Bioma Mata Dos Cocais

54,034 views
53,605 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
54,034
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
379
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Bioma Mata Dos Cocais

  1. 1. Universidade Federal de Alagoas Centro de Tecnologia Graduação em Engenharia Ambiental Disciplina de Ecologia Prof. Roberto Caffaro MATA DOS COCAIS Jade Varallo Corte Jéssica Francyne Frias Jonas Rafael Duarte Cavalcante Maceió, 23 de setembro de 2009
  2. 2. Universidade Federal de Alagoas Centro de Tecnologia Graduação em Engenharia Ambiental Disciplina de Ecologia Prof. Roberto Caffaro MATA DOS COCAIS Relatório desenvolvido pelos alunos Jade Varallo Corte, Jéssica Francyne Frias e Jonas Rafael Duarte Cavalcante, matriculados no quarto período do curso de Engenharia Ambiental, para a disciplina Ecologia ministrada pelo Professor Roberto Caffaro. Maceió, 23 de setembro de 2009
  3. 3. Introdução Segundo a WIKIPEDIA (2009), biomas “são as comunidades biológicas, ou seja, as populações de organismos da fauna e da flora interagindo entre si e interagindo também com o ambiente físico chamado biótopo”. Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar), o solo e a altitude específicos. Alguns, também são caracterizados de acordo com a presença ou não de fogo natural. A palavra bioma (de bios=vida e oma=grupo ou massa) foi usada pela primeira vez com o significado acima por Clements (ecologista norte-americano) em 1916. Segundo ele a definição para bioma seria, “comunidade de plantas e animais, geralmente de uma mesma formação, comunidade biótica”. (FARIA, 2007) Ecótono (ou ecótone) é definido, de acordo com a Resolucão CONAMA (1994), como “zona de contato ou transição entre duas formações vegetais com característica distintas”. De forma geral pode-se dizer que é a região situada na transição de dois ou mais biomas, de forma que a Mata dos Cocais é um exemplo claro de ecótono. LIMA et al (2006) afirma que, segundo COELHO et al. (2002), “a zona dos cocais é uma formação de transição entre a floresta amazônica, mata atlântica, caatinga e cerrado”. A região é considerada a de maior concentração de plantas oleaginosas do mundo e fonte da maior produção extrativista vegetal do país. (LIMA et al, 2006).
  4. 4. Mata de Cocais – Imagem disponível em http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/mata-dos-cocais/mata-dos-cocais-2.php 1. Localização De acordo com o MUNDO EDUCAÇÂO (2009), “a mata dos cocais abrange os estados do Maranhão, Piauí, Ceará e setentrional do Tocantins, área conhecida como meio-norte”, podendo também sem encontradas formações características desse ecótono na Bahia (FARIA, 2008). Ainda por FARIA (2008), “a mata de cocais faz a transição entre a caatinga, típica do nordeste, a floresta amazônica, típica da região norte, e o cerrado, mais ao sul”, uma vez que está localizada bem no meio destes importantes biomas. Localização da Mata dos Cocais no Brasil. Imagem disponível em http://geografiabrasil.wordpress.com/2008/03/20/mata-dos-cocais/
  5. 5. 2. Fatores ambientais Segundo o MUNDO EDUCAÇÃO (2009), nas regiões onde ocorre a mata dos cocais o clima varia desde o equatorial úmido até o semi-árido. Ainda de acordo com a mesma fonte, as localidades com o clima mais úmido são o Maranhão, norte do Tocantins e oeste do Piauí, onde ocorre a proliferação do babaçu. A carnaúba é o vegetal que predomina nas áreas mais secas, que se dão a leste do Piauí. Climas do Brasil. Imagem disponível em: http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaFisica/Clima/ Partindo da informação que Carnaúba só se desenvolve em solos argilosos, aluviões e em leito de rios, alem de ser resistente ao sal, e que na Mata dos Cocais há o desenvolvimento desta espécie, infere-se que tais
