federal/>, Acesso em 27/11/2009.CARDOZO, J. S. A Auditoria em Fraudes na Gestão Pública: um Estudo e Contribuição à auditoria noCombate às Fraudes e Corrupção – 02/2007; Disponível em:<http://www.cardozo-group.com/?p=65>, Acesso em 27/11/2009.CONIP. Conip Brasília traz o uso da tecnologia no combate a corrupção como temática principal – 16/11/2005; Disponível em:<http://www.tramaweb.com.br/cliente_ver.aspx?ClienteID=160&NoticiaID=2920>,Acesso em 13/10/2009.CONVERGÊNCIA-DIGITAL. IN-4 Mercado Governamental Quer Fornecedor Pronto Para Competir –12/2008; Disponível em:<http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=17033&sid=10>, Acesso em27/11/2009.DEMOISELLEFRAMEWORK. Framework de Governo; Disponível em:<http://www.frameworkdemoiselle.gov.br/menu/projetos/demoiselle-no-governo>,Acesso em 28/11/2009e-MAG. Modelo de Acessibilidade do Governo Eletrônico; Disponível em:<http://www.governoeletronico.gov.br/acoes-e-projetos/e-MAG> Acesso em 28/11/2009.e-PING. Padrões de Interoperabilidade do Governo Eletrônico; Disponível em:<http://www.governoeletronico.gov.br/acoes-e-projetos/e-ping-padroes-de-interoperabilidade> Acesso em28/11/2009.FERNANDES, A. A.; ABREU, V. F. Implantando a Governança de TI. 1. ed. Rio de Janeiro: BRASPORT, 2006.FOLHAONLINE. Novo sistema de monitoramento encontra tentativa de fraude no Bolsa Família –08/2009; Disponível em:<http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u612544.shtml>, Acesso em 26/11/2009.G1 - Lula sanciona lei sobre transparência nos gastos públicos – 05/2009 – Disponível em:
  23. 23. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 23<http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL1170198-5601,00.html>,Acesso em 25/11/2009.IBGC. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa do IBGC – Instituto Brasileiro deGovernança Corporativa; Disponível em:< www.ibgc.org.br>, baixado em 25/08/2009.IN-4. Instrução Normativa Nro 4 – 2008; Disponível em:https://www.governoeletronico.gov.br/anexos/instrucao-normativa-n-04,Acesso em 28/11/2009.JUSTIÇA-ELEITORAL. IDENTIFICAÇÃO BIOMÉTRICA DO ELEITOR - 2008; Disponível em:<http://www.tse.gov.br/downloads/biometria/index.htm>, Acesso em 26/11/2009.LAURANS, A. O Brasil no combate às fraudes em documentos – 01/2009; Disponível em:<http://www.administradores.com.br/noticias/o_brasil_no_combate_as_fraudes_em_documentos/19853/>,Acesso em 26/11/2009.LRF - Lei de Responsabilidade Fiscal – 05/2008 – Disponível em:<http://www.tesouro.fazenda.gov.br/hp/lei_responsabilidade_fiscal.asp>,baixado em 25/11/2009.MAÇADA, A. C. G. Governança de TI no Brasil: uma análise dos mecanismos mais difundidos entre asempresas nacionais; Disponível em:<http://www.ea.ufrgs.br/professores/acgmacada/pubs/1415_governanca.pdf>,Acesso em 18/08/2009.MANSUR, R. Governança Avançada de TI. 1. ed. Rio de Janeiro: BRASPORT, 2009.MEZZOMO, M. Governança Global; Disponível em:<http://www.pivaadvogados.adv.br/webcontrol/upl/e_35_1.pdf>, Acesso em 13/11/2009.NOSSA COMUNIDADE GLOBAL – Relatório da Comissão sobre Governança Global. ed. Rio de Janeiro:FGV, 1996.PRODEMGE - SISTEMA DO DETRAN/MG ADOTA IDENTIFICAÇÃO BIOMÉTRICA – 2009;Disponível em:<http://www.prodemge.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=79&Itemid=57>, Acesso em26/11/2009.RCGG. Informação sobre o RCGG - (Núcleo de Pesquisa sobre Governança Global); Disponível em:
  24. 24. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Autorizada pela Portaria no 577/2000 – MEC de 03/05/2000 ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 24<http://www.rcgg.ufrgs.br/inf_por.htm>, Acesso em 29/03/2010.REINER, L. GOVERNANÇA GLOBAL E CULTURA DA PAZ – 2000 – Disponível em :<http://apache.camara.gov.br/portal/arquivos/Camara/internet/publicacoes/estnottec/tema3/000027.pdf>,baixado em 29/03/2010.REIS, B. Os gastos com TI: uma conta difícil. – 2007 – Disponível em:<http://www.anuariotigoverno.com.br/anuariotigoverno/pdfs/PAG_006_008_Egov.pdf> Acesso em 27/11/2009.SERPRO-MPS-Br. Instituto de Engenharia de Software quer aumentar competitividade dos programasnacionais – 08/2005;Disponível em:<http://www.serpro.gov.br/noticias-antigas/noticias-2005-1/20050811_04> Acesso em 31/03/2010.SERPRO-RTI. Novas Regras para TI no Governo Federal – 12/01/2009; Disponível em:<http://www.serpro.gov.br/noticiasSERPRO/novas-regras-para-ti-no-governo-federal/>,Acesso em 27/11/2009.SERPRO-SL. Softwares do governo federal serão padronizados a partir de 2009 – 12/2008;Disponível em:<http://www.serpro.gov.br/serpronamidia/2008/dezembro/softwares-do-governo-federal-serao-padronizados-a-partir-de-2009/>, Acesso em 27/11/2009.SERPRO-TCU. TCU recomenda exigência de certificado nacional de sotware em licitações – 01/2009;Disponível em:https://www2.gestao.presidencia.serpro.gov.br/secom/folder_noticias/2007/8/nt14ago2c, Acesso em 31/03/2010.SISTN – Sistema de Coleta de Dados Contábeis de Estados e Municípios – Disponível em:< http://www.tesouro.fazenda.gov.br/estados_municipios/sistn.asp>, Acesso em 25/11/2009.SOFTWARE-LIVRE. Investimento em SL alavancou inteligência de TI do país – 2009;Disponível em:<http://www.softwarelivre.gov.br/noticias/investimento-em-sl-alavancou-inteligencia-de-ti-do-pais/>, Acessoem 27/11/2009.WEILL, P.; ROSS, J.W. Governança de TI – Tecnologia da Informação. 1. ed. São Paulo: M.BOOKS, 2006.

×