  6. 6. características são aplicáveis ao solo da região em estudo. (MUNDO EDUCAÇÃO, 2009). O Meio Norte (mais conhecido por Mata dos Cocais), por estar situado numa região de transição entre a região Amazônica – quente e muito úmica - e o sertão semi-árido, possui clima quente e chuvoso em São Luis – MA (em média 2 mil mm por ano), porém a chuva diminui quando vamos para o leste e o interior da região caindo para 1500 mm anuais em Teresina, e apenas 700 mm no sul ocidental do Piauí, cujas condições climáticas são similares às do sertão (JOÃO, 2004). Com relação ao relevo da Região dos Cocais, JOÃO (2009) diz que no Maranhão e Piauí, a planície costeira ocupa quase um terço da superfície destes estados. Classificação de Aziz Ab Saber para o relevo do Brasil. Imagem disponível em http://conceitosetemas.blogspot.com/
  7. 7. De acordo com a imagem acima, é claro enxergar que a afirmação acima é verdadeira. A Mata dos Cocais está localizada, em sua maior parte, sobre o Planalto do Maranhão-Piauí. “O planalto do Maranhão-Piauí (ou do Meio-Norte) situa-se na parte sul e sudeste da bacia sedimentar do Meio-Norte. Aparecem, nessa área, vários planaltos sedimentares de pequena altitude, além de algumas cuestas.” (VESTIBULAR1, 2009). A Mata dos Cocais é uma floresta secundária, pois cresceu com o desmatamento de vegetações anteriores. Atualmente, a área desta região ocupa menos de 3% da área do Brasil. (WIKIPEDIA, 2009). O extrativismo da carnaúba e, principalmente, do babaçu exercem grande importância na população que habita na Região dos Cocais. As atividades desenvolvidas com tais espécies não geram nenhum prejuízo ambiental, uma vez que são retirados somente os frutos e as folhas e essas são recompostas pela planta, ou seja, brotam novamente. O que tem colocado em risco a conservação da mata dos cocais é a ocupação agropecuária, pois retira a cobertura original para que o local seja ocupado por pastagens para a criação de gado e lavouras de monoculturas. (MUNDO EDUCAÇÃO, 2009). 3. Espécies Locais As vegetações típicas da Mata dos Cocais além do babaçu, que aparece em maior quantidade, e da carnaúba, são a oiticica e o buriti. Durante muito tempo o extrativismo vegetal foi a principal fonte produtiva da região. Os recursos vegetais que adquirem maior expressividade para sua exploração são: carnaúba babaçu e o buriti. Dentre as atividades mais extraídas nessa região são: a carnaúba e o babaçu. (PORTAL SÃO FRANCISCO, 2009)
  8. 8. Carnaubeira. Imagem disponível em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/carnauba/carnauba.php Nome popular: Carnaubeira Nome científico: Copernicia prunifera (Miller) H.E. Moore Família botânica: Palmae Origem: Brasil, no Nordeste e Pantanal. Características da planta: Estipe reto e cilíndrico, atingindo de 10 a 15 m de altura, formando saliências espiraladas em sua superfície, decorrentes dos restos das folhas que caíram Folhas em forma de leque com até 1 m de comprimento. Flores amarelas em cachos pendentes que surgem de julho a outubro. Fruto: Cacho com centenas de frutos ovóides a globosos, brilhantes, esverdeados quando jovens e roxos quando maduros. Frutifica de novembro a março. A Carnaúba é uma árvore endêmica no semi-árido do nordeste brasileiro, árvore símbolo dos Estados do Piauí e Ceará, conhecida como árvore da vida. (WIKIPEDIA, 2009)
  9. 9. Coqueiro-buriti. Imagem disponível em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/buriti/buriti.php Nome popular: carandá-guaçu; coqueiro-buriti; palmeira-do-brejo; miriti. Nome científico: Mauritia flexuosa L. Família botânica: Palmae. Origem: Brasil - Regiões brejosas de várias formações vegetais. Características da planta: Palmeira de porte elegante com estipe ereto de até 35 m de altura. Folhas grandes, dispostas em leque. Flores em longos cachos de até 3 m de comprimento, de coloração amarelada, surgem de dezembro a abril. Fruto: Elipsóide, castanho-avermelhado, de superfície revestida por escamas brilhantes. Polpa marcadamente amarela. Semente oval dura e amêndoa comestível. Frutifica de dezembro a junho.
  10. 10. Fruto do Buriti. . Imagem disponível em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/buriti/buriti.php Babaçu. Imagem disponível em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/babacu/babacu.php Nome popular: baguaçu; coco-de-macaco Nome científico: Orrbignya speciosa (Mart.) Barb. Rodr. Família botânica: Palmae Origem: Brasil - Região amazônica e Mata Atlântica na Bahia. Características da planta: Palmeira elegante que pode atingir até 20 m de altura. Estipe característico por apresentar restos das folhas velhas que já caíram em seu ápice. Folhas com até 8 m de comprimento, arqueadas. Flores
  11. 11. creme-amareladas, aglomeradas em longos cachos. Cada palmeira pode apresentar até 6 cachos, surgindo de janeiro a abril. Fruto: Frutos ovais alongados, de coloração castanha, que surgem de agosto a janeiro, em cachos pêndulos. A polpa é farinácea e oleosa, envolvendo de 3 a 4 sementes oleaginosas. A respeito da flora local, Caxirimbu, cidade localizada dentro da região do Cocais, é cercada por grande área verde e densas matas de cocal com a presença de babaçuais, mas identifica-se a presença de várias espécies nativas entre as quais se destacam o caneleiro (Lindockeria paraensis), a maçaranduva ou maçaranduba (Manilkara huberi), ipê ou pau d’arco (Tabebuia serratifolia), aroeira (Astronium sp), sapucaia (Lecythis usitata), mirindimba (Buchenavia sp.). Além dessas espécies podemos identificar ainda a presença de cultura induzida de caju, tamarindo (Tamarindus indica L.) e manga (Mangifera indica L). Sobre as espécies de animais silvestres, de acordo com depoimentos de assentado/as, podem ser encontradas cotia (Dasyprocta agouti), paca (Agouti paca), macaco-prego (Cebus nigrivittatus), veado (Mazama americana), gato do mato (Leopardus tigrinus), mucura (Philander sp), répteis como teiú (Tupinambis teguixin) e camaleões (Chamaeleo chamaeleon) cobras como jibóia (Boa constrictor), cascavel (Crotalus durissus terrificus). Entre as aves têm destaque o nambu (Crypturellus sp), perdiz (Rhynchotus rufescens), jacu (Penelope ochrogaster). E espécies não definidas de macacos, tatus e papagaios. (LIMA, 2007) O extrativismo de madeira consiste na exploração de espécies vegetais nobres, para fins industriais e rurais. Em conseqüência do desmatamento, a área de tensão ecológica da porção centro-norte da Bacia do Parnaíba reduziu a taxa de produção de madeira na região devido à fiscalização do IBAMA. Esta atividade não existe um manejo sustentável que interfere no ecossistema através da diminuição da população das espécies vegetais, tendo como conseqüência a diminuição do potencial madeireiro, da população das espécies
  12. 12. animais e do aumento do escoamento superficial, que acelera os processos de degradação (SOUZA, 2006, em citação a GATTO, 1999). A fauna é muito diversificada, tendo, porém, poucos mamíferos de grande porte. Ao nível do solo há poucos animais (roedores, gambás, lagartos, cobras), vivendo a maioria nas copas das árvores: aves, macacos, insetos, etc. Nas águas dos rios podem ser encontrados o boto, a ariranha e o acará- bandeira. (FESMADAJEKA, 2007) 4. Relações Ecológicas Nas comunidades bióticas dentro de um ecossistema encontram-se várias formas de interações entre os seres vivos que as formam, denominadas relações ecológicas ou interações biológicas. Essas relações se diferenciam pelos tipos de dependência que os organismos vivos mantêm entre si. Algumas dessas interações se caracterizam pelo benefício mútuo de ambos os seres vivos, ou de apenas um deles, sem o prejuízo do outro. Essas relações são denominadas harmônicas ou positivas. Outras formas de interações são caracterizadas pelo prejuízo de um de seus participantes em benefício do outro. Esses tipos de relações recebem o nome de desarmônicas ou negativas. Tanto as relações harmônicas como as desarmônicas podem ocorrer entre indivíduos da mesma espécie e indivíduos de espécies diferentes. Quando as interações ocorrem entre organismos da mesma espécie, são denominadas relações intra-específicas ou homotípicas. Quando as relações acontecem entre organismos de espécies diferentes, recebem o nome de interespecíficas ou heterotípicas. No caso da Mata dos cocais essas interações são facilmente mais freqüentes, devido a própria situação ecológica do bioma, por se tratar de uma zona de transição entre o bioma Amazônico e o bioma da Caatinga, por conta disso haverá mais espécies o habitando e conseqüentemente, mais espécies interagindo.
  13. 13. 5. Importância Econômica De acordo com CARVALHO (1998), a região é considerada a de maior concentração de plantas oleaginosas do mundo e fonte da maior produção extrativista vegetal do país. Desta afirmação já se percebe o potencial econômico da mata dos cocais. Dentre as espécies de valor econômico, destacam-se o Babaçu e a Carnaúba. Babaçu: CARVALHO (1998) afirma que o babaçu é uma matéria-prima explorada extrativamente que apresenta enorme potencialidade, tanto do ponto de vista econômico quanto social. Uma única arvore de babaçu é capaz de produzir até 2.000 frutos por ano, cada um contendo de 3 a 4 sementes oleaginosas que, devido à alta concentração de matérias graxas, são a principal fonte de renda das famílias locais. (http://www.infoescola.com/geografia/mata-dos-cocais/) De acordo com a EMBRAPA (1984), citada por TEIXEIRA E MILANEZ (2003), os babaçuais se distribuem numa área de aproximadamente 14,5 milhões de hectares, por sete estados brasileiros (Maranhão, Tocantins, Piauí, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e Espírito Santo), com um potencial produtivo estimado em 15 milhões t/ano, sendo realmente aproveitados somente 30% do estimado. A coleta e quebra do fruto dessa Palmacea chega a empregar até 2 milhões de pessoas durante o pico da safra. Os principais produtos comerciais extraídos da palmeira de babaçu são o óleo (extraído da amêndoa) e a torta (que resulta do processo). A amêndoa representa 7% do peso total do fruto e as fibras (epicarpo), 11%, que, se totalmente aproveitadas, gerariam 1,5 milhão de t/ano. De acordo com LORENZI (1996), o babaçu é a maior fonte mundial de óleo silvestre para uso doméstico. Os óleos extraídos do babaçu são usados na indústria de alimentos, medicamentos e cosméticos, além da fabricação de produtos de limpeza (sabões) e glicerina
  14. 14. Só no Estado do Maranhão estima-se que mais de 300 mil famílias vivam do extrativismo do babaçu que, na maioria dos lugares, ainda têm suas amêndoas extraídas de forma rudimentar: mulheres e crianças se encarregam de colher os cachos carregados e depois quebrar os frutos extremamente duros. A “quebradeira”, como é chamada a pessoa encarregada de quebrar os frutos para extrair as amêndoas (geralmente crianças), apóia o fruto sob o fio de um machado e, depois de golpeá-lo várias vezes com um pedaço de pau, finalmente extrai o precioso fruto. As folhas do babaçu são aproveitadas para a cobertura de casas; o palmito serve como alimento para o gado; as fibras são utilizadas na confecção de um rico artesanato, com cestos, bolsas, abanos, esteiras, peneiras, e até mesmo portas e janelas. Do coco se extrai etanol, metanol, coque, carvão, alcatrão, acetato e gases combustíveis. A casca pode ser usada para repelir insetos quando queimada e, além disto, devido à crescente demanda por matéria-prima pela indústria de base florestal e, conseqüentemente, ao aumento do seu preço, os resíduos de natureza lignocelulósica vêm despertando interesse cada vez maior. Dentre esses resíduos, a casca de babaçu apresenta-se como alternativa, uma vez que há grande disponibilidade desse material em alguns estados do Norte e Nordeste, adicionado ao fato de que ele irá contribuir para amenizar os impactos ambientais. (FARIA, 2008) Segundo ALMEIDA et al. (2002), os resíduos de babaçu são usados como biomassa para a produção de energia, na maioria das vezes através da queima direta, agregando pouco valor à matéria-prima. Carnaúba: Como tudo dessa palmeira pode ser aproveitado (folhas, caule, fibras), o nordestino denominou-a “árvore da providência”. (GEOGRAFIA BRASIL, 2008) A cultura da carnaúba é um perfeito exemplo da utilização sustentável dos recursos naturais, não agredindo o meio ambiente em nenhuma das etapas do seu processo.
  15. 15. Os frutos da carnaúba, inteiros, são basicamente aproveitados pelos animais de criação; de sua polpa, extrai-se uma espécie de farinha e um leite que pode substituir o leite do coco-da-bula. Exemplo máximo da adaptação do homem às condições de subsistência, a amêndoa da carnaúba, quando torrada e moída, costuma até mesmo ser aproveitada localmente em substituição ao pó de café. O lenho da carnaúba é resistente, podendo ser usado no fabrico de moirões, na construção de edificações rústicas e como lenha pesada. Inteiro, o estipe (caule) da carnaúba costuma ser usado como poste; fragmentado ou serrado, fornece ótimos caibros, barrotes ou ripas, podendo também ser aplicado na marcenaria de artefatos torneados, tais como bengalas e objetos de uso doméstico. No Nordeste brasileiro, habitações inteiras são construídas com materiais retirados da carnaúba, da mesma forma como se retiram materiais do babaçu e do buriti. Também com suas folhas fazem-se telhados e coberturas de casas e abrigos; com suas fibras confeccionam-se cordas, sacos, esteiras, chapéus, balaios, cestos, redes e mantas. Imponente, esbelta como a maioria das palmeiras brasileiras, a carnaúba é mais alta do que o babaçu e economicamente mais rentável do que o buriti. Isto porque, além dos frutos, das amêndoas, do estipe, das folhas e das fibras de utilidades variadas, das folhas da carnaúba obtém-se uma cera de grande importância industrial. A cera, principal produto obtido da carnaúba, é, ainda hoje e na maioria dos carnaubais, extraída por processos manuais bastante rudimentares. Em geral, o procedimento adotado é o seguinte: depois de cortadas, as folhas jovens das palmeiras são estendidas pelo chão e postas ao sol, por vários dias, para secar. Quando as folhas secam e a película de cera que as recobre se transforma em um pó esfarinhado, elas são levadas para um quarto escuro, sem janelas, de construção simples. Ali, são rasgadas com grandes garfos de madeira e começa a "batedura": as folhas são violentamente batidas até que toda a cera se desprenda, na forma de minúsculas escamas brancas, e possa ser separada da palha rasgada. Depois que esse pó se assenta, ele é varrido, recolhido e levado ao fogo, com um pouco de água, em grandes latões de querosene. Essa calda transforma-se em uma pasta esverdeada, que é jogada
  16. 16. em uma prensa rústica de madeira, a partir da qual se obtém uma cera liquida que, depois, é despejada em gamelas de barro ou de madeira até esfriar. Assim é obtido o chamado "pão de cera de carnaúba" que é vendido para as indústrias e usinas como matéria- prima para a fabricação de uma imensa variedade de produtos. As principais aplicações da cera de carnaúba são: • Informática (chips, tonners, código de barras, matrizes de discos); • Polidores (pisos, móveis, carros, couro); • Indústria alimentícia, farmacêutica e cosmética; • Tintas; • Papel carbono; • Filmes plásticos e isolantes térmicos; • Lâmpadas incandescentes; • Lubrificantes; • Velas; • Ácidos; • Fósforos. Na extração do pó cerífero, o rejeito das palhas se transforma em adubo orgânico. Na produção da cera bruta a água é utilizada como solvente. Já nas indústrias, durante o processo de clareamento, a reação do peróxido de hidrogênio libera no ambiente água (vapor d’água) e oxigênio. Apesar de ter tantas qualidades, de oferecer tantos produtos diferentes e de crescer com facilidade em qualquer clima tropical, é apenas no particular ambiente seco das caatingas do Nordeste do Brasil que a carnaúba produz a cera em condições de exploração econômica. Porém, o processo de fabricação da cera envolve um conjunto de operações que, em virtude das técnicas rudimentares utilizadas no Nordeste brasileiro, geram um produto de qualidade inferior ao exigido pelos processos industriais. Mesmo assim, o Brasil é um grande produtor e exportador do pó e da cera de carnaúba, sendo o Estado do Piaui o seu principal fornecedor, seguido pelo Ceará e pelo Rio Grande do Norte.
  17. 17. Os maiores e mais densos carnaubais do país encontram-se nessa região que, ano após ano, é sempre a mais atingida pelas secas no Brasil. (SÃO FRANCISCO, 2009) 6. Pressões Antrópicas: Embora aproveitada, em parte, de maneira ordenada por várias comunidades extrativistas que exercem suas atividades sem prejudicar essa formação vegetal, a Mata de Cocais também é seriamente ameaçada pela ampliação das áreas de pasto para a pecuária, principalmente no Maranhão e no norte do Tocantins. (SÃO FRANCISCO, 2009) A ocupação da área dos cocais, especificamente do município de Caxias – MA, ocorre desde fins do século XVII, quando o Marquês de Pombal criou a Companhia Geral do Comércio do Maranhão e Grão-Pará, para impulsionar o desenvolvimento econômico da região. Com a proposta de incentivar e melhorar a produção agrícola da região, a Companhia é responsável pela entrada de cerca de 10.000 escravos em 20 anos de funcionamento, usados no incremento da cultura do arroz e algodão, principais produtos de exportação. Analisando numa perspectiva da relação humana com a natureza, já se verifica uma grande mudança socioeconômica que, como conseqüência, vem transformar a paisagem física e cultural das áreas atingidas pelo agrarismo incentivado pela Companhia. A partir de 1730, o avanço do povoamento seria resultante da implantação das fazendas de gado, oriundas do interior do São Francisco e que se espalharam pelos sertões. Protagonistas de verdadeiras disputas de terras com as tribos indígenas que ocupavam as áreas, vaqueiros e criadores vinham em busca de pasto para os seus rebanhos. Ao contrário da ocupação através de incentivos públicos, a ocupação pastoril era patrocinada por iniciativa dos próprios boiadeiros, como eram conhecidos os proprietários das fazendas. Desde então, grupos agroempresariais se sentem atraídos para se instalar na região da mata dos cocais, criando fazendas-empresas na região para o plantio de eucalipto, cana-de-açúcar e criação de gado.
  18. 18. Do ponto de vista ambiental, apesar de as empresas se comprometerem em desenvolver seus projetos dentro de um conjunto de atividades que garantissem o prevalecimento da perenização das florestas, evitando sua degradação exaustiva, isto não se consagrava, já que diversas fazendas promoviam, mediante decreto do próprio governo estadual, desmatamento a fim de implantarem projetos de celulose e cana-de-açúcar, chegando a um total de 65 mil hectares de babaçuais (MAY apud ANDRADE, 1995). Em 1980, o então governador do Estado assinou um decreto protegendo os babaçuais, exceto em áreas de implantação de projetos de desenvolvimento agrícola, protegendo na realidade, os grupos agroindustriais que, agora amparados, promoveram destruição ambiental e expulsões através de incêndios em vários povoados na região de Caxias, atingindo populações tradicionais que viviam nas grandes propriedades. Após vários anos de luta, em 1980 algumas propriedades começaram a ser desapropriadas e muitas famílias de outras áreas da zona rural e da zona urbana se instalaram na área, provocando um movimento migratório em sentido inverso ao que se constata normalmente: famílias inteiras rumando da zona urbana para a zona rural, em busca de um espaço para a reprodução familiar. Apesar de estas famílias demonstrarem interesse em utilizar as possibilidades naturais de forma mais equilibrada, os agroempresários que continuam na área dos cocais mantém a ampliação das áreas de pasto para a pecuária, principalmente no Maranhão e no norte do Tocantins. A mata do cocais só tem sobrevivido ao desmatamento devido ao seu rápido crescimento e à importância econômica na região. (LIMA & MORAIS, 2007). 7. Particularidades:
  19. 19. A Região dos Cocais é considerada a de maior concentração de plantas oleaginosas do mundo e fonte da maior produção extrativista vegetal do país. De acordo com LORENZI (1996), o babaçu é considerado o maior recurso oleífero nativo do mundo. É um dos principais produtos extrativistas do Brasil, contribuindo, de maneira significativa, para a economia de alguns estados da federação. Adicionalmente, deve-se levar em conta que a palmeira de babaçu é uma planta de importância socioeconômica e cultural, pois os povos de sua área de ocorrência utilizam-na para os mais variados fins. O interesse em estudar as potencialidades do babaçu só aconteceu a partir de 1973, com a crise do petróleo, embora de maneira bastante discreta. (LORENZI, 1996) Na seca de 1951-52 foi definido o Polígono das secas, área sujeita à repetidas crises de prolongamento das estiagens e, conseqüentemente, objeto de especiais providências do setor público, com 936.993 km² de extensão. Como os estados do Maranhão e do Piauí, nos quais se concentra a maior parte da área de transição amazônica, apresentam rios perenes e grandes reservas de água subterrânea, foram inseridos na área do Polígono das secas como solução, para receber excedentes populacionais da área assolada. Dessa maneira, função seria a de atenuação dos efeitos sociais da seca, principalmente pela absorção da mão-de-obra liberada durante os períodos mais críticos que afetam o Sertão e a regulação da oferta de alimentos. (WIKIPEDIA, 2009 e REBOUÇAS, 1997) A foz dos rios brasileiros é, sobretudo, em estuário: deságuam no mar num terminal só. Uma exceção é o rio Parnaíba, que atravessa a mata dos cocais entre o Maranhão e o Piauí, e que deságua em delta, com várias embocaduras no oceano. (WIKIPEDIA, 2009) A carnaúba é uma das palmeiras mencionadas por Martius, o naturalista e botânico tomado pela exuberância da terra. Mas não é apenas mais uma delas: é especial. Tão especial que não escapou à atenção de escritores como Mário de Andrade, Guimarães Rosa, José de Alencar e Euclides da Cunha, entre outros, que souberam destacar, em sua obra literária, a total integração do homem regional ao ambiente em que vive. E a carnaúba, planta de grande longevidade, tem sido testemunha viva e participante ativa dessa integração.
  20. 20. Quando no século XVIII, o também naturalista Humboldt conheceu a carnaúba em terras brasileiras, impressionou-se de tal forma com as numerosas e importantes finalidades da planta, que passou a chamá-la de "árvore da vida". Palmeiras - disse Martius - abundam na terra brasílica, medram nas areias do litoral,crescem nas campinas infindas , levantam-se destemidas e orgulhosas nos paius e brejos, expandem sobranceiras suas lindas frondes por entre o verdume me das florestas e vivem mesmo no ressequido solo das caatingas...Grandes ou pequenas surgem em toda parte, nas praias sobre os cômores, nas encarpas das rochas, no solo fértil e no estéril. (SÃO FRANCISCO, 2009). 8. Bibliografia: FARIA, Camila. Biomas. [online]. Disponível em: <www.infoescola.com/geografia/bioma/>. Acesso em 21 de setembro de 2009. FARIA, Caroline. Mata dos Cocais. [online]. Disponível em: <http://www.infoescola.com/geografia/mata-dos-cocais/>. Acesso em 21 de setembro de 2009. BIOMA. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2009. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php? title=Bioma&oldid=16957216>. Acesso em: 21 de setembro 2009. Resolução CONAMA nº 12, de 04 de maio de 1994. Disponível em: <www.lei.adv.br/012-94.htm>. Acesso em 21 de setembro de 2009. LIMA, A Moras et al. Utilização de fibras (epicarpo) de babaçu como matéria-prima alternativa na produção de chapas de madeira aglomerada. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php? pid=S0100-67622006000400018&script=sci_arttext&tlng=en>. Acesso em 21 de setembro de 2009. MUNDO EDUCAÇÃO. Mata dos Cocais. [online]. Disponível em: <http://www.mundoeducacao.com.br/geografia/mata-dos-cocais.htm>. Acesso em 22 de setembro de 2009.
  21. 21. SÃO FRANCISCO. Mata dos Cocais. [online]. Disponível em: <http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-mata-dos- cocais/mata-dos-cocais-1.php>. Acesso em 22 de setembro de 2009. SÃO FRANCISCO. Carnaúba. [online]. Disponível em: <http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/carnauba/carnauba.php>. Acesso em 22 de setembro de 2009. CARNAÚBA. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2009. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Carnaúba>. Acesso em: 22 de setembro 2009. FESMADAJEKABIOMAS. Mata dos Cocais. [online]. Disponível em: <http://fesmadajekabiomas.blogspot.com/2007/11/mata-dos-cocais.html> Acesso em: 22 de setembro de 2009. SOUZA, Nilson. Conservação Ambiental na Área de Tensão Ecológica da Porção Centro-norte da Bacia do Parnaíba: Relatório em Andamento. 2006. III – Encontro da ANPPAS, Piauí. GEOGRAFIA BRASIL. Mata dos Cocais. [online]. Disponível em: <http://geografiabrasil.wordpress.com/2008/03/20/mata-dos-cocais/> Acesso em: 22 de setembro de 2009. LIMA & MORAIS. De Expansão Pecuária a Transformação Ambiental Positiva na Região dos Cocais – O Caso do Assentamento Caxirimbu em Caxias – MA. Disponível em: <http://www.ecoeco.org.br/conteudo/publicacoes/encontros/vii_en/mesa4/trabal hos/de_expansao_pecuaria.pdf> Acesso em: 22 de setembro de 2009. REBOUÇAS, Aldo da C. Água na região Nordeste: desperdício e escassez. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0103-40141997000100007>. Acesso em: 22 de setembro de 2009.
  22. 22. POLÍGONO DAS SECAS. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2009. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Pol %C3%ADgono_das_secas>. Acesso em: 21 de setembro 2009. PLANALTO DO MARANHÃO-PIAUÍ.. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2009. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Relevo_do_Brasil#Planalto_do_Maranh.C3.A3o- Piau.C3.AD>. Acesso em: 21 de setembro 2009.

×